Navigation – Plan du site

De volta para casa: a distribuição dos brasileiros retornados do exterior

De retour à la maison: la distribution des Brésiliens revenus de l'étranger
Wilson Fusco et Sylvain Souchaud

Résumés

En Amérique du Sud, l'étude de la migration de retour a été peu prise en compte à cause, d'abord, de la nature des flux. L'histoire des migrations originaires d'Europe, d'Asie et d'Afrique est considérée à orientation unique. Mais les progrès de l'approche systématique ont donné de l'importance au thème du retour. Néanmoins, le retour des migrants est inclus dans les modalités des transferts et des impacts sur les lieux d'origine. D'autre part a été créée une catégorie spécifique de retour, connue sous le nom d'"ethnique". Dans ce cas, la migration implique un processus historique qui, à travers les générations, va nourrir un projet de politique nationale, voire nationaliste. Autour de l'expérience historique de l'éloignement se construit une identité collective, cristallisée autour du retour. Nous proposons d'envisager le retour en fonction des caractéristiques réelles des flux d'émigration dont elle provient. A partir de trois études de cas, le retour du Japon, du Paraguay et des États-Unis, nous analysons, dans le premier cas, l'importance de la formation et la consolidation historique des flux d'aller dans l'organisation du retour. Dans le cas du retour du Paraguay nous soulignons l'importance du contexte national brésilien, en l'occurrence la dynamique de la frontière agricole, dans l'activation des contre-courants et des flux. Le retour des États-Unis, à son tour, a «n'a pas d'histoire", mais se structure par de forts liens sociaux qui sous-tendent le départ initial du Brésil.

Haut de page

Texte intégral

  • 1 Este texto é fundado no trabalho apresentado originalmente no XVI Encontro Nacional de Estudos Popu (...)
  • 2  O migrante que declara residência anterior (nos últimos 10 anos) diferente da atual é conhecido co (...)

1A migração de retorno vem ocupando um espaço crescente dentre os estudos migratórios1. No Brasil, atualmente considerado, também, um país de emigração internacional, observam-se importantes movimentos de retorno. Ainda que bastante diversificados quanto à origem geográfica, nota-se que três países alimentam o fluxo com aproximadamente 60% do volume total, ou seja, Paraguai, Japão e Estados Unidos. A partir desses três casos, propomos, neste trabalho, considerar o retorno em função das próprias características do fluxo de emigração que lhe dá origem. Para tal partimos da observação dos dados do Censo 2000 (IBGE) sobre a distribuição, por município, dos retornados, definidos em função do país de nascimento e residência no momento do censo e da declaração de última residência em país estrangeiro nos dez anos anteriores ao censo2. O mapeamento da distribuição municipal deste dado em função do país de origem (ou de destino, se observado na perspectiva da emigração) fez aparecer forte contraste, o qual, segundo acreditamos, permitiria de alguma forma a reconstituição dos antecedentes de cada processo migratório visualizado. Pensamos, então, que seria interessante testar essa hipótese, já que a mesma poderia evidenciar uma forte continuidade no processo migratório, ou seja, a estreita associação entre a emigração, o retorno e seus determinantes, talvez mais importante do que grande parte da literatura a respeito tende a considerar.

2Num primeiro momento serão assinaladas algumas das maiores orientações teóricas que se destacam quando se trata de retorno. Depois consideraremos, a partir da análise do caso de retorno do Paraguai, a importância do contexto territorial brasileiro, ou seja, a dinâmica da fronteira agrícola na ativação dos fluxos e contra-fluxos. A seguir, veremos que o retorno do Japão mostra a importância da formação e consolidação histórica do fluxo de imigração japonesa no Brasil na organização desse mesmo retorno. Por fim, tentaremos mostrar que o retorno dos Estados Unidos, apesar de “não ter história”, estrutura-se claramente através dos laços sociais, que, embora tenham sido ativados para organizar a emigração, continuam essenciais na estruturação do retorno.

O retorno: construção de uma categoria migratória.

  • 3  Sendo este um trabalho inicial sobre a questão do retorno migratório, não pretendemos aqui expor u (...)
  • 4  “Each main current of migration produces a compensating counter  current”, Ravenstein E. 1885. "Th (...)

3Dentre os tipos de movimentos migratórios estudados, o de retorno assume uma posição particular3. Ainda que, para esse tipo de deslocamento, o desenvolvimento de estudos de maior fôlego seja recente, a questão já era mencionada em 1885 por Ravenstein, o qual observou que “cada corrente migratória principal produz, em compensação, uma contracorrente”4. Na América, particularmente na América Latina, o tema foi pouco considerado devido, num primeiro momento, à natureza dos fluxos. As migrações históricas, oriundas da Europa, Ásia e África, foram consideradas como de orientação única; por terem sido migrações de mão de obra, de povoamento, pareciam ter vocação a serem definitivas. No caso brasileiro, a preocupação pelo retorno, quando aparece, se encontra ligada ao estudo dos fluxos históricos de imigração, principalmente europeus (Bassanezi, 1995). Assim, o retorno dos imigrantes italianos, espanhóis etc. é avaliado com o intuito de relativizar os volumes de entrada de populações européias e para melhor precisar os estoques de imigrantes no país em determinada época, ou seja, quando o Brasil assumiu um perfil imigratório, entre a segunda metade do século XIX e primeira metade do século XX. Pode-se considerar, dessa forma, que as implicações do retorno nos espaços de saída não aparecem como uma questão a ser analisada em si mesma. Exceção notável pode ser apreciada no trabalho de Pierre Verger (1968), que muito cedo considera, ao mesmo tempo, as várias vertentes geográficas do processo migratório, entre as quais circulam, transitam indivíduos, bens e informações, o que acaba formando um espaço em si.

4O progresso da abordagem sistemática resultou em maior importância para o tema do retorno que surgiu a partir da necessidade de considerar cada momento da migração em função da globalidade de um processo espalhado no tempo e no espaço. Podemos identificar, pelo menos, duas orientações nos estudos migratórios atuais. Na primeira, o retorno do migrante está incluído no conjunto das modalidades das transferências e impactos da migração nos lugares de origem. Dessa forma, muitas vezes, associa-se o tema do retorno ao estudo das remessas e à temática mais envolvente das transferências migratórias, especialmente na perspectiva dos fluxos migratórios Norte-Sul. Esse olhar alimenta a crescente dimensão utilitarista da migração, já que se observa, entre as organizações internacionais, uma tendência a transferir cada vez mais a responsabilidade do desenvolvimento aos migrantes internacionais: o migrante internacional seria um ator “transnacional” do desenvolvimento local no seu país de origem, seja pelas remessas que ele faz ao longo de sua emigração, seja no momento do retorno.

5Por outro lado, foi se desenvolvendo a construção de uma categoria de retorno específica, designada como “retorno étnico”. Desta vez, a migração supõe um processo histórico que, atravessando as gerações, vai alimentando um projeto político nacional, e até nacionalista. Junto à experiência histórica do afastamento, constrói-se uma identidade coletiva, cristalizada no retorno. Essa visão do retorno, muitas vezes, conecta-se ao processo diaspórico, como no caso de retorno a Israel (Aliya) para a população judia (Berthomière, 1996), ou no caso de grupos nacionais da Europa do Leste (Michalon, 2006).

