Navigation – Plan du site
Homenagem

Trinta anos de pesquisa amazônica: homenagem a Bertha Becker

Trente années de recherche en Amazonie : hommage à Bertha Becker
Thirtyyears of research in the Amazon: tribute toBerthaBecker
Confins

Notes de la rédaction

Homenagem organizada no dia 15 de setembro de 2003 na ocasião do II° Seminário sobre o Monitoramento Estratégico das Transformações Sócio-ambientais na Amazônia (METAII), no Centro de Desenvolvimento Sustentável (CDS/UnB). A mesa, sob a presidência de Hervé Théry, Pesquisador CNRS/IRD foi composta pelo Ministro da Embaixada da França, Sr, Philippe Garnier, pelo representante do Reitor Lauro Mohri, pelo professor Norair Rocco, decano de pós graduação e pesquisa da UnB e pelo professor Dr. Marcel Bursztyn, presidente da CAPES.

Texte intégral

Bertha BeckerAfficher l’image
Crédits : © Bruno Santiago 2006

Apresentação por Neli Aparecida de Mello, pesquisadora associada ao CDS/UnB

1Não pretendo me alongar, apenas dizer quem é Bertha Becker, para quem ainda não a conhece. Bertha Becker é mais conhecida pela geografia política que ela sempre exerceu e por seus ensinamentos sobre a Amazônia.Toda sua formação foi feita na Universidade Federal do Rio de Janeiro, desde a graduação à livre docência, mas ela costuma dizer que seus trinta anos de trabalho de campo na Amazônia lhe ensinaram mais. Ela insistiu para não falarmos a este respeito, mas vou insistir nos trinta anos de trabalho de campo na Amazônia. Em 1962, Berta concluiu o bacharelado em Geografia, em 1964, a Licenciatura. Em 1970, de um dia para o outro, ela decidiu escrever a tese de livre docência. Em apenas quatro meses ela a escreveu, mostrando o dinamismo conhecido da professora. Mas, a Bertha não começou pela Geografia Política. Relembremos que 1964 representa um marco profundo na história recente do pais e Bertha foi chamada por seus professores, que a consideravam demais de esquerda, a trabalhar com clima. Seus primeiros trabalhos foram sobre o clima no Nordeste. Somente depois, em 1966, ela começa a lecionar no Instituto Rio Branco até que este se transferisse para Brasília, em 1976. Nesses 10 anos, ela provocou os responsáveis pelo Instituto Rio Branco a formar de maneira diferente os futuros diplomatas, incitando-os a ir descobrir, em campo, a realidade brasileira. Naquele momento, levar seus alunos ao campo significava estar incluído no Projeto Rondon, que naquele momento era o que tinha possibilidade de desenvolver atividades em campo. A partir do projeto Rondon, ela levou os futuros diplomatas do Brasil a pesquisar, a conhecer e a viver alguns dias na Amazônia. Por que a Amazônia e por que ela continuou na Amazônia até hoje? Provavelmente, porque se tratava de uma fronteira. A questão da fronteira sempre aguçou seu interesse, sempre colocou questionamentos e também lhe permitiu a busca de respostas para suas próprias indagações. É raro que pesquisadores que trabalhem com e sobre a Amazônia não tenham sido seu estudioso ou que não tenham se servido das reflexões de Bertha Becker. Evidentemente ela continua até hoje trabalhando com a Amazônia. Além de professora, pesquisadora, ela também foi gestora. Durante 10 anos, como diretora da pós-graduação no Instituto de Geociências, lhe permitiu criar, em 1987 o Laboratório de Gestão do Território, a partir de um convênio do IBGE. Laboratório-referência, que trata de problemáticas ligadas à gestão do território. Foi Bertha quem voltou a colocar em questão e retomar o debate a respeito do território, o que é, para que serve e por quê pensamos neste conceito e categoria. Oque Bertha faz hoje? Como cientista brasileira de renome desde 1993 ela participa do Comitê assessor científico, o International Advisory Group do PPG7, que é o Programa de Proteção das Florestas Tropicais do Brasil, quando foi convidada a orientar, a debater com os executores. Foi nesse momento que convivi mais intensamente com Bertha, tendo tido a ocasião de viajar pela Amazônia com ela, de aproveitar dos momentos que surgiram para debates e longas conversas. Antes ela era grande mestra, distante, dos livros, agora tornou-se nossa amiga e até madrinha de casamento. Ela participou também do LBA, introduzindo nos debates desse programa as dimensões humanas nos acontecimentos globais, além de outras consultorias nos Ministérios do Meio Ambiente, da Integração Nacional, da Ciência e Tecnologia. Bertha é ganhadora de duas medalhas, a primeira foi-lhe oferecida o ano passado, pela American Geographical Society, a medalha da Livingstone e, esse ano, ela recebeu a medalha de mérito científico Carlos Chagas Filho, pela Faperj. Penso que esses lembretes eram importantes por ressaltar esse dinamismo que ela sempre mostrou e continua mostrando pois este ano ela conseguiu carregar seus filhos e seus netos para conhecerem a Amazônia...  Vamos, agora, ouvi-la.

