Navigation – Plan du site
Imagens comentadas

Nodalidade e rede de cidades na América do Sul

Claudio A.G. Egler

Texte intégral

Apresentação

1O presente texto é parte dos resultados preliminares dos estudos desenvolvidos no Projeto Rede Urbana da América do Sul, nos quadros da cooperação entre a Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (CEPAL), o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e o Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (IPARDES). A proposta central do trabalho é a de aplicar o conceito de nodalidade à análise da rede de cidades da América do Sul, com o objetivo de descrever sua configuração atual e inferir algumas tendências.

Marco Conceitual

2O conceito de nodalidade tem uma longa trajetória na história do pensamento sobre a dimensão espacial do desenvolvimento. Originalmente  foi formulado por Mackinder em seu estudo geográfico sobre a Grã-Bretanha publicado no início do século XX (MACKINDER,  1902). Para esse autor, a nodalidade expressa a convergência dos sistemas de circulação de mercadorias e pessoas em determinados nódulos espaciais, seja por fatores naturais, seja por construção social, para áreas nodais que desenvolvem “comunidades urbanas” que se espraiam territorialmente à medida que a renda da terra aumenta nas vizinhanças dos pontos nodais.  Mackinder também se refere à emergência de "federações urbanas”, onde "a unidade tende a expressar-se por uma comunidade de diversões, das modas e da leitura " (MACKINDER, 1902: 335).

3Ainda no terreno dos fundamentos clássicos do pensamento sobre a dimensão espacial do desenvolvimento, outro autor notável a tratar da questão da nodalidade foi Vidal de La Blache.  De modo diferente de Mackinder, que se baseia na convergência dos sistemas de comunicação para definir os pontos nodais:

4“a nodalidade vidaliana é um princípio multiplicativo, suscetível de provocar emergências. As funções de produção, informação e decisão, reunidos localmente na cidade regional ou na cidade industrial, conferem ao lugar nodal uma função de desenvolvimento econômico e enquadramento territorial”. (OZOUF-MARIGNIER & ROBIC, 2007: 15)

5A partir da década de 1950, o conceito de nodalidade passou a ser utilizado como sinônimo de centralidade, principalmente entre os autores de língua inglesa. Peter Haggett considerava a região nodal como expressão de um sistema geral em geografia humana, onde “um conjunto de objetos (cidades, vilas, fazendas, etc.) estão relacionados através de movimentos circulatórios (moeda, migrantes, fretes, etc.) e pelos insumos energéticos requeridos pelas necessidades biológicas e sociais da comunidade.” (HAGGETT, 1966: 17).

6Na tentativa de resolver a ambiguidade conceitual, Preston (1971: 138) procurou definir a centralidade como a importância relativa de um centro em relação aos demais centros com os quais interage. A nodalidade, por outro lado, representa a dimensão absoluta dos atributos do centro, considerando-o em conjunto com sua região complementar. Em termos mais atuais, significaria caracterizar a centralidade como a posição do lugar no espaço dos fluxos, enquanto a nodalidade é a expressão territorial que fornece a base material para que o centro projete sua área de influência sobre as demais cidades.

7Em trabalho recente, Soja (2005) estabeleceu as relações entre as áreas nodais e a estrutura regional no mundo contemporâneo, mostrando que: “o termo nodal acentua outro aspecto fundamental da regionalidade, a tendência das regiões a organizar-se no entorno de centros ou nós. A existência de nós de alta concentração, capazes de receber e processar fluxos de informação, recursos financeiros, serviços e de redistribuir eficazmente os inputs recebidos de centros nodais fundamentais que usam seu potencial” e mais adiante conclui que: “a proximidade e intensidade da conexão a um centro nodal, em geral traz vantagens competitivas (regional)... Na nova economia, a competitividade de regiões, cidades e cidades-regiões está determinada por sua capacidade combinar capacidade de informação, qualidade de vida e conectividade à rede de grandes nós metropolitanos na escala nacional e internacional" (SOJA, opus cit: 63-4).

Procedimentos metodológicos

8As cidades estudadas foram definidas a partir do corte de 100.000 habitantes, com dados obtidos na base DEPUALC – CELADE. Apenas uma exceção foi considerada, Caiena,  capital da Guiana Francesa e principal aglomerado urbano do departamento ultramarino. De acordo com esse critério, foram selecionados 279 aglomerados urbanos, que representavam cerca de 180,5 milhões de habitantes, nas vizinhanças do ano 2000, dos quais 115,1 milhões residiam em cidades de mais de um milhão de habitantes. A distribuição desses aglomerados por pais revelou uma importante diversidade nas estruturas urbanas nacionais, cuja tipologia reflete características históricas e geográficas peculiares dos respectivos processos nacionais de urbanização.

9Para os estudos de nodalidade, um dos instrumentos disponíveis é o software “Urban Network Analysis”, desenvolvido pelo City Form Research Group da School of Architecture & Planning do MIT (SEVTSUK & MEKONNEN, 2011), A ferramenta é multiescalar e  pode operar em redes em escala detalhada de áreas urbanas densas, bem como em  escala mais abrangentes, como a regional e nacional.

10O programa permite interpretar a rede urbana segundo quatro métricas interligadas, a saber: o alcance (reach), definido como o número máximo de nós em um grafo nas vizinhanças de uma área nodal considerando-se um raio determinado; o índice gravitacional (gravity index) considerando as interações entre os nós segundo o modelo gravitacional; o indicador de intermediação  (betweeness), que estima  o número  de caminhos alternativos entre pares de nós, dentro de  um raio predeterminado e, por final, a medida de retidão (straightness) que indica as distâncias mais curtas da rede entre um nó e os nós vizinhos considerando um raio predeterminado.

