Navigation – Plan du site
Resenha / compte-rendu

Michael Löwy, As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Münchhausen

8.ed. São Paulo: Cortez,220 páginas
Les aventures de Karl Marx contre le Baron de Münchhausen
Ana Paula Camilo Pereira et Airton Aredes
Référence(s) :

Michael Löwy, As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Münchhausen. Marxismo e positivismo na sociologia do conhecimento, 8.ed. São Paulo: Cortez,220 p.

Texte intégral

1Michael Löwy, ensaísta brasileiro de projeção internacional, nasceu na cidade de São Paulo em 1938, filho de imigrantes judeus de Viena. Sociólogo pela Universidade de São Paulo (USP) desde 1960 doutorou-se na Sorbonne, sob a orientação de Lucien Goldmann em 1964. Vive em Paris desde 1969, onde trabalha como diretor de pesquisas no Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS). Veterano e lutador político militante de esquerda, é autor de livros e artigos traduzidos em 25 línguas, dentre os quais destacam-se: Walter Benjamin, aviso de incêndio (São Paulo, Boitempo, 2005); Ecologia e socialismo (São Paulo, Cortez, 2005) e A teoria da revolução no jovem Marx (Petrópolis, Vozes, 2002).

2A questão principal a que se propõe Michael Löwy no livro “As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Münchhausen” é, mediante, as correntes do pensamento (positivismo, historicismo e marxismo) examinar os dilemas, as contradições, os limites e as contribuições dessas correntes para a construção de um modelo de objetividade próprio das ciências humanas e para uma sociologia crítica do conhecimento. Sua perspectiva é o estudo das relações entre as classes, categorias sociais (utopia e ideologia) e conhecimento científico. A polissemia dos termos revela uma ambivalência de significados, que tratavam em diferentes correntes do pensamento, ideologia como oposição ou analogia a utopia.

3Löwy trata, no primeiro capítulo, das concepções positivistas nas ciências sociais. Destaca que esta corrente ignora o condicionamento histórico-social do conhecimento, o que é para o autor a principal problemática do positivismo, uma vez que para compreender a significação específica e suas implicações é preciso examinar a sua gênese histórica, seu desenvolvimento e o conjunto da visão social de mundo.

4Desse modo, Löwy apresenta a utopia positivista a partir de seus principais precursores: Condorcet, Saint-Simon, Augusto Comte, Émile Durkheim, Max Weber e Karl Popper.

5Na compreensão de Löwy, o iluminista Condorcet pensa a economia política através da matemática, da física quântica, relacionando-a aos métodos das ciências naturais. A sociedade, de seu ponto de vista, é regida pelas leis da natureza, pela probabilidade estatística dos fatos. Os fatos sociais passam por uma insignificância matemática/física, da qual o objetivo específico é considerá-la neutra do ponto de vista cognitivo.

6Em Saint-Simon, socialista utópico, ainda que a ciência social seja percebida ora pela física, ora pela fisiologia, que regia a sociedade pelas leis dos corpos, a ciência da sociedade é vista como uma tentativa de “salvaguarda”, de luta contra o regime Absolutista.

7Löwy, no exame da ideologia positivista, atém-se no filósofo Augusto Comte para explicar a subserviência do princípio metodológico dessa corrente do conhecimento em relação à ciência da natureza. Para Comte a física social e a ciência têm por objetivo o estudo dos fenômenos sociais considerados dentro do mesmo espírito que os fenômenos astronômicos, físicos, químicos e fisiológicos sujeitos a leis naturais invariáveis. A base do axioma da perspectiva de Comte está na designação do da ciência da sociedade ao sistema das ciências naturais.

8Na mesma acepção de Comte, o sociólogo Durkheim, ao apresentar sua démarche positivista nas ciências sociais, alude à concepção da análise da economia política, referenciando-a a partir das leis físicas, denominando o conceito central da ciência social positivista: a lei social natural. O autor conclui que o método positivista de Durkheim apóia-se na pressuposição da existência de uma homogeneidade epistemológica de diferentes domínios, sejam elas nas ciências sociais, sejam nas ciências naturais.

