Navigation – Plan du site
Projeto de pesquisa / position de recherche

Refletindo sobre a desindustrialização em São Paulo

Réflexions sur la désindustrialisation de São Paulo
Rafael Faleiros de Padua

Résumés

La désindustrialisation de São Paulo, tout en reproduisant certains aspects de l'industrialisation (et de l'urbanisation) de la ville, apporte nouveaux problèmes à l'analyse. Nous cherchons à montrer les persistances et les ruptures du processus, à expliquer qu’il s'agit d'un processus contradictoire de reproduction de la métropole. Une recherche sur un quartier de Santo Amaro, dans la région sud-ouest de la ville, tente une approche des nouveaux contenus produits par ce contexte de desindustrialisation.

Haut de page

Entrées d’index

Index géographique :

São Paulo

Índice de palavras-chaves :

Desindustrialização, persistências, rupturas
Haut de page

Texte intégral

São PauloAfficher l’image
Crédits : Confins

1Para pensar a desindustrialização em São Paulo no momento atual tomamos por ponto de partida o fato de que a industrialização foi a força indutora da urbanização galopante que a cidade passou no século XX. A metrópole que hoje tem 10 milhões de habitantes (a região metropolitana, formada por 39 municípios, tem perto de 20 milhões de habitantes), se constituiu, sobretudo a partir da segunda metade do século XX, em um grande parque industrial, concentrando a maior parte da produção industrial do Brasil, o que faz com que, a partir da década de 1970, se torne a principal cidade do país (economicamente e culturalmente). Nessa breve exposição, buscamos ressaltar que a urbanização de São Paulo e a sua condição de metrópole hegemônica do Brasil se deve ao seu crescimento industrial.

2A industrialização de São Paulo se deu em dois períodos principais – o primeiro vai do final do século XIX até a década de 1930. O segundo começa na década de 1930 timidamente, mas toma força decisiva a partir da década de 1950, a partir de esforços do governo federal em direção a uma industrialização pesada no país, buscando superar a condição de país exportador de matérias-primas (produtos primários) e importador de produtos industrializados.

3A primeira fase da industrialização paulistana se dá em função do capital acumulado com a produção de café no interior do Estado de São Paulo. Os fazendeiros de café inicialmente investiram seu capital acumulado em infra-estruturas para a própria cultura cafeeira, como por exemplo as companhias de estradas de ferro. Depois, passaram a investir em atividades propriamente urbanas, como armazéns e entrepostos, casas comerciais e, posteriormente, em indústrias. No final do século XIX, a cidade de São Paulo era a capital dos fazendeiros, dado o grande número destes que possuíam suas grandes casas na cidade e daí controlavam seus negócios, que passaram a ser, em grande parte, urbanos.

4As indústrias desta primeira fase da industrialização de São Paulo localizaram-se no entorno das ferrovias, onde passaram a se constituir os bairros industriais e operários da cidade, como Água Branca, Barra Funda, Brás, Mooca e Belenzinho, entre outros, formados em grande parte por imigrantes (sobretudo italianos) que vieram inicialmente para trabalhar na lavoura de café, substituindo o trabalho escravo, abolido em 1988, e posteriormente acabaram se fixando na capital da então província e constituindo a massa dos trabalhadores da indústria nascente. No final do século XIX e começo do século XX, muitos destes imigrantes já se instalavam diretamente na capital, num momento em que a indústria já se consolidava e necessitava de mais operários.

O Palácio das Indústrias (1920)

O Palácio das Indústrias (1920)

Foto de "LUIZ: São Paulo's eyes", http://www.skyscrapercity.com/​showthread.php?t=511803

5A segunda fase da industrialização se dá a partir da década de 1930, quando tem fim a República do “Café com Leite”, ou seja, quando tem fim o domínio das oligarquias rurais de São Paulo e de Minas Gerais no Governo da República. Esse processo, conhecido como Revolução de 30, foi o início do Governo de Getúlio Vargas, que durou até 1945. Com um viés autoritário, esse governo empreendeu reformas modernizantes, tanto no campo econômico como no campo cultural. No campo econômico há um incentivo à substituição de importações, buscando consolidar um mercado interno para os produtos nacionais. Do ponto de vista cultural, é a partir desta década que são constituídas as primeiras universidades do país, procurando formar quadros preocupados com a reflexão sobre o próprio país, quadros para a educação primária e secundária e quadros para formar a elite dirigente. É a partir deste momento que se desenvolve uma preocupação intelectual com a formação do país, tanto a partir das ciências humanas como da literatura, música, artes plásticas.

6No entanto, é na década de 1950 que se dá o principal esforço em direção a uma verdadeira industrialização do país, no governo desenvolvimentista de Juscelino Kubischek, quando há o incentivo para que grandes grupos industriais estrangeiros se instalem no Brasil e para que se constitua uma consistente indústria de base e um verdadeiro parque industrial diversificado.

