Navigation – Plan du site

O Sena, o Mosa e o Mosela

La Seine, la Meuse et la Moselle
William Morris Davis

Résumés

Traduction de l’article de W.M. DAVIS, (Professeur de Géographie Physique, Harvard University, Cambridge, Massachusetts), “La Seine, la Meuse et la Moselle », Annales de Géographie. Paris: Armand Colin et Cie, Editeurs. p. 25-48, mars 1895

Haut de page

Entrées d’index

Index géographique :

France

Índice de palavras-chaves :

geomorfologia, historia da geografia, rios
Haut de page

Notes de la rédaction

Tradução e introdução / Traduction et introduction Déborah de Oliveira, Departamento de Geografia, FFLCH, Universidade de São Paulo, debolive@usp.br

Texte intégral

1William Morris Davis, geógrafo americano e geólogo, nasceu em l2 de fevereiro de l850, na Filadélfia, Pensilvânia e estudou na Universidade de Harvard, onde foi professor de 1876 a 1912. Foi também professor visitante na Universidade de Berlin (1908-9) e na Sorbonne (1911-12), dedicando-se ao estudo das formas de relevo. Construiu um modelo teórico denominado “ciclo geográfico” (1899), que está baseado no desenvolvimento progressivo, seqüencial e irreversível das formas do relevo terrestre, desenvolvidas em estágios que se sucedem durante um longo período de estabilidade, posterior a um rápido soerguimento inicial da massa continental: os estágios de juventude, maturidade e senilidade.

2Durante sua estadia na França, estudou vários casos de capturas de drenagem na região da Lorena e em todo o curso do rio Sena, publicando em 1896 “La Seine, la Meuse et la Moselle”, nos Annales de Géographie e “The Seine, the Meuse and the Moselle”, na National Geographic Magazine no mesmo ano, além de “The Seine, the Meuse and the Moselle” na coletânea Geographical Essays em 1909, trabalhos pioneiros no estudo das capturas fluviais, o que nos motivou a traduzir deste texto para o português. Faleceu em 5 de fevereiro de 1934 na Califórnia, tendo vivido 84 anos. Déborah de Oliveira

Os três cursos d’água

3A bacia do Mosa está espremida entre os afluentes amplamente desenvolvidos do Sena a oeste e do Mosela a leste. O estreito curso d’água é como um tronco, com seus insignificantes tributários que ele recebe em ambas as margens e assemelha-se, no mapa, aos álamos finos aparados que o viajante vê freqüentemente ao longo das estradas nacionais francesas. E a comparação não é imprópria, porque há boas razões para pensar que o Mosa foi realmente destituído de certas ramificações, desviado para as bacias mais vastas de seus vizinhos. Seu domínio é parecido com o território de um pequeno principado, que teria diminuído de ambos os lados pelas invasões de dois potentes reinados. A evidência disto aparecerá quando examinarmos as características dos três cursos d’água.

Os meandros vigorosos do Sena

4O Sena, depois de ter recuado seus afluentes superiores tanto para montante quanto para jusante de Paris, continua seu curso para o mar descrevendo os meandros muito acentuados. A parte inferior de seu vale, encaixado entre as duas vertentes relativamente escarpadas, é escavado num planalto quase unido, que é uma superfície de denudação. Mesmo que sem prova decisiva sobre este ponto, eu sou levado a supor que este planalto fracamente ondulado é um peneplano soerguido, quer dizer, uma região denudada, reconduzida outrora ao estado de superfície de um relevo moderado, em correspondência quase absoluta com seu nível de base e que é em seguida soerguido até sua altitude atual. Durante o desenvolvimento deste peneplano, o Sena, curso d’água principal da região, deveria adquirir uma declividade extremamente fraca e ao mesmo tempo ter o hábito de oscilar de uma vertente a outra, descrevendo as curvas relativamente regulares, ou meandros, que caracterizam os cursos d’água de fraca inclinação. À medida que a região se soerguia, o rio sinuoso continuava a aprofundar seu leito abaixo do nível de terras em vias de soerguimento e assim pode-se explicar o aprofundamento dos meandros encaixados que lhe são particulares. Eles parecem traços da senilidade, perpetuados até o começo do presente ciclo de denudação, como a herança de uma fase avançada de um ciclo.

Figura 1 – Os algarismos arábicos indicam a localização das figuras deste texto. Os algarismos romanos indicam a localização dos mapas

Figura 1 – Os algarismos arábicos indicam a localização das figuras deste texto. Os algarismos romanos indicam a localização dos mapas
1invigorated river

O caso do Sainte-Austreberte

5Um pouco para jusante de Rouen, nas redondezas da pequena cidade de Duclair, na margem setentrional do Sena, observamos um curioso acidente que confirma claramente a hipótese de um aumento da potência do rio, desde a época em que suas sinuosidades começaram a aparecer (ver o mapa nº 1).

Mapa 1 – Vale do Sena, próximo a Duclair

Mapa 1 – Vale do Sena, próximo a Duclair

Mapa da França, 1:80.000, folha 31.

6Duclair está situada na borda externa de um grande meandro, no qual a convexidade volta-se para o norte. No interior do meando assim orientado, um contraforte do planalto ocupando a região ao sul do rio, vem lentamente abaixar-se até seu nível. A leste e a oeste de Duclair, os espigões análogos descem em declive suave desde a borda do planalto setentrional até o topo dos meandros adjacentes à convexidade meridional. Examinando atenciosamente o mapa da região, ou o que é melhor ainda, olhando a região do alto da escarpa a qual está encostada na cidade, constatamos que o mais ocidental dos dois espigões, o qual está ao norte, é atravessado em viés por um vale estreito e de fundo chato, situado bem no prolongamento de um pequeno curso d’água, chamado Sainte-Austreberte, que vem do nordeste e se lança no Sena em Duclair. Este vale, hoje seco, foi evidentemente seguido, em certa época, pelo curso inferior do riacho em questão e ele é ainda utilizado pela grande rodovia e estrada de ferro, aos quais fornece um atalho na sua descida ao longo do Sena.

  • 2 Um acidente do mesmo tipo do Sainte-Austreberte encontra-se no vale do Marne, a uma pequena distânc (...)

7Perguntamos-nos então porque um riacho abandonou um caminho tão bem traçado. A resposta está fácil de se encontrar: a modificação provém, sem dúvida, porque o meandro descrito pelo Sena em Duclair afastou-se pouco a pouco para o norte da serrania que o rodeava, até que ele exerceu o entalhe atual no reverso da região que o separou primitivamente do Sainte-Austreberte, terminando por levá-lo a abandonar seu curso inferior. Este pequeno fato, aproximado da inclinação dos espigões em forma de rabo de andorinha, justifica plenamente a idéia de que o Sena é um rio vigoroso, não somente competente para escoar-se, seguindo o traçado de seus antigos meandros, mas ainda tendendo a aumentar o raio de cada uma das curvas correspondentes e em seguida a alargar a zona ocupada por seus meandros. É verdade que o rio, no seu curso sinuoso, afasta-se bastante irregularmente do pé curvilíneo das vertentes de seu vale, como se ele tivesse reduzido um pouco o desenvolvimento das fortes curvas que ele seguiu anteriormente. Pode ser que este fato seja considerado como o resultado da diminuição da velocidade do curso d’água, sob influência do encaixe progressivo do vale em nível inferior do planalto adjacente e muito perto do nível de base primitivo. Mas estas irregularidades são excepcionais e não exigem, portanto, um exame mais amplo. De modo geral, o rio pode ser considerado como um curso d’água robusto, contornando com vigor de um meandro a outro, na sua descida para o mar2.

