Navigation – Plan du site

Interpretação do espaço social da Região Histórica das Missões Jesuítico-Guarani: uma dialética com as reflexões do francês Guy Di Méo

Interprétation de l'espace social de la région historique de jésuite Missions-Guarani : une dialectique avec les réflexions de la français Guy Di Méo
Interpretation of the social space of the Region History of Jesuit-Guarani missions: dialectic with the reflections of the French Guy Di Meo
Muriel Pinto

Résumés

L'étude des espaces sociaux exige une réflexion critique, depuis l'appui territorial pour les discussions complexes, comme les arrangements sociaux, les pratiques culturelles et les récits de l'identité urbaine. Ainsi, ces avantages contribuent à la construction d'espaces de mémoire, car ils sont constamment engagés dans le dialogue avec le passé. La région historique de jésuite Missions-Guarani possède un patrimoine diversifié. Ces biens culturels sont actuellement mieux planifiés par les organismes nationaux et internationaux. Toutefois, l'absence d'études ont porté sur l'analyse de la construction de l'identité missionnaire et ses relations avec les transformations de l'espace. L'article se concentre sur l'analyse de la construction de l'identité missionnaire de l'interprétation des paysages régionaux, de réfléchir à la Constitution des espaces sociaux. Il a été utilisé comme une réflexion théorique de matrice du penseur français Guy Di Méo. L'étude est remarquable pour proposer la discussion une vision unifiée de l'identité ne sont pas des missions, parce que la recherche permet d'identifier différentes catégories socio-spatiales des identités dans la région. Il convient de noter que les pensées de Guy Di Meo ont contribué à l'intégration des concepts d'identité, le patrimoine, les espaces sociaux, les paysages et le tourisme, et il propose une vision novatrice de la géographie culturelle des missions.

Haut de page

Texte intégral

1A criação da Região Histórica das Missões no Brasil, esta relacionada à construção das Reduções Jesuítica-Guaranis, durante os séculos XVI e XVII. Nesse período foram criados os chamados Sete Povos das Missões. Entre os povoados missioneiros citam-se: São Francisco de Borja (1682), São Nicolau (1687), São Luiz Gonzaga (1687), São Miguel Arcanjo (1687), São Lourenço Mártir (1690), São João Batista (1697) e Santo Ângelo Custódio (1706).

2Segundo Gutierrez (1987, p.9), as reduções eram “núcleos urbanos onde se reduziam os indígenas de parcialidades afins que viviam dispersos em áreas rurais. Sua finalidade essencial estava em assegurar a concentração de maneira a possibilitar uma aprendizagem eficaz da doutrina em um rigoroso controle tributário”.

3A definição de um território específico para a instalação de um povoado reducional passava por critérios geográficos e estratégicos, que pudessem contribuir com as políticas comerciais, de defesa territorial e sustentabilidade dos povoados guarani, como: proximidade de bacias fluviais, busca de pontos altos e de fácil acesso e defesa (Gutierrez, 1987).

4Conforme Neumann (1996, p. 50) a “redução foi à maneira (método) de empreender a Missão”. Nos planos urbanos eram valorizadas as formas ideológicas do Barroco (Poenitz, 2005). Cabe comentar que as reduções brasileiras foram instaladas na área de abrangência da bacia do rio Uruguai.

5Para Ramos (2006), o processo de povoamento da Região Missioneira pode ser descrito em três fases de ocupação: primeira fase (ocupação das etnias Guarani, Kaigang, Charrua); segunda fase (marcada pelo domínio econômico e cultural de portugueses e espanhóis); terceira fase (entrada de colonizadores alemães, italianos, russos e poloneses, entre outros). Como observa-se, a região das Missões no Rio Grande do Sul-Brasil, passou ao longo de seu processo de povoamento por um processo de miscigenação étnico-cultural, que gerou algumas alterações nas atividades socioeconômicas regionais.

6Portanto, observa-se que os resquícios do período reducional juntamente com os elementos culturais dos imigrantes, são fatores que contribuíram para a construção de uma identidade regional, que é representada através de elementos materializados e simbolizados no Patrimônio Histórico e Cultural. Ao se analisar o Patrimônio Cultural missioneiro, percebe-se que existe uma grande diversidade de bens patrimoniais materiais, como: os sítios arqueológicos, monumentos, estatuárias religiosas, festas e manifestações artísticas, entre outros.