7Também neste momento a cidade de São Paulo e sua região foram privilegiados na instalação das indústrias, por possuírem maior infra-estrutura. Essa política em favor da indústria induziu grandes movimentos migratórios no país, sobretudo tendo como ponto de partida a região Nordeste, deprimida economicamente, e ponto de chegada a região Sudeste, principal região da industrialização. É na década de 1950-1960 que se inverte a relação população rural/população urbana, quando esta última passa a ser mais numerosa que a primeira. São Paulo nesse momento (1950-década de 1980) recebe milhões de migrantes nacionais, que vão fazer parte da massa de trabalhadores da grande indústria, formando as grandes periferias da metrópole.

8Nesse momento, a indústria não tem mais como padrão de localização o entorno de ferrovias, mas sim o entorno de grandes eixos rodoviários, sobretudo nas periferias das áreas urbanizadas. Em São Paulo, a grande indústria se localizou no entorno das grandes rodovias e das avenidas marginais, lugares com uma grande disponibilidade de terrenos, naquele momento.

9Com o próprio desenvolvimento da atividade industrial e a metropolização de São Paulo, a cidade se densifica. A urbanização ocupa os vazios, os espaços industriais ficam congestionados. Este é um fenômeno que ocorre tanto nas áreas de industrialização mais antiga (mais centralizadas) quanto nas áreas de industrialização recente (periféricas em relação às áreas mais valorizadas da cidade). Esse processo de densificação da cidade acarreta, como dissemos anteriormente, o congestionamento de áreas industriais, assim como a valorização dos terrenos industriais (e consequente aumento dos impostos territoriais). Ou seja, são fatores que desestimulam a realização da atividade industrial em alguns lugares da metrópole.

10A desindustrialização é um fenômeno observado nas grandes cidades capitalistas industrializadas, tanto do mundo desenvolvido quanto do mundo subdesenvolvido. Em São Paulo, a desindustrialização é identificável localmente, ou seja, em lugares determinados (e delimitados) da metrópole, onde a indústria era a atividade econômica principal e deixa de sê-lo, dando lugar a outras atividades ou deixando o espaço degradado ou em processo de deterioração. Assim, não podemos dizer que a metrópole de São Paulo como um todo se desindustrializa, e sim que áreas da metrópole se desindustrializam, mesmo porque a indústria ainda tem um peso considerável no conjunto das atividades econômicas da metrópole. Podemos dizer que São Paulo passa por uma desconcentração industrial relativa, perdendo parte de seu peso industrial em relação ao interior do Estado de São Paulo e em relação ao resto do país. Por outro lado, a gestão das empresas se situa cada vez mais em São Paulo, que se consolida cada vez mais como metrópole dos negócios e elo da economia nacional com a economia mundial.

11Identificamos diferentes comportamentos da desindustrialização paulistana. Nas áreas de industrialização antiga, que acompanham o percurso das linhas férreas, observa-se maiores dificuldades a uma efetiva reutilização de terrenos e consequentemente uma maior dificuldade de revalorização. São áreas mais centrais, onde a própria densificação da metrópole impõe uma acessibilidade dificultada e um maior congestionamento. Por outro lado, em algumas áreas de industrialização mais recente (segunda metade do século XX), a reutilização de terrenos provenientes da desindustrialização é mais efetiva. São áreas próximas à Avenida Marginal do Rio Pinheiros, com disponibilidade de grandes terrenos com a acessibilidade facilitada pela avenida. O fato de se localizarem nas zonas oeste e sudoeste da cidade também facilita uma tendência a uma revalorização mais efetiva desses espaços de desindustrialização, tendo em vista que o eixo de valorização se encaminha para esta região (vetor sudoeste, com a expansão dos setores de gestão, financeiro, eventos, etc.).

12Dois espaços de desindustrialização se destacam nesse sentido: Vila Leopoldina (localizada ao norte da Marginal do Rio Pinheiros) e Santo Amaro (localizado ao sul da Marginal do Rio Pinheiros). A Vila Leopoldina se caracteriza hoje como o principal pólo de construção de grandes condomínios residenciais, os condomínios-clube (novos produtos imobiliários), e Santo Amaro se apresenta como a possibilidade de expansão do vetor sudoeste em direção ao sul, recebendo a instalação de casas de shows e eventos, edifícios de escritórios, shoppings centers, além de grandes condomínios residenciais.

13Em alguns lugares das áreas de industrialização antiga observa-se, pontualmente, a instalação de escritórios e novos condomínios residenciais, como na Água Branca, Barra Funda e Moóca, o que não representa uma tendência a uma revalorização do conjunto dos terrenos desses espaços de desindustrialização, que permanecem como espaços reserva para possíveis novas revalorizações futuras. Em uma cidade extremamente densificada como São Paulo, os espaços de desindustrialização se tornam possibilidades de criação de novas fronteiras econômicas para os agentes hegemônicos da produção do espaço.

