Navigation – Plan du site

Fernand Braudel e Vidal de La Blache : Geohistória e História da Geografia

Fernand Braudel et Vidal de La Blache : Géohistoire et Histoire de la Géographie
Larissa Alves de Lira

Résumés

“Songez à l’histoire géographique que nous avons essayé de promouvoir et de baptiser géohistoire”(Braudel, 1951, p. 486). Selon la date de la citation, 1951, l’œuvre qui marque l’histoire géographique de Fernand Braudel, dans laquelle il estime donner sa contribution à la Géohistoire, est la première édition de “La Méditerranée et le Monde Méditerranéen à l’époque de Philippe II” (1949). Reconnu des historiens, c’est dans cet ouvrage que l’auteur développe une nouvelle conception du temps, une “dialectique de la durée” (Braudel, 1972, p. 10) et introduit le concept qui révolutionna l’épistémologie de l´Histoire du XXe siècle : la “longue durée”.

La longue durée, la dialectique de la durée, dans l’étude de l’histoire qui jusqu’alors se souciait exclusivement du “temps bref”, surgit dans “La Méditerranée” doté d’un sens précis : il parle d’un “temps géographique” (Braudel, 1983, p. 26). Malgré cela, on porta peu d’attention à la conception de l’espace de Fernand Braudel, tout comme aux relations qu’il entretenait alors avec les géographes fondateurs de la discipline.

Cet article a pour ambition de réhabiliter un débat qui fut longtemps très actif dans le monde de la géographie : celui du déterminisme. Il s’agit de rétablir et de clarifier les relations entre Fernand Braudel, Vidal de la Blache et Lucien Febvre. Il s’agit enfin de mettre en lumière la conception de l’espace selon Fernand Braudel.

L’article s’articule autour d’une comparaison bibliographique, et de l’historique de la bibliographie des trois auteurs de référence : “La Méditerranée” de Braudel ; “Principes de la Géographie Humaine” de Paul Vidal de La Blache ; La Terre et l’évolution humaine” de Lucien Febvre. Enfin, nous présenterons un graphique qui organise les principales références théoriques de Fernand Braudel, extraites des notes de la première partie de “La Méditerranée”. Le résultat est l’influence incontestable de Vidal de La Blache dans l’œuvre capitale du grand historien du XXe siècle.

Haut de page

Entrées d’index

Index by keywords :

determinism, Geohistory, long duration, space

Índice de palavras-chaves :

determinismo, espaço, geohistória, longa duração
Haut de page

Texte intégral

1Não passou desapercebida a relação de Braudel com a Geografia. Ainda que raros, alguns debates foram notáveis. Em 1989, Yves Lacoste organizou o livro Ler Braudel que continha seu artigo “Braudel geógrafo”. O autor não busca entender a qualidade de Braudel como grande historiador, mas propõe uma questão : seria Braudel também um geógrafo ? Não se tratava de revisar a grande tese de Braudel, formalizada em 1958 no artigo “A Longa Duração”, nove anos após a edição de sua obra maior, O Mediterrâneo, na qual ele traça a história do mar Mediterrâneo no século XVI. Naquele texto Fernand Braudel aponta a necessidade de uma “inversão de pensamento” pelos historiadores e que “torna-se indispensável uma consciência nítida desta pluralidade do tempo social para uma metodologia comum das ciências do homem”(Braudel, 1972, p. 10 e 11).

2Na primeira edição de O Mediterrâneo, em 1949, Fernand Braudel propõe o debate em linhas resplandecentes : a Geohistória. Dado curioso, este era o nome do capítulo que concluía a primeira parte, O Ambiente, e foi retirado pelo autor na segunda edição da obra, em 1966. Podem ser muitas as indagações sobre o motivo dessa retirada : desde a revisão dos termos teóricos à possível necessidade de atenuar a “polêmica” sobre a geografia:

“Colocar os problemas humanos de tal modo que uma geografia humana inteligente os veja dispostos no espaço e, se possível, cartografados : sim, sem dúvida, mas colocá-los não somente no presente e para o presente, colocá-los no passado, torná-los parte do tempo ; deslocar a geografia de sua busca das realidades atuais, à qual ela exclusivamente- ou quase- se aplica, persuadi-la a repensar, com seus métodos e seu espírito, as realidades passadas e, nesse caminho, o que se poderia chamar os futuros da história” (Braudel, 2005, p. 125)

3François Dosse, historiador francês em A História em Migalhas - Dos Annales à Nova História, defende que um dos campos principais que os Annales pretendia sintetizar em busca da renovação da história é o da geografia vidaliana, juntamente com a economia e a sociologia de Durkheim. Segundo o historiador, a revista, da qual Braudel fora diretor da chamada ‘segunda geração’ (a partir de 1956), tinha como uma das perspectivas mais importantes “fixar a escritura histórica na permanência, na longa duração, em contato com a geografia’ [...]” (Dosse, 2003, p. 119).

4No prefácio à segunda edição de O Mediterrâneo, Fernand Braudel declara como o espaço é para ele de grande valor : “a problemática que é a sua articulação maior [é] essa dialética espaço-tempo (história-geografia)” (Braudel, 1983, I, p. 28). Anos mais tarde, 1986, continuam a pulular as referências à geografia, em outra grande obra do autor : Civilização Material, Economia e Capitalismo. Séculos XV e XVIII, na qual ele revisa as origens do capitalismo na economia-mundo européia. A consideração do espaço se encontra por toda parte, inclusive na definição de outro de seus caros conceitos, o de “economia-mundo”:

“Convém, uma vez mais, medir essas distâncias hostis, pois é no interior destas dificuldades que se estabelecem, crescem, duram e evoluem as economias-mundo. Precisam vencer o espaço para dominá-lo e o espaço nunca deixa de se vingar, de impor novos esforços” (Braudel, 1998, 3v. p. 17)

5Em Identidade da França, sua última grande obra, composta por 3 (três) volumes, o primeiro é intitulado Espaço e História e o terceiro capítulo do mesmo : “Teoria a Geografia inventado a França ?” (Braudel, 1989, p. 221). Em 1985, ano de sua morte, são as seguintes palavras proferidas no “Centro de Encontros de Châteauvallon”, nas Jornadas Fernand Braudel, num debate com o geógrafo Étienne Juillard sobre o ‘determinismo’:

“Sin embargo, voy a tener com Etienne Juillard tal querella que lê pido no responderme. Muchos geógrafos, entre ellos Pierre Gourou, al qual queremos el uno y otro, consideramos como vos, mi querido Etienne, que el espacio contiene una experiencia humana muy variable. Entonces, retiran la experiencia humana y se oldivan del espacio. Los acuso de desespacializar la historia. Poniendo las cosas en su lugar, tengo el sentimento de devolver a la geografia sus antigos derechos, se llame o no determinismo.” ( Braudel, 1996, p. 255).