Cerimônia de outorga de doutorado honoris causa da Université Lyon III a Bertha Becker, 7 de outubro de 2005

Cerimônia de outorga de doutorado honoris causa da Université Lyon III a Bertha Becker, 7 de outubro de 2005

© Madeleine Bret 2005

Palestra de Bertha Becker – Professora do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

2Quero agradecer a presença de todos, do representante da Embaixada da França e a todos meus colegas que aqui estão. Tenho três palavrinhas que vou ter que dizer. Estou muitíssimo contente, estou muito grata a todos os meus colegas, particularmente aos meus colegas franceses e estou muito emocionada, porque, realmente, não é brinquedo não, na gíria carioca, chegar esse momento e ter esse homenagem. Meus colegas, hoje, na verdade, são mais do que colegas, são amigos, na convivência que tivemos nesses trinta aninhos de pesquisa, criamos laços reais de amizade, que então, hoje, transcende o coleguismo, somos quase parentes, sou madrinha de casamento da Neli, eu quem os apresentei, então é quase um parentesco. Realmente, são mais que colegas, são amigos e eu estou muito satisfeita e agradeço imensamente. Estou muito emocionada porque os senhores sabem que a Amazônia é a minha paixão e toda vez que falo da Amazônia continuo apaixonada, mais paixão ainda agora. Não vou falar dos meus trinta anos de pesquisa na Amazônia, pelo contrário, trinta anos de pesquisa me ensinaram é que a Amazônia e é essa a minha mensagem na palestra de hoje, é um desafio para o presente. Acho que é isso que todos nós temos que nos conscientizar. Temos mania de falar  que o Brasil é um país do futuro e pensar a Amazônia, no passado, também, não adianta, está faltando, realmente, focalizar o presente. O Brasil é um país de fronteiras - agora vou começar a falar disso e vou longe - o Brasil é um país de fronteira e com os vários países da América do Sul, forjaram um padrão de fronteira com relação à apropriação contínua de terras e recursos. Esse foi e ainda hoje é o padrão básico que teve início no Brasil. É a hora, o momento, para trocar esse modelo de fronteira baseado na contínua apropriação de terras e recursos, passar a outro tipo de fronteira, fronteira do conhecimento, fronteira da criatividade que é o que nós, agora, podemos fazer de melhor, aplicando as lições e os conhecimentos que já temos. Ela é um desafio presente, para a sociedade nacional e para a Ciência e Tecnologia. Então, gostaria de frisar que isso tem muito a ver com os indicativos de pesquisa para a nossa comunidade. Temos que entender processos, recursos, da região, de dinâmica regional, de processos subjacentes, e temos que tentar encontrar soluções para problemas que ainda a atingem. Eu vou tentar me controlar, porque gosto muito de falar, e fazer a minha fala em três grandes questões. A primeira é: quais são os projetos que podem ter compromissos com a dinâmica amazônica contemporânea? A segunda questão é: como estão reconfigurando a região, gerando novas demandas para os centros de desenvolvimento Finalmente, a última questão é: que estratégias podemos, ter já, que estratégias nós poderíamos tentar para mudar a sua forma de desenvolvimento. Para a primeira questão, eu começaria mostrando o conceito de região, os conceitos de região, mas eu quero, apenas, fazer uma lembrança que, em tese, a ...

