Navigation – Plan du site

Integração regional, a região transfronteiriça da bacia do Rio da Prata e os projetos de infraestruturas de conexão

L’intégration régionale, la région transfrontalière du Rio de la Plata et les projets d’infrastructure de connexion
Regional integration, thecross-border regionoftheRiode la Plataandconnecting infrastructure projects
Aldomar A. Rückert et Circe I. Dietz

Résumés

L'article analyse le processus de l'intégration sud-américaine dans le cas spécifique du Mercosur et de la région transfrontalière de la Bassin du Fleuve de la Plata à partir de trois questions principales. Une macro-région transfrontalière est-elle, effectivement, en cours de construction dans le coeur géo-económique du Mercosur ? Quel sens certains de ses sous-espaces peuvent-ils acquérir dans ce scénario de changement ? Peut-on encore être optimiste quant à l'«ouverture» des frontières sud-américaines? La région a la chance d'avoir une certaine institutionnalité, cependant il n'y a pas d'initiative formelle conduisant à sa définition en tant que telle. Le rapprochement des distincts groupes sociaux à travers des lignes de frontière commence à témoigner d'un rôle plus actif des acteurs locaux et régionaux en faveur des thèmes liés à la coopération transfrontalière, comme le montre le cas du troisième pont international qui sera construit sur le fleuve Uruguai, entre l'État du Rio Grande do Sul et ou la province de Misiones ou Corrientes, Argentine. Une gouvernance émergente dans certains espaces transfrontaliers du coeur géo-économique du Mercosur est un nouvel aspect de l'aménagement du territoire des pays de la région.

Haut de page

Texte intégral

1A estrutura territorial clássica do Estado Moderno passa por grandes transformações dentre as quais merece destaque a relação entre o (s) centro(s) de poder e as regiões localizadas nas “bordas” dos territórios nacionais. Assim, este artigo tem por objetivo principal o de revisar e aprofundar a reflexão sobre o processo de transfronteirização na grande região transfronteiriça do rio da Prata entre o Brasil, Paraguai, Argentina e Uruguai.

2Neste cenário aborda-se o processo de integração sul-americana no caso específico do Mercosul e a região transfronteiriça da Bacia do Rio da Prata (ver Figura número 1) a partir de algumas questões norteadoras:

  • a) uma macrorregião transfronteiriça da Bacia do Prata estaria, efetivamente, em construção no núcleo geoeconômico do Mercosul?

  • b)qual o sentido que subespaços transfronteiriços podem adquirir neste cenário de mudanças?;

  • c) se ainda faz sentido observar as fronteiras sul-americanas com os referenciais da década de noventa quando havia grande otimismo em relação à “abertura” das fronteiras sul-americanas.

Figura nº 1. A macrorregião da Bacia do Prata entre Brasil, Argentina e Paraguai e algumas de suas cidades-gêmeas

Figura nº 1. A macrorregião da Bacia do Prata entre Brasil, Argentina e Paraguai e algumas de suas cidades-gêmeas

Organização: Camilo Pereira Carneiro Fº, 2012.

  • 1  Além de tratar-se de um artigo de síntese analítica, ele também resume três exposições públicas fe (...)

3Para obter respostas a estas questões norteadoras o artigo1 apresenta um esforço de síntese analítica através do método indutivo a partir de resultados de pesquisas anteriores desenvolvidas principalmente entre 2007 e 2012 que tiveram por objeto a macrorregião da Bacia do Prata em diversos aspectos bem como projetos de infraestrutura de conexão internacional da IIRSA.

4Na primeira parte do artigo apresenta-se se uma revisão da literatura corrente sobre regiões transfronteiriças e processos de transfronteirização (principalmente europeia) bem como sobre vários estudos de casos sul-americanos recentes. Na segunda parte apresenta-se dados e representações cartográficas de projetos da IIRSA localizados na fronteira binacional Brasil-Argentina em um recorte espacial intencional denominado de espaço sub-regional transfronteiriço: a Mesorregião Grande Fronteira Mercosul (GFM, Brasil) e o Nordeste Argentino (NEA) (Silva, Rückert, 2010).

5Na terceira parte do artigo apresenta-se uma visão de síntese de processos transfronteiriços extraídos dos resultados principais de pesquisa anterior com realização de pesquisas de campo (Dietz, 2008). Informações e análises sobre múltiplos atores locais e regionais fronteiriços são abordados ressaltando-se a emergência de uma governança multinível transfronteiriça entre o Brasil e a Argentina em torno de demandas de pontes e conexões físicas. A atuação de múltiplos atores em várias escalas está representada sob a forma de um corema de síntese. Na quarta e última parte apresenta-se alguns elementos analíticos sobre a especificidade das fronteiras tanto europeias quanto na região da Bacia do Prata considerando-se o cenário de relativo pessimismo reinante nestas regiões o que obriga a revisões sobre o cenário otimista que previa-se nos anos noventa.

Regiões transfronteiriças e o processo de transfronteirização

6Regiões transfronteiriças e o processo de transfronteirização são conceitos em construção o que reflete a tentativa teórico-metodológica de explicitar os atuais processos em curso em diferentes realidades macro e microrregionais. Isto, por sua vez, impõe análises diferenciadas em um universo com realidades fronteiriças muito particulares de inúmeros casos localizados em vários continentes. Ambos os conceitos podem ser entendidos como diferenciações territoriais – isto é, múltiplas formas territoriais emergentes nos cenários de reestruturações territoriais contemporâneas.

7A rigor, inexiste uma teoria geral sobre fronteiras em que pese vários estudos tradicionais e contribuições instigantes à questão das fronteiras como, por exemplo, as de Guichonet, Raffestin, 1974; Raffestin, 1986, 1993. Além disso, o conceito de região em suas diversas abordagens têm sido, via de regra, classicamente desenvolvido dentro de cenários territoriais nacionais. Observa-se que o conceito de região transfronteiriça tem sido utilizado de forma relativamente livre citando-se inúmeros casos de cooperações bi ou tri-nacionais, Euro-regiões transfronteiriças estudos de fluxos de pessoas e de mercadorias, etc.

8Ambos os conceitos – “regiões transfronteiriças” e o “processo de transfronteirização” – estão associados, por exemplo, a) a “formações regionais que se estendem por uma ou mais fronteiras nacionais” (Matias, 2007, p. 2); b) a processos de relativização da escala nacional e a emergência de várias escalas regionais (Jessop, 2004); c) às ligações, aos fluxos e aos atores que atravessam a fronteira, à conexão ou ainda à vontade política de criar a continuidade e a proximidade territorial (Renard, 2010); d) ao que acontece na fronteira quando a linha separadora não pretende mais bloquear as práticas e o sentimento de pertencimento (Amilhat-Szary; Fourny, 2006); e) ou como um conjunto de processos de aproveitamento e de valorização de uma fronteira, limite territorial que separa dois sistemas políticos, econômicos e/ou socioculturais (Guibert; Ligrone, 2006).

9Uma asserção geral adotada aqui é que o processo de transfronteirização na região da Bacia do Prata envolve, dentre várias dimensões de fluxos econômicos e populacionais, relações culturais, infraestruturas comuns e as institucionalidades interestatais, acordos bi, tri ou multilaterais em longos processos de construção que, por sua vez entrelaçam-se com escalas de múltiplos poderes e multi-governanças transfronteiriças entre atores que tem recursos muito diferentes entre si (Raffestin,1980; Massardier, 2003; Amillhat-Szary, 2010).

10Os usos políticos das regiões fronteiriças (lembrando que o capital é ágil, mas a política tende a ser lenta) estão mudando em processos de negociações multiescalares envolvendo os agentes ou policymakers das políticas externas dos países e um grande conjunto de atores nas escalas local e regional-fronteiriça, caracterizando novas formas de governança em locais outrora, em geral, pouco conectados aos centros de poder. A transfronteirização é uma dimensão que vem sendo incorporada a diferentes políticas internas e externas dos países e essas regiões tornam-se objetos de novas políticas territoriais.

Integração regional, infraestrutura e fronteiras

  • 2 ii A UNASUL foi formada pelos doze países da América do Sul a partir das uniões aduaneiras do Merco (...)

11O grande tema das políticas territoriais na escala sul-americana surge conjuntamente com os esforços integracionistas que tomam forma mais nítida com a criação do Mercosul, da IIRSA – Iniciativa para a Integração da Infraestrutura Regional Sul-Americana – uma decisão geopolítica e de política territorial de caráter macro reestruturante e, mais recentemente, da Unasul (União das Nações Sul-Americanas)2. Estes esforços estão baseados nas premissas da CEPAL na década de noventa, o regionalismo aberto, do Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID – e do novo regionalismo (Fernandéz; Amin, Vigil, 2008).

12No plano comercial, desde os anos 90, o Brasil, além de ter aumentado suas exportações para os países do Mercosul, tem se tornado um grande mercado para os países vizinhos. Os gráficos nos 1 e 2, abaixo, demonstram os valores de exportação e importação do Brasil para os países do Mercosul entre 1990 e 2005 e vice-versa, demonstrando-se o crescimento relativamente constante das relações comerciais. O gráfico número 3, por sua vez, demonstra a intensidade crescente dos fluxos de mercadorias que entram no território brasileiro, parte delas pelas fronteiras terrestres, principalmente entre a Argentina e o Brasil.

Gráfico nº 1. Exportações brasileiras para os países do Mercosul 1990-2005 em valores US$ FOB

Gráfico nº 1. Exportações brasileiras para os países do Mercosul 1990-2005 em valores US$ FOB

Fonte: Ministério da Indústria e Comércio. Organização: Ana Stumpf Mitchel, 2007.

Gráfico nº 2. Importações brasileiras dos países do Mercosul 1990-2005 em valores US$ FOB

Gráfico nº 2. Importações brasileiras dos países do Mercosul 1990-2005 em valores US$ FOB

Fonte: Ministério da Indústria e Comércio. Organização: Ana Stumpf Mitchel, 2007.

Gráfico nº 3. Movimento total de importações dos países do MERCOSUL mais Bolívia e Chile, por estados brasileiros entre 1990 e 2007

Gráfico nº 3. Movimento total de importações dos países do MERCOSUL mais Bolívia e Chile, por estados brasileiros entre 1990 e 2007

Fonte: Ministério da Indústria e Comércio. Organização: Theo S. Lima, 2009.

