Navigation – Plan du site

Os periódicos acadêmicos de geografia francesa de 1940-1945. Entre a pobreza material e a resistência intelectual

Les revues universitaires de géographie française de 1940 à 1945. Entre pénurie matérielle et résistance intellectuelle
French Geographical Journals facing World War II. Between material scarcity and intellectual resistance
Laurent Beauguitte
Traduction de René Somain

Résumés

Malgré la guerre et les pénuries qu’elle entraîne, malgré l’occupation et les censures tant vichystes qu’allemandes, les géographes français veillent de 1940 à 1945 à poursuivre leur activité scientifique. Cet article vise à mettre en lumière tant les conditions de production des six revues de géographie françaises durant la Seconde guerre mondiale que l’attitude des géographes vis à vis de l’actualité difficile de cette époque. Si l’impact des pénuries est aisément quantifiable, il est également possible de trouver des signes nets de résistance à l’Occupation et au régime de Vichy. Evoquant tant la censure que les prisonniers de guerre ou les difficultés quotidiennes liées à la Seconde guerre mondiale, les géographes étudiés ici écrivent une géographie au présent.

Haut de page

Texte intégral

  • 1  Governo que pregava a colaboração com os ocupantes nazistas, instalado na estância hidromineral de (...)

1A geografia francesa dos anos 1930-1950 é mal vista em trabalhos contemporâneos de história da geografia. Na melhor das hipóteses, é uma geografia que reproduz sem imaginação e métodos padronizados inventado pelos grandes antepassados, desde Vidal de la Blache (Claval e Sanguin, 1996). Na pior das hipóteses, é uma geografia reacionária, obcecado pelo mundo rural e pelo império colonial, que não poderia, portanto, deixar de apoiar o regime de Vichy1 (ver Tissier 1985 e a resposta Tissier de Dumoulin, 1994).

2O período 1940-1945 é menos conhecido ainda, mas dois artigos publicados imediatamente após a guerra trazem registros contraditórios do período, Perpillou calculando um saldo negativo (1946), enquanto a avaliação de Gottmann é muito mais positiva (1946). Iniciativas recentes demonstram o grande interesse deste período, e vários trabalhos estão em curso sobre o assunto (EHGO, 2009).

3Este artigo pretende rever estas analises, centrando-se sobre as publicações dealgumas revistas acadêmicas de geografia, entre 1940 e 1945. Para mostrar asperturbações relacionadas ao conflito, tanto na substância como na forma, este artigo abrange o período 1936-1947. A primeira parte permite desenhar a paisagem da geografia, na véspera da Segunda Guerra Mundial. A segunda parte examina os impactos materiais associados à situação de guerra. Finalmente, uma terceira parte procura destacar as estratégias de resistência adotadas por autores acadêmicos para se distanciar do regime.

Ageografia acadêmica francesa às vésperas da Segunda Guerra Mundial

4É provavelmente útil lembrar em que situação se encontrava a geografia acadêmica francesa nos anos 1930s. Estava, provavelmente, no auge de sua influência, mas também era marcada tanto pela estreiteza de sua composição como pelo caráter heterogêneo dos seus membros. As revistas acadêmicas refletiam essa composição.

Os três círculos dos geógrafos franceses

  • 2  Numa Broc, 1993, p. 226-227.

5A geografia francesa no final dos anos 1930 tem uma estrutura em três conjuntos, cujas fronteiras são, por vezes, difíceis de traçar. O núcleo central é formado por professores titulares no ensino superior. Este grupo inclui professores da Faculdade de Letras (21 em 1939), professores e auxiliares (nove em 1939). A grande maioria eram doutores, mas existem pelo menos duas exceções à regra: Jean Gottmann em Paris e Maurice Zimmermann em Lyon. Além deles, tinha geógrafos de escolas secundárias e escolas militares: Camille Vallaux e Charles Robert-Muller na École des Hautes Études Commerciales, em Paris, Antoine Albitreccia na École Supérieure de Commerce de Paris, Francis Ruellan na Academia Naval de Brest. Finalmente, geógrafos ensinavam no Collège de France (André Siegfried), nas Universidades católicas (Pierre Deffontaines em Lille), no Conservatório Nacional des Arts et Métiers (Y.-M. Goblet) 2. Este núcleo tinha um total de menos de cinqüenta pessoas, algumas das quais estavam presentes na diretoria dos vários Institutos de Geografia e conselhos editoriais de revistas acadêmicas.

6Um grupo de geógrafos muito mais heterogêneo girava em torno deste núcleo central. Misturavam neles professores do ensino secundário que preparavam a sua tese, doutores em Letras, militares (como o coronel Edouard de Martonne, o coronel Ruby ou o capitão Urvoy), administradores das colônias (MacLatchy), acadêmicos naturalistas, geólogos e historiadores, próximos dos geógrafos (Marcel Blanchard, Henri Gaussen, Emmanuel de Margerie). Todas essas pessoas trabalhavam regularmente para as revistas. Este grupo incluía os geógrafos em via de integração ao núcleo central (Paul Arqué, Pierre George) e outros que pareciam ser marginalizados (administradores coloniais, militares).

