Navigation – Plan du site
Projeto de pesquisa / position de recherche

Relevo do Estado de São Paulo

Marcello Martinelli

Entrées d’index

Index de mots-clés :

Atlas, cartographie, São Paulo

Index by keywords :

Atlas, cartography, São Paulo

Index géographique :

São Paulo

Índice de palavras-chaves :

Atlas, cartografia, São Paulo
Haut de page

Texte intégral

Afficher l’image
Crédits : Confins

1O relevo é o conjunto de saliências e reentrâncias que compõem a superfície terrestre. É um componente da litosfera relacionado com o conjunto rochoso subjacente e com os solos que o recobre. Sua escultura modelada numa grande variedade de formas resulta da atuação simultânea e desigual, tanto no espaço como no tempo, não só dos fatores climáticos, bem como da estrutura da litosfera. Desta maneira, o relevo encontra-se em permanente transformação (DEMANGE et al., 1977; ROSS & MOROZ, 1997).

2De acordo com os fundamentos estabelecidos por PENK(1953) e os estudos de GERASSIMOV & MECERJAKOV(1968) e MECERJAKOV(1968), o relevo é o resultado da atuação de duas forças opostas, a endógena (interna) e a exógena (externa). As primeiras são responsáveis pelas grandes formas estruturais, enquanto que as segundas tomam parte na modelagem das formas esculturais. Se expressa na configuração plástica concreta e heterogênea das formas que compõem a superfície da Terra (ROSS, 1985; 1996; 1999).

3A proposta de representação do relevo passou por uma história longa e difícil. A transcrição da tridimensionalidade da superfície da Terra para o mapa sempre foi tarefa dos cartógrafos, porém, tanto os mapas primitivos como os da Idade Média não apresentaram grandes inovações. Esta representação também foi sempre considerada uma questão particular da cartografia, um tanto quanto distinta das demais simbolizações desta. Além do mais, a superfície do terreno é um fenômeno contínuo, constituindo algo que os cartógrafos têm que considerar em toda sua extensão, integrando os demais componentes do conteúdo do mapa.

4Por outro lado, os construtores de mapas sempre se defrontaram com a intrigante dualidade: a solução visual mais eficaz é a menos comensurável, enquanto que a construção mais comensurável resulta menos efetiva visualmente.

5As primeiras representações de relevo consideravam desenhos figurativos estilizados vistos frontalmente. A visão perspectiva oblíqua, uma realização mais sofisticada, confirmou-se somente no período entre o século XV e XVIII, desenvolvendo-se paralelamente aos avanços da pintura da paisagem da época (ROBINSON e SALE, 1969).

6O grande desenvolvimento dessa representação deu-se no próprio século XVIII, quando se iniciaram os trabalhos de mapeamento sistemático da Europa, época também em que os cartógrafos, pela primeira vez, passaram da visão oblíqua para a visão zenital do relevo, talvez para considerar simbolizações deste sem deslocamentos planimétricos.

7Assim, verifica-se que o desafio foi sempre o de colocar no mapa as elevações do terreno de forma apurada até chegar às difundidas curvas de nível dos dias de hoje.

8A idealização da curva de nível teve suas raízes nos trabalhos de HALLEY, grande expoente da Revolução Científica dos séculos XVII e XVIII. Em 1701 elaborou o mapa das declinações magnéticas do Atlântico, empregando isógonas, publicando, assim o primeiro mapa em isolinhas.

9As primeiras tentativas de concepção da curva de nível antecederam-se, até mesmo, às isolinhas de Halley. Foram empreendidas no fim do século XVI, na forma de linhas de igual valor de profundidade, as isóbatas, para o Rio Spaarne, na Holanda, por obra de BRUINSZ, em 1584.

10O ensaio seguinte também foi nos Países Baixos, cem anos depois, realização trabalhada por ANCELLIN.

11 Em 1727 CRUQUIUS traçou um mapa das profundidades do Rio Merwede (NL), empregando isolinhas.

12Em 1737 BUACHE determinou profundidades. Defendia ter tido a primazia de ter traçado isolinhas de profundidade (isóbatas), com o uso de sondagens em seu mapa do Canal da Mancha e parte do Mar do Norte, publicado em 1752. Neste anexou também um perfil do relevo imerso ao longo da linha de corte que cruza o eixo do canal.

13A história da representação do relevo teve início mais precisamente em 1782, com a publicação por DUPAIN-TRIEL pai, de um trabalho sobre a proposta de DU CARLA, o primeiro a sugerir o uso da curva de nível para a representação do relevo emerso. Este último autor havia estudado teoricamente o uso das linhas de igual valor, como curvas de nível, em 1771. O mesmo, ainda, via sua proposta como um “método novo para exprimir rigorosamente sobre mapas terrestres e marinhos as altitudes e configurações do terreno”.

14Em 1791, DUPAIN-TRIEL elaborou e publicou um mapa em curvas de nível da França, porém deficiente por não contar com uma boa densidade de dados e por apresentar poucas isoípsas. Esta imprecisão mereceu aperfeiçoamento numa publicação posterior de 1798. Desta vez a solução foi mais expressiva. Além de ressaltar as linhas de cumeada, geralmente rochosas com hachuras, o cartógrafo coloriu as faixas de altitudes com tons de sépia, colocando nas partes baixas do relevo tons escuros e nas partes altas, tons claros. Mesmo em sequência invertida, já se estaria esboçando a proposta para uma representação do relevo em cores hipsométricas, confirmando-se no início do século XIX.

15Concomitantemente às tentativas com as cores, na virada do século XVIII para o XIX assistiu-se à concepção das hachuras, uma outra forma de representação do relevo, sem dúvida mais sugestiva. Este construto fundamentou-se na relação de dependência entre a altitude e a gravidade, o que descreve uma trajetória ortogonal nas inclinações do terreno, a linha de maior declive, o caminho mais curto (LIBAULT, 1975).

16Assim, o traçado das hachuras, subentendendo, evidentemente, as curvas de nível - que não eram lançadas no mapa devido às dificuldades na época de ligar vários levantamentos - se dispunham perpendicularmente a elas.

17A primeira definição matemática das hachuras foi proposta em 1799 pelo major LEHMANN:todas as hachuras ao longo das vertentes manteriam a mesma distância, seja em partes íngremes ou suaves, porém com a espessura do traço aumentando conforme o comprimento diminuísse isto no sentido para as partes mais altas e abruptas. Estabeleceu-se, assim, a Lei de Lehmann.