  • 3  Os eixos são: Andino, Capricórnio, Hidrovia Paraguay-Paraná, Amazonas, Escudo das Guianas, Sul, In (...)

13No plano das decisões geopolíticas a importância da escala de atuação da Unasul pode ser avaliada, por exemplo, pelo fato desta haver incorporado a IIRSA no final do ano de 2010 cujo plano multilateral tem previsão de investimentos de US$ 74,5 bilhões (Morais, 2011) em nove eixos de integração. 3 Além disto, a união dos dozes estados sul-americanos tende a assumir um peso geopolítico no continente americano em contraposição ao projeto dos EUA da criação da ALCA – Área de Livre Comércio das Américas, projeto este estagnado desde novembro de 2005 quando da realização da última Cúpula das Américas.

  • 4  Ver a este respeito a Folha de São Paulo que apresenta o título “Paises vizinhos reagem ao Brasil (...)

14Em que pese a importância da IIRSA (Costa, 2011; Specktor, 2010), dos grandes investimentos previstos em clima de grande otimismo e de interesse em outras regiões fora da América do Sul; da construção de uma nova ordem geopolítica sul-americana e da projeção internacional do Brasil (Roseira, 2011; Scavini, 2011) ou mesmo de críticas ao imperalismo brasileiro4 cabem observações sobre o problema da extensão das fronteiras, o sentido de suas mudanças e recentes políticas para regiões situadas em regiões de fronteiras.

As fronteiras sul-americanas

15O fator continentalidade das fronteiras entre o Brasil e os países vizinhos não pode ser desprezado na abordagem das regiões de fronteiras sul-americanas, pois a linha limite brasileira terrestre possui extensão cerca de duas vezes mais do que aquela banhada pelo Atlântico: são 15.719 quilômetros de limites e fronteiras do Brasil com quase todos os países vizinhos, com exceção do Equador e Chile.

16A época das fronteiras geopolíticas ou fechadas, evidentemente, não acabou na América do Sul, onde as diferentes díades no norte, centro ou sul do Brasil com seus vizinhos, por exemplo, demonstram realidades muito distintas. Na região Sul – o Arco Sul na nomenclatura adotada pela Proposta de reestruturação do Programa de Desenvolvimento da Faixa de Fronteira (PDFF) (Brasil, 2005) - as articulações transfronteiriças são intensas, especialmente nas cidades gêmeas ou mesmo tri-gêmeas, como é o caso dos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná e sua vizinhança com a Argentina, o Uruguai e o Paraguai.

17Os estudos que demonstram as transformações nas fronteiras na América do Sul estão mais concentrados nas fronteiras meridionais, como é o próprio caso deste artigo. Contudo, também vem sendo desenvolvidas pesquisas da porção mais setentrional como, por exemplo, Silva, Rückert (2009); Porto, Nascimento (2010), Bruslé (2011) que examinam as transformações, recomposições territoriais e as interações fronteiriças no Platô das Guianas na Amazônia brasileira e na região transfronteiriça Bolívia-Brasil-Perú.

  • 5  Uma caracterização geohistórica detalhada, da organização do espaço da região da Bacia do Prata e (...)
  • 6 O núcleo geoeconômico do Mercosul já recebeu concepções cartográficas desde os anos noventa (Atlas (...)
  • 7  Estudos técnicos de vários organismos internacionais tem sido desenvolvidos, notadamente apoiados (...)

18A região da Bacia do Prata no centro-sul do continente sul-americano (uma provável macrorregião transfronteiriça), coincidente praticamente com o núcleo geo-econômico do Mercosul, não é apenas uma região que se originou de intensos conflitos coloniais entre Portugal e Espanha5 mas um desafio à análise territorial e às ações pragmáticas dos governos da região. 6 Uma possível delimitação da região da Bacia do Prata ainda não é consenso, todavia. A região é ainda pouco compreendida e não definida segundo suas especificidades mesmo se vários estudos técnicos institucionais já foram feitos sobre ela desde os anos 60, dirigidos à interação física terrestre e fluvial e ao desenvolvimento de regiões fronteiriças. 7

19A região vertebrada pelas bacias dos grandes rios Paraná, Paraguai e Uruguai, significa aqui um recorte espacial a partir da delimitação adotada por Schweitzer (2001) envolvendo a Região Sul e uma parte da região Centro-Oeste do Brasil, as repúblicas do Uruguai e algumas províncias do leste da Argentina e departamentos do Paraguai. A esta delimitação adiciona-se o estado de São Paulo devido ao papel que exerce como grande centro produtor/consumidor e, por isso, dinamizador de grande quantidade de fluxos comerciais na Bacia do Prata e com repercussão direta nas fronteiras. Mencione-se ainda que um número muito expressivo de empresas nacionais e multinacionais possui sede na região metropolitana São Paulo.

Foto nº 1. Marco de fronteira entre Brasil e Argentina  

Foto nº 1. Marco de fronteira entre Brasil e Argentina  

Foto: Aldomar A. Rückert, 2007

A foto nº 1 mostra um dos marcos que estabelece a divisa internacional Brasil / Argentina entre as cidades de Barracão (estado do Paraná), Dionísio Cerqueira (estado de Santa Catarina)  e Bernardo de Irigoyen (província de Misiones).

O marco localiza-se  sobre o passeio de pedestres na Avenida Internacional. As três cidades-gêmeas são consideradas uma aglomeração conurbada com aproximadamente 35.000 pessoas (ver Figura nº 1 com a localização das cidades tri-gêmeas).

  • 8 Conforme a tipologia de Arnaud Cuisinier-Rayanal (2001) adotada pelo Grupo Retis como cinco modelos (...)

20A cidade de Bernardo de Irigoyen localiza-se no ponto mais oriental da Argentina. A circulação entre as três cidades é livre sendo importante o afluxo de turistas para a cidade argentina para comprar gêneros mais baratos e jogar nos dois cassinos da cidadeA interação entre as populações nessa grande região é secular, tendo ocorrido muito antes de serem estabelecidos os estados e limites territoriais na América do Sul. Mais recentemente essas interações têm sido formalizadas no comércio, na circulação, nos acordos políticos, etc. Ainda, a região é o lócus de nascentes conformações macrorregionais em um espaço considerado como sendo constituído por fronteiras porosas, com sinapses e capilaridades intensas (Brasil, 20058; Guibert et alii, 2009; Schweitzer, 2001, 2009). No entanto, Guibert (2005) entende que indicadores de integração tais como a densidade das circulações, a gestão de políticas públicas de escala regional, as ações conjuntas dos governos locais de ambos lados das fronteiras, a construção de uma identidade regional não são até agora suficientemente relevantes para concluir sobre a existencia de um espaço transfronteiriço integrado no coração do Mercosul. Esta opinião, entretanto, não coincide com a realidade desta grande região transfronteiriça antiga.

21Neste sentido, o Monumento da Fronteira entre Barracão (Paraná, BR) e Bernardo de Irigoyen (ARG) em Misiones (um demarcador transfronteiriço) abaixo, procuram demonstrar a aproximação das identidades de ambos os lados da divisa internacional. Do lado da Argentina está representada a população tradicional indígena guarani. O espaço regional classicamente denominado de “espaço missioneiro” – cuja construção data dos anos 1600 é, é um marco geohistórico fundamental na atual configuração da região missioneira transfronteiriça Missões / Misiones. A região, historicamente, foi um centro de difusão de conquista do interior do continente sul-americano a partir do Paraguai para atingir as minas de prata nos Andes bem como de ocupação do território da bacia do rio Paraná pelos pueblos missioneiros jesuítico-guaranis. Nas terras de matas da região missioneira as colonizações com agricultores minifundiários europeus se processaram tardiamente a partir de 1897 com colônias públicas e a partir de 1910 com colônias particulares.

22Do lado do Brasil a identidade do agricultor familiar está representada neste monumento na Avenida Internacional entre Brasil e Argentina. A fronteira oeste ou o Arco Sul, também conhecida pela regionalização do Ministério da Integração Nacional do Brasil como “Mesorregião Grande Fronteira Mercosul” é uma região de construção tardia no territorio brasileiro. A colonização da fronteira agrícola norte do Rio Grande do Sul, entre 1890 e 1930 foi sucedida por levas de famílias de agricultores descendentes de alemães, italianos, poloneses dentre varias etnias, rumo às colônias particulares do oeste catarinense e paranaense no antigo espaço missioneiro e região posteriormente disputada pela Argentina na Questão de Palmas ou Questão das Missões e ganha pelo Brasil em 1895 em causa arbitrada pelo presidente dos Estados Unidos Grover Cleveland.

23As terras de matas da antiga região jesuítico-guarani no lado brasileiro deram lugar a povoados e ciudades e à ocupação agrícola intensiva, resguardando-se algumas áreas para povos tradicionais da região, principalmente os kaingangs e os guaranis. Nos anos 70 a febre da soja empurrou agricultores minifundiários em busca de mais terras agricultáveis para Misiones e ao leste e sul do Paraguai dando origem aos brasentinos e brasiguaios. Grandes extensões de cultivos agrícolas de soja, principalmente, deram novas feições económicas e culturais à grande região que se tornou agroindustrial concentrando grandes complexos agroindustriais em cidades médias.

Foto nº 2. Monumento da Fronteira na Avenida Internacional, limite entre Barracão (Paraná, BR) /  Dionisio Cerqueira (SC) / Bernardo de Irigoyen (ARG), lado argentino

Foto nº 2. Monumento da Fronteira na Avenida Internacional, limite entre Barracão (Paraná, BR) /  Dionisio Cerqueira (SC) / Bernardo de Irigoyen (ARG), lado argentino

Foto: Aldomar A. Rückert, 2007.

Foto nº 3. Monumento da Fronteira na Avenida Internacional, limite entre Barracão (Paraná, BR) / Dionisio Cerqueira (SC) / Bernardo de Irigoyen (ARG), lado brasileiro

Foto nº 3. Monumento da Fronteira na Avenida Internacional, limite entre Barracão (Paraná, BR) / Dionisio Cerqueira (SC) / Bernardo de Irigoyen (ARG), lado brasileiro

Foto: Aldomar A. Rückert, 2007.

