Navigation – Plan du site

As relações estabelecidas entre a metrópole de Belém e a cidade média de Macapá (AP)

Les relations établies entre la métropole de Belém et la ville moyenne de Macapá (AP)
The relationships established between the metropolis of Belém and the medium-sized city of Macapá (AP)
Márcio Douglas Brito Amaral

Résumés

Le texte a pour but de contribuer à la connaissance de la relation entre métropole et ville moyenne en Amazonie à partir de l'analyse de la relation établie entre Belém et la ville moyenne de Macapá (capitale de l’État de l'Amapá). Plus qu’une inquiétude par rapport aux relations spatiales, il s’agit d’analyser les dynamiques économiques et leurs implications géographiques comme étant partie d’un processus général de production et reproduction de la société capitaliste sur cette partie du territoire brésilien. L'argument principal développé dans ce travail est que la relation entre Belém et Macapá doit être comprise dans le cadre du processus de concentration et de centralisation du capital auquel le pays est soumis.

Haut de page

Texte intégral

BelémAfficher l’image
Crédits : ©Hervé Théry 2009
  • 1  Este texto é o resultado das reflexões realizadas pelo autor, inicialmente, no capítulo 5, da tese (...)

1O objetivo central desse trabalho1 é contribuir para a compreensão da relação entre metrópole e cidade média na Amazônia a partir da análise das relações estabelecidas entre a metrópole de Belém e a cidade de Macapá – capital do Estado do Amapá (Mapa 01). Não se trata simplesmente de um estudo fundado na “lógica do espaço”, como pode parecer à primeira vista. Mais do que uma preocupação com as relações espaciais, busca-se analisar as dinâmicas econômicas e suas implicações geográficas como parte do processo geral de produção e reprodução da sociedade capitalista nessa porção do território brasileiro.

2A premissa adotada é a de que a acumulação capitalista ocorre num contexto geográfico expansivo. Embora o impulso para a acumulação se expresse no processo produtivo, pela criação da mais-valia absoluta e relativa, não se deve ignorar o fato de que a criação do valor depende da capacidade de sua realização por meio da circulação. O insucesso da realização do valor pode significar a negação do próprio valor potencialmente gerado no processo produtivo (HARVEY, 2005). Nesse sentido, é possível dizer que se a dinâmica do capitalismo continua aprofundando sua tendência à concentração e centralização na metrópole (LENCIONI, 1991), o papel exercido pelas cidades médias não pode ser desprezado, especialmente, no que se refere à circulação do capital.

Mapa 01: Localização da metrópole de Belém e da cidade média de Macapá

Mapa 01: Localização da metrópole de Belém e da cidade média de Macapá

3Portanto, ao estudar a relação entre a metrópole de Belém e a cidade média de Macapá, a intenção é mostrar como se configura a expansão do capitalismo nessa porção da Amazônia bem como suas implicações na vida de relações desses centros urbanos. A hipótese levantada é a de que por mais que a Amazônia tenha passado por grandes mudanças durante seu processo de integração como fronteira ao restante do território nacional, não se pode afirmar que o capitalismo se difundiu de forma linear no seu interior. A realidade que será discutida reforça a tese apontada por Harvey (1990), de um “desarrollo geográfico poco uniforme” do capitalismo. Assim, pode-se afirmar que a superação das barreiras físicas ao movimento das mercadorias e do dinheiro através do espaço seguiu um caminho diferente no caso de Macapá. Essa diferença não está apenas no fato da cidade estar desintegrada pela via rodoviária ao restante do país, mas também na natureza do capital que sustenta a circulação dentro da região e que, de certa forma, permite entender o papel ainda exercido pela metrópole de Belém em seu interior.

4Por fim, deve-se ressaltar que esta análise trabalha com as seguintes variáveis: a conectividade (aéreo, rodoviário, ferroviário e/ou hidroviário), o comércio e os serviços e atividades ligadas ao circuito inferior da economia urbana (feiras, comércio de rua e comércios e feiras das margens de igarapés). Todas as variáveis foram observadas a partir da vida de relações de Macapá, buscando mostrar de que forma ela se encontra com a realidade da metrópole de Belém.

A conectividade e as relações estabelecidas a partir de Macapá

5Mesmo não estando integrada pela via rodoviária com as demais cidades do país, não se pode dizer que Macapá está condenada ao isolamento, tendo em vista o atual contexto em que as redes de proximidade relativas (Lencioni, 2006) e as verticalidades (Santos, 1999) se tornaram dados fundamentais na estruturação do território.

6Uma das formas de se verificar a integração de Macapá ao restante do território nacional é por meio da circulação aérea. Com base no quadro 1, é possível constatar que Macapá mantém relações com diferentes cidades brasileiras em praticamente todas as regiões. Contudo, essa interação é maior com as três grandes metrópoles nacionais (Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro). Um dado fundamental presente neste quadro diz respeito ao movimento de cargas entre os aeroportos, no qual se observa que o fluxo no sentido das três metrópoles nacionais para Macapá é bem maior do que no sentido contrário. No caso do Rio de Janeiro é 24 vezes maior, de Brasília, 7 e de São Paulo, 5. Isso demonstra a importância dessas três metrópoles na circulação de mercadorias, por mais que não se possa inferir qual o seu tipo.

Quadro 1- Movimentação do Aeroporto Internacional de Macapá

Quadro 1- Movimentação do Aeroporto Internacional de Macapá

Fonte: ANAC, 2009. Organização: Márcio Douglas Brito Amaral

  • 2  De acordo com o IBGE (2008) a metrópole de Belém tem sua área de influência cada vez mais reduzida (...)

7Causa certa estranheza a ausência da metrópole de Belém na rota dos fluxos de Macapá observada no quadro 1, considerando que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE (2008) reafirmou o forte papel de comando de tal metrópole nessa parte da Amazônia2. Para esclarecer esse ponto, pode-se lançar mão do quadro 2, que permite verificar a intensidade dos fluxos aéreos entre as duas cidades. O número de empresas e de voos diários existentes já oferece um indicativo relevante do nível de interação entre elas. Como se pôde constatar em campo, por meio da coleta de dados junto a cada uma das empresas indicadas, Belém funciona como mediação, um ponto nodal, entre os grandes centros metropolitanos e a cidade de Macapá. Todos os voos das grandes empresas de aviação que chegam ou partem de Macapá, necessariamente, fazem escala em Belém. Nos dados da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), de 2009, o número de passageiros de voos de Belém a Macapá foram de 174.975 e no sentido contrário, de 178.545. Depois da rota de Brasília, esse é o fluxo de passageiros mais importante para Belém, o que denota o nível de interação entre essas cidades, com destaque para a mobilidade de pessoas.

