Navigation – Plan du site

A prospectiva local, um modo de produção e governança

La prospective locale, um mode de production et de gouvernance
Marie-Christine Fourny et Damien Denizot
Traduction de Aniel Lima dos Santos, mestrando em Geografia na Universidade de São Paulo et mestrando em Geografia na Universidade de São mackinderh@gmail.com.br

Texte intégral

  • 1  Este artigo é uma edição revista de Marie-Christine Fourny, Damien Denizot, « La prospective terri (...)

1A prospectiva não é um instrumento recente de ordenamento do território1. A França dela fez um uso considerável nos anos 60, tal instrumento acompanhou e apoiou a construção da política nacional de ordenamento (Landrieu, 2008). Estas primeiras formas de uma prospectiva operacional mostram uma adequação com a ação pública planejadora da época: procura de cientificidade e de tecnicidade, relação com a população unilateral e de cima para baixo, mobilização de especialistas (Musso, 2008). Esta prospectiva nacional é relançada e renovada nos anos 90. Mas vê o desenvolvimento concomitante de uma prospectiva territorial local densa e original, efetuada por regiões, metrópoles ou grupos de municípios.

2É esta nova escala de aplicação da prospectiva que queremos examinar aqui, para interrogar-nos sobre o seu lugar e o seu significado na ação pública territorial hoje em dia. Lançamos a hipótese de que ela revela e acompanha as novas modalidades de construção dos territórios, sejam elas sociais ou políticas. Do ponto de vista da intervenção pública, suscita novas formas de participação coletiva. Através da formalização de um relato sobre o futuro, produz um emblema do território, que utiliza para a ação. Permite igualmente outros processos de decisão e de condução estratégica: integrando a incerteza, a complexidade, reflexividade e distanciamento, transforma tanto as abordagens de análise quanto os modos de pensar. Dos pontos de vista social, cultural e cognitivo, a prospectiva chama a novas competências e a novos conhecimentos: sobre as dinâmicas temporais, as dinâmicas coletivas, a inovação ou os processos de inteligência coletiva. Solicita consequentemente uma nova engenharia de conhecimentos, necessitando de dispositivos de vigilância, de observação e de avaliação. De maneira mais original, mobiliza a dimensão simbólica: narrativas, imagens e representações das quais se espera que se fundamente um território. Como tal, revela o novo papel da comunicação na ação (Musso, 2008), mas de maneira mais ampla, põe em jogo a relação entre conhecimentos e poder, representação virtual e governança. Porque a prospectiva supõe, sobretudo a articulação entre um saber técnico e localizado, modalidades de participação coletiva, a gestão e a produção de uma simbologia do território através da definição do futuro. E esta articulação funda verdadeiramente o seu alcance. Quando é parcial, faz da prospectiva uma metodologia para a decisão e a ação em ordenamento, interessante e inovadora nos instrumentos que traz. Quando é mais completa, constitui verdadeiramente um processo de territorialização. Leva então a produzir o coletivo, na fabricação de uma figura do território, de sua coerência e de sua identidade em parte, e a produção coletiva desta imagem por outro lado. Instaura igualmente formas de controle desta construção coletiva, por uma avaliação adaptada bem como pela busca de uma continuidade, e, por conseguinte de uma nova temporalidade. A prospectiva pode então marcar e acompanhar a emergência de uma nova territorialidade da ação pública, onde é a produção - antes que a gestão - de um sistema de relações sociais localizadas que é visado.

As originalidades de uma prospectiva territorial local

3Os desafios e as intenções que subjazem o desenvolvimento da prospectiva podem ser reconstituídos através de uma apresentação em perspectiva diacrônica. É com efeito pela passagem de uma prospectiva nacional do território a uma prospectiva local dos territórios que o objeto toma novas formas.

4Uma prospectiva global que tem por objeto o conjunto do território nacional instaura-se a partir dos anos 60. Os exercícios do DATAR e em especial o famoso cenário do inaceitável (1971) constituem o ato de nascimento de uma abordagem que se distancia com a planificação e o plano. Não se trata mais, portanto de organizar, mas de fixar imagens do futuro e a partir das quais definir e justificar a orientação das ações. A abordagem encontra a sua especificidade neste distanciamento, este gancho pelo futuro que, de acordo com os seus protagonistas, permite pensar de outras formas (Gonod, 2000). Continua a ser, contudo marcada por um pensamento progressista e positivista. Herda ao mesmo tempo da prospectiva das empresas e a abordagem tecnicista e funcionalista da planificação. Sendo impregnada igualmente pela ideologia voluntarista do Estado. Chega assim a conjugar uma crença na capacidade de determinar as evoluções e uma crença na capacidade da ação pública de alterá-las. Há a “convicção de que é possível esclarecer o futuro graças a uma análise fina e rigorosa dos dados estatísticos que permitem localizar as tendências fortes e as possibilidades de mudança” (Plassard, 2002), cujos cenários serão uma tradução privilegiada.