O retorno do Paraguai no contexto da fronteira agrícola

6O retorno do Paraguai é o movimento de maior volume, dentre os analisados, registrado em 2000, no Brasil. Verificou-se que 50.201 pessoas nascidas e residentes no Brasil declararam residência anterior no Paraguai, entre 1990 e 2000. Essas pessoas representam 26,8% do total da população retornada de outros países, e esse contingente está bastante concentrado em duas Unidades da Federação: Paraná (61,8%) e Mato Grosso do Sul (16,2%).

População nascida no Brasil, com residência anterior no Paraguai, segundo sexo e UF de residência em 2000.

UF de Residência

Sexo (% por UF)

Masculino

Feminino

Participação da UF no Total (%)

Rondônia

43,63

56,37

1,11

Acre

64,58

35,42

0,10

Amazonas

50,00

50,00

0,01

Roraima

50,00

50,00

0,04

Pará

53,99

46,01

0,52

Tocantins

100,00

0,00

0,01

Piauí

25,71

74,29

0,07

Ceará

100,00

0,00

0,04

Rio Grande do Norte

38,10

61,90

0,04

Paraíba

100,00

0,00

0,04

Pernambuco

44,00

56,00

0,10

Alagoas

78,05

21,95

0,08

Sergipe

75,68

24,32

0,07

Bahia

27,27

72,73

0,15

Minas Gerais

67,82

32,18

0,63

Espírito Santo

41,86

58,14

0,09

Rio de Janeiro

39,68

60,32

0,38

São Paulo

46,37

53,63

3,81

Paraná

51,17

48,83

61,75

Santa Catarina

53,67

46,33

5,35

Rio Grande do Sul

53,33

46,67

3,53

Mato Grosso do Sul

51,91

48,09

16,24

Mato Grosso

56,41

43,59

5,44

Goiás

100,00

0,00

0,11

Distrito Federal

35,21

64,79

0,28

Total

51,63

48,37

100,00

N

50201

Fonte: IBGE, Censo Demográfico de 2000. Tabulação própria.

  • 5  Se forem considerados, para o período em questão, os registros oficiais dos países de destino, é o (...)

7Parece importante lembrar fatos que, se não aportam explicações diretas ao fenômeno, contribuem de alguma forma para seu entendimento. Obviamente, devido ao fato de que os censos medem estoques instantâneos e não movimentos permanentes, algumas evidências podem escapar às medições censitárias. Dentre os fatos prováveis que os censos não necessariamente captam, mencionaremos que, para alimentar tamanho movimento populacional de retorno, deve ter existido uma forte emigração brasileira para o Paraguai, e que essa população teria diminuído ou se renovado, em parte, no último período intercensitário. De fato, ainda que não haja consenso a respeito dos números, nos anos de 1990 a população nascida no Brasil e residente no Paraguai era o maior contingente emigrante do Brasil5, o qual diminuiu fortemente, passando de 108.000 a 83.000 pessoas entre 1992 e 2002 (Souchaud, 2004, 2008). O retorno já nos dá uma indicação de uma potente evolução do processo migratório brasileiro no Paraguai nos últimos 15 anos.

População nascida no Brasil, com residência anterior no Paraguai, segundo situação do domicílio e UF de residência em 2000.

UF de Residência

Situação do Domicílio

Urbano

Rural

Participação da UF no Total (%)

Rondônia

79,35

20,65

1,11

Acre

58,33

41,67

0,10

Amazonas

0,00

100,00

0,01

Roraima

0,00

100,00

0,04

Pará

23,19

76,81

0,52

Tocantins

100,00

0,00

0,01

Piauí

100,00

0,00

0,07

Ceará

100,00

0,00

0,04

Rio Grande do Norte

77,27

22,73

0,04

Paraíba

78,95

21,05

0,04

Pernambuco

100,00

0,00

0,10

Alagoas

100,00

0,00

0,08

Sergipe

100,00

0,00

0,07

Bahia

94,81

5,19

0,15

Minas Gerais

84,23

15,77

0,63

Espírito Santo

100,00

0,00

0,09

Rio de Janeiro

92,02

7,98

0,37

São Paulo

85,77

14,23

3,81

Paraná

72,52

27,48

61,75

Santa Catarina

66,74

33,26

5,35

Rio Grande do Sul

71,97

28,03

3,53

Mato Grosso do Sul

74,15

25,85

16,24

Mato Grosso

52,76

47,24

5,44

Goiás

76,36

23,64

0,11

Distrito Federal

100,00

0,00

0,28

Total

72,05

27,95

100,00

N

50201

Fonte: IBGE, Censo Demográfico de 2000. Tabulação própria.

8O retorno dos brasileiros do Paraguai deve-se em grande parte à dinâmica territorial no Brasil. A partir dos anos 1950-1960, a colonização agrícola, associada à modernização do setor agrícola (“revolução verde”) contribui, em um contexto de transição demográfica, para a ativação de volumosos fluxos migratórios e para a redistribuição da população brasileira. A partir do final dos anos 1960 e no inicio dos anos 1970, a frente agrícola (le front pionnier) percorreu o sul do país e parte dela se posicionou no Paraguai oriental. O brasileiros, rurais e urbanos, que emigraram ao Paraguai nos últimos trinta e cinco anos o fizeram principalmente em função da dinâmica da fronteira agrícola. E os processos espaciais associados à fronteira agrícola refletem, direta ou indiretamente, na migração de retorno que vem acontecendo desde os anos 1990.

  • 6  O município de Foz do Iguaçu concentrou o maior volume de retornados do Paraguai em 2000 (13,4%).

9O mapa 1 mostra a distribuição dos retornados do Paraguai segundo o município de residência em 2000. Três tipos de localização nos parecem relevantes. Sobre o primeiro tipo, vemos que grande parte dos migrantes retornados concentra-se nos municípios da fronteira, principalmente entre Foz de Iguaçu6, principal receptor de retornados (6.738 migrantes), no Paraná, e Bela Vista, em Mato Grosso do Sul, espaço imediatamente próximo à área de maior concentração de imigrantes brasileiros no Paraguai. Talvez seja mais uma observação do que uma explicação, porque, na realidade, acreditamos que essa localização esteja ligada à origem geográfica dos migrantes. Já se observou em estudos anteriores (Souchaud, 2007) a importância do oeste e noroeste paranaenses nas trajetórias migratórias dos migrantes brasileiros no Paraguai. Essa importância pode ser apreciada de duas formas.

  • 7  Referimo-nos aqui à idéia de expansão, ocupação e valorização de um espaço tido como marginal e/ou (...)

10Primeiro, porque o Paraná é o lugar de nascimento de muitos migrantes, mas principalmente dos mais novos e recentes, relacionados ao momento em que a colonização7 perde sua vinculação quase exclusiva à agricultura e começa a assumir cada vez mais outras funções, principalmente comercial e de serviços.

11Segundo, porque o Paraná é um lugar importante de última residência anterior ao ingresso no Paraguai. Muitas vezes, nativos do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina, ou da Bahia, por exemplo, passaram por uma etapa no Paraná durante um determinado tempo, que pode ter correspondido a vários anos, antes de entrar no Paraguai. Essa atração do Paraná ocidental sobre a trajetória dos fluxos migratórios para o Paraguai se explica pela vasta dinâmica da fronteira agrícola no Brasil. Com efeito, a migração brasileira no Paraguai inicia-se justamente com o desenvolvimento da modernização agrícola e a progressiva expulsão de mão-de-obra do meio rural, sendo que parte importante dela migrou para o Paraguai.