Aparência robusta do Mosela

8Vamos agora dar uma olhada no curso inferior do Mosela. Ultrapassando para jusante os confluentes de seus tributários superiores e descendo mais adiante de Trèves, através das altas terras do Reno, nós achamos aqui ainda um vale muito sinuoso, entalhado bem abaixo do nível geral da região. Assim que subimos a partir do fundo do vale, onde o viajante segue habitualmente, até o topo do planalto que o rodeia, nos damos conta que no noroeste da França, nos colocamos na presença de um peneplano soerguido dissecado. Na região vizinha, as rochas fortemente deformadas apresentam todas as características que dão sua estrutura às grandes cadeias, mas bem pouco os traços que imprimem às verdadeiras montanhas seu aspecto e seu relevo. O planalto entre Trèves e o Reno é realmente um dos melhores exemplos que eu vi de um peneplano soerguido. A superfície, fracamente ondulada, manifesta a independência a mais completa quanto ao comportamento das rochas constituintes. Aqui e ali, ela é ainda controlada por algumas fracas eminências lineares, tais como as do Idar-Ward e do Soon-Wald, os quais seguem a direção de camadas resistentes do quartzito. Eu os chamaria naturalmente de “monadnocks”, do nome de uma montanha residual típica que domina o peneplano da Nova-Inglaterra, a sudoeste de New-Hampshire.

9Mas como o Mosela veio a seguir um vale meandrante, profundamente entalhado no peneplano? É certo, após o que sabemos agora do desenvolvimento geológico das superfícies continentais que durante as últimas fases da denudação do maciço do Reno médio, os rios da região deveriam correr preguiçosamente, atingindo um traçado sinuoso, nos leitos de fraca inclinação e em um nível pouco inferior àquele da superfície geral da região, ou seus cursos d’água e, em particular, estes que fazem o papel de artérias mães da região, correm hoje em vales profundamente encaixados. É evidente que a região foi soerguida, desde a criação do peneplano e que agora, um segundo ciclo de denudação está em vias de se desenvolver. Os primeiros estágios do ciclo atual herdaram os meandros desenvolvidos durante as últimas fases do ciclo de denudação precedente. Parece, todavia ter tido uma pausa no movimento de elevação geral da região. De fato, o Mosela consiste em um vale estreito e sinuoso, entalhado numa depressão largamente aberta e de fundo chato, bem abaixo da superfície geral do planalto adjacente. A mesma sucessão de formas é claramente reconhecível no vale do Reno, particularmente nas redondezas de Bacharach, onde os aluviões protegem ainda o fundo de uma depressão elevada, embora o vale onde o rio corre atualmente tenha sido escavado em profundidade em várias centenas de pés. Devemos concluir que a disposição relativa do planalto, da depressão e da garganta e que o soerguimento da região até sua altitude atual foi feito em dois momentos e que o intervalo de repouso que seguiu o primeiro movimento foi mais longo que aquele que se passou desde a produção do segundo. Mas é também preciso entender que o tempo que passou entre o primeiro de seus impulsos e a época atual é muito curto, comparativamente ao longo ciclo de denudação, durante o qual as antigas montanhas da região foram reduzidas ao nível geral do peneplano.

10Os meandros que descrevem hoje o Mosela, em sua garganta tortuosa, atentam que ele tinha o hábito de serpentear quando ele fluía no fundo da depressão, mas aqui, como no caso do Sena, a largura da zona atual dos meandros é um pouco mais considerável que aquela da zona primitiva, assim como indica a diferença de inclinação entre os contrafortes das margens convexas e as escarpas das margens côncavas. O Mosela, como o Sena, oscila de um meandro a outro com energia. Em nenhum lugar ele hesita a seguir as curvas de seu percurso, exercendo uma forte pressão sobre as margens que constituem sua face externa.

Os dois cortes para montante de Berncastel

11Em diversos pontos, os espigões projetados pelo planalto oferecem colos muito estreitos, que a estrada de ferro do fundo do vale atravessa em túnel. Eu não encontrei nenhum exemplo de rios paralelos desviados de seus cursos pela invasão lateral dos meandros fluviais. Na verdade, uma modificação desse gênero é iminente um pouco para montante de Punderich, onde a crista que separa o Mosela do Alfbach está reduzida, por assim dizer, a um pequeno interflúvio. Mas é evidente que a pouca distância para montante de Berncastel, o Mosela utilizou o mesmo procedimento que o Sena aplicou em Sainte- Austreberte. O Mosela, neste local, segue um traçado excepcionalmente retilíneo, mas a sua direita e a sua esquerda se elevam duas colinas isoladas, limitadas por depressões em forma de ferradura, de onde as vertentes exteriores remontam até o nível do planalto geral. O estudo dos mapas no gabinete me levou a supor que estas depressões representam os meandros primitivos, agora abandonados pelo rio, em favor de um trajeto mais curto e o trabalho de campo me confirmou esta hipótese. Eu presumo que o fato é bem conhecido das pessoas que, na Alemanha e na França, se ocupam da história dos cursos d’água (ver o mapa nº II).

Mapa 2 – Vale do Mosela, próximo a Berncastel

Mapa 2 – Vale do Mosela, próximo a Berncastel

Karte des Deutschen Reiches, 1:100.000, folha 524.

12Nada seria mais satisfatório que o acordo manifestado nas suas particularidades entre os meandros abandonados e os meandros ainda utilizados pelo rio, para montante e para jusante deste ponto. O raio de curvatura é essencialmente o mesmo nos dois casos. As vertentes situadas do lado externo das depressões possuem, a partir do topo, a vertente íngreme característica. As colinas isoladas representam as extremidades dos espigões interligados, hoje separados do planalto pela passagem do rio. As pontas destas colinas, que avançam nas concavidades das depressões em ferradura, têm a mesma suavidade de inclinação que os espigões projetados para dentro dos meandros atuais. Mais ainda: o braço leste da ferradura meridional está em frente e no prolongamento do braço oeste da ferradura setentrional. Aqui, não podemos duvidar, o Mosela quebrou-se tão fortemente contra sua margem externa, que ele conseguiu encurtar seu próprio curso, entalhando um leito através dos estreitos pedúnculos, marcando a origem dos contrafortes intermediários. Talvez eu tenha dado uma importância exagerada e este detalhe. Não é um fenômeno muito raro, porque meandros abandonados semelhantes são freqüentes em outros lugares e os conhecemos no planalto de Wurtemberg, lá onde ele foi cortado pelo Neckar, em Lauffeu e um pouco para montante, assim como no planalto da Pensilvânia ocidental, cortado pelo Ohio e seus afluentes. Aliás, não é a mera ocorrência destes meandros interceptados que merecem nossa atenção, mas sobretudo a lição que se manifesta. Eles são sempre os indícios de uma atividade fluvial enérgica. O Mosela, assim como o Sena, foi mantido por um rio vigoroso e bem constituído.

Aparência indecisa do Mosa

13Examinemos agora o Mosa. A partir de um ponto situado um pouco para montante de Commercy, até além de Verdun, o Mosa, assim como outros cursos d’água, segue um vale sinuoso bem definido, entalhado abaixo do nível dos planaltos que o rodeiam à direita e à esquerda. Como nos exemplos precedentes, a inclinação das vertentes é relativamente abrupta no lado externo das curvas, enquanto que a declividade dos espigões situados no interior dos meandros é, em geral, moderada (ver o mapa nº III).

Mapa 3 – Vale do Mosa, próximo a Saint-Mihiel

Mapa 3 – Vale do Mosa, próximo a Saint-Mihiel

Mapa da França, 1:80.000, folha 52.

  • 3 O mapa do Estado-Maior na escala 1:80.000 faz supor três outros meandros abandonados: um a leste de (...)

14A montante de Commercy, perto de Sorcy-sur-Meuse, um de seus espigões está quase isolado e está agora unido ao planalto por um colo muito estreito e muito baixo, a única separação entre as duas partes do vale sinuoso que o envolve de ambos os lados. A estrada de ferro e o canal atravessam o colo pouco elevado. Em Dun-sur-Meuse, o istmo marcando o nascimento de um antigo espigão foi completamente recortado. Há agora uma colina isolada, rodeada de todos os lados pelo assoalho do vale (ver o mapa nº IV)3.