Interrupção da gravação até o início da nova fita (07 Lado B 15/09/03)

3... Quero dizer que predomina globalmente a idéia de construção de uma grande unidade de conservação, um grande espaço a ser preservado para a sobrevivência e onde foi feito reflorestamento e que há também a preocupação do uso futuro. Esses aspectos mostram que a virtualidade não elimina o valor do espaço geográfico, o valor estratégico do espaço geográfico, que tem, ainda, um papel fundamental aqui, mesmo diante de tudo. Bem, essa proteção por meio de unidades de conservação tem duas raízes básicas, uma é a lógica cultural, que preza a sustentabilidade, a preservação dos recursos naturais, e a outra é a lógica da acumulação que vê a natureza como capital natural.Lamentavelmente, tenho que ter margem jurídica e tenho que ter domínio porque, é um interesse associado à valorização de capital. Estamos diante de um processo de mercantilização e eventos da natureza estão sendo transformados em mercadorias... porque não foram produzidos para a venda no mercado, mas estão sendo transformados e estão gerando mercados, por exemplo o problema da troca do mercado de Carbono, ou seja, há uma tendência à mercantilização e à criação de mercados reais para essas mercadorias que alertam para a necessidade de pensar em como regular esses mercados. Se não vamos poder sustar, podemos tentar...

4Como incide, na região, essa preocupação da Amazônia como unidade de conservação através de atores que mudaram, inclusive, seus papéis? Aí eu tenho que fazer uma nota, meu amigo Hervé Théry, porque toda hora que eu falo nisso ele fica irritado, porque os principais atores na Amazônia, hoje, são os atores da cooperação internacional. Mas ele fica irritado porque acha que estou falando em geopolítica. Eu não estou falando só na questão geopolítica, porque a Cooperação Internacional tem várias facetas, ela tem uma faceta da pesquisa que é fundamental, tem outra faceta econômica e tem uma faceta técnica que é normal. E segundo, nem todas as cooperações são iguais, segundo os colegas franceses a cooperação é fantastique, é só de colaboração, é puramente de pesquisa, financeira, técnica, que se faz por meio de acordos bilaterais e de grandes projetos. Não estou contando nenhuma novidade, estou apenas sistematizando: os projetos como o PPG7, o LBA, têm trazido uma contribuição muito grande. Estou tentando fazer uma análise, ha uma cooperação enorme na demarcação de terras indígenas, uma série de projetos de coletividades com propostas de soluções, realmente importantes, e o Embaixador da França falou uma coisa, que acho muito importante, que é a França também é Amazônica e hoje, por exemplo, há uma mediação enorme entre o Brasil e a Guiana, então isso é uma coisa nova, que não é só na Guiana, é nas fronteiras, mas lá na Guiana especialmente, essas colaborações são fundamentais. Estou apenas constatando, hoje em dia com esse processo de mercantilização da natureza, o interesse de empresas, de governos em torno do carbono, o manejo florestal está se intensificando muito na região. Em nível nacional, sou obrigada a dizer que não é só a inserção e as motivações em relação à Amazônia nos projetos mais recentes, não ha dúvida que as motivações dominantes da região num projeto nacional não é fácil. E isso em parte por quê? Porque há um grande conflito entre as demandas nacionais e as regionais; As primeiras, que são de certa maneira induzidas pelas demandas globais que são o aumento da produtividade, a inserção competitiva e com isso se procura explorar a região no sentido de fornecer energia para o país, madeira para exportação, estradas para escoamento da produção. Nacionalmente essa região é vista predominantemente como uma fronteira de recursos. E isso traz um conflito muito grande com a demanda regional, há um conflito porque a população amazônica tem direitos ao uso dos seus recursos e da forma como ela quer e, muitas vezes, ela não está querendo hidrelétricas, estradas, implantadas na região porque provocam vários impactos ambientais e sociais. Essa é uma grande dificuldade, a demanda nacional e o direito da região, que está na raiz das dificuldades de definir políticas para a Amazônia. Tínhamos duas políticas paralelas e conflitantes: ambiental elaborada e implementada pelo Ministério do Meio Ambiente e a política dos grandes produtores biológicos, tecnológicos e a política de planejamento territorial, dos corredores logísticos do Avança Brasil cortando a região. São políticas paralelas e conflitantes. Por quê isso é importante? Porque nós temos que comparar essa questão e encontrar soluções. Hoje, há uma grande mudança, em nível nacional, por meio da proposta do Plano Amazônia Sustentável que está foi lançada em maio do corrente ano pelo novo Governo, ,representa um marco na políticas públicas para a Amazônia. Em que sentido? Marco, porque ele tenta, justamente, superar essa polaridade entre as duas políticas paralelas e conflitantes, envolvendo vários ministérios e tentando reconhecer tanto necessidades da proteção ambiental, que procura ser inserida em todos os ministérios e todas as políticas, como o inter-relacionamento dos ministérios eque está enxerta no princípio da transversalidade. Ademais, a meu ver, é um projeto ligado a um projeto nacional, o Plano da Amazônia, que visa o desenvolvimento, isso parece estranho para um Governo que está baseado no social, mas ele, realmente, está assumindo um projeto de desenvolvimento com compromisso social e ambiental. Penso que esse é o ponto principal. O plano tem os elementos da produtividade, da competitividade, mas sem esquecer que a inserção social, dinamizada, inclusive, pelo consumo de massa, é uma das propostas, e procurando, portanto, conciliar e compatibilizar o crescimento material com unidades de proteção ambiental. Está propondo 5 eixos estratégicos que são sustentados com tecnologias avançadas, com gestão ambiental e ordenamento territorial, novo padrão de financiamento, inserção social e infra-estrutura para o desenvolvimento. Não foi fingido que não ia ter uma infra-estrutura para o desenvolvimento. Isso não é uma proposta simples, de tentar conciliar desenvolvimento, crescimento material, com a inserção social e a proteção do meio ambiente, mas eis um enorme desafio para nós da comunidade científica. Estão aí os desafios a serem pensados, inclusive como resolver a questão florestal que até hoje não foi solucionada, o uso sustentável da riqueza florestal. Em nível regional, existe multiplicidade de demandas de múltiplos atores, demandas extremamente diferenciadas. Devo registrar a importância crescente das populações tradicionais da Amazônia que se organizam e passam a ter voz, inclusive os grupos indígenas, que para mim é uma surpresa, porque são um dos mais espertos que conseguem aprender mais rapidamente, dentro da região, e, aliás, há alguns grupos que têm uma taxa de crescimento demográfico que é o dobro da taxa média brasileira, não sei se os senhores sabem, mas estamos tendo uma tendência de indianização na Amazônia. Outro ator de peso que não pode ser esquecido, em nível regional, são os governos estaduais. Às vezes a gente reduz essa participação, essa parceria, em determinados tipos de atores e acho que, hoje, o conceito de participação tem que ser ampliado e tem que envolver todos esses atores que em curso da Amazônia. Essas forças, ja estou analisando a segunda questão, alteraram a configuração da Amazônia e geraram novas demandas para o desenvolvimento regional. A Amazônia passou por intensas transformações nas últimas décadas do século passado, o século XX, e teve intensas mudanças estruturais, extremamente importantes. Não vou poder analisar cada uma, mas vou citar as mudanças na conectividade, que nos meus 30 anos de pesquisa mostraram ser fundamental, era uma ilha, um arquipélago brasileiro completamente desconectado e passou a ter comunicação, não só pelas estradas, sobretudo, pelas redes de telecomunicações. O aumento da conectividade interna da região que permitiu, inclusive, a muitos grupos locais arranjarem parceiros externos no cenário global, através das redes de telecomunicações. Assim, a conectividade foi um elemento fundamental para a transformação da região. O outro fator foi a transformação da economia com a industrialização. Podemos falar mal, mas a implantação industrial moderna foi uma mudança vital dentro do extrativismo. .