24A região transfronteiriça da Tríplice Fronteira entre o Brasil, o Paraguai e a Argentina e sua área urbana trinacional (Foz do Iguaçu (BR) / Ciudad del Este (PAR) / Puerto Iguazu (ARG) localiza-se na antiga zona tampão entre os três países e também é considerada parte de uma espécie de um heartland sul-americano e um grande nó estratégico do Cone Sul da América do Sul. A região sofreu diferentes impactos pós-Usina de Itaipú, o que se explica pelo fato da região possuir uma área circunvizinha heterogênea que engloba os pujantes estados da região sul do Brasil, duas das províncias mais pobres da Argentina e o Paraguai, o país mais pobre do Mercosul (Carneiro Fº 2011a, 2011b).

  • 9  Segundo os termos da Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR), as Mesorregiões Diferen (...)
  • 10  O decreto de criação da Comissão Permanente para o Desenvolvimento e Integração da Faixa de Fronte (...)

25As regiões na América do Sul outrora destinadas ao isolamento e/ou a políticas de contenção passam a fazer parte da agenda de políticas públicas, sendo consideradas como ativos potenciais de desenvolvimento. Tem atuado neste sentido a Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR, Brasil) direcionada para Mesorregiões Diferenciadas, 9 bem como a Comissão Permanente para o Desenvolvimento e Integração da Faixa de Fronteira (CPDIFF) do governo federal do Brasil em conjunto com os estados fronteiriços10. Além disto, a criação recente do Fundo de Convergência Estrutural do Mercosul – FOCEM – (2004) traz um novo elemento sobre o tema do desenvolvimento regional na Bacia do Rio da Prata.

  • 11  Chuí-Chuy)UR); Jaguarão-Rio Branco(UR); Aceguá-Aceguá(UR); Santana do Livramento-Rivera (UR); Quar (...)

26Na “fronteira-viva” Brasil-Uruguai o cenário de transfronteirização caracteriza-se, classicamente, pela vida cotidiana das populações não apenas em seis pares de cidades-gêmeas 11 mas em toda a região de pecuária contínua através de relações de parentesco, comércio e cultura comuns. A região platina que forma a grande unidade natural do Pampa tem raízes profundas nos conflitos de apropriação do território por hispânicos e lusos a partir dos séculos XVI e XVII e, de forma mais acentuada, no início do século XIX quando da formação dos Estados Nacionais, da anexação da Província Cisplatina pelo Império do Brasil em 1820 e sua guerra de libertação e a formação do Uruguai em 1828 e cujas fronteiras definitivas com o Brasil foram demarcadas entre 1852 a 1862, principalmente.

  • 12 O projeto envolveu duas escolas argentinas, uma em Bernardo de Irigoyen, Misiones, e a outra em Pas (...)

27 No âmbito do processo de integração do Mercosul importantes ações comuns entre os países tem sido tomadas pelo reconhecimento intercultural. A partir de 2005 entrou em vigência o projeto do Ministério da Educação do Brasil e dos sistemas estaduais e municipais “Escolas Interculturais Bilíngues de Fronteira” em conjunto com Argentina e depois extendendo-se para o Uruguai, Paraguai e Venezuela.12 As bandeiras do Brasil e Argentina unidas entre Barracão (Paraná, BR) / Dionisio Cerqueira (SC) / Bernardo de Irigoyen (ARG) dão mostras das intenções políticas em prol da interculturalidade.

Foto nº 4. As bandeiras fincadas em cada lado do limite internacional no Monumento da Fronteira na Avenida Internacional, limite entre Barracão (Paraná, BR) / Dionisio Cerqueira (SC) / Bernardo de Irigoyen (ARG)

Foto nº 4. As bandeiras fincadas em cada lado do limite internacional no Monumento da Fronteira na Avenida Internacional, limite entre Barracão (Paraná, BR) / Dionisio Cerqueira (SC) / Bernardo de Irigoyen (ARG)

Foto: Aldomar A. Rückert, 2007.

28Além das ações interculturais o principal escopo das políticas públicas vertidas à integração e à transfronteirização é a Nova Agenda para a Cooperação e Desenvolvimento Fronteiriço entre Brasil e Uruguai instituida em 2002. Desde então a ação tem proporcionado, por exemplo, a possibilidade da identidade de doble-chapas aos 720.000 moradores da região fronteiriça.

Fronteira Brasil-Argentina: escalas, projetos e atores

29A transfronteirização caracteriza-se dentre múltiplos aspectos locais e regionais, já apontados anteriormente, por estratégias de atores públicos (estatais e não estatais) e privados visando o desenvolvimento de ações diversas de integração supranacional como a captação de investimentos para infraestrutura de conexão internacional. Pontes já existentes articulando cidades gêmeas com interações, articulação e contatos dos tipos capilar e sinapse estão presentes em grande número na região da Bacia do Prata. Novas pontes estão projetadas dentro das estratégias da IIRSA na região. Neste tópico apresenta-se a delimitação intencional de uma subregião transfronteiriça: a Mesorregião Grande Fronteira Mercosul (GFM, Brasil) e o Nordeste Argentino (NEA); os projetos da IIRSA em execução neste subespaço dentro do Eixo Mercosul-Chile e o caso da terceira ponte internacional Brasil-Argentina no rio Uruguai e os múltiplos atores transfronteiriços que atuam em sua demanda.

Um espaço sub-regional transfronteiriço: a Mesorregião Grande Fronteira Mercosul (GFM, Brasil) e o Nordeste Argentino (NEA)

30Inexistem definições formais de espaços sub-regionais transfronteiriços na região da Bacia do Prata para fins de planejamento ou coleta de estatísticas padronizadas. Entretanto é possível apresentar um exercício de recorte intencional para um estudo exploratório das novas dimensões transfronteiriças (Silva, Rückert, 2010). O recorte transfronteiriço proposto aqui engloba regiões internas já reconhecidas do Brasil e da Argentina como fronteiriças. No caso brasileiro trata-se da Mesorregião Grande Fronteira Mercosul, região de planejamento do Ministério da Integração Nacional e da qual fazem parte o Noroeste do Rio Grande do Sul, oeste de Santa Catarina e sudoeste do Paraná (três estados do sul do Brasil). No caso argentino trata-se do Nordeste argentino (NEA) composto pelas províncias de Corrientes, Misiones (na Mesopotâmia Argentina), Chaco e Formosa.

31Esta região é emblemática para a análise de casos de transfronteirização na Bacia do Prata, tendo em vista não apenas sua geohistória peculiar como o antigo espaço missioneiro como pelos contatos diários entre as populações. Dentre investigações importantes sobre o processo de transfronteirização na região destaca-se a pesquisa de Schweitzer (2001; 2009). O autor apresenta o caso de várias cidades-gêmeas entre o sul do Brasil, a Argentina e o Paraguai, destacando como nós transfronteiriços de grande dinamismo as cidades de Posadas (ARG) / Encarnación (PAR) e, particularmente, centros que constituem a Tríplice Fronteira de Iguaçu, já mencionada acima, coração de um espaço transfronteiriço formado por seis centros conurbados, encabeçados por Ciudad del Este (PAR), Foz do Iguaçú (BRA) e Puerto Iguaçu (ARG) nas fronteiras da Argentina com Brasil e Paraguai.

32 A Mesorregião Grande Fronteira Mercosul e o Nordeste Argentino também é um espaço dinamizado pela economia do comércio internacional e interações múltiplas entre Foz do Iguaçu e Ciudad del Este através da Ponte da Amizade. São muito significativos os fluxos comerciais entre o estado do Rio Grande do Sul e as províncias de Misiones e Corrientes através da utilização de balsas sobre o rio Uruguai e da Ponte da Integração no CUF – Centro Unificado São Borja – São Tomé.

Projetos da IIRSA no espaço sub-regional transfronteiriço GFM-Brasil e NEA-Argentina

33No espaço sub-regional delimitado localizam-se parcela dos investimentos dos três eixos de integração física da IIRSA: Interoceânico Central, Mercosul-Chile e Capricórnio (ver Figura número 2). Apesar da infraestrutura viária não haver sido privilegiada pela estrutura institucional do Mercosul (Schweitzer, 2001; Panaia, 2006; Laurelli et alii, 2006), há investimentos em projetos previstos concretizando-se.

34Os projetos no eixo Mercosul-Chile no total de cento e vinte e seis (126) – direcionados em grande parte para a infraestrutura estratégica de interconexões internacionais, caracterizados como nós e redes da internacionalização de territórios, estão concentrados majoritariamente na Argentina e no Uruguai como mostra a Tabela número 1. Secundariamente os projetos estão concentrados na região centro-sul do Brasil.

35A territorialização dos investimentos da IIRSA pode ser observada apenas parcialmente até o momento. Segundo dados divulgados pela própria IIRSA, em 2010, a situação dos projetos na sub-região transfronteiriça Grande Fronteira Mercosul/Nordeste Argentino, por exemplo, era de apenas 6% dos projetos concluídos; 24% em execução; 46% em pré-execução e 24% em fase de caracterização do perfil (www.iirsa.org).

Figura nº 2. Áreas de influência dos eixos da IIRSA Hidrovia Paraná-Paraguai, Capricórnio e Mercosul-Chile e a sub-região transfronteiriça Grande Fronteira Mercosul – Brasil e Nordeste da Argentina na América do Sul

Figura nº 2. Áreas de influência dos eixos da IIRSA Hidrovia Paraná-Paraguai, Capricórnio e Mercosul-Chile e a sub-região transfronteiriça Grande Fronteira Mercosul – Brasil e Nordeste da Argentina na América do Sul

Fonte: www.iirsa.org, Organização.: Eduarda Scheibe, 2011.

Tabela nº 1. Número de projetos de infraestrutura da IIRSA no eixo Mercosul-Chile, em curso, por país

Tabela nº 1. Número de projetos de infraestrutura da IIRSA no eixo Mercosul-Chile, em curso, por país

Fonte: www.iirsa.org Organização. Aldomar A. Rückert, 2012

36Examinando-se os investimentos da IIRSA na sub-região transfronteiriça Grande Fronteira Mercosul/Nordeste Argentino, a figura número 3 demonstra, para o ano de 2010, uma alta concentração de projetos de infraestrutura linear (i. é estradas, ferrovias, melhoramentes da navegação fluviais e redes de conexão energética) e pontuais (i. é pontes, portos fluviais, geração de energia, postos fronteiriços) nas províncias argentinas de Corrientes, Misiones (na Mesopotâmia Argentina), Chaco e Formosa. Na Mesorregião Grande Fronteira Mercosul, no lado do Brasil, a densidade de projetos era baixa, muito baixa ou mesmo nula.

