Navigation – Plan du site
Projeto de pesquisa / position de recherche

O atlas do Estado de São Paulo: uma reflexão metodológica

Marcello Martinelli

Entrées d’index

Index de mots-clés :

Atlas, cartographie, São Paulo

Index by keywords :

Atlas, cartography, São Paulo

Index géographique :

São Paulo

Índice de palavras-chaves :

Atlas, cartografia, São Paulo
Haut de page

Texte intégral

Orografia de São PauloAfficher l’image
Crédits : Confins

1Diante das grandes possibilidades oferecidas pelos avanços da ciência, da tecnologia e das expectativas junto à sociedade de hoje justificam-se todas as iniciativas endereçadas para a estruturação e consolidação de diretrizes metodológicas para os Atlas geográficos de todo tipo, divulgado por qualquer mídia.

2É evidente que nos dias atuais elas terão que se encaminhar na direção dos desdobramentos da ciência cartográfica, agora se confirmando como uma verdadeira infocartografia ou geomática, até mesmo uma cibercartografia.

3Por outro lado, a sociedade vive uma crescente ansiedade perante toda informação que invade seu dia-a-dia. No entanto, o que deve ser retido é o conhecimento, e, portanto, é necessário ponderá-lo também, junto à grande quantidade de imagens que são divulgadas em todos os meios de comunicação, entre as quais, aquelas que compõem os mapas e, consequentemente, também os Atlas, nas mais variadas formas de mídia.

4A maior falha na apreciação e uso de mapas e Atlas está em considerá-los como receptáculos de muitas informações, até mesmo de dados brutos fragmentados, sem ter a capacidade para passar para a compreensão e adquirir o conhecimento sobre a realidade representada de forma integrada e global.

5Este sutil salto tem seu alicerce numa consciente orientação metodológica que vai desde a concepção e elaboração até o uso para certa finalidade de tais construtos intelectuais.

6Por outro lado, a iminente emergência de Atlas na forma de Atlas eletrônicos (se dispostos na WEB) ou digitais (se difundidos em CD-ROM ou em DVD-ROM) é uma motivação bastante convidativa para se ingressar nessa nova seara.

7Só a chance de poder viver e participar destes novos encaminhamentos é que  estimularia a lucubrar orientações metodológicas consistentes e coerentes com o desenvolvimento atual dessa área científica.

8Se, tradicionalmente, os Atlas ditos geográficos constituíram um material indispensável para apreender a produção do espaço da sociedade, hoje, esta meta será incontestavelmente garantida. Toda a inovação tecnológica adotada pela informática e microeletrônica, sem dúvida alguma, proporcionará aos “Atlas” um alcance muito mais amplo, com capacidade de participar da formação da cidadania.

  • 2

9O objetivo deste estudo1 é menos tratar de uma revisão e atualização do Atlas do Estado de São Paulo (IGEOG-USP, 1970), proposto e realizado pelo Instituto de Geografia da

10Universidade de São Paulo sob a coordenação do Prof. Dr. André Libault, do que empreender uma ampla e profunda reflexão metodológica acerca dos Atlas. Esta seria feita em consonância com os novos paradigmas e avanços científicos e tecnológicos, junto à geografia e cartografia, fornecendo o necessário lastro para a concepção e elaboração de Atlas em nível estadual.

11Como objetivos específicos, consideram-se:

  • Retomar o Atlas do estado de São Paulo como obra de caráter permanente proposta pelo extinto Instituto de Geografia da USP, sob a coordenação do Prof. Dr. André LIBAULT. (LIBAULT, 1970).

  • Coordenar orientações metodológicas para serem aplicadas na elaboração de Atlas, tanto na forma analógica como digital, em caráter permanente, como trabalhos específicos em cursos, estágios acadêmicos ou outras atividades discentes de graduação e pós-graduação, junto ao Laboratório de Cartografia do Departamento de Geografia, FFLCH – USP.

  • Dar embasamento seguro ao ensino/aprendizagem do mapa e pelo mapa, explorando Atlas geográficos, tanto na forma impressa como eletrônica ou digital, na compreensão do real concreto.

  • Estimular a elaboração e aplicação de softwares específicos para a concepção, produção e uso de Atlas, sejam impressos, eletrônicos ou digitais, nos meios acadêmicos, visando o ensino/aprendizagem de geografia na escola fundamental, média e superior.

  • Coordenar os encaminhamentos para edição, em caráter permanente, seja de forma tradicional, isto é impressa e encadernada, como também na versão eletrônica (CD-ROM) ou digital (DVD-ROM), dentro do contexto das atuais expectativas dos mais variados usuários.

  • Estudar sua coordenação também como “Sistema de Informação Atlas”, com base nas tecnologias de SIG e Multimídia (cartografia multimídia).

  • Entrever as possibilidades para lucubrar a variante “ATLAS AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO”, aproveitando toda a estrutura metodológica e operacional já consolidada.

Os antecedentes

Os Atlas no mundo

12A idéia de juntar mapas é bastante antiga. Já na Antiguidade clássica, um anexo ao Tratado de Geografia de Cláudio Ptolomeu se configurava como uma coletânea de mapas elaborada talvez entre os anos 127 e 141. Neste seu trabalho constava um mapa-múndi e vinte e seis representações elaboradas com dados do mundo conhecido da época.

13Entretanto, seletas como estas tinham mais o propósito de agrupar mapas em um único volume, tornando prático seu manuseio, do que entrever alguma finalidade intelectual que pudesse ser enaltecida mediante tal arranjo.

14A história dos Atlas tem início com os frutos devidos aos progressos dos conhecimentos da cartografia no Renascimento, séculos XV-XVI, época que teve início a lenta transição do feudalismo para o sistema capitalista. O florescimento do rico comércio de especiarias entre Oriente e Ocidente incentivou a navegação marítima, exigindo mapas para viajar - os portulanos. Esta utilidade se confirmou mais ainda com a expansão da navegação em direção ao ocidente, como alternativa de alcançar as riquezas das Índias, corroborando nos grandes descobrimentos.

15Um grande acontecimento cultural do século XV - a invenção da gravação e da imprensa - realizada antes mesmo dos grandes descobrimentos proporcionou amplo desenvolvimento à cartografia. Os mapas baratearam. Suas manufaturas entraram no processo capitalista de produção: tornaram-se mercadoria.

16Embora muitas obras cartográficas tenham sido realizadas em toda a Europa, no que tange aos Atlas vistos como coletâneas, aqueles dos Países Baixos ganharam grande repercussão devido ao empreendimento de suas editoras através de várias edições sucessivas. Uma das primeiras foi uma coleção sistemática de 53 mapas, de autoria de Abraham Ortels, dito Ortelius, com o título “Theatrum Orbis Terrarum”, editada em 1570. Sua originalidade como Atlas o destacou dentre os demais até então produzidos. Os mapas eram acompanhados, em seu verso, por textos geográficos e históricos, já mostrando uma transformação em sua concepção. Houve o esboço de uma finalidade intelectual: aparecia a complementaridade da descrição verbal, demandando uma forma diferente de consulta, onde a leitura dos textos denotava um olhar distinto sobre as imagens. Foi considerado primeiro Atlas geográfico moderno. Reuniu tudo quanto os contemporâneos do autor já haviam escrito sobre a Terra.

17Seguiu-se a este, a seleta de Gerard de Jode, intitulada “Speculum Orbis Terrarum” de 1578. Logo depois apareceu uma coleção mais famosa, a de Gerhardt Kremer - o Mercator - organizada e editada após sua morte por seu filho, em 1595. Nomeou-a de “Atlas Sive Cosmographicae Meditationes de Fabrica Mundi et Fabricati Figura”. Usou-se assim, pela primeira vez, o termo “ATLAS” para designar um conjunto de mapas. Mercator deu-lhe este nome ao comparar o esforço empreendido em sua obra, na qual trabalhara de 1569 até sua morte em 1595, àquele que a fábula atribuiu a Atlas, decorando o frontispício com uma figura do herói legendário. Na mitologia grega, Atlas era um Titã revoltado contra os deuses. Por ter tomado parte na luta dos Titãs contra aqueles, fora condenado por Zeus a sustentar nos ombros a abóbada celeste.

18O grande avanço das relações capitalistas de segunda metade do século XVII, junto aos países da Europa Ocidental, promoveu considerável impulso à cartografia, colocando-a na Época Moderna. Foi assim, incumbida de produzir mapas, não só para atender a ansiedade de novos descobrimentos e respectivas colonizações, como também para contemplar novas necessidades demandadas pelos novos conhecimentos científicos, o que se consubstanciaria na realização de mapas específicos.

19Nesse período destacaram-se várias realizações em termos de Atlas. O marechal Vauban, por ser engenheiro militar além economista, propôs em seu tratado econômico “Projet d’une dîme royale” criar um “Atlas da França” (1698), que deveria mostrar tudo o que havia de importante e assim tornar-se merecedor de maior atenção naquele reinado. Vauban teria inventado os Atlas nacionais e regionais (LIBAULT, 1967).

20O século XVIII foi, sem dúvida, marcado por grandes realizações cartográficas deste gênero. Em paralelo ao auge econômico e cultural que vários países alcançaram, assistiu-se a um importante avanço nas suas cartografias.

21É digno de nota o caso da Rússia de Pedro I, o Grande. Ele empreendeu um levantamento sistemático do território a partir de 1720, resultando num mapeamento completo de todos os distritos que compunham a Rússia de então.

22Destacou-se também a realização do cartógrafo e geógrafo Ivan Kirilov. Teria composto o”Grande Atlas do Império Russo”, uma surpreendente afirmação do saber cartográfico russo da primeira metade do século XVIII. Porém, com sua morte pré-matura se conheceram apenas 35 de seus mapas.

23A cartografia sistemática empreendida no país em nível de distrito serviu de base para estruturar o primeiro Atlas completo, o “Atlas da Rússia”. Foi realizado em 1745 e editado em vários idiomas: russo, latim, francês e alemão. Tornou-se fonte essencial para os conhecimentos sobre a geografia da Rússia.

24Com a emancipação do regime soviético, as atividades cartográficas desenvolveram-se sobremaneira, culminando com a realização de numerosos Atlas político-administrativos, em atendimento à regionalização econômica engendrada pela formação da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, em 1922.

25Com a industrialização passou-se a preparar mapas econômicos que resultaram no “Atlas da Indústria da URSS” publicado de 1928 a 1931.

26Vislumbrando uma cartografia destinada às escolas publicou-se em 1937 o “Grande Atlas Soviético complexo do mundo”, tendo sido traduzido em inglês e editado nos Estados Unidos.

27Após a segunda guerra mundial a cartografia se voltou ao que os soviéticos chamaram com muita propriedade de cartografia complexa, isto é a realização de estudos cartográficos integrados: das condições naturais e seus recursos, da população, da economia e dos problemas culturais, levando sempre em conta suas interações e dinâmica.

  • 2  SALICHTCHEV, K. A. “La cartographie géographique soviétique et son développement”. Bullettin du Co (...)

28Um ponto que merece grande destaque junto à cartografia soviética foi o que se refere às suas bases metodológicas. Elas foram colocadas nas cartas escritas por Lênin entre 1920 e 1921, nas quais tratava largamente a respeito do uso de mapas a serviço de seu governo. Em seus escritos frisava que os mapas tratariam, numa visão holística, da descrição dos fenômenos sob os mais variados aspectos, mediante a exaltação de suas relações, interdependências e contradições, bem como da representação de sua evolução histórica com a devida valorização de fatos essenciais e predominantes. Esta forma de tratar os fenômenos naturais e sociais, segundo teóricos soviéticos, introduziria na cartografia, as idéias fundamentais do materialismo histórico e dialético (SALICHTCHEV, 1966). 2

29Na França unificada da segunda metade do século XIX destacou-se o “Atlas général Vidal-Lablache: histoire et géographie”, editado em 1894. Tal Atlas foi mais um trabalho voltado à reflexão e à explicação, do que uma coletânea de mapas dedicada apenas a inventariar localidades. Sua idéia fora totalmente nova para a época: a de justapor mapas de variados temas - físicos, humanos, históricos, econômicos - de um mesmo território, acompanhados de um breve comentário, com o fim de estimular o leitor, não só a observá-los, como também a vislumbrar possíveis relacionamentos. Esta concepção estava vinculada à proposta de La Blache para uma nova visão da geografia. Centralizava-se na relação homem-natureza, projetada na paisagem. Entrevia, assim, a natureza como um conjunto de possibilidades para a ação humana. Considerava o homem ativo, sujeito à influência dela, porém agente, transformando-a. Em sua obra - Geografia Universal - estabeleceu o conceito que balizaria a geografia francesa - a região. Passou a ser uma unidade de análise geográfica que exprimiria a maneira de os homens produzirem e organizarem o espaço, apresentando certa individualidade. Assim, a região passou a ser compreendida como um processo histórico de organização. Foi a partir da região que se

30firmou a Geografia Regional, forma de estudo que envolvia monografias para se chegar a um conhecimento cada vez mais profundo e exaustivo da realidade. Essas pesquisas, tendo a região como objeto de análise, compunham-se de uma sequência de itens temáticos, abrangendo todos os setores em exame, desde a natureza até os mais diferentes empreendimentos da sociedade. Como conclusão anexava-se mapas referentes aos temas estudados, cuja sobreposição compunha, não só a síntese cartográfica das estruturas de relações entre os componentes da vida regional, como também a concepção da unidade homem-natureza. Revelar-se-ia, assim, a individualidade regional, de onde adviria o conceito de “gênero e vida”.

31Foi nesta proposta que se estimulou uma ampla aplicação da estatística, da estatística gráfica e da própria cartografia temática, mais especificamente quantitativa, então emergente.

32As conquistas científicas empreendidas no final do século XIX constituíram também as premissas para a criação de Atlas mais completos, com base em dados mais precisos produzidos na época. Tais Atlas já mostravam a tendência em expor de forma exaustiva e em bases cientificamente mais rigorosas, as características relacionadas aos aspectos da natureza, população, economia e desenvolvimento cultural de determinado país. Além disso, contavam com o interesse dos meios científicos em participar da criação deles, permitindo, desta feita, que fossem considerados como obras de importância nacional, dignos, portanto, de serem denominados de “Atlas Nacionais”.

33O primeiro Atlas desse tipo teria sido aquele de Émile LEVASSEUR, de 1876 – o “Atlas physique, politique, économique de la France”, comportando 114 mapas organizados em 8 pranchas, com grande participação de mapas estatísticos, sua especialidade.

34Entretanto, foi o “Atlas da Finlândia”, publicado em 1899, que veio a ser considerado como sendo um dos primeiros a desencadear o interesse das nações constituídas por tais Atlas. Realizado sob os auspícios do estado, tinha por objetivo esclarecer o povo finlandês sobre si próprio e seu país. Durante mito tempo o exemplo da Finlândia permaneceu único.

35Porém, o mapa sempre se impôs como símbolo do Estado. Se estivesse no mapa era real! Neste sentido, voltando para o fim do século XVI, Atlas nacionais como aqueles da Inglaterra e da França proclamavam a autoridade do poder e do nacionalismo. O da Inglaterra, o “Atlas of England and Wales”, de Christopher Saxton (1579), afirmava a unidade dos condados sob a autoridade de Elizabeth Iª. Aquele da França – “Le Théâtre Françoys de Maurice Bouguereau” (1594) - celebrava a recente reunificação sob o reinado de Henri IV.

36Passando, agora, para o século XX, nos anos que precederam o primeiro conflito mundial, publicaram-se mais dois grandes Atlas complexos, o “Atlas do Canadá” (1906) e o “Atlas da Rússia asiática” (1914). Este último foi, seguramente, um Atlas para fins de propaganda: facilitaria na época, a colonização da Sibéria e Extremo Oriente russo pelos trabalhadores rurais, medida promovida pelo governo czarista.

37A Primeira guerra mundial foi o último marco da época moderna. Instituiu-se como momento histórico que cristalizou na economia o método capitalista como modo de produção.

38Um interesse maior pelos Atlas nacionais despertou após o término dessa Guerra. Vários motivos levaram à realização destes empreendimentos, como: independência de vários países, necessidade de busca de novos recursos, a intensificação da exploração das colônias por parte das metrópoles para atendê-las como fontes de matérias primas.

39Mais precisamente, no período entre esta primeira guerra e a que viria a seguir, a cartografia de Atlas se curvou diante da ideologia. Os mapas tornaram-se objetos decisórios por excelência na definição de fronteiras, dando assim, poder aos seus autores - os geógrafos.

40Os Atlas evidenciaram-se, mais do que nunca, como símbolos da unidade nacional, principalmente no momento em que os estados estavam querendo reconstruir e confirmar seus territórios. A geopolítica passou a usá-los como discurso sobre o espaço (DIETZ, 1993).

41A Segunda Guerra Mundial interrompeu quase totalmente a produção de Atlas. O único Atlas nacional publicado no período foi o “Atlas de Tanganica”, a atual Tanzânia (1942), que pode ser considerado um exemplo da Atlas colonial, devido a certas características na apresentação de seu conteúdo, como por exemplo, o aspecto social colocando em evidência a supremacia das escolas mantidas pelas missões religiosas européias.

42Com o grande número de novos Estados que se tornaram independentes, após o término do citado conflito, voltou-se a enaltecer a tradição do Atlas nacional como símbolo da soberania do Estado. As antigas colônias se serviram destes empreendimentos cartográficos como meios de desenvolvimento econômico e, sobretudo, de identidade política. Confirmou-se assim, o conhecimento como poder (MONMONIER, 1991).

43Para normalizar a produção de Atlas Nacionais, em 1956, na Assembléia Geral da UGI sediada no Rio de Janeiro, por ocasião do XVIII° Congresso Internacional de Geografia foi criada a Comissão dos Atlas Nacionais.

44Ao mesmo tempo, crescia o interesse dos países livres do jugo do colonialismo em ter um conhecimento acerca de seus territórios, organizado através de Atlas. O exemplo mais marcante foi o do Atlas da Índia, com uma edição preliminar em 1957, encomendado pelo governo para subsidiar a elaboração de planos de desenvolvimento, a exemplo do planejamento da URSS.

45Na África chamou atenção o “Atlas do Marrocos”, editado parcialmente um pouco antes, em 1955, empenhado em subsidiar seu desenvolvimento dentro de um quadro independente.

46Na década de 60 assistiu-se ao aparecimento de outra modalidade de Atlas, o “Atlas regional”, dedicado ou a um maior detalhamento do país, suplementando o nacional, ou voltado a determinados fins específicos, dentre eles o próprio planejamento, atendendo à política ativa com este endereço. Sua normalização adveio por ocasião do XIX° Congresso Internacional da UGI realizada em Estocolmo, em 1960, mediante a extensão da esfera de interesses da Comissão dos Atlas Nacionais, também para os Atlas complexos regionais. Em 1964, durante a realização do XXº Congresso, sediado em Londres, a mesma Comissão recebeu o status de Comissão Permanente.

47 Dentro da categoria específica dos Atlas temáticos, na década de 70 despontaram os Atlas ambientais, ganhando considerável impulso e ampla aceitação por parte, não só dos meios acadêmicos, como também das instituições representativas.

48Junto à sensibilização da sociedade em geral e científica, em particular, acerca das questões ambientais desencadeadas principalmente na primeira metade do século XX, em 1976 foi criado o Grupo Conjunto dos Atlas Ambientais por iniciativa da União Geográfica Internacional (UGI), conjugada à Associação Cartográfica Internacional.

49Estes Atlas deveriam tratar em seus mapas, do ambiente, considerado como constituído por aquelas circunstâncias geográficas que influenciam (preservam, melhoram ou degradam) o sistema ecológico humano. Tais Atlas, portanto, contariam com o envolvimento de várias disciplinas científicas voltadas ao estudo e representação dos elementos do ambiente, vistos na sua complexidade e integridade, para um determinado espaço, podendo ser este um território de um estado (nação). Além disso, não bastava que suas temáticas se voltassem apenas às questões patológicas do ambiente, como tradicionalmente acontece, mas também àquelas referentes à sua anatomia e fisiologia, bem como às problemáticas que tratassem das previsões de acontecimentos indesejados.

50Além destas, duas outras propostas poderiam ser dinamizadas: uma voltada aos aspectos analíticos do ambiente natural que pode influenciar o homem, enquanto que a outra se voltaria a outros campos que afetam a sociedade, como o cultural, o econômico, o político, o social, etc.

51Com a instalação do Grupo de trabalho, discussões metodológicas se fizeram em direção a uma posição mais consistente sobre o que viria a ser uma cartografia ambiental. Seria a representação do ambiente natural da sociedade ou a representação dos fatores sociais e outros que estariam afetando os homens?  Neste sentido, lembraram os estudiosos do Grupo, tudo estaria afetando a vida humana e, portanto, todos os temas poderiam reivindicar o “status” de ambientais.

52Em tempos mais próximos, no ano de 1987, a Associação Cartográfica Internacional (ACI) consolidou uma comissão sobre os Atlas Nacionais e Regionais. Espelhou, porém, em suas proposições preocupações mais técnicas e administrativas do que metodológicas.

53A última década do século XX foi marcada por notáveis avanços tecnológicos e pelo efetivo ingresso da sociedade na era da informação e no campo da ciência da computação. Com isto se está presenciando um momento em que os Atlas impressos parecem estar cedendo lugar aos Atlas concebidos com insumos tecnológicos.

54Despontariam assim, os Atlas eletrônicos ou digitais, novas e efetivas formas de abordar a realidade em sua dimensão geográfica. Sem dúvida alguma, serão promissores. Entretanto, é necessário abordá-los com o devido cuidado para não torná-los meros exercícios passivos que a tecnologia manda manipular.

55No campo dos Atlas Nacionais e Regionais, os trabalhos da Comissão da ACI se encaminharam em direção a um firme compromisso de ver tais construtos associados aos sistemas de informação geográfica.

56É nessa nova proposta de associação de pontos de vista que é preciso atentar para uma coerente fundamentação metodológica.

57Atualmente, a cartografia entra na era da informática. Com o auxílio de satélites, de GPS e computadores, a cartografia vem se integrando cada vez mais aos sistemas de informações geográficas.

58Neste contexto, no âmbito daqueles Nacionais e Regionais está-se paulatinamente substituindo as tradicionais edições em versão impressa e encadernada. Ao mesmo tempo, seja na versão eletrônica ou na da digital, eles estão abandonando o primitivo status de se apresentarem em edição simples, apenas para ser visualizada no monitor do computador, para mais e mais confirmarem sua conexão com os sistemas de informação geográfica e a multimídia.

Os Atlas no Brasil

59No Brasil, um dos primeiros Atlas voltados ao mapeamento temático de seu território, bem como para suas gentes, teria sido o Atlas do Brasil, de autoria de João Teixeira de Albernaz, de 1627. Consta que tenha sido utilizado como base cartográfica comprobatória junto aos impasses diplomáticos hispânico-galegos que se criaram entre a Guiana Francesa e o Brasil (SILVA, 1999).

60Com publicação em 1868, destaca-se o Atlas do Império do Brazil, elaborado por Cândido Mendes de Almeida, dedicado ao Imperador D. Pedro II e destinado ao ensino nas escolas públicas do império.

61Já na República tem-se um Atlas de Theodoro Sampaio, o Atlas dos Estados Unidos do Brazil (1908). Em 1909 foi editado no Rio de Janeiro, aquele do Barão Homem de Mello com a colaboração do Dr. Francisco H. de Mello, o Atlas do Brazil, com uma variada exploração temática sobre o Brasil, América do Sul e Estados brasileiros, a partir de informações geofísicas, cartográficas, históricas e culturais.

62Em 1939 contou-se com um primeiro Atlas voltado a um tema específico, o Atlas geológico do Brasil, obra do José Fiúza da Rocha.

63Mas foi a partir da década de 50 que se assistiu a uma sensível difusão de tipos de Atlas com diferentes níveis de abrangência territorial. Um dos primeiros trabalhos abrangendo o território nacional como um todo e dotado de maior preocupação científica nos diferentes assuntos abordados foi o Atlas do Brasil (Geral e Regional) produzido e editado pelo CNG, IBGE, em 1959. Configurou-se como um subproduto da Enciclopédia dos Municípios - monografia geográfica de todos os municípios brasileiros de então. Seu conteúdo foi estruturado em três partes: Parte I - Introdução e Regiões; Parte II - Brasil geral; Parte III - Mapas estaduais.

64Merece destaque desta época, a realização de um primeiro Atlas estadual, o Atlas geográfico de Santa Catarina (DEGCSC, 1959).

65Com a edição de 1966 do Atlas Nacional do Brasil, elaborado pelo mesmo IBGE, confirmou-se a mentalidade da necessidade da produção de Atlas do tipo Nacional. Sua realização, como obra de cunho global, visou atender às necessidades de empreendimentos de conjunto, permitindo estudos e planejamentos em grandes linhas. Conforme seu plano compunha-se de duas partes: Brasil Geral e Brasil Regional.

66A segunda edição do Atlas Nacional do Brasil efetivou-se em 1992. Foi desenvolvida pelo Departamento de Cartografia, de Geografia e de Recursos Naturais e Estudos Ambientais da Diretoria de Geociências do IBGE. Despontou com um temário extremamente coerente com as posturas metodológicas lucubradas para a geografia da atualidade da época. Compreendeu três sistemas interdependentes da realidade: os recursos naturais, a organização espacial e as mudanças ambientais.

67Na forma digital contou-se com uma iniciativa privada empreendida em 1998 em conjunto com o IBGE e o INPE. Tratou-se do Atlas geográfico Melhoramentos Brasil, apresentado em CD-ROM interativo. Era uma obra de âmbito escolar, reunindo tabelas, gráficos e mapas do Brasil, possibilitando elaborações e reconstruções gráficas alternativas, dialogando-se como o software.

68Com edição no mesmo ano,  compareceu também aquela realizada pelo Centro de Cartografia Automatizada do Exército, órgão oficial que elaborou o Atlas digital do Brasil, congregando mapas de todos os estados brasileiros.  

