Navigation – Plan du site

Introdução ao debate sobre a metropolização

Uma chave de interpretação para compreender a organização contemporânea dos espaços geográficos
Guy Di Méo

Résumés

La métropolisation est un phénomène universel caractérisé par la concentration, dans des aires urbaines désormais fluides et ouvertes, d’un nombre croissant d’habitants vivant au rythme de mobilités incessantes, utilisant les TIC et se consacrant de plus en plus à la production de services. L’interconnexion de ces métropoles au sein d’un réseau mondialisé en constitue l’une des originalités majeures. À la fois système productif globalisé très efficace et processus nouveau de valorisation/occupation des espaces, la métropolisation est aussi un instrument de classement des groupes sociaux au sein d’espaces toujours plus fragmentés. Cette introduction pointe les principales questions que posent aux sciences de l’espace géographique le processus de métropolisation et les formes d’innovation tant sociale que spatiale qu’il suscite. Traduction de l’article « Introduction au débat sur la métropolisation », publié sur le site Hal-Shshttp://halshs.archives-ouvertes.fr/halshs-00281654/fr/

Haut de page

Entrées d’index

Índice de palavras-chaves :

método, metrópole, metropolização, mundialização, redes
Haut de page

Notes de la rédaction

Tradução Aniel Lima dos Santos, Universidade de São Paulo

Texte intégral

Como definir a metropolização?

1Pela etimologia e em escala pequena, a dos grandes espaços da superfície terrestre, a metropolização se confunde com o desenvolvimento das “cidades-mães”. Historicamente, desde os tempos pré-modernos são os interlocutores privilegiados de outras cidades que elas controlam, dominam e as integram aos seus movimentos e suas redes de trocas, as quais elas emitem serviços raros, ou mesmo estratégicos, contra prestações ou bens mais banais, conhecidos com menor valor.

2As metrópoles preenchem assim uma série de funções essenciais (políticas, econômicas, culturais ou ideológicas); aquelas que concernem, no mais alto nível, o governo dos homens, de suas atividades, de seus valores. Elas constroem uma rede mundial, um tipo de tecido de centralidades combinando lógicas hierárquicas e resilientes. De todo modo, elas se apóiam sobre conjuntos territoriais de porte variável, ligados entre si por seu indispensável papel de intermediários. Assim, trata-se de uma larga gama de áreas urbanas engrenando metrópoles assentadas no coração das regiões que dividem os territórios nacionais até as metrópoles mundiais e as cidades globais que governam o planeta.

3Desde algumas décadas, trata-se de fato de « mães », sempre mais possessivas, sempre mais hibridas e multirraciais, organizadoras maiores do espaço geográfico, reproduzem a textura de uma toalha que gera enormes recursos; muitos dos quais nunca antes produzidos pela humanidade. Esta constatação coloca um primeiro problema: se o fenômeno adquire nos nossos dias uma amplitude universal, materializado pela difusão das “manchas”urbanas que ele produz; metrópoles de países ricos e de países pobres, aquelas mais poderosas e aquelas dominadas não portam o mesmo rótulo. Sabe-se que x milhões de habitantes agrupados em uma aglomeração urbana nos países do Sul não representam o valor econômico, o poder político e a capacidade informacional de seu equivalente demográfico no Norte. Posto isto, pode-se abordar do mesmo modo umas e outras? México e Nova York, de porte parecido, mas com o PIB (sem evocar outros indicadores bem demonstrativos) mais do que o dobro da segunda em relação à primeira, se classificam ambas na mesma categoria

4Em maior escala, aquela de localidades que tendem progressivamente a se regionalizar (regiões metropolitanas), a metropolização que não significa urbanização stricto sensu, e nem se confunde totalmente com a globalização (global city de Saskia Sassen), se observa a partir um nível mínimo de concentrações humanas mais ou menos difusas. Trata-se de um mínimo pouco preciso, o de aglomerações de algumas centenas de milhões de habitantes (se avizinhando a um milhão?) dispostos em torno de um ou de vários centros urbanos... Até constituir conjuntos territoriais agrupando de uma a duas, ou até três dezenas de milhões de indivíduos, dentre os mais expressivos entre eles. Somemos que no interior do espaço metropolitano, a noção de “metapole” designaria, segundo François Ascher, uma bacia única de emprego, de atividades e de habitat nos espaços heterogêneos, não forçosamente contíguos, ultrapassando os limites ordinários da cidade.

