Navigation – Plan du site

Dinâmicas Sócio-Espaciais Produtivas e a Formação do Território do Morango no Vale do Caí – Brasil

Dynamiques socio-spatiales et formation du Territoire de la Fraise dans la vallée du Caí - Brésil
Socio-Spatial Dynamics and formation of the Strawberry territory, Caí Valley - Brazil
Suzimary Specht et Aldomar A. Rückert

Résumés

Cet article présente le "Territoire de la Fraise" dans la Vallée du Caí, au Brésil, et montre comment cette production a consolidé l’organisation de ce territoire. Celui-ci est structuré par des relations de pouvoir, à différentes échelles, et a fait émerger une territorialité matérialisée par des bâtiments et des enseignes associés aux fraises. La méthodologie de la recherche est qualitative, tandis que le référentiel théorique repose sur le concept de territoire. La recherche sur le terrain a été menée dans les communes de Feliz, Bom Princípio et São Sebastião do Caí, situées au cœur de la région productrice, où soixante-quatorze enquêtes ont été réalisées, en s’appuyant sur des questionnaires semi-ouverts destinés aux acteurs impliqués dans la production de fraises. Les analyses réalisées ont montré que la production de fraises a façonné un territoire aux limites flexibles, articulant de multiples échelles, du local aux échelles régionale, nationale et même globale. Le "Territoire de la Fraise" présente une dynamique territoriale propre, fondée sur une légitimité historique construite par des savoir-faire et des enjeux de pouvoir très variés. Cette dynamique n'est pas restée confinée à l'espace rural : elle fait de plus en plus sens pour les citadins, le produit "fraise" étant progressivement considéré comme partie intégrante de l’identité régionale. Elle contribue aussi à l’émergence d’une territorialité dont les biens immobiliers publics et privés se font l’écho, principalement au sein de la municipalité de Bom Princípio.  En résumé, on peut dire que, les acteurs sociaux se sont, tout d’abord, approprié le fruit, avant que, dans un deuxième temps, ce soit leur production qui investisse le paysage et les actions publiques, en construisant une histoire, une tradition agricole avec des savoir-faire spécifiques. Ce processus a largement contribué à la patrimonialisation de la filière fraisicole de la Vallée du Caí.

Haut de page

Entrées d’index

Index de mots-clés :

fraises, territoire, Vallée du Caí

Index by keywords :

Caí Valley, Strawberry, Territory

Index géographique :

Vale do Caí
Haut de page

Texte intégral

1Nos últimos anos vêm sendo intensificadas as discussões sobre a importância das dinâmicas espaciais para o entendimento das mudanças e transformações nos sistemas e nas aglomerações produtivas, pela importância que estes detêm para o futuro dos espaços urbanos e rurais diante da complexidade da globalização.

2Neste contexto, o conceito de território vem ganhando força através de novos usos e com uma ressignificação analítica que tem proporcionado a permeabilidade e a aproximação entre os diferentes enfoques de reflexões. Este conceito congrega uma gama de questões que se imbricam para o entendimento das suas proposições, como as noções de escala e de poder, e o conceito de territorialidade.

3O território tem proporcionado uma maior visibilidade das ações dos atores sociais, políticos e institucionais, locais e não-locais, como forma para aprimorar a análise das diferentes formas de apropriação dos recursos, em diferentes contextos dos setores produtivos, como é o caso da produção de morangos, no Vale do Caí, Rio Grande do Sul, onde a ação dos atores envolvidos com o processo produtivo desta fruta são pautadas em diferentes formas de poder, salientadas pelo papel das instituições e organizações, principalmente as públicas da escala municipal que são acessadas continuamente, levando a um contexto que vem deixando marcas na população local, aguçando a territorialidade, através de vínculos de identidade gerados ao longo dos últimos 50 anos em função da produção do morango, constituindo-se num território produtivo característico.

Território: conjugação das escalas geográficas, formas de poder e as territorialidades

4Embora nas ciências sociais o uso das escalas geográficas não seja usual, considera-se que este permite um contributo importante, pois permite um olhar de mediação entre o propósito e a ação dos atores sociais e institucionais, de diferentes níveis espaciais, sobre o fenômeno a ser investigado. Desta forma possibilitam um “olhar” sistemático para as ocorrências territoriais que transladam das micro-escalas compreendidas pelos estudos do local profundo, para as macro-escalas que se detém sobre o global superficial.

5A possibilidade de uma análise multiescalar para um objeto é factível, pois as escalas não privilegiam apenas um nível de análise, o que permite a escolha de diferentes espaços de conceituação. Com efeito, cada nível é uma abstração que permite que se vejam determinadas características, previamente escolhidas para o processo de investigação. Para Castro (1995), cada escala evidencia relações, fenômenos, fatos, que em outro recorte ou nível escalar, provavelmente não teria a mesma visibilidade. O enfoque das escalas também permite captar a escala simbólica, os particularismos dos espaços, que ora os destaca, ora os diferencia, o que decorre do fato da escala normalmente não ser uma medida objetiva. Uma análise multiescalar de um território, para Becker (1988), privilegia os níveis de gestão territorial e o afloramento das ideologias e das ações dos atores públicos e privados, sendo estas uma manifestação expressa do poder.