Quadro 2 - Belém-Macapá: Horários de voos e empresas aéreas

Quadro 2 - Belém-Macapá: Horários de voos e empresas aéreas

Fonte: Trabalho de Campo, 2010. Organização: Márcio Douglas Brito Amaral

8O fluxo de passageiros entre as duas cidades está relacionado, de um lado, ao nível de centralidade de Belém, que concentra a gestão federal, a gestão empresarial e a oferta de equipamentos e serviços da Amazônia Oriental (IBGE, 2008). No sentido de Macapá, conforme se pôde constatar em entrevistas realizadas com diferentes empresas da cidade, esse fluxo pode estar relacionado à mobilidade da força de trabalho, que se desloca para a cidade em busca, principalmente, de emprego nas instituições públicas – construídas ou em construção depois do processo de estadualização – e nas empresas privadas. Para uma visão mais precisa desse processo, verificou-se que nas redes de supermercados, lojas de departamento, eletroeletrônicos e magazines, distribuidoras do setor atacadista apenas uma empresa apresentou número de funcionários amapaenses superior ao de paraenses. Mesmo assim, dos 784 funcionários desse empreendimento, 20% era composto de trabalhadores do Pará.

9Outra forma de verificar a integração de Macapá ao restante do país, por meio dos fluxos materiais, é pela via fluvial. Esta, porém, é bem mais complexa, pois ocorre por meio de grandes navios, geralmente utilizados para o transporte de commodities e produtos industrializados da Zona Franca de Manaus que tem Macapá e o Porto de Santana como “rota obrigatória”. Além de navios, há a presença de balsas que transportam grandes contêineres, caminhões e carretas carregados de mercadorias de diferentes lugares do Brasil e que são transferidas em Belém do modal rodoviário para o hidroviário. Por fim, têm-se os barcos que fazem as viagens regionais transportando passageiros (de camarote ou rede) e mercadorias (porões). No quadro 3, é possível observar que as cidades mais importantes para Macapá no que se refere a esse fluxo têm sido, em primeiro lugar, a metrópole de Belém e, depois, Santarém, Breves e Manaus. Belém destaca-se tanto pela quantidade de empresas, quanto pela quantidade de fluxos regulares de embarcações (realizados semanalmente por cada empresa). Do total de trinta embarcações que partem toda semana de Macapá, vinte têm como destino final Belém; cinco, Santarém (PA); três, Breves (PA); e uma, Manaus (AM).

Quadro 3 - Distribuição dos horários e destinos das empresas de transporte de passageiros via hidroviária

Quadro 3 - Distribuição dos horários e destinos das empresas de transporte de passageiros via hidroviária

Notas: (1) Apesar de viajar toda semana, esses barcos às vezes mudam o dia da viagem.

Fonte: Trabalho de Campo, 2010. Organização: Márcio Douglas Brito Amaral e Marcos Alexandre Pimentel da Silva

10Não foi possível quantificar as cargas transportadas nas embarcações, pois não há esse registro nas empresas analisadas. Todavia, em termos de passageiros, as embarcações que fazem as viagens mais distantes (Belém, Santarém e Manaus), denominadas “navios motorizados” na linguagem local das empresas, transportam entre 120 e 140 pessoas. Alguns navios maiores, como o São Francisco de Paula, transportam até 220 passageiros, mas não é incomum algumas embarcações viajarem com lotação superior à sua capacidade, o que tem acarretado alguns impedimentos na realização de certas viagens pela Capitania do Porto da Amazônia Oriental (CPAOR).

11Além da importância mais evidente de Belém nos fluxos das embarcações de Macapá, despertou a atenção o número significativo de viagens para o oeste do Pará, chegando até a cidade de Santarém. Posteriormente, foi possível constatar, por meio de entrevistas com representantes comerciais e empresários do setor de comércio atacadista, que essa porção da região faz parte de suas rotas de comercialização de mercadorias, especialmente os núcleos de Almerim, Prainha e Monte Dourado. Na fala da informante nota-se a importância de Macapá para o oeste do Pará e para a Ilha do Marajó, em função dos incentivos da SUFRAMA:

Vem muito dessa parte, até de Santarém, todos eles vêm comprar, até mesmo, podemos explicar o motivo prá (sic) eles não irem prá (sic) Belém, é porque aqui nós temos incentivo (sic), nós temos o desconto de Suframa que é -12%, (...), que o total dá -21.25 % dependendo de onde vem, a região, então pra eles sai muito mais barato, pagar um frete, vir aqui comprar do que eles irem em Belém, é mais próximo eles irem em Belém, mais é mais vantajoso por lucro eles virem aqui, então aqui nosso estado ele vende bastante, pros interiores (...) (Entrevista de Alice Gaia, Secretária Administrativa da Distribuidora Anápolis, Macapá (AP), 17 de março de 2010).

12O trecho revela o papel da Área de Livre Comércio de Macapá e Santana (ALCMS) na dinamização da economia da cidade de Macapá, não necessariamente porque a cidade consome as mercadorias que entram na região com os incentivos do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), mas porque é a partir dela que se faz parte da distribuição dessas mercadorias no interior da região, sobretudo, para o sul do Amapá, oeste do Pará e Ilha do Marajó (PA).

13O dado apresentado pela entrevistada permite que consideremos como elemento diferenciador na centralidade de Macapá o fato de ser uma cidade média com uma situação fiscal diferenciada, o que significa que a normatização pode ser um dado importante a se considerar na análise desse tipo de cidade. Como se constatou também na entrevista com Elielson da Conceição Ferreira Melo, Chefe da Área Administrativa da Superintendência para o Desenvolvimento da Zona Franca de Manaus (SUFRAMA) em Macapá, além dos incentivos fiscais (isenção do IPI e do ICMS) da SUFRAMA, há o benefício dos investimentos realizados por esse órgão na estrutura física e social da cidade. O entrevistado ofereceu um quadro que aponta as principais obras realizadas recentemente na cidade, que têm a participação direta da SUFRAMA por meio da oferta de parte dos recursos financeiros para tal finalidade.

  • 3  O projeto IIRSA (Iniciativa para Integração da Infraestrutura Regional Sul-Americana) está fundame (...)

