Navigation – Plan du site

Território no mundo A’uwe Xavante

Territoire dans le monde A’uwe Xavante
Territory A’uwe Xavante’s world
Maria Lucia Cereda Gomide

Résumés

Cet article a pour objectif de discuter la conception du territoire et de la territoralité du peuple Xavante. L'aire géographique de cette recherche correspond aux terres indigènes Xavante dans l’Est de Mato Grosso, ce peuple compte actuellement autour de 14 mille personnes, distribuées en neuf Terres Indigènes (TI) qui sont  Sangradouro, São Marcos, Areões, Pimentel Barbosa, Parabubure, Chão Preto, Ubawawe, Maréchal Rondon, Marãiwatsede.
L'histoire de ce peuple a été marquée par migrations dans les savanes du Centre Ouest, où ils cherchent à vivre sans le contact avec le monde des « Blancs ». Mais l’occupation de la région par l’État Brésilien, principalement avec la « marche vers l’Ouest » dans les années 1930, a fait que le territoire indigène soit envahi et encerclé, gérant des sérieux conflits, ce qui a amèné la délimitation des terres indigènes Xavante dans les années 1970. On a alors compris que la reproduction physique et culturelle des peuples indigènes dans leurs territoires est, en grande partie conditionnée par une délimitation des territoires indigènes qui prenne en compte la territorialité et le mode de vie indigène. Ce n'est pas ce qui s'est passé dans le cas dans du territoire Xavante.
La délimitation du territoire des Xavante en « îles » séparées a causé d’innombrables conflits socio-environnementaux, altérant leurs modes de vie. Reconstruire le territoire indigène qui a été maladroitement et intentionnellement morcelé est un grand défi politique pour le peuple Xavante.
Le territoire indigène inclut les relations de possession de l’espace, qui possèdent plusieurs dimensions : politique, culturelle, symbolique et même cosmologique pour un peuple indigène. D’un autre côté, la Terre Indigène est une catégorie produite dans le processus politique-juridique de l’État. Ainsi, à partir du contact entre les peuples indigènes et la société environnante apparaît un conflit, puisque des logiques distinctes se confrontent.

Haut de page

Entrées d’index

Index géographique :

Mato Grosso

Índice de palavras-chaves :

Xavante, território, territorialidade, cerrados, terra indígena
Haut de page

Texte intégral

  • 1  O artigo está baseado em minha tese de doutorado Marãnã bödödi : a territorialidade Xavante nos ca (...)

1O presente artigo1 tem como objetivo discutir o território indígena Xavante e sua territorialidade nos cerrados matogrossenses. O Xavante juntamente com os Xerente formam o grupo Akuen, pertencem ao tronco lingüístico Macro-jê, e se autodenominam como A’uwe. O povo Xavante vive atualmente no estado do Mato Grosso, em nove terras indígenas : Marechal Rondon, Sangradouro, São Marcos, Parabubure, Ubawawe e Chão Preto, Areões, Pimentel Barbosa e Marãiwatsede. Sua população é aproximadamente 14 mil pessoas, distribuídas de forma irregular em diversas aldeias nas terras citadas.

Tabela 1- Dinâmica populacional por Terra Indígena [1977-2003]

Terras Indígenas

1977 [Funai]

1980 [Funai]

1984 [Funai]

1988 [Funai]

1996 [Prodeagro]

1998 [Prodeagro]

2000 [DSEI]

2003 [DSEI]

Areões

303

347

511

594

759

855

913

1028

Marechal Rondon

111

120

215

237

376

447

433

500

Parabubure

Chão preto, Ubawawe

1.066

1.179

2.104

2.697

3.162

4.320

3.883

4.502

Pimentel Barbosa

266

269

526

673

1.068

1.139

1.361

1.570

Sangradouro

548

497

446

524

807

1.156

933

1.188

São Marcos

1.010

993

1.032

1.366

1.813

2.304

2.078

2.443

TOTAL

3.304

3.405

4.834

6.091

7.985

10.221

9.601

11.231

Fonte : ISA, 2009 *Marãiwatsede litígio no processo de regularização fundiária

2Como visto na tabela acima, há um aumento da população Xavante em todas as Terras Indígenas tendo, portanto, uma recuperação demográfica alguns anos após o contato com a sociedade envolvente.

Área de estudo

3A área de estudo é o território Xavante no leste matogrossense, (ver figura 1), que hoje está em parte situado nas terras indígenas acima citadas. Estas terras indígenas localizam-se nos cerrados, sendo apenas a T.I. Marãiwatsede encontra-se em área de transição cerrados- floresta amazônica. Na bacia do rio das Mortes estão situadas quatro destas terras indígenas: Sangradouro, São Marcos, Areões e Pimentel Barbosa, interligadas por este rio, o qual é o mais importante afluente da margem esquerda do Araguaia. Em seu território tradicional, um importante marco é a Serra do Roncador que é o divisor das bacias hidrográficas do Araguaia e do Xingu.

Tabela 2 - Situação fundiária das Terras Indígenas Xavante

Terra indígena

Área (hectares)

Município

Situação fundiária

T.I.Marãiwatsede

168.000

Alto da Boa Vista

Homologada

T.I.Pimentel Barbosa

328.966

Água Boa

Canarana

Ribeirão Cascalheira

Homologada

T.I. Areões

218.515

Nova Xavantina

Homologada

T.I. Areões I

24.450

Água Boa

Demarcada

T.I. Areões II

16.650

Água Boa

Demarcada

T.I. Marechal Rondon

98.500

Paranatinga

Demarcada

T.I. Parabubure*

224.447

Campinápolis

Água Boa

Homologada

Chão Preto

8.060

Campinápolis

Homologada

Ubawawe

51.900

Novo São Joaquim

Homologada

T.I. Sangradouro

100.280

General Carneiro

Poxoréu

Homologada

T.I. São Marcos

188.478

Barra do Garças

Demarcada

Fonte :ISA,2008*Obs : A T.I. Parabubure teve seus limites revistos com a regularização das T.I. Chão Preto e Ubawawe

Figura 1 - Localização das Terras Indígenas Xavante –MT

Figura 1 - Localização das Terras Indígenas Xavante –MT

Org. Maria Lucia C.Gomide e Marcelo Silva, 2007.

Procedimentos metodológicos

4A pesquisa fundamenta-se, nos procedimentos de uma pesquisa participante, no conhecimento adquirido ao longo dos anos de trabalho como assessora da Associação Xavante Warã. A metodologia utilizada na pesquisa teve além da pesquisa documental e dos levantamentos bibliográficos, o trabalho de campo nas terras indígenas e entorno. A partir dos trabalhos de campo adquirimos o conhecimento de parte do território Xavante, aprofundamos o entendimento sobre a sociedade estudada ; como parte do procedimentos registrou-se depoimentos e entrevistas realizadas nas aldeias com homens e mulheres Xavante, na maioria com os mais idosos, e posteriormente feita tradução por aqueles que são bilíngües. O acesso às informações, portanto, na forma como se deu este trabalho, foi feito por meio dos dados produzidas ao longo da vivencia de projetos

5Salienta-se também a importância do conhecimento do entorno das terras indígenas, questão fundamental do estudo.

6De acordo com Gajardo 1986 (apud Rodrigues, 2001, p. 15), a pesquisa participante na America latina teve como fundamento a crítica às injustiças sociais e ambientais provocadas pelo desenvolvimento do capitalismo no contexto das ditaduras. “As estratégias de pesquisa-ativa, pesquisa temática, pesquisa ação, pesquisa militante [...] possuíam orientações diversas, muitas vezes opostas. Por principio geral, a pesquisa-participante procurava desenvolver um estilo de pesquisa que rompesse com a relação sujeito-objeto da pesquisa acadêmica tradicional, substituindo-a por uma relação sujeito-sujeito.” (Rodrigues, 2001, p. 15)

7Nesta discussão sobre a pesquisa participante, lembramos da contribuição teórica de Brandão (2001, p. 54,55), em suas palavras :

“para se obter ‘ritmo e equilíbrio de ação-reflexão’(...), é necessário que o conhecimento faça um movimento espiral, onde o (...) “pesquisador vai das tarefas mais simples para as mais complexas e do conhecido para o desconhecido, em contato permanente com as bases sociais. [...] em seguida os dados são restituídos às bases de uma forma mais consistente e ordenada, estudam-se as conseqüências desta restituição, e assim por diante, indefinidamente, mas de maneira equilibrada, determinada pela própria luta e por suas necessidades.”  

