Navigation – Plan du site

Capital financeiro e commodities: um estudo das bolsas de valores de Mumbai, São Paulo e Joanesburgo

Capital financier et commodities : une étude des Bourses de valeurs de Mumbai, São Paulo et Johannesburg
Financial capital and commodities: a study of the Stock Exchanges in Mumbai, São Paulo and Johannesburg
Margarida Maria C. L. Mattos

Résumés

Historiquement, les villes ont joué un rôle décisif dans le développement du capitalisme mercantile aussi bien que dans celui du capitalisme industriel, à travers la formation des marchés nationaux. L’émergence du capitalisme financier, dont la logique domine le monde globalisé, met ce rôle encore une fois en évidence. Dans ce contexte où les rapports entre les marchés nationaux se sont multipliés et ont incorporé les économies émergentes, certaines métropoles sont devenues des pôles de puissance et d’importance stratégique dont l’influence dépasse largement les frontières de leurs pays respectifs. Le présent article examine la composition et le comportement des principaux indices boursiers dans trois villes : Mumbai, São Paulo et Johannesburg. Grâce à leur dimension multiscalaire, les Bourses de valeurs offrent une perspective privilégiée pour comprendre la logique, l’orientation et l’intensité de la participation d’un pays dans l’économie mondiale. L’article montre le poids des commodities dans la co-relation entre les indices des Bourses de valeur des trois villes étudiées, et met en lumière la régionalisation des investissements pour chacun de ces marchés boursiers.

Haut de page

Texte intégral

Bolsa do café, SantosAfficher l’image
Crédits : Hervé Théry

1A dinâmica que vem moldando a economia mundial a partir do último terço do século passado está fundada na lógica das redes e reflete os sistemas mais complexos da organização espacial. Redes são algo intrínseco à natureza, às relações sociais, à história do homem, ao progresso e, mais ainda, à economia, tanto que, para Parrochia, “rede econômica é pleonasmo (...)” (1993, p. 155; tradução livre da autora). É o mesmo Parrochia (id) que se refere às redes como linhas entrelaçadas com interseções, cuja lógica de comunicação faz parte das mais diferentes ciências. Para Lévy e Lussault (2003), na Geografia, as redes podem ter tanto uma abordagem puramente geográfica, referida às redes urbanas, de transporte, hidrográficas, por exemplo, como um sentido metafórico dos sistemas sociais e dos fluxos e conexões imateriais. De toda maneira, as redes são a base da circulação de bens, serviços e informações  moldando o território com sua presença ou ausência, com sua intensidade e direção. Assim, conforme o avanço das técnicas que multiplicam a variedade, a quantidade e a velocidade das redes é de se esperar que o espaço e sua análise apresentem modificações.

2A primeira dessas mudanças, ressaltada por Veltz (2004), é a de que a rede rompe com a continuidade do território, base da concepção e das análises de até então, tornando-o mais abstrato ou mutável em seus limites. Além disso, exatamente em função da variedade de redes e da superposição delas, os territórios podem ser referidos às próprias redes que os definem, para efeito de análise (Veltz, id.).

Mapa 1 Distribuição espacial das empresas por bolsa de origem

Mapa 1 Distribuição espacial das empresas por bolsa de origem

Elab. Laget/UFRJ

  • 1  Tal concepção se estabeleceu nos anos 1980, pós-guerra fria, a partir de relatório do Banco Mundia (...)

3Esse novo cenário se estruturou a partir do advento de técnicas, da descentralização da produção e da incorporação gradativa, e cada vez mais efetiva, dos países em desenvolvimento na economia mundial, rompendo com a bipolaridade Norte-Sul1. A feição que se conforma a partir desse conjunto de transformações vem sendo generalizadamente denominada globalização, termo cujo significado varia conforme os fundamentos utilizados para justificar a atual configuração da economia mundial. No presente trabalho, elege-se a acepção assumida por Chesnais (2001) e Fiori, (1997) entre outros, segundo a qual a globalização, ou de acordo com a preferência de alguns desses autores, a mundialização, deriva de uma política de abertura de mercados, representando uma reestruturação capitalista, marcadamente financeira. Para Corazza (2004) nessa nova etapa, três lógicas capitalistas presentes historicamente, não só coexistem como se reforçam: a lógica comercial cujo reflexo espacial é a relação internacional; a lógica produtiva que se espacializa multinacionalmente e, por fim, a lógica financeira, típica do espaço global.

4A integração daí resultante se traduz no crescimento mundial do comércio de bens e serviços, na realocação da produção, na diversificação dos investimentos.

5Os efeitos dos processos acima discutidos se explicitam nos gráficos 1 e 2.