14Além das conexões mais externas, Macapá estabelece interações com o seu próprio Estado, principalmente pela via rodoviária e, numa escala bem menor, ferroviária. Na porção sul do Amapá, fronteira com o Pará, as cidades de Vitória do Jari e Laranjal do Jari destacam-se nos fluxos com Macapá, cuja dinâmica está relacionada à exploração de caulim pela empresa Caulim da Amazônia (CADAM) e de celulose pela empresa Jari Celulose. Essa parte do estado está articulada à cidade de Macapá pela via rodoviária, a BR-156, muito embora nesse trecho a rodovia se torne quase uma trilha no meio da floresta, principalmente, próximo a Laranjal do Jari. Apesar de precária, essa parte da rodovia é servida com seis linhas de ônibus, que diariamente realizam a circulação com Macapá, como se pode notar no quadro 4. Deve-se ressaltar que, dentro do projeto de integração do governo federal3, está em construção uma ponte interligando a cidade de Laranjal do Jarí (AP) ao núcleo urbano planejado de Monte Dourado (Almerim/PA).

Quadro 4 - Distribuição dos horários e destinos das empresas de transporte de passageiros do Terminal Rodoviário de Macapá

Quadro 4 - Distribuição dos horários e destinos das empresas de transporte de passageiros do Terminal Rodoviário de Macapá

O quadro apresenta os horários regulares, distribuídos de segunda a sexta feira. O tempo de deslocamento aproximado entre as cidades é de: Macapá-Oiapoque (doze horas); Macapá-Laranjal do Jari (sete horas); Macapá-Serra do Navio (quatro horas); Macapá-Ferreira Gomes (duas horas).

Fonte:Trabalho de Campo, 2010. Organização: Marcos Alexandre Pimentel da Silva.

15No limite norte do Amapá, na fronteira com a Guiana Francesa, a cidade mais importante em termos econômicos e populacionais é Oiapoque, uma “cidade de fronteira” que, na atualidade, está no centro do processo de integração do Brasil à América do Sul através do Escudo das Guinas, dentro do projeto da IIRSA. De acordo com Silva e Rückert (2009), as obras no Amapá – a ponte binacional entre Oiapoque (Brasil) e Saint-Georges (Guiana Francesa), o asfaltamento da BR-156 entre Ferreira Gomes e Oiapoque e a modernização do Porto de Santana – são parte dos usos contemporâneos da fronteira, pensadas a partir da concepção “fronteira-rede”. Tais transformações acabam por reforçar as relações entre Macapá e o norte do Amapá, mas, ao mesmo tempo, reforçam a presença da metrópole de Belém nessa parte mais setentrional da Amazônia, como indicado por Becker (2004).

16Na porção central do Estado do Amapá, numa área melhor interligada fisicamente à Macapá encontram-se as cidades de Serra do Navio, Pedra Branca do Amapari, Porto Grande, Ferreira Gomes e Tartarugalzinho. As duas primeiras foram dinamizadas, recentemente, com a instalação de dois projetos de mineração (MMX Mineração e Metálicos S.A. – ferro – e Mineração Pedra Branca do Amapari (MPBA) – ouro) na antiga área de atuação da Indústria e Comércio de Minérios S.A (ICOMI) e vêm apresentando uma maior intensificação de seus fluxos com Macapá em função da mobilização de trabalhadores e mercadorias, transportadas via ferrovia até o Porto de Santana. As demais têm sua dinâmica econômica associada à instalação da Usina Hidrelétrica de Coaracy Nunes (em Ferreira Gomes), mas também aos grandes latifúndios monocultores de pinhos e de eucaliptos, pertencentes a grandes empresas multinacionais (AMCEL, CHANFLORA, International Paper, Jarí Celulose e Champion Papers), voltados à produção de celulose, de cavacos e biomassa para abastecer o mercado externo e que “vem impactando diretamente a área da agricultura camponesa desses municípios” (LIMA, 2005). A ação dessas grandes empresas tem promovido um fluxo intenso de caminhões carregados de madeira pela BR-156, entre os municípios indicados e a área portuária de Santana, onde se localiza a fábrica da AMCEL, de produção de cavacos e biomassa voltada para os mercados dos EUA, Japão e Europa.

O significado do comércio varejista e atacadista na vida de relações de Macapá

17Para fazer essa análise trabalhou-se com os segmentos de lojas de departamento, eletrodomésticos, eletrônicos e magazines, redes de supermercados, importadoras, empresas de distribuição e representantes comerciais, buscando verificar as redes de relações por eles produzidas para a cidade de Macapá, bem como aquelas que se associam diretamente a metrópole de Belém.

18No que se refere às lojas de departamento, eletrodomésticos, eletrônicos e magazines, pode-se verificar em Macapá que o setor é controlado por empresas pertencentes a grupos familiares da própria cidade. As exceções são os grupos Esplanada e Y. Yamada, que tem Belém como centro de gestão dos seus negócios e cuja atuação tem se dado mais em nível regional. Na tabela 1 estão listadas as empresas existentes em Macapá e, dentre elas, as localizadas em outras cidades do estado. A localização desses empreendimentos no interior da cidade acompanha de perto a própria organização espacial (Mapa 02). Na área central concentra-se a maior parte das lojas (13). No seu entorno imediato encontra-se uma área em forma de arco, formada por alguns bairros que apresentam certo nível de especialização, tais como Laguinho, Buritizal, Santa Rita – este com um eixo principal que se liga à Rodovia Duque de Caixas, que dá acesso à cidade de Santana. No entorno da área central, porém não se caracterizando enquanto uma zona periférica do centro, há três lojas, pertencentes aos três maiores grupos locais, sendo que um deles utiliza a loja como depósito e centro de distribuição. Além dessas duas áreas, é possível perceber dois eixos bem definidos: as chamadas Zonas Norte e Sul, que acompanham os principais eixos viários – as rodovias JK e Duque de Caxias e a BR-210 – em direção ao município de Santana.

Tabela 1 - Macapá: principais lojas de eletrodomésticos, eletrônicos, magazines e lojas de departamento

Tabela 1 - Macapá: principais lojas de eletrodomésticos, eletrônicos, magazines e lojas de departamento

Fonte: Trabalho de Campo, 2010. Elaboração: Márcio Douglas Brito Amaral

Mapa 02: Principais eixos, setores comerciais e de serviços e terminais de circulação de Macapá e Santana

Mapa 02: Principais eixos, setores comerciais e de serviços e terminais de circulação de Macapá e Santana

19Ainda na tabela 1 pode-se perceber que os três principais empreendimentos têm, em termos de quantidade de lojas, pelo menos, uma de suas empresas localizadas no município de Santana devido ao número de consumidores potenciais nesse núcleo populacional. Observa-se que, depois de Macapá e Santana, existem lojas somente no Oiapoque e Laranjal do Jarí, o que reforça a importância desses núcleos em termos de urbanização no Estado do Amapá. Deve-se ressaltar que na grande quantidade de cidades do Amapá que não possui lojas do setor em questão, vendedores itinerantes comercializam os produtos das empresas localizadas em Macapá, entregues posteriormente através de transporte próprio, principalmente, caminhões.