8Na presente pesquisa é importante inserir as pesquisas antropológicas,pois existe a necessidade do contato ao partilhar o cotidiano da comunidade estudada, considerando o seu espaço e o seu tempo, aproximando assim da ”pesquisa em ritmo lento” do etnólogo, muitas vezes de longo tempo até que se adquira a confiança necessária.

9Estas pesquisas antropológicas são definidas como “participação observante” (Turner, 1991), ou “antropologia implicada” (Albert, 1995b), nestas o “engajamento e a intervenção antropológica constituem, cada vez mais, uma dimensão social e política elementar do trabalho de campo dentro da etnologia das minorias – muitas vezes relegada a um plano inferior. A antropologia está, assim, cada vez mais orientada, no curso das últimas décadas, para um tipo de pesquisa onde o projeto histórico dessas sociedades face ao Estado define um parâmetro fundamental da pesquisa.” (Siqueira, 2006)

10De acordo com Clifford 2002, o método etnográfico é representado pela observação participante, que surgiu de uma fusão entre a “experiência pessoal intensa e analise científica”, embora entendido de maneiras diferentes, este método caracteriza a antropologia.

“a observação participante serve como uma fórmula para o contínuo vaivém entre o interior e o exterior dos acontecimentos : de um lado, captando o sentido de ocorrências e gestos específicos, através da empatia ; de outro, dá um passo atrás, para situar esses significados em contextos mais amplos.” (Clifford, 2002, p.32- 34)

Breve relato sobre história Xavante – formação do território

11 A história Xavante tem dois períodos distintos e dois contatos “oficiais” com o waradzu (“branco”). O primeiro, quando viviam na então Província de Goiás e foram aldeados no Carretão. O segundo período inicia-se quando se estabelecem já em terras do Mato Grosso.

12Os Xavante vivem na região do leste mato-grossense desde o século XIX, embora existam controvérsias sobre a data de sua fixação nestas terras. O período provável é entre 1800 e 1840, quando atravessaram os rios Araguaia, Cristalino e das Mortes. Este fato sempre relembrado como parte de sua história como um evento histórico mitificado, quando teria ocorrido a separação dos Xavante e Xerente.(Lopes da Silva,1986)

13Antes, porém, viveram por séculos nos cerrados do centro-oeste, numa ampla área que, de acordo com as fontes de viajantes e cronistas, e do mapa etno-histórico de Curt Nimuendaju, seria habitado pelos Jê centrais, que formam o grupo Akuen (Xavante, Xerente, Xacriabá, Acroá) onde hoje situam-se os estados de Minas Gerais, Goiás, Tocantins chegando provavelmente até o Maranhão.

Primeiro período - os Xavante em Goiás, aldeamento e migrações

14As primeiras notícias sobre os Xavante trazem informações sobre sua localização entre os rios Araguaia e Tocantins no século XVIII, a primeira delas em um mapa de 06 de abril de 1751 (Lopes da Silva, 1992, p. 363), a outra sobre os conflitos vividos por moradores do Tocantins próximos ao território Xavante.(Chaim,1983, p. 60 apud Lopes da Silva,1992) vinda de missionários em 1749. Datada de 1762, a terceira notícia, que aparece na carta do governador da província de Goiás D. João Manoel de Mello, em que os Xavante são localizados próximo a Crixás e Tesouras (entre os rios Araguaia e Tocantins), onde se lê que houve conflitos entre Xavante e garimpeiros.

15Em outra carta de 1769, o governador escreve que os conflitos que ocorreram no arraial Tesouras são devido a assaltos de Kayapós e Xavante e ainda tenta justificar a guerra ofensiva acusando os jesuítas de “instigadores de tribos até então pacíficas”.

16A política dos aldeamentos oficiais é implantada após inúmeros conflitos com os povos indígenas, no denominado “ciclo de caça ao índio” durante o bandeirismo, que durou mais de um século levando o terror e violências contra os indígenas.  As entradas e bandeiras que “no final do século XVII possuía inúmeros roteiros dos caminhos já percorridos” (Ravagnani,1991, p. 17) tinham a intenção de exploração das minas de ouro e escravização indígena para que estes trabalhassem em garimpos de Minas Gerais e Goiás.

17Pela agressividade e a longa duração, as consequências das bandeiras foram a degradação, de população e extinção de inúmeros povos indígenas. Assim, por volta de 1725, todo o sertão de Goiás já havia sido percorrido pelos bandeirantes ; nesta época os povos indígenas eram tratados como “gentios” de forma genérica e por este motivo não se encontram registros sobre os Xavante especificamente. Mas é provável que ocorreram confrontos pois seu território foi intensamente invadido (Ravagnani, 1991, p. 24).

18Com a mudança na política indigenista do governo de Jose de Vasconcellos, os aldeamentos foram repovoados e receberam outros povos como os Xacriabá, em 1775, outros como o caso do Javaé procuram por conta própria serem aldeados.

19O próximo governador da província de Goiás, Luiz da Cunha Menezes, dedicou-se à pacificação dos considerados “temíveis” Kayapó e devido a sua vitoria passou à conquista da pacificação dos também “temíveis” Xavante.

20Esta “conquista” dos Xavante demorou quatro anos de 1784 a 1788, quando foram finalmente aldeados juntamente com outros povos indígenas na aldeia Pedro III, do sítio do Carretão-GO (Drumond, 1951 apud Ravagnani op.cit.), o qual não esperava um numero tão grande de população, segundo consta no documento referido, seriam os Xavante a maior população até então encontrada na região e por este motivo de muito temor e espanto.

finalmente com seis meses de marcha dentro da Capitania por não lhe permitir o seu grande peso andarem mais de meia légua por dia (..) nesta figura entrou esta grande família na aldeia de Pedro III, no dia 7 de janeiro de 1788, cuja multidão jamais se tinha visto nesta capitania ...(Freire, 1790 :18-19).

21No final deste registro de Freire (1790), é enfatizado que a partir daí as terras ficaram livres de “bárbaros” e assim seria possível a exploração de ouro e outras riquezas. Uma epidemia de sarampo logo acometeu os Xavante e muitos morreram, após a qual voltaram a viver na aldeia, até que os maus tratos e violências cometidas pelos brancos fazem com que retornem as migrações. Mas desta vez fugindo para mais longe atravessando os rios Araguaia, Cristalino e, por fim, o rio das Mortes, em terras do Mato Grosso. As aldeias criadas nesse período das travessias são : Duaró, Maratobré, Wededze, e Tsõrepré a qual calcula-se sua criação aproximadamente entre os anos 1890, 1920 (ver figura 2). Esta ultima aldeia tem grande importância na historia xavante, considera-se como a “aldeia-mãe”. A partir desta, e como parte da dinâmica política e territorial os grupos Xavante se dividem e constroem novas aldeias. A partir de então, se constituiu seu território, tendo como eixo de ligação a bacia do rio das Mortes.

Figura 2 – Migrações Xavante de Goiás para o Mato Grosso

Figura 2 – Migrações Xavante de Goiás para o Mato Grosso

Organização: Fernando Kawakubo & Maria Lúcia C. Gomide (2007).

Segundo período- história e geografia Xavante percursos no Mato Grosso - histórias entrelaçadas

... cada uma das sociedades indígenas elabora à sua maneira e em vários registros sua entrada na modernidade. Em pensamento, palavras, ações e omissões, cada uma participa da construção de sua História, de nossa História.