69No início do ano de 2001 foi divulgada pelo IBGE a 3ª edição do Atlas Nacional do Brasil (IBGE, 2000) com um temário bastante similar à edição anterior atualizado pelas estatísticas mais recentes. Apresentava como grande novidade um rico acompanhamento de textos elaborados por especialistas conceituados, expondo reflexões, questionamentos e análises a respeito de cada bloco temático.

Os Atlas no Estado de São Paulo

70Foi por volta de 1959-60 que se iniciaram propostas e discussões de projetos sobre a montagem de um Atlas geográfico do Estado de São Paulo. Foram empreendidas pelo Diretório Regional do Conselho Nacional de Geografia do Estado de São Paulo sediado no IGG. Entretanto, sua efetivação não aconteceu; as atas das reuniões foram publicadas em vários números da revista “O IGG” do Instituto Geográfico e Geológico do Estado.

71Entretanto, foi digna de nota a edição do Atlas econômico do Estado de São Paulo efetuada pela Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Indústria e Comércio do Estado de São Paulo em 1940. Era um Atlas reunindo um temário bastante completo. Congregava mapas especificamente estatísticos relativos à produção agrícola, ao reflorestamento, pecuária, indústria, arrecadação e ao movimento comercial paulista. Junto aos mapas era aposta a respectiva tabela dos dados.

72Em 1966, como programa de trabalho do Laboratório de Cartografia do Instituto de Geografia da USP, hoje extinto, iniciou-se a elaboração do ATLAS DO ESTADO DE SÃO PAULO. A sua realização foi coordenada pelo Prof. Dr. André Libault, mestre da cartografia francesa, especialmente convidado para colaborar com a Universidade de São Paulo neste trabalho. Seu projeto foi apresentado pelo Professor na Reunião Plenária da Comissão Permanente dos Atlas Nacionais e Regionais da UGI realizada em Paris-Lyon, em 1966.

73Junto à apresentação do seu projeto inicial, o citado Mestre, aludia a possibilidade, a exemplo do que já se fazia na França naquela época, de considerar a preparação de seus mapas como trabalho de pós-graduação. Deveria ser desenvolvido em equipes, colocando em prática o espírito de solidariedade que deveria despertar entre os alunos orientados pelos seus professores, estudiosos dos diferentes setores da geografia.

74O Atlas foi concebido em consonância com as recomendações da UGI, complementadas por aquelas do IBGE, com um temário considerado necessário para a compreensão de um Estado com as características e o dinamismo de São Paulo, inserido no contexto brasileiro. Situou-se dentro de uma coordenação nacional, com o fim de manter a homogeneidade na produção de obras desse tipo. Participaria, assim, de um verdadeiro “Sistema de Atlas”, que proporcionaria a complementaridade destes construtos escalonando-os desde o nível nacional, regional, estadual, até o âmbito das áreas metropolitanas e municipais (BARBOSA, 1977).

75Seu primeiro fascículo foi publicado em 1970 pelo próprio Instituto de Geografia da Universidade de São Paulo. Seu projeto incluía também textos explicativos, que seriam impressos no verso das pranchas de mapas. Dois textos destes, de autoria do Prof. Libault, “Posição do Estado, Prancha I-1” e “Conhecimento cartográfico, Prancha I-2” foram publicados, respectivamente,  nos números 1 e 2 da coletânea  CARTOGRAFIA (1972) editada pelo citado instituto.

76Neste mesmo ano publicava-se pela Secretaria de Economia e Planejamento, outro atlas, o São Paulo - Desenvolvimento Atlas, bem mais conciso, abordando apenas seis temas, tidos como básicos para o planejamento do estado, acompanhados por breves textos explicativos.

77Em 1978, a mesma secretaria publicou o Atlas regional do Estado de São Paulo, em 11 volumes, um para cada Região Administrativa. A obra foi consoante à concepção dos Planos Regionais dentro do planejamento estadual.

78Em tempos mais recentes teve-se aquele de 1990. Tratou-se do Atlas intitulado São Paulo em temas, concebido e organizado pelo Instituto Geográfico e Cartográfico da Secretaria de Economia, Planejamento e Gestão. Contou com um plano bastante objetivo, abordando uma série de temas atuais, que serviram de motivação para a ação do governo.  Um texto explicativo escrito por especialista no assunto acompanhou cada mapa.

79O Estado de São Paulo foi ainda coberto por uma gama variada de outros tipos de Atlas. Igualmente, algumas coletâneas de mapas estaduais foram publicadas por órgãos oficiais, sem, contudo, receberem o nome de Atlas, como aquelas intituladas, Aspectos estatísticos e cartográficos e Radioamador mico-onda, Rádiotelevisão e radiodifusão, elaborados pelo Departamento de Estatística do Estado, hoje Fundação SEADE.

80Cobrindo o território paulista, também se produziram Atlas das mais variadas temáticas, específicas, como aquele  climático e ecológico (1966), aquele pluviométrico (1972), o Atlas diagnóstico básico do plano de irrigação (1973) e o Atlas do zoneamento econômico-florestal do Estado de São Paulo (1975). Ou, ainda, o Atlas do zoneamento agrícola do Estado de São Paulo (1977), Cartogramas básicos para o planejamento educacional (1978), aquele da população do Estado de São Paulo (1988), o Atlas do inventário florestal do Estado de São Paulo (1993) e o Atlas da evolução dos remanescentes florestais do domínio da Mata atlântica (1995).

Os Atlas na atualidade

81Hoje, pode-se averiguar que os Atlas impressos estão cedendo lugar àqueles eletrônicos ou digitais. Sem dúvida alguma, a era da informática trará grandes avanços no setor, ampliando consideravelmente a possibilidade de produção e uso dessas coletâneas sistemáticas e intelectuais de mapas.

82Por outro lado, os estudos monográficos parecem ter contado mais com a devida atenção. Cada vez mais se assiste a um deslocamento do eixo metodológico da pesquisa geográfica, em direção às questões sociais bastante localizadas, abandonando a tradição das abordagens sistemáticas. Mesmo as estatísticas preocupam-se mais com acompanhamentos conjunturais do que com a produção de dados relacionados a unidades geográficas. Apesar do grande avanço da informatização junto aos órgãos responsáveis pelo levantamento oficial de dados sobre a natureza e acerca da realidade sócio-econômica pode-se ver a pequena oferta das séries geográficas. Dentre aquelas produzidas, quando seus dados possibilitam a identificação da unidade produtiva, são omissas. Acontece que os mapas exigem séries geográficas completas, sem falhas. O mapa das lacunas não teria sentido.

83Tem-se a impressão que na década de 1990 viveu-se certo retrocesso na ansiedade da busca de dados. O Censo de 1991 foi divulgado com atraso. O de 2000 veio em tempo. Poucos censos econômicos contaram com sua publicação.  

Os Atlas e a geografia

84Parece óbvio defender o reconhecimento da importância dos mapas e destes organizados como Atlas frente à geografia.

85É um aspecto cultural que se legitimou desde a antiguidade clássica junto ao pensamento grego.  O já citado tratado de Geografia de Cláudio Ptolomeu (século II) era uma vasta compilação com o fim de organizar os conhecimentos geográficos gregos de então. Continha uma parte com mapas elaborados com dados da época.

86Com as realizações trazidas por outros sábios gregos, tais como Erastóstenes, Hiparco, Posidônio, Marino de Tiro, estabeleceram-se os primeiros elementos da cartografia, a geografia matemática, sendo esta, portanto, a verdadeira contribuição da antiguidade grega à geografia.

87Até o início do século XIX o conhecimento geográfico era disperso. Constituía-se de relatos de viagem, compêndios sobre lugares, catálogos sistemáticos acerca dos conhecimentos coletados, incluindo evidentemente, mapas.

88Portanto, fazer geografia era fazer mapas. Mapas sempre foram sinônimos de geografia. Conotam a geografia. Mesmo nos dias de hoje, frente às grandes transformações por que passaram as propostas metodológicas da geografia, o mapa persiste como representação simbólica deste campo de estudos.

89A cartografia como ciência dos mapas com a tarefa precípua de compô-los se dissociou da geografia no início do século XIX, cedendo lugar a uma geografia que estava então, buscando sua afirmação e sistematização como ciência da produção do espaço pela sociedade humana. Com esta grande transformação, tanto a produção do conhecimento neste novo campo, como sua reprodução, ficou aquém da proposta de caráter prático e estratégico intrínseca ao saber cartográfico.

90Muito embora, frente a esta nova orientação, os mapas e os Atlas tenham perdido esta diretriz estratégica, a sistematização do conhecimento geográfico apoiou-se, dentre outros fundamentos lucubrados na época, também no aprimoramento da cartografia. Este refinamento além de dar suporte às representações dos fenômenos estudados, estaria atendendo também às necessidades colocadas pela expansão do comércio numa emergente economia global daqueles tempos, dentro do processo de eminente avanço e domínio das relações capitalistas de produção.

91Foi com a geografia regional de Paul Vidal de La Blache  que se estimulou uma ampla aplicação da estatística, da estatística gráfica e da própria cartografia temática quantitativa, como já visto.

92O próprio La Blache publicara um Atlas geral em 1894. Esta obra reformulada em muitas outras edições foi um importante referencial para a confecção dos Atlas modernos, entrevendo, igualmente, a confirmação de uma metodologia da cartografia temática para tanto.

93A importância de pesquisas sobre questões metodológicas dos Atlas frente a frente com a geografia, se colocaria no fato de poder contribuir com lucubrações que vislumbrassem um melhor esclarecimento sobre o suceder dos momentos de maior e menor aproximação entre a geografia e a cartografia. Isto com o fim de dar a esta última uma posição segura e merecedora de destaque junto aos encaminhamentos hodiernos da pesquisa geográfica.

94Com a sistematização da geografia na linha do positivismo clássico, o mapa ganhou destaque. Tendo por base a categoria espaço, a ciência geográfica reforçou incontinenti o papel do mapa como seu dispositivo essencial, confirmando que o conteúdo de tal ciência seria constituído pelos fenômenos que possuem uma distribuição reconhecível ou que podem ser representados em mapa. O já citado Vidal de La Blache, expoente do possibilismo geográfico, deu ênfase ao mapa quando propunha a cartografia para cada capítulo de suas monografias, consubstanciando a representação de toda a complexidade da vida regional numa síntese cartográfica final apresentada em mapa, corroborando a pesquisa empreendida.

95Com Sorre, a geografia tornou-se um estudo da ecologia do homem, enaltecendo a relação dos agrupamentos sociais com o meio ambiente natural, processo no qual o homem transformaria este meio.

96Ele também tinha na cartografia a formalização de seu método que, mediante a sobreposição de dados mapeados se poderiam  entrever as relações apontadas acima.

97Com o movimento de renovação da geografia iniciado na década de 1950 buscou-se uma perspectiva de explicação objetiva e transformação social. Com o seu consequente e progressivo encaminhamento para uma vertente crítica, de compromisso social, pôde-se perceber certo distanciamento do mapa. Pareceu que espaço social não teria encontrado sua legitimidade na representação cartográfica.

98Junto a tal movimento, uma crítica muito contundente aos mapas foi desencadeada, visto que, ao dar-se importância à cartografia estar-se-ia comprometendo a conduta do pesquisador que almeja ser crítico. Assim, estimular-se-ia um desprezo a tudo o que é técnico, ao mesmo tempo em que, declarar-se-ia um evidente preconceito à ciência dos mapas, devido a possibilitar a representação da dominação, além de contribuir ao método descritivo, aliando-se, assim, à prática ideológica do Estado.

99Ficou evidente que assim, esquecer-se-ia do papel que exerceria o mapa na instrumentalização do cidadão – no dizer de Gramsci – na transformação social. Torna-se  claro, portanto, esta necessidade para se empreender uma educação que se diz reformuladora, participando da prática social formativa (SOUZA, 1994).

100Hoje, com o advento da era da informação e, portanto, também da informática, uma nova valorização do mapa junto à geografia parece iminente. Talvez seja por causa de possibilitar a quem tem ágil domínio do computador, mesmo sem o devido preparo em cartografia, produzir mapas com grande facilidade.

101Portanto, tem-se a impressão que continua sendo bastante crítica a validade do mapa como representação da realidade objeto de estudo da geografia. No entanto, este fato, de modo algum, colocaria barreiras à pesquisa científica com este endereço. Muito pelo contrário, considera-se bastante salutar este permanente questionamento, podendo abrir novas perspectivas para uma participação efetiva do mapa no conhecimento geográfico que a realidade dos dias atuais está  cobrando a se fazer.

A reflexão metodológica  

Os fundamentos

102Com a consolidação de cada ramo do saber efetivada no início do século XIX, que na busca de maior rigor científico junto à proposta de um olhar mais específico na realização dos Atlas, é que se opera um direcionamento destes cada vez mais voltado a uma abordagem centrada em cada país individualmente. Com isto, estar-se-ia dotando-os de

103prestígio e importância nacional. Nasceriam assim, os Atlas Nacionais, sendo o primeiro o da Finlândia, publicado em 1899.

104A proliferação de Atlas nacionais do início do século XX motivou a busca da organização de recomendações metodológicas para tanto.

105Foi neste contexto que se inseriu o trabalho coordenado pelo Professor SALICHTCHEV da Academia das Ciências da URSS – Comitê Nacional dos Geógrafos Soviéticos, Atlas nationaux: histoire, analyse, voies de perfectionnement et d’unification, de 1960. Resultou das orientações definidas pela Comissão dos Atlas Nacionais, instituída na Assembléia Geral da UGI, reunida em 1956, no Rio de Janeiro, por ocasião do XVIII Congresso Geográfico Internacional (UGI), que tinham o  propósito de promover, criar e  aperfeiçoar os Atlas Nacionais, bem como, de contribuir à sua eventual unificação.

106Visava sistematizar uma apreciação analítica sobre os Atlas nacionais já existentes ou em elaboração, além de expor recomendações para a sua confecção. Em termos metodológicos dava um incisivo avanço no que tange às formas de abordagem de cada tema e seus devidos desdobramentos, orientando a maneira de proceder a respectiva representação gráfica.

107Posteriormente, em 1960, por ocasião do XIX Congresso da UGI realizado em Estocolmo, a Comissão teve suas atribuições estendidas aos Atlas Regionais; e em 1964, no XX Congresso tido em Londres, a Comissão recebeu o status de Comissão Permanente.

108 Para esta ocasião a mesma UGI editava, sob a coordenação do já citado SALICHTCHEV, as diretrizes para os Atlas regionais: Regional atlases – tendencies of development, subject matters of the maps on natural conditions and resources. Mais tarde, em 1968, publicava a monografia: Les cartes sociales et économiques aux Atlas complexes. Cada país podia publicar Atlas regionais em ligação com o respectivo nacional, mantendo uma coordenação adequada. Os ditames para tanto pregavam que o conteúdo devia ser determinado em função, não da divisão administrativa, mas sim da regionalização econômico-social, que cristalizaria a “Região programa”.

109No Brasil foi o Conselho Nacional de Geografia do IBGE, que tendo programado em 1963 o Atlas Nacional do Brasil estruturado em duas partes, Geral e Regional, lançou as bases para as orientações metodológicas visando a publicação de Atlas estaduais ou regionais. Neste intento, em 1967 criou a Comissão de Coordenação de Atlas Estaduais, consolidando uma estrutura ideal para atender a coordenação, no plano internacional, nacional, regional e estadual, dos Atlas abrangendo os respectivos territórios.

110Com este intento foram elaboradas as Normas e Especificações Gerais para o Atlas Nacional/Regional as quais incluíram a Tábua Geral de Matérias e um desdobramento desta nos temas que constituíram o Plano Mínimo para a organização dos Atlas Estaduais (VÁRIOS 1971; BARBOSA, 1977).

111Foi dentro deste contexto que, em 1966 o Instituto de Geografia da USP, na pessoa do Professor LIBAULT propôs o Atlas do Estado de São Paulo, como programa de trabalho do Laboratório de Cartografia. Sua elaboração se conduziria de maneira harmônica com os encaminhamentos metodológicos que o Professor apresentou à Comissão dos Atlas Nacionais da UGI, em Paris, na mesma ocasião, como um de seus integrantes.

Repensando as bases metodológicas

112Entende-se que, o raciocínio basilar para a organização dos Atlas transitará em duas áreas científicas fundamentais bastante próximas, porém distintas: a geografia e a cartografia. Embora se faça muita confusão, considerando o que é geográfico como sendo também cartográfico e o que é cartográfico como também geográfico, o encaminhamento metodológico da cartografia deve ser visto com muita clareza dentro de seu domínio de estudo.

113Para esta conduta é necessário considerar as transformações havidas junto aos aspectos culturais, científicos, tecnológicos, psicológicos do se fazer mapas, em consonância com a evolução histórica da sociedade. Muitas considerações que podem ser feitas na atualidade, na verdade, já foram vislumbradas em tempos passados: a praticidade dos mapas concebida mediante a topologia como aquela explorada junto aos mapas da rede de linhas de metrô, como os de Londres, Tóquio, Paris e outros já fora estabelecida pelos romanos ao idealizarem a cognominada Tábua de Peutinger, no século IV.

114É verdade que a geografia sempre se confundiu com o fazer mapas. Fazer geografia era fazer mapas. A geografia consubstanciada na estreita relação entre o saber e a ação voltada essencialmente aos que têm poder sobre o espaço e as pessoas que nele habitam, é a geografia que inclui fundamentalmente a tarefa de fazer mapas (LACOSTE, 1976).

115Entretanto, com a divisão do trabalho científico motivando amplo florescimento de variados ramos de estudos, preponderantemente no final do século XIX, por motivos ideológicos, a geografia se separou daquela prática e estratégia para ingressar na academia, pretendendo, assim, adquirir um status de maior cientificidade.

116Com o desdobramento do conhecimento em várias disciplinas, seus pesquisadores passaram a conceber, para atender seus estudos, mapas cada vez mais específicos das características espaciais dos fenômenos que eles estudavam – conjuntos espaciais geológicos, geomorfológicos, climáticos, geobotânicos, demográficos, sócio-econômicos, étnicos, culturais, históricos, políticos, geopolíticos, etc.

117Para que os mapas temáticos assim concebidos passem a participar efetivamente da abordagem geográfica, será preciso entrevê-los, não só representando conjugadamente um mesmo território, como também, abarcando-o em diferentes níveis de análise. Esta operação seria feita mediante um verdadeiro exercício de embutir em sequência escalas cartográficas, em perfeita consonância com as escalas geográficas vislumbradas nos níveis de pesquisa.

118Entrevê-se, assim, a proposta de um primeiro e fundamental parâmetro seguro para o estabelecimento de uma criteriosa metodologia para os Atlas Nacionais e Regionais. Neste sentido, estes Atlas não seriam mais vistos apenas como repertórios monográficos e enciclopédicos, mas sim, como uma forma de pensar estratégica. Teriam em vista o sucesso das ações a serem empreendidas sobre um território concreto, cuja diversidade e complexidade, só poderiam ser avaliadas mediante uma visão de conjunto, articulando o modo de ver das diferentes áreas científicas (LACOSTE, 1976).

119Não se pode dar início a uma reflexão metodológica sem se reportar aos já citados escritos de SALICHTCHEV (1960; 1964; 1968). Neste intento, o autor colocava que os Atlas Nacionais deveriam ser “Atlas geográficos fundamentais complexos dos países distintos, contendo uma recapitulação e generalização dos conhecimentos científicos contemporâneos no domínio da geografia física, economia e política do país considerado”. A isto acrescentava enfaticamente o fato de que deveriam apresentar tal conteúdo de forma expressiva e acessível para dotá-los da capacidade de desempenharem um papel prático incontestável.

120Ficava evidente a postura ideológica que se desdobraria na concepção metodológica voltada à versatilidade, para uma pronta aplicação dos Atlas numa economia planificada.

121Neste contexto ficam claras as colocações para as condições às quais tais obras devem satisfazer.  

122Em primeiro lugar situam-se as diretrizes que encaminham a validade dos Atlas para as pesquisas. Estas se iniciariam com o uso de mapas separados para se ter a idéia clara a respeito da distribuição geográfica dos fenômenos representados com o escopo de entrever as leis que regeriam tais manifestações. Bem como a descoberta das relações e contingências, além da visualização das evoluções e deslocamentos, tendo em vista possíveis prognósticos. O domínio da pesquisa poderá se alargar com estudos integrados complementados por análises conjugadas das séries de mapas correlativos.

123Nota-se, de forma cristalina, já na época, um direcionamento para o que hoje é sugerido a ser feito com a aplicação das funções dos SIG, que regem as análises espaciais e os prognósticos, a partir dos planos de informações que o pesquisador organiza.

124Num segundo nível entra em jogo a importância utilitária, por conta das necessidades de se levar em conta as condições locais - naturais, econômicas, históricas e sociais - nas diferentes esferas da atividade prática. Nestes termos, enaltecer-se-ia o planejamento da economia nacional, a ação cultural e o estabelecimento de projetos e sua realização.

125Evidenciava-se neste item, como já visto o forte desempenho dos Atlas na reconstrução do pós-guerra e na organização das economias planificadas.

126Por fim, os Atlas Nacionais teriam uma missão cultural e educativa importante. Ressalta-se o seu papel na aquisição dos conhecimentos e no culto ao amor à pátria e ao sentimento de orgulho nacional. Para o estrangeiro, o autor ainda frisava a função de mensageiro cultural, enaltecendo o incentivo a consolidar a colaboração e a amizade entre os povos.

127Fica aqui, de forma gritante, a exaltação do poder de comunicação de tais obras em prol de uma sociedade igualitária e mais justa.

128Decorrentes destas condições a serem satisfeitas se delineariam as qualidades de tais construtos:

  • Ter um conteúdo, o mais amplo possível;

  • Contar com mapas de alto valor científico;

  • Poder servir aos fins utilitários;

  • Ser acessível a todo leitor instruído.

129No que tange ao temário dos Atlas, de conformidade com os propósitos traçados, devem abarcar conhecimentos sobre o meio natural e suas riquezas, a população, a economia e o desenvolvimento tecnológico, científico e cultural do país, bem como sua estrutura administrativa. Assim definir-se-iam cinco partes básicas:

  • A geografia física;

  • A população;

  • A economia;

  • Os problemas culturais

  • A estrutura política e administrativa.

130Neste ponto é importante frisar como o Prof. SALICHTCHEV colocava o detalhamento do conteúdo dos Atlas, revelando um elevado domínio na concepção metodológica para estas obras cartográficas: “as três primeiras partes caracterizam as condições materiais da vida da sociedade: a natureza e seus recursos, isto é, o meio geográfico no qual se desenrola a vida da sociedade; a população (considerada como força produtiva principal) e a produção dos bens materiais (distribuição geográfica e o estado atual da produção) e sua distribuição. As duas últimas secções caracterizariam a vida da sociedade do ponto de vista ideológico. Se descreve as realizações do país no domínio cultural, do ensino, da ciência, e da saúde pública e se mostra a divisão política e administrativa do país, como também certos traços de sua vida política e social”.

131Ressaltava, ainda, a questão da plenitude temática que, para tanto, os Atlas deveriam abarcar um mínimo determinado de assuntos em cada parte fundamental. Evidentemente que este mínimo recomendado poderia ser, além de completado,  ampliado de acordo com as particularidades de cada nação.

132Entretanto, o crescimento vertiginoso de desdobramentos temáticos em consonância com a evolução da ciência geográfica colocou em questão a inteira temática de tais Atlas.

133SALICHTCHEV (1969) retomou reflexões metodológicas com o fim de garantir esta plenitude diante de uma exacerbação do número de mapas indicados para tanto.

134No que tangeria especificamente à representação gráfica, como sistema gráfico monossêmico de signos para a transcrição dos conteúdos temáticos, as contribuições não avançaram muito além daquelas apresentadas pela UGI em 1960, 1964 e 1968.

135Os ditames metodológicos traçados pela Comissão dos Atlas Nacionais naquela ocasião se preocuparam a nortear a escolha dos procedimentos de figuração. A recomendação, cuidadosamente elaborada por SALICHTCHEV ressaltava que o valor científico dos Atlas dependeria de suas tendências ideológicas, da qualidade e atualidade dos dados, da estruturação racional das legendas, dos indicadores e dos procedimentos de representação.

136Em seu trabalho, o citado autor passou a detalhar, além da já citada escolha dos procedimentos de expressão, também a escala, a projeção e respectiva rede de coordenadas, para depois, ingressar de forma mais detida sobre os temas e conteúdos a eles atinentes. Terminava por comentar a forma de participação dos textos explicativos.

137Embora de maneira mais descritiva do que metodológica, seu comentário poderia ser considerado como uma das mais importantes reflexões sobre a realização de Atlas de todos os tempos.

138Entretanto, não se pode deixar de mencionar alguns aspectos específicos da década de 1960, após aqueles escritos, dignos de nota. De um lado colocava-se a cartografia participando de um processo científico-tecnológico-informacional emergente, assimilando métodos novos de produção e utilização de mapas, englobando inclusive os primitivos procedimentos automatizados. De outro, se situava uma cartografia, que explorando largamente a tecnologia moderna disponível na época, estaria se tornando a ciência da representação e do estudo das distribuições espaciais, das combinações e interconexões entre fenômenos da natureza e da sociedade, bem como de suas mudanças e movimentos no tempo, por meio de um método de registro que mobilizaria um sistema especial de signos, reproduzindo estes ou aqueles aspectos da realidade sob forma generalizada e eloquente (SALICHTCHEV, 1970).

139Mas não basta citar apenas estas diretrizes. É necessário adentrar mais a fundo no âmago do questionamento metodológico que rege a realização de mapas temáticos e o papel destes ao perfazer um conteúdo de Atlas.

140Achegando-se para épocas mais recentes, ressalta-se uma contribuição à proposta metodológica dos Atlas, aquela que norteou a segunda edição do Atlas Nacional do Brasil (IBGE, 1992), deveras bem elaborada. Ela está delineada no trabalho de NÍMER, E. et al. (1988), intitulado “Atlas Nacional do Brasil - a concepção teórica”.

