Navigation – Plan du site

Anomalias na distribuição geográfica dos dados de saúde da bacia hidrográfica do Ribeirão Lindóia, zona norte do município de Londrina/PR

Anomalies dans la distribution géographique des données de santé du bassin hydrographique de Ribeirão Lindóia, zone nord de la municipalité de Londrina/PR
Anomalies in geographic distribution of health data of Ribeirão Lindóia basin, northern zone of Londrina city, Paraná
Paulo Rogério Araujo et José Paulo Peccinini Pinese

Résumés

Dans le but de caractériser la distribution géographique des données de santé du Bassin Hydrographique de Ribeirão Lindóia, Municipalité de Londrina/PR, en corrélation avec les modèles possibles d’anomalies hydrogéochimiques, des paramètres géochimiques de qualité d’eau ont été analysés par Spectrométrie d’Émission Atomique à Plasma d’Argon à Couplage Inductif (SiO4-4, Fe3+, Zn2+, PO3-4, Al3+) et par Spectrométrie d’Absorption Atomique (Na+ et K+). Pour la croisée des informations du Datasus, l’organisation et la répartition des données de santé, le logiciel Philcarto a été utilisé, en soulignant les appels contre la dengue, l’hépatite virale et la méningite, dans la période allant de 2000 à 2004. Pour l’analyse spatiale des données régionales, le logiciel Surfer 8.0 a été utilisé. On remarque, plus fréquemment, que les anomalies hydrogéochimiques, la qualité dégradée de l’eau et le nombre elevé de maladies diagnostiquées se trouvent dans les UBS (Unité Basique de Santé) situées aux endroits où l’urbanisation est d’exclusion et d’inegalité.

Haut de page

Texte intégral

Aguas do ParanáAfficher l’image
Crédits : ©HervéThéry2007

1Os estudos socioambientais, que tratam das mudanças naturais e tecnógenas envolvendo saúde coletiva, elementos químicos e a sua relação com outros segmentos naturais ou não, têm na Geologia Médica, na Geografia Médica e na Geografia da Saúde importantes instrumentos para mensurar, identificar e avaliar as transformações impostas pelos homens na produção e construção do espaço geográfico (e.g Azevedo & Chasin, 2003; Silva; Figueiredo; Capitani; Cunha, 2006; Meade & Earickson, 2005).

2Esse espaço é resultante da interação entre a dinâmica físico/natural e humana/social que, permeado pela velocidade, complexidade e profundidade das transformações provocadas pelo poder econômico, constituem uma das principais preocupações da sociedade.

3Entre os elementos químicos, os metais, por serem altamente reativos e bio-acumulativos, inclusive os selecionados neste estudo (Fe3+, Zn2+, PO3-4, Al3+, Na+ e K+), configuram uma grande preocupação contemporânea em função dos efeitos nocivos ao ambiente e à saúde humana.

4Para ser benéfico à saúde, o nível de ingestão e/ou concentração no organismo humano deverá apresentar uma concentração muito pequena (Azevedo & Chasin, 2003), ao passo que os danos aparecerão quando a quantidade de metais no organismo humano forem superiores à capacidade de absorção e recuperação.

5A maior parte dos benefícios está relacionada ao campo de tratamentos de doenças como, por exemplo, o uso do lítio em casos psiquiátricos graves e combate a tumores cancerígenos com os complexos de platina, entre outros (Selinus et alii, 2005; Silva; Figueiredo; Capitani; Cunha, 2006).

6É importante ainda destacar que a deficiência de alguns metais no organismo pode provocar problemas de saúde como acontece com o Ferro (Fe), o Cobre (Cu) e o Zinco (Zn), os imunomodulares, responsáveis por importantes reações bioquímicas do organismo (Figueiredo, 2000; Araujo; Pinese, 2006).

7Portanto, um elemento químico é tóxico ou não se levarmos em consideração o nível de concentração, composição e propriedades além do tempo de exposição das substâncias as quais o organismo teve contato.

8A contribuição da Geologia Médica concentra-se no estudo de relacionamentos entre a geoquímica (trocas iônicas de elementos químicos selecionados de uma determinada área) e a saúde da população presente neste local, possibilitando traçar paralelos entre províncias particulares e a incidência de doenças, causadas por desequilíbrios em sais minerais e/ou elementos químicos deste ambiente (Martins Jr & Pinese, 2003; Pinese & Martins Jr, 2005).

9Essa ciência estuda, em detalhes, as variações regionais na distribuição de elementos químicos, seu comportamento geológico-geoquímico, as contaminações naturais e artificiais, os danos à saúde animal e/ou vegetal por excessos ou deficiências, além de se ocupar de fenômenos e fatores de natureza física como minerais, instabilidade de encostas, terremotos, erupções vulcânicas, entre outros (Scarpelli, 2003).

10A Geografia Médica estuda a patologia à luz dos conhecimentos geográficos, pois resulta da integração dos conhecimentos geográficos e médicos, procurando evidenciar a importância do meio geográfico no aparecimento e distribuição de uma determinada doença, visando a fornecer bases seguras para os programas de saúde pública (Lacaz, 2003).

11Neste contexto, a Geografia da Saúde, utiliza os elementos da Geografia Médica e da Geologia Médica, para estabelecer correlações destas com os dados de órgãos de gerenciamento de saúde coletiva. Visto que a Saúde Pública e ambiente são influenciadas pelos padrões de ocupação do espaço, e tem nos SIG’s importantes ferramentas para organização do espaço geográfico e balizamento do desenvolvimento econômico e socioambiental.

12Sob a perspectiva da saúde, existem 4 (quatro) principais vias de exposição aos elementos químicos: inalação, exposição ocular, contato com a pele e ingestão. Também deve-se considerar a exposição prolongada aos metais devido à contaminação ambiental e as exposições ocupacionais (Arcuri & Fernícola, 2003).

13É interessante perceber que os elementos classificados como metais estão, de alguma forma, interligados nas funções fisiológicas, que cumprem em nosso organismo. Para metais como o Fe e Zn sua absorção é influenciada pelo estado preexistente e, como no caso do Zn é absorvido mais facilmente a partir de suplementos líquidos do que de dietas sólidas (Sandström & Sandberg, 1989).