Por varias vezes, em lugares e momentos diferentes, grupos indígenas declararam ter ‘pacificado os brancos’, arrogando para si a posição de sujeitos e não de vítimas. “Pacificar os brancos’ significa várias coisas situa-los, aos brancos e aos seus objetos, numa visão de mundo, esvazia-los de sua agressividade, de sua malignidade, de sua letalidade, domesticá-los, em suma ; mas também entrar em novas relações com eles e reproduzir-se como sociedade, desta vez não contra, e sim através deles, recrutá-los em suma para sua própria continuidade (Carneiro da Cunha, 2000 :7).

22A segunda “pacificação” dos Xavante ou o contato permanente entre eles e a sociedade envolvente não ocorreu de uma só vez e com unanimidade de todos os grupos Xavante. (Lopes da Silva,op.cit.)

23O percurso dos diferentes grupos levou-os a terem destinos diferenciados na relação com os “brancos”, determinando mais tarde a demarcação de suas terras como terras indígenas.

Antecedentes dos primeiros contatos e da ‘pacificação’ Xavante

24Uma das primeiras tentativas de contato com os Xavante no Mato Grosso foi feita pelo padre Hipólito Chovelon. Este descreveu a atuação dos missionários salesianos na busca da ‘pacificação’ dos Xavante. Estes relatos contam as aproximações entre a expedição deste missionário e um grupo de Xavante que estava vivendo próximos ao rio das Mortes, na década de 1930. A missão consegue se estabelecer com sede em São Domingos e construída pequena vila, esse período foi sem incidentes com os Xavante. Alguns anos depois o SPI- Serviço de proteção ao índio entra em cena e o missionário acaba por se retirar.

25O SPI- Serviço de proteção ao índio, estava tentando uma aproximação com os Xavante, em setembro de 1941, o missionário encontra-se com Pimentel Barbosa chefe da expedição ‘rumo às aldeias nas encostas da Serra do Roncador”(Sbardallotto,1996, p. 38). Os Xavante reagiram defendendo suas terras quando seu território foi invadido, Pimentel e parte de sua expedição são mortos.

26Por esta época estava se desenvolvendo a política de ocupação do centro-oeste, do governo Vargas, que cria a Expedição Roncador–Xingu e a instituição da Fundação Brasil Central (FBC) no contexto da “marcha para o oeste”. Ao penetrar em território Xavante a FBC passa a ter um convenio com o SPI, com o objetivo de avançar pelos “espaços vazios” expandindo o território nacional, desconsiderando que invadia os territórios indígenas. Dentro desta política o SPI, estabeleceu 24 Postos Indígenas de Atração (PIA), destes cinco localizados no Mato Grosso.

Troca de presentes entre grupos locais xavante e o Serviço de Proteção ao Índio (SPI)

Troca de presentes entre grupos locais xavante e o Serviço de Proteção ao Índio (SPI)

 Foto: Lamônica/Museu do Índio (1951) http://pib.socioambiental.org/​pt/​povo/​xavante

A ‘Marcha para o Oeste’ adentra território Xavante

  • 2  Segundo Lefebvre, dominação e apropriação deveriam caminhar juntas, ou melhor, esta última deveria (...)
  • 3 A expedição Roncador–Xingu criada pelo Decreto-lei nº 5.801 de 8 de setembro de 1943, durante o gov (...)

27A ‘Marcha para o Oeste’ foi promovida pelo governo federal através da Expedição Roncador-Xingu2 e a Fundação Brasil Central3-FBC, entre os anos 1943-1967, com o objetivo de colonização do centro –oeste brasileiro. Com toda a sua carga ideológica de ocupação dos espaços vazios, entra em território Xavante em 1944, e inicia a colonização.

A proposta da Marcha para o Oeste induzia a idéia de uma segunda conquista do território pátrio, animando uma nova onda expansionista agora impulsionada pelo ideal da modernização. Observa se a incorporação material das novas terras sendo novamente acompanhada pela violência que marca o avanço da frente pioneira, e de novo conhecendo uma apropriação simbólica do processo que o interpreta como uma nova epopéia na construção do país (Moraes, 2002).

  • 4  Posteriormente transformada na Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste- SUDECO, de 196 (...)

28Surgem núcleos como Xavantina às margens do rio das Mortes, no centro do território Xavante4. “isso aqui era só um rio, passava aí o rio, rapaz, só tinha índio nesse beira de rio, só índio, você só via índio, alguns moradores nessa beira de rio aí muito pouco (Aragaças outubro/1996, depoimento de pioneiro da ERX a Lima Filho, 2001, p. 150)”.

29Em relação aos Xavante, verifica-se que seus territórios eram justamente áreas onde havia interesse na prospecção de minerais. Na região compreendida entre Aragarças até o rio das Mortes, a Expedição entra em território Xavante, e este acontecimento foi amplamente divulgado pela imprensa :

Após varar a Serra do Roncador, estabelecer contato com os Xavante e estabelecer sede em Aragarças, a Expedição chega à região dos formadores da bacia do Xingu, ganha então destaque a atuação dos irmãos Villas-Boas, que participam da atração dos Xavante (Menezes, op.cit., p. 33).

Xavante e SPI- frente de atração de Meireles atingem o rio das Mortes em 1944

30Em 1944, o sertanista Francisco Meirelles, do SPI é enviado para chefiar a 2ª turma de atração dos Xavante no rio das Mortes (Freire, op.cit.), sua equipe obteve a confiança dos índios que responderam positivamente à aproximação, e tomaram a iniciativa do encontro (Freire, 2005, p. 53).

31Meirelles detalha seu encontro com o chefes Xavante, entre estes Apowe (denominado pelos brancos Apoena) :

A partir de então os Xavante externaram “o propósito de serem nossos amigos e desejarem manter essa amizade, dando disso provas inequívocas” (ibid., fot. 398). No final do relatório, o sertanista pedia apoio à Diretoria do SPI para a continuidade de tudo o que havia sido conseguido “com tanto sacrifício” (ibid., fot. 399) e previa a pacificação completa dos Xavante para breve.” (Freire, op.cit.)

32O trabalho da frente de atração do SPI iniciado em 1944, mas somente em abril de 1946, às margens do rio das Mortes, avistaram pela primeira vez os Xavante que os chamavam e por meio de mímica pediam presentes. Foi o primeiro contato. Esta foi a estratégia Xavante para sobreviver aos ataques que vinham sofrendo, pelas intensas pressões sobre suas terras e ainda sobre as epidemias (gripe e sarampo) que foram acometidos, muitas vezes por roupas contaminadas. Assim divididos em grupos menores e enfraquecidos pelas doenças, os Xavante acabam por buscar o contato com o branco, a fim de terem acesso aos remédios para estas enfermidades até então desconhecidas. Desta forma os contatos passam a ter um outro caráter, distinto daquele primeiro contato em 1946. São os próprios Xavante que procuram o contato pacífico (Lopes da Silva, op.cit. p. 369).

33A partir deste momento pode-se considerar que a marcha indígena de fuga para o oeste terminou (Gordon, 2006), já estavam cercados.

34Após muitos embates entre o povo Xavante e as frentes de ocupação, as terras indígenas Xavante foram finalmente demarcadas pelo Estado brasileiro, na década de 1970. Estas terras, demarcadas intencionalmente em ilhas, são fragmentos de seu território, e seus limites são constantemente questionados pelos Xavante, que buscam rever seu território tradicional e sua territorialidade nos cerrados do Mato Grosso .

Discussão – o conceito de território e a territorialidade indígena

35Território e territorialidade conceitos fundamentais da geografia são enfocados por diferentes perspectivas em diversas áreas como : ciência política, antropologia, economia, sociologia, psicologia, portanto, este é um conceito polissêmico.

