Navigation – Plan du site

Água, organização do território e desertificação na Tunísia: observações a partir de um trabalho de campo

Eau, organisation du territoire et désertification en Tunisie : observations à partir d’un travail de terrain
Water, organization of territory and desertification in Tunisia: comments from a field work
Bartolomeu Israel de Souza et Rosa Maria Vieira Medeiros

Résumés

La désertification est un type de dégradation environnementale pouvant survenir dans les régions du monde au climat sec, principalement en raison de la forme prise par l'exploitation des terres s'y trouvant. Une grande partie de la Tunisie est susceptible de subir cet impact environnemental, étant donné que des portions considérables de son territoire présentent en prédominance une pluviosité très basse. Malgré tout, la désertification ne se fait pas toujours présente sur ces terres, sa présence étant déterminée par le type d'usage des sols et par l'intensité de cet usage. Le travail de terrain développé dans la région du centre-sud de ce pays, aux climats semi-aride et aride, a permis d'observer des résultats différents concernant cette question environnementale. Dans une partie de cette région, des techniques d'utilisation des sols et des eaux usées dans l'organisation du territoire, pratiquées depuis des milliers d'années, continuent à être des alternatives viables pour une agriculture durable et, conjointement avec l'utilisation de techniques modernes, ont évité l'épuisement des sols et des ressources hydriques. Ces exemples montrent que la coexistence avec les sécheresses, associée à la production économique sous une forme durable, est possible d'advenir dans ces environnements, certaines de ces techniques pouvant être reproduites au Brésil, en particulier dans la zone semi-aride du Nordeste. De la même manière, le contrôle du mouvement de dunes continentales a été un autre aspect positif observé, qu'il est également possible de reproduire dans certaines régions du territoire brésilien où a lieu ce phénomène. D'un autre côté, on s'est aperçu que la croissante nécessité de sols fertiles et d'eau pour l'utilisation dans l'agriculture commerciale de la Tunisie, diffuse cette activité en direction de certaines parties de cette région encore peu exploitées à cette fin et qui offrent des ressources naturelles. Ce qui a pour conséquence le recul de l'usage traditionnel de ces terres, fondé à l'origine sur l'élevage extensif, activité qui passe à se développer plus intensément en des lieux où les ressources hydriques et la végétation sont moins abondantes, provoquant une exploitation plus accélérée de ces derniers, développant le surpâturage et rendant la désertification une marque toujours plus présente sur certains paysages de cette partie du pays.

Haut de page

Entrées d’index

Índice de palavras-chaves :

agricultura irrigada, desertificação, pecuária
Haut de page

Texte intégral

1A Tunísia é um país habitado a milhares de anos, tendo sofrido a influência de uma grande variedade de povos de origem africana (destaque para os berberes), asiática (fenícios, árabes e turcos) e, mais recentemente, européia (principalmente franceses).

2Muito da ocupação que ocorre nesse país está relacionada, historicamente, às suas características pluviométricas, predominantemente marcadas pelos baixos índices anuais. Neste sentido, somente 1/3 da Tunísia se beneficia de uma pluviosidade igual ou superior a 400mm/ano, enquanto os 2/3 restantes recebem entre 400 a menos de 100mm/ano. As chuvas, por sua vez, se concentram essencialmente entre os meses de setembro a maio, em um número limitado de dias, estando quase ausentes na estação de verão. Além disso, em relação a essa ultima característica, agrava-se a situação pluvial nos 2/3 mencionados do país, uma vez que ocorrem em média menos de 50 dias de chuva por ano (Republique Tunisienne, 2001).

3No que diz respeito a distribuição espacial das chuvas, de forma geral, do norte para o sul desse país, ocorre uma diminuição gradativa da pluviosidade onde predominam, na sequência, os seguintes tipos climáticos: mediterrâneo, semiárido e árido.

4O domínio do clima seco faz com que a maior parte do território tunisiano seja considerado, a partir da definição oficial estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU), como susceptível à desertificação, tipo de degradação ambiental que se estabelece a partir do momento em que determinadas formas de uso do solo e expropriação dos recursos naturais, particularmente a vegetação, são alterados em intensidade nas regiões com essas características climáticas (CCD, 1995).

5Em comparação ao Brasil, o fato de também possuirmos uma vasta porção do nosso território susceptível à seca e à desertificação (particularmente a área semiárida da Região Nordeste), associada a experiência milenar que o povo tunisiano tem no que diz respeito a convivência com a escassez hídrica, o controle da erosão dos solos e do movimento de dunas continentais, este último fenômeno também presente no território brasileiro (especialmente no sudoeste do Rio Grande do Sul), faz com que uma maior aproximação entre os pesquisadores dos dois países se constitua em importante fator de troca de experiências, as quais podem repercutir positivamente no caminhar da Ciência e das intervenções territoriais.