37Examinando-se em detalhe os projetos lineares evidencia-se que localizam-se na região oriental da Província de Formosa e nordeste da Província do Chaco junto ao rio Paraguai em altas e médias densidades. Já os projetos pontuais apresentam alta densidade nas mesmas regiões. Em segundo lugar estão obras em portos fluviais no rio Paraná nas Províncias de Misiones e Corrientes, com média densidade. Uma nova conexão internacional como a terceira ponte sobre o rio Uruguai (infraestrutura pontual de conexão internacional) será localizada entre a região Noroeste do Rio Grande do Sul e as províncias de Misiones ou Corrientes, em zona de densidade de projetos baixa ou muito baixa.

38O gráfico número 4 demonstra que nesta sub-região transfronteiriça os projetos são, em números proporcionais, 49% de geração de energia elétrica, 24% rodoviários, 15% de conexão energética, 9% de ferrovias. As demais modalidades de investimentos são residuais. No que diz respeito às fontes de financiamento, o Gráfico número 5 evidencia a participação majoritária de fundos supracionais do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e da Caja Andina de Fomento (CAF), secundado pelos recursos nacionais do Brasil e da Argentina. A participação dos capitais privados ocupa uma terceira posição enquanto que tesouros provinciais argentinos são minoritários.

Figura nº 3. Localização da densidade de projetos da IIRSA no Nordeste Argentino (NEA) e na Mesorregião Grande Fronteira Mercosul (GFM), 2010

Figura nº 3. Localização da densidade de projetos da IIRSA no Nordeste Argentino (NEA) e na Mesorregião Grande Fronteira Mercosul (GFM), 2010

Fonte: www.iirsa.org Organização: Társio Onófrio da Silva, 2010.

Gráfico nº 4. Projetos da IIRSA no Nordeste Argentino (NEA) e na Mesorregião Grande Fronteira Mercosul (GFM) por setor de investimento, 2010

Gráfico nº 4. Projetos da IIRSA no Nordeste Argentino (NEA) e na Mesorregião Grande Fronteira Mercosul (GFM) por setor de investimento, 2010

Gráfico nº 5.  Investimentos nos projetos da IIRSA no Nordeste Argentino (NEA) e na Mesorregião Grande Fronteira Mercosul (GFM) por fonte de financiamento, 2010

Gráfico nº 5.  Investimentos nos projetos da IIRSA no Nordeste Argentino (NEA) e na Mesorregião Grande Fronteira Mercosul (GFM) por fonte de financiamento, 2010

Fonte: www.iirsa.org, Organização: Társio Onófrio da Silva, 2010

39A fase relativamente inicial dos projetos da IIRSA não impede de se examinar suas estratégias como políticas territoriais de possíveis impactos em diversos aspectos. Além do estabelecimento de uma rede complexa de circulação (unindo os oceanos Atlântico e Pacífico), há consequências políticas, sociais e ambientais. Uma delas é a manifestação de vários atores locais e regionais que participam do processo de reivindicação regional de infraestruturas como é o caso da infraestrutura pontual de conexão internacional – a terceira ponte Brasil-Argentina sobre o rio Uruguai.

O caso da terceira ponte internacional Brasil-Argentina no rio Uruguai

  • 13  A primeira ponte entre os dois países – e a primeira na América do Sul a ligar os dois antigos mun (...)
  • 14  O Decreto Legislativo nº 645 / 2003 do Congresso Nacional estabeleceu o Acordo entre o Governo da (...)

40Dentre as infraestruturas estratégicas projetadas pela IIRSA para conectar Argentina-Brasil, merece atenção o projeto da construção da terceira ponte internacional sobre o Rio Uruguai, supra citada, entre o estado do Rio Grande do Sul e a Argentina13 decisão esta tomada no Acordo de Florianópolis entre os governos Brasil-Argentina no ano de 2000, quando também previu-se a criação da “Comissão Binacional para as Novas Pontes sobre o Rio Uruguai”. 14 A foto abaixo mostra o rio Uruguai que demarca a linha de fronteira clássica entre o Estado do Rio Grande do Sul e a Província de Misiones, especificamente entre os municípios de Porto Mauá (Brasil) e Alba Posse (Argentina).

41Destacam-se três pares de cidades-gêmeas (Porto Xavier - San Xavier; Porto Mauá - Alba Posse e Itaqui - General Alvear) como as principais candidatas para o recebimento da obra de conexão, o que ampliaria as possibilidades de interligação entre os dois países e também com o Paraguai.

Porto Xavier – San Javier

42Os atores locais das cidades gêmeas possuem profundo interesse na construção de uma ponte internacional ligando esses dois municípios fronteiriços, o que é atestado por projeto de 2010 da Câmara de Representantes da Província de Misiones que solicita aceleração dos trâmites  necessários a fim de atingir a construção da ponte entre as duas localidades por se tratar de razões geopolíticas, de comércio e de Estado (Provincia de Misiones, 2010).

Foto nº 5. O Rio Uruguai como a fronteira fluvial clássica entre o Brasil e a Argentina

Foto nº 5. O Rio Uruguai como a fronteira fluvial clássica entre o Brasil e a Argentina

43Foto: Prefeitura Municipal de Porto Mauá, 2006.

44Além das razões geopolíticas alegadas na Câmara de Representantes de Misiones, o ponto de fronteira entre estas duas cidades está habilitado para comércio de importação e exportação, apresentando infraestrutura aduaneira, de serviços e de transporte internacional instalada em ambas as margens do rio Uruguai. Estão sediadas em Porto Xavier um número expressivo de empresas envolvidas com importação e exportação, assim como também de empresas que prestam serviço de transporte internacional. Um grande número de produtos agrícolas tem movimento de importação e exportação através do porto, principalmente de cebola argentina. Além disto empresas brasileiras produtoras de maquinário agrícola, peças e cutelaria como a John Deere Brasil S.A., AGCO do Brasil Com. Ind. Ltda, a Toyota e a Tramontina são clientes deste porto. O fluxo de veículos entre 1990 e 2006 está demonstrado no gráfico abaixo.

Gráfico nº 6. Fluxo de caminhões e automóveis no porto internacional Porto Xavier – San Javier entre 1990 e 2006

Gráfico nº 6. Fluxo de caminhões e automóveis no porto internacional Porto Xavier – San Javier entre 1990 e 2006

Fonte: Receita Federal de Porto Xavier. Dados referentes aos automóveis só estão disponíveis a partir de 1993. Organização Circe I. Dietz, 2008

45O gráfico acima demonstra o fluxo de caminhões e automóveis no porto internacional de Porto Xavier – San Javier em dezesseis anos, onde observa-se tanto crescimento quanto declínio de movimento de veículos de acordo com a conjuntura econômica recente do Mercosul. Além disso, a diminuição dos fluxos verificada nesse ponto de fronteira após 1999 pode ser associada também à opção das empresas de transporte pela passagem na Ponte Internacional São Borja – Santo Tomé (inaugurada no final de 1997). O declínio de cargas após 1999 tende a recuperar seu movimento nos anos 2000.

Porto Mauá e Alba Posse

46Porto Mauá e Alba Posse constituem-se nas menores cidades-gêmeas candidatas ao recebimento da ponte internacional. Entretanto, dos três pares de cidades que tem expectativas de sediar a obra, são essas que possuem localização mais distante em relação à Ponte da Integração em São Borja e a Ponte Augustín Pedro Justo – Getúlio Vargas em Uruguaiana. Este fator, juntamente com outras características regionais, estão entre alguns dos principais fatores que colocam estas localidades fronteiriças como local estratégico para uma nova ligação física entre Brasil e Argentina.

47Apesar do porto estar em funcionamento desde a década de 1930 e o tema da construção de uma ponte internacional estar na pauta desde os anos 1950, o ponto de fronteira ainda não é alfandegado. A própria emancipação de Porto Mauá, ocorrida em 1992, teve entre suas bandeiras o alfandegamento do porto e a construção da ponte internacional. Neste mesmo ano formou-se o Movimento Pró-Construção da Ponte Internacional de Porto Mauá-Alba Posse, envolvendo associações comerciais de doze municípios da região noroeste do Rio Grande do Sul. Já do lado argentino destaca-se a Fundación Zona Centro que, desde 1987, dá continuidade a trabalhos originados na década de 1970 demandando a construção da ponte internacional.

48Porto Mauá e Alba Posse não contam com estrutura de comércio internacional diferentemente do verificado em outras cidades gêmeas candidatas, em função deste ponto de fronteira não estar autorizado para passagem de produtos com fins de importação / exportação. As fotos nos 6 e 7 demonstram o fluxo diário de veículos entre o Porto Mauá e Alba Posse através de balsas que funcionam com horários comerciais.

Foto nº 6. Motoristas aguardam a balsa entre Porto Mauá (RS, Brasil) e Alba Posse (Misiones, Argentina)

Foto nº 6. Motoristas aguardam a balsa entre Porto Mauá (RS, Brasil) e Alba Posse (Misiones, Argentina)

Foto: Circe Dietz, 2007.

Foto nº 7. Travessia do rio Uruguai por balsa entre Porto Mauá (RS, Brasil) e Alba Posse (Misiones, Argentina)

Foto nº 7. Travessia do rio Uruguai por balsa entre Porto Mauá (RS, Brasil) e Alba Posse (Misiones, Argentina)

Foto: Prefeitura Municipal de Porto Mauá, 2007.

Itaqui e General Alvear

49Por fim, as localidades fronteiriças de Itaqui e General Alvear são as únicas previstas no Acordo de Florianópolis que estão situadas na fronteira do Rio Grande do Sul com a Província de Corrientes. A cidade de Itaqui é a que tem maior expressão dentre as candidatas e conta com uma população urbana de 36.361 habitantes enquanto que sua cidade gêmea Alvear conta com 7.917 habitantes.

