Navigation – Plan du site

Política, espaço e cultura: as ligações entre poder e religião

Politique, espace et culture: les relations entre pouvoir et religion
Paul Claval

Résumés

Ce travail fait suite et approfondit les études sur la dimension spatiale de la culture et en particulier de la religion. Il examine l'intersection de la dimension spatiale des relations de pouvoir et celle des croyances et pratiques religieuses et idéologiques

Haut de page

Entrées d’index

Index de mots-clés :

culture, pouvoir, relogion

Index by keywords :

Culture, power, religion

Índice de palavras-chaves :

cultura, poder, relogião
Haut de page

Texte intégral

Aparecida, sala das promessas / ex votoAfficher l’image
Crédits : Hervé Théry

1Este trabalho dá prosseguimento à difusão e ao aprofundamento dos estudos relativos à dimensão espacial da cultura e, em especial, da religião. Ele analisa o cruzamento das dimensões espaciais das relações de poder e essas das crenças e praticas religiosas e ideológicas. Ela baseia-se sobre dois livros que publiquei recentemente (Claval, 2008; 2010).

Na primeira parte, vou recordar as características espaciais dos processos políticos, e essas da vida religiosa e ideológica. Na segunda parte, analisarei as razões e as formas da tão frequente associação – e às vezes oposição - entre a religião e o poder político.

Os fatos políticos e religiosos

2Na aproximação cultural dos fatos sociais, é importante partir dos processos que  os geram. No campo político, falar de poder é falar da possibilidade que têm alguns de mandar fazer coisas por outros. O poder tem diversas formas ou componentes: (1) a força física, a coação que ela introduz e o medo que suscita seu uso eventual; (2) a autoridade legitima, que faz aceitar as decisões e ordens de alguém como normais e conduz a seu cumprimento; (3) a dominação econômica, que constrange esses que não possuem terras ou ferramentas de produção, ou não têm acesso aos meios de transporte e comunicação, a trabalhar por um salário por demais baixo; (4) a influência, que conduz alguém a convencer outros de agir para ele.

3A vida religiosa tem duas dimensões fundamentais: (1) ela tem por base crenças sobre o bem, o mal, a justiça, a felicidade terrestre e celeste, o futuro, a salvação da alma, etc. Essas crenças dão um sentido à vida presente ou futura de cada um e da comunidade, e propõem regras para agir. (2) A vida religiosa dispõe também sobre práticas e rituais individuais e coletivos. Elas regulam a existência de cada um, o obrigam a orar para Deus, a meditar sozinho, e a participar em ações coletivas que criam o sentido de integração numa comunidade.

Quais são as dimensões espaciais destes processos?

As dimensões espaciais do poder

4As várias componentes do poder não têm as mesmas características e dimensões espaciais.

1- O poder que resulta do uso da força (ou poder puro) é ligado à presença ou à proximidade da força física, da força armada. Não se interioriza os mandamentos do poder, não se obedece voluntariamente a eles. Só se executa as ordens quando o dono (ou seus agentes) estão próximos e podem fiscalizá-las. O poder puro não necessita de divulgação preliminar – e sempre custosa - de conhecimentos e regras, mas seu custo de funcionamento instantâneo é muito alto em termos de informação e de fiscalização. Para reduzir este custo, são poucas as soluções: generalizar a delação, criar um clima de terror.   

52- O poder legítimo (ou a autoridade) tem características espaciais muito diversas. Cada um interioriza os mandamentos do governo por que este é legítimo. A execução não depende da proximidade da sede do poder ou da presença de seus agentes. A distância entre o que manda e o que obedece cessa de aparecer como um obstáculo na dinâmica política. Quando a autoridade do Rei, do Imperador ou do Presidente é aceita, nada limita o alcance de seu poder e o tamanho de seu território – salvo a necessidade de fiscalizar uma minoria que por ventura não tenha o governo como legitimo.

6Se o funcionamento de um sistema político baseado sobre a autoridade é eficiente e barato, a que ele implica é longa e custosa a construir: tem-se de aceitar os mesmos valores que o soberano, de crer a mesma fé; a palavra dele tem de aparecer como credível e sincera.