Um dos livros de Bertha Becker sobre a Amazônia

Um dos livros de Bertha Becker sobre a Amazônia

5O crescimento da população e a redistribuição do povoamento na região, e aí eu ressalto que chamo de uma floresta urbanizada. Penso que não estou errada porque pelo censo de 2.000, 69,07% da população vivia em núcleos urbanos na região Norte e penso que incluir o Mato Grosso não é conveniente. A Amazônia é uma floresta urbanizada, principalmente, como eu falei, a diversificação da sociedade e a organização da sociedade civil provocaram uma grande mudança, aí há uma grande polêmica porque eu estou afirmando que a Amazônia não é mais a grande fronteira nacional de expansão demográfica-econômica no país. É polêmica porque existem ainda grandes frentes de expansão agropecuária, essas frentes estão localizadas e não formando aquele arco enorme, e participam crescentemente dos interesses regionais comandados por Belém e Cuiabá. A migração para essas frentes é predominantemente intra-regional. Cessou aquela imigração enorme que se ocorreu na época da Belém-Brasília e da Cuiabá-Santarém, momento em que a imigração foi induzida para a Amazônia, o Governo Federal induziu a imigração e formou o grande arco de desmatamento em torno da floresta amazônica ao longo das estradas. Hoje, como estou dizendo, ela não é mais a grande questão demográfica-econômica nacional, embora persistam nessas áreas, locais de expansão como Xingu, Cuiabá-Santarém, Sudoeste do Amazonas e, lamentavelmente, tenho que dizer que elas estão apresentando um novo surto de expansão, principalmente devido uma grande valorização. Elas estão mais fortalecidas, e, com um crescimento muito marcante. Essa grande mudança da Amazônia trouxe uma nova geografia, que se distingue em três grandes marcos regionais. O primeiro é o chamado Arco do desmatamento, Arco do Fogo, Arco das Terras Degradadas e eu proponho substituir essa denominação porque essa área já é uma área de povoamento cuja produção está integrada ao setor produtivo nacional, ela não é mais uma fronteira, esta consolidada. E isso se vê claramente no Mato Grosso, a alta produtividade da soja, uma produtividade mais alta do que nos Estados Unidos. A melhoria da pecuária, pecuária modernizada que hoje é feita segunda a lógica do mercado, não é mais uma pecuária estimulada por incentivos fiscais como foi no passado na abertura da fronteira, portanto, uma pecuária modernizada, com royalties incluído. Carajás está deixando de ser um enclave. Toda aquela noção de enclave de Carajás, das mineradoras, mostra que já tem efeitos irradiadores da sua presença no entorno. Todos esses movimentos novos é que me levam a dizer que essa já é uma área de povoamento integrada ao tecido produtivo nacional e que a política para essa área tem que ser feita nesse sentido. É muito importante mostrar isso e não mais ficar tentando em uma área, só de degradação. A política aí é uma política de consolidação do desenvolvimento e de recuperação, principalmente, de áreas abandonadas. Ainda existe uma grande quantidade, calcula-se em torno de 15% o percentual de áreas abandonadas. Ora, essas áreas abandonadas poderiam ser para a produção de soja, visando desviar a procura de áreas de mata, através de concessão de terras, e áreas muito importantes para a implantação da reforma agrária, porque, aí, existem estradas dispersadas, ao invés de ficar colocando os núcleos de reforma agrária lá longe, no meio da floresta que ninguém consegue subsistir. Há políticas próprias para a essa área? Estou apenas sistematizando. O segundo marco, que é a região mais vulnerável da Amazônia hoje, é a Amazônia Oriental, porque aí estão situadas, justamente, as estradas por onde estão avançando as expansões atuais, o desflorestamento, com um ímpeto muito grande. Ali no corredor Porto Velho/Manaus, Cuiabá/Santarém, não tem expansão no momento, estão esperando o asfaltamento, mas quando este ocorrer a expansão da soja vai ser muito maior porque inclusive, tem os pecuaristas que estão abrindo as suas próprias estradas. É o caso do Xingu em direção a Terra do Meio, onde os pecuaristas abrem as estradas e não estão esperando pelos projetos federais. A política para essa área tem que levar em conta seriamente