Navigation – Plan du site

A relação rural-urbano a partir das cidades ribeirinhas: o papel do comércio popular (feiras) na cidade de Afuá (PA)

Le cas des relations villes-campagne dans les villes fluviales d’Amazonie: le rôle du commerce populaire (foires) dans la ville d’Afuá (Pará)
The rural-urban relationship from the point of view of river coastal towns: the role of the popular marketplace in Afuá, PA, Brazil
Roni Mayer Lomba et Benedito Baliero Nobre-Júnior

Résumés

Cet article traite de la relation entre villes et campagnes et zones rurales et urbaines, en se basant sur l'étude du marché et des foires populaires de la ville fluviale d’Afuá, Pará. Il part du postulat que les divers réseaux d'approvisionnement de la ville et ses flux intrarégionaux sont en connexion, principalement avec d'autres villes et localités existantes, par le réseau fluvial, dynamisant la commercialisation des productions et marchandises régionales, primaires ou manufacturées. Cette recherche met en exergue la dynamique du commerce, au moyen d'une enquête et d’une recherche, par l’analyse des contributions théoriques, des entrevues, des documents photographiques et des entretiens qualitatifs qui en seront les supports. Cette étude vise à (re)penser les concepts et définitions de la relation ville-campagne et rural-urbain dans le contexte des villes fluviales d'Amazonie, et les spécificités de la relation rural-urbain dans la ville d’Afuá à partir de la dynamique de ce type de commerce, par la mise en valeur de son importance dans les différents réseaux de flux qui alimentent la ville en termes culturels, économiques et symboliques. Les résultats de cette recherche montrent une relation ville-campagne et rural-urbain plutôt inhérente aux villes fluviales d'Amazonie, où même l'avènement de la modernisation et ses conséquences sur les relations sociales et économiques n’ont pas perturbé le mode de vie ou la territorialité qui s’y sont historiquement construites.

Haut de page

Texte intégral

AfuáAfficher l’image
Crédits : Nobre Jr., Benedito B.

1As discussões e debates sobre as teorias que conceituam a relação rural-urbano e campo-cidade evidenciam cada vez mais o momento de revisão do papel das ciências humanas, e no caso, da Geografia, sobre o contexto dos fluxos e redes que se formam no mundo contemporâneo. Na Amazônia brasileira, tal fato fica mais evidente dadas as emergências postas e pensadas e que ainda se encontram de certa forma, pouco explorada nos estudos das cidades ribeirinhas.

2Tais cidades são fundadas e permanecem dependentes da hidrografia para inúmeras atividades, como o transporte de pessoas e mercadorias, caracterizam por outra temporalidade, o tempo lento das embarcações maiores, que só conseguem atracar ou sair do porto de Afuá no momento da maré cheia. Essa temporalidade atualmente se contrasta com a modernidade do tempo acelerado a partir das torres de comunicação (telefonia, internet, rádio e televisão) que conectam lugares mais afastados com as redes nacionais e globais.

3O aporte na discussão das cidades ribeirinhas é embasado em Santos (1994), que compreende esse fenômeno enquanto área de “urbanização tradicional”. Trindade JR., (2006); Silva e Malheiro (2005); Trindade JR., Silva e Amaral (2008), concebem a relação cidade-rio como característica das cidades ribeirinhas. Desse aporte teórico, estudamos o caso da cidade ribeirinha de Afuá-PA a partir do mercado popular (feiras), elementos que configuram as relações estabelecidas entre a cidade e o campo.

4Para a interpretação dessa realidade, referências teóricas importantes foram Santos (1999, p.51), que conceitua o espaço geográfico como “(...) um conjunto indissociável, solidário e também contraditório, de sistemas de objetos e sistemas de ações, não considerados isoladamente, mas como um quadro único no qual a história se dá” e Soja (1993), embasado na leitura da dialética marxista, aplicada ao espaço, mostra que o modo de produção capitalista somente conseguiu sobreviver porque ele foi produzindo um espaço que reproduz a sua lógica. Para Soja (1993), o espaço é como a mercadoria é para Marx, “célula” da sociedade, mas não apenas isto, o espaço é reflexo e condicionante da sociedade.

5Quanto aos métodos de investigação/pesquisa, analisamos mais densamente os aspectos referentes à fundamentação teórica, especialmente na dialética, o contexto da cidade ribeirinha e suas metamorfoses. Realizamos procedimentos de análise a partir de entrevistas qualitativas com moradores, agentes públicos e comerciantes. Apresentamos um mapa para caracterizar a localização de Afuá na ilha de Marajó e sua proximidades com centros urbanos maiores (Belém e Macapá).  Séries fotográficas foram utilizadas para demonstrar as morfologias urbanas e as relações estabelecidas.

6Para obter uma definição mais apurada sobre a relação campo-cidade ou rural urbano em uma cidade ribeirinha, tomamos como objeto os aspectos referentes ao comércio popular de Afuá, as feiras, formas tradicionais de organização socioeconômica que resguardam características singulares, promovem a aproximação entre o local e o entorno (cidades menores e vilarejos ribeirinhos) e também é elo para a realização de trocas de informações, prestação de serviços e aquisição de bens mais sofisticados, não produzidos no local.