7Um sistema político não pode funcionar numa área extensa sem dar um papel central à autoridade: a força e o poder puros são demais custosos. O resultado é que, a longo prazo, os problemas de confiança sempre têm um papel considerável no palco político.

83- O domínio econômico sempre supõe uma distribuição desigual dos recursos e dos fatores e ferramentas de produção. Ele repousa também sobre um acesso desigual às informações: o agricultor que mora perto duma cidade onde ele vende diretamente sua produção no mercado tem a possibilidade de permanecer como produtor independente. Se ele mora longe dos mercados, não tem a possibilidade de conhecer os preços: os negociantes e intermediários o exploram; ele perde rapidamente sua independência.

9Com a evolução capitalista, o número de trabalhadores capazes de comprar as ferramentas das quais precisam diminui: a exploração econômica torna-se um problema geral.

104- É claro que o domínio econômico é ligado ao acesso à informação. Mas as desigualdades provêm mais da aptidão para apresentar uma argumentação, para construir uma demonstração convincente, que do simples controle dos meios de divulgação das informações. A influência tem um papel importante na construção do poder.

11O que exerce uma influência o faz a partir de sua posição ou localização numa cadeia de transmissão ou de produção de conhecimento, como mostrado por Max Weber: (i) Nas sociedades do passado, a verdade vinha do passado: os anciões do grupo tinham o monopólio de acesso à tradição. (ii) Nas sociedades modernas, a verdade resulta do uso da razão e tem uma forma científica: os que falam no nome da razão tornam-se os donos de influência. (iii) Em todas as sociedades, existem indivíduos excepcionais que têm acesso direto e pessoal à verdade: eles tornam-se chefes carismáticos.

Nas sociedades contemporâneas, a estrutura hierárquica das redes de comunicação - edição, imprensa escrita, radio, televisão - dá uma influência muita importante aos donos das mídias e aos autores, jornalistas e realizadores. É uma influência que vem do centro dessas sociedades.

A tela tem um papel diverso: ela permite relações simétricas, nas quais o jogo da influência tem orientações diversas.

Numa sociedade, o sistema político sempre combina em proporções variáveis o uso da força, da autoridade, do domínio econômico e da influência ideológica.

As dimensões espaciais das religiões e ideologias

Espaço e sistemas de crenças religiosas e ideológicas

12Para entender os sistemas de crenças – religiões (animistas ou reveladas), metafísicas, ideologias da história e do progresso, ideologias do inconsciente, novas religiões evangélicas, seitas ou fundamentalismos –, o pesquisador tem de analisar as características espaciais de suas duas componentes, (i) as crenças e a gênese delas, e (ii) as praticas e os rituais.

131- As crenças que estudamos têm alguns pontos comuns. Elas sempre se apresentam como narrativas. Uma parte, ou a totalidade, dessas narrativas é muito simples e pode ser entendida por qualquer um. Essas narrativas falam do cosmos, da natureza, da sociedade, do bem, do mal, da origem do homem e de seu futuro neste mundo ou no outro mundo. Desta maneira, elas explicam a gênese do universo, a natureza do homem, a origem da cultura; elas fornecem regras de vida e indicações sobre o que cada um teria de fazer.

14Essas narrativas têm outro caráter comum: elas têm uma origem fora da sociedade atual: elas não falam somente do mundo real; elas falam de um mundo mais profundo; elas têm suas forças de persuasão baseadas em uma alteridade fundamental.

Essas narrativas se apresentam como lendas e mitos herdados do passado imemorial das sociedades de oralidade, como uma revelação escrita ou ditada da palavra de Deus nas sociedades do escrito, como a reflexão na esfera das ideias em nosso mundo para as metafísicas, como uma visão dum algures terrestre do passado ou do futuro para as ideologias do progresso, como o descobrimento de forças inconscientes na vida dos indivíduos, da sociedade ou da natureza, para as ideologias do inconsciente, etc.

15No caso dos animismos e das religiões reveladas, as narrativas foram transmitidas aos homens da parte dos deuses, ou de Deus. A situação é diversa para as ideologias: são homens que escrevem a narração da gênese do mundo, da natureza, da sociedade e dos seres humanos; graças a sua razão e ao uso dela que eles sabem mobilizar, eles têm a possibilidade de explorar domínios até então escondidos.