Fábricas e zona hortigranjeira na periferia da região metropolitana de São Paulo

Fábricas e zona hortigranjeira na periferia da região metropolitana de São Paulo

Foto Hervé Théry  2008

  • 1  Devemos ressaltar que o fordismo se realizou parcialmente no Brasil. As plantas industriais aprese (...)

14Nos debruçaremos agora sobre o caso de Santo Amaro, que se consolida como a possibilidade de expansão do eixo empresarial e de serviços do vetor sudoeste. Santo Amaro se industrializou a partir da década de 1950, com a instalação de grandes indústrias fordistas, com grande massa de mão-de-obra, várias linhas de montagem na mesma indústria, com a direção da empresa junto da fábrica1. Era um momento de instalação da grande indústria no Brasil e, como nas proximidades do Rio Pinheiros havia uma grande disponibilidade de terrenos (devido também à drenagem das várzeas e à retificação do rio, que foram concluídos na década de 1940), montou-se em Santo Amaro um grande e diversificado parque industrial. Com a desindustrialização, que passa a ocorrer a partir da década de 1980 e se intensifica na década de 1990, verifica-se que essa área viveu um curto período de consolidação industrial. No entanto, observamos em nossa pesquisa que a indústria teve um grande peso na formação da sociabilidade do lugar. A grande quantidade de migrantes nacionais atraídos pela grande disponibilidade de trabalho industrial, tem na indústria sua principal referência ao se estabelecerem na metrópole. Nos deparamos na pesquisa com um lugar que agora se caracteriza como um espaço de desindustrialização, cuja formação como lugar se deu através da mediação da indústria. A indústria constituiu o lugar, assim como induziu a formação das enormes periferias da metrópole de São Paulo. O lugar em questão, formado por grandes galpões industriais e conjuntos de pequenas casas operárias, ocupadas sobretudo por migrantes, pode ser tomado como um lugar industrial, onde a indústria comandava o ritmo da vida no lugar. Ou seja, o lugar se constituiu, desde seu início, como um lugar da fragmentação da vida cotidiana, com a especialização dos espaços e dos tempos da vida em locais e tempos específicos: a vida privada – o trabalho – o lazer, são realizados na casa operária, na indústria e nos escassos lugares de lazer ou na própria casa, respectivamente. No entanto, apesar da fragmentação da vida, imposta pela indústria, contraditoriamente se revelam no processo momentos de criação de sociabilidades: em casa, com a família; no trabalho, com os colegas de serviço; nos bares e restaurantes que serviam aos operários; além dos encontros habituais na rua, com a rotina dos horários da entrada e saída dos operários das fábricas. Assim, se forma uma sociabilidade possível, totalmente mediada pela indústria, mas que a nega, negando a funcionalização estrita dos espaços-tempos da vida cotidiana. Nos 40 anos de consolidação industrial deste lugar, esta sociabilidade criada é fundamental para a criação da identidade das pessoas com a metrópole e com o próprio lugar. Com a desindustrialização, as relações criadas ao longo do período de industrialização se quebram, com o fechamento ou o esvaziamento dos espaços habituais de sociabilidade. Com o fechamento das indústrias, muitos bares e pequenos restaurantes também são fechados; o movimento habitual dos operários nas trocas de turno é esvaziado; há um inevitável processo de deterioração do ambiente construído, seja em razão dos grandes galpões industriais vazios, seja em razão do grande número de casas operárias abandonadas. Com isso, os moradores sentem a degradação da própria vida na metrópole, quando não mais encontram os amigos de fábrica, ou quando o bar que freqüentavam agora está fechado, ou quando vê ser demolida uma vila com vinte moradias onde moravam muitos amigos. A relativa deterioração do lugar e a sua localização relativamente privilegiada, contando com um acesso facilitado pela Marginal do Rio Pinheiros, faz com que este lugar desperte a atenção dos investidores imobiliários e dos empresários de setores como entretenimento, eventos e shows. A reutilização de terrenos industriais para outras atividades econômicas – expansão da fronteira econômica no espaço urbano – aliena ainda mais os moradores em seu próprio local de moradia, pois eles não participam destas novas atividades.