5Pode-se observar também a congruência entre modernidade e prospectiva. Manipulada por especialistas inspirados em métodos americanos inéditos, que se afirmando como uma nova atitude perante a rapidez das mudanças relativas à sociedade (Pastor, 1964), atribui-se uma missão educativa de transformação das mentalidades políticas, visando insuflar lógicas de ação modernas e transformar os comportamentos de eleitos notáveis (Landrieu, 2008). Diante dos fracassos desta abordagem previsionista e prevencionista e as suas insuficiências num contexto econômico turbulento, a prospectiva nacional quase desaparece do cenário no fim anos 70, ao mesmo tempo em que o ordenamento do território é reposto em causa.

6A recuperação surge vigorosamente início dos anos 90, com novos grandes exercícios de escala nacional: a operação Prospectivas e Territórios estende-se de 1990 para 1995, o programa Territórios 2020 lhe da sequência em 2000. A prospectiva regional desenvolveu-se paralelamente: Limousin e Alta Normandia a partir de 1987, seguidas de uma dezena outros, em cinco anos apenas, entre 1988 e 1993. Hoje a maioria das regiões (Loinger, 1999, 2004) implementou uma operação que se privilegia da prospectiva.

  • 2  O pays constitue uma escala de cooperação entre as coletividades locais. E uma instancia que permi (...)

7Outros níveis territoriais dela se apropriam ao mesmo tempo, como as grandes cidades. Mais tardiamente são as comunidades de aglomeração de menor importância, os países (Pays2) e outras estruturas intercomunais que instauram tais abordagens, conduzindo a uma “miniaturização dos terrenos” (Delamarre, 2002).

  • 3  Definidas pelo site http://www.vie-publique.fr/ como estruturas administrativas francesas distinta (...)

8Esta não deixa de causar certa confusão conceitual: certas coletividades3 instauram serviços especializados, outras as antecipam e as esvaziam outras utilizam as imagens positivas para rebatizar abordagens tradicionais ou sem consistência. Surge uma ambiguidade na abordagem; a prospectiva aparece como interessante e desejável, beneficia-se de uma imagem positiva, mas sua operacionalidade e a sua metodologia ainda são mal definidas.

As formas e desafios da retomada

9A extensão da prospectiva esta ligada a dois fenômenos concomitantes; um é a transformação na esfera do poder e outro é a transformação na esfera dos conhecimentos. A prospectiva de certa maneira é uma das articulações destes fenômenos, uma situação onde, mediada pelo território, atuam as suas respectivas relações.  

10As transformações institucionais põem em causa a organização das decisões e geralmente as relações entre territórios. Ao mesmo tempo em que as coletividades regionais ou locais se autonomisam politicamente, desenvolvem, num contexto que tem se tornado concorrencial, tomando como modelo de ação a empresa, condução de estratégias individuais. Um conhecimento específico, instrumentos adaptados tornam-se neste caso desafios essenciais. A prospectiva contribui com a autonomização da ação, em primeiro lugar por um aporte de informação e de conhecimento assim como as perspectivas de uma estratégia política que ela oferece nesta escala. Para coletividades locais recentemente constituídas oferece esta possibilidade de apreensão da globalidade do território, aquele que a federa e define sua coerência. Os dispositivos de observação e vigilância, de produção de conhecimentos que a acompanham condicionam o exercício de gestão sobre este espaço. Participa igualmente da legitimidade da cidadania. As coletividades em emergência política encontram-se diante da necessidade de fornecer uma representação sobre elas mesmas, de manifestar senão a sua legitimidade pelo menos a sua existência como quadro coletivo, relativo à anexação e a participação.

11É nesta dimensão mais política que se pode ler o desenvolvimento de uma prospectiva regional e, mais genericamente, de uma prospectiva nos territórios em recomposição. Quando a visão de uma unidade deteriora-se, quando as representações ou os riscos de “deslocamento” tornam-se demasiado fortes, como mostraram os trabalhos preparatórios da primeira lei sobre o ordenamento ou o desenvolvimento do território (1992) ou os cenários de Jean-Louis Guigou (1995), a prospectiva constitui um meio para produzir uma representação da unidade. Projetando o território no futuro, ela desenha dele necessariamente uma figura e uma personalidade que se apresentam como uma totalidade e uma individualidade. À indeterminação da identidade presente do território, opõe a figura do futuro, figura esta virtual, mas que atesta, no entanto uma existência. A prospectiva responde assim à necessidade de encontrar e mais precisamente de fundar uma base social e politica, de estruturar relações recorrendo meios diferentes além de suas instituições ou de sua organização funcional.

12Além disso, a trasformação do contexto institucional e politico te por corolario a transformação dos modos de ordenamento.  As leis de ordenamento e de desenvolvimento do território, os documentos de planificação e de desenvolvimento, impõem operações diagnósticas e abordagens de projeto. Nem umas nem outras podem fazer serviço de prosectiva, entretanto conduzem a ligação de informações, estratégia e definição estratégica. O diagnóstico conduz  a uma interrogação sobre os metodos e abordagens, em particular de coleta, de analise e de visulização da informação. O resgate de esquemas territoriais leva a elaboração de metodologias para um conhecimento verdadeiramente estratégico.

