Navigation – Plan du site

A África Central Francesa, por Auguste Chevalier

Paul Vidal de la Blache
Traduction de Guilherme Ribeiro
Référence(s) :

Mission Chari-Lac Tchad, 1902-1904. L’Afrique Centrale Française. Récit du voyage de la mission par Auguste Chevalier ; apêndice por MM. PELEGRIN, GERMAIN, COURTET, PETIT, BOUVIER, LESNES, DU BUYSSON, SURCOUF, [CHEVALIER]. Paris, A. Challamel, 1907 [capa 1908]. In-8, XV + 776p., 112 fig., 8 pl. phot., 6 pl. mapas. 20fr.

Notes de l’auteur

Publicado originalmente na seção Notes et correspondance da revista Annales de Géographie, nº 92, XVII, pp. 165-171, 1908. Esta tradução foi realizada no âmbito do projeto de pesquisa “Epistemologia e Política: uma Releitura da Geografia Vidaliana para o Século XXI”, contemplado pelo Programa Jovens Pesquisadores (2010) da Universidade Federal Fluminense (UFF) e dirigido por mim no Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Regional (Campos dos Goytacazes) desta mesma universidade. Agradeço a presteza de Hervé Théry (CNRS/USP) no esclarecimento de algumas expressões.

Texte intégral

  • 1  Ver o relato dessa exploração e o mapa que a acompanha nos Annales de Géographie, III, 1893-1894, (...)
  • 2  Mapa do cap. TILHO na escala 1: 400 000: Le Tchad, Aspect général en fin Avril 1904 (La Géographie(...)

1Constituída pelo decreto de 15 de fevereiro de 1906 sob a autoridade de um Tenente-Governador, a província de Oubangui-Chari-Tchad foi a última a chegar e a mais distantedas províncias de nosso domínio africano. Situada entre a extremidade setentrional do rio Oubangui e o Kanem a nordeste do lago Tchad, estendendo-se sobre 9º de latitude e mais de 6º de longitude, ela cobre uma superfície que ultrapassaconsideravelmente a da França. Durante muito tempo, o que sabíamos sobre essas regiões [contrées] se restringia às informações interessantes, porém fragmentadas, recolhidas in loco por Barth e Nachtigal em 1852 e 1872. Porém, vindos pelo Norte, tais viajantes não puderam avançar muito para além de 10º de latitude. Foi somente em 1890 que a constituição de postos franceses sobre o Oubangui forneceu, enfim, uma base mais cômoda de operações. Daí em diante, as explorações se encadearam. Foi de lá que, no ano seguinte, o infortunado Crampel avançou em mais de 400 km um ousado ponto em direção ao Norte; em maio de 1891, ele foi assassinado em circunstâncias que o tato e a sagacidade do sr. Chevalier souberam perfeitamente esclarecer. Seis meses depois, Dybowski avançou por meio de seus sinais. No momento em que retornou à Brazzaville, reencontrou Maistre que, por sua vez, penetrando no desconhecido, religa, em Palem – em 7 de novembro de 1892, entre 9º e 10º de latitude–, seu itinerário ao de Nachtigal, antes de se relançar em direção a Bénoué 1. De modo que este ponto, incorporado mais tarde aos itinerários do sr. Chevalier, é como que a pedra angular da exploração do centro da África. Contudo, para obter um conhecimento menos sumário da região [contrée], era necessário que o rendimento [soumission] se efetivasse. Tal resultado foi atingido por Gentil que, em 1898, conseguiu fazer com que um navio a vapor passasse de Oubangui ao Chari e ao Tchad, bem como pela derrota infligida ao sultão Rabah em 1899. Tal derrota, porém, foi paga com a vida pelo comandante Lamy no momento em que, com Foureau, completava sua memorável travessia saariana. A exploração científica pôde, então, seguir mais livremente seu curso. Já em 1897 o tenente Dyé, da Missão Marchand, havia feito observações astronômicas sobre o Oubangui. Sucessivamente, as Missões Lenfant, Tilho e Moll, através do Bénoué, do Zinder e do Sangha, respectivamente, religaram seus itinerários aos de Foureau. Nossos oficiais cobriram a região [contrée] com uma vasta rede de levantamentos topográficos; notadamente, eles souberam perpetrar o tourdeforcede representar, num mapa – que é uma espécie de instantâneo –, a configuração quase que incompreensível do Tchad 2. Se acrescentarmos a tais reconhecimentos as pesquisas etnográficas e as determinações do Dr. Cureau, bem como as observações geográficas e metereológicas do administrador Bruel – e isso para citar aqui apenas alguns nomes principais –, nota-se que, após dezoito anos, se desenvolveu um capítulo interessante e pouco conhecido da exploração africana entre o Oubangui e o Tchad.