5É importante lembrar, em todo caso, que a metropolização, nestas escalas do local e do regional, se identifica com o consumo acelerado do espaço geográfico. Ela permite freqüentemente formas de ocupação do solo mais diluídas e mais ruralizadas que aquelas da cidade moderna e compacta de outrora. Não é neste sentido que certos autores falam, aliás, não livres de alguns exageros aos olhos de um Europeu, do fim das cidades? Independente do que elas sejam estas formas dinâmicas e circulatórias da metropolização, planificadas ou espontâneas, senão caóticas, organizam novos tipos de paisagens, de equipamentos e de habitats, de relações tanto sociais quanto espaciais, de movimentação de habitantes, de atividades econômicas, de gestão e de apropriação de lugares, de terrenos baldios ou esperando um novo uso, de modos de governança, de transtorno também... Notar-se-á que neste universo em mutação, a inovação social, territorial, política e econômica é freqüentemente aberta. Precisemos ainda que de regionais a mundiais, as metrópoles são implacáveis maquinas de triar e de canalizar os indivíduos assim como os grupos que elas acolhem. Em virtude de leis sociais que as regem, elas distribuem, repartem homens e mulheres segundo seus meios econômicos, por vezes em função de seus grupos étnicos e culturais, num espaço urbano fractal e quase sem limites que expõe uma impressionante fragmentação morfológica e social. Bem entendido, não foi necessário esperar os tempos contemporâneos ditos da metropolização para descobrir a realidade e as elasticidades da segregação e de se confrontar o problema da justiça social e espacial, que muito frequentemente as metrópoles menosprezam abertamente. Entretanto, a metropolização confere por sua vez uma nova amplidão, uma diversificação desproporcionalizada e espaços incontestavelmente novos a estes fenômenos de segregação/segmentação de certo modo antigos. Ela os conduz às suas convulsões, multiplicando de um lado os bunkers riqueza (gated-communities e outras áreas de habitação completamente fechadas, retomaremos este ponto) aos quais ela pode conceder uma autonomia política de gestão, isolando de outro modo os guetos desfavorecidos, abandonados pelo poder publico.

6Ao todo, o termo « metropolização » faz referência a processos. Ele caracteriza tanto as formas quanto as funções e as dinâmicas dos maiores agrupamentos humanos de nosso tempo. A questão da metropolização abre, portanto, um fabuloso campo para a pesquisa em ciências humanas e sociais. Esta aqui se propõe alias, desde alguns anos, a apreender suas formas, suas funções, de entender seus desafios de identificar seus riscos, mas também suas promessas para o futuro de uma humanidade que a metropolização polariza.

7 É este projeto, através de uma aproximação dos instrumentos e dos métodos mobilizáveis para tanto, que explora, modestamente, o presente trabalho. Obviamente, todas as urbanizações, todos os crescimentos e super-crescimentos periféricos das cidades, todos os fenômenos observáveis da expansão urbana não ressaltam forçosamente a metropolização. Em torno das cidades pequenas e médias (até as aglomerações da ordem de 200 ou 300 000 habitantes na Europa e na América do Norte, contando ainda de 500 000 a 1 milhão de habitantes da Índia e da China), a instalação recente e invasiva de novos residentes não destaca forçosamente a metropolização. Indiretamente, entretanto, mesmo nos casos destas entidades urbanas mais modestas, a influência metropolitana é quase incontestável. Com efeito, a expansão demográfica do número de aglomerações de porte moderado que se traduz pela periurbanização de seus cidadãos e de uma parte de suas funções, assim como a instalação de novos habitantes vindos de outros lugares, não é indiferente à posição destas cidades (pequenas ou médias) na órbita ou não de uma metrópole regional, nacional, a fortiori, mundial. Ela pode igualmente depender de sua situação no contato de várias áreas metropolitanas; até mesmo de sua inscrição em um tecido metropolitano mais denso, como é o caso para as faixa e manchas de metropolização continuas das megalópoles da Europa mediterrânea e renana, do Nordeste americano, do Japão central, do litoral sul chinês, da bacia de Londres e da Califórnia meridional, etc.