GRÁFICO 1 - Evolução da Participação de Economias selecionadas no PIB mundial

GRÁFICO 1 - Evolução da Participação de Economias selecionadas no PIB mundial

A classificação aqui adotada é a da UNCTAD e da ONU: são economias desenvolvidas as dos países da América do Norte, da Europa Ocidental, Japão, Israel, Austrália e Nova Zelândia. São consideradas economias de transição aquelas dos países da Europa Oriental. Os demais países integram o conjunto das economias em desenvolvimento

FONTE: Statistics on World Population, GDP and Per Capita GDP, 1-2006 AD

GRÁFICO 2 - Evolução da Participação de Economias selecionadas no Fluxo de IED (Investimento Estrangeiro Direto) do Mundo.

GRÁFICO 2 - Evolução da Participação de Economias selecionadas no Fluxo de IED (Investimento Estrangeiro Direto) do Mundo.

O Fluxo de IED – de fora e para fora – corresponde ao capital aportado por um investidor estrangeiro – tanto diretamente como através de uma empresa – em um empreendimento de outro país; ou o capital recebido por um investidor proveniente de seu investimento no estrangeiro. O fluxo é sempre estimado em termos líquidos (UNCTAD, tradução livre da autora).

FONTE: UNCTAD

6Note-se, principalmente, a independência do comportamento tendencial dos países em desenvolvimento, mantendo trajetória ascendente, ainda que no âmbito dos países desenvolvidos se observe orientação inversa. No início deste século tais tendências mereceram estudos mais apurados, identificando-se no grupo dos países considerados em desenvolvimento alguns cujo potencial era distinto e preconizava um gradativo protagonismo no cenário mundial (O’Neill, 2001). Além do primeiro grupo identificado – Brasil, Rússia, Índia e China, englobados e conhecidos pelo acrônimo BRIC – já surgem outras composições envolvendo a África do Sul, o México, a Coréia entre outros, sempre intentando avançar nas previsões sobre a dinâmica da economia mundial das próximas décadas. A nítida multipolaridade do poder econômico embute uma nova ordem institucional e espacial que preside a organização mundial. Mais ainda, fica clara a dupla face dessa dinâmica que é realçada em Sassen (2006): uma face externa que se apoia, se alimenta e se renova nos processos da escala subnacional, traduzindo um binômio simbiótico inseparável. Nesse ambiente cresce e conforma-se o protagonismo de um grupo de cidades que, no caso dos países em desenvolvimento, torna-se a face espacialmente mais visível da emergência dessas economias no mundo global.

As Cidades Mundiais do Sul

7No cenário reticular onde as trocas se intensificam e as escalas se confundem, cresce a importância da concentração e do local, os nós das redes. Daí o fenômeno do crescimento das aglomerações metropolitanas, assim como o indicativo de convergência, para essas áreas, das funções de coordenação e gerenciamento de corporações e serviços financeiros (Castells, 2005; Scott et al.,2001). Em escala mundial o reconhecimento da existência de cidades “... que incorporam atividades que transcendem os próprios estados nos quais estão localizadas” (Taylor, 2004, p. 38; tradução livre da autora) não é recente, mas a feição que tomam essas metrópoles vem sendo influenciada pelas transformações ocorridas na economia globalizada.

8Hall (2001), já em 1966, utilizou o termo “cidades mundiais” para referir-se a um grupo de centros urbanos hierarquizado segundo sua propensão à internacionalização, concentração e intensidade na produção de serviços na economia mundial. Braudel (1998, p. 16) utiliza o mesmo termo  para referir-se a cidades com vocação internacional, como o foram Veneza e Amsterdam, entre outras. Já Sassen (2001) ajusta o conceito às dinâmicas do mundo atual utilizando o termo “global”, e identifica como “cidades globais” aquelas que concentram a direção e o controle das maiores corporações mundiais de quatro tipos de serviços especiais (Advanced Producer Services – APS) – finanças, consultoria, contabilidade e advocacia.

  • 2  A metodologia de construção do índice de conectividade global do GaWC inclui a seleção de firmas d (...)

9Os inúmeros estudos desenvolvidos sobre as cidades globais/mundiais, ainda que abordando aspectos diversos e fundando-se em diferentes critérios, convergem para a caracterização desses centros como constituintes de uma rede interdependente que, em escala global, articula as principais decisões da economia mundial. Cabe pontuar que todos esses estudos, historicamente, sempre tomaram por base as cidades do mundo desenvolvido e, só mais recentemente, corroborando a emergência dos países em desenvolvimento, encontram-se trabalhos sobre cidades mundiais situadas “além do Ocidente”, para usar a expressão cunhada por Gugler (2004). Destaque-se aqui os estudos realizados por Peter Taylor e o seu “Grupo e Rede de Estudos em Globalização e Cidades Mundiais-GaWC” (Globalization and World Cities (GaWC) Study Group and Network <http://www.lboro.ac.uk/​gawc/​group.html>) sediado no Departamento de Geografia da Loughbourough University, no Reino Unido, que vem realizando pesquisas, sempre sob a  perspectiva da relação entre cidades mundiais. Dentre as pesquisas do GaWC releva a que construiu uma hierarquia das cidades mundiais e que criou e segue atualizando um índice de conectividade para essas cidades mundiais2. A variação do índice implica a mudança de posição das cidades na hierarquia, vale dizer, alteração do seu grau de conectividade global. No início deste século, além de um número menor de cidades (33) nos índices mais elevados (Alfa ++ a Alfa-) elas eram predominantemente do chamado Norte desenvolvido. Em 2008, 40 são listadas e cidades como Xangai, São Paulo, Mumbai, Buenos Aires, Cidade do México e Pequim, entre outras, já fazem parte do seleto grupo.

