Navigation – Plan du site
Resenha / Compte-rendu

Atlas nacional da Espanha, demografia

Atlas national d’Espagne, démographie
Hervé Théry

Entrées d’index

Index de mots-clés :

Démographie

Index by keywords :

Demography

Index géographique :

Espanha / Espagne
Haut de page

Texte intégral

1Calvo Palacios J.L., Pueyo Campos Á. (2008), Atlas nacional de España, Demografía. Madrid: Centro Nacional de Información Geográfica, 386 p. ISBN: 978-8-4416-0685-2.

2O volume, que faz parte da série Monografias do Atlas Nacional de Espanha, inclui 420 mapas, 91 dos quais apresentam informações por município que dão uma visão global, concisa e muito completa da realidade da população espanhola e da sua evolução (em alguns casos analisada desde 1857). Seus diretores científicos são José Luis Calvo Palacios y Ángel Pueyo Campos, da Universidade de Zaragoza.

3O livro foi concebido como uma análise detalhada dos resultados do Censo de 2001 (quando não existem dados mais recentes). Ele dá uma ótima representação da população total de mais de 8.100 municípios espanhóis, associada a outras variáveis como a idade, o envelhecimento a dependência ou o número de pessoas ligadas a um determinado território (pelas migrações ou a possessão de uma residência secundária).

4O volume, em formato grande (37 x 27 cm) é também disponível em CD-Rom, contem os seguintes capítulos:

  • Espanha no contexto demográfico europeu;

  • Evolução da população espanhola, 1857-2007;

  • Indicadores de estrutura demográfica;

  • Movimento natural da população: taxas e indicadores;

  • Dinâmica migratória da população espanhola;

  • Características estruturais e funcionais da população espanhola;

  • Indicadores de qualidade de vida urbana;

  • Mudanças da população como variáveis explicativas;

  • A população no território: potenciais de população.

5Cada capítulo se abre por uma breve introdução, que explica os conceitos e indicadores mapeados, e uma breve descrição de sua evolução temporal. O mapeamento é de excelente qualidade, na grande maioria dos casos a nível municipal, como o demonstram (apesar das limitações ligadas à captura de imagens) as amostras abaixo.

6Mais informações na web http://www.ign.es/​ign/​es/​IGN/​ane.jsp, alguns mapas no site http://www.ign.es/​pobesp/​index.htm.

7Veja também a resenha crítica – principalmente pela cruel comparação com a situação francesa – de Roger Brunet na revista M@ppemonde1.

Figura 1 Capa do Atlas

Figura 1 Capa do Atlas

Figura 2 População total em 2006

Figura 2 População total em 2006

Figura 3 Densidade de povoamento em 2006

Figura 3 Densidade de povoamento em 2006

8A concentração da população no norte (da Catalunha à Galícia), na fachada mediterrânea e no sul deixa o centro do país mais vazio, com a notável exceção de Madrid, capital nacional criada por Felipe II em 1561 (até esta data a capital era Toledo) com a intenção de ajudar a equilibrar o território nacional: a comparação com Brasília é inevitável.

9Uma das conclusões deste estudo é a recuperação demográfica do país, que passou dos 40 milhões de habitantes em 2001 para 46 milhões hoje, em boa parte graças à imigração: ele começou a década de 1990 com um processo de estabilização demográfica levando à estagnação, mas o fenômeno da imigração permitiu, no início do século XX, retomar um crescimento de 3% ao ano, explicou o Professor Pueyo durante a apresentação da obra.

Figura 4 Condição sócio-econômica média

Figura 4 Condição sócio-econômica média

10De acordo com José Luis Calvo, o atlas confirma a existência de “duas Espanhas”, separadas por uma linha imaginária que divide o país em diagonal, da Galícia ao extremo sudeste do território: a parte situada ao sul da linha corresponde às áreas com maiores taxas de desemprego, menor peso do sector privado e maior proporção de jovens, e a que fica ao norte, incluindo Madri, apresenta o maior desenvolvimento econômico, mas também maior envelhecimento.

Figura 5 Espanhóis no Mundo

Figura 5 Espanhóis no Mundo

Figura 6 Estrangeiros na Espanha

Figura 6 Estrangeiros na Espanha

11A história colonial da Espanha, que dominou por três séculos a América latina (menos o Brasil) ainda se lê na distribuição tanto dos Espanhóis no mundo como dos estrangeiros na Espanha. Fora os países europeus vizinhos, é na América – ao sul do Rio Grande – que vive a maioria dos Espanhóis expatriados, e desta parte do mundo que vêm a maior parte dos imigrantes, em ambos os casos por óbvias razões linguísticas e culturais.

Figura 7 Densidades comparadas, França e Espanha, 1961 e 2001

Figura 7 Densidades comparadas, França e Espanha, 1961 e 2001

12Finalmente, publicamos um mapa que não faz parte do Atlas, gentilmente comunicado aos diretores da Confins por Ángel Pueyo Campos, na ocasião da celebração, em Tours, dos vinte anos da Articque, uma das principais produtoras francesas de softwares cartográficos. O documento faz uma dupla comparação, no espaço e no tempo, ao associar mapas de densidade de França e da Espanha, nos anos 1961 e 2001. Em ambos casos, a concentração da população nos centros urbanos se reforça, mas as áreas de baixa densidade (abaixo de 10 ou 5 habitantes por quilometro quadrado) são em 2001 mais extensas na Espanha. Esta divergência deveria relativizar as preocupações francesas com a “desertificação” de parte do território nacional, apesar da frase atribuída ao rei Luís XIV, “Il n’y a plus de Pyrénées” 2, continua tendo nítidas diferenças entre os dois países, bem evidenciadas por este mapa comparativo.

Haut de page

Notes

1 “Un atlas de la population en Espagne: de quoi chercher, de quoi rêver », Roger Brunet, M@ppemonde n°92, http://mappemonde.mgm.fr/num20/librairie/lib08403.html, acessado 22/3/2008
2 “não existem mais Pirineus”, indicando assim, em 1700, que a acessão ao trono da Espanha do seu neto Philippe d’Anjou unia de uma certa forma os dois países e, portanto,  abolia a cordilheira que os separa.
Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 Capa do Atlas
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5743/img-1.png
Fichier image/png, 97k
Titre Figura 2 População total em 2006
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5743/img-2.png
Fichier image/png, 434k
Titre Figura 3 Densidade de povoamento em 2006
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5743/img-3.png
Fichier image/png, 305k
Titre Figura 4 Condição sócio-econômica média
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5743/img-4.png
Fichier image/png, 359k
Titre Figura 5 Espanhóis no Mundo
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5743/img-5.png
Fichier image/png, 95k
Titre Figura 6 Estrangeiros na Espanha
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5743/img-6.png
Fichier image/png, 95k
Titre Figura 7 Densidades comparadas, França e Espanha, 1961 e 2001
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5743/img-7.png
Fichier image/png, 390k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Hervé Théry, « Atlas nacional da Espanha, demografia », Confins [En ligne], 5 | 2009, mis en ligne le 29 mars 2009, consulté le 25 mars 2017. URL : http://confins.revues.org/5743

Haut de page

Auteur

Hervé Théry

Directeur de recherche au Credal-CNRS, professor convidado na USP, hthery@aol.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org