18Distinto sistema foi apresentado por BENOIT em 1818, preconizando aLei do quarto: todas as hachuras teriam traços de mesma espessura, porém distanciados com intervalos proporcionais aos comprimentos, sendo que a distância entre duas hachuras deveria ser igual ao quarto do comprimento. Aquelas longas representavam setores mais suaves do relevo, enquanto as curtas figuravam as partes mais altas e íngremes (CUENIN, 1972).

19Outras propostas de hachuras foram as de Bonne, que sugeriu uma relação entre o preto e o branco como sendo igual ao seno do ângulo de inclinação da vertente e a de HOSSARD, fundamentada num diapasão que seguia uma fórmula matemática empírica.

20As hachuras forneciam uma excelente ilusão de sombra, podendo-se considerar na sua construção, uma fonte de luz provinda ortogonalmente ou obliquamente.

21Os mapas assim realizados tiveram grande difusão por quase um século, principalmente aqueles militares em grande escala.

22Neste contexto, não se pode deixar de mencionar o trabalho de DUFOUR para os mapas da Suíça, nos quais as hachuras mostravam um sombreado bastante evocativo, resultante de uma iluminação provinda obliquamente de noroeste.

23Medidas das altitudes mais precisas não foram possíveis antes de se tomar um conhecimento mais apurado acerca das avaliações barométricas ensaiadas desde o início do século XIX. Estas garantiriam resultados mais consistentes, tendo por referência um plano de base, o do nível do mar. As medições das profundidades se antecederam, pois era muito mais fácil mergulhar um peso ligado a um fio com escala de medidas, tendo por referência o plano da superfície das águas.

24Porém, só foi na década de 1820 que, fruto de farta coleta de dados altimétricos realizada por OLSEN, foi possível compor um mapa do relevo em curvas de nível para toda a Europa, Assim, a partir da década de 1840 a curva de nível confirmou-se com ampla difusão.

25Na representação do relevo em curvas de nível, uma representação isarítmica, as isolinhas mobilizam duas variáveis visuais: o espaçamento entre elas, que se traduz por um efeito de valor visual, dando a idéia de declividade e, a orientação, a qual se manifesta perpendicularmente à direção das vertentes, mais especificamente, acompanhando a linha de maior declive (MONMONIER, 1991).

26Diante do resultado cartográfico apresentado pela rede de curvas de nível, apesar de definir exatamente a altitude que ocorre em cada ponto do mapa, o leitor tem somente a idéia de declividade da superfície do terreno, sem ter a noção de elevação, nem sentido do gradiente. Para construir mentalmente estas noções, ele será obrigado a descer ao nível elementar de leitura, contando as linhas e lendo as respectivas cotas. Estas considerações mostram a razão pela quais os usuários de mapas topográficos apresentam dificuldades de ter uma rápida visualização da imagem da superfície do terreno vista em seu volume, ao se defrontarem com um exemplar pela primeira vez.

27A questão lançou um grande desafio para a cartografia. Assim, desencadeou-se uma busca para uma melhor solução, o que deu origem à proposta de um grande número de considerações. Esta ansiedade pela melhoria da qualidade gráficovisual do mapa desembocou, como já acontecera em 1798, no emprego de cores como signos em área, intercalares às curvas de nível selecionadas, método conhecido como o das “cores hipsométricas”.

28Como já se adiantou o primeiro mapa em cores hipsométricas fora o segundo mapa em curvas de nível da França feito por DUPAIN-TRIEL, deixando muito a desejar pelas cores que empregou. Seguiu-se a este, o mapa de WAHLENBERG de 1813, com melhores resultados por ter adotado cores distintas. Outro mapa deste tipo foi o de OLSEN e BREDSDORFF elaborado em 1824 para uma competição sobre representações das Montanhas da Europa, sendo resolvido com um hachuriado homogêneo em padrões ordenados do claro para o escuro, entre as curvas de nível. BERGHAUS aplicou este mapa ao seu Physikalischer Atlas de 1842 e JOHNSTON o transferiu para o seu The physical Atlas de 1848 (ROBINSON, 1982)

29Entretanto, quem verdadeiramente marcou o ponto de partida para a aplicação deste novo método de representação do relevo, mesmo antes da publicação do Physikalischer Atlas de BERGHAUS, foi o cartógrafo alemão SYDOW em 1838. Explorou cores na representação do relevo a fim de obter efeitos plásticos surpreendentes com a produção de seus mapas físicos murais dos continentes, seguidos por uma série de Atlas escolares.

30Apesar de a França liderar o mapeamento topográfico dos séculos XVII e XVIII, foi só com DUPAIN-TRIEL, em 1791, como visto que se deu o início de um amplo levantamento em curvas de nível, tendo, ele mesmo, logo a seguir, também, introduzido as cores hipsométricas em seus mapas.

31Entretanto, foi só na metade do século XIX que as curvas de nível tomaram de vez, o lugar das hachuras nos grandes mapeamentos sistemáticos nacionais da Europa. Porém, só foi com o advento da litografia, permitindo a impressão a cores, a partir de 1872 e com avanços tecnológicos desta segunda metade do século em curso, exigindo uma representação geométrica precisa do relevo em grande escala, que puderam emergir novas gerações de mapas topográficos. Substituíram, paulatinamente, aqueles com hachuras em branco e preto.

32Na França, o tipo “1900” do mapa de “l’État-Major” na escala 1:50.000, por contar já com a impressão em cores esbanjou catorze! Como fora um exagero adotou-se, em seguida, uma versão mais simples. Exibia curvas de nível do relevo emerso de 20 em 20 metros em sépia; nas geleiras adotava curvas em azul (Libault, 1966).

33Já na metade do século XX, com origem na América do Norte, assistiu-se à proposta de novas representações do relevo, a dos “Diagramas fisiográficos” e a dos “Mapas das formas do terreno”. Estas sugestões mostravam até certo ponto, um retorno às origens da cartografia, quando se empregava desenhos das formas do terreno vistas em perspectiva, apesar de, nestes novos empreendimentos, terem sido feitos esforços para torná-los os mais geometricamente corretos (ROBINSON e SALE, 1969).

34Seguidores dos trabalhos de William Morris Davis feitos com blocos-diagrama compilaram os símbolos destes e os aplicaram aos mapas. JOHNSON e RAISZ compuseram sugestivos mapas deste tipo. LOBECK, por sua vez, apresentou blocos-diagrama bastante ilustrativos que foram muito difundidos em aplicações didáticas.

