Navigation – Plan du site
Resenha / compte-rendu

Os grandes vinhos à prova da mundialização

Les grands crus à l’épreuve de la mondialisation
René Somain
Référence(s) :

Le Seuil, collection Liber

ISBN 978-2-02-099683-9

Texte intégral

1O ponto de partida do livro de Marie-France Garcia-Parpet, pesquisadora do INRA, é a situação da viticultura francesa que, após ter dominado o mercado mundial com seus “grands crus” e a sua busca de “excelência”, atravessa desde alguns anos uma crise profunda. Esta crise tem entre as suas causas principais a concorrência dos países do “Novo Mundo”, ligada ao aparecimento de novos modos de consumo do vinho.

2O alcance desta obra excede, contudo, o caso do mercado do vinho: estende-se a outros mercados que se fundamentam também em uma lógica de excelência, e traz uma nova abordagem da mundialização, o que nos leva a recomendá-la para além do círculo dos leitores apaixonados pelo vinho. Como o indica Marie-France Garcia-Parpet, “a análise do mercado do vinho põe em destaque a necessidade desconstruir um objeto percebido principalmente numa óptica política, onde o termo “mundialização” escurece mais que explica, forçando a analisar empiricamente as forças em presença e a sua origem histórica e social precisa” (p. 245).

3A partir de uma análise que combina abordagens etnográficas e pesquisa sociológica, Marie-France Garcia-Parpet mostra como as batalhas de classificação estão no coração das transformações recentes do mercado mundial deste produto. Analisa em primeiro lugar como a produção vitícola se institucionalizou na França, as consequências desta gênese sobre o modo de gestão dos estabelecimentos agrícolas e a forma como se dá a competicão entre os produtores. Para exemplificar o processo, ela produz um estudo aprofundado do caso de vinhos de Chinon, os quais conhecem particularmente bem por ter feito alí pesquisas de campo. A sua escolha desta região é justificada pelos esforços feitos pelos produtores para melhorar a imagem dos seus vinhos: “Os vinhos de Chinon eram apreciados [... ] apenas pelos conhecedores locais e as redes que lhes estavam associadas: eram “confidenciais” e assim permaneceram até nos anos 70. São geralmente indicados nas obras gastronômicas para “pequenos jantares”, contrariamente aos vinhos de Champanhe de Bordeaux, recomendados para as grandes cerimônias” (p. 71). A análise que ela faz do tecido social da região e de uma instituição como a Feira dos Vinhos da Loire merece uma leitura atenta, porque enraíza o seu trabalho num estudo extremamente detalhado, antes de situar o caso francês num quadro mais vasto.

4Interessa-se em seguida à emergência dos países do “Novo Mundo”, em especial os Estados Unidos e a América do Sul: trata-se principalmente para ela de indicar - para melhor compreender a especificidade francesa - duas concepções do vinho e de sua produção competitiva. Por último ela mostra como os produtores da região Languedoc- Roussillon souberam aproveitar estas transformações da situação internacional para transformar esta região, que não era nem mesmo classificada, em região pioneira.

Os vinhos da França

Os vinhos da França

http://www.vins-vouvray.com/​aoc-vignoble-francais.php

5Desde o começo do seu livro, Marie-France Garcia-Parpet mostra que o modelo francês – por muito tempo considerado a referência absoluta – é de fato uma construção social: “Nada autoriza [...] a considerar como universais os valores sobre os quais se baseia a supremacia do modelo [francês] das denominações de origem controlada. Este, como toda construção histórica, é um arbitrio que deve ser compreendido procurando entender a história social desta intervenção e examinando as condições do seu sucesso” (p. 23). “Ela mostra que o conhecimento dos vinhos é um dos fatores importantes da distinção social, ele é esperado dos filhos de “boas famílias”, que devem comhecer os “anos bons” e os “anos ruins”, região por região, com a ajuda das tabelas publicadas na literatura especializada. É uma condição indispensável para constituir-se uma “boa adega”, uma tarefa que, como indica Marie-France Garcia-Parpet “exige tempo e ascetismo que lembra as práticas capitalistas evocadas por Max Weber” (p. 64).