6Este artigo tem o objetivo de fazer algumas observações sobre o uso tradicional dos solos e da água, assim como algumas mudanças que tem ocorrido na dinâmica recente de ocupação e organização do território de parte do sul da Tunísia, os quais, em alguns casos, levaram à ocorrência ou à intensificação do processo de desertificação. Tais observações foram efetuadas no Trabalho de Campo realizado nesse país, no período de 01 a 16 de maio de 2009, dentro do projeto de pesquisa apoiado pelo CNPq que envolveu docentes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS/Brasil), Universidade Federal da Paraíba (UFPB/Brasil) e Université de Sfax (Tunísia).

O processo de ocupação tradicional e a convivência com a escassez de água

7Devido a carência de chuvas que caracteriza grande parte do seu território, a maior parte da população e das cidades na Tunísia sempre se concentrou nas zonas litorâneas próximas ao Mar Mediterrâneo, onde o clima temperado mediterrâneo fornece maior disponibilidade hídrica. Exemplo disso são as ruínas de Cartago, fundada pelos fenícios provavelmente no séc. VI A.C, a qual deu origem à cidade de Túnis, capital do país.

8A importância dessa região para a Tunísia é historicamente marcante, sendo responsável ainda hoje por grande parte da produção de trigo e particularmente do azeite de oliva, principal produto de exportação agrícola que, ao lado do fosfato e do turismo, forma a base da economia tunisiana.

9Nas regiões do interior, principalmente no sul da Tunísia, a ocupação se processou de forma mais esparsa, concentrando-se no entorno dos oásis e de alguns oueds(rios temporários) que possibilitavam o desenvolvimento da agricultura e da pecuária extensiva. Ainda assim, o aproveitamento das terras ocupadas ocorria de forma mais móvel que atualmente, dominando a transumância ou o nomadismo, o que acarretava originalmente uma menor pressão sobre os recursos naturais existentes. Exemplos desse modelo de ocupação ainda hoje são preservados em diversos vestígios e monumentos arqueológicos, dos quais destacamos os existentes na região sudeste, no Planalto de Dahar, localizado entre as Províncias de Gabes, Médenine e Tataouine (figura 1). Esta região, juntamente com a área próxima a cidade de Sfax, foi alvo do Trabalho de Campo realizado nesse país.

Figura 1: Mapa da Tunísia com destaque para as Províncias visitadas durante o Trabalho de Campo

Figura 1: Mapa da Tunísia com destaque para as Províncias visitadas durante o Trabalho de Campo

Fonte: Adaptado de http://www.alloftunisia.com/​tunisie-carte/​carte.htm

10O conjunto formado por essas províncias preserva importantes vestígios de convivência com as secas e as condições pré-saarianas e saarianas, utilizadas principalmente pelos povos berberes que ainda hoje habitam seu território. Neste sentido, a despeito da pluviosidade média ser inferior a 200mm/ano, o desenvolvimento da agricultura tornou-se possível graças a um conjunto de técnicas utilizadas a milhares de anos, as quais também contribuíram decisivamente para a diminuição de processoserosivos provocados pela ação das chuvas de caráter torrencial que assolam ocasionalmente essas terras.

11Tal como define Genin (2006), os sistemas de produção tradicionais dessa e de outras áreas secas da Tunísia combinavam originalmente uma concentração de meios de produção agrícola em espaços limitados e a exploração extensiva dos recursos pastorais dispersos, o que garantia uma elevada sustentabilidade econômica e ambiental. Dentre os sistemas de produção mencionados, destacamos a construção dos jessour.

12Os jessour (figura 2) constituem-se em um sistema de aproveitamento hidráulico, localizados nas porções mais secas do território da Tunísia. Consistem na construção de uma série de pequenas barragens superficiais (denominadas de tabias ou katras), feitas com argila, dentro das ravinas e nos oueds, onde se concentram temporariamente as águas de escoamento superficial. Essas pequenas barragens diminuem a velocidade com que as águas escoam, favorecendo assim a sua infiltração nos solos, impedindo o desenvolvimento da erosão e diminuindo as perdas hídricas através da evapotranspiração, uma vez que as águas se concentram no subsolo.

13Numa das partes laterais ou no centro dessa barragem, afim de que as águas não tenham o seu trajeto impedido, o que poderia favorecer o rompimento da construção no caso de uma chuva muito forte, existe uma continuação dessa barragem, construída em pedra assentada diretamente sobre o solo e de altura menor que o restante da construção, denominada menfess, cujo objetivo é permitir a passagem do excesso de água para outros jessour (Ouezdou, 2001).

14Nessa parte da Tunísia, os jessour são características marcantes numa paisagem fortemente marcada pela intervenção humana, o que permite, a milhares de anos, a conservação da água, a redução dos processos erosivos, a sustentabilidade da agricultura e a convivência da população com a escassez hídrica.

15Por conta da retenção dos sedimentos e das águas, essas obras de engenharia hidráulica permitiram o desenvolvimento de diversas culturas agrícolas, as quais se realizam ainda hoje durante o ano inteiro, destacando-se as frutíferas como as oliveiras, as figueiras e as tamareiras; além das anuais, como a cevada, todas de elevada importância comercial.