35Apesar de seu poder comunicativo em apresentar uma clara visão das formas do relevo e de seu componente estético, persistiu uma séria crítica a esta representação em mapa pelo fato dos símbolos daquelas formas não serem planimetricamente corretos (THROWER, 1996).

36A cartografia do relevo pode ser vista, num primeiro momento, sob dois aspectos analíticos básicos. Um apenas através da representação de sua configuração plástica, tida como rebatimento geometricamente preciso desta superfície no plano horizontal da épura - o Mapa topográfico e suas derivações. Outro indo além, representando o relevo mediante sua morfometria, morfografia, morfologia e morfogênese - o Mapa geomorfológico.

37Um terceiro enfoque ainda, pode ser considerado mobilizando para tanto, um raciocínio de síntese. Trata-se da cartografia dos Tipos de relevo - conjuntos espaciais formados por agrupamentos de lugares ou áreas caracterizados por agrupamentos de atributos ou variáveis.

38Ainda, a cartografia do relevo pode abordar tal componente do ambiente como recurso, integrando um processo de apropriação e transformação realizada pelo homem em atendimento às suas necessidades, encarando-o como lugar ou espaço onde se materializam forças produtivas na escala do tempo histórico.

39Com a apropriação privada da natureza, característica essencial do modo de produção capitalista, hoje hegemônico, o relevo passaria a compor as derivações ambientais, sobre as quais a sociedade deve tomar consciência e ser esclarecida (CASSETI, 1991).

 A representação geométrica do relevo

40A compreensão da representação do relevo parte de considerações que conjugam a geometria espacial e a geometria plana, além do respectivo apoio da geometria descritiva.

41O relevo é visto e percebido como objeto tridimensional. Considerando-o no primeiro diedro e apreciando-o em sua visão em perspectiva por um observador, através do plano do quadro tem-se o bloco-diagrama.

42Relevo visualizado como objeto tridimensional em perspectiva no primeiro Diedro (Bloco-diagrama) (Visualização em 3D) (Modelo digital do terreno):

Relevo visualizado em épura do primeiro diedro:

Relevo visualizado em épura do primeiro diedro:

Relevo visualizado em Perfil com níveis de altitude (no plano vertical do primeiro diedro):

Relevo visualizado em Perfil com níveis de altitude (no plano vertical do primeiro diedro):

Relevo visualizado em Mapa em curvas de nível (no plano horizontal do primeiro diedro):

Relevo visualizado em Mapa em curvas de nível (no plano horizontal do primeiro diedro):

A Carta topográfica

43Em termos genéricos carta é “uma representação plana geralmente em média ou grande escala, de uma superfície da Terra, subdividida em folhas, de forma sistemática, obedecendo a um plano nacional ou internacional” (OLIVEIRA, 1990).

44A carta topográfica, por sua vez, é a representação exata e detalhada da superfície terrestre no que se refere à posição, forma, dimensões e à identificação dos acidentes do terreno, assim como dos objetos concretos que aí se instalam permanentemente (COMITÉ FRANÇAIS DE CARTOGRAPHIE).

45Até o século XVII, a ânsia de completar os conhecimentos sobre a Terra como um todo, foi o principal objetivo da cartografia. Depois foi a necessidade de guerra e da administração que passaram a ditar a exigência de mapas mais detalhados, dando assim, início à cartografia topográfica, corroborando-se nos grandes empreendimentos do século XIX. Esta cartografia resulta de levantamentos efetuados diretamente no campo ou mediante modernos procedimentos. Estes incluem a aerofotogrametria, evidentemente que com todo apoio terrestre necessário, junto a equipamentos digitais ou não de última geração, passando, depois, para operações de restituição e traçado do mapa, com apoio da reambulação. Nos dias de hoje, a representação do relevo da carta topográfica é feita através das curvas de nível e pontos cotados e produzida em cores (JOLY, 1990).

46Os espaços territoriais nacionais são cobertos por uma cartografia sistemática, mediante séries de cartas topográficas contínuas, homogêneas e articuladas, em várias escalas. No caso brasileiro, as séries tomam nome de Carta do Brasil.

O mapa em cores hipsométricas

47O mapa em cores hipsométricas é a representação do relevo em escala pequena por curvas de nível selecionadas convenientemente, entre as quais se acrescenta uma gama de cores em ordem visual crescente, das mais claras às mais escuras, acompanhando a progressão para o alto das cotas de altitude. Esta elaboração dará ao relevo uma visão de conjunto da imagem de sua configuração plástica. Trata-se de um mapa morfométrico do relevo, caracterizando-o em suas relações quantitativas junto às faixas de altitude, porém, em termos de visualização, obter-se-á apenas a expressão da informação de nível ordenado, não possibilitando a avaliação quantitativa. A noção do quanto de altitude será obtida pela leitura da legenda (BERTIN, 1973; 1977).

48De qualquer forma, a proposta deste mapa eliminaria a dificuldade de apreensão da configuração do relevo por parte do usuário, apontada anteriormente.

49A eficácia do mapa em questão depende basicamente de dois fatores: a definição do número e dos intervalos das faixas de altitudes e a escolha das cores.

50Para o Professor LIBAULT (1966; 1975) este tipo de mapa se enquadra dentro da classe dos mapas corográficos, em escalas menores, não mais voltados à descrição dos lugares, mas sim das regiões. Por conta disto, exigem uma generalização criteriosa em função de seus objetivos.

51A generalização do relevo vai intervir no traçado da rede de curvas de nível. Não é possível mais manter a equidistância. Será necessário aumentar os intervalos nas áreas de vertentes mais íngremes, geralmente em altas altitudes.

52A proposta mais antiga para se resolver a questão foi a que considerava várias faixas de altitude dentro das quais é estipulada uma determinada equidistância. A grande obra dedicada ao assunto de Mme. ZAROUTZKAÏA propunha um escalonamento bem definido para a escala 1: 2.500.000:

53Esta escolha pode ser também determinada em base teórica. CUENIN (1972) sugere que ao construir a curva hipsográfica1 como meio para determinar as faixas, ter-se-iam superfícies coloridas de cada intervalo teoricamente iguais.

