Navigation – Plan du site
Resenha / Compte-rendu

Atlas du Liban

Ramez Philippe Maalouf

Résumés

Compte-rendu de l’ouvrage Atlas du Liban: territoires et société, sous la direction d’Éric Verdeil, Ghaleb Faour et Sébastien Velut, édition franco-libanaise de l’IFPO (Institut Français du Proche-Orient) et du CNRS Liban (Conseil National de la Recherche Scientifique – Liban), Beyrouth 2007.

Haut de page

Entrées d’index

Index géographique :

Líbano / Liban
Haut de page

Texte intégral

1O Líbano foi, entre a segunda metade do século XIX e a primeira metade do século XX, origem de uma grande leva de imigrantes para o Brasil. Entidades internacionais representativas de imigrantes de origem libanesa indicam o país sul-americano como o maior receptador da diáspora libanesa no mundo. Os líderes da colônia libanesa em São Paulo afirmam que o número de descendentes, passado mais de século e meio de imigração, é estimado entre 2 e 9 milhões (o autor destas linhas sendo um deles). Isso faz com que o Brasil como país com maior número de imigrantes e descendentes em todo mundo1, tenha uma população de origem libanesa superior à população do país de origem2. São, contudo, números imprecisos e superestimados. Outro meio para ilustrar a representatividade desta comunidade no Brasil está na política: nestas eleições municipais de 2008, algumas das capitais mais ricas do país apresentaram vários candidatos de origem libanesa com reais chances de vitória, como: São Paulo (Gilberto Kassab, Geraldo Alckmin, Paulo Maluf), Rio de Janeiro (Fernando Gabeira e Jandira Feghali), Curitiba (Beto Richa) e Florianópolis (Espiridião Amin). Nos casos de São Paulo e Curitiba foram eleitos.

2O Atlas recentemente publicado sob a direção de de Éric Verdeil, Ghaleb Faour e Sébastien Velut deveria, portanto achar no Brasil um bom número de leitores, mas não deveria interessar apenas brasileiros oriundos desta região, o País dos Cedros tem uma importância estratégica nos planos regional e internacional que contrasta com uma população pequena e uma economia e superfície diminutas. Para convence-os, precisa-se aqui esboçar uma síntese da formação do Líbano, para que, desta forma, possam entender o contexto das complexas mutações de um país que já foi considerado a “Suíça do Oriente”, que são os objetos de estudo do livro.

Gênese e situação do Líbano

3O Líbano situa-se no Oriente Médio, região que tem se caracterizado ao longo de mais de meio século como um “pólo perturbações mundiais”2, em função da sua posição estratégica no contato de três continentes: Europa, Ásia e África; berço de quatro religiões monoteístas: cristianismo, judaísmo, islamismo e masdeísmo ou zoroastrismo; assim como também pela presença de 70% das reservas de petróleo mundiais, vital ao desenvolvimento econômico industrial dentro do viés capitalista. O controle das ricas reservas de petróleo e dos escassos recursos hídricos são os motores das lutas ali travadas pelos Estados governados por minorias étnicas, cooptadas como classes dirigentes pelas potências coloniais de forma opressiva, e os povos sem Estado, na disputa histórica de suas afirmações nacional e social3.

4O País dos Cedros destaca-se no centro desta zona de confrontações estratégicas entre potências regionais e internacionais por apresentar uma fragmentação social irredutível e um poder central débil, servindo seu território para disputas de poder, onde cada uma das potências trata de impor seu poder em detrimento das demais, reduzindo o país à condição de Estado-tampão.

5O estatuto de tampão do Líbano foi instituído com a desestruturação do feudalismo tributário-transcomunitário, base econômica da montanha libanesa desde o século XI, durante a ocupação mameluca. Esta desestabilização permitiu a transmutação de comunidades religiosas em órgãos políticos, que, a partir de 1842, favoreceram o surgimento de diversos regimes constitucionais, onde cada comunidade serviu como cliente de potências regionais ou internacionais.  Desta forma, o duplo caimacato (1842-60), o mutassaraf (província autônoma do Monte Líbano, 1860-1914), o mandato francês (1920-43) e o regime estabelecido pelos Acordos de Taëf (1989) conservaram o estatuto tampão do Líbano4, abrindo caminho para intervenções externas.

6O mandato francês (1920-43), imposto, após a I Guerra Mundial (1914-18), sobre os escombros do multissecular Império Otomano e do efêmero Reino Árabe-Sírio, do emir Faysal al-Hashemi, aprofundou o regime confessional com a fundação do Grande Líbano, em 1920, em atendimento a uma antiga reivindicação dos patriarcas cristãos maronitas, quando se anexou à Província do Monte Líbano (predominantemente maronita) cidades costeiras e regiões de maioria muçulmana e de expressiva população cristã greco-ortodoxa (Trípoli, Beirute, Sidon, Tiro, Jabal’Amel, Akkar e Vale do Bekaa). Com a independência da República Libanesa, em 1943, estabeleceu-se um Pacto Nacional não escrito entre cristãos e muçulmanos, de forma a criar uma neutralidade geopolítica (nem Ocidente/França/Inglaterra/EUA e nem Oriente/Síria/Mundo Árabe/Islã), determinando a divisão do poder de acordo com o peso demográfico das comunidades confessionais, segundo o censo demográfico de 1932, que apresentou uma maioria cristã maronita. Desta forma, a presidência da República e a chefia dos serviços de informações se tornaram cargos reservados aos cristãos maronitas, o cargo de primeiro-ministro, aos muçulmanos sunitas; a presidência do parlamento, aos muçulmanos xiitas; o cargo de vice-primeiro-ministro, aos cristãos greco-ortodoxos, e assim por diante. As cadeiras do parlamento foram divididas na razão 6/5 respectivamente entre cristãos e muçulmanos.