20A maioria das empresas de Macapá indicou os centros do Sudeste (principalmente São Paulo), Sul e Centro-Oeste como fornecedores de suas mercadorias. Por mais que a Zona Franca de Manaus apareça em quase todas as entrevistas como um polo de produção importante, há unanimidade em indicar que a produção é distribuída pelos grandes centros nacionais. Somente uma empresa afirmou ter como alguns dos seus fornecedores principais cidades da região Nordeste (Recife e Natal).

  • 4  As empresas de transporte de navegação estão localizadas todas no Distrito Industrial de Macapá e (...)

21Um aspecto que apareceu em quase todas as entrevistas foi o de que Belém desempenha o papel de um entreposto na distribuição de mercadorias para Macapá. Os informantes apontaram que o transporte utilizado pelas empresas é sempre via rodo-fluvial, realizado por empresas transportadoras (terceirizadas) pagas pelas próprias indústrias que fornecem os produtos. Foi possível identificar dois grupos de empresas que fazem esse transporte de mercadorias para Macapá: aquelas que trabalham com transporte de navegação (J. Sabino, Reicon, Belnave, Silnave e Sanave) e que, em Macapá, estão todas localizadas no Distrito Industrial4; e, aquelas que trabalham com transporte em geral e atuam em todo o território nacional (Bertolini, Onça, Atlas, Regional, Expresso Araçatuba, RJJ, Raça, etc.). O transporte é realizado de caminhão até Belém e, posteriormente, utiliza-se a circulação fluvial, por meio de balsas, principalmente, até Macapá.

22No que se refere às redes de supermercado a realidade observada é muito semelhante a das lojas de eletrodomésticos, eletrônicos, magazines e lojas de departamento. São empreendimentos locais e familiares que, apesar de atuarem no ramo de supermercado, diversificam seus investimentos em áreas relativamente semelhantes, tais como comércio atacadista (Favorito e Fortaleza), lojas de departamento (Y. Yamada, Fortaleza e Sorriso), farmácia (Santa Lúcia) e shopping center (Fortaleza), no interior da cidade.

23Na tabela 02 pode-se verificar a quantidade de empreendimentos e a sua distribuição espacial no interior da cidade. A rede Fortaleza (do grupo A. R. Filho), possuem o maior número de supermercados, com seis estabelecimentos, sendo que um deles funciona como âncora do “Macapá Shopping Center”, seguido da rede Santa Lúcia, do grupo Santa Lúcia, que possui quatro supermercados. É importante destacar que a maioria dos supermercados está localizada no entorno da área central e seus principais corredores viários, e nas grandes vias de circulação de veículos particulares e coletivos das zonas norte e sul.

Tabela 2 – Macapá: principais redes de supermercados

Tabela 2 – Macapá: principais redes de supermercados

Fonte: Trabalho de Campo, 2010. Elaboração: Márcio Douglas Brito Amaral

24Em relação aos produtos comercializados, foi possível notar que a maior parte provém do Sul e do Sudeste brasileiro, especialmente São Paulo e Rio de Janeiro. Do Centro-Oeste destaca-se a distribuição dos produtos de Goiânia; do Nordeste os produtos vêm do Rio Grande do Norte; e, do Norte o destaque foi dado à Belém, principalmente dos produtos da Ceasa (Centrais de Abastecimento do Estado do Pará). Do Estado do Amapá são apenas alguns produtos de hortifrutigranjeiros, produzidos no interior de Macapá ou em assentamentos ao seu entorno.

25Quanto aos meios utilizados para fazer a mercadoria chegar até a cidade de Macapá, o caminho é o mesmo seguido por todos os setores comerciais da cidade, isto é, os produtos são deslocados até Belém por via rodoviária, geralmente em caminhões da própria empresa fornecedora. Uma vez em Belém, há duas possibilidades: ou as mercadorias são transferidas dos caminhões dos fornecedores para os caminhões do supermercado que esperam na cidade para receber a mercadoria a ser transportada nas balsas – pertencentes às empresas que fazem transporte de navegação; ou os próprios caminhões dos fornecedores são embarcados nas balsas e fazem o trajeto completo até a cidade de Macapá. Nesse último caso, o principal problema, segundo todos os entrevistados, é que o “caminhão volta batendo”, ou seja, volta descarregado (vazio) por não ter produtos para fazer a viagem no sentido contrário, ao passo que, em Belém, eles conseguem cargas para seu local de origem e diminuem os custos das viagens.

26Feita essa discussão sobre a rede de supermercados, passa-se a analisar mais de perto o comércio atacadista e sua importância para os relacionamentos da cidade de Macapá. Como nessa atividade atuam muitas empresas diferentes, foram escolhidas as principais de cada ramo específico (alimentos, material de construção, hortifrutigranjeiros, higiene pessoal, etc.) para proceder à análise. Verificou-se que, primeiro, a maior parte dos empreendimentos estão localizados no bairro Buritizal, ainda que seja possível encontrá-los, de forma rarefeita, no bairro Pacoval e no eixo norte da cidade. Segundo, seus principais consumidores são mini-boxes, existentes na própria cidade de Macapá, e comerciantes do interior do Amapá e de algumas cidades e povoados da Ilha do Marajó e oeste do Pará. Para o setor de hortifrutigranjeiros, seus principais fregueses são os mini-boxes de Macapá e Santana. Embora haja compradores do Oiapoque e de Mazagão que vão toda semana a Macapá para comprar verduras, eles não se comparam aos compradores locais.

  • 5  Trata-se de uma alternativa encontrada pelos atacadistas para aumentar seu mercado consumidor. Ao (...)

27No que se refere à distribuição de gêneros alimentícios, foram encontrados dois tipos principais de distribuidoras: as representantes exclusivas de determinadas marcas e produtos e que, portanto, têm como seus principais clientes outros distribuidores, como é o caso da Distribuidora Anápolis; e, aquelas que não têm exclusividade na distribuição e comercializam seus produtos nos varejos e com os consumidores em geral através do chamado “meio a meio5”. As maiores distribuidoras comercializam com todas as cidades do Amapá e algumas da Ilha do Marajó e do Oeste do Pará. O que torna essa comercialização possível é, principalmente, o fato de as empresas possuírem caminhões próprios para realização de entregas, mas também o fato de possuírem “vendedores externos”, dispersos pelas várias áreas indicadas negociando seus produtos. Além disso, deve-se destacar a importância das embarcações que fazem o transporte da mercadoria até o consumidor nas áreas ribeirinhas. Neste caso, o consumidor (comerciante varejista do interior) liga para o distribuidor (de Macapá) para fazer o pedido da mercadoria de que necessita, indicando que ela deve ser entregue num barco determinado (com dia e hora marcada). O pagamento é efetuado posteriormente, uma vez que a compra é, em geral, a crédito (“fiado”).