141Os autores estabeleceram a seguinte estruturação:

  • Objetivos

  • O objeto e sua visão teórica

  • Marcos referenciais de transformação

  • Categorias de análise (os recursos naturais, a organização espacial e as mudanças ambientais).

142Hoje se está ingressando na era da informação, mais precisamente, da informática, como já dito antes. A produção de informação aumentou astronomicamente e a necessidade de assimilar conhecimento ampliou-se vertiginosamente. A atual busca de compreensão leva a uma constante ansiedade. É neste momento que entram em cena os computadores, extensões do cérebro humano.

143A cartografia também passa a assimilar técnicas digitais mais atuais, passando a viver assim, um momento de novas transformações teórico-metodológicas.

144Neste contexto, os Atlas nacionais e regionais transformam-se em Atlas eletrônicos ou digitais, buscando cada vez mais estreitar suas conexões com os Sistemas de informações Geográficas, como adiantado oportunamente.

145Várias nações já estão bem avançadas nestas realizações. O Canadá, a Suécia e os Países Baixos foram pioneiros nestes empreendimentos. Puderam ter, assim, a primazia de ditar algumas regras para os novos Atlas.

146Desde 1987, quando foi instalada a já citada Comissão dos Atlas Nacionais e Regionais da Associação Cartográfica Internacional, muitas contribuições foram feitas em seus seminários nesta direção.

147Embora, boa quantidade de trabalhos é de cunho mais técnico, alguns já esboçaram determinados tópicos voltados a novos equacionamentos metodológicos frente às disponibilidades tecnológicas do presente.

148Apesar destes avanços, sente-se ainda, certo descompasso entre a revolução tecnológica da informação que se está vivendo e a reflexão metodológica que deveria orientar a forma de encarar esta nova maneira de fazer cartografia de Atlas.

149Outro ponto que está vivendo uma gigantesca transformação é o da clássica relação entre o mapa e o texto, tradicionalmente presente nos Atlas.

150Esta questão está enraizada nos mapas já de há muito tempo. Desde os mapas mais antigos formas de expressão verbal se incluíam dentro destas representações. Há, portanto, um questionamento sobre as relações do que é gráfico com o que é verbal; do que é visível com o que é legível. Haveria uma redundância ou complementaridade? Com o progresso da cartografia pôde-se assistir a uma gradativa afirmação da representação gráfica em detrimento do texto, por conta dos refinamentos da semiologia gráfica.

151O próprio título, como parte das inscrições transpostas sobre o mapa, componente que poderia ser considerado indispensável, nem sempre esteve presente. Nos mapas cuja função era evidente os títulos não compareciam. Vejam-se as primeiras cartas náuticas. Entretanto, quando os mapas compõem uma série, a necessidade do título torna-se clara. Já quando o mapa ilustra um texto o título pode ser dispensável.

152O título não só identifica o documento, como também designa o território representado e seu conteúdo, além de situá-lo no tempo. Encaminha a percepção e a compreensão do mapa. Programa sua leitura.

153Outro componente de cunho verbal presente nos mapas é a legenda. É um construto obrigatório. Ultrapassa o estágio da representação da localização dos lugares para veicular outro saber: a composição das características naturais e sociais dos lugares e de seus ocupantes, onde a verbalização é indispensável para suprir as limitações da representação gráfica. A legenda diz o que exige uma tradução verbal. Ela aparece onde termina a utopia da linguagem gráfica que seria inteligível sem recorrer à transcrição verbal. Torna-se chave de leitura indispensável à consulta do mapa.

154As inúmeras inscrições dispostas sobre os primeiros mapas, hoje se transformaram em textos explicativos, os conhecidos comentários, geralmente veiculados como anexos.

155Entretanto, o Atlas de Ortelius, o Theatrum Orbis Terrarum do século XVI, já era provido de textos explicativos alocados no verso de seus mapas. A finalidade intelectual daquela obra impunha a complementaridade entre o mapa e o texto. Este se reportava à apreciação visual das imagens.

156Outra relação do mapa com o texto escrito é aquela que geralmente o coloca como ilustração. Esta postura é o padrão renitente do livro didático de geografia e da mídia em geral.

157Com o ingresso da cartografia na era da informática esta relação também muda bastante. É neste ponto que se vê uma importante revolução na postura metodológica da ciência dos mapas frente a outros meios de comunicação mobilizando várias linguagens. Esta faceta da metodologia cartográfica promete ser bastante rica no presente imediato e futuro próximo. É este filão que deverá ser explorado em toda sua promissora potencialidade.

Os temários dos Atlas

158Considera-se a reflexão sobre os temários como um comprometimento de ordem basilar para a organização de qualquer Atlas. Esta reflexão tem que estar ancorada aos ditames feitos e organizados para tais obras desde o início de sua sistematização.

159A problemática da definição de temas, certamente abordando tanto aqueles da Natureza como os da Sociedade vai de encontro a uma questão metodológica básica da geografia. É patente a querela entre o Natural e o Social, em paralelo com a pendência que existe e persiste na coexistência ou divisão da Geografia em Geografia Física e Geografia Humana; é bastante antiga e constitui uma característica básica da sistematização da ciência geográfica.

160A geografia física tem sido criticada pelo fato de seus praticantes defenderem idéias determinísticas, enfatizando o papel da natureza no estudo do espaço terrestre. Ela estudaria, sim, as leis da natureza, porém levando em conta que frequentemente estariam alteradas e superadas pela crescente assimilação de um conteúdo dotado de ciência e tecnologia. Entretanto, estudos integrados propostos em épocas mais recentes vêm atenuando as fronteiras artificialmente colocadas entre as duas geografias (CONTI, 1997).

161Também Pierre GEORGE (1989) colocou a coexistência das duas áreas de estudo ao afirmar que qualquer território da superfície da terra deriva de duas dinâmicas distintas: a dos fenômenos físicos, que obedecem a leis naturais e a da evolução da sociedade, isto é, das marcas humanas em suas sucessivas ações.

162Embora se pregue que a natureza reproduzida pela ação humana teria substituído completamente a natureza original, eliminando de vez a dinâmica natural, dando por certo o domínio dos homens sobre o meio natural, esta verdade não existe.

163A realidade não apresenta uma dicotomia entre a natureza e a sociedade. Esta cisão rígida é um produto social da modernidade, fruto da expansão do capitalismo. Não pode existir separação entre o homem consciente de si diante da realidade e a natureza enquanto recurso que pode ser utilizado por ele.

164Há, sim, uma dinâmica do social e uma dinâmica da natureza que interagem de forma integrada, sendo complementares na pluralidade e diversidade que compõem a realidade, a qual deve ser estudada em buscada compreensão do espaço geográfico, onde a sociedade humana habita e no qual produz transformações. Não há, assim, uma totalidade una. Há verdades relativas. Há um novo holismo que se direciona a uma globalidade aberta, sem determinismos (VESENTINI, 1992).

165Hoje conta-se com uma geografia que estuda a elaboração e re-elaboração da realidade espacial. Entender-se-ia que, no percurso da história da sociedade humana, a partir do meio natural, paulatinos acréscimos de ciência e técnica ao território, dirigindo seu uso, vão substituindo aquele e configurando um novo meio geográfico - o meio técnico-científico-informacional -, expressão geográfica da globalização (SANTOS, 1994; SANTOS & SILVEIRA, 2001).

166Nesta reconstrução da realidade deve-se considerar sempre como ponto fundamental, que o trabalho social sobre a natureza a transforma, bem como transforma o próprio homem. Assim, gradativamente, ele passa a conhecer melhor a natureza e a si próprio. O desenvolvimento da vida em sociedade ao longo da História vai procedendo a uma paulatina apropriação da Natureza comandada pelos conhecimentos que os homens empreendem sobre ela e sobre si mesmo. Passa-se desta maneira, a contar com um entendimento mais integrado.

167Entretanto, ao considerar uma abordagem em nível analítico poder-se-á enaltecer a coexistência tanto de temas da Natureza como da Sociedade.

168Porém, nos temas da sociedade não se pode deixar de contemplar, mobilizando os métodos das ciências sociais, a Natureza vista como recurso natural historicamente determinado. Da mesma maneira, nos temas da Natureza ter-se-á que avaliar, com métodos de estudo das ciências naturais, as intervenções do homem membro da Sociedade (SEABRA, 1984).

169A natureza, em sua dinâmica própria, apresenta uma contínua transformação. Este movimento foi alterado e até acelerado com a participação do homem, que mediante o trabalho, a subjuga para atender às suas necessidades em sociedade.

170O trabalho é o agente de toda modificação, participando da história dos homens como história da transformação permanente e contínua da natureza em sociedade (MOREIRA, 1980).

171Na sua evolução como ser social, o homem mediante o trabalho, incorporando cada vez mais ciência, técnica e informação modificou a relação homem-natureza. Isto acrescentou determinada divisão de trabalho demandando um relacionamento cada vez mais social entre os homens.

172Com a progressiva submissão da natureza, o homem daria início à produção do espaço, que ao mesmo tempo em que possibilita o processo de produção, cria uma organização que se modifica com a evolução desse mesmo processo.

173Para Marx a natureza é uma realidade independente dos homens, porém mediada por eles. Como os homens fazem parte da natureza ela é a realidade no seu conjunto.

174A natureza é vista como distinta da sociedade apenas enquanto se considera o homem como distinto da natureza. A natureza de forma individual teria existido antes da história da sociedade humana, porém hoje, ela não existe mais.

175Pode-se ressaltar que não há fatores determinantes ou dependências deste ou daquele componente da natureza e sim elementos da natureza, dentre tantos outros, que têm envolvimento com os processos produtivos. Constituem as “condições naturais”.

176Para a geografia clássica seu estudo era de síntese, de união, entre a natureza e o homem, preocupando-se com as relações da sociedade com seu meio natural. Entretanto, junto aos grandes avanços científicos, tecnológicos e informacionais da atualidade a natureza tornou-se recurso para a vida humana.

177A unidade do homem com a natureza existe somente no intercâmbio com os elementos desta para suprir suas necessidades naturais. Apesar desta íntima ligação com a natureza esta é quebrada na vida em sociedade, pois é a sociedade que define tal relação ao formalizar as suas relações internas entre seus indivíduos.

178Na realidade dos dias atuais, todo o artificialismo com maior ou menor carga de ciência, tecnologia e informação diferencia os lugares e as regiões sobrepondo-se e substituindo a natureza natural.

179Principalmente nos últimos cinquenta anos, constata-se também que com o progredir da ação humana desdobraram-se consequências alarmantes nas condições ambientais do Planeta. A conscientização social de tal problemática transformou-se em questão política. Portanto, em socorro a esta nova situação deverão intervir, não só a geografia, como também toda a ciência em sua unidade (SEABRA, 1984).

180Na discussão sobre os temários dos Atlas não se pode deixar de considerar a orientação feita para os Atlas Nacionais e Regionais de autoria do Prof. SALICHTCHEV (1960; 1964), já apresentada. Como foi visto ela contempla um conteúdo que abarca a natureza e respectivos recursos, a população, a economia, o desenvolvimento cultural e a estrutura político-administrativa dos países.

181Entretanto, não se pode deixar de lado uma questão que tem ainda certo peso na organização dos Atlas, em geral. Tradicionalmente, a maioria das divisões temáticas apresentadas por estes, equacionam mapas da geografia física e da geografia humana. Aqueles da geografia física mostram diferenças vistas como naturais e não como contraditórias.

182Porém, encontram dificuldades em designar como temas físicos abordagens que contemplam o desenvolvimento de intervenções humanas, como as barragens dos rios, a conversão de lagos em reservatórios, a reivindicação dos mares e a drenagem das áreas alagadiças.

183Deve-se também ponderar que na segunda metade do século XX foi dada uma menor importância aos mapas físicos. Foi reflexo de uma menor preocupação com as influências ambientais, consequência de um interesse maior pelos desafios econômicos.

184Ainda, a costumeira disposição de colocar nos Atlas, primeiro os mapas físicos revelaria o apego ao determinismo ambiental, podendo indicar certo peso por parte da natureza na configuração dos demais temas.

185Esta organização também condicionaria o leitor a considerar certa ordem de importância dos assuntos tratados conforme a ordem de entrada dos temas nos Atlas, principalmente quando estes são vistos como narrativas. Neste sentido, eles, de fato, levariam a entender a participação dos dois estágios na evolução da terra do homem: primeiro o estado natural, físico, e depois, a paisagem humana (BLACK, 1997).

186Ao se falar de temas da natureza não se pode menosprezar a proposta dos Atlas Ambientais, já aludida oportunamente. BLACK (1997) os situa dentro do que proclama como “cartografia radical”, pelo fato de que, ao contrário do que se fazia costumeiramente, hoje tais Atlas revertem a cartografia tradicional – a que considerava a via determinística no impacto do ambiente sobre o desenvolvimento humano e de suas atividades, idéia que comandaria a visão da realidade sem controvérsias, característica da primeira metade do século XX, considerando-a como aparentemente natural. Em dias mais recentes, já no final do século, ao contrário, é o impacto do homem sobre o ambiente que passa a ter maior importância.

187No Brasil, apesar de toda história por que passaram as orientações para a organização de Atlas no Brasil por obra do IBGE, na segunda edição de seu Atlas Nacional do Brasil (IBGE, 1992) apresenta um temário inovador coerente com as posturas metodológicas da geografia da última década do século XX. Contempla três partes: recursos naturais, organização espacial e mudanças ambientais, como já foram salientados.

188Os recursos naturais, atribuídos de valores por conta de sua disponibilidade e qualidade sobre a superfície terrestre, transformam-se em riqueza passando a participar, assim, da organização espacial. Esta compõe as formas exibidas pelo espaço geográfico. As formas adquirem padrão característico de distribuição por conta das atividades nas quais foi gerada ou que lhe fez uso.

189As mudanças ambientais ocorridas no território resultam das relações entre a produção social e a natureza.

190A rápida transformação da natureza pela sociedade, ao mesmo tempo em que cria condições para sua produção e reprodução, contraditoriamente engendra alterações críticas na qualidade ambiente.

  • 3  NIMER, E. et alii. “Projeto Atlas Nacional do Brasil - a concepção teórica”. Revista Brasileira de (...)

191O Atlas se conclui com uma representação de síntese: a organização espacial. A divisão territorial do trabalho, as principais linhas de articulação territorial e as diferentes áreas populacionais são as expressões da desigual espacialidade dos processos sociais (NIMER et ali, 1988). 3

  • 4  SALICHTCHEV, K. A. “Problème de la plénitude thématique des atlas complexes nationaux et régionaux (...)

192Em um escrito já com mais de 40 anos, porém visto por como atual em sua reflexão e proposta, o Professor SALICHTCHEV salienta que os objetos dos mapas temáticos poderiam ter destinos distintos conforme fenômenos e processos pudessem ser tratados a partir de pontos de vistas diferentes. Componentes da realidade fisicogeográfica poderiam ser trabalhados, seja como fenômenos da natureza, seja como recursos naturais, ou ainda, como aspectos envolvendo questões ambientais. Assim, objetos geográficos integrantes do meio técnico-científico-informacional, o espaço geográfico hodierno, como aquele que congrega os reservatórios das hidrelétricas poderia figurar em mapas que tratassem da energia, dos transportes e da irrigação. Mas, ao mesmo tempo, pelo fato de influenciarem a evolução de fenômenos naturais poderiam exigir um tratamento acurado no setor dos Atlas que tratasse da natureza, particularmente como componente do balanço hídrico (SALICHTCHEV, 1969). 4

193Por outro lado, o excessivo desdobramento do objeto geográfico em seus elementos constitutivos faria com que os mapas temáticos dos Atlas se afastassem da representação de conjunto, seja do meio natural, seja do contexto sócio-econômico. Perderia, assim, de vista a idéia global dos complexos a dissecar, desconsiderando completamente as relações, interdependências e contradições entre vários fenômenos vigentes. A análise extremada iria contra as propostas metodológicas da geografia que proclamam a unidade de análise e de síntese, bem como o enaltecimento da interdependência multilateral dos fenômenos. Neste sentido, os Atlas que contemplassem apenas mapas analíticos não poderiam ser considerados geográficos em sua essência.

194A estas considerações pode-se acrescentar, ainda que em geral, que o conteúdo dos Atlas tem sido desdobrado em inúmeros mapas temáticos consagrados ao meio natural e às condições sócio-econômicas, porém sem estabelecer as devidas ligações entre as duas séries.

195A questão das relações, interdependências e contradições são de extrema importância para os estudos geográficos hodiernos. No entanto, as representações temáticas parecem não lhe terem dado a devida importância.

196Em nível estadual entram em cena as orientações da Comissão de Coordenação de Atlas Estaduais do IBGE que estabeleceu em 1967 uma Tábua Geral de Matérias, com base na experiência adquirida com o empreendimento do Atlas Nacional do Brasil e nos estudos já realizados pela UGI. Considera a sequência de oito capítulos, que se desdobram em subcapítulos e respectivos temas, os quais justificam a proposta dos mapas a serem elaborados (VÁRIOS 1971; BARBOSA, 1977):

  • 1 Referência cartográfica

  • 2 História

  • 3 Divisão territorial

  • 4 Condições naturais

  • 5 População

  • 6 Economia

  • 7 Sócio-cultural

  • 8 Vida urbana

197Deste plano geral extrair-se-iam os temas que deveriam ser inevitavelmente tratados e que seriam enquadrados numa mesma classificação para constituir o Plano Mínimo com o fim de organizar o conjunto básico das folhas dos Atlas Estaduais brasileiros.

198Para o estado de São Paulo vai interessar aqui, especificamente, a proposta empreendida pelo Professor LIBAULT para o ATLAS DO ESTADO DE SÃO PAULO em 1966, como já adiantado.

199O projeto idealizado pelo mestre previa 60 folhas, sendo cada uma composta de mapas detalhados e complexos, cartogramas, gráficos, quadros estatísticos e figuras.

200O conteúdo, segundo o citado estudioso, configurava-se da seguinte maneira:

  • 1 – “Uma parte introdutória apresentará o Estado em relação ao mundo e ao conjunto brasileiro. Deve-se também referir aos dados gerais do estado: cartográfico, administrativo, estatístico”.

  • 2 – “A planimetria será representada por cartas hidrográficas e marinhas. A rede de drenagem, dividida em bacias, preparará as cartas de potamologia e hidrografia que virão na parte especializada, assim como a tipologia do litoral”.

  • 3 – “Um conjunto de folhas bem hierarquizadas, começando com a geologia, passando pela geofísica e a tectônica, levará até as cartas de morfologia geral e detalhada”.  

  • 4 – “A climatologia será estudada à base de variáveis modernas, como medianas, desvios padrões, coeficientes de variação e correlações. As cartas dos tipos de clima compreenderão o estudo da situação estratosférica dos jet-streams”.

  • 5 – “Uma série de mapas preparará a compreensão da ecologia vegetal e animal, introduzindo a noção de água útil. É por isto que a carta de hidrologia continental atribuirá grande atenção às águas subterrâneas. Depois, será facilitada a representação da vegetação natural com formas de degradação, assim como das plantas cultivadas”.

  • 6 – “A parte demográfica será bem desenvolvida, pois constitui a base dos estudos de planejamento. São previstas cartas da distribuição pelo método dos pontos de contagem, cartas de estrutura, de índices de variação (natalidade, mortalidade, taxa de crescimento, etc.) sem descuidar das migrações históricas e atuais. Uma atenção especial será dada aos problemas de habitat e urbanização”.

  • 7 – “Conservando sempre a noção de complexidade, os mapas de agricultura serão introduzidos através do estudo dos solos, sob o duplo ponto de vista dos tipos e da utilização, e também a economia humana e tecnológica. Este processo tornará mais compreensível as cartas de contagem estatística para as produções agropecuárias”.

  • 8 – “Do mesmo modo, as folhas industriais conterão as cartas dos recursos energéticos, da estrutura industrial, com referências retrospectivas. Os equipamentos e a distribuição serão bem detalhados, por centro e por especialidade, com quadros de valores numéricos”.

  • 9 – “Todas as comunicações serão reunidas em um conjunto homogêneo, correlacionando às redes de transporte (pessoas e mercadorias) e de telecomunicações com seu suporte físico e humano”.

  • 10 – “As funções de coordenação serão particularmente bem estudadas em relação com a situação financeira, o comércio, as rendas, não negligenciando os problemas de recreio e de turismo”.

  • 11 – “Em complemento, uma última parte tratará do equipamento sócio-cultural: educação, saúde pública, moral, religião, etc.”.

  • 12 – “Uma folha completa será dedicada às forças armadas: exército, marinha, aviação”.

201Para os dias de hoje ter-se-ia que considerar, de forma consciente, a atual fase da história da Humanidade - o período técnico-científico. Neste, compareceriam novos aspectos, como: a multinacionalização das firmas e a internacionalização da produção e do produto; a difusão do crédito, a nova participação do Estado em uma sociedade e em uma economia globalizada; a ampla difusão da circulação; a incisiva revolução da informação, interligando em tempo real as várias partes do mundo, mediante os avanços da informática (SANTOS, 1994).

202O Professor Milton SANTOS, a partir de estudos para a orientação das pesquisas geográficas, coloca para o momento histórico atual da sociedade humana, uma consideração pertinente. Além dos temas que tradicionalmente são abordados, como a população, a produção agrícola e industrial, os transportes e comunicações, os serviços públicos e privados, incluindo o setor financeiro, ênfase deveria ser dada aos aspectos que espelham as condições de modernidade.

203Neste sentido, o estudioso agrupa os temas de análise em quatro grandes itens:

  • 1. Problemas gerais;

  • 2. Relações cidade-campo;

  • 3. Relações interurbanas;

  • 4. Organização interna das cidades e os novos papeis da metrópole.

204Para o caso do estado de São Paulo, o citado professor considera:

  • O Estado de São Paulo já apresentava um notável desenvolvimento antes mesmo do atual período técnico-científico.

  • Com as recentes alterações o Estado de São Paulo adaptou-se rapidamente    às novas demandas, modificando em curto espaço de tempo, os seus padrões de organização espacial na indústria, no comércio e nos serviços.

  • As novas localizações industriais, a expansão da agroindústria e a substituição de culturas engendraram grandes transformações na organização do espaço.

  • Por conta do ingresso de uma nova série de fatores opera-se no território paulista uma reorganização interna de suas cidades (SANTOS, 1994).

205Estes parâmetros, de indiscutível presença na atualidade paulista, deverão estar presentes nas novas considerações que nortearão as reflexões sobre os temários dos Atlas, em específico, daquele do Estado de São Paulo.

206Numa obra específica, O Brasil: território e sociedade no início do século XXI (SANTOS & SILVEIRA, 2001), os autores propõem a análise do Brasil “mediante uma visão inovadora, fundada na análise da globalização” realizada através de “uma interpretação baseada na mediação entre uma teoria e os dados empíricos”.

207A partir da noção básica norteadora da pesquisa, - uso do território - a obra elabora uma análise reveladora “das novas quantidades e, sobretudo, das novas qualidades do território que, vistas de maneira dinâmica, oferecem  ao mesmo tempo, fundamentos para vislumbrar tendências”.

208Apresenta um temário que, em sua primeira parte reúne capítulos, cuja estruturação teria plena condição de fornecer as bases para a orientação e organização dos itens a comporem o plano de um Atlas, perfeitamente adaptável ao caso daquele do Estado de São Paulo.

209Para tanto, selecionam-se os seguintes:

  • “Do meio natural ao meio técnico-científico-informacional”.

  • “A constituição do meio técnico-científico-informacional e a renovação da materialidade no território”.

  • “A constituição do meio técnico-científico-informacional, a informação e o conhecimento”.

  • “Uma reorganização produtiva do território”.

  • “Os atuais círculos de cooperação, conseqüências dos circuitos espaciais da produção”.

  • “Por uma geografia do movimento”.

  • “O sistema financeiro”.

  • “(Re)Distribuição da população, economia e geografia do consumo e dos níveis de vida”.

  • “O território paulista: um esforço de síntese” (SANTOS & SILVEIRA, 2001).

O novo Atlas

210Como já anunciado, esta pesquisa se debruçará mais sobre questões metodológicas que promoveriam a realização dos Atlas, do que na atualização do Atlas do Estado de São Paulo editado em 1970.

211Entretanto, uma boa série de temas será objeto de uma nova cartografia a partir, não só de atualizações, como também de retomadas de registros feitos por autores de renome, consideradas como contribuições clássicas e notáveis ao conhecimento geocartográfico do estado de São Paulo, não tendo sido ponderados naquela primeira edição.

212Para encaminhar o trabalho, considerar-se-á como estrutura básica para a organização do ATLAS, aquela sugerida por SALICHTCHEV (1960) enriquecida com reflexões propostas posteriormente, tais como as elaboradas por SALICHTCHEV (1964), VÁRIOS (1971), BARBOSA (1977), NÍMER et al.(1988), SANTOS (1994) e SANTOS & SILVEIRA (2001).

As representações

213É expressiva, hoje, a abundância de representações. Constituem feitos sociais por excelência. Elas são produtos da mente humana. Significam sombras dos ecos das presenças perdidas. Os deuses múltiplos e o deus único dos teólogos são representações do ser oculto. São construções que substituem coisas e resultam de uma atividade. A medição do tempo de trabalho representa a atividade produtiva, assim como uma curva num gráfico cartesiano representa um fenômeno físico. Assim, as representações podem constituir uma etapa, um momento do processo do conhecimento. É com esta consideração que se pretenderá defender a validade dos mapas na geografia.

214As representações ocupam, portanto, interfaces - entre o sujeito e o objeto; entre a presença e a ausência; entre o vivido e o concebido. Poderão conter, desta feita, mais conteúdo que o representado (LEFEBVRE, 1981; ANDRÉ et al., 1989; LENCIONI, 1997).