A relação campo-cidade, rural-urbano no contexto das cidades ribeirinhas amazônicas

7Atualmente, é necessário refletir a construção do espaço em todos os seus aspectos, o que remete considerar a perspectiva da totalidade de relações envolvidas na sociedade e sua reprodução no espaço geográfico, ou seja, como perspectiva analítica a dinâmica de produção social deste. Para Soja (1993), as relações dominantes de produção são

 [...] reproduzidas numa espacialidade concretizada e criada, que tem sido progressivamente “ocupada” por um capitalismo que avança, fragmentada em pedaços, homogeneizada em mercadorias distintas, organizadas em posições de controle e ampliada para a escala global (SOJA, 1993, p.115).

8Segundo Santos (1999), podemos argumentar que a espacialidade da sociedade em parte é criada pela ação das forças capitalistas e pela sua reprodução no espaço. Produz-se, assim, a fragmentação e, contraditoriamente, a homogeneização dos espaços na forma de mercadorias, dentro de uma lógica global cada vez mais organizada pelas cidades, locus privilegiado para o desenvolvimento da técnica, da ciência e da informação.

9Neste contexto, a cidade se torna um centro importante da produção contemporânea. A partir do desenvolvimento das forças produtivas com novas técnicas, ocorre a interiorização da indústria e a modernização da sociedade rural, por exemplo. Como consequência dessas transformações mais gerais, os espaços são cada vez mais complexos em termos de seus conteúdos rurais e/ou urbanos.

10Essa dinâmica geral afeta não apenas as formas e conteúdos das trocas materiais e imateriais realizadas entre cidade e campo, como também passa a ser incorporada no debate teórico acerca da relação entre aquelas duas categorias.

11Nesta perspectiva,

Compreender o rural como parte da espacialidade do capitalismo contemporâneo remete-nos a observar as relações de poder, o exercício de hegemonia e a dialética entre igualização e diferenciação como tendências contraditórias manifestadas nas interações espaciais rural-urbano (RUA, 2006, p. 82).

12Para Rua (2006), compreender o rural depende da consideração das relações de poder, do exercício de hegemonia e da dialética entre igualização e diferenciação como tendências a serem observadas nas interações espaciais entre ele e o urbano. Assim, “ora as classes sociais rurais (grandes proprietários e camponeses) são vencidos, ora são cooptados; ora conseguem se integrar ao bloco hegemônico” (RUA, 2006, p. 46).

13Neste sentido, a relação campo-cidade não se trata de espaços facilmente delimitados e nem o rural-urbano como categorias essencialistas. Do ponto de vista geográfico, compreender as relações existentes entre o rural e urbano, o campo e a cidade no contexto regional, consideramos o espaço geográfico enquanto um híbrido.

14Nos termos da discussão proposta por Santos (1994 e 1999), pode-se considerar a perspectiva da descontinuidade territorial e por ela é possível observar que tanto no campo, como na cidade, podem coexistir características rurais e/ou urbanas presentes no conjunto de objetos e ações, nos arranjos espaciais desenvolvidos mediante as relações de poder.

15Por outro lado, há que se considerar também uma segunda mediação, que se refere à dinâmica regional.

16Segundo Visentini (2004), é necessário levar em consideração os ritmos próprios da região, mesmo estando inseridos em um sistema mundializado. Esta perspectiva revela a existência de uma diversidade de cidades nas suas múltiplas interações e relações, pois a forma de como o fenômeno urbano se desenvolveu na região caracteriza um processo dinâmico relacionado à economia regional, expressando os modelos de desenvolvimento que integram diversas escalas – da nacional, passando pela regional até a local, nas quais se fazem presentes formas modernas e tradicionais de relações.

17São notórias as mudanças de hábitos, costumes, e até mesmo de percepção de mundo, que ocorrem de maneira irregular, com graus e conteúdos diversificados na região. Novas experiências são engendradas, contribuindo para criar uma diversidade sociocultural que é também condição de existência da sociedade na medida em que alimenta as trocas e condiciona a ampliação das redes de relações.

18Visentini (2004) critica o dualismo na análise sobre desenvolvimento da modernização e as alterações das cidades amazônicas, tais como os projetos inseridos na região, voltados ao mercado externo, com uma base técnica integrada ao capital que alicerça a formação e configuração de determinadas cidades na região.     

19Neste trabalho associamos o entendimento da relação campo-cidade e rural-urbano – que de algum modo denotam a dinâmica da diferenciação socioespacial – à análise das relações processadas por meio dos espaços de comércio popular, enquanto elos no contexto de cidades ribeirinhas.

Tipologia de cidades na Amazônia

20Trindade Jr., Silva e Amaral (2008), ao escreverem sobre a cidade ribeirinha na Amazônia, admitem inicialmente a existência de especificidades nos padrões de organização do espaço nessa região. Esta especificidade advém da complexa combinação de vários modelos de urbanização, desenvolvidos principalmente pelas frentes de expansão econômica que se materializaram a partir década de 1960. No Quadro 1 são demonstrados esses modelos.

Quadro 01: cidade e história na Amazônia

Tipos de cidades

Vínculos/Vinculações

Metrópoles contemporâneas

Estruturas urbanas complexas, associadas às repercussões dos novos processos de ocupação regional (Belém, Manaus, São Luiz).