7Finalmente, o grupo periférico, que consistia principalmente de professores do ensino médio ou de uma Escola Normal. São eles que forneciam a maioria dos textos em revistas regionais, eles também que aparecem uma única vez nas tabelas de conteúdos. Uma pequena minoria entrava, nos anos seguintes, em um dos dois grupos anteriores: todos os professores dos anos 1940 e 1950 começaram a escrever o seu Diploma do Ensino Superior durante esse período (Max Derruau, Henri Enjalbert, Philippe Pinchemel, etc.).

8O núcleo central era marcado por uma dupla fratura: entre Paris e a província, e entre a escola “Escola de Paris” e a “escola” de Grenoble. A Sorbonne contava, em 1939, cinco professores universitários (Jacques Ancel, André Cholley, Albert Demangeon, Emmanuel de Martonne, Charles Robequain), um professor horista (Marcel Larnaude) e dois assistentes (Pierre Birot, Jean Gottmann), quase um terço dos geógrafos acadêmicos. Paradoxalmente, os geógrafos não tinham nenhuma revista parisiense para divulgar seu trabalho.

  • 3  A gênese e a evolução do conflito foram contadas por Numa Broc (Broc 2001).

9A segunda linha de falha passa entre os seguidores de Raoul Blanchard (entre eles André Allix, Philippe Arbos, Jules Blache, Ernest Bénévent, Daniel Faucher, André Gibert) e os estudantes de Emmanuel de Martonne (Jean Chardonnet, André Cholley, Robert Perret etc.) 3.

  • 4  Paul Marr é assistente de geografia em Montpellier entre 1932 e 1936, ele aparentemente não foi su (...)
  • 5  Esta informação é extraída do estudo dos comitês editoriais, da apresentação de autores em revista (...)

10Durante a Segunda Guerra Mundial, o grupo central aumentou. Três cátedras de geografia colonial foram criada em 1942 (Aix-Marseille, Bordeaux, Estrasburgo). Posições de assistente foram criadas em 1942 em Grenoble (Paul Veyret), Lyon (Jean Demangeot), Montpellier4 (Jean Galtier) e Toulouse (Francis Taillefer) e em 1943 em Clermont-Ferrand (Lucien Gachon). René Musset foi deportado para Buchenwald, Louis Poirier, mais conhecido depois sob o pseudônimo de Julien Gracq, foi nomeado assistente em Caen, em novembro de 19425.

A paisagem editorial

11Abordamos agora as dificuldades encontradas para publicar revistas durante a guerra e a eventual permeabilidade do campo científico à ideologia de Vichy. Por serem a priori menos afetados por este segundo aspecto, as revistas de geografia física não foram estudadas. As principais revistas científicas que continuaram a publicar durante o período foram analisadas, o acervo inclui, em ordem alfabética:

  • Annales de géographie

  • Bulletin de la Société Languedocienne de Géographie

  • Bulletin de l’Association de Géographes Français (noté Bulletin de l’AGF dans la suite du texte)

  • Études Rhodaniennes

  • Revue de Géographie Alpine

  • Revue de Géographie des Pyrénées et du Sud-Ouest

  • 6  A mudança de nome vem em 1920, sem alteração do conteúdo ou da apresentação.

12Destes seis títulos, apenas dois (Annales de géographie et Bulletin de l’AGF) se destinam a cobrir todo o campo disciplinar e todo o espaço geográfico. Os outros quatro focam as suas preocupações na pesquisa de geografia regional. Assim Études rhodaniennes afirma a sua “limitação fundamental ao estudo das regiões do Ródano” (Allix, 1935, p. 10). A Revue de Géographie Alpine, desde o início, pretende consagrar-se “quase que exclusivamente ao estudo geográfico do Sudeste da França” (Recueil des travaux de l’Institut de Géographie Alpine61913, Volume I, p. 1) . As exceções incluem trabalhos sobre montanhas estrangeiras, e os trabalhos realizados no exterior por Raoul Blanchard, particularmente no Canadá, e seus alunos (Jacques Richard-Molard).

13A revista L’information géographique não foi analizada. O regime de Vichy tem demonstrado um grande interesse em assuntos educacionais (Giolitto, 1991; Lefort, 1992, p. 35-37; Knight, 2007), mas avaliar o possível impacto sobre o conteúdo da revisão exigiria um estudo separado. O principal argumento que justificava essa exclusão é dada por Andre Cholley:

14Além disso, a revista deixou de ser publicada de abril 1942 a junho de 1945. Se outras revistas estudadas também conheceram interrupção da publicação, nunca foi por tanto tempo (ver Figura 3).

Figura 1 : Capas de 1940

Figura 1 : Capas de 1940

Publicar a todo custo

  • 7  Do armistício de junho de 1940 até a invasão de todo o território nacional, em novembro de 1942, a (...)
  • 8  Cet aspect est développé dans un article publié par l’auteur dans la revue Cybergéo (Beauguitte, 2 (...)

