Navigation – Plan du site
Imagens comentadas

A florada do cafezal no sul de Minas Gerais

La floraison de plantation de café dans le sud de Minas Gerais
Fernando Shinji Kawakubo et Rúbia Gomes Morato

Texte intégral

1Tudo indica que o café chegou ao Brasil, mais precisamente em Belém, trazido clandestinamente da Guiana Francesa à pedido do governador do Maranhão e Grão Pará no ano de 1727. No início, o seu cultivo era voltado para o consumo interno, mas se expandiu rapidamente para outros estados como Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Minas Gerais. No século XIX o café se tornou a base das exportações nacionais.

2O Brasil de hoje ainda é soberano na produção mundial de café, produzindo o dobro do segundo colocado, o Vietnã. Os principais compradores são os Estados Unidos, Alemanha, Itália, Japão e Bélgica. O estado de Minas Gerais é o principal produtor, sendo responsável por pouco mais da metade da produção nacional.

3Em Minas Gerais, a espécie dominante plantada é a Arábica (Coffea Arábica), com 98% da produção beneficiada, e o restante, Conilon (Coffea Canephora). A Arábica possui maior expressão comercial pelo fato de proporcionar aromas mais intenso com sabores e acidez variados. A Conilon, por sua vez, é mais resistente à parasitas e fornece maior rendimento ao produtor. A produção de café em Minas Gerais se concentra principalmente no Sul, onde localizam-se as principais cooperativas e fazendas do país, além de pequenos produtores.

4A cooperativa Cooxupé, com sede no município Guaxupé, se destaca pela imponência, sendo a maior cooperativa do mundo atuando no setor. Empresas como a Ipanema Coffees - fornecedora da rede de cafeteria norte-americana Starbucks - possuem fazendas produtoras assentadas na região, assim como a fazenda Monte Alegre Coffees. Ambas são especializadas na produção de grãos diferenciados.

5Os grãos de alta qualidade, além de possuírem maior valor de mercado, sofrem menores variações de preços no mercado internacional. Todavia, o custo de produção é bem mais elevado, chegando a custar U$$ 25 a mais por saca para o produtor.

6A florada do cafezal é esperada com ansiedade pelos cafeicultores. No Sul de Minas Gerais, a florada ocorre entre o final de setembro e o mês de outubro, cerca de 10 a 15 dias após as primeiras chuvas que encerram a estiagem do inverno. Podendo haver variações de acordo com o volume de água e o manejo do cultivo.

7Para o desenvolvimento do café, é importante que haja um período de estiagem com duração em torno de dois meses, seguido por chuvas. A estiagem é importante para que as gemas florais, que darão origem ao fruto, amadureçam gradualmente e entrem no período de repouso conhecido como dormência.  A dormência é interrompida com o reinicio das primeiras chuvas, que umedecem o solo, recompõem a folhagem e ativam a liberação dos botões florais.

8Exalando um aroma cítrico, a florada do cafezal, além de definir o volume da produção, também interfere na qualidade do produto. Quando a florada é de boa qualidade, os cafezais florescem de maneira homogênea, diminuindo a mistura de frutos verdes e maduros e o custo da colheita. Agregando assim, maior valor de mercado ao grão colhido.

9Segundo noticiário veiculado pela agência Reuters deste ano, “... a florada nos cafezais brasileiros é tão importante que costuma interferir nos preços globais da commodity, já que a intensidade da ocorrência das flores determina o tamanho da produção do ano seguinte”.

10Com relação à natureza fisiológica do cafezal Arábica, uma característica marcante é a sua bianualidade de rendimento. Os cultivares seguem um ciclo de rendimento que alterna safras de alta com de baixa produção. Tal fato é explicado por agrônomos como parte da atividade metabólica do cafezal, pois nos anos de grande produção, como em 2011, o crescimento dos frutos absorve muita energia da planta, reduzindo assim, o seu desenvolvimento no ano seguinte.

11Em razão do manejo adotado – como o adensamento ideal, realização de podas, irrigação, pulverização e melhoramento genético – as variações nas floradas tem diminuído ao longo dos anos. Todavia, as condições climáticas ainda são fatores decisivos para o bom rendimento da colheita.

12Figura 1

13No ano de 2010 o Brasil produziu 2 906 315 toneladas de grãos de café, o que equivale a 48,4 milhões de sacas de 60 Kg. A região Sudeste é a principal produtora, sendo responsável por 83% da produção nacional. As regiões Norte, Nordeste e Sul possuem produções equivalentes, contribuindo conjuntamente com 15%. O restante é completado pela região Centro-Oeste. O estado de Minas Gerais é o maior produtor, sendo responsável por 51,7% do total, seguido por Espírito Santo (21,2%), São Paulo (9,5%), Bahia (5,3%), Rondônia (4,9%) e Paraná (4,8%).

14As três principais regiões produtoras de grãos de alta qualidade são: Sul e Oeste de Minas Gerais (esta última conhecidas como Cerrado Mineiro) e Nordeste de São Paulo (região conhecida como Mogiana).