9Löwy, analogamente incide sobre a visão positivista clássica de Comte e Durkheim considerando-a partir do esforço de libertar-se de análises éticas, sociais, políticas de seu próprio pensamento. Contudo, o autor ao referenciar as idéias positivistas do século XIX com as façanhas do Barão de Münchhausen atesta que essa “libertação dos preconceitos” é a mais pura ilusão ou mistificação, uma vez que os positivistas clássicos, como Comte e Durkheim, consideram os preconceitos como verdades absolutas, incontestáveis e indiscutíveis, deixando com isso evidente seus preconceitos e prenoções estabelecidas.

10É em Weber que a essencialidade do fator histórico torna-se basilar no objeto de estudo e na démarche, daí certa aproximação, ainda que contestável, com as análises de Marx. As condições sócio-históricas em que Weber vivia, diferentemente de Comte e Durkheim, o fazia compreender as ciências sociais mediante outra visão de mundo e, consequentemente fazia com que seu método tivesse outros pontos de análise, que não aquele de neutralidade social, expressa nos positivistas clássicos.

11Nas análises sobre a sociologia do conhecimento, Löwy induz acreditar que as formulações de Weber não estavam totalmente equivocadas, já que na concepção weberiana há uma ligação entre valores e fatos que são, via de regra, elementos sociológicos. Todavia, na concepção de Löwy, não há uma ruptura entre Weber e o positivismo. Löwy destaca que Weber, ao analisar as condições de possibilidade de objetividade do conhecimento científico-social, aproxima-se do positivismo confirmando uma contradição irresolvível na teoria social do conhecimento.

12Numa concepção oposta à vertente positivista clássica, Popper concebe na ciência social a necessidade do julgamento de valor, do ponto de vista preliminar, como forma de reconhecer a teoria já preconcebida. Ainda que avesso ao positivismo clássico de Comte e Durkheim, ao analisar a objetividade entre as ciências naturais e as ciências sociais, Popper recusa distingui-las e acredita que a objetividade científica ao nível individual é impossível. Considera ainda que a objetividade não advém do próprio cientista individual, mas do conjunto de cientistas que têm, sob sua concepção, liberdade de crítica e articulação da linguagem. Esses dois aspectos constituem o caráter público e/ou social do método científico. Com isso, observa-se em Popper uma nova objetividade científica: a institucional, em que quando divulgada institucionalmente revela-se não a fonte, mas o resultado objetivo do conhecimento, que é desvinculado das parcialidades ou “futilidades” individuais ou de classes.

13No entanto, ainda que a acepção de Popper conduza a superação do velho positivismo, não transpõem o problema. Seria, de fato, utópico acreditar que a institucionalização das pesquisas científico-social eliminaria as posições sociais ou ideológicas.

14O equívoco de Popper, ainda que diferente da concepção positivista clássica recaia sobre a mesma problemática, ou seja, a ausência de objetividade entre as ciências naturais e sociais. Contudo, Löwy reconhece a contribuição de Popper no que diz respeito ao método público das ciências sociais. Popper atesta que a liberdade de crítica das ciências da sociedade é inevitável e reconhecidamente necessária ao seu progresso.

15Imerso no conflito existente entre o positivismo e o marxismo, no segundo capítulo Löwy destaca predominância e influência do historicismo, tanto o conservador como o relativista, como uma vertente importante na sociologia do conhecimento e na construção de uma teoria social.

16De acordo com Löwy, o historicismo é uma corrente conservadora, francamente reacionária, no entanto sua contribuição foi um passo importante para a compreensão da historicidade dos fatos sociais e para o desenvolvimento da ciência histórica moderna.