15A guerra, a partir de 1939, impõe restrições físicas às revistas. As restrições no fornecimento do papel, os cortes de energia, a dificuldade na obtenção de publicações estrangeiras (e até a circulação de publicações entre a zona ocupada e a zona livre7), tudo isso tem conseqüências sobre o conteúdo de revistas8.

Figura 2: Zona livre e zona ocupada na França durante a segunda guerra mundial

Figura 2: Zona livre e zona ocupada na França durante a segunda guerra mundial

Fonte: http://fr.wikipedia.org/​wiki/​Fichier:France_map_Lambert-93_with_regions_and_departments-occupation-fr.svg

16No entanto, apesar das dificuldades, nenhum dos editores de revistas, seguindo uma tendência generalizada no mesmo período e em todas as disciplinas (Duclert, 1997) considera, nem por um momento, cessar a publicação. Continuar a publicar é visto e reivindicado como um ato patriótico, um ato de resistência. Em Paris e nas províncias, os mesmos argumentos voltam incansavelmente, a citação seguinte resume a atitude geral:

“Apesar da tristeza deste tempo, tornou-se necessário retomar a atividade normal. Afinal, é nosso dever continuar a nossa tarefa e tentar dar a ele uma maior eficiência? O país não pode ser afetado pela anemia intelectual. À nossa maneira modesta, procuramos manter a chama acesa [...] O primeiro dever, no momento presente, é garantir a continuidade das publicações em que a ciência francesa afirma a sua vitalidade”(Faucher, 1941b, p. 458-459).

17Se a vontade está presente, o papel está em falta e todos tentam maximizar o espaço, as letras utilizadas são menores, até as capas são usadas para publicar informações, as ilustrações fotográficas fora do texto desaparecem, e basta ler os jornais da época para constatar o declínio da qualidade do papel. O gráfico a seguir mostra, no entanto, que a situação varia entre as revistas (Figura 3).

18Se as revistas têm menos páginas, há também uma tendência à fusão de publicações. Assim, a partir de 1942, o Bulletin de la Société de Géographieé publicado com o Annales de géographie e do Bulletin de la Société de Géographie de Lyonestá incluído nos Études rhodaniennes.

Figura 3: Número de páginas das revistas de geografia de 1936 a 1947

Figura 3: Número de páginas das revistas de geografia de 1936 a 1947
  • 9  Para uma visão geral de todas as restrições à circulação de pessoas, ver Noiriel , 1999, p. 162-17 (...)

19Várias barreiras restringem a liberdade de circulação dos pesquisadores, das idéias e das publicações, tanto dentro do território nacional como para o exterior9. Alguns autores têm visto nisso uma das causas do declínio da influência da geografia francesa, após a Segunda Guerra Mundial (Pinchemel, 1984). Contar os livros resenhados nas Annales de géographieajuda a avaliar essa falta de aportes científicos externos (Figura 4). Outro indicador é obtido através de relatórios da Sociedade de Geografia: no final de 1942, a Biblioteca da Sociedade recebe 40 revistas, incluindo 21 revistas estrangeiras, quando tinha recebido 173 em 1939 (Annales de géographie, 1943, n º 289, p . 77-78). Em 1943, o comércio é normal com apenas cinco países: Alemanha, Holanda, Dinamarca, Noruega e Romênia, e dos 15 jornais que são objeto de troca, 10 são alemães (Annales de géographie, 1943, n º 290 , p. 158-159).

20Este estreitamento da diversidade de fontes, que se tornaram esmagadoramente de origem alemão, não resultou em conseqüências graves, por pelo menos dois motivos. Primeiro porque os trabalhos abertamente propagandísticos são rejeitados, por outro lado porque a ciência francesa, incluindo a geografia, se interessa pouco pelos alemães. É importante lembrar que Emmanuel de Martonne, um dos principais atores na geografia francesa durante o período, é visto pelos alemães como um dos líderes do Tratado de Versalhes (Robic et al., 1996).

Figura 4 : Livros recebidos pelas Annales de géographie de 1936 a1945

Figura 4 : Livros recebidos pelas Annales de géographie de 1936 a1945

21Outra conseqüência física relacionada com a guerra, os preços das assinaturas de todas as revistas são multiplicados por três entre 1936 e 1946. Um trabalho arquivístico permitiria talvez refinar esses dados, estudando a distribuição e impressão de vários jornais, informações que ainda não foi possível reconstituir com exatidão.