13Nos encontramos, portanto, face a um sistema de pressão, de necessidade e de vontade : vontade de autonomia e de crescimento das capacidades de ação,  injunção de repensar o ordenamento e a organização, necessidade de redefinição dos instrumentos e  necessidade de redefinr, por e para a ação, o território entendido como objeto de intervenção

14Em paralelo a esta dimensão institucional e politica, a resgate da prospectiva esta ligado a isto que se poderia chamar de nova relação societal em progresso. O conceito de durabilidade impõe um modo de pensar projetivo que, qualquer que possa ser a consistência das aplicações, supõe uma definição uma definição de valores territoriais fundamentais, os quais se vê assegurando a reprodução. A avaliação e o impacto que a ele são correlacionados tentam igualmente levar em consideração os efeitos, intencionais ou não, das ações. Incerteza e complexidade do meio ambiente quanto a eles alimentam a busca de novos instrumentos de condução para tal contexto. Estes encontram materiais metodológicos na analise da dinâmica da inovação. Esta interessa na medida em que ela aparece como uma dimensão maior do crescimento econômico. Mas ele funda também novas abordagens das evoluções, das condições de invenção ou de ruptura nos modos de pensar. A antecipação neste contexto consiste não mais em uma projeção linear de tendência, mas na busca de sinais de inflexão ou de emergência na colocação igualmente de elementos próprios de provocar estas inflexões e estas rupturas e fundar a inovação.

A prospectiva territorial local, uma tentativa de definição

15Tentemos precisar o conteúdo e mais amplamente a natureza da prospectiva territorial local. Nós voluntariamente nos afastamos desta definição após a descrição de seu desenvolvimento para melhor entender a sua variabilidade. A prospectiva pode ser entendida como uma postura cognitiva : alguns falam de um olhar (Delamarre, 2002), outros de uma atitude de antecipação (Loinger et Spohr, 2004),  outros ainda de uma filosofia (Goux-Baudiment, 2001) ou ainda de um pensamento do futuro impregnando as ações publicas de ordenamento.  Mas na sua dimensão oeracional, ela posiciona-se como instrumento de intervenção publica, podendo estar isolada de outras formas de intervenção por operações próprias, objetivos explicitos e uma produção especifica, ocuando por vezes um serviço especializado. Nós a definiremos como um exercício (Goux-Baudiment, 2000) de operações mutiplas que contém ao mesmo tempo:

  • uma dimensão cognitiva. Não se trata de um conhecimento do futuro ou das tendências de evolução, mas de conhecimentos que têm capacidade de antever e conduzir as mudanças;

    • 4  Tal método, bastante utilizado por planejadores, constitui em construir-se possíveis cenários de d (...)

    uma dimensão técnica e prática. A prospectiva é também um conjunto de instrumentos e métodos que emprestam das técnicas de projeção, das tecnicas de animação e de criatividade. O método dos scénarii4 aí elas é comumente associado embora hoje em dia controverso.

  • uma dimensão discursiva. O futuro diz-se, põe-se em imagem, comunica-se e constitui um campo autônomo de discursos sobre o território. A prospectiva é indissociável da projeção e de uma visualização explícita de uma imagem do futuro. Passa, portanto pela produção de um discurso que tem por ele mesmo efeitos territorializantes e que para certas escolas de prospectiva representa a finalidade primeira da abordagem (Sgard, 2008);

  • uma dimensão operacional e organizacional. A prospectiva contribui notadamente com dispositivos inéditos de organização do intersetorial;

  • uma dimensão programática. A prospectiva esclarece a decisão, visa facilitar a definição de objetivos, da estratégia e a sua condução.

16A maior parte dos autores fala de quatro famílias de instrumentos e de métodos prospectivos: a prospectiva preditiva (as projeções de tendências), a prospectiva descritiva (as visões de futuro, os cenários), a prospectiva debate (a prospectiva participativa e/ou em grupo de reflexão sobre o futuro) e a prospectiva preventiva (a véspera). Os profissionais de desenvolvimento territorial que iniciam um exercício de prospectiva têm tendência a basear-se nestas famílias sucessivamente. A vigilância permite delimitar os desafios a ressaltar; os menos complexos destes desafios (a demografia em certa medida, etc.) que podemos imaginar que evoluiram segundo uma dinâmica tendencial são projetados através de métodos econométricos; os mais complexos dos desafios são envolvidos pela construção de visões do futuro, que se organizão geralmente em torno da elaboração de cenários. Os cenários exploratórios são os pimeiros a serem elaborados  em alteliers de especialistas. Os atores do território são associados à elaboração de cenáros normativos que permitem passar à ultima familia de  de instrumentos. Com base nestas extrapolações e explorações, o debate é iniciado e orientado para a ação. Quando se confronta as lógicas institucionais e organizacionais, este andamento virtuoso se revela pouco evidente de seguir e toma por vezes vários anos.

17Mas se a emergência deste novo ramo do ordenamento resulta de mudanças de contexto e modos de pensamento, é igualmente interessante para as suas implicações na ação pública. O exercício de prospectiva constitui também um motor de transformação de uma territorialidade que vamos examinar através do triplo plano, a decisão, da conceitualização e a instrumentação.