15Figura 2.

16Imagem ilustrando os botões florais bem desenvolvidos seis dias antes da florada. Nesta fase de desenvolvimento, é importante que haja umidade no solo suficiente para que os botões floresçam homogeneamente. Além disto, a recomposição da folhagem é importante para a proteção dos botões contra a radiação direta do sol (Fotografia tirada pelos autores no dia 28/09/2012 no município de Alfenas).

17Figura 3.

18As flores são geradas a partir das gemas florais. As flores abrem nas primeiras horas da manhã e no dia seguinte começam a murchar. Quando as flores abrem, uma grande quantidade de pólen é liberada, resultando em uma elevada taxa de autofecundação, complementada por insetos polinizadores. Com a queda das flores, inicia-se a primeira fase de desenvolvimento do fruto denominada de “chumbinho”. Nesta fase, muitos frutos podem se desprender do ramo, reduzindo assim a produção da lavoura. (Fotografia tirada pelos autores no dia 05/10/2012 em Alfenas).

19Figura 4.

20Informativo da fazenda Monte Alegre Coffees, em Alfenas, indicando a variedade de café Bourbon (espécie Arábica), a área plantada no talhão e o seu adensamento. Adotando um rigoroso controle de qualidade em todo o processo de produção, a fazenda produz um dos melhores cafés brasileiros. Mesmo diante de tal controle, apenas 30-40% da produção satisfazem as especificações da Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA).  (Fotografia tirada pelos autores no dia 05/10/2012 em Alfenas).

21Figura 5.

22Imagem ilustrando a florada do cafezal na fazenda Monte Alegre Coffees. Os cafeicultores comparam a aparência da árvore a um “vestido de noiva”. Tal fato inspirou Luiz Carlos Paraná a compor a canção “Meu Cafezal em Flor”. Essa música pode ser ouvida na voz de Inezita Barroso no YouTube (http://www.youtube.com/​watch?v=JDcW360MBQU).  (Fotografia tirada pelos autores no dia 05/10/2012 em Alfenas).

23A cafeicultura brasileira tem passado por grandes transformações ao longo do tempo. Em virtude do manejo, da expansão de novas áreas de plantio e das tecnologias incorporadas no modo produtivo, o Brasil segue na liderança como maior produtor e exportador da commodity. Todavia, ainda pouco exporta derivados industrializados do café. Bem diferente da Alemanha, um dos maiores exportadores mundiais de cafés industrializados.

24Em razão das vantagens fornecidas, o Brasil tem aumentado a proporção da produção de cafés diferenciados, com destaque para o Sul de Minas Gerais. A florada do cafezal é um momento especial, aguardado por produtores e por “pessoas comuns” e que mexe com o presente e com o futuro.

Haut de page

Bibliographie

Cafeicultura.João Faria da Silva com 18 milhões de pés de café é o maior produtor do grão no mundo. Disponível em <http://www.revistacafeicultura.com.br/index.php?tipo=ler&mat=17159> Acesso em 3  out. 2012.

Camargo, M. B. P. e Fahl, J. I. Seca afeta produção de café deste ano e pode comprometer safra futura. Folha Rural da Cooxupé, Guaxupé. N° 278, 2001, p.10-11.

CONAB. Acompanhamento da safra brasileira: café safra 2011. Disponível em <http://www.conab.gov.br> Acesso em 08 de outubro de 2012.

IBGE. Produção Agrícola Municipal. Disponível em: <http://www.sidra.ibge.gov.br>. Acesso em 1 out. 2012.

Malerbo-Souza, D. T. e Halak, A. L. Agentes polinizadores e produção de grãos em cultura de café arábica cv. Catuaí Vermelho. Científica, Jaboticabal. Vol.40, N° 1. 2012. p.1-11.

Reuters. Cooxupé diz que chuva determinará direção dos preços do café. Disponível em <http://br.reuters.com/article/domesticNews/idBRSPE88L02V20120922> Acesso em 3 out. 2012.

SEBRAE. Boletim setorial do agronegócio: café. Recife: SEBRAE, 2011, 33p.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Fernando Shinji Kawakubo et Rúbia Gomes Morato, « A florada do cafezal no sul de Minas Gerais », Confins [En ligne], 16 | 2012, mis en ligne le 20 novembre 2012, consulté le 24 octobre 2014. URL : http://confins.revues.org/7891 ; DOI : 10.4000/confins.7891

Haut de page

Auteurs

Fernando Shinji Kawakubo

Geógrafo, mestre e doutor pela Universidade de São Paulo, Instituto de Ciências da Natureza, Universidade Federal de Alfenas, MG, Brasil, fskgeo@gmail.com

Articles du même auteur

Rúbia Gomes Morato

Geógrafa, doutora em geografia humana pela Universidade de São Paulo, Instituto de Ciências da Natureza, Universidade Federal de Alfenas, MG, Brasil, rubiagm@gmail.com

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

© Confins

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Revues.org