6Assim, buscar o aprofundamento das suas incursões no campo da geografia leva ao questionamento: qual seria sua concepção de geografia? E, por conseguinte, qual a sua relação com Vidal de la Blache, o fundador da Geografia Contemporânea? As referências a La Blache existem, são numerosas e significativas. O motivo pelo qual poucos geógrafos e historiadores não tenham dado devida importância ao esclarecimento de tal ligação pode estar relacionado à própria interpretação que fazem de sua disciplina no tocante à relação entre a Sociedade e a Natureza que, no início do século XXI, surge como um debate anacrônico no bojo das ciências humanas.

7Braudel, ao listar suas fontes em O Mediterrâneo, situa La Blache ente as obras essenciais. Ou, em 1950, vai mais longe:

 “Há necessidade de expor longamente sua dívida em relação à geografia, ou à economia política, ou ainda à sociologia ? [refere-se à História]. Uma das obras mais fecundas para a história, talvez mesmo a mais fecunda de todas, terá sido a de Vidal de La Blache, historiador de origem, geógrafo de vocação. Diriam de bom grado que o Tableau de la geographie de la France, publicado em 1903, ao umbral da grande história da França de Ernest Lavisse, é uma das maiores obras não apenas da escola geográfica, mas também da escola histórica francesa.” (Braudel, 1992, p. 50).

8Outras referências ainda constam, sendo estas já significativas o suficiente para começar a estabelecer a ligação entre Fernand Braudel e Vidal de La Blache1. No entanto, para compreender a influência do “geógrafo”, não basta apenas pesquisar o que foi dito por ele próprio, mas também qual a interpretação de seus continuadores, em especial o historiador Lucien Febvre, que, além de ser considerado um dos principais intérpretes da geografia vidaliana, ainda mantinha contatos estreitos com Braudel, sendo, segundo ele, seu mestre2.

Fernand Braudel, Vidal de La Blache e Lucien Febvre

9Para nós, um primeiro problema se coloca : é certo que existe uma concepção de espaço em Fernand Braudel e que relaciona História e Geografia, entendendo o tempo não mais como propriedade da história, mas do conjunto das ciências humanas. É isto que nos indica, a priori, a construção da história de um mar. Resta saber qual o conteúdo desta concepção, bem como suas influências.

10Isto posto, há que se notar na leitura da primeira parte de O Mediterrâneo, ‘O Ambiente’, que na análise das situações empíricas estudadas em seu livro, como as montanhas e as planícies no século XVI, ou as cidades e as rotas, entre muitos outros exemplos, o paradigma geográfico da ‘unicidade do espaço’ e do ‘homem com um ser geográfico’, pois dotado de ‘ubiqüidade’, como teoriza Vidal de La Blache, estão amplamente incorporados por Braudel. A história de Braudel não se centra nos indivíduos, mas no que ele chama de “movimentos de conjunto” (Braudel, 1983, p. 397) , observados em movimentos no espaço : das planícies às montanhas, do Mediterrâneo ao Atlântico.

11Além disso, após uma longa comparação qualitativa que aproximou os autores em várias de suas concepções teóricas (ver mais adiante), realizamos um fichamento das notas da primeira parte de O Mediterrâneo, denominado “Geografia das Fontes de Fernand Braudel” (LIRA, 2007, 4º relatório), em que ficou demonstrado que Vidal de La Blache é o autor mais citado da primeira parte, inclusive entre os historiadores, e em partes mais diversas da obra (ver gráfico 1).

12Todas essas questões nos levam a possibilidade de aproximar Fernand Braudel e Vidal de La Blache. Isso também credencia a idéia de que é apenas na leitura da disciplina geográfica contemporânea sobre a história de seu pensamento, com os instrumentos de que dispõe, que esta discordância surge. Afinal, por que, a despeito de suas próprias declarações, não se buscou observar a relação teórica entre um dos maiores historiadores do século XX e o geógrafo fundador ? Seria por uma ‘falsa’ noção quanto ao anacronismo do último?

13Mesmo a famosa frase de Vidal de La Blache, de que a Geografia estuda o que é fixo, deveria, na perspectiva de Braudel, ser relida sob novas determinações. De fato, esta visão de mundo de Fernand Braudel se baseia no movimento. Mesmo a estrutura, os espaços, para Braudel, estão em movimento. Lacoste também entende que sua geografia é uma geografia do movimento, das ações, que leva em conta “fenômenos que pertencem à instância do político, como o Estado, as fronteiras, a guerra” (Lacoste, 1989, p. 193). Uma geografia unicamente preocupada com o que é fixo, como se acusa Vidal de La Blache, estaria automaticamente descredenciada a servir de referência a tal concepção de espaço.

14E é justamente o mestre, Lucien Febvre, quem introduz o tema ‘de uma geografia fixa’ no debate geográfico, através da grande obra de referência, A terra e a Evolução Humana, editada em 1921. Nesse livro, Lucien Febvre, ao responder as críticas a uma Sociologia nascente a uma Geografia não menos nova, credencia a crítica e acaba por pregar uma atitude ideográfica no tocante à ciência geográfica, se afastando da concepção laclachiana e do que viria a ser uma concepção braudeliana de geografia.

15Esta questão, de como o próprio Febvre incorpora as críticas da Sociologia, é demonstrada na citação seguinte. Ao contrário do que se difunde, as críticas a Vidal de La Blache, neste livro, existem, a despeito de serem raras. Isto é o que pode ter causado uma ‘falsa’ impressão de que Lucien Febvre, apenas pela sua vontade, poderia se colocar como um ‘teórico’ da geografia vidaliana. Na verdade, ele desvia o foco de atenção de algumas declarações de geógrafo. Em dado momento, ele declara, “outras objecções dos sociólogos, têm, evidentemente, mais cabimento e definem com mais nitidez o alcance da acusação de ambição [à geografia].” (Febvre, 1954, p. 488):

 “[...] e repitamos com Durkheim- desta vez sem reservas nem limitações : não há dúvida de que as influências geográficas estão longe de ser desprovidas de importância ; ‘mas não parece que tenham o tipo de preponderância que se lhes atribui... Entre todos os traços constitutivos dos tipos sociais não há nenhum, que nós saibamos, que eles possam explicar’. E acrescenta : aliás, como seria isso possível, ‘uma vez que as condições geográficas variam de lugar para lugar, enquanto se encontram tipos sociais idênticos (abstração feita das alterações individuais) nos mais diversos pontos do globo ?’” (Febvre, 1954, p. 448)

16Assim, a concepção de fundo de Lucien Febvre, em relação à Geografia é que não existem fatos geográficos que sirvam de explicação aos fatos sociais. Não é esta concepção de Braudel, e menos ainda a interpretação de Braudel acerca da obra vidaliana. E, o que é mais importante, Fernand Braudel silencia sobre a obra geográfica do mestre em O Mediterrâneo. A Terra e A Evolução Humana não consta em sua bibliografia, mesmo tendo sido considerada uma obra capital no debate geográfico3.