7Em 1948, o Líbano participara, com uma força militar simbólica, do conluio árabe-israelense na Guerra de Independência de Israel, para estancar a expulsão dos palestinos pelas forças judias e impedir a formação do Estado árabe-palestino. Com a fundação de Israel, o Líbano negocia o armistício com este país, em 1949, conseguindo o reconhecimento da fronteira sul libanesa estabelecida por franceses e ingleses, ainda no período mandatário5. Porém, em 1958, o Líbano foi palco da Guerra Fria: com a união da Síria com o Egito, formando a República Árabe Unida (RAU), e o golpe militar nacionalista no Iraque, marcando o apogeu do nacionalismo árabe, os EUA invadiram o Líbano, em apoio ao presidente libanês, Camile Chamoun, da direita maronita, para esmagar uma revolta muçulmana pró-nasserista, pró-RAU,  e para repelir um suposto aumento da influência soviética na Região. O conflito terminou com a não-renovação do mandato de Chamoun e a eleição para a presidência da República do general Fouad Chehab (1958-64), que introduziu reformas sociais, promovendo um período de prosperidade e estabilidade econômica, política e social na década de 1960.

8Após a estabilidade da era chehabista, no final dos anos 1960, o Pacto foi contestado devido a fatores externos (Guerra Fria, guerras árabe-israelenses, guerras intra-árabes) e internos, como a má distribuição da riqueza, concentrada em Beirute e nas mãos dos chefes das grandes famílias tradicionais (zaïm) que controlavam as comunidades confessionais, desfavorecendo as zonas periféricas e pobres (Akkar, ao norte, Jabal’Amel, ao sul, e o vale do Bekaa, a leste). Por outro lado, o crescimento da população muçulmana libanesa e a chegada dos refugiados palestinos decorrente das derrotas árabes frente a Israel pressionaram mudanças na redistribuição de poder, o que a direita cristã maronita se negou a fazer, procurando aliança com os EUA, Síria e Israel. A guerra civil eclodiu em 1975, entre “conservadores cristãos” e “progressistas muçulmanos”, tal como a mídia reduzia a complexidade do conflito, colocando a população civil sob o domínio totalitário das milícias, cujos chefes serviam os interesses locais e às potências regionais e internacionais. O território libanês serviu, desta forma, como um sangrento campo de batalha para todos os conflitos do Oriente Médio (EUA x URSS, França x Irã, Irã x Iraque, Iraque x Síria, Síria x Israel, Israel x OLP6, OLP x Síria)7. Em 1976, temendo que os palestinos impusessem aos libaneses um regime de extrema-esquerda e a criação de um Pequeno Líbano cristão apoiado por Israel, os sírios, até então aliados aos palestinos e aos “progressistas” libaneses, passaram a apoiar a extrema direita cristã libanesa e invadiram o país, com apoio tácito dos EUA e dos israelenses. Porém, em 1978, em decorrência da paz entre Israel e Egito, mudaram de lado em favor das forças de esquerda, dos palestinos e dos muçulmanos, permanecendo no país até 2005, quando saíram sob pressão dos EUA, da França e das manifestações libanesas, abrindo caminho para a terceira invasão israelense, em 2006.

9Israel, por sua vez, invadiu o Líbano três vezes. Na primeira, em 1978, as tropas israelenses arrasaram o sul do país sem destruir a OLP. Ao se retirarem, deixaram em seu lugar uma milícia libanesa pró-israelense. A segunda e maior invasão ocorreu em 1982. Nesta, além de devastarem o sul do Líbano, cercaram e invadiram Beirute, para forçar a eleição de um presidente da extrema-direita cristã maronita e esmagar o movimento nacional palestino. Os bombardeios de saturação arrasaram a capital libanesa e destruíram a infra-estrutura do país, causando a morte de milhares de civis.  Antes dos recuos táticos, o exército israelense, em aliança com milícias libanesas, promoveu massacres (como em Sabra e Chatila, em 1982) e guerras civis entre as comunidades libanesas (Guerra das Montanhas, 1983-4, e em Sidon, em 1985) para impedir a unificação do país. Em decorrência da opressiva ocupação israelense no sul do Líbano, os xiitas, antes receptivos aos invasores, passaram a combatê-los, formando o Hizbollah, grupo que passou a liderar a resistência libanesa. Porém, somente em maio de 2000, as tropas israelenses repentinamente se retiraram (visando instilar a guerra civil) de quase totalidade do país, sob forte pressão do grupo xiita. Entretanto, os libaneses ainda reclamam da ocupação israelense das Fazendas de Chebaa, mantendo a resistência armada na fronteira, que serviu de estopim para uma nova invasão de Israel, no verão de 2006, matando mais de 1200 libaneses, repelida pelo Hizbollah mais uma vez. Estima-se que a Guerra Civil Libanesa (1975-90) causou a morte de cerca de 150 mil pessoas num país cuja população não chegava a 3 milhões de pessoas, nos anos 1980, e foi encerrada com a derrota dos cristãos, sunitas e palestinos, com ascensão e fragmentação dos xiitas e a vitória da Síria. Após o fim do conflito civil, em 1990, um consórcio sírio-saudita passou a administrar o país, que, sob a liderança carismática do premier Rafic Hariri, institui-se reformas neo-liberais. Se por um lado, estas reformas permitiram a reconstrução do país, por outro, endividou enormemente sua economia, gerando corrupção e crises sociais, que, justapostas às tensões geopolíticas regionais e internacionais (Segunda Intifada, em 2000, e a segunda invasão do Iraque pelos EUA, em 2003), só aprofundaram o estatuto tampão do Líbano.