As formas do territorialização procedente da prospectiva

As relações no tempo

18O exercício de prospectiva, fundamentalmente, introduz uma dimensão temporal. Esta assinala bem evidentemente o objeto e a abordagem da ação. Mas ela nos parece mais importante ainda no momento em que ela constroe uma temporalidade territorial. Tal temporalidade pode ser posta perante territorialidades contemporâneas ditas efêmeras, móveis e difusas(Viard, 1994, Di Méo, 1996, Fourny et Micoud, 2002). Elas mostram que a história dos individuos não se inscrevem mais em um território único e estável e, inversamente, que a memória longa do território não é mais objeto de um processo expontâneo de transmissão inter-generacional.

19 Em relação a esta perda historicidade, a prospectiva reintroduz uma duração. Inscreve a coletividade numa permanência; a projeção no futuro testemunha que, diante a mobilidade e a instabilidade das sociedades que o constituem, o território conserva uma existência. A substancialização do espaço considerado se faz graças a este duplo movimento, de figuração e de duração. A figura que, implica a definição de uma definição do futuro, necessita com efeito elaborar  os contornos de uma identidade. Ela tem nisto um valor performativo: enunciando e formalizado seu obeto, designando-o e qualificando-o numa representação globalizante, ela lhe dá corpo, e neste atesta existência. A projeção demonstra mais que uma permanência, ela desenha uma temporalidade superior àquela dos individuos que aí residem. Deste ponto de vista, a prospectiva constitue uma inclinação da patrimonialização. Projeção no futuro e ascensão em cena de uma história fundam ambas uma dimensão temporal intrinseca, quase a-social. É na continuidade, nesta ligação entre passado, presente e futuro que pode se construire o sentimento de uma personalidade, de uma especificidade inscrita em um espaço mais do que em sua sociedade (Vinsonneau, 2002). Graças a este processo, o território adiquire um status de objeto coletivo, singular e autonomo.   

20Ao contrário do patrimônio, a prospectiva, entretanto contém uma dimensão utópica. Elaborando a imagem de um futuro tanto atrativo como possível, pode constituir uma alavanca para a ação, e revelar-se não somente um conhecimento sobre os processos, mas também um agente de estruturação social. Este papel manifesta-se de várias maneiras:

21. a prospectiva em primeiro lugar condiciona a formação de uma mobilização. Da mesma maneira que as imagens do passado, a visão do futuro permite, com efeito, opor às situações presentes, a uma crise implícita ou explícita, um melhor possível. Mas aqui onde o patrimônio recorre à nostalgia, a prospectiva evoca a capacidade de agir. Ao contrário também da previsão que postula um futuro irredutível, a prospectiva a este se refere como controle e vontade. A construção do território como um objeto dotado de uma permanência integra-se a esta figura da ação: assim posta a distância, o território pode tornar-se também não apenas o espaço da coletividade, mas o objeto comum da ação coletiva. Pode, portanto inscrever-se num discurso sobre a responsabilidade onde, de acordo com a retórica em uso, “o futuro é o negócio de todos”.

22. participa de uma dinâmica coletiva de mudança. A retornada a uma evolução necessariamente melhor, a coletividade encontra-se dotada de uma imagem positiva de si própria. A prospectiva torna-se neste caso um instrumento de intervenção sobre a psicologia coletiva. Trata-se por vezes de uma operação que se limita à comunicação interna ou o marketing, visando produzir imagens atrativas. Trata-se também disto servir-se para introduzir novos modos de pensamento, facilitar a apropriação da mudança e a inovação, na medida em que, diferente ainda da patrimonialização, a prospectiva integra as mutações na representação do território. Este trabalho de conceitualização do futuro ressalta um trabalho quase terapêutico: faz serviço, diz alguns dos seus promotores, de “divã territorial” (Delamarre, 2001). Este desafio não isenta a prospectiva dos riscos de manipulação de uma personalidade coletiva. Encontram-se assim na terminologia empregada, as referências a um espírito positivo e à procura de desempenho, muitas semelhanças com as formas atuais da gestão de recursos humanos nas empresas. No mínimo, a prospectiva pode ver-se restrita a este objetivo de comunicação, e utilizada como uma oportunidade para uma produção de discursos, sem mais prolongação na ação.   

23A construção temporal do território para tanto não indica uma real definição de uma “trajetória territorial”, que viria pôr em perspectiva o passado do território com o seu futuro. Com o patrimônio e a prospectiva, a ancoragem temporal faz-se em duas direções a partir do presente, mas em um pensamento e em uma operacionalidade que a dividem. A prospectiva ressalta, com efeito, um discurso desviado sobre o presente, que opera em certa medida por “retroprojeção”. A identidade assim construída parece muito paradoxalmente atemporal. Leva a definir e tornar explícito o comum, a formalizar-nos territorial, mas sem real historicidade. A razão disso é organizacional e cultural : a prospectiva surgiu do campo da planificação e da ação, tanto no seu pensamento tanto na sua aplicação. O discurso sobre o território que ela produz é um discurso de inserção nas mudanças : a indentidade posta em epigrafe é uma identdade pragmática, operacional, ela visa mostrar o lugar do território em um mundo em movimento, busca mostra a pertinencia e a potencialidade de especificidade culturais. Ela se inscreve assim em um outro registro de construção da indentidade além daquele da patrimonialização.