17Portanto, está clara uma sensibilidade de Fernand Braudel que muitos outros geógrafos que ainda credenciam Lucien Febvre como o teórico da geografia francesa, não tiveram. A geografia de Lucien Febvre e de Vidal de La Blache são diferentes ; de tal forma que Fernand Braudel teve que escolher entre ambas. E isso também se explica pelo contexto em que foram produzidas. Contexto este que Fernand Braudel pode interpretar, ou nos indicar esta interpretação.

A década da Geografia

18A década de 20 parece ter sido um momento muito singular para a geografia francesa. Ambos os livros, A Terra e a Evolução Humana, de Lucien Febvre, e Princípios de Geografia Humana, de La Blache, foram publicados muito próximos, 1921 e 19224. No entanto, Lucien Febvre não cita, não faz referência a Princípios de Geografia Humana. Ocorre que este foi o único livro teórico de Vidal de La Blache, inacabado pela surpresa da morte e editado por Emmanuel De Martone. A leitura de O Mediterrâneo de Braudel, além de mostrar que Vidal de La Blache é o autor mais citado da primeira parte, aponta que é a obra Princípios que o historiador mais valoriza (LIRA, 2007, 4ª rel). Mas Lucien Febvre, ao redigir sua obra, não teve contato com esta outra, tendo como principal material de consulta os artigos publicados na revista Annalles de Geographie5. Porém, o próprio Emmanuel De Martone nos indica a originalidade do livro frente aos escritos anteriores de Vidal de La Blache:

 “A segunda e a terceira partes, inteiramente manuscritas, não constatavam, à parte dois ou três capítulos redigidos em definitivo, senão de consideráveis dossiers de notas e de rascunhos. Para aproveitar convenientemente esses dossiers, foi necessário um paciente trabalho[...]. No decorrer deste delicado trabalho, sentimo-nos amparados pelo prazer de ver desabrochar, nas páginas manuscritas de mais difícil destrinça, as idéias mais originais e fecundas.” (De Martone, 1921, p. 19 e 20).

19Isso nos é bastante importante. Foi o conteúdo dos tópicos “As Formas de Civilização” e “a Circulação” e também a Introdução, “Significado e Objeto da Geografia Humana”, com os quais Lucien Febvre não tomou contato ao escrever a obra a Terra e a Evolução Humana. A julgar pela obra de Braudel, cujo centro da análise histórica se colocou na possibilidade da “Circulação” estes podem ser justamente os componentes mais importantes da obra vidaliana, diferentemente do que se costuma a apreender de Vidal de La Blache, cuja ‘suposta’ atenção é dado ao que é’ fixo’.

20Assim, é neste momento, enquanto a Geografia Francesa não possui um suporte teórico-metodológico reunido, que a disciplina começa a sofrer críticas da Sociologia, que fundava a Morfologia Social. Críticas que são principalmente para Raztel, mas que procedem, como Febvre bem nota, como se toda a teoria e a produção geográfica, pudesse se resumir à escola alemã.

21Assim, o primeiro esforço pessoal de sistematização da ciência geográfica francesa, publicado e editado pelo próprio autor, de vem de Lucien Febvre, um historiador que responde a um debate que não nasceu da Geografia, mas da Sociologia. Adepto de uma escola historiográfica que prezava pela união entre a história e a geografia, que, segundo seus escritos, tem como principal expoente Michelet, Febvre se vê obrigado a fazer este primeiro esforço teórico, mas acaba por colocar questões que, como o livro teórico de Vidal de La Blache esclarecerá pouco mais tarde, não fazem parte dos fundamentos da geografia francesa, mesmo que ele entenda ser um de seus “representantes”. Assim, as limitações de Febvre podem se tratar, na verdade, dos próprios textos disponíveis ao autor no momento de suas reflexões.

Fernand Braudel e Vidal de La Blache : aproximações teóricas.

22Um estudo comparativo da primeira parte de O Mediterrâneo, na qual Fernand Braudel desenvolve sua concepção de “estrutura da história” e de “longa duração”, à obra Princípios, de Vidal de La Blache, surpreende o pesquisador atento. Esta concepção, como entende o próprio Braudel, trata-se, antes de mais nada, de uma “filosofia de história” (Braudel, 1983, p. 22). Quais são as mais importantes referências dessa filosofia?

23Através das declarações e utilização das concepções de Vidal de La Blache, perseguidas durante toda a primeira parte do livro, é que podemos inferir que esta filosofia da história teve contribuições de idéias centrais do geógrafo.

24É justamente em relação às montanhas que Fernand Braudel retira de Vidal de La Blache as informações mais valiosas – e são as mesmas montanhas que, em O Mediterrâneo, são analisadas com surpreendente originalidade : focado não só na grande história, das belas e já grandes cidades mediterrânicas, mas também nos seus cantões. A primeira parte de seu texto que tem como fonte Vidal de La Blache é a seguinte : “Que a montanha é um refúgio contra os soldados ou os piratas, é um lugar comum referido por todos os documentos, a começar pela Bíblia. Por vezes, esse refúgio se torna definitivo” (Braudel, 1983, p. 41). Em nota, o autor declara : “é o ponto de vista de Paul Vidal de La Blache” (Braudel, 1983, p. 41). Também se referindo às montanhas, ele cita outro geógrafo, ao longo do texto:

 “Para o geógrafo J. Cvijic a montanha do centro balcânico (compete-nos a nós alargar ou não a outras zonas as suas observações) é o domínio por excelência do habitat disperso, do lugarejo, enquanto as planícies são, pelo contrário, o domínio do povoamento tipo aldeia”. (Braudel, 1983, p. 42)

Em nota, faz os seguintes comentários : “sobre esta questão, duas brilhantes páginas de Paul Vidal de La Blache, Principes de Géographie Humaine” (Braudel, 1983, p. 42) . E também : “Paul V. de La Blache salienta: ‘É destes povos que Constantino Porfirogeneta escrevia : não podem suportar que duas cabanas estejam próximas uma da outra’” (La in Braudel, 1983, p. 42).