12Desta forma, para os migrantes de retorno, o Paraná ocidental corresponde a uma área de nascimento ou a uma área de trânsito da emigração brasileira para o Paraguai; é o que parece indicar a forte concentração observada. Isso, independentemente de qual geração de emigrantes ao Paraguai nos referimos porque, de certa maneira, os brasileiros, jovens e urbanos que, a partir dos anos 1990, emigram em massa para os pequenos centros urbanos do interior do Paraguai oriental, também estão ligados ao processo de modernização agrícola e ao esgotamento da fronteira agrícola no Paraná dos anos de 1960-1970: é a segunda geração, que cresceu na cidade e cujos pais participaram do êxodo rural.

13A importância do retorno no noroeste do Rio Grande do Sul, que é para nós um segundo espaço de concentração relevante, pode ser explicada de forma similar ao primeiro, na perspectiva territorial da fronteira agrícola. O noroeste deste estado, tradicional espaço da pequena agricultura, conheceu uma forte crise fundiária no terceiro quarto do século XX, talvez mais em razão da diminuição das reservas de terras, consecutiva ao crescimento populacional, e a um processo de modernização agrícola. Essa região expulsou muitas famílias de agricultores nos anos de 1980 e 1990, dos quais um contingente relevante encontrava-se no Paraguai, alimentando as camadas mais pobres da população migrante brasileira neste país.

14As duas modalidades que acabamos de descrever indicam um retorno para o lugar das origens, relacionadas ao ciclo de vida (lugar de nascimento) ou ao ciclo migratório (último lugar de residência no Brasil antes da emigração ao Paraguai). O terceiro espaço, com uma corrente de retorno expressiva, pode ser observado em Mato Grosso e Rondônia. Existe, novamente, a tentação de explicá-los em função da dinâmica associada à fronteira agrícola. Mas, nos dois primeiros casos, a fronteira agrícola apareceu como elemento dinamizador do fluxo, enquanto que, desta vez, a fronteira movimenta o contra fluxo. É de se supor que os migrantes de retorno, os quais se destinam aos municípios localizados nos estados de Rondônia e Mato Grosso, estejam em busca do dinamismo da agricultura comercial, principalmente daquele relacionado à soja.

15A forte conexão do retorno do Paraguai com a dinâmica da fronteira agrícola aparece também na tabela 7: uma grande proporção, pouco mais de 32% do total de retornados que estavam ocupados no momento do censo, havia declarado sua atividade no setor de agricultura, pecuária e assemelhados. Nota-se também que 12,0% dos ocupados estavam trabalhando em serviços domésticos, ou seja, mais um importante indício da terceirização (mencionada acima) e, ao mesmo tempo, da situação precária de parte importante da população migrante.

População nascida no Brasil que declarou residência anterior no Paraguai segundo município de residência em 2000.

População nascida no Brasil que declarou residência anterior no Paraguai segundo município de residência em 2000.

16A situação dos domicílios de residência dos retornados também nos dá indicações interessantes sobre os caracteres do retorno. Na tabela 2 aparece claramente a conexão da migração para o Paraguai com o espaço rural, inclusive no retorno. Nas Unidades da Federação que foram historicamente expulsoras, isto é, que alimentaram a migração para o Paraguai - Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul -, a taxa de retornados residentes rurais é alta, não somente em relação à taxa nacional, mas também em relação à taxa entre populações de migrantes internacionais, tradicionalmente muito mais urbanas. Essa taxa é ainda mais elevada entre os retornados dos estados mais ao norte: Mato Grosso (47,2% moravam em área rural), Acre (41,7%) e Pará (76,8%). Ainda que estes três estados agrupem somente 6% dos retornados do Paraguai, esses números confirmam a idéia, explicitada anteriormente, de que parte desse retorno se destina às áreas vivas - isto é, dinâmicas e em expansão - da fronteira agrícola atual, ou seja, nas periferias meridionais e orientais da Amazônia legal.

17Tentamos aqui mencionar, principalmente ao interpretarmos a distribuição espacial dos migrantes retornados do Paraguai, como essa migração é indissociável à dinâmica da fronteira agrícola: no retorno consegue-se resgatar tanto parte dos determinantes da emigração brasileira para o Paraguai, quanto elementos importantes da dinâmica territorial brasileira recente, esta que é ligada à movimentação da fronteira agrícola desde seus episódios no Sul do Brasil, no último quarto do século XX, até seus prolongamentos recentes.

O retorno do Japão e sua correspondência com a imigração japonesa no Brasil.

  • 8  Destacamos que para ser considerado “morador” pelo IBGE, o indivíduo deve ter como local habitual (...)

18Os indivíduos, nascidos no Brasil, que tiveram o Japão como última etapa migratória antes de voltar ao país, formam o segundo maior contingente de retornados, ou seja, 17% do total (31.775 pessoas), segundo o censo de 2000. Ainda que esta proporção não se afaste muito da medida de retornados dos Estados Unidos, o tamanho da comunidade brasileira no Japão era muito menor que nos EUA, ambas estimadas pelo Ministério das Relações Exteriores em 225 mil e 800 mil pessoas em 2001, respectivamente (apud Fusco, 2005). Esse aparente paradoxo, ou seja, o conflito com a percepção de que seria menor a probabilidade de encontrarmos retornados saídos de um universo menor e espacialmente mais distante, é possível de ser explicado. O retorno, para esta argumentação específica, deve ser considerado em sua modalidade não-definitiva, observada no migrante retornado que retoma o trajeto ao exterior depois de residir determinado tempo no Brasil8. Desse modo, os migrantes que vão ao Japão utilizam a lei de imigração deste país, a qual permite múltiplos retornos aos descendentes de japoneses, enquanto que o migrante indocumentado que consegue entrar em território norte-americano mais raramente se arrisca a um retorno “temporário” ao Brasil. Dessa forma, para os dekasseguis, ao realizarem maior número de viagens entre origem e destino, a probabilidade de terem sido registrados como retornados no momento em que ocorreu o censo foi maior.

19Para que pudessem se beneficiar da lei referida acima, os migrantes deveriam preencher requisitos estritos: ter ascendência japonesa até quarta geração ou ser cônjuge de um indivíduo com tal ascendência. Os locais onde se encontram atualmente os descendentes de japoneses, os quais constituem a grande maioria dos emigrantes, estão distribuídos pelo território nacional em espaços semelhantes aos das colônias de japoneses que se estabeleceram no Brasil desde a imigração japonesa iniciada em 1908, estimulada, de um lado, pelos cafeicultores brasileiros, e de outro, pela situação econômica e política do Japão. As plantações de café, que tiveram substituídos os braços de africanos escravos por italianos, e estes por japoneses, estavam localizadas principalmente em São Paulo e norte do Paraná.

20A distribuição dos retornados do Japão, como pode ser visto no mapa 2, evidencia a importância do espaço inicialmente ocupado no período da imigração japonesa, uma vez que mais de 80% desses retornados residiam em São Paulo e no Paraná, segundo o censo de 2000. A quantidade de retornados residentes em Minas Gerais e Rio de Janeiro, por um lado, também reflete a chegada, no passado, de trabalhadores para a agricultura cafeeira, ainda que em menor escala do que para São Paulo e Paraná; a importante proporção desses migrantes no Pará, por outro, mostra uma comunidade originária da antiga colônia Acará, atualmente Tomé-Açu (Beltrão et al, 2006).

População nascida no Brasil que declarou residência anterior no Japão segundo município de residência em 2000.

População nascida no Brasil que declarou residência anterior no Japão segundo município de residência em 2000.