8Estes fenômenos polimorfos de metropolização se circunscrevem no contexto de uma temporalidade bem particular: pos-modernidade, até mesmo modernidade 3 do geógrafo Jean- Paul Ferrier. Eles participam misturados da era da mundialização e do global, do triunfo das técnicas da informação e da comunicação (TIC), da forte influência do setor de serviços sobre toda a economia (pós-fordista), dos meios de transportes rápidos, da mobilidade generalizada. Eles tiram partido e proveito de um tempo contemporâneo onde as conexões topológicas, aquelas de fluxo percorrendo redes interurbanas de sistemas de transportes/comunicações rápidas, constituídos à imagem de flechas de um gráfico, perturbam ou pelo menos completam as continuidades e as contigüidades topográficas. Às forças essenciais de proximidade que se impunham no passado, soma-se doravante o beneficio de novas relações, hierárquicas ou não, se tecendo entre cidades e conjuntos territoriais com pouco em comum. Um autor como Jean-Paul Ferrier resume bem este propósito quando ele afirma que o termo “metropolização” apenas designa o estado atual da territorialização das regiões do mundo submissas intensas mutações de todas as ordens, qualquer que sejam suas posições sobre um eixo países desenvolvidos/países em desenvolvimento.

Uma tensão entre processos específicos e genéricos

9Nestas condições, mas será preciso retornar a este ponto, a metropolização também concerne às aglomerações urbanas do Sul. Ela as toca segundo modalidades por sua vez genéricas e específicas. A porção de umas e de outras se situa, aliás, no coração das problemáticas da metropolização. Não se perguntou Rem Koolhaas se a cidade “não evacua, no nos dias, a noção de identidades?”. Com efeito, se a identidade da cidade deriva do aspecto material de sua história, do contexto patrimonial específico que ela fornece, pode-se pensar como Koolhaas que esta memória identitária caminha inelutavelmente para seu desgaste: “o passado terminará um dia por se tornar muito pequeno para ser compartilhado e habitado por vivos”. Resta, entretanto, que a identidade, o patrimônio, o espírito de uma cidade, de um lugar, de um território se edificam permanentemente, sem tregua, em função de arranjos do presente, usando os vestígios de um passado selecionado. Nestas condições, em que a “cidade (metrópole) genérica” ganha terreno, em que suas mobilidades e suas novas conexões traçam os rastros de uma metropolização cada vez mais uniforme e estereotipado... Isto não é duvidoso. O que não impede que na ordem das representações, do ideal e dos símbolos, mesmo reduzidos a signos discretos, a originalidade perdura e perdurará sem dúvida. Melhor ainda, a ordem dos (novos) mundos metropolitanos parece ter necessidade desta diferença cultural, oficialmente ressentida (discurso publico e científico) como uma riqueza territorial, como um recurso de inovação e de desenvolvimento durável. Somente, talvez, as novas metrópoles da Ásia, eventualmente da África, parecem susceptíveis de admitir o princípio da tabula rasa a partir do qual se desencadearia a metropolização e suas improvisações criativas.

10 Ademais, quem nos garante que as identidades metropolitanas continuarão a se definir, como ainda é o caso hoje em dia, a partir do centro das cidades, a partir do coração das metrópoles e de suas aglomerações? Há a forte aposta, e já se vê os sinais de algumas premissas, que a identidade se forjará também na periferia, nas áreas novas da metropolização. Neste nível, é conveniente colocar, de novo como R. Koolhaas, o problema maior da contradição dos centros. Hoje estes são os lugares e os territórios principais de significação identitária, por sua vez condenados à condição de espaços “o mais antigo e o mais novo, o mais fixo e o mais dinâmico”, pressionados a uma adaptação constante e custosa. Nestas condições, qual futuro é prometido? Será necessário, como no coração da área metropolitana de Zurique, que camadas sucessivas de centralidades (centros comerciais, bancos com seus cofres fortes, laboratórios e escritórios) se acumulem nas profundezas do subsolo urbano? Tipo de réplicas invertida de arranha-céu, tão típico em outras metrópoles.

11Um campo de investigação se abre, portanto, seja a partir da observação de metrópoles da Europa do Sul, da Ásia meridional ou daquelas que emergem também, sobre suas formas próprias, no continente africano.

