Navigation – Plan du site
Imagens comentadas

Modelização gráfica do estado de Rondônia

Matheus Sartori Menegatto

Notes de la rédaction

O texto abaixo foi preparado no âmbito da disciplina FLG 586 “Geografia regional do Brasil IV: Amazônia” dada na USP no 2º semestre de 2011. Ele recebeu a melhor nota de todos os trabalho apresentados como exercício de conclusão da disciplina. Ao texto juntamos os dois mapas em anexo, de autoria de Lais Nascimento Uehbe e Paulo Cesar Onitsuka, para ajudar os leitores a apreciarem o esforço de síntese feito pelo autor.

Texte intégral

1Dentre as chamadas imagens geográficas, os modelos se destacaram por sua ímpar utilidade na explicação de processos e estruturas espaciais. São representações formalizadas de um sistema de relações. Longe de serem simplificações da realidade geográfica, são a tomada de suas formas elementares. Estas, para Roger Brunet, são os constituintes do espaço. Apreendendo-as, se é possível fazer uma leitura mais adequada do espaço.  A essas formas elementares, Brunet dá-lhes o nome de “coremas” (-chor, “extensão, espaço”), fazendo uma clara alusão à função dos “fonemas” na linguagem humana. Os coremas estão para a geografia, tal qual os fonemas estão para a linguística.

2O espaço geográfico está estruturado em diversos níveis de análise ou complexidade. Cada uma dessas escalas resulta, por sua parte, da combinação de sete lógicas sociais de controle ou dominação do espaço: malhas, redes de ligação, gravitação, contato, tropismo, dinâmica territorial e hierarquia. Essas sete lógicas, multiplicadas por quatro figuras geométricas (pontos, linhas, áreas e redes), resultam em vinte e oito coremas de base (BRUNET, 2001). Brunet pretende realizar uma “gramática dos coremas”, isto é, uma interpretação das estruturas espaciais pelo reconhecimento e pela composição dos coremas (BRUNET et al.; 1993). Trata-se da Coremática, um método com raízes na Teoria Geral dos Sistemas, no estruturalismo, na cartografia e na semiologia gráfica de Jacques Bertin; útil enquanto instrumento geo-histórico, de análise regional e de planejamento territorial.

3Escolheu-se aqui, pois, modelizar o Estado de Rondônia, formação espacial complexa onde se verifica uma somatória de espacialidades e temporalidades diversas, em que a fluidez da moderna atividade agropecuária funde-se à vida ribeirinha das populações de grandes e pequenos centros. A fim de realizar uma leitura que sintetize esse complexo de relações socioterritoriais, chegou-se às seguintes estruturas fundamentais (coremas de base) para o referido Estado, que, no caso, assume a forma geométrica de um quadrado:

Modelos analíticos

4a)BR – 364: é a expressão linear do dinamismo econômico-social do Estado. Cortando a área central, é a articuladora de diferentes espaços, configurando uma interessante rede urbana, que, por sua parte, está conectada à presença de centros industriais. Em seus arredores, a produção agropecuária se expande, as atividades terciárias espraiam-se, e a extração mineral (sobretudo de cassiterita) conquista os mercados internos e externos aos limites estaduais. A ela, articula-se a hidrovia do Ji-Paraná, em cujas extremidades são encontrados importantes portos e aeroportos.

5b)Sistema hidroviário Madeira-Mamoré-Guaporé: localizado sobre área de planície, permite o trânsito de mercadorias e indivíduos humanos por entre importantes centros urbanos (como Ariquemes e Porto Velho, no norte) e para outros Estados mais ao sul (por meio do rio Guaporé). As condições variáveis de navegabilidade criam contingências locais.

6c)Centros urbanos em hierarquia: destacam-se Porto Velho, Guajará-Mirim, Ji-Paraná, Ariquemes (formam um corema), Jaru, Cacoal, Espigão do Oeste e Rolim de Moura. Dentre elas, Guajará-Mirim e Porto Velho são importantes pelo seu franco e antigo desenvolvimento ao redor dos rios, caracterizando-se como somatórias de relações sociais assentadas sobre os corpos d'água, dos quais tiram os recursos para a vida e dão significado ao movimento social em seu encontro com a natureza úmida amazônica. No trecho da BR – 364, na hidrovia Madeira-Mamoré-Guaporé e no intercruzamento de ambas, merecem ênfase o Aeroporto Brigadeiro Camarão, o Aeroporto Costa Marques e o Aeroporto Internacional de Porto Velho, respectivamente.

7d)Zonas climatobotânicas: pela influência menos acentuada da Massa Equatorial Continental e pelo episódico influxo da Massa Polar Atlântica no sul do Estado, há, em tal porção, um quadro climático caracterizado por estações secas e chuvosas e temperaturas acima de 18ºC, o que proporciona uma cobertura vegetal semidecidual e densidade média. É perceptível na paisagem, entretanto, que, conforme se aproxima das porções setentrionais do Estado, aumenta-se a densidade das espécies vegetais e seu caráter perene, o que reflete um tipo climático equatorial subúmido. Apesar de sua dominância espacial, as fasciações da floresta ombrófila densa e as matas semi-caducifólias têm sido continuamente desmatadas, o que acarreta graves perdas de solo e acentuada interferência no equilíbrio biogênico estabelecido em determinadas regiões. Mesmo com o avanço da frente pioneira em direção à porção boreal de Rondônia, a maior umidade em tal porção é um notável obstáculo natural às atividades pecuárias e ao desmate.