16Uma análise séria e objetiva mostra que a razão nunca oferece um verdadeiro meio de acesso aos alhures da metafísica ou das ideologias: é um caráter que as metafísicas e ideologias partilham com os animismos e as religiões reveladas, mas as relações entre o mundo profano e o outro mundo (o alhures que dá um sentido à vida) não se apresentam da mesma maneira.

172- Para os animismos e religiões reveladas, o outro mundo, no qual reside a verdade, é normalmente um mundo escondido, mas sua existência torna-se próxima através da experiência do sagrado:

18É por causa dessa alteridade que a gênese das crenças religiosas tem uma dimensão espacial. Mircea Eliade (1965/1957) mostrou-lo para os animismos e as religiões reveladas: numa hierofania, o espaço torna-se heterogêneo; a área sagrada, onde se manifesta a alteridade de forças extraterrestres e terrestres e que testemunha a presença de deuses ou de Deus, se opõe à extensão profana do mundo ordinário (Rosendahl, 1996). Nos animismos, muitos lugares são sagrados porque os deuses ou os gênios aparecem como expressões das forças naturais: a natureza é encantada.

19Nas religiões reveladas, a hierofania fundadora é única; Deus só revelou-se em um lugar - ou em um pequeno número de lugares. A natureza já aparece como desencantada. A hierofania original se produz para um ser único – Moisés sobre o Sinai – ou um pequeno grupo. O problema é o de alargar essa experiência fundadora a todos os membros dum grupo, ou a toda a humanidade.

203- Para a metafísica, a hierofania não é mais um evento histórico que aconteceu num lugar particular: no texto de Platão, ela ocorreu numa gruta qualquer em um tempo impreciso do mito...

21A situação é semelhante para as ideologias do progresso e as filosofias da história: basicamente, elas contam a constituição do contrato social na origem da sociedade; ele criou um Deus terrestre, o Leviatã, que ultrapassa os seres humanos por sua força; a narrativa aconteceu não importa onde. A hierofania original ocorreu num espaço abstrato, sem localização geográfica. O que é histórico e datado é o papel do ensaísta e teórico que recompôs pela primeira vez este evento – Thomas Hobbes (1651), John Locke (1690) ou Jean-Jacques Rousseau (1762). O mundo é totalmente desencantado, mas os lugares onde os teóricos do contrato social viveram, ou aqueles onde o mundo futuro da utopia começou a materializar-se, são muitas vezes percebidos como carregados de certa forma de sagrado.

22No caso das ideologias do inconsciente, a hierofania original resulta do descobrimento de realidades profundas e escondidas nos seres humanos, nos mecanismos sociais ou na natureza. O que é carregado de forças poderosas escapa aos homens até o dia quando um pesquisador genial – Marx para o inconsciente social, Freud para o inconsciente individual, de Saussure para o inconsciente lingüístico, os ecologistas para o inconsciente da natureza, etc. – o revelou para a humanidade (Claval, 2008). O espaço cotidiano é totalmente desencantado, mas ele se duplica em um espaço mais profundo, onde se pode descobrir a verdade do ser humano, da sociedade ou da natureza.

Espaço e conjuntos de práticas e rituais religiosos e ideológicos

231- A segunda dimensão das religiões e das ideologias é constituída de práticas e rituais. O problema dos sistemas religiosos e ideológicos é o de dar um conteúdo concreto e próximo das crenças que têm sua autoridade nos alhures donde elas vêm.

24E importante repetir a cena da hierofania primordial para aproximar as crenças dos fieis. Nos animismos, os sacrifícios, os cantos, as danças sagradas, as procissões são usados para renovar a experiência fundadora. As religiões reveladas usam dos mesmos meios, e de outros. Para os muçulmanos, a oração comum da sexta-feira na grande mesquita é o momento privilegiado para ter acesso ao divino. A oração comum no templo, no domingo, dá também aos protestantes a oportunidade de se aproximar de Deus, porque o Senhor disse: “Estarei com vocês quando vocês se reunirem para orar em meu nome”. Para os católicos e os ortodoxos, o Cristo está presente sob as formas do pão e do vinho na Elevação, durante a missa, e cada um pode comungar.