12Nesta pesquisa, observam-se claramente as contradições que caracterizam tal (sobre)modernidade e que complicam a leitura que fazíamos antigamente de uma metropolização mais convencional, fundada sobre o comércio, a metropolização e o imperialismo, a indústria igualmente. No seio das novas metrópoles, mais que no coração de simples espaços urbanos e rurais de ontem, as lógicas resilientes (aquelas das instituições e dos atores privados, das empresas, das relações sociais e dos poderes, dos lugares de vida e de territorialidades) entram em conflito com as lógicas territoriais do poder, da gestão publica, por vezes da identidade e do pertencimento. Na realidade, estas lógicas globais de rede beneficiam-se, mais do que são prejudicadas, das tiranias de uma proximidade necessária às populações mais frágeis (efeito de solidariedade) como às atividades de produção e de pesquisa que exploram as inumeráveis facetas dos recursos territoriais.

13Além disso, se a metropolização reveste-se de algumas sólidas características gerais, se ela acompanha o “rolo compressor” unificador da mundialização/globalização, ela deve igualmente ter em conta os efeitos de contexto que segregam seus inumeráveis lugares e territórios. Estes funcionam, com efeito, como vários recipientes de singularidades: hibridações complexas de elementos culturais e de relações sociais próprias à situação geográfica, à dosagem humana e à atmosfera particular de cada metrópole como de cada lugar. Acrescentemos que pressões de massa, aquelas que impõem as fortes densidades humanas, os planejamentos onerosos e os custos públicos elevados que elas induzem, as normas coletivas e as formas de regulação e até coerção que elas suscitam aparecem ligeiramente por toda a parte e preocupam. Elas se chocam com aspirações de livre expressão e de independência que manifestam as comunidades e os indivíduos sempre mais relutantes a se fundir na massa (aumento do comunitarismo e do individualismo). Eles reclamam, com efeito, regimes de gestão mais específicos, mais autônomos, mais participativos, tendo em conta estilos de vida diferenciados coexistentes nas metrópoles.

Mutações de todas as ordens ultrapassam a cidade

14A metropolização necessita, por conseguinte uma definição complexa, que não poderia se limitar à constatação da construção de uma armadura mundial de centros de decisão com alta especialização em atividades terciárias, hierarquizadas e interconectadas; espécie de teia rica das 400 aglomerações mais que milionárias desigualmente disseminadas na superfície do planeta. Certamente, do pequeno grupo de “cidades globais” às inumeráveis metrópoles regionais, cujo contingente excede, aliás, amplamente o clube das 400, esta rede mundializada existe efetivamente. Ela organiza e canaliza os principais fluxos de poder, de informações, de conhecimento científico, de capitais e de bens financeiros de nossa terra. Ele mistura com remarcável destreza as realidades concretas e virtuais, largamente homogeneizadas e unificadas, formando a face globalizada de nossa civilização contemporânea. Contudo, os efeitos dessa metropolização não se atêm às 400 principais (ou mais) de uma tal rede. Eles tocam o conjunto dos territórios... Primeiro porque a metropolização provoca uma mudança radical (quantitativa e qualitativa) de todos os processos (em cadeia) de urbanização; em seguida porque ela atua (embora de maneira mais indireta) sobre todos os procedimentos de desconstrução e de recomposição ou de requalificação territorial que se produzem no alcance de sua sombra, ou mesmo no desvio dos seus espaços mais ativos.

15Na palavra “metrópole”, sabe-se contem “póle” certamente, poli, a cidade, mas também “pólo” (latim polus e grego polos), quer dizer o pivô sobre o qual gira uma coisa, um centro e um eixo em torno do qual se desenvolve uma dinâmica, um movimento; não são os pólos os dois pontos virtuais pelos quais passa o eixo de rotação da Terra? Mas o “pólo” é também um ponto que atrai (pólo de atração) em um dado campo magnético, metáfora possível de um espaço geográfico e social submisso às leis físicas. Se ele atrai, é porque ele irradia, exerce influência sobre seu meio ambiente. Esta atração descreve no espaço um gradiente; ela se atenua com a distância se ela não é reativada por polarizações secundárias, por retransmissões do pólo ou metrópole. À medida que a influência do pólo se esgota ou se reanima com a distância, ela engendra jogos de escala que fundam novas unidades geográficas.