10Este painel histórico mostra as dificuldades de gestão estatal do território libanês, alvo de invasões estrangeiras mescladas a conflitos internos. Ele nos indica a fragilidade do Estado libanês e, com isto, as razões das dificuldades encontradas pela equipe de pesquisadores do Atlas du Liban: territoires et société para obter dados e estimativas precisos sobre o conflagrado país levantino.

O Atlas du Liban

11O Atlas du Liban: territoires et société é fruto da colaboração entre os autores, Éric Verdeil, Ghaleb Faour e Sébastine Velul, e órgãos do governo libanês. As informações divulgadas pela obra também podem ser entendidas como um dos esforços do governo libanês na reconstrução do país e sua tentativa de reorganização territorial, avariada pela Guerra Civil (1975-90). A equipe contou ainda com a colaboração franco-libanesa de quatro instituições: o Centro Nacional de Sensoriamento Remoto do CNRS Liban (Beirute), o Institut Français du Proche-Orient (IFPO, Beirute), a equipe de Temps (ENS/IRD, Paris), e o UMR Environnement, Ville et Société (CNRS Lyon). Grande parte dos mapas utilizados na obra foi gerado pelo programa Philcarto, desenvolvido por Philippe Waniez. A publicação foi subvencionada e financiada pelo IFPO, CNRS Liban e o programa franco-libanês CEDRE (2003-6).

12Segundo a introdução da obra, a pesquisa se propõe a compreender o Líbano através da análise da geopolítica regional e da política interna, privilegiando os aspectos sócio-políticos e confessionais, visando combinar e completar estes dois aspectos das dinâmicas territoriais. Este livro não é o primeiro do gênero a ser editado, nos avisa a mesma introdução. Ele foi precedido de três outros atlas na mesma linha, a saber: Atlas de Syrie et du Liban, publicado pelo oficial da marinha otomana, Khanzadian, a serviço do Câmara de Comércio Francesa, em 1926, sob o mandato francês; Atlas du Liban, editado pelo Ministério do Planejamento, em 1964, como resultante das políticas desenvolvimentistas do presidente e general Fouad Chehab; e, por último, o Atlas du Liban, publicado em 2004, editado por um time de consultores do Ministério do Planejamento e distribuído pelo CNRS Liban, que forneceu muitas das fontes utilizadas na atual obra. Além destes três livros, encontra-se o Atlas da Agricultura, que analisa os dados do censo da agricultura de 1999. Em 2003, a Universidade de Saint Joseph lançou o Atlas du Liban: géographie, histoire, économie, reeditado em 2006, com fins pedagógicos, mas não menos ideológicos, visando construir no público escolar, por meio dos mapas, a idéia de uma existência imemorial do país.

13As análises desenvolvidas no livro têm por objetivo uma melhor compreensão das dinâmicas territoriais, sociais e políticas que transformaram o Líbano na última metade do século XX. A metodologia do trabalho observou quatro lógicas transversais de organização territorial, a saber: a construção territorial do Estado nacional libanês, resultante da desintegração do Império Turco-otomano; a inserção do Líbano no processo de globalização econômica, como uma das conseqüências da penetração capitalista das potências européias a partir do século XIX, que também motivou o início das ondas migratórias para as Américas e o mundo; a evolução do Líbano dentro do quadro de tensões geopolíticas regionais e internacionais, como a queda do Império Otomano, a fundação de Israel e os movimentos nacionais árabe-palestino e judeu-sionista, os refugiados da Palestina e da Anatólia e as crises no Golfo Árabe-Pérsico (as invasões do Iraque, em 1991 e em 2003), constituindo-se nos mais graves fatores de instabilidade para o território libanês; e, por último, uma combinação das três lógicas anteriormente mencionadas, que permitem ao leitor a compreensão das mutações territoriais do país através da análise das profundas mudanças nos modos de vida (urbanização, novas atitudes consumistas e demográficas), não menos importante que as mudanças políticas.

