Navigation – Plan du site

A biblioteca do Instituto de Geografia reflete a História do Pensamento Geográfico: estudo sobre o período 1925-1960

La bibliothèque de l'Institut de géographie reflet de l'histoire de la pensée géographique : étude sur la période 1925-1960
The library of the Institute of Geography reflects the history of geographic thought: study on the years 1925-1960
Bernadette Joseph
Traduction de Aniel Lima dos Santos

Texte intégral

1Este período corresponde à formação da Escola Francesa de Geografia e à instalação de estruturas de ensino e de pesquisa, concretizadas pela construção de um Instituto de Geografia em Paris.

As diferentes etapas deste processo foram examinadas em numerosas obras, e não se trata de redizer o que foi exposto em outros trabalhos. Entretanto, os aspectos documentários, que subentendem o desenvolvimento da pesquisa, são raramente evocados.

  • 1  Artigo originalmente em francês, « La Bibliothèque de l' Institut de Géographie de Paris, reflet d (...)

Este artigo1 tem por objetivos tentar retraçar a história da Biblioteca do Instituto de Geografia de Paris, refletir sobre sua missão, sua integração nos modos de difusão do conhecimento em Geografia, de vos suscitar interrogações.

2Examinarei sucessivamente :

  • A constituição de coleções (exceto a Biblioteca Augustin Bernard não integrada aos fundos gerais. Compra em 1952 (correspondência 24/05/1951 – 18/05/1952 no : Arquivo Reitoral N° 20010498/62-68. Obras sobre a África do Norte : 2500, generalidades : 750, periódicos gerais : 350, sobre o Maghreb e o Oriente Médio : 400)

  • As funcionalidades da biblioteca.

  • O seu lugar no meio ambiente científico local, até mesmo nacional.

Figura 1 O Instituto de geografia de Paris

Figura 1 O Instituto de geografia de Paris

3Colocam-se de imediato três questões :

  • 1 – Origem dos fundos.

  • 2 – Composição quantitativa, temática e evolução durante o período histórico considerado.

  • 3 – Contribuição de doações e heranças.

Origem dos fundos

4As fontes que nós dispomos são pouco numerosas. Dois artigos de Emmanuel de Martonne intitulados “les études géographiques à Parispublicados nos Anais da Universidade de Paris em 1927 e 1929, alguns fragmentos dos arquivos reitorais e nacionais, e um artigo de Benoit Brouillette L’institut de Géographie en France (1934), dão elementos de informação.

5O Instituto de Geografia de Paris faz parte dos estabelecimentos implantados sobre terrenos adquiridos pela Université na montagne Saint-Geneviève, antes da primeira guerra mundial, para responder a emergência da Geografia a partir dos anos de 1880/1885e sobre a impulsão de universitários : Himly, Levasseur, Drapeyon, Dubois, Velain, Vidal de la Blache. O poder político, na pessoa de René Globet, favoreceu a organização de estruturas de ensino da Geografia, distintas da História e da Geologia. O decreto de criação do Instituto (Archives nationales dossier AJ16 5776) foi assinado em 31 de julho de 1920. O artigo 1 do anexo do 21 de Abril de 1926 precisa “Foi criado na Universidade de Paris, um Instituto de Geografia colocado sobre a Direção da faculdade de Ciência e da Faculdade de Letras, conforme o artigo 3 do decreto de 31 de Julho de 1920.”

6“Artigo 2. O Instituto de Geografia tem por objeto proporcionar o ensino da Geografia e suas aplicações. Este ensino terá um caráter por sua vez teórico e prático. Compreenderá cursos, exercícios práticos e excursões.”

7Assim, a diversidade de recursos documentários necessários aos professores, e a especificidade da biblioteca se encontram inscritos nos status.

  • 2 Abreviação Madame (Nota do Tradutor, N.T.).

8Pela iniciativa do reitor Louis Liard, graças à generosidade da marquesa Arconti Visconti e do Ministério da Instrução Publica, os trabalhos de construção do novo instituto se iniciam em 1912. Eles serão interrompidos pela guerra, retomados em seguida e concluídos em 1925. Os incidentes desta realização são analisados por Mme2 Robic na obra “Géographes en pratique”.

9Esta breve retomada histórica foi necessária para melhor delimitar a origem dos fundos e da Biblioteca.

10No rápido artigo de Emmanuel de Martonne (1929) pode-se ler : “A transferência de coleções reunidas na Faculdade de Letras para o ensino e as pesquisas geográficas deram ao Instituto de Geografia uma material muito importante que aumentou de ano em ano. O inventário detalhado desta é suficientemente avançado para que possamos nos dar conta dos recursos que são oferecidos aos estudantes, aos professores e aos sábios em geral.”

