Navigation – Plan du site
Projeto de pesquisa / position de recherche

Clima do Estado de São Paulo

Marcello Martinelli

Entrées d’index

Index de mots-clés :

Atlas, cartographie, São Paulo

Index by keywords :

Atlas, cartography, São Paulo

Index géographique :

São Paulo

Índice de palavras-chaves :

Atlas, cartografia, São Paulo
Haut de page

Notes de la rédaction

Nous continuons ici la pré-publication du remarquable Atlas de São Paulo de Marcello Martinelli, avec cette fois des extraits du chapitre et des synthèses sur le climat. Nous voulons ainsi porter ce travail de plusieurs années à la connaissance du public, mais aussi attirer l'attention d'éditeurs publics ou privés pour qu'ils entreprennent l'édition moderne que méritent ces cartes, entièrement réalisées à la main.

Continuamos aqui a prépublicação do magnífico Atlas de São Paulo de Marcello Martinelli, com esta vez extratos do capítulo e as sínteses sobre o clima. Queremos assim levar este trabalho de vários anos ao conhecimento do público, mas também atrair a atenção de editores públicos ou privados de modo que empreendam a edição moderna que merecem estes mapas, inteiramente realizadas à mão.

Texte intégral

1Os fenômenos da atmosfera em contato com a superfície da Terra, portanto, de alto interesse para a sociedade humana, são estudados pela climatologia. Têm com fonte essencial a meteorologia.

2Ao abordar tais fenômenos trava-se contato com duas noções essenciais: a de tempo e de clima. São estados da atmosfera. Enquanto o tempo é uma combinação passageira, o clima resulta de condições que perduram por um período mais longo. Interessa, particularmente, o clima, por considerar estados mais duráveis, susceptíveis de criar determinado meio, oferecendo possibilidades para a sociedade. Entretanto, para alcançar com consistência a noção de clima tem-se que considerar a de tempo como basilar.

3O tempo é uma combinação transitória, concreta, de comportamentos dos elementos, caracterizando um estado atmosférico momentâneo. Se esta combinação reaparecer com certa frequência constituirá um tipo de tempo, podendo estar ligado a esta ou aquela participação desta ou aquela massa de ar (CONTI & FURLAN, 1996).

4O clima, segundo SORRE (1951) é “a série de estados da atmosfera acima de um lugar em sua sucessão habitual”. É o estudo das sucessões de tipos de tempo que permitirão compreender o mecanismo do clima.

5A Organização Meteorológica Mundial definiu em 1959 o clima como “um conjunto flutuante de condições atmosféricas caracterizadas pelos estados e evolução do tempo no curso de um período suficientemente longo, em um domínio espacial determinado”.

6No encaminhamento da sistematização dos estudos climatológicos conta-se com duas correntes: a da climatologia separativa e a da climatologia sintética, lastreadas respectivamente nas contribuições da meteorologia separativa e da meteorologia dinâmica.

7A primeira considera cada elemento do tempo por si próprio, isolado dos demais. É ideal quando um elemento se constitui naquele preponderante. Entretanto, não leva em conta a real interconexão que existe entre os elementos e muito menos permite o conhecimento das causas.

8A segunda tem por base os tipos de tempo vistos em sua sequência, vinculados à participação dos mecanismos das massas de ar. O estudo abarcará a totalidade dos tipos de tempo, avaliando sua frequência e modo pelo qual se sucedem diacronicamente, permitindo um conhecimento integrado, restituindo a complexidade viva dos climas em escala da percepção humana, social.

9O mapa dos ventos oceânicos de HALLEY de 1688 é considerado como o primeiro mapa temático, bem como o primeiro mapa meteorológico, tendo o cuidado de usá-lo como base o planisfério na projeção de Mercator que permite registrar os ventos em suas verdadeiras direções.

10Já no fim do século XVIII observações de temperatura e outros fenômenos meteorológicos eram registrados em mapas, porém apenas mediante a inserção dos valores inscritos sobre o mapa. Foi HUMBOLDT que, em 1817, adaptando o conceito de isolinha idealizado por HALLEY (1688) para a declinação magnética traçou as isotermas, representando a distribuição em área das temperaturas, método que possibilitou ressaltar que, o gradiente de decréscimo da temperatura com o aumento da latitude difere de uma costa para outra, de leste para oeste e vice-versa, nos continentes.