Cidades novas e modernas

Bases de operação e de reprodução social dos grandes projetos minerometalúrgicos implantados na região (Company Towns de Barcarena, Tucuruí e Carajás, principalmente) ou associadas às necessidades de consolidação de novas estruturas territoriais que demandam uma relativa estrutura urbana concentrada de apoio às atividades econômicas e políticas (Palmas).

Cidades da colonização

Núcleos de apoio ao processo de colonização do final da década de 1960 e pontos de apoio aos eixos de penetração rodoviários (agrovilas, agrópoles e rurópolis).

Cidades “espontâneas”

Estruturas urbanas novas e precárias associadas às atividades e serviços complementares, formais ou não, relativas aos grandes projetos ou de apoio às novas frentes econômicas.

Cidades tradicionais

Estruturas urbanas mais antigas e sujeitas a transformações recentes, decorrentes de impactos sociais, culturais e ambientais promovidos pela introdução de novos modelos de produção e de inovações tecnológicas na região.

Fonte: Trindade Jr., Silva e Amaral (2008, p. 31).

21Como demonstrado no Quadro 1, os recentes modelos de organização do espaço amazônico não eliminaram o padrão de urbanização tradicional. No Quadro 1, inspirado no trabalho de Visentini (2004), é relativizada a distinção criada por Gonçalves (2001), na qual ele aponta dois padrões de organização na região: o rio-várzea-floresta, existente até a década de 1960, e o padrão estrada-terra-firme-subsolo, engendrado pelas frentes de expansão econômica desde 1960. A existência na atualidade de diversos padrões de urbanização evidencia a complexidade das formas de cidades na Amazônia e seus vínculos, seja com a região, seja com uma escala menor.

22É fato que novas cidades foram criadas nas últimas décadas, tanto de caráter administrativo para atender a demanda do Estado, quanto para abrigar os novos projetos de mineração e agropecuários. Cidades tradicionais, anteriores ao estágio de modernização continuam existir, mantém uma articulação baseada nas trocas comerciais por meio dos rios.

  • 1  Esta rede urbana articula um grande número de núcleos populacionais, no qual suas dinâmicas estão (...)

23A permanência das cidades tradicionais e seu vínculo com o padrão rio-várzea-floresta significa a sobrevivência de modos de vida ligados à floresta, pelo extrativismo, e que têm nos rios as vias de ligação regidas por uma rede urbana que pode ser reconhecida como dendrítica1. Sobre isto os autores escrevem:

Assim sendo, faz-se necessário pensar, por um lado, a difusão da cidade no território, que, até bem recentemente, guardava pouco da vida urbana; e, por outro lado, pensar a difusão da vida urbana nas formas espaciais, seja nas cidades, seja para fora delas, adentrando, inclusive, no campo. (Trindade Jr., Silva, Amaral, 2008, p. 30).

24A cidade na Amazônia sempre possuiu papel ímpar na organização do território, tanto para garantir sua efetiva ocupação e posteriormente permitir a expansão. Becker (1998) definiu esse processo com expansão da fronteira urbana, enquanto Oliveira e Shor (2008) aponta a difusão da sociedade urbana.

Quadro 02: a fronteira urbana e os padrões de urbanização

MODELOS DE URBANIZAÇÃO

VÍNCULO/VINCULAÇÃO

Urbanização espontânea

Muito presente na Amazônia Oriental, resulta em grande parte da ação indireta do Estado na produção do espaço, quando incentiva apropriação privada da terra por empresas, grupos econômicos ou agentes individuais. Neste processo, surgem ou se expandem cidades que acompanham as frentes econômicas, mobilizando, igualmente, uma grande quantidade de mão de obra móvel e polivalente e que acaba por incrementar a dinâmica dos núcleos urbanos recentes ou em expansão.

Urbanização dirigida pela coloni-zação particular

Direcionadas por companhias colonizadoras, é um tipo de urbanização comandada por relações econômicas baseadas em trabalho familiar e cuja configuração territorial assemelha-se ao urbanismo rural do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e que articula um sistema de núcleos urbanos configurados em localidades centrais hierarquizadas e onde os agentes principais são os colonos, os funcionários das companhias, os comerciantes e os investidores.

Urbanização dirigida pela coloni-zação oficial

Trata-se do modelo de urbanismo rural do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e que articula um sistema de núcleos urbanos configurados em localidades centrais hierarquizadas, aproveitando a estrutura urbana pré-existente para a configuração de um sistema de cidades, que, por sua vez, está baseado em uma estrutura social complexa: colonos, funcionários, comerciantes (bens, terras, força de trabalho), extrativistas, antigos moradores, burocracia, fazendeiro, migrantes etc.

Urbanização dos grandes projetos

Trata-se de um processo de urbanização ligado a projetos de grande escala – os grandes projetos econômicos e de infraestrutura –, cuja dependência de uma base urbana para a instalação e para a residência de pessoal técnico, de trabalhadores permanentes, e de atendimento a uma massa de trabalhadores temporários, faz desses espaços verdadeiros enclaves urbanos na rede de cidades da Amazônia. Mesmo originando novos núcleos, não desconsidera em definitivo a rede urbana regional ao gerar ou fazer crescer núcleos espontâneos que dão apoio às atividades dos grandes projetos e que se expressam como espaços segregados, mas funcionalmente articulados a esses empreendimentos.