11Os inventários que possuímos hoje em dia se reduzem a cinco registros :

12- Um registro para as obras e periódicos intitulado “ Faculdade de Letras : registro de entrada de livros, geografia”

  • - Um inventário geral, aberto em 1927, e que se estende até nossos dias.

  • - Um catálogo de mapas e atlas com a menção “Faculdade de Letras”.

  • - Um inventário de mapas, aberto em 1950, com a indicação : “registro começado em 6/5/1950 arbitrariamente ao n° 15000. O antigo registro se extraviou”. Ele se estende até o n° 16641.

  • - Um repertório de 2670 fotos (cujas primeiras páginas desapareceram). Elas provinham de doações em particular de A. Demangeon, E. de Martonne, R. Blanchard, R. Gallois, E. Martel, A. Briquet.

13O primeiro registro, intitulado “Faculdade de Letras”, contém apenas algumas páginas, onde estão inscritas as entradas de obras, mapas e revistas em 1926, 1927 e 1928. Ao total 486 entradas.

14Note-se que as entradas de 1927 não correspondem aquelas do inventário geral atual.

15Nessas condições como retraçar a história das coleções reunidas pelos geógrafos que trabalhavam na Faculdade de Letras e Ciências, na Sorbonne ?

16As sondagens realizadas por departamento se revelaram decepcionantes. Um sistema de re cotação visível sobre certas obras, impede toda reconstituição histórica através da cronologia de entradas. Entretanto constata-se de uma maneira geral, que os livros portam a menção : “Faculdade de Letras de Paris seção geográfica” foram inventariados em um inventário geral, no meio de outros livros, que foram timbrados “Universidade de Paris Instituto de Geografia”. Esta observação tenderia a provar que as coleções da Faculdade de Letras foram inventariadas somente em 1927, quando da instalação na nova construção. Elas portam frequentemente a menção : legado Vidal de la Blache.

17Uma informação interessante se encontra em uma nota de Vidal de la Blache, datada de Janeiro de 1913, onde ele elabora o plano do futuro instituto e reporta sobre espaços e materiais necessários.

18Ela indica que o mestre e os seus colaboradores : De Martonne, Gallois, Schirmer, Augustin Bernard dispunham de livros e periódicos, mas também de mapas, fotos e relevos. Mas Vidal de la Blache não precisa a composição destes fundos.

19A mudança destas coleções teria acontecido no fim de 1925. No registro de atos dos Conselhos da Faculdade de Letras (Arch. Nat. AJ16 4754) um relatório da comissão dos locais (reunida em 19/12/1925) indica a repartição das peças disponíveis desde a saída dos geógrafos.

20É provável que os registros “Faculdade de Letras” para os mapas e as fotos correspondam às coleções reunidas nos locais reservados aos geógrafos na Sorbonne. A cotação e a classificação dos documentos tendam a provar isso.

21Mas uma questão pendente : quantos volumes ? Quais ? Quais títulos de revista constituíam o acervo inicial da biblioteca do Instituto ?

22Se poderia imaginar que os arquivos da Biblioteca da Sorbonne permitiriam resolver o enigma (Archs. Rectorales non inventoriées : carton 39)

23A Biblioteca atual da Sorbonne, inaugurada em 3 de Dezembro de 1770, deve sua origem à Herança do reitor Gabriel Montempuys em 1762, e se constitui da junção de acervos de letras e ciências. Denominada Biblioteca Acadêmica de Paris, ela retoma seu titulo de Biblioteca da Universidade em 1861.

24O regulamento da Biblioteca de Universidade de 26 de Fevereiro de 1886 estipula, no parágrafo V artigo 14 : “Será endereçado, em duplo exemplar, um catalogo de livros e coleções que se encontram nas bibliotecas de laboratórios e conferencias. Um dos dois exemplares será depositado na Biblioteca da Universidade. Relações serão estabelecidas entre o Conservadores e os Diretores de laboratórios e os bibliotecários de Conferencia, para evitar os duplos empregos.”

25No mais, uma carta do Senhor Ministro das instruções publicas e das Belas Artes ao Senhor reitor da Academia de Paris em 14 de Março de 1924 precisa : “Será preferível que as obras adquiridas pelas bibliotecas especiais sejam reunidas previamente na Biblioteca Universitária, que se encarregará de timbrá-las e da redação de fichas em um prazo bastante curto... fichas inseridas no catalogo da Biblioteca Universitária com a indicação da biblioteca especial, onde elas são mantidas.”

