Navigation – Plan du site
Dossiê Portos, cidades e regiões

Portos, cidades e regiões: novas problemáticas, abordagens renovadas

Ports, Villes et régions: nouvelles problématiques, approches renouvellées
Ports, cities and regions: new problems, renewed approaches
Frédéric Monié et Flavia Nico Vasconcelos

Texte intégral

1O mundo contemporâneo é caracterizado por uma intensificação das transações materiais e imateriais que redefinem o cenário institucional, as estruturas técnico-operacionais e a organização espacial das redes de circulação. O sistema marítimo portuário mundial, responsável pelo escoamento de aproximadamente 90% do comércio internacional, passou, nas últimas décadas, por mutações significativas cujos efeitos sobre a evolução das relações entre cidades e portos foram ao mesmo tempo complexos e paradoxais. Alguns geógrafos portuários como Brian Hoyle e James Bird foram precursores quando, nos anos 1960, evidenciaram que, após séculos de relativa simbiose entre espaços portuários e urbanos, as cidades marítimas ingressavam numa era marcada por uma crescente dissociação funcional e espacial entre estes dois espaços. A coerência do sistema porto-cidade foi contradita por um conjunto de determinantes socioeconômicos e tecnológicos. As cidades-porto perderam, assim, gradualmente suas funções comerciais e de negócio, mas também parte da atividade portuária, frequentemente transferida para instalações modernas suscetíveis de acolher navios de grande gabarito, de estocar grandes volumes de contêineres e de redistribuir nas melhores condições os fluxos de mercadorias para corredores de transporte de grande capacidade. O fim da cidade portuária foi, assim, regularmente anunciado e decretado pela literatura cientifica e por políticas públicas, privilegiando estratégias de crescimento baseadas no desenvolvimento industrial e terciário das cidades marítimas.

2O aprofundamento recente do processo de globalização conferiu, no entanto, uma nova dimensão a este debate. Uma nova geração de geógrafos e economistas portuários ressaltou a crescente pressão exercida pelo horizonte marítimo sobre as cidades-portos. Brian Slack, Theo Nottebom, Jean Paul Rodrigue, James Wang, César Ducruet ou Peter de Langen destacam que, sob os efeitos da conteinerização e da reestruturação produtiva, a fluidez da circulação das mercadorias e a produtividade operacional impostas pelos atores controlando as redes logísticas mundiais transformam progressivamente os portos em peões no jogo de xadrez da logística mundial. O foreland (horizonte marítimo) e a hinterlândia (horizonte terrestre) que, em companhia do porto comercial, formam o tríptico portuário – tryptique portuaire – caro a André Vigarié, passam ao o domínio de dispositivos técnicos, informacionais e espaciais cujas lógicas funcionais reticulares contestam a organização das zonas de influência dos portos segundo parâmetros de contiguidade territorial.

3De acordo com outros autores, o divórcio cidade/porto é, porém, relativizado por algumas dinâmicas em curso nas metrópoles marítimas contemporâneas. O presente número da revista Confins oferece, assim, uma oportunidade a diversos estudiosos da problemática urbano-portuária de colocar em evidência a complexidade crescente dos desafios que se impõem a uma interface cidade/porto submetida a pressões intensas, complexas e contraditórias, cujas racionalidades devem compor com contextos locais e regionais específicos. Frédéric Monié e Flavia Nico Vasconcelos ressaltam, para abrir este número, que as estratégias desenvolvidas pelas “multinacionais do mar”, a reorganização da produção industrial, a consolidação de novas formas de consumo, as transformações das sociedades e o imperativo ambiental desenham itinerários diferenciados de adequação das cidades portuárias à globalização. Para além das tendências homogeneizantes, a combinação das funções de trânsito, de consumo, industriais e logísticas opera, com efeito, diferenciandoos perfis portuários segundo os contextos locais e regionais. João Figueira de Sousa e André Fernandes ressaltam, a seguir, como a evolução recente da relação cidade/porto em Lisboa redimensiona espacial e funcionalmente o papel da metrópole portuguesa nas escalas do sistema circulatório mundial. Nesta cidade, o projeto de reconversão do waterfront se traduziu por relevantes inovações institucionais destinadas a administrar as tensões entre os interesses contraditórios de inúmeros atores locais e mundiais. A dificuldade de inovar em termos de governança aparece claramente no caso do Rio de Janeiro, apresentado por Bertrand Cozic. Este autor destaca a incapacidade das políticas públicas cariocas de se reinventar, superando a clivagem que se estabeleceu entre infraestruturas portuárias e espaço urbano na era industrial. A atividade comercial portuária e o megaprojeto de refuncionalização dos bairros portuários – “Porto Maravilha” – seguem, assim, suas próprias lógicas sem que os atores locais tenham sido capazes de estabelecer novos canais de cooperação entre o porto e a cidade. João Grand Junior apresenta, por sua parte, o caso da cidade de Itajaí, onde a municipalização do porto no final dos anos 1990 constitui uma importante inovação  no cenário institucional do sistema portuário brasileiro. A capacidade de pensar o porto dentro das redes produtivas locais e regionais alimentou tanto o crescimento da atividade do mesmo quanto o desenvolvimento de um terciário portuário particularmente dinâmico na cidade de Santa Catarina. A problemática ambiental representa outro desafio fundamental para as políticas públicas. No Brasil, a multiplicação recente dos portos-indústria impõe, como demonstra Paulo Gusmão, a partir do exemplo de Itaguaí, no estado do Rio de Janeiro, a construção de uma verdadeira agenda para a gestão ambiental numa área caracterizada por uma baixa capacidade de resposta das autoridades e das sociedades locais diante dos grandes empreendimentos industriais e infraestruturais que transformam a realidade da Bacia de Sepetiba.

4As formas de articulação entre o local e o global, entre variáveis econômicas, sociais, ambientais, culturais e políticas desenham, então, realidades diferenciadas entre as cidades marítimas que sugerem novos campos de investigação para a geografia portuária.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Frédéric Monié et Flavia Nico Vasconcelos, « Portos, cidades e regiões: novas problemáticas, abordagens renovadas », Confins [En ligne], 15 | 2012, mis en ligne le 23 juin 2012, consulté le 23 octobre 2014. URL : http://confins.revues.org/7682

Haut de page

Auteurs

Frédéric Monié

Doutor em Geografia – Professor Adjunto, Departamento de Geografia, Programa de Pós Graduação em Geografia – PPGG, Universidade Federal do Rio de Janeirofmonie@uol.com.br

Articles du même auteur

Flavia Nico Vasconcelos

Doutora em Ciências Sociais - Professora Titular, Curso de Graduação em Relações Internacionais, Universidade Vila Velha – ES, flavia.nico@yahoo.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

© Confins

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Revues.org