14Quanto à metodologia da pesquisa, os autores afirmam na introdução que o livro tem o propósito de combinar várias escalas de análise (o mundo, Oriente Médio, o território libanês, com suas regiões, cidades e aldeias), tendo em vista, principalmente, a conjuntura histórica do país na segunda metade do século XX. Os dados e estimativas são originários de diversas fontes, devidamente citadas e referenciadas, entre as quais a Internet e organizações internacionais. Reconhece-se, porém, que nem sempre os dados são confiáveis, estes casos são mencionados no texto. Entretanto, a maior parte dos dados usados na obra é originária de um trabalho não publicado do CNRS e a equipe de autores. Tais dados foram elaborados entre as décadas de 1990 e 2000, durante o período de reconstrução do país, sob o governo do primeiro-ministro Rafic Hariri (1992-1998; 2000-2004), pelos órgãos da administração libanesa como o Centro de Administração para Estatística, do Ministério da Agricultura, o Diretório-Geral de Planejamento Urbano e o Centro Nacional para Pesquisa Pedagógica que apoiaram a equipe de pesquisadores. Outros dados foram recolhidos durante a elaboração do Plano Mestre Nacional do Conselho de Desenvolvimento e de Reconstrução, assim como imagens de satélite, imprensa, Diário Oficial, entre outros. Estas informações utilizadas foram compartilhadas por estas instituições libanesas e os autores, de acordo com os métodos de mapeamento estatístico.

15Os autores afirmam que escolheram imagens e temas seguindo critérios subjetivos, baseados na veracidade e na disponibilidade das fontes, assim como pela vontade de expor uma gama variada de dados. Assim, a obra foi dividida em seis capítulos e deveria ter sido publicado originalmente em meados de 2006, quando, no verão do mesmo ano, ocorreu a terceira grande invasão israelense do Líbano. Por isso, foi acrescido ao livro um post-scriptum que trata dos danos causados pelos bombardeios de saturação da aviação e marinha israelenses à infra-estrutura civil libanesa, assim como, das dinâmicas territoriais decorrentes da guerra. Os capítulos da obra foram elaborados observando as quatro lógicas de organização territorial anteriormente mencionadas.

16O primeiro capítulo é dividido em duas partes. Na primeira, discute-se a posição do Líbano nas linhas de fratura da geopolítica do Oriente Próximo8 e na segunda, a gestão territorial do Estado libanês. O capítulo tem por objetivo analisar a formação territorial do Líbano como decorrência da fragmentação do Império Turco-Otomano e da penetração capitalista das potências européias no Oriente Próximo, a partir do século XIX. Há uma descrição da geografia física do país, ressaltando o relevo montanhoso e os seus recursos hídricos, que oferecem uma singularidade ao Líbano na região próximo-oriental. Logo em seguida, acresce-se uma síntese da história do Líbano, descrevendo, também, as heranças arquitetônicas e urbanas das diversas civilizações, povos e exércitos que ali invadiram, ocuparam e habitaram.

17Nestas análises, constata-se a justaposição de antigas (os vilayets, sanjackes, caimacamyiat, mutassarrif e cazas, da era otomana) e novas formas de gestão territorial (sistema mandatário, Estado-Nação), que forneceram as bases da instabilidade política do Oriente Médio, situação que se degradou com o movimento nacional judeu e a fundação do Estado de Israel na Palestina, com a expulsão dos árabes palestinos do país. O Líbano recobra sua vocação de refúgio de minorias, recebendo os armênios, que foram massacrados na Anatólia pelos turcos no decorrer da Primeira Guerra Mundial (1914-18), com a intenção de reforçar a superioridade numérica dos cristãos, e os palestinos expulsos de então recém-criado Estado judeu, após a Segunda Guerra Mundial (1939-45). A estas ondas de refugiados, se somariam em menor escala, a dos curdos, majoritariamente sunitas, e os cristãos assírios-caldeus, nestorianos, greco-ortodoxos e siríacos ortodoxos e católicos, que fugiam dos massacres perpetrados pelos ingleses no Iraque no início da década de 1930. O capítulo ainda oferece ao leitor um especial destaque às recomposições territoriais da Guerra Civil, ressaltando a fragmentação política do território decorrentes das guerras entre as diversas milícias e das invasões e ocupações dos países vizinhos, Síria (1976-2005) e Israel (1978, 1982-2000). A primeira parte do capítulo é concluído com uma análise do processo legislativo libanês, entre 1992 e 2005, para uma melhor compreensão da transição para a IIa República e as tensões políticas dela decorrentes, ressaltadas pela cartografia, que desautorizam uma leitura confessional deste processo.

18A segunda parte do primeiro capítulo trata da gestão estatal do território libanês, que foi duramente contestada pelos grupos internos (as milícias) e pelas invasões e ocupações estrangeiras nas quatro últimas décadas. Segundo os autores, tais acontecimentos explicam a dificuldade do Estado em mapear o território libanês, gerando não apenas litígios fronteiriços com os países vizinhos, Síria e Israel, mas, também, uma falta de precisão na mensuração da própria superfície do Líbano. De acordo com Ministério da Agricultura e o CNRS Liban, o País dos Cedros tem 10 250 km2 e não os 10 452 km2 proclamados pelo presidente assassinado em 1982, Bechir Gemayel. A segunda parte do capítulo termina com uma análise histórica da divisão política do Líbano, acrescida de uma cartografia detalhada destas divisões. Os autores mostram a ocorrência de uma multiplicação de municípios no pós-Guerra Civil, numa espécie de resposta à centralização estatal de gestão do território. Tal fato também pode ser atribuído às necessidades do Estado em dotar as regiões de capacidade local de decisão (e, de certa forma, criando canais de redistribuição em favor do poder dos zaïm e das comunidades confessionais), porém estas novas estruturas territoriais carecem de recursos.