54Entretanto, LIBAULT (1966) sugere como mais racional, uma sucessão onde os intervalos se escalonariam como termos de uma progressão geométrica. Este encaminhamento foi apontado também por CUENIN (1972) como uma proposta em base teórica; apresentaria a vantagem de uma representação equilibrada, detalhando corretamente as baixas altitudes, sem sacrificar as faixas superiores.

Mapa do relevo do estado de São Paulo em cores hipsométricas:

Mapa do relevo do estado de São Paulo em cores hipsométricas:

Mapa do relevo do estado de São Paulo em cores hipsómetricas com sombreado:

Mapa do relevo do estado de São Paulo em cores hipsómetricas com sombreado:

55Embora as idéias básicas deste tipo de mapa estivessem ligadas à aplicação de cores entre curvas selecionadas aos levantamentos realizados em 1791 por DUPAIN-TRIEL, como já apontado, a efetiva proposta convencional desta representação prendeu-se ao projeto da Carta Internacional do Mundo, o International Map of the World (IMW); (CIM), na escala 1: 1.000.000, apresentado pelo geomorfólogo alemão PENK, durante o V International Geographical Congress realizado em Berna, Suíça, em 1891, marcando assim, o início de novo período da cartografia, que os historiadores desta ciência denominam de moderno.

56No que tange à escolha dos matizes para os mapas em cores hipsométricas, compactuaram várias propostas.

57Este mapa adotou as curvas de 0, 100, 200, 500, 1.000, 1.500, 2.000, 2.500, 3.000, 4.500, e 5.000 metros para delimitar as faixas de altitude, as quais são coloridas com uma série de matizes em ordem visual, começando pelos verdes, primeiro escuros, depois claros, nas baixas altitudes, passando, depois dos ocres para os marrons nas áreas montanhosas.

58Certos autores, como RITTER, em seu Atlas Sechs Karten von Europa, preconizaram as gradações de cores, indo do escuro para o claro, como adotara DUPAIN-TRIEL em 1791, defendendo a idéia que os topos recebem mais iluminação do que os vales. Entretanto, pelo fato das cores escuras ocuparem a maior parte do mapa escondendo a planimetria, passou-se a adotar o princípio oposto, com cores cada vez mais escuras, conforme crescem as altitudes.

59Em 1838, SYDOW constatando que as cores mais difundidas na natureza são o verde e o marrom, propôs uma gama cromática com estes matizes nas extremidades, os quais vão clareando até o branco na parte central da série.

60Em seguida, DEBES aconselhou substituir o branco por um amarelo.

61PEUCKER, por sua vez, observando a analogia desta última série com o espectro das cores na faixa das radiações visíveis, sugeriu o próprio espectro para melhorar o efeito plástico, porém com um resultado mais teórico que prático.

62IMHOF, no entanto, recomendou uma escala de matizes fundamentada no efeito da atmosfera sobre as cores da natureza com o se distanciar da paisagem Este efeito seria aplicado para contrastar os altos e os baixos. Assim, ter-se-iam as cores: verde azulado escuro, verde azulado, verde amarelado, amarelo e amarelo avermelhado.

63Por seu turno, a gama cromática convencional estipulada para a Carta Internacional do Mundo ao milionésimo acabou lastreando-se neste sistema com certa acomodação, com o fim de constituir uma gradação tal que a intensidade maior ficasse na parte central, decrescendo em direção às extremidades da série.

64De qualquer forma, todas estas propostas esbarraram no simbolismo das cores. O verde das baixas altitudes corresponderia à vegetação, os marrons seriam assimilados às cores naturais das terras incultas e das rochas expostas das altas montanhas e o amarelo seria associado à secura e escassez de vegetação de certos planaltos. Esta constatação confirmaria a dificuldade no desprendimento do simbolismo evocativo para poder ver a cor em cartografia de forma abstrata, apenas como uma variável visual.

65É neste ponto que será preciso lembrar que o mapa em cores hipsométricas, assim concebido, mais como uma convenção do que como uma linguagem com regras específicas para a sua gramática, apresentará problemas para leitura e compreensão de seu conteúdo.

66A representação convencional já apresentada faz com que, mediante o impacto visual, num primeiro instante de percepção, o leitor agregue as faixas de altitudes em dois grupos distintos. Só em seguida, é que seu cérebro irá desenvolver o raciocínio da ordenação decrescente e crescente entre as classes altimétricas. Portanto, terá um esforço redobrado, além de ter que conviver com uma interferência desnecessária na clara recepção da mensagem comunicada pelo mapa. Deve-se frisar que é este o esquema adotado para o ensino do mapa do relevo para crianças e jovens do ensino fundamental e médio, mediante o livro didático e Atlas geográfico.

67Acresce-se, ainda, o fato de que em muitas legendas de mapas em cores hipsométricas, principalmente junto aos textos didáticos escolares de geografia, as faixas de altitudes expressas por caixas separadas, são designadas em classes em vez de atribuir cotas altimétricas às linhas que delimitam tais faixas organizadas em caixas juntas. Esta última forma de organizar a legenda estaria mais coerente com o entendimento do relevo como um fenômeno contínuo, como já esclarecido, sendo representado por uma superfície contínua, e não como um fenômeno discreto, de acordo com a sugestão da proposta inicial.

68Os mapas em colorido hipsométrico adotaram também uma convenção para a representação dos oceanos, de acordo com faixas de profundidade. Teria sido RITTER VON HAUSLAB, em 1830, ávido defensor do uso da curva de nível, a propor as profundidades oceânicas coloridas, numa ordem visual crescente que vai do azul claro para o azul escuro, conforme se acentuam as cotas negativas. Esta resolução toma o nome de “Cores batimétricas”.

69A representação em cores hipsométricas pode servir de apoio para outro fenômeno que tem a ver com o relevo. Neste caso a gama ordenada de valores visuais deve ser organizada a partir de uma cor neutra (LIBAULT, 1975).

70O primeiro mapa paulista do gênero foi a Carta hipsométrica do estado de São Paulo realizada pelo Instituto Geográfico e Geológico do Estado de São Paulo em 1943, na escala 1:1.000.000. Este mapa adotou um verde claro para a faixa de altitudes entre 0 e 100 metros, em cujo intervalo manteve a equidistância de 25 metros; depois, empregou uma série ordenada de marrons, desde muito claros até muito escuros, para as altitudes acima de 100 m, onde considerou a equidistância de 200 m.