Mapa 4 – Vale do Mosa, próximo a Dun-sur-Meuse

Mapa 4 – Vale do Mosa, próximo a Dun-sur-Meuse

Mapa da França, 1:80.000, folha 35.

15É então evidente que este vale foi aprofundado por um curso d’água menos potente que aqueles que escavaram os vales do Sena e do Mosela. Mas não encontramos em nenhum lugar hoje o rio ativo que existiu anteriormente. O fundo do vale do Mosa está ocupado quase por toda parte por vastas pradarias, no lugar de ser atravessado por sinuosidades livres de água corrente e o único rio que percebemos é o estreito Mosa, errante de um lado e de outro pelas grandes extensões de campinas e caminhando com uma aparência incerta ao longo das curvas do vale (ver o mapa nº III). Ele oscila de lugar em lugar, aflorando ora uma vertente e ora a outra, serpenteando indiferentemente ao pé das falésias abruptas ou dos contrafortes em declive suave, às vezes mesmo no seu curso irregular, remontando o vale numa pequena distância, com relação a sua direção geral. Não está claro, portanto, que desde a época onde o vale nasceu, houve uma forte diminuição no volume da água que escoa? Nenhuma outra conclusão parece admissível e desde então, convém procurar uma razão para esta redução sofrida pela massa líquida.

16A diminuição em questão não seria atribuída a uma mudança climática, porque todo fenômeno deste gênero teria afetado o Sena, assim como o Mosela. Seria necessário então atribuí-la a uma mudança da superfície drenada, pela qual o Sena e o Mosela teriam conquistado o que o Mosa perdeu de sua bacia? Neste caso, o Mosa tornar-se-ia cada vez menor, enquanto que o Sena e o Mosela estariam sempre em vantagem. O Mosa, em diminuição, teria perdido a potência de contornar com vigor os contrafortes: ele teria contraído seus costumes de timidez e de languidez que vemos nele hoje, como um curso d’água sem importância, mas ao mesmo tempo, o Sena e o Mosela teriam sido fortalecidos na sua tendência a oscilar livremente entre as sinuosidades de seus vales. É então possível que os afluentes laterais do Mosa teriam sido realmente desligados de seu tronco primitivo, para vir acrescentar-se às redes do Sena e do Mosela?

Migração de divisores de águas

17A questão assim levantada nos leva a considerar, de uma maneira geral, o problema do deslocamento ou da migração dos divisores de águas, assunto interessante para qualquer um que estuda geografia física. À primeira vista, pareceria que o topo de um divisor de águas entre duas bacias fluviais adjacentes deveria simplesmente abaixar-se cada vez mais, à medida que ele está submetido à ação das intempéries, sem sofrer o deslocamento e, conseqüentemente, sem que resulte em mudanças na extensão respectiva das bacias hidrográficas que ele separa. É provável, entretanto, que este caso simples aconteça raramente na natureza. Há mais chances de que o divisor de águas vá mudando mais ou menos, em um sentido ou outro, ao curso da degradação das rochas que o constitui, em razão do recuo inegavelmente rápido das suas vertentes. As causas possíveis de sua desigualdade no aplainamento das vertentes são diversas: sua declividade pode ser diferente, em todo caso, a vertente mais íngreme se degrada mais rapidamente que a outra e o divisor de águas se afasta lentamente na direção da vertente menos abrupta. O terreno pode oferecer, dos dois lados, resistências desiguais, então é lei que as rochas mais tenras abatam mais rápido o divisor de águas, indo gradualmente em direção às rochas mais resistentes. Além disso, a erosão pode acontecer nas duas vertentes de maneiras diferentes: uma pode receber uma maior quantidade de chuva que a outra ou estar exposta a um número mais considerável de alternações de gelo e degelo. Embora esta última causa não seja importante, em geral, ela deve entretanto contribuir de sua parte a uma solução do problema no seu conjunto.

18O deslocamento do divisor de águas assim explicado se realiza comumente por uma lenta migração. Em certos casos, entretanto, quando o divisor de águas é afastado até a proximidade imediata de um dos cursos d’água de onde ele limitava a bacia, basta uma leve mudança posterior para desviar todos os afluentes deste curso d’água situado a montante, em benefício da bacia em vias de crescimento e esta mudança faz dar um salto repentino no divisor de águas. Após isso, a lenta migração pode retomar seu curso. O deslocamento de um divisor de águas é um fenômeno alternativamente brusco e lento. Ele procede como um animal que rasteja e salta sucessivamente.

19Não é impossível dizer, atualmente, se este processo é de uma importância muito geral ou não. Em todo caso, em certas regiões, a hipótese é um raio de luz para o geógrafo. Philippson chamou a atenção sobre o assunto em seus Studien über Wasserscheiden, onde encontraremos um relatório completo disto, que os outros autores publicaram sobre o assunto anteriormente a 1886. Oldham fez ver como certos afluentes de cursos d’água da Índia vão conduzindo sua cabeceira através das cadeias do Himalaia mais interioranas e conquistam assim, as áreas de drenagem que pertenciam precedentemente aos cursos d’água sem saída do alto planalto tibetano. Este exemplo é um dos melhores no qual o fenômeno depende, sobretudo da desigualdade das inclinações das duas vertentes. Heim descreveu as depredações pelas quais o Maira decapitou o curso superior do Inn e explicou em grande estilo, a formação dos pequenos lagos do alto Engadine, onde acontece esta disputa. O mapa especial publicado em 1889 na escala 1:50.000 pelo Escritório Topográfico Suíço, dá uma excelente ilustração das particularidades que resultam da influência recíproca dos cursos d’água, uns sobre os outros nesta região.

  • 4  National Geographic Magazine, t.I, 1889 e t.II, 1890

20Um exemplo notável de desvio de um curso d’água nos é fornecido pela mudança do traçado do Vistule em Bromberg. O rio abandona seu leito primitivo, na parte inferior do vale agora ocupado pelo Netze, para se dirigir mais ao norte e atingir diretamente o mar Báltico. As cartas topográficas prussianas colocam este fato nitidamente em evidência e, aliás, ele foi indicado em termos gerais, por vários dos autores que trataram da geografia da Alemanha do Norte. Eu não arriscaria, não tendo visitado os lugares, a discutir a questão de saber se este desvio foi causado ou não pelo jogo espontâneo da atividade fluvial, mas eu espero achar uma explicação completa num relatório que Berendt deverá publicar em breve. Jukes-Browne narrou um caso interessante constatado na Inglaterra, onde o Trent capturou os afluentes superiores do Wytham. Em um número recente do Geographical Journal de Londres, eu mesmo tentei fazer uma análise mais geral do traçado dos cursos d’água da mesma região. Os leitores que desejam seguir o tema abordando os exemplos de uma grande complexidade acharão casos problemáticos fornecidos pelos rios da Pensilvânia e de Nova Jersey setentrional4.

21Na discussão geral deste problema, nós devemos reconhecer dois termos: primeiro os processos pelos quais explicamos os fenômenos que acabam de ser brevemente descritos e, em seguida, as formas topográficas por meio das quais sua presença pode ser reconhecida. Uma distinção feita, além do mais, entre os exemplos oferecidos por um passado mais ou menos distante e dos quais a ocorrência parece estar iminente ou próxima. Não podemos achar melhor ilustração, no que diz respeito à segunda divisão do tema, que o caso do Marne próximo a Châlons. Nenhum exemplo mais convincente, com o apoio das considerações precedentes, veio até meu conhecimento.

