Navigation – Plan du site

Editorial do número 16

Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry
Traduction(s) :
Éditorial du numéro 16

Texte intégral

Editorial do número 16

1O ponto forte deste número 16 de Confins é a presença de comparações entre a França e o Brasil, além do intercâmbio intelectual entre os dois países. Alegramo-nos, uma vez que esta é a principal razão de ser da Revista.

2Dois artigos tratam explicitamente de comparações, “Proteger a biodiversidade ou o patrimônio? Uma comparação da gestão de parques nacionais na França e no Brasil”, de Nadia Kornijezuk e “La comparaison en géographie: Contribution à partir de l’étude de la coopération intercommunale en France et au Brésil”, de Juliana Nunes Rodrigues. Dois outros analisam a influência do pensamento francês no Brasil, “O pensamento francês na geografia rural do Brasil” de Flamarion Dutra Alves, ou o aplicam a uma situação brasileira – neste caso as idéias de Guy Di Meo – “Interpretação do espaço social da Região Histórica das Missões Jesuítico-Guarani: uma dialética com as reflexões do francês Guy Di Méo”, de Muriel Pinto. A homenagem a Antonio Teixeira Guerra inclui também uma dimensão franco-brasileira ja que este grande geógrafo brasileiro foi assíduo na França e até mesmo no que era, então, o seu império colonial, como se vê na última foto do artigo na qual ele se encontra em frente ao Instituto Francês da África Negra, em Dacar. As visões cruzadas deste brasileiro e dos geógrafos franceses sobre o mundo Africano certamente lhes ensinaram muito.

3Na mesma direção, outro artigo, “Água, organização do território e desertificação na Tunísia: reflexões a partir de um trabalho de campo”, de Bartolomeu Israel Souza e Rosa Maria Vieira Medeiros, reflete uma crescente abertura para o mundo dos geógrafos brasileiros que Confins deseja estimular, considerando que o Brasil se tornou um player importante no cenário mundial e é, portanto, necessário olhar além de suas fronteiras. Os geógrafos brasileiros tem tudo a ganhar, tanto em descobrir a imensa diversidade do mundo como, em troca, perceber melhor as especificidades do seu país. A comparação permite também – e talvez principalmente – entender melhor cada um dos elementos em que atua.

4Outra maneira de comparar a França e o Brasil é levar o olhar para onde estão fisicamente adjacentes: a fronteira comum no Oiapoque que separa - ou une? - os dois países, colocando em contato a Guiana Francesa e o Estado do Amapá. O dossiê que é coordenado e apresentado por Françoise Grenand analisa as « Enjeux de territoires sur une frontière méconnue entre la France et le Brésil : le fleuve Oyapock». Particularmente ela explica porque escolheu organizar a série de artigos começando com “Usages et gestion du domaine forestier de Regina/Saint-Georges, Guyane française” (Pauline Sévelin-Radiguet), continuando com “Dynamique des savoirs et des échanges d’un produit de collecte en territoire transfrontalier. Le cas du wassaï (Euterpe oleracea) dans la région du bas Oyapock” (Pauline Laval), “L’agriculture à Saint-Georges de l’Oyapock Bilan et perspectives” (Tchansia Kone), “Les petits exploitants agricoles et l’État brésilien sur la frontière avec la Guyane française” (Laurença Martins-Faure) e, finalmente – last but not least como sabem aqueles que conhecem suas paixões – “Construction et restructuration territoriale chez les Wayãpi et Teko de la commune de Camopi, Guyane française” de Damien Davy, Isabelle Tritsch e Pierre Grenand.

5A “preferência é dada aos artigos comparativos e artigos de brasileiros sobre a Europa”, para citar o texto de apresentação da Revista (citando a sinopse que os leitores encontram no momento da conexão) aparece também – graças à coragem dos autores que se atreveram a tratar de assuntos difíceis e distantes – na crônica de campo de Aldomar Ruckert “A Região transfronteiriça do alto Reno – Estrasburgo & Ortenau: Relatos e observações de campo entre a França e a Alemanha” e no projeto de pesquisa de Camilo Carneiro Filho “La grande région, région transfrontalière européenne”.