16Algumas se identificam a formas espaciais territorializadas, funcionando do local para o global. Elas se colocam por vezes como novas produções (bottom up) de territórios intermediários lutando contra o caos dos espaços e de seus residentes moveis. Outras, necessariamente mais fluidas, se desenham segundo uma estrutura de rede onde os fluxos circulam principalmente em sentido inverso, do global para o local, ao ritmo dos grandes movimentos de capitais, de informações e de inovações. Neste jogo up down, a metrópole arrisca perder seu lugar, ele torna-se onipresente e inencontrável, quase virtual.

17Constata-se que este duplo movimento de polarização/difusão de fluxos de todas as ordens ancora-se num duplo jogo de territorialização de proximidade e de conexão à distância, de topografia e de topologia. Duplo jogo que descreve uma interação que orquestram e conduzem as metrópoles, uma articulação que elas administram ao ponto de se perguntar se, finalmente, elas não são feitas antes de tudo para isso. Este movimento dialógico (ou dialético), como já foi evocado, revela a emergência de um novo modo de produção econômico, (pós) ou (neo) fordista. Este ultimo marca a hegemonia do capital financeiro, da inovação, da pesquisa, do virtual e do móvel, de uma economia de serviços que comprime, sem suprimir por completo, aquela da produção de bens.

18Esta lógica econômica principal atribui um lugar de escolha às economias de escala e de redes, mas também (contraditoriamente?) às economias mais sedentárias de proximidade e de cluster, exigentes em externalidades situadas e culturais. Assim, dedicando um culto às deslocalizações, procurando febrilmente novos recursos (materiais, financeiros, humanos e culturais) ao preço de um tipo de nomadismo de seu aparelho produtivo, bastante flexível, a economia contemporânea conserva os velhos princípios capitalistas da concentração e da acumulação (aí compreendidos espacializados), fatores de um policentrismo que não é somente metropolitano.

19Mesmo que as metrópoles que se desenham na América Latina, na Ásia e na África pareçam mais mutáveis que aquelas de outros grandes espaços continentais, com suas populações instáveis, suas infra-estruturas inexistentes ou ameaçadas, por vezes a ausência total de arquitetura, elas desenvolvem, entretanto, lugares e territórios de proximidades transbordando vitalidade e inventividade social, econômica, política. Elas se inscrevem também nas redes mundializadas ou prestes a tornarem-se. Na China do Sul, a metropolização das duas margens do rio Pérolas é um testemunho disso. Lá, sobre um perímetro de 300 a 400 kilometros, cinco ou seis aglomerações juntam-se para formar, de Hong Kong a Macau, passando por Shenzhen, Guangzhou (antiga Cantão) e Zuhai, uma metrópole em pleno crescimento, com mais de 12 milhões de habitantes. Suas zonas econômicas especiais constituem “laboratórios de contida do capitalismo” segundo a expressão bem acertada proposta por uma equipe de pesquisadores da universidade de Harvard. O urbanismo e a construção de equipamentos (principalmente auto-estradas) ali se revelam igualmente experimentais e aleatórios, apresentando inacreditáveis distorções entre projeto e resultados construídos, estruturas concebidas e apropriadas, interpretadas pelos atores e os usuários.

20De forma ainda mais eloqüente, cita-se o caso do bairro de Alaba, situado a Oeste de Lagos, na Nigéria, pelo qual passa três quartos do comércio de materiais eletrônicos da África Ocidental, cuja maioria são produtos de ocasião. Fundado sobre a proximidade e a aglomeração de inumeráveis ateliers e comércios, Alaba se coloca no seio de uma vasta rede de trocas, da qual os outros nós importantes se chamam Cotonou, Lomé, Accra, Abidjan, Niamey e Conakry, mas também Moscou, Mumbai, Taipei, Singapura, Séoul e principalmente Dubai. Assim o bairro de Lagos localizado sobre um entrecruzamento de mercados de bens eletrônicos só prospera em função de ligações de proximidade amarradas por atores que sabem aliar comercio internacional à produção de híbridos eletrônicos, o espírito da rede e o espírito do lugar. Todo isso configura um impressionante complexo de inovação metropolitana instalado nos países do Sul.

