Navigation – Plan du site
Resenhas

Antônio Carlos Robert de Moraes, Geografia Histórica do Brasil

São Paulo: Ed. Annablume,. 160 páginas
Arnoldo Lima
Référence(s) :

Antônio Carlos Robert Moraes, Geografia Histórica do Brasil: Capitalismo, território e periferia, São Paulo: Ed. Annablume,. 160 p. ISBN 978-85-391-0215-0

Texte intégral

  • 1 Moraes, A.C.R. Bases da formação territorial no Brasil, 1ª edição. Ed. Hucitec, 1999.
  • 2 Moraes, A.C.R. Território e História no Brasil, 1ª. ed. São Paulo: Annablume / Hucitec, 2002. v. 1. (...)
  • 3 Moraes, A.C.R. Ideologias Geográficas, 4ª. ed. São Paulo: Hucitec/Annablume, 2002. v. 1. 156p.

1Antônio Carlos Robert Moraes é professor titular do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo. Também é um autor proeminente nas áreas de metodologia, história da geografia e política territorial. Entre seus livros, destacam-se: Bases da formação territorial do Brasil1; Território e História no Brasil2 e Ideologias Geográficas3. Em Geografia Histórica: Capitalismo, território e periferia, Moraes apresenta uma coletânea de textos produzidos em diferentes épocas e contextos de suas pesquisas acadêmicas, que trazem como elemento comum o uso da Geografia Histórica como instrumental metodológico voltado a aprimorar a interpretação da dinâmica de ocupação territorial e da análise do processo de desenvolvimento.

2O seu ponto de partida são as peculiaridades de propagação do sistema capitalista e de seus respectivos mecanismos na consolidação de formas particulares de uso, ocupação e exploração do espaço geográfico. Sob essa perspectiva é que se desenrolaram as diferentes “vias de desenvolvimento”, propulsionadas por “espacialidades diferenciais” durante a estruturação territorial do mundo moderno.

3O autor enfatiza que foi a dimensão espacial do território a conquistar, e conquistado, durante o período colonial e pós-colonial, o elemento central na história de movimento e funcionamento das sociedades na América Latina. A gênese das divisões espaciais coloniais, baseada na distribuição dos recursos naturais e no posicionamento geopolítico-estratégico, somadas à origem do colonizador e de suas estruturas administrativas, teve um papel decisivo na diferenciação dos processos de desenvolvimento latino-americano.

4Um dos argumentos centrais do livro seria que as delimitações físicas e territoriais impostas pelos impérios europeus nas áreas periféricas coloniais serviram ironicamente como instrumento de referência para a gênese de uma identidade nacional. Ao criarem “identidades territorializadas”, as potências coloniais abriram caminho para a consolidação de sentimentos de emancipação que foram basilares na formação dos Estados territoriais modernos. Especialmente nas vias de desenvolvimento no continente americano, o conceito de território se firmou como lócus estruturante na formação de identidade e da perspectiva de um estado soberano de direito. O território foi, portanto, o primeiro referencial de afirmação da soberania no novo mundo.

5O autor ressalta que o Brasil é um exemplo clássico dessa lógica de formação. A sua base de estruturação não foi consolidada sob o conceito de nação, mas sim pela prioridade de manutenção, consolidação e expansão de seu espaço territorial. Ou seja, a ideia de formação do país esteve ligada muito mais ao valor de seu território do que à sua unidade político-cultural. Sob essa lógica, por exemplo, se justificou a conquista e dominação dos sertões, lugares vistos como não civilizados e que deveriam ser incorporados pela conquista produtiva do solo.

6Moraes ressalta que a ausência de elementos de unidade e de identidade realçados pelo imenso mosaico de biomas, ecossistemas, povos e línguas distribuídos nesses sertões realçou ainda mais a importância central da soberania e controle territorial. A Coroa portuguesa e posteriormente o Império brasileiro buscaram incessantemente a consolidação de “limites incertos em terras desconhecidas”, tendo por base a convicção de seu direito dinástico na lógica de controle e expansão dominial.

7Foi essa dimensão que deu origem à distinção entre “território usado” e “território”. O primeiro, caracterizado por núcleos economicamente integrados e dotados de certa estrutura produtiva, e o segundo, ligado ao conceito de direito sobre um espaço físico. Logo, as áreas não integradas ou os ‘fundos territoriais’ deveriam ser parte de uma missão moral e civilizatória, incorporados ao “corpo nacional”. O autor destaca que tal ideologia legitimou a construção do país tendo por base a formação e consolidação de suas fronteiras e de um forte aparelho de estado centralizador.