6Embora seja importante no âmbito dos territórios a questão política ligada ao poder exercido pelo Estado, também há a manifestação de outras formas de relações de poder na sociedade. Raffestin (1993) amplia a questão do poder saindo da esfera estatal, com as devidas críticas, e amplia a relação incluindo a questão dos recursos, da população e do território. O autor faz uma diferenciação entre o poder exercido nas relações com o Estado, sendo este grafado com “P” maiúsculo e o poder atribuído às relações do cotidiano, grafado com “p” minúsculo. Como direcionamento, coloca que o poder é multidimensional e difuso quanto a sua origem, manifestando-se em diferentes relações econômicas, sociais e culturais, entre outras. Além disto, é direcionado por uma intencionalidade, e onde o poder se manifesta tende a gerar resistência. Assim, o poder é imanente às relações sociais, sendo bastante intuitivo, e a resistência exprime o caráter dissimétrico presente nestas relações.

7Para Souza (1995), a construção analítica estabelecida por Raffestin é deficiente no sentido de propor o território como um substrato, pois todo o território é oriundo de uma ação social e não se faz necessário ratificar esta ligação. “Assim como o poder é onipresente nas relações sociais, o território está, outrossim, presente em toda a espacialidade social, ao menos enquanto o homem estiver presente” (1995, p. 96).

8O que cabe ressaltar é que o “território” e o “poder” são faces sobrepostas em uma mesma moeda. A interface é dada pela relação de forças que acaba assumindo um caráter único para se entender como e porque os conflitos são gerados e gerenciados por quem domina ou influencia as ações de outros atores sociais no espaço. A observação das características que configuram as disputas pela apropriação ou domínio dos recursos materiais e imateriais nas diferentes dimensões econômicas, políticas, sociais, culturais e ecológicas, qualificam a interface e podem ser consideradas como elementos importantes para o entendimento da formação da territorialidade.

9No final do século XX, nos estudos da territorialidade, novas perspectivas passaram a ser valorizadas ao serem incluídas para as análises outras dimensões como as culturais, as simbólicas e as identitárias, mais flexíveis e abstratas que as tradicionais fronteiras materiais geométricas. Sack (1986) se vale de três elementos básicos: a classificação, a comunicação e o poder para justificar a fluidez e a mobilidade da territorialidade, sendo esta eminentemente humana e social. Já Raffestin destaca a territorialidade como um reflexo da “multidimensionalidade do vivido territorial pelos membros de uma coletividade, pelas sociedades em geral” (1993, p. 158). A territorialidade está imbricada no espaço, tendo uma significação individual e social dentro de uma escala geográfica móvel que apreende a projeção da realidade, ou seja, as territorialidades são intrínsecas ao espaço social, e para Heidrich este é “objeto de contínua transformação, à medida que incorpora novas propriedades e condições advindas da ação social sobre a existência geral” (2004, p.49).

10Desse modo, no atual contexto global, a territorialidade passa a ser ressaltada como uma condição provedora de sinergias positivas capazes de transformar em valor, diferenciais físicos e humanos. Tais diferenciais quando materializados em produtos são importantes nas transações de mercado, pois acabam se distinguindo como um bem coletivo, produto da reprodução social de uma localidade.

11Neste contexto, a valorização da territorialidade atrelada a um produto agroalimentar é comumente perceptível no espaço rural quando atores territoriais desenvolvem vínculos identitários com os mesmos. Estes vínculos são perceptíveis através das relações familiares, inter-pessoais e sociais, por vezes gerando tradições culturais que podem ser expressas de várias formas, ou seja, através de diferentes expressões de territorialidade, como veremos ao analisarmos a formação do Território do Morango, no Vale do Caí, Brasil.

O Território do Morango no Vale do Caí

12O Vale do Caí se destaca como produtor de morangos de mesa do Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Decorrente desta importância foi desenvolvida esta pesquisa, na qual foi utilizada a metodologia qualitativa, sendo o arcabouço analítico para tal análise embasado no conceito de território. O campo empírico foi contemplado através da aplicação de 64 entrevistas, com roteiros semiestruturados, a atores sociais envolvidos com a produção de morangos, especificamente nos municípios de Feliz, Bom Princípio e São Sebastião do Caí, destacados no mapa a seguir.

MAPA 1 - Localização dos Municípios Produtores de Morango no Vale do Caí – Rio Grande do Sul, Brasil

MAPA 1 - Localização dos Municípios Produtores de Morango no Vale do Caí – Rio Grande do Sul, Brasil

Fonte: elaboração dos autores.

13Historicamente o cultivo do morango de mesa foi introduzido de modo experimental no Vale do Caí, no final da década de 1950. Deste início incipiente, a distinção produtiva foi alcançada somente no começo dos anos 70, quando o cultivo passou a ser a base produtiva de muitas propriedades familiares desta região. A partir de então começou a ser construído o Território do Morango no Vale do Caí, Rio Grande do Sul, Brasil.

14A transposição da produção de morango de autoconsumo para a produção comercial ocorreu a partir de 1956, com o início da utilização de mudas das cultivares Monte Alegre e Guaíba, advindas de São Paulo (SP). Contudo esta primeira experiência não teve muito sucesso, pois em 1959 houve uma grande estiagem, causando a perda de toda a plantação. Mas em 1960, estes mesmos agricultores adquiriram outro tipo de muda vinda de São Paulo, a cultivar Campinas, uma variedade de morango nova na época, que se adaptou muito bem ao solo e ao clima do Vale do Caí. A mobilização inicial para o plantio desta fruta foi local, pois foram os agricultores dos municípios do Vale do Caí se mobilizaram e empreenderam, introduzindo uma nova cultura agrícola, sendo que desde então, o município de Feliz é um dos maiores produtores de morango de mesa do Rio Grande do Sul.