7Em relação à economia missioneira salienta-se que a agropecuária ainda possui forte influencia no PIB regional. No entanto, nos últimos anos percebem-se ações voltadas para o planejamento turístico-cultural, que objetiva melhorar a geração de renda e qualidade de vida, através da utilização dos bens patrimoniais regionais.  A busca de potencialização turística e a exaltação das manifestações culturais missioneiras contribuem para a organização de diversos eventos musicais nas Missões. Tais festividades geram representações e narrativas identitárias identificadas com os discursos de pertencimento a região.

8Sendo assim, o artigo proposto centrou-se em analisar a construção identitária missioneira a partir da interpretação das paisagens regionais representadas pelas festividades musicais. Neste contexto, procurou-se analisar à constituição dos espaços sociais, que utilizaram como matriz teórica às reflexões do pensador francês Guy Di Méo. Cabe destacar, que o artigo em questão abarca pesquisas realizadas na dissertação de mestrado do autor, assim como reúne demais estudos que estão em andamento na sua tese de doutoramento.

9A metodologia que foi utilizada voltou-se para abordagens não experimentais, sendo que o tipo de pesquisa foi à qualitativa. Como instrumentos de pesquisa optou-se por: revisão bibliográfica, análise de políticas públicas, análise do discurso, levantamento cartográfico e fotográfico, e observações sistematizadas.

10Para a melhor sistematização do levantamento e análise dos dados, a pesquisa foi dividida em cinco etapas:

  • 1ª) Interpretação Histórica, social, econômica da região;

  • 2ª) análise dos bens patrimoniais regionais;

  • 3ª) Levantamento e análise dos discursos musicais;

  • 4ª) Levantamento cartográfico;

  • 5ª) análise da construção identitária regional.

11Seguindo tais etapas, o artigo foi dividido em três capítulos: a patrimonialização do território missioneiro; paisagens culturais missioneiras a partir do estudo dos festivais regionais: uma reflexão crítica; e fragmentação da identidade missioneira e seus espaços sociais.

A patrimonialização do território missioneiro

12A história e as manifestações culturais desenvolvidas no período reducional reproduziram costumes, tradições e símbolos, que são visualizados até hoje na região Missioneira.  Essa conjuntura de manifestações são representadas através do patrimônio histórico-cultural. O capítulo proposto objetivou-se em realizar uma discussão teórica sobre os conceitos de patrimônio e suas relações com as transformações territoriais. Para a melhor reflexão, se confrontou tais discussões com o contexto patrimonial missioneiro, que possibilitou analisar a dinâmica espaço-territorial e as relações de poder na reprodução espacial dos símbolos culturais.

13Conforme Arizpe e Nalda (2003), o patrimônio envolve os produtos e as expressões do sentir, do pensar e do agir dos humanos, fatores esses que instigam a recordação de momentos históricos através da memória. Portanto, pode ser definindo como aquilo que fornece à população nativa, a representação de um sentimento de pertinência.

14Ao analisar o patrimônio cultural missioneiro no Brasil, observa-se que existe uma grande diversidade de bens patrimoniais materiais, como sítios arqueológicos, monumentos, estatuárias religiosas, festas e manifestações artísticas, entre outros. No entanto, cabe salientar que o contexto patrimonial regional não está apenas relacionado às Missões, mas também a cultura gaúcha, européia, afro-descendentes, entre outras.

  • 1  Estes sítios são reconhecidos atualmente como Parque Histórico Nacional das Missões.

15A cultura materializada e os resquícios do período reducional estão representados em maior escala no entorno dos quatro sítios arqueológicos (São João Batista, São Lourenço, São Miguel Arcanjo e São Nicolau)1. De acordo com o IPHAN (2008), a região missioneira possui uma diversidade de monumentos (diversos sítios arqueológicos; igrejas; arquitetura funerária; monumentos simbolizando o período missioneiro; imóveis com variados estilos arquitetônicos; grande quantidade de estatuárias com estilo barroco). No entanto, percebe-se que a cultura imaterial e suas representações estão especializadas praticamente em todas as micro-regiões missioneiras.

Figura 1: Estatuária barroca de São Francisco de Borja (São Borja-RS)

Figura 1: Estatuária barroca de São Francisco de Borja (São Borja-RS)

Fonte: Elaboração do autor

Figura 2: Sítio Arqueológico de São Miguel das Missões

Figura 2: Sítio Arqueológico de São Miguel das Missões

Fonte: Hervé Théry

Figura 3: Monumento do tricentenário da Redução de São Francisco de Borja (São Borja)

Figura 3: Monumento do tricentenário da Redução de São Francisco de Borja (São Borja)

Fonte: Elaboração própria

  • 2  Figura mítica regional, reconhecida pela sua bravura e liderança em defesa das Missões, na Guerra (...)