O mapa geomorfológico

71O mapa geomorfológico tem por objeto a representação qualitativa, quantitativa e explicativa das formas do relevo. Neste sentido, JOLY (1965) recomenda que tal mapa deva representar e coordenar entre si, os seguintes fatos:

  • A estrutura, isto é, a natureza do substrato rochoso e sua influência no relevo (litologia e tectônica). O mapa deve ser morfoestrutural.

  • Os tipos de processos de alteração, de erosão e de acumulação responsáveis pelo modelado. O mapa deve ser morfogenético.

  • A fisionomia das formas resultantes e as características das formações superficiais. O mapa deve ser morfográfico.

  • A cronologia dos eventos, permitindo apreciar a evolução do relevo no tempo. O mapa deve ser morfocronológico.

  • As dimensões absolutas e relativas das formas do terreno, a espessura dos depósitos, as altitudes, os desníveis, as declividades, etc. O mapa deve ser morfométrico.

72O mesmo autor, quando coordenou os trabalhos para a realização do Mapa geomorfológico da França na escala de 1: 1.000.000, deu de forma clara as orientações para tal empreendimento.

73Lembrava como ponto fundamental, que um primeiro modelo significativo de mapa geomorfológico na escala de 1:1.000.000 fora aquele de autoria do geógrafo DE MARTONNE para o Atlas da França de 1938.

74A cartografia geomorfológica de pequena escala encontrou adeptos a partir da década de 1960, quando se propôs um mapa geomorfológico internacional da Europa na escala 1:250.000, coordenado por uma comissão da UGI (União Geográfica Internacional) constituída em 1968, para a pesquisa e cartografia geomorfológica. 2

75Os princípios básicos do mapa geomorfológico em escala pequena não diferem muito daqueles estipulados para as escalas grandes. Entretanto, deve-se considerar a redução, o que implica numa generalização, levando sem dúvida, à individualização de unidades geomorfológicas, ou “táxons” de ordem de grandeza superior daqueles das escalas de detalhe.

76JOLY (1986) aplica a generalização, alertando que existem duas maneiras de realizá-la. Uma é a generalização conceitual. Ela considera áreas sintéticas definidas por elementos analíticos. Serão mapeados “táxons” característicos por meio de um signo único - uma cor preenchendo a área de sua manifestação. Estas unidades serão definidas pelo seu estilo topográfico e secundariamente, pela sua altitude ou seu material. Resultaria uma nítida cartografia tipológica, portanto fruto de um raciocínio de síntese (BERTIN, 1973).

77A outra é a estrutural, onde se procede à redução e simplificação dos elementos analíticos dos mapas de grande escala. Exige uma seleção, uma esquematização e uma harmonização. Resulta, assim, uma cartografia de correlação. O leitor tem a imagem da paisagem geomorfológica e uma informação sobre os fatores litológicos ou dinâmicos que a condicionaram.

78O objetivo principal do mapa é a descrição das formas ou morfografia. Na seleção ficam as mais marcantes: as estruturais e as de dissecação fluvial. Usar-se-ão signos em ponto, em linha e em área, geralmente iconográficos, conforme a manifestação das ocorrências.

79Depois, consideram-se os fatores dessa geomorfogênese, que são de duas ordens:

80- fatores estruturais: litologia e tectônica. Serão usadas cores: magenta para maciços antigos, marrom para as bacias sedimentares e vermelhão para as montanhas dobradas. No interior de cada uma, texturas ou nuances das cores individualizarão formações litológicas.

81- fatores externos ou geodinâmicos: geralmente são de origem climática, condicionando a evolução do modelado. A escala permitirá colocar as formas devidas aos agentes geodinâmicos maiores: rios, geleiras, ventos e mares. Usam-se cores convencionais: azul ultramarino para o mar, verde para o escoamento superficial, violeta junto à ação do gelo, amarelo na ação eólica e laranja no vulcanismo.

82A morfocronologia não é possível nesta escala. A associação da variação em valor das cores básicas é explorada para representar a cronologia das formas. Os valores mais fortes vão para os eventos morfogenéticos mais recentes e os sensivelmente tênues especificam os mais antigos.

83A dimensão das formas, a morfometria, é fornecida pela base cartográfica expressa em curvas de nível cotadas, ou quando esta não cabe, pela variação de espessura nos traços representativos das formas.

84No caso específico do estado de São Paulo, para uma cartografia geomorfológica de escala ainda menor que a de 1:1.000.000 (escala de altas - 1:2.500.000), pode-se notar que a respectiva lucubração acaba esbarrando numa outra concepção de mapa, a qual demanda a generalização conceitual, resultando numa representação nitidamente de síntese - a síntese do relevo. É o que se poderá ver nas propostas enunciadas como Tipos de relevo.

85Assim, constatar-se-á que por conta da escala adotada, todos os mapas geomorfológicos selecionados para constar do ATLAS DO ESTADO DE SÃO PAULO, são resultantes de concepções de síntese.

Representação do relevo em ordem visual crescente de apoio para outro fenômeno

86Esta representação de apoio a outro fenômeno deverá trabalhada como um pano de fundo, portanto com uma ordem visual que vai do claro para o escuro para uma única cor - um matiz neutro. Em termos de solução em artes gráficas levar-se-ia em conta a aplicação de texturas de linhas, com estas cada vez mais grossas e mais próximas, combinadas com a variação de orientação.

Representação do relevo pelo Método Morfográfico

87Como já foi anunciado anteriormente, na metade do século XX, originaram-se na América do Norte novas propostas de representação do relevo.

88Uma delas se constituiria na aplicação do Método Morfográfico. Este coloca em destaque aspectos do relevo através do emprego de convenções praticamente pictóricas, como se vistas numa visão oblíqua. Foi derivado dos blocos-diagrama de WILLIAM MORRIS DAVIS e outros para mostrar feições fisiográficas do relevo. Foi, depois, aperfeiçoado por ERWIN RAISZ (1931), quando considerou a superfície da Terra classificada em 40 tipos morfológicos.

89Entretanto, apesar de seu poder comunicativo em apresentar uma clara visão das formas do relevo e de seu componente estético, persistiu uma séria crítica a esta representação em mapa pelo fato dos símbolos daquelas formas não serem planimetricamente corretos. (THROWER, 1996).

90Para a elaboração dos mapas regionais do Brasil para o Atlas do Brasil de 1959, o IBGE estabeleceu representações do relevo como Mapas morfográficos.