10Seguindo os objetivos do presente artigo, optou-se pela eleição de três cidades de países emergentes, incluindo Joanesburgo para a representação da África e Mumbai para a da Ásia, além de São Paulo para a América Latina. Aliás, essas cidades integraram estudo recente de Segbers (2007) sobre a estruturação de cidades-regiões globais reconhecendo que elas, ainda que integrantes da rede global, não se situam no topo da hierarquia e “... funcionam como uma saída para a economia global de seu país e/ou seu entorno regional” (Segbers, op. cit., p. 9; grifo no original, tradução livre da autora).

11Esse realce fica evidente no quadro a seguir:

Quadro 1.Dados Comparativos de Mumbai, São Paulo e Joanesburgo

Quadro 1.Dados Comparativos de Mumbai, São Paulo e Joanesburgo

(*) Corresponde ao PIB do município (**)2007

FONTE: IBGE; World Bank Database; Geohive; Prefeitura São Paulo; Censo da Índia

12Nenhuma das três cidades ocupa a condição de capital do país e a evolução histórico-econômica de cada uma é diferente. Caberia apenas lembrar os pontos comuns existentes nos primórdios da história dos três países, referidos a sua condição geográfica no hemisfério sul e ao fato de integrarem as rotas da colonização portuguesa do século XV.

Bolsas de Valores de Mumbai, São Paulo e Joanesburgo

13Chega-se agora ao foco da pesquisa que motiva este artigo. A escolha da abordagem das Bolsas de Valores está ligada a dois fatores: em primeiro lugar, a estreita relação entre  localização e desenvolvimento das Bolsas de Valores e o espaço urbano. Historicamente a cidade se estruturou como território por excelência para o comércio de mercadorias e, em natural consequência, para a circulação de dinheiro e  de crédito, o que remete às pesquisas de Braudel (op. cit.) sobre as feiras de dinheiro que evoluíram para as antigas “cidades mundiais”, as quais concentravam as funções de entreposto, trocas de câmbio, de mercado financeiro enfim. Nesses núcleos urbanos se constituíram as primeiras Bolsas de Valores, resultando que, quase unanimemente, as Bolsas são denominadas pelo nome da cidade onde se desenvolveram: Bolsa de Nova York, Bolsa de Chicago, Bolsa de Londres e, no caso que se trata aqui, as Bolsas de São Paulo, de Joanesburgo e de Mumbai.

14Em segundo lugar, conforme assinalado anteriormente, a importância do mercado financeiro nas mudanças da dinâmica econômico-espacial do mundo e que vêm resultando na emergência do chamado Sul. Essa perspectiva também diz respeito à importância atual na dinâmica das redes, para conformar a imbricação entre o capital financeiro e o industrial no mundo (Gonçalves, 1999), sendo as Bolsas de Valores sua máxima expressão.  

15Entende-se aqui a Bolsa de Valores como um dos lócus da relação do mundo global financeiro com a cidade e, por intermédio dela, com o país. A Bolsa é um lugar físico, espacial e institucionalmente definido, mas as suas operações, desde que o progresso e o avanço das tecnologias assim o permitiram, realizam-se diretamente com mercados situados em pontos fora da cidade e do país. Considerando assim o funcionamento simultâneo das diferentes Bolsas de Valores no mundo, pode-se entender que há uma conexão da cidade diretamente com as outras cidades nesse espaço virtual. A Bolsa de Valores em uma dada cidade tem, sob essa perspectiva, uma condição multiescalar, implicando a simultânea junção do local – a cidade –, com o nacional – via regulamentação, empresas etc. – e o global (Sassen, 2006). Por outro lado, essa condição influencia e especializa o espaço urbano, seus equipamentos e organização, tanto que não é extensa a rede de cidades que acolhem Bolsas de Valores.

