Navegação – Mapa do site

Mutações no Nordeste brasileiro: reflexão sobre a produção de alimentos e a fome na contemporaneidade

Eustógio Wanderley Correia Dantas

Resumos

Com imagem associada à fome, pobreza e atraso, o Nordeste passa atualmente por um processo acelerado de mutação, cujos resultados são evidenciados, em alguns estados, nos indicadores sociais a suplantarem a média nacional. A explicação deve-se à sua inserção na nova economia globalizada, relacionada diretamente à modificação de sua imagem internacional. Nestes termos, as fragilidades tradicionais do Nordeste, ligadas à semiaridez, são variáveis potencializadoras do desenvolvimento tanto do agronegócio como do turismo litorâneo em crescimento acelerado... Entretanto, embora apresente avanços, a política implementada não implicou em erradicação da malnutrição crônica.  

Topo da página

Entradas no índice

Index de mots-clés :

Mots-clés

Index by keywords :

Keywords

Índice geográfico :

Nordeste

Índice de palavras-chaves :

Palavras chaves
Topo da página

Texto integral

1A discussão sobre a fome é recorrente na bibliografia sobre a região Nordeste. Dentre estudos mais clássicos sobre o tema destacamos a obra de Josué de Castro (1946), “Geografia da Fome”, dedicada à compreensão da fome como um fenômeno universal em termos geográficos e resultante das distorções econômicas notadas. Referindo-se ao caso Brasileiro, descortina análise na qual o fenômeno é vislumbrado verticalmente, de um lado, denotando quadro coletivo no qual grandes massas humanas são atingidas de forma endêmica ou epidêmica e, de outro, tratando da fome total à fome oculta (parcial), fenômeno mais frequente e que implica na morte lenta de grupos de indivíduos pela falta de nutrientes essenciais em sua alimentação. De forma corajosa apresenta a fome como uma criação do homem e não como um fenômeno natural. Um dos verdadeiros tabus de nossa civilização. Para Castro (1946), o Brasil constiui um verdadeiro laboratório de investigação sobre o tema em foco, posto contar, em seu território vasto, com diferentes categorias de climas tropicais, variados tipos de organização da economia.

  • 1  Texto publicado na revista Hérodote, n. 131 (4º trimestre  2008), com o título « Les mutations du (...)

2Com vistas a desenvolver estudo sobre este tema na contemporaneidade, apresentamos abordagem a ilustrar estudo deste fenômeno na Região Nordeste, cujos traços naturais, culturais e da organização do território são mais ou menos semelhantes. Tal texto1 resulta de demanda gerada após intervenção em disciplina sobre o tema da produção de alimentos na Université de Paris IV - Sorbonne.  

3Com a evidenciação, ainda marcante na França, de quadro imagético associado à realidade socio espacial caracteristica do Nordeste dos anos 1940, estudada com propriedade por Castro, apresentamos proposta capaz de apreender as mutações atuais, condição sine qua non à inserção da região na economia mundo.

4Trabalhamos na construção de texto capaz de vislumbrar lógica de constituição do imaginário social nordestino no tempo e seu consequente desdobramento, que justifica a passagem de quadro de imagens negativas do semiárido (seca, fome, miséria...) à imagem positiva, alavancadora de novas políticas de desenvolvimento econômico pautadas no agronegócio e no turismo litorâneo. Pautado na ciência e tecnologia, o semiárido é apresentado como matiz potencializadora das novas políticas de desenvolvimento (insolação e épocas de estiagem como favoráveis ao seu reforço como região turística, insolação associada à fertilidade dos solos como potencializadora da produção de frutos tropicais).

5A lógica de organização econômica empreendida na região, pautada na produção de alimentos (açúcar) e produtos agrícolas (algodão) para a exportação  e da pequena agricultura voltada para ao atendimento do mercado interno se redimensiona. De atividade predominantemente monoculturista passamos à diversificação da pauta de exportações, com inclusão de produtos tropicais (frutas) e cereais (soja). Uma variedade e produção em massa que implica no estabelecimento da região como produtora de alimentos.

6Paradoxalmente o aumento da produtividade agrícola tão tem efeito similar na resolução da problemática da fome na região. O que perceberemos, a partir da análise comparativa entre os dados relacionando à produção agrícola na região e os indicadores de segurança alimentar, é a evidenciação de lógica de modernização que embora suscite melhoramento em alguns indicadores socioeconômicos da região (de alguns estados especificamente), não consegue solucionar a questão da fome.

Uma primeira aproximação : o Nordeste açucareiro

7Desde os primórdios da colonização portuguesa, a inserção do Brasil em escala internacional se deupautada na produção de alimentos. Diferente do ocorrido na América espanhola, os colonizadores portugueses não encontraram imediatamente produtos de alto valor de exploração como o ouro. Para lançarem política de colonização rentável, os portugueses instalaram no país grandes engenhos especializados na produção de açúcar, derivada da cana-de-açúcar trazida da Ásia.

8Os primeiros a chegarem se apropriaram de zonas cujos solos e clima eram apropriados à cultura canavieira, suscitando lógica de ordenamento do espaço pautada na grande propriedade, controlada pelos Senhores de Engenho, responsáveis pela implementação de estratégia de produção em larga escala e voltada ao atendimento de demanda do mercado europeu. Concentrados na Zona da Mata, eles trouxeram da Europa as tecnologias apropriadas e os especialistas na produção de açúcar, bem como a mão-de-obra africana, posto os índios brasileiros resistiram ao trabalho escravo. Procedendo a transformação da natureza nos termos mencionados, constroem, em três séculos (XVI, XVII, XVIII), quadro regional característico, voltado para o exterior e fundado nas cidades portuárias de Salvador e Olinda (substituída posteriormente por Recife, após o incêndio da citada pelos Holandeses).