Uma geografia em luta, uma geografia do presente

22Ler os textos publicados durante a ocupação, na parte ocupada ou na parte livre do país, força a esquecer uma série de suposições sobre a geografia “clássica”. Se a obsessão com o êxodo rural e da morte das campanhas é bem conhecido (Chanet, 1994), é útil recordar que esse medo da morte do campo é uma preocupação antiga, que data do final do século XIX e em todos os partidos políticos, do Partido Comunista à direita nacionalista (Faure, 1987; Thiesse, 1991 e 1997). Outro tema que seria tentador vincular à propaganda de Vichy é a obsessão pró-natalidade. Novamente, muitos estudos têm mostrado que a propaganda pró-natalidade, vinda tanto de pesquisadores como de políticos, data do final do século XIX e se institucionaliza, sem mudar de natureza, durante a Ocupação (ver, por exemplo Tomlinson 1985 e Reggiani, 1996). Mas dois elementos aparecem nas revistas, uma distanciação em relação às diretrizes do regime, e uma atenção aguçada para as dificuldades do tempo.

A recusa da(s) propaganda(s)

23Os acadêmicos franceses, em graus variados, se interessaram em iniciativas tomadas pelo governo de Vichy, especialmente no que toca as tentativas de regionalização (Barral, 1974; Couzon, 2001; Markou, 2005) ou a criação de um concurso específico para professores de Geografia (Dumoulin, 1994). Mas o que é surpreendente, na leitura de textos científicos publicados (após censura) durante o período, é a resistência às ideologias dominantes.

24A recusa de qualquer hierarquia racial, embora o uso do termo raça não represente um problema no campo da ciência, é particularmente clara nas crônicas de certas obras, incluindo os de R. Martial, propagandista racial na época (Singer, 1993). Seus trabalhos têm sido objeto de críticas longas, detalhadas e universalmente negativas como o trecho a seguir, bastante representativo:

“Os antropólogos tiveram muito trabalho para definir com precisão o conceito de raça, mas é justo reconhecer que o Dr. Marcial não teve menos trabalho para confundí-ló. Para ele, é a psicologia que caracteriza a raça e [...] a língua é um fato da raça [...] Com ele, a palavra “raça” é reduzido à categoria de um sinônimo de nação se torna tão vaga que o tempo irmãos Thierry (Auguste e Amédée) ou Arthur de Gobineau. Não é de se admirar, depois disso, de ver os húngaros ainda chamados de Mongois” (p.21) [...] “(Annales de géographie, 1943, p.59).

25As obras de propaganda, sejam elas alemães ou francesas, recebidas pelas revistas franceses são geralmente ignoradas, e se não, a avaliação é simples, nítida e definitiva. Um livro traduzido do alemão, publicado em 1942, é descrito da seguinte maneira nas Annales de géographie : ”brochura de circunstancia, melhor ilustrada do traduzida, em favor do Japão“ (1943, p. 65). Apenas os livros alemães de geografia física estão sujeitos à crítica cuidadosa.

26A escolha de referências por alguns autores também surpreende. Numa época anti bolchevista, um artigo sobre a agricultura soviética cita Marx, Engels e Lenin (Péchoux, 1941, p. 94-95). Enquanto a repressão anti-semita aumenta, as referências às obras de Marc Bloch e às de Jacques Ancel tornam-se mais sistemática e mais detalhadas do que antes da guerra. Infelizmente, isto não impede que os escritores judeus sejam eliminados do sumário de revistas a partir de 1942 (Figura 5).

Figura 5 : Um mapa incompletamente assinado

Figura 5 : Um mapa incompletamente assinado

Este mapa foi publicado em 1942 nas Annales de géographie (Emm. Martonne, ”Novo mapa global do índice de aridez.“ Annales de géographie. LI, n.288, p. 243. Jean Gottmann, um judeu, não é nomeado como co-autor, já que os alemães forçaram a revista a declarar, na primavera de 1942, a ”ausência de trabalhadores não –arianos“. Uma correção explica na primeira edição publicada após a Libertação: ”o regime de liberdade em que parecemos pela primeira vez com o número 293 permite-nos a convidar o leitor a restabelecer neste mapa a menção “desenhado por Emm. Martonne e Jean Gottmann” (p.67).

Fonte : www.persee.fr

27Quanto a dois aspectos cruciais do regime de Vichy, o culto à personalidade e a volta à Terra, os autores tomam uma posição clara. Enquanto o nome do marechal Pétain aparece em todo lugar (basta ler a imprensa da época para medi-lo), seu nome aparece ao todo uma única vez no corpus estudado. Em uma edição da Revue de géographie des Pyrénées et du Sud-Ouest, uma nota de rodapé se refere a um artigo publicado em 1938 pelo marechal Pétain na Revue hebdomadaire, intitulado “ Combustível nacional e veículos a gás (Maillat 1942, p. 265). Quanto ao retorno à terra, os geógrafos não acreditam nele e escrevem-no em várias ocasiões, tanto na zona franca ou na área ocupada (Refus de Rau, 1944, p. 53; Fourchy, 1943, p. 186-187)]

Uma geografia enraizada no seu tempo

28Se as orientações do regime de Vichy ou do ocupante são regularmente citadas de forma negativa, os artigos mostram também muita atenção às dificuldades do momento, que dizem respeito ao abastecimento, a circulação de pessoas (os prisioneiros libertados incluídos), a escassez de às tentativas de planejar a economia. A ficção de um país neutro, defendida pelo regime de Vichy, nunca é mencionado, é a situação de um país em guerra que está sendo estudada com precisão.