16Em relação aos modos de fazer, enraizados no cotidiano da comunidade regional, observa-se que foram criados nos últimos anos diversos produtos turísticos que visam potencializar o artesanato e a gastronomia missioneira como atrativos típicos. Neste contexto, constantemente entra em cena, o discurso do tipo social do gaúcho missioneiro, da figura mítica de Sepé Tiaraju2, exaltação de lendas e contos.

17Seguindo nessa seara, torna-se pertinente analisar a relação conceitual entre território e patrimônio. Segundo Di Méo (1995), a dinâmica atual do patrimônio se caracteriza por dois tratados principais. Primeiro tem, incontestavelmente, a característica de se dotar de uma dimensão espaço-territorial. Em segundo, escreve uma dialética de troca de relações com a criação do concreto e do abstrato, do material e da ideia, da profania e do sagrado (tradicional) (Di méo, 1995).

18Conforme Di Méo (1995), o patrimônio e o território possuem um parentesco conceitual, eles escrevem no tecido social a continuidade histórica, todos em constituição de sólidos fenômenos culturais, acrescentam para a sociedade um duplo papel decisivo de mediação interpessoal (ou intergrupo) e de cimento identitário.

19Para Di Méo (1995) a extensão do valor patrimonial contribui para a construção do espaço:

Este tema descrito possui um valor, portanto assim o significado em diversas formas materiais, objetos ou dispositivos do espaço, se transfere da segregação social do espaço, este tornando-se, ou seja, o ponto de impor qualquer transformação abrupta das maneiras de tratar, resumidamente toda a demarcação patrimonial tende a se confrontar com os processos de territorialização (DI MÈO, 1995, p. 16).

20Por outro lado, todos os objetos podem adquirir um status patrimonial, assim como todos os espaços podem acessar o status de território. Tais ações dependem de um processo de adaptação do grupo que se apropria (do território ou do patrimônio), que não compreendem somente a significação, mas através dela se identifica (Di Méo, 1995).

21No que diz respeito à dinâmica espaço-territorial do patrimônio missioneiro, torna-se pertinente comentar que os sítios arqueológicos regionais são midiatizados como os lugares onde se concentram e são reproduzidas a grande maioria das práticas culturais regionais. Estas áreas urbanas das antigas reduções, por manterem uma arquitetura impactante, destacam-se por serem os principais símbolos culturais missioneiros, o que torna os sítios, territórios protegidos e mais fomentados pelos órgãos públicos. Por mais, que os mesmos não apresentem as maiores manifestações culturais missioneiras.

  • 3  Projeto intitulado: Levantamento do Patrimônio Cultural e Natural da Região das Missões.

22Conforme estudo realizado pelo IPHAN, em convênio com o IAPH (Instituto Andaluz de Patrimônio Histórico, Sevilla, Espanha)3, a região missioneira possui na grande maioria de suas municipalidades elementos culturais que simbolizam as Missões. No entanto, os sítios arqueológicos são planejados e midiatizados como sendo “o espaço missioneiro”. Como se percebe, o Parque Histórico regional impõem-se como um território segregado perante as demais localidades, ou seja, sua forma física gera alteridades sociais e formas de dominação no espaço regional.

23Sendo assim, percebe-se um confronto dessa área segregada perante as outras territorialidades culturais e econômicas, como é o caso da diferenciação perante as outras microrregiões missioneiras. Um fator influenciador para que o território do Parque Histórico esteja espacialmente controlando a região, são os interesses de difusão do turismo. Como exemplo, desse poder espacial, destaca-se o sítio arqueológico de São Miguel Arcanjo, que recebe tratamento diferenciado, tanto no planejamento turístico, como cultural na devida região (Pinto, 2011).

24No caso missioneiro, comprova-se que os símbolos regionais estão constantemente sendo reproduzidos em lugares estratégicos. Essa materialização dos elementos culturais apresenta-se como ações políticas, que buscam realizar uma maior difusão da ideologia missioneira. A partir de tais obras físicas são demarcados o que podemos chamar de “territórios missioneiros”, que após sua monumentalização tornam-se susceptíveis a proteção.

25Nesse contexto, cabe comentar que as políticas culturais missioneiras carecem de maiores interpretações, no que diz respeito à construção da identidade regional e sobre a importância do patrimônio imaterial para a criação das representações culturais populares. Um instrumento de pesquisa interessante para analisar tais fatores, são as paisagens culturais, pois estas representações trazem para a discussão a questão do imaginário popular, servindo de base para as interpretações identitárias.