11Sua idealização serviu para a cartografia temática resolver a representação quantitativa de inúmeros fenômenos geográficos, dentre os quais vários foram por sua própria sugestão.

12O fato de BRANDES, em 1820 ter investigado a relação entre os ventos e a pressão atmosférica o teria levado a realizar um mapa sinótico de uma situação atmosférica com linhas de mesma variação de pressão. Entretanto, tais linhas, unindo pontos de mesma pressão, foram confirmadas como isóbaras somente em 1864 por RENOU.

13O primeiro mapa da precipitação foi realizado por OLSEN em 1839 mediante valores visuais em quatro faixas de zonas ordenadas no sentido da latitude para a Itália no contexto da Europa e África para representar as concentrações sazonais de chuvas, ressaltando, ainda as áreas sob efeito orográfico.

14Um primeiro mapa com superposição de dois sistemas de isolinhas foi apresentado pelo Physikalischer Atlas de 1841. Considerou isoietas dos totais anuais de precipitação combinadas com as isoietas de verão acrescidas das direções e sentidos dos ventos de chuvas, da quantidade de precipitação em um dia e do número de dias com neve.

15Pode-se evidenciar, já nessa época, o desejo de combinar uma situação particular com a geral, tal como faz a estatística, lançando mão da possibilidade da vista entrever esta relação mediante a representação de duas superfícies, em transparência, projetadas em épura, no plano horizontal.

16Outra tentativa de representação da precipitação pluviométrica foi apresentada por CLARK (1851) para o mapa das Ilhas Britânicas e arredores. A quantidade de chuva nos postos fora indicada pela variação de tamanho de círculos proporcionais. Inscritos ao lado estavam os números de dias com chuva no ano. Completavam o mapa, as regiões de chuvas de acordo com as estações. Toda esta temática estivera sobreposta a uma base que ressaltava as áreas com relevo acima dos 1000 pés de altitude.

17Por vota de 1850 as isolinhas com ordem visual intercalar tornaram-se praticamente convencionais para a representação de fenômenos atmosféricos.

18Às representações para fenômenos meteorológicos individuais seguiram-se aquelas mais elaboradas, dando maior atenção a uma questão mais complexa desta temática: a representação do clima.

19A primeira iniciativa neste sentido foi empreendida por LOOMIS, ao apresentar uma série de mapas dos temporais em 1843. Além da direção e velocidade dos ventos, o autor registrou a precipitação - pluvial e nival -, a temperatura do ar e a pressão. O autor defendia que a compreensão do fenômeno dos temporais poderia ser assimilada pela visão em um breve instante de percepção a partir do mapa.

20Já na época, os mapas do clima eram entendidos como mapas temáticos complexos por procurar integrar graficamente a estrutura de diversos fenômenos individuais, como ventos, precipitação, temperatura, etc.

21Pode-se, portanto, notar a ansiedade na busca de uma cartografia que pudesse expressar a compreensão holística da realidade mediante um raciocínio de síntese, o que pode ser defendido nos dias de hoje.

22A representação isarítmica confirmou-se como uma das mais difundidas para abordar um amplo leque de elementos do clima com manifestação em área. Estes sendo avaliados através de uma grande variedade de indicadores, mediante dados absolutos ou relativos, inclusive de medidas de tendência central e dispersão, de comparações, tendências e correlações, além de múltiplos índices idealizados por estudiosos do assunto em bases teóricas, como o caso da evapotranspiração potencial proposta por THORNTHWAITE (1948).

23Outra forma de cartografia bastante difundida hodiernamente para a representação dos elementos do clima, seja numa visão instantânea como diacrônica, é a que implanta diagramas de variadas concepções, às vezes até de múltiplos componentes, nos lugares que são postos meteorológicos. Estes mapas são chamados por muitos teóricos da cartografia de cartogramas. Sejam os exemplos dos diagramas direcionais (anemogramas) e dos diagramas evolutivos (gráficos pluviotérmicos).

24Estas soluções se estabeleceram e se confirmaram a partir da emancipação da cartografia quantitativa, na segunda metade do século XIX, como resultado da aplicação da aritmética linear estabelecida por PLAYFAIR em 1786 e 1801.

25Diagramas evolutivos no sistema cartesiano, bem como no polar lançados sobre mapas são de uso bastante difundido. Eles podem ser também combinados, como os pluviotérmicos já mencionados, fazendo correspondências específicas entre as variáveis neles representadas, segundo determinada teoria.