  • 10  Nome oficial do regime de Vichy.

29Seja na zona ocupada ou na zona livre, as mesmas palavras voltam. Dois artigos, um publicado em 1942 em Etudes rhodaniennes (Willemain), o outro em 1942 nas Annales de géographie (Servas) utilizam os mesmos termos (e nenhum é lisonjeiro para as autoridades no local em ambos os outros): falta de mão de obra devida à migração e ao grande número de presos, falta de transporte, falta de combustível, falta de fertilizantes e de cavalos por causa de requisições, aumento dos preços.As expressões regularmente utilizadas para descrever o regime (que nunca é designado como o Estado ou o governo francês), por vezes, surpreende com a sua virulência. O ”Estado francês“10 é um ”sistema de economia planificada e de restrição alimentar (Faucher, 1941a, p. 357), e se fala dos“ tempos sombrios de restrição nacional, arrependimento e recuperação ”(Onde , 1942, p. 444).

30O destino dos deslocados, dos presos é mencionado com regularidade ao longo do período, como mostrado por exemplo, por esta nota sobre os resultados do censo publicado no Annales de géographie(1942, TA, n.286, p. 156).

“Excluindo os presos (cerca de 1,3 milhões no dia 1-4-1941), os trabalhadores franceses que trabalham na Alemanha (cerca de 60.000 no dia 1-4-1941), mas incluindo os desabrigados da Alsácia-Lorena que não voltaram para suas casas (cerca de 100.000 no dia 1-4-1941). A distribuição entre as regiões é a seguinte: na zona ocupada, 25 071 255 habitantes; Zona não ocupada, 14 231 256 habitantes”.

31Os jornais mostram uma alta reatividade às notícias e em 1940 apareceu um artigo no Jornal de Revue de géographie des Pyrénées et du Sud-Ouestsobre o êxodo e à re-instalação de refugiados da Lorena no Sudoeste França (Luxemburgo). E a publicação de artigos de revista escritos por prisioneiros é sempre enfatizada pelos diretores como mostra este trecho de Raoul Blanchard: “pode-se imaginar a emoção com o que nós publicamos neste número, algumas páginas escritas por jovens colegas prisioneiros Alemanha ”( Revue de géographie alpine, 1942, p. 451).

32Mais surpreendentemente, alguns editores vão mencionar a censura a que estão sujeitos. Dois exemplos foram encontrados, o primeiro é Daniel Faucher, que escreveu em 1942 que “Elas [as circunstâncias] tem nos (...) forçados a adiar para tempos melhores a publicação de algumas obras que teria sido bom oferecer agora aos nossos leitores” (Faucher, 1942, p. 391). O segundo, Raoul Blanchard, escreveu em 1943 “tivemos que desistir de dois projetos de ”notas de atualidade“, cuja publicação foi considerada imprópria” (Blanchard, p. 269). Na maioria dos casos, os autores utilizaram uma estratégia de auto-censura, muito bem descrito após a guerra por André Allix: em vez de dar a uma conferência, em 1943, o título “O poder japonês”, ele a chama de “paisagens inesperadas do arquipélago japonês e da terra Manchu ”(Allix, 1945, p. 1).

33Apesar do importante trabalho de Fouché (1987), carecem elementos sobre os vários departamentos de censura, tanto franceses como alemães, cujas ações nem sempre eram coordenadas, para explicar a liberdade de tom que aparece regularmente em periódicos da época.

Conclusão

34Estes apontamentos não têm a pretensão de esgotar um assunto tão vasto, e seria útil complementar estes elementos utilizando pesquisa documental para conhecer e compreender melhor os fatores tão essenciais que o funcionamento do (a) censura (s), o funcionamento dos Institutos de Geografia ou a exploração de redes de amizade entre os geógrafos (veja os trabalhos de Delfosse, 1998 e Daveau, 2007). Um estudo sobre a distribuição de revistas, tanto na França como no estrangeiro, também seria útil.

35No entanto, parece importante ressaltar que a ficção, criada a partir do zero, de geografia ruralista e imóvel não é defensável. Reflexões epistemológicas de André Allix, emitidas durante o período, livros de Cholley e Clozier, ambos publicados em 1942, a inclusão dos aspectos urbanos, turísticos e culturais, mostrar a vitalidade de uma geografia muitas vezes caricaturado. Além disso, a preocupação de escrever uma geografia para o presente, levando em conta as limitações e as conseqüências das zonas de conflito e populações estudadas, é claramente perceptível. Parece que o estado de isolamento em que a geografia francesa viveu durante cinco longos anos, tem desempenhado um papel no declínio do seu papel internacional.