21Em todos os casos, observa-se que partir do estatuto “cidade mãe”, cabeça e matriz de rede, as diferentes declinações do termo “pole” ou “pólo” definem centralidade e uma capacidade de atração, um princípio de organização e de colocar em ordem o espaço geográfico gerido por forças sociais unificadoras, de manutenção em co-presença de indivíduos e de grupos variados. Neste domínio do agrupamento dos seres humanos e da localização das suas atividades, seja da organização do espaço, a metrópole observada sob o ângulo da sua etimologia, ou seja da linguagem, multiplica inegavelmente as capacidades e os efeitos elementares “polis”, da cidade stricto sensu. Em uma palavra, ultrapassa-a de todas as formas. Para continuar no registro da linguagem ou mais precisamente do vocabulário, convirá que a metropolização tenda a alterar o sentido de expressões dicotômicas que predominavam habitualmente nas análises urbanas clássicas: centro e periferia, espaço público e espaço privado, por exemplo, etc. Estes binômios e estas divisões colocam hoje em dia questões e convidam à discussão. É neste sentido que os “Atlas ecléticos” (os descritos em especial por Stefano Boeri) propõem-se a procurar novas correspondências entre os elementos espaciais metropolitanos, as palavras que utilizamos para nomeá-los e as imagens mentais que projetamos sobre eles. De um ponto de vista metodológico, os ângulos de observação sobre os espaços metropolitanos merecem, com efeito, serem alargados. Às abordagens tradicionais privilegiadas pelo texto, o plano, o mapa, a fotografia ou o esboço, todas as cientificas e supostamente objetivas, deve se acrescentar a perspectiva do vivido de assuntos diversos, expressos a partir de olhares e outros sentidos, as práticas e as linguagens que lhes traduzem. Estas dimensões inovadoras do vocabulário e da exposição, do sentido sobre a “metropolidade” (neologismo que designa formas novas de sociabilidade e espacialidade em meio metropolitano, caracterizados pela afirmação, em especial, da autonomia individual) participam das novas representações metropolitanas. O seu acolhimento e os indicadores que se pode tirar inscrevem-se plenamente na gama dos instrumentos e os métodos que os investigadores do laboratório ADES esforçam-se por forjar e promover (cf. o número coletivo da revista Sudoeste Europeu intitulado: “Vivre Bordeaux, vivre la ville”). Colocará-se a hipótese que sem um mínimo de compreensão do vivido humano, a nossa possibilidade de conhecimento da evolução dos espaços metropolitanos, as condições da sua durabilidade ambiental, social e econômica, a nossa capacidade de alterar a sua organização e a sua gestão pelo ato de ordenamento correm o risco de permanecer carta morta.

Uma nova economia política dos territórios

22 Além destas considerações geográficas, econômicas, sociais e ideológicas, a metropolização comporta igualmente uma dimensão demográfica. Refere-se mais ainda à economia política e à sua geografia. Ou seja, dois prismas de observação e de análise fundamentais que a investigação, até agora, sem dúvida negligenciou demasiadamente. Com efeito, o metropolização contemporâneo pode ser lida como um novo modo de gestão espacial (ou geográfico) das massas humanas doravante urbanizadas. Do desakota indonésio e dos corredores de metropolização e de industrialização asiáticos, até as franjas de habitats isolados e por vezes marginalizados das metrópoles ocidentais, passando pelos diferentes tipos de guetos sociais e étnicos, não é essencialmente questão de canalização, controle, dominação e exploração dos grupos humanos contemporâneos? Bairros fechados (gated-communities) de inúmeras metrópoles do Norte e do Sul, até aos edgescities que constroem a metrópole emergente americana ou árabe ( Dubai, por exemplo), não é questão de construir à parte, de proteger em excesso os espaços de minorias sociais abastadas?

23De maneira mais geral, poder-se-ia afirmar que a metropolização, no Norte assim como no Sul, constitui um método espacial espontâneo de gestão das mobilidades humanas. Recordemos que cada ano, cerca de 3 milhões de pessoas emigram no mundo de um país a outro, o que não esgota uma mobilidade ainda mais considerável quando conta-se os movimentos nacionais, longos mas tão mais efêmeros, cotidianos notavelmente, ao ritmo dos quais deslocam-se as populações nos espaços metropolitanos.

