Navigation – Plan du site
História do pensamento geográfico

Extratos de livros de Alain Reynaud

Extraits d'ouvrages d'Alain Reynaud
Extracts from Alain Reynaud's books

Texte intégral

Extrato de La géographie, science sociale ( A geografia, ciência social)

1[P126] "Eu pertenço a uma geração que viveu as mudanças da geografia no último quarto de século. No início dos anos sessenta, quando eu comecei meus estudos de pós-graduação, a escola francesa de geografia era forte, com uma linhagem impressionante, de mais de meio século [...] Ela tinha se espalhado para vários países, especialmente Brasil , Espanha, Iugoslávia, Oriente Médio, evidência clara de uma influência universal.

2No entanto, a escola francesa de geografia, atolada em seus hábitos, vivia do que tinha acumulado, mas não enriquecia a sue tradição, nem a renovava. [...] Mudanças importantes estavam acontecendo em outros países, mas os seus ecos, mesmo atenuados, não chegavam na França. Apenas poucos trabalhos da geografia regional anglo-saxônica eram utilizados [...] de um enciclopedismo desesperador e em comparação aos quais a geografia regional francesa brilhava, mas Brian Berry e Peter Haggett [...] foram ignorados, como foram ignorados os primórdios da análise espacial ou até mesmo a teoria dos lugares centrais de Walter Christaller [...]

3Naquela época, a geografia era vista como uma disciplina composta, cujos galhos não tinham atingido o mesmo grau de maturidade científica. Ramos da geografia física eram, de longe, as que mais mereciam o nome de ciência, porque eles tinham teorias e técnicas utilizadas em estudos de caso. A geomorfologia, a menina dos olhos dos geógrafos desfrutava de meio século de [p.127] solicitude e de esforços incessantes e, pelo menos nos últimos anos, de verbas de pesquisa e de recursos materiais relativamente importantes , os primeiros laboratórios sendo então criados. [...].

4A geografia da época era marcada por uma total falta de reflexão sobre a disciplina, além de algumas observações dispersas sublinhando o seu lado "concreto", celebrando o culto do "trabalho de campo" e exaltando a sua superioridade devido à sua "globalidade" em relação às "disciplinas afins".

Extrato de La géographie entre le mythe et la science (A geografia entre o mito e a ciência)

5Conclusão, p.161. "O que a geografia busca na história é principalmente um respaldo cultural, baseada no mito da preeminência e da nobreza de tudo o que é velho. Este mito passa por um nova popularização: restauração de casas antigas, gosto pelas antiguidades, vigas expostas, pratos tradicionais cozinhados "como antigamente", mobiliário de estilo. Estado de espírito que os geógrafos compartilham há muito tempo. Mas o seu interesse pela história também reflete um medo da mudança e da novidade, um conservadorismo que se deleita no já visto, no já feito, no já pensado. [...] Paradoxal no caso da geografia, isto é, uma disciplina que reivindica ser o conhecimento do presente e que afirma a sua vocação para o desenvolvimento, ou seja, a previsão o futuro. "

Extrato da introdução de Société, espace et justice (sociedade, espaço e justiça)

6p.11: "Um primeiro conceito é necessário, a classe sócio-espacial, o que significa qualquer grupo social definido pelo fato de pertencer a um espaço. Nesta perspectiva, e correndo o risco de chocar defensores da originalidade irredutível de cada pedaço de território e especificidade de cada escala, um bairro, uma cidade, uma área rural, uma região, mas também uma nação , um grande espaço, ou até todos os países industriais são todos do mesmo modo classes socio-espaciais e objetos da mesma problemática.

7Utilizar este conceito tem duas consequências importantes: a primeira é permitir a inclusão um por um ou simultaneamente, de todos os níveis de escala espacial, já que desde o bairro urbano até o mundo através ou via a cidade , as relações urbano-rural, o "país" , a região, a nação, o grande espaço. A segunda consequência é incentivar a concentrar-se na relação entre classes sócio-espaciais. Estas ligações, materializadas por fluxos de pessoas, bens, capitais e informação, são geralmente assimétricas e levam a uma dominação, mais ou menos acentuada, de uma classe sócio-espacial sobre outra".

Extrato de Une géohistoire, la Chine des printemps et des automnes (Uma geo-história, a China das primaveras e dos outonos)

8p11: "Nada impede os geógrafos de olhar para o presente, e eu prontamente admito que esta é uma função da disciplina, mas será a mais bem sucedida?

9Pela minha parte, vejo duas mais gratificantes formas para a prática de geografia. A primeira é de destacar os invariantes espaciais e as suas combinações singulares. Esta orientação abrange a análise espacial atual [...]

10A segunda maneira seria a de praticar a geografia  e  de concebê-la em uma perspectiva de longo prazo, única maneira de identificar continuidades e rupturas, ou seja fazer geografia histórica. Os temas geográficos tomam a sua plena significação na duração – de longo ou médio prazo – e, portanto, precisam de uma determinada espessura temporal. Longe de ser reduzida a um respaldo cultural, a história traz à geografia uma dimensão essencial. "

Extrato da conclusão de Épistémologie de la géomorphologie (Epistemologia da geomorfologia)

11p.113: "Se a geografia, como proclamam todos os geógrafos, é estudar tanto as atividades naturais como as humanas, duas possibilidade: ou os elementos físicos são cruciais e as atividades humanas são apenas uma conseqüência, ou os fenômenos humanos são dominantes e a geografia física é apenas um fator explicativo entre outros, um elemento subordinado em uma teia de relações. Mas os estudos regionais estudam conscienciosamente todos os aspectos de uma região. Quando a pesquisa não era muito avançada, esta atitude era justificada, mas com o desenvolvimento do conhecimento, isso leva a situações absurdas: que geógrafo explicaria a relação entre os arenitos da floresta de Fontainebleau e a sua morfologia peculiar, de um lado, e o tráfego na região de Paris de outro? Isto leva a um catálogo, um diretório onde tudo é colocado no mesmo plano (as condições da gênese dos sinclinais da Chartreuse e a expansão de Grenoble), uma espécie de enciclopédia feita de uma justaposição de fatos, mas que não mostra relações, que alias nem sempre existem".

Haut de page

Table des illustrations

URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7701/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 16k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7701/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 154k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

« Extratos de livros de Alain Reynaud », Confins [En ligne], 15 | 2012, mis en ligne le 23 juin 2012, consulté le 19 décembre 2014. URL : http://confins.revues.org/7701 ; DOI : 10.4000/confins.7701

Haut de page

Droits d’auteur

© Confins

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Revues.org