Navigation – Plan du site

Monbeig e a noção de Complexo Geográfico

Monbeig et la notion de complexe géographique
Aldo Dantas

Résumés

Cet article montre comment, au long de son séjour au Brésil, Pierre Monbeig a été influencé par les rapides changements qu’il observait dans la réalité brésilienne, rompant avec la vieille géographie régionale française, et construisit le concept de complexe géographique

Haut de page

Entrées d’index

Index géographique :

Brésil

Índice de palavras-chaves :

história da geografia, Pierre Monbeig
Haut de page

Texte intégral

Inauguration de la Chaire Pierre MonbeigAfficher l’image
Crédits : Omar Barros Neto

1Monbeig nasceu em 1908 e conclui seus estudos superiores, em história e geografia, no final dos anos 20. Como todo geógrafo formado no entre-guerras, ele deve sua concepção de geografia à chamada escola clássica, formada após a morte de Paul Vidal de la Blache. É nesse período que se desenvolve o que alguns historiadores da geografia, (Claval e Sanguin, 1996) chamam de “geografia tripartite” ou “tripolar”, que compeende a geografia física, desenvolvida por de Martonne  e Baulig; no centro, a geografia regional, liderada por Blanchard ou Demangeon; de outro lado, a geografia humana, desenvolvida por Brunhes, Demangeon e Sorre.

2A geografia regional nasce do quadro propiciado pelo Tableau de la Géographie de la France (1903), de Paul Vidal de la  Blache e das primeiras teses de doutoramento (Doctorat d’État), orientadas por ele mesmo. Essas teses fizeram grande sucesso entre 1919 e 1945 e correspondiam à necessidade de se dar uma dimensão concreta ao inventário do espaço através de uma descrição minuciosa e tão exaustiva quanto possível dos fatos observados sobre o terreno.

  • 1  Estamos falando aqui da geografia institucional, dominante na França dessa época.  Sabemos que nes (...)

A geografia regional “à francesa” retrata perfeitamente a sua época, a de uma França majoritariamente rural e “estável”, onde as regiões parecem imutáveis e congeladas pelo tempo. A primazia dada à geografia regional faz com que outros quadros de estudo, em escalas diversas, não sejam desenvolvidos pelos geógrafos desse período1.

Considerada como uma individualidade, como uma personalidade geográfica, como alguma coisa de único e até mesmo de excepcional, a região leva a geografia a ser apenas uma disciplina pouco preocupada em fazer generalizações e sem instrumental capaz de agrupar as similitudes espaciais a fim de criar princípios gerais.

3A França do entre-guerras é um país ainda rural: em 1931 a população rural francesa representa 49% do conjunto da população do país e apenas 17 cidades ultrapassam os 100.000 habitantes.

Com um conjunto de cidades pouco extensas e com crescimento lento, não é espantoso que os geógrafos franceses dessa época desenvolvam a geografia rural como especialidade dominante da geografia francesa.

Nos anos 20 e 30, essa geografia é feita de maneira multidirecional: formas de utilização do solo, habitat rural, gêneros de vida, sistemas de cultura, etc. Depois, sob a influência de historiadores como Marc Bloch, a análise da formação das paisagens agrárias vai constituir abordagem central da geografia rural e abrir a via de outra especialidade: a geografia histórica.

Antes da Primeira Guerra Mundial a geografia responde, na França, a questões atuais: ela contribui para definir, aos olhos dos franceses, o que é a França; sustenta ou acompanha a expansão colonial; participa do esforço para tornar a economia francesa competitiva como a de outros grandes países – sobretudo a Alemanha.

4A maior parte das preocupações que dominavam antes da Primeira Guerra Mundial passa ao segundo plano, no entre - guerras. Depois que a Alsacia e a Lorena  foram reintegradas ao espaço nacional, ninguém se interroga verdadeiramente sobre o que é a França, a era da expansão colonial terminou, as rivalidades essenciais não são mais aquelas que se  desenvolveram entre nações européias, mas as que opõem a Europa a novas e grandes potências – Estasdos  Unidos, Japão, URSS. Os problemas que solicitam os geógrafos são os da reconstrução da Europa de Leste e  Sudeste, depois do desabamento dos Impérios Austro-húngaro e Otomano. Em resumo, a geografia desempenha um papel menor na formação da opinião pública francesa que antes de 1914.

Como está assinalado na nota 1, esse período da geografia francesa não é afeito à reflexão teórica – Camille Vallaux é, salvo engano, praticamente o único que trabalha nesse domínio.

  • 2  Ver sobre a análise de situação em Claval, 1998: 91-93/124-126 e 2001, p. 115-134.

5Os geógrafos franceses têm o sentimento de que dispõem de dois instrumentos com os quais seriam capazes de tratar de todos os problemas que se podem encontrar: a análise regional, para tomar contato com as realidades em nível mais local e mais modesto, e a análise de situação2, que permite assinalar as relações que existem entre um ponto ou uma região e os espaços que a cercam.

É com esses instrumentos que eles exploram novos domínios: a geografia agrária, a geografia urbana, a geografia política e, em certa medida, a geografia econômica e tropical.

Através da análise de situação, a consideração das dimensões sociais e políticas das distribuições geográficas progridem, mas sem grandes rupturas. A Segunda Guerra Mundial constitui uma ruptura essencial. As questões com as quais a sociedade  francesa se depara passam a ser as da reconstrução do país, da  modernização de uma economia que se retardou com relação às dos países vizinhos, da  descolonização e dos problemas do desenvolvimento do Terceiro Mundo.

6Até a Segunda Guerra Mundial, a abordagem regional e a análise dos gêneros de vida ofereciam meios eficazes para penetrar a maior parte dos problemas da Europa e de outros lugares: mesmo quando a urbanização e a industrialização já eram fortes, subsistiam por toda a parte, salvo na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos, células camponesas e organizações regionais de tipo clássicas, as quais os dois instrumentos que constituíam a abordagem regional e o estudo dos gêneros de vida permitiam compreender. Faltavam instrumentos análogos para o mundo urbano, o que dava um viés ruralista e um pouco saudosista às análises regionais, mas a imagem que davam dos países era interessante.