As relações no coletivo

24Os primeiros elementos de modalidade de uma construção coletiva do território são diretamente correlacionados à dimensão temporal. O território projetado torna-se objeto comum e intencional integrando o coletivo. Ele representa tanto um vetor de mobilização quanto o produto da abordagem : as declarações tais como « nós vamos tornar-se um território » em relação a isto são representativas (Delamarre, 2001). A abordagem prospectiva além disso substancializa o coletivo, nós o evocamos, seja por uma projeção unificante e configurante ou pela definição de uma personalidade.

25Estes desafios e estas funções da prospectiva são apenas diferentes do projeto. Instrumento de uma governança dos atores, bases de uma figuração simbólica e existencial, as duas abordagens produzem o coletivo a que se deram por objeto. A prospectiva, contudo distingue-se por um tipo de estruturação original e conduzindo ainda mais longe a integração que realiza o ordenamento de projeto.

26Esta estruturação intervém através do processo levado a efeito. Retomemos os dois grandes tipos de prospectiva habitualmente distinguidos: uma prospectiva especializada e uma prospectiva participativa. A primeira privilegia a produção de um conhecimento sobre o território, sobre os processos de transformação, e mobiliza essencialmente especialistas dos diferentes domínios e especialistas das técnicas de avaliação em prospectiva. A segunda visa à definição coletiva de uma figura do futuro comum, num processo fazer-caminho. Ela Instala lugares de debate, cenas ou fóruns participativos nos quais se trabalham coletivamente as representações do território e onde se coloca em questão explicitamente a identidade do território. Estes dois tipos, obviamente, ressaltam duas concepções de abordagem e de engajamento diferindo a relação entre eleitos e população assim como a relação ao tempo ou à ação. A abordagem participativa procede de uma conduta federativa de atores diversificados, mobilizados por uma perspectiva comum que se pretende ela mesma a emanação em contínuo do trabalho coletivo (Callon, Lascoumes, Barthe, 2001). A abordagem cognitiva ressalta quanto a ela uma avalição de tendencias cujos cenários são a tradução mais conhecida. Ela faz referencia a um imortante instrumento técnico de produção e de analise de informações objetivas: observatórios, SIG, modelização. Utiliza de outro modo um conjunto de métodos de exloração procedendo de uma sintese de evoluções setoriais de diferentes escalas. A primeira, para a maioria dos observadores da prospectiva, corresponde a uma abordagem de governaça (Destatte, 2003, Ascher, 1998). Ela neste setor constitue um instrumento aplicado a gestão das mudanças e a colocação em ação coletiva de uma concepção do território.

27Entretanto os métodos empregados pela prospectiva exploratória não permitem opor as duas figuras e ver em uma um instrumento de ordem político, no outro um instrumento técnico de uma nova avaliação. A prospectiva exploratória, com efeito, deve “horizontalizar” as avaliações setoriais. Ela chama atenção deste ponto de vista a uma perspectiva interdisciplinar, com todas as dificuldades que esta pode encontrar. Mas ao mesmo tempo, deve libertar-se do diagnóstico, integrar as dinâmicas coletivas e culturais. Além disso, os métodos de exploração mais utilizados atualmente continuam a ser majoritariamente empíricos, o conhecimento objetivo se apóia sobre um conhecimento fino e qualitativo de um meio econômico, dos seus comportamentos e de sua cultura. Eles exigem qualidades de intuição, interpretação e disposição destes dados de outra natureza que as qualidades especializadas clássicas. O produto das análises, além disso, solicita novas formalizações. Em exercícios de prospectiva que atribuem uma importância maior à comunicação, a representação da figura do território, sob uma forma cartográfica, iconográfica ou discursiva torna-se essencial (Debarbieux e Lardon, 2003). O “savoir-faire” não consiste aqui tanto na disposição de conhecimentos especializados quanto na expressão de sua projeção sobre o território. As representações gráficas ligadas aos cenários do ordenamento do território disso são exemplos significativos.

28Novos objetos de conhecimento e de intervenção aparecem igualmente nestas operações. A questão da identidade torna-se assim uma temática em si, não apenas num objetivo de valorização, mas também de avaliação dos seus efeitos sobre os processos de mudança. Objetivada, é levada em debate, desconstruída e avaliada.

  • 5  Diferente da Panóptica, onde um centro superior vigia e controla um dado espaço, bem como seus ato (...)