36O conceito de território pode ser definido como espaço identitário ; como domínio jurídico ; a partir do uso/apropriação, afirmar-se que (...) o território é o espaço revestido da dimensão política, afetiva ou ambas (Lobato Correa, 1994, p. 251).

37Haesbaert e Limonad (1999, 2004) distinguem as seguintes concepções de território abordando a dimensão política, quando trata das relações espaço-poder ou jurídico – política focando as relações espaço-poder institucionalizadas, mas também propõe outras dimensões tais como a cultural ou simbólica, e a econômica.

38Estas dimensões devem ser inseridas em uma fundamentação filosófica e o pesquisador pode adotar uma destas como referencial. Ou seja, focar o binômio materialismo – idealismo, desdobrados em duas visões, uma parcial (enfatiza uma dimensão) e outra integradora (na qual envolve todas as dimensões) ; ou focar o binômio espaço – tempo, que também se subdividem em caráter absoluto ou relacional, no sentido de “incorporar ou não a dinâmica temporal (relativizadora), seja na distinção entre entidade físico-material (como coisa) e social- histórica (como relação)” ; e quanto a “sua historicidade e geograficidade, no sentido de que se trata de uma condição geral de qualquer sociedade ou se está historicamente circunscrita a determinado período (s), ou grupo social(s), e/ou espaço geográfico(s).” (Haesbaert, 2004, p.  41)

39Portanto, existe uma visão parcial e uma visão integradora de território, a primeira seria aquela onde se enfatiza uma das dimensões constituintes do território ; já a visão integradora, é aquela onde se envolvem todas as citadas dimensões.

40 Posiciona-se neste trabalho pela visão integradora do território, possui indissociavelmente as dimensões simbólica e econômico- política, dando forma a uma perspectiva integradora. Esta opção deve-se ao fato de que, para esclarecer o significado e a construção de um território indígena, é necessário que se aborde as distintas perspectivas que o formam.

41Apesar da diversidade de perspectivas em geografia, o conceito de território é o principal enfoque da geopolítica, cujo “vinculo mais tradicional na definição de território é aquele que faz a associação entre território e os fundamentos materiais do Estado, é um espaço qualificado pelo domínio de um grupo humano, sendo definido pelo controle político de um dado âmbito espacial”. (Moraes apud Haesbaert, 2004) Outros como Raffestin e Sack também dão ênfase à dimensão política e às relações do poder na conceituação de território (op.cit.).

42A Geografia também possui autores que focalizam a dimensão ideal-simbólica do território, como os geógrafos Bonnemaison e Cambrezy (1996) (citados por Haesbaert, 2004), para estes a “abordagem utilitarista de território não dá conta dos principais conflitos do mundo contemporâneo.(...) o poder do laço territorial revela que o espaço está investido de valores não apenas materiais, mas também éticos, espirituais, simbólicos e afetivos. É assim que o território cultural precede o território político e com ainda mais razão precede o espaço econômico”.(Bonnemaison & Cambrezy, 1996, p. 10, apud Haesbaert,2004, p. 71).

43Para os povos tradicionais, o território se define enquanto espaço identitário do grupo ou como pertencimento ao mesmo, através de uma apropriação simbólica :

“pertencemos a um território, não o possuímos, guardamo-lo, habitamo-lo, impregnamos-no dele. Alem disto os viventes não são os únicos a ocupar o território, a presença dos mortos marca-o mais do que nunca com o signo do sagrado. Enfim o território não diz respeito apenas à função ou ao ter, mas ao ser. Esquecer este princípio espiritual e não material é se sujeitar a não compreender a violência trágica de muitas lutas e conflitos que afetam o mundo de hoje : perder seu território é desaparecer.” (Bonnemaison & Cambrezy, 1996 :14 apud Haesbaert : 73).

44Esta dimensão simbólica, que contem um princípio espiritual, é parte fundamental da visão indígena sobre seu território e seu mundo. Neste sentido concorda-se com os autores pois “perder seu território é desaparecer” enquanto povo, daí a importância desta considerações para a compreensão da territorialidade indígena.

45No ponto de vista de Haesbaert2 o conceito de território tem como fundamento sua historicidade e “desdobra-se num continuum” obrigatoriamente as “diferentes combinações, funcional e simbólica” (Haesbaert, 2004, p. 95-96).

46Para Milton Santos (1994,2001), o conceito de território somente pode ser uma categoria analítica se considerado como ‘território usado’, neste sentido explica que “é o uso do território, e não o território em si mesmo, que faz dele objeto da análise social. Trata-se de uma forma impura, um híbrido, uma noção que, por isso mesmo, carece de constante revisão histórica (Santos, op.cit.).

47Deve-se ter em mente que o território define-se pela inter relação entre a materialidade e o seu uso, ou seja “a materialidade, que inclui a natureza, e o seu uso, que inclui a ação humana, isto é o trabalho e a política. Desta maneira, defrontamo-nos com o território vivo, vivendo. Nele, devemos considerar os fixos, isto é, o que é imóvel, e os fluxos, isto é, o que é móvel.” (Santos op.cit. 247-8)

48Haesbaert (2004, p. 79), inspirado em Milton Santos e Gottman, explica a necessidade da concepção do território como um híbrido. Entendendo este no sentido de um hibrido entre “a sociedade e a natureza, entre política, economia e cultura, e entre materialidade e ‘idealidade’, numa complexa interação tempo-espaço. (...) na indissociação entre movimento e [relativa] estabilidade- recebem estes nomes de fixos e fluxos, circulação.”

49Como comentado adota–se, neste trabalho o conceito de Território numa perspectiva integradora, a qual envolve uma visão de território concebido de forma a integrar as diferentes dimensões sociais, que permita explicar a complexidade dos territórios indígenas. (op.cit. 2004, p. 74-5) Desta maneira, evidencia-se a necessidade de uma visão de território a partir da concepção de espaço como um hibrido, como elaborado por Milton Santos que concebe o conceito de território como uma “imbricação de múltiplas relações de poder (...) numa complexa interação tempo-espaço”. (op.cit. 2004,79).

50Haesbaert, (2004) coloca como parte da discussão sobre território as múltiplas dimensões da desterritorialização, estas dimensões são “a econômica, a dimensão política, e a perspectiva simbólica ou cultural” (op.cit.171), o autor explica que a desterritorialização pode ser entendida numa perspectiva cultural, e a noção de hibridização cultural seria uma evidencia deste processo. No entanto “culturas hibridas sempre existiram pelo simples fato de que toda nova cultura brota da mescla entre distintas identidades e conjuntos de valores culturais previamente dominantes (op. cit. 231)”.

51A América Latina é um bom exemplo do que se pode denominar de ‘territorialidades hibridas’, formadas “pela violência da colonização a partir da interpenetração de culturas indígenas (op. cit. 231)”.

52Argumenta-se que a territorialização implica em relações de poder, e por isto é “é desigualmente distribuída entre seus sujeitos e/ou classes sociais”. Assim teremos sempre aqueles que controlam e os que são controlados,

... territorializados que desterritorializam por uma reterritorialização sob seu comando e desterritorializados em busca de uma outra reterritorialização, de resistência e, portanto, distinta daquela imposta pelos seus desterritorializadores. Esta constatação muito mais do que um mero jogo de palavras, é extremamente importante, pois implica identificar e colocar em primeiro plano os sujeitos da des-re-territorialização, ou seja, quem desterritorializa quem e com que objetivos (Haesbaert op.cit. :259).

53Neste processo de quem controla o espaço de quem, o controlador seria o que territorializa, enquanto o controlado seria o que desterritorializa. Ao ser territorializado por outros, através de violência e contra a própria vontade, significa desterritorializar-se. “Assim reterritorialização implica um movimento de resistência – à desterritorialização imposta pelo movimento de territorialização comandado por outros (Haesbaert, op.cit. :262).”