Paisagens culturais missioneiras a partir do estudo dos festivais musicais regionais: uma reflexão crítica

26O tópico seguinte procurou refletir sobre as representações culturais missioneiras geradas pelos festivais musicais regionais. No decorrer das interpretações procurou-se analisar as implicações geográficas destes eventos, assim como a análise das paisagens construídas nas composições musicais presentes.

27As representações culturais podem ser definidas como formas interação da sociedade com seu espaço cultural. As paisagens são exemplos práticos destas representações. Nos últimos anos, foram realizados diversos debates entorno da inserção das Paisagens e dos Itinerários culturais, como dois novos bens da UNESCO. Estes novos bens, vêm recebendo um destaque especial por parte dos governos brasileiro e argentino.

28Em 2007, foi criada a Carta de Bagé, documento que tem por “objetivo a defesa das paisagens culturais em geral e, mais especificamente, do território dos Pampas e das paisagens culturais de fronteira”. No ano de 2009, foi oficializada a proposta de criação do projeto Itinerários Culturais do Mercosul, onde foi proposto como projeto piloto o Itinerário Cultural da Região das Missões Jesuítico-Guarani. No mesmo ano de 2009, o governo brasileiro criou a chancela das paisagens culturais brasileiras. Neste sentido, torna-se pertinente discutir está temática a partir de uma interação entre a visão geográfica e das ciências sociais.

29O francês Guy Di Méo, um grande especialista nos estudos dos espaços sociais, define as paisagens como um objeto etnológico. Suas representações se manifestam sobre diversos panoramas, ou sob os pontos de vista do patrimônio, dos lugares de vida, e das formas espaciais da atividade econômica.

30Para Di Méo (2004), as paisagens promovem a classificação de símbolos territoriais, o que enriquece as representações identitárias de grupos sociais singulares. Para tanto, a análise da construção das identidades territoriais devem se basear no tripé: paisagens, bens patrimoniais e atividades econômicas. Sendo assim, os espaços de vida podem ser interpretados por estas representações (Di Méo, 2004).

31Por tanto,

A noção de equilíbrio que evoca o território é encontrada nas paisagens, pois são componentes visuais que encontram uma ordem impossível. Representada ou não pela arte (a pintura em particular), a paisagem adquire uma dimensão estética e moral: sua aplicação na ordem da paisagem; é bem (derivação perigosa) qualificação na ordem territorial, principalmente no que diz respeito a uma relação harmoniosa entre sociedade e seu espaço (Di Méo, 2004, p. 29).

32A partir desta citação, o autor instiga refletir o que esta por trás da paisagem, pois as “âncoras sócio-espaciais mais abstrata e as jogadas profundas de nossos atores nos trazem para jogos de escalas territoriais complexas: significando e gerando a territorialidade de cada um” (Di Méo, 2004, p. 141).

33Para dialogar com as reflexões de Guy Di Méo buscou-se outros autores com percepções variadas. Sauer (1998) descreve que as paisagens culturais possuem qualidade orgânica, pois apresentam elementos materializados. Já Berque (1998) contrasta a visão de Sauer, salientando que sua interpretação requer um entendimento abstrato, pois envolve uma compreensão antropológica, a observação possui relação com o individual, o que requer uma reflexão crítica.

34Nos projetos culturais internacionais, as paisagens culturais são conceituadas como representações que envolvem combinações do meio natural, com as transformações humanas no espaço (Carta de Bagé, 2007; Projeto Itineràrios Culturais do Mercosul, 2009). Um diferencial destas políticas em relação à Sauer, diz respeito à inserção dos bens culturais como objetos representados nas paisagens, o que envolve a interpretação da dimensão do patrimônio material e imaterial.

Festivais musicais missioneiros e suas representações culturais

35A partir das discussões teóricas referentes às paisagens culturais, idealizou-se um estudo de caso na Região Missioneira. Para tanto, objetivou-se confrontar os conceitos com representações práticas. No que diz respeito o estudo das representações culturais missioneiras, optou-se por estudar os festivais musicais regionais, através da análise do discurso. Tal reflexão centrou-se nas implicações geográficas destes eventos, assim como na análise das paisagens construídas nas composições musicais presentes.

36Para a devida interpretação foram selecionadas as seguintes festividades: Canto missioneiro de Santo Ângelo-RS, Ronda de São Pedro e Festival da Barranca realizados em São Borja-RS. No decorrer dos devidos eventos, levantaram-se letras musicais e imagens relacionadas às festividades, que foram estudas através da análise do discurso. Antes de partir para a interpretação das representações, cabe discutir qual a dialética das festividades com a geografia.