19O capítulo 2 situa o Líbano no contexto da globalização, processo caracterizado pelos autores como ambíguo, pois ao mesmo tempo em que aumenta as possibilidades de fonte de renda para o país, representa também um fator de fragilidade e de dependência. Para a equipe de pesquisadores, o Líbano sofreu precocemente a globalização, que pode ser remetida aos tempos fenícios e sua dispersão pelo Mediterrâneo. Esta mundialização, todavia, não se reduz a um incremento nas trocas – onde Beirute se destacou como um dos principais praças comerciais e financeiras do Levante –, é caracterizada também pela diferenciação e hierarquização de territórios. Segundo os autores, a penetração capitalista européia a partir do século XIX desestruturou as antigas formas de organização social, política e econômica no Oriente Médio otomano (e relegaram o Monte Líbano e, posteriormente, a República Libanesa à periferia do capitalismo), criando as condições para a diáspora dos libaneses pelo mundo, especialmente para América Latina, entre os anos 1920 e 1960, onde o Brasil constituiu-se no principal centro de atração da migração libanesa. As estatísticas e os mapas mostram como a partir da eclosão da Guerra Civil, a praça comercial e financeira de Beirute é marginalizada e a Austrália, o Canadá, a Europa, os xecados árabes do Golfo Árabe-Pérsico e a África se convertem nos principais centros de atração desta migração. A diáspora revela-se uma importante fonte de renda, cerca 25 % do Produto Interno Bruto (PIB), o terceiro do mundo em remessa de emigrantes, que compensa parcialmente os desequilíbrios macro-econômicos causados pela dependência de capitais externos. Esta situação é decorrente da opção neo-liberal, que não levou em consideração uma economia fragilizada pela longa Guerra Civil e a instabilidade política provocada pelas constantes intervenções e invasões estrangeiras. A grave situação econômica e a instabilidade política não sensibilizaram as demais nações, que oferecem pouca ajuda internacional. A análise da questão lingüística como elemento de globalização do país levantino confirma orgulho dos libaneses como um povo poliglota e o predomínio da francofonia, que é contestado apenas no ensino superior. Entretanto, faltou à mesma pesquisa destacar a língua portuguesa devido ao retorno dos emigrantes e descendentes líbano-brasileiros ao país de origem. O estudo revela como o ensino destas línguas estrangeiras é favorecido pelas escolas e universidades fundadas pelas antigas potências coloniais. O capítulo dedica-se também ao estudo do lugar do Líbano no Oriente Médio, onde gráficos e mapas ressaltam a marginalização de Beirute, como a principal praça comercial e financeira e como principal pólo turístico da região, posições que foram tomadas por Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. O turismo, outra fonte importante de renda antes da Guerra Civil, hoje cresce, mas não tanto quanto seus vizinhos, como a Síria. Para finalizar, o papel midiático e cultural do País dos Cedros no Mundo Árabe, onde se destaca como o maior exportador de impressos entre os países árabes.

20O terceiro capítulo trata de um tema delicado para os libaneses, população e povoamento. O último censo oficial ocorreu em 1932, sob o domínio francês, e serviu de base para a divisão do poder em bases confessionais, na independência do Líbano, em 1943. O Pacto verbal, estabelecido logo após o fim do mandato francês, reconheceu 18 comunidades religiosas, sendo as principais: os cristãos maronitas, greco-ortodoxos, greco-melquitas e armênios e os muçulmanos sunitas, xiitas, alauítas e drusos, cujas dinâmicas demográficas são analisadas neste trabalho. Desde então, as comunidades reconhecidas oficialmente não conseguiram chegar a um acordo sobre os termos para a realização de um novo censo demográfico, possivelmente pelo temor de alterar radicalmente suas respectivas posições na partilha do poder, pois afeta aquelas comunidades cujas populações (especialmente os cristãos maronitas) tiveram uma redução nas últimas décadas, por vários motivos (guerras e crises econômicas), que intensificaram a emigração.

Distribuição das religiões cristãs

Distribuição das religiões cristãs

21A contestação da divisão confessional do poder foi uma das principais causas da eclosão da Guerra Civil, por isso, a imprecisão dos números tem seu papel na vida política do país. Os autores revelam que a população do Líbano oscila entre 3,7 e 4 milhões, segundo estimativas da Universidade St. Joseph e a Administração Central de Estatísticas (ACS). Ainda de acordo com as pesquisas, a despeito da falta do censo demográfico, a população da diáspora iguala ou supera por pouco a população do país de origem. Observa-se ainda as dinâmicas demográficas (fecundidade e pirâmide etária), que revelam a queda de fecundidade dos libaneses e o envelhecimento dos mesmos, a repartição regional da população e sua evolução e a oposição de um centro urbano, litorâneo e com infra-estrutura mais desenvolvida a uma periferia rural, pobre e com fecundidade alta. O livro apresenta um estudo sobre a densidade demográfica e a demografia confessional, que revela um Líbano majoritariamente muçulmano (65% da população, em 2006). Outro tema sensível é discutido; a presença de população estrangeira no país, onde se destacam os armênios, curdos, cingaleses, egípcios e, especialmente, os refugiados palestinos e os trabalhadores sírios. Enquanto os dois primeiros foram assimilados à sociedade libanesa, os dois últimos são alvos de ódio e ressentimento por parte dos libaneses, que pode ser entendido como reflexo das intervenções palestinas e sírias durante Guerra Civil.