25Aos rituais coletivos juntam-se práticas individuais: a oração, a meditação e, mais excepcionalmente, o retiro ou a peregrinação.

Figura 1 Nossa Senhora Aparecida, santuário da padroeira do Brasil

Figura 1 Nossa Senhora Aparecida, santuário da padroeira do Brasil

Foto Hervé Théry 2009

26O resultado é uma divulgação e a difusão muita intensa das crenças religiosas: elas estão presentes por toda a parte. Entre os deuses, Deus, os profetas e os fieis existem intermediários que transmitem a palavra sagrada e organizam os rituais coletivos: pajés, xamãs, padres, monges, ulemás etc. Estes homens de Deus são às vezes organizados em igrejas.

27O resultado desses processos de divulgação é que a fé é profundamente interiorizada.

28O problema da metafísica e das ideologias é um pouco diverso. As narrativas que descrevem a esfera dos Ideais, a Idade do Ouro do passado, a Terra sem Mal do presente, a Utopia do futuro, ou as pulsões inconscientes do ser humano não aparecem como verdades reveladas. Para seus apresentadores, elas resultam do trabalho da razão: isto quer dizer que cada um tem a capacidade de entender os textos ‘metafísicos’ ou ‘ideológicos’: a difusão das crenças se faz através da escola, da leitura. Em princípio, não se precisa ter um corpo de mediadores para transmitir a verdade – mas o papel dos filósofos (da tradição metafísica) e dos intelectuais é importante para divulgar e comentar os trabalhos ‘científicos’ que exploraram o território das novas crenças.

29Em princípio, as ideologias não geram rituais, porque sua hierofania fundadora não foi a revelação dum alhures transcendente, mas o descobrimento de uma área de justiça e felicidade em nosso mundo. De fato, calendários ideológicos aparecem muito rapidamente nas ideologias do progresso e nas filosofias da história: eles comemoram os fundadores ou as primeiras manifestações do novo curso da historia: grandes greves, rebeliões, revoluções. Deste modo, as ideologias do progresso geraram rituais coletivos semelhantes àqueles das religiões: desfiles, manifestações de massa, etc.

30As práticas individuais não são tão importantes que para as religiões: não há oração individual ou coletiva, não há retiros, não há peregrinações.

31As novas ideologias baseadas no multiculturalismo ou na ecologia já oferecem rituais um pouco semelhantes a estes das ideologias do progresso. As ideologias do inconsciente pessoal dão um lugar importante à meditação e à introspecção.

32Como as religiões, as ideologias recorrem a rituais e (menos sistematicamente) a práticas que asseguram sua divulgação em áreas muitas extensas. Toda a população participa em rituais comuns e aceita as mesmas crenças. É a razão pela qual as ligações entre religião (ou ideologia) e política é antiga e forte.

Concentração do poder e autoridade religiosa

Das sociedades contra o Estado às sociedades com um poder centralizado

33As sociedades que estudam os etnólogos geralmente não têm uma organização política forte e centralizada. Na África ao Sul do Saara, Labouret (1931) e Evans-Pritchard (1937) já sublinhavam, nos anos 1930, a frequência de estruturas sem Estado ou de tribos sem chefes. Pierre Clastres (1975) não falava, para as sociedades indígenas da Amazônia e para a maioria das sociedades tradicionais, de sociedades sem Estado: ele preferia falar de sociedades contra o Estado. Sua política era intensa, mas seus membros buscaram limitar as desigualdades e, mais peculiarmente, o poder de cada um.

34Para criar instituições políticas, o primeiro obstáculo é o de superar a desconfiança geral do grupo. Não se pode organizar um sistema político estável se a população, ou pelo menos uma parte dela, não aceita a autoridade de um chefe. Os custos de fiscalização seriam por demais altos. No passado, quando um soberano usava de sua força armada para estender seu território, rebeliões se desenvolveram logo que as tropas afastavam-se duma região. Duas partes se opunham desta maneira no Império marroquino: as zonas próximas da capital, o bled maghzen, onde o controle do território era permanente, e as zonas periféricas, o bled es siba, onde ele desaparecia cada vez que as forças armadas do sultão se afastavam.