26Se estas instruções tivessem sido aplicadas, se poderia encontra rastro das coleções de geografias nos fichários da Biblioteca da Sorbonne, mas estas disposições não se aplicavam às obras pessoais de professores, nem aos manuais de estudantes, caso de documentos aos quais Vidal de la Blache faz alusão. Eles estavam conservados nos armários do local Biblioteca da seção de geografia, na Sorbonne.

27No estado atual, esta pesquisa, se concluiu por suposições sobre os conteúdos do acervo inicial.

As coleções : Composição quantitativa e temática

28Se nos referimos aos relatórios do Diretor do Instituto, Emmanuel de Martonne, redigidos de 1927 à 1934, nota-se um crescimento substancial do material pedagógico, à disposição dos mestres da jovem Escola francesa de Geografia e de seus estudantes.

29Ele escreveu em 1927 (op. cit.) :

30“ O Instituto de Geografia possui uma biblioteca de mais de 20 000 volumes (15 000 periódicos) sem contar uma importante coleção de folhetos. Mais da metade provém de doações, principalmente da biblioteca Vidal de la Blache e da biblioteca F. Schrader... Além desta biblioteca reservada aos “estudantes avançados” e aos sábios, os estudantes têm a sua disposição uma biblioteca de algumas centenas de volumes na sala de trabalhos práticos ; a coleção de mapas é notável pela riqueza de cartas topográficas estrangeiras compreendendo séries completas em grandes escalas da Alemanha, Inglaterra, Áustria, Hungria, Itália, EUA, etc.,... Ela conta com 40 000 folhas organizadas em uma sala especial que é aberta apenas aos pesquisadores. É preciso assinalar 10 000 fotografia, 5 000 positivos sobre vidro, para projeção, instrumentos topográficos, meteorológicos, mas sobretudo os planos relevo à 20 000e do front de guerra que podiam ser reunidos por 20, 40, 60 e ainda mesmo sobre 4 mesas inclinadas em uma sala especial. É possível assim contemplas com um vislumbre toda a Lorena, ou todos os Vosges, esta instalação é verdadeiramente única.”

31Uma outra fonte de informação permite completar estes relatórios. Trata-se do registro do inventário geral aberto em 1927. Ele se estende até nossos dias.

32Quais informações pode-se tirar do exame deste inventário ?

  • - ele permite seguir a vida da biblioteca, e a constituição do patrimônio dos geógrafos, de maneira mais sistemática que não fazem os relatórios administrativos pontuais. Nota-se que as cifras dadas por E. de Martonne e aquelas do inventários nem sempre são similares

  • - ele informa a composição quantitativa e temática dos acervos.

  • - ele oferece a possibilidade de estimar a atualidade e a pertinência das coleções para o ensino e a pesquisa.

  • - Anotações : menções de doações, herança, depósitos de coletividades, deixando aparecer nas entrelinhas a notoriedade cientifica do jovem Instituto.

33Alguns exemplos ilustraram estas observações. Escolhi três anos que me parecem significativos sobre a evolução dos acervos : 1928, início dos registros, 1942, ano marcado por heranças importantes, 1960, fim do período do pós-guerra. Examinarei sucessivamente :

  • as estatísticas de entrada

  • a composição das coleções :

  • - a proporção de compras em relação a doações

  • - a tipologia : livros, periódicos, mapas, atlas e folhetos

  • - a repartição por lugares (continentes) e por assunto

Estatísticas de entrada

Data

n° de entradas

crescimento

1927

1-223

223

1928

224-883

635

1929

8884-1432

635

1930

1433-1959

526

1931

1960-2442

482

1932

2443-2954

511

1933

2955-3175

220

1934

3176-3437

261

1935

3438-3729

291

1936

3730-3980

250

1937

3981-4310

329

1938

4311-4665

354

1939

4666-4938

272

1940

4939-6317

1378

1941

6318-7357

1034

1942

7358-7898

540

1943

7898-8031

132

1944

8032-8134

102

1945

8135-8473

338

1946

8474-8938

464

1947

8939-10373

1434

1948

10374-10917

1543

1949

10918-11501

583

1950

11502-11902

400

1951

11903-14128

2225

1952

14129-14677

527

1953

14678-15216

527

1954

1517-15442

230

1955

15443-15811

363

1956

15811-16243

423

1957

16235-16570 /23301-23818 de 16571 a 23300

Entrada do acervo A. Bernard

752

1958

23819-24942

1123

1959

24943-25679

736

1960

25680-26497

817

Composição das coleções

34Este balanço estatístico deve ser modulado. No inventário figuram não apenas os documentos, mas também as compras de material : móveis, aparelhos de projeção, microscópio, caixas para cartão postal, etc.,... entraram no mesmo titulo livros, números de periódicos, folhetos, mapas, mapas murais, fotos. As operações de encadernação foram registradas.