50Uma das primeiras mostras do interesse nestas cidades pela ponte internacional foi a organização dos atores locais através da Associação de Apoio à Construção da Ponte Internacional (AAPI). Essa associação foi criada para centralizar as ações relativas ao Projeto Ponte Internacional na década de 1980. Um estudo sobre a “Ponte do Arroz”, forma como foi denominada a possível ligação viária entre Itaqui e Alvear, foi produzido numa parceria com o Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem do Estado do Rio Grande do Sul (DAER, 1993) com a Integração Orizicola Brasil-Argentina.

51Somente com a retomada do crescimento das exportações em 2003 entre Brasil e Argentina é que foi revitalizada a movimentação local em torno da pauta da construção da ponte, criando-se a Campanha Pró-Ponte. Tanto em Itaqui como em Alvear investimentos vem sendo feitos nos pátios aduaneiros que precisaram ser ampliados em função do crescimento do fluxo de caminhões que atendem ao comércio internacional.

A multiplicidade de atores atuantes em prol da terceira ponte

52A novidade no cenário transfronteiriço é que já há anos antes do projeto da ponte ser incorporado à cartilha de projetos da IIRSA, múltiplos atores locais e regionais já vinham mobilizando-se para incluir a construção dessa infraestrutura na agenda política.

53Os atores que se articulam em diversas escalas veem o projeto de ligação logística entre os dois países como uma possibilidade de ampliação do comércio internacional e, dessa forma, como uma estratégia de explorar os potenciais inerentes às regiões de fronteira, alcançando maiores níveis de dinamismo econômico e desenvolvimento. Embora o estudo de viabilidade, responsável pela indicação do local da construção tenha sido contratado recentemente (ver o próximo ítem) a articulação política dos atores sinaliza o potencial de uma multi-governança na região, o que pode ser considerado emblemático em termos de projetos de integração fronteiriços na Bacia do Prata.

  • 15  Estão representados, no sentido do sul para o norte os seguintes pares de cidades gêmeas: Uruguaia (...)

54O corema a seguir (Figura nº 3), elaborado para o estudo da fronteira Brasil-Argentina ao longo do rio Uruguai busca representar a complexidade de atores e escalas envolvidos na temática da infraestruturas de ligação viária em algumas cidades gêmeas 15 e escalas de poder e multi-governança emergentes. Destacam-se com atuação macrorregional no centro sul do Brasil, nordeste da Argentina na escala regional transfronteiriça federações, comissões econômicas, comitês de fronteira e conselhos de desenvolvimento e integração envolvendo atores do capital privado e governos de várias províncias argentinas e estados brasileiros.

55Estão representados na escala regional transfronteiriça a FEBAP - Federação Econômica Brasil, Argentina e Paraguai, uma organização civil que tem como objetivo atuar no desenvolvimento da região de sua abrangência que inclui o Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Brasil), as Zonas Centro e Sul de Misiones (Argentina) e o Departamento de Itapuá (Paraguai); o Fórum CRECENEA – Comisión del Comércio Exterior del Noreste de Argentina / CODESUL – Conselho de Desenvolvimento e Integração Sul composto pelos três governos estaduais da Região Sul (Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina) e um da Região Centro-Oeste (Mato Grosso do Sul) com apoio financeiro do BRDE – Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul.

56Além da escala regional transfronteiriça merecem destaque, na escala local e regional, a atuação das prefeituras brasileiras e intendências argentinas das três cidades-gêmeas, associações comerciais e industriais de vários municípios, associações de despachantes aduaneiros, empresas exportadoras e importadoras e transportadoras de mercadorias e passageiros, associações de municípios brasileiros, movimentos pró-construção da terceira ponte, conselhos de desenvolvimento regional (COREDES), agências de desenvolvimento bem como universidades regionais comunitárias atuantes. Salienta-se ainda que na escala subnacional além dos governos estadual do Rio Grande do Sul e provinciais de Misiones e Corrientes a Assembléia

Figura nº 3. Principais escalas e atores com ações estratégicas na fronteira Brasil – Argentina dividida pelo rio Uruguai entre o Estado do Rio Grande do Sul e a Província de Misiones

Figura nº 3. Principais escalas e atores com ações estratégicas na fronteira Brasil – Argentina dividida pelo rio Uruguai entre o Estado do Rio Grande do Sul e a Província de Misiones

Organização: Circe Inês Dietz, 2008.

57Legislativa (em Porto Alegre) e as Câmaras de Representantes (em Posadas e Corrientes) tem se dedicado ao tema das conexões transfronteiriças através da criação de comissões e apresentação de projetos aos poderes executivos.

58Observa-se o emaranhado de escalas e atores envolvidos nas questões que tem repercussões nesse segmento de fronteira, realidade essa que não pode ser encontrada na mesma intensidade na maior parte de outras regiões de fronteira da América do Sul. Destaque-se que a participação de diferentes escalas de poder, apesar de que os interesses sejam geralmente diferentes, podem convergir para a execução de uma determinada política ou projeto, como é o caso do projeto da terceira ponte internacional Brasil-Argentina sobre o rio Uruguai.

Os estudos técnicos já realizados e em curso

59O Acordo de Florianópolis no ano 2000, acima mencionado, previu a construção de três novas pontes internacionais sobre o rio Uruguai nos três pares de municípios acima mencionados. A Comissão Binacional Brasil-Argentina concluiu o texto definitivo para a licitação dos estudos de viabilidade da ponte em outubro de 2006.

60O Edital de Licitação para a contratação do estudo de pré-viabilidade previu, após várias mudanças de datas, o início dos trabalhos para Outubro de

2009. Entretanto após várias outras postergações da concorrência, mesmo por haver ausência de número suficiente de consórcios para a disputa, neste ano de 2012, na cidade de Foz do Iguaçu foi assinado o contrato entre a Comissão Binacional Brasil-Argentina e o Consórcio Iatasa, Atec, Grumaux e Ballcons.

61O estudo de viabilidade técnica, econômica e ambiental (EVTEA) da obras sobre o rio Uruguai vai definir, dentre inúmeros parâmetros técnicos, os municípios brasileiro e argentino de localização da infraestrutura transfronteiriça (http://wp.clicrbs.com.br). O custo total desta primeira etapa é de meio milhão de dólares compartilhados em partes iguais entre os governos do Brasil e da Argentina (www.iirsa.org).

62Como o Acordo de Florianópolis previu três novas pontes os movimentos locais trataram de realizar estudos encomendados por organizações regionais ligadas a este movimentos pró-ponte. Esses estudos tem um caráter bastante preliminar e tendem a tratar de cada um dos locais onde há possibilidades de construção da ponte, de maneira isolada.

63Entre os estudos de maior importância está o que foi realizado pela empresa Brunelli Engenharia (a mesma que fez os estudos de pré-viabilidade para a Ponte Internacional de São Borja – Santo Tomé). Esse estudo foi publicado em 1999 com a denominação de “Estudo de pré-viabilidade da ligação rodoviária internacional Alba Posse – Porto Mauá” e outro de 2004 denominado de “Atualização dos estudos de pré-viabilidade e análise comparativa das três ligações internacionais: Alba Posse – Porto Mauá, Porto Xavier – San Javier e Itaqui-Alvear”. Este último estudo considerou as cidades gêmeas de Porto Mauá – Alba Posse como a ideal para receber a ponte, considerando sua distância (em torno de 180 km) da Ponte Internacional de São Borja – Santo Tomé. Já Porto Xavier – San Xavier, mesmo tendo o maior volume de cargas foi considerado o segundo local mais apto. Por fim, a proximidade de Itaqui – Alvear da Ponte de São Borja (apenas foi 76 km) foi desconsiderada.

A necessária revisão atual do paradigma das fronteiras abertas

64O paradigma das fronteiras abertas deve ser observado conforme o contexto pois mesmo na Europa o espaço de livre circulação entre os Estados Nacionais sofre de um relativo pessimismo. Com as defesas externas ao espaço Schengen fortemente armadas estaríamos mesmo vivendo uma época do restabelecimento das fronteiras (FOUCHER, 2011) considerando-se as recentes propostas de restabelecer controles nas fronteiras internas da Europa devido às migrações provindas dos países em crise no norte da África e às crises fronteiriças naquele continente. No entanto, seja na Europa ou na América do Sul não se tratam mais das mesmas fronteiras, pois elas estão em mutações.

65O debate atual sobre fronteiras e suas transformações ou transições demonstra um vigor renovado. Parte das predições dos anos 80 e 90 realizaram-se em cenários otimistas de aberturas relativas de fronteiras internas em mercados comuns consolidados ou em construção. Entretanto a almejada “paz dos mercados” pretendida pelo novo regionalismo tem se mostrado incompleto e mesmo instável considerando-se as desigualdades e assimetrias entre países e regiões do globo. Nos anos 90 anunciou-se mesmo a morte das fronteiras, mas estas constituem sempre uma realidade pujante, como afirma Amilhat-Szary (2011). Elas são marcadas pelos processos constantes de desterritorialização – reterritorialização e de abertura / fechamento (“debordering-rebordering”) que as selecionam, as re-hierarquizam mas também que as tornam mais diversas em suas formas e materializações (Amilhat-Szary; Giraut, 2011).

66Atualmente não apenas convive-se com fronteiras relativamente porosas em algumas regiões do mundo – a grande região da Bacia do Prata pode ser considerada uma delas – como restauram-se fronteiras e instalam-se novas em diversas outras regiões do planeta. Trata-se de cenários muito mais complexos do aquele do pós-guerra fria, pois as fronteiras estão marcadas por constantes aberturas e fechamentos, “borderings and reborderings” movimentos estes que marcam, atualmente, os processos de transfronteirizações. Por um lado o modelo europeu do Espaço Schengen é considerado com certo ceticismo considerando não apenas decisões da União Européia de que os Estados Nacionais poderão fechar suas fronteiras por determinados períodos, mas pelo grande número de mortes de imigrantes que tem acontecido às suas portas.

