Navigation – Plan du site

Missão Crampel e Itinerário Dybowski

Paul Vidal de la Blache
Traduction de Guilherme Ribeiro
Référence(s) :

Publicado originalmente nos Annales de Géographie, n.6, pp. 245-246, 1893. Esta tradução foi realizada no âmbito do projeto de pesquisa “Epistemologia e Política : uma Releitura da Geografia Vidaliana para o Século XXI”, contemplado pelo Programa Jovens Pesquisadores (2010) da Universidade Federal Fluminense (UFF) e dirigido por mim no Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Regional (Campos dos Goytacazes) desta mesma universidade.

Texte intégral

  • 1  “Corrente muito rápida de um rio, determinada por uma catadupa, por uma catarata ou por um salto”, (...)
  • 2  Morto por doença na aldeia de Makourou em março de 1891.

1O mapa apresentado no final deste artigo combina os resultados das explorações efetuadas sobre o Oubangui pela missão Crampel com os dos itinerários de Dybowski e de seus companheiros ao norte e a oeste deste rio. Sabe-se que acima do posto francês de Bangui (4º 21’ lat. N), ou seja, a mais ou menos 500 km do confluente do Oubangui no Congo (0º 6’ lat.S, conforme Rouvier), o Oubangui-Ouellé é interceptado por uma série de rapides1, alcançadas pela primeira vez na subida do rio por Greenfell em novembro de 1885 e transpostas em dezembro de 1887 por Van Gèle. Lembremos que as posições determinadas em outubro de 1880 pelo engenheiro Lauzière, membro da missão Crampel 2, tiveram como resultado a correção de um erro de 80km nas latitudes indicadas pelo oficial belga, bem como atestaram a curva setentrional do Oubangui ao norte de 5º (até 5º 11’ lat. N).

  • 3  Ver o mapa publicado no Journal des Débats de 16 de fevereiro de 1891.
  • 4  Journal Officiel, 24 de março de 1892. Nouvelles géogr., 1892, n.4.
  • 5  Ver o croqui publicado no Bulletin du Comité de l’Afrique française (março de 1892).

2Esse espigão [éperon] rochoso que, talvez, esteja ligado ao sistema montanhoso de Adamaoua, produz uma vintena de rapides, superadas com bastante dificuldade por Crampel em outubro de 1890 — época das marés altas — e um ano depois por Dybowski. Crampel prolongou o reconhecimento do Oubangui até o confluente do Kouango, que ele percorreu novamente durante três dias antes de se lançar ao norte 3. Em 14 de julho de 1891, instruído em Brazzaville do desastre que havia destruído a missão em auxílio da qual havia sido enviado, Dybowski se pôs na estrada por conta própria. Entretanto, foi somente após ter feito operar, através de Nebout, o reconhecimento do Mpoko, afluente à direita do Oubangui, e por Brunache o reconhecimento do Ombella e do Kemo 4, que ele partiu definitivamente da aldeia de Bembé rumo ao norte em 8 de novembro de 1891. Em 22 de novembro ele alcançava, perto da aldeia de Yabanda, uma parte dos agressores de Crampel, e obteve vingança. Em 1º de dezembro, com esforço alcançava a vista da aldeia de Makourou de onde, quatro dias depois, na ausência de recursos, teve que retroceder caminho. Nessa marcha tão rápida, Dybowski havia seguido, passo a passo, o itinerário outrora percorrido pela retaguarda da expedição Crampel, aquela que Nebout comandava e que pôde salvar, tornando-se um dos tenentes de Dybowski 5.

3Assim, a região percorrida de Bangui a essa misteriosa Bled-el-Kouti, na qual se encontra o vestígio no relato de Nachtigal, oferece, sob vários pontos de vista, um interesse especial.

  • 6  Carta datada de Bangui (2 de janeiro de 1892) e publicada no Bulletin du Comité de l’Afrique franç (...)
  • 7  No original, há duas palavras após “águas baixas” cuja impressão não está clara. Talvez seja “fina (...)
  • 8  Comptes rendus des séances de la Société de géographie, 1892 ; nº 15 e 16.

41º : Limite das bacias Congo e Chari. No itinerário publicado pela Sociedade de Geografia por ocasião da recepção de Dybowski, esse limite está marcado como se estivesse a uns 12km ao norte de Yabanda. No entanto, as próprias indicações do itinerário sobre os cursos d’água que corresponderiam a esta posição ainda parecem mostrar uma direção para o leste. Além disso, ela resulta de uma carta de Dybowski 6 dizendo que foi no segundo dia de caminhada após ter deixado Yabanda que ele começou a ver “todos os ribeiros e os pequenos rios, ao invés de escoar para o leste, se dirigir para o noroeste”. Antes de chegar a Makourou em 29 ou 30 de novembro, ele encontra um rio importante que se dirigia para o noroeste. Sobre a largura desse rio, seu testemunho varia. Na carta anteriormente citada, ele diz : “Nesse momento (águas baixas7), ele possui, em média, 18m de largura”. Na conferência de 18 de novembro de 1892, ele identifica esse rio como o Chari, atribuindo-lhe uma largura média de 60m 8.