21Podem ser observados, ainda, alguns outros locais de concentração desses migrantes de retorno, ainda que bem pouco representativos, como os estados do Centro-Oeste e do extremo Sul, e isso pode ser explicado pelas migrações internas. Os imigrantes e seus filhos, parte destes já nascidos no Brasil, trabalharam nos campos de São Paulo e Paraná até por volta dos anos de 1950. A partir de 1960, grande parcela da comunidade nipônica participou do êxodo rural que se intensificava na região, e os migrantes que continuavam a chegar do Japão dirigiam-se majoritariamente às áreas urbanas (Beltrão et al, 2006). Além de migrarem para as áreas urbanas, alguns dos descendentes de japoneses das gerações seguintes escolheram novos destinos dentro do território brasileiro, o que permite a verificação, nos dias de hoje, da presença de descendentes de japoneses e, conseqüentemente, de retornados do Japão em áreas diferentes das ocupadas originalmente pelos imigrantes japoneses do início do século XX.

22O tipo de concentração de locais de origem vinculado à migração para os Estados Unidos, conforme será visto mais adiante, contrasta fortemente com a distribuição dos municípios envolvidos com o movimento em direção ao Japão. Apesar de reconhecidamente menor em volume do que o fluxo que leva à América do Norte, o registro de brasileiros retornados do Japão contabiliza 13% dos municípios do Brasil como locais de chegada desses migrantes. O universo de municípios com residentes expostos ao risco de se envolver na migração Brasil-Japão, no entanto, se restringe majoritariamente aos locais onde existem comunidades nipo-brasileiras, as quais se concentram nos estados de São Paulo e Paraná, que, como foi visto, respondem por mais de 80% dos retornos. Em São Paulo, quase 50% dos municípios têm migrantes retornados do Japão; no Paraná, essa proporção é de 41%, ainda que não existam comunidades de descendentes de japoneses em todas as cidades desses dois estados, o que aumenta a probabilidade de que a relação entre retornados e municípios com comunidades nipônicas seja ainda maior. Esses números revelam uma característica marcante desse movimento, associada à distribuição da população nipo-brasileira pelo território nacional: a simples existência de descendentes de japoneses numa localidade determina uma alta probabilidade de encontrarmos retornados do Japão. Isso ocorre, provavelmente, pelo fato de que os migrantes para os Estados Unidos seguem rotas marcadas pela falta de documentação apropriada e pela presença de redes sociais, enquanto que os migrantes para o Japão são selecionados, além da disposição de migrar, pela ascendência étnica, em sua grande maioria. O modelo de dupla localização dos retornados do Japão, caracterizado por uma ocupação densa de um território situado em somente dois estados vizinhos, reflete o modelo histórico de dispersão da imigração japonesa, orientado pela organização territorial do Brasil na época, quando o modelo de povoamento e desenvolvimento promovido pelos governos e setores econômicos dominantes, associados às atividades cafeeiras e apoiados por uma ambiciosa política imigratória, focava a tensão nesse espaço interior dos estados do Paraná e de São Paulo. Essa “memória” intergeracional entre os imigrantes japoneses da primeira metade do século XX e os retornados do Japão do final do mesmo século reflete, portanto, uma continuidade espacial.

População nascida no Brasil, com residência anterior no Japão, segundo sexo e UF de residência em 2000.

UF de Residência

Sexo (% por UF)

Masculino

Feminino

Participação da UF no Total (%)

Rondônia

38,10

61,90

0,26

Amazonas

35,93

64,07

0,53

Pará

51,82

48,18

1,99

Tocantins

34,62

65,38

0,08

Piauí

100,00

0,00

0,04

Ceará

48,19

51,81

0,26

Paraíba

50,00

50,00

0,09

Pernambuco

60,29

39,71

0,43

Bahia

51,35

48,65

0,47

Minas Gerais

56,87

43,13

3,34

Espírito Santo

41,54

58,46

0,20

Rio de Janeiro

44,04

55,96

1,79

São Paulo

50,34

49,66

52,79

Paraná

49,38

50,62

28,63

Santa Catarina

50,00

50,00

0,92

Rio Grande do Sul

54,22

45,78

0,97

Mato Grosso do Sul

51,24

48,76

3,80

Mato Grosso

49,38

50,62

1,01

Goiás

49,08

50,92

1,55

Distrito Federal

51,67

48,33

0,85

Total

50,17

49,83

100,00

N

31775

Fonte: IBGE, Censo Demográfico de 2000. Tabulação própria.

População nascida no Brasil, com residência anterior no Japão, segundo situação do domicílio e UF de residência em 2000.

UF de Residência

Situação do Domicílio

Urbano

Rural

Participação da UF no Total (%)

Rondônia

100,00

0,00

0,26

Amazonas

100,00

0,00

0,52

Pará

97,47

2,53

1,99

Tocantins

100,00

0,00

0,08

Piauí

100,00

0,00

0,04

Ceará

61,45

38,55

0,26

Paraíba

100,00

0,00

0,09

Pernambuco

100,00

0,00

0,43

Bahia

83,78

16,22

0,47

Minas Gerais

90,57

9,43

3,34

Espírito Santo

100,00

0,00

0,20

Rio de Janeiro

98,25

1,75

1,79

São Paulo

93,76

6,24

52,79

Paraná

95,20

4,80

28,63

Santa Catarina

96,22

3,78

0,92

Rio Grande do Sul

100,00

0,00

0,97

Mato Grosso do Sul

94,53

5,47

3,80

Mato Grosso

98,14

1,86

1,01

Goiás

100,00

0,00

1,55

Distrito Federal

84,07

15,93

0,85

Total

94,36

5,64

100,00

N

31775

Fonte: IBGE, Censo Demográfico de 2000. Tabulação própria.

23As variáveis que indicam a situação do domicílio, sexo e setor de atividade do retornado do Japão podem ser vistas nas tabelas 3, 4 e 7. Segundo esses dados, o equilíbrio entre homens e mulheres foi a característica que predominou, refletindo o que se sabe sobre os dekasseguis no Japão (Sasaki, 2001). A proporção de retornados residentes em áreas urbanas é superior a 94%, índice comparável ao dos retornados dos Estados Unidos (97%). No entanto, pode ser verificado um importante número de retornados do Japão no setor da agropecuária, ainda que a proporção de residentes em áreas urbanas seja bastante alto, fato que corrobora os dados exibidos por Beltrão et al (2006) e que se vincula à herança deixada pelos primeiros imigrantes; ainda mais evidente é a presença desses retornados no setor de comércio (30% para os retornados do Japão, 15% entre os dos Estados Unidos e 14% do Paraguai), o que pode ser considerado como uma vocação do grupo.

O retorno dos Estados Unidos da América: retrato de uma migração sem história, porém muito densa socialmente.

24O fluxo de retorno dos Estados Unidos é o terceiro maior em volume registrado no censo de 2000. O número de pessoas nascidas e residentes no Brasil que viveram anteriormente nos EUA somava 29.591, perfazendo cerca de 16% do total de brasileiros retornados do exterior.

População nascida no Brasil, com residência anterior nos Estados Unidos, segundo sexo e UF de residência em 2000.