17Num compêndio entre a oposição racionalista e a-histórica, regada pela percepção romântica e nostálgica, o historicismo conservador, revolucionariamente, rompe com a visão de mundo do passado, mediante uma dimensão utópica e ideológica de defesa da ordem monárquica, hostil à sociedade burguesa, à nobreza, aos junkers, a burocracia, ao clero (católico e protestante), a pequena burguesia rural e urbana e a intelligentsia tradicional.

18Na concepção do historicismo conservador o conservadorismo não era considerado um julgamento de valor, significava, mais precisamente, uma expressão direta do movimento histórico, ou seja, do desenvolvimento dos fatos no decorrer do tempo.

19A partir dessa demonstração evidente das limitações do historicismo conservador, Löwy indaga-se sobre o relativismo do ponto de vista do historiador, que corresponde, segundo o autor, a necessidade de transmutação do historicismo conservador para o historicismo relativista.

20Nos dizeres de Löwy, o fracasso metodológico do historicismo conservador e do historicismo relativista é a prova simultânea da potência crítica dessa corrente e de sua incapacidade de responder os problemas que ela mesma suscita.

21A procura de um fundamento social para a solução do ecletismo fez com que o historicismo se desenvolvesse a partir das contribuições de Mannheim que apresenta uma nova sociologia histórica do conhecimento que se aproxima, por vezes, de uma tendência marxista. Mannheim confere à sua tese uma versão particularmente radical do historicismo relativista combinado com temas marxistas. Sua idéia principal é a dependência situacional de todo conhecimento histórico. A dimensão sociológica e a influência marxista fazem da teoria de Mannheim um compêndio de análises que versam sobre categorias do conhecimento relacionadas com o sistema econômico e político de certas classes sociais. Com isso, concebe que a formação e evolução do conjunto dos grupos sociais estão fundamentadas nas relações de produção e dominação, o que caracteriza sua aproximação com a teoria marxista.

22A problemática de Mannheim com o materialismo histórico e sua confirmação a partir de Marx o induz a definir o conceito de “ideologia total” de uma classe social, seu pensamento social condicionado, seu processo cognitivo, suas problemáticas etc. Nessa óptica, Löwy salienta que Mannheim sistematizou uma sociologia do conhecimento mediante as ciências humanas a partir de uma perspectiva socialmente condicionada. Desse modo, alega que o conjunto da problemática apresentado por Mannheim, constitui um enriquecimento para a sociologia marxista do conhecimento em razão, sobretudo, do seu caráter historicista.

23Ainda na análise cognitiva de Mannheim, sua defesa incidia sobre o dilema estrutural que desafiou Lukács, qual seja: que classe social cujo ponto de vista permite o máximo de conhecimento possível em época determinada? Essa questão era compreendida por Mannheim que atribuía à intelligentsia um privilégio epistemológico que lhe deixava “livremente flutuante” da adesão a qualquer classe, desta forma, Mannheim sistematicamente aglutinava suas idéias considerando que a intelligentsia era o sujeito social do optimum de conhecimento, já que seu desvinculamento e/ou a autonomia com relação às classes sociais o creditava a uma situação de liberdade.

24A perspectiva analítica de Mannheim partia de uma visão unilateral para reconhecer e compreender o conjunto, consequentemente, considerava que o valor cognitivo era equivalente, o que Löwy combate, precipuamente, destacando que estruturalmente, a defesa de Mannheim, é incapaz de oferecer uma perspectiva mais ampla. Löwy conclui que as novas constatações de Mannheim reforçam o princípio da carruagem, ou seja, a interpretação de que o conhecimento social é uma carruagem sobre a qual se pode montar à vontade e a qualquer tempo, também, confirma o princípio do Barão de Müchhausen, isto é, o pesquisador se livra puxando os próprios cabelos e saindo do contexto (auto-análise crítica). Nesse ínterim, Löwy destaca que Mannheim nada mais fez do que retornar as velhas receitas do positivismo tradicional.