26Uma aplicação importante do sistema polar é a que estipula a construção de gráficos para representar fenômenos direcionais - os vários tipos dos já citados anemogramas.

27Muitos destes gráficos posicionados sobre mapas têm a função de revelar agrupamentos de lugares vislumbrados através da seleção de silhuetas similares. Aqueles se caracterizariam, assim, por agrupamentos de atributos ou variáveis, participando, desta maneira, do raciocínio básico para se chegar ao mapa de síntese - o mapa dos tipos de clima.

28Outra variedade de mapa resultante do clássico mapa dos ventos oceânicos de HALLEY (1688) é o que representa as direções e sentidos dos ventos e das correntes de ar, bem como do deslocamento das massas de ar e as trajetórias dos ciclones.

29Um gênero de mapa bastante particular, mais utilizado pela meteorologia do que pela climatologia, é o mapa sinótico. É uma representação bastante convencional dos dados das condições atmosféricas levantadas sistematicamente para cada dia com um pano de fundo de isóbaras.  Tal mapa colocaria em evidência zonas de altas pressões ou anticiclones, dorsais (mergulhando nos anticiclones), zonas de baixas pressões ou depressões, talvegues (mergulhando nas depressões), limites entre duas massas de ar distintas - designados de frentes -, representadas convencionalmente se são quentes, frias, estacionárias ou oclusas, de superfície ou de altitude, além de marcar a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT).

30Para cada local de observação são registrados dados através de dígitos ou de uma série de símbolos convencionais hierarquizados de acordo com classes de valores das respectivas observações: nuvens altas, nuvens médias, temperatura do ar em °C, temperatura presente, nuvens baixas, temperatura do ponto de orvalho, temperatura do mar em °C, altura das ondas, nebulosidade (em oitavos de céu coberto), pressão atmosférica em mb (milibares) ou hPa (hectopascais), valor característico da tendência barométrica, tempo passado, capacidade resultante do navio, mar do vento.

31Climogramas lançados, por sua vez, sobre mapas podem indicar uma tipologia, a partir da classificação das silhuetas que expressam.

32Uma consideração hodierna acerca do clima é a que o vislumbra, dentre outros, como importante recurso natural, oferecendo condições naturais à sociedade. Não é de hoje que o homem o tem com tal. Desde os primórdios da existência humana, o clima participa de sua vida, em seu dia-a-dia. A água doce é um recurso essencial basicamente comandado pelas condições climáticas.

33A atividade agrícola depende fundamentalmente das oscilações do tempo e do clima, comprometendo-se, tanto nas relações espaciais como nas temporais. As primeiras têm a ver mais com as associações ecológicas. As segundas regulam o ritmo da produção agrícola (MONTEIRO, 1976).

34A produção de energia hidrelétrica ressente-se atualmente, mais do que nunca, no mundo todo, do comportamento do tempo em suas mudanças climáticas.

35Os ventos, de longa data consolidados com importante fonte de energia, em várias partes do globo, cada vez mais vêm sendo explorados para mover usinas eólio-elétricas.

36A radiação solar, igualmente, é cada vez mais empregada na geração de energia elétrica doméstica e industrial.

37Mas o homem também é fator climático, pois sua ação tem provocado efeitos continuados e cumulativos consoantes com o desdobramento dos sucessivos modos de produção desenvolvidos no decurso da história da humanidade.

38Hoje, fenômenos como o “efeito estufa”, o “el niño”, o “buraco na camada de ozônio”, a “ilha de calor” são consequências alarmantes das condições ambientais da Terra, fruto das intermediações das atividades humanas, sem os devidos cuidados.

39Está-se vivendo um acontecimento digno de nota, o das mudanças climáticas no globo - “global changes”.

40É uma questão preocupante. A causa destas mudanças, além de contar em parte com as calamidades naturais ocorridas em tempos históricos, seria o próprio homem, por sua ação transformadora, principalmente na prática da agricultura ou atividades mineradoras em grande escala.

41As perturbações mais evidentes têm influído na força, direção e sentido dos ventos, na umidade e no regime das chuvas.

42A expansão das atividades industriais e consequente ampliação do espaço urbano contribuíram para a formação do “clima urbano” caracterizado pelas “ilhas de calor”.