16No que diz respeito à oliveira, a existência dos jessour nessas áreas de clima seco, permitiu inclusive a expansão dessa cultura para além dos seus limites climáticos naturais, uma vez que a pluviosidade mínima necessária para o seu desenvolvimento é de 200mm/ano, média superior a ocorrente nessas terras (Ouezdou, 2001).

Figura 2: Jessour na Província de Tataouine

Figura 2: Jessour na Província de Tataouine

17Essas obras de engenharia hidráulica fazem parte de uma estrutura maior e mais complexa, denominada ksour (figura 3), a qual consiste também em habitações construídas nas vertentes das elevações próximas aos oueds (habitações trogloditas). No passado, essas construções escavadas na rocha, além da função de moradias, funcionavam como fortalezas, no caso da aproximação de algum povo inimigo. Foram também ponto comercial, uma vez que os gêneros alimentícios produzidos nos jessour eram estocados não apenas para a subsistência dos seus habitantes, mas também para a venda a outros povos que utilizavam essas áreas para executarem as suas trocas e negócios (Ouezdou, 2001).

Figura 3: Ksourna Província de Tataouine

Figura 3: Ksourna Província de Tataouine

18Nesse tipo de construção também se observa uma grande engenhosidade e adaptação ás condições ambientais dominantes. Nessas áreas de planalto, sucedem-se camadas de argila e calcário. Como o primeiro tipo de rocha é mais fácil de ser trabalhada, é nela que são construídas as habitações, sendo o teto e a base formada pelo segundo tipo de rocha. Uma vez que essas rochas absorvem pouco calor, o conforto térmico é constante, aspecto de elevada importância por se tratar de uma zona desértica onde em grande parte do tempo temos o domínio de temperaturas elevadas.

19Diferente dos jessour, disseminados pelo território tunisiano, de uso constante e intensivo pela população que habita essas zonas secas ainda hoje, as poucas construções ainda existentes dessas antigas estruturas que mesclavam moradia, fortaleza e ponto comercial são utilizadas de forma mais esporádica por seus habitantes como pontos comerciais para vendas de artefatos a turistas, hotéis e residência de férias.

20A despeito de ser uma tecnologia adequada a esse tipo de região, o que se observa atualmente é que, devido a forte emigração da população para Túnis e para a França, onde há maior oferta de empregos e salários, os jessoursão cada vez mais abandonados por muitos agricultores. Sendo assim, o Programme d’Action National de Lutte contre la Desertification (Republique Tunisienne, 1997), vem desenvolvendo ações para a preservação desse tipo de construção como forma de conter o avanço do processo de desertificação, entendendo esse tipo de intervenção como fundamental para frear os processos erosivos intensificados que podem ocorrer, caso essas obras desapareçam. Ao mesmo tempo, entende também que essas obras favorecem o desenvolvimento de forma sustentável da economia dessas localidades e, consequentemente, influenciam diretamente a fixação dos agricultores nessas terras.

Dinâmicas recentes da agropecuária e avanço da desertificação

21A crescente expansão da agricultura irrigada e de sequeiro, onde se destacam as plantações de oliveiras, tem provocado grandes alterações na ocupação do espaço sul tunisiano, gerando uma série de consequências relacionadas ao processo de desertificação que atinge diretamente a vegetação nativa e os solos dessa região.

22A modernização recente da economia desse país tem feito com que muitas das antigas áreas de pastagem coletiva estejam sendo cada vez mais transformadas em propriedades particulares, limitando assim a disponibilidade de pasto nativo nessas terras, uma vez que estas agora são cercadas. Além disso, muitas dessas áreas foram transformadas em espaços agrícolas.

23Em consequência desse avanço da privatização das terras e da prática da agricultura mais intensificada, onde ocorre maior quantidade de chuvas ou que apresenta solos mais propícios ao desenvolvimento dessa atividade econômica, os criadores de gado que ainda vivem de forma tradicional, muitos ainda como pastores nômades, são forçados a buscar novas áreas de alimento para o seu gado, geralmente em regiões de maior escassez pluviométrica e com menor disponibilidade natural de pasto para os seus animais, intensificando a pressão sobre a vegetação desses espaços. Sendo assim, embora a presença da degradação ambiental seja mais antiga, é possível estabelecer uma relação estreita entre a existência dos processos de desertificação na Tunísia e o avanço da agricultura comercial, embasada nos novos modelos de organização do espaço que vem ocorrendo nesse país.

24Na história recente da Tunísia, essa situação teve início a partir do final do século XIX, com a colonização francesa, quando o governo desse país europeu confiscou algumas das suas melhores terras para acelerar a produção agrícola, principalmente do trigo e da oliveira. Para a pecuária restaram as áreas de menor pluviosidade e as que apresentavam maiores limitações edáficas, hidrológicas e topográficas ao desenvolvimento das lavouras comerciais destinadas ao mercado francês.