215Entretanto, deve-se tomar cuidado para não considerar a representação como substitutiva do real, mesmo que ela faça parte deste. Assim, os mapas como representações do real, tido pelo pesquisador como sua realidade, são distintos desta última. Deve-se saber distinguir a realidade da sua representação.

216Nesta linha de raciocínio, os mapas passam a ser meios e instrumentos destas representações, lembrando, entretanto, que o conhecimento deve ir além da aparência, além do que aparece representado.

217Do ponto de vista da filosofia, a representação consiste no que um objeto está presente no espírito (imagem, conceito).

218As especulações do homem de cada civilização em desejar figurar algo mais que seu meio circunscrito, o mundo além do horizonte, que vai do real ao imaginário, desembocaram em imagens, visões do mundo e do cosmo constituindo-se em verdadeiras representações destas aspirações.

219Estas representações do mundo possuem em geral, traços comuns como: são mapas circulares, quadripartites, etnocêntricos, com um elemento quase universal, o oceano. Estas figuras concebidas como mapas-múndi teriam apelado para um espírito universalizador, voltado a construir um modelo concreto para representar concepções filosóficas (LIBAULT, 1967; KISH, 1980).

220No caso da representação da Terra, é preciso estar conscientes de que ela foi elaborada durante a Idade Média, do século XII ao século XV. Isto quando seus idealizadores, ao escamotear as contradições da época, conseguiram conciliar o mito bíblico da Terra plana - no nível do ecúmeno - com a concepção grega de uma Terra esférica - no nível da astronomia.

221Entretanto, com os resultados práticos das experiências trazidas pelas navegações no Atlântico, principalmente no hemisfério sul, reformularam-se as bases daquela representação, e num curto espaço de tempo, de 1480 a 1520 a imagem medieval de uma Terra plana transformou-se na visão de uma Terra esférica: a do globo terrestre; uma mudança epistemológica fundamental na evolução do homem (RANDLES, 1980).

222Outro domínio da representação é o psicológico. Neste, ela passa a ser a percepção, a imagem mental, na qual o conteúdo se reporta a um objeto, a uma situação, a uma cena do mundo no qual vive o sujeito. Dentro deste campo interessa particularmente a questão do espaço representativo, relacionado com fatores fisiológicos e psicológicos associados com o desenvolvimento das percepções de objetos e fenômenos que se dão no espaço. A percepção e o conhecimento dos objetos implicam num contato direto com os mesmos. A representação lastreia-se em evocar os objetos em sua ausência, duplicando a percepção em sua presença. Estas considerações são básicas para a concepção e entendimento dos mapas.

223A construção do espaço se inicia desde os primeiros momentos da vida humana. Ela se processa progressivamente, tanto no plano perceptivo como representativo.

224De início, a construção do espaço se realiza junto a um espaço perceptivo ligado à percepção e à motricidade. Processa-se através da interação entre o organismo e o meio ambiente circundante. Depois, tal construção passa a ser representativa, coincidindo com o aparecimento da imagem e do pensamento simbólico. A última etapa da construção do espaço é operatória. Também acontece mediante reconstruções sucessivas, primeiro, de maneira concreta, depois, formal.

225Neste sentido, a representação espacial da superfície da Terra é uma atividade mental que leva ao conhecimento desta (OLIVEIRA, 1978).

226Este raciocínio é básico para se entender como os mapas passarão a participar da vida das pessoas.

227Este mesmo encaminhamento pode ser constatado no ato de representar o espaço feito pela sociedade humana desde os primórdios de sua existência. Ao homem de então lhe bastava um espaço limitado, conhecido e vivenciado pela experiência do seu dia-a-dia. Ao representá-lo de forma bastante rudimentar, com riscos gravados em pedra ou em outros materiais ou com um arranjo de peças articuladas entre si, como gravetos, cordas e conchas, transcrevia a prática de suas relações espaciais, revelando o conteúdo das relações sociais de sua comunidade, como já foi comentado.

228OLIVEIRA (1978) salienta que, em geral, estas construções primitivas não apresentam grandes preocupações com a distância métrica e a localização absoluta num sistema de coordenadas. Pode-se averiguar que ao elaborar tais mapas, o homem procurou localizar as distâncias e os fenômenos apenas de um ponto de vista topológico. A mesma autora frisa, ainda, que as etapas do processo mental colocado em ação foram as mesmas que seriam mobilizadas na cartografia. Tais mapas devem sempre ser vistos, não só como meios de comunicação, mas também, e principalmente, como instrumentos para a ação e dominação.

229Em termos psicológicos, OLIVEIRA (1978) pondera que, quando se considera a construção do espaço, os homens primitivos que elaboraram tais mapas estariam no período pré-operatório do desenvolvimento mental. Portanto, eles não seriam ainda capazes de estabelecer relações espaciais cognitivas.

230De inspiração fenomenológica devem ser consideradas também as representações do imaginário e das fantasias dos homens, como já foi salientado. Junto à geografia da década de 1960, a geografia da percepção e do comportamento, mais humanista, que passou a enaltecer a importância da estética e do imaginário na sua análise, instituiu-se a concepção dos mapas mentais. São mapas subjetivos, construídos a partir da percepção que os homens têm do espaço, segundo a qual se elabora a respectiva imagem. Neste sentido, estes mapas passariam a ser reveladores das imagens que as pessoas têm acerca dos lugares adquirindo grande importância no estudo da construção social destes (DOWNS e STEA, 1973; GOULD e WHITE, 1974; TUAN, 1974).

231Hoje em dia, no campo do turismo pode-se verificar que, cada vez mais há uma ansiedade, por parte dos agentes promotores do espaço turístico, de ir de encontro das imagens que se formam na mente dos indivíduos. Imagens essas, fruto de suas fantasias, ao se satisfazerem da necessidade de viajar, fabricada pela sociedade contemporânea.

232Estas representações ganham, assim, importância nas campanhas publicitárias para a promoção e venda de espaços turísticos, transformando o imaginário em realidade imbuída de aventuras e de exotismos.

233Neste contexto, desenvolve-se uma grande variedade de formas de comunicação visual com forte presença da informática. Deixando de lado, pelo momento, os recursos da realidade virtual, lembra-se aqui para esse estudo, o destaque da participação, tanto da imagem figurativa como do mapa, na tarefa de serem portadores dos lugares que vêm ao encontro das pessoas (RODRIGUES, 1977).

234É incontestável a função da representação paisagística da fotografia ou desenho, seja de um amplo panorama, seja de um detalhe de um ambiente urbano, tornando-se um instrumento poderosíssimo em prol de uma fácil aproximação do grande público ao entendimento consciente do espaço turístico que se pode lhe oferecer.

235Deve-se lembrar ainda, que as representações como abstrações em mapas conterão o concreto dos homens, bem como dos espaços por eles produzidos, tidos em seu conjunto, como objeto de estudo da geografia. Portanto, o geógrafo deve estar consciente de que tais representações permitirão ao poder um melhor controle. Cabe então ao pesquisador explicá-las diante das pessoas que vivem no espaço que ele estudou (LACOSTE, 1976).

Os mapas temáticos e sua cartografia

236Os mapas dos Atlas são essencialmente mapas temáticos.

237Desde o grafito de Bedolina até os mapas em meios magnéticos ou em realidade virtual de hoje, a história da cartografia dos mapas temáticos ocupa um lapso de tempo bastante breve, se confirmando praticamente em épocas bem recentes.

238 Entretanto, desde o fim do século XVI já começavam a aparecer mapas que representavam fenômenos particulares com objetivos essencialmente práticos. Foram os mapas hidrográficos, das florestas, das rotas dos correios, dos limites políticos e aqueles administrativos.

239Para LACOSTE (1976), a cartografia como tarefa de fazer mapas, que era antes da geografia, se consolidou somente no século XIX, época em que se definiu o então mapa especial reportando certo número de conjuntos espaciais resultantes das classificações dos fenômenos que integram o objeto de estudo de um determinado ramo da ciência.

240Dando idéia até de um anacronismo, a expressão “Cartográfica Temática” referente a tais mapas surgiu na Alemanha por volta de 1934, sendo atribuída a R. V. Schumacher (SANTOS, 1991). Até mesmo o vocábulo "cartografia" não está muito distante. Foi um neologismo forjado em 1877 pelo português Visconde de Santarém. Condensa termos derivados do grego.

241De criação mais recente ainda, é o conceito de "mapa temático" introduzido em 1952 por Creuzburg no congresso de cartografia de Stuttgart.

242Entretanto, não se pode tomar uma postura categórica ao afirmar a clássica consideração de que a cartografia apresentar-se-ia dividida em dois ramos distintos: a cartografia topográfica e a temática, como aparece, em geral, nos manuais daquela disciplina.

243Para PETERS (1992), a concepção de uma cartografia temática bem delimitada contrapondo-se a uma cartografia topográfica geral, constitui o mito cartográfico mais recente, da década de 1960, mesmo depois de derrubado aquele que impôs por longo tempo a visão eurocêntrica do mundo.

244Pode-se verificar assim, que num período bastante curto, de 1966 a 1972, autores como: ARNBERGER (1966), WILHELMY (1966), RIMBERT (1968) e WITT (1970) publicaram livros específicos sobre o ramo temático, doutrinando uma nova disciplina que se completava em si mesma, como uma parte da ciência cartográfica.

245 A cartografia temática não surge de forma espontânea; é historicamente sucessiva à visão topográfica do mundo, essencialmente analógica.

246Com o florescimento e sistematização dos diferentes ramos de estudos operados com a divisão do trabalho científico, no fim do século XVIII e início do século XIX, desenvolveu-se outro tipo de cartografia, a cartografia temática, domínio dos mapas temáticos, como já foi frisado. Esta nova demanda de mapas norteou a passagem da representação das propriedades apenas “vistas”, para a representação das propriedades “conhecidas” dos objetos. O código analógico é substituído paulatinamente por um código mais abstrato. Representam-se agora, categorias mentalmente e não mais visualmente organizadas. Confirmou-se, assim, o mapa como expressão do raciocínio que seu autor empreendeu diante de sua compreensão da realidade, apreendida a partir de um determinado ponto de vista: sua opção de entendimento do mundo. É a confirmação de uma postura metodológica na elaboração da cartografia temática.

247Para uma geografia que inicialmente se preocupava mais com a descrição, sem explicação, a cartografia tinha como maior incumbência a localização dos objetos geográficos além de qualificá-los. A mensagem comunicada passava a ser recebida apenas através da mobilização das duas dimensões do plano.

248Pode-se avaliar aqui um dos motivos do não aproveitamento total do mapa por geógrafos: eles apenas explorariam o “onde”.

249Pode-se considerar como um prenúncio da gradativa transição da representação topográfica para uma representação temática mais específica, aquela que se pode chamar de cartografia descritiva (séc. XVII e XVIII). Esta tinha o propósito de inventariar objetos discerníveis, portanto, percebidos como distintos, compondo o conjunto daqueles que a sociedade em cada época produz e considera pertinentes à sua percepção de mundo.

250Nos primeiros mapas tidos como temáticos, naqueles elaborados no século XVIII, pode-se perceber já certa transformação: o mapa deixava de se preocupar com o inventário e descrição exaustiva de todos os objetos que podiam ser recenseados à superfície da Terra, para ressaltar apenas um desses elementos, com vistas a uma maior compreensão e controle do espaço. Consolidava-se, assim, um caráter eminentemente prático para esta cartografia emergente.

251Pode-se considerar como tais, como já foram apontados, os mapas das rotas dos correios (itinerários e estalagens), com uma preocupação altamente seletiva, deixando de lado os demais registros topográficos de base. Com estes singelos acréscimos temáticos tinha-se o que se podia se chamar de mapas para-temáticos. Pode-se considerar um começo de explicação, porém, sem ainda uma nítida ruptura da descrição tradicional do mundo visível (PALSKY, 1996).

252A cartografia temática nasceu, assim, essencialmente positivista, pronta a atender a exigência da concepção filosófica e metodológica dos vários ramos científicos da época. Sempre foi o papel de ela mapear o conhecimento empírico, a aparência dos fenômenos, a partir de observações e mensuração palpáveis da realidade, tendo em vista fornecer um instrumental adequado à descrição, enumeração e classificação dos acontecimentos.

253O fato de a geografia, nessa concepção tradicional, contar com apenas um único método de interpretação reflete-se, de certa forma, na maneira como a cartografia temática representa questões da natureza e da sociedade. A mesma superfície estatística aplicada às chuvas representada por isolinhas podia ser empregada para mostrar distribuições espaciais vinculadas à sociedade, expressas em isopletas.

254Outra questão que perdura até os dias atuais, fruto desta maneira Kantiana de pensar, é a incapacidade da cartografia temática de representar conjugadamente o espaço e o tempo. São considerados separadamente.

255A afirmação da geografia, como ciência de síntese, na busca da classificação, fez com que a cartografia temática se encaminhasse no ensejo da concretização do mapa de síntese, na pretensão de alcançar ser um fecho do conhecimento científico, unificando assim, os estudos sistemáticos realizados pelas demais ciências.

256A sistematização desta geografia se deu consoante com a emergência do modo de produção capitalista numa Europa que já se havia preparado para promover a passagem do feudalismo para o capitalismo, momento em que a cartografia forneceu bases seguras para desencadear o processo de transição (MORAES, 1981).

257A crescente vocação da cartografia em busca de uma especialização aconteceu notadamente no século XVIII. Isto foi se operando com uma gradativa libertação do registro eminentemente analógico, passando a considerar temas que paulatinamente se acrescentariam à topografia. Esta nova construção mental na cartografia ficou evidente com a preocupação do mapeamento do uso da terra: o mapa topográfico foi sendo enriquecido com acréscimos temáticos (ROBINSON, 1982).

258 São os mapas corocromáticos. Nesta fase transitória não se pode falar de uma autêntica cartografia temática, pois ela não adotava ainda um sistema gráfico de signos, definitivamente estruturado, com uma sintaxe bem definida. Ficou clara, portanto a tese defendida por PALSKY (1996) de que os mapas temáticos passam a restituir categorias mentalmente e não, tanto visualmente organizadas, como já foi assinalado de início.

259O maior exemplo desta nova vocação da cartografia se deu na elaboração dos mapas mineralógicos do século XVIII, como foi o caso do "Mapa mineralógico" de DUPAIN - TRIEL (1781) para França, no qual se reconheciam elementos básicos da topografia acrescidos de informações a respeito do subsolo. Pode-se notar aqui já um forte progresso com a preocupação da explicação, mas ainda sem uma ruptura profunda com a consciência descritiva anterior.  Vê-se que os acréscimos temáticos foram feitos pontualmente, carecendo ainda de uma informação espacial contínua.

260Entretanto, o primeiro mapa geológico propriamente dito foi considerado, como já foi dito oportunamente, aquele da região norte da Inglaterra, elaborado por WILLIAM SMITH (1769-1839), tendo sido construído com base na subdivisão estratigráfica apoiada no estudo dos fósseis (LEINZ e AMARAL, 1968).

261A descrição tradicional do mundo visível inibiu o avanço temático revelado pelo progresso científico ou pelas preocupações aplicativas. Impediu também a busca de uma linguagem autônoma para esta representação. A expressão gráfica continuou, assim, presa à herança topográfica, com consequente multiplicação de signos pontuais, rigorosamente amarrados às normas e convenções.

262A passagem do código analógico para uma linguagem específica de maior abstração torna-se difícil não só no plano conceitual, mas também naquele representativo. A própria geografia pouco contribuiu para esta tarefa, pois insistiu em ser a ciência dos lugares, cabendo à cartografia de posicioná-los. Nítida postura positivista (PALSKY, 1996).

263Por sua vez, PETCHENIK (1977) considera que os mapas não carregam em si os significados, mas os desencadeiam na cabeça do usuário. Os signos apreendidos pelo leitor constroem em sua própria mente o significado do conteúdo que foi formulado pelo construtor do mapa. Neste sentido, o significado dos mapas é resultado do arranjo espacial, não dos objetos, mas sim do conjunto de relações entre os objetos. O leitor deve reconstruir em sua mente estas relações. Neste momento, o mapa passa a ter significado. É assim que se opera a apreensão do conhecimento espacial através de mapas. Como resultado, poder-se-á saber onde os lugares ficam e como se estruturam, sem mesmo tê-los visitado antes.

264A cartografia náutica, já enunciada anteriormente, é outro ramo que se inclui nesta transição, pois exige uma linguagem distinta daquela topográfica. Certos fenômenos úteis à navegação, que não se inscrevem materialmente e geometricamente sobre a superfície da Terra, como o magnetismo terrestre, os ventos e as correntes marítimas, contribuíram para o avanço no campo da lucubração dos mapas temáticos.

265Edmond HALLEY elaborou o primeiro mapa dos ventos oceânicos em 1686. Mais tarde, em 1701, construiu aquele das declinações magnéticas. Foi a primeira elaboração da linha de igual valor, a isolinha. BOUGUER (1753), por sua vez, produziu o mapa da direção geral dos ventos conjugados à variação da bússola (linhas isogônicas), colocando na mesma representação uma rede de linhas orientadas, expressando um fenômeno com ocorrência em área, os ventos, e a rede de linhas de mesma declinação magnética.

266Pode-se perceber nestas representações o início de uma ruptura com o mundo visível e a busca da exploração da variação perceptiva em terceira dimensão visual dissociada do espaço em duas dimensões intrínsecas ao mapa como figura do terreno. Foi assim que começou a se esboçar a representação do tema com uma conscientização progressiva de que este deveria ser explorado evidenciando-se a relação entre os significados dos signos, base fundamental para a elaboração de uma sintaxe para a linguagem desta cartografia emergente.

267Esta forma de expressão, essencialmente temática, passou a se confirmar com a passagem das representações eminentemente qualitativas e ordenadas para a percepção e expressão das quantidades.

268Até o fim do séc. XVIII, as quantidades eram representadas apenas mobilizando sua manifestação embutida nas duas dimensões do plano, isto é, não se mostrava a quantidade da população, apenas a extensão dos lugares habitados.

269As primeiras realizações da cartografia temática quantitativa foram feitas inscrevendo-se diretamente sobre o mapa, nos lugares de ocorrência, as quantidades referentes à população, economia, produção, tendo sido essas extraídas das estatísticas oficiais.

270O padre DAINVILLE apontou o mapa anônimo “Carte générale de Sévennes” (1726) como o primeiro mapa a introduzir uma quantificação de população, que fora representada por tamanhos de signos figurativos, classificando a importância das respectivas aglomerações.

271Entretanto, do ponto de vista metodológico, deve ser lembrado que toda evolução e confirmação da representação quantitativa na cartografia temática se devem à estatística. É através da “estatística gráfica” que se estipula a construção dos gráficos que assim se colocam como precursores dos mapas quantitativos. Pode-se verificar que os métodos das representações quantitativas consistem em se transferir diretamente os gráficos para a cartografia.

272Deve ser dado especial destaque à criação intitulada de “Essai d’une table poléométrique”, datada de 1782, por obra de Charles de FOURCROY. Foi considerada como a primeira representação empregando as figuras geométricas proporcionais, portanto, mobilizando tamanhos para comparar as superfícies das cidades. Uma série de quadrados superpostos permitiu, não só de ver a hierarquia das extensões das superfícies ocupadas pelas cidades, como também de classificá-las em várias categorias, desde cidades muito pequenas até cidades grandes. Percebe-se aqui, a exploração das duas dimensões do plano, não mais apenas para localizar o visível, mas sim para mostrar o quantitativo, como também para tratar os dados com o fim de descobrir agrupamentos que eles construíram. Hoje, são os SIG’s que realizam estas operações sob solicitação. (FOURCROY, 1782; BERTIN,1973; PALSKY,1996).  

273Neste ponto, entrou em cena William PLAYFAIR (1759-1823) que inventou a “aritmética linear” para ilustrar suas obras, trabalhos de cunho político e econômico. Tratou-se do sistema de gráficos estatísticos de linhas e barras, que foram desenvolvidos para o “Comercial and political atlas” de 1786 e para o “The statistical breviary” de 1801. Neste último propôs o “Gráfico circular”, com tamanhos proporcionais a variáveis selecionadas. Embora matemáticos tivessem estabelecido gráficos a nível teórico para a representação de funções, Playfair os lançou ao uso aplicativo.

274Ele idealizou assim, formas de visualização dos dados. Estabeleceu metodologia para a aplicação de gráficos de linhas e de colunas às estatísticas financeiras. Ele explicava seu método: se no fim de cada dia empilhássemos as moedas ganhas, cada pilha corresponderia a um dia de trabalho e a sua altura seria proporcional à respectiva receita. Por este método muita informação poderia ser obtida em poucos instantes de observação. Sem ele, contando apenas com a tabela, seria necessário muito mais tempo para se chegar ao mesmo entendimento.

275Foi do mesmo autor a construção de um gráfico de linhas para representar a balança comercial da Inglaterra no período 1770/1782, ressaltando o saldo positivo com vermelho e o negativo com azul. Com isto, PLAYFAIR (1786) não só tratou os dados, como também revelou o conteúdo da informação selada neles, dando através de uma visão de conjunto, transparência instantânea à verdadeira situação daquela realidade. A escolha da oposição entre as cores azul e vermelho mostrou com clareza a oposição entre as operações. Vê-se a cor, aqui, tendo sido usada como variável visual e não como símbolo, muito menos como um componente decorativo.

276Em 1805 inventou o “Círculo dividido”, o atual setograma, apoiado no sistema estabelecido por BERNOUILLI - o sistema polar - círculos concêntricos e raios que convergem para um pólo. O setograma de PLAYFAIR serviu para ilustrar o relatório “Statistical account of the Unded States of América”, de autoria de DONNANT. Tal gráfico representava, nesta obra, a proporção das superfícies dos estados americanos em relação ao país como um todo. O círculo era dividido, portanto, em setores condizentes (HOLMES, 1991).

277O primeiro método para representações quantitativas a ser estabelecido foi o coroplético: a uma série estatística com os dados agrupados em classes significativas corresponde uma ordem visual - do claro para o escuro. Deveu-se assim a DUPIN, com a “Carte figurative de l’instruction populaire de la France”, datada de 1826, a elaboração de um primeiro mapa estatístico. Com sua idealização, comparece uma primeira forma de representar quantidades, no caso, relativas por variações visuais sensíveis dissociadas do significado de localização das duas dimensões do plano do mapa (DUPIN, 1826).

278O mais importante a ser ressaltado nesta proposta foi o fato de ter sido colocado às claras a relação entre a instrução popular e o desenvolvimento econômico. A oposição claroescuro tornou-se SÍMBOLO, colocando em oposição uma França já esclarecida contra uma França ainda no obscurantismo. Portanto, passando à representação de uma escala de valores morais. Assim, este mapa constituiu uma IMAGEM eloquente em favor da indústria e das doutrinas inglesas de civilização e economia política. Esta cartografia temática pioneira se associou desta maneira, ao discurso do capitalismo industrial e liberal emergente. Fixaram-se, assim, as bases para uma progressiva evolução do sistema gráfico de signos em direção à sua autonomia (PALSKY, 1996).

279Outras criações semelhantes apareceram na produção da cartografia temática da época, revelando que a linguagem cartográfica de então hesitava em renunciar ao simbolismo figurativo da representação, não aceitando facilmente a adoção do rigor de uma sintaxe lógica (CARON, 1980).

280Outra representação quantitativa inventada no inicio do Século XIX, primeira no gênero, fugindo da tradição estabelecida por DUPIN, foi o "Método dos pontos de contagem". Foi definido por FRÈRE DE MONTIZON ao realizar o mapa “Carte philosophique figurant la population de la France” (1830), para mostrar a distribuição do seu efetivo em valores absolutos (MONTIZON, 1830).

281Este método teve grande difusão e aplicação quando da representação de populações com efetivos reduzidos e padrão de distribuição disperso, principalmente no início do século XX. Isto pode ser constatado através da publicação do Atlas "Geography of the wold's agriculture" de autoria de FINCH e BAKER (1917).

282Uma outra reflexão teórica importante que deve ser levada em conta na estruturação da linguagem da cartografia temática é a contribuição dada por LALANNE (1843). Em base à sua teoria sobre a representação gráfica das leis que levam em conta três variáveis, estabeleceu o que hoje se chama de Gráfico isoplético adotado por SNYTKO (1976) para a análise  temporoespacial dos regimes naturais dos geossistemas.

283LALANNE elaborou nesta linha, um gráfico intitulado “Courbes d’ égale temperature moyenne à Halle”(1843).

284Em suas pesquisas de 1863 LALANNE esboçou, em tese, o que hoje se titula de mapeamento das isopotenciais, esboçando as leis que presidem os agrupamentos de população, que por sua vez exerceriam influências na contextualização de uma rede de vias de comunicação. Esta contribuição prefiguraria a Teoria dos Lugares Centrais estabelecida por Christaller, em 1933 (CHRISTALLER, 1966).

285O mesmo autor apontava, na época, o que hoje é bastante sabido: que os mapas em linha de igual valor revelam o sentido e direção através dos quais as variações quantitativas do fenômeno representado atingem seus máximos e seus mínimos e a influência que produz cada um daqueles componentes naquelas variações quantitativas.

286A busca de uma representação coroplética que pudesse substituir as classes de percepção ordenada por classes de percepção quantitativa, levou BOLLAIN a criar texturas de linhas, cuja espessura variava na proporção dos valores relativos representados. Mas seu maior êxito foi conseguido com a proporcionalidade dos círculos para a representação da população aglomerada.

287Com a Revolução Industrial assistiu-se ao início da busca da avaliação da mobilidade dos homens e das mercadorias. As vias de circulação constituíram um fator básico na geração de riqueza e desenvolvimento. Foi neste contexto que MINARD (1840) propôs uma cartografia econômica, abordando a dinâmica espacial e temporal dos fenômenos através da representação por FLUXOS. Era o tamanho, isto é, a largura do corpo das flechas que iriam fazer saltar aos olhos as proporções entre os dados numéricos.

288Ficou extremamente evidente aqui a busca de um modo de expressão de grande autonomia que pudesse desvincular completamente o mapa do texto.