8Moraes relata que mesmo com o processo de modernização, propagado mundialmente no final do século XIX, não houve rompimento dessa lógica no Brasil. Novamente foram favorecidas ações direcionadas a continuação de uma base ideológica do espaço construído. Mesmo sob a égide de um novo governo republicano, foram marginalizados os investimentos em saúde e educação em favorecimento de uma política preocupada em eliminar os traços arcaicos e antigos por formas espaciais modernas. A propagação de ferrovias, luz elétrica, máquinas, motores, estruturas e sistemas de engenharia simplesmente serviram como um “aparelhamento do território”.

9O autor destaca que a própria criação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística durante a Era Vargas cumpriu um papel decisivo de informação e dominação espacial. Nessa fase, os valores de pertencimento e de consolidação de unidade nacional foram realçados pela valorização do patrimônio nacional e natural. Segundo o autor, esse parece ao menos ter sido ao menos um pressuposto positivo que possibilitou a criação dos primeiros parques nacionais de conservação e de normas de exploração das riquezas naturais, como os códigos de mineração, de florestas e de águas.

10Tal materialidade da construção do espaço, como elemento essencial de unidade nacional, prosseguiu durante o Plano de Metas de JK, em que a ocupação do Brasil central foi viabilizada pelas “próteses territoriais” materializadas, entre outras, pelas cidades artificiais, rodovias e usinas hidrelétricas. O golpe militar de 1964 reforçou ainda mais a visão territorialista e de planejamento territorial integrado, ampliada pela ótica de doutrina de segurança nacional dos governos militares.

11O autor deixa claro que foi equivocada a trajetória de “planos modernizantes” centrados muito mais para os espaços físicos do que para seus atores sociais. Ele sustenta que houve uma miopia em achar que as formas construídas induziriam a sociabilidade. Apesar disso, Moraes ao final do livro critica a recente propagação de uma nova corrente de análise geográfica baseada na tríade globalização, neoliberalismo e pós-modernismo, a qual defende o esvaziamento da soberania dos Estados Nacionais frente ao planejamento territorial.

12Moraes é categórico ao afirmar que ainda cabe ao Estado o papel condutor básico na articulação interinstitucional e na implementação de diretrizes de voltadas à gestão territorial, especialmente para responder as demandas de responsabilidade socioambiental. Ele vai além, afirmando que as próprias dimensões da sustentabilidade, muito mais que objetivos vagos e abstratos, devem ser incorporadas como diretrizes oficiais concretas na esfera de planejamento, como, por exemplo, na construção de políticas, planos e programas de ordenamento e gestão territorial.

13São convincentes os argumentos do autor quanto à relevância da geografia histórica como campo totalizador da ciência geográfica. A coletânea de textos passa a impressão de que a geografia histórica parece de fato possuir o instrumental mais apropriado para dar conta da intrincada análise de movimentos, características econômicas, políticas e culturais que se sobrepõem na produção do espaço. Muito embora alguns textos pareçam repetir aspectos anteriormente explorados pelo autor, dando a sensação de repetição dos argumentos, Geografia Histórica é um bom livro, mas o seu texto denso não é recomendado para o público em geral, sendo mais apropriado para pesquisadores, docentes e discentes da geografia bem como das demais ciências.

Haut de page

Notes

1 Moraes, A.C.R. Bases da formação territorial no Brasil, 1ª edição. Ed. Hucitec, 1999.

2 Moraes, A.C.R. Território e História no Brasil, 1ª. ed. São Paulo: Annablume / Hucitec, 2002. v. 1. 200p

3 Moraes, A.C.R. Ideologias Geográficas, 4ª. ed. São Paulo: Hucitec/Annablume, 2002. v. 1. 156p.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Arnoldo Lima, « Antônio Carlos Robert de Moraes, Geografia Histórica do Brasil », Confins [En ligne], 17 | 2013, mis en ligne le 24 mars 2013, consulté le 24 septembre 2017. URL : http://confins.revues.org/8301

Haut de page

Auteur

Arnoldo Lima

Geógrafo, mestre e doutorando no Centro de Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Brasília, arnoldosan@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org