  • 3  Relatório (p.1-434). Apêndices (p. 435-776).

2Para ampliar e precisar nossos conhecimentos sobre essas regiões [contrée], em 1902 uma missão foi confiada a um botanista já recomendado por suas importantes pesquisas no Sudão Ocidental: o sr. A. Chevalier. Ele foi assistido por um geólogo, o sr. H. Courtet, e por um etnólogo, o Dr. J. Decorse, além de V. Martret. Partindo de Brazzaville em julho de 1902, a missão só retornou à França em fevereiro de 1904. O grosso volume que temos sob nossos olhos – cujo único defeito é apenas o de ser pouco manejável – é um documento eloquente do precioso butim que ele relatou. É composto por uma narrativa muito bem apresentada e muito atraente, seguida de copiosos apêndices. Alguns deles possuem verdadeiro interesse geográfico 3.

  • 4  Família de plantas dicotiledôneas da qual pertence a vinha (N.T)
  • 5  A. Chevalier, obra citada, p.121-126.  
  • 6 Ibid., p.168; p. 169, fig. 34; p. 223.

3Em semelhante matéria, precisar e corrigir não é um serviço menor que um verdadeiro expert [savant] possa efetuar. A fim de impedir que a literatura colonial seja obstruída porinformações vagas, prematuras ou mesmo francamente errôneas, uma crítica sériaé obrigatória. O autor teve diversas ocasiões de fazer justiça a indicações deste gênero. Assim, ele restabeleceu o devido valor à lenda das “vinhas selvagens do Chari” : os Ampélidées4, cuja existência deu lugar a esta expressão, são tão interessantes do ponto de vista científico quanto desprovidos de valor econômico 5. Decididamente, a vinha não tem nenhuma chance de ser implantada na África tropical.Outra retificação: informações indicavam uma extensão de cafezal até o norte do Baguirmi. O sr. Chevalier reconheceu bem várias espécies de cafés selvagens, mas sobretudo um, o Coffea excelsa6, é uma descoberta preciosa. Todavia, eles não ultrapassam a zona das galerias florestais.

  • 7  Posição de Ndelé segundo o Sr. BRUEL: 8º23’30” lat. N; 18º30” long. Leste; altitude 616m. Nela, a (...)
  • 8  Enorme árvore tropical de madeira branca e macia (N.T.).   