Haut de page

Bibliographie

  • Annales de géographie (1891), diretor Em. de Martonne – não publicado em 1944 [disponível no site Persée, menos o ano 1943]

  • Bulletin de la Société Languedocienne de Géographie (193011), dir. L.J. Thomas até 1944, depois Paul Marres [hoje Espaces et Territoires : Bulletin de la Société Languedocienne de Géographie]

  • Bulletin de l’Association de Géographes Français (1924), dir.Em. de Margerieaté 1942, depois Em. De Martonne

  • Études Rhodaniennes (1925), dir. André Allix – publicação lenta em 1940-1941 (um único número) [disponível no site Persée] [hoje Revue de géographie de Lyon e depois Géocarrefour]

  • Revue de Géographie Alpine (1913), dir. Raoul Blanchard [disponível no site Persée]

  • Revue de Géographie des Pyrénées et du Sud-Ouest (1930), dir. Daniel Faucher – não publicado em 1945 [hoje Sud-Ouest Européen]

Artigos citados

Allix A., “Après dix ans. Un programme, un appel”. Etudes rhodaniennes, XI, n.1, p. 5-12, 1935.

Allix A., “ La puissance japonaise”, Études rhodaniennes, XX, n.1, p. 1-23, 1945.

Blanchard R., “ Chronique de l’Institut de Géographie Alpine. Premier semestre 1942-1943”, Revue de Géographie Alpine, XXXI, n.2, p. 269-270, 1943.

Cholley A., “L’information géographique”, L’information géographique, n.1, p. 1-4, 1936.

Defos du Rau J., “La vallée de l’Ouzom et ses habitants”, Revue de géographie des Pyrénées et du Sud-Ouest, XV, n.1-2, p. 5-55, 1944.

De Martonne Em., “Nouvelle carte mondial de l’indice d’aridité”, Annales de Géographie. LI, n.288, p. 241-250, 1942.

Faucher D., “André Puyeo. La production et le commerce des céréales dans le département du Tarn-et-Garonne”, Revue de géographie des Pyrénées et du Sud-Ouest, XII, n.4, p. 357-358, 1941a.

Faucher D., “L’Institut de Géographie en 1940-1941. La vie de la Revue”, Revue de géographie des Pyrénées et du Sud-Ouest, XII, n.4, p. 458-459, 1941b.

Faucher D., “L’Institut de Géographie en 1941-1942. La vie de la Revue”, Revue de géographie des Pyrénées et du Sud-Ouest, XIII, n.3, p. 390-392, 1942.

Fourchy P., “La population du canton du Bourg-d’Oisans de 1946 à 1936”, Revue de Géographie Alpine, XXXI, n.2, p. 177-197, 1943.

Luxembourg M., “Les Alsaciens dans les départements du Gers et des Landes”, Revue de géographie des Pyrénées et du Sud-Ouest, XI, n.1, p. 23-38, 1940.

Maillat J., “La carbonisation dans la Haute-Garonne”, Revue de géographie des Pyrénées et du Sud-Ouest, XIII, n.2, p. 265-276, 1942.

Onde H. “Les Cluses et le Sillon des Alpes françaises du Nord, d’après R. Blanchard”, Revue de Géographie Alpine, XXX, n.2, p. 443-449 , 1942.

Pechoux P., “L’agriculture russe et les machines”, Annales de géographie, L, n.282, p. 94-113, 1941.

Servas J., “L’agriculture marnaise de septembre 1936 à mai 1941”, Bulletin de l’Association de Géographes Français, n.149-150, p. 141-144, 1942.

Willemain J., “La banlieue maraîchère de Lyon en 1941”, Etudes rhodaniennes, XVI, p. 277-288, 1941.

Bibliografia adicional

Barral P., “Idéal et pratique du régionalisme dans le régime de Vichy”, Revue française de science politique, XXIV, n.5, p. 911-939, 1974.

Beauguitte L., “Publier en temps de guerre : les revues de géographie française de 1939 à 1945”, Cybergeo, 2008, <http://cybergeo.revues.org/index19853.html>

Broc N., “Homo geographicus : radioscopie des géographes français de l’entre-deux-guerres (1918-1939) ”, Annales de Géographie, CII, n.571, p. 225-254, 1993.

Broc N., “École de Grenoble contre école de Paris : les Alpes enjeu scientifique”, Revue de géographie alpine, n.4, p. 95-105, 2001.

Chanet J.-F., “Les géographes et la question de l’avenir des campagnes françaises (années 1930-1940)”, InA. Gueslin (dir.). Les Facs sous Vichy, 1994, p. 9-22.

Chevalier J.-P., “La géographie scolaire au temps de Vichy”, Histoire de l’éducation, n° 113, p. 69-101, 2007.

Cholley A., Guide de l’étudiant en géographie, Paris, Presses Universitaires de France, 231 pages, 1942.

Claval P., Sanguin A.-L. (dir.), La géographie française à l’époque classique (1918-1968). Paris : L’Harmattan, coll. “Géographie et cultures”, 345 p., 1996.