24Neste contexto, a metropolização, mais além do que simples urbanização, cria e preserva centralidades geográficas qualificadas, distinguidas, valorizadas e eficazes. Frequentemente as inventa; as experimenta antes de caírem no domínio comum urbanização vulgar. O ideal das sociedades metropolitanas contemporâneas parece construir-se, particularmente na América do Norte, mas não somente, em redor do conceito de enclave urbano ou suburbano. Isto pode ir dos “edifícios furtivos” do arquiteto californiano Frank Gehry, luxo camuflado no meio de bairros degradados ou pobres, até a estas fortalezas imobiliárias planificadas, detidas, governadas e supervisionadas pelo setor privado em certas áreas suburbanas de metropolização. Tais lugares protegidos tornam-se territórios onde a acumulação de riquezas efetua-se sem obstáculo, com toda segurança, sob a vigilância de filmadoras, com o apoio de serviços de seguranças musculosos que vêm reforçar barreiras físicas e eletrônicas. O surgimento e a constituição destas ilhotas ocorrem em conjunto com o sucesso de uma nova classe social procedente das tecnologias da informação, particularmente apta a comunicar no virtual, a refugiar-se por trás da dupla barreira protetora dos sistemas de segurança e do universo numérico. Paradoxalmente, o neoliberalismo que contribui para produzir o metropolização e estas formas residenciais, gera com elas dos sistemas regulamentares restritivos, ou mesmo coercivos, excedendo tudo o que o espírito americano, unido ao individualismo, pudesse tolerar no passado. Estes enclaves homogêneos formam um mosaico dos elementos atomizados, tendendo cada vez mais a ser separado, nas áreas metropolitanas, por um oceano de espaços abandonados onde estão lado a lado zonas desenvolvidas e abandonadas, sub-administradas. A área metropolitana Houston constitui sem dúvida o protótipo de tal universo desregulado: disseminação incerta de centros de lucros industriais e terciários, reduzidos de habitat protegido e privado (cidade dentro da cidade, Clearlake é adequada e gerida pelo grupo Exxon) que compartilha uma rede nebulosa de infra-estruturas edificadas sem ao menos um plano diretor. A lógica de isenção fiscal e laisser-faire que reina na aglomeração conduzem a uma proporção de espaços verdes cada vez mais baixa em todas as grandes aglomerações americanas, bem como a condições ambientais mais medíocres. Em contrapartida, o desenvolvimento das atividades e os benefícios aí atingem sua plenitude, oferecendo, aqui e ali, diversificações econômicas para as quais não falta interesse, nos domínios dos cuidados médicos (reservados, contudo aos mais abastados) e a eletrônica, por exemplo.

25Esta metropolização liberal, que progride por toda a parte, cria espaços frequentemente efêmeros. Alias, pôde-se constatar acima que ela aprecia o princípio urbanístico tabula rasa. É assim que em Houston, os espaços competem entre si, excluem-se e renovam-se. De maneira ainda mais espetacular, em Detroit, na seqüência da crise das indústrias do automóvel que estourou a partir dos anos 1960, uma grande parte do centro cidade retornou ao estado do campo, a atividades agrícolas, ou mesmo ilícitas, na pendência de novas destinações!

26Estes diferentes exemplos tendem a mostrar que a iniciativa privada ou semi-pública, a de atores econômicos ou mais estritamente sociais que investem das áreas metropolitanas vagas, recicladas ou reapropriadas, produz sem dúvida desigualdades, injustiças, mas também da auto-organização… Ou seja, a criatividade, a inovação em ato. Não obstante, neste contexto de intensas mutações, a metropolização e os procedimentos espaciais que ela gera, designam cada um, sedentário ou móvel, no seu lugar, impostos pela ordem econômica e política, no âmbito de uma gigantesca luta de posição que mobiliza os capitais econômicos e sociais, espaciais também diriam geógrafos como o M. Lussault e J. Lévy. Ora, é justo esta luta de posição que constrói os espaços sociais de hoje, os de um mundo que se urbaniza num ritmo acelerado. Conseqüentemente, a metropolização constitui efetivamente um instrumento da produção das injustiças sociais e espaciais. Contudo, contribui também para a regulação das sociedades contemporâneas, principalmente organizando as modalidades do seu acesso ao espaço. No Norte, observar-se-á que a metropolização fornece o único modo concreto e prático de tratamento da imigração. Ela é banco de ensaios (as suas receitas reproduzem-se seguindo todos os escalões do urbano) e sistema de triagem, classificação e distribuição/repartição, relegação, fechamento ou abertura das massas humanas em movimento. A esse respeito, traduz espacialmente desigualdades sociais correspondentes a vontades políticas; desigualdades produzidas pelas novas regras (políticas) da economia-mundo, sem contrapartidas, sem compensações realmente equitativas. Porque elas gozam de uma forte integração de todas as ordens de poder (políticos, econômicos, ideológicos), as metrópoles afirmam-se como campos de produção e de experimentação eficazes das inovações sociais, econômicas, políticas, culturais, territoriais… De um ponto de vista estritamente geográfico, a metropolização oferece o espetáculo de uma reestruturação radical dos espaços urbanos. Produz permanentemente novos, com uma surpreendente fecundidade. As áreas metropolitanas confundem-se com os espaços de desconstrução das formas tradicionais da cidade.