  • 1 Bertha K. Becker, « Recuperação de áreas desflorestadas da Amazônia: será pertinente o cultivo da (...)

6Outros artigos desta ampla edição são também remarcáveis seja pela originalidade: “Les difficultés de la filière brésilienne face à la nouvelle organisation mondiale du négoce des pierres de couleur”, de Aurélien Reys, ou pela atualidade do tema, como a resenha de Rafael D’Almeida Martins “Adaptação: novas e velhas questões no debate de respostas para enfrentar as mudanças climáticas”, ou a continuidade dada a um tema já abordado na Revista1, as plantações de dendê na Amazônia, com o artigo de João Santos Nanhum e e Antonio Tiago Corrêa Malcher “Dinâmicas territoriais do Espaço Agrário na Amazônia: a dendeicultura na microrregião de Tomé-Açu (PA)”.

7Para concluir o número, três “imagens comentadas” diferentes e – em nossa opinião – bastante interessantes, uma nota de pesquisa particularmente sintética de Cláudio Egler “Nodalidade e rede de cidades na América do Sul”; belas imagens bem contextualizadas de Fernando Shinji Kawakubo e Rubia Morato Gomes sobre “A florada do cafezal no sul de Minas Gerais”. Finalmente, “New talents” chama a atenção de nossos leitores aos três cartazes de jovens geógrafos, Oana Ionus, Javier Nuñez Villalba e Hannes Kunkel, premiados no Congresso da União Geográfica Internacional – IGC2012 – em Colônia.

8Esperamos que aproveitem bem este número, pois assim, a frequentação da Revista continuará a crescer, como acontece ano apos ano, ao todo o site recebeu mais de um milhão de visitas e um pouco mais de 2,5 milhões de páginas foram consultadas. O número de visitas aumenta regularmente apesar das irregularidades causadas pelas férias franceses (julho-agosto) e brasileiras (janeiro-fevereiro) as curvas traçadas a partir de estatísticas de visitas no site da Confins (abaixo) sobem de forma constante desde o número 1, e por isso lhes agradecemos. Boa leitura a todos.

Quadro 1. Estatísticas de visitas no site da revista Confins aumentam.

Ano

Número de visitas

Visitas por dia

Páginas

2007

12 49

58,4

26 087

2008

83 701

228,7

168 786

2009

141 953

388,9

559 867

2010

207 018

567,2

593 885

2011

248 273

680,2

507 200

2012

329 769

1 056,2

704 975

Total/moyenne

1 023 204

384,68

2 560 800

Fonte. www.revues.org

Gráfico 1. As visitas ao site da revista Confins aumentam regularmente

Gráfico 1. As visitas ao site da revista Confins aumentam regularmente

Fonte. www.revues.org, gráfico HT

Haut de page

Notes

1 Bertha K. Becker, « Recuperação de áreas desflorestadas da Amazônia: será pertinente o cultivo da palma de óleo (Dendê)? », Confins 10 | 2010 et Martine Droulers, Adriano Venturieri, Moises Mourão, Marcelo Thalês et René Poccard, « Le palmier à huile : un avenir pour l’Amazonie ? », Confins, 10 | 2010,

Haut de page

Table des illustrations

Titre Gráfico 1. As visitas ao site da revista Confins aumentam regularmente
Crédits Fonte. www.revues.org, gráfico HT
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7801/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 454k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Hervé Théry et Neli Aparecida de Mello-Théry, « Editorial do número 16 », Confins [En ligne], 16 | 2012, mis en ligne le 20 novembre 2012, consulté le 01 novembre 2014. URL : http://confins.revues.org/7801

Haut de page

Auteurs

Hervé Théry

CNRS-Creda

Articles du même auteur

Neli Aparecida de Mello-Théry

USP-EACH

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

© Confins

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Revues.org