Navigation – Plan du site
Projeto de pesquisa / position de recherche

Estado de São Paulo: aspectos da natureza

Marcello Martinelli

Entrées d’index

Index de mots-clés :

Atlas, cartographie, São Paulo

Index by keywords :

Atlas, cartography, São Paulo

Index géographique :

São Paulo

Índice de palavras-chaves :

Atlas, cartografia, São Paulo
Haut de page

Texte intégral

Vegetação

1As espécies da flora não estão distribuídas ao acaso, mas sim agrupadas em formações vegetais ou fitocenoses em equilíbrio com o solo, clima, além de contar com a concorrência de ações por parte da sociedade humana.

2Vegetação é a forma de agrupamento das espécies vegetais em consonância com o ambiente, incluindo a participação da ação do homem na sucessão de seus modos de produção.

3Uma primeira distinção das fitocenoses (agrupamentos de espécies) pode ser feita com base fisionômica, levando em conta o tipo de estrutura sem considerar a flora: formações herbáceas, arbustivas e arbóreas.

4Entretanto é mais consistente considerar a vegetação quando as fitocenoses são vistas, além de sua fisionomia, também sob o aspecto florístico. Assim, nota-se que aquelas são constituídas de espécies diferentes, com exigências similares em termos ecológicos.

5Desta maneira se poderá evoluir para a individualização das associações vegetais, as quais se distinguem em base florística e ecológica.

6Conceitua-se, assim, associação vegetal como sendo formada por um agrupamento de plantas em equilíbrio entre si e com o meio ambiente. Tem uma composição florística bem definida e tende a evoluir para outras associações ao longo do tempo (dinamismo).

7A cartografia da vegetação (cartografia fitossociológica) consiste em transpor para o mapa os limites entre as associações vegetais distinguidos por suas características (composição florística, ecologia e dinamismo). Neste sentido, no âmbito desta cartografia pode-se considerar a organização de mapas, fisionômicos (as fitocenoses são distinguidas pelo aspecto fisionômico), fitossociológicos (registram agrupamentos de plantas em equilíbrio entre si e com o ambiente) e dinâmicos (mostram a sucessão de estágios em que as associações evoluem em direção ao clímax - série de vegetação). Outros, ainda, seriam feitos como, da vegetação real (aquela observada no momento) e da vegetação potencial (a que se constituiria em determinado ambiente se cessada a intervenção antrópica).

8Neste contexto, podem-se discernir duas linhas principais que coordenam a cartografia da vegetação. Aquela fiel à cartografia clássica (cartografia fitossociológica), onde as unidades de mapeamento são associações afins (tipos de florestas, de arbustos e de campos) e aquela que almeja a cartografia integrada (cartografia dinâmica), na qual as unidades de mapeamento são as séries de vegetação decompostas nas respectivas associações, desde as pioneiras até aquelas do clímax (PEDROTTI, 1983; 1987).

9Na primeira são utilizados grupos distintos de cores vizinhas para cada grupo de associações afins. Um dos primeiros mapas realizados dentro desta concepção foi aquele para a região de Montpellier no sul da França, por obra de BRAUN-BLANQUET (1937/1943). Na segunda são selecionadas cores diferenciadas, uma para cada série, coerentes à ecologia, porém com variação de valor visual para designar a ordem dos estágios. Dentre os mapas mais significativos desta linha, se destacou aquele da Córsega (F) de (DUPIAS et al., 1965).

10Florestas, certos tipos de plantas e desenhos de animais estiveram presente nos mapas desde seus primórdios, mas na segunda metade do século XVIII áreas florestadas já compunham o conteúdo de mapas topográficos de grande escala.

11O mapeamento sistemático de plantas e animais teve início com ZIMMERMAN, mediante seu mapa de distribuição de animais de 1777 e com RITTER, por meio de seu mapa das árvores e arbustos da Europa de 1805. Este último, em particular, ressaltava as faixas de latitude para enfatizar relações com os climas zonais.

12No início do século XIX, os mapas desta temática ganharam novas contribuições com os perfis da vegetação que se anexaram aos mesmos, principalmente para evidenciar sua variação segundo os planos altitudinais.

13A primeira e verdadeira tentativa de mapeamento da vegetação foi empreendida por SCHOUW, botânico dinamarquês que publicou os fundamentos da geobotânica em 1823, trabalho complementado por um Atlas com doze mapas coloridos. Com a mesma obra o citado autor foi o pioneiro a estabelecer a descrição e registro sistemático da vegetação do globo.