37Conforme Di Méo, as festas e festividades possuem grandes implicações geográficas:

Estes eventos novos ou renovados são caracterizados por cuidados institucionais e uma dimensão artística aumentada. Eles também apontam para o surgimento de suas funções política, ideológica e econômica. Geograficamente, os festivais retratam a identidade e a imagem das cidades, a solidariedade e unidade regional (2005, p. 1).

38A partir desta afirmação de Guy Di Méo, percebe-se que a organização de um evento cultural esta marcada pelos sentimentos de pertinência popular e ao mesmo tempo por relações de poder. Sendo assim, “além do lugar festivo, são territórios que estão em questão, territórios bem reais, ou somente representados, imaginados e sonhados” (Di Méo, 2005, p. 237).

39As áreas de realização dos eventos ocorreram em espaços simbólicos para o contexto missioneiro, como: Catedral Angelopolitana de Santo Ângelo (Canto Missioneiro), e margens do rio Uruguai em São Borja (festival da Barranca). No caso da Ronda de São Pedro, o local de realização geralmente é Centro Nativista Nativista Boitatá (local que possui simbologias relacionadas às missões). Em relação às funções dos festivais regionais, pode-se afirmar que as interferências ideológicas da cultura gaúcha é algo perceptível, pois a mistura do gauchismo e missioneirismo são características marcantes do gaúcho missioneiro, o tipo social regional.

40No Festival Ronda de São Pedro, ocorreu uma manifestação exótica, pois o devido evento possui como temática as questões juninas. A partir destas peculiaridades, apresenta-se o que Guy Di Méo defende, como geografia das redes através dos festivais, ou seja, a cultura missioneira acaba se integrando com elementos culturais relacionados a outras escalas regionais, como: elementos nordestinos (no caso da Ronda), cultura correntina da Argentina (cultura do chamamé), e cultura rio-grandense.

Figura 4: Folder do Festival Canto Missioneiro

Figura 4: Folder do Festival Canto Missioneiro

Fonte: Canto Missioneiro

Figura 5: Festival Canto Missioneiro (Catedral Angelopolitana de Santo Ângelo)

Figura 5: Festival Canto Missioneiro (Catedral Angelopolitana de Santo Ângelo)

Fonte: www.narotadosfestivais.blogspot.com

41As letras musicais dos festivais revelaram diversas vozes de pertencimento à região, que representaram: a utopia, bravura e religiosidade do espaço missioneiro; características físicas e pertencimento ao pampa; características geográficas (terra vermelha, rios poluídos, rio itaquarinchim); representação da fauna (bem-te-vi, João de barro e quero-quero); perda de identidade e situação de miserabilidade dos índios M’byaGuaran; exaltação ao rio Uruguai; a figura de mítica de Sepé Tiarajú; simbologia da cruz de lorena; pertencimento a algumas municipalidades.

42Sendo assim, pode-se afirmar que a espiritualidade e as manifestações religiosas ainda permanecem como discursos constantes nas Missões. Estes imaginários são sustentados através de diversos instrumentos que contribuem para a manutenção das narrativas utópicas missioneiras, como é o caso das instituições culturais (museus, centros de cultura) e das tradições católicas (amparadas nas estatuárias missioneiras).

Fragmentação da identidade missioneira e seus espaços sociais

43A partir das relações conceituais sobre patrimônio, paisagem, território, e festividades culturais, percebeu-se que as simbologias e discursos representados no espaço são instrumentos valiosos para a análise da construção das identidades. Neste sentido, o capítulo seguinte objetivou-se em analisar como estão sendo construídas as diversas identidades sócio-espaciais missioneiras e suas relações com a constituição dos espaços sociais regionais.

44Conceitualmente as identidades podem ser definidas como consequência de uma construção social, portanto fazem parte de uma complexidade social. Seu processo de construção pode-se dizer que é relacional, ou seja, sua produção constitui-se por uma relação binária (nós/eles), marcada pela diferença (Cuche, 2001; Silva, 2000).

45Na verdade “as identidades parecem invocar uma origem que residiria em um passado histórico com o qual elas continuariam a manter certa correspondência” (Hall, 2000, p. 108). Portanto, neste processo construtivo elas não são “simplesmente definidas, elas são impostas” (Silva, 2000).

46Seguindo nesta seara, torna-se pertinente melhor entender como as narrativas identitárias estão dialogando com as transformações territoriais, pois nos últimos anos percebe-se o ressurgimento do interesse pelos estudos referente aos espaços sociais, reflexões estas que estão de acordo com diversos pensamentos de Guy Di Méo.