15Em termos quantitativos a tabela a seguir apresenta os dez maiores municípios produtores de morango in natura no Estado do Rio Grande do Sul. Cabe destacar que atualmente, segundo Madail (2008), o Estado é o terceiro maior produtor nacional da fruta (16.000 ton.), atrás de Minas Gerais (33.000 ton.) e São Paulo (31.000 ton.), sendo que a produção total brasileira em 2006/2007 foi de 100.000 toneladas.

Tabela 1: Os 10 Principais Municípios Produtores de Morango no Rio Grande do Sul.

Município

Prod.

Área

Município

Prod.

Área

Município

Prod.

Área

Produtores

1995/1996

(t)

(ha)

2003

(t)

(ha)

2006

(t)

(ha)

1.Feliz

2.527

221,9

1.Pelotas

2.310

330

1.Feliz

1.800

50

205

2.Pelotas

2.237

597,3

2.Farroupilha

1.750

30

2. Caxias do Sul

1.470

42

37

3.Bom Princípio

918

62,2

3.Turuçu

1.225

70

3. Farroupilha

1.400

35

60

4.Farroupilha

640

59,2

4. Bom Princípio

1.050

40

4. Bom Princípio

1.240

31

165

5.São Sebastião do Caí

596

46

5. Feliz

1.000

30

5. Ipê

1.050

30

6

6.São José do Hortêncio

275

28,5

6. Flores da Cunha

756

18

6. Pelotas

900

30

110

7.Linha Nova

259

23,5

7. Caxias do Sul

480

12

7. Flores da Cunha

640

16

20

8.São Lourenço do Sul

182

73,36

8. São Sebast. do Caí

450

15

8. São Sebast. Caí

450

15

73

9.São Jorge

109

17,6

9. Ipê

450

10

9. Turuçu

374

17

45

10.Agudo

78

32,2

10. Ijuí

400

20

10. Vacaria

225

7,5

8

10 Maiores

7.821

1162

10 Maiores

9.871

575

10 Maiores

9.549

274

729

Total RS

9.644

1.651

Total RS

11.541

681

Total RS

11.636

385

1.289

Fontes: Elaboração dos autores. Dados do Censo Agropecuário (1995/1996). Disponível em: <http://www.sidra.gov.br/​bda>. Acessado em 14 de outubro de 2008; e dados do Levantamento da Fruticultura Comercial do Rio Grande do Sul (2004/2007) de João e Conti (2007), e João (2004).

16Pela análise dos números totais apresentados na Tabela 1, verifica-se que ocorreu um crescimento da produção de morango, em torno de 17%, observando o período de 1996 e de 2006. Mas o que chama a atenção nos números totais é que neste período de dez anos houve um aumento de produção, paralelamente com uma redução de ¾ da área produtiva. Tais números estão ligados ao incremento da produtividade, que para a década foi ampliado em mais de cinco vezes, passando de 5,8 ton./ha para 30,22 ton./ha em média. Ainda em relação aos números totais verifica-se que houve um aumento na participação dos 10 primeiros colocados na produção total. Segundo os dados do Censo Agropecuário, em 1995-96 os 10 primeiros colocados eram responsáveis por 84,5% da produção de morangos no Estado. Em 2003 esta participação aumentou para 95,7% reduzindo, para 91% em 2006.

17Analisando especificamente os munícipios do Vale do Caí, Feliz, Bom Principio e São Sebastião do Caí, verifica-se que estes figuram entre os maiores produtores nos diferentes períodos de tempo. Segundo os dados do Censo Agropecuário de 1996, neste ano a produção destes municípios era mais expressiva, sendo que os mesmos detinham 51% do total dos dez maiores. Este volume produtivo caiu para 25% do total em 2003, e segundo os dados do Censo Agropecuário de 2006, neste ano o índice voltou a crescer sendo que os três municípios passaram a deter 36% do total produzido no estado.

18Como pode-se observar na Tabela 1, os municípios do Vale do Caí em 2006 continuaram tendo importância acentuada, congregando 60% da força produtiva, em 35% da área total de produção. Contudo, passaram a sofrer uma concorrência mais direta de outros municípios como Caxias do Sul, Farroupilha e Ipê, que se equipararam em termos de volume produtivo aumentando de importância na formação dos números totais.

19Centrando-se na análise do contexto produtivo dos três municípios, em termos de lavouras temporária, também se verifica a importância do cultivo do morango como um dos expoentes de produção agrícola. Na tabela a seguir são destacadas os dez maiores volume produtivos de lavoura temporária para os municípios de Feliz, Bom Princípio e São Sebastião do Caí, no ano de 2006.

Tabela 2: Levantamento da Produção das Lavouras Temporárias.

FELIZ

BOM PRINCÍPIO

S. SEBASTIÃO DO CAÍ

Produto

Ton.

Produto

Ton.

Produto

Ton.

1. Mandioca

1.920

1. Cana-de-Açúcar

6.800

1. Mandioca

4.000

2. Morango

1.800

2. Mandioca

6.000

2. Milho

1.344

3. Cana-de-açúcar

1.200

3. Milho (em grão)

5.376

3. Melancia

750

4. Milho (em grão)

798

4. Batata-doce

2.100

4. Morango

450

5. Batata-doce

392

5. Morango

1.240

5. Melão

400

6. Tomate

240

6. Tomate

1.100

6. Cana-de-açúcar

350

7. Melão

70

7. Melão

700

7. Cebola

150

8. Cebola

40

8. Batata Inglesa

330

8. Tomate

140

9. Batata Inglesa

37

9. Feijão

204

9. Batata Doce

130

10. Feijão

21

10. Melancia

75

10. Feijão

16

Fonte: Elaborado pelos autores. Dados disponíveis em: < http://www.ibge.gov.br/​ cidadesat/>.Acessado em: 30 de março de 2009.