43Grandes volumes de resíduos industriais lançados na atmosfera provocaram a elevação da temperatura. Dentre estes se destacam o Dióxido de carbono e o Clorofluorcarbono. Este último, ao subir ao ar destrói a camada de ozônio, deixando sem proteção a biosfera frente às radiações ultravioletas.

44Por outro lado, numa escala mais próxima do dia a dia da sociedade, anomalias do comportamento atmosférico têm perturbado seriamente as atividades humanas. Assim, a ocorrência de ondas de frio, extremos de pluviosidade, secas prolongadas, névoas úmidas, geadas, granizos, inversões térmicas, furacões, mostra que a sociedade moderna não está a salvo dos efeitos destas variações do tempo atmosférico, apesar dos avanços tecnológicos conquistados (CONTI & FURLAN, 1996).

45Para o estado de São Paulo, várias entidades de pesquisa e estudiosos têm apresentado trabalhos com mapas, seja de elementos isolados, combinados e do clima, apresentando múltiplas propostas de classificações.

46Passar-se-á a apresentar uma coletânea selecionada de mapas sobre o tema Clima, tanto analíticos como de síntese.

Mapas analíticos

Pluviosidade - totais anuais (período 1941-1971)

47Mapa analítico: - mapa isarítmico com isoietas selecionadas para os valores 1120, 1200, 1300, 1400, 1500, 1700, 2000, 3000, 4000 mm e ordem visual crescente entre as cores frias aplicadas entre as isolinhas.

48Revela nítida presença de mais valores elevados na fachada atlântica da Serra do Mar junto à Baixada Santista e Litoral Norte e na vertente oriental da Serra da Mantiqueira, com um decrescendo de valores conforme se vai do litoral para o interior.

Temperatura - médias anuais

49Mapa analítico: - mapa também resolvido pelo método isarítmico com isotermas selecionadas das temperaturas médias anuais obtidas com base nas temperaturas médias diárias lidas às 7, 14 e 21 horas e ordem visual crescente entre as cores quentes aplicadas entre as isolinhas de valores de 15, 17, 18, 19, 20, 21, 22 e 23ºC.

50Mostra claro gradiente acompanhando a disposição geral do relevo com valores que vão se tornando mais elevados conforme se vai para o interior ou para o litoral a partir do alinhamento planáltico junto às serras de Paranapiacaba, do Mar e Mantiqueira.

Variações espaciais da temperatura - tendência média anual e extremos sazonais

51Mapa analítico: - mapa proposto por MONTEIRO (1971; 1976) para mostrar o comportamento espacial dos fluxos de energia térmica, a partir da dinâmica da circulação atmosférica, em seu desenvolvimento anual. A representação utiliza o artifício de sobrepor simultaneamente três redes de isolinhas em transparência, isotermas das tendências médias anuais associadas aos extremos sazonais de verão e inverno - meses de janeiro e julho. É um típico exemplo de mapa exaustivo, que pela transparência permite ver comparativamente as três séries estatísticas. Pode-se considerá-lo, também, como um mapa a meio caminho na busca da síntese cartográfica do clima. Em certas classificações pode ser visto como um característico mapa complexo, por introduzir a noção de “complexidade” (LIBAULT, 1975).

52As três redes de isolinhas são traçadas sobre o mesmo mapa: a ordem visual crescente entre as cores representa a tendência central enquanto que a sequência ordenada de hachuras, das mais abertas às mais fechadas, sobrepostas em transparência, mostra os extremos.

53A tendência média anual reflete nitidamente a influência das altitudes em seu arranjo geomorfológico. Os valores máximos encontram-se no extremo oeste, junto à calha do rio Paraná, área mais sujeita à participação do sistema tropical continental. As áreas mais frias dos meses de inverno ocorrem em áreas vinculadas às maiores altitudes, mostrando clara participação dos sistemas extratropicais com suas ondas de frio provindas do sul (MONTEIRO, 1976).

Umidade relativa anual

Ocorrência de geada

54Mapa analítico: - mapa isarítmico do número de dias de ocorrência de geadas com ordem visual intercalar.

55Segundo a autora, LACATIVA (1983), a geada é um fenômeno microclimático que consiste na formação de finos cristais de gelo que se depositam sobre as superfícies, quando as temperaturas ficam abaixo do ponto de congelamento, fazendo com que o vapor d’água da umidade atmosférica passe diretamente ao estado sólido, por sublimação.