25Esse processo foi intensificado após a II Guerra Mundial, quando o país conseguiu a sua independência política e, particularmente a partir da década de 1990, devido às demandas do mercado externo, notadamente aquelas advindas dos países da União Européia. Logo, essas relações comerciais, ao determinarem novas formas de organização para o território tunisiano no que diz respeito a produção de mercadorias, exerceram e ainda exercem papel fundamental na compreensão do estabelecimento da desertificação na Tunísia, particularmente em sua região sul (Auclair, 2001).

26Apesar de 94% de toda a Tunísia estar susceptível, do ponto de vista climático, à desertificação (Republique Tunisienne, 1997), incluindo-se nessa possibilidade grande parte da zona litorânea, ocorrem diferenças marcantes entre as áreas ocupadas pela agricultura modernizada, particularmente onde se desenvolve a arboricultura através do cultivo de oliveiras, e aquelas onde domina a pecuária.

27No primeiro caso, onde se mesclam técnicas antigas e modernas, a desertificação geralmente se mostra contida. Por exemplo, nas plantações de oliveiras da região central, no entorno da cidade de Sfax, cuja área concentra a maior produção de azeite de oliva do país, as oliveiras são cultivadas sem o uso de irrigação e não se permite a colonização do solo por nenhuma outra espécie vegetal entre as fileiras, como forma de impedir a competição pela água, favorecendo assim a árvore cultivada.

28O manejo descrito anteriormente, apesar do benefício que traz às oliveiras, pode deixar uma parte do solo susceptível ao encrostamento, o qual é provocado pelo impacto direto das chuvas em sua superfície, o que dificultaria o processo de infiltração das águas de origem pluvial. Nesse caso, para impedir que isso aconteça, após a ocorrência das chuvas os agricultores passam o trator nas terras ou revolvem a superfície do solo com enxadas, criando condições favoráveis à penetração das águas para o subsolo.

29Também nessas áreas se registra comumente a ocorrência de tabias, construções que, como já dito anteriormente, favorecem a redução dos processos erosivos pluviais e eólicos e o melhor aproveitamento das águas infiltradas. Além disso, é comum a presença de cercas-vivas nas áreas onde a ação eólica é ainda mais intensa, com largo uso de Cactáceas, como a palma-forrageira (figura 4), fora outros materiais utilizados para esse fim, como folhas de tamareira. Dessa forma, o uso dessas técnicas, em seu conjunto, consegue fazer com que haja o máximo aproveitamento das chuvas, além de conter o avanço das dunas sobre as plantações.

Figura 4: Cerca-viva com palma-forrageira e tabia no entorno de um campo preparado para plantação de pistache, na Província de Sfax

Figura 4: Cerca-viva com palma-forrageira e tabia no entorno de um campo preparado para plantação de pistache, na Província de Sfax

30Outra área que mostra os benefícios das técnicas tradicionais utilizadas na gestão das terras e da água nas regiões secas da Tunísia é a que está localizada no litoral de Gabes, no oásis de Metouia e de Elhamma. Os oásis são utilizados a milhares de anos para a prática da agricultura nessa parte da África, embora muitos deles estejam cada vez mais cedendo espaço para o avanço das áreas urbanas.

31Nesse oásis, a exemplo do que acontece com os demais, o uso da água é seguido de um aproveitamento do espaço de forma a aproveitá-lo o máximo possível, já que a quantidade de terras onde é possível a utilização da irrigação é pequena, enquanto o número de agricultores que as colonizam é muito grande. Nesse caso, o desenvolvimento da agricultura ocorre em três estratos: o mais alto, constituído pelas tamareiras, seguido pelo intermediário, onde crescem as frutíferas de porte arbustivo, principalmente romã, e no estrato inferior a presença de hortigranjeiros e de plantas forrageiras (figura 5).

Figura 5: Cultivo de produtos agrícolas irrigados no oásis de Metouia e Elhamma

Figura 5: Cultivo de produtos agrícolas irrigados no oásis de Metouia e Elhamma

32Este sistema permite não somente a maximização do aproveitamento do pouco espaço, mas também, ao reproduzir o que aconteceria numa área sem intervenção humana, devido a diversidade vegetal encontrada, torna difícil o estabelecimento de pragas, fazendo com que o uso de agrotóxicos seja desnecessário. Ainda nesses espaços, a água oriunda de poços é distribuída entre as plantas e drenada para que não ocorra salinização, processo este que ocorre com frequência onde não é feita essa prática.

33Entretanto, como as propriedades existentes nesses oásis são de exploração familiar e as suas dimensões são muito pequenas, conforme já ressaltamos anteriormente, o agricultor dessa região não pode viver unicamente da atividade agrícola, complementando-a com a pecuária extensiva, notadamente a criação de ovinos e caprinos, o que é feito nas áreas de entorno. Destaca-se que esta região é dominada pelas estepes baixas, cuja vegetação natural é formada principalmente por gramíneas e por um tipo de arbusto denominado popularmente de jujubier, muito apreciado pelos caprinos.