20Como pode-se observar a cultura do morango figura entre as mais expressivas como lavoura temporária nos três muncipios. Cabe ainda destacar que o cultivo nestes municípios é praticado, em sua maioria, em pequenas explorações familiares.

21Em termos de mão-de-obra envolvida na produção estavam cadastrados, segundo dados de 2008 das EMATER’s municipais, 443 famílias produtoras de morango (Feliz, 205 famílias; Bom Princípio, 165 famílias; e São Sebastião do Caí, 73 famílias), sendo que esta força produtiva corresponde a 35% do total do Estado para este tipo de cultivo.

22Apesar do módulo rural na região ser de 18 hectares, o tamanho médio das propriedades agrícolas no Vale do Caí é de aproximadamente 11 hectares. Na maioria destas propriedades, a produção de morango é feita em pequenas áreas de terra, de aproximadamente 2.500 m², ou seja, 0,25 hectares. Nesta dimensão de área são plantados de 10.000 a 12.000 morangueiros, ocupando 3 a 4 pessoas com intensivo uso de mão-de-obra.

23Mesmo sendo reduzida a área plantada, em 0,25 hectares e possível a colheita média de 9.000 Kg de morangos. Em termos comerciais para o ano de 2006, segundo RELATÓRIO ANUAL CEASA/RS (2006), o morango foi comercializado com o preço médio de R$ 4,37, sendo o maior valor R$ 8,46 e o menor valor R$ 2,52. Assim tomando o preço médio a rentabilidade de 0,25 hectares de lavoura foi de R$ 39.330,00, neste ano.

24Contudo este elevado nível de produção só foi atingido devido ao avanço nas técnicas produtivas e inovações tecnológicas, que demarcam a história da cultura e a trajetória do sistema produtivo do morango no Vale do Caí.

25As práticas técnico-produtivas para a cultura do morango vêm sofrendo redefinições ao longo do tempo, incorporando na escala local de produção, as mudanças técnicas, cunhadas na escala nacional e global, como a substituição dos cultivares de morangos nacionais, por cultivares chilenos e argentinos, através do uso de mudas importadas; a introdução de estufins (Figura 1) e estufas altas (Figura 2); a irrigação por gotejamento; a agregação de micro elementos nos adubos químicos e um melhor manejo com os adubos.

Figura 1 - Uso de Estufins para Proteção do Cultivo do Morango nas Propriedades

Figura 1 - Uso de Estufins para Proteção do Cultivo do Morango nas Propriedades

Fonte e edição: elaboração dos autores.

Figura 2– Estufas Altas com Cultivo de Morangos

Figura 2– Estufas Altas com Cultivo de Morangos

Fonte e edição: elaboração dos autores.

26Quanto ao uso de agrotóxicos, desde a década de 90, um maior rigor em relação às leis ambientais, bem como a exigência dos consumidores por alimentos mais saudáveis vem levando a mudanças nos padrões de uso dos agroquímicos em várias culturas, inclusive o morango. Um dos primeiros aspectos é o uso de agroquímicos registrados para o morangueiro e os cuidados referentes aos períodos de carência. Além disto, vem sendo utilizado, além dos agroquímicos de controle, também os agroquímicos preventivos.

27Em função das doenças que atacam o morangueiro e o morango, várias problemáticas se criam. Geralmente os serviços técnicos de extensão para solucionar casos de infestação são acionados quando não é mais possível a solução do problema. Apesar de disponíveis no mercado, os produtores fazem pouco uso de métodos preventivos, principalmente porque os produtores confiam mais nos conhecimentos próprios advindos da prática de anos com o cultivo de morangos, do que no conhecimento dos técnicos das empresas vendedoras de insumos. Além disso, o uso destes métodos encarece o custo produtivo que vem crescendo bastante ao longo dos últimos anos em relação ao preço, que não vem aumentando na mesma proporção. Cabe ressaltar que este conflito de opiniões traz embutida a questão da apropriação do conhecimento.

28A difusão do conhecimento, com uma das formas de configuração de redes no meio rural (Murdoch, 2000), é pautada por relações verticais. No âmbito desta relação vertical predomina o conhecimento formal, sendo este centralizado junto aos fornecedores de insumos. O conhecimento tácito do sistema produtivo que poderia oportunizar relações horizontais entre os produtores é retido no âmbito da propriedade, e a busca por novos conhecimentos, não é formalizada. Assim, somente alguns laços são estabelecidos, quando os técnicos especializados buscam disseminar o conhecimento de melhores práticas produtivas entre os produtores. Esta realidade segundo Wilkinson (2008), tende a ocorrer quando alguns produtores não sentem plena confiança para se apropriar do conhecimento advindo das inovações tecnológicas.

29Se por um lado o incremento de tecnologia gerada nas escalas extra-locais, mas absorvida na escala local, mostrou-se uma estratégia eficiente para proporcionar melhores resultados em termos de redução da força de trabalho e qualificação da capacidade de apropriação das técnicas pelos agricultores, por outro, tem comprometido os recursos de base local, principalmente os ambientais. Em termos de comprometimento dos recursos observa-se a questão da água para irrigação, o esgotamento dos solos e a proliferação das doenças e fungos.