25No terceiro capítulo conceito de ideologia ganha força nas análises e escritos de Karl Marx. O condicionamento histórico e social é apresentado pela crítica ao discurso neutro e objetivo que se propunha até então. Para Marx, ideologia designava um conjunto de elementos composto pela formas especulativas, idealistas e metafísicas da consciência social. Nessa concepção, Löwy destaca as idéias de Marx, contextualizando a relação existente entre os representantes do partido democrático e a pequena burguesia.

26A importância da análise sócio-histórica nos escritos de Marx é preconizada como forma de se compreender a evolução da ciência social, do ponto de vista científico. Segundo Marx, as lutas de classes não podem ser compreendidas senão em relação com a história social e econômica, tudo se passa no movimento histórico do concreto.

27Löwy encontra em Sismondi uma contribuição ímpar para as ciências sociais. Havia em sua teoria uma implicação de contradição, transitoriedade entre as classes que resultava a riqueza versus a miséria, e que Sismondi, representante de uma pequena burguesia tradicionalista e anticapitalista, em certas questões, aproximou mais de um conhecimento objetivo que Ricardo, representante da burguesia industrial progressista e revolucionária.

28Economistas e representantes da burguesia, de um lado, socialistas e comunistas representantes da classe proletária, de outro. É nessa condição, que a partir de 1830 abre-se um novo período para a ciência, que passa a ser produzida pelo movimento histórico associado com a plena consciência de causa, tornando-se revolucionária. A ideologia positivista invade o século XX e a doutrina do movimento operário socialista da Segunda Internacional. Dentre os pensadores dessa época, destaca-se Bernstein que reconhecia uma oposição irredutível entre a dialética marxista e a epistemologia positivista da ciência. Situado entre as correntes de Kant e Comte, Bernstein recusava a unidade dialética entre ciência e socialismo.

29Numa concepção positivista Karl Kautsky, representante da doutrina do marxismo ortodoxo, oposto ao revisionismo positivista e à esquerda revolucionária, tendia a assimilar natureza e sociedade. Concatenado na fórmula social-darwinista, Kautsky concebia o marxismo como uma ciência positiva, livre de julgamentos de valor, apresentando o marxismo como uma ciência axiologicamente neutra.

30A influência do positivismo sob o materialismo histórico é mais notadamente específico em Max Adler que insistia na tese de que o marxismo era a própria sociologia. Afirmava que o marxismo não era uma visão de mundo, era não-político, identificava seu materialismo como o positivismo realista.

31O método não-positivista que explicitamente identifica a ligação epistemológica com a classe do proletariado e com a ciência marxista é verificada em Lênin, o qual defende que em uma sociedade fundada na luta de classes, não poderia haver uma ciência imparcial. O ponto de vista de classes é marcadamente essencial na concepção leninista. É em Lênin que se restabelece a unidade dialética entre ciência e revolução.

32Analogamente, Rosa Luxemburgo se coloca contrariamente a posição positivista, defende que uma sociedade verdadeira é composta de classes com interesses particulares e concepções diferentes. Percebe, ainda, a relação do marxismo mediante a superação dialética, alegando que esse posicionamento é condizente com o ponto de vista proletariado de Marx, considerando-a como uma classe revolucionária. Rosa Luxemburgo afirma o caráter classista e os limites históricos do materialismo histórico, confirmando sua superioridade em relação a outros marxistas-positivistas. Alega que a teoria marxista corresponde à passagem da etapa capitalista à etapa socialista da humanidade.

33Löwy identifica o marxismo historicista como uma corrente metodológica que se distingue pela importância central atribuída à historicidade dialética dos fatos sociais. O primeiro representante é Georg Luckás para quem o conhecimento social estava ligado aos limites do conhecimento da situação objetiva de classe. Luckás busca inovar com sua démarche esboçando uma sociologia historicista diferencial atrelada à identificação da luta do proletariado como uma classe que reconhece em si mesma a consciência de sujeito e o objeto do conhecimento.