A partir destas informações podemos pensar que esta é uma citação em que se busca o geógrafo essencialmente como fonte de dados. De fato, mas além disso, é preciso lembrar que nesta altura do texto de Fernand Braudel, ele engendra uma discussão sobre qual a verdadeira característica da montanha mediterrânica, se seriam elas pobres ou pouco povoadas. Neste aspecto, o autor concorda com Vidal de La Blache: são essencialmente lugares dispersos. Essa abordagem conduz a um questionamento de extrema importância: qual o valor da geografia na análise da realidade? As unidades geográficas teriam como principal diferença entre si a variedade dos fenômenos humanos que comportam ou a expressão de um fenômeno geográfico permanente? Fernand Braudel aposta na última resposta, como dá a entender no diálogo acima citado com Etienne Juliard, e entende que a principal interferência da geografia na análise da realidade é quanto à permanência e à possibilidade de circulação.

Ainda sobre as montanhas, a citação seguinte revela outra noção bastante importante que Braudel retirou do livro Princípios de Vidal de La Blache. Trata-se da noção de que no Mediterrâneo não há montanhas fechadas e os espaços estão em comunicação:

 “Não há no Mediterrâneo as montanhas fechadas a sete chaves tão vulgares no extremo Oriente (China, Japão, Indochina, Índia e, até, na península de Malaca), montanhas que, sem quaisquer comunicações com a planície, são forçadas a constituir-se em mundos autônomos”. (Braudel, 1983, p. 51)

25Quase toda esta citação ele retira do livro do geógrafo. Este, ao comparar as montanhas do Mediterrâneo às montanhas do Oriente, entende que, apesar do relativo isolamento das montanhas do Mediterrâneo em relação à planície, elas permanecem em relação, ao contrário do que ocorre no Oriente, onde essas unidades existem separadamente (La Blache, s/d, p. 232).

26Esta é outra idéia bastante cara a Braudel que se encontra também em Vidal de La Blache : a noção de que espaços que divergem entre si também se complementam. Num raciocínio bastante geográfico, tanto Braudel como La Blache não concebem o espaço unicamente por suas características diferenciadas, mas também do ponto de vista das comunicações.

27Assim, “a totalidade das vantagens não ocorre em cada cantão” (Braudel, 1983, p. 53) e segundo Braudel, é isso que está na base da circulação ser entendida como motor da história. O pão de castanhas, “pão de árvore”, segundo La Blache, é um alimento precioso em Cevenas e na Córsega, por exemplo : “Há montanhas de castanheiros (Cevenas, Córsega) onde o precioso pão de castanhas, ‘pão de árvore’ [referência a La Blache] (Braudel, 1983, p. 53), de amendoeiras, como as que Montaigne viu à volta de Lucques em 1581, e as das zonas altas de Granada” (Braudel, 1983, p. 53). Ainda que o historiador não tenha citado o geógrafo relacionando-o diretamente a esta noção fundamental das trocas, não é de pouca importância que tenha inserido uma citação de La Blache neste ponto.

28No livro Princípios de Geografia Humana, esta concepção aflora justamente quando La Blache discute a formação de núcleos segundo o tipo agrícola que predomina, ao dizer que os estabelecimentos humanos cristalizam-se obedecendo à atração de certas condições propícias, onde encontram garantia de segurança. Ou seja, os homens, para se manterem vivos, precisam se especializar em determinadas culturas, pois nenhum meio pode lhes oferecer todas. Neste ponto, no entanto, não há referência ao comércio, mas “as linhas de contato”, “que são o comentário flagrante da força de atracção que os mantém unidos” (La Blache, s/d, ed. Port., p. 238). Ou seja, é pela troca, para satisfação das necessidades, que se formam linhas de contato que os mantém agregados. Esta é uma força que, assim com entende Braudel, está acima do domínio dos homens.

29E da mesma forma que versa sobre as montanhas, as planícies também é tema de Vidal de La Blache. Esta é uma oportunidade para notar, que, de fato, a oposição montanha e planície, tanto para La Blache como para Braudel, se assenta na diferença de circulações que as duas estruturas geográficas permitem.

 “A Apúlia, vasto planalto de calcário de baixa altitude e virado a Leste, na direcção da Albânia, da Grécia, do Oriente, está igualmente aberta à circulação, sendo atravessada por duas extensas linhas paralelas de povoações : uma na costa, de Barletta a Bari e a Lecce, e outra, desviada 10 km para o interior, ligando Andria a Bitonto e Putignano*”. (Braudel, 1983, p. 65).

30No entanto, La Blache ressalta que a vasta planície é lugar primordial de povoamentos densos, devido à alta fertilidade de seu solo. E para ele, assim como para Braudel, a ocupação densa cria pontos de apoio ao comércio, às migrações, etc.

31Assim, podemos perceber que, tal como segue na citação, que também Vidal de La Blache serve a Braudel como fonte sobre o tema da circulação, uma das principais inovações do pensamento braudeliano introduzidas na historiografia. Isso nos indica, ao mesmo tempo, que a certeza de que La Blache trate essencialmente de um “Mediterrâneo estreito”, não significa que muitas das noções braudelianas já não possam se encontrar materializadas neste Mediterrâneo menor, entre montanhas e planícies. Há uma dinâmica geográfica que se reproduz em outras escalas no pensamento braudeliano, mas que é ao mesmo tempo de grande feito que esta dinâmica possa já ser vista no pensamento lablachiano.

 “estes pequenos meios, todavia, não poderiam bastar para tudo. Se Cartago, isolada no ‘mar da Sicília’ ; se Marselha, na extremidade do mar Tirreno ; se, muito mais tarde, Génova conseguiram desempenhar um tão grande papel, foi por terem sabido resolver, como observou Vidal de La Blache, o grande problema das navegações para o Oeste, submetidas ao vento de Leste, o perigoso Levante, e ao mistral” (Braudel, 1983, p. 143).

32Sabemos, portanto, que a ligação entre os espaços é vista em La Blache. Braudel comenta que La Blache atentou a este fato, ao falar do “vaivém de burros entre as aldeias” (Braudel, 1983, p. 167), entre a riviera genovesa e as velhas aldeias de montanha. Da mesma forma, ao falar das ilhas, que no Mediterrâneo são autênticas montanhas, e são exportadoras de homens : “ainda hoje assim é. Atente-se nos naturais de Djerba espalhados pela África do Norte e um pouco por todo o mundo, ou nos horticultores de Malta e de Mahon” (Braudel, 1983, p. 181).