28Quanto à distribuição no ramo de material de construção, verificou-se que se trata de um setor muito dinâmico, tanto nas cidades de Macapá e Santana, quanto no interior do estado. De acordo com o empresário do setor e Presidente do Sindicato dos Representantes Comerciais do Amapá (SINDRAP), o senhor Adnilson Aires, há um forte crescimento dessa atividade no estado. Além da sua empresa, existem, aproximadamente, outras 200 atuando na venda de material de construção e todas têm bastante sucesso. Segundo o entrevistado, um fator que tem contribuído para que as empresas estejam presentes em todos os municípios do Amapá, Ilha do Marajó e Oeste do Pará é a ampla utilização das novas tecnologias, sobretudo, a internet, que permite a conexão direta com os clientes e os fornecedores das fábricas.

  • 6  Numa coleta de dados realizada na Ceasa de Belém, verificou-se que toda semana são transportadas 1 (...)

29Para terminar essa parte do texto é preciso ressaltar que o comércio atacadista acompanha de perto a tendência esboçada pelas demais atividades comerciais da cidade de Macapá, com pequenas diferenças, principalmente no setor de hortifrutigranjeiros, cujos principais fornecedores se encontram em Belém6. Em termos de fornecedores, os setores de alimentos e de material de construção não apresentam diferenças significativas em relação ao comércio varejista: em geral, são sempre do Sudeste, Sul e Centro-Oeste, principalmente, de São Paulo e Goiânia. Deve-se destacar que todos os agentes ligados a esse setor salientaram a importância dos incentivos da SUFRAMA para sua atividade em Macapá, contudo, foram unânimes em apontar como principal dificuldade o problema logístico, que dificulta a chegada de mercadorias até a cidade e os custos com o frete pago às transportadoras.

O circuito inferior da economia e a vida de relações de Macapá

30Para que se entenda a importância do circuito inferior (Santos, 1979) para dinâmica interna da cidade de Macapá, bem como a vida de relações por ele produzida, fez-se a seguinte divisão, de acordo com o tipo de atividade desenvolvida: feiras, comércio de rua e feira e comércio das margens de igarapés (Mapa 03 – no final deste item).

31Pode-se começar falando das atividades comerciais desenvolvidas nas margens de igarapés (fotos 1 e 2): o comércio de madeira, de pescado e de produtos agrícolas e suas relações com as ilhas, cidades e povoados ribeirinhos do Amapá e da Ilha do Marajó. O comércio de madeira é realizado em três áreas da cidade: o Canal do Jandiá, o igarapé das Pedrinhas e o igarapé do Boieiro. A madeira comercializada nessas áreas é proveniente das cidades da Ilha do Marajó, particularmente de Breves, Afuá, Chaves e Gurupá.

Foto 1: Área de comercialização do pescado do Igarapé das Mulheres

Foto 1: Área de comercialização do pescado do Igarapé das Mulheres

A fotografia retrata o movimento da feira num horário (próximo do meio-dia) não muito movimentado, mas que permite ter uma ideia da sua importância na medida em que se observa uma grande quantidade de barracas, improvisadas porque sua área de comercialização estava interditada para reforma.

Fonte: Trabalho de Campo, 2010

Foto 2: Barcos atracados numa parte Igarapé das Mulheres

Foto 2: Barcos atracados numa parte Igarapé das Mulheres

Comentário: busca-se registrar a presenças das embarcações que chegam no igarapé trazendo mercadorias, principalmente de Belém e da Ilha do Marajó, o que retrata uma relação intensa e cotidiana entre as duas cidades. Difícil é registrar a movimentação desses barcos. Uma das alunas/bolsista que tive em Macapá se propôs a fazer um registro por meio de uma contagem visual, foram observados mais de 200 embarcações/dia.

Fonte: Trabalho de Campo, 2010.

32De acordo com os entrevistados, como Odair José Moraes Costa, Conselheiro Fiscal da Cooperativa do Canal do Jandiá e proprietário de instância, a madeira chega até eles por meio dos atravessadores, que possuem embarcações e viajam por essas cidades do interior em busca de mercadorias. Segundo eles, a ação do atravessador é vista como positiva para o desenvolvimento de suas atividades, pois ele traz e entrega a madeira na porta das estâncias (pequenos estabelecimentos de comércio de madeira, tijolo, telha, areia e seixo). Por isso, torna-se estratégica a localização das estâncias às margens de igarapés, no intuito de eliminar os custos com transporte da mercadoria entre o trapiche (pequeno porto de madeira) e os comércios.

33De acordo como o senhor Raimundo Leão Pereira, proprietário de estância no Igarapé das Pedrinhas, é muito comum os ribeirinhos trazerem a madeira pela manhã, entregarem em sua porta, deixarem a canoa ou barcos estacionados e, logo em seguida, saírem para comprar mantimentos que serão levados para suas “paragens” (localidades, ilhas e/ou cidades em que residem).Segundo ele, o horário de entrega da madeira é muito variável, pois depende do movimento das marés. Para uma visão mais precisa da importância do comércio de madeira realizado nas margens de igarapés em Macapá e de como era realizada essa atividade no passado, pode-se reproduzir a fala do senhor Manoel Gomes Marques, 67 anos, que há mais de 50 trabalha com essa atividade, trazendo o produto de Breves (Ilha do Marajó) e depois comercializando nas estâncias.

Trazia madeira em canoa de vela, que tinha pouquinho aro, era canoa a vela, depois que começou a aparecer motor, essas coisas, de Breves, uma vez veio uma pessoa aqui e eu falei, rapaz aqui depende tudo do Pará, eu tenho tudo isso de tempo trabalhando e essa madeira vem tudo do Pará, não é daqui do Amapá não, é tudo do Pará (Entrevista de Manuel Gomes Marques, proprietário de estância do Canal do Jandiá, Macapá (AP), 19 de março de 2010).