Urbanização tradicional

Com pouca repercussão da expansão das frentes econômicas, trata-se de cidades que apresentam uma configuração com pouca alteração do padrão tradicional à beira do rio e com forte ligação a um centro regional. Não prescinde do padrão dendrítico.

Fonte: Trindade Jr., Silva e Amaral (2008, p. 31).

25A partir do quadro 2, para analisar o conceito de cidade ribeirinha, tomamos como pressuposto a referência de Trindade Jr., Silva e Amaral (2008) que abordam essa tipologia de cidade como Urbanização Tradicional.

26As cidades tradicionais são aquelas que apresentam uma estrutura urbana antiga, possuem sua fundação independente das frentes de expansão econômicas pós-1960 – ligadas às estradas, aos projetos de colonização oficial ou projetos de mineração. No entanto, são cidades que não estão isentas de modificações ou de interferências de outras escalas, mas não deixam de guardar registros de suas memórias, marcos de sua fundação.

27É interessante notar que Trindade Jr., Silva e Amaral (2008) não discutem essas cidades com o tom saudosista, nem tampouco como objetos cristalizados, mas reconhecem sua dinâmica de transformações junto à capacidade de guardar determinados aspectos herdados do passado.

28Assim, as cidades tradicionais não podem ser definidas pelos modelos fechados de identidade ou por visões dicotômicas entre tradicional-moderno, antigo-novo, rio-várzea-floresta versus estrada-terra-firme-subsolo. Elas têm de ser pensadas a partir da diversidade, levando em consideração a complexidade do ordenamento espacial na Amazônia.

29Sob o intuito de expandir este entendimento, eles procuram definir essas cidades sob quatro aspectos:

 [...]as cidade ribeirinhas, aqui consideradas, são cidades, a rigor a) localizadas às margens dos rios, às vezes de grandes rios, seja considerando a sua largura, seja levando em conta o volume de água, ou ainda, o tamanho de seu curso fluvial [...]; b) pequenas, quanto ao seu tamanho populacional, à extensão de seu formato territorial e às funções urbanas que nelas se fazem presentes; c) locais, dados ao alcance de suas polarizações, a sua forma de relação com os espaços do seu entorno e sua forma de inserção no conjunto regional; d) tradicionais, no sentido de ordenamento espacial do conjunto sub-regional em que se inserem, do padrão de ordenamento intra-urbano, da produção econômica e das relações socioculturais locais e regionais. (Trindade Jr., Silva e Amaral, 2008, p. 38)

30Vemos que os quatro requisitos não podem ser observados isoladamente entre si, nem tampouco devemos desconsiderar o aspecto relacional que eles trazem. Em conjunto, a cidade ribeirinha é pensada em sua relação com o entorno, na localização à margem de rios. A hidrografia interliga a cidade local, que não vive isolada e que por mais que seja pequena, vivencia múltiplas relações com as comunidades ou moradores próximos a ela.

31Estas cidades tradicionais estão inseridas no esquema de redes dendríticas, buscam serviços em uma cidade maior, mas servem de base para localidades menores. Nestas situações, o meio de circulação e ligação de um lugar a alhures dá-se, em sua maior parte, pelo transporte fluvial.

32Ora, o que se vê é a participação do rio na produção do padrão de organização espacial da região, do mesmo modo que condiciona formas determinadas de relação das cidades ribeirinhas com alhures, como apontam Oliveira e Schor:

Das cidades ribeirinhas da Amazônia temos a primeira visão de longe quando o barco que navegamos se aproxima. Antes, se fosse dia, víamos a torre da igreja; hoje, a torre da telefônica é o primeiro sinal. Ser for a noite, vemos o clarão da cidade que se achega vagarosamente, sem pressa. A viagem é longa, mais a chegada à cidade a partir dessa primeira visão, parece interminável. (Oliveira; Schor 2008, p. 15).

33A citação acima demonstra a velocidade permitida pelo rio, lenta comparada às rodovias ou aerovias. Por outro lado, há as antenas de TV, telefonia móvel - símbolos da modernidade urbana. Estas cidades, assim, são marcadas por formas híbridas, como se pode ver no que escrevem Trindade Jr. e Tavares:

Diferentemente das áreas sujeitas diretamente ás repercussões dos projetos econômicos instalados recentemente, existem aquelas cidades que não se caracterizam como espaços de apoio à mão-de-obra móvel e polivalente, o que nos faz sugerir que nem todas as cidades passam a se inserir da mesma maneira nessa nova dinâmica. Em algumas delas, muitas vezes ligadas ainda a dinâmicas econômicas herdadas do passado e às vias fluviais, o rural e o urbano se confundem, mostrando a intensa articulação da cidade com uma temporalidade ainda não totalmente assimilada pelas novas atividades e modos de vida implantados mais recentemente; ou quando fortemente difundidos, criam impactos e resistências, que tendem a expressar múltiplas temporalidades e espacialidades conviventes e conflitantes, que conferem o caráter híbrido ao espaço [...] (Trindande Jr., Tavares, 2008, p. 10)

34Os rios marcam a história e as dinâmicas espaciais dessas cidades, ou seja, define uma relação cidade-rio enfatizando que é por intermédio deles que há a penetração de pessoas, mercadorias e serviços.

35Pelo rio chegam produtos das florestas, ou dele mesmo, no caso o pescado. Mas por ele também chegam os objetos, as mercadorias industrializadas vindos de lugares distantes. Ele é uma “janela” com múltiplas passagens; por ele a cidade faz-se rural e faz-se urbana, um espaço relacional que contém e está contido em relações.