7Demangeon (1923) é levado a questionar os limites da abordagem regional. Esse geógrafo, que desenvolveu vários estudos sobre o país mais industrializado e urbanizado de então, a Grã-Bretanha, insistia sobre o papel do espírito comercial, que havia homogeneizado os gêneros de vida.

Como afirmamos acima, Monbeig, por sua formação, pertence à geração do entre-guerras. Ele vem para o Brasil com a bagagem simples que os geógrafos, naquele momento, sabiam manejar: o trabalho de campo, a análise regional, a análise de situação. Ele aplica esses conhecimentos no intuito de conhecer e estudar o Brasil. O tema de sua tese se inscreve na tradição regional. Ele ensina aos jovens geógrafos brasileiros a fazerem pesquisa de campo e tenta compreender o país analisando sua situação sob o tabuleiro econômico e político mundial.

8Estando no Brasil, Monbeig toma consciência dos desafios que se colocam à geografia mais cedo do que se permanecesse na Europa. Ele é sensível à exigência de desenvolvimento que se apresenta no Brasil do Estado Novo: ele mensura o papel das cidades na exploração do espaço brasileiro e é tocado pela rapidez de seu desenvolvimento; percebe que o instrumento que constitui a análise dos gêneros de vida não dá conta do essencial num país de povoamento recente, onde a economia está em reconstrução permanente.

Figura 1 Pierre Monbeig e Pierre Deffontaines no congresso brasileiro de geografos em 1965

Figura 1 Pierre Monbeig e Pierre Deffontaines no congresso brasileiro de geografos em 1965

Fonte: Foto cedida por Margarida Guimarães

Geografia e complexo geográfico

9A concepção de geografia de Monbeig se baseia na noção que tem de complexo geográfico.  Fortemente inspirado nas formulações lablachianas de meio e gênero de vida, além do entendimento que tem de fato geográfico – análogo ao fato histórico -, a geografia monbeigana tem como objetivo mostrar que esta ciência ultrapassa a descrição e dá conta também de explicar sob que contingências se estabelecem a relação entre o homem e a natureza, ou melhor, em que medida os elementos da natureza condicionam a ação do homem. Segundo ele, as explicações devem ser buscadas nas condições do meio.

Essa noção tem por objetivo mostrar de que forma os elementos que compõem o complexo se relacionam e se condicionam, e quais as causas e conseqüências daí decorrentes.

10Retomemos, rapidamente, alguns elementos constitutivos do pensamento lablachiano. Uma idéia que é fundante do seu pensamento é a de que a Terra é um todo cujas partes se condicionam. Nesta idéia esta contida a compreensão de que não existe nada isoladamente. Disso decorre que a geografia seria, fundamentalmente, uma geografia geral. Ao se referir à tarefa do geógrafo, diz Vidal de la Blache: “Qualquer que seja a fração da Terra que ele estude, ele não pode se fechar nela. Um elemento geral se introduz em toda pesquisa local. Não há, com efeito, região cuja fisionomia não dependa de influências múltiplas e longínquas, das quais importa determinar o foco” (Vidal de la Blache, 1993:163).

11A noção que ajudará Vidal de la Blache a pensar o local é a de meio.  Para ele, as coisas se nos apresentam de forma organizada e em associações regidas por um equilíbrio perturbado constantemente pelo homem. O meio “se precisa como correlativo de adaptação que se manifesta através das séries de fenômenos que se encadeiam entre si e são postos em movimento por causas gerais” (Vidal de la Blache, 1985:45).  

Ao entender a Terra como um todo cujos fenômenos se associam em “expressões coletivas”, cabe ao geógrafo investigar qual o elo que existe entre os diversos elementos dessas associações. Para Vidal de la Blache, o elo é o meio. Dessa maneira, caber-nos-ia investigar não o meio mas a sua conformação, a sua complexidade.

12Outra noção que é muito cara a Vidal de la Blache é a de “gênero de vida”. A adaptação dos seres à natureza, ao meio, tem conformação diversa entre os homens e os outros animais e entre os próprios homens. À conformação diversa entre os homens e destes adaptando-se ao meio Vidal denomina gênero de vida e daí também se origina a sua noção de civilização. Para ele o estudo dos gêneros de vida é o estudo das formas de adaptação das sociedades com o seu habitat. Entende ele por civilização o desenvolvimento técnico das sociedades na luta contra os obstáculos da natureza. É através do trabalho que as sociedades, constituem o meio e o gênero de vida que lhe é peculiar. Ao contrário do que se poderia aventar, em Vidal não está contida a idéia de que é o meio natural que determina o gênero de vida. Para ele:

Um gênero de vida constituído implica uma ação metódica e contínua, que age fortemente sobre a natureza ou, para falar como geógrafo, sobre a fisionomia das áreas. Sem dúvida, a ação do homem faz-se sentir sobre seu meio desde o dia em que sua mão se armou de um instrumento; pode-se dizer que, desde o início das civilizações, essa ação não foi negligenciada (Vidal de La Blache, 1993:163).

13Tomando emprestada a idéia – lablachiana - de complexidade dos fenômenos que se entrecruzam na natureza, Monbeig elabora a noção nuclear que constitui as suas análises: o complexo geográfico.

Parte ele da noção de fato geográfico para chegar à noção de complexo. Monbeig nos diz que o fato geográfico é análogo ao fato histórico. A “...seqüência complexa constituída por múltiplos e pequenos fatos cronológicos [..] constitui um fato histórico. Transfira-se o exemplo do historiador para o campo da geografia e chegar-se-á às mesmas conclusões” (Monbeig, 1957:8).

