Navigation – Plan du site
Imagens comentadas /Images commentées

Imagens do trabalho no rami

Cleuza Batista de Oliveira, Alessandra Babler Gusmão et Regina Célia Alegro

Texte intégral

1As fotografias aqui reproduzidas pertencem ao acervo fotográfico de Jorge Takeo Takano que registra a história de Uraí desde as suas origens. Esse acervo guarda o produto de uma vida inteira de trabalho como fotógrafo - são 66 anos de atividades em que registrou em aproximadamente 10 mil fotos, as origens da cidade. Mas também a herança de seu pai, Kiyoshi Takano e do seu irmão mais velho, Toshiro Takano, que testemunharam o crescimento de Uraí e Assai, cidades do norte do Paraná, através das lentes de câmeras fotográficas. Essas imagens constam do livro "O acervo fotográfico de Jorge Takeo Takano: ator e testemunha da História de Uraí", organizado por Cleuza Batista de Oliveira; Alessandra Babler Gusmão e Regina Célia Alegro (no prelo).

Rami, início do crescimento

Rami, início do crescimento

Os pés de rami começando seu desenvolvimento

Foto: Jorge Takano, 1960

Rami em crescimento

Rami em crescimento

Foto: Jorge Takano. 1960

O Senhor Takahashi, orgulhoso com o ramizal da sua fazenda

O Senhor Takahashi, orgulhoso com o ramizal da sua fazenda

Os pés de rami chegavam a alcançar até 3,5 mt de altura, o solo de Uraí foi muito favorável para o cultivo do rami, a produção era recorde, a cidade vivia cheia de caminhões que transportava o rami

Foto: Jorge Takano,1952.

Rami na época da florada

Rami na época da florada

Foto: Jorge Takano, 1956

Rami em seu último estágio de crescimento

Rami em seu último estágio de crescimento

Devido à fertilidade do solo alguns chegaram a atingir 3,5 m, pessoas de outros lugares às vezes vinham para Uraí só para ver plantação de rami. A média mundial é de dois metros.

Foto: Jorge Takano, 1964

Rami na época da colheita

Rami na época da colheita

Período de ouro do rami, de grande desenvolvimento no município (chegou a ter 30 mil habitantes) o comércio era bastante desenvolvido, tinha muitas lojas, bancos, cinema, muita gente

Foto: Jorge Takano, 1961.

Rami no ponto da colheita

Rami no ponto da colheita

Nessa época começava o movimento maior tinha gente de todo lado para trabalhar, a cidade vivia cheia de gente, nos finais de semana parecia uma festa, gente por todo lado, as pessoas tinham dinheiro, vinham gastar na cidade.

Foto: Jorge Takano, 1961

Rami secando

Rami secando

Primeira colheita de rami na chácara pirianito, da TOKIO ASSAITO BOSSEKI KK, fruto do campo experimental, plantado em outubro de 1939. Após início da 2ª guerra mundial foi interrompida a produção de rami.

Foto de Kiyoshi Takano, 1940

Rami na época da colheita

Rami na época da colheita

Foto de Jorge Takano, 1976

Rami na época da colheita

Rami na época da colheita

A colheita empregava muita gente, vinham de longe para trabalhar no rami, tinha trabalho para todo mundo.

Foto de Jorge Takano, 1976

Rami na época da colheita

Rami na época da colheita

Trabalhador cortando o rami com foice, depois era carregado para o desfibramento, os trabalhadores trabalhavam  (recebiam) por produção.

Foto de Jorge Takano, 1976

Uns cortavam, outros carregavam e tinham os que só trabalhavam na máquina. Tinha que saber trabalhar com essa máquina, era muito perigoso.

Foto de Jorge Takano, 1976

Eram retiradas as folhas do rami só ficavam as fibras, era nesse momento que os acidentes aconteciam, para aumentar a produção muitos aumentavam a boca da máquina e o acidente acontecia, ficavam sem mão, sem braço, mutilados, muita tristeza. Na foto desfibrador “periquito” e motor Tobata.

Foto de Jorge Takano, 1976

Foto de Jorge Takano, 1976

Rami secando

Rami secando

Foto de Jorge Takano, 1976

Após o desfibramento, as fibras iam para a secagem.

Após o desfibramento, as fibras iam para a secagem.

As fibras eram estendidas em estaleiros feitos com bambu

Foto de Jorge Takano, 1975

Eleito em 15 de março de 1971, com apenas sete meses de governo teve a oportunidade de visitar nossa cidade. A máquina era muito rápida, os acidentes aconteciam por isso, tinha que ter muita atenção para trabalhar na máquina. Uraí era uma cidade famosa, ficou conhecida por “Capital Mundial do Rami”, pois o rami produzido aqui era de boa qualidade, (acho que uma das melhores qualidades que existiu).

Foto de Jorge Takano, 1975

Máquina para desfibramento do rami

Máquina para desfibramento do rami

Pensando nos acidentes de trabalho (mutilações), o Srº Kiyoshi Mori e uma indústria de Bandeirantes fabricaram uma desfibradora que dava maior segurança aos trabalhadores do rami. Essa máquina foi pouco utilizada, pois a cultura do rami já estava em decadência e a máquina também tinha um preço muito elevado o que dificultava a compra.