16Quanto à composição das Bolsas de Valores, pesquisa de Wójcik (2007) conclui que elas podem não ser representativas da economia de um dado  país, porque tendem a acolher preferencialmente grandes empresas. Assim, deixariam de fora o conjunto de pequenas e médias empresas mais numerosas na economia nacional. Entende-se, no entanto, que o conjunto das empresas que operam em bolsa corresponderá sempre à maior expressão da economia nacional, seja pelo seu porte, seja pelo papel importante nas cadeias produtivas às quais estão ligadas, ainda que, em conjunto, não correspondam quantitativamente as que mais aportam salários às economias. Observe-se, assim, a relação entre o valor de mercado de algumas Bolsas de Valores e o Produto Interno Bruto de seus respectivos países, para o período 2000-2010, no Quadro 3, abaixo:

Quadro 2. Evolução da Relação do Valor de Mercado das Bolsas de Valores e do PIB de Economias Escolhidas (2000-2008)

Quadro 2. Evolução da Relação do Valor de Mercado das Bolsas de Valores e do PIB de Economias Escolhidas (2000-2008)

(*) A partir de 2002 refere-se à NYSE (**) Em 2000 corresponde à Bolsa de Paris. A partir daí ao conjunto dos países – França, Holanda, Bélgica e Portugal – que constituíram a NYSE-Euronext em setembro de 2000 (***) BSE-Bombay Stock Exchange.

FONTE: WFE – World Federation of Exchanges

17É preciso observar pela leitura dos dados acima que os diferentes valores entre as economias relacionam-se não apenas à força e ao porte da Bolsa, medidos pelo volume de operações nelas realizadas e valor das empresas nelas listadas mas, também, ao ambiente institucional do país. Igualmente farão diferença a diversidade dos valores aportados para investimentos, incluindo no conjunto das operações da Bolsa as empresas financeiras que nela operam. As relações PIB/Bolsa de Valores variam num crescendo até 2006 e, em 2008, sofrem unanimemente o peso da crise financeira.

18De uma maneira tendencial há coincidência nas trajetórias das três Bolsas aqui analisadas. A intensidade do crescimento é que faz a diferença, com as Bolsas de Mumbai e São Paulo mais gradativas, enquanto Johanesburgo tem um incremento quase vertical, principalmente a partir do ano de 2002, com queda mais abrupta que as demais em 2008. O padrão de Joanesburgo acompanha o das bolsas de Hong Kong e Singapura, conhecidas como economias mais abertas. Já no caso de Mumbai e São Paulo haveria uma possível mudança de postura na direção de uma atividade mais intensa, nos dois casos, a partir de 2006, interrompida pela crise de 2008.

19Algumas observações sobre as particularidades de cada uma dessas Bolsas podem enriquecer a discussão aqui empreendida e as conclusões dela advindas. Tomou-se como base para a análise a composição do principal índice de cada uma dessas Bolsas, para identificar o padrão dos negócios mediados por ela. Este índice reúne a carteira de ações mais negociadas, vale dizer, as mais importantes empresas de capital aberto listadas na Bolsa. Naturalmente, a composição desse índice é variável, razão porque foi utilizada aquela referente à mais recente atualização.

Bolsa de Valores de Mumbai

20O comércio é atividade de grande importância na Índia, uma referência histórica, e nele o crédito tem um papel especial. Assim a Bombay Stock Exchange-BSE, a principal do país, já funciona desde 1875. É a principal, porque o país conta com mais 20 bolsas regionais distribuídas em todo o território nacional, de tal forma que, praticamente cada um dos estados possui sua bolsa de âmbito local. Provavelmente daí decorre o fato de a BSE ter o maior número de empresas listadas entre todas as bolsas do mundo – cerca de 4.700.

21Porém, à cidade de Mumbai deve ser também creditado o protagonismo de sua Bolsa, pois ela foi marcada pela característica de ser voltada para o exterior, com uma pujança econômica que sempre se destacou no país. Mais recentemente, Mumbai diversificou sua indústria com investimentos em setores intensivos de capital, petroquímica e engenharia e com isso iniciou um processo de reestruturação de sua economia, com evidentes reflexos no espaço da cidade. O binômio histórico economia-migrações concorreu também para definir um padrão até hoje persistente e ampliado: o centro dinâmico, bairros da classe empresarial, subúrbios e favelas.

22Referência nacional e internacional a BSE tem como seu principal índice o Sensex-30, o mais usado para avaliar o movimento da Bolsa no país e no exterior. É interessante observar que das 30 empresas que compõem o índice utilizado – composição do período março-2010 a fevereiro-2011, apenas quatro são financeiras, mas representam 24,25% do índice. A distribuição dos setores e seus pesos no Sensex-30 reflete a transição que vem ocorrendo na economia indiana: as empresas ligadas ao setor de commodities (petróleo e gás, mineração e siderurgia) respondem por 23,84% do índice, embora seja importante assinalar que a Reliance é responsável por mais da metade dessa participação.

23O setor de Tecnologia da Informação contribui com 16,75% do índice e já se afirma em termos globais como uma força no setor. Segue-se, enfim, a área de bens de consumo não duráveis com 15,83% do índice e a maior diversificação em termos de empresas integrantes do Sensex-30. O Quadro 4 relaciona as empresas não financeiras do SENSEX-30 e os países onde têm investimentos.