UF de Residência

Sexo (% por UF)

Masculino

Masculino

Participação da UF no Total (%)

Rondônia

64,06

35,94

0,22

Acre

100,00

0,00

0,03

Amazonas

45,87

54,13

0,37

Pará

37,93

62,07

0,78

Maranhão

67,05

32,95

0,30

Piauí

45,54

54,46

0,34

Ceará

49,05

50,95

1,95

Rio Grande do Norte

51,06

48,94

0,48

Paraíba

66,24

33,76

0,53

Pernambuco

47,04

52,96

3,31

Alagoas

42,55

57,45

0,32

Sergipe

0,00

100,00

0,03

Bahia

57,34

42,66

2,21

Minas Gerais

55,08

44,92

21,09

Espírito Santo

57,84

42,16

2,72

Rio de Janeiro

48,69

51,31

16,80

São Paulo

51,45

48,55

25,33

Paraná

49,40

50,60

5,93

Santa Catarina

53,75

46,25

2,48

Rio Grande do Sul

51,12

48,88

4,96

Mato Grosso do Sul

46,70

53,30

0,77

Mato Grosso

58,67

41,33

0,51

Goiás

54,62

45,38

4,28

Distrito Federal

48,19

51,81

4,29

Total

51,76

48,24

100,00

N

29591

Fonte: IBGE, Censo Demográfico de 2000. Tabulação própria.

25O contingente de brasileiros que escolheu os Estados Unidos como destino ampliou-se em meados dos anos de 1980, seguindo os padrões comumente verificados em fluxos dessa natureza: predominância de homens mais jovens no início do movimento, atingindo certo equilíbrio entre os sexos com o passar dos anos e, concomitantemente, ampliação nas faixas de idade (Sales, 1999). Da mesma forma, verifica-se na tabela 5 o equilíbrio entre sexos para os retornados dos EUA, com leve superioridade para os migrantes do sexo masculino. Outro fato que não representa surpresa é a quase totalidade de retornados residentes em áreas urbanas (97%), como pode ser visto na tabela 6, uma vez que a corrente migratória para os Estados Unidos não era constituída por mão-de-obra destinada a trabalhar em atividades rurais. Nesse aspecto, deve ser considerada a alta proporção de retornados que se encontrava ocupada no setor imobiliário (13%) e de educação (20%), muito superior quando comparada aos outros dois contingentes de migrantes retornados analisados aqui, conforme observado na tabela 7. O primeiro caso provavelmente está relacionado ao grande número de brasileiros que adquiriu imóveis, como fruto do trabalho no exterior, a exemplo dos valadarenses estudados por Soares (1995). Quanto aos retornados que trabalhavam no setor de educação, este pode ser o caso de brasileiros os quais já exerciam a mesma atividade e que a retomaram após o retorno, uma vez que essa atividade foi sempre muito citada em trabalhos nos quais se verificam descrições de ocupações dos brasileiros antes de emigrarem para os Estados Unidos (Margolis, 1994; Sales, 1999).

População nascida no Brasil, com residência anterior nos Estados Unidos, segundo situação do domicílio e UF de residência em 2000.

UF de Residência

Situação do Domicílio

Urbano

Rural

Participação da UF no Total (%)

Rondônia

87,50

12,50

0,22

Acre

100,00

0,00

0,03

Amazonas

96,33

3,67

0,37

Pará

93,10

6,90

0,78

Maranhão

100,00

0,00

0,29

Piauí

93,07

6,93

0,34

Ceará

100,00

0,00

1,95

Rio Grande do Norte

95,04

4,96

0,48

Paraíba

100,00

0,00

0,53

Pernambuco

98,78

1,22

3,31

Alagoas

100,00

0,00

0,31

Sergipe

100,00

0,00

0,03

Bahia

99,24

0,76

2,21

Minas Gerais

93,88

6,12

21,09

Espírito Santo

99,63

0,37

2,72

Rio de Janeiro

98,85

1,15

16,79

São Paulo

98,17

1,83

25,33

Paraná

97,38

2,62

5,93

Santa Catarina

91,68

8,32

2,48

Rio Grande do Sul

98,98

1,02

4,96

Mato Grosso do Sul

91,63

8,37

0,77

Mato Grosso

97,33

2,67

0,51

Goiás

99,05

0,95

4,28

Distrito Federal

97,08

2,92

4,29

Total

97,19

2,81

100,00

N

29591

Fonte: IBGE, Censo Demográfico de 2000. Tabulação própria.

  • 9  O Ministério das Relações Exteriores requisitou que os consulados estimassem o número de brasileir (...)

26Deve ser destacado, ainda, o curto período de tempo necessário para que a comunidade de brasileiros nos Estados Unidos atingisse um número importante de pessoas. Vários estudos mostram que o pico de saídas do Brasil ocorreu entre 1986 e 1989 e que, ainda na década de 1980, este já era o principal movimento migratório de longa distância com origem em território brasileiro (Margolis, 1994; Soares, 1995; Sales, 1995). Ainda que não seja a principal fonte de retornados, a comunidade de brasileiros nos Estados Unidos tem sido considerada como a maior em um país estrangeiro. Segundo estimativa elaborada pelo Itamaraty9 em 2001, esse país concentrava mais de 42% dos brasileiros residentes no exterior, algo em torno de 800 mil pessoas (Fusco, 2005). A proporção de migrantes indocumentados nesse contingente, contudo, contribui tanto para a falta de estimativas mais precisas, quanto para um menor volume de retorno, uma vez que a situação dos migrantes dificulta, por um lado, a autodeclaração ao censo Norte-Americano e, por outro, a livre circulação entre Brasil e Estados Unidos. Além disso, a política restritiva por parte do governo dos Estados Unidos é uma característica marcante e que muito diferencia este dos demais fluxos analisados neste trabalho.

População nascida no Brasil que declarou residência anterior nos Estados Unidos segundo município de residência em 2000.

População nascida no Brasil que declarou residência anterior nos Estados Unidos segundo município de residência em 2000.

27Assim, a maior comunidade de brasileiros no exterior proporciona o terceiro maior fluxo de retorno, de acordo com o último censo brasileiro. Ainda que não exista uma fonte oficial de dados representativos da população nacional como um todo que identifique a localização dos municípios ou UFs de origem, tampouco a proporção dos emigrantes frente aos residentes, a medida de retorno pode ser considerada como uma aproximação, tanto dessa distribuição espacial quanto da importância proporcional de cada recorte territorial na origem. Propõem-se, então, duas maneiras de analisar esse retorno.

28Inicialmente, pode ser observada no mapa 3 a predominância dos retornados nos estados de São Paulo (7.491), Minas Gerais (6.240) e Rio de Janeiro (4.971); em seguida, verifica-se a presença, ainda intensa, no Paraná (1.757), Rio Grande do Sul (1.467), Distrito Federal (1.268) e Goiás (1.266); em cada uma das demais UFs o número de retornados era inferior a 1.000 pessoas. No interior das UFs citadas, o maior número de indivíduos estava localizado nos municípios sede das respectivas regiões metropolitanas e, nesse caso, a ordem pouco se altera: São Paulo (3.805), Rio de Janeiro (3.696) e Belo Horizonte (1.957), Curitiba (977), Porto Alegre (816) e Goiânia (798).

29Com exceção de Goiás e Distrito Federal, os cinco estados relacionados como de maior importância em termos de volume dos fluxos de retorno dos Estados Unidos, estão também entre os seis mais populosos do Brasil (Bahia, que não concentra esse tipo de migrante, é o quarto em população). Ou seja, ainda que tenha se verificado que o conjunto de migrantes retornados estivera concentrado em determinadas UFs, uma vez que as citadas acima agrupavam 83% dos mesmos retornados, ao mesmo tempo em que somavam 57% da população nacional, parece razoável supor que existia certa proporcionalidade entre os volumes de retorno e as respectivas populações das UFs de residência em 2000.

