Navigation – Plan du site

Vidal de la Blache, Ciência e Política: notas a partir do caso africano

Vidal de la Blache, Science et politique : notes à partir du cas africain
Guilherme Ribeiro

Résumés

Ce texte vise à souligner l'intérêt de Vidal de la Blache pour le continent africain, du point de vue d'un promoteur de la colonisation française - révélant ainsi un géographe engagé dans les domaines politique, stratégique et géopolitique.

Haut de page

Notes de l’auteur

Este artigo está inscrito no âmbito do projeto de pesquisa “Epistemologia e Política : uma Releitura da Geografia Vidaliana para o Século XXI”, contemplado pelo Programa Jovens Pesquisadores (2010) da Universidade Federal Fluminense (UFF) e dirigido por mim no Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Regional (Campos dos Goytacazes) desta mesma universidade.

Texte intégral

Paul CrampelAfficher l’image
Crédits : (©Leemage)

“Nossas intenções são, seguramente, excelentes, mas elas são mal interpretadas”(Paul Vidal de la Blache, 1897)

  • 1  “Le Sahara par Schimmer” (1893), “Madagascar et Menuthias, d’après M. Grandidier” (1894), “La zone (...)
  • 2  Nas palavras de Sibeud, “os geógrafos reagrupados em torno dos Annalesdegéographie procuram e enco (...)
  • 3  Vide, por exemplo, a conferência proferida na Union coloniale française no ano de 1897. Intitulada (...)

1“Mission Crampel et itinéraire Dybowski”, de 1893, e “L’Afrique centrale française, par Auguste Chevalier”, de 1908, fazem parte de um interessante painel onde, juntamente com outros textos1 Paul Vidal de la Blache associa interesses científicos e interesses políticos nas páginas dos Annales de Géographie2, criado em 1891. O fato de Marcel Dubois, co-fundador desta revista ao lado de Vidal, ter sido o primeiro ocupante da cátedra de Geografia Colonial na Sorbonne em 1892, não significa que a Geografia vidaliana fosse estritamente científica e, portanto, alheia aos aspectos geopolíticos e estratégicos da disciplina. Por essa razão, embora os argumentos de Olivier Soubeyran sejam assaz pertinentes ao apontar a ausência deliberada da dimensão política na escrita da história do pensamento geográfico, ao se convencer de que houve uma “batalha dos Annales” entre a geografia colonial de Dubois e a geografia científica do vidaliano Lucien Gallois (Soubeyran, 1997), tal leitura pode soar, seja aos menos atentos ou aos conservadores, como se a Geografia Humana de Vidal de la Blache e dos vidalianos – o projeto vencedor da referida batalha – estivesse apartada da questão colonial. Muito pelo contrário3. Política, estratégia e geopolítica atravessam toda a obra vidaliana (vide Ribeiro, 2010). Ainda assim, no que concerne à história das idéias, supostos “consensos” não são fáceis de serem desfeitos.

2Um exemplo : mesmo trabalhos recentes que procuram investigar a relação entre a Geografia e o Colonialismo francês continuam a repetir a velha cantilena febvriana (Febvre, 1991 [1922]). Tentando explicar a progressiva “descolonização” dos artigos do boletim da Sociedade de Geografia de Lyon, Jean-François Klein identifica a profissionalização da ciência geográfica francesa como uma das principais razões para isso e, sem pestanejar, assevera : “No final da década de 1890, os vidalianos dominam a paisagem intelectual geográfica. Com eles, a geografia torna-se uma ciência normatizada [normée], regionalista ; em suma, vidaliana” (Klein, 2008 :108). Ora ; se o movimento histórico-intelectual caminha, de fato, para a superação da Geografia Colonial pela Geografia Acadêmica (cf. Chouiki, 2008 :121), com a gradual fragilidade institucional de Dubois na Sorbonne sendo um traço simbólico desse processo (sua morte significou o fim da cátedra que ocupava, por exemplo, cf. Zytnicki, 2008 :203-206), isso não quer dizer que a Escola Francesa de Geografia se constituiu à margem da geopolítica, da preocupação com as colônias e da defesa do Colonialismo, tal como as teses equivocadas de Lacoste nos fizeram acreditar (Lacoste, 1988 [1976]). Infelizmente, pelo menos até agora, suas retratações não foram suficientes para desfazer a imagem de um Vidal de la Blache simplório e enfadonho…