Escritórios na Avenida Berrini

Escritórios na Avenida Berrini

Foto Hervé Théry  2008

15No lugar pesquisado, observa-se que a instalação de casas de shows e de eventos, assim como de empreendimentos residenciais, concessionárias de automóveis, estacionamentos, etc., nos terrenos antes ocupados pela indústria, direcionam este lugar a uma transformação profunda em suas práticas sócio-espaciais. Os moradores antigos do lugar que ainda permanecem ali não freqüentam as casas de shows e de eventos, não compram carros nas concessionárias ou apartamentos nos novos empreendimentos residenciais. Dessa forma as novas atividades que passam a ser instaladas ali constrangem os moradores em seu próprio espaço de moradia, pois as casas de shows e eventos impõem um novo ritmo nas ruas, com um intenso movimento de automóveis nas noites, e com os empreendimentos residenciais passa a ficar mais clara a tendência à valorização. O lugar se transforma cada vez mais em um lugar de passagem, em que as pessoas chegam para os eventos nos lugares de consumo e vão embora após o programa, manifestando uma extrema funcionalização e mercantilização do espaço. Os moradores que restam percebem o movimento de transformação e vislumbram concretamente que eles também podem ser mobilizados a saírem daquele lugar, se a tendência à valorização do espaço ali se realizar efetivamente, pois eles não participam do processo, senão negativamente.

16Essa transformação do espaço, que concretamente representa um aprofundamento da fragmentação da vida e da segregação na metrópole, é amparado por eficazes discursos ideológicos produzidos pelo setor empresarial e reproduzido inclusive pelo Estado e difundido através de uma poderosa indústria cultural. É o discurso que vê o processo de transformação como um inexorável progresso da cidade de São Paulo, que se tornaria, segundo este discurso, cada vez mais uma cidade mundial. Nesta perspectiva de um crescimento econômico ilimitado (como se fosse linear e possível esse crescimento econômico) tratado como desenvolvimento social, os interesses particulares da reprodução do capital através da reprodução do espaço urbano, são tomados como interesses da sociedade como um todo, como se o crescimento econômico trouxesse um equilíbrio social. Procuramos demonstrar aqui o conteúdo contraditório inerente à reprodução da urbanização no momento atual, como um empobrecimento da vida urbana na metrópole. A pesquisa sobre espaços de desindustrialização e sua transformação permitem, nesse sentido, vislumbrar os conteúdos contraditórios da urbanização contemporânea da metrópole.

Haut de page

Bibliographie

CARLOS, Ana Fani Alessandri. “São Paulo: do capital industrial ao capital financeiro”. In: CARLOS, Ana Fani Alessandri e OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino de (orgs.). As Geografias de São Paulo – A metrópole do século XXI. São Paulo: Editora Contexto, 2004.

IANNI, Otávio. Estado e Planejamento Econômico no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996, 4ª ed..

LANGENBUCH, Jurguen Richard. A estruturação da Grande São Paulo. Estudo de Geografia Urbana. Rio de Janeiro: Fundação IBGE, 1971.

LEFEBVRE, Henri. « Les idéologies de la croissance ». In : La survie du capitalisme. Paris, Anthropos, s/d.

__________. Vida Cotidiana no Mundo Moderno. São Paulo: Editora Ática, 1992.

MELLO E SOUZA, Antônio Cândido de. “A Revolução de 30 e a Cultura. In: Novos Estudos CEBRAP, 1984.

MONBEIG, Pierre. O Crescimento da Cidade de São Paulo”. In: SZMRECSÀNYI, Tamás. História Econômica da Cidade de São Paulo. São Paulo: Editora Globo, 2004.

SMITH, Neil. “Gentrificação, a fronteira e a reestruturação do espaço urbano”. Tradução de Daniel Sanfelici. Edição original: SMITH, Neil. “Gentrification, the Frontier, and the Reestruturing of  Urban Space”. In: Reddings in Urban Theory edited by Susan Fainstein and Scott Campbell (Cambridge, Massachussetts, Blackwell Publishers, 1996).

Haut de page

Notes

1  Devemos ressaltar que o fordismo se realizou parcialmente no Brasil. As plantas industriais apresentavam as características fordistas, mas do ponto de vista do poder de consumo do operário não podemos dizer que houve plenamente o fordismo por aqui.

Haut de page

Table des illustrations

Titre O Palácio das Indústrias (1920)
Crédits Foto de "LUIZ: São Paulo's eyes", http://www.skyscrapercity.com/​showthread.php?t=511803
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6125/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 420k
Titre Fábricas e zona hortigranjeira na periferia da região metropolitana de São Paulo
Crédits Foto Hervé Théry  2008
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6125/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 380k
Titre Escritórios na Avenida Berrini
Crédits Foto Hervé Théry  2008
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6125/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 800k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Rafael Faleiros de Padua, « Refletindo sobre a desindustrialização em São Paulo », Confins [En ligne], 7 | 2009, mis en ligne le 31 octobre 2009, consulté le 29 mars 2017. URL : http://confins.revues.org/6125 ; DOI : 10.4000/confins.6125

Haut de page

Auteur

Rafael Faleiros de Padua

Mestre e doutorando em Geografia Humana no Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Pesquisador do GESP - Grupo de Estudos sobre São Paulo.rfpadua@usp.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org