4Porém, a soma das novas aquisições ultrapassa em muito a soma das verificações. O principal centro das explorações foi Ndelé 7, capital do sultão Senoussi, um desses tipos de aventureiros políticos que sempre abundaram no Sudão africano e de quem o sr. Chevalier parece ter sondado com exatidão a tortuosa psicologia. De Ndelé, a missão propagou-se ao nordeste e sobretudo ao noroeste e ao norte, onde avançou para além de 13º. Lá é o coração da região intermediária entre a floresta e o pays désertico. As aproximações com a média região do Niger se apresentam em profusão à observação. É principalmente entre 8º e 10º que as mudanças, proporcional e cuidadosamenteassinaladas, se sucedem na fisionomia vegetal e na paisagem. Passo a passo, as florestas-galerias, os cipós produtores de látex, os bambus, os Elæis e os fromagers8 (Eriodendron) cedem lugar a novas formas e associações vegetais. Surgem o palmier-doum e o Balanites ægyptiaca; moitas de arbustos espinhosos ou, noutros termos, planícies sem árvores cobertas pelos restos do Andropogon se estendem. Ora prevalece o aspecto da savana aberta, ora o do pasto. Mamíferos herbívoros (antílopes, girafas, búfalos, elefantes etc.) e pássaros migratórios são abundantes. Algumas destas indicações encontram-se no extrato a seguir – simplificado e reduzido – do mapa econômico na escala 1: 3 000 000 encontrado no final do volume. Esta zona nos traz à memória as reflexões feitas por Alexandre de Humboldt a propósito de zonas com características muito semelhantes, ainda que situadas em várias outras partes do globo. Nela, como por volta dos 45º na Europa e 43º na América, estão reunidasmudanças de clima e de vegetação – com as repercussões que isso causa nos modos de existência. Estas zonas de transição merecem particularmente a atenção do geógrafo. Aliás, a faixa sudanesa, que vai de Sénégambie ao Tchad, é, por excelência, a que serve de ponto de apoio à nossa dominação africana.

  • 9  Ver p. 180; p. 257, fig. 55 (choupana recoberta pelos troncos de uma enorme Cucurbitácea); p. 291, (...)
  • 10  Vegetação arbustiva xerófita dos países tropicais. No entanto, significa também, na África, zona a (...)
  • 11  A. Chevalier, obra citada, p.432.
  • 12  A.F.W. Schimper, Pflanzen-Geographie... Jena, 1898, p.176.

5Em direção a até 12º de latitude, a região [contrée] mostra numerosos cultivos, bem como traços de antigas plantações mais numerosos ainda, pois ela foi devastada à vontade. Muitas vezes, o aspecto dessas aldeias Saras (cabanas redondas envolvidaspor telhados cônicos, sombreadas porkarités, tamarineiras e Ficus [figos] e cercadas de medasde sorgo ou de milhete)evocam junto aos viajantes uma fartura de imagens e ilusões, nas quais a estação primaveril emprestava seu charme passageiro 9 – revelando também, indubitavelmente, o contraste. Lá, encontramo-nos entre agricultores de linhagem [race] e de tradição. A marca secular do homem foi gravada sobre a região [contrée]. A cada ano, desde os confins da grande floresta, o fim das chuvas é sinal de incêndios de pastagens, da vida livre sobre a brousse10, de uma espécie de retomada da posse do espaço pelo homem. Diz o sr. Chevalier: “Se as poderosas florestas[silves]do Equadornão se estendem mais até o Saara, isso se deve, sem dúvida, à influência do homem. Pouco a pouco, os incêndios por ele provocados têm consumido e aniquilado a abóbadasombria... A caça, as frutas e as raízes da brousse, uma vez insuficientes para sua vida, fizeram com que ele passasse a cultivar plantas para sua alimentação sobre o próprio lugarque havia queimado11”. Assim, no duelo destas “duas potências adversas, a selva e a pradaria” 12, o homem inclinou a balança em direção a esta e, num mesmo golpe, modificou as condições de sua própria existência.

  • 13  A. Chevalier, obra citada, p.338.
  • 14 Ibid., p.337.

6Ao norte de 10º de latitude, os sinais da deterioração climática se acentuam. As sombrias estepes, com seus arbustos espinhosos e definhados,miríades de Anopheles e outros insetos propagadores do paludismo, que vão da parte setentrional de Baguirmi em direção às ruínas da antiga capital Massenia, extraem do explorador a seguinte exclamação: “Aos entusiastas da rápida valorização de nossa África Central, não lhes desejo, de modo algum, que fiquem condenados a viver nestas estepes! 13”. Ele atribui tais condições inóspitas a uma depreciação recente devido à “extensão do clima saariano” 14.