O caso do Marne a jusante de Châlons

22O Marne drena, na antiga região de Champanha, uma vasta planície interior, limitada do lado oeste por um planalto arborizado. A planície é o produto de uma erosão relativamente rápida, efetuada durante a última época do período Terciário, sobre as camadas tenras do Cretáceo Superior. Ela está quase toda coberta por importantes fazendas. O planalto representa a região onde as camadas terciárias inferiores, durante o mesmo período, conseguiram resistir à erosão. Como as camadas mergulham ligeiramente para oeste, o rebordo oriental do planalto é marcado por uma escarpa bastante abrupta. O Marne recebe muitos afluentes da planície e se evade, no seu curso para o mar, por um vale profundo escavado através do planalto. Ele recebe em seu vale, na sua margem meridional, dois cursos d’água que merecem uma atenção especial. O primeiro é o Surmelin, o qual sua nascente acha-se no planalto, não longe de seu limite oriental, mas particularidade bastante estranha, enquanto que o riacho diminui naturalmente de volume próximo a sua nascente, perto de Montmort. O vale que ele ocupa conserva para montante, em uma dezena de quilômetros, uma largura mais ou menos constante, quase até a escarpa terminal. O segundo afluente é o Petit-Morin, este aqui, como o Marne, nasce nas terras baixas situadas a leste do planalto e como o Marne, ainda evade-se para oeste, por um vale estreito e profundo. A área que ele drena na região das planícies é contudo muito estreita em uma distância de 16 quilômetros aproximadamente, a partir de sua nascente. Há um grande pântano, conhecido pelo nome de pântano de Saint-Gond e situado parte na planície, parte na entrada do vale que entalha o planalto.

23Procurando uma razão para esta disposição do Marne e de seus dois afluentes, percebemos que se estes últimos estavam prolongados para leste. Eles chegam cada um a um rio, o Soude e o Somme de Champanha, que correm na planície até pouca distância da nascente dos dois cursos d’água em questão, mas eles se desviam para o norte, para alcançar diretamente o Marne.

Decapitação do Surmelin e do Petit-Morin

24 Para tomar conhecimento de todos estes fatos, suponhamos que os dois pares Soude-Surmelin e Somme-Morin constituíam antigamente cursos d’água realmente contínuos em rochas tenras, em uma época anterior a abertura da planície de Champanha (Fig. 2a) e a título de verificação, examinemos se esta situação teria se modificado espontaneamente para conduzir ao que nós vemos acontecer hoje.

25O vale do Marne estando mais profundo do que o do Soude-Surmelin, o divisor entre os dois será recuado para o curso d’água menos importante, até que finalmente o curso superior do Soude-Surmelin seja desviado por um afluente crescente do Marne (a parte inferior do Soude) e que ele acha-se assim levado a lançar-se neste rio vigoroso, enquanto que o curso inferior do Soude- Surmelin (o Surmelin) permanecerá como riacho reduzido e decapitado. O afluente do Marne causando este desvio, pertence à classe dos cursos d’água chamados de subseqüentes. Consideremos agora o divisor de águas entre o Soude-Surmelin e o Somme-Morin. No começo, como estes riachos eram quase iguais em volume, não haveria razão para que o divisor de águas entre eles fosse empurrado de preferência mais para um lado do que para outro, mas depois da captura do Soude pelo afluente subseqüente do Marne, o Soude aprofundou rapidamente seu vale nas camadas tenras e a datar deste momento, o divisor de águas entre o Soude e o Somme-Morin tendeu a ser repelido sistematicamente para este último. Finalmente, o trecho superior do Somme-Morin foi levado para o Marne pelo caminho do baixo Soude, deixando o trecho inferior (o Petit-Morin) na condição de riacho reduzido e decapitado.

26Contudo, como esta segunda captura só pode necessariamente ocorrer numa data muito mais recente que a primeira, é natural pensar que o Petit-Morin teve tempo, na época da captura, de escavar através do planalto um vale muito mais profundo que este do curso d’água anteriormente decapitado, o Surmelin.

O cotovelo de captura

27Chamamos cotovelo de captura o brusco desvio sofrido pelo trecho superior, no ponto onde ele é interceptado em proveito do curso d’água capturador. Após a captura, o curso d’água modificado escava um vale fortemente encaixado para jusante e para montante deste cotovelo, porque o curso d’água desviado, cujo volume é considerável, deve imediatamente aprofundar seu leito, tornando-se a cabeça do novo curso d’água que deve uni-lo ao rio capturador e cujo volume é ainda igual a zero. Com o tempo, o vale vai se alargar e conseqüentemente, a presença de tal vale pode ser considerada como o indício de uma modificação recente. Igualmente, o curso d’água decapitado, o qual o volume será de hoje em diante muito menor, pode estar mais ou menos obstruído pelos detritos trazidos no seu vale pelos pequenos afluentes laterais. Então seu escoamento será retardado pelos pântanos, ou mesmo parado, graças à formação de lagos pouco profundos, como ele chega ao Inn no Engadine (Heim). Estas circunstâncias são, aliás efêmeras, porque com o tempo o curso d’água decapitado acomodará sua inclinação às funções que lhe impõem a diminuição de seu volume: lagos e pântanos desaparecerão. Na maior parte dos casos, um encurtamento posterior é imposto ao curso d’água decapitado, abaixo do cotovelo de captura. Este curso d’água aprofunda lentamente seu vale, enquanto que o capturador subseqüente, que cresceu às suas custas, escava seu vale relativamente rápido. Em conseqüência, o divisor de águas tende a recuar a partir do cotovelo de captura e o curso d’água decapitado é progressivamente reduzido. A distância que separa a nascente do curso d’água decapitado do cotovelo de captura pode então, comumente ser considerado como a expressão da data mais ou menos remota a qual deu lugar a captura. Frequentemente forma-se um pequeno riacho vindo terminar no cotovelo de captura e nascendo nas vizinhanças da nascente do curso d’água decapitado e este riacho prolonga-se progressivamente à medida que o divisor de águas desvia-se e que o curso d’água decapitado diminui. Nós chamaremos de obseqüentes os cursos d’água deste gênero. É evidente que não devemos encontrar nas redondezas cotovelos de captura recentes, mas eles podem alcançar um comprimento de vários quilômetros, se a captura remonta a uma data um pouco antiga.

28Retomemos agora o exame das condições efetuadas pelos cursos d’água na planície a oeste de Châlons e sobre o planalto situado no reverso da escarpa (Fig. 2b).

29O Somme foi capturado recentemente graças ao desenvolvimento de um afluente subseqüente a partir do cotovelo do Soude. A prova está no pequeno vilarejo de Écury-le-Repos, o cotovelo acentuado que apresenta o traçado deste riacho e o vale estreito que se estende a uma pequena distância para montante e jusante do cotovelo. O Petit-Morin representa evidentemente, o antigo curso inferior do Somme. Por causa da diminuição de seu volume, ele é atualmente incapaz de desobstruir seu vale dos detritos que a erosão pluvial sobre as vertentes adjacentes tende a acumular na sua passagem do planalto, nas redondezas de Boissy e de Le Thoult, provavelmente, daí formando o grande pântano de Saint-Gond e os vastos depósitos de turfa que cercam a nascente do curso d’água. A nascente pantanosa do Petit-Morin está ainda muito próxima do cotovelo de captura em Écury-le-Repos e nenhum curso d’água obseqüente se desenvolveu até o presente. É claro aqui que a modificação é de data recente. Examinemos em seguida o sistema Soude- Surmelin. Aqui a captura data de uma época remota: não existe nenhum traço de garganta ou cotovelo de captura. Um curso d’água obseqüente, o Berle, com aproximadamente 6 quilômetros de comprimento, se prolongou à medida que recuava a escarpa, que servia de limite no planalto e a nascente do rio decapitado é agora transportada a 16 quilômetros do ponto onde ele se encontrava, no lugar onde a captura aconteceu. O Surmelin tendo perdido suas águas superiores em uma data bastante remota na história da região, o seu vale que atravessa o planalto não foi escavado a uma grande profundidade. Ele está muito menos entalhado que o vale do Petit-Morin, que foi decapitado numa época muito mais recente, quando ele tornou-se quase tão profundo quanto o vale do Marne.