54Esta analise sobre os processos de desterritorialização/ reterritorialização remete diretamente aos atuais “territórios” indígenas e “terras” indígenas e os seus processos de construção, assim como os decorrentes conflitos de significados, ou seja, “quem delimita ou controla o espaço de quem” ... e ainda pode-se lembrar neste sentido as sobreposições de diferentes usos da terra sobre as terras indígenas como as unidades de conservação, as mineradoras e garimpos entre outras.“O território, como espaço dominado e/ou apropriado, manifesta hoje um sentido multi-escalar e multidimensional que só pode ser devidamente apreendido dentro de uma concepção de multiplicidade, de uma multiterritorialidade.” (Haesbaert, op.cit.).

55O Estado brasileiro trata as terras indígenas “reduzidos a sua base física” sem conteúdo político, sem considerá-los como territórios dos distintos povos (Furlan, 2000), portanto na perspectiva de se reconhecer as diferenças culturais e direitos de cada povo indígena deve-se tratar em termos de uma “multiterritorialidade e multiculturalidade”, onde se reconheçam das diferenças humanas. (Haesbaert, op.cit.)

Território e Territorialidade : do simbólico ao vivido

56As terras/territórios indígenas atuais são o resultado de um processo histórico que “envolve confrontos e o uso da força, que implica em perdas culturais, e na repressão a instituições muitas vezes centrais daquelas sociedades.” A atual localização dos povos indígenas é decorrente das pressões de desterritorialização/reterritorialização promovida pelas frentes de expansão. Aos povos indígenas restou o refúgio em áreas que não ofereciam os recursos cobiçados pela sociedade abrangente (Seeger & Castro,1979, p. 103-106).

57Ao longo da história; ao mesmo tempo em que ocorre a expansão e construção do território nacional, destroem-se os territórios indígenas que se reconstroem em novas bases, “(...) na expansão do território e na consolidação da territorialidade, eles (os índios) sentiam os choques culturais que os violentavam, como no caso do uso da terra, a diferença entre a concepção de terra como mercadoria e da terra como valor de uso (Andrade, 1994, p. 215).”

58As terras indígenas Xavante se caracterizam por esta realidade : a ocupação/expansão capitalista no centro-oeste brasileiro atingiu seu território e determinou sua ocupação em fragmentos que são as atuais terras indígenas. Por este motivo existem hoje nove terras Xavante que se encontram ilhadas e distanciadas umas das outras.

59Diante desses fatos a análise das questões que envolvem o conflito terra e território pode ser feita a partir dos conceitos de território e terra indígena. Há um conflito entre as distintas compreensões de terra indígena pelo Estado nacional e conceito antropológico de territorialidade pensado pelos diversos povos indígenas (Gallois, 2004).

“A noção de ‘terra indígena’ diz respeito ao processo político- jurídico conduzido sob a égide do Estado, enquanto a de território remete a construção e a vivencia, culturalmente variável da relação entre uma sociedade especifica e sua base territorial. (...)Na transformação de um território em terra, passa-se das relações de apropriação (que prescindem de dimensão material) à nova concepção de posse ou propriedade” (Gallois, 2004, p. 38-9).

60Ao se demarcar uma terra indígena, entende-se que seu delineamento deve-se a um confronto de forças e pressões políticas, e não apenas a uma vontade ou direito da comunidade afetada, esta “manifestação jamais terá um caráter estático e final”, pois transforma-se de acordo com os contextos histórico – políticos.(Oliveira Filho,1998, p. 9) :

  • 5  Gallois (2004), explica que os Waiãpi , mudaram a sua auto-representação ao se adaptarem a uma nov (...)

61Neste processo os povos indígenas têm a possibilidade de reelaborar esta territorialização, onde para alguns povos, pode resultar em mudança de sua auto-imagem, contribuindo para a constituição da formação de uma identidade genérica, como por exemplo, para os Waiãpi5 que depois da demarcação de sua terra, construíram um coletivo maior formado pelos vários grupos que compõem este povo. No entanto, cada povo indígena é um caso distinto e não é possível generalizar que ocorra uma transformação da identidade étnica ao se demarcarem suas terras. (Gallois, 2004, p. 39,40)

  • 6  Ladeira, Maria Inês - “Espaço geográfico Guarani- Mbya :significado,constituição e uso”. Tese Dout (...)

62Em seu estudo sobre a constituição e significado do território Guarani, Maria Inês Ladeira6 (2001) afirma que a idéia de que as terras indígenas correspondem ao território indígena, deve-se ao desconhecimento pela sociedade majoritária de sua territorialidade indígena e ainda levam a supor um confinamento no interior destas. Assim as terras indígenas são tratadas, “no âmbito das políticas públicas, como ‘ilhas’ isoladas, como fragmentos de um ‘antigo território’ desfigurado, asfixiado e retalhado pelos mesmos agentes e fatores que produziram estas categorias.”

63Mas, questiona-se : todos os povos indígenas têm uma concepção de território ?

Em muitos trabalhos acadêmicos, a produção antropológica evidencia um desconhecimento indígena do que seja território, atestando inclusive a inexistência dessa noção para determinados grupos. Nesses casos, a mobilidade espacial funciona como uma espécie de prova de que não há território (...). Analises como esta procuram descrever as concepções indígenas a partir de noções abertas de território e de limites, extremamente variáveis.” Teríamos então de analisar caso a caso, as respostas dos grupos indígenas a conversão de seus territórios em terras, uma vez que como sugere João Pacheco de Oliveira Filho “não é da natureza das sociedades indígenas estabeleceram limites territoriais precisos para o exercício de sua sociabilidade. Tal necessidade advém exclusivamente da situação colonial a que essas sociedades são submetidas (Gallois, 2004, p. 39).

64Deixando estas “definições pela ausência” de território verifica-se que toda sociedade imprime no espaço uma lógica territorial : a territorialidade exercida de diversas formas pelos distintos povos em diferentes contextos (Gallois, op.cit. p. 39,40).

65Em Geografia tem-se aceito que “a dimensão espacial é um dos componentes indissociáveis da condição humana” (Haesbaert, 2004 p. 20) e, portanto, falar em desterritorialização absoluta ou na inexistência de territórios seria um paradoxo. “A começar pelo simples fato de que o próprio conceito de sociedade implica, sua espacialização ou, num sentido mais restrito, sua territorialização. Sociedade e espaço social são dimensões gêmeas (op.cit. 2004, p. 20).”

66Neste sentido, entende-se que toda sociedade possui uma concepção de território e se apropria deste a partir de seu uso e dos significados que a ele atribui. Ou seja, os grupos sociais estabelecem “determinados modos de relação com o seu espaço”, ou seja, “valorizam-no a seu modo” e é no interior deste processo que se pode “identificar relações culturais com o espaço em sentido estrito (Costa, 1988).”

67Assim, as sociedades indígenas, embora não tenham sempre uma noção de limites e fronteiras fixos, pois sempre tiveram grande mobilidade espacial, constroem seus territórios a partir de “um espaço-tempo que é diferente” da sociedade abrangente (Hiernaux Nicolas, 1994, p. 85). Neste sentido é que a Territorialidade refere-se a uma materialidade construída não apenas pelos objetos, mas também pelo significado que os objetos têm. (Furlan, 2000)

68Os Xavante manifestam essa noção em seus depoimentos (coletados pela autora em terras diferentes, em momentos distintos) e enfatizam a sua relação simbólica e material com o espaço. De acordo com sua visão, o território não tem limites fixos, mas cada povo tinha seus próprios referenciais espaciais e neste sentido tinham uma conformação de suas terras. Em sua concepção destaca-se a amplidão de seu território e a mobilidade como características da “territorialidade Xavante”, como relatam :

  • 7  Depoimento coletado pela pesquisadora na T.I.Sangradouro, 2004.

Bom, o que eu vou falar do ponto de vista Xavante o que nós entendemos sobre o território em si é na verdade para nós, significa o espaço grande, sem limite, onde os nossos antepassados, onde vários povos indígenas andavam, viviam, faziam as suas tradições, conforme a cultura de cada, então isto para nós é território, sem influência como nós estamos tendo atualmente (Ruriõ7, 2004).