67Não pode-se desconsiderar, além do cenário europeu, que a União de Nações Sul-Americanas (UNASUL) e seus estados-membros tem desde 2008 um Conselho de Defesa que estimula, dentre outras atribuições políticas a defesa conjunta. Assim as fronteiras sul-americanas inserem-se em processos que estão condicionados por um lado pelos processos integracionistas em curso e, por outro, pela construção de políticas de defesa. O Brasil tem sua Política de Defesa Nacional desde 2005, que atualiza os conceitos de segurança nacional e concentra-se sobre os grandes problemas da crimininalização sob as mais diversas formas na região.

68É importante, nestes debates no novo contexto, indagar-se sobre quais aspectos do processo de transfronteirização tem se mostrado relevantes na América do Sul. As infraestruturas da IIRSA previstas e em curso na região da Bacia do Prata tem apontado não apenas para as obras que tendem a produzir ou alterar conectividades transfronteiriças – principalmente no caso das pontes mas a produzir uma singular movimentação por demandas por atores das sociedade civil regional em ambos os lados da fronteira Brasil-Argentina. As demandas pela terceira ponte, por exemplo, não são apenas anteriores ao período do Mercosul bem como tem produzido um adensamento de organizações civis organizadas em pleitear infraestruturas de conectividade supranacionais o que se aproxima de uma governança regional transfronteiriça.

69Múltiplas formas de transfronteirização tem emergido nas fronteiras Brasil-Argentina-Paraguai. Após os estabelecimentos dos limites fronteiriços com o Uruguai e a Argentina, por sucessivos tratados de limites e conquistas territoriais na Guerra do Paraguai (1864-1870), os Estados Nacionais isolaram-se enquanto as populações mantinham vida cotidiana transfronteiriça. Isto apenas começou a transformar-se na década de 70 durante a união dos governos totalitários do Brasil e do Paraguai com a construção da Usina de Itaipú no rio Paraná. Neste sentido, Carneiro Fº (2011a, 2011b), por exemplo, considera que, além dos impactos determinados por Itaipú na região transfronteiriça tri-nacional ou por outras iniciativas governamentais é preciso também abordar os efeitos negativos da transfronteirização (aumento da criminalidade, do contrabando e diversos tipos de tráfico) que produzem diferentes impactos nas escalas local, regional e nacional.

70A construção da Usina Binacional de Itaipu nos anos 70 e o estabelecimento de suas sedes em Ciudad del Este e Foz do Iguaçu; o reconhecimento dos patrimônios históricos jesuítico-guaranis pela UNESCO como patrimônio da humanidade nos anos 80; a criação de uma zona franca em 2003 em Ciudad del Este (antiga Ciudad Presidente Stroessner) além da clássica importância das Cataratas do Iguaçu começaram a mudar a configuração da região produzindo mudanças urbanas, no comércio legal / ilegal, na atração de turismo histórico, ambiental e paisagístico internacional. Ao mesmo tempo aumentaram diversas formas de cruzamentos fronteiriços pelas populações dos três países, inclusive com grande fluxo de migrações de agricultores brasileiros, principalmente, para o Paraguai a partir dos anos 70.

71Já a tradicional “fronteira viva” Brasil-Uruguai tem recebido atenção de ambos governos nacionais como por exemplo o reconhecimento dos cidadãos fronteiriços com dupla identidade. As cidades-gêmeas entre o Brasil e o Uruguai dispõem de infraestrutura urbana e de serviços que costumam servir aos dois países (no caso mais notável dos serviços de saúde), de acessos viários aos centros como Montevidéu, porto de Rio Grande e Porto Alegre, grande movimentação de turismo de compras além da proximidade, como é o caso de Chui-Chuy e Jaguarão- Rio Branco, do complexo lagunar Mirim-Mangueira, propício ao turismo de água doce e ao transporte lacustre.

72O turismo de compras deverá aprofundar mudanças na macorregião pois a recente aprovação pelo Congresso brasileiro autoriza o funcionamento de free-shops em vinte e oito municípios fronteiriços brasileiros, em nove estados. Do total de vinte e oito municípios fronteiriços candidatos dezoito estão localizados na macrorregião da Bacia do Prata: dez no estado do Rio Grande do Sul na fronteira com a Argentina e o Uruguai; três no Paraná com o Paraguai e a Argentina; um em Santa Catarina com Argentina; quatro no Mato Grosso do Sul com Bolívia. As demais localidades localizam-se no Acre, Amapá, Rondonia e Roraima.

Considerações finais

73Retomando-se as questões norteadoras, se uma macrorregião transfronteiriça da Bacia do Prata estaria, efetivamente, em construção no núcleo geoeconômico do Mercosul e qual o sentido que subespaços transfronteiriços podem adquirir neste cenário de mudanças afirma-se que essa grande região possui potencial de ter alguma institucionalidade, pois inexistem até agora iniciativas intergovernamentais no sentido de sua formalização enquanto espaço central do mercado comum. As diferenciações territoriais são ligadas tanto ao processo de integração sul-americana, às formas físicas de conexão em via de implementação quanto à emergência de um multi-governança em múltiplas escalas.

74A estrutura territorial clássica do continente vertida para o exterior é a característica principal da ocupação territorial dos espaços que foram ocupados a partir da costa. No entanto, a iniciativa da IIRSA para a construção ou melhoria das vias bi-oceânicas mostra uma refundação da estrutura territorial clássica que era dirigida unicamente em direção ao exterior a partir das regiões produtoras próximas da fachada oceânica.

75É necessário relembrar também que o processo de formação do espaço platino/centro-sul do Brasil foi palco de guerras para delimitação entre as cortes portuguesa e espanhola, sendo os processos de ocupação territorial marcados por características mistas luso-hispânicas, o que confere ao grande espaço platino uma identidade específica. Somente nos anos 1980, com a redemocratização nos estados sul-americanos, os rivais geopolíticos Brasil e Argentina iniciaram a distensão conformando novas relações comerciais em tratados de cooperação, o que acelerou as iniciativas por aproximação entre as populações destes antigos estados inimigos. Estas populações tradicionalmente compartilham modos de vida semelhante, principalmente na região do Pampa enquanto que os centros econômicos de Buenos Aires e São Paulo exercem, classicamente seus papéis de difusores econômicos e políticos para a região.

76Caso tome-se o modelo europeu para avaliar o que pode significar “transfronteirização” na América do Sul, a análise tenderá a mostrar resultados ainda incipientes do ângulo das cooperações institucionais bi ou tri-nacionais, em que pesem esforços integracionistas em curso por em ações intergovernamentais. Entretanto, deve-se ressaltar que o processo de transfronteirização europeu está em curso e seria mesmo insuficiente para ser adotado como paradigma de avaliação de outras regiões fora deste continente. Além disso, comparações stricto sensu tendem a conduzir a análises distorcidas por tratarem-se de formações sócio-espaciais muito distintas.

77 A aproximação política de grupos sociais distintos de um e de outro lado das linhas de fronteira, como no exemplo abordado, entre Brasil e Argentina começa a apontar para uma atuação mais ativa dos atores locais e regionais em prol de temas relacionados à cooperação fronteiriça. Uma governança emergente nos espaços transfronteiriços do núcleo geoeconômico do Mercosul é um novo aspecto da gestão territorial dos países da região que deve ser apoiado e estimulado pelos governos dos países do Mercosul.

Haut de page

Bibliographie

Amilhat-Szary Anne-Laure, Les frontières: peuvent-elles être mobiles ...et comment? XIth BRIT Conference. Genebra (Suiça)/ Grenoble (França). 6-9 Septembre 2011.

Amilhat-Szary Anne-Laure, Frontières et intégration régionale en Amérique Latine : sur la piste du chaînon manquant, In Catherine Flaesch-Mougin, Joel Lebullenger, Regards croisés sur les intégrations régionales : Europe, Amériques, Afrique. Bruxelles : Bruylant, 2010, p. 397-341.

Amilhat-Szary Anne-Laure, Fourny Marie-Christine, Introduction. Territorialités nouvelles et évolutions de la frontière, In Après les frontières, avec la frontière. Nouvelles dynamiques transfrontalières en Europe, Édition de l’Aube, 2006, p. 7-20.

Atlas do Mercosul, disponível em http://www.iheal.univ-paris3.fr/mercosur_esp/index.htm

Azevedo Béatriz, Le Bassin du Río de la Plata dans la période coloniale: une histoire commune pleine d’actualité, In Martine Guibert et alii (orgs.), Le Bassin du Río de la Plata. Développement local et intégration régionale, Toulouse, Presses Universitaires du Mirail, 2009, p. 105-127.

Brasil, Proposta de reestruturação do Programa de Desenvolvimento da Faixa de Fronteira. Bases para uma política integrada de desenvolvimento regional para a Faixa de Fronteira. Brasília: Ministério da Integração Nacional, 2005.

Brasil / Argentina, Escolas de fronteira. Brasilia: Ministério da Educação; Buenos Aires: Ministerio de Educación, Ciencia y Tecnología, 2008.

Brusle Laetitia P., Faire le mur et construire des ponts. Border Regions in Transition (BRIT) XI. Mobile borders. Genebra (Suiça)/ Grenoble (França). 6-9 Septembre 2011.

Carneiro Filho C. P., Rückert A., A Tríplice Fronteira e o Heartland da América do Sul. In: II Simpósio Nacional de Geografia Política, Território e Poder, 2011, Foz do Iguaçu-PR. Anais do II Simpósio Nacional de Geografia Política, Território e Poder. 2011 (a).

Carneiro Filho Camilo P., Múltiplas transfronteirizações na Tríplice fronteira na Bacia do Prata: Brasil-Argentina-Paraguai. Porto Alegre: UFRGS / Programa de Pós-Graduação em Geografia. 2011 (b).

Costa Darc, Fundamentos para o estudo da estratégia nacional, São Paulo, Paz e Terra, 2011.

Cuisinier-Raynal Arnaud, La frontière au Pérou entre fronts et synapses. L’Espace géographique 2001/3, tome 30, p. 212-230.

Dietz Circe I., Cenários contemporâneos da fronteira Brasil-Argentina: infraestruturas estratégicas e o papel dos atores no processo de cooperação / integração transfronteiriça. Porto Alegre: UFRGS, 2008 (Dissertação de Mestrado).

Fernandez Victor R., Amin Ash, Vigil José I., Repensando el desarrollo regional. Contribuciones globales para una estrategia latinoamericana. Buenos Aires: Miño y Dávila editores, 2008.