QUADRO 4 -Empresas Não-Financeiras do Índice SENSEX, com Locais de Investimento

QUADRO 4 -Empresas Não-Financeiras do Índice SENSEX, com Locais de Investimento

FONTE:Bombay Stock Exchange <http://www.bseindia.com/​>Carteira de março 2010-fevereiro 2011.

Bolsa de Valores de São Paulo

24Atualmente única Bolsa de Valores do Brasil a BM&F-BOVESPA sucedeu a primeira instituição do gênero sediada no Rio de Janeiro e resulta da fusão recente (2008) com a Bolsa de Mercadorias & de Futuros, que também atuava em São Paulo. O direcionamento e concentração das atividades de Bolsa para São Paulo é natural. Berço da indústria nacional, entre os anos de 1970 e 1980 a cidade passa por um processo de desconcentração do seu parque industrial que migra para o interior do estado, deixando-a mais voltada para as empresas de serviços e os centros de decisão. Em conseqüência, aumenta a presença e a força do setor financeiro – a cidade acolhe 100% das sedes de bancos internacionais no Brasil e 85% dos maiores bancos nacionais. A nova fase prioriza os investimentos e a habitação das esferas mais altas da sociedade, expandindo agressivamente o setor imobiliário. Nesse quadro, São Paulo reforça sua posição de principal centro de conexão da economia nacional com o resto do mundo (Rolnik, 2002).

25De certa maneira, a composição do principal índice da Bolsa – o IBOVESPA – ainda reflete um pouco o peso da estrutura econômica de São Paulo, mesmo considerando o tamanho e a maturidade da economia brasileira. Tanto é que fazem parte dele 5 empresas exclusivamente voltadas à infraestrutura da cidade. O índice, na sua versão para o período janeiro-abril de 2011, é composto de 59 empresas, das quais 6 do setor financeiro, que respondem por pouco mais de 16% do índice.

26Diversificada, a composição, no entanto, deixa claro o peso dos setores Petróleo e Siderurgia que, juntos, equivalem a cerca de 42% do índice, ouseja, das ações negociadas em Bolsa. Seguem os setores de Comércio Varejista e Imobiliário (14%), Eletricidade (6%) e Telefonia (4%). O quadro 5, acima, relaciona as empresas não-financeiras do IBOVESPA, com os países onde possuem investimentos.

Quadro 4 Empresas Não-Financeiras do Índice Bovespa, com os Locais de Investimento

Quadro 4 Empresas Não-Financeiras do Índice Bovespa, com os Locais de Investimento

FONTE: BM&F Bovespa <http://www.bovespa.com.br>; Carteira janeiro/abril 2011.

Bolsa de Valores de Joanesburgo

27As notícias sobre o estabelecimento da cidade de Johanesburgo (1886) e o início da sua Bolsa de Valores (1887) mostram datas bastante aproximadas. Na verdade, embora a cidade tenha tido origem na descoberta de uma mina de ouro a sua estruturação e crescimento estiveram mais relacionados à indústria manufatureira e ao comércio. A condição de colônia do Reino Unido somente superada em 1994, justifica não apenas a influência inglesa como, também, um relativo isolamento da Johannesburg Stock Exchange-JSE em relação aos acontecimentos que culminaram com o fim do apartheid. Daí a Bolsa de Valores ter se mantido sem alterações significativas até 2000 quando mudou a denominação de “Johannesburg Stock Exchange – JSE” para “JSE Securities Exchange South Africa”. No ano seguinte, fundiu-se com a South African Futures Exchange – SAFEX,  fortalecendo sua condição de única Bolsa da África do Sul, com índice calculado de acordo com a Classificação Global FTSE.

28Indiscutivelmente o apartheid marcou a cidade, seja fazendo-a palco de grandes revoltas, como foi o caso de Soweto, seja moldando o espaço urbano com a separação dos subúrbios de classe pobre – townships – e os bairros da elite industrial e financeira. Assim como São Paulo, Joanesburgo – ou Jo’burg como é oficialmente denominada – também teve sua transição de cidade industrial para centro de serviços e finanças. Em 2001, refletindo os problemas dessa transição, 37% da população estava desempregada (MABIN, 2007), enquanto o Censo oficial do mesmo ano estimava que quase 37% da população empregada concentrava-se nos setores financeiro e do comércio.

29A par da importância indiscutível da cidade no conjunto do país, vale salientar sua proximidade (60 km) da capital Pretória, provocando uma já previsível conurbação e aprofundando os problemas decorrentes de uma mancha populacional contínua de grandes proporções.