14O fato histórico não é apenas um fato, mas um conjunto de fatos, cujos elementos não podem ser dissociados sem que se lhes deforme a complexidade. Na geografia poderá ocorrer o mesmo: segundo Monbeig, se considerarmos o fato de que a presença de uma cidade, por si só, num determinado ponto do globo, constitui um fato geográfico, nada teremos definido. A noção de fato geográfico levar-nos-ia a precisar sua localização – o que, para Monbeig, é uma das etapas da análise geográfica -, a caracterizar seu solo, seu clima, sua situação em relação a outras cidades, aos meios de transporte, às produções das cidades vizinhas e, fundamentalmente, comparar as cidades entre si. Seria necessário, ainda, perguntarmos sobre os homens que construíram essa cidade, “porque a natureza por si só nada explica”. É aos indivíduos reunidos em sociedade que devemos endereçar as nossas pesquisas. Esse é o pensamento de Pierre Monbeig.

15Para Monbeig, a geografia define, localiza e explica as diferentes paisagens da Terra. Paisagens que são constituídas pela conformação do terreno, pelos caracteres do clima, pelo revestimento vegetal e, ao mesmo tempo, pelo trabalho exercido pelo homem, que introduz culturas diversas, substituindo o seu revestimento natural, constrói casas, rasga estradas, delimita campos, ergue postes para fiação, constrói barragens, estradas de ferro, canais, etc. “obra tão grandiosa” que, muitas vezes, transforma a topografia original e dá à terra um novo aspecto. Para Monbeig, a paisagem é um fato geográfico. Um fato que só se explica em sua complexidade. A paisagem é um dos elementos do complexo geográfico e o trabalho do geógrafo é decifrar esse complexo. “O geógrafo vê-se diante do complexo geográfico como diante de novelos de linha loucamente emaranhados, dos quais dificilmente se encontra a ponta” (Monbeig, 1950). Essa metáfora dos novelos de linha nos leva a concluir que Monbeig tem sempre em mente a noção de simultaneidade e de complementaridade dos fenômenos que compõem o complexo geográfico.

16Monbeig rejeita o que chama de “raciocínios matemáticos” quando se trata de analisar a sociedade e os homens. Em artigo publicado n’O Estado de São Paulo, em 5 de abril de 1950, ele se refere a um grupo de personalidades brasileiras que tentavam resolver o problema do povoamento brasileiro valendo-se de fórmulas matemáticas e, de maneira irônica diz:

Soube um dia que importantes personalidades que estudavam o problema do povoamento do litoral do Brasil, mostravam-se cansadas com a aridez do problema quando uma brilhante solução lhes foi proposta, reunindo os sufrágios: consistia em estabelecer uma formula matemática em que entrariam como coeficientes variáveis o valor do clima, do solo, da distância, etc. Saber-se-ia, desse jogo, com certeza, quais as regiões colonizáveis. Bem, para povoar é preciso homens, e homens não podem ser postos em equação. Pode-se oferecer-lhes terras a que se atribua o melhor coeficiente sabiamente calculado, mas, se eles não tiverem desejo de vir, não virão mesmo. Quanto aos coeficientes, eu pergunto: com que base poderiam ser levantados, pois ignoramos ainda a espécie de homens que virão, de que maneira cultivarão a terra, que culturas praticarão, que ganhos pretenderão e que docilidade mostrarão para com esses sábios tecnocratas, que terão o encargo de governá-los mediante os resultados desses brilhantes cálculos?.  

17Se podemos falar de um pensamento monbeigano, este parte do homem. No entanto o homem é, para Monbeig, um dos elementos do complexo geográfico e o que lhe interessa é o meio, tal como concebido por Vidal de la Blache, acrescentando-lhe componentes que se encontram na concepção vidaliana de maneira difusa: o desejo, a vontade, o mito.  Vidal  de la Blache fala em questões do espírito; Monbeig fala de elementos psicológicos. No entanto lembra-nos imediatamente que o homem não vive em abstrato. “Ele é inseparável do seu meio”. Cabe à geografia, na visão de Monbeig, o grande mérito de lembrar incessantemente e de trazer à realidade os “espíritos abusivamente metafísicos”.  O geógrafo deve ter os pés na terra e aí mantê-los. Manter os pés no chão não significa estudar apenas os aspectos materiais da realidade, Monbeig, constantemente nos convida ao estudo das mentalidades, como sugere no fragmento que segue.

Mas a vida coletiva não se organiza somente em função das condições naturais nem a valorização da terra se faz unicamente sob injunções do meio físico. Tanto quanto em função das possibilidades do meio, as maneiras de viver das sociedades se organizam em função das estruturas internas, dos interesses econômicos, das capacidades técnicas e dos hábitos mentais (Monbeig, 1950).

18Lefebvre (1981:84), quando se refere ao espaço social chama a atenção para a importância da produção no pensamento de Hegel e de Marx e Engles. Em Hegel, a idéia produz o mundo, em seguida a natureza produz os homens, que, através de suas lutas e de seu trabalho, produzem, ao mesmo tempo, a história, o conhecimento e a consciência de si. Para Marx e Engles, o conceito de produção tem dois sentidos: um mais amplo, outro mais restrito e preciso. Na acepção mais ampla, enquanto seres sociais, os homens “produziriam” sua vida, sua história, sua consciência, seu mundo. Não existiria, segundo Lefebvre, na  concepção de Marx e Engles,  nada na história e na sociedade que não seja adquirido e produzido. “A ‘natureza’, ela mesma, tal qual se apresenta na vida social aos órgãos do sentido, foi modificada, pois produzida”. A produção, em sentido amplo, compreenderia obras múltiplas e formas diversas – formas jurídicas, políticas, religiosas, artísticas, filosóficas, ideológicas, e obras como as cidades, etc. A produção no sentido restrito não diz respeito a obra, mas sim à produção de coisas, de produtos.

19Quando Monbeig, inspirado em Vidal de La B lache, nos fala de meio, o que implica, necessariamente adaptação, ele não está falando de uma natureza em si mesma, mas sim de uma natureza já concebida, sentida, adaptada, enfim, produzida. O meio é obra. Para o geógrafo, interessa mais a concepção de produção no sentido amplo que no sentido restrito. A produção enquanto obra é, também, espacialidade.