14Os antagonistas são os elementos que restringem e sinergistas os que promovem a absorção, utilização ou retenção de elementos traço em humanos. Como exemplos temos que os altos teores de Fe e Zn promovem altas ingestões de proteínas. Altas ingestões de fitato (principal forma de fósforo nos grãos de cereais e leguminosas) com Ca restringem a absorção de Pb, e baixas ingestões de Fe, Ca e P promovem a absorção de Pb (OMS, 1998).

15A ingestão de alimentos tem sido uma das principais portas de entrada de novas substâncias químicas, pois sofre influência direta do solo que a mantêm e da água que a irriga.

16As variáveis que influenciam, direta ou indiretamente, os solos advêm da sua composição geoquímica, que, dependendo da acidez ou alcalinidade, da irrigação, da industrialização ou urbanização, podem afetar acentuadamente a captação de elementos específicos. Por exemplo, a lixiviação dos solos ácidos arenosos com pouca matéria orgânica reduz a disponibilidade de zinco. Por outro lado, a alta acidez do solo potencializa a captação de alumínio e ferro pela plantação (Bowie & Thornton, 1984; Sillanpää, 1982 e 1990 in OMS, 1998).

17A água potável é responsável por algo entre 2 a 20% da ingestão dos elementos traço. A idade, ocupação, temperatura ambiental, perspiração e hábitos alimentares, todos determinam a ingestão de água e, consequentemente, podem influenciar acentuadamente as ingestões de vários metais, entre eles o zinco (OMS, 1993; National Research Council, 1980).

18Os conteúdos de alumínio e ferro de muitas plantações de alimentos básicos são aumentados pelas condições ácidas dos solos alagados. Há evidências também que as toxicoses de zinco resultam do consumo de água muito ácida, contaminada por zinco de tanques galvanizados (Fox, 1989; in OMS, 1998).

19Desta forma, a análise da distribuição espacial das doenças possibilita determinar padrões da situação de saúde de uma área, mostrar disparidades espaciais e delimitar áreas de risco (Pina & Santos, 2000).

20Portanto, por meio do método de análise da Geografia da Saúde, balizado pela caracterização hidrogeoquímica das águas superficiais da bacia hidrográfica do Ribeirão Lindóia (BRL), este trabalho pondera sobre os riscos ambientais para a saúde humana, provocada por possíveis desequilíbrios hidrogeoquímicos neste domínio natural e tem como objetivo caracterizar possíveis padrões de anomalias na distribuição geográfica dos dados de saúde da Bacia Hidrográfica do Ribeirão Lindóia, Município de Londrina/Pr.

Localização Geográfica da Área de Estudo

21A Bacia Hidrográfica do Ribeirão Lindóia é classificada segundo Strahler (1986), como uma bacia de terceira ordem, componente da Bacia Hidrográfica do Rio Tibagi e este por sua vez pertence, no contexto nacional, à Bacia Hidrográfica do Rio Paraná. Localizada na porção norte da Cidade de Londrina, apresenta como limites as coordenadas UTM S – 7421509,66/7428908,13 e W – 476337,69/494386,07.

22Ocupando 44.463,50m2, está em uma área predominantemente urbana onde as principais vias de acesso estão representadas ao Norte pelo Espigão da Av: Saul Elkind; a Oeste com a BR 369 e o Município de Cambé; a Leste, adentra a porção oeste do Município de Ibiporã e, ao Sul, limita-se pelo espigão central da cidade (Av: Tiradentes/R: Quintino Bocaiúva) [Fig. I].

Figura I – Área abrangida pela Bacia Hidrográfica do Ribeirão Lindóia destacando a rede urbana, viária e hidrográfica.

Figura I – Área abrangida pela Bacia Hidrográfica do Ribeirão Lindóia destacando a rede urbana, viária e hidrográfica.

Caracterização socioeconômica do Município e Zona Norte de Londrina-Pr

23Na Região Metropolitana de Londrina, a população estimada é de 728.120 habitantes, destes 474.157 moram na sede. A dimensão que mais contribuiu para o crescimento do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) foi a Educação, com 45,1%, seguida pela Longevidade, com 27,4% e pela Renda, com 27,4% (PML, 2004). Segundo a classificação do PNUD, Londrina está entre as regiões consideradas de alto desenvolvimento humano (PNUD, 2003).

24Em contrapartida, a região compreendida pelos conjuntos habitacionais, construídos pela Companhia de Habitação na década de 1970, apresentam-se sem a maior parte dos serviços urbanos, exceção feita a Avenida Saul Elkind e entorno.

25Caracterizados pela distância da área central da cidade (média 15 Km), alguns ainda hoje não dispõem de rede de captação de esgoto, asfalto, escolas, malha viária, telefones públicos e transporte urbano, entre outros serviços básicos necessários, pois houve um crescimento urbano acentuado sem o necessário planejamento do Estado, já que primeiramente os conjuntos habitacionais foram construídos e, somente depois, dotados de infraestrutura básica, implantadas nos oportunos períodos eleitorais (Martins, 2007).

26Assim, a população estimada da Zona Norte de Londrina totaliza 153.000 habitantes (PML, 2004), sendo que somente a região dos cinco conjuntos que dispunha de 3792 moradias (Maria Cecília, João Paz e Aquiles Stenghel), de acordo com sua área de abrangência, atende uma população de aproximadamente 48.407 pessoas nas suas UBS´s (PML, 2008).

27Estes números tornam-se ainda mais significativos quando somadas a população de abrangência das UBS´s da BRL, pois atingem a uma população estimada de 187.799 (PML, 2008).

28Segundo Carvalho e Zequim (2003), em seu estudo sobre doenças infecto-contagiosas, em Londrina, existe uma relação muito forte entre o aumento nos agravos de saúde e o crescimento desordenado da população, principalmente nas ocupações irregulares (fundos de vale). Estas são favorecidas pelo déficit de moradias, de serviços de infraestrutura, má distribuição de renda, desemprego e violência, parcos investimento em saneamento básico e saúde pública, entre outros.

29Para demonstrar o fenômeno, organiza-se mapas sobre as microáreas de risco e de alerta do município considerando como mais problemáticas localizadas na Bacia Hidrográfica do Ribeirão Lindóia (Favela Quati, Vila Marízia, João Turquino, Campos Verdes, Maracanã I e II, Londrinville, Santa Fé, Monte Cristo, Rosa Branca, fundos de vale dos conjuntos habitacionais, as margens dos ribeirões Quati, Lidóia e Jacutinga e seus afluentes).

