Navigation – Plan du site
Resenhas

A Amazônia e a floresta, de Teresa Isenburg

L’Amazonie et la forêt, par Teresa Isenburg
The Amazon and the forest, by Teresa Isenburg
Andrea Cavicchioli
Référence(s) :

Jaca Book, Milano, 192 p., € 20,00

Texte intégral

1Essa leitura do novo livro, em italiano, de Teresa Isenburg L’Amazzonia e la foresta (A Amazônia e a floresta) pode começar pela reprodução de um dos muitos e preciosos comentários contidos em notas de rodapé. Na página 72, está dito:

Frigoríficos [em português no original] – Desconheço a palavra italiana equivalente para definir esse segmento da linha de produção da carne que gerencia a passagem do criador ao vendedor para o consumo e que incorpora na denominação portuguesa, parecida com a espanhola, o fato de ser operada em containeres e meios de transporte em baixa temperatura, por motivos óbvios.

2Reconheço que a escolha desse trecho simples e, de um modo geral, pouco importante no contexto do livro (muito embora o tema em questão seja nele amplamente tratado), surgiu por motivos bastante pessoais de apreço pelo gosto do detalhe lingüístico que a autora demonstra no decorrer de seu texto. Mas ele fornece, ao mesmo tempo, uma oportunidade para destacar duas possíveis entradas na leitura dessa obra.

3Em primeiro lugar, o livro pode ser percorrido seguindo elementos, disseminados em toda a sua extensão, que visam possibilitar um melhor entendimento da Amazônia explicando antes de tudo o Brasil. Ou seja, se por um lado o objetivo do trabalho é certamente apresentar ao leitor (estrangeiro? Algo que discutiremos mais adiante) a Amazônia em seus diferentes aspectos, físicos, históricos, geopolíticos, econômicos e culturais, fica evidente também que a autora tem uma grande preocupação em alimentar e alicerçar permanentemente essa discussão, com noções sobre o contexto brasileiro. Isso se dá, por exemplo no plano lingüístico, com a reprodução, por vezes sistemática, de termos ou expressões, como aquele citado acima, que não são simplesmente de difícil tradução para outros idiomas, mas que sobretudo remetem de maneira direta, no idioma original, a determinados fenômenos em toda a sua unicidade brasileira. Termos ou expressões sem as quais seria difícil, por quem quer que seja, poder se referir aos objetos que representam, sem a perda de algum grau de significância no processo comunicativo.

4Assim, palavras como queimadas, apagão, grilagem, garimpo, capangas, seringueiros, cerrado, fazenda etc. são usadas para resgatar a especificidade regional dos fenômenos que elas descrevem e se tornam aqui, em português, tão essenciais quanto palavras como agribusiness, off-shore, sinks, junto com as quais formam um glossário básico para um estudo como esse sobre o Brasil contemporâneo e a Amazônia.

5Ora, dito isso, é claro que o livro vai bem além e seu propósito de aprofundamento da realidade brasileira se concretiza de outras formas, notadamente com várias digressões históricas, com uma cuidadosa análise crítica da atual atuação do Estado na questão amazônica ou ainda com discussões sobre o papel de diferentes atores e organizações do cenário atual do país, muitas vezes por meio do generoso resgate da contribuição das pesquisas de ilustres cientistas que, com sua obra, corroboram a leitura do universo amazônico (entre eles, Aziz Ab’Saber, Berta Becker, Marcio Souza, Philip Fearnside).

6Assim, somos constantemente chamados a lembrar do papel que a instauração da ditadura militar dos anos 60 e 70 teve no processo de penetração no território amazônico e sua colonização, com suas estratégias, modalidades, conseqüências, episódios (a guerrilha do Araguaia) e até seus slogans, como este, comentado com um tom meio consternado e meio sarcástico (p. 53):

O governo militar, entre 1964 e a segunda metade dos anos setenta com o slogan carregado de nacionalismo bastante grosseiro “integrar para não entregar” [em português no original] fez coisas péssimas na Amazônia, permitindo ou promovendo a exterminação de vilarejos indígenas e, sobretudo, entregando enormes áreas a sujeitos econômicos estrangeiros das quais eles essencialmente fizeram um estrago lucrativo, sem nenhum protesto por parte dos governos dos respectivos paises.

7Igualmente, o livro nos apresenta como um ensejo para recordar (ou até conhecer, o que provavelmente deve acontecer não somente com os novos brasileiros, como eu, mas também com pessoas nascidas e educadas nesse país) episódios históricos mais ou menos sabidos, desde o Quilombo dos Palmares, a revolução de Canudos, até os mais recentes acontecimentos ligados à atuação e assassinato de Dorothy Stang no Pará. Destaco a associação ideal que a autora realiza, em tom emocionado e bastante pertinentemente, entre muitos desses eventos (p. 89):

Detive-me em alguns detalhes desse episódio [a repressão da guerrilha do Araguaia] porque ele ilustra uma constante na história do Brasil: o grande medo dos poderes fortes e dominadores pelas formas de luta e resistência, sobretudo no campo. Medo, arauto de um pânico totalizante, que levou a formas de repressão selvagens e primordiais [...].