20Monbeig está atento tanto para a relação do homem com a natureza como para as formas em que se manifesta essa relação. As formas, para Monbeig, não são apenas materiais.

Nos estudos de gêneros de vida têm-se os geógrafos restringidos a estudar apenas os aspectos materiais. Atitude prudente adotada por feliz reação contra os perigos de uma leitura fácil. Sabe-se, por exemplo, a que banalidades ou, ao contrário, a que perigosos paradoxos conduzem uma barata psicologia dos povos. Pode-se perguntar, porém, se a geografia não pecou por excesso de prudência ou por temor de abordar problemas para os quais se sentia mais armada. Porque as idéias levam os homens mais longe do que os caminhos naturais (Monbeig, 1950).

21Evocando o exemplo do movimento de penetração para oeste, que, segundo ele, anima São Paulo e, em conseqüência, todo o Brasil, Monbeig colhe elementos para mostrar que o que chama de “elementos espirituais” também compõe o complexo geográfico:

Ninguém negará que a marcha para oeste pôde desenvolver-se graças a um conjunto de fatores físicos, tais como a fertilidade das terras virgens, facilidade de instalação nos espigões livres de obstáculos, clima favorável a culturas comerciais. Mas, por considerável que tenha sido a ação desses fatores físicos não pode fazer esquecer o lugar eminente que uma certa predisposição psicológica pode ter no mito do bandeirante (Monbeig, 1950).

22Em suas pesquisas de campo encontra Monbeig jovens médicos e engenheiros educados em grandes centros – São Paulo e Rio – que “haviam partido para afrontar uma vida mais rude e mais perigosa”. Relata-nos que para esses jovens, essa aventura tinha algo de esportivo, mas também, e principalmente, esses jovens estavam imbuídos de um sentimento de orgulho de continuar a tradição bandeirante, que, segundo o geógrafo, estava eivada de desejo de contribuir para o engrandecimento do território nacional. Esse sentimento é encontrado também nos plantadores de café e nos fundadores de cidades.

23Monbeig está convencido de que, além dos elementos físicos e comerciais, o desbravador é movido muito mais pela paixão e pelo desejo do que pelas condições naturais.

Convém notar que todos os pioneiros do continente americano, esses homens novos em terras novas, experimentam irresistível necessidade de se prender a uma tradição, a um personagem mítico: o trapista para os canadenses franceses em marcha para o norte; outrora, o pioneiro para os norte-americanos, e o bandeirante para os paulistas em marcha para o oeste (Monbeig, 1950).

24Monbeig insiste na necessidade de se levar em consideração o que chama de “mecanismos psicológicos”, chegando mesmo a dizer que quem quer que apresente explicação para o movimento pioneiro, deixando de lado esses mecanismos, passará ao lado da realidade total e conseqüentemente não realizará obra científica.

É esta importância dos fatos psicológicos que os geógrafos devem tomar para tema de pesquisa. Que o façam com extrema prudência e sem prejuízo do rumo tradicional de suas investigações, [...] Porque cada vez mais me convenço da profunda complexidade dos conjuntos geográficos, complexidade que provém do lugar neles ocupado pelo grupo social. Sem este, tudo seria mais simples, mas esse é o sal da terra (Monbeig, 1950).      

Figura 2: A exposição sobre Pierre Monbeig no Encontro internacional Geografia, tradições e perspectivas, Homenagem ao centenário de Pierre Monbeig, USP, dezembro de 2008

Figura 2: A exposição sobre Pierre Monbeig no Encontro internacional Geografia, tradições e perspectivas, Homenagem ao centenário de Pierre Monbeig, USP, dezembro de 2008

Foto Hervé Théry

A importância das redes

25A rede de cidades constitui-se também como um complexo geográfico.  A maneira como se distribuem e se desenham num mapa, a importância que exercem numa dada região, suas relações com outras cidades e com o meio são perguntas que cabe ao geógrafo responder. Mas cabe ao geógrafo responder, principalmente, porque, em condições naturais semelhantes, algumas cidades prosperam e outras não. Monbeig faz essa pergunta por que quer mostrar que não são as condições naturais “tout court” que determinam o florescimento ou definhamento de uma cidade, a prosperidade ou estagnação de uma região.

26Um elemento que hoje parece trivial e tem, em boa medida, sido negligenciado pelo geógrafo são “as vias de comunicação”, hoje diríamos os fluxos – para a época entenda-se por isto principalmente as estradas. Para Monbeig, estas constituem um elemento fundamental para o entendimento do complexo geográfico. Lembremo-nos de que Monbeig tem sempre em mente o movimento pioneiro e este seria impensável sem as estradas de ferro e de rodagens. Essas vias são consideradas, por ele, como agentes de povoamento: “a estrada cria o tipo social”, advoga. “Sem caminho, a colonização não é possível, sobretudo em nossa época, em que o homem exige contato com grupos em que encontre o médico, a escola e o cinema” (Monbeig,1945).

27As vias férreas e as rodovias são marcas impressas pelo homem na paisagem e que drenam produtos oriundos das atividades agropecuárias, extrativas e industriais. São no cruzamento dos caminhos que se desenvolvem com maior freqüência os pequenos povoados, que darão origem a grandes cidades. Esses caminhos chegam a imprimir mesmo o seu nome nas regiões por onde atravessam, o que transforma a região num complexo composto não apenas de aspectos físicos mas também de elementos econômicos e humanos. “Poder-se-ia dizer que, nessas circunstâncias, a paisagem se organiza em função da estrada”.

Geografia, gênero de vida e técnica

28Como já vimos, para estudar a influência do homem sobre a natureza, Vidal de La Blache propõe a noção de gênero de vida. Essa noção tenta dar conta da “ação metódica e contínua” que as sociedades humanas exercem sobre a fisionomia dos lugares e como esta ação, em cada caso, se compõe com as condições naturais para produzir distintas formas de estabelecimentos humanos.