Foto de Jorge Takano, aproximadamente 1975.

Nova máquina para desfibramento do rami

Nova máquina para desfibramento do rami
Haut de page

Table des illustrations

Titre Rami, início do crescimento
Légende Os pés de rami começando seu desenvolvimento
Crédits Foto: Jorge Takano, 1960
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5999/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 204k
Titre Rami em crescimento
Crédits Foto: Jorge Takano. 1960
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5999/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 152k
Titre O Senhor Takahashi, orgulhoso com o ramizal da sua fazenda
Légende Os pés de rami chegavam a alcançar até 3,5 mt de altura, o solo de Uraí foi muito favorável para o cultivo do rami, a produção era recorde, a cidade vivia cheia de caminhões que transportava o rami
Crédits Foto: Jorge Takano,1952.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5999/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 236k
Titre Rami na época da florada
Crédits Foto: Jorge Takano, 1956
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5999/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 108k
Titre Rami em seu último estágio de crescimento
Légende Devido à fertilidade do solo alguns chegaram a atingir 3,5 m, pessoas de outros lugares às vezes vinham para Uraí só para ver plantação de rami. A média mundial é de dois metros.
Crédits Foto: Jorge Takano, 1964
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5999/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 364k
Titre Rami na época da colheita
Légende Período de ouro do rami, de grande desenvolvimento no município (chegou a ter 30 mil habitantes) o comércio era bastante desenvolvido, tinha muitas lojas, bancos, cinema, muita gente
Crédits Foto: Jorge Takano, 1961.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5999/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 132k
Titre Rami no ponto da colheita
Légende Nessa época começava o movimento maior tinha gente de todo lado para trabalhar, a cidade vivia cheia de gente, nos finais de semana parecia uma festa, gente por todo lado, as pessoas tinham dinheiro, vinham gastar na cidade.
Crédits Foto: Jorge Takano, 1961
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5999/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 160k
Titre Rami secando
Légende Primeira colheita de rami na chácara pirianito, da TOKIO ASSAITO BOSSEKI KK, fruto do campo experimental, plantado em outubro de 1939. Após início da 2ª guerra mundial foi interrompida a produção de rami.
Crédits Foto de Kiyoshi Takano, 1940
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5999/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 224k
Titre Rami na época da colheita
Crédits Foto de Jorge Takano, 1976
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5999/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 160k
Titre Rami na época da colheita
Légende A colheita empregava muita gente, vinham de longe para trabalhar no rami, tinha trabalho para todo mundo.
Crédits Foto de Jorge Takano, 1976
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5999/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 152k
Titre Rami na época da colheita
Légende Trabalhador cortando o rami com foice, depois era carregado para o desfibramento, os trabalhadores trabalhavam  (recebiam) por produção.
Crédits Foto de Jorge Takano, 1976
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5999/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Légende Uns cortavam, outros carregavam e tinham os que só trabalhavam na máquina. Tinha que saber trabalhar com essa máquina, era muito perigoso.
Crédits Foto de Jorge Takano, 1976
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5999/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 756k
Légende Eram retiradas as folhas do rami só ficavam as fibras, era nesse momento que os acidentes aconteciam, para aumentar a produção muitos aumentavam a boca da máquina e o acidente acontecia, ficavam sem mão, sem braço, mutilados, muita tristeza. Na foto desfibrador “periquito” e motor Tobata.
Crédits Foto de Jorge Takano, 1976
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5999/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Crédits Foto de Jorge Takano, 1976
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5999/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre Rami secando
Crédits Foto de Jorge Takano, 1976
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5999/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 1,2M
Titre Após o desfibramento, as fibras iam para a secagem.
Légende As fibras eram estendidas em estaleiros feitos com bambu
Crédits Foto de Jorge Takano, 1975
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5999/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 184k
Légende Eleito em 15 de março de 1971, com apenas sete meses de governo teve a oportunidade de visitar nossa cidade. A máquina era muito rápida, os acidentes aconteciam por isso, tinha que ter muita atenção para trabalhar na máquina. Uraí era uma cidade famosa, ficou conhecida por “Capital Mundial do Rami”, pois o rami produzido aqui era de boa qualidade, (acho que uma das melhores qualidades que existiu).
Crédits Foto de Jorge Takano, 1975
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5999/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 828k
Titre Máquina para desfibramento do rami
Légende Pensando nos acidentes de trabalho (mutilações), o Srº Kiyoshi Mori e uma indústria de Bandeirantes fabricaram uma desfibradora que dava maior segurança aos trabalhadores do rami. Essa máquina foi pouco utilizada, pois a cultura do rami já estava em decadência e a máquina também tinha um preço muito elevado o que dificultava a compra.
Crédits Foto de Jorge Takano, aproximadamente 1975.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5999/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre Nova máquina para desfibramento do rami
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/5999/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 152k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Cleuza Batista de Oliveira, Alessandra Babler Gusmão et Regina Célia Alegro, « Imagens do trabalho no rami », Confins [En ligne], 6 | 2009, mis en ligne le 27 juin 2009, consulté le 26 mars 2017. URL : http://confins.revues.org/5999 ; DOI : 10.4000/confins.5999

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org