  • 15 Ibid., p.417 e seguintes. A insuficiência das observações não nos permite dar conta do regime do Ch (...)

7A hidrografia tem o privilégio de ser como um aparelho sensível próprio a registrar a marcha destas variações. No livro em tela, a hidrografia também é objeto de uma atenção toda particular. O Chari ainda aparece como um grande rio, mas em decadência. Apenas raramente ele consegue preencher seu antigo leito, cujos taludes permanecem separadosum do outro em até2 ou 3 km 15.

  • 16   Ibid., p.336-337: “Todos os pays que se estendem do baixo Bahr Salamat e do Iro até o baixo Bahr (...)

8Em síntese, das observações pessoais do sr. Chevalier, combinadas com as de seus predecessores, resulta que, entre 9º e 10º de latitude, entre os pântanosde Toubouri a oeste e a depressão pantanosa chamada Mamoun ao norte de Ndelé, ou seja, sobre um linha de 650 km, começa uma vasta depressão que vai do norte até Bahr el Ghazal e ao Tchad. Outrora lacustre e fluvial, atualmente essa depressão é uma vasta zona de acumulação e de depósitos, onde as mudanças seguem um rápido curso 16.

  • 17  A. Chevalier, obra citada, p. 236.
  • 18  Lugar baixo e sujeito a inundações (N.T.)
  • 19 Ibid., p.198.
  • 20 Ibid., p.379, cap. XV: La Bahr el Ghazal.

9São muitos os sinais destas transformações: por todas as partes, planícies sem declives são sulcadas pelas minia, correntes “que secaram em consequência da diminuição das chuvas tornando-se, por assim dizer, rios fósseis17”. Esses canais assoreados resultam emcavidades sem precedentesonde, na estação das chuvas, formam-se rohout (rahat, no singular) ou poças d’água. O Mamoun é um complexo de marigots18e de tanques [étangs]que lembra o do médio Niger entre Mopti e o lago Debo 19. Bahr el Gazal, antigo golfo que prolongava em direção ao nordeste uma imensa camada lacustre, atualmente se apresenta como uma depressão de fundo arenoso com largura média de 30 km onde se pode, aqui e ali, seguir os sinaisde alguns canais ou talvegues – mas não por muito tempo, de tanto que seu leito foi suprimido 20. Dentro em breve, sorte igual parece estar reservada ao próprio lago Tchad. A esse respeito, o mapa traçado pelo capitão Tilho é eloqüente. A hidrografia reveste uma variedade múltipla de formas patológicas. Assiste-se ao desmembramento e à decomposição de um sistema fluvial e lacustre cuja atual extensão ainda está sendo adivinhada. Incontestavelmente, os depósitos fluviais são os principais agentes desta transformação. Neste caso, porém, parece resultar das observações que os agentes eólicos também assumem lugar importante.

  • 21   Relativo ao Nilo (N.T.).
  • 22  Elevação de fundo fluvial, marinho ou glacial, cf. Le nouveau Petit Robert de la langue française (...)
  • 23  Appendice. Poissons, por J. Pellegrin, p. 435-455.

10É pouco provávelque esse poderoso fenômeno seja particular à região de Chari-Tchad. O médio Niger e o Bahr el Ghazal nilótico21 parecem igualmente atingidos.Antigas comunicações fluviais, através de seuils22 baixos e temporariamente submersíveis, religaram estas bacias fluviais. Conforme as espécimes relatadas pela Missão Chevalier, o exame da fauna ictiológica trazum argumento a favor desta hipótese.Constata-se que ela difere muito pouco, se é que difere, das bacias vizinhas de Niger-Bénoué, Oubangui e Nilo 23.

  • 24 Ibid., p.237-238.