Dessa ação, resultam elementos econômicos e técnicos, os quais Vidal de La Blache considera fundamentais para estabelecer a relação entre o gênero de vida e os meios com os quais as sociedades valorizam seus recursos naturais. Retém Vidal de La Blache, então, as dimensões econômicas e técnicas das sociedades.

29Para Monbeig, essa noção constitui um das mais importantes contribuições da geografia para o estudo das sociedades humanas, pois essa corresponde a um conjunto de processos técnicos através do qual um agrupamento humano procura satisfazer suas necessidades e seus hábitos “no quadro do meio físico e biológico, do qual esse mesmo grupo é parte integrante”.

30Entender como os agrupamentos humanos se organizam para tirarem da natureza os recursos de que necessitam e entender de que forma essa organização está submetida às técnicas é um dos elementos que interessam ao estudo e à compreensão do complexo geográfico. Mas as técnicas possuem um caráter tradicional, nos lembra Monbeig, e dessa forma devemos estar atentos também à sua temporalidade. Isso significa que sem história não se compreende o complexo geográfico.

Percebemos bem esse fato quando vemos os camponeses das margens do Mediterrâneo trabalhar com a mesma charrua usada pelos seus ancestrais mais remotos, bater o trigo com instrumentos idênticos aos dos gregos e romanos e usar os mesmos instrumentos que as populações pré-históricas (Monbeig,1948).

31A lentidão nas mudanças técnicas é também a lentidão nas mudanças dos gêneros de vida. Para Monbeig, técnica e gênero de vida se confundem, para salvaguardar hábitos.

A tradição emperra a evolução, no entanto os gêneros de vida não são imutáveis. A técnica de rotação de terras substitui a cultura itinerante, casas são fixadas, um novo gênero de vida se gesta.

32As mudanças ocorridas no século XIX são radicais. Entram em ação os adubos químicos e com eles a sucessão ininterrupta de culturas, disto decorre colheitas mais abundantes, maiores possibilidades de se manterem relações comerciais com outros grupos, especialização na produção, maior adequação das culturas às condições naturais. Surgem as máquinas nos campos. As aldeias saem definitivamente do isolamento, pois cada uma se liga à vizinha e depois às cidades por meio de uma rede de caminhos e de estradas de grande circulação. Antes desses avanços - nos transportes –, circular, na maior parte da Europa, era tão difícil quanto o é hoje em algumas regiões inóspitas do globo. Qualquer viagem constituía uma expedição. É graças ao desenvolvimento das vias de circulação, principalmente das estradas de ferro, que o aperfeiçoamento técnico vai atingindo, cada vez mais, um número maior de aldeias. Segundo Monbeig, essa revolução das estradas no século XIX quebra os quadros estreitos da agricultura, o faz entrar nos circuitos comerciais regionais e nacionais e associa-a a uma economia mundial. “Desde então, não houve mais muita coisa em comum entre os gêneros de vida rurais modernos e os das épocas anteriores”. As mudanças anteriores modificaram os gêneros de vida, enquanto no século XIX eles experimentaram uma transformação completa.

33Para Monbeig, essas transformações tiveram um caráter revolucionário e acentuaram, ainda mais, a surpreendente estabilidade que até então caracterizava os gêneros de vida. “Há menos diferença entre a vida de uma aldeia do século X e uma do século XVII, do que entre as técnicas culturais de 1850 e as de 1900. Não será muito ousado reconhecer uma continuidade que se estende do neolítico até o século XIX, continuidade que foi brutalmente interrompida pela revolução contemporânea” (Monbeig, 1948).

34Diz ainda que essas transformações não  constituam  novidade nem para os geógrafos nem para os historiadores, no entanto o que lhes interessa é entender os gêneros de vida para além das explicações simplistas que resumem seu entendimento exclusivamente a fatores de “ordem geográfica”, esquecendo-se de que o passado exerce influência sobre o presente e que será sempre necessário recorrer à história para se fazer geografia.

35Monbeig critica os geógrafos que limitam suas pesquisas aos elementos materiais:

Seu papel consiste, pensam, em analisar a paisagem concreta que têm sobre os olhos e em compreender como foi ela construída pelo homem. A forma do campo, a casa, o caminho, o trigo, a vinha, tudo isso é concreto, inscrito na paisagem. Pode-se considerar a geografia como ciência da paisagem, mas com a condição de não esquecer que os agrupamentos humanos que modelam a feição da terra são animados por forças espirituais e que se enquadram em estruturas econômicas que ultrapassam bastante o concreto. De qualquer modo, a geografia humana se contenta com o estudo dos gêneros de vida nas suas relações com o meio natural. Ela compreende a complexidade das relações, procura esclarecê-las, estabelecer a prática condicionada diretamente pelo meio e aquilo que é hábito, ou melhor, tradição. Parece, porém, que a geografia não perguntou a si mesma se esses gêneros de vida oriundos parcialmente das condições físicas não possuem relação com outros caracteres mais particulares e puramente sociais. Projetou-se um grande esclarecimento nas relações com a natureza sem conferir toda a necessária importância às relações com as outras instituições sociais (Monbeig, 1948).

36Em 1945, Monbeig escreve que o trabalho agrícola é o principal agente criador das paisagens do nosso planeta e, em se tratando de Brasil, isso seria ainda mais verdadeiro. Tomando emprestadas as formulações de Daniel Faucher (citação), ele diz que ao geógrafo cabe analisar as relações entre as diversas formas de “agricultura e o meio em que estas encontram seu apoio e do qual são expressão”. Isso se constituiria mesmo no objeto essencial da pesquisa em geografia agrária. Para Monbeig o estudo geográfico não deve negligenciar os meios de produção dos agricultores, mas, citando Faucher, ele diz: “é pelos resultados que os estudos agrários se interessam quando se referem aos rendimentos, à natureza dos produtos, às condições da cultura, às transformações da paisagem rural” (Monbeig, 1945). Lembremo-nos de que, para Monbeig, a paisagem é um dos elementos que compõe o complexo geográfico e disso podemos concluir que os elementos que se articulam para transformar a paisagem também entram na análise do complexo, ou seja, as diversas formas de trabalho são um componente desse complexo.