A religião como fonte da autoridade política

35A única resposta a este desafio? Ter a vantagem da autoridade que um chefe religioso exerce normalmente sobre os fieis. As primeiras formas de poder concentrado e de institucionalização política foram construídas por sacerdotes-reis. No começo da colonização da África, no século dezenove, muitos eram os exemplos deste tipo de organização política no interior do continente. Na Grécia e em Roma, a figura do sacerdote-rei permanecia viva mesmo que a realidade do poder já havia se tornado diversa.

36A associação de um poder baseado sobre a força militar e a religião caracterizava a maioria dos sistemas políticos tradicionais. Esta associação podia ter formas diversas. No caso mais frequente, o rei ou o imperador aparece como o chefe supremo da igreja: na China, o imperador oficiava como sacerdote nas grandes cerimônias religiosas. Na primavera, ele abria o primeiro sulco: desta maneira, ele reconciliava o mundo profano da agricultura e as forças do Cosmos.

37Outra maneira de apoiar o sistema político sobre a autoridade de origem religiosa era a divinização do Rei ou do Imperador: era a situação do faraó no Egito, dos soberanos na Mesopotâmia antiga, dos Reis persas. Alexandre o Grande aceitou tornar-se um deus para dominar a parte oriental de seu Império. Augusto seguiu uma via semelhante quando instituiu o culto de Roma e de Augusto.

38Essa associação do poder de base militar e religiosa teve consequências para a religião. Ela cessou de aparecer como uma instituição privada, como uma prática individual e pessoal. A religião tornou-se uma parte da organização política. Isso já era verdadeiro no Egito, onde os templos e seus escribas serviam de base administrativa ao Império.

39A situação na Índia era diversa. No hinduísmo, a casta alta dos brâmanes gozava do monopólio das funções religiosas. A casta dos guerreiros não tinha um estatuto tão elevado. Os chefes militares e, por isso, os reis ou imperadores, nunca podiam se beneficiar de uma autoridade religiosa completa: daí a instabilidade crônica dos sistemas políticos hindus e a frequência das dominações estrangeiras.

O caso dos monoteísmos

40A situação foi um pouco semelhante no Israel antigo: os reis nunca se beneficiaram do mesmo estatuto que os profetas ou os sacerdotes.

41No mundo muçulmano, o poder aparece como legítimo enquanto o Sultão governa em nome de Alá, mas este não detém o monopólio da interpretação da palavra divina. Ele pertence aos ulemás, e, no caso dos xiitas, entre os quais existe um clero regular, aos mollahs. Daí uma certa tendência à instabilidade política no mundo muçulmano: a autoridade do poder político é frequentemente ameaçada por clérigos radicais. O sultão, e mais geralmente, o poder político, tem uma única estratégia para evitar suas críticas: se apoiar nas posições religiosas as mais extremistas (Badie, 1987; 1992).

42O Cristianismo coloca um problema um pouco diverso. O Cristo disse: “Rende a César o que pertence a César”, o que significava claramente que essa religião não desejava intervir no domínio político. Os cristãos não poderiam aceitar o culto do Imperador Romano, porque ele era contrário a seu monoteísmo estrito. A religião mudou profundamente a sociedade romana, mais entre suas massas populares que no nível político.

43A situação mudou com Constantino: o Império tornou-se cristão. O Imperador cessou de aparecer como um deus vivo, mas ele se beneficiou da legitimidade advinda de seu apoio ao Cristianismo. Consequentemente, as relações entre poder e religião tornaram-se mais complexas. Foi a Igreja dominada pelo Imperador? Esta foi a solução encontrada pelo Império de Oriente. Na parte Ocidental do Império, o Imperador e os reis tentaram dirigir a Igreja: daí, no período medieval, a longa luta entre o Império e a Igreja, uma luta sem vencedor nem vencido. A Igreja guardou o magistério moral, quer dizer a faculdade de conferir a autoridade suprema ou de desfazê-la, e o Estado o exercício do poder.

As consequências sobre as religiões de seu papel político

44O uso da autoridade de origem religiosa para construir sistemas políticos eficientes teve consequências importantes na vida religiosa e na organização das igrejas.