11No presente trabalho, utilizou-se a medida de alcance como indicador preliminar de nodalidade para rede de cidades na América do Sul, considerando a malha rodoviária como principal meio de interação potencial entre as cidades. Para efeito de cálculo do indicador assumiu-se o valor de 600 quilômetros como raio máximo de alcance e de 60 km para a delimitação da vizinhança imediata entre os centros urbanos.

Resultados preliminares

12Os resultados da aplicação do instrumento de análise espacial podem ser apreciados no mapa a seguir (Figura 1) A leitura preliminar do mapa aponta para uma configuração espacial das áreas nodais em escala sul-americanas onde podem ser destacados os seguintes aspectos:

  • O cinturão urbano-industrial do Centro-Sul Brasileiro, fortemente ancorado pela Macrometrópole de  São Paulo, que  destaca-se pelo adensamento de sua malha urbana, com múltiplos centros fortemente integrados que se projetam em várias direções, seja pelo Vale do Paraíba em direção ao Rio de Janeiro, como para o norte em direção à Brasília-Goiânia-Anápolis, para o nordeste para a área metropolitana de Belo Horizonte e, finalmente, para o sul apoiando-se na área metropolitana de Curitiba e atingindo até Rio Grande, próximo à fronteira como Uruguai;

  • O arco urbano do Nordeste Brasileiro que se estende desde o sul do estado da Bahia até a área metropolitana de Fortaleza, que acompanha a linha de costa e está ainda em processo de consolidação, com áreas nodais estruturadas pelas principais áreas metropolitanas (Salvador, Recife e Fortaleza) e pela projeção de centros  regionais dinâmicos, como Natal, Campina Grande, Caruaru, Mossoró, dentre outros;

  • O eixo urbano-industrial do Pampa Argentino, que se estende do norte para o sul entre Santa Fé e Mar del Plata, com o centro na área metropolitana de Buenos Aires, ai incluindo La Plata, como centro industrial e portuário. O eixo platino é projetado para o interior por metrópoles nacionais como Córdoba e Mendoza e conecta-se para além da Cordilheira do Andes com estruturas territoriais consolidadas no Chile;

  • As áreas nodais integradas e articuladas de Santiago-Valparaiso e da região de Biobío, com núcleo em Concepción, caracterizam a malha urbana do Chile. A integração transfronteriça entre Chile e Argentina é evidente na articulação espacial entre Santiago-Valparaiso, do lado chileno, e Mendoza-San Juan, no território argentino;

  • O complexo territorial urbano de Cali-Medellín-Bogotá, que se destaca pela articulação de centros urbanos desde Cucutá, ao norte, até Pasto, já nas proximidades da fronteira com o Equador. Esse complexo nodal necessita de estudos mais detalhados para compreender seus aspectos dinâmicos. Há evidências que suas projeções alcançam além das fronteiras nacionais, contribuindo para conferir suporte para um importante arco que se estende desde o caribe venezuelano até ao Pacífico equatoriano.

  • Por final, há de se destacar o papel de Lima enquanto núcleo metropolitano, que dadas às características da urbanização peruana, ainda não consolidou uma área nodal relevante nessa porção da América do Sul.

Figura 1 América do Sul, indicador de Nodalidade da Rede de Cidades (Circa 2000)

Figura 1 América do Sul, indicador de Nodalidade da Rede de Cidades (Circa 2000)
Haut de page

Bibliographie

HAGGETT, P. Locational Analysis in Human Geography. New York: St. Martin's Press, 1966.

MACKINDER, H. J. Britain and the British Seas. London: William Heinemann, 1902.

OZOUF-MARIGNIER, M. V.; ROBIC, M. C. A França no limiar de novos tempos: Paul Vidal de La Blache e a regionalização. GEOgraphia, v. 9, n. 18, 2007.

PRESTON, R. E. "The structure of central place systems". Economic Geography, v. 47, n. 2, p. 136–155, 1971.

SEVTSUK, A.; MEKONNEN, M. Urban Network Analysis: A new toolbox for ArcGIS. Cambridge, Mass.: City Form Research Group- MIT, 2011. (Disponível em http://cityform.mit.edu/files/UNAPaper.pdf).

SOJA, E. W. Algunas consideraciones sobre el concepto de ciudades región globales. Ekonomiaz, n. 58, p. 44-75, 2005. (Disponível em http://www1.euskadi.net/ekonomiaz/taula4_i.apl?REG=732)

Haut de page

Annexe

Fonte de Dados

CEPAL-CELADE,  Base Distribución Espacial de la Población y Urbanización en América Latina y el Caribe (DEPUALC) (Disponível em  http://www.eclac.cl/​celade/​depualc/​default_2011.asp)

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 América do Sul, indicador de Nodalidade da Rede de Cidades (Circa 2000)
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7878/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 145k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Claudio A.G. Egler, « Nodalidade e rede de cidades na América do Sul », Confins [En ligne], 16 | 2012, mis en ligne le 20 novembre 2012, consulté le 02 septembre 2014. URL : http://confins.revues.org/7878 ; DOI : 10.4000/confins.7878

Haut de page

Auteur

Claudio A.G. Egler

Pesquisador do Laboratório de Gestão do Território – UFRJ, Bolsista de Produtividade em Pesquisas do CNPq e Consultor do Convênio  CEPAL/IPEA/IPARDES  - E-mail – cegler@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

© Confins

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Revues.org