8Nessa mesma linha, chama atenção o fato de o livro proporcionar ao leitor uma espécie de Who’s who bastante completo de atores institucionais envolvidos com a gestão da realidade amazônica, seja por competência direta (IBAMA, INCRA, FUNAI, ANA, etc.) seja em função de um papel técnico e científico de suporte. Em particular, insiste-se no aporte, inegavelmente fundamental, da EMBRAPA e, sobretudo, do INPE com todo o aparato e as ferramentas online desenvolvidos em seio àquela instituição para permitir um entendimento mais profundo das dinâmicas territoriais e possibilitar intervenções incisivas de fiscalização imprescindíveis no âmbito das atuais políticas ambientais para a Amazônia. Destaca-se, justamente, o papel tido por esse instituto na disponibilização de um imenso material de sensoriamento remoto de estudo e como esse alimenta, há anos, numerosas pesquisas nesse e noutro lado do planeta.

9Mas voltando à citação inicial dessa resenha, esse livro pode ser trilhado numa segunda importante linha de leitura: o detalhamento técnico. Dentro de uma estruturação que revela, na denominação dos capítulos, o propósito de uma visão abrangente, tanto quanto ao espaço (norte, sul, leste oeste, em cima, em baixo, uma perspectiva literalmente a tutto tondo) como em relação aos elementos físicos (água, ar, terra, fogo), a Professora Isenburg nos surpreende com análises pormenorizadas e muitas vezes embasadas em conhecimentos científicos das mais diversas áreas do saber, articulados entre si. Assim, por exemplo, no capítulo Água, a leitura fornece uma fartura de dados precisos sobre a hidrografia da região e, em seguida, nos leva a aprofundar aspectos, sócio-econômicos, políticos e ambientais de toda a questão da implantação das centrais hidroelétricas na bacia amazônica, examinando vários casos de estudo até chegar ao mais recente e polêmico de Belo Monte. Em tal análise, em nenhum momento banalizada com argumentações óbvias e de mero senso comum, são ponderadas as perspectivas de demanda energética – inclusive à luz da realização de programas sociais como o Luz para todos e do cumprimento de objetivos de políticas de governo como o Fome Zero e, mais ainda, do PAC – com os efeitos de instalações como essas de porte inimaginável em países como a Itália, especialmente nos planos da biodiversidade, da permanência das comunidades tradicionais e das alterações do clima.

10Aliás, a relação entre clima, floresta tropical e alterações físicas em balanço hídrico, desmatamento, taxas de queimadas, ciclos biogeoquímicos, estoques de carbono, entre outros, é mais um tema tratado com profusão de pormenores, até bastante específicos em termos numéricos, ao longo de todo o texto. No capítulo Ar, essa discussão é enriquecida e focada no debate do efetivo papel da preservação da floresta nos padrões meteorológicos da América do Sul (com menção à bela imagem do rio voador), por um lado, e de como a defesa do patrimônio natural se configura no quadro dos acordos internacionais que buscam mecanismos de mitigação das emissões de gases estufa, por outro. Sempre preocupada com o rigor da informação, a autora ainda reserva um espaço para abordar o LBA e seus ambiciosos objetivos e para interligar a problemática climática com a questão das queimadas, assunto abordado com igual primor no capítulo Fogo. Destaco, por fim, os esclarecimentos – a meu ver importantíssimos – sobre a Política Nacional de Meio Ambiente e a implantação do Sistema Nacional de Unidades de Conservação na seção Terra.

11Certamente, poucas pinceladas traçadas na tentativa de apresentar essa obra não permitem esgotar todas as temáticas tratadas reconhece o tempo todo a complexidade da tarefa de se estudar o universo amazônico. Mas essa leitura ainda pede a resposta à pergunta de qual é o seu público alvo. Ele foi publicado em italiano, aliás, numa escrita elegante, sofisticada e segura, que transcorre de maneira gostosa e num ritmo empolgante. Entretanto, apesar da autora declarar, em recente entrevista (http://www.waltersorrentino.com.br/​2012/​08/​26/​teresa-isenburg-a-amazonia-e-a-floresta/​#more-5910) seu intuito de atingir o público italiano e do livroser , com seu profundo e direto tratamento de aspectos até muito peculiares e, como disse, não triviais da realidade brasileira, uma fonte documental valiosíssima no exterior, tenho certeza que L’Amazzonia e la foresta possa também ser um excelente compêndio para o leitor brasileiro, sobretudo aquele que vive em mundos afinal tão distantes da Amazônia dentro do próprio Brasil. Penso a ele como uma oportunidade para recuperar a memória de fatos próximos e distantes da história desse país, suas origens e os reflexos nos destinos impressos na região amazônica, bem como um ponto de partida para uma reflexão sobre o futuro que se espera (ou se quer) para ela. Certamente, um livro rico de elementos chave para estudantes e pesquisadores que desejam conhecer a Amazônia.

12Gostaria de concluir sugerindo atenção para a alma poética dessa obra, que emerge na descrição inspirada das paisagens e em certa paixão pelo discurso político, e transcrevo esse trecho que, de modo emblemático se destaca no começo do capítulo dedicado ao fogo e às queimadas:

Haut de page

Table des illustrations

URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8060/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 22k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Andrea Cavicchioli, « A Amazônia e a floresta, de Teresa Isenburg », Confins [En ligne], 16 | 2012, mis en ligne le 20 novembre 2012, consulté le 31 octobre 2014. URL : http://confins.revues.org/8060

Haut de page

Auteur

Andrea Cavicchioli

Químico, docente do curso de Gestão Ambiental e do Programa de Pós-Graduação em Mudança Social e Participação Política da Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo, andrecav@usp.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

© Confins

Haut de page
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Revues.org