11Assim, atualmente essa parte da África é, sem dúvida, a região do globo onde os sinais das mudanças climáticas podem ser lidos mais claramente. Qual é a origem e qual será o fim dessa evolução? As mesmas questões terão a examinar os pesquisadores, agora mais numerosos, que empreendem estudos científicos nas regiões saariana e subsaariana. Em todo caso, registremos esta conclusão do sr. Chevalier: “Para mim, não há mais dúvida que toda a planície do Chari (de 9º N até a latitude do Tchad e, provavelmente, desde os pântanos de Toubouri até o Mamoun) formou uma imensa superfície lacustre na época em que a erosão dos maciços montanhosos do leste e do oeste do Chari preenchia progressivamente a depressão central do continente negro. Mesmo as areias do Saara seriam, em grande parte, constituídas pelos aportes dos rios tropicais Senegal, Niger, Bénoué, Chari e Nilo, que carreavam o lodo e a areiaarrancadasdas montanhas situadas entre 2º e 8º N. A planície central do Chari teria sido preenchida num período relativamente recente. Atualmente, um novo preenchimento estaria em vias de finalização” 24.

12Desejo que estas análises façam apreciar o que é, para nós, o mérito superior deste livro: o emprego do método comparativo, a amplitude de visão e uma elevada curiosidade incorporando, ao mesmo tempo, o passado e o presente, o solo e os homens.

13As conclusões práticas estão postas à reflexão. Hoje, a região [contrée] agrupada politicamente sob o nome Oubangui-Chari-Tchad não está desprovida de recursos – sobretudo agrícolas até 10º e pastorais ao norte deste paralelo. Entretanto, a criação permanecerá precária enquanto não se encontrar remédio para as doenças provocadas por insetos. Porém, a região [contrée] nos chegou empobrecida, devastada e, em parte, despovoada. Nela, os recursos que o comércio europeu ainda encontra, a caça de elefantes e a colheita da borrachasilvestre, não tardarão a se esgotar. Será necessário introduzir cultivos comerciais. Contudo, segundo o sr. Chevalier, o que se impõe é, principalmente, a necessidade de “cultivos alimentícios”, permitindo que as populações vivam e se reconstituam – uma vez que, agora, elas tendem, a passos largos, à extinção. Atualmente desconhecido ao longo do Chari, a introdução do cultivo de arroz seria um grande benefício.

  • 25  A. Chevalier, obra citada, p.430.

14O que temos feito para restaurar esse pays? Isso merece um exame de consciência. Pelos transportes e pelos abastecimentos, nossa instalação pesa em muito sobre populações ameaçadas pela fome. O grande flagelo africano, o tráfico, ocorre nos territórios localizados sob nossa dominação nominal. “É lamentável que o estabelecimento de um posto francês provoque um êxodo em massa de autóctones” 25. Eis um fato em que é útil que a opinião pública seja informada. Não estamos diante de um desses discursosque a paixão torna suspeitos, mas de testemunhos precisos, ponderados, inspirados pelo desejo de servir à causa colonial e emanando de um dos homens que melhor conhece a África sudanesa. Testemunhos desse gênero se impõem à reflexão. Uma vez que encontramos nessas regiões populações sem dúvida muito sofridas [éprouvées], mas ainda fixadas ao solo e tradicionalmente entregues à sua cultura, importa gerir esse capital humano – condição essencial de nossa ação colonial.

Fig. 1: Zonas de cultivos da província de Oubangui-Chari-Tchad.

Fig. 1: Zonas de cultivos da província de Oubangui-Chari-Tchad.