33Também há citações de outros livros de Vidal de La Blache que não são dos Princípios de Geografia Humana. Questões políticas também são evocadas (Braudel, 1983, p. 66), assim como, novamente, o tema das ilhas (Braudel, 1983, p. 175). Há também um tema muito importante que se refere aos ‘bicontinentes’, onde Braudel evoca a noção de que meios diferentes são também complementares, e que as penínsulas, por tal força geográfica, vivem por isso em pares (Braudel, 1983, p. 188). Por fim, há informações das técnicas da geografia (Braudel, 1983, p. 189).

A concepção de espaço de Fernand Braudel : montanhas e planícies unidas pela transumância.

34Aqui, optou-se por desenvolver uma das ‘dicotomias espaciais’ expressas no Mediterrâneo como exemplo da concepção de espaço do autor : a oposição entre as montanhas e as planícies. Fernand Braudel enxerga o espaço numa relação de dicotomia e unidade, e em escala. A unidade é dada pela circulação, e neste sentido, aceita os contrastes. De acordo com o desenvolvimento das técnicas, muda-se a escala, pois falamos de circuitos cada vez mais amplos.

35Montanhas e planícies que se unem pela transumância ; o deserto e o Mar, na escala do Mediterrâneo, que se unem pelas caravanas ; O Mediterrâneo do Ocidente e do Oriente, que se tocam pela navegação de cabotagem de pequenos barcos ; o Mediterrâneo e o Atlântico, na escala do mundo, unidos pelos grandes veleiros. São diferentes unidades de que se fala, construídas ao longo da história.

36“O Mediterrâneo é um mar encerrado entre terras” (Braudel, 1983, p. 35). Na escala das penínsulas do Mediterrâneo, a montanha e a planície são muito contrastantes. Dessa diferença entre as regiões surge um conjunto de homens com necessidades diversas, montanheses e cidadãos, de acordo com a unidade do meio em que foram criados, e tudo isto o pré-requisito para que se estabeleça a circulação como uma estrutura desses lugares.

37Nada nas montanhas “recorda o Mediterrâneo em que floresce a laranjeira” (Braudel, 1983, p. 38) . Nestes lugares, o rigor dos invernos é surpreendente, e também nos verões, a neve ainda está em seus cumes. As montanhas são os núcleos mais isolados, com características específicas, de desenvolvimento lento, de um arcaísmo marcante, contrastando com as planícies. Assim, a montanha continua a ser, segundo Braudel, uma zona de dissidência religiosa, de permanência mulçumana.

38As montanhas, portanto, impõem-se às planícies. Impõem-se porque a planície carece de um grande recurso que a montanha possui : o homem que trabalha. É que a população das montanhas é móvel, e suas próprias características físicas não permitem o desenvolvimento de populações abundantes, mas que não cessam de crescer. Assim, no pensamento braudeliano, a pobreza da montanha é secundária perto do “movimento” que ela permite (Braudel, 1983, p. 43).

39Já a planície é o lugar dos grandes desenvolvimentos, das grandes circulações. Assentada num espaço que facilita a circulação, a construção de estradas, de rotas ágeis, as planícies ainda assim dependeram de grande esforço humano. Pois no século XVI, um ambiente disperso nessas zonas baixas muitas vezes continuava predominando.

40Assim, antes da aceleração do trabalho humano, da construção de estradas e cidades, eis a grande característica física das planícies: “servem normalmente de coletores para as águas” (Braudel, 1983, p. 73). Todas essas zonas baixas conhecem a estagnação das águas e suas conseqüências : a água estagnada é sinônimo de morte, conservando perigosa umidade, são causadoras das febres palúdicas. “Trata-se, para resumir, de uma verdadeira doença do meio geográfico” (Braudel, 1983, p. 78).

41Desde a antiguidade sabe-se do esforço de beneficiação das planícies, mas no século XVI se inicia, portanto, um processo mais intenso de dominação desses novos terrenos. Inúmeras drenagens são feitas com os escassos meios e tecnologias disponíveis. Trata-se de uma conjuntura específica : o desenvolvimento do capitalismo. Até então, num movimento de longa duração, a deficiência técnica obrigava a iniciativas limitadas, atacando o pântano, setor por setor, resultando em inúmeras vitórias, mas ainda em fracassos.

42Pois não se pode dizer que todos os cantos do Mediterrâneo foram afetados por tais mudanças. Assim, muitas das relações entre montanha e planície subsistem. Ocorre que à parte das grandes mudanças, há também permanências. Mesmo as revoluções não conseguem abolir antiqüíssimas tradições.

43A existência da transumância se explica portanto, pois, se a montanha mantém-se sob um isolamento relativo, é porque a vida da montanha e das planícies se diferenciam, mas também se complementam. Assentada na estrutura desses espaços, é um movimento repetitivo, e de longa duração.

44E, de modo geral, pode-se dizer que no Mediterrâneo a transumância é “uma deslocação”, um movimento vertical “das pastagens de inverno, situadas nas planícies, para as pastagens de verão, localizadas nas zonas elevadas”. “Trata-se de uma vida balizada por estes dois níveis”. E de fato, as transumâncias são movimentos repetidos, pois são os relevos e a estação do ano os “dados essenciais para a percepção de tudo, ou pelo menos, do fundamental, que pode e deve acontecer” (Braudel, 1983, pp. 101-102 ).

45A principal característica do meio, portanto, para a história, é que ele é criador de ritmos diferenciados, ‘bases da história’, que se unem pelas trocas de seus diferentes produtos, técnicas, homens e costumes : é preciso trocar. Isso só ocorre pois o meio é criador de permanecias. Sendo um espaço natural ou um espaço construído, ele é sempre criador de diferenciações nos movimentos dos homens, das idéias, das mercadorias. A diferença na circulação é a própria diferença dos ritmos históricos. Circuitos mais velozes, como na conexão entre as planícies, são os espaços privilegiados dos grandes acontecimentos. E tudo isso ainda envolve a técnica, hierarquia e divisão do trabalho, no espaço.

Vidal de La Blache e Fernand Braudel : uma filosofia da história.

46Não é uma incorporação simples a que Braudel fez de La Blache. Julgamos que o Princípio da Unidade Terrestre, pilar desta geografia, e o homem como ator geográfico, princípios desenvolvidos por La Blache, são o germe da visão de espaço elaborada por Fernand Braudel cujo centro é a Circulação. Afastando os anacronismos, é esta a visão diferenciada para sua época, a originalidade de La Blache, a grande inovação6.