Corrida de toras- parte do ritual na  Terra Indígena Sangradouro

Corrida de toras- parte do ritual na  Terra Indígena Sangradouro

Foto: Daniela Batista de Lima, 2006,

69Atualmente o entendimento sobre o território simbólico e vivido tem outro sentido para aqueles que nasceram e cresceram nas terras indígenas limitadas, pois é enfatizado que a sua própria religião e a celebração de rituais sofreu um grande impacto pela perda territorial :

(...) O nosso sistema de celebrar os rituais, o nosso jeito de organizar as coisas, o trabalho, a nossa religião sofreram um impacto muito grande devido esta redução. Então para nós já não tem a mesma definição como a gente entendia antigamente o território, sem espaço limitado, mas era um espaço aberto, onde o Xavante, nossos antepassados andavam em busca de forças espirituais que ficavam escondido na natureza, no meio da selva, os velhos dizem que a força espiritual está na natureza, nas florestas, onde não existe a presença de outras culturas a não ser o habitante dela.[...] claro essas andanças neste espaço grande agora se tornou uma ilha, uma ilha ... E que guerreavam com outras etnias, então cada etnia não precisa de mapa para se localizar. Cada etnia sabia o seu limite através dos rios, através das cabeceiras onde tinha mais presença de animais, que o Xavante estavam precisando e hoje como as terras indígenas estão tudo ilhados, e por outro lado nos também ignoramos este limite. Mediante estes limites, esta demarcação que está acontecendo, que já aconteceu, em varias regiões do país, onde os povos indígenas se encontram mas nós ... ignoramos deixamos esse papel de lado e nós ultrapassamos o limite ... relembrando a história dos nossos pais que ouviam através de nossos antepassados.(...) Então entendemos que o território é espaço grande, o Brasil era um território primitivo ... quando não tinha presença de europeus colonizadores, antes que chegarem era território, que guardava tudo e agora as reservas indígenas que antes eram enormes ficando como ilhas, nós não consideramos como território, é apenas uma ilha, então muita coisa que a gente usava, usufruía, está nas fazendas, em outros lugares que precisa de vários dias para chegar lá, onde existe mais bicho, que nós necessitamos dela para sobreviver e fazer : o casamento, e os rituais, e com isso estamos... ficando...vamos dizer assim pobre, pobre de que ? De animais que está diminuindo, de matéria prima que tem pouco na terra indígena, por isso nós ultrapassamos os limites, porque nós achamos, pensamos que quem está na nossa vizinhança vai sentir sempre a nossa presença na área, quer dizer sempre respeitando a privacidade das fazendas, a gente não vai matar a vaca que o gosto da carne é diferente de anta do veado... (Ruriõ, 2004).

70De acordo com os Xavante as terras indígenas não correspondem ao território indígena e não é considerada pelos Xavante seu território mas apenas uma fração, uma ilha. O conflito entre “brancos” e Xavante dá-se porque estes praticam o que pensam e sentem sobre seu território, tentam manter o exercício da territorialidade, independentemente daquilo que é defendido legalmente pela sociedade abrangente.

71No próximo depoimento também é salientado a ocupação de um espaço que não tinha limites bem definidos ; a noção de limites vem sendo incorporada pelas gerações mais novas, os mais velhos entretanto não assimilaram este conceito.

72Toda a extensão de São Felix do Araguaia até Cuiabá, considerada pelos Xavante como parte de seu território foi perdida diante da invasão e expansão da sociedade majoritária, que se iniciou com as bandeiras e garimpeiros e posteriormente já no século XX com criadores de gado, e com a marcha para o oeste.

... é totalmente diferente o que é território para não índio. Para nós tem um sentido diferente, alem de um espaço onde a gente mora, que tem aldeia, que nós criamos e constituímos a nossa família(...) antigamente não tinha espaço limitado e o espaço era amplo,não tinha limites os xavante andavam de Cuiabá até São Felix. Mas o Xavante andou muito eles vieram do Maranhão e vem do Tocantins de Goiás para Mato Grosso, onde a gente mora ate hoje. Porque a gente andava muito, então, nesse sentido o conceito do território para nós é nesse sentido mas hoje vivemos em reservas, vamos dizer assim, mudou para terra indígena. Então, para o pessoal é bom falar isso para as pessoas não indígenas, que quando os povos indígenas falam em território, eles tem dificuldade de entender que para nós território não tem limite, não tem espaço definido. É o tanto quanto você tem ...

  • 8 Depoimento coletado pela pesquisadora e Associação Warã, na T.I.Pimentel Barbosa em 2006.

Nesse sentido que não querem que a gente entenda e fala do território, porque para nós o território é o Brasil todo e nesse sentido desse espaço que diminui, aí a maior dificuldade do nosso parente é entender isso e ainda não tiveram consciência. Hoje nós estamos no espaço reduzido. Quando o A’uwe atravessa o limite do território, ainda pensa que é território no conceito Xavante, para ele não existe o limite que a FUNAI, o governo que implantou, que introduziu ? Quando o pessoal sai para caçar fora do limite, quando o pessoal sai para pegar as palhas, pegar os materiais e pegar embira e outras coisas. O que a gente está trabalhando aqui conscientizando os velhos e os jovens também, a gente tem que se adaptar, porque hoje que estamos na realidade é o espaço limitado mesmo, né ? (Cipasse82006).

73Para considerar o conceito de territorialidade como uma categoria de análise geográfica, procedemos à articulação entre teorias antropológicas, particularmente do perspectivismo e animismo que abordam o conceito de natureza entre os povos indígenas e conceitos geográficos de território e territorialidade (Haesbaert, 2004). Através do perspectivismo e animismo (Viveiros de Castro, 1996, 2002), fundamenta-se a construção do conceito de natureza para os povos indígenas como 'uma relação entre sujeitos, onde todos os seres formam um continuo, sendo que a condição de humanidade é comum a todos. Assim a partir desse conceito de natureza se estabelecem as relações e interações com o meio e que definem um gênero de vida. Este gênero de vida ou “jeito de ser/viver”(Bindá 2001 ; Ladeira, 2001) projetado espacialmente através de grupos locais unidos politicamente por alianças é que formam a noção de território ligada à noção de mundo. Os diversos grupos locais (são cisões das facções) formam um território e exercem a territorialidade.

74Em Geografia, a territorialidade pode ser entendida como determinadas práticas expressas material e simbolicamente, em um dado território, por um determinado grupo social. (Lobato Correa,1994, p.  252)

75Andrade (1994, p. 214), explica que “[...] a formação de um território dá às pessoas que nele habitam a consciência de sua participação, provocando o sentimento da territorialidade que, de forma subjetiva, cria uma consciência de confraternização entre as mesmas.”

76Haesbaert (2004), também comenta que não se deve reduzir a territorialidade apenas a uma “dimensão simbólico-cultural do território, especialmente no que tange aos processos de identificação territorial.”

“A territorialidade, além de incorporar uma dimensão estritamente política, diz respeito também às relações econômicas e culturais, pois está “intimamente ligada ao modo como as pessoas utilizam a terra , como elas próprias se organizam no espaço e como elas dão significado ao lugar”. (...) “A territorialidade, como um componente do poder, não é apenas um meio para criar e manter a ordem, mas é uma estratégia para criar e manter grande parte do contexto geográfico através do qual nós experimentamos o mundo e o dotamos de significado”.(Sack,1986 :219 apud Haesbaert, 2004).

  • 9 Destaco os trabalhos de Nadja H.Bindá,(2001) sobre os Zo’e, Dominique Gallois(2004) em sua analise (...)