30Estudando os mapas franceses, eu encontrei por acaso este exemplo quase ideal de migração de divisores de águas e de adaptação de cursos d’água em condições variáveis de estrutura do perímetro de suas bacias, mas foi somente no decorrer do último verão (1894), que eu pude examinar os fatos no campo. Eu tive então a satisfação de confirmar por observação direta, tanto quanto me permitia o curto tempo do qual eu dispunha, as suposições concebidas no estudo à distância. O caso do Marne e de seus afluentes me serve então sempre como um exemplo típico das normas que governam os fenômenos deste gênero.

31Podemos então notar que um outro pequeno curso d’água, o Vaure superior, corre na direção do pântano de Saint-Gond, mas que no lugar de ser desviado para o norte pelo Soude, ele é levado para o sul pelo Superbe, afluente subseqüente do Aube. Parece provável que este mesmo afluente subseqüente desviou o Maurienne em Pleurs, transportando também o Grand-Morin, que como o Surmelin, tem sua nascente no planalto a oeste da escarpa.

32É evidente que a terminologia utilizada por nós servirá para simplificar a descrição de outros exemplos de deslocamento de divisores de águas e de adaptação dos cursos d’água, quando estes exemplos apresentarão as características sistemáticas tão nitidamente indicadas no caso atual. É isto que eu posso confirmar depois do exame de diversas localidades na vizinhança da escarpa do Rauhe Alp em Wurtemberg, onde as águas superiores do Neckar fizeram recuar ativamente o divisor de águas que os separa dos tributários setentrionais do alto Danúbio. Embora a disposição dos elementos não seja a mesma, neste ponto, como no exemplo das redondezas de Châlons, as homologias entre as duas regiões podem ser facilmente reconhecidas. Podemos dizer o mesmo dos cursos d’água do centro da Inglaterra, que em geral são perfeitamente adaptados às resistências, na região dos planaltos do oólito do calcário.

Desvio do alto Mosela em detrimento do Mosa

33Após este longo desvio, retomemos o caso do Mosa e vejamos se nós podemos achar os indícios do desvio de algum de seus afluentes em benefício das bacias do Sena ou do Mosela. O primeiro exemplo a mencionar se encontra nas vizinhanças de Toul e pela facilidade da descrição, eu tomarei a liberdade de mudar os nomes dos cursos d’água desta região conforme o diagrama em anexo (Fig. 3).

  • 5 Minha atenção foi chamada para este exemplo por meu amigo M. Emm. de Margerie, que quis me indicar (...)

34Podemos então resumir em poucas palavras o que aconteceu no exemplo em questão: o Toul (alto Mosela) escoava-se outrora por um vale sinuoso através de um planalto formado por camadas do oólito médio e se lançava no Mosa na pequena cidade de Pagny-sur-Meuse, mas com o decorrer do tempo, o Pompey, afluente do Mosela, fez recuar o divisor de águas perto de suas nascentes e, capturando assim o Toul no ponto onde se acha atualmente a cidade de mesmo nome, desviou este curso d’água do Mosa em benefício do Mosela (Fig. 4)5.

35O primeiro fato a notar consiste no modo sinuoso da porção do vale abandonado entre Toul e Pagny-sur-Meuse. Ele descreve os meandros largamente curvos, como os vales que regam os grandes rios, disposição que não se encontra jamais nos vales escavados pelos pequenos cursos d’água. É verdade que com o tempo, os vales dos pequenos cursos d’água podem tornar-se relativamente largos, mas eles não seriam em nenhum caso desenvolvidos em meandros regulares e grande raio de curvatura, com as vertentes escarpadas sobre a margem côncava e contrafortes em inclinação suave na margem convexa. A conformação do vale entre Toul e Pagny sugere então imediatamente a hipótese, não somente que um curso d’água o ocupou um dia, mas ainda que este curso d’água tinha um volume considerável. Em segundo lugar, um exame mais atento dos detalhes da topografia das redondezas de Toul mostra que nós temos lá um cotovelo de captura bem caracterizado: é uma brusca inflexão no traçado do rio, que não é determinada por nenhuma particularidade local de estrutura. O Toul se desvia de repente da direção de seu curso superior para serpentear daqui por diante, seguindo o curso do Pompey, até o Mosela. O Pompey era primitivamente apenas um dos numerosos pequenos afluentes do Mosela, de onde o Ache, próximo de lá, pode ser tomado como o exemplo, mas por causa da adição da massa considerável do Toul com seu fraco volume anterior, a porção do vale situado tanto para montante como para jusante do cotovelo de captura foi nitidamente aprofundado abaixo do antigo nível dos dois rios e se apresenta agora como vale com vertentes abruptas, como em todos os casos de captura recente. E não é somente o caso do Toul desviado que se comportou assim, mas vários de seus afluentes para montante do cotovelo de captura entalharam seus vales abaixo do nível geral do largo vale chato, aberto nas camadas de oólito inferior, na superfície das quais ele corria anteriormente. Se o restabelecemos pela reflexão em seu estado primitivo, a superfície deste antigo fundo de vale, supondo preencher os vazios que o interrompem hoje, constatamos que sua inclinação longitudinal vem precisamente conduzir ao fundo do vale sinuoso podemos imaginar que ele foi, ao longo dos antigos meandros dirigidos para o Mosa, um pequeno curso d’água – o Pagny – alimentado pelo fluxo das vertentes. Este seria o curso d’água diminuído e decapitado de nossa terminologia. Mas em conseqüência do desenvolvimento do vale profundo no cotovelo de captura e do aumento concomitante do curso d’água obseqüente – o Ingressin - o Pagny decapitado foi encurtado e agora ele tem o comprimento de apenas 4 quilômetros. Aliás, as seguintes altitudes são significativas:

36Confluente do Meurthe e do Mosela em Pompey, aproximadamente 190 metros

37Cotovelo de captura em Toul 240

38Antigo fundo de vale no cotovelo de captura, aproximadamente 255

39Divisor de águas entre o Ingressin e o Pagny 265

40Confluente do Pagny e do Mosa 245

O Pagny e o Ingressin

41Que me permitam me distanciar um momento do tema principal para considerar certas particularidades do antigo vale sinuoso e dos cursos d’água que ele ocupa atualmente, o Pagny e o Ingressin. Em primeiro lugar, a metade do caminho do vale, no vilarejo de Foug, há um pequeno riacho que desce de Bois-Romont ao norte. Os detalhes da topografia da região fornecem boas razões para pensar que este pequeno curso d’água unia antigamente o vale em Lay-Saint-Remy, sobre o meandro vizinho a oeste e assim nós temos uma repetição do caso do Sainte-Austreberte. Quando o vigoroso Toul corria por este vale, aumentando sempre a zona de seus meandros, ele deveria trazer sua corrente sinuosa poderosamente contra a borda externa de suas curvas, atravessando a crista que separava o meandro de Foug deste pequeno riacho ao norte e a deslocar, deste modo, a foz de seu próprio tributário, passando de um meandro inferior para um meandro superior. Este detalhe veio juntar-se às considerações precedentes para provar que um rio potente passou antigamente por esta depressão sinuosa.