289Deve-se notar que as lucubrações engendradas para se chegar à representação por fluxos tiveram origem nos mapas das redes de comunicação dos séculos XVII e XVIII. Já na época, espessuras e formas dos traços sugeriam uma classificação segundo a viabilidade.

290Deveu-se também a MINARD a representação corocromática, onde as cores informavam a extensão da área de ocorrência de um fenômeno, portanto apenas com abordagem qualitativa de sua presença.

291Ele também explorou a proporção comparativa entre dois círculos para mostrar o balanço energético entre produção e consumo (MINARD, 1851). Isto desvendou que na época, já se esboçava a iniciativa do tratamento dos dados para revelar o conteúdo da informação, e não apenas para mostrar os dados.

292Embora como já dito anteriormente, que o setograma foi devido a PLAYFAIR (1805), MINARD (1858) usou o círculo dividido em setores centrado nas áreas de ocorrência para mostrar parcelas que compõem totais, georreferenciados.

293MINARD retomou a proposta de BOLLAIN para tentar transcrever, não apenas a ordem visual, mas a proporção: estabeleceu linhas paralelas cuja distância variava em proporção ao valor da variável a ser representada, por exemplo: três linhas num centímetro representariam uma densidade de 15 hab/km².

294O citado autor já previa que para a transcrição correta do conteúdo quantitativo do mapa era necessário à construção da imagem, explorando, assim, preferencialmente as variáveis visuais da imagem: o Valor e o Tamanho.  

295Com MINARD, portanto, pôde-se assegurar que se inaugurava o uso do mapa como meio de análise espacial, o que hoje os SIG fazem sob comando. Ele empregava mapas de fluxos para definir onde implantar serviços com o fim de dar melhor atendimento ao público.

296O período entre 1860 e 1900 pode ser considerado como de culto às estatísticas, promovendo assim grande profusão de mapas e gráficos quantitativos. Com isto, pode-se verificar uma institucionalização deles, com a respectiva adoção pelo poder público. Na França editaram-se vários “Album de statistique graphique” orientados por CHEYSSON, compostos por uma série de pranchas temáticas contendo mapas e gráficos. Em geral congregavam muitos mapas de fluxos para definir o ótimo dos transportes. Nota-se assim, através da criação destes documentos uma vocação metodológica que se encaminhava para a junção da ação de planejamento com a reflexão teórica sobre a organização do espaço.

297Embora a cartografia temática quantitativa tenha alcançado grande profusão, ela acabou entrando tardiamente na geografia (PALSKY, 1996).

298Este fato aconteceu primeiro na Alemanha com sua aplicação na elaboração do "Physikalischer Atlas" de BERGHAUS (1838-1848). Tanto na Alemanha como na França a cartografia temática ingressou na geografia, inicialmente através dos mapas físicos.

299A grande eclosão da geografia humana se deu com a antropogeografia de RATZEL (1882), no fim do século XIX, legitimando a vontade expansionista do Estado alemão recém estruturado. Na França, se firmou com a escola da Geografia Regional, oposta às idéias de Ratzel, dentro de um quadro autoritário de dominação burguesa, veiculando através da ciência, o interesse das classes dominantes. Por volta da década de 1870, PAUL VIDAL DE LA BLACHE propôs uma nova visão de geografia a partir de críticas feitas a Ratzel. Centralizava-se na relação homem-natureza, projetada na paisagem  Na sua obra, a natureza passou a ser vista como possibilidades para a ação humana. Com seu trabalho - a Geografia Universal - foi estabelecido o conceito que balizaria a geografia francesa: - a região. Era uma unidade de análise geográfica que exprimiria a maneira de os homens organizarem o espaço, apresentando certa individualidade. Assim, a região passou a ser compreendida como um processo histórico de organização. Foi a partir da região que se firmou a Geografia Regional, forma de estudo que envolvia monografias para se chegar a um conhecimento cada vez mais profundo da realidade (MORAES, 1981).

300Foi nesta proposta que se estimulou uma ampla aplicação da estatística, da estatística gráfica, e da própria cartografia temática quantitativa. A conclusão das pesquisas geográficas, em geral, era constituída por uma coletânea de mapas temáticos, cada um resumindo um capítulo. Na superposição destes, encontrar-se-ia a síntese, que espelharia a dinâmica da vida regional, dando assim, uma visão global da realidade (CLAVAL e WIEBER, 1969).

301A profusão destes estudos motivou especializações, que através do levantamento de elementos específicos levaram ao estabelecimento de vários ramos da geografia: Geografia agrária, Geografia urbana, Geografia das indústrias, da população, do comércio; cada um deles demandando mapas temáticos particulares (MORAIS, 1981).

302Foram os trabalhos de LEVASSEUR que trouxeram a estatística para a geografia e com ela as representações estatísticas, enaltecendo a posição dos mapas temáticos quantitativos diante dela. Como principal contribuição deste estudioso teve-se a exaltação da noção de densidade demográfica para a geografia. O “método Levasseur” estipulava oito classes, quatro acima e quatro abaixo da média, representadas mediante duas ordens visuais opostas. Ao aproximar a estatística ao estudo da demografia, o mesmo autor propôs outras representações coropléticas para números relativos, como a taxa de urbanização.

303Discípulos de Vidal de La Blache, como Emmanuel de Martonne, com sua Geografia Física e Jean Brunhes, com sua Geografia Humana, deram início às análises feitas através de mapas temáticos quantitativos, tomando por base as propostas de LEVASSEUR (MORAES, 1981; PALSKY, 1996).

304Outro autor que merece destaque é Elisée Reclus que, baseado em MINARD propôs a cartografia da densidade demográfica por quadrículas, bem como a representação da população urbana por círculos proporcionais, que foram aplicados em sua obra “Nouvelle Géographie Universelle”.

305Apesar de toda esta euforia com as estatísticas, uma reflexão crítica teve início, na época, acerca da validade dos registros numéricos oficiais. Os geógrafos começaram a perceber que as representações que se aproximavam da exatidão das estatísticas eram puramente numéricas, se afastando, portanto da geografia. A crítica passava a ser feita sobre o fato de que os números acabavam substituindo os fenômenos propriamente ditos, mascarando o conteúdo concreto e social. Perdia-se, assim, o caráter geográfico das pesquisas (PALSKY, 1996).

306Outra questão que começava a incomodar os geógrafos, já no fim do século XIX, foi a representação quantitativa vinculada às unidades observacionais “artificiais”, as quais são definidas por limites arbitrados pela administração pública. Vários autores alemães sugeriram a quadriculagem. Entretanto, foi e ainda é muito difícil conseguir restituir os dados em nível de cada unidade elementar do espaço.

307Os franceses propuseram a representação isoplética. Eliminaria a questão da artificialidade das unidades observacionais, porém, de qualquer forma, os dados seriam sempre originários destas. Além do mais, o construtor do mapa menos avisado poderia traçar as linhas isopléticas passando por áreas onde o fenômeno não ocorresse.

308Em 1871, MAYR propôs um método, chamado de “Método das áreas naturais” que procurava determinar exatamente os limites geográficos dos agrupamentos naturais dos fatos concretos em substituição às divisões administrativas. Mesmo assim, haveria o inconveniente de que, a homogeneidade e veracidade destes espaços não seriam ditadas por fatores naturais ou sociais, e sim por imposições puramente matemáticas. Na sua concepção, tais áreas deveriam ser estatisticamente homogêneas, o que exigiria fazer reiteradas vezes os cálculos a fim de recompor a homogeneidade. Esta idéia acabou derivando para a proposta de organizar tais áreas homogêneas com base em critérios de geografia física.

309O próprio DE MARTONNE, em 1903 propôs que elas fossem definidas através de limites físicos, como curvas hipsométricas, limites geológicos, ou outros.

310VIDAL DE LA BLACHE também adotou as unidades físicas, porém ficava evidente que tal critério levava à reafirmação do determinismo geográfico.

311Já SORRE prepusera um método que ia  a busca das áreas “naturais” através de um agrupamento de áreas artificiais mínimas de base. Sua idéia levava a uma reflexão que mostrava que fatores não físicos poderiam orientar melhor a maneira de proceder a tais agrupamentos.

312Entretanto, esta busca a uma perfeição da cartografia poderia estar levando a um retorno à exaltação da precisão topográfica, pois a localização dos fenômenos seria primordial. Nos mapas que mostram as quantidades deveria aparecer também a localização e extensão das áreas de produção. Um círculo proporcional à quantidade taparia parte da área, origem desta produção. Assim, chegar-se-ia ao extremo em se considerar que para construir mapas da intensidade dos fenômenos com a fiel localização dos mesmos, não haveria necessidade de se construir mapas temáticos; aqueles topográficos seriam os ideais.

313Passou-se a viver assim, no fim do século XIX, uma revalorização das representações topográficas. Estes mapas passaram a ser considerados como básicos para a análise e interpretação de fenômenos de interesse para a geografia. GALLOIS (1898) recomendava que para estudar a população, nada de melhor existiria do que se contar com a exploração do mapa topográfico em escala de detalhe, pois os mapas estatísticos, para ele, mascarariam os fatos.

314O próprio VIDAL DE LA BLACHE exaltava não só a utilidade do mapa topográfico para a análise do povoamento como também certificava sua validade para os estudos econômicos. Isto pode ser confirmado ao avaliar seu Atlas général (LA BLACHE, 1894), no qual a prancha sobre as regiões industriais da Europa, justapunha vários mapas topográficos na escala 1: 1.000.000. Parecia que os geógrafos, embora admitindo o rigor dos mapas estatísticos, não lhes conferiam muito crédito, talvez por causa de utilizarem um código bastante abstrato ou então, pelo caráter artificial das unidades de observação que serviram de base para o levantamento dos dados numéricos (PALSKY, 1996).

315Muito embora se possa observar certa reticência - a mesma que perdura até os dias atuais - em se considerar a IMAGEM como sistema de comunicação autônomo, Foi com VAUTHIER (1890) que se iniciou uma preocupação direcionada para a estruturação de uma metodologia para a linguagem da representação gráfica neste sentido. Ele apontava que era necessário se ter uma sintaxe. Esta orientação passou a se confirmar com as contribuições apresentadas nos congressos internacionais de estatística organizados por QUÉTELET. Delineava-se assim, um prenúncio de um encaminhamento em direção à busca de uma semiologia gráfica. Dentro deste contexto, teve lugar várias propostas de classificação para os métodos de representação gráfica, sejam mediante mapas ou gráficos, vistas por seus autores como as primeiras etapas na estruturação de uma gramática gráfica.

316É fácil notar que aquela apresentada no Congresso Internacional de Estatística de Viena, em 1857 confirmou o que hoje se adota como básico na estruturação de uma metodologia da Cartografia Temática.

317Por outro lado, pode-se verificar um paulatino avanço em busca de uma gramática gráfica. Não só se tem maior preocupação com a análise dos dados e o tratamento dos mesmos em base científica, como também se dá início à substituição de signos figurativos por signos simples e mais geométricos como: quadrados, círculos, triângulos, etc., buscando uma maior clareza.

318LEVASSEUR, em 1885 proclamava que existia apenas uma regra gráfica para os mapas: a clareza. Assim, ele esboçou a noção moderna de níveis de leitura. Anunciava que não adiantava congestionar os mapas com detalhes ou sobrecarga de signos. A abundância deles não seria tanto criticável do ponto de vista da informação, mas sim da percepção. O mesmo autor salientava que, embora sendo sempre possível assegurar a percepção elementar, isolando um componente, o mapa deveria resultar significativo, prioritariamente ao nível global de leitura. Assim, ele deu um passo importante ao privilegiar a imagem em detrimento da figuração e colocou na sintaxe gráfica a questão da percepção instantânea do olho.

319Assim, na passagem para o século XX já se esboçava, por parte dos estatísticos, uma orientação para que a representação devesse ser regida por uma lógica de significação. Buscou-se um sistema de comunicação do tipo matemático, portanto, monossêmico (PALSKY, 1996).

320Também BERTIN (1971), mostrou como se teria dado a passagem da cartografia topográfica para a temática. De uma cartografia que tinha como principal propósito multiplicar a precisão das localizações (X, Y) para um número constante de fenômenos (Z), passou-se paulatinamente para uma outra cartografia. Nesta, o interesse maior era multiplicar o número de fenômenos (Z) propostos pela  abordagem da ciência moderna, sejam apreciados de forma estática ou dinâmica, referentes a um espaço (X, Y) constante. Para o citado autor, o primeiro período teria sido o período “topográfico” da cartografia, enquanto que o segundo, seria aquele “temático”.

321A partir dos anos 1950, não só a cartografia temática, como também o contexto geral das atividades ligadas à cartografia como um todo teve grandes avanços propiciados pelo progresso tecnológico e pelas pesquisas teóricas e experimentais. Deve-se reconhecer que o pensamento cartográfico representado pelas universidades e periódicos científicos recebeu influências dos acontecimentos da produção, tanto no campo oficial como no da indústria privada (MULLER, 1983).

322Nesta época, também a geografia iniciou um movimento de renovação com relação à postura tradicional, buscando novos caminhos metodológicos. As bases da crise estavam no desenvolvimento do modo de produção capitalista que já havia ultimado sua fase concorrencial, passando, então a viver a época monopolista, clamando para a intervenção estatal na economia, quando o planejamento econômico se firmaria como uma arma de intervenção, cobrando das ciências um instrumental para tanto.

323Este movimento de renovação, que se consolidou a partir de 1970, procurou sua efetivação mediante a construção de uma lógica e de uma linguagem científica, um positivismo lógico que ditaria que os enunciados científicos só seriam pertinentes se eles fossem passíveis de verificação. Esta nova perspectiva abrangeu um leque muito amplo de concepções, as quais podem ser agrupadas em dois grandes conjuntos: a Geografia pragmática e a Geografia crítica (MORAES, 1981; LENCIONI, 1997).

324A Geografia pragmática se dirigia à ação, portanto, procurando ser utilitária, na medida em que informava a ação do planejamento. Esta Geografia vai se concretizar mediante várias propostas, como a Geografia quantitativa que explicaria o temário geográfico mediante métodos matemáticos, a Geografia sistêmica, fundamentada na Teoria Geral dos Sistemas que explora o uso de modelos de representação e explicação no tratamento dos temas geográficos. Por fim, a Geografia da percepção e do comportamento, que buscaria entender como os homens percebem o espaço vivenciado, como eles reagem frente aos seus componentes e como este processo se reflete na ação sobre o espaço (MORAES, 1981).

325Consoante com a citada vertente da geografia, encontrar-se-ia uma cartografia  considerando os mapas como modelos, que chama para seu campo os mapas mentais e que elabora mapas que colocam no plano bidimensional, dados relacionados mediante correlação simples e múltipla, regressão linear, covariação, análise de agrupamento e outras. Esta cartografia poderia constituir representações explicativas de uma realidade estudada. Seria o auge da cartografia dita “multivariada”. Efetivar-se-ia a grande descoberta da cartografia para o planejamento.

326Na pesquisa cartográfica que na década de 1970 estaria entrando na época contemporânea salienta-se a vertente da cartografia teórica.

327RATAJSKI (1978) reconheceria várias tendências que influenciariam as opiniões filosóficas dos cientistas, quanto à essência daquela como ciência. O autor destacou as seguintes: a teoria da informação, a semiologia, a teoria dos modelos, a metaciência e a teoria do conhecimento.

328A teoria da informação teve uma influência básica, para a definição do papel das funções do mapa para a cartografia moderna. Ela fundamentou a tendência de pesquisas denominada de Comunicação cartográfica. MOLES (1964) foi o primeiro a definir a cartografia como veículo específico da Teoria Matemática da Comunicação. Mas foi KOLACNY (1969), que estabeleceu os fundamentos para as pesquisas com base no modelo de comunicação cartográfica por ele criado.

329Apesar do fascínio exercido pela teoria acima citada, os estudiosos do assunto começaram a avaliar a questão de uma maneira mais crítica, contestando que no processo de comunicação não poderiam ser consideradas apenas as perdas de informação. É certo que ao lado das perdas pode-se falar em ganhos da informação extraídos da análise e interpretação do conteúdo do mapa, ambos empreendidos pelo usuário.

330Foi digna de destaque a crítica feita por SALICHTCHEV (1978).  Segundo ele, seria importante salientar que a Comunicação cartográfica não deveria ficar apenas presa à Teoria Matemática da Comunicação, a qual considera somente as perdas de informação em cada etapa do processo, preocupando-se essencialmente com a minimização destes extravios. Seria  preciso considerar o valor cognitivo dos mapas.

331Adentrando-se mais detidamente no processo de comunicação cartográfica poder-se-á atentar, conforme ressaltava SALICHTCHEV (1978), para o fato de que no primeiro, segundo e terceiro estágios podem ocorrer perdas de informação, enquanto que no quarto e parcialmente no segundo haveria acréscimos. Isto se refletirá no maior ou menor desencontro entre o que foi considerado importante por quem fez o mapa e o que seria reputado como significativo pelo usuário.

332De fato, no primeiro estágio, seja iniciando-o com o construtor do mapa que observa o mundo real, seja principiando-o indiretamente, através de uma documentação, não se utiliza toda a informação disponível. É praticamente impossível, seria inútil, abarcar toda a complexidade da realidade. Haveria sempre um interesse dirigido; procede-se, portanto, a uma seleção. Não se trata ainda de uma perda, mas sim de uma escolha deliberada. Por outro lado, mesmo à parte de interesses, objeto de uma representação temática, apresentará limitações seja pela negligência ou despreparo do cartógrafo, seja pela disponibilidade propendida das informações a ela atinentes.

333O estágio da confecção do mapa acarreta perda no processo de representação e de generalização exigida pela escala. O construtor do mapa como primeiro leitor crítico deste, pode realizar correções e acomodações. Mas a generalização não pode ser entendida somente como perda de informação. Através dela é possível adquirir novas informações a nível qualitativo, além de proporcionar uma imagem espaçotemporal global do fenômeno que está sendo mapeado. Esse fato comprovaria que as informações em nível de conjunto provindas das combinações e interrelações apresentadas pelo mapa, excedem em muito a simples soma das informações elementares contidas nos signos considerados isoladamente.

334No terceiro estágio emergiria toda a informação contida, tanto nos signos tomados individualmente, na correspondência significado/significante, como nas relações entre seus significados, mas nem sempre é totalmente utilizada. Isto pode ocorrer seja pelo despreparo do leitor, seja pelo ato de excluir o que lhe parece inútil. Daí, a importância de se conhecer as necessidades dos usuários para se fazer de antemão uma seleção prévia, deixando de lado o que não vai ser usado. Mapas sobrecarregados de dados, além de se apresentarem visualmente congestionados, produziram um ruído na comunicação da informação, bloqueando sua revelação ao leitor.

335Por outro lado, a extração de dados por certas técnicas, como a da cartometria e da análise estatística, poderá revelar o conteúdo de novas informações: os mapas em curvas de nível poderão delatar os aspectos do relevo quanto aos gradientes, isto é, as declividades, exposição de suas vertentes ou outras.

336No último estágio, quando se dá a interpretação do conteúdo da informação que o mapa revelou, o principal propósito é gerar a expansão dos conhecimentos sobre a realidade mapeada, a partir das experiências e conhecimentos já acumulados pelo usuário. Estes últimos variam de pessoa a pessoa. Tal fator subjetivo pode explicar diferenças no grau de profundidade e exatidão na interpretação da realidade mapeada (SALICHTCHEV, 1978).

337O papel da semiologia, vista como teoria geral dos signos, é fundamental para se determinar a especificidade de uma linguagem cartográfica. Os trabalhos de BERTIN (1967; 1973; 1977), trouxeram grandes contribuições neste sentido. Junto à classificação dos sistemas de signos, o autor considera que os mapas constituem a parte racional do mundo das imagens. A partir destas considerações, ele estabeleceu os fundamentos para a gramática da linguagem da Representação Gráfica.

338Outros pesquisadores também têm procurado aproximar a cartografia de uma linguagem, avaliando as suas possibilidades semiológicas. Esta seria a linguagem cartográfica para a qual é defendida também a criação de um alfabeto cartográfico acompanhado de uma coerente padronização internacional dos signos (RATAJSKI, 1978; MEINE, 1978).

339Esta aproximação tem encontrado sérias dificuldades apontadas por vários autores. Dentre eles destaca-se RATAJSKI (1978), que discute a principal questão: a cartografia tem uma estrutura bidimensional e não linear, sequencial, como acontece nas linguagens naturais. Essa diferença é mais marcante na sintaxe e parcialmente na pragmática. As maiores analogias aparecem no domínio semântico.

340BRUNET (1988), por sua vez, salienta que a linguagem do mapa não está nos signos e respectiva combinação desses que se utiliza, mas sim nas configurações que ele revela em seu conjunto. O mapa fala pela imagem global e não pela sua legenda, que é apenas um código. Tal imagem expõe as estruturas, os eixos, os arquipélagos, os gradientes, os quais deverão ser analisados. Corresponde à forma de organização do território. Para tanto, o autor defende que é necessário considerar uma semiologia da imagem (do mapa) e não a semiologia dos signos. Assim, critica frontalmente BERTIN (1973), que no seu entendimento, se apega apenas aos detalhes da legenda.

341A teoria dos modelos foi derivada da Cibernética. Foi BOARD (1967) um dos primeiros a considerar o mapa como modelo. Para ele os mapas não são apenas modelos representativos da realidade, mas também modelos conceituais, que contêm a essência de generalizações do mundo real. Neste sentido, os mapas passariam a ser instrumentos analíticos capazes de auxiliar os pesquisadores a observarem o mundo mediante uma visão inteiramente nova revelando-lhes a essência de seu conteúdo.

342Na geografia sistêmica como já foi visto, o positivismo lógico vai fazer do mapa um modelo em busca da ordem no real, uma lógica na organização do espaço. Sendo viável desvendar a ordem do espaço, seria possível entrever como ele tenderá a ser organizado. Assim, passaria a ser factível estimar projeções e elaborar prognósticos, o que aproximaria cada vez mais a geografia da ação do planejamento.

343A cartografia temática passaria a participar deste encadeamento de raciocínios, no momento em que ela é chamada para representar em mapas o modelo de potencial, baseado na teoria gravitacional, o modelo de fluxos, expressando o espaço como um campo de ação de movimentos. Estes dois levariam à comprovação de que fluxos econômicos entre cidades elaboram uma hierarquia urbana, chegando a determinar níveis hierárquicos de cidades e respectivas áreas de influência, possibilitando alcançar, assim a regionalização de cunho polarizada.

344Ao nível de projeções e prognósticos, a cartografia temática elabora os cenários, que dentro dos objetivos do planejamento, consistem basicamente em determinar as características de uma situação desejada, a partir das características já conhecidas de uma dada situação (HILHORST, 1971; MARTINELLI, 1980; LENCIONI, 1997).  

345 Outro autor que ressaltou o aspecto da relação entre a realidade e seu modelo, o mapa, foi GRYGORENKO (1982). Para este pesquisador, como já salientado, o mapa é modelo da realidade - imagem cognitiva da realidade materializada através do mapa cartográfico. Para ele, ainda o sistema de comunicação cartográfica seria um sistema cibernético autônomo que opera em base às informações que nasceram na consciência de quem fez o mapa.  A produção da mensagem cartográfica resulta da transformação do modelo abstrato da realidade (modelo mental que está na cabeça do construtor do mapa) em modelo material, sob forma de concepção gráfica do mapa.

346Ainda no que tange à geografia sistêmica que elabora modelos, deve-se considerar que, nestes, os fenômenos se apresentam como sistemas, onde as relações entre as partes são articuladas por fluxos. Lucubram-se assim, os geossistemas, que na proposição de SOTCHAVA (1972) devem ser estudados através de uma análise integrada - a conexão entre a natureza e a sociedade humana. Deve-se ponderar também, além dos fenômenos essencialmente naturais, aqueles econômicos e sociais, vislumbrando desta maneira a possibilidade de consolidar a unidade  entre a geografia física e humana.

347Esta postura metodológica deu grande impulso aos estudos de geografia física. Na ecologia TANSLEY, em 1935, já vislumbrara a visão sistêmica como método, criando o conceito de ecossistema, constituindo-se, depois, em linha mestra das pesquisas de BERTRAND (1971), SOTCHAVA (1972 e 1977), TRICART (1977) e TRICART e TRICART (2002).

348Estas considerações serão fundamentais no momento em que se pretender traçar as diretrizes para a sistematização de uma cartografia ambiental. A concepção desta cartografia constitui ainda um desafio. Até hoje persiste indefinição para a sua consolidação. Várias tentativas foram feitas nestes últimos vinte anos, tendo como marco inicial as reflexões do Grupo de Trabalho estabelecido pela União Geográfica Internacional sobre “a cartografia do ambiente e de sua dinâmica”. Estas ditaram as bases para uma cartografia integrada envolvendo elementos  essenciais do meio natural (solo, água, vegetação) e da ação humana (passada e presente) (UNESCO, 1985).

349Pode-se, em vista de as propostas para estudos ambientais serem praticamente todas de caráter sistêmico e integrador, já vislumbrar um encaminhamento suficientemente adequado para a sua cartografia. Embora se possam considerar mapas analíticos que abordem todos os componentes ambientais levados em conta de forma conjugada, perfazendo uma cartografia ambiental analítica, será a cartografia ambiental de síntese que terá maior consonância com a citada proposição (MARTINELLI, 1993; MARTINELLI, 1994; PEDROTTI et al., 1997; PEDROTTI e MARTINELLI, 2001).

350Outra posição que abre bastante a visão da cartografia temática é aquela de SALICHTCHEV (1971). Ele chama atenção para seu caráter dualístico. Os seus diferentes ramos temáticos pertencem à ciência cartográfica pelos seus métodos; como também aos vários ramos do saber, pelo seu conteúdo.