Clozier R., Les étapes de la géographie, Paris, Presses Universitaires de France, coll. “Que sais-je ? ”, 128 p., 1942.

Couzon I., 2001, “La figure de l’expert-géographe au miroir de la politique d’aménagement du territoire (1942-1950)”, in G. Baudelle, M.-V. Ozouf-Marignier et M.-C. Robic (dir.), Géographes en pratiques (1970-1945). Le terrain, le livre, la cité, Rennes, Presses Universitaires de Rennes, 2001, p. 159-171.

Daveau S., “La Géographie, ça peut survivre à la guerre. Correspondance entre Jean Gottmann et Orlando Ribeiro”, Finisterra, n.1983, p. 5-21, 2007.

Delfosse C., “Le rôle des institutions culturelles et des missions à l’étranger dans la circulation des idées géographiques. L’exemple de la carrière de Pierre Deffontaines (1894-1978)”, Finisterra, XXXIII, n.65, p. 147-158, 1998.

Duclert V., “Les revues scientifique : une histoire de la science et des savants français sous l’Occupation”, La Revue des revues, n.24, p. 161-195, 1997.

Dumoulin O., “L’histoire et les historiens 1937-1947”, In J.-P. Rioux (dir.), La vie culturelle sous Vichy, Bruxelles,éditions Complexe, 1990, p. 241-268.

Dumoulin O., “A l’aune de Vichy ? La naissance de l’agrégation de géographie”, In A. Gueslin, Les Facs sous Vichy. 1994, pp. 23-38.

Dumoulin O., “La Langue d’Ésope : les revues historiques entre science et engagement”, La Revue des revues, n.24, p. 45-71, 1997.

EGHO, 2009, Journée d’études, “Géographes et géographie française à l’épreuve de la Seconde guerre mondiale”, informations disponibles sur http://clioweb.free.fr/debats/geo-vichy.htm

Faure C. Le projet culturel de Vichy. Folklore et Révolution nationale 1940-1944. Lyon/ Paris, Presses Universitaires de Lyon/ éditions du CNRS, 336 p., 1989.

Fouche P., L’édition française sous l’Occupation, 1940-1944, Paris, Bibliothèque de littérature française contemporaine de l’Université de Paris 7, coll. “l’édition contemporaine”, tome 1, 460 pages, tome 2, 452 p., 1987.

Giolitto P., Histoire de la jeunesse sous Vichy, Paris, Perrin, 699 p., 1991.

Gottmann J., “French geography in wartime”, Geographical Review, XXXVI, n.1, p. 80-91, 1946.

Gueslin A., (dir.), Les Facs sous Vichy. Actes du colloque des universités de Clermont-Ferrand et de Strasbourg – novembre 1993, Clermont-Ferrand : Publications de l’Institut d’Études du Massif Central, coll. “Prestige”, 371p., 1994.

Lefort I., La lettre et l’esprit. Géographie scolaire et géographie savante en France 1870-1970. Paris : éditions du CNRS, coll. “Mémoires et documents de géographie”, 257 p., 1992.

Markou E., “La décentralisation industrielle”, In C. Rhein (dir.), Tissu industriel, planification spatiale des activités économiques et rapports sociopolitiques dans la métropole parisienne (1920-1950), Paris, Ministère de l’Equipement, des transports, du logement, du tourime et de la mer, 2005, p. 1-157.

Noiriel G., Les origines républicaines de Vichy, Paris, Hachette littératures, coll. “Histoires”,335p., 1999.

Perpillou A., “Geography and Geographical Studies in France during the war and the Occupation”, The Geographical Journal, CVII, n.1/2, p. 50-57, 1946.

Pinchemel P., “L’histoire récente de la Géographie Française”, InComité National Français de Géographie, La recherche géographique française (Structures, Thèmes et Perspectives), Caen, p. 11-21, 1984.

Reggiani A.H., “Procreating France: The Politics of Demography, 1919-1945”,French Historical Studies, XIX, n.3, p. 725-754, 1996.

Riquet P., “Les géographes français face à l’Allemagne et aux géographes allemands entre 1918 et 1960”, In P. Claval, A.-L. Sanguin (dir.), La géographie française à l’époque classique (1918-1968), Paris, L’Harmattan, 1996, p. 69-77.

Robic M.-C., Briend A.-M. et Rössler (dir.), Géographes face au monde. L’Union Géographique Internationale et les congrès internationaux de géographie. Paris, L’Harmattan, coll. “Histoire des Sciences Humaines”, 464 p., 1996.

Saussol A., “La Société Languedocienne de Géographie et les débuts de la géographie universitaire à Montpellier”, Bulletin de la Société Languedocienne de Géographie, n.3-4, p. 267-289, 1990.

Singer C., “L’échec du cours antisémite d’Henri Labroue à la Sorbonne (1942-1944) ”, Vingtième siècle, n.39, p. 3-9, 1993.