47O que Vidal de La Blache está propondo, portanto, é uma síntese “das leis físicas” com as “relações” humanas. Proposição que pretende uma síntese mas enxerga esses dois planos como dimensões, ordens da realidade, diferentes. O meio é um meio físico, aparentemente, natural. Já para Braudel, o meio é uma dimensão da história e tem valor de obstáculo, podendo ser físico, biológico, humano, dependendo do grau de evolução material atingido pelos homens. Porém, entendemos que isso não se trata de uma divergência porque, em primeiro lugar, o meio de Braudel abarca o de La Balche. Em segundo lugar, porque o que os autores atribuem como sendo o Meio, não significa só o conteúdo, mas a forma-conteúdo, o significado que é dado a ele do ponto de vista da história do homem.

48Assim, indo mais a fundo na análise do conceito, percebemos que se ambos estão assentados sobre a mesma visão de espaço, que o enxergam em conexão, como um todo contínuo, de acordo com o Princípio da Unidade Terrestre, o valor dado ao meio termina por ser bastante similar, significando para La Blache, da mesma forma que para Braudel, o valor de um obstáculo. Aliás, dado curioso, o geógrafo também relativiza o conteúdo do meio como sendo exclusivamente natural:

 “Em suma, na história das sociedades humanas os factos gerais nunca se produzem de uma só vez. É necessário triunfar previamente dos obstáculos acumulados em volta de cada grupo, pelas distâncias, pela natureza dos lugares, pelas hostilidades recíprocas” (La Blache, s/d, ed. Port. p. 274)

 “Assim, na evolução das comunicações, obstáculo material não mais que relativo. Este cede perante a necessidade de ligar grandes mercados produtores, de aperfeiçoar a aparelhagem econômica de um estado. Quer isto dizer que estejam suprimidos os obstáculos físicos ? De forma alguma. É mesmo significativo que as aberturas das montanhas por longos túneis nos tenham posto diante de um perigo que as estradas de antanho desconheciam- o da erupção das águas interiores.” (La Blache, s/d, ed. Port. p. 303)

49Podemos perceber também uma referência dada à circulação, assim como uma noção de extrema importância que o aproxima muito de Fernand Braudel : que a geografia é a responsável por essa diferença de “fusos históricos”, para usar a expressão do historiador, a diferença entre os progressos diferenciados das civilizações. Podemos antever, por isso, uma concepção de história próxima entre os autores, pois nos indica que Vidal de La Blache pode ser, mais do que uma referência do ponto de vista da geografia mas também de uma “filosofia de história”, como indicou Fernand Braudel já na citação sobre o Tableau de Géographie.

50Esta filosofia da história seria, portanto, é aquela em que há uma propriedade geográfica considerada sistematicamente na observação do mundo, com a qualidade que lhe é própria, sendo a circulação o centro da observação, causadora de fusos históricos diferenciados pelas permanências que engendra. No fundo, trata-se de reconhecer a verdadeira contribuição de Vidal de La Blache para sua época e para as ciências humanas de ontem de hoje:

 “A idéia que domina todo o progresso da Geografia é a da unidade terrestre. A concepção da Terra como um todo, cujas partes estão coordenadas e no qual os fenômenos se encadeiam e obedecem às leis gerais de que derivam os casos particulares [...]”. (La Blache, s/d, ed. Port. p. 25).

51Assim, a história tradicional, segundo Braudel, estuda nacionalidades fechadas, mas apenas a história global, ou seja, o olhar horizontal sobre a história em um dado momento, conectado à evolução dos fenômenos, pode ver os seus verdadeiros rumos. Pois são várias as histórias que se desenvolvem ao mesmo tempo, com o criar e recriar de estruturas diferenciadas, em diferentes lugares e circuitos, e são favorecidas ora unas ora outras. Cada conjuntura determina o avanço ou recuo das técnicas de um país ou cidade, que determina o alcance que eles incidem sobre o espaço- e este é o indício de seu poder. É preciso observar a geografia para ser preciso na caracterização do valor dos acontecimentos históricos.

52Assim, o que é importante deixar evidente é que o que consiste em eminentemente novo no início do século XX é, de fato, a aceitação de que existe um “certo gênero de determinismo” na História do homem ; uma relação mais profunda entre o homem e a natureza. Vidal de La Blache não abandona a perspectiva histórica, sendo esta, de fato, uma lição não apenas à geografia:

 “Ritter inspira-se também nestas idéias no seu Erdkund, mas fá-lo mais como geógrafo. Se, por uns restos de prevenção histórica, atribui uma acção especial a cada grande individualidade continental, a interpretação da natureza continua a ser para Ritter o tema primordial. Pelo contrário, à maioria dos historiadores e dos sociólogos a Geografia não interessa senão a título consultivo. Parte-se do homem para chegar ao homem ; representa-se a Terra como a ‘cena em que se desenrola a actividade do homem’, sem refletir que a própria cena tem vida. O problema consiste em dosear as influências sofridas pelo homem, em aceitar que um certo gênero de determinismo actuou no decurso dos acontecimentos da História. Assuntos sem dúvida sérios e interessantes, mas que para serem resolvidos exigem um conhecimento simultaneamente geral e profundo do mundo terrestre, conhecimento que não foi possível obter senão recentemente” (La Blache, s/d, ed. Port. p. 25).

53Em suma, para Vidal de La Blache, é o princípio da unidade terrestre que justifica a união entre o meio e os homens. De fato, os homens, ao contrário do que a ciência costumava encarar, também estão ligados ao meio. Porém, os meios não são unidades estáticas, que quando erguidas em suas bases humanas, não se modificam mais. A força do meio é ainda mais evidente se constatado que “a população humana é um fenômeno em marcha” (La Blache, s/d, ed. Port. p. 33), ou seja, há uma movimentação horizontal no globo, migrações ao longo do tempo, que ajudam a definir essas unidades com significação humana:

 “Há regiões que a população ocupa poderosamente e onde parece ter utilizado, mesmo com excesso, todas as possibilidades de espaço. E outras há onde é diminuta e disseminada, sem que, aliás, razões de solo ou de clima justifiquem tal anomalia. Como explicar estas desigualdades senão por correntes de imigração, originadas em tempos anteriores à História e cujos rastos só a Geografia pode ajudar-nos a encontrar ?” (La Blache, s/d, ed. Port.p.33).

54Isso porque, se hoje vimos, apesar das tantas movimentações ocorridas ao longo da história, que as sociedades e civilizações estão associadas segundo distintivos comuns, “tal é a força moldadora que prevaleceu sobre as diferenças originais e as combina numa adaptação comum” (La Blache, s/d, ed. Port. p. 35), e isso não significa que o homem não tenha uma ação sobre os meios. Assim, Vidal de La Blache introduz o homem como um “fator geográfico” e este é o segundo fundamento de sua geografia.