77Gallois (2004, p. 40) analisa as práticas territoriais e territorialidades indígenas, a partir de uma “perspectiva teórico- metodológica adequada ao entendimento de lógicas espaciais diferenciadas”, levando em conta que o relacionamento entre a uma sociedade indígena e seu território ‘não é natural ou de origem’ (Oliveira Filho,1989). É importante dentro desta discussão a desnaturalização9 do conceito de territorialidade indígena.  

78Assim também é observado por Gallois (2004, p. 41), ao analisar práticas territoriais e territorialidades indígenas, que estas não podem ser explicadas pela ciência ecológica, como apenas uma disputa por nichos de recursos.“Se disputas existem não serão equacionadas a partir de abordagens semelhantes à da Etologia. (...) Dizer que uma forma especifica de ocupação espacial traduz-se em território é falar de práticas sociais que regulam o uso do espaço, como sugere Raffestin (1993).” (op.cit.)

79Bindá,(2001) em estudo sobre os Zo’e, povo indígena da Amazônia, trata da ‘desnaturalização’ da territorialidade deste povo e faz uma crítica às teorias adaptacionistas, no sentido em que vários autores tratam do tema da “apropriação do ambiente como resposta adaptativa (...) onde a ação e intenção política está ausente”. (op.cit., p. 20)

80Assim, ao tratar da territorialidade indígena e “na tentativa de escapar de metáforas biológicas”, as idéias de habitat e de adaptação são os contrapontos que ajudam a esclarecer a questão (Bindá, op.cit., p. 22). Outro elemento que está presente nestas discussões é o controle do excesso, que nas abordagens adaptacionistas “... é uma função do meio como fonte de recursos, sejam eles escassos ou abundantes. Cosmologias e representações comporiam a contrapartida cultural da resposta adaptativa, sob a forma de restrições (idem).”

Mulher xavante fazendo um cesto de fibra de buriti

Mulher xavante fazendo um cesto de fibra de buriti

Foto Maria Lucia Cereda Gomide

81Esses enfoques têm como idéias centrais a adaptação e regulação dos ‘ecossistemas em equilíbrio/desequilíbrio’ ; sendo assim as “relações com o ambiente, com a natureza, com os ‘donos’ dos animais, etc., são estabelecidas visando quer garantir os recursos na escassez quer assegurar a continuidade da abundancia.” (op.cit 2001, p. 27) Estas noções podem levar a equívocos na concepção de terra indígena ; Oliveira Filho(1998) afirma que a adaptação, e conceitos como de habitat “naturalizam e simplificam essas relações.” (1998, p. 9). Seguindo este último raciocínio, Bindá (2001) aponta como caminho contestar os enfoques adaptacionistas e interpretar a territorialidade indígena em outra direção : considerando-se o próprio pensamento indígena como analisado por Viveiros de Castro (1996), na teoria do perspectivismo ameríndio. Nesta teoria não é a disposição de recursos naturais que dará um limite ao seu uso, mas sim as relações entre “‘diferentes espécies de sujeitos’ e os ciclos de reposição vigentes e/ou observados entre eles.” (op.cit.)

“... o perspectivismo ameríndio tem uma relação essencial com o xamanismo (...) e com a valorização simbólica da caça(...) sublinho que se trata de importância simbólica, não de dependência ecológica ; horticultores aplicados como os Tukano ou os Juruna(...)” (Viveiros de Castro, 1996).

82Portanto, é a relação entre sujeitos e sua historicidade que define a territorialidade indígena, pois terra é território no sentido geográfico e a construção do território se fez a partir das práticas sociais.

Considerações finais

83Este trabalho teve como objetivo debater o conceito indígena xavante de território e de territorialidade. As terras indígenas Xavante foram intencionalmente e erroneamente demarcadas em ilhas, e assim como a maioria das terras indígenas do Brasil representam fragmentos do território indígena. A concepção xavante de território é clara, e definida como espaço sem “limite” ou seja fluido, continuo, um espaço aberto, considerando a amplidão do território e a mobilidade como atributo da territorialidade Xavante :

“Então para nós já não tem a mesma definição como a gente entendia antigamente o território, sem espaço limitado, mas era um espaço aberto, onde o Xavante, nossos antepassados andavam em busca de forças espirituais ... neste espaço grande agora se tornou uma ilha, uma ilha”(Ruriõ Xavante,2004).

“... é totalmente diferente o que é território para não índio. Para nós tem um sentido diferente... antigamente não tinha espaço limitado e o espaço era amplo,não tinha limites os xavante andavam de Cuiabá até São Felix.” (Cipassé,2006)

84Portanto, a partir do contato entre os povos indígenas e a sociedade envolvente, há um conflito, pois existem ‘lógicas espaciais diferentes’ em confronto. Este conflito refere-se ao exercício da territorialidade indígena, o qual não depende do que é determinado pela sociedade abrangente.

85Assim deve se ressaltar que o Estado, ao regulamentar uma terra indígena, deve reconhecer não só o direito à terra mas também ao território e resolver esse impasse, (Gallois, 2004 : 41) pois, o impacto advindo do contato com a sociedade nacional reflete-se na organização do espaço e na maneira como os próprios povos indígenas exercem suas territorialidades.

Haut de page

Bibliographie

Andrade M. C., “Territorialidades, Desterritorialidades, Novas Territorialidades: Os Limites do Poder Nacional e do Poder Local”, In M. Santos, MA Souza, M.L. Silveira (Org.), Território Globalização e Fragmentação, Ed. Hucitec SP 1994.

Bindá Nadja Havt., Representações do ambiente e territorialidade entre os Zo'e/PA, Dissertação (Mestrado), Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

Brandão Carlos Rodrigues (Org.), Pesquisa Participante, 8ª ed. e 2ª reimpressão, São Paulo, Brasiliense, 2001.

Cunha Manuela Carneiro da, “Introdução a uma História indígena”, In Manuela Carneiro da Cunha (Org.), História dos índios no Brasil, São Paulo, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, Companhia das Letras, 1992.

Clifford James, “A Experiência etnográfica : antropologia e literatura no século XX”, In José Reginaldo Santos Gonçalves (Org), Rio de Janeiro, UFRJ [1994], 2002.

Correa Roberto Lobato, “Territorialidade e Corporação : Um Exemplo”, In M. Santos, M.A. Souza, M.L. Silveira (Org.), Território Globalização e Fragmentação, São Paulo, Ed. Hucitec, 1994.

Costa W. M. O Estado e as políticas territoriais no Brasil – Coleção Repensando a Geografia 1988.

Freire Carlos Augusto, Sagas Sertanistas :praticas e representações do campo indigenista no seculo XX, Tese Doutorado PPGAS/MN – UFRJ, 2005.

Freire José Rodrigues, Relação da conquista do gentio Xavante consegvida pelo... senhor Tristão da Cunha Menezes, governador, e capitão general da capitania de Goiás, Lisboa : Typografia Nunesiana, 1790. (Relação da conquista do gentio Xavante , 1790 – coleção textos e documentos FFLCH/USP, 1951.)

Furlan S.A., Lugar e Cidadania : Implicações Socioambientais das Políticas de   Conservação Ambiental (Situação do Parque de Ilhabela na Ilha de São Sebastião-SP) Tese( Doutorado) FFLCH /USP 2000.

Gallois Dominique, “Terras ocupadas? Territórios? Territorialidades?”, In O desafio das sobreposições terras indígenas & unidades de conservação da natureza, ISA, 2004.

Gordon César, Economia selvagem : ritual e mercadoria entre os índios Xikrin-Mebêngôkre, 1ª edição, (ISA : Instituo Socioambiental. Ed. Unesp, NUTI,) São Paulo, SP, Rio de Janeiro, RJ, Editora UNESP, Instituto Socioambiental, 2006.

Haesbaert Rogério, O Mito da Desterritorilização : do “fim dos territórios” à multiterritorialidade, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2004.

Ladeira Maria Inês Martins, Espaço geográfico Guarani-Mbya : significado, constituição e uso, Tese (Doutorado) Departamento de Geografia, FFLCH, USP, São Paulo, 2001.