47Conforme Di Méo (1995) as identidades possuem um caráter sócio-espacial, seus processos constitutivos estão atribulados a relação território/ patrimônio. Portanto, os bens patrimoniais assumem um papel estratégico nessa discussão, como agente influenciador aos processos de identificação sócio-culturais. Neste caso, “quando a sociedade se apropria destes instrumentos acaba se identificando e criando significados para o espaço patrimonializado (Di Méo, 1995).

48Sendo assim, “a identidade territorial e patrimonial não se limita a uma constância de existência mais ou menos frágil, ela torna-se uma novidade, criação, redescoberta e renascimento, em relação a situações atuais” (Di Méo, 1995, p. 26).

49Essa reflexão de Di Méo vem de acordo com as discussões de Zygmunt Baumam (2003), que enfatiza que as identidades estão constantemente sendo transformadas, através de trocas culturais, ou seja, as narrativas identitárias não são fechadas, e sim relacionais no espaço, o que contribui para a criação de territorialidades. As identidades são bem compreendidas como marcadores sociais, que caracterizam os espaços de vida dos indivíduos e dos grupos (Di Méo; Buléon, 2005a).

A fragmentação da identidade missioneira!

50Conforme o estudo de diversos projetos culturais nacionais/ internacionais, a região das Missões é exposta como uma área unificada culturalmente. Só que na prática, observa-se que a identidade regional encontra-se marcada pela diferença, no que se refere a alguns municípios quererem “ser mais missioneiros” que outros. Esta busca incessante por uma maior missioneirismo pode estar relacionada com o fato de a identidade regional estar fragmentada em outras micro-identidades (Pinto, 2011).

51A experiência da diferença gera conflitos pela redistribuição do poder. Em relação às Missões, percebe-se que a estratégia de integração regional, voltada para consolidação da identidade missioneira, gera ao mesmo tempo, uma hibridização cultural, e por outro lado esconde os outros tipos identitários regionais.

52A partir da análise de diversos fatores como: características socioeconômicas, características patrimoniais-territoriais, e marcadores de diferenças regionais, afirma-se que a identidade missioneira está fragmentada em três micro-identidades (ver figura 6, e quadro 1), como exemplo: 1) identidade missioneira-pampeana; 2) identidade missioneira-reducional, e 3) identidade missioneira-europeia.

Mapa 1: Localização das micro-identidades missioneiras e recursos patrimoniais na Região das Missões do Rio Grande do Sul-Brasil

Mapa 1: Localização das micro-identidades missioneiras e recursos patrimoniais na Região das Missões do Rio Grande do Sul-Brasil

Fonte: IPHAN. IAPH. URI, 2008. Adaptado pelo autor

Quadro 1: Características socais, culturais e econômicas da Região Missioneira

Quadro 1: Características socais, culturais e econômicas da Região Missioneira

Fonte: Elaboração do autor

53Esta percepção, de que a identidade missioneira esta fragmentada em outras identidades regionais é uma interpretação inovadora do estudo proposto, pois tanto nos estudos do IPHAN, assim como nos trabalhos acadêmicos, a região das Missões é percebida através de um olhar unificado, fechado, cristalizado.

54Torna-se relevante comentar, o fato de existir diferenças dentro da própria identidade entendida como hegemônica na região. Nesse sentido, cabe descrever que os próprios projetos culturais e turísticos divulgam os “produtos missioneiros” como se a cultura missioneira estivesse apenas concentrada no entorno dos sítios arqueológicos e de Santo Ângelo. No entanto, a região das Missões possui comprovadamente diversas identidades, que estão realizando diversas trocas culturais no espaço, o que permite questionar a unificação identitária missioneira.

Considerações finais

55O artigo proposto centrou-se na análise da construção das identidades constituídas na Região Histórica das Missões Jesuítica-Guaranis no Brasil, a partir da interpretação das paisagens culturais regionais. No decorrer do estudo foi dada atenção para a interpretação dos espaços sociais missioneiros. Para tanto, foi utilizado como matriz teórica às reflexões do pensador francês Guy Di Méo.

56Em relação à análise identitária, a pesquisa procurou instigar as discussões através de uma percepção desnaturalizada de cultura, ou seja, buscou discutir as narrativas identitárias sócio-espaciais através da matriz do hibridismo cultural. Nestas discussões, foi dada atenção para a realização de análises geográficas do cenário missioneiro, principalmente do espaço social e de suas representações culturais. Para tanto, houve o dialogo com conceitos inerentes a outras áreas do conhecimento, como: conceitos de cultura, identidade, patrimônio, historiografia missioneira, políticas culturais, turismo, entre outros.