35Em 1928 as compras trazem sobre o material : 98 entradas. : instrumentos tais como teodolito, astrolábio de prisma, bússola Hossard, barômetro altimétrico compensado, aparelho fotográfico, móveis, suprimentos de escritório, encadernação. Sobre as 149 obras registradas, 80 doações (37 francesas, 43 estrangeiras) 4 menções de compra (2 francesas, 2 estrangeiras) 65 sem menção de origem. As coleções também se acrescem também de 31 fascículos de periódicos (1927), depósito da livraria A. Colin (lista em anexo). Estes depósitos anuais constituem o acervo inicial das revistas. A notar que os serviços de impressa, as trocas com os “Analles de Géographie”, o “Bulletin de l’Association de Géographes Français”, tiveram até 1978 uma fonte insubstituível de alimentação de séries. Le BAGF continua a ser uma fonte de trocas apreciáveis atualmente.

36As assinaturas a título oneroso parecem importantes apenas a partir de 1960.

37A cartoteca comporta em 1928 : 44000 cartas e planos que se dividem assim :

França :

10569 folhas

(mais de 14422 em reserva)

Europa :

7335 -

(-      3706       -)

Ásia :

 643 -

(-        99       -)

Estados Unidos :

3283 -

(-        231      -)

África :

 978 -

(-        536      -)

Cartas murais :

 282 -

(dos quais 61 da coleção Vidal de la Blache)

38Durante o ano : 158 entradas, em particular de cartas da Indochina em grande escala. Trata-se de doações da Biblioteca Nacional, provindo em duplicata do depósito do editor. A Biblioteca Saint Geneviève depositará também em duplicata do depósito legal do impressor. Os depósitos da BNF prosseguem até nossos dias.

39A fototeca tem 186 unidades.

40Durante o ano de 1942 a biblioteca compra : 21 livros, 5 mapas, dos quais 3 murais, faz 3 assinaturas. As doações são essenciais : 288 folhetos, 195 livros franceses, (4 teses), 109 estrangeiros, 35 atlas, 21 mapas, nenhuma menção de fotos.

41Em 1960 a biblioteca se enriquece de 107 obras francesas, 46 estrangeiras, 55 números de periódicos, 6 atlas, os folhetos representam mais da metade de 603 doações.

42A priori os fundadores da Escola francesa de geografia e seus sucessores dotaram a biblioteca-cartoteca do Instituto de todos os instrumentos necessários ao ensino e à pesquisa. A evolução do saber e do pensamento geográfico deveria inscrever nossas coleções. Será tão evidente ?

43A estimativa “qualitativa” do patrimônio documentário, a partir de registros de inventário, dever ser efetuada com precaução, é preciso evitar toda dedução apressada origem desta fonte de informação.

44Se os registros são precisos, uma certa falta de homogeneidade torna a contagem difícil. Os métodos variavam. Em 1928 e 1960 cada número corresponde a uma unidade documental, em1942, a inscrição se faz por titulo ou por lote de folheto. Para seguir a evolução eu trabalhei, portanto sobre as porcentagens de dados.

45Os gráficos em anexo permitem comparações e as constatações seguintes :

  • 3  A autora usa agrégation, que é um concurso francês para o cargo de professor.(N.T.).

46A repartição temática demonstra, durante o período considerado, a predominância de aquisições de obras de geografia física e econômica. Entre 1942 e 1960 o crescimento de história da geografia e em demografia foi baixo. As porcentagens de monografias de geografia regional e rural não foram tantas como se poderia supor. A proporção das obras de geografia urbana varia segundo os anos, mas cresce globalmente depois de 1950. Durante o mesmo período, nota-se o aumento significativo dos manuais que alimentam as bibliotecas de empréstimo para os estudantes (cotada BE e A : coleções para preparação de concurso3) : 70 compras em 1960. Após 1950, embora pouco perceptível ao nível estatístico, as publicações teóricas e aplicadas (cartografia) não foram negligenciáveis, nas entradas.