Lima Filho Manuel F., O Desencanto do oeste, Goiânia, Ed. da UCG, 2001.

Lopes da Silva Aracy, Nomes e amigos – da prática Xavante a uma reflexão sobre os Jê –FFLCH-USP – 1986.

Lopes da Silva Aracy, “Dois séculos e meio de História Xavante”, In Manuela Carneiro da Cunha (Org.), História dos índios no Brasil, São Paulo, Secretaria Municipal de Cultura/Companhia das Letras/Fapesp, 1992.

Menezes Maria Lucia Pires, Parque Indígena do Xingu, a construção de um território estatal, Ed. UNICAMP/ Imprensa oficial, 2000

Moraes Antonio Carlos R., O rio da minha terra deságua em meu coração, Resenha, São Paulo, Outubro, 2002.

Nicolas Daniel Hiernaux, “Tempo, espaço e apropriação social do território : ruma à fragmentação na mundialização ?”, In M. Santos, M.A. Souza, M.L. Silveira (Org.), Território Globalização e Fragmentação, São Paulo, Ed. Hucitec, 1994.

Ravagnani Oswaldo Martins, A experiência Xavante com o mundo dos brancos, Araraquara, UNESP, 1991.

Rodrigues Carmem Lucia, Limites do consenso : territórios polissêmicos na Mata Atlântica e a gestão ambiental participativa, Tese (Doutorado), Dep. Geografia, FFLCH/USP, São Paulo, 2001.

Santos Milton, A natureza do espaço : técnica e tempo, razão e emoção, Rev. Ed. São Paulo, Edusp, 2002.

Santos Milton, A Redescoberta da Natureza, aula inaugural da FFLCH/USP 10/03/1992.

Santos Milton, “O Retorno do Território”, In M. Santos, M.A. Souza, M.L. Silveira (Org.), Território Globalização e Fragmentação, São Paulo, Hucitec, 1994.

Sbardallotto Pedro, Do primeiro encontro com os Xavante a demarcação de suas reservas, Campo Grande,Missão Salesiana, 1996

Siqueira Jr. Jaime G., Wyty-Cate : cultura e política de um movimento pan-Timbira. Contribuição ao entendimento das organizações indígenas e novas expressões da política indígena, Tese de doutoramento apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da UNB, 2007.

Oliveira João Pacheco de (Org.), Indigenismo e territorialização : poderes, rotinas e saberes coloniais no Brasil contemporâneo, Rio de Janeiro, Contra Capa, Coleção Territórios Sociais, 1998.

Viveiros de Castro E. B. e Seeger A., “Terras e territórios indígenas no Brasil” In Coleção Encontros com a Civilização Brasileira, nº 12 jun. 1979.

Viveiros de Castro Eduardo B., “Os Pronomes Cosmológicos e o Perspectivismo Ameríndio”, Mana, 2 (2), p. 115-144. 1996.

Viveiros de Castro Eduardo B., A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia, São Paulo, Ed. Cosac & Naify, 2002.

Haut de page

Notes

1  O artigo está baseado em minha tese de doutorado Marãnã bödödi : a territorialidade Xavante nos caminhos do Ró. (2009) FFLCH USP

2  Segundo Lefebvre, dominação e apropriação deveriam caminhar juntas, ou melhor, esta última deveria prevalecer sobre a primeira, mas a dinâmica de acumulação capitalista fez com que a primeira sobrepujasse quase completamente a segunda,” [...] “Enquanto “continuum” dentro de um processo de dominação e/ou apropriação, o território e a territorialização devem ser trabalhados na multiplicidade de suas manifestações – que é também e, sobretudo, multiplicidade de poderes, neles incorporados através dos múltiplos agentes/ sujeitos envolvidos.” “De certa maneira podemos afirmar que o espaço trabalhado por Lefebvre é “um espaço feito território” através dos processos por ele denominados de apropriação (que começa pela apropriação da própria natureza) e dominação (mais característica da sociedade moderna,capitalista). (Haesbaert, 2005)”

3 A expedição Roncador–Xingu criada pelo Decreto-lei nº 5.801 de 8 de setembro de 1943, durante o governo de Getulio Vargas.

4  Posteriormente transformada na Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste- SUDECO, de 1967 a 1979.

5  Gallois (2004), explica que os Waiãpi , mudaram a sua auto-representação ao se adaptarem a uma nova realidade de relações com o mundo externo :

- uma auto-representação não centralizada,(...) onde a organização e ocupação territorial limitavam –se à apropriação de percursos historicamente rememorados com que marcavam grosso modo áreas de transito dos grupos locais ; não existia um ‘território’ mas zonas suporte do ‘modo de ser fragmentado’, como se pode traduzir a expressão ekowa (lugar onde eu vivo meu modo de ser) usado por um individuo para designar seu pertencimento a um grupo local ;

- para uma auto-representação étnica, categoria nós Waiãpi, que nasceu do enfrentamento ao modo de ser alheio e que, gradativamente, veio a se expressar na reivindicação de uma base territorial exclusiva : ‘nossa terra’. Termo este que só existe enquanto conceito global acoplado ao ‘nós Waiãpi’, pois não faria sentido nem ontem nem hoje, atribuir aos grupos locais uma base territorial. Só há terra para esse todo construído, a noção de um coletivo Waiãpi produzido ao longo de mais de duas décadas.”  

“quando assumiram realizar a demarcação os Waiãpi provaram que haviam alcançado uma etapa significativa ao longo processo de adaptações sociopolíticas internas à convivência com o exterior.” (Gallois, 2004 :39-40)

6  Ladeira, Maria Inês - “Espaço geográfico Guarani- Mbya :significado,constituição e uso”. Tese Doutorado FFLCH-USP 2001 .“Com relação a sociedade Guarani, a redução do conceito de território aos limites das terras demarcadas, além de totalmente imprópria produz maiores conflitos e questionamentos.”(Ladeira 2001 : 95)

7  Depoimento coletado pela pesquisadora na T.I.Sangradouro, 2004.

8 Depoimento coletado pela pesquisadora e Associação Warã, na T.I.Pimentel Barbosa em 2006.

9 Destaco os trabalhos de Nadja H.Bindá,(2001) sobre os Zo’e, Dominique Gallois(2004) em sua analise sobre terras e territórios indígenas, e João Pacheco de Oliveira(1998) em indigenismo e territorialização importante fonte na qual apoiou-se para melhor discutir as relações do conceito de territorialidade entre os Xavante.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 - Localização das Terras Indígenas Xavante –MT
Crédits Org. Maria Lucia C.Gomide e Marcelo Silva, 2007.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6888/img-1.png
Fichier image/png, 392k
Titre Figura 2 – Migrações Xavante de Goiás para o Mato Grosso
Crédits Organização: Fernando Kawakubo & Maria Lúcia C. Gomide (2007).
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6888/img-2.png
Fichier image/png, 81k
Titre Troca de presentes entre grupos locais xavante e o Serviço de Proteção ao Índio (SPI)
Crédits  Foto: Lamônica/Museu do Índio (1951) http://pib.socioambiental.org/​pt/​povo/​xavante
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6888/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 172k
Titre Corrida de toras- parte do ritual na  Terra Indígena Sangradouro
Crédits Foto: Daniela Batista de Lima, 2006,
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6888/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Mulher xavante fazendo um cesto de fibra de buriti
Crédits Foto Maria Lucia Cereda Gomide
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/6888/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 273k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Maria Lucia Cereda Gomide, « Território no mundo A’uwe Xavante  », Confins [En ligne], 11 | 2011, mis en ligne le 25 mars 2011, consulté le 30 avril 2017. URL : http://confins.revues.org/6888 ; DOI : 10.4000/confins.6888

Haut de page

Auteur

Maria Lucia Cereda Gomide

Pós-doutoranda em Geografia- departamento de Geografia /FFLCH-USP
malugomide@yahoo.com.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org