Conforme o “mapa econômico” publicado pelo Sr. A.Chevalier (L’Afrique Centrale Française, Paris, A.Challamel, 1907)

Haut de page

Notes

1  Ver o relato dessa exploração e o mapa que a acompanha nos Annales de Géographie, III, 1893-1894, p.64-80.

2  Mapa do cap. TILHO na escala 1: 400 000: Le Tchad, Aspect général en fin Avril 1904 (La Géographie, XIII, mars 1906, pl.II). Ver também: Capitão R. DUBOIS, Bas Chari, rive sud du Tchad et Bahr el Ghazal (Annales de Géographie, XII, 1903, p.339-356 ; mapa na escala 1 :250 000 : Exploration scientifique du Territoire du Tchad, sob a direção do Tenente-Coronel Destenave, pl. V). Ver ainda, no mesmo tomo dos Annales, a Chronique géographique (p. 93 e seguintes).  

3  Relatório (p.1-434). Apêndices (p. 435-776).

4  Família de plantas dicotiledôneas da qual pertence a vinha (N.T)

5  A. Chevalier, obra citada, p.121-126.  

6 Ibid., p.168; p. 169, fig. 34; p. 223.

7  Posição de Ndelé segundo o Sr. BRUEL: 8º23’30” lat. N; 18º30” long. Leste; altitude 616m. Nela, a estação das chuvas se estende do início de abril ao mês de outubro.

8  Enorme árvore tropical de madeira branca e macia (N.T.).   

9  Ver p. 180; p. 257, fig. 55 (choupana recoberta pelos troncos de uma enorme Cucurbitácea); p. 291, fig. 63 (um pedaço da aldeia Souka); p. 247, fig. 50 (estabelecimentos de cultivadores saras e campos preparados em sulcos. Esses acessos das aldeias agrícolas, vistos no desabrochar da primavera, lembram ao autor os pomares normandos.   

10  Vegetação arbustiva xerófita dos países tropicais. No entanto, significa também, na África, zona afastada dos centros urbanos. Quando se repetir, aparecerá em itálico (N.T.).

11  A. Chevalier, obra citada, p.432.

12  A.F.W. Schimper, Pflanzen-Geographie... Jena, 1898, p.176.

13  A. Chevalier, obra citada, p.338.

14 Ibid., p.337.

15 Ibid., p.417 e seguintes. A insuficiência das observações não nos permite dar conta do regime do Chari. Ele parece variar muito de um ano a outro.

16   Ibid., p.336-337: “Todos os pays que se estendem do baixo Bahr Salamat e do Iro até o baixo Bahr el Gahzal (sobre mais de 300 km de largura) eram, numa época impossível de precisar mas verdadeiramente pouco antiga, cobertos por inúmeros canais comunicantes entre si por uma infinidade de braços — ora encerradosao redor de picos graníticos de grandes áreas emersas, ora vindo desembocar em vastas lagunas cujos lagos Iro e Fittri são os últimos vestígios”. Ver também p. 236, 296, 306.

17  A. Chevalier, obra citada, p. 236.

18  Lugar baixo e sujeito a inundações (N.T.)

19 Ibid., p.198.

20 Ibid., p.379, cap. XV: La Bahr el Ghazal.

21   Relativo ao Nilo (N.T.).

22  Elevação de fundo fluvial, marinho ou glacial, cf. Le nouveau Petit Robert de la langue française 2008 (N.T.).

23  Appendice. Poissons, por J. Pellegrin, p. 435-455.

24 Ibid., p.237-238.

25  A. Chevalier, obra citada, p.430.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Fig. 1: Zonas de cultivos da província de Oubangui-Chari-Tchad.
Crédits Conforme o “mapa econômico” publicado pelo Sr. A.Chevalier (L’Afrique Centrale Française, Paris, A.Challamel, 1907)
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7204/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Paul Vidal de la Blache, « A África Central Francesa, por Auguste Chevalier », Confins [En ligne], 12 | 2011, mis en ligne le 02 juillet 2011, consulté le 22 juillet 2017. URL : http://confins.revues.org/7204 ; DOI : 10.4000/confins.7204

Haut de page

Auteur

Paul Vidal de la Blache

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org