População e densidade de população

População e densidade de população

22O quarto capítulo é dedicado às mutações territoriais decorridas, sobretudo, da Guerra Civil. O texto analisa as conseqüências do conflito e os danos por ele causados, como as limpezas étnico-confessionais, massacres, o arrasamento e o abandono do centro comercial de Beirute, assim como, a degradação do meio ambiente, como a poluição das águas – afetando rios, lagos e o litoral – e a destruição das florestas. Os mapas retratam os deslocamentos populacionais massivos realizados, durante o conflito, com o objetivo de constituírem territórios étnico-confessionais homogêneos, especialmente a divisão da capital libanesa entre os setores oeste (“muçulmano”) e leste (“cristão”). Comenta-se, também, as dinâmicas urbanas no período do pós Guerra Civil, constatando-se a tendência de concentração urbana em favor das regiões central (Beirute e vizinhança) e litorânea do país. Segundo os autores, os deslocamentos populacionais forçados (limpezas étnicas) deprimiram certos territórios e criaram, por outro lado, o desenvolvimento urbano de novos setores. Estas dinâmicas, apontadas pelos autores, não resultam apenas do conflito, mas também de um processo iniciado anteriormente decorrente das mudanças sociais tais como: o declínio da agricultura, o retorno dos emigrantes e o enriquecimento de frações da população que alteraram os padrões de consumo. São abordadas ainda neste capítulo, as mutações dos espaços agrícolas e naturais. O capítulo é concluído com o estudo da organização de três regiões libanesas como exemplares de um processo desenvolvimento urbano crescente que se alastra por todo o país: a região central, Beirute e sua vizinhança, nas montanhas; região rural de Laboueh, pequena cidade ao norte do Bekaa; e a Sarafand, no litoral do sul do Líbano.

Os refugiados palestinos

Os refugiados palestinos

23O capítulo 5 dedica-se ao estudo da estrutura espacial da economia libanesa. Os autores advertem sobre problemas de lacunas de informações estatísticas nacionais e, principalmente, locais. Foi utilizado neste capítulo como fonte estatística, o trabalho da Missão de Contas Econômicas Nacionais, entre os anos de 1997 e 2002. Os autores analisam e comentam, com isto, a evolução recente da estrutura do PIB (Produto Interno Bruto) libanês, entre 1997 e 2002. Analisa-se também a repartição regional da população economicamente ativa, a produção agrícola (onde a Bekaa se destaca como maior produtor), a indústria e os serviços (setor financeiro, comércio, turismo e lazer). Segundo a pesquisa, o comércio é o principal setor de atividade no Líbano, concentrando 27% da população ativa em 2001, respondendo por 33% do PIB e 54% dos estabelecimentos em 1997.

24O sexto capítulo complementa as análises da economia libanesa através do estudo dos níveis de vida da sociedade, dos equipamentos e das infra-estruturas, que são mensurados pela renda e acesso aos serviços urbanos. Através destes dados, observa-se a polarização da sociedade em detrimento das classes médias. Segundo os autores, tais desigualdades apresentam um forte componente territorial, opondo regiões urbanas e litorâneas às rurais e montanhosas. Destaca-se, de imediato, a pobreza das regiões norte (Akkar), leste (Baalbeck-Hermel) e sul (Tiro, Sidon, Bint Jbeil e Jezzine), que apresentam o predomínio de populações muçulmanas sunita e xiita, em contraste com as regiões centrais do país (Beirute e as Montanhas do Líbano), com forte presença cristã. O registro sobre as atividades e empregos reafirma tal disparidade espacial-econômica que se reflete nos índices de analfabetismo e da população diplomada com nível superior. Esta desigualdade espacial e econômica se reflete na prestação de serviços urbanos, tal como o acesso à água potável, onde se constata novamente a marginalização das regiões norte, leste e sul. Entretanto, a região central (capital e vizinhança) também apresenta uma infra-estrutura de serviços precária explicada, em parte, por uma urbanização mais antiga. O texto inicia com um estudo da estrutura sócio-econômica da população, prosseguindo com um a análise sobre as atividades e o emprego. Os autores comentam as infra-estruturas, a educação e a saúde, onde constatamos uma expressiva presença de investimentos privados em tais serviços, no que parece ser uma deliberada privatização de serviços essencialmente públicos. Tal situação foi agravada pelo conflito civil, cujo objetivo era o desmantelamento do aparelho estatal. Seria, portanto, razoável supor que, com o término do conflito, um retorno dos investimentos estatais nos setores públicos fosse mais urgente. Os autores entendem que tal disparate (o predomínio de um setor de saúde privado) pode ser explicado pela pressão de uma demanda regional, clientes oriundos dos xecados do petróleo do Golfo Árabe-Pérsico. Conclui-se o capítulo com um apelo feito pelo Acordo de Taëf em favor de um “desenvolvimento equilibrado”, que, para os pesquisadores, deve ser favorável a um tratamento igualitário entre as diferentes regiões e confissões.