14Em particular, o último mapa deste Atlas é de síntese, apresentando a Terra dividida em regiões fitogeográficas identificadas por cores, sendo caracterizadas por epítetos concisos.

15Em termos de sintaxe da linguagem da cartografia temática é digno de nota verificar que SCHOUW já usara a cor como variável visual na transmissão da mensagem acerca de certo conhecimento científico, mais do que apenas dar um realce estético ao registro monocromático que usualmente vinha sendo feito.

16As orientações modernas da cartografia da vegetação estão fundamentadas no reconhecimento e classificação rigorosa dos agrupamentos vegetais lastreados no estudo estatístico dos mesmos.

17A definição das cores para esta cartografia, fundamentada mais num raciocínio lógico do que nos ditames puramente convencionais, é devida a GAUSSEN (1961). As cores são escolhidas para representar as comunidades vegetais organizadas em séries dinâmicas, tomando por base um código ecológico apoiado em determinadas características do clima e solo. Assim, a série do Carvalho, que compreende agrupamentos em clima temperado e meio frio, sendo determinada, sobretudo, pela umidade é representada pela cor azul. A vegetação mediterrânea recebe cor vermelha (calor) ou amarela (secura). A vegetação equatorial, de clima quente (vermelho) e úmido (azul) será expressa pelo violeta.

18Quando o relevo é o componente preponderante acrescentam-se as condições próprias das regiões montanhosas, onde a altitude tem papel essencial intervindo nas condições climáticas. A vegetação passa a se ordenar em andares onde as cores ganham tonalidades em ordem visual, em consonância com as condições climáticas que dele decorrem, do úmido para o seco com tons que vão dos frios para os quentes (GAUSSEN, 1961; OZENDA, 1986; REY, 1988).

19Pode-se citar como um primeiro mapa da vegetação do Brasil o trabalho intitulado Mattas e campos no Brasil de autoria do Serviço Geológico e Mineralógico publicado em 1911. Representa as seguintes formações:

  • Matas (incluindo as que têm sido devastadas)

  • Campos

  • Caatingas

  • Vegetação costeira

  • Pantanal

20Outra representação digna de nota referente à vegetação brasileira, com vistas à conservação dos recursos florestais é o Mappa florestal de Gonzaga de CAMPOS (1912) na escala 1: 5.000.000.

21Considerou a seguinte classificação:

  • Matas

  • Florestas da zona equatorial

  • Florestas da encosta atlântica

  • Matas pluviais do interior

  • Matas ciliares

  • Capoeirões, capoeiras

  • Pastos

  • Campos

  • Campinas

  • Campinas do sul

  • Campos-cerrados

  • Campos alpinos

  • 3. Caatingas

  • 4. Vegetação costeira

  • 5. Pantanal

22Em tempos mais recentes, a cartografia da vegetação brasileira estipulada para escalas que vão de 1: 250.000 até 1: 1.000.000 passou a levar em conta uma classificação em base ao sistema fisionômico-ecológico. Ela se inclui dentro de uma hierarquia de formações segundo ELLEMBERG e MUELLER-DOMBOIS (1965/1966).  Segue a sequência que considera a estrutura fisionômica, os parâmetros do clima, a transpiração, a fertilidade do solo, o comportamento das plantas e o ambiente.

23Os primeiros limites de vegetação para o estado de São Paulo, foram traçados por LOEFGREN em 1906.

24Um trabalho marcante na história da cartografia da vegetação paulista foi, sem dúvida alguma, aquele executado por SERRA FILHO et al. (1974) editado pelo Instituto Agronômico de São Paulo. Trata-se do Levantamento da cobertura vegetal natural e do reflorestamento no estado de São Paulo produzido a partir das aerofotografias verticais, pancromáticas, em escala de 1: 25.000, da cobertura aerofotogramétrica do Estado realizada no período de 1971 a 1973. O empreendimento foi levado a efeito através do método da amostragem sistemática por grade de pontos, sendo foto interpretados os tipos de vegetação natural nas formas de mata, capoeira, cerradão, cerrado, campo cerrado, campo e de reflorestamento.

25Os autores foram cuidadosos em apresentarem os conceitos de cada tipo de vegetação reconhecido em território paulista:

26“Mata: formação vegetal inteiramente dominada por árvores, de estrutura complexa apresentando grande riqueza de espécies, em três estratos distintos: estrato superior, relativamente pouco denso formado por indivíduos de 15 a 20 metros de altura, de troncos cilíndricos, com esgalhamento médio e alto; estrato intermediário, com alta densidade, constituído por indivíduos de 10 a 15 metros, com copas mais fechadas; estrato inferior constituído por ervas e arbustos de até 3 metros de altura. Tais formações apresentam, em função da umidade, maior ou menor riqueza em espécies e presença de epífitas e lianas”.