29Os procedimentos participativos desenvolvem quanto a elas largamente fóruns onde intervêm conjuntamente habitantes, especialistas, técnicos de ordenamento, por vezes eleitos. Os temas postos em debate coletivo são de ordem existencial: eles referem-se a qualidades, referências identitárias, objetos transversais e a forte dimensão subjetiva. Este tipo de intervenção não opõe, como na maior parte dos procedimentos de avaliação, a subjetividade dos habitantes, ou o conhecimento intuitivo dos atores « locais » à objetividade dos consultores « externos » :  ela confronta saberes, formas de experiencia e de sensibilidade diferentes. Será abusivo falar de equivalência, as hierarquias e as relações de poder estão bastante ancoradas para isto, entretanto o dispositivo instaura um quadro de contato : especialistas e habitantes expõem pontos de vista em que cada um tem o mesmo interesse diante do objetivo de definição do território comum. A produção de uma imagem do tornar-se assinala neste caso uma visão dita « holoptique5 », em oposição à visão panóptica de ordenamento funcionalista ; visão holoptique que, diz Pierre Lévy (1995), « deve oferecer uma percepção completa de um espaço, onde cada um, por sua experiecnia e seus conhecimentos pode os ajustar e os coordenar aos outros ».

30Se tanto as abordagens participativas quanto os métodos exploratórios demandam tranferencia e disposição de conhecimento, o desafio essencial da prospectiva reside, entretanto, na sua capacidade de articular a produção coletiva oriunda do debate, com a rodução objetiva dos especialistas. É nesta articulação que a prospectiva pode superar a utopia ou a estratégia para tornar-se um dispositivo operacional integrando o desejável e almejado com a possivel ou, de outro modo dito, integrando a racionalidade e a dinâmica coletiva. E nessa articulação também que a prospectiva local pode ser propriamente territorial. Entende-se  neste caractére não a extensão ou o objeto do projeto, mas uma dinamica social e cultural, integrando nas relações entre atores e produtores a partir de relações entre atores, uma conexão, quer dizer, um sentimento de identidade, de ertencimento e de um objetivo comum, de uma responsabilidade, referidos a um espaço.

31Este modo de estruturação faz da prospectiva  mais que este instrumento de governança habitualmente descrito. Os processos levados a efeito são de natureza de fazer emergir uma construção relevante de uma « inteligenca coletiva territorial ». Se a inteligencia coletiva constitue « uma inteligencia distribuída, coordenada, que conduz a uma mobilização efetiva das competencias » (Lévy, 1994), a inteligencia terrirtorial demanda de nosso parecer uma produção de conhecimento organizado sobre o espaço local, mas também uma colaboração de atores mobilizando suas territorialidades, se apoiando sobre uma referencia territorial, sobre significações compartilhadas, que os mobilizam individualmente e os integra coletivamente. A prospectiva nisso oferece um suporte possivel, pelo duplo registro participativo e congnitivo e também pela pluralidade de status do território que ela coloca em evidência. Este é construido tanto em extensão, quanto em mediação, objeto e enfim, produto.

32Ele resulta de necessidades de novas competencias, que tem poder de chamar a atenção do geógrafo. A aplicação da prospectiva  solicita uma capacidade de gerar a relação, de criar o debate, e de fazer emergir um bem comum. Evoca um « savoir-faire » na integração de significações na ação, em uma gestão de aspectos simbolicos  e culturais que não assinala a manipulação ou a comunicação. Ela demanda finalmente uma intervenção não de ordem da organização espacial ou da mediação social, mas conduzida mais precisamente sobre territorialidades, quer dizer, sobre um processo coletivo, espacial, organizacional e identitário.

A relação entre territórios

33A relação entre territórios envolve a dimensão política da circunscrição considerada: em que medida a propectiva envolve a construção institucional e pode ela transformar as relacões entre as malhas e niveis de intervenção?

  • 6  Circunscrições administrativas na França, comparáveis aos municípios. Nota do Tradutor.

34 Examinada de um ponto de vista interno, ela representa em parte um dispositivo de legitimação da ação pública. A substancialização que evocamos naturaliza, com efeito, o espaço da intervenção e consequentemente legítima o espaço que representa o eleito. Este aspecto não deixa de explicar sua atração e sua redução por vezes às operações de comunicação. Ele faz dela um instrumento pertinente para toda situação de « crise » institucional, trata-se de estruturas territoriais emergentes, regiões cuja identidade ainda estão se formando, departamentos ou comunas6 em disputa, ou mesmo um territórios nacional com a unidade ameaçada.

35Ao mesmo tempo, ela constitui um agente de transformação da ação pública. Exceto a reduzi-la estritamente a um diagnóstico exploratório, ela mobiliza, integra, participa de uma estruturação territorial. Por outro lado, o modo de construção coletivo, por conjunção de saberes, não deixa de tornar possível uma redefinição do papel entre atores técnicos e atores eleitos, portadores das operações. A competência na conduta da mudança, a capacidade posta em debate, a colocação em figura, a definição de um futuro, assinalam bem uma arte de governar. Ora a prospectiva transfere-o na esfera técnica e, com efeito, uma dimensão operacional. Os técnicos consequentemente novas capacidades de orientação política, entram no domínio constitutivo do eleito desenvolvendo e racionalizando a competência fundadora, mas intuitiva destes de exprimir o coletivo que representam. Na ausência de transporte dos eleitos, vê-se os por vezes bastante desconfortáveis, providos de uma arme da qual eles não podem ou não querem se instruir. Ou então ao contrário, eles os utilizam nos jogos de astúcia controlando as relações entre técnicos e eleitos: a objetivação do futuro pode tornar-se força de pressão ou instrumento de uma nova pedagogia. A prospectiva modifica assim os modos de ação do eleito, atua sobre sistemas de representação, consolidando o território como fundamento da representação.