A observação da paisagem rural

37A observação da paisagem rural, do alto de uma elevação natural ou artificial, levar-nos-ia à verificação das grandes linhas da distribuição das diferentes culturas ao mesmo tempo em que viabilizaria a comparação entre essas diferentes culturas, e sua relação com os diferentes tipos de relevo e de solo. “Todas as vezes em que for possível, esse exame por cima deverá ser praticado, pois tem a vantagem de separar as grandes linhas do problema a resolver” (Monbeig, 1945). Isso não deveria provocar o abandono das visitas “in loco” nem da análise de documentos e de mapas.

38Caracterizar bem o meio físico e tirar daí todas as informações possíveis constitui uma base sólida para que se possa empreender o estudo da geografia agrária. Esse estudo do meio físico serviria para efeito de comparação entre as características naturais semelhantes e os diversos agrupamentos humanos. “Pois, como o geógrafo sempre investiga as relações entre os trabalhos do homem e seu suporte físico, o método comparativo conserva seu valor de uma ponta a outra” (Monbeig, 1945).

Para Monbeig, devem-se comparar características naturais semelhantes e as diversas formas de culturas que aí se desenvolvem. Se em zonas naturais semelhantes se desenvolvem culturas diversas, a explicação deve ser buscada nas diferentes formas de organização dos agrupamentos humanos.

39Perceber as modificações oriundas da mudança de atividade é outro dado fundamental para a análise da geografia agrária. Essas mudanças acarretam modificação nas relações de trabalho, na paisagem, no gênero de vida e, muitas vezes, na distribuição das culturas. Mombeig, no entanto, chama a atenção para o fato de que os processos de mudança engendram também processos de conservação. “Toda uma parte da geografia agrária apóia-se, pois no estudo do passado e na consulta aos documentos dos arquivos públicos e privados (...)”.  

40O estudo da técnica deve fazer parte do estudo agrário, no sentido de que se verifique a relação entre a técnica e as condições do meio natural, ou seja, a técnica deve ser sempre vista como o resultado do esforço do grupo para contornar os obstáculos impostos pela natureza; dessa tensão entre homem e natureza, permeada pela técnica, resultam gêneros de vida diversos.

Sabe-se também que a mecanização da lavoura não é ainda possível senão para certas plantas e que apenas traz vantagens em certas condições topográficas. Mas ao mesmo tempo essa mecanização supõe – pode-se determinar isso – gêneros de vida e estruturas sociais de tipo especiais: a grande empresa, a cooperação rural ou a coletivização das terras (Monbeig, 1945).

41Monbeig entende que os métodos de fertilização artificial das culturas podem e devem interessar ao geógrafo pois são diretamente “impostos pela natureza do solo” e revelam cabalmente o grau de civilização técnica do grupo humano. Por outro lado, o emprego de adubos químicos acarreta o aumento da produção, o que pode levar o lavrador a renunciar “a culturas diversas e tradicionais e especializar-se num produto determinado”. Desse comportamento derivam conseqüências as mais diversas às quais os geógrafos não podem deixar de dar atenção.

42Essas mudanças derivadas da utilização de técnicas “avançadas” levam Monbeig a perceber que as relações que se desenvolvem no campo se complexificam e que elas não podem ser esquecidas pelo geógrafo. A sua idéia de complexo geográfico é ai reforçada, pois ela deriva da própria idéia de complexidade das relações. Monbeig entende que essas relações se materializam na paisagem, no fato geográfico, que só se explica na análise do complexo. No entanto o autor não considera que o complexo seja apenas a materialidade ou a paisagem – objeto da pesquisa geográfica - através da qual se exprime.

43O complexo

se exprime antes de tudo na paisagem, a qual, formada una e indissolúvel pelos elementos naturais e pelos trabalhos dos homens, é a representação concreta do complexo geográfico. Por essa razão, o estudo da paisagem constitui a essência da pesquisa geográfica. Mas é absolutamente indispensável que o geógrafo não se limite à análise do cenário, à apreensão do concreto. A paisagem não exterioriza todos os elementos constituintes do complexo. Nem sempre nela se encontrarão expressos com clareza os modos de pensar, as estruturas financeiras, que são, entretanto, parcelas apreciáveis do complexo geográfico. Outro perigo – a limitação do campo de estudo à paisagem ameaça levar o pesquisador ao recurso exclusivo da descrição. [...] A paisagem é o ponto de partida, mas não um fim. Resulta do complexo geográfico, sem confundir-se com ele (Monbeig, 1957:11)

O complexo e a casa

44As maneiras como estão dispostas as casas, dispersas ou agrupadas, suas formas, suas cores, sua localização, etc. constituem fortes marcas da paisagem. “A habitação humana reflete o meio natural”, escreve Monbeig em 1944. Ele se reporta a tipos característicos de casas que têm uma ligação estreita, “em nosso espírito”,  à idéia que fazemos das regiões onde se encontram: cita como exemplo o iglu; “(...) assim também  a noção geográfica das praias do Nordeste se associa à silhueta do mocambo pernambucano e à evocação da paisagem alpina é inseparável do ‘chalet’ suíço”. Chama a atenção para o fato de que o “menos geógrafo” dos viajantes percebe a mudança de uma região a outra observando as mudanças nas formas das casas que margeiam a estrada.

A oposição de dois tipos de casas reforça, pois, ou, se se prefere, simboliza o contraste entre duas unidades geográficas diferentes, como entre a casa de pau-a-pique coberta de telhas do sertão nordestino (às vezes mesmo casa de pedra, como em Penedo ou Santana do Carirí) e o mocambo inteiramente vegetal das praias ou pontos úmidos (vale do Crato). A casa contribui, pois, para definir a região (Monbeig, 1944).