34Além de reforçar o papel histórico que esse tipo de atividade tem para Macapá, o trecho mostra também que essas dinâmicas, apesar de não aparecerem nas estatísticas produzidas pelos órgãos de pesquisa institucionalizados, têm papel fundamental na vida de muitas famílias. Elas estão diretamente relacionadas à produção da cidade e às atividades econômicas ditas formais, uma vez que essa produção é toda comercializada com lojas de materiais de construção, construtoras de imóveis e pessoas que estão construindo sua moradia. Embora afirmem que parte de sua produção seja comercializada com lojas de materiais de construção e construtoras de imóveis, não resta dúvida de que seus principais clientes são aqueles que estão construindo individualmente suas residências. Isso se explica, em grande parte, porque Macapá ainda se observam muitas casas em construção com o serviço de pedreiros/mestres de obra, que não se constituem como empresas da “indústria da construção civil”. Aliado a isso, ressalta-se que grande parte da população de baixa renda da cidade vive em áreas segregadas, denominadas “ressacas” (áreas alagáveis da cidade em função do regime de cheias e vazantes do rio Amazonas), onde as residências são feitas em madeira, inclusive, o piso e as pontes que lhes dão acesso.

35Ainda discutindo o comércio realizado às margens de igarapés destacam-se outras cinco áreas: o igarapé das Mulheres, o comércio de pescado da orla de Santa Inês, o igarapé das Pedrinhas, o igarapé da Fortaleza e o entorno do Porto de Santana. Principalmente no Igarapé das Mulheres verificou-se a presença de um comércio intenso, cuja maior parcela da produção identificada é proveniente de Belém. No Igarapé da Fortaleza e na área do entorno do Porto de Santana, a relação com Belém se faz em função da chegada e saída cotidiana de barcos em direção à metrópole. No entanto, os produtos que são aí comercializados, de maneira geral, são produzidos nas ilhas que margeiam as próprias cidades de Macapá e Santana.

36O senhor Raimundo Mota, o “Daia”, comerciante do Igarapé das Mulheres e durante muitos anos Presidente da Associação da área, definiu esse espaço como sendo “o segundo Ver-o-Peso”. Das ilhas do entorno das cidades vêm o peixe e o açaí, entregues ao atravessador que realiza a sua comercialização nas barracas da feira; do Marajó e de Belém vem, principalmente, a farinha, mas também verduras e frutas, que abastecem as redes de supermercados, mini-boxes e feiras da cidade de Macapá.

37Além das feiras das margens de igarapés, existem dois outros tipos de feiras: o comércio de rua e as feiras dos produtores rurais (fotos 3 e 4). Em várias ruas do bairro central de Macapá encontra-se o comércio de rua (camelôs), mas para os fins da pesquisa foi escolhida a área do entorno do mercado municipal pela sua importância em termos de quantidade e concentração desse tipo de atividade. Nessa área são comercializados principalmente confecções e calçados, cujas origens principais são as cidades de Fortaleza, Caruaru, Pernambuco, São Paulo, Santa Catarina e Goiânia. O caminho seguido pelas mercadorias comercializadas pelos camelôs é o mesmo: chegam a Belém nos caminhões das transportadoras, depois são embarcadas na balsa e descarregadas em Macapá. Também foi possível identificar o uso do transporte aéreo para pequenas quantidades de mercadorias, e o uso de automóvel próprio (caminhonetes, pick-ups) para compras realizadas em diferentes lugares, sobretudo, as realizadas na região Nordeste.

Foto 3: Comércio de rua

Foto 3: Comércio de rua

A fotografia destaca uma área de comércio popular no entorno do tradicional mercado central de Macapá. Nesta área são encontradas mercadorias, principalmente, confecções voltadas para um público com baixo poder aquisitivo. A localização dessa atividade bastante estratégica, pois faz parte da maioria das linhas de ônibus existentes na cidade.

Fonte: Trabalho de Campo, 2010.

Foto4: Feira do Buritizal em horário de funcionamento

Foto4: Feira do Buritizal em horário de funcionamento

Pode-se ver ao fundo, na imagem a intensa movimentação de pessoas vendendo e comprando os produtos da agricultura familiar. A ideia é mostrar que nos dias de feira existe uma grande presença de consumidores da cidade nessa feira, não somente do bairro do Buritizal, mas de todos os que estão mais próximo dele.

Fonte: Trabalho de Campo, 2010.

38A respeito das feiras dos produtores rurais, foram identificadas cinco áreas em Macapá: feira livre do Pacoval, feira do bairro Perpétuo Socorro, feira do Buritizal, feira do Produtor Rural do bairro Jardim Felicidade e feira de Santana. Pode-se afirmar que nas feiras em questão as relações são horizontais: servem, de um lado, para reforçar o papel de centralidade exercido por Macapá em seu próprio Estado, nas relações existentes entre a cidade e o campo; e, de outro, permitem desmistificar a ideia de que não se produz nada em Macapá e no Amapá, como vários discursos buscam sustentar.

39Com exceção das feiras do Pacoval e do Perpétuo Socorro, consideradas feiras livres, as demais funcionam sob a gerência do governo do estado. Cada feira possui um representante do governo que coordena as atividades nelas desenvolvidas. De acordo com um desses coordenadores, o senhor Adelson Carlos Corrêa, da feira do Buritizal, existem 324 comunidades atuando nas feiras de Macapá. Ademais, ainda que a do Pacoval seja considerada livre, o governo tem nela o seu espaço.

A feira tem a função de comercialização desses produtos que os agricultores, de produção familiar, não é pra suportar produção de grande porte, é uma agricultura familiar, hoje nós temos um entrave entre agricultura familiar e o pessoal que já tem uma produção maior, hoje nós trabalhamos com 324 comunidades, dentro das feiras, onde essas comunidades trabalham em caráter de rodízio, nós trabalhamos com a feira do Jardim, do Pacoval, de Santana e feira do Buritizal, quatro feiras (...) (Entrevista de Adelson Carlos Corrêa, Coordenador da Feira do Buritizal, Macapá (AP), 16 de Março de 2010).

40Como se constatou, essas feiras estão relativamente bem distribuídas no interior da cidade, de maneira a atender a população de modo geral. As feiras do Jardim Felicidade e do Pacoval atendem em grande medida, a população da zona norte; a do Perpétuo Socorro e a do Buritizal, localizadas numa ponta e noutra do arco que contorna o centro da cidade, atendem as populações do bairro central, dos demais bairros situados dentro do referido arco e da zona sul; e, a feira de Santana, conhecida pela população local como feira do “mete a mão”, atende mais a população desse município. Como disse o coordenador da feira do Jardim Felicidade, o senhor Benedito Barbosa Cruz, existe uma preocupação em distribuir, equitativamente, as feiras no interior da cidade para atender a população como um todo.