Anos « bons » e anos « ruins »

Anos « bons » e anos « ruins »

http://www.glpvins.com/​font_glp_vin/​fontaine1.php

6Fruto de uma longa elaboração, o sistema francês é de fato difícil: “a multiplicidade de denominações (mais 400) e as suas sutilezas não ajudam muito à iniciação. Como entender, para ficar apenas com o exemplo dos vinhos da Borgonha, entre um bourgogne grand ordinaire, que designa uma denominação, um bourgogne, que designa a denominação regional, um bourgogne aligoté, que faz referência às videiras obrigatórias, um beaujolais que designa uma denominação regional restrita, um meursault, que designa uma denominação comunal, sem esquecer que estas referências comunais podem ser matizadas pelas menções premier cru, deuxième cru ou grand cru. Um quebra-cabeças para os neófitos que constituem uma componente essencial da demanda de vinho” (p. 163).

Os crus do município de Gevrey Chambertin (Borgonha)

Os crus do município de Gevrey Chambertin (Borgonha)

http://www.domaineguyon-vosne.com/​ANGLAIS/​IMG/​VIGN/​carte/​gevrey.jpg. Mapas do « Nouvel atlas des grands vins de Bourgogne », Sylvain Pitiot e Pierre Poupon, Collection Pierre Poupon, 1999.

7A vontade de simplificar o conhecimento dos vinhos, ao mesmo tempo para facilitar a produção e para melhor ser compreendido pelos consumidores, é uma das marcas distintivas dos novos produtores situados fora da Europa. Estes se diferenciam radicalmente do modelo francês: “a produção vitícola nos países ditos “do Novo Mundo”, ou seja, os Estados Unidos a partir dos anos 60, mais tarde a Austrália, a África do Sul, o Chile, a Argentina, a Nova Zelândia, desenvolveu-se em margem dos critérios dominantes na produção vitícola francesa. Apoiou-se na demanda crescente de classes médias de países não tradicionalmente consumidores de vinho, é pouco acostumadas à concepção do vinho e da gastronomia desenvolvida na França” (p. 127).

8Trata-se de um modo de produção mais comercial, e mais livre das restrições impostas aos produtores franceses. “A produção vitícola norte-americana é caracterizada essencialmente por uma política liberal quanto às superfícies plantadas, as técnicas de produção, às variedades utilizadas, por uma produção em grande escala [...] e dominada pela preocupação constante da comercialização. A concepção da produção visa uma qualidade homogênea graças à vinificação, em oposição à concepção francesa que insiste no respeito da natureza” (p. 128). Pode ver-se aí uma concepção da produção mais prometeana, ao oposto da visão francesa de uma natureza que deve ser entendida e protegida, “uma concepção que se opõe radicalmente à concepção dos países tradicionalmente produtores, fundada sobre as características regionais e que resume o artigo consagrado ao “Novo Mundo” no livro Oxford Companion of Wine: “no velho o mundo, onde há séculos de tradição, a natureza é determinante, no Novo Mundo a natureza é olhada com suspeita, um inimigo que deve ser controlado, dominado pelas ciências nos seus menores detalhes” (p. 131).

9Uma das manifestações mais claras deste modelo é a escolha de produzir vinhos de videira, bem identificados nos rótulos, contrariamente ao que se faz na França, onde se considera que é precisamente na montagem das videiras que se situa uma boa parte da arte do viticultor. Notar-se-á, com uma leve ironia, que uma evolução parece estar ocorrendo:  “mesmo nos Estados Unidos e nos países do Novo Mundo, os nomes de videiras desaparecem e as origens geográficas são indicadas, na medida em que se aproxima de uma produção que pretende à excelência em matéria enológica” (p. 145).