o controle dessa expansão, principalmente, pelas madeireiras que estão apropriando grandes extensões, servindo-se de mapeamentos feitos à base de dados. Mas não são apenas as madeireiras, todo mundo aproveita , deixando o estado em grandes dificuldades. Dessa maneira temos que pensar, talvez, em uma atividade madeireira controlada. Finalmente, o terceiro marco é a Amazônia Ocidental porque ficou à margem das grandes estradas e teve um povoamento ultraconcentrado em Manaus, com as indústrias. É uma área extremamente preservada, ainda, embora também muito pobre porque a concentração ficou em Manaus e e as populações do resto do estado ficaram bastante abandonadas. Hoje a parte sul do estado do Amazonas está sendo ameaçada por essa expansão vigorosa, porém é uma área em que a política, a estratégia fundamental, deveria ser a proteção e a vigilância do meio ambiente em relação a todas as atividades ilícitas que ocorrem naquela fronteira. Um outro elemento importante a ser lembrado nas transformações da Amazônia é que não deveria continuar falando em política de ocupação da Amazônia. A Amazônia está mais do que ocupada, já foi ocupada, já era ocupada há séculos e a política de ocupação é uma política do governo militar que visava mesmo, a ocupação rápida, a qualquer custo. Hoje, a política deve ser uma política de desenvolvimento, de consolidação do desenvolvimento, e não uma política de ocupação das florestas. Gostaríamos que permanecessem, que não fossem mais arrebentadas. Outro fator importante a ser levado em conta são as novas escalas com as quais devemos pensar a Amazônia. Uma primeira, muito importante é a escala continental, não devemos mais pensar a Amazônia só em termos nacionais, temos que pensá-la em escala continental porque é essencial em termos de uso conjunto em projetos sustentáveis, do potencial dos recursos. .Nesse sentido, teremos voz mais ativa no cenário internacional. É extremamente importante, no sentido, de termos uma união como o Mercosul, inclusive, para poder conviver melhor com a Alca. Volto ao que falei: as fronteiras políticas da Amazônia que eram consideradas fronteiras mortas, abandonadas, hoje estão sendo revividas intensamente, não só pelo narcotráfico, pela presença militar dos países vizinhos. Há um novo campo, enorme, de pesquisa, de colaboração, de intercâmbio a se estabelecer nessa questão do reavivamento. A outra escala fundamental é para a região Norte. Eu fico muito feliz, porque desde 1.999 eu tinha dito que esse Arco, que estou querendo chamar de Povoamento Consolidado, acabava com a idéia de Amazônia Legal. A Amazônia Legal foi uma construção geopolítica e, francamente, o Mato Grosso não tem nada a ver, os mato-grossenses que me desculpem, a não ser o extremo norte do Mato Grosso que é florestal e de onde estão saindo as grandes frentes de derrubada da mata. O plano para a Amazônia, agora, é a para a região Norte, não é para a Amazônia Legal. Saiu Mato Grosso e saiu Maranhão. E eu fiquei muito feliz, porque foi uma coisa que eu falei em 1999 e está se transformando em política para a região Norte e não mais para a Amazônia Legal. Temos, dessa maneira, uma nova escala a pensar. Outra escala é a nas sub-regiões. Os colegas do Ministério da Integração e do Ministério do Meio Ambiente sabem que estamos todos voltados para isso, no sentido de que a Amazônia já tem estruturas regionais, que são sub-regiões, com atores diversos, é a apropriação de parcelas do território com uma combinação de diversos fatores que passam a ter reações coletivas que constituem, de acordo com a teoria, um poder territorial. Esse poder territorial tem um papel fundamental para a transformação do próprio Estado, ele tem reações próprias, demandas próprias, e são colaboradores essenciais na dinâmica regional e necessitam de. Uma política que se volte para a identificação, o reconhecimento, de que já existem na malha sócio-política e a participação dessa malha é fundamental no sentido de cada uma providenciar ações, ritmos de mudanças próprios de suas dificuldades, será dessa variedade de conhecimento, dessa variedade de identificação, de atribuição de funções e de políticas particulares que a velocidade da transformação deverá ocorrer.