41A produção comercializada nas feiras são, em sua maioria, frutas, verduras e a farinha, que é o produto mais comercializado em todas as feiras do produtor. Para que a produção chegue à cidade, em forma de rodízio como apontando acima, é disponibilizado um caminhão para transportar a produção em dias específicos e um ônibus para o transporte de pessoas. É importante ressaltar que existem agricultores familiares que conseguiram um nível de produção alta para os padrões desse tipo de agricultura, inclusive, passando a comercializar mais regularmente com proprietários de supermercados e mercearias da cidade. A dificuldade, contudo, que eles têm que enfrentar é o transporte, pois não há como trazer toda a produção no caminhão da comunidade. Como disse Adelson Carlos Corres, existem casos em que outros produtores não têm muita produção para trazer, o que torna possível que aquele que produziu mais tenha o direito de colocar sua produção no caminhão, mas não existe nenhuma garantia de que toda a produção do campo chegue até a cidade.

Mapa 03: Circuito inferior da economia urbana de Macapá

Mapa 03: Circuito inferior da economia urbana de Macapá

Considerações Finais

42O objetivo principal deste texto foi o de analisar a relação entre metrópole e cidade média na Amazônia, a partir do entendimento das relações estabelecidas entre a metrópole de Belém e a cidade de Macapá (capital do Estado do Amapá). Para realizar tal investigação trabalhou-se com três variáveis principais: a conectividade, as atividades comerciais e de serviços e o circuito inferior da economia urbana. A respeito da primeira foi possível verificar que Macapá estabelece relações com diferentes cidades brasileiras, principalmente, Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro. Deve-se ressaltar, porém, que praticamente todos os grandes voos que decolam ou aterrissam em Macapá tem a metrópole de Belém como ponto de mediação das conexões. Quanto a segunda variável – atividades comerciais e de serviços – foram encontradas duas realidades principais: de um lado, o fluxo de mercadorias que chega às lojas de departamento, magazines e supermercados de Macapá tem em Belém apenas um entreposto para os produtos provenientes, sobretudo, do sudeste do país; de outro, tem-se aquelas mercadorias cujo controle da distribuição tem em Belém seu centro. Um exemplo dessa realidade são os produtos distribuídos a partir da Ceasa que, embora produzidos em diferentes regiões do país, são concentrados e distribuídos via grupos econômicos que atuam a partir de Belém. Sobre a terceira variável – circuito inferior – pôde-se verificar que as mercadorias comercializadas em Macapá constroem dois tipos de conexões: as redes verticais, presentes principalmente no comércio de rua, em que os produtos comercializados são provenientes de outras regiões brasileiras; e as conexões horizontais, presente nas feiras das margens de igarapés e nas feiras dos produtores rurais, em que os produtos comercializados provêm dos povoados e ilhas localizados no próprio Estado do Amapá e das vilas e cidades da Ilha do Marajó.

43De uma forma geral, pode-se afirmar que mesmo com as transformações pelas quais a Amazônia passou face à sua integração como fronteira do território nacional, Belém continua tendo importância fundamental dentro da região. Embora se verifique uma forte tendência à concentração e centralização do capital (Lencioni, 1991), principalmente em termos da produção, fora da região, é no processo de distribuição e circulação que se pode perceber o papel mediador ainda desempenhado por Belém. Esse dado é de suma importância, pois permite que se compreenda parte da lógica de movimentação geral da produção e da reprodução capitalista, nos termos de Harvey (2005), também para Amazônia. A premissa de que a acumulação capitalista ocorre num contexto geográfico expansivo – cujo processo produtivo via criação da mais-valia absoluta e relativa tem papel fundamental, embora não se deva desprezar que a criação do valor depende da capacidade de sua realização por meio da circulação (Harvey, 2005) – permite a elucidação do significado da metrópole de Belém, pelo menos na relação que se estabelece com a cidade de Macapá.

Haut de page

Bibliographie

Becker B. K., Amazônia: geopolítica na virada do III milênio, Rio de Janeiro, Garamond, 2004.

Harvey D., Los límites del capitalismo y la teoría marxista, México, Fondo de Cultura Económica, 1990.

Harvey D., “A geografia da acumulação capitalista: uma reconstrução da teoria marxista”, In: D. Harvey, A produção capitalista do espaço, São Paulo, Annablume, 2005.

International Paper, Perfil da Amcel revela foco e melhoria contínua de resultados. Disponível em: <www.internationalpaper.com.br>. Acesso em: 10 ago. 2010.

Lencioni S., Reestruturação urbano-industrial: centralização do capital e desconcentração da metrópole de São Paulo, a indústria têxtil, Tese (Doutorado em Geografia Humana) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 286 p., 1991.

Lencioni S., “Da cidade e sua região à cidade-região”, In J. B Silva, L. C Lima, D. Elias, Panorama da Geografia Brasileira, São Paulo, Annablume, 2006.

Lima R.A.P., “Agricultura Camponesa e Dinâmica de Ocupação do Território no Estado do Amapá”, In J. R Porto, R. A. P Lima, D. Brito, Amapá: aspectos de uma geografia em construção, Macapá (AP), Jadson Porto, 2005. (série Percepções do Amapá)

Santos M., O espaço dividido, Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1979.

Santos M., A Natureza do Espaço: espaço e tempo: razão e emoção, 3ª ed. São Paulo, Hucitec, 1999.

Silva G. V., Rückert A.A., “Processos contemporâneos de usos da fronteira franco-brasileira”, In L Aragón, J. A. Oliveira (Org.), Amazônia no cenário sul-americano. Manaus, EDUFAM, 2009.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Regiões de influência de cidades 2007, Rio de Janeiro: IBGE, 2008.

Haut de page

Notes

1  Este texto é o resultado das reflexões realizadas pelo autor, inicialmente, no capítulo 5, da tese de doutorado intitulada “Dinâmicas econômicas e transformações espaciais: a metrópole de Belém e as cidades médias da Amazônia oriental – Marabá (PA) e Macapá (AP)”, desenvolvida no Programa de Pós-Graduação em Geografia Humana da Universidade de São Paulo, sob a orientação da professora Dra. Sandra Lencioni.

2  De acordo com o IBGE (2008) a metrópole de Belém tem sua área de influência cada vez mais reduzida dentro da região amazônica. Nas relações que estabelece com parte do sul e do sudeste do Pará, passa a ser cada vez mais importante a presença de metrópoles extra-regionais, como Brasília e Goiânia; nas relações que estabelece com o oeste do Pará, deve-se destacar a forte presença da metrópole regional Manaus; e, nas relações que mantém com Macapá, Belém permanece hegemônica, alcançando, inclusive, o platô das Guianas.