9O Nordeste do Brasil é ocupado a partir da « Zona da Mata ». Desta zona, grupos de mestiços, integrantes da sociedade colonial portuguesa, partem para o interior do País, ocupando territórios inicialmente habitados por índios. Seguindo os rios, os caminhos de penetração antigos, se estabelecem primeiro no Agreste e, posteriormente, no Sertão.

10Neste sentido, gestam outra lógica de ocupação do território, e em complementação à da Zona da Mata, especializada na produção de produtos regionais para a região produtora de açúcar. Em primeiro momento o Agreste, região de transição entre a Zona da Mata e o Sertão, especializada na produção de grãos (arroz, feijão e milho), de mandioca e de carne (e seus derivados). Posteriormente o Sertão, cuja ocupação foi marcada tanto pelo estabelecimento de fazendas especializadas na criação de gado, como produção de grãos e mandioca para o consumo local. Reconhecida por muito tempo pelos Portugueses como região semi-árida, foi colonizada lentamente, a partir de seus vales úmidos com quantidade reduzida de gado, acompanhada por um vaqueiro (empregado do grande proprietário de terras).

11Estes vaqueiros foram os primeiros artesãos do processo de ocupação e de colonização do Sertão. De origem mestiça, conseguiram estabelecer contato com os indígenas locais, os quais lhes apoiaram em seu empreendimento. Eles são a mola motriz da emergência econômica do Sertão, fundada na produção de carne seca destinada ao mercado de Salvador e Recife.

12O sucesso da indústria da carne seca no Nordeste incita os proprietários de terra (intitulados de Coronéis) a assumirem o controle de seus domínios, diversificando, portanto, o quadro social existente. Nasce um sistema cultural denominado por José Capistrano de Abreu de Civilização do Couro, posto todos os utensílios derivarem do gado: “a porta da casa, a cama, a lona,a mochila, a vestimenta, o surrão, etc. (...) a quase totalidade dos utensílios eram confeccionados a partir do couro, em adaptação de técnicas primitivas e desajeitadas.” (ABREU, 1960).

13Consiste em quadro produzido em domínio sócio-espacial marcado por uma economia de subsistência, a ganhar terreno progressivamente à medida em que se distancia dos mercados consumidores de gado, notadamente as feiras de Pernambuco e Bahia. Assim, o espaço de produção da carne seca tem importante papel no processo de desenvolvimento do Sertão, se estabelecendo graças a uma demanda regional orientada para o Sertão e que suscita, de um lado, instalação de grandes fazendas especializadas na criação de gado e, de outro, estruturação de quadro urbano a privilegiar o reforço de centros urbanos localizados seja nos cruzamentos de vias de circulação de mercadorias, seja em locais privilegiados, por exemplo, próximos às zonas portuárias.

14Segundo Manoel Correia de Andrade, este sistema de produção criou quadro histórico favorável ao desenvolvimento de certas culturas, estruturadas no estabelecimento de relações de trabalhos específicas em cada uma das zonas em foco, e em função de suas características: a) físicas – de uma parte, espaços úmidos, de outra, espaços semi-áridos;  b) técnicas e sociais – de um lado, a cultura da cana-de-açúcar baseada no trabalho escravo e, de outro, a criação extensiva de gado fundada no trabalho livre. Ambas engendram a produção de tipos humanos diferenciados, o Senhor de Engenho e seus escravos na Zona da Mata, o Coronel e seus vaqueiros no Sertão e os pequenos produtores no Agreste (ANDRADE, 1964).

Figura 1 – regiões geográficas

Figura 1 – regiões geográficas

Fonte: Adaptado de Andrade (1964 apud DANTAS, 2000).

15O quadro de hegemonia econômica e política (das elites da Zona da Mata, dos Senhores de Engenho, em relação às elites do Sertão, os Coronéis) estremece com a Guerra da Secessão nos Estados Unidos. Esta guerra, ao impedir os americanos do norte em fornecer algodão aos ingleses, permitiu a entrada do Nordeste no mercado internacional, com a produção de algodão de fibras longas, muito apreciado em Liverpool. Para tornar o quadro mais complexo, a região Nordeste enfrenta concorrência com nova zona produtora de açúcar (estado de São Paulo), animada em seguida (nos anos 1970) pelas subvenções destinadas à produção de álcool combustível, responsável pela duplicação da produção no Centro-Sul (nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo) e, em oposição à estagnação no Nordeste (THÉRY, 2005).

Uma segunda aproximação: o Nordeste do algodão

16Se até o século XVIII não se fala senão do Nordeste da cana-de-açúcar, após o século XIX, o Nordeste do algodão se impõe. Na literatura da época, muito vinculada à geografia, dois tipos de imagens são veiculadas:

  • . a primeira, ligada ao Nordeste da cana-de-açúcar, e difundida por Gilberto Freyre, a descrever um Nordeste da Casa Grande e da Senzala, representativas, respectivamente, do Senhor de Engenho e de sua família e dos empregados e os escravos dos engenhos. Uma sociedade nascida do trabalho escravo e que prepara a natureza com uma cultura fundada no latifúndio (FREIRE, 1964);

  • .  a segunda, a do Nordeste do algodão, do semi-árido, denominada por Djacir Menezes de “O Outro Nordeste”. O trabalho livre é sua marca, apresentando-se, de um lado, o proprietário do latifúndio (Coronel) e, do outro, os vaqueiros e os pequenos agricultores que trabalham para os primeiros recebendo uma parte da produção (a metade, a terceira parte, a quarta...). Uma sociedade composta por “homens fortes”, que souberam superar as adversidades climáticas, batendo-se contra um meio impróprio(o semi-árido) e deixando suas marcas (MENEZES, 1937).