45Se, por um lado, no mundo moderno, a indústria promoveu certa homogeneização dos materiais para construção de casas, o que dificultaria uma relação imediata entre casa e meio natural, por outro é inegável que o estudo da casa pode nos dar um perfil não da região, mas da distribuição da riqueza e do poder aquisitivo de uma população de um determinado lugar. Se a casa pode não servir hoje para identificarmos macro-regiões, como concebia Monbeig, é certo que se presta muito bem para a análise das zonas de uma cidade. Se é verdade que Monbeig considerava a análise da casa fundamental para o entendimento da região e a compreensão do complexo geográfico, para a geografia de nosso tempo isso não é uma realidade. A geografia abandonou a casa.

46Monbeig não é um determinista e considera que, se, por um lado, a casa reflete o meio, o homem não sofre passivamente a ação dos fatores “físicos ambientais”:

Edificando um abrigo para sua família e para si próprio, ele constrói ao mesmo tempo edifícios que lhe sirvam no trabalho: para guardar suas colheitas, instrumentos de trabalho, animais, viaturas, etc. Assim, a casa não é unicamente essas quatro paredes e esse teto sob os quais dorme a família: é todo um conjunto de construções que constituem, nas mãos dos homens, um verdadeiro instrumento de trabalho agrícola e cujo arranjo se concebe em função desse trabalho. A casa participa estreitamente, pois, do gênero de vida (Monbeig, 1944).

47A casa constitui, portanto abrigo e instrumento de trabalho para os indivíduos, que exercem suas atividades em grupo, condicionados pela tradição e pela estrutura social do grupo do qual faz parte. Ela traz as marcas da tradição e a forma como se organizam os diversos agrupamentos humanos. “Nada existe de surpreendente em que a influência dessas tradições e dessa estrutura social sejam perceptíveis na construção, no arranjo interno ou na decoração exterior da habitação humana”.  Nesse sentido, considera Monbeig que o estudo da casa, mais do que servir para uma análise das marcas do ambiente sobre o grupo, serviria mais precisamente para se compreender o modo como os homens aproveitam as recursos do meio para satisfazer necessidades oriundas de seus hábitos e através de que técnicas ele exerce sua atividade.

48O estudo da habitação deveria seguir a tentativa de distinguir os tipos principais, e os casos mais freqüentes deveriam ser minuciosamente descritos e cartografados. “Chegar-se-ia assim, a levantar uma carta da distribuição dos tipos de casa identificados e a analisar essa carta segundo o modelo comparativo”. Os tipos mais freqüentes, sem dúvida, seriam mais representativos, mas os casos excepcionais não se poderiam deixar de lado, pois representam influências exteriores e/ou indícios de mudanças no gênero de vida.

49A forma como os habitantes escolhem e o modo como empregam os materiais usados para a construção de suas casas possibilitaria a identificação e a classificação dos tipos de casa. Nesse sentido Monbeig orienta que:

A pesquisa começa, pois, pelo estudo dos materiais de construção mais usados, considerando suas qualidades intrínsecas. Quer dizer que uma casa não está de todo definida quando se fala de casa de pedra, de madeira ou de barro: as pedras não se prestam igualmente ao trabalho, nem todas as madeiras convêm no mesmo grau. E a mesma pedra e o mesmo lenho não se empregam da mesma forma em todos os lugares (Monbeig, 1944).

50Além de se distinguirem no seu aspecto externo, as várias formas de casas se distinguem também pelas suas estruturas internas, pela planta de seus cômodos. Monbeig considera esse estudo de fundamental importância, pois acredita que o número e a dimensão dos cômodos são indicações do nível de vida e refletem também a estrutura social e familiar do grupo social. A forma interna da casa exterioriza relações sociais que caracterizam o gênero de vida.

51Monbeig orienta no sentido de se considerar a casa num sentido mais amplo: todas as plantas que compõe uma unidade de produção.  A análise rigorosa de todas as edificações possibilitaria compreenderem-se todos os mecanismos utilizados pelo grupo na exploração dos recursos e, através do método comparativo, chegar-se-ia a uma classificação dos tipos de habitação das diversas regiões, além da identificação, mais precisa, das técnicas utilizadas pelo grupo, pois existe uma relação íntima entre as estruturas das plantas e as técnicas utilizadas pelo grupo.

Em países de velha ocupação do solo, como a França, as pesquisas revelaram relação muito íntima entre a distribuição das técnicas agrárias (rotação de culturas ou grau de associação da criação e do cultivo do solo) e a maneira de agrupar ou dissociar os elementos das construções cujo conjunto forma a fazenda (´ferme’); distinguiram-se igualmente variantes dos tipos de habitação próprios de cada técnica, segundo a importância econômica de exploração agrícola (Monbeig,1944).

52Segundo Monbeig o conteúdo das casas também faz parte da análise: o estudo dos móveis e do conjunto de objetos que preenchem uma casa e a sua distribuição são elementos constitutivos da alma dos indivíduos e do grupo social.

Concluindo

53Ao prefaciar sua tese em 1949 Monbeig chama atenção do leitor para o fato de que ali não estava uma monografia regional, pois a velocidade das transformações fazia com que todo escrito entrasse logo na história, diante disso procurou “compor o estudo de uma sociedade em movimento”.  Esse pensamento mais acabado e mais preciso que aparece em sua tese decorre do seu contato com a sociedade brasileira, da retomada das idéias mais fundantes do pensamento vidaliano (sobremaneira mais rico do que aquele da maioria dos seus discípulos), das formulações de Cholley sobre a idéia de combinações e dos escritos de Max Sorre. Entretanto essas formulações, que para o público francês, aparecem apenas com a publicação de sua tese em 1952, vão sendo construídas ao longo de sua estadia no Brasil tendo como suporte a observação arguta da realidade brasileira. Já em 1945, em texto de rara beleza, Monbeig deixa claro que rompeu com muitas das manias da geografia francesa, se “moderniza” e revê a noção de região. Deste modo a nossa maior preocupação foi a de mostrar como, desde sua chegada ao Brasil, Monbeig se dá conta de que o instrumental da geografia regional francesa não dará conta de explicar nosso país e esta compreensão vai se consolidando paulatinamente ao longo da década de 1940.