47A repartição zonal trás um complemento de informação sobre os setores privilegiados pelos geógrafos do Instituto. A Europa e a França dominam largamente, vindo em seguida a Ásia, a África, a América, as regiões polares e a Oceania. A aparição e o desenvolvimento da geografia colonial explicam facilmente esta repartição.

48Note-se, entretanto, que os aumentos da cartoteca são sensivelmente diferentes. Desde 1927/1928, ela se enriquece de séries topográficas e geológicas dos EUA de 1/62500. As folhas da carta da França de 1/80 000 em seguida 1/50 000, 1/20 000, 1/25 000 topográfica e geológica são depositadas pela BNF, na medida em que são publicadas. O mesmo ocorre para as cartas orohidrográficas e outras séries temáticas.

  • 4  África Ocidental Francesa : grupo de antigas colônias francesas na África Ocidental.(N.T.).

49Estes depósitos anuais comportam também coleções de cartas de grande escala para os principais países do Mundo em particular : Indochina, Maghreb, Ex AOF4, Madagascar, Argentina, Brasil, Alemanha, Polônia, Romênia, Bélgica.

Doações e heranças

  • 5  Outros doadores : Vidal de la Blache, que constitui o acervo inicial. Herança de Schrader (carta d (...)

50O ano de 1942 apresenta um interesse particular. Anotações da proveniência de doações permitem conhecer a composição de heranças importantes : herança de Raveneau, doações de Hyde, Gallois, E. de Martonne5

  • 6  Eis alguns exemplos : Atkson (G) “Relations de Voyage du 17ème siècle”, Kimble (GHT) “Geography in (...)

51Louis Raveneau enriqueceu a Biblioteca de 124 obras francesas, 42 estrangeiras, 110 folhetos, 16 atlas e 13 mapas. Louis Gallois doou 19 livros franceses, 35 estrangeiros, 119 brochuras, 2 atlas, 2 mapas. James Hyde, professor americano, tendo vivido em Versalhes e Paris, integrou o grupo dos generosos mecenas das bibliotecas universitárias. Ele possuía coleções pessoais importantes em todos os domínios. As 38 obras e 17 atlas que chegaram à Biblioteca do Instituto concernem à história da geografia6.

52As doações de E. de Martonne consitem sobretudo em folhetos : 111. Trata-se sem dúvida de tiras a parte artigos, cujo objeto é indicado apenas raramente : França ou A.O.F. mais frequentemente.

53Se fizermos a síntese destas contribuições constataremos os seguintes fatos :

54Os manuais de base aí figuram em bom lugar : “Geographie Universelle” de Vidal de la Blache e Gallois, “Die Erde” de F. Ratzel, “Problemes de Gégraphie Humaine” de A. Demangeon. A presença de numerosas obras de geografia física já foi notada. Exemplos : “Traité de Géologie” de A. de Lapparent, “Phisiche Geographie” de Backeroot, “Mers et Océans” de C. Vallaux, “Matériaux pour l’étude de la flore du Marroc” de L. Emberge. Em geografia humana pode-se citar “Handbook of Commercial Geography” de George G. Chislom, “Qu’est ce que l’urbanisme” de P. Lavedan, “Volkerkunde” de F. Ratzel.

55A herança de Raveneau tinha dotado a biblioteca de um acervo antigo, no senso bibliofico do termo : a edição latina e a tradução do “Theatrum orbis terrarum” de Ortelius, “Géographie” de Ptolomeu, “Description de l’empire de la Chine” do padre J.B. du Halde, “Dictionnaire de la France” de Explilly, séries de mapas dos século XV, XVI e XVII. Alguns elementos destas coleções preciosas infelizmente desapareceram. Figuram também as relações de viagem, tais como o périplo de Nordenskiold, “La découverte de l”Afrique au Moyen Age” de Ch. de la Roncière e o eco de problemas contemporâneos : “Some problems of peace conference” Ch. H. Haskins, “Le triomphe du germanisme” de G. Blondel, “Suez et Panama” de A. Siegfried. Assim como uma importante série de documentos sobre Paris.

Les fonctionalités de la Bibliotèque

56 Ao das páginas de nossos registros, as coleções da biblioteca parecem bem lacunares em relação à produção editorial desta primeira metade do século XX, e um interesse científico desigual. Diante desta constatação, pode-se interrogar sobre a missão da Biblioteca tanto como instituição : lugar de estocagem ? Instrumento forjado pelos geógrafos para responder suas necessidades pedagógicas. Ponto de encontro de diversas correntes de pensamento que atravessam a disciplina durante este período de juventude e de amadurecimento, onde o pesquisador encontrará material a descobrir e progredir.