17No século XX, a imagem do Nordeste semi-árido se impõe em relação à da Zona da Mata. O poder econômico e político passam às mãos da oligarquia algodoeira do Nordeste e esta se serve de estratégias visando captar a atenção nacional, principalmente em momentos de crises climáticas, das secas.

18O estabelecimento dessa elite no poder provém da crise econômica ocorrida na região. Com a produção do algodão, a zona produtora de cana-de-açúcar perde sua supremacia. A concorrência interna no primeiro caso, as adversidades climáticas no segundo, assim como movimentos sociais no meio rural (ligas camponesas), tornam a situação da região Nordeste difícil.

19Visando se manter no poder, as elites locais (oligarquias algodoeira-pecuarista e açucareira) estabelecem alianças em escala nacional com outras elites, notadamente as do Sudeste. O intuito era o de manter o status quo na região. Segundo Oliveira (1981), essa conquista de poder se funda, na essência, na mudança de imagem característica dessa região (OLIVEIRA, 1981).

20A imagem do Nordeste propagada pelos relatos de viagem do fim do século XVIII e do início do século XIX, em que inspirou Gilberto Freyre e sua pseudo-sociologia nostálgica dos “Barões do açúcar”, é substituída pouco a pouco pela do latifúndio do Sertão, o Nordeste dos coronéis: imagem rústica, pobre, se opondo à dos salões e das noitadas do Nordeste da cana-de-açúcar. É neste sentido que nasce o Nordeste das secas: “um território condenado ao sofrimento e à pobreza por uma natureza difícil de domesticar” (CASTRO, 1997).

21Esta nova imagem (atribuída ao Nordeste brasileiro desde o fim do século XIX) relaciona-se às representações da saga do homem do Sertão face a um meio hostil. Nasce, nestes termos, um discurso de caráter determinista, com as condições de semi-aridez suscitando tanto um quadro humano associado à pobreza e à miséria, como um quadro político representativo do clientelismo. Esta representação se encontra nas interpretações romancistas. A semi-aridez é transformada em discurso da elite regional, fundada em imagem negativa. Percebida como a principal causa dos problemas da região, ela é elemento essencial na obtenção de ajuda e de subvenções do governo federal.

Um quadro simbólico reforçando a imagem negativa do Nordeste

22O discurso determinista em foco, oriundo de documentos antigos (principalmente de cartas oficiais) e de relatos de viagem, remete a um quadro natural perverso, marcado pela semi-aridez e as secas cíclicas a vitimarem o homem.  

23A partir dessa idéia fundadora, quadro socioespacial específico se evidência, marcado por um tipo de organização espacial e um sistema de atores, representativos das especificidades do ecossistema semi-árido. Culmina na apresentação do imaginário social da seca do Nordeste, como uma tragédia sócio-econômica, a formar uma consciência coletiva focada nos acasos climáticos: a natureza, apresentada como ser quase metafísico, fortemente idealizado e instrumentalizado, nos discursos da região, como sendo um obstáculo intransponível a todo progresso ou à justiça espacial (CASTRO, 1997a).  É a partir dessa premissa que a natureza, fundamento geográfico da produção, adquire papel essencial como base material de construção do imaginário sociopolítico e recurso ideológico em proveito desses atores (CASTRO, 1997b).  No primeiro caso, o imaginário aparece no momento em que a seca se torna uma referência essencial. De um lado, ela representa simbolicamente uma região (o Nordeste), tocado por uma natureza hostil que acarreta problemas socioeconômicos (a fome, a miséria, o subdesenvolvimento) e, de outro, ela cria um imaginário político socialmente homogeneizador e eficaz institucionalmente na obtenção de recursos financeiros e de poder (CASTRO, 1997a).  No segundo caso, a lógica da naturalização da realidade se funda em importante fonte ideológica utilizada pela elite local para obter ajuda e subvenções do governo central.

24Graças ao estabelecimento de acordos com outras elites regionais, notadamente as do Sudeste (acordos estabelecidos, em primeiro momento, com oligarquias do Centro-Sul e, em segundo, com a burguesia industrial), nasce no Sertão uma oligarquia agrária influente em escala regional e nacional.  

25A manutenção da estrutura agrária e a participação na burocracia estatal constituem os aspectos articulados nesta aliança e fundadores do status quo na região. Participando da burocracia do Estado, a elite adquire recursos empregados no sentido de conservar o sistema agrário. Esse sistema agrário constitui, nele mesmo, aval para o financiamento, símbolo de status familiar, garantia de preservação, na memória coletiva local e regional, da posição hierárquica do poder local (CASTRO, 1997b).

26 A oligarquia do Nordeste soube tirar proveito de discurso de caráter determinista para se inscrever em modelo de constituição do Estado nacional. Essa inserção, fundada sobre o discurso regionalista, nasce nas clivagens da dominação da Região Sudeste e representa muito mais um combate por recursos, fundado no poder simbólico de afirmação e de identidade ou solidariedade, do que verdadeiro desejo de soberania (CASTRO, 1996a).  