30Outro gargalo da produção de morangos está relacionado à carência de ações coletivas para o armazenamento e a distribuição. Tais dificuldades associadas aos desafios no manejo estão impactando na competitividade do Vale do Caí, que nos últimos anos passou a ser sombreado pela concorrência de produção dos morangos de mesa da Serra Gaúcha. Tal fato tem motivado alguns produtores do Vale do Caí a realizar parcerias produtivas com produtores da Serra Gaúcha, deslocalizando parte da produção do Vale do Caí para as propriedades agrícolas adquiridas por alguns produtores de morango, naquela região. Outro aspecto importante a ser salientado é o fato de que uma maior produção na Serra Gaúcha vem proporcionando uma maior oferta de morango no mercado levando a uma queda do preço desestimulando alguns produtores, o que vem ocasionando uma restrição na área destinada à produção de morango.

31Em função das restrições e aumento da concorrência, alguns produtores de morango passaram a diversificar a sua produção. Porém, ao responderem a indagação: “dentre toda a sua produção agrícola e pecuária que existe em sua propriedade, com qual você se identifica”, 95% dos produtores responderam que era com o morango. Considera-se importante este registro pois o mesmo esboça que o cultivo do morango apesar de uma lucratividade duvidosa para alguns produtores, tem se configurado com o passar dos tempos numa prática de cunho identitário gerando uma territorialidade pela relação produtores-produto morango, gerando uma distinção.

32Distinções produtivas como a valorização da cultura local, o saber fazer e a paisagem rural (Muchnik, 2006) gerando vínculos de identidade entre o território produtivo local e o consumidor, é uma tendência que vem sendo desenhada desde a década de 90, em escala global.

33Esta tendência também pode ser percebida quanto aos consumidores de morango, mas para que tais questões possam ser contempladas ao longo do processo produtivo, é necessária uma eficiente organização e coordenação dos atores sociais envolvidos com a produção de morangos, nos âmbitos sociais, econômicos, ecológicos e políticos.

34Por isso, a construção de uma imagem positiva do sistema produtivo do morango no Vale do Caí vem sendo meta de um esforço conjunto entre produtores e diversos atores institucionais, em cada município produtor, como: a Prefeitura Municipal, de modo especial, a Secretaria de Agricultura; a EMATER; o Sindicato dos Trabalhadores Rurais; a Associação de Produtores, Cooperativa e as parcerias com o SEBRAE, as Universidades, o SENAR, e a EMBRAPA, além da Vigilância Sanitária e da SEMA, ou seja, tal esforço vem sendo empreendido por atores sociais, políticos e institucionais locais, que buscam parcerias com atores institucionais de escalas extra-locais. Estas ações articuladas são de diversas ordens, permeadas por variadas relações de poder e diferentes gradientes de sucesso, como poderá ser visto nos exemplos a seguir.

35O “Programa Bom Morango, Qualidade por Princípio” de Bom Princípio, foi um programa de qualidade regulamentado por lei municipal, em 2007, gerido por um conselho municipal, com caráter deliberativo, normativo e consultivo, que teve como um dos objetivos o selo do “Bom Morango, Qualidade por Princípio”. Contudo, o programa foi desativado, por problemas de coordenação, já que a participação dos agricultores na coordenação do programa foi restrita e a coordenação geral foi delegada, via regulação legislativa municipal, para o titular da Secretaria Municipal de Agricultura, um cargo que é político. A dificuldade de continuação de um titular neste cargo, passível de gerar disputas de poder e assimetrias, implica em problemas de legitimidade, e isto pode ter comprometido a continuidade do programa. O que tem funcionado na questão da qualidade e confiabilidade são os selos individuais que a maioria dos produtores coloca nas embalagens de seus morangos. Estes selos contêm dados básicos, que permitem um rastreamento, se necessário.

36A câmara fria de Bom Princípio, construída pelo poder público para uso coletivo dos produtores está com capacidade ociosa, onerando seus custos operativos, pois ainda não foi equacionado o problema do gerenciamento, visto que apesar das várias tentativas de se consolidar uma representação comum (associação de produtores) neste município, esta ainda não se formalizou, e assim o uso da mesma é feito somente pela cooperativa ECOMORANGO e alguns produtores individualmente.

37Quanto às formas associativas e cooperativas, oriundas da mobilização dos produtores de morangos, tem-se a Associação de Hortifrutigranjeiros de Feliz; e o Círculo de Máquinas, de Feliz; a Cooperativa ECOMORANGO e a Associação de Prestação, Serviço e Assistência Técnica, em Bom Princípio.

38A Associação dos Hortifrutigranjeiros de Feliz, não é específica para os morangos. Mas nas suas reuniões, predominam os assuntos pertinentes à cultura do morango, como uso e preço de insumos, escoamento e mercado consumidor.

39A cooperativa ECOMORANGO teve início em 2000, com a produção de morangos orgânicos, motivo do nome da cooperativa. Mas com o incentivo da EMATER local, do grupo da ECOCITRUS, de Montenegro, e a construção do quiosque para a venda dos produtos orgânicos, feito pela Prefeitura Municipal de Bom Princípio, teve início a diversificação, sendo que atualmente a produção é de aproximadamente 60 variedades hortifrutícolas orgânicas.

40Já a iniciativa de alguns grupos de vizinhança de São Sebastião do Caí, buscam solucionar de forma informal o gargalo comercial relacionado ao escoamento da produção direcionada a CEASA de Porto Alegre e de Caxias do Sul.