Foucher Michel, Penser les frontières africaines aujourd’hui. Border Regions in Transition (BRIT) XI. Mobile borders. Genebra (Suiça)/ Grenoble (França). 6-9 Septembre 2011.

Guibert Martine et alii (orgs), Le bassin du Rio de la Plata – développement regional et intégration régionale, Presses Universitaires de Mirail, 2009.

Guibert Martine et alii (orgs), Ligrone, Pablo. Transfronteirização. In: Biagini, Hugo y Roig, Andrés A. Diccionario del pensamiento alternativo. Buenos Aires, 2006.

Guibert Martine, “La Cuenca del Plata: ¿un espacio regional transfronterizo en el Mercosur? Reflexiones preliminares sobre los resultados del programa CDP – Cuenca del Plata”. Revista Pampa, Santa Fé / Montevideo, UNL / UDELAR, 2005, pp 251-255.

Giraut Fréderic, The scientific challenge of BRIT XIth: addressing the issue of móbile borders in borders studies. XIth BRIT Conference. Genebra (Suiça)/ Grenoble (França). 6-9 Septembre 2011.

Guichonnet Paul, Raffestin Claude, Géographie des frontiers. Paris; P.U.F., 1974.

Jessop Bob. La economia política de la escala y la construcción de las regiones transfronterizas. Revista Eure. Vol. XXIX, nº 89, p. 25-41, Santiago de Chile, mayo 2004.

Laurelli Elsa et alii., El puente Buenos Aires-Colonia...Un proyecto para la integración de la región? In: Panaia, Marta (coord.) Transformaciones territoriales y productivas en el mercado de trabajo litoral. Buenos Aires: Impresiones, 2006, p. 53-88.

Massardier Giles, Politiques et actions publiques. Paris: Armand Colin, 2003.

Matias Sérgio, ØResund: dois países, uma região? O nascimento de uma região transfronteiriça. Territórios e estratégias.  p. 201-257. Disponível em: http://www.dpp.pt/gestao/ficheiros/infor_inter_2002_VI.pdf. Acesso em 10.03.2007.

Mello Patrícia C., Vizinhos reagem a Brasil “expansionista”. Folha de São Paulo, 26 de junho 2011. A-14. Acesso em 02 /07/2011.

Morais Márcio, Integração da América do Sul. Revista Brasilis. http://revista.brasil.gov.br/reportagens/integracao-da-america-do-sul.  Acesso em 18/08/2011.

Panaia Marta, Uma puente a ninguna parte: Colônia-Buenos Aires., In Marta Panaia (coord.), Transformaciones territoriales y productivas en el mercado de trabajo litoral, Buenos Aires, Impresiones, 2006, p. 19-52.

Peyrony Jean, L’aménagement du territoire transfrontalier; retour d’experiénce. Mosella. Frontières et amenagement. Actes du Colloque. Tomme XXXII, nº 1-4 (2007), Parution 2010, p. 169-180.

Porto Jadson R., Nascimento Durbens M., Interações fronteiriças no Platô das Guianas. Rio de Janeiro: Publit, 2010. Prefácio de Aldomar A. Rückert. Disponível em www.ufrgs.br/labes

Província de Misiones, Proyecto de comunicación. Câmara de Representantes. 28/05/2010.

Raffestin Claude, Pour une géographie du pouvoir. Paris: Libraries Techniques, 1980.

Raffestin Claude, Éléments pour une théorie de la frontière. Diogène, nº 134, p. 3-21, 1986.

Raffestin Claude, Autour de la fonction socials de la frontière, Espaces et temps, nº 70-71, pp. 157-164, 1993.

Renard Jean-Pierre, Frontières et aménagement. Le point de vue du géographe. Moselle. Frontière et amenagement. Actes du Colloque. Tomme XXXII, nº 1-4. (2007). Parution 2010, p. 5-16.

Roseira Antonio M., Nova ordem sul-americana. Reorganização geopolítica do espaço mundial e projeção internacional do Brasil. São Paulo: Universidade de São Paulo. Programa de Pós-Graduação em Geografia Humana. 2011. (Tese de Doutorado).

Rückert Aldomar A., Intégration régionale. La région transfrontalière du Bassin du Rio de la Plata (Amérique du Sud) et les projets d’infrastructure de connexion. Université Paris VII. Master Géoprisme. Paris, 2011. Disponível em : http://www.ums-riate.fr/Expose_Ruckert/index.html

Scavini Anne-Sophie, L’Amérique du Sud, le nouveau paradigme brésilien de l’intégration régionale, Paris, Université Paris 1 Panthéon Sorbonne, 2011.

Schweitzer Alejandro F., Dinámicas espaciales y territórios de la integración en las fronteras del Iguazú, In Martine Guibert et alii (orgs.), Le Bassin du Río de la Plata. Développement local et intégration régionale, Toulouse: Presses Universitaires du Mirail, 2009. P. 313-343.

Schweitzer Alejandro F.,Uno o vários NEA? Regiones y territorios en  el espacio del Nordeste argentino, In Marta Panaia (coord.), Crisis fiscal, mercado de trabajo y nuevas territorialidades en el Nordeste Argentino. 1ª ed., Buenos Aires: Editorial  La Colmena, 2004. p. 41- 62.

Schweitzer Alejandro F., Intégration régionale et aménagement du territoire dans le Mercosur: frontières, reseaux et dynammiques transfrontalieres, Paris: Université Paris III – Sorbonne Nouvelle. Institut des Hautes Études de l’Amérique Latine, 2001.  

Silva Társio Onófrio da, Rückert Aldomar A., Políticas territoriais em uma região transfronteiriça: nordeste da Argentina e Grande Fronteira Mercosul-Brasil, Porto Alegre, UFRGS, 2010.  

Silva Gutemberg de V., Rückert Aldomar A., « A fronteira Brasil-França », Confins [Online], 7 | 2009, posto online em 31 octobre 2009. Acesso em 03/08/2011. URL : http://confins.revues.org/6040

Specktor Matias, Brazil: the underlying ideas of regional policies, In Daniel Flemes (ed.) Regional leadership in the global system. Ideas, interests and strategies of regional powers. Surrey (England) / Burlington (USA): Ashgate Publishing Lt. 2010. Pp. 191-204.

Théry Hervé, Mello Neli, Atlas du Brésil, CNRS, GDR Libergéo-La Documentation française, 2003.

Haut de page

Notes

1  Além de tratar-se de um artigo de síntese analítica, ele também resume três exposições públicas feitas pelo primeiro autor na França (na Universidade de Paris III, Séminaire de Recherche GADDAL - Géographie, Aménagement et Développement Durable en Amérique Latine – ;  na Universidade de Paris VII / Institut de Géographie, Master Géoprisme e no Liceu Mariette em Bologne Sur Mer) durante as atividades de Estágio de Pós-Doutorado nos laboratórios UMS-RIATE e UMR-Géographie-Cités, Université Paris VII Denis Diderot, com o apoio da CAPES. Registro os agradecimentos ao Prof. Dr. Claude GRASLAND durante o estágio na Université Paris VII e a Hervé THÉRY e Neli MELLO pelo apoio e acolhida em Ivry-sur-Seine no período de Maio a Outubro de 2011.

2 ii A UNASUL foi formada pelos doze países da América do Sul a partir das uniões aduaneiras do Mercosul e da Comunidade Andina em Brasília em 28 de maio de 2008. O Tratado entrou em vigor no dia 11 de Março de 2011. http://www.itamaraty.gov.br/temas/america-do-sul-e-integracao-regional/unasul

3  Os eixos são: Andino, Capricórnio, Hidrovia Paraguay-Paraná, Amazonas, Escudo das Guianas, Sul, Interoceânico Central, Mercosul-Chile e Perú-Brasil-Bolívia. Para maiores detalhes a respeito das características da IIRSA ver http://www.iirsa.org

4  Ver a este respeito a Folha de São Paulo que apresenta o título “Paises vizinhos reagem ao Brasil expansionista” (MELLO, 2011).

5  Uma caracterização geohistórica detalhada, da organização do espaço da região da Bacia do Prata e do núcleo geoeconômico do Mercosul pode ser encontrada no Atlas do Mercosul, disponível em http://www.iheal.univ-paris3.fr/mercosur_esp/index.htm

6 O núcleo geoeconômico do Mercosul já recebeu concepções cartográficas desde os anos noventa (Atlas del Mercosur; THÉRY, MELLO, 2003) sendo sua localização aproximada entre os eixos viários que interligam as grandes metrópoles das regiões Sudeste e Sul do Brasil (estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul); da parte oriental do Paraguay; de todo o Uruguai, da Argentina (províncias de Misiones, Corrientes, Entre Rios, Buenos Aires, Santa Fé, Córdoba, La Pampa, São Luís, Mendoza e San Juan) e do Chile (Regiónes IV Coquimbo, V Valparaíso, Metropolitana e Libertador O’Higgins).

7  Estudos técnicos de vários organismos internacionais tem sido desenvolvidos, notadamente apoiados pela OEA – Organização dos Estados Americanos; BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento;  ALADI – Associação Latino Americana de Integração; FONPLATA - Fundo Financeiro para o Desenvolvimento da Bacia do Prata ; CEPAL – Comissão Econômica para a América Latina. O Instituto para a Integração da América Latina e o Caribe – INTAL-BID dispõe de banco de dados e referências bibliográficas e documentais sobre a região da Bacia do Prata (www.iadb.org.).

8 Conforme a tipologia de Arnaud Cuisinier-Rayanal (2001) adotada pelo Grupo Retis como cinco modelos de interações: 1) margem; 2) zona-tampão; 3) frentes; 4) sinapse e 5) capilar. (CUISINIER-RAYNAL, 2001).

9  Segundo os termos da Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR), as Mesorregiões Diferenciadas são espaços regionais que se localizam em duas ou mais áreas de territórios estaduais, apresentando, via de regra, estagnação econômica. A Mesorregião Grande Fronteira Mercosul mencionada neste estudo é classificada como uma Mesorregião Diferenciada.