27“Capoeira: vegetação secundária que sucede à derrubada das florestas, constituída principalmente por indivíduos lenhosos de segundo crescimento, na maioria, da floresta anterior e por espécies espontâneas que invadem as áreas devastadas, apresentando porte desde arbustivo até arbóreo, porém com árvores finas e compactamente dispostas”.

28“Cerradão: formação vegetal constituída de três andares distintos: o primeiro apresenta espécies umbrófila, rasteiras ou de pequeno porte; o segundo arbustos e pequenas formas arbóreas, constituindo sub-bosques, não ultrapassando a altura de 5 a 6 metros, e o terceiro, o principal, formado de árvores de 10 a 20 metros de altura, de troncos menos tortuosos, não ramificados desde a base com predominância de madeiras duras”.

29“Cerrado: formação de fisionomia peculiar caracterizada por apresentar indivíduos de porte atrofiado (que podem atingir aproximadamente 6 metros de altura), enfezados, de troncos retorcidos (tortuosos), cobertos por casca espessa e fendilhada, de esgalhamento baixo e copas assimétricas, folhas na maioria grandes e grossas, algumas coriáceas, de caules e ramos encortiçados, com ausência de acúleos e espinhos, bem como de epífitas e lianas”.

30“De modo geral, apresenta-se com três estratos: estrato superior constituído por árvores esparsas de pequeno porte (4 a 5 metros de altura); estrato intermediário formado por arbustos de 1 a 3 metros de altura, e estrato inferior constituído por gramíneas e subarbustos, em geral até 50 cm de altura, pouco denso, deixando espaços intercalares, onde o solo pode se apresentar pouco ou desprovido de revestimento”.

31“Campo cerrado: são campos com pequenas árvores e arbustos esparsos, disseminados num substrato graminóide. Vegetação constituída por uma flora mais alta arbóreo-arbustiva (até 3 metros) integrada por indivíduos bastante espaçados entre si, com porte geralmente atrofiado, distribuídos no estrato herbáceo, baixo, graminóide, onde frequentemente encontram-se o capim barba-de-bode e o capim gordura”.

32“Campo: este tipo de vegetação caracteriza-se por uma cobertura graminóide e herbácea, observando-se a ausência de árvores”.

33“Reflorestamento: são formações disciplinadas e homogêneas quanto às essências, plantadas em maciços para suprimento industrial e em talhões isolados, geralmente para consumo interno dos estabelecimentos rurais”.

34Em data mais recente conta-se também com o Inventário florestal do estado de São Paulo organizado porKRONKA et al. (1993), editado pelo Instituto Florestal, que mapeou categorias de cobertura vegetal natural conforme manifestações fitofisionômicas discernidas em: mata, capoeira, cerrado, campo, campo cerrado, cerradão, vegetação de várzea, vegetação de restinga, vegetação de mangue e reflorestamento. Este último considerou os gêneros Pinus, Eucalyptus e outros de menor ocorrência.

35O levantamento foi feito por fotointerpretação das imagens de satélite LANDSAT 5 Thematic Mapper na escala 1: 50.000, em composição colorida nas bandas 3, 4 e 5.

36Este empreendimento contou como o apoio das imagens de satélite LANDSAT TM, escala 1: 100.000, bandas 3, 4 e 5 e composição colorida nas bandas 2, 3 e 4, fotos aéreas pancromáticas verticais na escala 1: 35.000 (1980/81), 1: 45.000 (1977), 1: 25.000 (1970/73), além de mosaicos aerofotogramétricos semicontrolados de 1980/81 e fotoíndices, Carta do uso do solo do estado de São Paulo na escala 1: 250.000 do Plano Cartográfico do Estado de São Paulo, IGC, 1980.

37A cobertura vegetal natural do estado é, atualmente, de 3.340.774 ha, o que corresponde a 13,4% da área total. Nesta, as categorias vegetacionais têm a seguinte participação em hectares: [fig. 1]

  • Mata 1.842.180 ha

  • Campo 983.114

  • Cerradão 73.202

  • Cerrado 208.586

  • Campo cerrado 1.834

  • Campo 1.933

  • Vegetação de várzea 133.687

  • Vegetação de mangue 8.054

  • Vegetação de restinga 31.609

38Este mapa foi construído a partir do citado inventário por compilação, mediante redução e respectiva generalização para se chegar à escala 1: 2.500.000. Sua cartografia considerou a relação de diversidade entre os conteúdos dos conjuntos espaciais, levando a adotar a diversidade entre as cores.