36Considerada de um ponto de vista externo, a existência de prospectivas territoriais locais, coloca ainda mais que a planificação o problema da articulação dos territórios e sua capacidade de conceber simultaneamente sua singularidade e seu pertencimento a outros territórios. A prospectiva « por alto » pode a rigor manter a convicção de um futuro comum. Com a prospectiva « por baixo », certa virtudes democráticas são susceptíveis a progredir, mais também com elas riscos de quebra de visões de interesse coletivo. A multiplicidade das prospectivas locais interroga além disso o interesse  e o lugar de uma prospectiva nacional. O problema é por sua vez vertical, no encaixe de escalas e níveis de prospectiva, e horizontal na integração ou a consideração das vizinhanças. Ora, este eixo é sem dúvida aquele que conhecia menos inovação. As descrições de grandes figuras  emblemáticas da prospectiva territorial não evocam o sujeito. Nas nossas observações locais, as prospectivas locais se superpõem ou se multiplicam, mais genericamente se ignoram.

37As razões são numerosas. Pode-se incriminar a novidade das abordagens, cujo o emprego e as consequencias não tiveram duração necessária para dar lugar a confusões eventuais. Mais seriamente, a operação permanece nas mãos de coletividades locais para que ela represente um meio, nós o vimos, de afirmar a existência de seu « território ». Consequentemente o conhecimento mobilizado não se restringe a malha em questão: a escala considerada é aquela dos fenômenos, não da malha administrativa. Mas o espaço de referência da estratégia permanece efetivamente aquele da coletividade local. As manobras geoestratégicas permanecem assim clássicas: de concorrência, de aliança estratégica eventual, de busca de especificidade. A prospectiva deste ponto de vista oferece a possibilidade de um melhor posicionamento, de uma avaliação mais fina das relações com outros territórios. Mas ela hospeda um instrumento a serviço do territórios que a utiliza, a « prospectiva compartilhada » que aparece como um horizonte extremamente remoto !  

Conclusão

38Pode-se interpretar a prospectiva territorial como um dispositivo governamental de condução e produção de território. Ela prolonga, no campo da gestão e da produção um conhecimento operacional, os princípios de participação levados a efeito no campo político, e insere-se nos novos referentes gerenciadores do ordenamento. Instrumento da construção contemporânea dos territórios, ela opera uma estruturação e uma mobilização dos atores; agindo sobre as significados, altera as representações do território e faz destas uma força para a ação. Adquire uma dimensão operacional, estratégica, administrativa e cognitiva, pela mobilização de conhecimentos e pela articulação com métodos de objetivação e de racionalização: território significando, território estratégico e território “inteligente” são produzidos conjuntamente. Estende igualmente a problemática do controle do espaço a este novo objeto da sua dimensão temporal. Estes desafios são bem compreendidos, e explicam a atração para a abordagem. Mas os freios, organizacionais, políticos e culturais, são numerosos, vinculados nomeadamente ao fato de trata-se de um instrumento de reprodução da legitimidade e a existência do território, que deixa aberto a pergunta da articulação das prospectivas locais.

Haut de page

Bibliographie

Des DOI sont automatiquement ajoutés aux références par Bilbo, l'outil d'annotation bibliographique d'OpenEdition.
Les utilisateurs des institutions qui sont abonnées à un des programmes freemium d'OpenEdition peuvent télécharger les références bibliographiques pour lequelles Bilbo a trouvé un DOI.
Format
APA
MLA
Chicago
Le service d'export bibliographique est disponible aux institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : contact@openedition.org

Ascher François, La République contre la ville : essai sur l'avenir de la France urbaine, La Tour d'Aigues, Ed. de l'Aube, 1998.

Berger, Gaston, Phénoménologie du temps et prospective, Paris, PUF, 1964.

Boulin Jean-Yves, Dommergues Pierre, Godard Francis (dir), La nouvelle aire du temps, La Tour d’Aigues, L’Aube, Datar, 2003.

Boutinet, Jean-Pierre, Anthropologie du projet, Paris, PUF, 2e édition, 1993.

Callon Michel, Lascoumes Pierre, Barthe Yannick, Agir dans un monde incertain, Essai sur la démocratie technique, Paris, Seuil, 2001.

Candau, Joël, Mémoire et identité, Paris, PUF, 1998.

Datar, Une image de la France en l'an 2000. Le scénario de l’inacceptable, Paris, la Documentation Française, 1970.

Debarbieux, Bernard, Lardon Sylvie (dir), Les figures du projet territorial, La Tour d’Aigues, L’Aube, Datar, 2003.

Delamarre Aliette, La prospective territoriale, Paris, La Documentation française, DATAR, 2002.

De Jouvenel, Hugues, « La prospective appliquée aux territoires », Pouvoirs Locaux n°50 III, 2001, p. 40-44.

Destate Philippe et Van Doren Pascale (dir.), La prospective territoriale comme outil de gouvernance, Institut Jules DESTREE, Charleroi, Wallonie, 2003.