36Neste hibridismo, a cidade ribeirinha conhece o conteúdo urbano sem se desvincular do rural, faz-se e se refaz tendo o rio como referência. Por outro lado, não há sentido em destacar uma via – o rio – como um elo em si, isolado. O elo é entre lugares, entre tempos.

37O rio enquanto via possui múltiplos pontos e por isso não podemos defini-lo isoladamente como elemento de caracterização da relação rural-urbano nas cidades ribeirinhas da Amazônia. O rio na verdade é o meio que permite a materialização da relação entre os distintos lugares e tempos como apresentaremos em nosso objeto de estudo.

A cidade ribeirinha de Afuá: aspectos históricos e geográficos

38O município de Afuá, situado na extremidade Norte-Ocidental da Ilha de Marajó, teve início de seu povoamento por volta de 1845, quando Micaela Arcanja Ferreira ali se estabeleceu, ocupando uma posse de terras, a que denominou Santo Antônio. Por ser a localidade apropriada para um porto e ponto de paragem de trânsito do estuário amazônico, em 1869, já existia ao redor do sítio um núcleo populacional formado de diversas moradias, em geral, muito simples.

39Em 1870, Micaela doou terras para a formação de uma capela, que vai do igarapé divisa no rio Marajó, desce pelo rio Afuá, até o Igarapé Jaranduba, no rio Cajuúna. Com essa iniciativa, Mariano Cândido de Almeida, juntamente com outros moradores locais iniciou a construção da Igreja de Nossa Senhora da Conceição do Afuá, concluindo-a em 1871.

40Em virtude da sua localização geográfica, o povoado logo se desenvolveu e elevou-se à freguesia, em 1874, sendo extinta por duas vezes, até que em 1889, readquiriu sua condição. Com a república, em 1890, Afuá tornou-se respectivamente vila e município, no mesmo ano.

Mapa 1. Localização da cidade de Afuá na Ilha do Marajó

Image1

Fonte: projeto para o Plano Diretor Participativo de Afuá. Ano 2006.

41A história de Afuá remonta o período das políticas de colonização na Amazônia traçada no período Imperial cujo objetivo era o domínio territorial assegurando a posse de uma área estratégica (o estuário do rio Amazonas), permitindo o fortalecimento de atividades econômicas importantes, como a exploração das drogas do sertão e a extração da borracha.

Foto 1: Imagem antiga da cidade de Afuá

Foto 1: Imagem antiga da cidade de Afuá

Imagem antiga da parte frontal da cidade de Afuá (final do século XIX)

Fonte: Prefeitura Municipal de Afuá, janeiro de 2010.

42Desta maneira, Afuá como muitas cidades da Amazônia, desenvolveu-se atrelada à dinâmica dos rios, cuja urbanização ocorreu no entorno da igreja católica Nossa Senhora da Conceição. Levando em consideração o contexto histórico da região Amazônica, não podemos deixar de analisar que as vilas e os povoamentos que surgiram às margens dos cursos fluviais na Amazônia tornaram-se estratégias de ocupação e de usos eficientes. Essa forma de ocupação promoveu a existência de uma “agricultura de subsistência e a pesca artesanal, base da cultura do cabloco da Amazônia” (Gonçalves, 2005, p. 35).

43A discussão quanto à origem das cidades ribeirinhas na Amazônia exige um olhar sobre a diversidade da região, suscitando a existência do tradicional, seja na forma e nos conteúdos destas cidades. No entanto, é preciso demonstrar que construção ideológica sobre vazio demográfico na Amazônia, faz-se premente uma interpretação da dinâmica de ocupação regional até metade do século XX, dominada por cidades metropolitanas que influenciavam diretamente os demais núcleos urbanos, como as cidades ribeirinhas.

  • 2  Período das enchentes no qual as águas alagam quase toda a cidade.
  • 3  Forma de construção, especialmente em madeira, elevado sobre o solo para evitar alagamentos.

44Afuá é uma das cidades amazônicas que está assentada numa área de várzea, localizada no arquipélago do Marajó, sujeito a alagamento nos períodos de maré lançante2. As casas e as ruas são soerguidas, em média 1 metro acima do solo, também conhecidas por palafitas3, ligando as casas aos dois bairros existentes: Central e o Capimarinho.

45Atualmente o município possui 35.042 habitantes (IBGE, 2010), sendo que 73% da população que reside em pequenos vilarejos ribeirinhos. Entretanto, a sede municipal é um lugar de relevância para a população das pequenas cidades e vilarejos próximos pelos serviços existentes em Afuá.

46Pelas condições naturais da área urbana, não há construção de prédios superiores a um pavimento em decorrência da umidade do terreno, fato que torna a obra mais cara porque necessita de maiores gastos em fundações. Em decorrência das condições dos terrenos (várzea), é quase inexistente o esgotamento sanitário, sendo que os resíduos líquidos são despejados nas várzeas e consequentemente nos rios (Dias e Silva, 2011)

47O fornecimento de água também é precário, apesar de haver rede de distribuição pela Companhia de Saneamento do Pará (COSAMPA), o processo de tratamento não é confiável, utilizam a água do próprio rio e é comum a água recebida nas residências apresentarem coloração marrom (barrenta). (Dias e Silva, 2011)

48Outro ponto a se destacar são as vias. Sendo passarelas sobre o chão, com média de 3 metros de largura, não permitem o trânsito de veículos motorizados, tendo o seu uso proibido por lei municipal. O principal meio de transporte utilizado é a bicicleta comumente encontrada pelas ruas de Afuá. Como não há veículos motorizados, para o transporte de carga, são utilizados carros de mão puxados por trabalhadores autônomos conhecidos como carreteiros.