27Presente discurso regionalista possibilita estabelecimento de política de modernização da região pautada nas ajudas e subvenções do governo federal, sobretudo:

28Construção de vias capazes de promover a integração do Sertão ao mercado: as vias férreas, as rodovias estaduais (Ce’s), as rodovias federais (as Br’s) como também as rotas secundárias;

29Estabelecimento ou criação, sobretudo nas capitais, de organismos públicos federais de gerenciamento e de financiamento, como o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS), a Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (SUDENE), e o Banco do Nordeste do Brasil (BNB);

Política de industrialização dos anos 1960.

30Na perspectiva de se colocar em prática a organização estatal na região e de arrecadar recursos financeiros a ela referentes, a SUDENE atua no “Polígono das Secas”, cujos limites são superiores aos do Nordeste, posto incluir a parte setentrional de Minas Gerais (localizado no Sudeste do Brasil) (ANDRADE, 2006), (Figura 2).

31Figura 2 – polígono das secas

32Com a SUDENE, o Estado central reforça via única de desenvolvimento adotado no país, engajada em plano de substituição das importações dos anos de 1940 e seguida pelo governo militar, dos anos 1960 até início dos anos 1980, com política agressiva de industrialização que atinge o Nordeste nos anos de 1960. O citado reforço da industrialização, apresentada como motor de desenvolvimento econômico regional, suscitou fracos investimentos em outros domínios, como produção de alimentos e políticas de desenvolvimento do turismo, a exemplo de escolha feita em países da América Central.

33Em razão da crise do modelo de Estado moderno no Brasil, na segunda metade dos anos 1980, as políticas públicas de desenvolvimento indicadas se fragilizam. Com a reforma constitucional de 1988, tem-se a efetivação de modelo democrático de governo, delineador de política de descentralização de poder. Acontece transferência de orçamentos do Governo Central para os Estados e os Municípios brasileiros assim como a possibilidade de captação direta de recursos financeiros do exterior. Esses dois aspectos são importantes, posto nessa nova lógica os estados locais assegurarem diretamente as políticas locais de desenvolvimento. Resultou fim de modelo fundado na articulação dependente das escalas locais/regionais à nacional, na medida em que a reforma constitucional permitiu o estabelecimento de relações mais amplas, integrando a escala local diretamente à internacional.

34A mudança de imagem do Nordeste resulta da incorporação desta nova racionalidade, marcada pelo estabelecimento de conflito entre dois quadros simbólicos contraditórios a possibilitarem compreensão das relações entre a sociedade local e o meio. O primeiro quadro simbólico, o mais antigo e já abordado anteriormente, foi produzido por discurso reforçando rede de imagens negativas da região semi-árida, vítima da pobreza e da fome e em proveito da oligarquia algodoeira e pecuarista. O segundo quadro simbólico, o mais recente, pauta-se em novo discurso, apoiado nos mesmos espaços semi-áridos, mas para construir, dessa vez, uma imagem positiva, servindo aos interesses de grupo de empresários ligados ao agronegócio e ao turismo.

Uma terceira aproximação: a emergência do agronegócio no Nordeste

35Os interesses acima conduziram a uma fragmentação da região, que estremece os modos de vida característicos da região. A inserção da região em escala internacional suscita fragilização do imaginário da seca como tragédia, cujo conteúdo simbólico não tem peso na racionalidade de inclusão do Brasil no sistema mundial, como produtor de tecnologia intermediária e aberto às inovações (BECKER ; EGLER, 1993). O imaginário tradicional se acha, dessa forma, recionalmente esgotado (CASTRO, 1997b).

36Agora aparecem novos espaços de produção, aqueles associados a novos atores em escala regional, criando um espaço econômico, social e político de resistência no Nordeste. Esse espaço se funda na agricultura moderna (principalmente a irrigada) e no turismo litorâneo. Neste espaço entram em cena novos atores regionais: de um lado, um segmento importante da elite política, notadamente aqueles que possuem amplo poder de assimilação e de reprodução e, do outro, pequeno número de empresários e de funcionários da administração pública (CASTRO, 1997a).

37Emergem, desta maneira, novos discursos de caráter técnico referente ao semi-árido. De uma parte, estes discursos incidem sobre a ausência de chuvas e a taxas de luz solar como aspectos importantes e positivos no desenvolvimento da agricultura irrigada : a ausência de chuva impede os insetos nocivos de se reproduzirem, e as taxas elevadas de luz solar, associadas à fertilidade do solo, suscitariam no sensível aumento da produtividade agrícola. De outra parte, estes discursos incidem sobre as belas paisagens do litoral e os trunfos do clima (ausência de chuva e temperaturas elevadas) como mercadorias turísticas de primeira linha.

38Portanto, mesmo que estes novos atores tenham subvertido o pacto oligarquico ora colocado, eles não consegueriam tomar o poder em escala regional, diferentemente do produzido pela oligarquia tradicional. Segundo Iná Elias de Castro, estes novos atores são muito frágeis em termos políticos. Daí a necessidade de estabelecimento de alianças com políticos ou burocratas para obterem representação política (CASTRO, 1997b).

39Como a carga simbólica da fome no Nordeste não se sustenta, em comparação à situação trágica vivenciadas em outras regiões no mundo, a elite regional produz outro discurso para atrair recursos do BID e investimentos estrangeiros. A imagem de uma região habitada por miseráveis se reverte à de uma região rica em oportunidades e de natureza excepcional, totalmente adaptada à demanda internacional de alimentos e de forte valor agregado (grãos nobres e frutas tropicais), uma só questão a resolver: a do controle ao acesso à água, elemento indispensável para o desenvolvimento da agricultura irrigada.