42Quanto ao afluente obseqüente, o Ingressin, sua nascente está situada a uma dezena de quilômetros do cotovelo. A estreiteza relativa do vale, tanto para montante quanto para jusante do cotovelo de captura próximo a Toul, não nos leva a esperar um curso d’água obseqüente muito longo. Eu proponho então a seguinte explicação para o desenvolvimento bastante singular do Ingressin: um pouco a sudoeste de Foug está a parte mais estreita de antigo vale. Este estreitamento era devido à resistência do oólito médio que forma o maciço no qual a passagem é entalhada. Parece que neste ponto, as massas de detritos relativamente consideráveis tenham descido do topo das vertentes até o fundo da depressão, obstruindo-a um pouco e produzindo um pântano de pequenas dimensões. O Pagny decapitado parece ter sido incapaz de seguir seu curso através desta barragem. As águas foram provavelmente acumuladas, durante algum tempo, para montante da barragem em um lago, aliás, pouco profundo, transbordando na garganta do cotovelo esta parte do traçado primitivo, invertendo sua direção de escoamento. Assim deu origem a um riacho obseqüente de um tipo ligeiramente anormal, o Ingressin atual.

43Tudo isto, é verdade, são apenas suposições. Um estudo mais completo dos aspectos geográficos da região seria necessário antes que estas sugestões possam ser definitivamente aceitas. Entretanto, não haveria nenhuma dúvida sobre a realidade do desvio do Toul, transportado ao Mosa em benefício do Mosela e, em minha opinião, a explicação seria completamente satisfatória, ainda que não tenhamos achado nunca rochas provenientes dos Vosges no vale do Mosa, para jusante de Pagny. As dimensões do vale e de seus meandros, a forma regular de suas escarpas e de suas curvas, a presença de uma garganta para montante e para jusante do cotovelo de captura em Toul, a relação de altitude entre o antigo vale no qual esta garganta foi entalhada e o fundo da depressão sinuosa que se segue através do planalto, enfim o acidente acontecido ao pequeno curso d’água que desemboca em Foug – todos estes fatos vêm se combinar em um conjunto, os quais as diversas partes são tão bem ligadas e que uma explicação suscetível de se compreender por um processo único e simples é certamente a verdadeira.

O Mosa enfraquecido

44Se agora examinarmos novamente o Mosa, desta vez em Commercy, é necessário ver um rio cujo volume foi reduzido, graças ao desvio de um importante tributário em benefício de uma outra bacia fluvial. Sua massa estando diminuída, hoje ele é incapaz de seguir as curvas do leito primitivo. Ela não pode avançar de um curso incerto e progredir como hesitante sobre o fundo do vale. Além disso, parece que em conseqüência de sua perda de volume, ele esteja inapto a manter uma inclinação tão suave como esta que ele apresentava quando seu volume era mais considerável, porque sua várzea tem agora toda a aparência de ter ocupado, sobre certa altura, a antiga depressão. O Mosa atual constitui então um exemplo de curso d’água que mudou de aparência: outrora preocupado em diminuir sua inclinação, quando seu volume era importante, ele tende a aumentá-lo hoje que seu volume está diminuído. O Mosela ganhou o que o Mosa perdeu e o aumento muito notável que o Toul forneceu a seu volume certamente confirmou, em sua tendência, a acentuar sempre mais os meandros da parte inferior do seu vale, a ponto de recortar mais ou menos completamente os contrafortes intermediários.

O Aire e o Bar

45Examinemos agora o caso do Aire. Este curso d’água foi outrora um afluente do Mosa no lado ocidental de sua bacia, mas ele foi desviado para aumentar o volume do Sena. Neste exemplo, o cotovelo de captura acha-se a aproximadamente a 3 quilômetros a leste de Grand-Pré. O Aire, que vem do sudeste, faz aqui uma grande curva para oeste, através da crista formada de camadas cretáceas inferiores que sustenta a Floresta de Argonnne e vai se lançar no Aisne (Fig. 5).

46No prolongamento direto do trecho superior do Aire, um vale se conduz ao Mosa, um pouco para jusante de Sedan. Ele é seguido, em grande parte de sua extensão, por um pequeno curso d’água, o Bar, mas enquanto o vale apresenta os meandros muito nítidos, os quais o raio de curvatura é importante, o Bar é um estreito riacho, que serpenteia aqui e ali sobre o fundo chato do vale retomando logo sua direção original. As vertentes apresentam a disposição habitual em semelhante ocorrência: inclinações íngremes na borda externa das curvas, declives suaves na borda interna. Um espigão que vem se encaixar em um de seus meandros e que coroa o Bois-la- Queue, perto de Saint-Aignan, é ligado ao planalto de oeste por um istmo muito estreito, que o canal conduzindo o Mosa à bacia do Sena o atravessa, ao invés de fazer o contorno na colina.

47Os índices de um volume outrora mais considerável, para os cursos d’água que antigamente partilhava o traçado dos meandros deste vale são perfeitamente conclusivos, mas agora o modesto Bar oscila instável, absolutamente incapaz de continuar a acentuar seus meandros e a estreitar o nascimento dos contrafortes, atacando o pé das margens côncavas. O desenvolvimento das pradarias que ocupam o fundo chato do vale faz pensar que o Bar aterrou seu leito, desde que a maior parte de suas águas foram desviadas no cotovelo de Grand-Pré e está lá uma repetição das condições apresentadas pelo Mosa perto de Commercy. Se seguirmos o Bar, constatamos que a largura de seu vale e o raio de seus meandros diminui lentamente, enquanto que o rio, serpenteando no meio das pradarias diminui muito rápido e, próximo de Buzancy, o terreno é drenado por poços artificiais, escavados por agricultores, para melhor drenar seus campos planos e úmidos. Se nós continuarmos para o sudeste, seguindo sempre o vale e seus meandros, nós acharemos logo um pequeno curso d’água, sucessivamente chamado Moulin, Briquenay e Agron, que corre para o sul por 11 quilômetros, em um corte feito no fundo do vale, até o cotovelo de captura a montante de Grand-Pré. É o curso d’água obseqüente, cujo crescimento a partir do cotovelo de captura, diminuiu progressivamente o Bar decapitado.

48O divisor de águas que existe atualmente entre o Briquenay-Agron e o Bar foi definido, aqui novamente, como foi aparentemente o caso do Pagny, pela acumulação de detritos levados à superfície das vertentes? Eu não saberia dizer com certeza, mas não parece ter tido muita diferença entre a duração solicitada para permitir à garganta do Aire de alcançar sua largura atual no cotovelo de captura e esta que exigiu o desenvolvimento regressivo do afluente obseqüente, o Briquenay-Agron. E é o caso do Aire como este do Toul (alto Mosela): o antigo fundo de vale que ele ocupava, quando ele escoava-se ainda no sentido indicado hoje pelo Bar é facilmente reconhecível graças aos terraços aplainados que se estendem tanto ao norte como ao sul do cotovelo de captura. Estes terraços dominam agora o vale alargado onde corre o Aire desviado e o vale mais estreito do Briquenay-Agron. O vale do Aire conserva, para montante do cotovelo de captura, em certa distância, uma profundidade considerável e é naturalmente o mesmo para o trecho pelo qual o Aire é visto desviado em benefício do Aisne. Mas no momento em que subimos o riacho obseqüente, constatamos que o vale diminui rapidamente em importância, de modo que, perto de Buzancy, ele se reduz a uma suave depressão na superfície das pradarias.

49Um dos pontos de onde podemos melhor apreciar este exemplo está situado no meio dos campos, no antigo fundo do vale, perto do cotovelo de captura, um pouco ao sul do vilarejo de Champigneulle. Os diversos termos do problema são nitidamente visíveis, como sobre um relevo produzido intencionalmente. Em certas depressões observadas nas bordas da estrada, na superfície da planície, podemos ver os aluviões antigos, depositados pelo Aire quando ele corria neste nível elevado, na direção norte, para o Mosa. Um outro ponto de vista não menos instrutivo apresenta-se após a subida da colina pela estrada nacional ao sul de Sedan que passa no vale do Bar, em Chevenges. No topo e sobre a vertente meridional, temos uma magnífica vista sobre o largo vale, na parte onde ele contorna o espigão em colo estreito do Bois-la Queue (ver o mapa nº V), mas é em vão que procuramos o rio pelo qual o vale foi escavado. Não conseguimos perceber o mínimo filete de água no fundo do vale e então constatamos que o único ocupante deste largo sulco às inflexões potentes é um pequeno riacho de pradaria.