57Para tentar responder estas questões pode-se examinar os seguintes pontos de vista :

  • - A adequação de oferecer a demanda documentária.

  • - A exploração de recurso : catálogos, bibliografias.

A oferta e a demanda

58Um artigo de A. Demangeon nos “Annales de Géographie” em 1932, fornece elementos informativos sobre o serviço de publico, em matéria de documentação ele fala da biblioteca da Câmera de Comercio de Paris, que a seus olhos “representa um dos depósitos mais bem concebidos e com as melhores equipes para trabalho”

59Em preâmbulo, ele já deplorava a massa documentária em economia, “onde se tornava cada dia mais difícil procurar seu bem e de encontrar sua rota”, a falta de cooperação entre bibliotecas “cada uma trabalhando isoladamente, sem esforço para evitar as mesmas compras... e para criar entre elas um tipo de divisão do trabalho, de especialização. Nesta ubiqüidade, o trabalhador nem sempre encontra o catalogo acessível, quer dizer, atualizado, certamente causando perda de tempo para encontrar as obras que precisa.

60Diversos critérios permitem medir a adequação da oferta e da demanda, entre os quais a atualidade das coleções e sua acessibilidade.

61Para medir o grau de atualidade das coleções, é preciso o tempo entre a data de publicação de uma obra, o tempo da redação da ficha de catálogo e o tempo para ser posta em prateleiras.

62Este método é dificilmente aplicável no caso que nos concerne. Contudo, a comparação entre ano de publicação e ano de entrada na universidade pode ser significativo. Um teste, realizado a partir da lista cronológica de obras fundamentais, que se encontra no fim do livro “Histoire de la Géographie Française de 1870 à nos jours” de Paul Claval, conduz as seguintes constatações. A quase totalidade de livros surgidos entre 1868 e 1927 se encontra nos acervos de 1928. Para os documentos publicados de 1928 a 1960, nota-se de maneira geral, que o prazo não passa de um ano. Eis alguns exemplos :

63Os volumes da “Geographie Universelle” editados sob a direção de Vidal de la Blache e Gallois entraram gradualmente à medida que eram publicados, o que parece normal.

64Coincidência entre o ano de publicação e o de inscrição no inventário para as tese de Henri Baulig (1928), de Pierre Gourou (1937), e de Pierre Birot (1938). “Le Rhin. Problèmes d’histoire et d’économie” d’Albert Demangeon e Lucien Febvre, publicado em 1935 figura no inventário em 1936, a “Géographie des Villes” de Pierre Lavedan editado em 1936 entra em 1937.

65Entretanto, o tempo é frequentemente mais longo para as obras estrangeiras : “Die Geographie, ihre Geschichte, ihr Wesen und ihre Methoden” de Alfred Hettner, publicado em 1927, só foi recebido em 1928. A biblioteca possuía apenas a edição inglesa (1966) da obra de Walter Christaller “Die Zentralen Oret in Südddeutschland” (1933), o mesmo para “Inovation diffusion as a special process” de Torstein Hägestrand (1953/1967). Alguns manuais foram avariados: “The city” de R. E. Park, E. Burgess, R. C. Mc Kenzie (1925), “The nature of the cities” de Chauncy Harris e Edward L. Ullman.

66Feitas estas reservas, não seria necessário subestimar o lugar da geografia alemã e anglo-saxão nas coleções do Instituto. Os encontros dos geógrafos do mundo inteiro, nas manifestações internacionais ou estadia, teceram uma rede de trocas de publicações. Atualmente nós recebermos ainda 350 revistas estrangeiras por esta via. A quase totalidade dos congressos geográficos e geológicos internacionais está presente no acervo.

Como esta riqueza é disposta ao acesso do publico ?

67Os arquivos e bibliografias constituem o modo de acesso tradicional à documentação. Parece que desde a origem os geógrafos e os bibliotecários estiveram preocupados com a difusão da informação. Lembremos somente que desde 1892-1893 os “Analles de géographie” comportavam referências bibliográficas. A partir de 1894 uma bibliografia analítica e crítica realizada pelos professores constitui um suplemento anual. A biblioteca dispõe de uma edição interfoliada de páginas manuscritas, de resumos de obras e artigos redigidos aparentemente por L. Raveneau.

68Desde a origem também os artigos foram concebidos para responder às necessidades dos usuários, tal como Demangeon os definia no artigo citado.