57A utilização de Guy Di Méo como base teórica para a realização das reflexões foi de grande valia, pois o autor através de suas publicações consegue com propriedade discutir os espaços sociais. Seus pensamentos relacionam os conceitos geográficos, aos sociológicos e antropológicos. Suas idéias tornam-se essenciais para pensar a construção das identidades sócio-espaciais, pois discute temas estratégicos, como: a relação patrimônio-território; paisagens identitárias; símbolos culturais; manifestações artísticas (festas e festividades); lugares de memória, espaços-temporais, entre outros.

58No que diz respeito à patrimonialização do território missioneiro, pode-se afirmar que os sítios arqueológicos, também chamados de Parque Histórico das Missões, assumem um papel central na dinâmica espaço-territorial regional. Seus resquícios arquitetônicos são considerados os principais símbolos regionais, fator que gera proteção federal e consequente segregação territorial, perante as demais áreas missioneiras. Suas formas físicas contribuem para a proliferação de alteridades sociais e formas de dominação no espaço das Missões. Tais bens patrimoniais foram importantes para a interpretação das paisagens culturais.

59Em relação às paisagens culturais, pode-se afirmar que conceitualmente tais representações estão perfeitamente identificadas com a interdisciplinaridade. No caso da Região Missioneira, percebe-se que as paisagens estão sendo pensadas a partir de uma visão estética e turística-patrimonial. Esse panorama traz para o cenário os objetivos das políticas culturais em planejar a cultura regional através de símbolos fixos que possam abastecer o mercado turístico, o que expõem a ideia de planejar o “território como recurso”.

60A partir dos festivais musicais regionais, pode-se observar que as simbologias missioneiras estão constantemente sendo exaltadas pelas composições artísticas. Em relação às funções das festividades, percebeu-se que a ideologia gaúcha cambia-se com as manifestações missioneiras. Na funcionalidade política, tais festividades contribuem para a valorização do patrimônio e afirmação da identidade regional. Neste sentido, pode-se afirmar que a espiritualidade e as manifestações religiosas ainda permanecem como discursos constantes nas Missões.

61Para concluir, cabe comentar após a interpretação do patrimônio, das paisagens culturais, do território, e das festividades culturais, que a região das Missões não possui uma identidade unificada, mas sim diversas identidades regionais. Na verdade, o estudo expôs três micro-identidades regionais (Identidade missioneira-pampeana, identidade missioneira-reducional, e identidade missioneira-européia). No entanto, torna-se pertinente ressaltar que a fragmentação identitária das Missões, não necessariamente se encerra nessa reflexão. A intenção desse estudo preocupa-se em instigar as pesquisas e reflexões sobre as transformações identitárias missioneiras e suas relações com a constituição dos espaços sociais.

Haut de page

Bibliographie

Arizpe L; Nalda Enrique, Patrimônio Cultural, turismo e desenvolvimento, In N. Canclini (Org), Culturas da Ibero-América: Diagnósticos e propostas para seu desenvolvimento. São Paulo: Moderna, 2003, p. 222.

Bauman Zygmunt, Comunidade: a busca por segurança no mundo atual, Tradução Plínio Dentzien, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed, 2003.

Berque Augustin, “Paisagem-Marca, Paisagem-matriz: Elementos da Problemática para uma Geografia Cultural”, In Roberto Lobato Corrêa, Zeny Rosendhal,Paisagem, tempo e cultura, Rio de Janeiro, EdUERJ, 1998.

CARTA DE BAGÉ, Bagé: 2007.

Centro Nativista Boitatá, Festival Ronda de São Pedro, < http://www.boitata.com.br/>. Acesso em: 11 de fevereiro de 2012.

Cuche Denis, Noção de cultura nas Ciências Sociais. Bauru: EDUSC, 2002.

Gutierrez Ramón, As missões Jesuiticas dos Guaranis, Rio de Janeiro, SPHAN, 1987.

Hall Stuart, “Quem precisa da identidade?” In Tomaz Tadeu da, Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais, Petrópolis,RJ, Vozes, 2000.

Iphan, IAPH, URI, Levantamento do Patrimônio Cultural e Natural da Região das Missões. Santo Ângelo: 2008, <http:// www.urisan.tche.br/~iphan/upload/downloads/file669.pdf>. Acesso em: maio. 2011.