25O sétimo capítulo oferece um painel histórico das políticas estatais para gestão do território libanês, que como visto no pequeno histórico anterior, a formação do Estado libanês foi atrofiada pela instituição do confessionalismo que favorece os notáveis (zaïm) de cada comunidade, gerando uma política clientelista, situação agravada pela Guerra Civil, que introduziu novos atores, como os chefes de milícias. Entretanto, segundo os pesquisadores, antes do longo conflito, as políticas de gestão estatal do território alcançaram um ponto máximo no período chehabista (1958-64), com a criação do Instituto de Pesquisa e de Formação e de Formação em Vias de Desenvolvimento, IRFED, tendo em vista a coesão nacional. Dentro deste programa, foram instaladas água potável e energia elétrica nas vilas, assim como a irrigação no campo. A era chehabista se tornou, então, numa referência e num modelo de administração. De acordo com os pesquisadores, os projetos de reconstrução surgiram após a Guerra dos Dois Anos (1975-6), em 1977. Estes planos ganhariam um segundo impulso após a invasão israelense de 1982, durante a presidência de Amin Gemayel, que criou o CDR (Conselho de Desenvolvimento e de Reconstrução). Já existia, contudo, um outro órgão em operação, o Conselho do Sul, criado em 1970. O CDR foi reativado ao fim da Guerra Civil, em 1991, alocando recursos internos e externos (investidores internacionais, como a União Européia) para áreas periféricas e pobres, na reconstrução da infra-estrutura essencial (água, alimentação, eletricidade, telefone, estradas, aeroporto, água e saneamento), contradizendo, em alguns momentos, os imperativos de concentração de investimentos em Beirute, de acordo com a competitividade econômica. O governo também adotou políticas compensatórias à população deslocada durante a Guerra Civil. Famílias que foram expulsas pelas milícias durante os confrontos recebem indenizações para retornarem às cidades e aldeias de origem. (De certa forma, não deixa de ser uma pressão para o retorno dos refugiados palestinos a Israel). O texto também analisa a reconstrução de Beirute e de Damour e finaliza comentando os novos canteiros de administração e desenvolvimento.

A reconstrução de Beirute

A reconstrução de Beirute

26O último capítulo, um post scriptum, traz um levantamento dos danos causados pela última invasão israelense, no verão de 2006, no momento do término da escrita do Atlas. O Líbano foi submetido novamente a um bombardeio de saturação desferido pelo país vizinho do sul. A infra-estrutura foi avariada severamente de forma a afetar a logística do Hizbollah (destruição de estradas e pontes, usinas de energia elétrica, fábricas, estações de rádio e televisão) e isolar o Líbano do mundo, especialmente, da Síria, que colabora com o grupo xiita. Israel atacou com o pretexto de resgatar dois soldados de seu exército capturados pelo Hizbollah, entretanto, outros fatores geopolíticos estavam em jogo: o programa nucelar iraniano boicotado pelo Ocidente; a invasão e ocupação do Iraque pelos EUA; a construção do oleoduto Baku-Tbilisi-Ceyhan (BTC) a ser ligado a Israel; a ocupação dos territórios palestinos pelos israelenses; e o combate ao “eixo xiita” formado pela aliança entre Síria, Irã e Hizbollah. A ofensiva israelense causou a morte de mais de 1 200 libaneses, civis em sua maioria, e o deslocamento de centenas de milhares de pessoas. Segundo os autores, o bloqueio naval, assim como a data do ataque, visava causar danos às atividades turísticas do país, prejudicando, especialmente, a região central das Montanhas do Líbano, altamente dependente dos turistas estrangeiros, e, também, interromper o processo de reconstrução nacional. O turismo foi afetado pelos bombardeios contra reservatórios de carburetos da usina térmica de Jiyyeh, ao sul de Beirute, criando uma “maré negra” que poluiu todo o litoral, atingindo as costas da Síria, Chipre e Turquia, este último, aliado de Israel. O texto revela como o conflito paralisou a economia e aumentou enormemente a dívida externa. Desta forma, apesar dos israelenses afirmarem que seu ataque se dirigia aos militantes do Hizbollah, a cartografia da obra permite-nos observar que as principais vítimas, mais uma vez, da terceira invasão israelense foram os civis, seja pelas bombas disparadas do mar, ar e terra, seja pela destruição da infra-estrutura, seja pelas minas deixadas pelos invasores, que ainda hoje mutilam e matam pessoas. Apesar de o ataque atingir todo o país, a região mais afetada foi o sul, na fronteira com Israel. A última parte deste post scriptum se dedica aos esforços de reconstrução no contexto regional turbulento. Destaca-se o incremento de tropas da FINUL (Forças Interinas das Nações Unidas para o Líbano), criada após a primeira grande invasão israelense, em 1978, no intuito de garantir a paz na zona fronteiriça, de 5700 homens em 2000, após o recuo israelense, para 11 mil soldados, sob o comando da França, que tenta retomar sua influência sobre o Líbano após o assassinato de Rafic Hariri, amigo do ex-presidente francês Jacques Chirac. Outros países também integram as tropas das forças de paz, Espanha, Alemanha, Bélgica e Polônia, assim como, as nações muçulmanas, a Indonésia, Malásia e Turquia. A presença das tropas turcas em solo libanês causou desconforto à comunidade armênio-libanesa e carrega uma forte conotação simbólica, pois a Turquia tem sérios problemas fronteiriços com Síria e Iraque e é herdeira do Império Otomano, potência que dominou a região, promovendo massacres e fome nas Montanhas do Líbano nos sécs. XIX e XX. Igualmente notável é a presença de uma pequena tropa chinesa nas forças de paz, que assinala os intentos de uma penetração econômica. As tropas européias em solo libanês integram também a OTAN. Observamos que tal engajamento militar revela o retorno do estatuto tampão do Estado libanês. O texto aborda também a ajuda internacional para a reconstrução do Líbano após a Guerra de Julho-Agosto de 2006. A ironia de tal ajuda é que os maiores doadores são os países que indiretamente favoreceram a desestabilização do Líbano e a conseqüente invasão israelense, como são os casos da Arábia Saudita e EUA, inimigos declarados do Hizbollah.