49Na Foto 2 são retratadas as pequenas passarelas que no contexto local assumem papel de ruas por onde transitam moradores.

Foto 2: passarelas de Afuá (sob maré cheia)

Foto 2: passarelas de Afuá (sob maré cheia)

Fonte: NOBRE Jr, B.B. fevereiro de 2010

50A primeira vista da cidade de Afuá, focada do rio, dá a impressão imediata de um lugar pequeno. Uma cidade que durante a noite possui poucas luzes, deixando a ver ainda um céu estrelado. Diante dela, seu início histórico se anuncia por sua tradicional paisagem: a torre da igreja católica. Dividindo a paisagem, atualmente a torre de telecomunicação também aparece como sinônimo de novos tempos, o de modernidade.

51Do rio à cidade, o porto impressiona ao mostrar um conjunto material construído em madeira, das casas mais singelas às mais ricas; a alvenaria pouco surge, exceto nos prédios públicos (a Prefeitura, a Câmara e o Fórum) e nas ruas frontais.

52Este aspecto frontal “a orla” da cidade, com passarelas de concreto, muros de arrimo e boa urbanização, chega a tornar opaco aquilo que lhe é naturalmente transparente: as palafitas. Construídas em sua maior parte de madeira e sobre o chão, a cidade de Afuá ergue-se sobre a área de várzea como se não possuísse fundação.

53Dos trapiches ao interior da cidade, as formas se multiplicam, havendo, porém, continuidades. Uma delas é a ausência de símbolos tão conhecidos nas grandes e médias cidades: falta de outdoors; de sinais de trânsito (sem semáforos, placas ou faixas); grandes prédios; a falta do automóvel.

54As pontes em palafitas, na orla da cidade, apresentam-se de concreto; no outro lado, os “fundos” da cidade (Foto 3), as pontes de madeira se apresentam em número maior. Na orla à “frente” (Foto 3) da cidade, há presença de cais, trapiches e prédios públicos; nas margens da orla localizadas nos rios Marajozinho e Cajuúna, a autoconstrução, a nudez do acabamento, do rústico, da simplicidade são formas marcantes nestas partes da cidade.

55Em decorrência da sua singularidade, de caráter exótico comparado ao modelo de urbanização tradicional, Afuá já fora destaque em noticiários nacionais e internacionais, apelidada de “Veneza Marajoara”, diversos projetos de incentivo ao turismo foram implantados, com destaque ao Festival do Camarão, evento que ocorre nos meses de julho.

Foto 3: Foto aérea de Afuá em 2000

Foto 3: Foto aérea de Afuá em 2000

Fonte: Prefeitura Municipal de Afuá, janeiro de 2010.

56Por esta descrição demonstraremos alguns pontos que devem ser levados em consideração nas dinâmicas socioespaciais que estabelecem a relação campo-cidade a partir do mercado popular ou feiras. Construiremos uma análise, com dados nas relações socioeconômicas estabelecidas em Afuá com a região de entorno formado pelos pequenos povoados residentes em ilhas, pelas cidades de pequeno porte da Ilha de Marajó assim às cidades de médio e grande porte, Belém-PA e Macapá-AP.

O mercado popular e a relação cidade-campo em Afuá

57Em Afuá, os trapiches se tornaram um espaço de consumo, onde as trocas se realizam, formando pequenas feiras em toda a extensão da orla da cidade, pelas ruas Barão do Rio Branco, Micaela Ferreira se concentrando no Mercado Municipal, nas feiras do Açaí e do Camarão/Pescado na qual se percebe um estreitamento da relação cidade-campo.

58Nas margens dos rios que ladeiam a cidade, os trapiches e as rampas de atracação experimentam diversas formas de organização socioespacial: na margem esquerda, uma significativa quantidade de pequenos barcos, ancorados em um sistema de organização feito pelos próprios moradores, sob a vigilância da comunidade ou dos proprietários; em contraste, os maiores barcos, utilizados em percursos lineares entre Afuá/Macapá e Afuá/Belém são ancorados em trapiches maiores isolados por portões, na orla frontal da cidade.

Foto 4: Trapiches e rampas de atracação em Afuá

Foto 4: Trapiches e rampas de atracação em Afuá

Fonte: NOBRE JR., Benedito B. dezembro, 2010

  • 4 O tempo médio de uma viagem por navio/barco (forma mais econômica e acessível de realizar deslocame (...)

59A cidade de Afuá, mesmo pertencendo administrativamente ao Estado do Pará, possui relação comercial mais intensa com Macapá, capital do Amapá, pela sua proximidade geográfica4.

60O crescimento populacional e econômico de Macapá gerou também novas demandas e ofertas no abastecimento de Afuá, como a introdução de produtos de outras regiões como alimentos congelados, enlatados, frutas e hortaliças que não são produzidas na região: uvas, brócolis, maçãs, peras etc. comercializados nos estabelecimentos da cidade.