10  O decreto de criação da Comissão Permanente para o Desenvolvimento e Integração da Faixa de Fronteira (CPDIFF) foi assinado no dia 02/set/2010 na cidade de Foz do Iguaçu (PR), pelo ex- Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva . Os três primeiros estados brasileiros que anunciaram a criação dos Núcleos Regionais da Faixa de Fronteira foram o Amapá, Paraná e Rio Grande do Sul. Em 24 – 25/nov/2011 também em Foz do Iguaçu, durante o “Seminário Brasil-União Europeia sobre políticas regionais em áreas de fronteira”, foram criados os núcleos dos estados do Pará, Mato Grosso do Sul e Rondônia. O objetivo do governo federal é a criação de onze núcleos regionais em todos os estados fronteiriços do Brasil com os países vizinhos (http://www.mi.gov.br. Acessos no dia 02/ago/2011 e 02/mar/2012).

11  Chuí-Chuy)UR); Jaguarão-Rio Branco(UR); Aceguá-Aceguá(UR); Santana do Livramento-Rivera (UR); Quaraí-Artigas (UR)-Barra do Quaraí-Monte Caseros (AR)-Bella Unión (UR).

12 O projeto envolveu duas escolas argentinas, uma em Bernardo de Irigoyen, Misiones, e a outra em Paso de los Libres, Corrientes, e duas escolas brasileiras, uma em Dionísio Cerqueira, em Santa Catarina, e outra em Uruguaiana, Rio Grande do Sul. Em 2006 o programa foi ampliado para as localidades de Puerto Iguazú, Misiones, Santo Tomé e La Cruz, Corrrientes na Argentina e para as localidades de Foz do Iguaçu (Paraná) e para São Borja e Itaqui, no Rio Grande do Sul. A partir de 2009 novos municípios passam a participar do projeto em Jaguarão (RS), em parceria com Rio Branco (Uruguai); Chuí (RS), com a cidade de Chuy (Uruguai); Ponta Porã (MS), com Pedro Juan Caballero (Paraguai) e Pacaraima (RR), com Santa Elena de Uiarén (Venezuela)(BRASIL/ARGENTINA, 2008; http://portal.mec.gov.br/).

13  A primeira ponte entre os dois países – e a primeira na América do Sul a ligar os dois antigos mundos hispânico e português no continente – foi a 1) “Getúlio Vargas-Agustín Pedro Justo”entre Uruguaiana-Paso de los Libres, sobre o rio Uruguai, inaugurada em 1945 no contexto da II Guerra Mundial. Além dessa há outras quatro pontes entre o Brasil e a Argentina : 2) Ponte Internacional sobre o Rio Santo Antonio (entre as cidades de Capanema, estado do Paraná-BR e Andresito- Província de Misiones-ARG) inaugurada em 1994; 3) a Ponte Presidente Tancredo Neves mais conhecida como Ponte  da Fraternidade sobre o rio Iguaçu (entre Foz do Iguaçu, estado do Paraná-BR e Puerto Iguaçu-ARG) começada em 1982; 4) a Ponte da Integração sobre o rio Uruguai (entre São Borja, Rio Grande do Sul-BR) e Santo Tomé, (Misiones-ARG) inaugurada em 1997. Finalmente, entre as cidades de San Pedro (ARG) e Paraíso (estado de Santa Catarina-BR) há uma quinta ponte e uma aduana interligando os dois países desde 1994 sobre o rio Peperi-Guaçu. Uma nova ponte foi anunciada em Declaração Conjunta Brasil-Argentina em 31 janeiro de 2011 a ser construída nestas mesmas localidades sobre o rio Peperi-Guaçu, igualmente prevista pela IIRSA, para incrementar o turismo e o fluxo de transporte de mercadorias na região

14  O Decreto Legislativo nº 645 / 2003 do Congresso Nacional estabeleceu o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Argentina para a viabilização da construção e operação de novas travessias rodoviárias sobre o rio Uruguai. No decreto estão previstas as atuações de iversos ministérios e secretarias dos dois países na área dos transportes, comércio internacional, obras públicas, relações exteriores e outros organismos nacionais.

15  Estão representados, no sentido do sul para o norte os seguintes pares de cidades gêmeas: Uruguaiana-BR / Paso de los Libres-ARG, onde se localiza a primeira ponte internacional desde 1945; Itaqui-BR / Alvear-ARG; São Borja-BR / Santo Tomé-ARG onde se localiza o Centro Unificado de Fronteira desde 1997; Porto Xavier-BR / San Javier-ARG e por fim, Porto Mauá-BR / Alba Posse-ARG.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura nº 1. A macrorregião da Bacia do Prata entre Brasil, Argentina e Paraguai e algumas de suas cidades-gêmeas
Crédits Organização: Camilo Pereira Carneiro Fº, 2012.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8216/img-1.png
Fichier image/png, 107k
Titre Gráfico nº 1. Exportações brasileiras para os países do Mercosul 1990-2005 em valores US$ FOB
Crédits Fonte: Ministério da Indústria e Comércio. Organização: Ana Stumpf Mitchel, 2007.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8216/img-2.png
Fichier image/png, 25k
Titre Gráfico nº 2. Importações brasileiras dos países do Mercosul 1990-2005 em valores US$ FOB
Crédits Fonte: Ministério da Indústria e Comércio. Organização: Ana Stumpf Mitchel, 2007.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8216/img-3.png
Fichier image/png, 20k
Titre Gráfico nº 3. Movimento total de importações dos países do MERCOSUL mais Bolívia e Chile, por estados brasileiros entre 1990 e 2007
Crédits Fonte: Ministério da Indústria e Comércio. Organização: Theo S. Lima, 2009.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8216/img-4.png
Fichier image/png, 59k
Titre Foto nº 1. Marco de fronteira entre Brasil e Argentina  
Crédits Foto: Aldomar A. Rückert, 2007
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8216/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 252k
Titre Foto nº 2. Monumento da Fronteira na Avenida Internacional, limite entre Barracão (Paraná, BR) /  Dionisio Cerqueira (SC) / Bernardo de Irigoyen (ARG), lado argentino
Crédits Foto: Aldomar A. Rückert, 2007.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8216/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 396k
Titre Foto nº 3. Monumento da Fronteira na Avenida Internacional, limite entre Barracão (Paraná, BR) / Dionisio Cerqueira (SC) / Bernardo de Irigoyen (ARG), lado brasileiro
Crédits Foto: Aldomar A. Rückert, 2007.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8216/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 500k
Titre Foto nº 4. As bandeiras fincadas em cada lado do limite internacional no Monumento da Fronteira na Avenida Internacional, limite entre Barracão (Paraná, BR) / Dionisio Cerqueira (SC) / Bernardo de Irigoyen (ARG)
Crédits Foto: Aldomar A. Rückert, 2007.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8216/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 168k
Titre Figura nº 2. Áreas de influência dos eixos da IIRSA Hidrovia Paraná-Paraguai, Capricórnio e Mercosul-Chile e a sub-região transfronteiriça Grande Fronteira Mercosul – Brasil e Nordeste da Argentina na América do Sul
Crédits Fonte: www.iirsa.org, Organização.: Eduarda Scheibe, 2011.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8216/img-9.png
Fichier image/png, 196k
Titre Tabela nº 1. Número de projetos de infraestrutura da IIRSA no eixo Mercosul-Chile, em curso, por país
Crédits Fonte: www.iirsa.org Organização. Aldomar A. Rückert, 2012
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8216/img-10.png
Fichier image/png, 19k
Titre Figura nº 3. Localização da densidade de projetos da IIRSA no Nordeste Argentino (NEA) e na Mesorregião Grande Fronteira Mercosul (GFM), 2010
Crédits Fonte: www.iirsa.org Organização: Társio Onófrio da Silva, 2010.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8216/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 180k
Titre Gráfico nº 4. Projetos da IIRSA no Nordeste Argentino (NEA) e na Mesorregião Grande Fronteira Mercosul (GFM) por setor de investimento, 2010
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8216/img-12.png
Fichier image/png, 19k
Titre Gráfico nº 5.  Investimentos nos projetos da IIRSA no Nordeste Argentino (NEA) e na Mesorregião Grande Fronteira Mercosul (GFM) por fonte de financiamento, 2010
Crédits Fonte: www.iirsa.org, Organização: Társio Onófrio da Silva, 2010
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8216/img-13.png
Fichier image/png, 22k
Titre Foto nº 5. O Rio Uruguai como a fronteira fluvial clássica entre o Brasil e a Argentina
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8216/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Gráfico nº 6. Fluxo de caminhões e automóveis no porto internacional Porto Xavier – San Javier entre 1990 e 2006
Crédits Fonte: Receita Federal de Porto Xavier. Dados referentes aos automóveis só estão disponíveis a partir de 1993. Organização Circe I. Dietz, 2008
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8216/img-15.png
Fichier image/png, 54k
Titre Foto nº 6. Motoristas aguardam a balsa entre Porto Mauá (RS, Brasil) e Alba Posse (Misiones, Argentina)
Crédits Foto: Circe Dietz, 2007.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8216/img-16.jpg
Fichier image/jpeg, 220k
Titre Foto nº 7. Travessia do rio Uruguai por balsa entre Porto Mauá (RS, Brasil) e Alba Posse (Misiones, Argentina)
Crédits Foto: Prefeitura Municipal de Porto Mauá, 2007.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8216/img-17.jpg
Fichier image/jpeg, 220k
Titre Figura nº 3. Principais escalas e atores com ações estratégicas na fronteira Brasil – Argentina dividida pelo rio Uruguai entre o Estado do Rio Grande do Sul e a Província de Misiones
Crédits Organização: Circe Inês Dietz, 2008.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8216/img-18.png
Fichier image/png, 119k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Aldomar A. Rückert et Circe I. Dietz, « Integração regional, a região transfronteiriça da bacia do Rio da Prata e os projetos de infraestruturas de conexão », Confins [En ligne], 17 | 2013, mis en ligne le 18 mars 2012, consulté le 26 mai 2017. URL : http://confins.revues.org/8216 ; DOI : 10.4000/confins.8216

Haut de page

Auteurs

Aldomar A. Rückert

Professor Doutor pesquisador do CNPq, Associado na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, aldomar.ruckert@gmail.com

Articles du même auteur

Circe I. Dietz

Doutoranda na Universidade de São Paulo, Brasil. Bolsista da FAPESP – Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo. Pesquisadora do Projeto Integração Sul-americana e Fronteiras, circe.dietz@usp.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org