30O principal índice da JSE/FTSE, compõe-se de 40 empresas – Top 40 – das quais 12 são do setor financeiro. O perfil das 28 não financeiras mostram o peso do setor de mineração – 39% delas – do comércio com 21% e Comunicações representando 11%. Essa concentração está relacionada com as características econômicas da África do Sul, mas o índice reflete, também, a histórica relação com o Reino Unido, que prossegue prestando apoio à Bolsa. Várias das empresas do índice, iniciaram na África do Sul, ainda quando esta era colônia, e aí mantém sua sede, mas outras são apenas subsidiárias de nações do mundo desenvolvido. O Quadro 6, a seguir, relaciona as empresas não-financeiras da JSE/FTSE e os países onde possuem investimentos. Foi acrescentada uma coluna para eventuais esclarecimentos sobre as empresas só secundariamente listadas na Bolsa de Joanesburgo.

Quadro 5. Empresas Não-Financeiras do Índice FTSE/JSE, com os Locais de Investimento

Quadro 5. Empresas Não-Financeiras do Índice FTSE/JSE, com os Locais de Investimento

FONTE: Johannesburg Stock Exchenge – JSE <http://www.jse.co.za/​> Carteira de março 2011

Bolsas de Valores das Cidades Mundiais do Sul e a Economia Global

31A análise procedida nos itens anteriores permitiu observar os perfis das Bolsas de Valores de Mumbai, São Paulo e Joanesburgo e de quanto se relacionam com a história econômica do país e da cidade, sua política econômica e seu momento atual. Mais ainda, o protagonismo dessas três cidades já se propaga segundo claros padrões de regionalização, que vão além dos limites da polarização Norte-Sul.

32Assim, as empresas do Sensex (Bolsa de Mumbai) concentram seus investimentos no Oriente Médio, Ásia e Europa. Mas estão igualmente presentes na Austrália e penetram as Américas. As empresas do Ibovespa (Bolsa de São Paulo) claramente predominam na América do Sul, com destaque para a área do Mercosul, além de presença expressiva também na América Central e do Norte. Já as empresas da Bolsa de Joanesburgo estão concentradas na África, mas também investem na Europa Oriental, Europa e Austrália, inclusive por sua ligação histórica com o Reino Unido. Com menor destaque encontram-se também na América do Norte.

33O Mapa 1 permite a observação simultânea da regionalização acima comentada. Mais que isso, no entanto, ele atesta o alcance dos investimentos de empresas das Bolsas aqui destacadas. Mumbai apresenta possivelmente a mais diversificada penetração. Aliás, com relação à regionalização dessa Bolsa, impossível não perceber a “distância” para com os países da sua fronteira oeste, indicando uma influência das questões políticas na área dos investimentos.

34Já o domínio das empresas da Bolsa de Joanesburgo na África Subsaariana sugere mais do que uma liderança regional, o domínio da mineração que vem explorando as possibilidades abertas nos países do continente africano. Mas ainda há claros espaços a preencher que nem as incursões das empresas da BM&FBovespa, nem as de Mumbai chegam a completar.

35Além da distribuição regional cabe observar o conjunto da composição setorial das Bolsas. Neste caso, o domínio das empresas dos setores de commodities no caso das Bolsas de São Paulo e Joanesburgo é total. Ainda assim, é possível identificar no entorno próximo, vale dizer, a América do Sul e a África Subsaariana outros setores na área de manufaturados e telecomunicações, para a BM&F Bovespa e JSE, respectivamente.

36Já a Bolsa de Mumbai, além do setor de commodities acrescenta o de tecnologia da informação, demonstrando a maturidade deste setor no país, o que lhe permite alçar voos mais altos. Nas três Bolsas há expressiva participação de empresas do comércio (shoppings, eletrônico, multimarcas) nos seus maiores índices.

37Aliás, o peso das commodities nas Bolsas de Valores pesquisadas provavelmente responde pelo alto grau de correlação entre elas (acima de 0,9), indicando uma mesma direção dos negócios, ainda que com uma distribuição geográfica dos investimentos nem sempre superposta. Nesse sentido, o Quadro 7 abaixo oferece mais um elemento à análise.

Quadro 6 -  Matriz de Correlação dos Preços de Commodities e os Índices das Bolsas de Mumbai, São Paulo e Joanesburgo

Quadro 6 -  Matriz de Correlação dos Preços de Commodities e os Índices das Bolsas de Mumbai, São Paulo e Joanesburgo

(*) Índice de Preços de Commodities do Fundo Monetário Internacional

FONTE: Bolsas de Valores de Mumbai, São Paulo e Joanesburgo

38Ainda que com valores bastante aproximados, o Ibovespa apresenta a maior correlação, seguido do FTSE-JSE. Observa-se, neste ponto, que enquanto a JSE está principalmente relacionada à mineração, o quadro de commodities em que opera a BM&FBovespa é bem mais diversificado, justificando o vínculo mais forte com o setor.

Considerações Finais

39As dinâmicas que promoveram uma reorganização da economia mundial reforçaram o papel das cidades no nível global, destacando grupos de cidades denominadas mundiais com especialização e funções de articulação, principalmente nos setores econômico-financeiros. Mais ainda, a multipolaridade que passa a caracterizar as relações entre países, promove a emergência de alguns deles antes situados na periferia da economia global, na então bipolaridade Norte-Sul.