69O primeiro bibliotecário, M. Evrard não deixou nenhuma explicação sobre suas opções biblioteconômicas. Contudo, a escolha de multiplicar os pontos de acesso no catalogo, criando arquivos para lugares, cidades, países de edição de revistas, mapas nos periódicos, responde à demanda dos pesquisadores.

70Se examinarmos mais detalhadamente o arquivo matéria, perceberemos rapidamente que os descritores utilizados refletem a evolução da linguagem dos geógrafos e suas temáticas.

71Na porção “Géographie” ocorre as seguintes subdivisões :

Descrição

Aparição do termo no arquivo

Geografia Geral

1836

Geografia Geral Física

1907 (depois geografia física)

Geografia comparada

1852

Geografia médica

1857

Geografia histórica

1877

Geografia humana

1882

Geografia comercial

1888

Geografia militar

1917

Geografia regional

1946

Geografia industrial

1947

Geografia religiosa

1950

Geografia tropical

1972

72De 1890 a 1960, os novos objetos da Geografia, colocados em evidência por Vidal de la Blache, e a expansão do campo de pesquisa operado por seus sucessores, traduziram-se pela renovação das palavras chaves utilizadas ?

73Sondagens, realizadas a partir de termos significativos da história do pensamento geográfica, permitem verificar esta hipótese :

Períodos

Conceitos

Utilização do descritor no arquivo

1890-1909

colonização

1890-1960

erosão

1938- >

gênero de vida

1904-1960

região

1942- >

1909-1939

biogeografia

1937- >

isostasia

1917- >

morfologia

1909- >

geomorfologia

1960- >

paisagem

1947- >

povoamento

1944- >

estruturas agrárias

1946- >

superfícies d’applainissement

1931- >

tectônica

1928- >

1939-1960

ordenamento do território

1939- >

êxodo rural

1960- >

finanças

1946- >

morfologia climática

1960- >

morfologia litoral

1949- >

morfologia estrutural

1950- >

geopolítica

1947- >

recenseamento demográfico

1960- >

subdesenvolvimento

1956- >

74Note-se que esta terminologia serviu de base para a realização dos tesouros utilizados pela indexação dos artigos da “Bibliographie Géographique International”. Através dos léxicos elaborados pelos documentalistas aparece também, nas entrelinhas, a construção de saberes geográficos.

O lugar da biblioteca do Instituto de Geografia de Paris no contexto local e nacional

75Alguns documentos ajudam a situar a Biblioteca no contexto de centros documentários existentes no momento de sua criação.

76Em seu artigo “Les études geograhiques à Paris”, E. de Martonne não se contenta em descrever a situação Instituto do qual ele é encarregado. Ele indica como são divididos os ambientes da nova construção com o Instituto de Física do Globo, o Instituto de Etnologia e três laboratórios (dependentes da seção de ciências naturais da École d’Hautes Études), que dispões de importantes bibliotecas, em particular em geologia. Ele recenseia os outros estabelecimentos parisienses tendo acervos acessíveis aos geógrafos : College de France, Museum d’histoire naturelle, École coloniale, École de sciences politiques, École de langues orientalles, Bibliothèque Sainte-Geneviève. O “Manuel de la recherche documentaire em France : Géographie”, publicado em 1946 sob sua direção contribui com precisões complementares. Este pequeno livro de uma centena de páginas antecipa a criação de um catálogo coletivo de centros documentários franceses em geografia. Ele recenseia para cada coluna : generalidades, geografia física, biogeografia, geografia humana, cartas e atlas, história da geografia e geografia histórica, os manuais e periódicos de base, dá suas cotas nos estabelecimentos. Em anexo três tabelas localizam as bibliotecas das instituições de pesquisa e de ensino universitário, sociedade de sábios, associações, museus, cujos acervos completam aqueles do Instituto de Geografia à escala da Capital, da França e do Mundo.

77Este percurso através de coleções, registros e arquivos teve por objetivo precisar a missão da biblioteca do Instituto de Geografia de Paris : Lugar da conservação de publicações certamente, mas também lugar de memória, de difusão do pensamento e de saberes geográficos.

Haut de page

Bibliographie

Claval Paul, Histoire de la Géographie Française de 1870 à nos jours, Paris, Nathan, 1998.

Baudelle De G., Ozouf-Marignier M-V., Robic M.C. (dirs.), Rennes Territoires en pratiques 1870-1945 : Le terrain, Le livre, la cité, resse universitaire de Rennes, 2001.