45A dimensão ritual das religiões foi consolidada: participar em cerimônias religiosas públicas foi um meio para sublinhar a solidariedade entre os sujeitos, e também entre eles e o soberano.

46As igrejas mudaram também profundamente. Graças a sua associação com o poder político, elas tiraram partido do exercício da força para a conversão dos infiéis – sob a forma do djihad muçulmano e da cruzada cristã. No caso da Inquisição, elas tiraram partido também da associação de seus tribunais com a força pública.

47A influência das formas políticas sobre a organização religiosa foi peculiarmente forte no caso do Cristianismo. A Igreja católica calcou sua organização territorial sobre aquela do Império romano, com a diocese – e mais tarde, a paróquia - como unidade fundamental, e uma hierarquia de bispos e arcebispos obediente ao papa.

48No tempo da Reforma, os luteranos e os anglicanos guardaram a estrutura territorial e hierárquica do catolicismo; só os calvinistas repudiaram a estrutura hierárquica, mesmo se eles permaneciam fieis à estrutura territorial de paróquias. Daí a tendência ao pluralismo, à desconcentração da autoridade e ao federalismo das sociedades influenciadas pelo calvinismo – Suíça, Holanda, Estados Unidos.

Secularização da autoridade e nascimento e desenvolvimento das ideologias

A Reforma privou as Igrejas de sua autoridade universal

49A Reforma teve consequências políticas importantes. Por que obedecer a um Rei que não praticou a verdadeira religião e pretender converter seus sujeitos? Teorias da desobediência apareceram na  França, na Inglaterra. A religião não serviu mais de apoio para assegurar a autoridade do soberano e do Estado. Quando a população é dividida entre confissões diferentes, uma parte considera o poder político como legítimo, e a outra como usurpado.

50Para restabelecer a credibilidade do Estado e do governo, a base da autoridade teve de tornar-se laica. Foi a razão do sucesso das ideologias. O Leviatã de Thomas Hobbes (1649) respondeu perfeitamente a este problema: para sair da guerra civil de todos contra todos, do estado de natureza, cada um aceitou o ‘Contrato Social’, que só reservou o recurso da força física a um deus terrestre, o Leviatã, o Estado. Seu poder é legitimo, por que cada um aceitou-o como tal. Desta maneira, Hobbes propunha uma justificativa para o absolutismo que não se baseava mais sobre crenças religiosas. Locke (1690) ou Rousseau (1762) elaboraram mais tarde outras versões das ideologias da história e do progresso, que justificavam regimes democráticos, seja liberais, seja centralizados.

51As relações entre o Estado moderno e os intelectuais que produzem as ideologias tornavam-se semelhantes a essas entre as monarquias do antigo regime e o cristianismo: de um lado, a submissão dos intelectuais ao poder político ou a criação de um corpo de ‘intelectuais orgânicos’ dependentes do partido único na variante totalitária, de outro, uma dualidade entre o poder político e sua instância de legitimação (os intelectuais).

52Alguns teóricos do novo papel das ideologias tiraram uma lição clara desta evolução. Eles ensaiaram acrescentar um aparelho de rituais a suas narrativas ideológicas, a fim de transformá-las em religiões: a religião da humanidade de Auguste Comte aparece como o melhor exemplo dessa evolução.    

53No século dezenove, a secularização da autoridade do Estado tomou formas quase religiosas: o culto da pátria tornou-se uma forma de religião civil, com monumentos àqueles que lutaram para a defesa do país ou aos mártires da liberdade. A transformação das ideologias em religião do Estado tornou-se mais visível nos regimes fascistas ou socialistas.

A nova divisão do trabalho entre sistemas políticos, igrejas e ideologias

54Uma divisão do trabalho operou-se entre as religiões e ideologias. No passado, as primeiras davam um sentido, ao mesmo tempo, à vida dos indivíduos e aos problemas do destino coletivo da sociedade. Doravante, as religiões oferecem essencialmente respostas às perguntas que cada um faz frente aos problemas de sua vida pessoal; as ideologias oferecem respostas às perguntas relativas à justiça social, às desigualdades e ao destino da coletividade ou da humanidade. Desta maneira, a coexistência entre cristianismo e ideologias permaneceu mais ou menos pacífica durante mais de dois séculos.