351O que deve ser ressaltado de mais importante nesta linha de raciocínio é que a elaboração do modelo cartográfico pode constituir um método cartográfico de pesquisa. Esta posição foi defendida principalmente por SALICHTCHEV (1971) e SALICHTCHEV e BERLIANT (1973). Para eles, os objetivos do método cartográfico de pesquisa são múltiplos: a análise da distribuição espacial, a avaliação das relações entre fenômenos, o estudo da evolução, a previsão dos fenômenos, etc. Tal método teria por base a concepção dos mapas como modelos espaciais da realidade, ao mesmo tempo em que eles operariam como meios de armazenamento e de comunicação das informações espaciais. O método, ainda poderia ser aplicado tanto sobre mapas isolados, como sobre uma série de mapas conjugados. Hoje, os SIG exploram estes raciocínios exaustivamente.

352A metaciência se reporta à metodologia das ciências dedutivas consideradas como teorias formais. Com o avanço de suas pesquisas, vários estudos foram dirigidos também ao domínio das ciências não formais. No campo da cartografia, BUNGE (1962) reivindicava a metacartografia como uma metaciência da teoria da comunicação cartográfica.

353Dentre os esforços para estudar a cartografia como uma ciência, a partir do ponto de vista da teoria do conhecimento, está o trabalho de ROBINSON e PETCHENIK (1976). Para os autores o fator principal do processo cartográfico está no caráter cognitivo, tanto de quem faz como de quem usa o mapa. Portanto, o interesse maior deverá se colocar na maneira pela qual a informação passa do cartógrafo ao usuário. É neste momento que entra em cena a questão do ruído, revelando a importância da Teoria Matemática da Comunicação para a cartografia, de onde se pode emprestar a analogia para linguagem, com o fim de elucidar o processo de comunicação cartográfica. Entretanto, os citados autores chamam atenção para a diferença que existe entre a forma de transmissão do significado via mapa e aquela feita através da linguagem verbal. Concluem que não há nada compatível com a sintaxe na comunicação através da cartografia, pois, enquanto a leitura de texto é linear e sequencial, aquela do mapa não o é; porquanto os dois sistemas de signos diferem substancialmente.

354Para os mesmos autores, ainda, o mapa é visto como uma forma de cognição visual. A percepção e interpretação dos símbolos que estão no mapa não é um simples processo físico, mas sim um procedimento físico e mental bastante complexo. É através dele que o usuário cria para si uma ordenação elaborada a partir do estímulo visual, podendo reconhecer assim arranjos, padrões espaciais, os quais, evidentemente, carregam influências dos conhecimentos já adquiridos pelo leitor. Para os aspectos da percepção visual, os autores buscam apoio no trabalho dos psicólogos, mas alertam que o peso maior deve ser dado aos fatores culturais.

355Baseados em PIAGET e INHELDER (1972), os citados estudiosos chamam atenção para a concepção do espaço, o qual se processa seguindo as etapas do desenvolvimento mental do ser humano, tendo início em tenra idade, passando do espaço perceptivo para aquele representativo. O primeiro se constrói a partir da percepção direta junto aos objetos que estão no espaço, enquanto que o segundo se expressa mediante sua representação, a partir das imagens mentais da experiência perceptiva as quais passam a ser simbolizadas. Assim, analisando as operações mentais que se processam na concepção do espaço, tais autores distinguem as operações lógico-matemáticas e as operações infralógicas. As primeiras, dizem respeito às similaridades e diferenças entre objetos sem levar em conta sua localização no espaço, enquanto que as últimas se reportam à classificação dos objetos no espaço, cristalizando uma ordem geográfica.

356Nestas reflexões pode-se entrever certo esboço das considerações feitas por BERTIN (1973), quando considerou que são três as relações entre objetos a serem representadas: a diversidade, a ordem e a proporcionalidade, além de apontar o mapa como uma rede ordenada na ordem geográfica.

357Com este raciocínio, aqueles mesmos autores ainda sugerem uma base lógica para a classificação dos mapas em topográficos e temáticos, sejam em escala grande ou pequena. Enquanto os mapas topográficos tratam mais da localização, aqueles temáticos se preocupam, mormente com os padrões espaciais exibidas pelas distribuições.

358Na linha da geografia crítica, pode-se considerar uma cartografia também crítica, isto é, uma cartografia que passe do estágio passivo e contemplativo para aquele capaz de revelar a essência dos fenômenos, em busca de propiciar um espaço mais equitativo possível de ser organizado em benefício dos interesses de todos.

359Neste sentido, é necessário mobilizar uma linguagem que possibilite ao mapa se revelar, colocando às claras o conteúdo e o movimento da realidade que cada um vive no seu dia a dia, em prol de uma transformação justa da sociedade.

360Consoante com o citado período técnico-científico e informacional, a cartografia também estaria buscando novas concepções (SANTOS, 1994).

361Com a globalização, se podem esperar amplas expectativas para os trabalhos interdisciplinares direcionados à busca de um melhor entendimento do todo, porquanto hoje em dia há maior possibilidade de se contar com a interdependência da ciência e da técnica em todos os setores da vida social. A cartografia não pode ficar alheia a este movimento.

362A possibilidade de mapeamentos a partir do imageamento sistemático do globo por variados sensores a bordo de satélites ou outras plataformas permitem o registro da simultaneidade, o que constitui um meio importante para o conhecimento do real, do processo permanente de transformação.

363Hoje, mais que nunca é marcante a presença cada vez maior dos movimentos, dinamizando, de forma crescente, os fluxos, proporcionando um maior destaque à vida de relações.

364No uso do território cruzam-se os mais variados circuitos, não só de matéria, mas também daqueles não materiais, como os de capital, de informação, de mensagens, de ordens, os quais encontram na rede urbana seus pontos nodais.

365Neste sentido, entrever-se-ia a necessidade de uma cartografia temática que fosse de encontro a estas novas formas de percepção e postura diante da realidade. Portanto, idealizar-se-iam mapas temáticos representativos dos eventos independentes que acontecem em cada momento em todos os lugares, fazendo parte de um mesmo sistema de relações. Mas só isto não basta. A cartografia temática deveria ter a incumbência de representar o emaranhado de redes, apresentando cruzamentos em diferentes níveis de abordagem, necessitando para tanto, de um raciocínio que levasse em conta um embutir de escalas de abordagem, o que se refletiria nas escalas cartográficas que seriam adotadas pelos mapas a serem elaborados.

366A cartografia de hoje é sem dúvida uma cartografia digital. Mas não basta digitalizar mapas ou produzir mapas digitais. A revolução está no conteúdo do raciocínio que parte de uma concepção de cartografia com base sólida, o que deverá ser passado para a elaboração de softwares adequados.

367Portanto, a cartografia temática não poderá ficar alheia a estas inovações tecnológicas.

368Muito embora os CAD (Computer Aided Design) possam oferecer uma série de boas soluções para a cartografia temática, associando um mínimo de operações prévias de tratamento estatístico dos dados e de opções de representação, hoje em dia existem outros operativos. São os SIG (Sistemas de Informação Geográfica), que fundamentados no geoprocessamento despontam como um arsenal de possibilidades extremamente consistente para trabalhar de uma forma bastante consistente, completa e integradora àquela cartografia na atualidade.

369A história dos SIG começou com o programa de computador para fazer mapas do início dos anos 60, chamado SYMAP, uma espécie de ancestral dos atuais sistemas. Os SIG são sistemas informatizados que compreendem uma base de dados relacionados a um conjunto de pontos, linhas ou áreas geográficas e um software ou mais, para coleta, registro, tratamento, armazenamento, atualização, resgate e apresentação desses dados, bem como sua visualização. Os sistemas incluem também operadores e periféricos, como mesa digitalizadora ou "scanners" para a entrada de mapas-base e dispositivos de saída, como "plotters" para “prints” vetoriais e impressoras para produtos em “raster”.

370Há inúmeras possibilidades que os SIG oferecem como base para as pesquisas. Hoje, tais sistemas oferecem soluções que vão desde a simples construção de um mapa temático ao nível apenas de inventário até visões sobre realidades ou vôos virtuais. Neste ponto é que se poderão dinamizar pesquisas sérias mobilizando sistemas de cartografia inteligente, atendendo à crescente necessidade de um conhecimento consistente sobre a sociedade e seu espaço, seja como produto ou como insumo, nos dias atuais, sem se apegar apenas ao deslumbramento tecnológico.

371Em ambiente de multimídia há possibilidade de interligações com mapas através de explorações estáticas, interativas ou não e até mesmo animadas, interativas ou não, podendo programar, assim, aplicações educacionais no campo da geografia. Os tão propalados “Atlas eletrônicos” ou “Atlas digitais” têm essa pretensão. Começam já a apresentar possibilidades de se atuar ao nível das operações mentais lógicas. Apresentam, assim, enormes possibilidades para o desenvolvimento de multimídias construídos dentro destes parâmetros metodológicos.

372Consolida-se assim o que veio a se chamar para comparecer depois da cartografia digital, de cibercartografia, como já comentado. Sem dúvida alguma, ela poderá convergir para seu campo, junto à exploração da multimídia, não só uma cartografia multidimensional, mas também uma cartografia dinâmica, como foi exposto.

A representação gráfica

As bases da representação gráfica

373Para que haja claro entendimento dos mapas temáticos dentro do contexto teórico metodológico da cartografia para os Atlas, é necessário fazer uma incursão num domínio bem específico, o da REPRESENTAÇÃO GRÁFICA. Este se inclui no domínio da comunicação visual que, por sua vez faz parte da comunicação social.

374A representação gráfica - sistema gráfico de signos - é uma linguagem de comunicação gráficovisual, porém de caráter monossêmico (significado único). Sua especificidade reside essencialmente no fato de estar fundamentalmente vinculada ao âmago das relações que possa se dar entre os significados dos signos, como acontece com a matemática, dispensando completamente qualquer convenção. É o domínio das operações mentais lógicas. Interessa, portanto, se ver instantaneamente as relações que existem entre os significados signos que significam relações entre objetos geográficos, após, evidentemente, ter passado pela legenda onde estão expressas as relações entre os significantes e seus significados. Claro que estas últimas relações constituem a característica básica dos sistemas semiológicos polissêmicos (significados múltiplos). É o que acontece na comunicação visual feita através das imagens da fotografia, do desenho, da pintura, da publicidade, dos grafitos, do grafismo, sejam figurativas ou abstratas.

375ACKERMANN (1957), já há um bom tempo, havia entrevisto os mapas como uma linguagem, afirmando que o homem utiliza quatro maneiras básicas para comunicar-se: pela música, pelas palavras, pelos números e, finalmente, pela que poderíamos chamar representação gráfica. A linguagem da representação gráfica, segundo ele, incluiria os mapas.

376A comunicação por linguagem verbal, por sua vez, também é polissêmica, portanto equívoca. Há limitações pela língua que mobilizamos, na qual as palavras podem ter significados bem diferentes entre as pessoas. Não existe forma certa; há várias possibilidades. Praticamente é uma arte conseguir comunicar uma idéia a outrem. Por outro lado, as palavras da linguagem têm significado completo quando colocadas em seu contexto: haja vista sua sutil função nos trocadilhos e nos duplos sentidos (WURMAN, 1991).

377É, portanto, por este caminho que se iniciará a descartar o rigor das convenções constituídas nas representações temáticas, deixando claro que, no caso da cartografia topográfica elas são estabelecidas intencionalmente.

378A distinção entre estes dois sistemas semiológicos é fundamental para evitar a confusão que persiste no contexto dos mapas. Esta é a causa de bloqueios muito sérios, principalmente aos estudantes do ensino fundamental e médio, junto à disciplina geografia daquele nível, quando se pretende trabalhar com mapas.

379É através deste entendimento que a cartografia temática poderá dar seu grande passo, libertando-se completamente de suas tradições, que a vinculam estreitamente ao mundo da estética, das artes. Este grito há de vir ao romper suas amarras com o aspecto formal das convenções, não obrigatórias neste setor. (MARTINELLI, 1990; 1991; 1998).

380Diante da imagem figurativa, pergunta-se: o que  diz a imagem?

381É um grafismo figurativo. Para cada pessoa, ele conota algo. Há, portanto, ambiguidade.

382Na representação gráfica, entretanto, há somente uma maneira de se dizer visualmente e graficamente, que a indústria "A" emprega quatro vezes mais trabalhadores que a indústria "B". Não há mais ambiguidades (MARTINELLI, 1998).

383A tarefa essencial da Representação Gráfica é a de transcrever as três relações fundamentais - de diversidade (≠), de ordem (O), de proporcionalidade (Q) - entre objetos de interesse do mundo real, por relações visuais de mesma natureza. Portanto, fazer mapas assim, significa que, levados em conta posturas metodológicas coerentes com a ciência que se milita, as modalidades de concepção da realidade que se possa ter do real, se ela for constituída e entendida como feita de relações de diversidade entre objetos, será representada por relações visuais de diversidade. Se vista como organizada por relações de ordem, será exposta sobre o mapa como relações visuais de ordem. Entretanto, quando se deseja representar a realidade como configurada por relações de proporção, o mapa deverá expor graficamente relações visuais de proporção, isto é, a dimensão do signo que representa a quantidade "quatro" deverá ser o quádruplo em superfície daquele que representa a quantidade "um". Dispensam-se as convenções. Concebido assim, o mapa quando submetido a uma atenta leitura confrontando previamente na legenda, não só as relações entre significante e respectivo significado, mas, sobretudo as relações entre significados dos signos adotados na representação, poderão revelar o conteúdo da informação expresso pela cartografia considerada (BERTIN, 1973; 1977; BONIN, 1975; GIMENO, 1980; BORD, 1984; BONIN e BONIN, 1989; MARTINELLI, 1990, 1991, 1998, 2003; BLIN e BORD, 1993).

384Este ponto é básico para que se possa contar com uma cartografia que possibilite transcrever a realidade como ela é pensada e entendida por quem vai realizar o mapa. Este autor, agora, estará liberto das convenções e das tradições podendo assim, estruturar seu raciocínio sobre sua forma de encarar o mundo real encarado como sua realidade. É esta visão, este entendimento, que será transcrito, de forma fidedigna e livre, dando chance a este autor de expor sua linha de raciocínio de forma transparente, através da legenda.

385A representação gráfica se expressa mediante a modulação das duas dimensões do plano (X, Y) - as dimensões horizontal e vertical do plano que se tem para desenhar ou vídeo para se operar uma cartografia digital - e variando visualmente cada elemento bidimensional deste plano. As duas dimensões do plano, mais seis modulações visuais possíveis que cada elemento do plano pode assumir constituem as VARIÁVEIS VISUAIS (BERTIN, 1973; 1977).

386Para se ter absoluta destreza com a aplicação deste sistema semiológico na transcrição gráfica para a redação de mapas temáticos é preciso dominar com clareza e segurança as propriedades perceptivas que as variáveis visuais apresentam diante dos olhos. As propriedades básicas são as seguintes (BERTIN, 1973; 1977):

  • . percepção SELETIVA (≠)

  • - o olho consegue isolar os elementos distintos (cor, tamanho, valor, granulação, forma);

  • . percepção ORDENADA (O)

  • - as categorias se ordenam espontaneamente (valor, tamanho, cores na ordem natural de uma das metades do espectro visível);

  • . percepção QUANTITATIVA (Q)

  • - a relação de proporção é imediata (somente e tão somente o tamanho).

387Outros autores, em datas mais recentes propuseram classificações sintáticas ampliadas. A de MacEACHREN (1995) estabelece doze variáveis visuais, as quais são relacionadas às escalas de mensurações nominal, ordinal ou intervalar e razão, avaliadas em três níveis de eficácia: boa, marginal e precária.

388Dentre as variáveis visuais antes apresentadas, a cor merece uma atenção toda especial. Apesar de seu aspecto sedutor e complexidade, mesmo dispondo de meios informatizados, pode-se verificar um despreparo no emprego correto da cor em mapas. Ela é uma realidade sensorial sempre presente. Sem dúvida alguma, tem grande poder na comunicação visual, além de atuar sobre a emotividade humana.

389No conjunto do espectro eletromagnético, as radiações visíveis, isto é, aquelas sensíveis ao olho humano, têm comprimentos de onda que vão desde 380 até 760 nanômetros. Cada faixa dessas radiações corresponde a uma luz de determinada cor, assim categorizada. DELORME, 1982):

390Cor Comprimento de onda em nanômetros

391Azul-violeta 380-470

392Azul 470-475

393Azul esverdeado 475-480

394Azul-verde 480-485

395Verde azulado 485-495

396Verde 495-535

397Verde amarelado 535-555

398Verde-amarelo 555-565

399Amarelo esverdeado 565-575

400Amarelo 575-580

401Amarelo alaranjado 580-585

402Laranja 585-595

403Vermelho 595-770

404Muitas teorias científicas têm procurado explicar a visão da cor. Destaca-se a de Young-Helmholtz. Segundo ela, o olho humano obteria a sensação da cor mediante a excitação de três tipos de cones retinianos sensíveis às três principais regiões da porção visível do espectro de radiações eletromagnéticas: as regiões do azul-violeta, do verde-azulado e do vermelho-alaranjado.

405Quando há excitação apenas de um cone formam-se alternadamente as cores fundamentais: azul-violeta, verde-azulado e vermelho-alaranjado. Quando há excitação simultânea de dois cones formam-se, alternadamente, as cores primárias: cyan, yellow e magenta.

406Prova-se, também, esta composição através da síntese aditiva. Na experiência de Young, superpõem-se parcialmente três feixes luminosos numa câmara escura. Na superposição total das três luzes coloridas forma-se o branco. Na superposição parcial  do verde-azulado com o vermelho-alaranjado forma-se o amarelo (yellow). Na superposição parcial do azul-violeta com o vermelho-alaranjado aparece o magenta. Finalmente, na superposição parcial do verde-azulado com o azul-violeta defini-se o azul (cyan).

407No raciocínio inverso, isto é, bloqueando-se parcialmente a luz branca com filtros teremos, sobre uma tela branca, a síntese subtrativa. Na superposição total dos três filtros - yellow, magenta, cyan - não há passagem da luz. Aparece o negro. Na superposição parcial do filtro yellow com o filtro magenta se obtém o vermelho-alaranjado. Na superposição parcial do filtro yellow com o filtro cyan se obtém o verde-azulado. Finalmente, na superposição parcial do filtro cyan com o filtro magenta se obtém o azul-violeta.

408Nas sínteses, aditiva e subtrativa, são ditas cores complementares, aquelas que, numa mistura, completam, respectivamente, o branco e o preto. Por exemplo, na síntese aditiva, o magenta é complementar do verde, pois é a luz que falta acrescentar para formar a luz branca; na síntese subtrativa, o magenta é complementar do verde, pois é o filtro que falta para bloquear completamente a luz branca, formando o preto.

409Na percepção das cores devem-se levar em conta três fatores que intervêm conjugadamente. São chamados também de as três dimensões perceptivas das cores.

410O MATIZ é uma nuança cromática na sequência espectral. Ele está associado, portanto, a uma radiação espectral pura. É a cor pura. Corresponde a um comprimento de onda dominante bem definido na faixa do visível.

411A SATURAÇÃO é a quantidade de matiz numa cor. Seria a variação que assume um mesmo matiz, indo desde o neutro absoluto (cinza) até a cor pura espectral. É o grau de pureza da cor.

412O VALOR é a quantidade de energia refletida. Uma série de valores pode ser comparada a uma sequência de cinzas, indo desde o preto até o branco, organizados em equidistâncias perceptivas.

413Estas três dimensões podem ser representadas mediante vários sistemas, onde se situam as amostras das nuanças coloridas. Os mais conhecidos são os de OSTWALD, na Alemanha e de MUNSELL, nos Estados Unidos.

414O sistema de OSTWALD consiste num círculo cromático que segue em montagens sucessivas para cima e para baixo, que se direcionam, num sentido, ao branco e no outro, ao preto.

415O sistema de MUNSELL se apresenta como um sólido - um duplo cone assimétrico -, onde, no eixo vertical aprecia-se a variação de Valor, desde o preto, no ápice inferior, até o branco, no ápice superior. No eixo horizontal avalia-se a Saturação; desde o neutro até a cor pura. No equador distribuem-se as cores puras - os Matizes.

416Lembra-se que o branco, o cinza e o preto são cores neutras, pois não possuem nem saturação nem matiz.

417Na prática das cores é cômodo se dispor de um círculo cromático. Para construí-lo considera-se uma série de pastilhas coloridas segundo a sucessão espectral, de acordo com os citados comprimentos de onda. Na série violeta, azul, verde, amarelo, laranja e vermelho pode-se considerar uma variação contínua de cores intermediárias, nuanças cromáticas diferenciadas pelos seus matizes. Misturando-se os extremos obter-se-á uma sequência de cores púrpura, dando continuidade à série, permitindo fechar este seguimento num círculo.

418Esta mesma série de cores pode ser organizada relacionando-a aos mecanismos naturais da percepção humana, possibilitando estabelecer, agora, o CÍRCULO PSICOMÉTRICO DAS CORES, onde estas estão numa sequência de equidistâncias perceptivas, conforme as pesquisas realizadas por FILLACIER (1986) e sua equipe.

419A partir dele pode-se escolher cores diferenciadas, saltando de um lado para outro no círculo para tomar matizes com forte contraste ou pode-se selecionar cores em ordem visual, das claras às escuras, considerando uma parte ou outra do círculo. Deve-se atentar que as duas partes avançam, a partir do amarelo em duas sequências crescentes de cores, a das quentes e a das frias.

420A combinação entre cores numa composição não é fortuita. Pode-se tentar, intencionalmente, dar idéia de tensão por antagonismos num mesmo campo ou, ao contrário, buscar a sensação de harmonia e quietude.

421Uma combinação é contrastante quando as cores são totalmente diversas entre si, como as opostas sobre o círculo cromático - as complementares.

422Uma combinação é harmônica quando as cores possuem uma parte básica comum a todas, como a escala monocromática ou as cores vizinhas sobre o círculo cromático ou psicométrico.

423É com base nessas considerações teóricas que se pode efetuar modulações corretas da variável visual cor na representação gráfica, em geral e na cartografia temática, em particular.

424É uma variável visual altamente seletiva, portanto ideal para transcrever relações de diversidade entre objetos, principalmente nas ocorrências em área. Por exemplo, as diferentes categorias do uso da terra.

425 Entretanto, hoje em dia, mesmo com a facilidade de manuseio de cores a partir de programas de computador, passa-se a exigir um conhecimento mais profundo e seguro sobre o assunto, ao contrário do que parece. Isto é verdadeiro, devido à estruturação de tais softwares, que trabalham as cores sempre mobilizando concomitantemente suas três dimensões.

426Portanto, a aplicação das cores vistas sempre em suas três dimensões perceptivas (matiz, saturação, valor), deve levar em conta (BERTIN, 1973; LIBAULT, 1975; BERTIN, 1977; BREWER, 1994):

  • As cores puras (saturadas) oferecem a melhor seletividade. Entretanto, devem considerar o valor (brilho) e saturação similar, não igual. Nas representações binárias, aquelas que os atributos ou variáveis formam apenas duas categorias seriam usadas duas cores distintas com pouca diferença de valor.

  • As cores puras (saturadas) não possuem o mesmo valor. De um lado e do outro do amarelo, na sequência espectral, existem sempre duas cores de mesmo valor visual, percebidas mais como semelhantes do que como diferentes. Ademais, nota-se que as cores das extremidades do espectro são escuras, enquanto que as centrais são claras.

  • A percepção dos valores prevalece sobre a percepção dos matizes. Um verde e um vermelho de mesmo valor visual mais parecem semelhantes do que diferentes. Assim sendo, pode-se ordenar, num crescendo, todas as cores do espectro: amarelo, verde claro, laranja, vermelho, azul, violeta. Como consequência pode-se considerar:

  1. A seletividade das cores varia com o valor; para os valores claros, a melhor seletividade é obtida com o verde, o amarelo e o laranja; para os valores escuros ela é resolvida com o vermelho, o azul e o violeta.

  2. Na sequência espectral, as cores criam duas ordens visuais opostas a partir do amarelo, que se encontra no centro: de um lado para matizes frios, em direção aos violetas; de outro, para matizes quentes, em direção aos vermelhos. Assim, a sequência espectral convém para fenômenos que se manifestam como divergências ou oposições, isto é, mediante duas ordens visuais opostas a partir de uma situação intermediária.

    427Entretanto, é bom lembrar que tais ordenações não são tão evidentes e lógicas para a percepção.

    428MONMONIER (1991) cita uma experiência que coloca vários cartões com sete cores diferentes com mesmo valor e saturação. Solicitando a dez pessoas para ordená-los segundo o espectro, teríamos dez resultados diferentes. Umas, as ordenaria do verde ao vermelho. Outras, do azul ao vermelho. Haveria quem também tentasse o arranjo do arco-íris, que seria o mais lógico. Apareceriam também dúvidas quanto a um acordo sobre qual seria a parte de cima e a de baixo do espectro. Assim, a experiência demonstra que não existe uma ordem preestabelecida fácil de ser memorizada dispensando os reiterados retornos à legenda.

    429Por outro lado, é necessário atentar também para a leitura das cores, avaliando a possibilidade de um emprego deliberado ou inconsciente delas na hora da elaboração do mapa. Mesmo que a manipulação não se manifesta, muitas vezes, certas cores podem veicular associações sutis, interferindo na assimilação do conteúdo do mapa.

    • Cores de mesmo valor não se ordenam visualmente, mesmo sendo percebidas como muito pouco saturadas, principalmente entre as escuras ou claras. Não podem representar uma informação ordenada, além de tenderem à confusão.

    • A ordem visual pode ser conseguida também por uma sucessão de valores crescentes ou decrescentes a partir de uma cor saturada de base. Entretanto, o escalonamento dos níveis de valor deve obedecer à lei de Weber-Fechner, a qual estabelece que a correspondência não seja linear, mas sim, logarítmica: "a sensação varia segundo o logaritmo da excitação". (FECHNER, 1860)

    430O correto uso das cores em um mapa é particularmente importante nos dias de hoje, principalmente quando se ingressa no contexto dos mapas animados e interativos, pois o usuário deve atentar para as mudanças de padrões que os mapas exibem, dispondo de pouco tempo para olhar a legenda reiteradas vezes.