30Destaca ainda que, segundo as informações contidas no Cadastro do Sistema Único de Saúde (2001), realizado pela Secretaria Municipal de Londrina, referente às áreas de rico social da BRL, tratam-se de espaços de grande densidade demográfica (aproximadamente cinco habitantes por domicílio), se comparados à densidade demográfica geral da cidade (três, quatro habitantes por domicílio).

31Também o Plano Municipal de Saúde do Município de Londrina (2008-2011), caracterizando as condições de vida da população londrinense, destaca-se que há pelo menos 65 bolsões de pobreza na cidade e que, nesses locais, vivem aproximadamente 9.439 famílias, algo em torno de 47 mil pessoas, praticamente 10% da população da cidade.

32A situação mais complicada, no entanto, é a das 8.730 pessoas que residem em ocupações irregulares. Das 33 áreas, 63% das moradias pertencem a fundos de vale que, por serem áreas de preservação permanente não podem ser regularizadas, embora contem com fornecimento de água e luz. Para isso, organiza um quadro com os Locais de Maior Concentração de Famílias em Situação de Risco (p.17) com os dados da COHAB-LD.

33E, quando confrontados com a área de abrangência da Bacia Hidrográfica do Ribeirão Lindóia (BRL) e com o trabalho de Carvalho e Zequim 2003 a cerca de doenças infecto-contagiosas e carências habitacionais, observa-se que 39,66% dessa população ou 18.640 pessoas encontram-se na área de estudo, confirmando os apontamentos deste estudo.

34Ainda, quando refere-se às Ocupações Irregulares em Áreas Particulares e as Ocupações Irregulares em todo Município em Dez/2006 (p.17 e 18) fica mais evidente o número de famílias e de atores sociais que integram esee quadro que atuam na BRL.

35Portanto, o quadro de carência em que se encontram as condições de saúde da população londrinense, principalmente da região Norte, demonstra a ausência do Estado e apresentam reflexos também nas anomalias hidrogeoquímicas da BRL, que estão distribuídos com menor ou maior grau de intensidade, em toda bacia, apresentando concentrações anormais de elementos nocivos à saúde humana, vegetal e animal.

Caracterização das Unidades Básicas de Saúde (UBS’s) da BRL

36No Plano Municipal de Saúde (PMS) de Londrina (2008-11), fica evidente a grave situação em que se encontra a saúde na área da BRL, pois quando se refere aos hospitais da cidade, no ano de 2007, verifica-se que, dos 21 hospitais com 1642 leitos, a região conta com apenas 56. Todos do Sistema SUS, excluindo-se os 151 Leitos da Unidade de Terapia Intensiva e Cuidados Intermediários.

37Em uma perspectiva histórica, no início do processo de ocupação da cidade de Londrina, mostra-se que a única infraestrutura que havia ocorreu com o funcionamento do escritório de vendas da CTNP (Companhia de Terras Norte do Paraná). As chácaras planejadas para o papel de “cinturão verde”, fora da área urbana, se transformaram-se em loteamentos, sem infraestrutura, fato que desencadeou diferentes problemas de saúde para população (Prandini, 1952 apud Carvalho, 2006).

38Ainda, de acordo com o PMS de Londrina (2008-11) a atenção básica na assistência à saúde em Londrina, está estruturada a partir das equipes de saúde da família distribuídas nas 52 unidades básicas de saúde (UBS), sendo 13 zona rural e as demais na área urbana. Sua implantação se deu em função da construção dos Conjuntos Habitacionais, priorizando regiões e agrupamentos populacionais de maior vulnerabilidade social.

39A BRL está compreendida na região geográfica da 17ª (Décima Sétima) Regional de Saúde de Londrina. As 18 unidades de saúde pesquisadas são: Parigot, Vivi Xavier, Chefe Newton, Guimarães/Paraty, Maria Cecília, João Paz, Aquiles Stenghel, Santiago, Carnascialli, Imagawa/Cabo Frio (Pe. Pedro Jorda Sureda), Jardim do Sol, Vila Nova, Milton Gavetti, CSU, Vila Casoni, Novo Amparo, Mister Thomas, Lindóia. Para melhor compreender os riscos e agravos à saúde da população da área em questão, sugere-se a leitura de Araujo (2006) e Carvalho e Zequim (2003).

Metodologia

40Para elaboração da vetorização cartográfica e georeferenciamento foram utilizados os softwares AutoCad 2006 e Surfer 8.0 e a Carta topográfica Londrina, Folha SF.22–Y–D–III–4. MI–2758/4, na escala 1:50000, ano 1997, do Ministério do Exército e a Carta topográfica de Sertanópolis, Folha SF.22–Y–D–III–2. MI–2758/2, na escala 1:50000, ano 1991, do IBGE. Ambas de orientação “SAD69 Datum, UTM Zona 22 Sul, 54d à 48d Oeste”.

41No que tange às possíveis relações entre a saúde da população da área de estudo, foram coletadas informações junto ao Sistema Datasus e Órgão de Gerenciamento de Saúde, com a solicitação de informações a cerca de Doenças Diagnosticadas na BRL, no período de 2000 a 2005, no Município de Londrina-Pr.

42Na caracterização hidrogeoquímica (trocas iônicas entre elementos químicos selecionados presentes nas águas) da bacia hidrográfica e avaliação do risco ambiental para a saúde humana foram mensurados parâmetros  hidrogeoquímicos por meio do uso do ICP-AES – Espectrometria de Emissão Atômica com Plasma de Argônio Indutivamente Acoplado e da AAS – Espectrometria de Absorção Atômica (Araujo, 2006).

43Os resultados foram aplicados em um Sistema de Informação Geográfica – SIG para análise espacial de dados regionalizados, ao qual foi utilizado o software Surfer 8.0, que trabalha com o método geoestatístico de Krigagem Ordinária, como padrão de análise.