55Percebemos, portanto, que os fundamentos da geografia lablachiana são os mesmos fundamentos da geohistória. Nesta fase da geografia, liderada por La Blache, muita coisa está sendo inovada. Nesta mudança, a necessidade de incluir a natureza, através da chave do ‘meio”, e desenvolver seu conceito, é o que está em jogo para os geógrafos em geral. A lição que Fernand Braudel aceita não é nada mais do que a importância do Meio à história dos homens, um meio com uma forma-conteúdo específico, de obstáculo, de segregação, de diferenciação e unidade, regiões, e que a geografia deve passar a desenvolver esta relação, sob uma ótica específica, a da Unidade da Terra, onde o homem está integrado profundamente e não pode livrar-se dela.

O Possibilismo

56De fato, o princípio da “Unicidade da Terra” busca definir que tudo aquilo que é geográfico estará preocupado com relações. Isso é um ponto importante. Porém Febvre inverte o foco das regiões para o seu interior e não para as relações entre elas, como o objetivo final da Geografia. O “possibilismo”, ao cobrar maior rigor histórico dos geógrafos, para que não atentem contra as várias possibilidades históricas através de um determinismo estreito, ao se transpor para o espaço, torna-se uma compilação das possibilidades presentes de uma determinada região, tendo em vista manter aberta às possibilidades do futuro histórico (Febvre, 1954, p. 564).

57Para exemplificar, ao falar sobre as montanhas, Braudel e La Blache se colocam a questão, se a verdadeira característica da montanha mediterrânica seria a pobreza ou o escasso povoamento. Neste aspecto, eles respondem da mesma forma : são essencialmente lugares dispersos, de forma a se concluir que as unidades geográficas têm uma propriedade permanente : a possibilidade de circulação entre elas.

58Lucien Febvre não chega à mesma conclusão. Na verdade, diz o contrário. Exatamente no tópico em que discute o valor das montanhas, planaltos e planícies, entendendo-os como ponto de apoio aos homens, encontra um critério de riqueza e pobreza “geográficos” e de possibilidade de instalação dos agrupamentos humanos. O primeiro deles é que “haja um suporte zoológico suficiente sobre o qual possa fundamentar-se convenientemente uma existência fixa e garantida[...]” (Febvre, 1954, p. 572) ; o outro é que “seja possível tirar facilmente partido dos recursos naturais assim postos à disposição das sociedades humanas[...]” (Febvre, 1954, p. 572).

59E conclui simplesmente que é preciso levar em conta os dois fatores juntos, mas principalmente o segundo, ou seja, a possibilidade do homem intervir e “que as sociedades vegetais e animais possam ser modificadas pelo homem em seu benefício e livremente, de modo que se despojem de uma fecundidade excessiva, opressiva e, por assim dizer, cega” (Fevre, 1954, p. 572).

60Assim, ao fazer a crítica ao método geográfico, no estudo das relações entre o Homem e a Terra, defende que primeiro se tracem as regiões do globo, que para ele são regiões ‘climatobotânicas’, e que, depois, se incluam os homens, ‘grupos humanos’. Assim, para Lucien Febre as regiões são essencialmente naturais, o que para Vidal de La Blache isso só se apresenta como aparência e não como essência. Esta divergência entre ambos denota que seus princípios estão invertidos.

61É exatamente aí que entra o “possibilismo”. Para justificar a união de duas dimensões que, para Febvre, não estão unidas numa perspectiva comum (homem e meio) , é preciso estabelecer um princípio que os una, mas que vá contra a idéia determinista. Mas a crítica essencial de Febvre ao determinismo é quanto a sua falta de rigor histórico, como se as asserções dos geógrafos deterministas não respeitassem as possibilidades dos acontecimentos históricos. Assim, ele diz que as condições geográficas não são uma lei histórica, mas apenas possibilidades, condições. Mas acaba por retirar o valor histórico da geografia e ao mesmo tempo desloca o estudo geográfico para um estudo do presente, ou de uma situação, sem história . Não é esta a concepção de Vidal de La Balche que, na 3ª parte de seu livro, “As formas de Civilzação”, justo a que Lucien Febvre não tomou contato, traça a história das técnicas, povos e espaços, sempre em largo período de tempo e chega a falar de revoluções geográficas (La Blache, s/d, p. 301).

62De tudo isso, o que podemos depreender é que, para La Blache, a natureza não oferece possibilidades aos homens. Ela é um obstáculo e serve como estímulo. Um raciocínio que se pretende geográfico não busca a abundância de recursos, mas deve estar atento aos fundamentos sistematizados por este geógrafo no início do século XX : o espaço geográfico é contínuo e com obstáculos, e o homem como um fator geográfico é ubíquo. Não existe um olhar geográfico que não seja para as interações e para as permanências. A teoria de Braudel se encontra, no tocante à geografia, dentro desta linha de raciocínio e não na do “possibilismo”.

Conclusão : a longa duração : a primazia da história lenta. O espaço e a teoria da história

63À luz do que foi apresentado neste artigo, desde a análise quantitativa à qualitativa, parece não restar dúvida sobre a primazia das concepções lablachianas na concepção de espaço de Fernand Braudel. Cabe, agora, testar seus “avanços” e entender de que forma essa concepção nele inspirada se insere em uma nova teoria da história.

64Características físicas e humanas, ou seja, tanto um espaço “natural” como um espaço produzido, são os dois lados da mesma moeda quando colocadas na perspectiva da criação de condições para a circulação rápida ou à lenta circulação, de homens, de idéias, de mercadorias. Braudel ressalva, no entanto, que no século XVI, a dependência do meio físico era mais acentuada. Esta percepção mostra que a concepção do meio como uma dimensão caminha junto com a necessidade de traçar uma evolução da história.

65Os homens, assim, estão constantemente em busca de romper estes limites (as cidades do século XVI, por exemplo, buscam constantemente libertar-se de um entorno, um campo, extremamente lento). Mais cedo ou mais tarde conseguirão. O meio retarda os objetivos, de forma que, por muito tempo, criam-se movimentos repetitivos. A história seria preenchida por movimentos repetitivos, como a transumância do Mediterrâneo, ou o nomadismo do deserto, que exprimiriam esta relação permanente do homem com o meio.

66A concepção histórica tradicional, que prescinde da natureza, impede de dar uma explicação coerente dos grandes acontecimentos : pois além do movimento repetido, também estes grandes saltos estão interligados com a dinâmica espacial. Afinal, o que dá sentido aos grandes acontecimentos são as permanências que o espaço engendra. Quando conseguem se libertar de um movimento lento, expressam modificações na estrutura, rupturas que marcam a história. Assim, a longa duração não é apenas uma ampliação regressiva do campo de visão a partir de um acontecimento ; ela é, antes de mais nada, uma dimensão da história que dá sentido e seleciona os acontecimentos significativos.