34Em Korsch, Löwy analisa uma relação próxima à Luckás. Korsch encontra no marxismo uma ciência do movimento revolucionário do proletariado, sem interesses de classes de manter os preconceitos burgueses. Löwy identifica por sua vez, um caráter reducionista em Korsch quando considera a teoria marxista apenas como uma simples expressão teórica da luta prática da classe operária pela sua libertação.

35Em Gramsci, Löwy conduz uma leitura imbricada numa concepção diametral, da qual explica que Gramsci por vez propunha a compreensão da ciência do conhecimento por uma dimensão ideológica e uma dimensão cognitiva. Sua defesa parte da construção científica e teórica de compreender e julgar de forma realista a posição e as razões de seus adversários, distante das pressões ideológicas do ponto de vista de cada classe.

36Na concepção de Löwy, o pensamento de Luckács foi resumido e obteve uma nova contribuição em Goldmann. Para este, a sociologia do conhecimento possui uma estrutura de categorias da consciência do pesquisador que define os fatos sociais de acordo com suas aspirações e interesses, que são diferentes em cada grupo. Critica radicalmente às mistificações do positivismo e a assimilação obstinada das ciências humanas às ciências naturais.

37Em síntese, Löwy conclui que a corrente historicista do marxismo foi a que apresentou idéias mais profundas sobre a resolução dialética, sobre o problema da objetividade científico-social, que fugiram às armadilhas do “princípio da carruagem” como fundamento relativista.

38Sobre o marxismo racionalista, que se baseia na relação entre a Teoria Crítica e o ponto de vista de classes, Löwy destaca as concepções de Horkheimer, Marcuse e Adorno. A Teoria Crítica incumbe-se da negação à ordem estabelecida e ao antipositivismo, manifestando a unidade da dialética negativa. Opõe-se a neutralidade da ciência e defende um engajamento partidário como forma de escapar ao relativismo. Löwy destaca que tanto Horkheimer como Marcuse renegam o relativismo de Mannheim, sendo que Horkheimer critica ferozmente, a démarche de Luckás, ainda que em alguns escritos, inconscientemente se aproxime de Luckás. Em Marcuse, essa relação de proximidade é indireta, sendo, contudo, mais acentuada.

39Também representante da Escola de Frankfurt, Adorno aproxima-se da concepção de Popper, aderindo ao relativismo cético e o subjetivismo popperiano. Sua crítica fundamentava-se, assim como Horkheimer e Marcuse, nos escritos de Mannheim sobre o condicionamento social a partir da consciência verdadeira.

40Para Löwy a perspectiva da Teoria Crítica está enraizada na luta de classe do proletariado pelo socialismo. Contudo, a busca de racionalidade contínua dos teóricos críticos era abstrata, a-histórica socialmente, o que para o marxismo tem uma referência potencialmente diferenciadora. Em sua concepção a racionalidade não pode ser dissociada da luta de classe, pois historicamente a racionalidade encontra em cada período uma figura concreta deduzida diretamente dos interesses da situação histórica objetiva do proletariado. Löwy, sinteticamente considera que o problema da Teoria Crítica reside no fato da mesma negar a história como fato real, caracterizando-a como socialmente desenraizada e abstrata.

41O fenômeno estalinista teve grande influência nos estudos sobre ideologia/ciência. De acordo com Löwy, trata-se de uma formação na URSS de uma camada burocrática, proveniente do proletariado, não constituindo uma classe social. É nessa questão particular, que Löwy destaca que por tal fato, esta camada, não poderia criar uma visão social do mundo, pois seu objetivo era mascarar o marxismo e transformá-lo em um poder ideológico conservador. Representava, portanto, um “marxismo vulgar”, apegado ao pensamento burguês e subordinado a seus interesses políticos e sociais. Buscava a ideologização das próprias ciências naturais, mediante o privilégio de uma biologia vulnerável às ideologias. Löwy argumenta que a inovação teórica do estalinismo baseia-se num positivismo ao inverso, pois queria neutralizar as ciências sociais e políticas e politizar as ciências da natureza.