40Nessa perpectiva, o governo desenvolve uma política de gestão de bacias hifrográficas voltada à disposnibilização de volume de água necessário aos investimentos. O projeto de transposição do rio São Francisco se inscreve nessa perspectiva, visando trazer água aos Estados semi-áridos do Nordeste, notadamente a Paraiba e o Ceará.

41Com essa política, lançada desde os finais dos anos de 1980, os Estados do Nordeste mudaram sua pauta de exportação, explorando produtos valorizados no mercado internacional. Os Pólos de Desenvolvimento Integrado (PDI’s) transformaram as zonas de várzea, os platôs e o cerrado do Nordeste em espaços privilegiados da produção agrícola, notadamente irrigada, e da produção de grãos nobres (soja). Aqui a ciência e a tecnologia dispõem de papel importante.

Os Pólos de Desenvolvimento Integrados (PDI’s) e a produção de

42A partir de financiamentos gerados pelo Banco do Nordeste do Brasil (BNB), dez pólos foram criados na região: três de produção exclusiva de grãos (Pólos Sul do Maranhão, Uruçui-Gurguéia do Piuaí e Oeste Baiano, na Bahia); cinco de irrigação de natureza mista, com uma importante produção de frutas (Pólo Cariri Cearense e Baixo Jaguaribe no Ceará, Assú-Mossoró, no Rio Grande do Norte, Alto Piranhas na Paraíba e Alto Piranhas em Pernambuco); um de cítricos (Pólo Sul de Sergipe) e um de produção leiteira (Pólo da Bacia Leiteira de Alagoas - Figura 3).

Figura 3 – pólos de desenvolvimento integrados: Nordeste do agronegócio.

image

43Nos pólos de grãos, o estado da Bahia tem o primeiro lugar na produção de feijão (44.839t, contra 1.156t e 5.829t do Maranhão e do Piauí), de milho (511.525t, contra 78.689 e 33.628 do Maranhão e do Piauí) e de soja (1.233.587t, contra 519.639t e 90.545t do Maranhão e Piauí). Em segundo lugar, o Maranhão ultrapassa os outros dois Estados na produção de arroz (53.334t, contra 27.513t e 21.970 da Bahia e Piauí). Além do mais, a Bahia cultiva algodão e café (rspectivamente 131. 581t e 26.896 t).

44Considerando a superfície cultivada e a produção obtida, percebe-se forte presença da soja. Símbolo da mudança da lógica de produção de grãos no Nordeste, essa cultura ocupa 74,3% da superfície cultivada e assume dois terços da produção de grãos nos pólos indicados e cuja exportação dá-se pelos portos de Itaqui (São Luis – Maranhão), Pecém (Ceará), Salvador e Aratu (os dois na Bahia).

45No que se refere aos pólos irrigados, se caracterizam pela importante produção de frutas, à exceção dos pólos 3 e 4 no Ceará e 6 na Paraíba, lugares nos quais se produz tanto grãos (arroz, feijão e milho) como cana-de-açúcar, mandioca e algodão. O Ceará produz feijão (25.192t), milho (120.459t), cana-de-açúcar (300.407t destinados à produção de guloseimas e bebidas tradicionais – rapadura e cachaça) e mandioca (14.123t). A Paraíba produz arroz  (15.400 t contra 2.219 do Ceará). Uma ressalva deve ser feita referente à pequena produção de algodão (2.600t no Ceará, contra 2 663t na Paraíba). A produção de frutas refere-se à banana (367.298t), manga (282.208t), melão (263.300 t), uva (172.409t), goiaba (97.781t), melancia (27.090t),  maracujá (10.200t), mamão (4.980t) e limão (9.427t). Entre os Estados produtores, Pernambuco se situado em primeiro lugar na produção de bananas (149.108t), de manga (242.429t) e de goiaba (96.629t), trata-se do único a produzir mamão, maracujá e uva. Ceará situa-se em primeiro lugar na produção de limão (9.178t). Rio Grande do Norte se volta mais à produção de melão (174.800t), sendo o único a produzir melancia (27.090t). A Paraiba produz sobretudo bananas (31.632t) e um pouco de goiaba (1.152t). Quanto ao côco, somente dois Estados se destacam: Pernambuco (123.180 frutos) e Paraíba (34.075 frutos).

46Nos pólos de produção mista (grãos, frutas e outros produtos), os territórios produtores de frutas (56.150ha.) ocupam superfície inferior àquela dos grãos e outros produtos (179.744ha.), porém suas taxas de produtividade são superiores. Sem contar com o côco, cuja produção é por unidade, as frutas representam próximo de 72% da produção total (1.234.693t, contra 483.406t de grãos e outros produtos). Estes resultados se explicam pelo emprego dos investimentos em alta tecnologia, destinados, a exemplo da região do Cerrado nordestino, sobretudo para a exportação. Somente uma pequena parte da produção fica no mercado local, seja pelas frutas não conforme as exigências rigorosas das exportações, seja pela oscilação, para menos, do preço no mercado extremo suscitar oferta maior no mercado local.

47É em Sergipe que se encontra o pólo de produção de frutas cítricas, ocupando 70% da superfície agrícola útil: 1.229.224t de laranja, seja, próximo de 95 % da produção total, mas também limão (7.720t em 932 ha.) e tangerina (4.310t em 269 ha.).

48O último pólo se especializou na criação de gado (222.436 cabeças) e de cordeiros (15.125 cabeças), os primeiros com destino às indústrias de laticínios locais, que produzem para o mercado nacional e, o segundo, a fim de responder à demanda regional por carne ovina, muito apreciada na cozinha tradicional nordestina.