30O segundo modo de abordar as informações censitárias sobre o retorno dos Estados Unidos, por outro lado, orienta a percepção para uma concentração muito mais expressiva do que se destacou acima. O número absoluto de retornados é uma boa medida para avaliar o volume imigratório, mas não para hierarquizar as localidades em função do impacto causado pelo retorno na população da sociedade de recepção. Utilizou-se, para este caso, uma medida que expressa a relação retornados/população total, tanto para municípios como para UFs. Esse procedimento posiciona, por exemplo, a cidade de São Paulo e seus 3805 retornados no 35º lugar do ranking, enquanto que Governador Valadares, com somente 540 habitantes que voltaram dos Estados Unidos, é elevada ao topo da lista. O reduzido número de municípios conectados com a migração para os Estados Unidos é uma característica marcante, evidenciada por vários ângulos. Em primeiro lugar, somente 10%, ou 555 dos 5507 municípios brasileiros registraram moradores residentes retornados dos Estados Unidos em 2000. A Região Sudeste, apesar de ser responsável por 43% da população nacional, contava com 66% dessa mesma categoria de migrantes. Minas Gerais, onde residia 10,5% da população brasileira, respondia por 21% dos retornados.

31Quando mudamos a escala de observação para o limite espacial das UFs, constatamos mais uma vez que a grande maioria dos migrantes sai de um diminuto grupo de localidades: somente 64 municípios (dentre 555) têm proporção de retornados superior à média nacional; no estado de São Paulo, somente 17%, ou 110 dos 645 municípios têm retornados; em Minas Gerais, essa proporção é de 19%. Esta última UF é a que mais destaca o impacto da conexão de emigrantes com os Estados Unidos, pois exibe o mais alto índice retornados/população total dentre todas.

32Assim, podemos dizer que os fluxos e contra-fluxos dos migrantes entre Brasil e Estados Unidos têm um padrão muito marcante na distribuição espacial da população, tanto na origem quanto no destino. Nos Estados Unidos, os dados do Ministério das Relações Exteriores mostram que 90% dos brasileiros residiam na costa leste (apud Fusco, 2005). Quanto à origem, encontramos muito poucos municípios no Brasil envolvidos com esse movimento, os quais se localizam predominantemente na região Sudeste. Mesmo dentro dos limites estaduais onde a emigração é mais intensa, como é o caso de Minas Gerais, a proporção de municípios vinculados a comunidades brasileiras no exterior não chega a 20%.

33Dada a intensidade com a qual determinados brasileiros decidiram tentar a vida nos Estados Unidos, chega a ser surpreendente que tão poucos lugares tenham se transformado em pontos de saída para a emigração internacional. Municípios brasileiros que compartilham características sociodemográficas e econômicas, por exemplo, teriam também, a princípio, a propriedade de exibir números semelhantes na migração para os Estados Unidos, pois os fatores de atração no destino e a exposição ao modo de vida norte-americano, na origem, exerceriam a mesma influência sobre os brasileiros em toda parte da nação. A justificativa, possivelmente, pode ser encontrada na dinâmica de circulação de recursos imateriais utilizados pelos migrantes, por meio de redes sociais.

34É necessário ressaltar, inicialmente, que a maior parte dos recursos não-monetários utilizados por membros de qualquer comunidade é disponibilizada localmente. O conjunto desses recursos locais está conectado a interesses e normas sociais, que freqüentemente influenciam muito o comportamento das pessoas no interior de seus próprios grupos. Tais bens não-monetários, como informações importantes, favores, acesso a outros conjuntos de recursos por canais paralelos de relacionamento, circulam no interior de grupos sociais e entre esses grupos, cuja coesão, de maneira geral, depende da manutenção dos contatos entre os membros. Dessa forma, os laços pelos quais circulam alguns recursos importantes para a maioria das pessoas funcionam também como “âncoras”, as quais contribuem para que o indivíduo permaneça no mesmo ambiente, ou seja, não migre.

35Quando alguns migrantes pioneiros se estabelecem em outro país, depois de enfrentarem altos riscos e custos, tanto financeiros quanto emocionais, o primeiro estágio na consolidação de um fluxo emigratório é atingido. Para que o processo evolua, no entanto, é necessário que tais pioneiros mantenham e cultivem os laços sociais com a origem. O deslocamento de alguns migrantes e de suas redes pessoais para outra localidade, associado à ampliação dessas redes ao passo em que se estabelecem no destino, aceleram o processo de expansão da emigração, pois os demais membros do grupo original do migrante passam a ter mais e mais contatos no exterior, que se configuram como potenciais fontes de recursos. Os laços de parentesco e amizade, nesse contexto, restringem a ampliação do movimento aos limites espaciais, geralmente estreitos, nos quais repousam esses mesmos laços. O aumento do alcance das redes sociais relacionadas à migração internacional, portanto, amplia a esfera de inclusão para potenciais migrantes, ao mesmo tempo em que limita esse crescimento ao local onde se encontram os grupos sociais na origem, os quais se encontram vinculados aos respectivos membros no destino. Como conseqüência, somente alguns indivíduos de determinadas cidades podem alimentar e concretizar as expectativas de migrar para locais específicos, como o que foi verificado na corrente e contra-corrente de brasileiros para os Estados Unidos.

População nascida no Brasil segundo país de residência anterior e setor de atividade em 2000.

Setor de Atividade

País de residência anterior

Estados Unidos

Paraguai

Japão

Todos os países

Agricultura, Pecuária etc

2,93

32,42

10,58

11,83

Indústrias

10,11

15,14

12,46

12,35

Construção civil

2,58

9,06

3,14

5,18

Comércio e Reparação de objetos

15,23

13,59

29,73

16,94

Alojamento e Alimentação

5,22

3,97

6,71

5,11

Transporte, Armazenagem e Comunicações

6,55

3,73

5,45

4,85

Atividades Imobiliárias

13,22

2,14

7,51

8,12

Educação

19,77

1,17

5,09

11,54

Saúde e Serviços Sociais

6,26

0,99

3,07

4,16

Serviços Domésticos

1,48

12,00

1,97

5,44

Outros

16,65

5,80

14,29

14,49

Total

100,00

100,00

100,00

100,00

N

16032

21391

13365

86413

Fonte: IBGE, Censo Demográfico de 2000. Tabulação própria.

36A importância das redes sociais, principalmente familiares, na migração brasileira para os Estados Unidos deveria ter como conseqüência que os retornados se orientassem mais para os lugares de nascimento do que para qualquer outro lugar. Porque é em seu lugar de nascimento que o migrante encontra ao mesmo tempo a proximidade e a maior quantidade provável de membros da família e, decorrente disso, os apoios necessários à realização de um projeto migratório. A forte implicância dos laços familiares na migração do individuo faz com que o lugar de nascimento do migrante seja ao mesmo tempo um recurso, no momento da migração, e um porto seguro, no momento do retorno. Ao contrário dos retornos do Paraguai, os quais inscrevem-se numa lógica de movimento definida em grande parte fora das redes familiares e sociais dos migrantes, isto é, em função da dinâmica territorial nacional e da progressão da fronteira agrícola no país. O migrante de retorno do Paraguai tem como horizonte migratório o vasto território da fronteira agrícola brasileira, em cuja margem situa-se seu lugar de nascimento. Para ele, a migração para o Brasil (depois de uma temporada no Paraguai) não é verdadeiramente um retorno, no sentido da reversibilidade de um movimento migratório anterior; ela é uma etapa a mais de sua trajetória migratória.