    431BREWER (1994; 1997), a partir de um raciocínio paralelo ao de BERTIN (1973; 1977), desenvolve uma orientação mais avançada e completa para o uso das cores em mapas de acordo com as alternativas estipuladas para representações a uma ou duas variáveis. Tal reflexão se destina à aplicação da cor aos mapas coropléticos, isarítmicos e corocromáticos qualitativos e ordenados. Pode ser estendida também aos mapas de pontos de contagem coloridos e de linhas coloridas.

    432A autora estabelece quatro esquemas básicos de cores para os mapas temáticos: aspectos qualitativos, binários, sequencial, ordenado e divergente. Fica claro nesta proposta seu completo desprendimento do componente estético da cor para enaltecer enormemente a sua participação na cartografia como variável visual.

    433Apresenta um quadro que organiza as orientações para a mobilização das características perceptivas, em termos de matiz e valor, que devem ser colocadas em correspondência com as quatro maneiras de conceber as relações entre os objetos, apontadas acima.

    434A partir de tais indicações, a autora organiza um quadro com a esquematização de legendas simplificadas como modelo para os dados organizados nas formas, qualitativa, binária, sequencial e divergente, sejam para uma só variável como também para as respectivas combinações entre duas variáveis.

    435Para o caso de três variáveis, a solução está no arranjo das cores subtrativas primárias que vão se combinando.

    436A mesma autora salienta ainda que os esquemas divergentes, baseados na organização natural das cores espectrais, a do arco-íris, muitas vezes são empregados em mapas temáticos para representar dados ordenados. Porém, não são lógicos. Enquanto os dados se organizam numa única ordem, a transcrição revela duas ordens opostas, como argumentam vários autores, como DENT (1985), Mac. EACHREN (1992), BERTIN (1973) e outros.

    437Entretanto, diante dos resultados de suas pesquisas, BREWER (1997) afirma que os esquemas divergentes para representar uma única ordem de dados tornam os mapas mais compreensíveis para pessoas leigas, bem como, com pequena alteração na região dos verdes, facilitam a discriminação das cores pelos daltônicos.

    438LIBAULT (1975) também chama a atenção para esta mesma adequação dos esquemas espectrais. A exploração da dupla ordem visual divergente tem emprego plausível quando o objetivo do mapa é de destacar a oposição entre os máximos e mínimos dos valores das ocorrências.

    439Em particular, os esquemas divergentes apresentados com duas ordens visuais opostas, encontram várias aplicações na representação de dados quantitativos que progridem em sentidos opostos,  a partir de um ponto central crítico da série. Assim, pode ser empregado para ressaltar desvios acima e abaixo da média, mediana e zero (absoluto ou relativo). Tem grande eficácia na visualização do mapeamento dos resíduos positivos e negativos, gerados a partir da aplicação de um modelo de regressão.

    440Em ambiente interativo, deve-se atentar para que, muitas vezes, a alternância entre uma transcrição por uma ordem visual e uma transcrição por duas ordens visuais opostas para a representação dos mesmos dados pode revelar diferentes aspectos destes e auxiliar na sua investigação.

    441Transcendendo as considerações da cor apenas como uma variável visual, deve-se alertar sobre seu papel de atrair e distrair. No mapa pode constituir uma cilada cartográfica. Entretanto, não se pode negar seu poder de sedução. Uma cor quente tem tendência a se aproximar do espectador, enquanto que uma cor fria se afasta.

    442Hoje com a facilidade dos computadores nota-se, não só um uso despreparado das cores como também até uma sobrecarga. Seu papel decorativo suplanta seu escopo funcional. Por outro lado, entram em cena também as preferências. Para certas cores elas variam de acordo com a cultura, idade e características demográficas. Os homens tendem a preferir o laranja ao amarelo e o azul ao vermelho, enquanto, o contrário se dá com as mulheres. As crianças da pré-escola gostam de cores fortemente saturadas, ao mesmo tempo em que os adultos tendem a escolher, de preferência, cores em tom pastel (MONMONIER, 1993).

    443Cada pessoa reage consciente e inconscientemente às cores. Desde a infância armazena-se no subconsciente muita associação a elas, podendo cada um se manifestar frente às mesmas por gestos, aversões. Entretanto, por contínuas repetições ao longo do viver poder-se-á aceitar certos usos como normais.

    444A sensibilidade humana para as cores manifesta-se desde cedo. Elas desempenham um papel importante nas emoções, podendo tornar-se até símbolos. O dobrado "verde-amarelo" dispensa comentários.

    445O papel psicológico das cores, portanto, é notável. Não faz muito tempo que a humanidade vem usando a cor intensivamente. Antes do século XIX corantes e pigmentos conhecidos eram poucos; por serem de origem orgânica, eram muito caros.

    446A cor sempre fez parte da vida dos homens. A natureza as exibe. Mas na sua evolução, a cor também foi sendo produzida pela própria sociedade.

    447Embora haja sempre uma reação particular e subjetiva do indivíduo à cor, ela sempre adquiriu certos significados nas mais variadas culturas.

    448Sem dúvida alguma, as cores constituem estímulos psicológicos. Assim, elas adquirem significados. Estes vêm desde a antiguidade. O vermelho sempre foi excitante. Ele atrai num primeiro momento para depois repelir. As cores "quentes" e "frias" parecem ter a ver com a sensação de calor e frio. Tais percepções são puramente psicológicas, não implicando, portanto, em nenhuma modificação térmica das pessoas. Há, igualmente, uma verdadeira preferência de cores, que pode variar mais com a idade que com o lugar de vivência dos indivíduos. Neste sentido, numa escala sequencial, o azul estaria em primeiro lugar. Depois viria o vermelho para chegar aos violetas e verdes, tidos até como desagradáveis. O mesmo se pode dizer entre as tonalidades. As claras são preferidas às escuras, sombrias.

    449O papel fisiológico da visão das cores é mais difícil de ser definido, pois se amalgama solidamente aos aspectos psicológicos e até mesmo físicos daquelas. Nesta questão entra em cena o problema da adaptação. O olho sempre se adapta melhor às cores monocromáticas, causando-lhe menos cansaço, do que às cores compósitas.

    450No domínio funcional das cores, hoje, estão presentes as dimensões psicológicas, ao lado de suas características físicas. Estes conhecimentos são largamente mobilizados para a criação de ambientes, seja de trabalho, de residência, de lazer, de compras, ou de tratamentos clínicos. Inserem-se neste contexto os ambientes "acolhedores".  

    451É bem conhecido também o uso racional das cores na sinalização, seja rodoviária, aérea, marítima, pedestre, cicloviária e ferroviária.

    452Entre as cores, desde o aparecimento do homem, estabeleceu-se um simbolismo e uma linguagem. Mesmo a partir das civilizações antigas as cores já tinham seu simbolismo. Na pré-história, o vermelho se atrelava ao mito do fogo e da vida, sendo usado em rituais atrelados aos funerais. Os caldeus coloriam com cores diferentes os andares de seus zigurates. No Egito antigo, o simbolismo das cores era bem evoluído. O vermelho era o fogo e o amor; o verde estava associado à esperança; o azul, ao ar e à sabedoria. A safira, portanto, era o atributo do grande sacerdote. Nas antigas Grécia e Roma também as cores tinham forte significado. Os imperadores usavam a cor púrpura como símbolo de poder, punindo com a morte quem a desrespeitava. Hoje, são os cardeais que a ostentam.

    453A linguagem das cores provinda de seu simbolismo teve e tem sem dúvida alguma, grande importância na heráldica para estabelecer a cor de seus brasões.

    454As cores podem evocar também conceitos diferentes conforme países ou regiões do globo. O azul claro é símbolo da pureza e do infinito para o mundo ocidental, enquanto que o amarelo e o verde têm respectivamente este mesmo significado no Extremo Oriente e nos países islâmicos. As cores que se associam à dor e à morte têm mudado, não só no tempo como também segundo as etnias.

    455Não se pode deixar de lado a participação das cores em seus simbolismos na moda, no folclore. A escolha das cores nacionais não é fruto de fantasias; a história das bandeiras pode comprovar (TUAN, 1980; DÉRIBÉRÉ, 1985; FARINA, 1987; PEDROSA, 1989).

    456A prática racial da cor é outro domínio de forte presença no dia a dia das pessoas. Ela não se dissocia, seja de uma cultura nacional, como também dos preceitos elaborados por um grupo sóciocultural, como foi o caso do Bauhaus. Nesta dimensão da cor entra em cena o colorista, o profissional que terá a tarefa, não limitada apenas a fornecer uma solução para um problema dado, mas sim de analisar a forma em que se coloca tal questão e controlar as motivações que o engendraram. Assim, seu plano de colorir um ambiente se situa entre a liberdade de criação e a aplicação formal das normas que regem este campo de trabalho.

    457Hoje, a prática da cor faz parte também de uma ciência nova - a psicometria. Ela associa a medida científica ao domínio da sensibilidade humana. Em tempos recentes, as pesquisas deste campo têm se direcionado a uma aplicação da informática: já existe um bom número de softwares realizados com base na psicometria. E também nada impede de pensar que, daqui para frente, os conceitos fundamentais da visão das cores tidos até hoje como leis, não sejam recolocadas em questão (FILLACIER, 1986).

    458Na tradição, mormente da cartografia topográfica, as cores estão sacramentadas como símbolos. Através de uma analogia evidente, pode-se constatar que toda a produção de mapas desde a antiguidade usa certas cores mediante uma sistematização de convenções. Nestas, o azul fica reservado para as águas sob forma líquida (rios, oceanos) ou sólida (geleiras), o sépia indica as curvas de nível, o verde se aplica ao uso da terra e vegetação natural, o vermelho é para as áreas urbanas e rodovias.

    459O preto é reservado para os elementos que devem chamar atenção como a toponímia, os símbolos de ocorrências localizadas ou lineares, os símbolos geodésicos, as linhas das coordenadas geográficas e da quadrícula quilométrica, as fronteiras, as linhas de transmissão e ferrovias, bem como as informações gerais externas.

    460No estabelecimento das cores hipsométricas para a representação do relevo em escalas grandes, médias ou pequenas, mesmo nestas duas últimas como representações temáticas, as convenções internacionais foram concordes com as impressões psicológicas do relevo aparente e com o efeito de ofuscamento devido ao véu atmosférico (CUENIN, 1972).

    461Para o caso dos mapas políticos, a aplicação da mesma cor a um país expressa instantaneamente que ele é uma unidade administrativa. Ao aplicar uma ordem visual a partir de uma cor de base a um conjunto de países poder-se-á ressaltar sua homogeneidade administrativa, formando um bloco de certo significado.

    462O uso de cores diferenciadas para países surgiu na era do domínio colonial europeu. Com apenas um golpe de vista podia-se vislumbrar com evidente clareza, a extensão que cada estado europeu submetia, dominava e explorava o resto do mundo.

    463Nos dias de hoje a situação é bem diferente. Os países extra-europeus tornaram-se independentes. Há necessidade, portanto, de colorir os mapas políticos numa outra concepção.

    464 De acordo com PETERS (1992), a partir do progressivo sentimento de identidade entre as populações de cada continente, passou-se a sugerir  de colorir os respectivos estados com uma variação ordenada de valores visuais a partir de um matiz de base. Isto estaria mostrando os agrupamentos de países soberanos que cada continente organiza. Assim, o colorido diferenciado dos planisférios políticos de outrora, que correspondia à necessidade de informação da era da hegemonia européia sobre o mundo, cede lugar a uma imagem deste segundo cores continentais harmoniosamente graduadas.

    465O simbolismo de certas cores na cartografia pode entrar em conflito com o seu papel de metáfora para as paisagens naturais, principalmente no mundo de hoje. É o caso do azul para as águas, a qual existiria só para os ecologistas sonhadores.

    466Um uso não acurado da cor na cartografia pode fazer com que ela se torne uma fonte de erros. Num primeiro momento, deve-se perguntar se a cor está representando uma ordem de intensidade de manifestações ou uma diferença entre seus aspectos. Muitos mapas não atentam para uma coerência lógica junto a este raciocínio.

    467As cores hipsométricas também podem engendrar confusões neste sentido. O branco das altas montanhas pode associa-se à neve. O verde das planícies junto às baixas altitudes pode lembrar a presença de uma densa vegetação, a fertilidade dos terrenos planos ou o ambiente úmido e verdejante presente. O amarelo e o ocre podem sugerir o deserto.

    468Existe ainda a questão do fenômeno ótico dos contrastes simultâneos. Trata-se da tendência em perceber um contraste maior entre cores quando estão justapostas. Assim, um verde médio cercado de outros verdes mais escuros sobre o mapa parecerá mais claro do que o mesmo verde médio colocado na legenda, ao ter por fundo o branco do papel.

    469Por outro lado, uma cor aplicada em grande extensão parecerá mais saturada que a mesma cor disposta numa área restrita sobre o mesmo mapa.  

    470 Tendo assim estruturado o sistema gráfico de signos, um sistema semiológico monossêmico, compete a quem for fazer uma representação gráfica saber aplicá-lo convenientemente. Transgredindo tais fundamentos se estaria comunicando mentiras, falsidades.

    471Tomando por base o sistema gráfico exposto até aqui, pode-se, agora, passar à construção dos mapas temáticos.

    472Fazer um mapa significa explorar sobre o plano bidimensional as correspondências entre todos os elementos de um mesmo componente espacial da informação - as posições ou as unidades observacionais, dadas em coordenadas geográficas. É o componente de localização (BERTIN, 1973; 1977).

    473As duas dimensões (X, Y) do plano identificam a localização do lugar ou área (Longitude e Latitude). Caracterizam a ordem geográfica: a localização de São Paulo não pode ser permutada com a de Presidente Prudente.

    474Mas os mapas podem mostrar algo mais do que apenas a localização do lugar ou área, isto é, de somente capacitá-los para dar resposta à questão “ONDE FICA?”. Pode-se notar que a mídia começou a explorar os mapas por este lado.

    475Entretanto, eles podem dizer muito mais sobre cada lugar ou conjuntos espaciais, caracterizando-os. Este é o domínio dos mapas temáticos.

    476A fim de representar o TEMA, seja no aspecto qualitativo (≠), ordenado (O) ou quantitativo (Q), seja com manifestação em ponto, linha ou em área, tem-se que explorar variações visuais sensíveis com propriedades perceptivas compatíveis. Mobilizar-se-á assim, a terceira dimensão visual do plano.

    477O aspecto qualitativo (≠) responde à questão “O QUE?”, caracterizando relações de diversidade entre os conteúdos dos lugares ou conjuntos espaciais.

    478O aspecto ordenado (O) responde à questão “EM QUE ORDEM?”, caracterizando relações de ordem entre os conteúdos dos lugares ou conjuntos espaciais.

    479O aspecto quantitativo (Q) responde à questão “QUANTO?”, caracterizando relações de proporcionalidade entre os conteúdos dos lugares ou conjuntos espaciais.

    480Deve-se salientar ainda que, as duas dimensões do plano se esgotam para dizer o “ONDE”. Conta-se, portanto, apenas com a variação visual de cada localidade ou área (elementos de superfície do plano) para representar o tema, o que não apresenta nenhuma dificuldade quando se trata de mostrar as modulações seletivas (≠), ordenadas (O) ou proporcionais (Q) de apenas um atributo ou variável. Neste caso, a tabela dos dados, que será o ponto de partida da elaboração do mapa temático, apresenta-se numa única linha.

    481A construção do mapa temático será fácil: a terceira dimensão visual (Z) do plano é mobilizada para mostrar a distribuição espacial de determinado atributo ou variável.  

    482Entretanto, na maioria das vezes, defronta-se com a necessidade de mostrar as modulações de mais de um atributo ou variável.

    483Tradicionalmente, a cartografia temática da geografia que é adotada nos Atlas tem se preocupado em abordar seus temas de estudo de forma exaustiva, achando que esta maneira de representá-los seria condizente com o processo de apreensão do real concreto. Resultam, assim, os clássicos mapas, aqueles ditos erroneamente de “síntese”, carregados de signos de toda espécie, até mesmo de símbolos que a sociedade elabora, exigindo do leitor enormes esforços para desmembrar a imagem que cada fenômeno constrói. Esta postura metodológica conserva ainda hoje adeptos convictos.

    484Esta forma de fazer mapas acaba fazendo crer que tal atividade se resume em apenas criar um enorme arquivo de signos, quase sempre confundidos com símbolos, para legendas que os decodificam. Concebidos assim, os mapas estariam se arriscando de permanecer à margem do processo de entendimento do mundo real. São apenas registros exaustivos, sem reflexão metodológica, tal como era feito no alvorecer dos mapas.

    485A cartografia continua persistindo nesta elaboração: a de criar um código formalizado como já adiantado oportunamente.

    486Nesta situação - o da maioria dos mapas temáticos, como foi visto - a terceira dimensão visual (Z) do plano não permite separar os atributos ou variáveis. Ter-se-á que optar por:

    487- uma SUPERPOSIÇÃO. É a solução exaustiva, aquela que superpõe vários atributos ou variáveis sobre um mesmo mapa. A grande maioria dos mapas temáticos é resolvida desta maneira. Pretendem esgotar o assunto que se propõem a representar. Entretanto, não fornecem resposta visual instantânea às questões de conjunto, geralmente as mais solicitadas pelos usuários: “Onde está tal atributo ou tal variável?” Respondem apenas as questões ao nível elementar: “O que há em tal lugar?”.

    488- uma COLEÇÃO DE MAPAS. Confecciona-se um mapa para cada atributo ou variável. É a solução ideal para se obter resposta visual instantânea de conjunto, evidentemente fornecendo também respostas ao nível elementar.                                                                

    489Pode-se, entretanto, idealizar uma solução intermediária, considerando uma legenda por coleção de mapas. A cada rubrica desta associa-se um pequeno mapa, reportando o registro da respectiva ocorrência. Este artifício gráficovisual preconizado por BERTIN (1973; 1977) e seus colaboradores permitirá ao usuário a leitura, seja ao nível de conjunto, o que ele faria com o auxílio dos pequenos mapas, seja ao nível elementar, o que ele empreenderia mediante o exame exaustivo do mapa de superposição. A fotografia do respectivo argumento do significado do signo, associada a cada rubrica da legenda, já organizada em coleção de mapas das ocorrências individuais, pode propiciar um maior alcance na compreensão do mapa (UNESCO, 1985).

    A sistematização de uma metodologia para a representação gráfica em Atlas

    490A sistematização de uma metodologia para a representação gráfica na cartografia temática se consolidou ao longo do século XIX, como já foi visto. No fim deste mesmo século encontra grande aplicação nos Atlas.

    491Vista a grande vantagem, avaliada pelos autores da época, de se poderem empreender representações gráficas para mostrar temas e a consequente profusão de mapas delas resultantes, deu-se início a um contínuo projeto para discipliná-las.

    492Assim, esboçaram-se classificações de formas de representação gráfica, conduzindo-as a tipos bem definidos. Na época, esta organização por conta das representações temáticas se confundia com os diagramas, reunindo tanto mapas como gráficos.

    493CHEYSSON (1878) ressaltava que a primeira etapa para o estabelecimento de uma gramática gráfica seria a classificação. Foi por ocasião do Terceiro Congresso Internacional de Estatística sediado em Viena, em 1857, como já apontado, que se propõe uma primeira classificação dos métodos de representação gráfica lucubrados durante o século.

    494No quadro sinótico desses métodos apresentado no evento, verificava-se que as soluções às questões colocadas podiam ser feitas por gráficos ou mapas, mostrando que a cartografia temática estava ainda situada entre uma cartografia topográfica em transformação e uma estatística gráfica já bem sistematizada.

    495Pode-se constatar ainda, que no citado quadro, os fenômenos susceptíveis de uma representação gráfica obedeciam às categorias do saber, isto é, ao objeto (natureza, existência, propriedade - o “O QUE?”), à quantidade (intensidade, potência - “QUANTO?”), ao espaço (localização, extensão - o “ONDE?”) ou ao tempo (modificação, variação, movimento - o “QUANDO?”). Nada mais são as mesmas que hoje são consideradas como básicas para a organização do raciocínio dentro das preocupações metodológicas da cartografia temática hodierna, mesmo esbarrando atualmente em certas críticas quanto à divisão dos ramos do saber.

    496Por outro lado, notava-se a omissão do método isarítmico, dos pontos de contagem e dos fluxos. (Quantidades em movimento).

    497Foi na Alemanha, com MAYR, que se deu novo impulso teórico à questão. Este autor organizou os métodos de estatística gráfica tomando por base a distinção entre diagrama e cartograma. O diagrama seria a expressão geométrica dos dados estatísticos, enquanto que o cartograma elaboraria a representação das estatísticas em relação ao mapa dos territórios. Percebe-se claramente, aqui, que o conteúdo do mapa não ia muito além do território (MAYR, 1874).

    498Entretanto, estes dois ramos do método gráfico, segundo BLOCK (1878), não podiam ser reciprocamente exclusivos: sabe-se que um mesmo tema pode mobilizar as duas modalidades de exploração do plano: (gráfico/mapa).

    499Resta ainda avaliar onde se incluiriam os “cartogramas retangulares” e as “anamorfoses cartográficas”, elaborações que compareceram no século XX, inicialmente produzidas para fins didáticos (RIMBERT, 1990).

    500As classificações baseadas no conteúdo a ser transcrito podem considerar: a representação de números isolados sem relações entre eles; a representação de relações mútuas entre dois elementos variáveis; e por fim, a representação de três elementos variáveis, constituindo assim, três classes (VAUTHIER, 1890).

    501Este progressivo estabelecimento de classificações em busca de uma maior adequação da imagem à informação vai se dirigindo para uma reflexão semiológica mais consistente, tornando aquelas cada vez mais, ao mesmo tempo, regra e gramática gráfica (PALSKY, 1996).

    502VAUTHIER (1890), já na época, ressaltava um fato extremamente importante para encarar a representação gráfica de forma diferente. Ele já se afastava das considerações sobre a questão do “gosto artístico” e apontava que a escolha do método de representação deveria fornecer resposta apropriada a um problema de informação a ser comunicado. Talvez já fosse uma ansiedade na busca de um sistema semiológico monossêmico.

    503Em seu tratado de estatística, BERTILLION (1896) já mostrava uma preocupação metodológica em tal direção. Apresentava duas maneiras de mapear a população estrangeira em Paris, discutindo as respectivas vantagens e desvantagens. Numa delas, fez um mapa coroplético para a proporção de estrangeiros por 1.000 habitantes ao nível de bairro. Chamava atenção para o fato de o valor relativo elaborado expressar apenas uma quantidade por unidade de observação, podendo esconder por trás de valores similares quantidades absolutas muito díspares. Neste sentido, julgava melhor adotar outro método. Estabeleceu para cada bairro um retângulo, onde a base era proporcional à população absoluta, e a altura proporcional à frequência de estrangeiros por 1.000 habitantes. Assim, o impacto visual da superfície do retângulo, externo ao impacto das duas dimensões da base cartográfica, seria proporcional ao número absoluto de estrangeiros, além da variação de forma adquirir significado: os retângulos altos e estreitos indicavam alta proporção e pequeno número absoluto, os retângulos baixos e largos mostravam proporção baixa, mas quantidade absoluta considerável.

    504Embora parecesse esquecido este método foi retomado e trabalhado por LIBAULT (1970) ao elaborar o Atlas do Estado de São Paulo, nos mapas referentes às indústrias: a área do retângulo é proporcional ao valor da produção municipal; o comprimento, proporcional ao pessoal ocupado e a altura proporcional ao valor de produção por pessoa ocupada. Ao se examinar o mapa fica patente, não só onde se encontram os municípios de maior valor da produção, como também, dentre estes, quais são os de maior produtividade. Assim, por exemplo, na época, Cubatão apresentava na indústria química uma produção um pouco maior que Santo André, porém, com uma produtividade elevadíssima denotando assim, já uma possível presença efetiva de tecnologias específicas mais avançadas.

    505Fruto de uma grande variedade de propostas para a classificação dos métodos de representação gráfica começou a surgir, ainda no fim do século XIX, maiores preocupações com uma unificação de tais métodos, buscando ditar as regras de construção gráfica.

    506Mas, discussões e mais discussões de especialistas sobre o assunto levaram a concluir, já no início do século XX, que a uniformização completa seria difícil. Eles sempre buscaram uma uniformização que tomaria por base convenções estáveis e rigidamente formuladas. Chegam assim à conclusão que a “escrita” da representação gráfica deveria resultar de convenções rigorosas. Muito embora a busca desta unificação dos métodos não chegasse a grandes resultados, não se podem descartar algumas investidas no plano semiológico (PALSKY, 1996).

    507Por exemplo, a “codificação” dos mapas coropléticos levantou duas questões: como dividir a série estatística a representar e como construir a gama de cores? É uma questão ainda atual. Autores hodiernos continuam abordando o assunto que parece não se fechar. Entretanto, na época, estabeleciam-se apenas regras rígidas, como se a relação entre ordem visual e ordem das classes selecionadas dos agrupamentos fosse uma convenção. Sobre a formação das classes debatia-se adotar agrupamentos naturais ou artificiais determinados matematicamente.

    508Esta discussão perdura até os dias atuais, quando se disponibiliza um bom número de métodos para a discretização das séries estatísticas. Mas a decisão esbarra sempre em limitações, sejam de ordem lógica - a definição do número de classes - de ordem técnica - cores ou níveis dos valores visuais destas em número tecnicamente possível. Além dessas,  comparecem aquelas de ordem visual - número de valores visuais numa sequência ordenada discerníveis pelo leitor - tonalidades arranjadas em equidistância perceptiva ideal (FILLACIER, 1986; CAUVIN et al., 1987; PALSKY, 1996).

    509A definição da escala de cores também suscita debates. Apontam-se três procedimentos: a ordem visual das tonalidades de uma mesma cor, as nuanças ordenadas de duas cores, e as cores diferentes, evidentemente que organizadas em ordem de seus valores visuais intrínsecos.