Haut de page

Bibliographie

Andrade Manuel Correia de, “O Pensamento geográfico e a realidade brasileira”, Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, AGB n. 54, 1977.

Andrade Manuel Correia de, “Pierre Monbeig e o pensamento geográfico no Brasil”, Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, AGB n.72, 1994.

Cholley André, La Géographie (Guide de l’Étudiant), Paris, PUF, 1951.

Claval Paul, Autour de Vidal de La Blache: la formation de l’ecole française de géographie, Paris, CNRS, 1993.

Claval Paul, Histoire de la Géographie française de 1870 à nos jours, Paris, Nathan, 1998.

Monbeig Pierre, “A Geografia no ensino secundário”, Boletim Geográfico, ano 3, n. 26, maio, 1945.

Monbeig Pierre, “Complexidade em geografia humana”, O Estado de São Paulo, 9 e 16 abr.1950.

Monbeig Pierre, Ensaios de geografia humana brasileira, São Paulo: Livraria Martins, 1940.

Monbeig Pierre, “Geografia e folclore”, O Estado de São Paulo, 17 dez. 1948.

Monbeig Pierre, « Leçon inaugurale 6 de novembre de 1952 : Conservatoire National des Arts et Métiers », In Hervé Théry, Martine Droulers, Pierre Monbeig un geographe pionnier, Paris, Credal (Collection Travaux et Mémoires de l‘IHEAL n 55), 1991.

Monbeig Pierre, « Les franges pionnières », In Géographie générale, encyclopédie de la Pléiade, Paris, Gallimard, 1966, p. 974-1006.

Monbeig Pierre, “Notas relativas à evolução das paisagens rurais de São Paulo”, Boletim Geográfico, n. 16, 1944.

Monbeig Pierre,Novos estudos de geografia humana brasileira, São Paulo, Difusão Européia do Livro, 1957.

Monbeig Pierre, “A filosofia que orientou a criação da USP continua válida”, In Lourenço Dantas Mota (Coord.), A História vivida (II), São Paulo, O Estado de São Paulo, 1979. cap. 12, p. 251-264. Entrevistadores, Lourenço Dantas Mota e Antônio Carlos Pereira.

Monbeig Pierre, Pioneiros e fazendeiros de São Paulo, São Paulo, Hucitec-Polis, 1998.

Monbeig Pierre, “Região e geografia”, O Correio Paulistano, São Paulo, out. 1944/abr.1945.

Monbeig Pierre, « São-Paulo », L’Information geographique, année 16, n. 1, jan./fev.,1952.

Vidal de la Blache P., « Les genres de vie dans la géographie humaine », Annales de Geographie, v. 20, n. 112. p.289-304, 1911.

Vidal de la Blache P., “As características Próprias da Geografia”, In A.Christofoletti, Perspectiva da Geografia, São Paulo, Difel,1985.

Vidal de la Blache P., « Des divisions fondamentales du sol français », In André-Louis Sanguin, Vidal de La Blache, Paris, Belin, 1993, p.141-160.

Vidal de la Blache P., « Fondaments de la géographie humaine », In André-Louis Sanguin, Vidal de La Blache, Paris, Belin, 1993, p. 223-244.

Vidal de la Blache P.,« La géographie générale », In André-Louis sanguin, Vidal de La Blache, Paris, Belin, 1993, p. 161-175.

Vidal de la Blache P., « Les conditions géographiques des faits sociaux », In, André-Louis Sanguin, Vidal de La Blache, Paris, Belin, 1993. p.209

Haut de page

Notes

1  Estamos falando aqui da geografia institucional, dominante na França dessa época.  Sabemos que nesse período existe também a produção de geógrafos “marginais”. Como nos mostra muito bem Paul Claval: “Os trabalhos e os dias da época clássica da geografia francesa foram estruturados por cinco conceitos fundadores,  diretamente  oriundos da herança vidaliana: densidade, região, meio, gênero de vida, paisagem.  Entre 1918 e 1968 a escola francesa se desenvolver-se-á em conformidade com um paradigma dominante, no qual a inovação científica não deveria ultrapassar os limites fixados pela tradição vidaliana o qual defendia o establishment. Essa ortodoxia pesada marginaliza alguns espíritos inovadores. Dessa maneira a geografia política de um Jacques Ancel (1882-1943) ou de um André Siegfried (1875-1959) não foi quase levada em consideração pela corporação e o mesmo ocorreu com a geografia psicológica de Georges Hardy, severamente criticada por Demangeon, nos Annales de Géographie, em 1940. Após a guerra, as idéias de Jean Gottmann quase não foram recebidas pelas revistas francesas e a epistemologia e a história da geografia eram domínios considerados quase como tabu. Como prova disso, a escola francesa ignora completamente a obra penetrante de Eric Dardel, L’homme et la terre. Nature de la réalité géographique (1952), redescoberta nos anos 1980, no rasto da corrente humanista” (Claval in Claval e Sanguin, 1996)

2  Ver sobre a análise de situação em Claval, 1998: 91-93/124-126 e 2001, p. 115-134.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 Pierre Monbeig e Pierre Deffontaines no congresso brasileiro de geografos em 1965
Crédits Fonte: Foto cedida por Margarida Guimarães
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6091/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 1,6M
Titre Figura 2: A exposição sobre Pierre Monbeig no Encontro internacional Geografia, tradições e perspectivas, Homenagem ao centenário de Pierre Monbeig, USP, dezembro de 2008
Crédits Foto Hervé Théry
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6091/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 469k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Aldo Dantas, « Monbeig e a noção de Complexo Geográfico », Confins [En ligne], 7 | 2009, mis en ligne le 31 octobre 2009, consulté le 23 juillet 2017. URL : http://confins.revues.org/6091 ; DOI : 10.4000/confins.6091

Haut de page

Auteur

Aldo Dantas

Professor adjunto do Departamento de Geografia da UFRN.aldodantas@ufrnet.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org