Meynier André, Histoire de la pensée geographique en France (1870-1969), Paris, PUF, 1969.

Brouillette Benoit, “Les instituts de géographie en France”, Revue trimestrielle cannadiene, (77), 1934, p73-94.

Demangeon Albert, “La bibliothèque de la Chambre de commerce de Paris”, Annales de géographie, (43), 1934, p311-313.

De Martonne Emmanuel, “Les études géographiques à Paris”, Annales de l’université de Paris, (5) 2,1927, p.407-416. Complété par les rapports annuels suivants 1928 : (1) 1929 p1-19 ; (6), 1931, p343-345 ; (5) 1932, p423-426 ; (9), 1934, p272-280 ; (10), 1935, p241-249.

Haut de page

Annexe

Figura 2 Distribuição temática em 1928

Figura 2 Distribuição temática em 1928

Figura 3 Distribuição temática em 1942

Figura 3 Distribuição temática em 1942

Figura 4 Distribuição temática em 1960

Figura 4 Distribuição temática em 1960

Figura 5 Distribuição geográfica em 1942

Figura 5 Distribuição geográfica em 1942

Figura 6 Distribuição geográfica em 1960

Figura 6 Distribuição geográfica em 1960

Arquivos

Arquivos nacionais

Série AJ16

AJ16 5776 Décret de création de l’Institut de Géographie e annexe (21/04/1926)

AJ16 5758 Rapport sur les donnations et fondations Arconti Visconti (1928-1933)

AJ16 106  Dossier M. Everard

AJ16 4757 Registre des Actes de la Faculté de letters

AJ16 5123 Séances du conseil de la Faculté de sciences.

Série F17

F17 1436/15008 Dons et legs à l’Université de Paris

F17 3568/3569  Organisation des bibliotèques de Facultes

Arquivos Reitorais de Paris

Dossier 20011498/62-68 Institut de géographie

Carton 39 Dossier divers : bibliotèques universitaires 1878-1950

Carton 43 Conseils de l’Université de Paris. Comission de la Bibliotèque

Carton 44 Dossiers divers : legs Helbronner, J. Hyde, L. Garnier

Haut de page

Notes

1  Artigo originalmente em francês, « La Bibliothèque de l' Institut de Géographie de Paris, reflet de l'histoire de la pensée géographique : étude sur la période 1925-1960 », disponível no site HalShs, http://halshs.archives-ouvertes.fr/halshs-00338478/fr/ .

2 Abreviação Madame (Nota do Tradutor, N.T.).

3  A autora usa agrégation, que é um concurso francês para o cargo de professor.(N.T.).

4  África Ocidental Francesa : grupo de antigas colônias francesas na África Ocidental.(N.T.).

5  Outros doadores : Vidal de la Blache, que constitui o acervo inicial. Herança de Schrader (carta de Gallois ao reitor Charléty de 25/05/1927). Herança de Me Garnier da biblioteca de seu filho Christian Garnier (Arq. Reitoral : dossiê 27/10/1901-30/02/1902 na caixa 44). Doação de Helbronner de sua coleção sobre os Alpes franceses (12/05/1938, caixa 44). Herança por sua viúva dos livros do explorador africano Edouard Foa (1886-1901) (carta de 20/11/1931 no Arq. Reitoral N° 20010498/62-68). No mesmo dossier, documento 10 bis : projeto de Anexação ao IG da cátedra de geografia humana do Collège de France e da coleção de “placas autocromadas” reunidas por Albert Khan e apresentadas ao conselho universitário de 25/05/1925.

6  Eis alguns exemplos : Atkson (G) “Relations de Voyage du 17ème siècle”, Kimble (GHT) “Geography in the middle age”, Stevenson (E.L.) “Portland charts”, Volney (CF) “Tableau du climat d’Amérique”, Atlas Steiler.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 O Instituto de geografia de Paris
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6572/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 3,3M
Titre Figura 2 Distribuição temática em 1928
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6572/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre Figura 3 Distribuição temática em 1942
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6572/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Figura 4 Distribuição temática em 1960
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6572/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Figura 5 Distribuição geográfica em 1942
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6572/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre Figura 6 Distribuição geográfica em 1960
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6572/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Bernadette Joseph, « A biblioteca do Instituto de Geografia reflete a História do Pensamento Geográfico: estudo sobre o período 1925-1960 », Confins [En ligne], 10 | 2010, mis en ligne le 28 novembre 2010, consulté le 21 novembre 2017. URL : http://confins.revues.org/6572 ; DOI : 10.4000/confins.6572

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org