49A produção de grãos nobres e de frutas está em constante evolução no Nordeste, reforçando a especialização da região em produtos valorizados no mercado internacional. No que se refere aos grãos, observa-se, de acordo com os dados da Companhia Nacional de Abastecimento-CONAB, conforme as cifras de 2003-2004 e 2004-2005, um aumento da produção de soja em todos os Estados produtores: Salvador (de 2.218 para 2.349 milhões de toneladas), Maranhão (de 924 para 1.053 milhões de toneladas) e Piauí (de 396 para 465 milhões de toneladas). Uma produção mais importante do que aquela indicada pelo Instituto Brasileiro de Greografia e Estatística – IBGE, em 2002. Ao contrário, as culturas tradicionais conhecem, grosso modo, uma evolução para baixo, e mesmo uma queda de produção. Só no Maranhão nota-se aumento na produção de arroz, passa de 802 milhões de toneladas em 2003/04 para 818 milhões em 2004/05. Mas o milho, produzido exclusivamente no estado da Bahia, baixa de  1.657 millhões de toneladas em 2003/04 para 1.441 em 2004/05. Quanto ao feijão, cultivado em três Estados (Bahia, Ceará, Paraíba), se mantém em baixa (ver Figura). Somente o café aumenta sua produção na Bahia: 1.780 milhões de toneladas em 2003/04 para 2.260 em 2004/05.  

Figura 4 – produção de grãos no Nordeste.

image

Fonte : CONAB, 2004.

50Quanto às frutas, sua tendência segue a da soja, porém se mostra mais dinâmica ainda, em razão da forte demanda do mercado internacional, dado a suscitar inclusão de novas variedades na pauta de exportação dos estados e em tempo recorde. É desta forma que o abacaxi surge em 2003 na Paraíba (270.909t), Bahia (115.116t), Rio Grande do Norte (91. 581t), Maranhão (39.236t), Pernambuco (21.955t), Alagoas (12.577t), Sergipe (11.020t), Ceará (922t) et Piauí (454t) (Figura 5). Algo semelhante ocorre com o figo.   

Figura 5 - produção de frutas no Nordeste

image

Fonte : IBGE/PAM, 2003.

51Com a implantação dos PDI’s no Nordeste e os investimentos científicos e tecnológicos dos quais se beneficiou, a região conseguiu se inserir no mercado internacional como produtor de grãos e frutas tropicais, sem, no entanto, solucionar a questão da fome.

Região a alimentar o mundo com problemas de desnutrição

52Doravante a exploração agrícola do Nordeste não é um negócio orientado à demanda por alimentação na região, mesmo se as culturas tradicionais persistam em pequenas explorações realizadas por agricultores pobres e voltadas à subsistência.

53As políticas de desenvolvimento adotadas no Nordeste, as antigas como a industrialização ou recentes como a atividade turística e o agronegócio, culminaram na efetivação de melhores indicadores econômicos. A renda de certos Estados da região ultrapassa a média nacional. Em termos de PIB por habitante, por exemplo, cinco Estados nordestinos entre os nove têm um PIB por habitante igual ou superior ao do Brasil (U$3.311): Sergipe (U$5.082), Bahia (U$4.629), Pernambuco (U$4.482), Rio Grande do Norte (U$4.039) e a Paraíba (U$3.311) Quatro dos nove estados ficam abaixo: Ceará (U$3.129), Alagoas (U$3.012), Piauí (U$2.113) e, por último, Maranhão (U$1.949) (IBGE,2004).

54Paradoxalmente, a desnutrição persiste, mesmo com as elites políticas locais não mais lucrando, como no passado, com a indústria da seca para captar financiamentos federais. Se, até os anos 1980, a fome exercia papel central na captação dos investimentos do governo central; a partir dos anos 1990, pelo contrário, ela se transforma em um mal a ser superado, não em razão de uma tomada de consciência das elites locais, mas por conta dos organismos internacionais manifestarem, atualmente, desconfiança em relação aos beneficiários da fome, aqueles a captarem tradicionalmente os financiamentos e no sentido de reforçar seu poder político na ocasião de cada crise alimentar (BRUNEL, 2002).

55Entretanto, a desnutrição persiste no Nordeste. Segundo pesquisa realizada em 2004 pelo IBGE, próximo de dois terços (65%) dos 52 milhões de famílias brasileiras estudadas (109 milhões de habitantes) eram beneficiárias de uma situação de segurança alimentar: elas tinham acesso, nos 90 dias precedentes ao estudo, a alimentos em quantidade e em qualidade suficientes e não temiam as restrições nesse domínio no futuro. No outro extremo, a maioria, superior a um terço restante (35 %, ou seja, 72 milhões de pessoas) sofria de insegurança alimentar, qualificada de leve (16%), moderada (12,3%) e aguda (6,5%). O que significa que as referidas pessoas conheciam regularmente a fome, às vezes diariamente. Nesse domínio, o Nordeste ocupa o primeiro lugar: menos da metade dos lares (45,4%) estão isentos da insegurança alimentar. A má nutrição leve alcança 19,5%, a moderada 21,6%, a grave 12, 4% (ou seja, próximo do dobro da média nacional).

Figura 6 – a fome no Brasil: segurança e insegurança alimentar

Figura 6 – a fome no Brasil: segurança e insegurança alimentar

Fonte: IBGE - PNAD, 2004.