Rótulo francês

Rótulo francês

Todas as informações estão presentes: denominação, proveniência, produtor milésimo, volume, grau de álcool, presença de sulfitos

http://www.domaine-resseguier.fr/​

Rótulo californiano

Rótulo californiano

Aqui apenas a marca, a videira e região

http://www.vinesugar.com/​notes_entry.php?id=377

10Os leitores da Confins observarão que o Brasil (e a comparação França- Brasil) não são ausentes da obra: Marie-France Garcia-Parpet lecionou na universidade de Rio de Janeiro de Janeiro de 1977 até 1994 e indica que “o fato de ter vivido no Brasil, um país onde o vinho não é uma bebida tradicional, já chamou a minha atenção sobre uma outra maneira de apreciar e classificar os vinhos” (p. 30) e que “o caso do Brasil, onde tivemos ocasião de observar a nítida progressão do consumo ao longo de um período de mais de 30 anos, é interessante" (p. 164): observaremos, como ela, com interesse a evolução deste país, onde a viticultura de qualidade desenvolve-se na medida que afirma-se uma demanda mais exigente.

11Os leitores brasileiros da Revista serão provavelmente surpreendidos pela dimensão das regiões vinícolas francesas mencionadas no livro: os vinhedos de Chinon ocupam uma superfície inferior à de um fazenda (média) de soja do Mato Grosso e a zona de prpdução de um grand cru da Borgonha, compartilhado entre múltiplos produtores, seria no Brasil uma modesta chácara.

A extensão do grand cru Chambertin Griotte

A extensão do grand cru Chambertin Griotte

Foto Hervé Théry 2009

12Os 50 hectares do vinhedo Clos Vougeot, um dos lugares de destaque da viticultura borgonhesa, são compartilhados entre 80 proprietários1, a produção média por produtor sendo de menos de 1.000 garrafas. Mas ao considerar que uma garrafa de Clos Vougeot grand cru Jacques Prieur (o produtor cujo nome aparece na fotografia abaixo) vende-se a 128,67 Euros2 (ou seja 332 Reais3), esta garrafa equivale a uma meia tonelada de soja (7 sacos de 60 quilos, 27,30 Dólares por saca4, ou seja 47,77 Reais5)...

O vinhedo de Clos Vougeot

O vinhedo de Clos Vougeot

Foto Hervé Théry 2009

Haut de page

Notes

1  http://www.tastevin-bourgogne.com/Chateau/Degustation/index.php

2  http://www.1000bourgognes.com/vin-clos-de-vougeot-grand-cru-api-50.html

3  No cambio de 1,75 Reais por Dólar, http://www.x-rates.com/d/BRL/table.html consultado dia 31/10/2009

4  http://www.abiove.com.br/exporta_br.html

5  No cambio de 2,58 Reais por Euro, http://www.x-rates.com/d/BRL/table.html consultado dia 31/10/2009

Haut de page

Table des illustrations

Titre Os vinhos da França
Crédits http://www.vins-vouvray.com/​aoc-vignoble-francais.php
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6164/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 140k
Titre Anos « bons » e anos « ruins »
Crédits http://www.glpvins.com/​font_glp_vin/​fontaine1.php
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6164/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 3,8M
Titre Os crus do município de Gevrey Chambertin (Borgonha)
Crédits http://www.domaineguyon-vosne.com/​ANGLAIS/​IMG/​VIGN/​carte/​gevrey.jpg. Mapas do « Nouvel atlas des grands vins de Bourgogne », Sylvain Pitiot e Pierre Poupon, Collection Pierre Poupon, 1999.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6164/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 808k
Titre Rótulo francês
Légende Todas as informações estão presentes: denominação, proveniência, produtor milésimo, volume, grau de álcool, presença de sulfitos
Crédits http://www.domaine-resseguier.fr/​
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6164/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 376k
Titre Rótulo californiano
Légende Aqui apenas a marca, a videira e região
Crédits http://www.vinesugar.com/​notes_entry.php?id=377
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6164/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 272k
Titre Vinhos do Brasil
Crédits http://www.winealley.com/​dossier_50042_fr.htm
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6164/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre A extensão do grand cru Chambertin Griotte
Crédits Foto Hervé Théry 2009
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6164/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 344k
Titre O vinhedo de Clos Vougeot
Crédits Foto Hervé Théry 2009
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6164/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 406k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

René Somain, « Os grandes vinhos à prova da mundialização », Confins [En ligne], 7 | 2009, mis en ligne le 31 octobre 2009, consulté le 22 juillet 2017. URL : http://confins.revues.org/6164

Haut de page

Auteur

René Somain

Geógraforene.somain@yahoo.com.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org