Iphan, Reflexões sobre a Chancela das paisagens culturais brasileiras, Brasília, MINC, 2011.

Méo Guy di, Sauvaitre Claire, Soufflet Fabrice, « Les paysages de l’identité (le cas du Piémont béarnais, à l’est de Pau) », Geoccarrefour, vol 79/2, 2004.

Méo Guy di, Buleon Pascal, L’espace social, lecture géographique des sociétés, Armand colin, 303 p., 2005.

Méo Guy di, « Le renouvellement des fêtes et des festivals, ses implications géographiques », In Annales de géographie, 2005/3 n° 643, p. 227-243.

Méo Guy di, « Patrimoine et territoire, une parente conceptuelle », In Espaces et Sociétés, Éditions L’Harmattan, n.78, 1995.

Neumann Eduardo, O Trabalho Guarani Missioneiro no Rio da Prata Colonial 1640-1750, Porto Alegre, Martins Livreiro,1996.

Os Angueras, Festival da Barranca, <http://www.angueras.com.br/barranca1.html>. Acesso em: 12 de fevereiro de 2012.

Poenitz Luego, Modelo Reduccional Jesuítico, In, Curso do Programa de Conservação, Gestão e desenvolvimento sustentável da Região das Missões Jesuíticas Guaranis, Trinidad, Paraguai: WTF/ UESCO, 2005.

Pinto Muriel, A construção da identidade missioneira no Rio Grande do Sul e as políticas culturais no sul do Brasil, Santa Cruz do Sul, Brasil, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional, Universidade de Santa Cruz do Sul,  2011 (Dissertação de Mestrado).

Prefeiturade Santo Ângelo, Festival Canto Missioneiro, <http:  www.cantomissioneiro.com.br>. Acesso em: 15 de fevereiro de 2012.

Sauer Carlos, A morfologia da paisagem, In Roberto Lobato Corrêa, Zeny Rosendahl,Paisagem, tempo e cultural, Rio de Janeiro, EdUERJ, 1998.

Silva Tomaz Tadeu da, A produção social da identidade e da diferença, In Tomaz Tadeu da Silva, Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais, Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

Unesco, Brasil, Argentina, Anteprojeto de Itinerários do Mercosul. Salvador, Brasil: UNESCO, 2009.

Haut de page

Notes

1  Estes sítios são reconhecidos atualmente como Parque Histórico Nacional das Missões.

2  Figura mítica regional, reconhecida pela sua bravura e liderança em defesa das Missões, na Guerra Guaranítica.

3  Projeto intitulado: Levantamento do Patrimônio Cultural e Natural da Região das Missões.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1: Estatuária barroca de São Francisco de Borja (São Borja-RS)
Crédits Fonte: Elaboração do autor
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7939/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 264k
Titre Figura 2: Sítio Arqueológico de São Miguel das Missões
Crédits Fonte: Hervé Théry
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7939/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 964k
Titre Figura 3: Monumento do tricentenário da Redução de São Francisco de Borja (São Borja)
Crédits Fonte: Elaboração própria
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7939/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 220k
Titre Figura 4: Folder do Festival Canto Missioneiro
Crédits Fonte: Canto Missioneiro
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7939/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Figura 5: Festival Canto Missioneiro (Catedral Angelopolitana de Santo Ângelo)
Crédits Fonte: www.narotadosfestivais.blogspot.com
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7939/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Mapa 1: Localização das micro-identidades missioneiras e recursos patrimoniais na Região das Missões do Rio Grande do Sul-Brasil
Crédits Fonte: IPHAN. IAPH. URI, 2008. Adaptado pelo autor
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7939/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre Quadro 1: Características socais, culturais e econômicas da Região Missioneira
Crédits Fonte: Elaboração do autor
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/7939/img-7.png
Fichier image/png, 102k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Muriel Pinto, « Interpretação do espaço social da Região Histórica das Missões Jesuítico-Guarani: uma dialética com as reflexões do francês Guy Di Méo », Confins [En ligne], 16 | 2012, mis en ligne le 20 novembre 2012, consulté le 17 septembre 2014. URL : http://confins.revues.org/7939 ; DOI : 10.4000/confins.7939

Haut de page

Auteur

Muriel Pinto

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Geografia da UFRGS/ Bolsista CAPES. Geógrafo. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa CNPQ “Relações de Fronteira: história, política e cultura na Tríplice Fronteira Brasil, Argentina e Uruguai”, vinculado a UNIPAMPA – Universidade Federal do Pampamurielpinto@yahoo.com.br

Haut de page

Droits d’auteur

© Confins

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Revues.org