39Indo a tempos bastante pregressos pode-se mostrar, a partir de estudos científicos pertinentes, aspectos da cobertura vegetal de eras passadas.

40Fruto de pesquisas, AB’SÁBER (1977) traçou em mapa um mosaico morfoclimático e fitogeográfico, um quadro das áreas preferenciais de penetração das formações vegetais abertas de climas secos e frios, por ocasião dos períodos glaciais quaternários sobre áreas que hoje são domínios florestais do último período seco ocorrido entre 13.000 e 18.000 anos (Würm-Wisconsin) para a América do Sul. Para tanto, utilizou informações sobre a estrutura superficial das paisagens associadas a inúmeras pesquisas de campo realizadas em sua vida profissional.

41Como um primeiro ponto relevante, apontou como significativos os mini enclaves de vegetação xerófila de caráter residual.

42Com a pesquisa pôde afirmar que as caatingas tiveram maior extensão em tais épocas, penetrando em planaltos intertropicais, onde hoje estão as matas e os cerrados, enquanto que a área nuclear desses últimos teria sido menor, por retração do respectivo domínio morfoclimático e ecológico.

43Todo esse cabedal de conhecimento integra o que se chama “Teoria dos Refúgios Florestais”, para a qual, AB’SÁBER (1988, 1992, 1996) trouxe significativas contribuições.

44Num recorte interessando especificamente ao estado de São Paulo, nos planaltos interiores, fora das depressões, teriam predominado os cerrados sobre as matas. Nas depressões estariam as caatingas. As matas ficaram reduzidas a agrupamentos de refúgios posicionados em sítios específicos - as matas orográficas e “brejos” (ilhas de umidade e paisagens enclaves). Os refúgios da Serra do Mar devem ter permanecido em faixas descontínuas junto às partes superiores das altas vertentes expostas à umidade. As baixadas litorâneas, na época, relativamente secas, estiveram mais avançadas em direção à plataforma continental por conta de níveis mais baixos dos mares.

45Por fim, as partes planálticas mais elevadas, mais frias e secas, interessando, tanto ao Brasil meridional como ao estado de São Paulo, teriam facilitado a expansão das araucárias para o norte, porém, mediante formações bem menos compactas e contínuas e entremeadas de setores estépicos secos, dispostas em faixas alongadas, seguindo os espigões e serranias, dotados de cumes sub-úmidos e úmidos [fig. 2].

46Viadana (2002), em sua Tese de Livre Docência empreendeu pesquisa específica para a aplicação da Teoria dos Refúgios Florestais ao estado de São Paulo, entrevendo também fornecer subsídios para implementar programas de preservação das reduzidas áreas remanescentes da cobertura vegetal primitiva no território paulista.

47Fruto de intenso trabalho de campo, e consulta bibliográfica específica, elaborou um mapa, em primeira aproximação, “da situação paleofitogeográfica dos mosaicos vegetacionais pleistocênicos terminais” do citado estado.

48O mapa expõe os Domínios naturais de há 13.000 – 18.000 anos. A cobertura era, então, feita por caatingas, cerrados, campos e mata ciliar ao longo dos rios. Destacava-se a presença de fragmentos de floresta, os refúgios que, numa faixa na face oriental da Serra da Mantiqueira e numa ampla área no litoral norte, junto à Serra do Mar de então, eles já se aglutinavam de forma praticamente contínua. Era o início do que viria a ser a Mata Atlântica. O mesmo mapa registra ainda os principais eixos das rotas percorridas pela expansão da caatinga [fig. 3].

49TROPPMAIR (1969) a partir do exame de documentos históricos, interpretação da toponímia em língua tupi-guarani e portuguesa,  estudos do meio físico, com destaque ao relevo, elaborou o mapa da cobertura vegetal primitiva do estado de São Paulo.

50Mediante uma legenda que atribuiu cores diferenciadas entre aquelas frias às respectivas rubricas, o autor registrou as seguintes ocorrências no mapa: Matas, com presença em toda a porção planáltica do estado; Cerrados, ocorrendo na Depressão Periférica; Campos limpos, com predomínio na porção sul da Depressão Periférica; Vegetação litorânea presente no sopé da Serra do Mar; Vegetação de Araucárias, tidas como formação relíquia, decorrente de paleoclimas mais secos e frios do Mioceno, com presença nas partes altas da Mantiqueira e em pequenas porções isoladas nas porções mais elevadas da Serra de Paranapiacaba e do Mar; Campos sujos, comparecendo junto às ocorrências de Cerrados e Palmeiras esparsas em pequenos núcleos em todo o interior paulista [fig. 4].