41A logística é uma questão importante que no Vale do Caí é mal equacionada, visto que grande parte da produção é escoada individualmente. O cerne da questão é a baixa confiança entre os produtores, pois seria vantajoso para os mesmos que as ações coletivas se sobressaíssem, frente às ações competitivas.

42Como visto anteriormente, as associações apresentadas mantêm parcerias com outras instituições, sendo que dentre todas as instituições de apoio e fomento para a geração de competências e difusão de conhecimentos, acessadas pelos produtores de morango, a mais apreciada é a EMATER. Tal valorização é atribuída pelo seu caráter, aos olhos dos produtores, apolítico, e pelo envolvimento direto dos profissionais com os problemas nas práticas de manejo da cultura do morango, gerando uma confiabilidade dos produtores em relação aos extensionistas que conseguem realizar trabalhos, projetos e programas de médio e longo prazo.

43De fato, as ações dos atores sociais nos diferentes grupos, associações, organizações e instituições, tendem a gerar relações assimétricas de poder, pois como Raffestin (1993) ressalta, o poder na escala local é dissimulado. Assim, se não forem bem gerenciadas estas relações, os problemas de representação tendem a ser fator de desmotivação e disjunção do agrupamento de atores sociais.

44Já a implementação de políticas públicas voltadas para as demandas da produção de morangos no Vale do Caí é uma reivindicação constante dos agricultores, principalmente no que tange ao acesso ao apoio técnico e subsídios para a produção. Destaca-se o fato de que os municípios produtores de morango do Vale do Caí, apresentam as mesmas condições de conjuntura produtiva, enfrentam semelhantes dificuldades edafoclimáticas e socioeconômicas. Mesmo assim não ocorrem iniciativas de políticas públicas conjuntas, de caráter coletivo, pelos gestores públicos. As iniciativas são pontuais e restritas às escalas de poder de cada município.

45Parte desta dificuldade talvez esteja ligada à trajetória do sistema de produção, que é marcado temporalmente por ações individuais onde os atores estabeleceram suas estratégias de forma singular. Neste contexto o conhecimento foi sendo retido por estes atores, muitas vezes, até quando eram estabelecidas parcerias produtivas, e assim as individualidades foram sendo salientadas. Cabe destacar que quando as individualidades despontam no âmbito de uma cultura produtiva, tendem a ser ressaltados os conflitos de poder; e onde estes se manifestam ocorre a geração de resistências (Raffestin, 1993), e estas emperram as ações colaborativas.

O Morango como patrimônio produtivo: um reflexo da territorialidade

46Mas existe no Território do Morango do Vale do Caí, um fator extra muito importante, que é a territorialidade gerada em função da produção de morangos. Esta territorialidade perpassa o espaço rural e o espaço urbano. Portanto, a identidade territorial ligada a esta fruta flui em ambos espaços vivenciais, sendo que a evidência no urbano é mais destacada no município de Bom Princípio, onde a imagem e o nome do morango aparece nas placas dos nomes das ruas; no comércio, como nome de lojas, supermercado, posto de gasolina; artesanato e eventos festivos (Figura 3). O ponto máximo da exaltação à imagem do morango é o pórtico de entrada do Parque de Exposições da cidade de Bom Princípio (Figura 4), conhecido como Morangão, onde ocorre a Festa Nacional do Moranguinho.

Figura 3 – Morango como Logotipo e Logomarca e Artesanato

Figura 3 – Morango como Logotipo e Logomarca e Artesanato

Fonte e edição: elaboração dos autores.

Figura 4 - Pórtico do Morangão em Bom Princípio

Figura 4 - Pórtico do Morangão em Bom Princípio

Fonte e edição: elaboração dos autores.

47A Festa Nacional do Moranguinho, em Bom Princípio, ocorre desde 1986 (Figura 5). No município de Feliz ocorre, desde 1991, a Festa das Amoras, Morangos e Chantilly – Uma Festa Colonial (Figura 6).

Figura 5 – Exposição de Varietais de Morango – Festa Nacional do Moranguinho

Figura 5 – Exposição de Varietais de Morango – Festa Nacional do Moranguinho

Fonte e edição: elaboração dos autores.

Figura 6 – Visitantes - FENAMOR

Figura 6 – Visitantes - FENAMOR

Fonte: www.fenamor.com. Edição: elaboração dos autores.

48As festividades alusivas ao morango aglutinam os esforços individuais e coletivos, públicos e privados, solidificando junto aos atores sociais locais a identidade territorial vinculada ao morango, gerando uma territorialidade; e promovem também junto aos consumidores visitantes das festas, uma outra forma de territorialidade, pois os mesmos participam destas festas alusivas com o intuito de degustar a gastronomia baseada no morango e apreciar a paisagem local e os aspectos culturais locais ligados a esta fruta.

Figura 7 –Variedades Gastronômicas de Morango na Festa Nacional do Moranguinho

Figura 7 –Variedades Gastronômicas de Morango na Festa Nacional do Moranguinho

Fonte: www.festanacionaldomoranguinho.com.br. Edição: elaboração dos autores.

49Estas festas do morango no Vale do Caí já possuem, o que Barjolle, Boisseaux e Dufor (1998) definem como uma reputação, pois potencializam perante os consumidores, a ligação entre o produto e a área geográfica do lugar de produção, transformando o morango produzido neste território em um patrimônio produtivo.