27O lançamento Atlas du Liban: territoires et société, por iniciativa do IFPO e do CNRS Liban, constitui um importante estímulo para os que pretendem iniciar suas pesquisas sobre o Líbano, um país desconhecido da grande maioria dos brasileiros, apesar de o Brasil abriga o maior número de descendentes de libaneses em todo mundo. Podemos concluir que a obra oferece um amplo painel das complexas dinâmicas territoriais do Líbano e de sua turbulenta formação histórica, que desafiam a compreensão até mesmo de seus analistas. O livro cumpre a tarefa de constituir um grande manancial de informações espaciais, de dados e estatísticas sobre o pequeno país levantino, que preenchem as lacunas que as instituições oficiais libanesas não fornecem. A leitura da obra promove uma reflexão sobre a inserção do Líbano na economia internacional e o seu papel no equilíbrio geopolítico do Oriente Médio. Neste aspecto, ressalta-se o processo de reconstrução do pós-Guerra Civil. O livro, escrito entre 1997 e 2006, também pode ser entendido como mais um esforço de reconstrução nacional do governo do premier Rafic Hariri. A cartografia é rica e inédita, revelando as disparidades regionais e confessionais, mas, que, se ao mesmo tempo contestam uma rasa leitura confessional da geopolítica local e regional, revelam uma fragmentação irredutível da sociedade libanesa. Devemos levar em consideração as imensas dificuldades encontradas pela equipe de pesquisadores na coleta de dados e estatísticas das instituições libanesas, que ressaltam o estatuto tampão do Líbano e a fragilidade de seu Estado nacional.  A obra, portanto, amplia a discussão sobre o complexo Oriente Médio.

Haut de page

Notes

1 GATTAZ, André. Do Líbano ao Brasil : história oral de imigrantes. São Paulo: Gandalf, 2005. p. 78
2 RAMONET, Ignácio. Um novo estado do mundo. Disponível em: <http://diplo.uol.com.br/2006-09,a1393>. Acesso em: 29/09/2006
3 NIGRI, Inácio Meneche. Nações e etnias do Oriente Próximo nas estratégias de Israel: pensamento e práxis. 2003. Disponível em: <http://www.bookbrasil.com.br/livro.asp?id=194>. Acesso em 15/12/2006, p. 11.
4 CORM, Georges. ¿Puede el Líbano librarse de la condición de Estado tampón?. Disponível em: <http://www.voltairenet.org/spip.php?article125874#article125874>. Acesso em: 17/06/2005.
5 NIGRI, Palaestina, Palestina: dos otomanos à partilha e à formação do Estado de Israel (do séc. XIX a 1947-48). Tese (Doutorado em História Social) Faculdade de História – Universidade Federal Fluminense, Niterói – RJ, 2005. p. 126-35.
6 OLP – Organização para a Libertação da Palestina, fundada em 1964 e reconhecida, a partir de 1974, pela Liga dos Estados Árabes como a única representante legal do povo palestino.
7 CORM, Crise libanesa num contexto regional turbulento. Disponível em: <http://diplo.uol.com.br/2005-04,a1092>. Acesso: 23/10/2005.
8 Aqui se entende por Oriente Médio (OM) como o subconjunto geopolítico maior composto pelos seguintes países: Egito, Jordânia, Israel, Arábia Saudita, Iêmem, Somália, Djibuti, Omã, Emirados Árabes Unidos, Catar, Bahrein, Kwait, Iraque, Líbano, Síria, Turquia, Irã, Chipre, Israel/Palestina, Etiópia e Eritréia, podendo englobar Afeganistão e Paquistão, ver NIGRI, Nações e etnias do Oriente Próximo nas estratégias de Israel: pensamento e práxis. 2003. Disponível em: <http://www.bookbrasil.com.br/livro.asp?id=194>. Acesso em 15/12/2006, p. 11. O conceito de OM difere do conceito de Oriente Próximo (OP), por este último ser mais estrito, compreendendo apenas Egito, Jordânia, Líbano, Kwait, Iraque, Israel/Palestina, Líbano e Síria, ver GATTAZ, op. cit., p. 18. Os dois termos OP e OM revelam um caráter eurocêntrico para denominar a região compreendida entre a Índia e a China e a Europa.
Haut de page

Table des illustrations

Titre O Atlas do Liban
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5122/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 248k
Titre Distribuição das religiões cristãs
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5122/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 332k
Titre População e densidade de população
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5122/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 340k
Titre Os refugiados palestinos
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5122/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 204k
Titre A reconstrução de Beirute
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5122/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 375k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Ramez Philippe Maalouf, « Atlas du Liban  », Confins [En ligne], 4 | 2008, mis en ligne le 12 novembre 2008, consulté le 29 juin 2017. URL : http://confins.revues.org/5122

Haut de page

Auteur

Ramez Philippe Maalouf

mestrando em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo, ramez1995@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org