91Para o caso do estado de São Paulo a representação configurou-se da seguinte forma:

92Interessando o âmbito do território paulista o mapeamento abrangeu as seguintes rubricas:

  • - planície (as planícies litorâneas).

  • - relevo muito ondulado (as serras, região do cristalino e a depressão periférica).

  • - relevo de Cuestas (a linha de cuestas e o planalto ocidental)

  • - rio encaixado (principais rios consequentes que demandam o interior)

O relevo como recurso

93Para entender o relevo como recurso é preciso considerá-lo à luz dos fundamentos estabelecidos por PENK (1953) e retrabalhados por GERASSIMOV (1946), GERASSIMOV & MECERJAKOV (1968), MECERJAKOV (1968), ROSS (1991), ROSS & MOROZ (1997) e (ROSS, 2006), autores já apresentados anteriormente. Assim, o relevo é resultado da oposição entre forças endógenas e exógenas, verificadas em escala do tempo geológico (CASSETI, 1991). É a partir do movimento próprio da natureza que estes componentes, junto às formas do relevo constituem os solos, suportam e condicionam junto ao clima a cobertura vegetal natural, os quais conjugados às jazidas minerais, compõem a oferta em recursos aproveitáveis na produção social.

94Por outro lado, é necessário também considerar que o modo de produção capitalista, hoje hegemônico, por engendrar a apropriação privada da natureza em seu componente relevo, com consequente transformação morfogenética, acaba dinamizando impactos ambientais merecedores de toda a atenção e de um esclarecimento consciente.

O Relevo imerso

95Como já anunciado, as primeiras tentativas de concepção da curva de nível foram experimentadas na forma de linhas de igual valor de profundidade com os trabalhos de BRUINSZ em 1584.

96Outros se seguiram com ANCELLIN, CRUQUIUS, BUACHE e BUACHE, este último para o Canal da Mancha e parte do Mar do Norte.

97Definitivamente, os mapeamentos das profundidades em mar aberto ganharam grande aperfeiçoamento com o refinamento dos métodos de coleta de dados, principalmente depois da Segunda Guerra Mundial, com o sonar (sondagem por eco).

98No entanto, toda a coordenação dos levantamentos hidrográficos tiveram início com o International Hydrographic Bureau fundado sob o patrocínio do Príncipe Alberto I de Mônaco, que já estabelecera em 1903 a série chamada de General Bathymetric Chart (GEBCO), na projeção de Mercator, na escala de 1:10.000.000 no equador.

99A representação do relevo imerso faz parte do conteúdo das cartas náuticas - cartas que trazem o relevo subaquático, os detalhes da faixa continental costeira e outros elementos dos mares, rios, canais e lagos navegáveis.

A síntese do relevo

100Desde a primeira proposta de subdivisão do relevo paulista apresentada por MORAES REGO (1932) até a recente macrocompartimentação de ROSS e MOROZ (1977), pode-se notar que se deu um grande passo em direção à elaboração de uma síntese cartográfica em escala pequena.

101As várias denominações que a literatura tem apresentado atestam esta busca. Dentre elas destacam-se: “Subdivisões do relevo”, “Divisão geomorfológica”, “Conjuntos de relevo”, “Divisões fisiográficas”, “Esquema morfológico”, “Grandes unidades do relevo paulista”. E outros ainda como, “Tipologia do relevo”, “Compartimentação geomorfológica regional”, “Compartimentação de relevos”, “Unidades de relevo”, “Unidades morfológicas”, “Grandes unidades do relevo”, “Compartimentação topomorfológica”.

102Na cartografia de síntese não se conta mais com o registro exaustivo dos elementos constituintes, e sim a fusão deles em tipos. Isto significa identificar e delimitar conjuntos espaciais que significam agrupamentos de lugares ou áreas unitárias de análise caracterizadas por agrupamentos de atributos ou variáveis, como já foi mencionado oportunamente: será o mapa dos Tipos de relevo.

103Este raciocínio fica patente na sequência de concepções apresentadas pelos autores:

  • 1. Moraes Rego (1932)

  • 2. Pierre Monbeig (1949)

  • 3. Aziz Nacib Ab’Saber (1956)

  • 4. Fernando F. M. Almeida (1964)

  • 5. IPT (1981)

  • 6. Ross e Moroz (1997)

  • 7. IBGE (2000)

1. Esboço mostrando os principais aspectos geomorfológicos do estado de São Paulo (Rego, 1932):

1. Esboço mostrando os principais aspectos geomorfológicos do estado de São Paulo (Rego, 1932):

104O mapa foi elaborado pelo Engenheiro Geólogo Luís Flores Moraes Rego em 1932, uma primeira cartografia geomorfológica de pequena escala para o estado de São Paulo. O mapa revela claramente o resultado de um esforço de síntese solicitado pela escala adotada.

2. Esquema morfológico para o estado de São Paulo (Ab’Sáber, 1956:)

2. Esquema morfológico para o estado de São Paulo (Ab’Sáber, 1956:)

105Este mapa foi elaborado pelo próprio Professor Dr. Aziz Nacib Ab’Sáber para o seu trabalho sobre a geomorfologia do estado de São Paulo intitulado A terra paulista. Considerou como ponto de partida, além de revisões próprias, a divisão proposta por MONBEIG (1949), incluindo maiores detalhes na caracterização das formas contidas nas principais unidades fisiográficas. Reafirmou, também, a denominação Depressão periférica para a depressão permiana.

106Mostrou a articulação dos conjuntos morfológicos paulistas mediante simbologia iconográfica, criando uma imagem binária - em preto e branco.

107Pode-se notar a preocupação do autor em dispor sobre o mapa tanto signos em ponto (morros testemunhos), em linhas (altas cuestas) e em área (áreas cristalinas de topografia mamelonar).

108Apesar de aqui e ali evocar algum elemento analítico, o mapa resulta de um raciocínio de síntese: todos os conjuntos espaciais reconhecidos pelo autor são caracterizados por epítetos concisos, evidentemente, resultado de extenso trabalho analítico.

3. Divisão geomorfológica (Almeida, 1964):

3. Divisão geomorfológica (Almeida, 1964):

109O mapa de ALMEIDA também é de síntese, apresentando uma legenda organizada em vários níveis ou “táxons” baseados nos conceitos de província, zona e subzona geomorfológica, todas como entidades com manifestação em área.