55O papel político do cristianismo não desapareceu, mas ele mudou de escala: a estrutura hierárquica continuava a afiançar a firmeza dos jogos de poder dentro da sociedade civil, na escala da família ou das comunidades locais. Foi por essa razão que a Igreja não cessou de se beneficiar do apoio do poder político, mas a separação do Estado e da Igreja fez desaparecer o uso da força pública ou da justiça civil a serviço da Igreja.

56Essa evolução reduziu evidentemente o papel social e o estatuto político das religiões. Desde o fim do século dezenove, uma reação se desenvolveu no mundo católico: as diversas formas do catolicismo social propuseram respostas às questões de justiça social – e a dimensão pessoal dos ensinos da Igreja foi, às vezes, um pouco desprezada. A aproximação entre ideologias do progresso e catolicismo culminou com as teologias da libertação.

A evolução contemporânea

57O nascimento das ideologias do inconsciente, no século dezenove, teve uma influência, mas limitada, sobre as relações entre ideologias e religiões: as formas econômicas das ideologias do inconsciente, e mais especialmente do marxismo, reforçavam as ideologias do progresso e geraram uma nova forma delas, o socialismo.

A concorrência entre ideologias do inconsciente pessoal e as  religiões

58As ideologias do inconsciente pessoal se desenvolveram mais tarde, no fim do século dezenove. No começo, seu sucesso foi limitado a uma fração da burguesia, a única classe que tinha bastante dinheiro e tempo livre para analisar seus sonhos e frequentar psicanalistas. Mas já nos anos 1920 e 1930, seu impacto se generalizou a todas as classes sociais, especialmente nos Estados Unidos.

59As ideologias do inconsciente não faziam concorrência com as ideologias do progresso. Seu impacto no campo da política foi limitado à escala do Estado. Ele foi, ao contrário, muito forte do lado das religiões reveladas. No lugar de uma concepção da felicidade reservada ao outro mundo, elas propunham uma visão da felicidade baseada na vida do ser humano aqui, em nosso mundo. O recuo rápido das religiões tradicionais em meados do século vinte advém essencialmente dessa concorrência. Mais peculiarmente, elas perderam seu papel de garantia das instituições elementares do poder, a família e a comunidade local.

60A ‘secularização’ do mundo resultou em grande parte dessa evolução.  

A crise das ideologias do progresso e das filosofias da história

61As críticas contra a ideia de um desenvolvimento contínuo e ilimitado das sociedades humanas multiplicam-se desde o inicio do século vinte. A produção material cresce rapidamente graças ao uso de fontes de energia fóssil e nuclear, mas os problemas crescem igualmente: esgotamento das reservas de petróleo, de carvão, de gás e de minérios metálicos; poluição sobre áreas cada dia mais extensas; aquecimento climático. A vida torna-se mais fácil e agradável, a mortalidade diminui, a expectativa de vida alonga-se, mas as armas nucleares ameaçam o futuro da humanidade. Depois das guerras do século dezenove, do genocídio dos judeus e do atentado do 11 de Setembro de 2001 em Manhattan, sabe-se que o progresso material não conduz automaticamente à moderação dos comportamentos.

62A crítica das ideologias do progresso tem outro aspecto: elas aparecem como uma produção típica da modernidade ocidental. No período pós-moderno, a ideia de uma progressão ilimitada da sociedade é interpretada como uma consequência duvidosa do racionalismo cartesiano e como um meio para estender o domínio europeu sobre as sociedades não-ocidentais.

63O declínio das ideologias do progresso foi acelerado pelo fim do socialismo na Europa oriental em 1989 e a implosão da União Soviética em 1991. Mas os regimes de democracia  liberal estavam também apoiados sobre as ideologias do progresso. Eles atravessam igualmente uma crise de legitimidade.

64Hoje, as possibilidades para legitimar um regime político são (i) de utilizar as ideologias do inconsciente pessoal, do multculturalismo ou dos novos ecologismos para firmar sua autoridade, (ii) de retornar às formas das religiões anteriores às filosofias da história e às ideologias, (iii)  de dar um papel político às novas religiões, evangelismos ou seitas.