51No processo histórico de produção do espaço paulista iniciado no século XVI com a colonização portuguesa procedeu-se a intensa ocupação do território, principalmente com a cultura do café iniciada no começo do século XIX, resultando numa redução progressiva da cobertura de vegetação nativa empreendida até os dias atuais.

52Para se ter uma avaliação da cobertura vegetal e consequentes alterações podem-se considerar três períodos principais para os quais foram realizados levantamentos mediante o emprego de vários tipos de sensores remotos e de diferentes métodos de registro.

531. BORGONOVI e CHIARINI (1965) empreenderam um levantamento com fotos aéreas de 1962, registrando as áreas com cerrado, cerradão e campo.

542. BORGONOVI e CHIARINI. (1967) realizaram um levantamento por fotointerpretação das fotografias aéreas, também de 1962 das áreas de floresta natural e reflorestamento. (mata, capoeira, cerradão, cerrado, campo cerrado e campo).

553. SERRA FILHO et al. (1974) levaram a efeito um diagnóstico da cobertura vegetal natural, com base nos levantamentos aerofotogramétricos de 1971/1973, considerando diferentes feições fitofisionômicas: mata, capoeira, cerradão, cerrado, campo cerrado e campo.

56Ressaltando com bastante propriedade o andamento do processo da devastação na dinâmica da vegetação nativa do estado de São Paulo, VICTOR (1975) empreendeu uma sequência de reconstituições da cobertura florestal mediante uma cartografia diacrônica, desde a situação primitiva até o ano de 2000 para mostrar a evolução de tal retração [fig. 5].

Ecossistemas

57O termo ecossistema foi proposto por TANSLEY (1935). É uma unidade funcional básica da ecologia incluindo, tanto os organismos vivos (a biocenose), quanto o ambiente abiótico em que esses estão (o biótopo), inseparavelmente inter-relacionados, interagindo entre si. É chamado também de biogeocenose.

58Os ecossistemas podem ser classificados por características funcionais ou estruturais. A energia é a base para uma classificação funcional. A vegetação fornece o lastro para a classificação dos biomas - grandes biossistemas (plantas e animais) regionais ou subcontinentais individualizados por um tipo principal de vegetação ou outro aspecto identificador da paisagem (ODUM, 1988).

59Eles compreendem uma estrutura e um funcionamento. A estrutura é a da biocenose e o funcionamento resulta em parte das relações de cada espécie com o meio natural e em parte das inter-relações entre as espécies.

60Pelo fato dos vegetais vasculares constituírem a quase totalidade da biomassa e das trocas são responsáveis por todo o conteúdo do ecossistema, bem como de seu funcionamento e respectivo biótopo.

61Por conta disso, a cartografia da vegetação constitui a origem e o centro das atenções da cartografia ecológica. A cartografia dos ecossistemas considera como ponto básico o estabelecimento de uma tipologia, a qual parte da análise pluridisciplinar da realidade.

62Uma primeira imagem satisfatória do conjunto pode ser dada pela fitocenose, a qual permite deduzir grande parte dos conhecimentos sobre os animais, microorganismos, as condições climáticas e do solo a ela relacionada (OZENDA, 1986).

63Esta cartografia permite realizar o passo seguinte que é a cartografia ambiental.

64Dentro deste contexto, OZENDA (1974; 1977; 1986) propõe um ensaio metodológico, o qual se efetiva mediante uma sucessão de níveis de análise, iniciando necessariamente pelo mapa da vegetação. A cartografia das séries de vegetação (associações desde as pioneiras até o clímax) e da vegetação potencial (clímax) é fundamental para o estabelecimento de mapas ditos intermediários - os ecológicos - os quais possibilitam a análise dos fatores que condicionam o meio natural. Esta é a cartografia dos ecossistemas, como já apresentada. É o nível explicativo das inter-relações que organismos vivos estabelecem entre si e com o meio abiótico. Passa-se, em seguida, ao mapa ambiental propriamente dito, integrando, progressivamente todos os problemas do ambiente até chegar naqueles mais ligados ao impacto das atividades desenvolvidas pela sociedade humana.

65Na sua cartografia, uma cartografia de síntese, o ecossistema é visto numa perspectiva horizontal, isto é, a sua distribuição, estrutura e organização espacial dos componentes bióticos e abióticos (a biogeocenose).