37A dinâmica da fronteira agrícola, por projetar os migrantes a longa distância e multiplicar os lugares de migração longe dos lugares das origens familiares, deveria tender a afrouxar os laços familiares e logo a solidariedade familiar, tão importantes no caso da emigração para os Estados Unidos.

38O caso do Japão apresentaria uma situação intermediária frente aos dois anteriores. O retorno está associado tanto a lógicas familiares (no caso, migratórias) anteriores quanto a uma dinâmica territorial de povoamento e redistribuição interna da população.

39Em suma, o retorno dos Estados Unidos e, numa medida menor, o do Japão, não deveriam favorecer a extensão do espaço de vida dos migrantes, ao contrário do retorno do Paraguai. É o que os dados da tabela 8 confirmam. Fica evidenciado que os migrantes de retorno do Estados Unidos se radicam nos municípios onde nasceram numa proporção bem maior (36,5%) aos outros migrantes (17,5% e 27,4% para o Paraguai e o Japão), enquanto os migrantes de retorno do Paraguai (41,5%), muito mais do que os outros (28,4% e 32,5%, para o Japão e os Estados Unidos), orientam-se para outros Estados que o de nascimento.

População nascida no Brasil, com residência anterior no estrangeiro, segundo país de residência anterior e o lugar de residência em 2000.

Lugar de residência

País de residência anterior

Estados Unidos

Paraguai

Japão

Município de nascimento

36,5

17,5

27,4

UF de nascimento

31

40,9

44,2

Outros lugares

32,5

41,5

28,4

Total %

100

100

100

N

29591

50201

31773

Fonte: IBGE, Censo Demográfico de 2000. Tabulação própria

Considerações finais

40O Brasil é considerado atualmente, com certa razão, um país de pouca intensidade imigratória. Com menos de 700.000 pessoas nascidas no estrangeiro em 2000, o Brasil demonstra uma baixa atratividade. No entanto, existe uma categoria de migrante pouco estudada, embora bem representada no Brasil: os retornados. Levantando bibliografia sobre esse tema e sobre essa população, percebemos que o retorno era uma categoria à parte, que juntava várias facetas muito pouco conectadas entre si, dando sinais que essa categoria, muito fragmentada, ainda estava em construção.

  • 10  Na prática, embora seja raro, um retornado pode ser estrangeiro, desde que tenha nascido no Brasil (...)
  • 11  Outro exemplo seria o retorno dos brasileiros do Paraguai, no final dos anos 1980 quando, em massa (...)
  • 12  Essas situações nos lembram que a xenofobia, por definição, existe em reação não somente ao estran (...)

41Por não ser, de modo geral, uma população estrangeira10, os retornados não correspondem à imagem comum do imigrante/estrangeiro, isto é do outro. A percepção diferenciada desse contingente por parte da população global - não é estrangeiro, logo não é exatamente um migrante - se reflete, de certa forma, nas análises acadêmicas. Assim, a questão da alteridade, central na migração em geral, parece totalmente ausente, ou tratada de forma muito específica, quando se aborda o retorno. De fato, ela aparece principalmente no retorno étnico, mas seu quadro de referência é o país de emigração, e não de retorno: essa alteridade e, conseqüentemente, a condição de migrante, existe no lugar de emigração e não de retorno. No entanto, existem casos de retorno nos quais se expressaram várias características comumente associadas à condição de estrangeiro/migrante. Por exemplo, no caso do retorno de contingentes massivos, em momentos históricos excepcionais, como as guerras de independência quando, em 1962, chegaram à França cerca de 1.000.000 de franceses da Algéria11. Eram os chamados “pieds noirs”, cuja irrupção na sociedade francesa não aconteceu de maneira despercebida, mas levantou várias questões polêmicas e criou situações de conflito muito similares às ligadas à entrada de imigrantes estrangeiros num determinado país12.

42Quando nos lançamos nesse estudo, começamos por representar espacialmente, por município, a distribuição dos retornados recentes, distinguindo o retorno segundo países de origem. A cartografia despertou a curiosidade e rapidamente nos fez pensar sobre as possíveis explicações das distribuições diferenciadas dos fluxos de retorno.

43Os retornados do Paraguai se localizam predominantemente na fronteira, não porque o retornado teria vontade de manter certa proximidade com o país de emigração, ou porque o país de emigração ainda exercesse atração sobre o retornado. A razão mais provável, que tentamos expor neste trabalho, é que o retornado é “condicionado” no retorno pelo fluxo de emigração, sendo esse último definido, ou orientado, pela dinâmica sócio-espacial da fronteira agrícola. Essa maneira de articular o processo faz toda a diferença: o retornado não volta ao lugar de nascimento ou para onde residem familiares que não migraram, mas ao lugar onde a dinâmica territorial o tinha deixado antes de emigrar para o Paraguai (isto é, último lugar de residência antes da migração internacional); ou, então, para os novos lugares dessa mesma dinâmica territorial (novas fronteiras agrícolas, no Mato Grosso, por exemplo). De certa forma, isso não é nada mais que uma continuidade num processo migratório inacabado e suas muitas etapas. Esse caso demonstra que o retorno não é o final de uma seqüência migratória, a conclusão de um ciclo de vida, mas, ao contrário, é provavelmente um elemento a mais num ciclo que não acaba.

44No caso dos retornados do Japão, vimos que os determinantes do retorno têm a ver com a história da imigração japonesa no Brasil. Mais uma vez, está escrita em filigrana no retorno do migrante, não a própria história do migrante, mas a história de seus ascendentes e a evolução das relações do país de origem (o Japão) com sua comunidade dispersa no estrangeiro e com os países receptores (no caso, o Brasil) dessa comunidade. Por sua visão exclusiva da cidadania, o Japão emitiu as condições históricas para que seus imigrantes de hoje fossem descendentes de seus emigrantes de ontem, esses que são hoje brasileiros, retornados do Japão, chamados de japoneses no Brasil e dekasseguis no Japão.

45Por último, o retorno dos Estados Unidos parece totalmente fora de uma lógica de lugar qualquer no Brasil. Não corresponde nem aos lugares de imigração dos Estadunidenses, nem aos elementos relevantes da dinâmica territorial do Brasil contemporâneo. Aparentemente, só porque a lógica do lugar se define em outros lugares, segundo outras condições. Esse retorno “sem história” se define por uma alta coesão social, ela mesma altamente concentrada, em alguns lugares em ambos extremos do continente. Essa coesão social, para que exista e possa articular regiões, países tão distantes, Brasil e EUA, tem que ter como base a proximidade, a quase instantaneidade que a vizinhança torna possível. Logo, acontece essa altíssima concentração dos emigrantes e retornados, sendo que, mais uma vez o retorno reflete o processo migratório inicial.

46Finalmente, parece que a questão do retorno está intimamente conectada à emigração e, mais especificamente, às condições de produção de um determinado fluxo de emigração, cuja conformação se define historicamente, politicamente e socialmente, aqui, lá e em muito outros lugares.