40As cidades mundiais desse “novo Sul” despontam histórica e modernamente como articuladoras da rede e da economia nacionais, estruturando-se também como o lócus mais importante, para estabelecer a relação do país com o exterior. Nessas cidades, a Bolsa de Valores é a instituição multiescalar que espelha tal relação, mostrando tanto a face do momento econômico e institucional do país como sua capacidade e intensidade de inserção no mundo global.

41A análise das Bolsas de Valores das cidades de Mumbai, São Paulo e Joanesburgo pretendeu demonstrar que há uma coerência, certa analogia entre as três instituições, não obstante a diversa composição  de seus principais índices, a distância entre as três cidades e seus respectivos países. Importa assinalar o significado dessa similitude em termos de um padrão que há um tempo remete à história e à base econômica construída pelos países, particularmente quanto ao setor de commodities. Mais ainda, ressalta que as Bolsas de Valores de Mumbai, São Paulo e Joanesburgo expressam o padrão da presença do país no exterior. A partir daí, permitem identificar não apenas setores de liderança, regiões de influência e eixos de penetração, mas também as tendências de sua economia como nova protagonista no cenário global.

Haut de page

Bibliographie

Braudel F., Civilização Material, Economia e Capitalismo: séculos XV-XVIII. Vol. 2. Os Jogos das Trocas, Tradução de Telma Costa, São Paulo, Martins Fontes, 1998.

Castells M., A Sociedade em Rede, 8ª ed., Tradução de Roneide Venancio, Majer, São Paulo, Paz e Terra, 2005.

Chesnais F., Mundialização: o capital financeiro no comando, Outubro. Revista do Instituto de Estudos Socialistas, São Paulo, USP, n.5, 2001, p. 7-28.

Corazza G., Economia Nacional e Capitalismo: Um Enfoque Histórico-Metodológico, Disponível em: <http://www.anpec.org.br/encontro2004/artigos/A04A010.pdf> Acesso em 14 mar. 2011.

Fiori J. L., Globalização, hegemonia e império, In M. C. Tavares eJ. L. Fiori (orgs.), Poder e Dinheiro – uma economia política da globalização, 2º ed., Petrópolis, Vozes, 1997, p. 87-147.

Gonçalves R., Economia: Capital Financeiro e Poder Econômico, Teoria e Debate, n. 41, mai./jun./jul. 1999, Disponível em:

<http://www2.fpa.org.br/portal/modules/news/index.php?storytopic=575>

Acesso em: 14 ago. 2008.

Gugler J., Introduction, In J. Gugler (ed.) World Cities beyond the West: Globalization, Development and Inequality, Cambridge, New York, Cambridge University Press, 2004. Disponível em:

http://www.lboro.ac.uk/gawc/rb/rb94.html. Acesso em: 9 nov. 2008.

Hall P., Global City-Regions in the Twenty-first Century, In A. J. Scott (ed.), Global City-Regions- Trends, Theory, Policy. Part III – The Global City-Region : A New Geographic Phenomenon ?, New York, Oxford University Press, 2001, p. 59-77.

Harvey D., A brief history of neoliberalism, Oxford, UK, Oxford University Press, 2005.

Levy J. e Lussault M., Dictionnaire de la Géographie, Paris, Belin, 2003

Mabin A., Johannesburg: (South) Africa’s Aspirant Global City, In K. Segbers (ed), The Making of Global City Regions – Johannesburg, Mumbai/Bombay, São Paulo, and Shangai, Baltimore, The John Hopkins University Press, 2007, p. 32-63.

O’Neill J., Building better global economic BRIC, Global Economics Paper N° 66, Goldman Sachs Global Economics Website, 2001. Disponível em: <https://www.gs.com> Acesso em: 15 mar. 2009.

Parrochia D., Philosophie des Réseaux, Paris, Presses Universitaires de France, 1993.

Rolnik R., São Paulo, São Paulo, Publifolha, Coleção Folha Explica, 2002.

Sassen S., Territory, Authority, Rights: From Medieval to Global Assemblages, Princeton, University Press, 2006.

Sassen S., The Global City: New York, London, Tokyo,Princeton, University Press, 1991.

Sassen S., Global cities and Global city-regions: a comparison, In Allen Scott (ed.), Global city-regions: trends, theory, policy, Oxford/New York, Oxford University Press, 2001.

Scott A. J. et al., Global City-Regions, In A. J. Scott (ed.), Global City-Regions- Trends, Theory, Policy. Part I – Introduction, New York, Oxford University Press, 2001, p. 1-8.

Taylor P., World City Network: A Global Urban Analysis, New York, Routledge, 2004.

Veltz P., Des Lieux et des Liens – Politiques du territoire à l’heure de la mondialisation, França, L’aube poche essai, 2004.