3Enfim, uma reinterpretação da história do pensamento geográfico se faz, antes de tudo, indo às fontes e assumindo uma postura crítica e problematizadora diante delas – lição básica e incontornável após os esforços da historiografia annaliste. Assim, ao analisarmos os artigos em tela, de fato, para um geógrafo as expedições pela África eram, do ponto de vista científico, cruciais. Representavam a possibilidade de conhecer fenômenos os mais variados observados inloco, atestar a validade ou não de rotas e traçados e, notadamente, a elaboração de mapas. Embora Vidal não guardasse nenhuma ingenuidade quanto aos mesmos, mantendo uma posição crítica a seu respeito, não restam dúvidas de que – sobretudo no período em tela – os mapas significavam uma conquista da ciência geográfica, o resultado de um trabalhoso copioso porém essencial. Não por acaso, dos esforços de Crampel, Dybowski e Chevalier, Vidal retém a questão das latitudes e de sua exata precisão. Herança do geógrafo alemão Karl Ritter (cf. Claval, 2001), a posição e a situação assumem lugar em sua reflexão. Nesse sentido, não esquece também das atividades topográficas, fundamentais para a consecução das cartas e para o levantamento de um território ainda majoritariamente desconhecido.

4Todavia, se a cartografia colonial é um dos espaços onde a “ciência e as ambições imperiais se reencontram” (Blais, 2008 :134), não podemos deixar de perceber que é com um olhar geopolítico que Vidal acompanha a missão Crampel, o itinerário Dybowski, a missão Chari-Lac Tchad, as expedições de Gautier… Numa conjuntura complexa envolvendo conquistas territoriais, estratégias militares, sociedades de geografia e negócios coloniais, a Geografia que então se afirmava nas Universidades nas décadas posteriores a 1870 era um discurso científico cujo conteúdo era indissociável da política. Seja quando discorria sobre as características físicas de uma área como condição elementar para a compreensão de sua economia, cultura e sociedade, seja quando destacava a importância do mapeamento para a defesa das fronteiras coloniais, a Geografia vidaliana esteve o tempo todo articulando ciência e política.

5Por vezes, a narrativa assume ares dramáticos : “A despeito do valor dos ensinamentos aportados por esses valorosos exploradores, não podemos resistir a algum desapontamento imaginando quanto os resultados geográficos ainda são poucos em relação à soma de heroísmo e de sangue dispensados” (Vidal de la Blache, 1893, p. 246). De qualquer maneira, é interessante perceber a dependência da ciência geográfica para com as expedições, como revela a sequência da citação acima : “Estes primeiros clarões, numa região onde tudo estava por conhecer, nos fazem desejar profundamente maiores esclarecimentos. Desejemos que eles venham do sr. Maistre, cujas últimas novidades, expedidas de Kémo, datam de 25 de junho de 1802” (idem). No entanto, aderir à causa colonial não significa deixar de criticar seus rumos. Abordando temas como a fome, o tráfico e o êxodo dos autóctones, Vidal se pergunta : “O que temos feito para tentar restabelecer esse país ? Isso merece um exame de consciência” (Vidal de la Blache, 1908, p. 171).

6Finalmente, um traço praticamente inédito no pensamento vidaliano emerge em “L’Afrique centrale française” : a degradação do meio ambiente. Deterioração climática, assoreamento e decadência de rios, temas abordados por Chevalier, são separados por Vidal, demonstrando a atualidade de seus escritos.

7Os geógrafos do século XXI tem uma dívida com os geógrafos dos séculos XIX e XX que jamais será paga. Entretanto, uma forma de remediá-la é abrindo a história do pensamento geográfico. Sem quaisquer restrições.

Haut de page

Bibliographie

Blais Hélène, “Les représentations cartographiques du territoire algérien au moment de la conquête : le cas de la carte des officiers d’état-major” (1830-1870), In Pierre Singaravélou (dir.), L’empire des géographes. Géographie, exploration et colonisation (XIX-XX siècle), Paris, Belin, p. 124-134, 2008.

Chouiki Mustapha, “La géographie coloniale : engagement politique et flou identitaire. Le cas marocain”, In Singaravélou Pierre (dir.) L’empire des géographes. Géographie, exploration et colonisation (XIX-XX siècle), Paris, Belin, p. 112-123, 2008.

Claval Paul, Épistémologie de la Géographie, Paris, Nathan, 266p., 2001.

Febvre Lucien, A Terra e a Evolução Humana. Introdução Geográfica à História, 2ª ed. Lisboa, Cosmos, 339 p., 1991 (1922).

Klein Jean-François, “La Société de géographie de Lyon : pour la Croix et la soie ? (1873-1900)”, In Pierre Singaravélou (dir.), L’empire des géographes. Géographie, exploration et colonisation (XIX-XX siècle), Paris, Belin, p. 91-109, 2008.