44No desenvolvimento dos dados relativos à caracterização sócioeconômica e da saúde da população da BRL, foi utilizado o software Philcarto 5.0. Trata-se de um software de Cartografia Temática, desenvolvido na França pelo Geógrafo francês Philippe Waniez, sendo disponibilizado gratuitamente na Internet através do endereço: http://philcarto.free.fr/​

45A base cartográfica, utilizada neste software, foi adaptada de um mapa da cidade de Londrina – Pr e organizada no programa Adobe Illustrator10, com as divisões das áreas censitárias (IMAP&P/MAB/RSA in Barros et alii, 2005), transformadas em áreas de influência das (UBS’s) Unidades Básicas de Saúde na BRL (Geoprocessamento/DIS/MAS/PML,2004).

46As tabelas, gráficos e mapas, alguns dados das UBS’s foram aglutinados, obedecendo ao critério de proximidade, outros sobrepostos e também desagregados. E ainda, para melhor compreensão do universo de análise, foi calculada a incidência por 100.000 habitantes, utilizando-se a seguinte fórmula:

T.I =

N° de casos novos de uma doença em um local e período  

x 105

População do mesmo local e período

47A taxa de incidência (TI) é o número de casos novos de uma doença em um dado local e período, relativo a uma população exposta, que reflete a intensidade com que acontece uma doença em uma população, medindo a freqüência ou probabilidade de ocorrência de casos novos (CBVE, 2005).

48Para estabelecer as (co)relações entre Geografia da Saúde e Hidrogeoquímica da área de estudo buscou-se demonstrar através da urbanização associada a um modelo econômico excludente e desigual, que o espaço geográfico é o espaço social, é a natureza modificada pelo homem através de seu trabalho, e que este tem exposto à sociedade a riscos de saúde.

Resultados e Discussões

49Mesmo com a melhora dos indicadores econômicos da população brasileira e de Londrina na última década, no que diz respeito à implantação de saneamento básico, atendimento hospitalar, rede de esgoto, condições de saúde e salubridade, entre outros, percebe-se que esses serviços não têm atendido a todos os cidadãos, principalmente os com baixas condições socioeconômicas, como muitos dos habitantes da área em questão.

50Ainda, sabendo que as variáveis, que influenciam os solos e as águas, advêm da sua composição geoquímica e que, dependendo da urbanização, podem afetar acentuadamente a captação de elementos específicos, percebe-se, pelos agravos de saúde da BRL que, entre outras coisas, os mais pobres utilizam-se de hortas comunitárias irrigadas pelas águas do ribeirão.

51Desta forma, são ampliadas a disponibilidade de Al, Fe e Cu e reduzidas a de Zn nas diferentes plantações de alimentos básicos, pelas condições ácidas dos solos e das águas (Bowie & Thornton, 1984; Sillanpää, 1982 e 1990 in OMS, 1998; Rattner & Heath, 2002). Assim, alterações no Fe, Cu e Zn, por exemplo, induzem as pessoas mais suscetíveis a contrair doenças, principalmente, as disseminadas pela água e pelos solos, como é o caso das moléstias em estudo.

52Cabe ainda lembrar que, os sais de Al utilizados abundantemente no tratamento da água, aditivos e conservantes de alimentos, estão relacionados a danos na função renal e cerebral do mal de Alzheimer (Fuge, 2005; OMS, 1998; ATSDR, 2005; Scarpelli, 2003).

53Os danos provocados ao ser humano pelo elemento químico Fe, advindo principalmente do processo industrial de metalurgia, relacionam-se ao fígado e baço (Figueiredo, 2000; Vaz & Lima, 2003).

54Os altos níveis de PO, originados de produtos farmacêuticos, alimentícios, fertilizantes e detergentes estão relacionados a disfunções renais, raquitismo e osteomalcia (Scarpelli, 2003; Combs Jr, 2005).

55Teores elevados de K, disponibilizados artificialmente por fertilizantes e células fotoelétricas, estão relacionados a fadiga, arritmia cardíaca, paralisia muscular e diarréia (Santos, 1997; Combs Jr, 2005) .

56O Si, derivado da produção de ligas metálicas, silicones para medicina, indústria eletrônica e microeletrônica, quando presentes em altas concentrações produz deformidades do esqueleto e ossos periféricos (OMS, 1998).

57O elemento Na, disponibilizado pelas indústrias alimentícias, químicas e metalúrgicas, quando em excesso, é prejudicial aos hipertensos, provocando câimbras musculares, dor de cabeça, falta de apetite e principalmente fadiga (Mineropar, 2001; Combs Jr, 2005).

58O Zn, relacionado a materiais para galvanização, produção do latão, desinfetantes para medicina e ligas metálicas, quando em excesso influencia na absorção do Cu, baixa a imunidade, reduz o colesterol HDL, provoca vômito, febre, diarréia e letargia (OMS, 1998; Figueiredo, 2000; Vaz & Lima, 2003; Combs Jr, 2005).

59Nesse contexto, a qualidade da água refletirá diretamente na saúde da população, pois nos locais onde se observam precárias condições de urbanização, habitação e de saneamento básico a qualidade tem registros sofríveis e os índices de doenças de veiculação hídrica, são altíssimos.

Dengue

60Segundo a Organização Mundial da Saúde a dengue é um dos principais problemas de saúde pública no mundo; estima-se que entre 50 a 100 milhões de pessoas se infectem anualmente, em mais de 100 países, em todos os continentes, exceto a Europa. Cerca de 550 mil doentes necessitam de hospitalização e 20 mil morrem em conseqüência da dengue (Ministério da Saúde, 2005).

61Portanto, esse problema não se manifesta somente no território nacional, mas, principalmente, nos países de clima quente e úmido, preferencialmente nas regiões urbanas com condições precárias de saneamento, onde o mosquito tem sua multiplicação garantida.

62No Brasil, os primeiros casos relatados de dengue, baseados em critérios clínicos, foram em Niterói (RJ), em 1923. Houve erradicação nos anos 1950 e posterior reaparecimento, no Rio de Janeiro, em 1986. Na Região Sul, na cidade de Londrina, em 2003, os casos superaram os números de casos notificados de dengue de todo estado (Osanai, 1984 in Pontes & Ruffino-Netto, 1994; Secretaria de Estado da Saúde, 2003).