5Na falta de indicações mais precisas, nos limitaremos a concluir que o limite das duas bacias deve estar situado, ao nosso ver, a uns 30km ao norte de Yabanda, um pouco abaixo de 6º40’latitude norte. Ele consiste em altos platôs de rochas ferruginosas. Nota-se que aqui, como na região de Bomou, as recentes explorações estendem, mais do que se acreditava, o domínio do Congo em direção ao norte.

  • 9  O sr. Dybowski enviou ricas coleções, na qual uma parte foi exposta no Museu.
  • 10  Também conhecida como dendê (N.T).
  • 11  Árvores altas, de folhas longas e flores pequenas, originárias das regiões tropicais da Ásia, Áfri (...)

62º : Floresta Equatorial. A região atravessada marca a transição entre a vegetação equatorial e a das savanas, uma das mudanças de natureza das mais notáveis e das mais vivamente assinaladas pelos viajantes na África intertropical. A esse respeito, o testemunho de um naturalista como o sr. Dybowski possui valor particular 9. Crampel já havia observado a mudança que se revela desde que, acima da série de rapides, se alcança a estação belga de Mokangoué. O pays se descobre. Vê-se “pradarias de altos pastos semeadas de bosques de árvores. A palma de óleo10 torna-se rara”, enquanto o borassus11, cujo fruto é avidamente procurado pelos elefantes, abunda. É de fato nesta zona, terminada ao norte pelo limite das florestas de borassus, que os Srs. Brunache e Dybowski notam a presença de numerosos elefantes e a afluência desta rica fauna, característica na África da zona que margeia o Hyloea equatorial.

  • 12 Peterman's Mitteilungen 1866, p.272, mapa 13.

7Esta não alcança, ao longo do Oubangui, 5º de latitude norte. Se se compara essa extensão ao norte do Equador com a que Von François indica, no sul, para a região de Cassai (praticamente correspondente em longitude), julgaremos que a região florestal possui um desenvolvimento bem mais considerável ao sul 12. Segundo o viajante alemão, o traço florestal se pronuncia entre o Loangé e o Cassai, desde 6º 30’ de latitude austral.

8Em seu retorno sobre o Oubangui, o sr. Dybowski completa a exploração do Kémo e estabelece um posto sobre esse rio, julgado por ele a melhor via de penetração.

9A despeito do valor dos ensinamentos aportados por esses valorosos exploradores, não podemos resistir a algum desapontamento imaginando quanto os resultados geográficos ainda são poucos em relação à soma de heroísmo e de sangue dispensados. Estes primeiros clarões, numa região onde tudo estava por conhecer, nos fazem desejar profundamente maiores esclarecimentos. Desejemos que eles venham do sr. Maistre, cujas últimas novidades, expedidas de Kémo, datam de 25 de junho de 1802.

Missão P. Crampel e itinerário Dybowski (1890-1892)

Missão P. Crampel e itinerário Dybowski (1890-1892)

Escala 1 :1.000.000.000. Legendas : Itinerário Dybowski, Rios arborizados ao longo dos cursos d’água. A altura está em metros.

Haut de page

Notes

1  “Corrente muito rápida de um rio, determinada por uma catadupa, por uma catarata ou por um salto”, cf. Grande Dicionário Francês/Português Domingos de Azevedo. 11ª ed. Lisboa: Bertrand (1989). Esta palavra se repetirá outras vezes e aparecerá em itálico (N.T.).

2  Morto por doença na aldeia de Makourou em março de 1891.

3  Ver o mapa publicado no Journal des Débats de 16 de fevereiro de 1891.

4  Journal Officiel, 24 de março de 1892. Nouvelles géogr., 1892, n.4.

5  Ver o croqui publicado no Bulletin du Comité de l’Afrique française (março de 1892).

6  Carta datada de Bangui (2 de janeiro de 1892) e publicada no Bulletin du Comité de l’Afrique française (maio de 1892).

7  No original, há duas palavras após “águas baixas” cuja impressão não está clara. Talvez seja “final de novembro”, embora seja praticamente impossível precisar (N.T.).  

8  Comptes rendus des séances de la Société de géographie, 1892 ; nº 15 e 16.

9  O sr. Dybowski enviou ricas coleções, na qual uma parte foi exposta no Museu.

10  Também conhecida como dendê (N.T).

11  Árvores altas, de folhas longas e flores pequenas, originárias das regiões tropicais da Ásia, África e Nova Guiné (N.T.).

12 Peterman's Mitteilungen 1866, p.272, mapa 13.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Missão P. Crampel e itinerário Dybowski (1890-1892)
Crédits Escala 1 :1.000.000.000. Legendas : Itinerário Dybowski, Rios arborizados ao longo dos cursos d’água. A altura está em metros.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7168/img-1.png
Fichier image/png, 2,4M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Paul Vidal de la Blache, « Missão Crampel e Itinerário Dybowski », Confins [En ligne], 12 | 2011, mis en ligne le 02 juillet 2011, consulté le 17 novembre 2017. URL : http://confins.revues.org/7168 ; DOI : 10.4000/confins.7168

Haut de page

Auteur

Paul Vidal de la Blache

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org