65(i) As ideologias novas diferem daquelas do progresso porque elas são baseadas sobre um ideal de realização completa de cada individuo no presente: é difícil sobre esta base ter confiança em formas centralizadas de um poder forte. O Estado perde sua justificação. Os poderes locais e as associações têm uma legitimidade mais evidente.

66(ii) A crise da forma ocidental do Estado se traduz, no Oriente Médio, pelo sucesso dos fundamentalismos, isto é do retorno a doutrinas que subordinam o exercício do poder político às religiões.

67(iii) O catolicismo conhece novas interpretações. As tentativas de utilizá-lo nos campos social e político não têm o mesmo sucesso que há trinta ou quarenta anos atrás. Uma atenção maior é dada à dimensão pessoal da fé. Com o movimento carismático, a prática religiosa católica se aproxima daquelas dos evangélicos ou das seitas.

68As narrativas dessas novas formas de religião permanecem aparentemente vizinhas daquelas do cristianismo, com um Deus único que se revelou a um profeta. Mas os empréstimos das ideologias do inconsciente são mais significativos. A teologia da Igreja universal do Reino de Deus reabilita o corpo; ela sublinha a onipresença das forças do Mal: este é exterior ao indivíduo, o que elimina sua responsabilidade e rompe com a noção do pecado original. Essa teologia não é uma teologia da pobreza: Deus é generoso e deseja que seus filhos sejam prósperos!

69Desta maneira, as novas religiões combinam a forma narrativa clássica das religiões reveladas e os ensinos das ideologias do inconsciente. Como essas, não legitimam as formas centralizadas do Estado. Para elas, o poder só é legitimo na escala local, mas ele sempre deve estar subordinado a Igreja.

Conclusão

70A abordagem cultural em geografia oferece perspectivas novas para entender as estruturas políticas e o papel da experiência e das instituições religiosas na organização do espaço.

71Para entender o cruzamento dos fatos políticos e do religioso, os geógrafos têm de partir de uma analise precisa das componentes do poder e da vida religiosa. É porque a religião oferece o meio o mais eficiente de legitimação do poder e de sua autoridade, que ela teve um papel central no nascimento das formas centralizadas de poder. É porque as religiões reveladas não poderiam mais legitimar o governo nos países divididos pela Reforma que as ideologias se desenvolveram como substitutos parciais das religiões.

72O fim das ideologias do progresso e das filosofias da história desfaz as fundações do Estado centralizado do tipo ocidental e explica a transformação atual das religiões ou das ideologias, bem como a crise dos sistemas políticos.  

Haut de page

Bibliographie

Badie B., Les Deux États, Paris, Fayard, 1987.

Badie B., L’État importe, Paris, Fayard, 1992.

Clastres P., La Société contre l’État, Paris, Éditions de Minuit, 1974.

Claval P., Religions et idéologies. Perspectives géographiques, Paris,PUPS, 2008.

Claval P., Les Espaces du Politique, Paris, A. Colin, 2010.

Eliade M., Le Sacré et le profane, Paris, Gallimard, 1965 ; ed. or. allemande, 1957.

Evans-Pritchard, The Nuer, Oxford, Clarendon Press, 1937.

Hobbes Th., Leviathan, London, 1649.

Labouret H., Les Tribus du rameau Lobi, Paris, Institut d’Ethnologie, 1931.

Locke J., Two Treatises on Government, London, 1690.

Rousseau J.-J., Le Contrat social, Amsterdam, 1762.

Rosendahl Z., Espaço e religião: uma abordagem geográfica, Rio de Janeiro, NEPEC, 1996.

Wunenberger J.-J., Le Sacré, Paris, PUF, 1981.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 Nossa Senhora Aparecida, santuário da padroeira do Brasil
Crédits Foto Hervé Théry 2009
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7115/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 200k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Paul Claval, « Política, espaço e cultura: as ligações entre poder e religião », Confins [En ligne], 12 | 2011, mis en ligne le 02 juillet 2011, consulté le 22 juillet 2017. URL : http://confins.revues.org/7115 ; DOI : 10.4000/confins.7115

Haut de page

Auteur

Paul Claval

Université de Paris-Sorbonnep.claval@wanadoo.fr

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org