56A ocorrência de geada no estado de São Paulo está vinculada à participação mais frequente e intensa das incursões das massas polares, no período de maio até final de agosto. Pode apresentar picos em julho, em episódios em que o centro de alta pressão estaciona ou passa sobre o lugar, deixando o céu claro e com intensa irradiação noturna.

57O fenômeno se concentra nas unidades morfoesculturais Planalto Atlântico, Depressão Periférica e Planalto Ocidental do relevo paulista. Na primeira, acontece por conta da presença marcante do fator altitude; nas duas últimas, ocorre em virtude de tais conjuntos espaciais estarem à mercê da trajetória dos fluxos da massa de ar polar continental.

58Em nível das formas das unidades de relevo, são os fundos de vale os mais vulneráveis, tendo em vista a acumulação de ar frio em suas baixadas, favorecendo as inversões térmicas.

Evapotranspiração potencial anual

59Mapa analítico: - mapa isarítmico com linhas de igual valor de quantidade de chuva em mm teoricamente necessária para atender ao consumo de água evapotranspirada, de forma a atender as exigências da cobertura vegetal. Entre elas intercala-se uma ordem visual. Foi construído segundo o método do Balanço Hídrico de THORNTHWAITE & MATHER (1955), para 125 mm de retenção de água no solo.

Deficiências hídricas anuais

Condicionantes hídricos

60Mapa analítico: - mapa elaborado por MONTEIRO (1971; 1976), usando as flutuações anuais do balanço hídrico - solo teórico - capacidade: 125 mm, para mostrar, no território paulista, a oposição entre áreas com deficiência sazonal (áreas com definição anual de período seco - de abril a setembro), ressaltando nestas, aquelas que são críticas no bimestre mais seco (agosto a setembro) e áreas com excedentes anuais (chuvas distribuídas o ano todo), ladeando uma faixa intermediária em equilíbrio. A representação adotou o Método isarítmico, com duas ordens visuais opostas interpostas entre as isolinhas.

61Considera-se que o autor construiu este mapa já se encaminhando para um raciocínio de síntese completo, como virá depois. Pode-se dizer que se tratou de um mapa complexo, porém já empregando um procedimento de síntese mais simples, que adota a dupla comparabilidade reduzida a uma diferença, um balanço.

Mapas de síntese: a síntese do clima em mapa

62Entende-se que a cartografia do clima (tipos de clima) só pode ser concebida dentro de um raciocínio de síntese.

63O mapa não mostrará mais os elementos atmosféricos em justaposição ou superposição, como apresentado no item anterior, mas sim a fusão deles em tipos, tipos de clima, revelando conjuntos espaciais, que são agrupamentos de áreas elementares de análise que se formaram, sendo caracterizados por agrupamentos de atributos ou variáveis.

64Esta realização é bastante complexa e passa por variadas propostas de encaminhamentos para a coordenação do raciocínio em sua efetivação.

65As formas mais simples desta cartografia são aquelas que estabelecem, em base a uma postura teórica, índices que classificam os postos de observação em conjuntos espaciais que significam tipos climáticos.

66A primeira classificação de âmbito mundial a ser proposta foi aquela de KÖPPEN, em 1918, lastreada em parâmetros empíricos desenvolvidos a partir dos valores médios anuais ou mensais de temperatura e precipitação. Sua classificação não levava em conta causas como, pressão, ventos, massas de ar, frentes ou tempestades.

67O sistema de KÖPPEN considera um grupo de letras para designar os grandes grupos climáticos, subgrupos e subdivisões para caracterizar situações específicas. São cinco grupos climáticos principais referidos pelas letras A, B, C, D e E. Os subgrupos recebem uma segunda letra - S ou W - aplicável apenas aos climas tipo B. Completando o esquema, são acrescentadas as letras f, w, s, m. Uma terceira letra - a, b, c, d, h, k, completa a classificação, acrescentando variações de temperatura ou de outros elementos atmosféricos.

68Combinando os grupos de letras aos pares obtêm-se onze tipos de clima, que podem ser acrescidos de características específicas quanto à temperatura, mediante a aposição de uma terceira letra a este nível de categorização apresentado pelo código climático.

