Navigation – Plan du site
Resenhas

França e a Escola Brasileira de Geografia

José Borzacchiello da Silva
Maria Geralda de Almeida
Référence(s) :

Fortaleza, Edições UFC. 232 p.

Texte intégral

1A despeito da reconhecida relação entre a geografia francesa e a geografia brasileira, até então, os geógrafos brasileiros não tinham apresentado uma análise aprofundada sobre o tema. O livro que José Borzacchiello da Silva nos brinda, propõe ir mais além, e a discutir também se a “escola” de geografia brasileira estaria ainda vinculada à ‘escola francesa’ e como são as relações entre a Geografia brasileira e a francesa contemporaneamente.

2Para responder a essas questões, Borzacchiello da Silva fez seu pós-doutorado na França, no início da década de 1990, cujo projeto foi buscar as relações estabelecidas entre aquele país e Brasil. Seu interesse estava em aprofundar as bases para a formação de uma escola brasileira de geografia. Também, motivava-se para apreender o nível de envolvimento de geógrafos brasileiros e franceses, sobretudo, a partir da década de 1960.

3Pela originalidade do tema, o livro já se constitui uma obra necessária para os interessados na história do pensamento geográfico brasileiro. A influência de geógrafos franceses, na época da criação dos cursos de geografia na USP e na UFRJ, é seguidamente lembrada, porém, ignora-se como se consolidaram as recíprocas influências.

4Para alcançar seus propósitos, ele se mune de um conjunto de entrevistas feitas com geógrafos franceses reconhecidos pelos seus vínculos com o Brasil e que desempenharam um papel na colaboração entre a escola francesa e a escola brasileira. Foi feito um exaustivo levantamento dos 104 volumes do Bulletin INTERGEO, boletim de registro das atividades desenvolvidas pela área de Geografia na França, efetuando um levantamento das teses de franceses sobre o Brasil e a produção de teses de brasileiros na França, a partir de 1966, data de seu primeiro número.

5O livro é composto de seis partes. No decorrer de todas essas partes, o autor se manifesta constantemente nas apresentações e nos comentários sobre as fontes consultadas e nas análises e interpretações do material, inclusive as entrevistas. Na introdução, é feita uma discussão sobre a ciência geográfica. Procura-se apresentar seu percurso para ter uma identidade, um perfil que atenda aos interesses e às demandas em face de um novo contexto. Assim, Silva relata o percurso da Geografia até se tornar ciência e atender uma certa premência de “utilidade”. O autor esclarece que, apesar de existirem considerações de que a geografia brasileira é fruto da geografia francesa, não se conhece, entretanto, a extensão desses vínculos.  Silva a é cuidadoso em apresentar os locais de pesquisa: EHESS (École des Hautes Études en Sciences Sociales), o IHEAL (Institut  des Hautes Etudes de l’Amérique Latine) e o Institut de Géographie  de l’université de Paris IV. É cuidadoso também em descrever os procedimentos efetuados para o fichamento dos volumes; as entrevistas a professores franceses; aos professores Milton Santos e Pedro P. Geiger, exceções brasileira entre os entrevistados, técnicos e administradores. O autor identifica como característica importante os momentos de maior presença de geógrafos franceses no Brasil, os momentos igualmente fortes de brasileiros estudando na França e de número de pesquisadores franceses como exemplos de interesse no Brasil e de influências, quantificando as produções. Estes momentos e a quantificação apresentados pelo Silva constituem  uma   contribuição original de seu livro.

6No capítulo 2 intitulado Antecedentes: a Geografia francesa no Brasil, Silva reforça a possibilidade de compreender os avanços da geografia brasileira com a criação do primeiro curso de geografia, em 1934, na USP. O autor faz uma reflexão profunda sobre o reconhecimento da contribuição dos geógrafos franceses no cenário científico e acadêmico, desde os tempos das consideradas geografia colonial e geografia tropical, apresentando momentos de glória e áreas de interesse como a África e temas como “Terceiro Mundo, Subdesenvolvimento, Mundo Tropical, Aménagement”. O leitor tem nas entrelinhas as análises comparativas propostas para a compreensão dos antecedentes da geografia francesa no Brasil.

7Por muitos anos, a França foi o destino, por excelência, dos brasileiros que buscavam aperfeiçoamento e qualificação profissional. Isso se retrata nos anos da pesquisa do autor com o aumento da oferta de cursos de mestrado e doutorado no Brasil. Também, foi significativa a presença de professores franceses no Brasil. Tal tema é o objeto do capítulo 3, quando se explora a hegemonia da geografia francesa no Brasil. Esse capítulo aponta o ano de 1934 como o início, com a vinda de P. Monbeig. Destacam-se, nessa parte do livro, o contexto político, social e acadêmico para a geografia e a ampliação das ações do IBGE. As pesquisas requeridas pelos velhos e novos temas, em diferentes escalas, contaram com o apoio de franceses naquele momento.