63Observando o mapa acerca dos Atendimentos dos casos de Dengue nas UBS’s da BRL (Figura II), pode-se constatar que o ano de 2000 apresenta os menores números de atendimentos e a menor incidência por 100.000 habitantes 48 (11/100.000), o ano de 2001 apresenta 123 (27/100.000), o ano de 2002 mostra 815 (175/100.000), o ano de 2003 apresenta os impressionantes 4263 casos (898/100.000), regredindo no ano de 2004 para 615 (128/100.000). Observando-se que os casos da BRL em 2003 perfazem 36% de toda cidade de Londrina.

64A média, por ano, foi de 1174 ou 3 atendimentos por dia. Entretanto, o fato que mais se destaca é o de que, nas UBS’s da região dos Cinco Conjuntos (Maria Cecília, João Paz e Aquiles Stenghel), os números são alarmantes, com uma média diária de 12 atendimentos, 4x (quatro vezes) maior do que o de outras UBS’s da BRL. Aproximadamente 15% dos casos de todo Município.

65Segundo a Secretaria de Vigilância em Saúde (2006), no ano de 2003, o município de Londrina atravessou uma epidemia da doença, que teve seu início em outubro de 2002, quando foi detectado surto em assentamento localizado na região leste. Neste período, foram notificados 11.979 (2.525/100.000) casos suspeitos de dengue com confirmação de 5.859 casos (Prefeitura Municipal de Londrina, 2005).

66Assim, percebe-se que há uma distribuição regular das áreas de ocorrência da dengue pela bacia (fig. II), com destaque para as de maior carência socioeconômica, caracterizada pela inexistência de esgoto nas residências e alta concentração de pessoas como é o caso das UBS’s da região dos Cinco Conjuntos (Maria Cecília, João Paz e Aquiles Stenghel) e da UBS’s do Centro Social Urbano e Vila Casoni, que também apresentam péssima qualidade da água, com acúmulo significativo de lixo em toda extensão do curso d’água nestes locais.

Figura 2 - Atendimentos das UBS’ da BRL para dengue, em destaque o ano de 2003 (PML, 2005).

Figura 2 - Atendimentos das UBS’ da BRL para dengue, em destaque o ano de 2003 (PML, 2005).

Hepatite Viral

67A hepatite é a inflamação do fígado por qualquer causa. Comumente, a hepatite é decorrente da ação de um vírus, sobretudo de um dos cinco vírus da hepatite (A, B, C, D ou E). Menos comum, a hepatite é advinda de infecções virais (p.ex., mononucleose infecciosa, febre amarela e infecção por citomegalovírus). A hepatite pode ser aguda (duração inferior a 6 meses) ou crônica. Ela é comum em todo o mundo (Merck, 2006). No Brasil, o Ministério da Saúde estima que pelo menos 70% da população teve contato com o vírus da hepatite A e 15% com o vírus da hepatite B. Em Londrina, observou-se que, em relação aos casos de hepatite A, assinalaram-se casos em diversas faixas etárias, porém com predomínio em crianças entre 5 e 9 anos e, para hepatite B, houve concentração nas faixas etárias acima de 20 anos (Prefeitura Municipal de Londrina, 2005).

68Observando o mapa a cerca dos Atendimentos dos casos de Hepatite viral nas UBS’s da BRL (Figura III), pode-se constatar que, em 2004 o número de atendimentos foi menor 57 (12/100.000), e maior em 2000 com 200 (45/100.000). No ano de 2001 apresentaram-se 143 casos (31/100.000), o ano de 2002 apresentaram-se 67 (14/100.000), e em 2003, foram 82, sendo que a média por ano foi de 110, ou seja, 01 (um) atendimento a cada 04 (quatro) dias.

69No entanto, o fato que mais chama atenção é o de que nas UBS’s da região dos Cinco Conjuntos (Maria Cecília, João Paz e Aquiles Stenghel) os números são mais elevados que as outras regiões da BRL, com uma média anual de 29 atendimentos, ou seja, 01 (um) atendimento a cada 15 (quinze) dias, indicando, um movimento seis vezes maior que a média.

70Segundo a Secretaria de Saúde, no ano de 2003, foram registrados 116 casos, sendo 60 casos de Hepatite B e 57 casos de Hepatite C (Prefeitura Municipal de Londrina, 2005). Isso significa dizer que, no ano de 2003, os casos da BRL perfazem um total de 71% do município, e a região dos Cinco Conjuntos, 21%.

71Portanto, percebe-se, da mesma forma, que com a Dengue, há uma distribuição regular como nas áreas de ocorrência da Hepatite Viral pela bacia (fig. III), com destaque para aquelas de carência socioeconômica como é o caso das UBS’s da região dos Cinco Conjuntos (Maria Cecília, João Paz e Aquiles Stenghel) e da UBS’s do Leonor, Centro Social Urbano e Vila Casoni, que também apresentam péssima qualidade da água, com acúmulo significativo de lixo em toda extensão do curso d’água nestes locais.

Figura 3 - Atendimentos das UBS’ da BRL para Hepatite viraL, em destaque o ano de 2000 (PML, 2005).

Figura 3 - Atendimentos das UBS’ da BRL para Hepatite viraL, em destaque o ano de 2000 (PML, 2005).

Meningite

72Doença grave do sistema nervoso central, a meningite pode ser causada por inúmeros agentes, desde o Streptococcus pneumoniae (pneumococo causador da pneumonia) até o Leptospira (bactéria causadora da leptospirose), mas os mais relevantes são o Neisseria Meningitidis (meningococo) e o Mycobacterium tuberculosis (bacilo da tuberculose), destacando que também podem ser causadas por vírus. Geralmente acomete crianças ou idosos e, em algumas situações, pode surgir como conseqüência de infecções do trato respiratório superior. É tratada com antibióticos e previne-se com vacinação (Fiocruz, 2004).

73As meningites têm distribuição mundial e sua expressão epidemiológica varia de região para região, dependendo principalmente da existência de aglomerados populacionais, fatores climáticos, (as meningites bacterianas têm maior incidência nos períodos de inverno e as virais, no período de verão), agentes virulentos, falta de acesso e infraestrutura adequada de serviços de saúde. Em Londrina, no ano de 2003, a incidência da doença meningocócica foi de 1,49/100.000 hab., e a incidência de meningite pneumocócica foi de 1,28/100.000 hab, com diminuição da incidência dos casos. Houve também uma queda do número de casos de meningites virais, em relação ao ano anterior. Em 2002, foi constatada a circulação de enterovírus, comprovada laboratorialmente e feitas orientações para prevenção (Prefeitura Municipal de Londrina, 2005).