56No Nordeste, considerando número de lares em situação de segurança alimentar, 8 dos 9 Estados se encontram abaixo da média nacional: Maranhão (30,9%), Piauí (36,5%), Rio Grande do Norte (39,6%), Ceará (44,2%), Paraíba (46,7%), Pernambuco (48,7%), Bahia (49,7%) e Alagoas (55,3%). Somente Sergipe se situa acima (73,8%). Tal dado evidencia que a grande maioria dos habitantes do Nordeste, vivem constantemente em situação de insegurança alimentar, conhecendo, nestes termos, a má alimentação em seus três níveis: leve, moderado e grave, significando ser a fome companheira do seu dia-a-dia. Nas condições mais extremas, a insegurança alimentar grave, os Estados mais tocados por ordem decrescente em termos de lares são: Maranhão (18%), Paraíba (15,1%), Rio Grande do Norte (13,9%), Ceará (13,5%), Bahia (12,1%), Piauí (10,8%), Pernambuco (10,6%) e Alagoas (9,3%). Somente Sergipe, uma vez mais, com 3,7 %, está situada acima da média da região (12,4%)  e mesmo do  Brasil (6,5%).  

Figura 7– a fome no Nordeste : segurança e insegurança alimentar

Figura 7– a fome no Nordeste : segurança e insegurança alimentar

Fonte: IBGE –PNAD, 2004.

Considerações Finais

57O Governo Federal investiu em políticas sociais de naturezas diversas: aposentadoria para os homens do campo (política nascida inicialmente nos anos de 1960-1970, com o Fundo de Assistência e Previdência ao Trabalhador Rural -  FUNRURAL), auxílios sociais globais (habitantes rurais e urbanos) convertidos no “Bolsa Família” (políticas dos anos 1980-2000).  As especificidades do Nordeste tornam este tipo de ajuda particularmente importante: dos 8 milhões de lares brasileiros a receberem ajuda social governamental, mais da metade (51,2%) se encontram no Nordeste, contra 22,7% no Sudeste, 10% no Sul e 6,5% no Norte e Centro-Oeste (PNDA-2004).

58 No Brasil, as políticas públicas mais antigas, iniciadas com o FUNRURAL (1960-1970), beneficiaram pessoas idosas. Detentoras de aposentadorias tornam-se menos afetadas pela má nutrição: por volta de 72% não conhecem a insegurança alimentar. Esta situação se observa no Nordeste, embora em menor escala, 56%.

59As políticas voltadas para as populações mais jovens são muito recentes para suscitarem resultados semelhantes. No Nordeste, a segurança alimentar nos lares contando com menores de 18 anos é a mais baixa. Para o Brasil, a metade das crianças (49,5% de 0 à 4 anos e 51,7% de 5 a 17 anos), para o Nordeste menos de um terço (respectivamente 32,5% e 33,4%) (PNAD, 2004).

Gráfico 3 – segurança alimentar no Brasil por faixa etária

Gráfico 3 – segurança alimentar no Brasil por faixa etária

Fonte:  IBGE –PNAD, 2004.

60Em contrapartida, as políticas salariais adotadas não mereceram atenção especial. O setor informal cresceu e o salário mínimo nacional (U$ 264,70) não propicia a seus titulares condições de segurança alimentar (para o Brasil 60,4%, 36,4%, 17,5% e 32%, respectivamente, para aqueles que recebem de meio a um salário mínimo, entre um quarto e meio salário, menos de um quarto do salário e os sem renda); para o Nordeste as cifras são menores (53%, 31,5%, 14,5% e 23%, na amostra indicada).

Gráfico 4 – segurança alimentar no Brasil de acordo com as rendas por habitante (salário mínimo).

Gráfico 4 – segurança alimentar no Brasil de acordo com as rendas por habitante (salário mínimo).

Fonte: IBGE – PNAD, 2004.

61Do apontado por Castro (1946) pouco avançamos ? É verdade que o tema deixou de ser tabu, que não é mais apropriado pelas elites políticas como reforço ao intento de obter recursos para garantir seu o status quo. No entanto, a problemática da má nutrição persiste com outra roupagem, não mais vinculada, como outrora, às intempéries climática, foi transformada em problema nacional, resultado de quadro socioeconômico característico dos países em via de desenvolvimento que não resolveram problemas concernentes à concentração de riquezas e de terras.

62Lamentavelmente as intervenções do governo não suscitaram grandes mudanças na tônica clássica da concentração de renda no pais e na região. As políticas sociais implementadas tiveram um escopo reduzido, ou seus resultados ainda não se fizeram sentir.

Topo da página

Bibliografia

ABREU, José Capistrano de. Os caminhos antigos e o povoamento do Brasil. Fortaleza: Livraria Briguiet, 1960.

ANDRADE, Manuel Correia de. A terra e o homem no Nordeste. São Paulo: Editora Brasiliense, 1964.  

ANDRADE, Manuel Correia de. Sertão ou sertões: uma homenagem a Euclides da Cunha, in: SILVA, J. B.; DANTAS, E. W. C.; ZANELLA, M. E.; MEIRELES, A. J. A. Litoral e sertão: natureza e sociedade no nordeste brasileiro. Fortaleza: Expressão Gráfica, 2006.

BRUNEL, Sylvie. Famine et Politiques, Presses de sciences po, 2002

BRUNEL, Sylvie. Le Nordeste brésilien, les véritables enjeux, LSF, 1986

CASTRO, Josué. Geografia da fome: a fome no Brasil. Rio de Janeiro: O Cruzeiro, 1946.  