Lacoste Yves, A Geografia isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra, Campinas, Papirus, 263p., 1988 (1976).

Ribeiro Guilherme, “Território, império e nação : geopolítica em Paul Vidal de la Blache”, Revista da Anpege, vol. 6, p. 29-42, 2010.

Sibeud Emmanuelle, “La Société de géographie de l’Afrique occidentale française (1907-1908) : un modèle périmé ?”, In Pierre Singaravélou (dir.), L’empire des géographes. Géographie, exploration et colonisation (XIX-XX siècle), Paris, Belin, p. 80-90, 2008.

Soubeyran Olivier, Imaginaire, science et discipline, Paris, L’Harmattan, 458p., 1997.

Suremain Marie-Albane de, “Métamorphoses d’un continent. L’Afrique des Annales de Géographie de 1919 au début des années 1960”, Cahiers d’Études africaines, 153, XXXIX-1, p. 145-168, 1999.

Vidal de la Blache Paul, Les confins algero-marrocains, d’après le livre de Augustin Bernard. Annales de Géographie, année XX, nº 114, p. 448-452, 1911a.

Vidal de la Blache Paul, La conquête du Sahara, d’après E. F. Gautier. Annales de Géographie, année XX, nº 109, p. 73-77, 1911.

Vidal de la Blache Paul, L’Afrique centrale française, par A. Chevalier. Annales de Géographie, année XVII, nº 92, p. 165-171, 1908.

Vidal de la Blache Paul, Les civilisations africaines, d’après Frobenius. Annales de Géographie, nº 39, p. 265-267, 1899.

Vidal de la Blache Paul, La zone frontière de l’Algérie et du Maroc, d’après de nouveaux documents. Annales de Géographie, VI année, nº 28, 1897.

Vidal de la Blache Paul, L’éducation des indigènes. Revue scientifique (Revue rose), n.12, tome VII, mars, p. 353-360, 1897a.

Vidal de la Blache Paul, Madagascar et Menuthias, d’après M. Grandidier. Annales de Géographie, nº 10, p. 243-244, 1894.

Vidal de la Blache Paul, Le Sahara par Schirmer. Annales de Géographie, nº 9, p. 99-100, 1893a.

Vidal de la Blache Paul, Mission Crampel et Itinéraire Dybowski, Annales de Géographie, nº 6, p. 245-246, 1893.

Zytnicki Colette, “La géographie tropicale est-elle l’héritière de la géographie coloniale ? L’exemple de l’enseignement de la géographie coloniale à Bordeaux (1890-1948)”, In Pierre Singaravélou (dir.), L’empire des géographes. Géographie, exploration et colonisation (XIX-XX siècle), Paris, Belin, p. 202-211, 2008.

Haut de page

Notes

1  “Le Sahara par Schimmer” (1893), “Madagascar et Menuthias, d’après M. Grandidier” (1894), “La zone frontière de l’Algérie et du Maroc, d’après de nouveaux documents” (1897), “Les civilisations africaines d’après Frobenius” (1899), “La conquête du Sahara d’après E. F. Gautier” (1911) e “Les confins algero-marrocains, d’après le livre de Augustin Bernard” (1911a).

2  Nas palavras de Sibeud, “os geógrafos reagrupados em torno dos Annalesdegéographie procuram e encontram aliados no seio do pessoal colonial” (Sibeaud, 2008:89, grifo nosso). Uma investigação sobre a África nos Annales foi feita por Suremain (Suremain, 1999).

3  Vide, por exemplo, a conferência proferida na Union coloniale française no ano de 1897. Intitulada “L’éducation des indigènes”, nela Vidal defende a relevância da imposição da língua francesa e a “influência moral” que seus compatriotas devem exercer sobre os autóctones. Destaca os “prejulgamentos” e a “ignorância” dos mesmos face aos franceses, além de associar a colonização francesa à colonização romana (Vidal de la Blache, 1897a).

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Guilherme Ribeiro, « Vidal de la Blache, Ciência e Política: notas a partir do caso africano », Confins [En ligne], 12 | 2011, mis en ligne le 02 juillet 2011, consulté le 23 septembre 2017. URL : http://confins.revues.org/7167 ; DOI : 10.4000/confins.7167

Haut de page

Auteur

Guilherme Ribeiro

Doutor em Geografia pela Universidade Federal Fluminense, com estágio doutoral pela Universidade de Paris – Sorbonne (Paris IV)geofilos@ig.com.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org