67Considerando que, para Braudel, movimentos repetitivos é que configuram as permanências, e que estes movimentos são conseqüência da lenta conquista que o homem engendra no espaço, a longa duração é, pois, o movimento que envolve e enquadra os demais ritmos da história : as conjunturas e os acontecimentos. A longa duração é, portanto, o ritmo lento de produção do espaço e sua formulação teve influência das idéias centrais do geógrafo fundador7.

Haut de page

Bibliographie

Braudel Fernand, O Mediterrâneo e o Mundo Mediterrânico na época de Felipe II, São Paulo, Martins Fontes, 1983.

Braudel Fernand, Civilização Material, Economia e Capitalismo, São Paulo, Martins Fontes, 1998.

Braudel Fernand, A Identidade da França, São Paulo, Globo, 1989

Braudel Fernand, “A Longa duração”, In Escritos sobre a história, São Paulo, Perspectiva, 1992.

Braudel Fernand, Uma Leción de Historia, México, Fondo de Cultura, 1996.

Braudel Fernand, A Geohistória, In Revista de História Contemporánea, n.1, São Paulo Xamã, 2002.

Braudel Fernand, “La Géographie face aux sciences humaines”, In Débats et combats. Annales de Histoire, 6º année, octobre-décembre, nº 4, 1951.

Burke Peter, A Escola dos Annales 1929-1989, A Revolução Francesa da historiografia, São Paulo : Unesp, 1997.

Claval Paul, “Les géographes français et le monde méditerranéen”, In Annales de Géographie, 542, XCVIIe année, 1988.

Claval Paul, “The historical dimension of French Geography”, In Journal of Historical Geography, 10, 1984.

Dosse François, A História em Migalhas, Bauru : EDUSC, 2003.

Febvre Lucien, A Terra e a Evolução Humana, Lisboa : Cosmo, 1954.

LaBlache Paul Vidal de, Principios de Geografia Humana, Lisboa : Cosmo, s/d.

Lacoste Yves, “Braudel Geógrafo”, In Ler Braudel, São Paulo : 1989.

Lira Larissa Alves de [aut], SECCO, Lincoln [orient.]. Relatório de pesquisa: A Concepção de Espaço de Fernand Braudel na Primeira Parte de O Mediterrâneo, São Paulo, FAPESP, 2005-2007

Müller Bertrand, Bibliographie des travaux de Lucien Febvre, Paris, Armand Colin, 1990.

Haut de page

Notes

1  Segundo Paul Claval,  foram os historiadores da Escola dos Annales, em especial Fernand Braudel, quem fez a melhor recuperação e inovação do pensamento lablachiano. Em O Mediterrâneo Fernand Braudel “rediscovered Vidal de la Blache’s most valuable intuitions and he gave a most searching geographical introduction to Mediterranean civilization”. (CLAVAL, 1984, 236)

2  Na dedicatória de O Mediterrâneo Braudel escreve: “A Lucien Febvre, sempre presente, em testemunho de reconhecimento e filial afeição” (Braudel, 1966).

3  Yves Lacoste também notou a ausência de Lucien Febre nos trabalhos de Braudel, e declara, ao seu estilo: “Sem dúvida, não querendo fazer polêmica com o ‘patrão’, ele fingiu ignorar esse livro maior, mas perigoso, que, ao contrário dos outros livros de Lucien Febvre, realmente não figura na bibliografia do Mediterranée.” (LACOSTE, 1989. P.194).

4  Pode-se ser conferida em MÜLLER, Bertrand. Bibliograohie des travaux de Lucien Febvre. Paris: Armand Colin, 1990.

5 A biblioagrafia utilizada por Febvre é: “VIDAL DE LA BLACHE, P. Atlas general, historique et géographique, última edição refundida, Paris, 1921; VIDAL DE LA BLACHE, P. ‘Le principe de la géographie générale’ (Ann. De géographie, IV, 1895-1896); VIDAL DE LA BLACHE, P. Des divisions fondamentales du sol français (La France, 1 vol. Do ‘Cours de géographie’ de Vidal de La Blache e C. D’Almeida, Paris, 1897); VIDAL DE LA BLACHE, P. Les conditions géographiques des faits sociaux (Ann. De Geogr.. XI, 1902); VIDAL DE LA BLACHE, P. “La géographie humaine, ses rapports avec la géographie de la vie”, (Rev. Synthèse, 1903, t. VII); VIDAL DE LA BLACHE, P. “Les caracteres distinctifs de la géographie”, (Ann. De Geogr.. XXII, 1913).; VIDAL DE LA BLACHE, P. “La Géographie politique d’après les écrits de M. Fr. Ratzel”, (ann. De Geogr.., VII, 1898); VIDAL DE LA BLACHE, P. “Les genres de vie dans la géographie humaine” (Ann. De Geogr.., XX, 1991); VIDAL DE LA BLACHE, P. “La répartions des hommes sur le globe” Ann. De Geogr.., XXVI, 1917); VIDAL DE LA BLACHE, P. Tableau de la géographie de la France (t. I de Lavisse, Histoire de France), Paris, 3ª ed., 1908.”

6  Há certamente diferenças de abordagens no tratamento do mar Mediterrâneo. No artigo “Les géographes et le monde méditerranéen” Paul Claval demonstra como o Mediterrâneo foi um tema permanente entre os geógrafos do início do sécuilo XX à década de 70 e chega também há estabelecer comparações entre o Mediterrâneo de Fernand Braudel e dos geógrafos franceses. (CLAVAL, 1988)

7  Agradeço aos leitores deste artigo: Profº Drº Lincoln Secco, Profº Drº titular Antônio Carlos Robert de Moraes, Maria Auxiliadora Alves da Silva, a geógrafa Emilie Launay, Mariah Salgado, Helena Wakim e Bruno Boito Turra.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Gráfico 1
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/2592/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 41k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Larissa Alves de Lira, « Fernand Braudel e Vidal de La Blache : Geohistória e História da Geografia », Confins [En ligne], 2 | 2008, mis en ligne le 28 mars 2009, consulté le 17 octobre 2017. URL : http://confins.revues.org/2592 ; DOI : 10.4000/confins.2592

Haut de page

Auteur

Larissa Alves de Lira

Estudante de graduação da Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Departamento de Geografia. Pesquisadora FAPESP, 2005-2007. lara_lira@hotmail.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org