Mapa 5 – O baixo curso do Bar

Mapa 5 – O baixo curso do Bar

Mapa da França, 1:80.000, folha 24.

50Aqui como anteriormente, devemos nos lembrar que não é a largura do vale que está em desproporção absoluta com o volume do curso d’água que o drena hoje, porque na extrema maturidade do desenvolvimento geográfico de uma região continental, os rios mesmo insignificantes, têm os vales que podem ser muito largos.

51A discordância que proclama que o vale não é obra do curso d’água atual reside nas dimensões relativas dos meandros. O vale oscila em curvas regulares com menos de 800m de raio, cujas dimensões médias se mantém sem grande mudança para montante, até o cotovelo de captura e provavelmente mais para o sul. Quanto ao rio, ele oscila em curvas cujo raio deve ser freqüentemente de menos de 30 metros. As seguintes altitudes são informativas:

52Confluente do Bar e do Mosa 153 metros

53Divisor de águas, no fundo da antiga depressão fluvial,

54entre o Bar e o Briquenay-Agron a oeste de Buzancy 175

55Confluente do Briquenay-Agron e do Aire no cotovelo de captura 130

56Fundo do antigo vale do Aire no cotovelo de captura 182

57Confluente do Aire e do Aisne 113

58A vantagem assim adquirida em profundidade pelo Aire é de cinqüenta metros.

59É bom notar que se o Aire não tivesse sido desviado para o Grand-Pré, ele teria logo sido capturado mais para jusante em Brieulles-sur-Bar, porque neste ponto, o Fornelle, afluente do Aisne, quase atravessou a cadeia arborizada de Argonne, como mostram as seguintes altitudes:

60Confluente do Fournelle e do Aisne em Vouziers 100 metros

61Divisor de águas entre a nascente do Fournelle e do Bar,

62perto de Noirval 174

63O Bar em Brieulles 168

64Comparando o exemplo do Toul (alto Mosela) e este do Aire, vemos que estes rios representam os trechos superiores desviados de afluentes que outrora pertenciam ao Mosa. Os cursos d’água pelos quais o Toul foi levado para o Mosela e o Aire para o Aisne podem ser chamados respectivamente de Pompey e de Grand-Pré, este último finalmente abandonando sua captura definitivamente, através do Marne para o Sena. Os cursos d’água decapitados são o Pagny e o Bar. O primeiro é tão insignificante que eu inventei um nome para ele, porque eu não achei registrado nenhum outro nome que o de pântano de Pagny no mapa do Estado Maior de 1:80.000. O Bar é o melhor exemplo que eu vi de um curso d’água decapitado tentando adaptar-se aos costumes de um vigoroso e potente precursor.

Conseqüências do empobrecimento do Mosa

65A perda sofrida pelo Mosa e o aumento ganhado pelo Sena, em conseqüência do desvio do Aire, não tem uma grande importância, mas este duplo fato contribuiu para fortalecer os dois rios em seus hábitos que os caracterizam hoje. O Mosa, em suas oscilações indecisas de seu traçado, o comprimento das curvas de seu vale. O Sena, como o Mosela, em sua tendência a seguir as curvas de um curso turbulento, escavando as escarpas que os bordam. É necessário notar, todavia, que quando um tributário importante é desviado em um ponto situado já bastante alto sobre uma grande artéria fluvial, a perda de volume determinado por esta modificação pode representar uma fração considerável do volume total que pertencia anteriormente a este rio mestre e que, conseqüentemente, a perda pode afetar gravemente sua capacidade de seguir as sinuosidades do vale que ele escavou, quando este volume era maior. De outra parte, quando um tributário de volume relativamente pequeno, culminando em um ponto situado na parte média do curso d’água principal, vem a ser desviado, a perda assim ocasionada corresponderá a uma fração bastante insignificante do volume do tronco e as modificações que resultarão depois disso serão mínimas. É por esta razão que a aparência oscilante do Mosa é tão mais revelada perto de Commercy que entre Sedan e Mézières. A perda do Toul (alto Mosela) teve conseqüências mais sérias para o Mosa do que para o Aire.

Últimas observações

66Resta-nos examinar resumidamente certos aspectos do problema. Primeiramente, há outros exemplos de antigos afluentes do Mosa desviados em benefício de seus vizinhos de oeste e de leste? Embora tenha sido impossível achar o testemunho direto no mapa, certos indícios me parecem provar que outros desvios ocorreram. Quando olhamos o Mosa a montante de Pagny, constatamos que ele está lá em desproporção também evidente com seu vale a jusante deste ponto. É então possível que outros afluentes de seu curso superior tenham sido desviados para montante do antigo confluente do Toul (alto Mosela). E se examinamos o Aire, parece claramente que o raio de curvatura de seus meandros atuais é muito menor que este dos meandros do vale que é seguido pelo Bar, de onde podemos inferir que, não somente o Aire tal como ele é hoje, mas ainda a drenagem de uma bacia muito mais vasta escoava-se outrora pelo vale do Bar. Talvez o alto Ornain represente uma parte do volume complementar que o Aire possuía anteriormente, mas eu não pude achar os fatos precisos com o apoio desta hipótese. O mapa na escala 1:80.000 não teve o grau de detalhe suficiente para permitir resolver esta questão sem recorrer ao trabalho de campo.

67Um outro ponto, o qual não fizemos ainda referência, não tem menor importância fundamental para o conjunto do problema. Por que o Sena e o Mosela aumentam seu domínio em detrimento do Mosa? Por que eles possuem uma vantagem sobre o curso d’água intermediário, menos favorecido? Como o Mosa pôde adquirir uma superfície de drenagem tão vasta para vir a ser, em um período mais recente de sua história, quase completamente suprimido de seus afluentes? O problema é muito complexo para que nos aprofundemos aqui, mas ele está entre dois elementos que podem ser indicados em poucas palavras. O primeiro é que entre os cursos d’água pertencentes à rede do Mosa, muitos são cursos d’água longitudinais, quer dizer que eles seguem geralmente a direção das camadas tenras e que seus vales têm as vertentes em inclinação suave a leste e mais íngremes a oeste. Os planaltos para os quais se elevam estas vertentes são determinados pelo afloramento de camadas mais resistentes que estas dos vales situados no intervale. Eu considero subseqüentes os cursos d’água longitudinais desta categoria, acreditando que eles não podem ser formados sob influência direta das vertentes primitivas da superfície do solo, quando ele começou a se elevar acima do nível do mar, mas que sua presença posterior se explica na época onde a degradação das camadas tenras permite a extensão progressiva destes cursos d’água para montante, ao longo de seus afloramentos, da maneira que foi explicado a respeito das adaptações do Marne e de seus afluentes perto de Châlons. O Mosa e ao menos alguns de seus tributários que ele recebia outrora, parecem ter sido o fruto de depredações cometidas sobre o território de um ou de vários cursos d’água mais antigos e, se as coisas realmente aconteceram assim, o Mosa não é digno da compaixão que excita ao estado de empobrecimento manifesto no qual ele se encontra hoje.

  • 6 Este panorama da história do Ardenne foi nitidamente exposto num trabalho de Lapparent intitulado: (...)