Di Meo Guy (dir), Les territoires du quotidien, Paris, L’Harmattan, 1996.

Fourny Marie-Christine, Micoud, André, « Représentations et nouvelles territorialités: à la recherche du territoire perdu », Ces territorialités qui se dessinent, Dir. Bernard Debarbieux et Martin Vanier. La Tour d’Aigues, Ed de l'Aube, 2002.

Gonod, Pierre, Penser l’incertitude, 2003. http://www.mcxapc.org/docs/ateliers/amont.pdf

Goux-Baudiment, Fabienne, Quand les territoires pensent leurs futurs, La Tour d’Aigues, éditions de l’Aube, Paris, 2001.

Goux-Baudiment, Fabienne, Donner du futur aux territoires, Paris, CERTU, 2000.

Guigou, Jean-Louis, Une ambition pour le territoire, éditions de l’Aube, Paris, 1995.

Landrieu, Josée, « La prospective de la DATAR et son rôle dans le projet de modernité à la fin des années 1960 », In Aménagement du territoire : changement de temps, changement d’espace, Caen, Presses universitaires de Caen, 2008, p. 63-70.

Levy Pierre, L’intelligence collective. Pour une anthropologie du cyberespace, La Découverte, Paris, 1994.

Levy, Pierre, « Cyberespace et démocratie, Pour l’intelligence collective », Le Monde Diplomatique, octobre 2005, p. 25, 1995.

Loinger, Guy, Spohr, Claude, Prospective et planification territoriale. État des lieux et propositions, Paris, DRAST, DGHUC, 2004.

Loinger Guy, Un état des lieux de la prospective régionale en France. Assises de la prospective, Université de Paris-Dauphine, 8-9 décembre 1999, Paris, OIPR, 1999.

Musso Pierre, « La prospective territoriale des années 1980-2000 : de l’État savant à l’État communiquant », In Aménagement du territoire : changement de temps, changement d’espace, Caen, Presses universitaires de Caen, 2008, p. 39-62.

Format
APA
MLA
Chicago
Le service d'export bibliographique est disponible aux institutions qui ont souscrit à un des programmes freemium d'OpenEdition.
Si vous souhaitez que votre institution souscrive à l'un des programmes freemium d'OpenEdition et bénéficie de ses services, écrivez à : contact@openedition.org

Plassard François, « Une approche rétrospective de la prospective : le scénario de l’inacceptable ». Géocarrefour, vol 77, n°2, 2002, p. 197-214.
DOI : 10.3406/geoca.2002.1571

Sgard, Anne, « Entre rétrospective et prospective », EspacesTemps.net, Textuel, 26.09.2008 http://espacestemps.net/document6123.html

Viard Jean, La société d’archipel ou les territoires du village global, La Tour d’Aigues, éd de l’Aube, 1994.

Haut de page

Notes

1  Este artigo é uma edição revista de Marie-Christine Fourny, Damien Denizot, « La prospective territoriale, révélateur et outil d’une action publique territorialisée », in Rodolphe Dodier, Alice Rouyer, Raymonde Séchet (dir.), Territoires en action et dans l’action, Rennes, Pur, 2007, p. 29-43.

2  O pays constitue uma escala de cooperação entre as coletividades locais. E uma instancia que permite os atores locais elaborarem com conjunto um projeto de desenvolvimento para seu território. Nota do Tradutor.

3  Definidas pelo site http://www.vie-publique.fr/ como estruturas administrativas francesas distintas da administração do Estado. Nota do Tradutor.

4  Tal método, bastante utilizado por planejadores, constitui em construir-se possíveis cenários de desenvolvimento de um projeto a partir de uma dada realidade, considerando tanto expectativas pessimistas quanto otimistas e levando em consideração, o que é mais complicado, as influências exógenas. É um método que se baseia, portanto em dados empíricos, mas, sobretudo em suposições.

5  Diferente da Panóptica, onde um centro superior vigia e controla um dado espaço, bem como seus atores, a visão Holóptica estabelece o controle e a vigilância entre os próprios atores, fazendo com que todos se tornem ao mesmo tempo “fiscais” e vigiados. Nota do Tradutor

6  Circunscrições administrativas na França, comparáveis aos municípios. Nota do Tradutor.

Haut de page

Table des illustrations

URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6502/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 836k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6502/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 298k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Marie-Christine Fourny et Damien Denizot, « A prospectiva local, um modo de produção e governança », Confins [En ligne], 9 | 2010, mis en ligne le 16 juillet 2010, consulté le 23 décembre 2014. URL : http://confins.revues.org/6502 ; DOI : 10.4000/confins.6502

Haut de page

Auteurs

Marie-Christine Fourny

Professora da Universidade Joseph-Fourier (Grenoble I) Institut de Géographie Alpine, laboratoire UMR PACTE, 14 bis av Marie Reynoard, 38100 Grenoble,marie-christine.fourny@ujf-grenoble.fr

Damien Denizot

Assessor para prospectiva, Grenoble-Alpes Métropole,Le Forum, 3, rue Malakoff, 38000 Grenoble

Haut de page

Droits d’auteur

© Confins

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Revues.org