110Integrava o trabalho intitulado Fundamentos geológicos do relevo paulista, onde o autor cuidou com esmero do detalhamento descritivo dos limites propostos.

4. Divisão geomorfológica (IPT, 1981):

4. Divisão geomorfológica (IPT, 1981):

111A elaboração do Mapa geomorfológico do Estado de São Paulo, ao milionésimo, proposto pelo IPT (1981) foi empreendida a partir de uma análise sistemática de imagens LANDSAT, canais 4, 5, 6 e 7 e dos mosaicos de radar do projeto RADAMBRASIL. Como um encarte a este mapa, os autores traçaram uma síntese em escala pequena, tida como a Divisão geomorfológica do Estado de São Paulo. Sua legenda foi estruturada em três níveis: províncias, zonas e subzonas geomorfológicas.

112Para dar um panorama geral sobre a geomorfologia paulista em base científica e convenientemente conciso, o mesmo IPT (1981) apresenta em nota explicativa:

113De uma costa recortada ao norte e uma mais retificada ao sul, passa-se a uma região serrana, anunciada pelas serras do Mar e Paranapiacaba, por onde se alcança o Planalto Atlântico.

114Incrustado nessa elevação, ladeado pelos altos da Serra do Mar e da Serra da Mantiqueira, instala-se o graben do Paraíba preenchido pelos sedimentos da bacia de Taubaté.

115Em direção ao interior escalonam-se as sequências sedimentares paleozóicas e mesozóicas da Bacia do Paraná. Nesse pacote vulcânicosedimentar se interpõe marcado horizonte de basaltos.

116As rochas basálticas, mais resistentes que as das demais camadas, permitiram uma erosão diferencial, originando uma ampla escavação, a Depressão Periférica, bem como as escarpas das linhas de Cuestas.

117Segue para oeste, o reverso das cuestas, prolongado fisiograficamente por um extenso planalto, interrompido por algumas sobressaliências localizadas, de caimento contínuo em conformidade com as estruturas de acamamento.

118O estudo empreendido pelos dois autores para a confecção do Mapa geomorfológico do estado de São Paulo tem como embasamento teórico-metodológico o entendimento da gênese das formas do relevo terrestre lastreado nos conceitos de morfoestrutura e morfoescultura, os quais encaminhariam as diretrizes para a classificação do relevo terrestre.

119A noção de morfoestrutura vincula-se à influência da estrutura geológica na gênese das formas do relevo, enquanto que o conceito de morfoescultura associa-se aos produtos morfológicos de influência climática atual e pretérita.

120Assim, os citados autores propõem uma ordem taxonômica para o relevo, considerando que o estrutural e o escultural estão presentes em qualquer tamanho de forma, embora suas categorias de tamanhos, idades, gêneses e formas, são passíveis de serem identificados em categorias distintas.

121Portanto, estabeleceram uma classificação para nortear a proposta do citado mapeamento geomorfológico que considera seis táxons que, entretanto, face à escala adotada no trabalho resolveram considerar apenas os três táxons maiores:

  • 1º Morfoestruturas - representadas através de cores distintas.

  • 2º Morfoesculturas - adotam variações de valor da respectiva cor de base.

  • 3º Tipos de relevo (unidades do relevo) (unidades morfológicas) - adotaram índices alfanuméricos com a seguinte convenção:

  • D: - para formas denudacionais, mais o tipo de modelado: convexo(c), tabular (t), aguçado (a) e plano (p).

  • A: - para formas de acumulação, mais o tipo de gênese que os gerou: fluvial (f), marinha (m) e lacustre (l) e, mais ainda, o índice de dissecação, o qual combina um dígito para a classe de entalhamento dos vales e outro para a classe de densidade de drenagem.

122Para a representação na escala do ATLAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - (1:2.500.000) – foi considerada uma cartografia de compilação com base no citado Mapa geomorfológico do estado de São Paulo (ROSS & MOROZ, 1997), abarcando os conjuntos espaciais que significam o nível de raciocínio de síntese, isto é, aquele que partindo das unidades morfoestruturais (1 Táxon) se desdobra em unidades morfoesculturais (2 Táxon), que por sua vez, se articula a unidades de relevo (agrupamentos de formas de agradação e formas de denudação - o 3 Táxon).

123Embora a legenda se estruture nos três níveis da classificação, o mapa registra, através de famílias de cores atinentes aos dois níveis anteriores, apenas as unidades de relevo. (31 unidades).

6. Compartimentos do relevo (IBGE, 2000):

6. Compartimentos do relevo (IBGE, 2000):

124Este mapa também trata das Unidades de relevo. Foi empreendido pelos pesquisadores da Diretoria de Geociências do Departamento de Recursos Naturais e Estudos Ambientais do IBGE. Vem sendo publicado há vários anos no Anuário estatísticodo Brasil e, recentemente, ganhou uma nobre posição no novo Atlas do Brasil (IBGE, 2000).

125Segundo os autores, “representa uma síntese dos principais compartimentos classificados segundo os critérios de similitude de formas, altimetria relativa e gênese, ordenados em Domínios Morfoestruturais, sob efeito de processos climáticos subatuais e atuais”.

Haut de page

Bibliographie

Des DOI sont automatiquement ajoutés aux références par Bilbo, l'outil d'annotation bibliographique d'OpenEdition.
Les utilisateurs des institutions qui sont abonnées à un des programmes freemium d'OpenEdition peuvent télécharger les références bibliographiques pour lequelles Bilbo a trouvé un DOI.
Format
APA
MLA
Chicago
Le service d'export bibliographique est disponible aux institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : contact@openedition.org

AB’SABER, A. N. “A terra paulista”. Boletim Paulista de Geografia, (23), 1956.

BERTIN, J. Sémiologie graphique: les diagrammes, les réseaux, les cartes. 2ª ed., Paris, Mouton, Gauthier-Villars, 1973.

BLACK, J. Maps and politics. Londres, Reaktion Books,1997.

CASSETI, W. Ambiente e apropriação do relevo. São Paulo, Contexto, 1991.

CUENIN, R. Cartographie générale: notions générales et principes d’elaborations. Paris, Eyrolles, 1972.

DAINVILLE, F. “From the depths to the heights”. Surveying and Mapping, 30:389-403, 1970.

DEMANGE, H. et alii. Je m’oriente sans difficulté. Paris, A. Lesot, 1977.