61Entretanto, o mercado popular da cidade, nosso referencial empírico, ainda é abastecido especialmente por produtores provenientes da zona rural dos municípios próximos a Afuá, da ilha de Marajó. Porém, as dificuldades de transporte da produção em decorrência da dinâmica natural dos rios (cheia e vazante) são fatores determinantes para seu abastecimento, fato que pode gerar problemas de distribuição.

62As feiras são tradicionais pontos de venda nessas cidades na qual cada comerciante instala sua banca em locais muitas vezes não pré-determinados, ou seja, a rua em muitos casos se torna local de comercialização para os ribeirinhos.

63Os produtos como o pescado, as verduras, caças são colocados sob improvisadas bancas ao ar livre, estabelecem o comércio direto com pagamento em dinheiro ou também, em alguns casos, vendas a prazo por meio de simples anotações em cadernetas e recibos.

Foto 5: Transporte de mercadorias industrializadas em Afuá

Foto 5: Transporte de mercadorias industrializadas em Afuá

Fonte: NOBRE JR., Benedito B. dezembro, 2010.

64Na cidade ribeirinha de Afuá, foi observado que as feiras do açaí, do camarão/pescado e do Mercado Municipal têm o papel de abastecer a cidade com produtos de origem florestal, pescado, caças, hortaliças, vegetais entre outros; boa parte destes produtos é oriunda da região, favorecendo a circulação do dinheiro no próprio local.

65A feira do Mercado Municipal, assim como outras da cidade, é marcada pelos portos, trapiches, rampas de atracação. Esses pequenos portos promovem conexões que alimentam e aproximam os contextos rurais e urbanos, onde se materializam os modos de vida e, com isso, seus espaços adquirem dinâmica simbólica, econômica, políticas, religiosa e cultural.

66A feira também favorece outros setores da economia, na circulação de dinheiro pelos feirantes que após a comercialização de seus produtos, realizam compras em dinheiro nos vários estabelecimentos do município: comércios varejistas, lojas de confecção, calçados, ferramentas, farmácias e outros.

67Assim, o ir à feira do mercado municipal significa entrar em contato com um grande intercâmbio de informações, ou seja, um panorama socioeconômico e cultural de diversas localidades e cidades, como Anajás, Chaves, Melgaço, Macapá, Breves, Belém entre outras.

Foto 6: Mercado Municipal Manoel Nogueira de Melo

Foto 6: Mercado Municipal Manoel Nogueira de Melo

Fonte: NOBRE JR., Benedito B. dezembro, 2010.

68Pode-se acrescentar que a feira não se configura apenas como uma área de compra e venda, mas também de encontros e lazer, é um fato social com características peculiares. Nela, as pessoas se encontram, trocam informações, fazem articulações políticas ou simplesmente se divertem, ou seja, um lugar de encontro e de estranhamento. Sobre isto Silva (2006) afirma que:

 [...] assistir às pessoas das imediações madrugando no Porto para fazer a feira significava muito mais do que lembrar de quando ainda pequeno era levado por minha mãe para ir à feira de minha cidade e com isso crescer, isto é, tornar-me adulto e assumir responsabilidades – devia, para isso, aprender tanto os signos de uma fruta madura, de uma farinha “forte”, como as regras do regateio. Para além do tempo da infância, era na verdade um tempo da cidade que em minha retina transcorria, ou tempos de cidades diversas (Silva, 2006, p. 40).

  • 5  Popó, é como é conhecido o Sr. Raimundo Almeida, peixeiro para quem fui apresentado na minha prime (...)

69A movimentação na feira do Mercado Municipal começa cedo, ainda de madrugada, dependendo da época do ano. A respeito da dinâmica do mercado popular e das feiras, destacamos dois sujeitos, os pescadores e os peixeiros. Os vínculos mantidos entre estes na feira do Mercado Municipal possuem a mesma característica – de credibilidade – conforme declaração de um dos entrevistados, o Sr. Popó5.

meu pai, ele era pescador, ele me ensinou todo o oficio (...) hoje trabalho na feira. O peixe que vendo aqui, quem trás pra mim é o mesmo que trazia pro meu pai quando ele começou trabalhar no mercado quando ficou com problema de pressão. (entrevista concedida pelo autor em abril de 2011)

70A relação de credibilidade entre pescadores e peixeiros é passada em muitos casos de geração para geração ou por relações de amizade. As encomendas dos peixeiros são feitas por espécie do peixe ou camarão, com quantidade pré-estabelecida, na qual o peixeiro tem interesse.

71Geralmente, o pagamento é feito antecipadamente, para custear a viagem, compra de gelo, suprimentos, equipamentos de pescas, pagamento da tripulação além do ganho do pescador. Suas relações comerciais conseguem manter laços que envolvem não só a credibilidade, mas também a fidelidade, o companheirismo como, por exemplo, a relação creditícia entre pescadores e os peixeiros.

72 No Mercado Municipal, observou-se que as carnes e o pescado são os produtos mais vendidos. Em sua área interna, os produtos comercializados nos boxes são: hortifrutis, carne bovina, carne suína e o pescado; e na área externa, há a comercialização de aves vivas ou abatidas, farinhas, ervas e outros. Convém ressaltar a presença de várias barracas que comercializam calçados, cigarros, CD’s, DVD’s falsificados etc, marcando a dinâmica externa da feira do Mercado Municipal, por sujeitos conhecidos popularmente como “marreteiros”.