3  O projeto IIRSA (Iniciativa para Integração da Infraestrutura Regional Sul-Americana) está fundamentado na crença de que se por um lado o Brasil possui uma grande costa Atlântica que lhe permite acesso facilitado aos mercados norte-americanos e europeus, por outro é necessário avançar na busca da costa do Pacífico, principalmente devido à emergência do grande mercado asiático. Nessa perspectiva, a IIRSA é uma tentativa de superar os obstáculos de uma geografia física dos países que compõem a bacia amazônica criando um corredor de exportação para os produtos agrícolas, minerais, florestais, hídricos e energéticos que a região tão densamente possui. Dois eixos compõem a dimensão da integração amazônica: Eixo Amazonas (Brasil, Colômbia, Equador e Peru) e Eixo Escudo Guianense (Brasil, Guiana, Suriname e Venezuela) (Becker, 2004).

4  As empresas de transporte de navegação estão localizadas todas no Distrito Industrial de Macapá e Santana, junto ao rio Matapi. Esse é um espaço estratégico para o desenvolvimento da atividade, tanto pelo acesso facilitado ao rio, condição fundamental para suas atividades, quanto por estarem dentro do Distrito Industrial, portanto, beneficiando-se das vantagens infraestruturais e de investimentos realizados pelo governo estadual e pela SUFRAMA. Além disso, não se pode deixar de destacar que o Distrito também tem acesso facilitado às rodovias BR-156 e BR-210, que recobrem todo o Amapá, e as rodovias Duque de Caxias e JK, que facilitam a integração rodoviária com a cidade de Macapá.

5  Trata-se de uma alternativa encontrada pelos atacadistas para aumentar seu mercado consumidor. Ao invés de apenas comercializarem o “fardo” completo do produto, dividem-no ao meio e facilitam sua comercialização. No trabalho de campo verificou-se que algumas famílias se reúnem para fazer esse tipo de compra, com o preço dos produtos mais baratos do que quando comprados a “retalho”.  

6  Numa coleta de dados realizada na Ceasa de Belém, verificou-se que toda semana são transportadas 15 carretas (450 toneladas aproximadamente) – 10 a 12 na segunda-feira e 3 a 5 na quinta-feira – de mercadorias para Macapá. Segundo informações dos próprios comerciantes, a principal vantagem em comprar na Ceasa é o fato de que eles têm um prazo maior para fazer o pagamento dos produtos comprados – comumente usando cheque pré-datado – ao passo que se comprarem diretamente dos fornecedores de outras regiões, têm que fazer o pagamento à vista.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa 01: Localização da metrópole de Belém e da cidade média de Macapá
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8242/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre Quadro 1- Movimentação do Aeroporto Internacional de Macapá
Crédits Fonte: ANAC, 2009. Organização: Márcio Douglas Brito Amaral
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8242/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Quadro 2 - Belém-Macapá: Horários de voos e empresas aéreas
Crédits Fonte: Trabalho de Campo, 2010. Organização: Márcio Douglas Brito Amaral
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8242/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre Quadro 3 - Distribuição dos horários e destinos das empresas de transporte de passageiros via hidroviária
Légende Notas: (1) Apesar de viajar toda semana, esses barcos às vezes mudam o dia da viagem.
Crédits Fonte: Trabalho de Campo, 2010. Organização: Márcio Douglas Brito Amaral e Marcos Alexandre Pimentel da Silva
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8242/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 144k
Titre Quadro 4 - Distribuição dos horários e destinos das empresas de transporte de passageiros do Terminal Rodoviário de Macapá
Légende O quadro apresenta os horários regulares, distribuídos de segunda a sexta feira. O tempo de deslocamento aproximado entre as cidades é de: Macapá-Oiapoque (doze horas); Macapá-Laranjal do Jari (sete horas); Macapá-Serra do Navio (quatro horas); Macapá-Ferreira Gomes (duas horas).
Crédits Fonte:Trabalho de Campo, 2010. Organização: Marcos Alexandre Pimentel da Silva.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8242/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre Tabela 1 - Macapá: principais lojas de eletrodomésticos, eletrônicos, magazines e lojas de departamento
Crédits Fonte: Trabalho de Campo, 2010. Elaboração: Márcio Douglas Brito Amaral
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8242/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 68k
Titre Mapa 02: Principais eixos, setores comerciais e de serviços e terminais de circulação de Macapá e Santana
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8242/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 196k
Titre Tabela 2 – Macapá: principais redes de supermercados
Crédits Fonte: Trabalho de Campo, 2010. Elaboração: Márcio Douglas Brito Amaral
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8242/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Foto 1: Área de comercialização do pescado do Igarapé das Mulheres
Légende A fotografia retrata o movimento da feira num horário (próximo do meio-dia) não muito movimentado, mas que permite ter uma ideia da sua importância na medida em que se observa uma grande quantidade de barracas, improvisadas porque sua área de comercialização estava interditada para reforma.
Crédits Fonte: Trabalho de Campo, 2010
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8242/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre Foto 2: Barcos atracados numa parte Igarapé das Mulheres
Légende Comentário: busca-se registrar a presenças das embarcações que chegam no igarapé trazendo mercadorias, principalmente de Belém e da Ilha do Marajó, o que retrata uma relação intensa e cotidiana entre as duas cidades. Difícil é registrar a movimentação desses barcos. Uma das alunas/bolsista que tive em Macapá se propôs a fazer um registro por meio de uma contagem visual, foram observados mais de 200 embarcações/dia.
Crédits Fonte: Trabalho de Campo, 2010.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8242/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Foto 3: Comércio de rua
Légende A fotografia destaca uma área de comércio popular no entorno do tradicional mercado central de Macapá. Nesta área são encontradas mercadorias, principalmente, confecções voltadas para um público com baixo poder aquisitivo. A localização dessa atividade bastante estratégica, pois faz parte da maioria das linhas de ônibus existentes na cidade.
Crédits Fonte: Trabalho de Campo, 2010.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8242/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
Titre Foto4: Feira do Buritizal em horário de funcionamento
Légende Pode-se ver ao fundo, na imagem a intensa movimentação de pessoas vendendo e comprando os produtos da agricultura familiar. A ideia é mostrar que nos dias de feira existe uma grande presença de consumidores da cidade nessa feira, não somente do bairro do Buritizal, mas de todos os que estão mais próximo dele.
Crédits Fonte: Trabalho de Campo, 2010.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8242/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 156k
Titre Mapa 03: Circuito inferior da economia urbana de Macapá
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8242/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 212k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Márcio Douglas Brito Amaral, « As relações estabelecidas entre a metrópole de Belém e a cidade média de Macapá (AP) », Confins [En ligne], 17 | 2013, mis en ligne le 21 mars 2012, consulté le 29 mars 2017. URL : http://confins.revues.org/8242 ; DOI : 10.4000/confins.8242

Haut de page

Auteur

Márcio Douglas Brito Amaral

Doutor em Geografia Humana (USP), Professor Adjunto I do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal do Pará (UFPA), marcioamaral@ufpa.br

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org