Tissier J.-L., “Les anciens élèves de l’École Normale de Saint-Cloud et la géographie française, 1942-1973”, In C. Charle, R. Ferre (dir.), Le personnel de l’enseignement supérieur en France aux XIXe et XXe siècles, Paris, CNRS éditions, 1985, p. 205-218.

Thiesse A.-M., Écrire la France. Le mouvement littéraire régionaliste de langue française entre la Belle Époque et la Libération, Paris, Presses Universitaires de France, coll. “Ethnologies”, 314 p., 1991.

Thiesse A.-M., Ils apprenaient la France. L’exaltation des régions dans le discours patriotique, Paris, Éditions de la Maison des sciences de l’homme, coll. “Ethnologie de la France”, 130 p., 1997.

Tomlinson R.,“The ‘Disappearance’ of France, 1896-1940: French Politics and the Birth Rate”,.The Historical Journal, XXVIII, n.2, p. 405-415, 1985.

Haut de page

Annexe

Corpus

A data de criação está indicada entre parênteses, o diretor mencionado sendo aquele que estava presente entre 1939 e 1945. Todos estes jornais são publicados ainda hoje, quando o nome atual é diferente ele é indicado entre [ ].

Haut de page

Notes

1  Governo que pregava a colaboração com os ocupantes nazistas, instalado na estância hidromineral de Vichy, no Massif Central, Paris sendo ocupado pelos Alemães.

2  Numa Broc, 1993, p. 226-227.

3  A gênese e a evolução do conflito foram contadas por Numa Broc (Broc 2001).

4  Paul Marr é assistente de geografia em Montpellier entre 1932 e 1936, ele aparentemente não foi substituído após sua partida para Bordeaux em 1937. Ele foi nomeado professor da Faculdade de Letras de Montpellier depois da morte de Jules Sion, em 1941.

5  Esta informação é extraída do estudo dos comitês editoriais, da apresentação de autores em revistas entre 1936 e 1945, e da lista dos membros da Associação dos Geógrafos franceses e, finalmente, do artigo de Numa Broc (Broc , 1993).

6  A mudança de nome vem em 1920, sem alteração do conteúdo ou da apresentação.

7  Do armistício de junho de 1940 até a invasão de todo o território nacional, em novembro de 1942, a França foi dividida entre uma área ocupada pela Alemanha, no norte e uma área chamada “livre” sob o autoridade do governo de Vichy.

8  Cet aspect est développé dans un article publié par l’auteur dans la revue Cybergéo (Beauguitte, 2008).

9  Para uma visão geral de todas as restrições à circulação de pessoas, ver Noiriel , 1999, p. 162-171.

10  Nome oficial do regime de Vichy.

11  O Boletim foi fundado em 1878, 1930 marca o início da segunda série, e a aquisição do boletim do Instituto de Geografia da Universidade de Montpellier (Saussol, 1990).

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 : Capas de 1940
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6576/img-1.png
Fichier image/png, 375k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6576/img-2.png
Fichier image/png, 447k
Crédits (fonte : www.persee.fr)
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6576/img-3.png
Fichier image/png, 384k
Titre Figura 2: Zona livre e zona ocupada na França durante a segunda guerra mundial
Crédits Fonte: http://fr.wikipedia.org/​wiki/​Fichier:France_map_Lambert-93_with_regions_and_departments-occupation-fr.svg
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6576/img-4.png
Fichier image/png, 228k
Titre Figura 3: Número de páginas das revistas de geografia de 1936 a 1947
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6576/img-5.png
Fichier image/png, 11k
Titre Figura 4 : Livros recebidos pelas Annales de géographie de 1936 a1945
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6576/img-6.png
Fichier image/png, 5,5k
Titre Figura 5 : Um mapa incompletamente assinado
Légende Este mapa foi publicado em 1942 nas Annales de géographie (Emm. Martonne, ”Novo mapa global do índice de aridez.“ Annales de géographie. LI, n.288, p. 243. Jean Gottmann, um judeu, não é nomeado como co-autor, já que os alemães forçaram a revista a declarar, na primavera de 1942, a ”ausência de trabalhadores não –arianos“. Uma correção explica na primeira edição publicada após a Libertação: ”o regime de liberdade em que parecemos pela primeira vez com o número 293 permite-nos a convidar o leitor a restabelecer neste mapa a menção “desenhado por Emm. Martonne e Jean Gottmann” (p.67).
Crédits Fonte : www.persee.fr
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6576/img-7.png
Fichier image/png, 948k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Laurent Beauguitte, « Os periódicos acadêmicos de geografia francesa de 1940-1945. Entre a pobreza material e a resistência intelectual », Confins [En ligne], 10 | 2010, mis en ligne le 17 novembre 2010, consulté le 29 mars 2017. URL : http://confins.revues.org/6576 ; DOI : 10.4000/confins.6576

Haut de page

Auteur

Laurent Beauguitte

CNRS, UMR Géographie-cités, Université Denis Diderot Paris 7beauguittelaurent@parisgeo.cnrs.fr

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org