34Enquanto as áreas dos oásis vêm sofrendo forte pressão devido ao crescimento urbano das cidades vizinhas, sendo comum a compra de terras nesses espaços, a continuidade da prática da agricultura nessas localidades é cada vez mais inviável pela carência de terra disponível. Por outro lado, as áreas utilizadas para pastagem também vão sofrendo outras modificações ligadas ao avanço da agricultura irrigada em moldes comerciais mais intensivos.

35Temos no começo do século XX o início da retirada mais intensiva dessa vegetação na Província de Gabes, a qual, pela proximidade com Sfax, segunda maior cidade da Tunísia (quase 1 milhão de habitantes), sofre forte influência desta no que diz respeito a expansão das atividades agrícolas comerciais, ligadas principalmente ao cultivo da oliveira, fazendo com que a terra passe a ter um valor elevado. Esta mudança acarretou uma série de problemas de ordem social e também ambiental, os quais derivaram não somente pelo tipo de uso que essas terras passaram a ter, mas também pelas mudanças sofridas nos tipos de propriedades.

36As propriedades na Tunísia e nessa Província tanto podem ser privadas como coletivas. Embora originalmente dominasse a atividade pecuária extensiva em qualquer tipo de propriedade, ficando a agricultura restrita às terras onde houvesse melhores condições naturais de acúmulo de água nas camadas superficiais do solo, como nos oueds e oásis, de forma mais recente, devido aos bons preços alcançados pelo azeite de oliva principalmente no mercado europeu, houve uma expansão do cultivo de oliveiras, fazendo com que as terras utilizadas para pastoreio diminuíssem sensivelmente, em particular nas áreas com os solos mais férteis e de maior potencial hídrico dessa Província. Esses aspectos, adicionados da questão da proximidade física de Sfax, explicam o elevado valor das terras alcançado recentemente em Gabes.

37Nesse processo, em razão da existência de recursos hídricos no subsolo e das pressões do mercado, muitos proprietários vêm transformando suas terras em grandes monoculturas de oliveiras irrigadas que são plantadas próximas umas das outras, com tecnologia que concentra a água junto à planta (figura 6).

38Como consequência desta transformação, as terras de propriedade coletiva que ainda existem nessa Província, estão sofrendo fortes pressões por parte dos investidores da cidade de Sfax, interessados em privatizá-las, fazendo uso da sua influência financeira e política para obrigar o governo tunisiano a criar as condições necessárias para que isso aconteça.

Figura 6: Cultivo de oliveiras irrigadas em Gabes

Figura 6: Cultivo de oliveiras irrigadas em Gabes

39Os efeitos do avanço da monocultura de oliveiras são sentidos na diminuição das áreas disponíveis para pasto nessa Província, forçando os pecuaristas, os quais em geral são pequenos produtores, a procurarem outras regiões onde a presença de terras de uso coletivo seja mais abundante. Estas, por sua vez, se concentram cada vez mais nas áreas mais secas do país. Do ponto de vista ambiental, isso significa forte aumento de pressão sobre a vegetação nativa, abrindo espaço para o estabelecimento de processos de desertificação.

40Cabe ressaltar que, com relação ao desenvolvimento da agricultura, o governo subsidia 60% do custo dos equipamentos utilizados no sistema de irrigação por gotejamento, o qual economiza água, favorecendo portanto o uso racional desse recurso que é escasso no país, diminuindo também a possibilidade da ocorrência de salinização, processo muito comum nos climas secos quando são utilizadas outras técnicas de irrigação.

41Dessa forma, as contradições se expressam intensamente no espaço sul tunisiano. Nas áreas de agricultura moderna, a exemplo do que vem ocorrendo em Gabes, apesar de suas terras estarem sujeitas à desertificação, estas passam por uma situação de relativo resguardo desse processo, devido a sua valorização comercial e ao emprego de técnicas antigas e modernas no uso dos solos. Entretanto, fazendo parte desse mesmo processo, o capital acaba expulsando os pecuaristas para terras menos aptas naturalmente ao uso mais acentuado.

42Nessas áreas onde a pecuária extensiva tem se expandido, domina a pressão de uma diversidade de fatores antrópicos (Salem et al., 2009), dos quais destacamos os rebanhos caprino e ovino que, distribuídos sobre a vegetação nativa, provocam o uso da pastagem para além do seu limite de tolerância nas áreas de estepe (Aidoud et al., 2006) e, consequentemente, a rarefação de espécies arbustivas nativas (figura 7).

Figura 7: Pastoreio extensivo (caprinos e ovinos) no sul da Tunísia, Província de Médenine

Figura 7: Pastoreio extensivo (caprinos e ovinos) no sul da Tunísia, Província de Médenine

43Para exemplificar essa situação, Hanafi & Ouled Belgacem (2006), ao efetuarem una análise da evolução da vegetação na região de Jeffara (localizada entre as Províncias de Médenine e Tatouine) através do uso de imagens de satélite, no período de 1972 a 2001, identificaram uma forte fragmentação espacial e homogeneização florística, constatando que existia somente 29,6% de superfície conservada em toda a região pesquisada.