74Observando o mapa relativo a Atendimentos dos casos de Meningite nas UBS’s da BRL (Figura IV) pode-se constatar que o ano de 2000 foi o de menor número de casos 57 (13/100.000), e o maior foi o ano de 2002 com 140 (30/100.000). O ano de 2001 apresentou 91 (20/100.000), o ano de 2003 apresentou 115 (24/100.000), e, em 2004, foram 108 (22/100.000), sendo que a média por ano restou em 102, ou seja, 01 (um) atendimento a cada 04 (quatro) dias.

75No entanto, o fato que mais chama atenção é o de que nas UBS’s da região dos Cinco Conjuntos (Maria Cecília, João Paz e Aquiles Stenghel), os números são mais elevados que das outras regiões da BRL, com uma média anual de 28 atendimentos, ou seja, 01 (um) atendimento a cada 15 (quinze) dias, indicando um movimento 6x (seis vezes) maior que a média.

76Segundo dados da Secretaria de Saúde em 2003, no Município, foram registrados 269 casos, destes 115 foram da área da BRL, que corresponde a 43% e da região dos Cinco Conjuntos 36 casos, que corresponde a 13%.

77Portanto, percebe-se, da mesma forma que a Dengue e a Hepatite Viral que a meningite e sua expressão epidemiológica estão relacionadas à existência de aglomerados populacionais, fatores climáticos, agentes virulentos e falta de acesso de infraestrutura adequada de serviços de saúde.

78Destaca-se ainda que há uma distribuição regular com maior número de ocorrências da Meningite pela bacia (fig. IV), com destaque para aquelas de carência socioeconômica como é o caso das UBS’s da região dos Cinco Conjuntos (Maria Cecília, João Paz e Aquiles Stenghel) e da UBS’s Parigot de Souza, Carnascialli, Vila Casoni e Lindóia, que também apresentam péssima qualidade da água, com acúmulo significativo de lixo em toda extensão do curso d’água nestes locais.

Figura IV - Atendimentos das UBS’ da BRL para meningite, em destaque o ano de 2002 (PML, 2005).

Figura IV - Atendimentos das UBS’ da BRL para meningite, em destaque o ano de 2002 (PML, 2005).

79De acordo com o exposto, nota-se que as doenças de veiculação hídrica como a Dengue, a Meningite e a Hepatite Viral, estão distribuídas espacialmente por toda cidade de Londrina, especialmente nos fundos de vale conforme observado nos trabalhos de Carvalho e Zequim (2003), Araujo (2006), PMS (2008-11).

80Contudo, cabe ressaltar que, mesmo não existindo uma correlação profícua entre doenças de veiculação hídrica e anomalias hidrogeoquímicas (Figura V) encontram-se nestas mesmas áreas anomalias relacionadas ao Zinco (Zn2+), Potássio (K+), Sódio (Na+), Ferro (Fe3+), Silício (SiO4-4), Alumínio (Al3+) e Fosfato (PO3-4 ), fato também observado e descrito com mais detalhes em Araujo (2006).

Figura V – Destaque para os teores de Fe3+ cujas concentrações médias da BRL foram de 0,24 mg/L  (ARAUJO, 2006).

Figura V – Destaque para os teores de Fe3+ cujas concentrações médias da BRL foram de 0,24 mg/L  (ARAUJO, 2006).

Considerações Finais

81Com o objetivo de caracterizar a distribuição geográfica dos dados de saúde da Bacia Hidrográfica do Ribeirão Lindóia, Município de Londrina/PR, correlacionando aos possíveis padrões de anomalias hidrogeoquímicas verifica-se que as concentrações de SiO4-4, Fe3+, Zn2+, PO3-4, Al3+, Na+ e K+ caracterizam um forte indicativo de danos a saúde pública, haja vista a sua relação com a ocorrência de doenças de veiculação hídrica, como a dengue, hepatite e a meningite.

82As correlações entre hidrogeoquímica e doenças de veiculação hídrica não estão visíveis no primeiro plano, mas devem ser observadas à luz dos números das manifestações de doenças notificadas nas UBS’s, onde as alterações no Fe, Cu e Zn (imunomodulares) induzem as pessoas mais suscetíveis a contrair doenças, principalmente, as disseminadas pelas condições ácidas das águas e dos solos.

83Cabe lembrar ainda que os sais de Al, utilizados principalmente no tratamento da água e do PO, estão relacionados a prejuízos da função renal, ao equilíbrio eletrolítico, influenciando a absorção dos minerais pelo organismo, principalmente do Na e K. Os prejuízos provocados pelo Fe relacionam-se ao fígado e baço. Enquanto o Zn influencia na absorção do Cu baixando a imunidade e reduzindo o colesterol HDL.

84Desta forma, os íons destes elementos químicos acabam de forma direta e indireta, provocando distúrbios aos organismos humanos que se manifestarão por meio de doenças de veiculação hídrica, destacadas em primeiro plano.

85Assim, aparentemente, a disseminação da Dengue e da Meningite relacionam-se diretamente à carência socioeconômica, grandes adensamentos populacionais, falta de saneamento básico e deficiências de Fe, Cu e Zn, principalmente. Para a Hepatite, percebe-se uma estreita relação com anomalias nos teores de Al, PO, Na e K.

86Portanto, existem riscos ambientais (relação toxicidade x exposição) para a saúde humana e animal na área da BRL, embora a assimilação de metais pelos organismos vivos e pelo homem aconteça de forma gradual, dependendo do tempo de exposição e da condição de saúde das pessoas expostas.  

Ao Laboratório de Geoquímica da UNESP de Rio Claro (SP), e ao suporte financeiro propiciado pela Fundação Araucária do Estado do Paraná através do projeto 1392/2004.

Haut de page

Bibliographie

Araujo Paulo Rogério, Interação hidrogeoquímica e geografia da saúde na bacia hidrográfica do Ribeirão Lindóia, zona norte de Londrina, (Dissertação de Mestrado), Mestrado em Geografia Física, Centro de Ciências Exatas, Universidade Estadual de Londrina, Pr. Londrina, 2006.