42Na conclusão, Löwy destaca que todo questionamento à ordem estabelecida sempre foi tomado como uma ameaça subversiva. A formação de um modelo científico de objetividade encontrou no curso da história o confronto entre a condição pré-estabelecida e a condição de sucessão pretensa sobre a sociologia do conhecimento. A busca de uma démarche que constituísse um conhecimento real sobre as ciências da natureza e as ciências da sociedade, fez com que grandes correntes epistemológicas conflitassem sobre suas visões de mundo.

43Para Löwy não há uma distinção entre as ciências humanas e as ciências naturais, há um espaço cognitivo de intermediação, ou seja, uma zona de transição que as relaciona.

44Ao tratar da “cegueira” e da “claridade” que conduzem as lutas sociais de classes em busca da verdade, Löwy destaca que o marxismo compreende que a classe proletária possui o máximo de consciência possível. Sendo uma classe universal, seus interesses coincidem com os da maioria da humanidade. É uma classe revolucionária, cuja visão de mundo tem a possibilidade objetiva de ser transparente. É a partir de sua consciência de classe que o proletariado pode tomar o poder e transformar a sociedade em socialista por meio do conhecimento objetivo da realidade, da estrutura econômica e social, da relação de forças e da conjuntura política.

45A partir dessa compreensão, Löwy concluindo suas análises enfatizando que a ciência da visão de mundo do proletariado é uma forma de transição para a ciência da sociedade sem classes, podendo, portanto, atingir o máximo de objetividade, pois a sociedade deixaria de ter visões antagônicas. Em outras palavras, a visão de mundo proletária representa o horizonte comum a um conjunto de forças políticas e intelectuais, sociais e culturais que reivindicam sua utopia revolucionária. Nessa perspectiva, Löwy considera que as diferentes visões de mundo, de busca de uma sociologia do conhecimento serviram como um preâmbulo para as determinações e visões de mundo subsequentes. O ponto de partida constitui-se mediante as leituras e análises dos escritos anteriores, ou seja, esta é a compreensão crítica da própria história.

46As análises de Löwy ainda consideram que a visão proletária pode e deve ser capaz de incorporar as verdades parciais produzidas pelas ciências de nível inferior ou limitadas, sem que isso, necessariamente, leve ao ecletismo. Suas conclusões atestam que o proletariado, na medida em que busca a possibilidade objetiva ao acesso da verdade, é a classe revolucionariamente mais crítica, mas isso não o induz a uma garantia suficiente do conhecimento da verdade social.

47Em síntese, a obra de Michael Löwy é de grande importância para a construção de uma ciência sociológica. Seus escritos permitem compreender a “nuance” das correntes mediante o movimento histórico, impetrando a compreensão versada pelo próprio autor, mediante o “princípio da carruagem”, o que incentiva reflexões a respeito do método.

Haut de page

Table des illustrations

URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6544/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 30k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Ana Paula Camilo Pereira et Airton Aredes, « Michael Löwy, As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Münchhausen », Confins [En ligne], 9 | 2010, mis en ligne le 21 juillet 2010, consulté le 29 avril 2017. URL : http://confins.revues.org/6544

Haut de page

Auteurs

Ana Paula Camilo Pereira

Mestre em Geografia pela Universidade Estadual Paulista UNESP/FCT, campus de Presidente Prudente SP
apaulacape@hotmail.com

Articles du même auteur

Airton Aredes

Professor da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. Doutorando em Geografia pela Universidade Estadual Paulista UNESP/FCT, campus de Presidente Prudente SP

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org