Format
APA
MLA
Chicago
Le service d'export bibliographique est disponible aux institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : contact@openedition.org

GERASSIMOV, I. P. e MECERJAKOV, J. A. “Morphoestructure”. In: FAIRBRIDGE, R. W. (ed.) The encyclopedia of geomorphology, New York, Reinhold Book, 1968.
DOI : 10.1007/3-540-31060-6_250

IBGE. Carta do Brasil ao milionésimo, Rio de Janeiro, IBGE, 1972.

IBGE. Atlas do Brasil. Rio de Janeiro, IBGE, 1959.

IMHOF, E. Kartographishe Geländedarstellung, Berlim, Walter De Gruyter, 1965.

JOLY, F. “Problèmes de la cartographie géomorphologique”. Bulletin du Comité Français de Cartographie, (24):169-172, 1965.

Format
APA
MLA
Chicago
Le service d'export bibliographique est disponible aux institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : contact@openedition.org

JOLY, F. (coord.). Cartegéomorphologique de la France au 1:1.000.000. Montpellier, GIP RECLUS, 1986.
DOI : 10.3406/quate.1966.1043

LIBAULT, A. Geocartografia. São Paulo, Nacional-EDUSP, 1975.

LIBAULT, A. La cartographie. Paris, PUF, 1966.

Format
APA
MLA
Chicago
Le service d'export bibliographique est disponible aux institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : contact@openedition.org

MECERJAKOV, J. P. Les concepts de morphoestructure et de morphoesculture: un nouvel instrument de l’analyse géomorphologique. Annales de Géographie,(77), 1968.
DOI : 10.3406/geo.1968.15733

MONBEIG, P. “Sobre mapas”. Boletim Geográfico,1(9):192-194,1943.

MONKHOUSE, F. H. e WILKINSON, H. R. Maps and diagrams. 3ª ed. Londres, Methuen, 1971.

Format
APA
MLA
Chicago
Le service d'export bibliographique est disponible aux institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : contact@openedition.org

MONMONIER, M. S. How to lie with maps. Chicago, University of Chicago Press, 1991.
DOI : 10.7208/chicago/9780226029009.001.0001

OLIVEIRA, C. Curso de cartografia moderna. Rio de Janeiro, IBGE, 1988.

OLIVEIRA, C. Dicionário cartográfico, Rio de Janeiro, IBGE, 1983.

PENCK, W. Morphological analysis of land forms: a contribution of physical geology, Londres, Macmillan, 1953.

RECHERCHE COOPÉRATIVE SUR PROGRAMME Nº77. Cartographie géomorphologique: travaux de la RCP 77, Mémoires et documents, Paris, CNRS, 1971.

ROBINSON, A. H. et alii. Elements of cartography. (3rd ed.). New York. John Wiley & Sons, 1985.

Format
APA
MLA
Chicago
Le service d'export bibliographique est disponible aux institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : contact@openedition.org

ROBINSON, A. H. e SALE, R. D. Elements of cartography. (3rd ed.). New York, John Wiley & Sons, 1969.
DOI : 10.1097/00010694-196008000-00022

ROBINSON, A. H. Early thematic mapping in the history of cartography. Chicago, The Chicago Press,1982.

ROSS, J. L. S. “Os fundamentos da geografia da natureza”. In: ROSS, J. L. S. (org.). Geografia do Brasil, São Paulo, EDUSP, 1996.

Format
APA
MLA
Chicago
Le service d'export bibliographique est disponible aux institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : contact@openedition.org

ROSS, J. L. S. “Relevo brasileiro: uma nova proposta de classificação”. Revista do Departamento de Geografia,(4): 25-39, 1985.
DOI : 10.7154/RDG.1985.0004.0004

ROSS, J. L. S. e MOROZ, I. C. Mapa geomorfológico do estado de São Paulo. São Paulo, DG-FFLCH-USP, IPT, FAPESP, 1997.

ROSS, J. L. S. “Relevo brasileiro: planaltos, planícies e depressões”. In: CARLOS, A. F. A. (org.). Novos caminhos da geografia, São Paulo, Contexto, 1999.

ROSS, J. L. S. Ecogeografia do Brasil: subsídios para planejamento ambiental. São Paulo, Oficina de Textos, 2006.

THROWER, N. J. W. Maps & civilization. Chicago, The University of Chicago Press, 1996.

  • 1 Curva hipsográfica:- gráfico cartesiano que representa as variações em superfície das terras emersas e imersas em relação às respectivas altitudes.

  • 2  RECHERCHE COOPÉRATIVE SUR PROGRAMME N 77 Cartographie et géomorphologie: travaux de la RCP 77, Mémoire et documents, Paris, CNRS, l971.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Relevo visualizado em épura do primeiro diedro:
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6168/img-1.png
Fichier image/png, 1,6k
Titre Relevo visualizado em Perfil com níveis de altitude (no plano vertical do primeiro diedro):
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6168/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Relevo visualizado em Mapa em curvas de nível (no plano horizontal do primeiro diedro):
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6168/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 36k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6168/img-4.png
Fichier image/png, 4,2k
Titre Mapa do relevo do estado de São Paulo em cores hipsométricas:
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6168/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 752k
Titre Mapa do relevo do estado de São Paulo em cores hipsómetricas com sombreado:
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6168/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 536k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6168/img-7.png
Fichier image/png, 6,2k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6168/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 728k
Titre 1. Esboço mostrando os principais aspectos geomorfológicos do estado de São Paulo (Rego, 1932):
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6168/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 1,4M
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6168/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 276k
Titre 2. Esquema morfológico para o estado de São Paulo (Ab’Sáber, 1956:)
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6168/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 1,6M
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6168/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre 3. Divisão geomorfológica (Almeida, 1964):
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6168/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 900k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6168/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre 4. Divisão geomorfológica (IPT, 1981):
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6168/img-15.jpg
Fichier image/jpeg, 1,3M
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6168/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 21k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6168/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 308k
Titre 6. Compartimentos do relevo (IBGE, 2000):
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6168/img-18.jpg
Fichier image/jpeg, 924k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6168/img-19.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Marcello Martinelli, « Relevo do Estado de São Paulo », Confins [En ligne], 7 | 2009, mis en ligne le 28 octobre 2009, consulté le 24 juillet 2014. URL : http://confins.revues.org/6168 ; DOI : 10.4000/confins.6168

Haut de page

Auteur

Marcello Martinelli

Professor no Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP m_martinelli@superig.com.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

© Confins

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Revues.org