44O referido trabalho também mostrou que, do ponto de vista da diversidade florística, essa transformação se manifestava por uma regressão das espécies palatáveis ao gado, enquanto aquelas consideradas pouco ou não apreciadas por esses animais apresentaram maior amplitude ecológica. Ao mesmo tempo, essas transformações quantitativas e qualitativas na vegetação acabaram imprimindo um desequilíbrio ecológico geral, afetando todos os outros aspectos do meio natural, a exemplo da presença de solos mais erodidos e água mais escassa nas fontes, em função do assoreamento das terras e do maior uso desse recurso.

45Os autores anteriormente mencionados destacam que, mesmo que essas áreas degradadas já existissem antes de 1972, a partir de quando foi feita a análise, estas eram menos importantes quantitativamente e sobretudo qualitativamente. Como causas para essas modificações espaciais, são apontadas as variações climáticas recentes e principalmente a aceleração do processo de desertificação devido as ações humanas desde o período colonial. Este último foi provocado pelo crescimento populacional, pela privatização das terras, pela ocupação das áreas de piemontes e planícies por uma população que antes habitava as zonas montanhosas, pela mecanização das atividades agrícolas e pelos incentivos governamentais para valorizar essas terras.

46Logo, esse conjunto de ações acabou por impor a essa região uma intensa transformação das estruturas nas propriedades e na organização da exploração agrícola, ocasionando uma artificialização crescente do meio, a fragmentação dos espaços, o recuo da estepe e o conflito de interesses entre as atividades agrícola e pastoril (Guillaume et al., 2006).

Lições para o Brasil

47Do que pôde ser visto nesse Trabalho de Campo na Tunísia, identificamos alguns bons exemplos que poderiam ser seguidos pelo Brasil. Neste caso, de forma geral, as técnicas tradicionais de acumulação de água no subsolo ocorrentes no país africano apresentam grande potencial para serem desenvolvidas em todo o território brasileiro, evitando a sua perda através da evaporação e com forte contribuição à diminuição da erosão e as consequências diretas relacionadas à fertilidade dos solos.

48Da mesma forma, os subsídios governamentais para incentivar a adoção da irrigação por gotejamento poderiam ser adotados no Brasil como forma de utilizar sustentavelmente grande parte da água que é destinada a agricultura, onde seja possível fazer uso dessa tecnologia.

49Para as áreas consideradas susceptíveis á desertificação e de modo especial nos chamados Núcleos de Desertificação, os quais abrangem as regiões de Gilbués (PI), Irauçuba (CE), Seridó (RN), Cariris Velhos (PB) e Cabrobó (PE) e Sertão do São Francisco (BA), tal como foram reconhecidos por Vasconcelos Sobrinho (1971) e pelo Ministério do Meio Ambiente – MMA, através do Plano de Ação Nacional de Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca – PAN/Brasil (BRASIL, 2004), entendemos que a adoção intensificada dessas técnicas poderia contribuir decisivamente para a recuperação das terras degradadas, elevando-as novamente a um patamar de produtividade biológica e econômica atualmente em grande parte perdido.

50Um dos grandes problemas que as terras desertificadas enfrentam, não apenas em território nacional, mas como em todas as áreas do mundo onde esse tipo de degradação pode ocorrer, diz respeito aos custos de recuperação das mesmas, os quais, como destacado por BRASIL (2004), são muito elevados. Mediante essa observação e o que foi presenciado na Tunísia, a adoção de um conjunto de políticas públicas para o semiárido brasileiro que contemplasse a construção dessas obras, pela facilidade com que elas podem ser feitas e mantidas, e a adoção maciça do tipo de irrigação mencionado, pela sustentabilidade inerente, poderia não apenas recuperar áreas desertificadas, mas também evitar a degradação de mais terras e inseri-las num processo produtivo, tal como existe nesse país africano.

51Somos sabedores que o problema da seca e também da desertificação no Brasil não será resolvido apenas com tecnologia, pois são principalmente as decisões políticas que dão o norte ao que será feito no território. Nesse caso, a menção ao que foi presenciado como exemplos positivos na Tunísia, embora totalmente possíveis de serem replicados no semiárido nordestino são, na prática, apenas mais alguns modelos do que poderia ser feito nessas terras, mostrando que efetivamente em regiões onde a escassez de chuvas é muito mais significativa que nas zonas secas brasileiras, além da maior susceptibilidade á desertificação, ao contrário do que muitas vezes se diz, é possível através de custos não muito elevados criar uma condição de boa produção econômica, bem-estar social e baixo impacto ambiental.

Considerações Finais

52A água na Tunísia é um recurso natural mais que fundamental para a continuidade de grande parte da sua economia. Sua presença nas paisagens da porção mais seca do país é facilmente notada, quer seja pela vitalidade das plantações, quer pela presença de centenas de quilômetros de dutos que levam esse precioso bem para as zonas rural e urbana.