27Contudo, de maneira concomitante, elas geram inúmeras formas novas de funções, de afetações, usos dos espaços, de paisagens também, ao mesmo tempo muito concretos e virtuais, de realidades e de simulacros. Instauram reterritorializações improváveis. No entanto, não é necessário enganar-se, as metrópoles realizam a integração destas diferentes formas de poder apenas sobre curtas seqüências territoriais, as dos seus centros, as dos enclaves de elevada valorização econômica e social… Para o resto, seja a imensa maioria das superfícies metropolitanas, falta de instituições políticas legais fora da intervenção mais ou menos distante das regiões e dos Estados, falta de meios financeiros, é frequentemente o laisser-faire que prevalece. Ele coloca mais do que nunca o problema da evolução, da durabilidade destes espaços metropolitanos que uma territorialização (na acepção de uma melhor concordância dos territórios vividos e de gestão) salvará talvez do caos.

Conclusão provisória ou introdução: quais são as perspectivas científicas?

28No total, os espaços da metropolização registram, em suas extensões, as repercussões múltiplas de ondas de choque diversas de amplitudes variadas: econômicas e sociais em especial, mas também mais estritamente técnicos e tecnológicos; gerados em todas as escalas, do local ao mundial. Isto gera fragmentações espaciais muito complexas (fractais, com efeito), novas formas e novas paisagens urbanas ou assimiladas, relações ambientais que reinventam a idéia de natureza suscitando ao mesmo tempo a necessidade e o conceito, pelo menos ambíguo, da cidade duradoura, sustentável. Isto cria poderes e sistemas de governança novos, atingidos pelo sinete das exigências participativas ou, ao contrário, pelo destacamento mais completo no que diz respeito à política. Estas exigências acompanham-se de valores, funções e combinações territoriais até então desconhecidas. Isto dá forma a relações sociais e culturais de hibridação e/ou de improvisação que surpreendem antes de infiltrarem-se em outras esferas da sociedade. Isto produz também sistemas de comunicações e de transporte que focalizam e absorvem uma parte importante da vida cotidiana dos metropolitanos: universos de “não-lugares” que, do mesmo modo, domesticam e apropriam-se, como pensa o antropólogo, Marco Augé neste caso. No total, o vasto tema do metropolização abre um imenso campo de investigação ao qual o UMR de 5185 ADES participa. Não tem a pretensão de abordar todas as facetas de um domínio multiforme que reúne alguns dos principais desafios do nosso tempo.

29Ela escolhe antes algumas entradas, alguns interstícios específicos que gravitam ao redor das perguntas cruciais de meio ambiente e o desenvolvimento sustentável, as formas emergentes de territorialização e de reterritorialização, de governança, de ociosidade espacial e de mobilidade, todas elas muito ligada, de perto ou de longe, a metropolização.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Guy Di Méo, « Introdução ao debate sobre a metropolização », Confins [En ligne], 4 | 2008, mis en ligne le 13 novembre 2008, consulté le 23 octobre 2017. URL : http://confins.revues.org/5433 ; DOI : 10.4000/confins.5433

Haut de page

Auteur

Guy Di Méo

Professeur, Université de Bordeaux, UMR 5185 ADES CNRS, g.dimeo@ades.cnrs.fr

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org