50Ao comportar estas atribuições, o sentido de patrimônio é conotado segundo as considerações de Barjolle, Boisseaux e Dufor (1998). Contudo, esta patrimonialização com o sentido de exaltação de um produto singular tem diferentes intensidades no território do Vale do Caí.

51Em São Sebastião do Caí, devido à forte relação produtiva neste município com a citricultura, inclusive havendo lá a Festa da Bergamota, este senso de identificação com o morango é fraco. Já no município de Feliz, que é o maior produtor do Vale do Caí, e um dos maiores do estado, o morango divide a sua importância simbólica como fruta ícone, com a produção de amoras, que é temporalmente recente, tendo como marco alusivo a festividade FENAMOR, que congrega as duas frutas. Mas é em Bom Princípio que o morango é tratado como um produto diferenciado em nível identitário.

52Em Bom Princípio, o morango é um produto agroalimentar que potencializa a formação de recursos locais. Decorrente desta potencialidade foi gerada uma territorialidade atrelada ao morango, tanto no rural quanto no urbano, pois diferentes atores sociais expressam um sentimento de apropriação e de pertencimento a este território.

53Assim, neste município houve uma patrimonialização plena do morango, pois os atores locais ao assumirem este contexto histórico e produtivo como uma identidade comum enraizada no saber fazer, passaram a se apropriar e a utilizar de forma diferenciada os recursos, transformando-os de genéricos para específicos. Esta passagem, segundo Requier-Desjadins (2002) promove os recursos comuns para ativos territoriais, pela sua capacidade em mobilizar os atores locais para promover as inovações, aprendizagens e ações colaborativas. O fato que denota esta identidade territorial é que Bom Princípio passou a ser conhecido regional e nacionalmente, como a “Terra do Moranguinho”, sendo a festa alusiva criada na década de 80, denominada de Festa “Nacional” do Moranguinho, denominação que impressiona, pois o município não é sequer o maior produtor do Vale do Caí.

54Mesmo com um volume produtivo menor, a Festa Nacional do Moranguinho foi uma aposta articulada institucionalmente que deu certo, pois tornou-se uma promotora de identidade para o local. Com o passar do tempo a associação da imagem simpática do morango aos logotipos e às logomarcas do comércio local, e os marcos referenciais na paisagem como o Pórtico do município, foram sedimentando a aposta e consolidando uma dimensão simbólica reconhecida.

55Na verdade, as festas alusivas ao morango tanto em Bom Princípio quanto em Feliz, ativam a mobilidade dos atores em diferentes esferas, no rural e no urbano, nos três setores da economia, e esta se enraíza e se difunde para todo o território do morango do Vale do Caí. As festividades ao aglutinarem as atrações em torno do morango, tornaram a fruta um ícone, um elemento de valor simbólico, com potencialidade de comunicação da territorialidade. Esta comunicação tem um sentido familiar e cultural (Claval, 2001), pois projeta as práticas produtivas das famílias dentro de um contexto sociohistórico específico. Tal condição tem um sentido diferenciado para estes atores, gerando um sentimento de pertencimento e inclusão, consolidando as suas práticas como uma forma de representação de vida (Heidrich, 2004).

56Para a manutenção da imagem positiva em relação ao morango, que é materializada nas festas alusivas do Vale do Caí, é necessário, além da continuidade da produção, a incorporação de atributos que promovam uma qualidade associada ao meio geográfico. Decorrente desta necessidade se reforça a importância do papel das instituições no Território do Morango no Vale do Caí, para que sejam mobilizados programas que garantam esta qualidade como o “Bom Morango, Qualidade por Princípio”, que não foi efetivado por não ter havido continuidade no programa. Caberia também um esforço de mobilização institucional, no quesito controle dos resíduos de agroquímicos para o morango, pois a detecção de problemas desta ordem são sempre vinculados na mídia e degradam a reputação e a imagem do morango produzido e dos produtores de todo Vale do Caí.

57Equacionados e solucionados estes problemas de qualidade, garantida a reputação e a notoriedade geográfica para o local de produção, poder-se-á pensar na sustentabilidade produtiva deste território através de um pedido de reconhecimento de indicação geográfica, “Morango do Vale do Caí”. Tal indicação além de resguardar as práticas, poderia ativar a valorização da paisagem rural e investimentos em rotas turísticas rurais.

Conclusão

58Ao considerar-se este conjunto de questões percebe-se que realmente a produção de morangos levou a construção de um território, pois o objeto estudado é composto por uma tessitura de contornos flexíveis, apreendidos pela análise multiescalar com um gradiente compreendido principalmente na escala local, mas que atinge determinados parâmetros que perpassam a escala regional, nacional, até chegar à global.

59O “Território do Morango” apresenta uma dinâmica territorial própria, ancorada em uma legitimidade histórica construída através do empenho de diferentes saberes e conhecimentos, e variadas manifestações de poder. Mas esta dinâmica não ficou restrita ao espaço rural e passou a ter significado também para as pessoas do espaço urbano, à medida em que o produto morango passou a produzir um senso de identidade comum, uma territorialidade, sendo a mesma aludida em bens públicos e privados, principalmente no município de Bom Princípio.

60Poderia-se dizer que inicialmente os atores sociais se apropriaram desta fruta, e a posteriori, a produção desta fruta passou a se apropriar de parte da paisagem, das ações públicas, passando a ter uma história, uma tradição produtiva com conhecimentos específicos ancoradas ao território produtivo do morango, do Vale do Caí.