    510A monocromia é a solução que predominava nesta época, por ser a mais econômica. A opção pela sua escolha revelava também, já certa preocupação em direção a uma lógica semiológica: tratava-se de mostrar fatos que variavam de lugar para lugar em escala crescente de intensidades, portanto, convindo de representá-los por tonalidades ordenadas de uma mesma cor (LEVASSEUR, 1885).

    511Entretanto, se o acordo foi fácil pela opção da escala monocromática, o mesmo não foi possível para a definição do número de classes. Sugeriram-se entre 6 a 7, mas não foi possível regulamentação.

    512Embora a solução monocromática tivesse tido grande aceitação, críticas apareceram no tocante à questão de se mascarar através dela, a média da série estatística. Após várias propostas, aceitou-se aquela de BERTILLON (1877), que aconselhava a bicromia com ordens visuais opostas, a partir da média. Entretanto, sabe-se que o leitor fará confusão e espontaneamente tentará ver apenas uma ordem visual como alerta BERTIN (1973).

    513O uso de cores diferentes para representar variáveis agrupadas em classes fora visto como inadequado. Demandaria alto custo mental para o leitor, porquanto a memória tem que se lembrar a todo o momento da convenção adotada, necessitando de se recorrer à legenda muitas vezes, de forma reiterada.

    514Foi para ajudar a memória em se lembrar das cores convencionais que VAUTHIER (1878) sugeriu uma escala de cores para mapas isopléticos inspirada nos aspectos naturais do relevo. Assim, para os altos valores do fenômeno, ele colocou o branco associado às neves eternas; para os valores que estão logo abaixo, indicou o verde, que evoca as florestas temperadas, depois, escolheu o amarelo que é relativo às culturas cerealíferas de planície e por fim, para os valores mínimos apontou o azul das águas. Apesar de a idéia ter sido genial, pouco acrescentou à eficácia da leitura dos mapas. Continuou-se a estabelecer convenções.

    515Paralelamente às questões do desejo de se normalizar a linguagem dos mapas, estabelecendo regras para as gamas coloridas e para a definição das classes, cresceu cada vez mais uma preocupação com as questões de legibilidade. Começou assim, a substituição do inventário exaustivo, com a acumulação extremada de signos, por uma espoliação e maior simplificação destes, como aqueles construídos em base geométrica, evitando os signos iconográficos.

    516Como já dito, LEVASSEUR (1885), proclamou com grande ênfase que existiria uma única regra: a clareza. Assim, começou a se esboçar a busca por uma orientação metodológica para a construção de mapas temáticos que permitissem fácil apreensão de seu conteúdo, com consciente conhecimento dos níveis de leitura que eles pudessem oferecer. Não bastava a certeza apenas da percepção elementar - cada signo, isoladamente - dever-se-ia atingir prioritariamente a leitura ao nível de conjunto.

    517Apareceu então, já bem clara, esta nova tendência, a de se privilegiar a imagem em detrimento da figuração, confirmando assim, a necessidade de uma sintaxe gráfica para o sucesso da completa apreensão do conteúdo do mapa pela vista, o que será defendido, na década de 1960 por BERTIN (1973; 1967).

    518Ao entrar no século XX pode-se ter uma noção clara do que vem a ser a proposta da cartografia temática através das palavras de WHITFIELD (1994): “No século XX, técnicas científicas sofisticadas têm, paradoxalmente diluído bastante o simples ideal de objetividade, diante da diversidade de conceitos. Mapeamentos temáticos têm se aprimorado a mostrar radicalmente o invisível: vastas estruturas geológicas sob a superfície terrestre, a forma dos continentes milhares de anos atrás, o subsolo oceânico - em todos esses casos, a imaginação científica tem construído imagens do mundo que o olho humano jamais veria, embora elas pudessem ser objetivamente verdadeiras”. Nota-se claramente aqui, a passagem da proposta do registro da simples objetividade para uma lucubração mais elaborada do conhecimento sistematizado que os vários ramos científicos fizeram acerca das facetas da realidade concreta. Foi exatamente aqui que residiu a nova proposta da cartografia para aquela virada de século...

    519Tomando as contribuições metodológicas deste novo século, pode-se ver que foi principalmente a partir da década de 1950 que se contaria com uma maior profusão de obras específicas sobre a cartografia temática. Entretanto, os autores não deixam clara a organização metodológica do desenvolvimento deste ramo da cartografia.

    520O mestre LIBAULT em sua La cartographie,  1a edição de 1962, não estruturou sua obra pelos métodos de representação. Estes aparecem conforme os tipos de mapas que ele comenta os solicitem.

    521Já a obra de RIMBERT (1964) parece que inclui no campo da cartografia tanto mapas como gráficos. Embora com uma boa introdução à questão metodológica, tanto da geografia como da cartografia, (capítulos. I, II, II), a autora considera, a parte, aquela da cartografia temática, envolvendo a questão da representação de fenômenos geográficos em seus aspectos, qualitativo, quantitativo e evolutivo. Dá um grande passo ao distinguir dois grandes grupos de mapas temáticos: os analíticos e os de síntese. Os métodos de representação se resumem em: as curvas, as áreas coloridas e os símbolos. Sem dúvida alguma, já era um esboço de lucubração metodológica de considerável peso.

    522Foi na década de 1960 que apareceu uma obra com uma proposta totalmente revolucionária. Era a “Sémioloque graphique” de BERTIN (1967). Consolidou-se a partir de uma série de experimentos e reflexões feitas desde 1957 no Laboratoire de cartographie da École Pratique des Hautes Études en Sciences Sociales de Paris.

    523Muita confusão persiste, ainda hoje, em torno de sua proposta, como, por exemplo, o fato de se considerar a semiologia gráfica como um sinônimo de cartografia, ou até mesmo, de método cartográfico.

    524BERTIN (1967) propõe uma visão da construção dos mapas, gráficos e redes (organogramas, fluxogramas, cronogramas e dendrogramas) como pertencendo a um mundo de imagens, bem distinto daquelas ditas polissêmicas. Ele estabelece a sintaxe da linguagem da representação gráfica, concretizando assim, sua semiologia. No que tange aos mapas, vistos como redes ordenadas, ele os desenvolve estruturando-os em mapas a uma componente, a duas componentes, e a mais de três componentes. Em todos estes haveria um desdobramento de tratamento para aqueles que cuidam das diversidades, das ordens e das proporções. Nestas últimas, destacou a representação por distribuição regular de círculos de tamanho crescente, de sua invenção, e por curvas de igualdade, as isarítmas. Ressaltou, ainda, dentro deste mesmo item, as representações estereográficas - os blocos-diagrama, - provando não serem mapas.

    525Quem deu um grande avanço na estruturação metodológica da cartografia temática foi CUENIN (1972). Fica claro no capítulo Cartographie théorique de seu livro de Cartographie générale (Tome 1) a lucubração metodológica em torno dos sistemas de representação.

    526Ele diz que a escolha do método de representação deve ser condicionada pela natureza do fenômeno, pela característica de seus componentes qualitativos, bem como quantitativos, ordenados ou não, de sua ocorrência, em ponto, em linha, em área, de sua distribuição localizada ou dispersa no espaço, com ou sem continuidade. Enfim, a representação pode ser ainda, estática no espaço e no tempo, além de dinâmica, expressando-se por variações no tempo, além de movimentos no espaço.

    527Tal autor consegue assim, dar de forma concisa, a mais abrangente configuração metodológica para a citada cartografia.

    528Para tanto considera:

    • 1. Sistemas de representações tipológicas

    • 2. Sistemas de representações quantitativas

    • . pontos de superfície constante

    • . signos de superfície variável

    • . diagramas localizados (Cartodiagramas)

    • . áreas diferenciadas por valores visuais variáveis

    • . isarítmas

    • 3.Sistemas de representações dinâmicas

    529O professor LIBAULT (1975), por sua vez, ainda no Brasil, em seu compêndio Geocartografia, estabeleceu uma organização de métodos de representação voltada para a transcrição gráfica de fenômenos subjetivos e de fenômenos estatísticos:

    530Neste sentido, considerou:

    • 1. Cartas de localização

    • 2. Método corocromático

    • 3. Cartas corocromáticas quantitativas

    • 4. Cartas corocromáticas complexas

    • 5. Representação dos valores absolutos

    • 6. Distribuição dos pontos de contagem

    • 7. Métodos isarítmicos

    • 8. Cartas dos movimentos

    531ROBINSON e SALE (1969), na 3a edição de seu livro: Elements of cartography, elaborava uma estrutura metodológica para a cartografia que, no seu entender, organizaria a base conceitual para o simbolismo cartográfico.

    532Nota-se que, embora estes dois autores tenham proposto uma excelente organização do raciocínio em prol do desenvolvimento de uma metodologia para cartografia temática, quase arriscando uma boa estruturação dirigida para uma sintaxe da tal linguagem cartográfica, ficaram ainda presos à tradição dos símbolos cartográficos. Eles consideravam o mapa como um sistema de codificação de informações, e não um meio de comunicação visual com linguagem cuja sintaxe seria completamente liberta de todo e qualquer código elaborado ao longo dos tempos, carregando tradições e convenções, na busca de uma segura padronização.

    533No compêndio de 1969, os dois autores acima citados, apresentaram a organização dos “símbolos” para representar ocorrências pontuais, lineares e zonais, para a apreciação dos fenômenos em escala nominal, ordinal e intervalar ou na combinação delas, esboçando uma exploração de variáveis visuais, porém ficando apenas com três: forma, cor e tamanho.

    534Em data mais recente, BÉGUIN e PUMAIN (1994) apresentam uma organização dos modos de representação cartográfica para dados qualitativos (nominais, ordinais) e quantitativos (escala intervalar e razão) referentes a manifestações em ponto, linha e em área, em forma de quadro. É interessante notar que os métodos coroplético e isarítmico, tradicionalmente concebidos como de representações quantitativas, estão enquadrados no grupo das expressões cartográficas ordenadas, postura correta porquanto a ordem visual é incoerente para a transcrição de dados em escala razão.

    535Embora se possa enaltecer que BERTIN e seus colaboradores tenham sido extremamente originais, abrindo uma nova visão sobre a cartografia temática, completamente libertada das amarras das convenções, outros autores, em épocas anteriores, também arriscaram algumas incursões neste domínio, sem, entretanto, concretizar um paradigma.

    536Considera-se pertinente ser partidário desta postura metodológica, porquanto dá liberdade absoluta de se trabalhar a cartografia temática mais próxima do nível das operações lógicas mentais do que ficar apenas preso às suas questões semânticas.

    537Assume-se partir do legado deixado pela história do conhecimento cartográfico, pelas contribuições trazidas via informática e por parte da ciência da computação, uma proposta de orientação metodológica para a Cartografia Temática. Esta teria uma estrutura lastreada na tese em que os mapas temáticos podem ser construídos levando-se em conta métodos apropriados. Dentre estes, o método a ser indicado seria aquele adequado às características e às formas de manifestação (em pontos, em linhas, em áreas) dos fenômenos considerados em cada tema, seja na abordagem qualitativa, ordenada ou quantitativa. Pode-se empreender também uma apreciação sob o ponto de vista estático, constituindo a cartografia estática; ou dinâmico, estruturando a cartografia dinâmica. Salienta-se ainda, que os fenômenos que compõem a realidade a ser representada em mapa podem ser vislumbrados dentro de dois níveis de raciocínio, de análise e de síntese. Neste sentido tem-se, de um lado uma cartografia analítica – abordagem dos temas em mapas analíticos, atentando para seus elementos constitutivos, mesmo que cheguem à exaustão, através de justaposições ou superposições. E de outro, uma cartografia de síntese – abordagem temática em mapas de síntese, tendo em vista a fusão dos seus elementos constitutivos em “tipos”. Por fim, depois de prontos, os mapas podem propiciar, em termos de apreensão de seu conteúdo, ou uma leitura em nível elementar ou uma visão de conjunto  (RIMBERT, 1968; MARTINELLI, 2003).

    538Estrutura metodológica da cartografia temática

    5391. Formas de manifestação dos fenômenos

    540- Ponto

    541- Linha

    542- Área

    5432. Apreciação e abordagem dos fenômenos com seus métodos de representação

    544- apreciação estática

    545- representações qualitativas (método corocromático qualitativo)

    546- representações ordenadas (método corocromático ordenado)

    547- representações quantitativas (método das figuras geométricas proporcionais, método dos pontos de contagem, método coroplético e método isarítmico)

    548- apreciação dinâmica (pode-se incluir a Animação)

    549- representações das variações no tempo (método das figuras geométricas proporcionais e método coroplético)

    550- representações dos movimentos no espaço (método dos fluxos)

    5513. Nível de raciocínio

    552- representações analíticas: representação dos elementos constitutivos – lugares ou áreas caracterizadas por atributos ou variáveis (qualitativos, ordenados, quantitativos)

    553- representações de síntese: representação da fusão dos elementos constitutivos em “tipos” – agrupamentos de lugares ou áreas caracterizadas por agrupamentos de atributos ou variáveis (qualitativos, ordenados, quantitativos)

    5544. Nível de apreensão do conteúdo

    555- mapa exaustivo: todos os atributos ou variáveis sobre o mesmo mapa – leitura em nível elementar (só responde à questão - “O que há em tal lugar?”)

    556- coleção de mapas: um mapa por atributo ou variável – visão de conjunto (responde a todas as questões, inclusive a – “Onde está tal atributo ou variável?” “Como é sua geografia?”)

    557CAUVIN (1998), baseada em pesquisas e testes de sua lavra, feitos durante as décadas de 1980 e 1990, na Université Louis Pasteur de Strasbourg (F), associados a uma larga experiência didática, propõe uma reflexão metodológica que ultrapassa as concepções elaboradas até então. Similarmente à proposta de BERTIN (1973) frisava que não basta apenas colocar em evidência o que é observável, o que é feito mobilizando uma correta gramática gráfica, é necessário conceber mapas como meios capazes de revelar, de fazer emergir as estruturas dissimuladas. Para tanto, num primeiro momento é necessário vislumbrar construções elaboradas, produzindo assim, mapas temáticos comparáveis, reproduzíveis e interpretáveis, congregando para tanto, não só a estatística e o modelismo matemático, como também, com mais propriedade nos dias de hoje, os sistemas de informação geográfica. Neste sentido, dentro de um roteiro científico experimental, os mapas temáticos deveriam ser passíveis de verificação, em termos de aceitação ou refutação diante de hipóteses, quando possíveis, formuladas dentro de uma postura teórico-metodológica tomada a partir da problematização do tema escolhido. Esta linha de pensamento veio de encontro com a firme proposição feita ao Congresso de Viena, em 1975, quando se reconhecia a cartografia como CIÊNCIA autônoma (KRESTCHMER, 1977

    558Assim, segundo CAUVIN (1998), os mapas temáticos deverão compreender duas grandes facetas na sua elaboração: a primeira, propondo uma construção de base passível de experimentações e/ou demonstrações; a segunda, permitindo sua comunicação, apoiando-se, agora sim, nos ditames da gramática da linguagem da representação gráfica. Esta reflexão pode ser esquematizada pela disposição das etapas do raciocínio cartográfico.

    559Entretanto, para se entender claramente esta lucubração necessitar-se-ia de retomar, junto à estruturação metodológica da autora para a cartografia temática, a etapa da escolha dos métodos de representação. Eles estarão vinculados aos componentes (X Y, Z) do mapa (manifestações em pontos, em linhas, em áreas, fenômenos discretos ou contínuos, etc.), à resolução dimensional dos atributos (Z) (duas ou três dimensões) e ao tipo de correspondências entre as observações (Z) e as referências de loalização (X, Y) (sistema de transferência, de superfície ou de anamorfose). Este raciocínio é ilustrado mediante um quadro elaborado pela citada pesquisadora. Hoje, os SIG já estão preparados para fazer estes relacionamentos, resolvendo-os praticamente em tempo real (CAUVIN, 1998).  

    5601 Este texto é baseado no relatório para o CNPq, em conclusão da bolsa em produtividade em pesquisa, categoria/nível-2C. Vigência: 1/03/00 a 28/02/02, Processo 303213/87-6.

    Haut de page

    Bibliographie

    Des DOI sont automatiquement ajoutés aux références par Bilbo, l'outil d'annotation bibliographique d'OpenEdition.
    Les utilisateurs des institutions qui sont abonnées à un des programmes freemium d'OpenEdition peuvent télécharger les références bibliographiques pour lequelles Bilbo a trouvé un DOI.
    Format
    APA
    MLA
    Chicago
    Le service d'export bibliographique est disponible aux institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
    Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : contact@openedition.org

    André, Y. et alli., 1989, Représenter l’espace. L’imaginaire spatial à l’école. Anthropos,  Paris.  

    Anson, R. W. e Ormeling, F. J. (ed.), 1993, Basic cartography for students and technicians, 4 vol., Elsevier Applied Science Publishers, Londres.

    Arnberger, E., 1977, Thematische Kartographie.Georg Westermann, Braunschweig.

    Béguin, M. e Pumain, D., 1994, La représentation des données géographiques. Statistique et cartographie. Armand Colin, Paris.

    Bertin , J., 1957, Éléments d’une grammaire du langage graphique, École Estienne, Paris.

    Format
    APA
    MLA
    Chicago
    Le service d'export bibliographique est disponible aux institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
    Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : contact@openedition.org

    Bertin, J., 1967 (1ª ed); 1973 (2ª ed.), Sémiologie graphique: les diagrammes, les réseaux, les cartes. Mouton, Gauthier-Villars, Paris.
    DOI : 10.2307/2286122

    Bertin, J., 1977, La graphique et le traitement, graphique de l’information, Flammarion, Paris.

    Black, J.  Maps and politics. Londres, Reaktion Books Ltd., 1997.

    Bonin, S. e Bonin, M., 1989, La graphique dans la presse. Informer avec des cartes et des diagrammes, CFPJ,  Paris.

    Bonin, S., 1975, Initiation à la graphique. ÉPI, Paris.

    Brunet, R., 1967, Le croquis de géographie regionale et économique. SEDES, Paris.

    Brunet, R., 1987, La carte mode d’emploi. Fayard/Reclus, Paris.

    Claval, P. e Wieber, J.C., 1969, La cartographie thématique comme méthode de recherche. Les Belles Lettres, Paris.

    Clutton, A., 1983, “On the nature of thematic maps and their history”, The Map Collector, (22): 42-43.

    Conti, J. B. A geografia física e as relações sociedade/natureza no mundo tropical. São Paulo, Humanitas, 1997.

    Cuenin, R., 1972,  Cartographie générale (tome 1), Eyrolles, Paris.

    Dent, B. D., 1985, Principles of thematic map design. Addison - Wesley Publishing Company, California.                                                                                                                                                                                       Departamento Estadual de Geografia e Cartografia de Santa Catarina. Atlas geográfico de Santa Catarina, Florianópolis, DEGCSC, 1959.

    Ferreira, M. C., 1997, “Mapeamento de unidades de paisagem em sistemas de informação geográfica: alguns pressupostos”. Geografia, 22(1):23-35.

    George, P. Les hommes sur la terre. Paris, Éditions Saghers, 1989.

    Gould, P. e Bailly, A., 1995, Le pouvoir des cartes. Brian Harley et la cartographie. Anthropos, Paris.

    Harley, J.B. “Maps, knowledge and power” In: Cosgrove, D. e Daniels, S., 1988, The iconography of landscape: essays on the symbolic representation, design and use of past environments. Cambridge University Press, New York.

    Format
    APA
    MLA
    Chicago
    Le service d'export bibliographique est disponible aux institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
    Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : contact@openedition.org

    Harley, J. B. “Innovation, social context and the history of cartography”. Cartographica, 24(4): 59-68, 1987.
    DOI : 10.3138/HM75-5026-3430-686T

    Harley, J.B. e Zandvliet, K., 1992, “Art, science and power in sixteenth century Dutch cartography”. Cartographica, 29(2): 10-19.

    Format
    APA
    MLA
    Chicago
    Le service d'export bibliographique est disponible aux institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
    Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : contact@openedition.org

    Imhof, E., 1972, Tematische Kartographie. Groyter, Berlim.
    DOI : 10.1515/9783110826111

    Joly, F., 1976, La cartographie. PUF, Paris,

    Kish, G., 1980, La Carte, image des civilisations. SEUIL, Paris.

    Konvitz, J., 1980, “Remplir la carte”, In: Cartes et figures de la terre. L’édition Artistique, p.304-315.

    Lacoste Y., 1976, La géographie, ça sert, d’abord, à faire la guerre. Maspero, Paris.

    Lawrence, G. R. P, 1979, Cartographic methods. Methuen, Londres.

    Libault, A. 1960. Histoire de la cartographie. Chaix, Paris.

    Libault, A. 1966. La cartographie. PUF, Paris.

    Libault, A., 1975, Geocartografia. Nacional/USP, São Paulo.

    Mac. Eachren, A. M. e Taylor, D. R. F. (ed.), 1994, Visualization in modern cartography.  Elsevier, Oxford.

    Mac. Eachren, A. M., 1995, How maps work, representation, visualization and design. The Guiford Press, New York.

    Martinelli, M. 2003, Cartografia temática: caderno de mapas. EDUSP, São Paulo.

    Martinelli, M., 1991, Curso de cartografia temática.  Contexto, São Paulo.

    Martinelli, M., 1998, Mapas e gráficos: construa-os você mesmo. Editora Moderna, São Paulo.

    Martinelli, M., 1999, As representações gráficas da geografia: os mapas temáticos. Edição do Autor/USP, São Paulo.

    Martinelli, M., 2003, Atlas geográfico: natureza e espaço da sociedade. Editora do Brasil, São Paulo.

    Martinelli, M., 2003, Os mapas da geografia e cartografia temática. Contexto, São Paulo,

    Moraes, A. C. R., 1981, Geografia: pequena história crítica. Hucitec, São Paulo.

    Moraes, A. C. R. Meio ambiente e ciências humanas. São Paulo, Hucitec, 1994.

    Muehrcke, Ph. C., 1983, Map use: reading, analysis and interpretation.2ª ed. Madison, J. P. Publications, Nova York.

    Orlandi, E.P., 1987, O que é lingüística, (2ª ed.). Editora Brasiliense, São Paulo.

    Palsky, G., 1984 “Des représentations topographiques aux représentations thématiques: recherches historiques sur la communication cartographique”. Bulletin Association des Géographes Français, (506):389 – 398.

    Palsky, G., 1996, Des chiffres et des cartes: la cartographie quantitative au XIXe  siécle. Comité des Travaux Historiques et Scientifiques, Paris.

    Paslawski, J., 1998, Jak opracować Kartogram. Wydzial Geografii i Studiów Regionalnych, Warszawa.

    Petchenik, B. B., (1979), “From place to space: the psychological achievement of thematic mapping”. The American Cartographer, 6(1): 5-12.

    Playfair, W., 1801, The statistical breviary; shewing, on a principle entirely new, the resources of every state and kingdom in Europe, Wallis, Londres. Press, Chicago.

    Quaini, M. Marxismo e geografia. Rio de Janeiro. Paz e Terra, 1979.

    Randles, W. G. L., 1980, De la terre plate au globe terrestre. Seuil,  Paris.

    Ratajski, L. 1989, Metodyka kartografii spoleczno-gospodarczej, PPWK, Warszawa.

    Rimbert, S., 1964, Cartes et graphiques. SEDES, Paris.

    Rimbert, S., 1968, Leçons de cartographie thématique.  SEDES, Paris.

    Rimbert, S., 1990, Carto-graphies, Hermes, Paris.

    Format
    APA
    MLA
    Chicago
    Le service d'export bibliographique est disponible aux institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
    Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : contact@openedition.org

    Robinson, A. H. e Sale, R. D., 1969, Elements of cartography, (3rd. ed.), John Wiley & Sons, Inc., Nova York.
    DOI : 10.1097/00010694-196008000-00022

    Robinson, A. H., 1982, Early thematic mapping in the history of cartography. The University of Chicago

    Salichtchev, K. A. Kartografia ogólna, Panstwowe Wydawnictwo Naukowe, Warszawa.

    Salichtchev, K. A., 1979, Cartografía. Editorial Pueblo y Educación,  La Habana.

    Salichtchev, K. A. “Des taches et des perspectives des travaux de la Commission des Atlas Nationaux de l’Union Géographique Internationale”. Courrier de l’Université de Moscou, Série de Géographie, (2), 1970.

    Saussure, F., 1995, Curso de linguística geral, Editora Cultrix, São Paulo.

    Vesentini, J. W. “Contra alguns lugares-comuns muito frequentes”. Orientação, (9): 5-14, 1992.

    Vesentini, J. W. Geografia, natureza e sociedade. São Paulo, Contexto, 1989.

    Whitfield, P., 1994, The image of the world. The British Library, Londres.

    Haut de page

    Notes

    2  SALICHTCHEV, K. A. “La cartographie géographique soviétique et son développement”. Bullettin du Comité Français de Cartographie, (30):135-141, 1966.

    3  NIMER, E. et alii. “Projeto Atlas Nacional do Brasil - a concepção teórica”. Revista Brasileira de Geografia, 50 (3): 151-155, 1988.

    4  SALICHTCHEV, K. A. “Problème de la plénitude thématique des atlas complexes nationaux et régionaux”. Bulletin du Comité Français de Cartographie, (39): 150-156, 1969.

    Haut de page

    Pour citer cet article

    Référence électronique

    Marcello Martinelli, « O atlas do Estado de São Paulo: uma reflexão metodológica », Confins [En ligne], 7 | 2009, mis en ligne le 28 octobre 2009, consulté le 20 août 2014. URL : http://confins.revues.org/6166 ; DOI : 10.4000/confins.6166

    Haut de page

    Auteur

    Marcello Martinelli

    Professor no Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP  m_martinelli@superig.com.br

    Articles du même auteur

    Haut de page

    Droits d’auteur

    © Confins

    Haut de page
    • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
    • Revues.org