Araujo Paulo Rogério e Pinese José Paulo Peccinini, “Geoambientes, Elementos Químicos e Saúde Humana”, In H. Yamaki, J.P.P. Pinese, A.Y. Asari, M.V. Barros (Org.), Geografia e Meio Ambiente: reflexões e proposições, 1 ed., Londrina, Midiograf II, v. 1, (p. 131 a 162), 2006.

Arcuri A.S.A., Fernícola N.A.G.G., “Riscos ao meio ambiente e acidentes relatados”, In F.A. Azevedo, A.A.M. Chasin, Metais: gerenciamento da toxicidade, Editora Atheneu, SP, 2003.

ATSDR – Aluminum. Agency for Toxic Substances and Disease Registry. Department of Health and Human Services, Public Health Service. Division of Toxicology and Environmental Medicine, September 2005. Disponível em: http://www.atsdr.cdc.gov/, acessado em 02/06/06.

Azevedo Fausto Antonio, Chasin, Alice A. da Matta, Metais: Gerenciamento da toxicidade, São Paulo, Editora Atheneu, 2003.

Barros Mirian Vizintini F, Archela Rosely Sampaio, Barros Omar Neto Ferandes, Théry Herve, Mello Neli Aparecida, Gratão Lúcia Helena Batista, Atlas urbano ambiental de Londrina, 2005. (on-line).

Bowie S. H. U., Thornton I. (eds.), Environmental geochemistry and healt. Dordrecht, Reidel, 1984. in OMS. – Elementos traço na nutrição e saúde humanas. Organização Mundial de Saúde; |tradução Andréa Favano, São Paulo, Roca, 1998.

Carvalho M. S., Zequim M. A., “Doenças infecto-contagiosas relacionadas as carências habitacionais na cidade de Londrina-Paraná”, Brasil, Scripta Nova, Revista electrónica de geografía y ciencias sociales; Barcelona, Universidad de Barcelona, 1 de agosto de 2003, vol. VII, núm. 146(113).

Castro Josué de, Geografia da Fome, 6ª. Ed., Editora Brasiliense, São Paulo, 1959.

CBVE – Medidas em Saúde Coletiva e Método Epidemiológico. Curso Básico de Vigilância Epidemiológica, 2005. (Módulo III, p.1-49).

Combs Jr G.F., “Geological impacts on nutrition”, in O. Selinus, B. Alloway, J.A. Centeno, R.B. Finkelman, R. Fuge, U. Lindh, P. Smedley, Essentials of Medical Geology: Impacts of the natural environment on public health, Elsevier Ademic Press, Califórnia, USA, 2005.

Figueiredo Bernardino Ribeiro, Minérios e Ambiente, Campinas SP, Editora da Unicamp, 2000.

Fiocruz, Meningites, Agência Fiocruz de Notícias, Saúde para todos. Jun/2004.

Fox M. R. S., “Zinc excess”, in C. F. Mills (ed.), Zinc in human biology, London, Springer, 1989: 365-370. in OMS. – Elementos traço na nutrição e saúde humanas. Organização Mundial de Saúde; |tradução Andréa Favano|. São Paulo: Roca, 1998.

Fuge R., “Antropogenic sources”, in O. Selinus, B. Alloway, J.A. Centeno, R.B. Finkelman, R. Fuge, U. Lindh, P. Smedley, Essentials of Medical Geology: Impacts of the natural environment on public health, Elsevier Ademic Press, Califórnia, USA, 2005.

Lacaz Carlos da Silva., “História da Medicina Tropical”, in Sérgio Cimerman, Benjamin Cimerman (ed), Medicina Tropical, São Paulo, Editora Atheneu, 2003.

Lemos Jureth Couto e Lima Samuel do Carmo, “A geografia médica e as doenças infecto-parasitárias”, Revista On Line – Caminhos da Geografia 3(6), jun/2002.

Martins Victor Hugo Teixeira, Habitação, infra-estrutura e serviços públicos: conjuntos habitacionais e suas temporalidades em Londrina-Pr, Londrina, (Dissertação de Mestrado) Mestrado em Geografia Humana, Centro de Ciências Exatas, Universidade Estadual de Londrina, 2007.

Martins Jr José Carlos Gomes e Pinese José Paulo Peccinini, “Meio ambiente e saúde coletiva: abordagens em geologia médica”, In M. S. Carvalho (org.), Geografia, meio ambiente e desenvolvimento, Londrina: [s.e.], 2003.

Meade Melinda S. e Earickson Robert J., Medical Geography, 2nd Ed, The Guilford Press, New York, 2005.

Merck Sharp e Dohme – Brasil, Hepatite, Manual Merck - Saúde para Família, 2006. Seção 10 – Distúrbios do fígado e da vesícula biliar. Cap.118. Disponível em: http://www.msd-brazil.com/msd43/m_manual/mm_sec10_118.htm, acesso, 02/06/06.

Mineraisdo Paraná S.A., Atlas geoquímico do Estado do Paraná. Curitiba: MINEROPAR, 2001.

Ministério da Saúde, Programa Nacional de Controle da Dengue. 2005.

National Research Council, “Safe Drinking Water Committee. The contribution of drinking water to mineral nutrition humans”, In Drinking water and health, Vol. 3, Washington, DC, National Academy Press, 1980, Chapter 5. in OMS. – Elementos traço na nutrição e saúde humanas. Organização Mundial de Saúde; |tradução Andréa Favano|. São Paulo: Roca, 1998.

OMS, Elementos traço na nutrição e saúde humanas. Organização Mundial de Saúde; tradução Andréa Favano. São Paulo: Roca, 1998. (Preparado em colaboração com a Organização de Alimentação e Agricultura das Nações Unidas [FAO] e Agência Internacional de Energia Atômica [IAEA]. Título original: Trace elements in human nutrition and health).

OMS, Guidelines for drinking-water quality, 2nd ad. Volume 1. Recommendations. Volume 2. Health criteria and other supporting information. Geneva, Wordl Healt Organization, Vol. 1, 1993; vol. 2 in press. in OMS. – Elementos traço na nutrição e saúde humanas. Organização Mundial de Saúde; tradução Andréa Favano, São Paulo: Roca, 1998.

Pinese José Paulo Peccinini e Martins Jr José Carlos Gomes, “Riscos ambientais geogenéticos na utilização da águas subterrâneas para o consumo humano sem análise geoquímica prévia”, In Márcia Siqueira de Carvalho (Org.), Geografia, meio ambiente e saúde em Londrina, Londrina, Edições Humanidades, 2005.