Haut de page

Bibliographie

Barjolle D., Boisseaux S., Dufour M., “Le Lien au Terroir. Bilan des travaux de recherche”, Office Fédéral de l’Agriculture, Lausanne, p. 1-33, 1998. Disponível em: <http://www.aoc-igp.ch/ver-fr/pdf/terroir.pdf>. Acesso em: 15 set. 2007.

Becker Bertha K., “A Geografia e o Resgate da Geopolítica”, Revista Brasileira de Geografia. v. 50, Rio de Janeiro, 1988.

Bérard Laurence, Marchenay Philippe, “Le Vivant, le Culturel et le Marchand: les produits de terroir. vives campagnes”, Le Patrimoine Rural, Projet de Société, 2000. Disponível em: <http://www.mapa.es/ministerio/pags/biblioteca/revistas/

pdf_ays/a080_02.pdf>. Acesso em: 05 set. 2006.

Castro Iná. E. de., “O Problema da Escala”, In I. et al. Castro (orgs.), Geografia: conceitos e temas, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1995. p.117-140.

Claval Paul, A Geografia Cultural, 2. ed. Florianópolis, UFSC, 2001.

Heidrich Álvaro L., “Território, Integração Socioespacial, Região, Fragmentação e Exclusão Social”, In A. D. Ribas, E. S. Sposito, M. A. Saquet (orgs.), Território e Desenvolvimento: diferentes abordagens, Francisco Beltrão (PR), Edunioeste, 2004, p. 37-66.

Madail J. C. M., A Economia do Morango. Embrapa Clima Temperado, IV Simpósio Nacional do Morango e III Encontro de Pequenas Frutas e Frutas Nativas do Mercosul. 2008, Pelotas (RS). Anais... Pelotas, Embrapa Clima Temperado, 2008.

Muchnik Jose, Sistemas Agroalimentarios Localizados: evolución del concepto y diversidad de situaciones, In III Congreso Internacional de la Red Sial: Alimentación y Territorios, 2006, Baeza – España. Anais... Baeza, 2006.CD-ROM.

Murdoch Jonathan, “Networks: a new paradigm of rural development?” Journal of Rural Studies. Holanda. v. 16, n. 1, p. 407-419, 2000.

Raffestin Claude, Por uma Geografia do Poder, São Paulo, Ática, 1993.

Requier-Desjardins D., Multifonctionnalité, Territoire et Secteur Agroalimentaire: une approche par les “systèmes agroalimentaires localisés”, Cahiers du C3ED, v. 2, n.1, Université de Versailles, Jun 2002.

Sack Robert, Human Territoriality, Theory and history, Cambridge (G.B.), Cambridge University Press, 1986.

Souza M. L. De, “O Território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento”, In I. et al. Castro (orgs.) Geografia: conceitos e temas, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1995. p. 77-116.

Wilkinson J., Mercado Redes e Valores: o novo mundo da agricultura familiar, Porto Alegre, Editora da UFRGS – Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural, 2008.

Haut de page

Annexe

Lista de siglas

CEASA – Central Abstecimento Sociedade Anônima

EMATER – Empresa Riograndense de Assistência Técnica e Extensão Rural

EMBRAPA - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

ECOMORANGO – Cooperativa de Produtores de Morangos Ecológicos

FENAMOR – Festa Nacional das Amoras, Morangos e Chantilly

SEBRAE/RS - Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Rio Grande do Sul

SENAR - Serviço Nacional de Aprendizagem Rural

Haut de page

Table des illustrations

Titre MAPA 1 - Localização dos Municípios Produtores de Morango no Vale do Caí – Rio Grande do Sul, Brasil
Crédits Fonte: elaboração dos autores.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7253/img-1.png
Fichier image/png, 61k
Titre Figura 1 - Uso de Estufins para Proteção do Cultivo do Morango nas Propriedades
Crédits Fonte e edição: elaboração dos autores.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7253/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Figura 2– Estufas Altas com Cultivo de Morangos
Crédits Fonte e edição: elaboração dos autores.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7253/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Figura 3 – Morango como Logotipo e Logomarca e Artesanato
Crédits Fonte e edição: elaboração dos autores.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7253/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre Figura 4 - Pórtico do Morangão em Bom Princípio
Crédits Fonte e edição: elaboração dos autores.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7253/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Figura 5 – Exposição de Varietais de Morango – Festa Nacional do Moranguinho
Crédits Fonte e edição: elaboração dos autores.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7253/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 116k
Titre Figura 6 – Visitantes - FENAMOR
Crédits Fonte: www.fenamor.com. Edição: elaboração dos autores.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7253/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre Figura 7 –Variedades Gastronômicas de Morango na Festa Nacional do Moranguinho
Crédits Fonte: www.festanacionaldomoranguinho.com.br. Edição: elaboração dos autores.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7253/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 135k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Suzimary Specht et Aldomar A. Rückert, « Dinâmicas Sócio-Espaciais Produtivas e a Formação do Território do Morango no Vale do Caí – Brasil », Confins [En ligne], 13 | 2011, mis en ligne le 19 novembre 2011, consulté le 24 août 2017. URL : http://confins.revues.org/7253 ; DOI : 10.4000/confins.7253

Haut de page

Auteurs

Suzimary Specht

Doutora em Desenvolvimento Rural, Professora do Departamento de Economia, Universidade de Cruz Alta – Brasil
suzispecht@hotmail.com

Aldomar A. Rückert

Doutor em Ciências: Geografia Humana. Professor dos programas de pós-graduação em Geografia e Planejamento Urbano e Regional. Universidade Federal do Rio Grande do Sul
aldomar.ruckert@gmail.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org