66Numa contribuição de destaque para a cartografia temática do estado de São Paulo, SETZER (1966) ao considerar o clima e a geologia como fatores básicos a condicionarem as feições geomorfológicas, pedológicas, hidrológicas e fitogeográficas do território paulista, compôs uma tipologia de paisagens intrínsecas às possibilidades passadas, atuais e futuras da atividade humana junto à natureza.

67Nessa tipologia, o autor distinguiu uma síntese disposta em seis regiões ecológicas com denominações emprestadas das respectivas formações geológicas nelas presentes.

  • Arenito Bauru

  • Serra Geral

  • Depressão Paleozóica

  • Complexo Cristalino

  • Vale do Paraíba

  • Baixada Litorânea

68Cada uma delas foi subdividida em duas zonas, mais quente e mais fria. Para tanto, a cartografia temática resolveu tal representação, considerando as regiões ecológicas como distintas, recebendo uma variação visual seletiva modulada entre as cores. Para a subdivisão adotou-se a variação visual de valor do escuro para o claro correspondendo respectivamente à caracterização mais quente e mais fria [fig. 6].

69Com uma pesquisa original, levando em conta o dinamismo que preside a estrutura e o funcionamento da natureza, o Professor TROPPMAIR (1975) empregou a técnica da Fenologia para elaborar o mapa das Regiões Ecológicas para o estado de São Paulo. Para tanto, praticou estudos sistemáticos para verificar o comportamento da flora, observando o início, o apogeu e o fim da floração de determinadas espécies. Analisou o comportamento normal das espécies escolhidas em comparação com os desvios frente ao desempenho normal. O fato das espécies estudadas se ressentirem aos menores estímulos do meio, permitiu ao autor considerar os seguintes grandes conjuntos espaciais, dentre os quais, alguns ganharam subdivisões específicas, por conta de nuances caracterizadoras:

  • Litoral Sul

  • Litoral Norte

  • Vale do Paraíba (com quatro subdivisões)

  • Planalto cristalino e Sul da depressão mesozóica (com duas subdivisões)

  • Centro-Norte da depressão paleozóica

  • Centro-Norte (com duas subdivisões)

  • Reverso da borda do Planalto Ocidental

  • Centro-Sul

  • Pontal

  • Interior do Planalto Ocidental

  • Noroeste

70Cada uma das 11 regiões recebeu uma cor distinta. Aquelas que se desdobraram em subunidades receberam cores em harmonia com a principal [fig. 7].

71Mais tarde, com publicação em 1983, o mesmo TROPPMAIR retrabalhou a respectiva cartografia, propondo o mapa dos Ecossistemas para o estado de São Paulo, segundo a classificação de JALAS (1965), que levou em consideração a interferência da sociedade humana. A cartografia foi feita a partir da análise das imagens de satélite Landsat, na escala de 1: 250.000, canal 5, abrangendo o período chuvoso (outubro 1979 a março 1980) e do trabalho de campo efetuado durante os anos de 1978 a 1981.

72Coerentemente com a decisão do autor tem-se a seguinte tipologia:

  • Ahemeoróbio - Ecossistema natural: matas tropicais e/ou de galeria, mangue e jundú.

  • Oligohemeoróbio - Ecossistema com nítida interferência antrópica, porém com características mais naturais do que artificiais: cerrados, campos sujos e mata secundária.

  • Mesohemeoróbio - Ecossistema com vestígios de espécies e componentes naturais, porém no conjunto é mais artificial do que natural: pastagens.

  • Euhemeoróbio - Ecossistema artificial: micro campos de culturas de subsistência, macro campos de culturas comerciais de café, cana e laranja, reflorestamento, higrocultura, horticultura e espaços urbanizados.

73Ainda, o mesmo autor, frente à escala adotada reconheceu mosaicos com diferentes combinações de ecossistemas em espaços muito reduzidos.

74Para os ecossistemas aquáticos foram considerados:

  • Ecossistemas marinhos afetados pela poluição.

  • Corpos hídricos oligosaprófitos

  • Corpos hídricos mesosaprófitos.

  • Corpos hídricos polisaprófitos [fig. 8].

75

Geossistemas

76Os geossistemas se incluem na concepção da realidade vista e entendida de forma integrada - holística. Compõem uma visão que veio desde a antiguidade grega; ganhou grande consideração no século XVII com Alexander von HUMBOLDT.

77Apesar da divisão da geografia em várias especialidades no final do século XIX, foi na década de 1930 do século seguinte, que os biólogos reanimaram o pensamento integrado e sistêmico quando se firmou a visão de relação, de contexto e de dinâmica, postura metodológica fundamentada na Teoria Geral dos Sistemas devida a DEFAY, em 1929, e a BERTALANFFY na década de 1950.