Haut de page

Bibliographie

Des DOI sont automatiquement ajoutés aux références par Bilbo, l'outil d'annotation bibliographique d'OpenEdition.
Les utilisateurs des institutions qui sont abonnées à un des programmes freemium d'OpenEdition peuvent télécharger les références bibliographiques pour lequelles Bilbo a trouvé un DOI.
Format
APA
MLA
Chicago
Le service d'export bibliographique est disponible aux institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : contact@openedition.org

Bassanezi M. S. C. B., “Imigrações Internacionais no Brasil: um panorama histórico”, In N. L. Patarra (Coord.), Emigração e Imigração Internacionais no Brasil Contemporâneo, 1 ed. São Paulo-SP: FNUAP, 1995, v.1, p. 1-38.

Beltrão K. et al, “Trabalhando no Brasil: características da população de origem japonesa segundo os censos entre 1980 e 2000”, Anais do XV Encontro da ABEP, Caxambu, 18 a 22 de setembro de 2006, 22 p..

Format
APA
MLA
Chicago
Le service d'export bibliographique est disponible aux institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : contact@openedition.org

Berthomière W., “De l'Aliya à l'immigration, ou la lecture d'un continuum migratoire”, Revue Européenne des Migrations Internationales, Poitiers, 1996, v.12, p. 33-60.
DOI : 10.3406/remi.1996.1515

Fusco W., “Capital Social e Dinâmica Migratória: um estudo sobre brasileiros nos Estados Unidos”, Textos Nepo, n. 52. Campinas, 2005, 83 p..

IBGE, Censo demográfico 2000, Rio de Janeiro, FIBGE, 2002.

Margolis M., Little Brazil: imigrantes brasileiros em Nova York, Campinas, Papirus, 1994, 303 p.

Michalon B., “Les retours en migration : une notion polysémique, des formes migratoires multiples”, In Migrations internationales de retour dans la perspective des pays du Sud,ed. V Petit. Paris: CEPED. 2007, p. 27-45.

Ravenstein E., “The Laws of Migration”, Journal of the Statistical Society, Londres, 1885, p. 167-235.

Sales T., Brasileiros longe de casa, São Paulo, Cortez, 1999, 240 p..

Sasaki E. M., “Dekasseguis: trabalhadores migrantes nipo-brasileiros no Japão”, Textos Nepo, n. 39, Campinas, 2001.

Soares W. Emigrantes e investidores: redefinindo a dinâmica imobiliária na economia valadarense, Dissertação (Mestrado) – Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional/Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1995.

Souchaud S., “De los campos agrícolas a los centros financieros. Caráteres de la inmigración internacional en Paraguay a principios del siglo XXI”, Folha Histórica do Nordeste, 17, Resistencia, 2008, 43-62.

Format
APA
MLA
Chicago
Le service d'export bibliographique est disponible aux institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : contact@openedition.org

Souchaud S., “Tendances de l'immigration au Paraguay. Premiers résultats du Recencement 2002”, Revue Européenne des Migrations Internationales, 2004, n. 3: pp.179-84.
DOI : 10.4000/remi.2037

Souchaud S., Geografía de la migración brasileña en Paraguay, Asunción, UNFPA - ADEPO http://www.brasil.ird.fr/article.php3?id_article=3034. 2007, 382 pp.

Verger P., Flux et reflux de la traite des nègres entre le golfe de Bénin et Bahia de todos os santos, du dix-septième siècle au dix-neuvième siècle, Paris/La Haye, Mouton & Co. 1968, 720 p.

Haut de page

Notes

1 Este texto é fundado no trabalho apresentado originalmente no XVI Encontro Nacional de Estudos Populacionais, realizado em Caxambu- MG – Brasil, de 29 de setembro a 03 de outubro de 2008 e adaptado e traduzido para a revista Caravelle, Fusco, Wilson; Souchaud, Sylvain (2008) La continuité migratoire à partir de l'examen de la distribution géographique des retours brésiliens, Caravelle(91), Toulouse, Ipealt, p. 17-36

2  O migrante que declara residência anterior (nos últimos 10 anos) diferente da atual é conhecido como de “última etapa”. Optamos por não utilizar o quesito data-fixa (local de residência 5 anos antes do censo) porque o mesmo não contribuiria aos objetivos deste trabalho.

3  Sendo este um trabalho inicial sobre a questão do retorno migratório, não pretendemos aqui expor uma visão bibliográfica completa do tratamento do retorno migratório, mas tentar identificar o contexto que torna possível a nossa proposta.

4  “Each main current of migration produces a compensating counter  current”, Ravenstein E. 1885. "The Laws of Migration". Journal of the Statistical, p. 167-235.

5  Se forem considerados, para o período em questão, os registros oficiais dos países de destino, é o Paraguai que concentrava o maior contingente de migrantes brasileiros. Por outro lado, as estimativas do Itamaraty apontavam, para o mesmo período, os Estados Unidos como local de residência da maior quantidade de brasileiros no exterior.

6  O município de Foz do Iguaçu concentrou o maior volume de retornados do Paraguai em 2000 (13,4%).

7  Referimo-nos aqui à idéia de expansão, ocupação e valorização de um espaço tido como marginal e/ou vazio, movimento alimentado principalmente por uma dinâmica agrícola; em latim, o verbo “colo” significa cultivar, cuidar, morar. A palavra, neste contexto, é sinônima de “frente pioneira”, cujo estudo foi inaugurado no Brasil pelo geógrafo Pierre Monbeig.

8  Destacamos que para ser considerado “morador” pelo IBGE, o indivíduo deve ter como local habitual de residência o domicílio onde foi contado, ou, se estiver ausente no momento do censo, essa ausência (motivada por razões estritas, as quais estão detalhadas no manual do recenseador) não deve ultrapassar 12 meses até a data de referência do censo.

9  O Ministério das Relações Exteriores requisitou que os consulados estimassem o número de brasileiros residentes em suas respectivas áreas de abrangência.

10  Na prática, embora seja raro, um retornado pode ser estrangeiro, desde que tenha nascido no Brasil e tenha passado por sua última etapa migratória (nos últimos dez anos) em país estrangeiro.

11  Outro exemplo seria o retorno dos brasileiros do Paraguai, no final dos anos 1980 quando, em massa foram rechaçados, às vezes violentamente, do Paraguai, chegaram, no Brasil onde, novamente, não conseguiram se instalar. Esse contingente “ganhou” a característica de migrante em conseqüência de uma experiência traumática.

12  Essas situações nos lembram que a xenofobia, por definição, existe em reação não somente ao estrangeiro, mas também ao que vem do estrangeiro.

Haut de page

Table des illustrations

Titre População nascida no Brasil que declarou residência anterior no Paraguai segundo município de residência em 2000.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6469/img-1.png
Fichier image/png, 178k
Titre População nascida no Brasil que declarou residência anterior no Japão segundo município de residência em 2000.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6469/img-2.png
Fichier image/png, 161k
Titre População nascida no Brasil que declarou residência anterior nos Estados Unidos segundo município de residência em 2000.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6469/img-3.png
Fichier image/png, 164k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Wilson Fusco et Sylvain Souchaud, « De volta para casa: a distribuição dos brasileiros retornados do exterior », Confins [En ligne], 9 | 2010, mis en ligne le 16 juillet 2010, consulté le 29 juillet 2014. URL : http://confins.revues.org/6469 ; DOI : 10.4000/confins.6469

Haut de page

Auteurs

Wilson Fusco

Demógrafo, pesquisador da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj)

Sylvain Souchaud

Geógrafo, pesquisador de Institut de recherche pour le développement (IRD) e pesquisador colaborador do NEPO-UNICAMP, souchaud@ird.fr,

Haut de page

Droits d’auteur

© Confins

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Revues.org