68Qualquer que seja o motivo, por que o Mosa encontrou em seguida uma tão grande dificuldade em aprofundar seu vale e a salvar seus afluentes contra a captura de seus vizinhos? A causa maior desta dificuldade deve ser procurada no soerguimento do Ardenne, através das rochas resistentes as quais o baixo Mosa escavou, durante o período Terciário (pode ser somente durante o final deste período), uma profunda garganta. Como o maciço renano, o Ardenne foi formado por rochas antigas deformadas, que foram reconduzidas outrora ao estado de peneplano, de um relevo moderado, irrigado por cursos d’água inativos6, mas o Mosa trabalha ativamente hoje para escavar na espessura de suas rochas, um profundo vale transversal, após o soerguimento enérgico da região. Quando o peneplano era ainda uma região baixa, o Mosa se encontrava relativamente ao abrigo das depredações, mas durante a elevação do peneplano e mais tarde ele deve ter encontrado sérias dificuldades para aprofundar seu leito. O Mosela deve ter tido certa dificuldade para escavar seu vale através das altas terras elevadas do Reno médio, embora o levantamento não pareça ter alcançado tanta importância como no Ardenne e eis como o Sena e o Mosela parecem ter sido beneficiados em detrimento do curso d’água que separa seus afluentes superiores. É muito notável, aliás, que o Mosa seja ainda capaz de manter seu curso através do Ardenne soerguido e este sucesso só pode ser explicado se o olharmos como um exemplo típico de rio antecedente. Ele verdadeiramente lutou para preservar seu curso e ele magnificamente conseguiu, visto que o maciço através do qual se escava a profunda garganta é agora mais elevado que os planaltos onde se encaixam os meandros a montante de Mézières. Todavia, se ele teve a sorte de manter sua passagem através das montanhas ressuscitadas do Ardenne, ele pagou caro por esta vitória pela perda de seus afluentes laterais. As rochas duras do Ardenne formam uma soleira que mantém o alto Mosa a um nível relativamente elevado, permitindo aos afluentes superiores do Sena e do Mosela trasfegar um pouco de seu volume de ambos os lados. Ele fica assim como um rio diminuído, mas perseverante sempre em seu percurso, embora muito incomodado pela perda de certos tributários sobre a competição dos quais ele esperou para abrir caminho para o mar através de todos os obstáculos.

Haut de page

Notes

1 Ver uma nota de A. Winslow em Science (New York), 1893

2 Um acidente do mesmo tipo do Sainte-Austreberte encontra-se no vale do Marne, a uma pequena distância para montante de Meaux. O Grande-Morin abandonou o traçado que o levava primitivamente a Précy, para juntar-se ao Marne em Isles-lès-Villenoy

3 O mapa do Estado-Maior na escala 1:80.000 faz supor três outros meandros abandonados: um a leste de Liny-devant-Dun e outro a nordeste de Létanne, um terceiro a sudoeste de Mouzon (mapa nº IV). A simplificação de alguns destes meandros devem ter se realizado em um período distante da história do vale. Em Koeur-la-Petite, a montante de Commercy, o mapa mostra que a estrada de ferro e o canal utilizam uma depressão interrompendo o espigão que se alonga para Han-sur-Mosa (mapa nºIII) e eu suponho que o caso do Sainte-Austreberte tem aqui seu par

4  National Geographic Magazine, t.I, 1889 e t.II, 1890

5 Minha atenção foi chamada para este exemplo por meu amigo M. Emm. de Margerie, que quis me indicar os escritos de diversos autores franceses, onde o fenômeno acha-se descrito quase completamente e aos quais eu fui reportado, seja no original, seja por certas citações. O primeiro autor que fez menção desta mudança de traçado parece ter sido Boblaye. Desde 1829 (Mém. sur la formation jurassique dans le nort de la France: Ann. Sc. Nat.), ele assinalou a existência no vale do Mosa de seixos rolados de rochas estranhas a sua bacia, mas parecidas com as do vale superior deste que eu chamo aqui de Toul, nos Vosges. Buvignier (Statistique géol. et Min. du Département do Meuse, Paris, 1852) fez uma descrição mais detalhada dos mesmos fatos, de onde ele tirou aliás, uma conclusão idêntica. Husson publicou um trabalho sobre o mesmo tema (Origem da espécie humana nos arredores de Toul, Pont-à-Mousson, 1864), mas eu não pude consultar seu artigo. O documento mais recente sobre este exemplo é dado a Godron (Ann. Club Alpin Français, IIIe année, 1876, p. 442-457). Todos estes autores reconhecem o que podemos chamar de provas geológicas da modificação, quer dizer, a presença no vale do Mosa de cascalhos do Toul, mas pela razão que me pareceu, examinando seus escritos, eles não levaram em conta suficientemente as circunstâncias geográficas do fenômeno. É então sobre estas aqui que eu chamo especialmente a atenção

6 Este panorama da história do Ardenne foi nitidamente exposto num trabalho de Lapparent intitulado: ”A idade das formas topográficas’ (Revue des Questions scientifiques, oct. 1894); mas há lá, eu entendi muito bem o autor, uma conclusão com a qual eu não posso concordar. M de Lapparent disse que no início do período Terciário, quando o Ardenne foi denudado quase até o nível do mar, “os cursos d’água aí circulavam caprichosamente e quase sem inclinação na superfície de um terreno onde nenhuma saliência dominaria”. Primeiramente, a disposição “caprichosa” dos cursos d’água não parece nada verdadeira. Além disso, já que a drenagem atual do Ardenne é afetada na maior parte por um sistema retangular de cursos d’água, cujo traçado é longitudinal, seguindo o afloramento das camadas tenras e transversal na passagem das camadas mais resistentes, parece sensato representar o peneplano o qual foi reduzido o Ardenne, como possuindo ainda alguns vestígios de numerosas cristas que se elevaram outrora acima de sua superfície e de conceber os cursos d’água como estando perfeitamente adaptados às condições de estrutura, durante o período necessário à transformação de uma região primitivamente montanhosa e de estrutura irregular em um peneplano. Os cursos d’água retangulares atuais seriam então não os sucessores modificados por adaptação de uma rede fluvial caprichosa que teria irrigado o peneplano, mas os herdeiros diretos dos cursos d’água, dificilmente adaptados às resistências, de origem terciária. Se certos cursos d’água do Ardenne seguirem agora um traçado caprichoso, sem relação com a estrutura do terreno no qual seu vale foi escavado, estes são sem dúvida os sucessores de cursos d’água terciários de data tardia, pelos quais as adaptações de idade madura deu lugar aos meandros da senilidade, ou são os herdeiros de cursos d’água que correm sobre uma cobertura discordante de camadas cretáceas superiores ou terciárias antigas, hoje completamente destruídas, mas tanto quanto eu pude ver na região e estudar os mapas, os cursos d’água deste gênero não são maioria. Os rios retangulares característicos são bem indicados pelas folhas 48 e 54 da carta topográfica belga em escala 1:40.000

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 – Os algarismos arábicos indicam a localização das figuras deste texto. Os algarismos romanos indicam a localização dos mapas
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/4613/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Mapa 1 – Vale do Sena, próximo a Duclair
Légende Mapa da França, 1:80.000, folha 31.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/4613/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 172k
Titre Mapa 2 – Vale do Mosela, próximo a Berncastel
Légende Karte des Deutschen Reiches, 1:100.000, folha 524.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/4613/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 176k
Titre Mapa 3 – Vale do Mosa, próximo a Saint-Mihiel
Légende Mapa da França, 1:80.000, folha 52.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/4613/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 192k
Titre Mapa 4 – Vale do Mosa, próximo a Dun-sur-Meuse
Légende Mapa da França, 1:80.000, folha 35.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/4613/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 180k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/4613/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/4613/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/4613/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/4613/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/4613/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Mapa 5 – O baixo curso do Bar
Légende Mapa da França, 1:80.000, folha 24.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/4613/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 178k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

William Morris Davis, « O Sena, o Mosa e o Mosela », Confins [En ligne], 4 | 2008, mis en ligne le 12 novembre 2008, consulté le 26 mars 2017. URL : http://confins.revues.org/4613 ; DOI : 10.4000/confins.4613

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org