Pina M.F. e Santos S.M., Conceitos básicos de Sistemas de Informação Geográfica e Cartografia aplicados a Saúde, DIS/CICT/FIOCRUZ, Brasília: OPAS, 2000.

PML, Perfil Municipal de Londrina, Prefeitura Municipal de Londrina, 2004.

PML, Perfil Municipal de Londrina, Prefeitura Municipal de Londrina, 2008.

PML, Plano Municipal de Saúde de Londrina 2004/05, Prefeitura Municipal de Londrina, 2005.

PML, Plano Municipal de Saúde de Londrina 2008-11, Prefeitura Municipal de Londrina, 2008.

PNUD, Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, 2003.

Pontes Ricardo J.S. e Ruffino-Netto Antonio, Dengue em localidade urbana da região sudeste do Brasil: aspectos epidemiológicos. Rev. Saúde Pública, 1994. 28: 218-27.

Prandini N., Aspectos da Geografia Urbana de Londrina. Encontro Nacional de Geógrafos. Anais, vol. VI, p. 61 a 79, AGB, SP,1952. apud Márcia Siqueira Carvalho – Sem saúva e sem saúde: Doenças e mortes na Londrina Pioneira. (Documento mimeografado). Obra inédita, não publicada. Londrina, 2006; vol.1:1-36.

Rattner B.A. e Heath A.G., “Environmental factors affecting contaminant toxicity in aquatic and terrestrial vertebrates”, in D.J. Hoffman, B.A. Rattner, G.A. Burton Jr, J. Cairns Jr, Handbook of ecotoxicology, 2a. Edição, CRC Press LLc, 2002.

Sandström B., Sandberg A. S., “The effects of penta-and tetra-inositol phosphates on zinc absorption in humans”, FASEB journal, 1989, 3: 3090. in OMS. – Elementos traço na nutrição e saúde humanas. Organização Mundial de Saúde; |tradução Andréa Favano|. São Paulo, Roca, 1998.

Santos A.C., “Noções de hidroquímica”, In F.A.C. Feitosa, J.M. Filho (coord.), Hidrogeologia: conceitos e aplicações, Fortaleza, CPRM, LABHID-UFPE, 1997.

Scarpelli Wilson, “Introdução a Geologia Médica”, I FENAFEG, IGc da USP, 2003. Disponível em http://www.cprm.gov.br/pgagem/slides_pales.pdf, acessado em 20/06/2005.

Secretaria de Vigilância em Saúde, “Situação epidemiológica da dengue”, Boletim da Semana Epidemiológica n° 13. Janeiro a Março, 2006.

Sesa, Estatísticas de Saúde. Secretaria de Estado da Saúde do Paraná, 2003.

Selinus Olle, Alloway Brian, Centeno José A, Finkelman Robert B, Fuge Ron, Lindh Ulf, Smedley Pauline, Essentials of Medical Geology: Impacts of the natural environment on public health, Elsevier Ademic Press, Califórnia, USA, 2005.

Sillanpää M. (ed.), Micronutrients and the nutrient states of soils: a global study. Rome, Food and Agriculture Organization of the United Nations, 1982 (FAO Soils Bulletin 48) in OMS, Elementos traço na nutrição e saúde humanas, Organização Mundial de Saúde; tradução Andréa Favano, São Paulo: Roca, 1998.

Sillanpää M. (ed.), Micronutrient assessment at the country level. Rome, Food and Agriculture Organization of the United Nations, 1990 (FAO Soils Bulletin 63) in OMS, Elementos traço na nutrição e saúde humanas, Organização Mundial de Saúde; tradução Andréa Favano, São Paulo: Roca, 1998.

Silva Cássio Roberto, Figueiredo Bernardino Ribeiro, Capitani Eduardo Mello, Cunha Fernanda Gonçalves, “Geologia médica no Brasil”, In Geologia médica no Brasil: efeitos dos materiais e fatores geológicos na saúde humana, animal e meio ambiente, Rio de Janeiro, CPRM - Serviço Geológico do Brasil, 2006, p. 21-35.

Strahler Arthur N., Geografia Física. Traduzido por Ana Maria Guilló e José Francisco Albert, Ediciones Omega S/A, 8ª. Edição, Barcelona, 1986.

Vaz A. J. e Lima I. V., “Imunotoxicologia dos metais”, In F.A. Azevedo, A.A.M. Chasin, Metais: gerenciamento da toxicidade, Editora Atheneu, SP, 2003.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura I – Área abrangida pela Bacia Hidrográfica do Ribeirão Lindóia destacando a rede urbana, viária e hidrográfica.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8174/img-1.png
Fichier image/png, 215k
Titre Figura 2 - Atendimentos das UBS’ da BRL para dengue, em destaque o ano de 2003 (PML, 2005).
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8174/img-2.png
Fichier image/png, 182k
Titre Figura 3 - Atendimentos das UBS’ da BRL para Hepatite viraL, em destaque o ano de 2000 (PML, 2005).
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8174/img-3.png
Fichier image/png, 172k
Titre Figura IV - Atendimentos das UBS’ da BRL para meningite, em destaque o ano de 2002 (PML, 2005).
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8174/img-4.png
Fichier image/png, 180k
Titre Figura V – Destaque para os teores de Fe3+ cujas concentrações médias da BRL foram de 0,24 mg/L  (ARAUJO, 2006).
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8174/img-5.png
Fichier image/png, 210k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Paulo Rogério Araujo et José Paulo Peccinini Pinese, « Anomalias na distribuição geográfica dos dados de saúde da bacia hidrográfica do Ribeirão Lindóia, zona norte do município de Londrina/PR », Confins [En ligne], 17 | 2013, mis en ligne le 18 mars 2012, consulté le 26 mai 2017. URL : http://confins.revues.org/8174 ; DOI : 10.4000/confins.8174

Haut de page

Auteurs

Paulo Rogério Araujo

Prof. Ensino Fundamental e Médio, paulocorreio@yahoo.com.br

José Paulo Peccinini Pinese

Prof. Dr., Diretor do Centro de Ciências Exatas, Universidade Estadual de Londrina – UEL, pinese@uel.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org