69Tipos de clima:

  • Af - Floresta tropical

  • Aw - Savana tropical

  • BS - Clima de estepe

  • BW - Clima desértico

  • Cw - Clima chuvoso temperado com inverno seco

  • Cf - Clima chuvoso temperado úmido em todas as estações

  • Cs - Clima chuvoso temperado com verão seco

  • Df - Clima de floresta, frio com neve, úmido todas as estações

  • Dw - Clima de floresta, frio com neve com inverno seco

  • ET - Clima de tundra

  • EF - clima de gelo permanente.

70Assim, por exemplo, BWk seria um clima fresco e desértico e Dfc significaria um clima de floresta, frio e com neve, com verão curto e fresco.

71Outro sistema mundial, hoje também tido como clássico, porém de concepção genética, (gênese dos tipos de tempo) é aquele proposto por STRAHLER (1951), com base na posição das regiões das massas de ar, na natureza e no movimento das massas de ar, nas zonas frontais e nos distúrbios ciclônicos.

72O autor estruturou a classificação em três grupos complementados pelos climas das altas montanhas.

73Os climas do Grupo I - climas das baixas latitudes - são controlados pela dinâmica dos anticiclones subtropicais e pela zona de convergência intertropical que se aloja entre eles.

74Os climas do Grupo II - climas das latitudes médias - estão numa zona de intensa interação conflituosa entre massas de ar bem contrastantes: a zona da frente polar. Localmente e sazonalmente, tanto as massas tropicais como as polares podem dominar, mas nenhuma delas com controle exclusivo da situação.

75Os climas do Grupo III - climas das altas latitudes - são dominados pelas massas polares, árticas e antárticas.

76Treze tipos climáticos se enquadram nestes três grupos. Completam a tipologia os climas das altas montanhas.

Classificação do clima pelo sistema internacional de Köppen

77Mapa de síntese, adotando grupos de letras designativas dos tipos de climas dentro do sistema de classificação de Köppen.

78Neste sistema, o estado de São Paulo comporta os climas A - tropical e C - temperado úmido. O tropical A se subdivide em Af - tropical úmido sem estação seca e Aw - tropical úmido com inverno seco. Os climas temperados úmidos C se subdividem em Cwa - quente com inverno seco, Cwb - temperado com inverno seco, Cfa - quente sem estação seca e Cfb - temperado sem estação seca.

Classificação climática pela efetividade da precipitação

79Mapa de síntese elaborado por SETZER (1966) com base no índice da efetividade da precipitação anual. É um índice de umidade do clima obtido por cálculo que leva em conta as chuvas e as temperaturas na mesma fórmula. É calculado dividindo o total médio de chuvas do mês por 2 elevado à potencia 1/10 da respectiva temperatura média. A soma dos 12 índices mensais é o índice anual.

80Identificam-se, assim, no estado, os climas: Super-úmido temperado, Muito úmido subtropical, Muito úmido tropical, Úmido tropical, Úmido subtropical, Sub-úmido tropical e Sub-úmido subtropical.

Tentativa de classificação

81Mapa de síntese elaborado por MONTEIRO (1973), propondo uma tipologia climática para o estado de São Paulo.

82Sua lucubração teve por base a dinâmica atmosférica vista através dos mecanismos de circulação ao nível continental, o que lhe permitiu avaliar sua participação genética no âmbito do território paulista.

83Para o autor, são os mecanismos da circulação atmosférica regional que vão indicar o primeiro nível de classificação climática em São Paulo. Este traçaria um limite zonal por conta da co-participação das características do sul brasileiro (dotado de acentuada amplitude térmica, da incidência de sistemas meteorológicos contrastantes e farta pluviosidade no ano todo), do centro-oeste e sudeste, onde se define um período seco.

84No segundo nível entram e jogo os fatores geomorfológicos, estabelecendo áreas com e áreas sem período seco.

85Em níveis taxonômicos inferiores as subdivisões serão impostas por conta da influência da organização ecológica e da ação antrópica.

86A legenda se organizou num quadro de dupla entrada com os citados três níveis de organização:

87Climas zonais: climas controlados por massas equatoriais e tropicais e climas controlados por massas tropicais e polares.

88Climas regionais: climas úmidos das costas expostas às massas tropicais marítimas, climas tropicais alternadamente secos e úmidos e climas úmidos da face oriental e subtropical do continente dominada por massa tropical marítima.

89Feições climáticas individualizadas nos climas regionais, segundo as unidades geomorfológicas: Litoral, Planalto Atlântico, Vale do Paraíba, Mantiqueira, Depressão e Planalto Ocidental.