6Muito obrigada.

Dez anos depois

7Dez anos depois desta fala, Bertha Becker reuniu as suas reflexões sobre a floresta urbanizada na qual se transformou a Amazônia. O dinamismo e a criatividade de Bertha Becker foram marcantes até os últimos momentos de sua vida, quando lançou, em junho passado o livro A Urbe Amazônida. Seus ensinamentos permanecerão.

Convite ao lançamento do último livro

Convite ao lançamento do último livro

Fonte: http://redeanaamazonia.blogspot.fr/​2013/​06/​a-urbe-amazonida-entre-floresta-e.html

Haut de page

Table des illustrations

Titre Cerimônia de outorga de doutorado honoris causa da Université Lyon III a Bertha Becker, 7 de outubro de 2005
Crédits © Madeleine Bret 2005
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8378/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 324k
Titre Bertha Becker em campo na Amazônia
Crédits ©Hervé Théry, 2000 e 2002
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8378/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 560k
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8378/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 4,2M
Titre Um dos livros de Bertha Becker sobre a Amazônia
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8378/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 344k
Titre Convite ao lançamento do último livro
Crédits Fonte: http://redeanaamazonia.blogspot.fr/​2013/​06/​a-urbe-amazonida-entre-floresta-e.html
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8378/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Confins, « Trinta anos de pesquisa amazônica: homenagem a Bertha Becker », Confins [En ligne], 18 | 2013, mis en ligne le 17 juillet 2013, consulté le 26 mars 2017. URL : http://confins.revues.org/8378

Haut de page

Auteur

Confins

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org