CASTRO, Iná Elias. Imaginário político e território : natureza, regionalismo e representação, in : Castro, Iná Elias de et al (sous la direction de), Explorações geográficas. Rio de Janeiro : Bertrand Brasil, 1997a.

CASTRO, Iná Elias. Seca versus seca, novos interesses, novos territórios, novos discursos no Nordeste, in : de Castro, Iná Elias et al (sous la direction de), Brasil – questões atuais da reorganização do território. Rio de Janeiro : Bertrand Brasil, 1997b.   

CLAVAL, Paul. La Fabrication du Brésil,Belin, 2004.

COMUNIDADE DO COMÉRCIO EXTERIOR, TRANSPORTES E LOGÍSTICA (COMEX). Disponible: http://www.comexnet.com.br /etapas.htm> (10/ dez./ 2005).

CONAB. Indicadores Agropecuários 2005. Disponível: www.conab.gov.br (10/ dez./ 2005).

DANTAS, Eustogio W. Fortaleza et le Ceará. Essai de geopolitique d’un pays de colonisation tardive: de la découverte à la mutation touristique contemporaine. Thése de doctorat. Universté de Paris IV – Sorbonne, Paris, 2000.

DANTAS, Eustogio W. Nordeste brasileiro fragmentado: de uma região com bases naturais a uma de fundamentação económica, in: SILVA, J. B.; DANTAS, E. W. C.; ZANELLA, M. E.; MEIRELES, A. J. A. Litoral e sertão: natureza e sociedade no nordeste brasileiro. Fortaleza: Expressão Gráfica, 2006.

Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária – INFRAERO. Anuário Estatístico da Embratur, 2002. Disponible:  www.embratur.gov.br (10 jan. 2006).

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Pesquisa da Pecuária Municipal, 2002.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Produção Agrícola Municipal, 2003.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Contas Regionais 2001 e 2002. Disponible: www.ibge.gov.br (05 dez. 2005).

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. – PNAD (Pesquisa Nacional Por Amostra de Domicilios), 2004.

MENEZES, Djacir, O Outro Nordeste : ensaio sobre a evolução social e política do Nordeste da "civilização do couro" e suas implicações históricas nos problemas gerais. Fortaleza : UFC, 1995, 203 p. [1ere édition : 1937]

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR – MDIC, 2004. Disponible: <http://www.portaldoexportador.gov.br> (05 dez. 2005).

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR – MDIC, 2004. http://www.portaldoexportador.gov.br>. 05 dez. 2005.

MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES. Terminais portuários. http://www.transportes.gov.br/. 10 dez. 2005.

OLIVEIRA, Francisco de. Elegia para uma re(li)gião - SUDENE, Nordeste, planejamento e conflito de classes. Rio de Janeiro : Paz e Terra, 1981.

SILVA, José Borzacchiello da. Pelo retorno da região: desenvolvimento e movimentos sociais no Nordeste contemporâneo. In: EGLER, C.; CASTRO, I. E.; MIRANDA, M. Redescobrindo o Brasil:500 anos depois. Rio de Janeiro Bertrand Brasil, 1999.

THERY, H. Le Brésil, Armand Colin, 2005.

THERY, H. Le sucre brésilien revitalise par la production  d’alcool combustible. In: ALBRECHT, D.; BABY-COLLIN, V.; DESMULIER, D.; MACIA, M.-C.; ALBRECHT, C. M.; SIERRA, A.; THÉRY, H.; VELUT, S. L’Amérique Latine. Paris: CNEP-SEDES, 2005.

VIDAL DE LA BLACHE, Paul. Principes de géographie humaine. Paris : Éditions UTZ, 1995. (première édition 1922)

Topo da página

Notas

1  Texto publicado na revista Hérodote, n. 131 (4º trimestre  2008), com o título « Les mutations du Nordeste du Brésil ».

Topo da página

Tabela das ilustrações

Título Figura 1 – regiões geográficas
Créditos Fonte: Adaptado de Andrade (1964 apud DANTAS, 2000).
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6686/img-1.png
Arquivo image/png, 14k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6686/img-2.jpg
Arquivo image/jpeg, 24k
Título Figura 6 – a fome no Brasil: segurança e insegurança alimentar
Créditos Fonte: IBGE - PNAD, 2004.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6686/img-6.jpg
Arquivo image/jpeg, 60k
Título Figura 7– a fome no Nordeste : segurança e insegurança alimentar
Créditos Fonte: IBGE –PNAD, 2004.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6686/img-7.jpg
Arquivo image/jpeg, 72k
Título Gráfico 3 – segurança alimentar no Brasil por faixa etária
Créditos Fonte:  IBGE –PNAD, 2004.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6686/img-8.jpg
Arquivo image/jpeg, 40k
Título Gráfico 4 – segurança alimentar no Brasil de acordo com as rendas por habitante (salário mínimo).
Créditos Fonte: IBGE – PNAD, 2004.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6686/img-9.jpg
Arquivo image/jpeg, 25k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência electrónica

Eustógio Wanderley Correia Dantas, « Mutações no Nordeste brasileiro: reflexão sobre a produção de alimentos e a fome na contemporaneidade », Confins [Online], 10 | 2010, posto online em 17 Novembro 2010, Consultado o 16 Abril 2014. URL : http://confins.revues.org/6686 ; DOI : 10.4000/confins.6686

Topo da página

Autor

Eustógio Wanderley Correia Dantas

Prof. da Pós-Graduação em Geografia da Universidade Fedearal do Ceará – BrasilBolsista Produtividade do CNPqedantas@ufc.br

Artigos do mesmo autor

Topo da página

Direitos de autor

© Confins

Topo da página