53Em grande parte deste país, particularmente em sua porção sul, a agricultura se desenvolveu a partir da manutenção de técnicas herdadas de civilizações passadas e devido a presença de técnicas de irrigação modernas, subvencionadas por políticas públicas.

54Entretanto, foi exatamente esta modernização que, ao mesmo tempo que atendeu as demandas da economia tunisiana, no sentido de buscar sua soberania alimentar e transformar o país num grande exportador de alguns gêneros agrícolas, provocou o surgimento de fortes contradições no espaço sul tunisiano. Estas contradições se expressam no avanço da agricultura de exportação, baseada na propriedade privada, sobre as terras de domínio público, onde ainda domina uma pecuária extensiva e tradicional.

55Nesses espaços, cada vez mais a agricultura se dirige às terras com melhores condições de fertilidade e de armazenamento hídrico, ao passo que a pecuária fica cada vez mais limitada ás piores condições de solo e humidade.

56Quanto à desertificação, podemos dizer que sua presença ou intensificação mais recente no sul desse país, também está relacionada às transformações ocorrentes na agropecuária, particularmente ligadas ao aumento da pressão provocada pelo pastoreio da vegetação nativa.

57Baseado nas observações efetuadas neste Trabalho de Campo por essa parte do país, percebemos que um desafio está posto para os tunisianos: conseguir equilibrar a sua economia, baseada no setor Primário, com as reservas hídricas existentes em seu território. Neste sentido, as intervenções governamentais parecem seguir um caminho que, ao menos inicialmente, tem se mostrado correto ao incentivarem o desenvolvimento de técnicas poupadoras de água, cuja prática, longe de ser fruto somente da sua história recente, é também o resultado de experiências milenares desenvolvidas pelos povos que colonizaram essas terras.

58Entretanto, também inerente a essa expansão agrícola e a crescente necessidade de água, temos um outro problema o qual diz respeito ao equilíbrio necessário entre a expansão da atividade agrícola para as terras menos secas e com maior potencial de água acumulada no subsolo e àquelas onde o processo de ocupação pela pecuária ocorria até a pouco tempo de forma menos intensa. Nesse caso, como a equação ainda não foi completamente resolvida, a desertificação se faz uma ameaça importante, não apenas nas áreas já utilizadas milenarmente, como também naquelas incorporadas mais recentemente a um ciclo produtivo de maior escala.

59As marcas deixadas pelos povos que habitaram a Tunísia, tanto nas construções que resistiram ao tempo como na lida com a terra e com a escassez de água, parecem ter percebido os limites existentes em cada região no que diz respeito ao seu aproveitamento econômico, tendo atingido uma situação que em muito se aproximaria da definição do que passou a se denominar de sustentabilidade. O que se coloca em cheque para o presente e para o futuro é manter o equilíbrio entre os recursos naturais envolvidos e as atividades econômicas nas novas dinâmicas territoriais que vêm se estabelecendo no país.

60Pensando então a partir dessas experiências vivenciadas pela Tunísia e observadas no Trabalho de Campo, em relação ao Brasil, acreditamos que temos muito o que aprender em termos de disseminação do uso racional da água para o desenvolvimento das atividades agrícolas. Além disso, cabe ressaltar também que as culturas comerciais dominantes no país africano são naturalmente pouco exigentes em água, diferente do que em geral ocorre no Brasil, aspecto esse que no mínimo deveria ter o seu maior grau de expressividade na porção semiárida brasileira, dada a escassez natural de recursos hídricos nesta parte do país.

61Quanto a questão da desertificação, as observações efetuadas na Tunísia mostraram que muitas das técnicas utilizadas nesse país também podem ser reproduzidas no Brasil, nas áreas susceptíveis à ocorrência desse tipo de degradação, evitando assim o seu aparecimento e até mesmo recuperando muitas das terras afetadas. Neste caso, mais uma vez o passado serve de modelo para o presente, já que as obras de engenharia construídas a séculos continuam a funcionar, recebendo expressivo apoio governamental, o que vem se traduzindo numa grande eficácia econômica aliada à preservação das terras utilizadas para o desenvolvimento da agricultura.

62Entretanto, a mesma eficiência não foi observada em relação a pecuária, ficando a dúvida até que ponto as áreas incorporadas de forma mais intensa a essa atividade, com pouca vegetação e maior rarefação de água, irão suportar uma carga mais expressiva de uso pelo gado, sem que a desertificação passe a comprometer a sua sustentabilidade ambiental, econômica e social.

Agradecimentos: Ao CNPq pelo apoio financeiro dado ao desenvolvimento dessa pesquisa no âmbito do projeto Pró-África, durante o período de março de 2009 a março de 2010.

Haut de page

Bibliographie

Aidoud A., Le Floc’h E., Le Houérou H. N., « Les steppes arides du nord de l’Afrique », Paris, Science et Changements Planétaires/Sécheresse, vol 17, n. 1, 19-30, janvier-juin 2006.