78Os estudos dos geossistemas se desenvolveram a partir das propostas de (BERTRAND, 1968) e de SOTCHAVA (1977).

79A primeira se relacionava ao estudo das paisagens no quadro de uma Geografia Física Global. Constitui-se em um nível de classificação daquelas, no interior de uma escala espaço-temporal, baseada nas ordens de grandeza do relevo. Assim, a abrangência espacial de um geossistema iria de dez a cem quilômetros quadrados aproximadamente. É nesta ordem de grandeza que se situa a grande parte dos fenômenos que interessam à geografia. Corresponderia à escala humana, tanto no tempo como no espaço. Nesta escala a paisagem teria certa homogeneidade e mesmo tipo de evolução. Ao considerar áreas mais limitadas seria necessário recorrer a subdivisões como, geofácies, geótopos ou outras ainda menores.

80Os geossistemas seriam sempre unidades naturais com elementos abióticos que, interligados e interdependentes formariam estruturas que se projetam em paisagens com fisiologia e dinâmica particular. Sua cartografia será sempre, eminentemente de síntese (FERREIRA, 1997).

81Bertrand definiu paisagem como não podendo ser uma simples soma de elementos geográficos distintos. Mas sim, sendo “numa determinada porção do espaço, o resultado da combinação dinâmica, portanto instável, de elementos físicos, biológicos e antrópicos que, reagindo dialeticamente uns sobre os outros, fazem da paisagem um conjunto único e indissociável em perpétua evolução”.

82A proposta de SOTCHAVA, que teria usado pela primeira vez o termo GEOSSISTEMA em uma publicação de 1960 para designar Sistema Geográfico ou Complexo Natural Territorial, visava promover uma maior integração entre a natureza e a sociedade. Tem como conceituação: “geossistema é a expressão dos fenômenos naturais, ou seja, o potencial ecológico de determinado espaço no qual há uma exploração biológica, podendo influir fatores sociais e econômicos na estrutura e expressão espacial, porém, sem haver necessariamente, face aos processos dinâmicos, uma homogeneidade interna”. Para sua cartografia será necessário ingressar em um nível de raciocino de síntese.

83Outros autores como, ROGERIE. e BEROUTCHACHVILI (1991), em épocas posteriores também contribuíram com revisões acerca desses estudos.

84      Dentro do domínio dos geossistemas, corroborando com os resultados de pesquisas anteriores, TROPPMAIR em 2000, considerou uma nova cartografia de síntese para o estado de São Paulo, congregando 15 Geossistemas. Alguns estão nitidamente relacionados a compartimentos geomorfológicos, outros a aspectos ambientais como clima e solo.

85O estudioso apontou, ainda, que ao entrever as interrelações entre elementos, apesar de todos participarem do Geossistema para formar o conjunto, alguns deles despontam pela sua atuação, tornando-se dominantes, assim comandando e direcionado a caracterização do todo.

86Dessa maneira, na Planície Costeira paulista destaca-se o excesso de água no solo, enquanto que no Planalto Ocidental Noroeste acontece ao contrário.

87Os geossistemas foram, assim, denominados:

  • Planície Costeira Sul

  • Planície Costeira Norte

  • Escarpas da Serra do Mar

  • Sorocaba

  • Vale Paraíba

  • Bacia de São Paulo

  • Mar de Morros

  • Mantiqueira

  • Depressão Periférica Sul

  • Depressão Periférica Norte

  • Cuestas

  •  Serrinhas de Marília

  • Planalto Paulista Sudoeste

  • Planalto Paulista Centro

  • Planalto Paulista Noroeste [fig. 9].

Haut de page

Bibliographie

AB’SÁBER. A.N. “A teoria dos refúgios: origem e significado”. Anais do II Congresso Nacional sobre Essências naturais; Revista do Instituto Florestal (1), 1992.

AB’SÁBER. A.N. “Espaços ocupados pela expansão dos climas secos na América do Sul, por ocasião dos períodos glaciais quaternários”. Paleoclimas (3), 1977.

AB’SÁBER. A.N. “O Pantanal Mato-grossense e a Teoria dos Refúgios”. Revista Brasileira de Geografia, (50), 1988.

AB’SÁBER. A.N. A Amazônia: do discurso à práxis. São Paulo: Edusp, 1996.

BERTRAND, G. “Paysage et géographie physique globale: esquisse méthodologique”. Revue Géographique des Pyrénées et du Sud-Ouest, 39 (3): 249-272, 1968.