8e)Unidades fisiográficas (províncias pedogeomorfológicas): de um lado, temos as planícies fluviais do rio Madeira e seus tributários principais nas bordas ocidental e setentrional do Estado, dominadas por latossolos por conta da elevada umidade e da baixa declividade, e, de outro, a depressão marginal sul-amazônica entremeada por planaltos residuais intrusivos e chapadas resultantes de erosão horizontal (Serra dos Pacaás Novos e Chapada dos Parecis, principalmente), cujo aumento da declividade condiciona a existência, além dos latossolos, dos argissolos, cujas perdas de grãos de textura mais fina em seu horizonte superficial culminam em sua acumulação notória em horizonte imediatamente inferior.

9f)Frente pioneira: tida como o contato de espaços assimétricos, é a linha de integração de áreas cujas funcionalidades diferem. Aos poucos, uma periferia capaz de dar um sentido simbólico ao espaço vai sendo incorporada a um sistema espacial que visualiza certa concretude nos elementos do ambiente, tidos como simples recursos, senão como “ativos naturais”. Trata-se de uma transição entre diferentes estruturas e entre concepções de estuturas. Ora, se a expansão do agronegócio apoiado em um sistema complexo e moderno de bens de capital pode ser traduzida como o avanço do poder de compra de uma população e da possibilidade de diversificação de suas atividades, ela também produz suas tensões – o que se evidencia pelas mais altas taxas de mortalidade infantil verificadas em municípios localizados nos arredores da fronteira de expansão relativamente aos demais municípios rondonienses. Em ritmos diversos, o fluido do centro territorial vai fundindo-se aos passos mais modestos do movimento espaço-temporal da periferia.

10g)Isorregiões de desenvolvimento diferenciado: do centro, conectado à BR – 364 e à hidrovia Ji-Paraná, à periferia, mais marginalizada na porção Sudoeste do Estado, encontra-se uma gradação de desenvolvimento e, com ela, também de devastação ambiental. Com sua possibilidade de aderência, a zona central dá sentido à Rondônia a partir de sua interação com as demais áreas. A forma dessa interação é, pois, a frente pioneira. Sendo assim, a existência de regiões de dinamismo econômico e de relações sócio-espacias diferenciadas é uma existência fluida, haja vista que somente se pode definir uma região a partir da relação que estabelece com sua externalidade. A coerência interna de cada uma das zonas que compõe o espaço estadual rondoniano somente é encontrada em sua diferença com o entorno, que, por sua vez, não é claramente definido – tal é, desse modo, seu caráter fluido.

Modelo final

Haut de page

Bibliographie

BRUNET, Roger; FERRAS, Robert; THÉRY, Hervé. Les mots de la Géographie, dictionnaire critique. 3 éd. Montpellier, Paris: RECLUS, La Documentation Française, 1993, 520 p.

BRUNET, Roger. “La composition modèles dans l'analyse spatiale”. In: ______L'Espace Géographique. Paris: Belin, 1980.

BRUNET, Roger. Le déchiffrement du monde, théorie et pratique de la géographie. Paris: Belin, 2001, 402 p.

BRUNET, Roger. Raisons de géographes. In: ______Champs e contrechamps. Paris: Belin, 1997.

CHORLEY, Richard e HAGGETT, Peter. Modelos físicos e de informação em Geografia. São Paulo: Ed. Universidade de São Paulo, 1975.

CONTI, J. B. E FURLAN, S. “Geoecologia: o clima, os solos e a biota”. In: ROSS, Jurandyr Luciano Sanches. Geografia do Brasil. São Paulo: Edusp, 2002.

DUTENKEFER, Eduardo. Representações do espaço geográfico: mapas dasimétricos, anamorfoses e modelização gráfica. 2010. Dissertação (Mestrado em Geografia Humana) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8136/tde-25022011-115539/>. Acesso em: 2012-03-14.

GRATALOUP, Christian. Modélisation graphique. In: LEVY,  Jacques. LUSSAULT, Michel (Org.). Dictionnaire de la Géographie et de l'espace des sociétés. Paris: Belin, 2003. p. 629-631. Tradução  de trabalho de Fernanda Padovesi Fonseca e Jaime Tadeu Oliva.  

IBEP. Atlas Geográfico Escolar – São Paulo. São Paulo: Cia Nacional, 2008.

IBGE. Anuário estatístico do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2006.

MELFI, Adolpho José; OLIVEIRA, Sônia Maria Barros de e TOLEDO, M. Cristina Motta. “Da rocha ao solo: intemperismo e pedogênese”. In: TEIXEIRA, Wilson (org.) Decifrando a Terra (2ª edição). São Paulo: Cia Nacional, 2009.

MONTEIRO, Carlos Augusto. “Clima”. In:______ Geografia do Brasil. Grande Região Sul. Rio de Janeiro: IBGE, 1968.

PUMAIN, Denise. Spatial analysis and population dynamics. Paris: INED, 1991.

SIMIELI, Maria Elena Ramos. Geoatlas. São Paulo: Ática, 2007.

THÉRY, Hervé. “A dimensão temporal na modelização gráfica”. Geousp – Espaço e Tempo, São Paulo, n° 17, pp. 171-183, 2005.

Haut de page

Annexe

Autora: Lais Nascimento Uehbe

Autor: Paulo Cesar Onitsuka

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Matheus Sartori Menegatto, « Modelização gráfica do estado de Rondônia », Confins [En ligne], 15 | 2012, mis en ligne le 23 juin 2012, consulté le 02 octobre 2014. URL : http://confins.revues.org/7678 ; DOI : 10.4000/confins.7678

Haut de page

Auteur

Matheus Sartori Menegatto

Estudante de Graduação - Bacharelado em Geografia, Universidade de São Paulo (USP)matheus.menegatto@usp.br

Haut de page

Droits d’auteur

© Confins

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Revues.org