Auclair L., « Population et désertification en Tunisie au cours du XX siécle », In Laurent Auclair, Patrick Gubry, Michel Picouet et Frédéric Sandron (edit.), Régulations démographiques et environnement. Paris: IRD/CEPED/LPE, 2001, <http://www.bolr.info/ecis.jsp>. Acesso 03 jul. 2009.

Brasil, Programa de Ação Nacional de Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca PAN-Brasil. Brasília: Ministério do Meio Ambiente/Secretaria de Recursos Hídricos, 2004.

CCD, Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação. Tradução: Delegação de Portugal. Lisboa: Instituto de Promoção Ambiental, 1995.

Genin D., «Introduction», In Didier Genin, Henri Guillaume, Mohamed Ouessar, Azalez Ouled Gelgagem, Bruno Romagny, Mongi Sghaier et Houcine Taâmallah (edit.), Entre désertification et développement. La Jeffara tunisienne, Tunis, IRD/Céres Éditions/IRA, 2006, p. 13-20.

Guillaume H., Genin D., Nouri H., « Entre jessour, oliveraies et steppes: des dynamiques agro-territoriales en question », In Didier Genin, Henri Guillaume, Mohamed Ouessar, Azalez Ouled Gelgagem, Bruno Romagny, Mongi Sghaier et Houcine Taâmallah (edit.), Entre désertification et développement. La Jeffara tunisienne, Tunis, IRD/Céres Éditions/IRA, 2006, p. 217-233.

Hanafi A. & Ouled Belgacem A., « Les formations végétales et l’impact de l’emprise agricole sur leur dynamique», In Didier Genin, Henri Guillaume, Mohamed Ouessar, Azalez Ouled Gelgagem, Bruno Romagny, Mongi Sghaier et Houcine Taâmallah (edit.). Entre désertification et développement. La Jeffara tunisienne, Tunis, IRD/Céres Éditions/IRA, 2006, p. 57-67.

Ouezdou H. B., Découvrir la Tunisie du sud. De Matmata a Tataouine. Ksour, jessour et troglodytes, Tunis: Typographie Impact, 2001.

Republique Tunisienne, Programme d’Action National de Lutte contre la Désertification, Tunis, Ministère de l’Environnement et de l’Aménagement du Territoire, 1997.

Republique Tunisienne, Communication Initiale de la Tunisie à la Convencion Cadre des Nations Unies sur les changements climatiques, Tunis, Ministère de l’Environnement et de l’Aménagement du Territoire, octobre 2001.

Salem F. B., Tarhouni M., Ouled Belgacem A., Neftati M., « Variations saisonniéres de quelques attributs struturaux des écosystèmes des Monts de Matmata en Tunisie sous l’effet de la sécheresse et de l’action anthropozoique », Paris, Science et Changements Planétaires/Sécheresse, vol 20, n. 2, 204-209, avril-mai-juin 2009.

Vasconcelos Sobrinho J., Núcleos de Desertificação no Polígono das Secas, Recife: Anais do ICB, UFPE, p. 69-73, 1971.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1: Mapa da Tunísia com destaque para as Províncias visitadas durante o Trabalho de Campo
Crédits Fonte: Adaptado de http://www.alloftunisia.com/​tunisie-carte/​carte.htm
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7802/img-1.png
Fichier image/png, 618k
Titre Figura 2: Jessour na Província de Tataouine
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7802/img-2.png
Fichier image/png, 2,6M
Titre Figura 3: Ksourna Província de Tataouine
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7802/img-3.png
Fichier image/png, 2,7M
Titre Figura 4: Cerca-viva com palma-forrageira e tabia no entorno de um campo preparado para plantação de pistache, na Província de Sfax
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7802/img-4.png
Fichier image/png, 2,8M
Titre Figura 5: Cultivo de produtos agrícolas irrigados no oásis de Metouia e Elhamma
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7802/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 624k
Titre Figura 6: Cultivo de oliveiras irrigadas em Gabes
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7802/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 512k
Titre Figura 7: Pastoreio extensivo (caprinos e ovinos) no sul da Tunísia, Província de Médenine
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7802/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 435k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Bartolomeu Israel de Souza et Rosa Maria Vieira Medeiros, « Água, organização do território e desertificação na Tunísia: observações a partir de um trabalho de campo », Confins [En ligne], 16 | 2012, mis en ligne le 20 novembre 2012, consulté le 23 octobre 2014. URL : http://confins.revues.org/7802 ; DOI : 10.4000/confins.7802

Haut de page

Auteurs

Bartolomeu Israel de Souza

Doutor em Geografia; Professor do Departamento de Geociências, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), bartoisrael@yahoo.com.br.

Rosa Maria Vieira Medeiros

Doutora em Geografia, Professora do Departamento de Geografia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), rmvmedeiros@yahoo.com.br.

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

© Confins

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Revues.org