Wójcik D., Do Stock Markets represent economies?, Social Science Research Network-SSRN, 2007. Disponível em: <http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=998814> Acesso em 15 nov. 2008.

Haut de page

Notes

1  Tal concepção se estabeleceu nos anos 1980, pós-guerra fria, a partir de relatório do Banco Mundial, baseado em uma divisão econômica do mundo, entre o Norte (desenvolvido) e o Sul (subdesenvolvido). Ver a respeito os relatórios da Comissão Independente sobre Desenvolvimento Internacional-ICID.

2  A metodologia de construção do índice de conectividade global do GaWC inclui a seleção de firmas de serviços especializados (a cada uma delas é atribuído um dado peso) e a identificação da existência das firmas nas cidades. Os índices variam de aproximadamente 0,9 (Nova York e Londres excedem esse limite) e 0,2.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa 1 Distribuição espacial das empresas por bolsa de origem
Crédits Elab. Laget/UFRJ
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7405/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 492k
Titre GRÁFICO 1 - Evolução da Participação de Economias selecionadas no PIB mundial
Légende A classificação aqui adotada é a da UNCTAD e da ONU: são economias desenvolvidas as dos países da América do Norte, da Europa Ocidental, Japão, Israel, Austrália e Nova Zelândia. São consideradas economias de transição aquelas dos países da Europa Oriental. Os demais países integram o conjunto das economias em desenvolvimento
Crédits FONTE: Statistics on World Population, GDP and Per Capita GDP, 1-2006 AD
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7405/img-2.png
Fichier image/png, 21k
Titre GRÁFICO 2 - Evolução da Participação de Economias selecionadas no Fluxo de IED (Investimento Estrangeiro Direto) do Mundo.
Légende O Fluxo de IED – de fora e para fora – corresponde ao capital aportado por um investidor estrangeiro – tanto diretamente como através de uma empresa – em um empreendimento de outro país; ou o capital recebido por um investidor proveniente de seu investimento no estrangeiro. O fluxo é sempre estimado em termos líquidos (UNCTAD, tradução livre da autora).
Crédits FONTE: UNCTAD
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7405/img-3.png
Fichier image/png, 11k
Titre Quadro 1.Dados Comparativos de Mumbai, São Paulo e Joanesburgo
Légende (*) Corresponde ao PIB do município (**)2007
Crédits FONTE: IBGE; World Bank Database; Geohive; Prefeitura São Paulo; Censo da Índia
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7405/img-4.png
Fichier image/png, 21k
Titre Quadro 2. Evolução da Relação do Valor de Mercado das Bolsas de Valores e do PIB de Economias Escolhidas (2000-2008)
Légende (*) A partir de 2002 refere-se à NYSE (**) Em 2000 corresponde à Bolsa de Paris. A partir daí ao conjunto dos países – França, Holanda, Bélgica e Portugal – que constituíram a NYSE-Euronext em setembro de 2000 (***) BSE-Bombay Stock Exchange.
Crédits FONTE: WFE – World Federation of Exchanges
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7405/img-5.png
Fichier image/png, 42k
Titre QUADRO 4 -Empresas Não-Financeiras do Índice SENSEX, com Locais de Investimento
Crédits FONTE:Bombay Stock Exchange <http://www.bseindia.com/​>Carteira de março 2010-fevereiro 2011.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7405/img-6.png
Fichier image/png, 53k
Titre Quadro 4 Empresas Não-Financeiras do Índice Bovespa, com os Locais de Investimento
Crédits FONTE: BM&F Bovespa <http://www.bovespa.com.br>; Carteira janeiro/abril 2011.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7405/img-7.png
Fichier image/png, 52k
Titre Quadro 5. Empresas Não-Financeiras do Índice FTSE/JSE, com os Locais de Investimento
Crédits FONTE: Johannesburg Stock Exchenge – JSE <http://www.jse.co.za/​> Carteira de março 2011
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7405/img-8.png
Fichier image/png, 66k
Titre Quadro 6 -  Matriz de Correlação dos Preços de Commodities e os Índices das Bolsas de Mumbai, São Paulo e Joanesburgo
Légende (*) Índice de Preços de Commodities do Fundo Monetário Internacional
Crédits FONTE: Bolsas de Valores de Mumbai, São Paulo e Joanesburgo
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7405/img-9.png
Fichier image/png, 11k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Margarida Maria C. L. Mattos, « Capital financeiro e commodities: um estudo das bolsas de valores de Mumbai, São Paulo e Joanesburgo », Confins [En ligne], 14 | 2012, mis en ligne le 19 mars 2012, consulté le 22 octobre 2017. URL : http://confins.revues.org/7405 ; DOI : 10.4000/confins.7405

Haut de page

Auteur

Margarida Maria C. L. Mattos

Doutora em Geografia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, margarida.mattos@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org