Tipologia climática segundo análise fatorial e de agrupamento

90A autora SALVI (1984) concebeu uma classificação climática com abordagem quantitativa, empregando a análise de correlação de Spearman, a análise fatorial e a análise de agrupamento para variáveis climáticas.

91A partir dos vários níveis de agrupamento exibidos pela árvore de ligações, Salvi optou por um corte bastante específico, obtendo, assim, um agrupamento básico em espaços contínuos que designou por: Faixa costeira, Porção leste do Planalto atlântico, Depressão periférica e Vale do Paraíba, Planalto de Franca e Planalto ocidental.

Haut de page

Bibliographie

Des DOI sont automatiquement ajoutés aux références par Bilbo, l'outil d'annotation bibliographique d'OpenEdition.
Les utilisateurs des institutions qui sont abonnées à un des programmes freemium d'OpenEdition peuvent télécharger les références bibliographiques pour lequelles Bilbo a trouvé un DOI.
Format
APA
MLA
Chicago
Le service d'export bibliographique est disponible aux institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : contact@openedition.org

CONTI, J.B. Circulação secundária e efeito orográfico na gênese das chuvas na região lesnordeste paulista. São Paulo: IGEOG, 1975.

CONTI, J.B. e FURLAN , S.A. “Geoecologia. O clima, os solos e a biota”. In: ROSS, J. L. S. Geografia do Brasil. São Paulo: Edusp, 1996.

DE MARTONNE. “L’indice d’aridité”. Bull. Assoc. Géogr. Françaises: 3-5, 1926.

Format
APA
MLA
Chicago
Le service d'export bibliographique est disponible aux institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : contact@openedition.org

GAUSSEN, H. et BAGNOULS, F. “L’indice xérothermique”. Annales de Géographie: 193-220, 1957.
DOI : 10.3406/bagf.1952.7361

LIBAULT, A. Geocartografia. São Paulo: Edusp/Nacional, 1975.

MARTINELLI, M. Mapas da geografia e cartografia temática. São Paulo: Contexto, 2008.

MENDONÇA, F. e DANNI-OLIVEIRA, I.M. Climatologia: noções básicas e climas do Brasil. São Paulo: Oficina de Textos, 2007.

MONTEIRO, C.A.F. “Clima” In: IBGE. Grande Região Sul. Rio de Janeiro: IBGE, 1968.

MONTEIRO, C.A.F. A dinâmica climática e as chuvas do estado de São Paulo: estudo geográfico sob forma de atlas. São Paulo: IGEOG, 1973.

MONTEIRO, C.A.F. O clima e a organização do espaço no estado de São Paulo: problemas e perspectivas. São Paulo: IGEOG, 1976.

MONTEIRO, C.A.F. Teoria e clima urbano. São Paulo: IGEOG, 1976.

PLAYFAIR, W.  Commercial and political atlas. Londres: Debrett, 1786.

PLAYFAIR, W. The statistical breviary. Londres: Wallis, 1801.

SETZER, J. Atlas climático e ecológico do estado de São Paulo. São Paulo: CIBPU, 1966.

SORRE, M. “Le climat”. In: Les fondements de la géographie humaine. Paris: Armand Colin, 1951.

STRAHLER, A.H. Phisical geography. New York: John Wiley & Sons, 1951.

TARIFA, J.R. e AZEVEDO, T.R. de (org.). Os climas na cidade de São Paulo: teoria e prática. São Paulo: USP, 2001.

Format
APA
MLA
Chicago
Le service d'export bibliographique est disponible aux institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : contact@openedition.org

THORNTHWAITE, C.W.  “An approach toward a rational classification of climate”. Geographical Review: 55-94, 1948.
DOI : 10.2307/210739

TROPPMAIR, H. “Ecossistemas e geossistemas do estado de São Paulo”. Boletim de Geografia Teorética, 13(25): 27-36, 1983.

TROPPMAIR, H. Geossistemas e geossistemas paulistas. Rio Claro: Troppmair, 2000.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Marcello Martinelli, « Clima do Estado de São Paulo », Confins [En ligne], 8 | 2010, mis en ligne le 11 mars 2010, consulté le 24 octobre 2014. URL : http://confins.revues.org/6348 ; DOI : 10.4000/confins.6348

Haut de page

Auteur

Marcello Martinelli

Professor no Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP  m_martinelli@superig.com.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

© Confins

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Revues.org