8 O capítulo 4 arrisca uma periodização. Esclarecem-se os critérios adotados e se consideram os fatos e eventos que constituem marco ou etapa no tratamento de assuntos. No caso específico da Geografia, nas relações entre Brasil e França, o marco inicial da periodização, como já foi mencionado, é o ano de 1934, período que o autor denominou “Aproximações”, com o curso de Geografia implantado na USP e a presença de professores nas universidades brasileiras “imprimindo um ‘modo’ francês de se fazer a ciência geográfica”. Em 1956, realiza-se o Congresso da U.G.I., como fundamental para colocar o Brasil no centro de interesse dos franceses que, desde então, intensificaram suas visitas ao país, com destaque para Pierre George. Posteriormente, o autor apresenta a seção “Aproximações: a implantação de Cursos de Geografia no Brasil”; em seguida, a fase da construção da hegemonia, nos anos 1930/40, registrando a presença de 13 franceses na USP, 3 no Rio de Janeiro e  1 em Porto Alegre. Na seção sobre “Distanciamentos; a ‘Nova Geografia’ e a França vista pelos expoentes da geografia brasileira como referência do velho, do passado”, essa fase é apontada a partir de 1968 “com a adição de novas práticas de análise geográfica.” Embora faça uma exaustiva apresentação de Pierre George e a sua considerável contribuição à geografia com publicações sobre o Brasil, o autor conclui que na década de 1970 foi marcada pelo distanciamento da obra de P. George. Destaca-se, nesse capítulo, a esclarecedora e rica  entrevista com Michel Rochefort, que Silva considera como melhor representante da fase de permanência e de reatamento de  França e Brasil. Rochefort  relata  sua intensa  presença no Brasil,  a percepção da geografia brasileira e as relações  dos franceses com os brasileiros no campo da geografia. Também, é bastante rica de informações  a entrevista com Bernard Kayser com seus comentários e reflexões sobre os principais centros produtores de conhecimento geográfico e seus atores. Para apresentar  a seção “Rupturas, estremecimentos: a ‘Geografia Nova”- ”Yves Lacoste faz  a Geografia, a Guerra....”,  Silva relaciona a ascensão  de Lacoste no Brasil com as mudanças ocorridas na Geografia brasileira a partir do  Encontro Nacional da AGB , em 1878, e com seu livro “A Geografia serve, antes de mais nada para fazer a guerra.”. Silva apresenta a  obra de Lacoste, sua linha teórica e  sua presença marcante para fazer uma geografia crítica e, atualmente, uma  pós-moderna, evoluindo de uma  geografia do Terceiro Mundo, do subdesenvolvimento,  para  uma geografia política.

9Os novos geógrafos Franceses entram em cena é visto no quinto capítulo, considerando a “forma francesa de fazer geografia no Brasil” após o congresso da UGI. Borzacchiello da Silva ressalta a presença e contribuição daqueles que escreveram e publicaram sobre o Brasil anterior aquela data. Entre os novos geógrafos franceses cita Claval, Levy, publicando sobre o Brasil, orientando brasileiros e acolhendo professores em seus laboratórios. Os depoimentos e os pontos de vista de geógrafos como Claval e com Levy com relação à geografia brasileira, seus itinerários, a prática da Geografia francesa em relação ao Brasil e a nova geografia francesa são extremamente ricos nas entrevistas. O pensamento dos novos geógrafos foi considerado como a nova contribuição francesa.

10Já no caso do Brasil na França, no capítulo 6, Silva recorre ao INTERGEO para mostrar, a partir de 1968, oito centros de pesquisa que apresentam cursos, pesquisas e missões de franceses no Brasil. A pesquisa tem seus resultados em forma de tabelas com teses de franceses sobre o Brasil. Nessas tabelas, são mostradas as teses, os orientadores, as universidades, os temas estudados e abordagem/localização.

11O último capítulo aborda A produção de teses de brasileiros na França. Com base em depoimentos dos geógrafos Orlando Valverde, Sergio Micelli, Milton Santos, Pedro Geiger e Augustin Berque, Silva discute a importância das relações e das cooperações que possibilitam jovens geógrafos cursarem pós-graduação e pós-doutorado na França. O autor apresenta registros de 183 teses inscritas no período de 1966 a 1991, nos programas de pós-graduação na França.  As universidades de Paris, o professor Rochefort e a região Nordeste revelaram-se predominantes nas produções científicas de que o autor trata.

12Nas conclusões, Silva apresenta um panorama sobre o contexto mundial, as transformações e, como a geografia brasileira se posiciona face às demais escolas. A capacidade de diálogo, de permuta, de troca, de intercâmbio da geografia brasileira é fundamental para o avanço da ciência geográfica e à geografia brasileira cabe um papel importante na explicação da realidade do mundo.

13Para finalizar, sinto à vontade em concordar com Hervé Théry, autor do prefácio, que caracteriza o livro como fascinante. Sem dúvida, Borzacchiello Silva com sua produção abre uma janela preciosa para entender tanto o verso quanto o reverso nas relações Brasil e França no que se refere à Geografia. Enfim, o título é bem apropriado ao tratamento do tema.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Maria Geralda de Almeida, « França e a Escola Brasileira de Geografia », Confins [En ligne], 17 | 2013, mis en ligne le 24 mars 2013, consulté le 27 mai 2017. URL : http://confins.revues.org/8297

Haut de page

Auteur

Maria Geralda de Almeida

Professora titular de Geografia no IESA/UFG

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org