BORGONOVI, M. e CHIARINI, J.V. “Cobertura vegetal do estado de São Paulo: I – Levantamento por fotointerpretação das áreas cobertas com cerrado, cerradão e campo em 1962”. Bragantia, (14): 159-179, 1965.

BORGONOVI, M. e CHIARINI, J.V. “Cobertura vegetal do estado de São Paulo: II – Levantamento por fotointerpretação das áreas cobertas com florestas e reflorestamento”, Bragantia, 26(6): 93-102, 1967.

CAMPOS, A.G. Mappa florestal. Rio de Janeiro: Typographia da Directoria do Serviço de Estatística, 1912.

DEFAY, R., “Introduction à la Thermodynamique des Systèmes Ouverts”. Bull. Classer des Science, 53(15), 1929.

DUPIAS, G.; GAUSSEN, H.; IZARD, M. e REY, P. Carte de la végétation de la France: Corse. Toulouse: CNRS, 1965.

ELLENBERG, H. e MUELLER-DUMBOIS, D. “Tentative physiognomic – ecological classification of plant formations of the earth”. Separata de Ber. Geobot. Inst. ETH, Zurich, 1965/66.

FERREIRA, M.C. “Mapeamento de unidades de paisagem em sistemas de informações geográficas”, Geografia, 22(1): 23-35, 1997.

GAUSSEN, H. (ed.), Méthodes de la cartographie de la végétation. Paris: CNRS, 1961.

JALAS, J. “Hemeorobe und hemeochore Pflanzencarten. Ein Terminologischer Reformversuch”. Acta Soc. Fauna, Flora Fenn, 74(11), 1965.

KRONKA, F.J.N. et al. Inventário florestal do estado de São Paulo. São Paulo: Instituto Florestal, 1993.

ODUM, E.P. Ecologia. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1988.

OZENDA, P.  La cartographie écologique et ses applications. Paris: Masson, 1986.

OZENDA, P. “De la carte de la végétation à une carte de l’environnement”. Documents de Cartographie Écologique, (13): 1-8, 1974.

OZENDA, P. “La cartographie écologique”, Courrier du CNRS, (24):2-10, 1977.

PEDROTTI, F. “Cartografia geobotanica e sue applicazioni”. Ann. Accad. It. Sc. Forestali, (32): 317-362, 1983.

PEDROTTI, F. “Vegetazione e stabilità”. Terra, (1): 8-14, 1987.

REY, P.  Notions générales d’utilisation des cartes de la végétation. Paris: CNRS, 1988.

ROGERIE, G. e BEROUTCHACHVILI, N. Géosysteme et paysages: bilan et méthodes. Paris: Ed. Armand Colin, 1991.

SERRA FILHO, R. et al. “Levantamento da cobertura vegetal natural e do reflorestamento no estado de São Paulo”. Boletim Técnico do IF, (11): 1-56, 1974.

SETZER, J. Atlas climático e ecológico do estado de São Paulo. São Paulo: CIBPU, 1966.

SOTCHAVA, V.B. “O estudo de geossistemas”. Métodos em questão, (16):1-52, 1977.

SOTCHAVA, V.B. “Por uma teoria de classificação de geossistemas de vida terrestre”. Série Biogeografia, (14), 1978.

TANSLEY, A.G. “The use and abuse of vegetational concepts and terms”. Ecology, (16), 1935.

TROPPMAIR, H. “A cobertura vegetal primitiva do estado de São Paulo”. Biogeografia, (1), 1969.

TROPPMAIR, H. “Ecossistemas e geossistemas do estado de São Paulo”. Boletim de Geografia Teorética, 13(25): 27-36, 1983.

TROPPMAIR, H. “Regiões ecológicas do estado de São Paulo”. Biogeografia, (10): 1-24, 1975.

TROPPMAIR, H. Biogeografia e meio ambiente. Rio Claro: Ed. do autor, 2000.

TROPPMAIR, H. Geossistemas e geossistemas paulistas. Rio Claro: Troppmair, 2000.

VIADANA, A.G. A Teoria dos refúgios florestais aplicada ao estado de São Paulo. Rio Claro: Edição do Autor, 2002.

VICTOR, M. “Cem anos de devastação”, Suplemento do jornal O Estado de São Paulo, 1975.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Marcello Martinelli, « Estado de São Paulo: aspectos da natureza », Confins [En ligne], 9 | 2010, mis en ligne le 01 octobre 2010, consulté le 29 juin 2017. URL : http://confins.revues.org/6557 ; DOI : 10.4000/confins.6557

Haut de page

Auteur

Marcello Martinelli

Professor no Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP  m_martinelli@superig.com.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org