Foto 7: Vendedores ambulantes na orla da cidade

Foto 7: Vendedores ambulantes na orla da cidade

Fonte: NOBRE JR., Benedito B. dezembro, 2010.

73A variedade dos produtos vendidos nas feiras ou comércio popular é diversificada: óleos (andiroba, pracaxi, cúuba), ervas, hortaliças, pescado etc., sendo os comerciantes oriundos de diferentes lugares, conforme destacamos os cadastrados pela Prefeitura Municipal em seu mercado público:

74Tabela 1: origem dos ribeirinhos que comercializam em box do mercado municipal

NOME

LOCALIDADE / REGIÃO

NOME

LOCALIDADE / REGIÃO

1

ALEXANDRE GOMES

ILHA CONCEIÇÃO

11

JOÃO DA CONCEIÇÃO GOMES

RIO BUÇUTUBA

2

ANTONIO BATISTA

RIO MARAJATUBA

12

JOÃO SANTOS GOMES

RIO BUÇUTUBA

3

DINAEL BORGES

RIO GAPUIA

13

JOSE FERREIRA DE FREITAS

RIO SANTANA

4

EDILÇO BARROZO

RIO SERRARIA

14

JOSE MANOEL LEITE DA SILVA

RIO MARAJATUBA

5

FABRICIO BARBOSA

RIO MURUQUARA

15

JOSIMAR GEMAQUE ALMEIDA

RIO CHARAPUCU

6

FLORIANO DA SILVA MACEDO

RIO LIMÃO

16

MANOEL CASTELO SOARES

RIO CALDEIRÃO

7

FRANCISCO DOS ANJOS

RIO BUÇUTUBA

17

MANOEL DE JESUS COIMBRA

RIO CHARAPUCU

8

IDALGINO ALMEIDA MONTEIRO

RIO BUÇUTUBA

18

MANOEL FILHO DA GAMA BRITO

RIO CHARAPUCU

9

JOÃO BIATO

RIO CURURU

19

MANOEL TORQUATO DA TRINDADE

RIO SERRARIA

10

JOÃO CALDA DE LIMA

RIO SANTANA

20

RONALDO BARBOSA CARVALHO

RIO BAIANO

Fonte: Secretaria Municipal de Agricultura e Pesca – Semape. Organização: Benedito B. N. Junior, 2010.

  • 6  Ronaldo B. Carvalho é natural da cidade de Anajás e vive às margens do rio Baiano, localizado no m (...)

75Nesta Tabela é possível perceber os ribeirinhos que vêm de localidades e regiões com os quais a cidade mantém relação a partir dos produtos que são comercializados nos trapiches e rampas de atracação. Suas identidades de pertencimento a lugares são estabelecidos a partir de rios, geralmente utilizam pequenas canoas em madeira a remo conhecidas como “cascos”, ou barcos movidos a motor “botes” para transportar suas mercadorias, como é o caso do Sr. Ronaldo Barbosa Carvalho6:

Eu venho, eu e minha mulher de remo no nosso pequeno casco, de lá de casa pra cidade dá mais ou menos 1 hora de remo (...) nós trás cheiro-verde, chicória, pimentinha, camarão e as vezes até peixe, depois da venda,compramos algumas coisas como charque óleo e querosene, ai então a gente volta pra casa, como tem muitos amigos praquelas bandas, pegamos um reboque. (entrevista concedida em maio de 2011).

76Neste trecho da entrevista, percebemos que as relações estabelecidas pelas feiras são características do lugar, resguardando as particularidades de suas dinâmicas, e de certa forma se assemelham a outras feiras, como sinônimo de abastecimento.

77 O abastecimento de carne bovina e suína no Mercado Municipal é feito por apenas dois fornecedores. O Sr. Luiz Maciel Dias, conhecido como “Luiz Pial” (entrevistado em maio de 2011), é quem fornece a carne bovina que é comercializada na feira do Mercado Municipal. Segundo ele,

Afuá, não tem cultura na criação de gado ou búfalo e, o que se tem em termos de produção não dá conta de manter as vendas no mercado municipal (...) matamos todos os dias cerca de 30 cabeças incluindo gado e búfalos, que mando buscar principalmente na região de Chaves, Caviana e Mexiana, mesmo assim, tô percebendo que ainda não ta dando, porque a população cresceu né [risos] isso significa que vou ter que comprar um barco maior, daqui um tempo (...) (Luiz Maciel Dias, maio de 2011)

78Quanto à comercialização de carne suína na feira do mercado, identificamos que é comercializada por um feirante. O Sr. Agenor Marques em entrevista falou da venda de carne suína no Mercado Municipal. Diz ele:

Aqui no mercado, só, é eu que vendo carne de porco (...) o pessoal diz que é muito cansativo, porque exige muita limpeza do tratamento da carne, tem que “pelar” tem que deixar a carne descansar, dá muito trabalho mesmo, mas é daqui que tiro o sustento da família né (...) a mulher e os filhos também ajudam a fazer o serviço (...) quando não vem do meu sitio, outras pessoas trazem pra mim. Tenho que encomendar, são pessoas de confianças. (Agenor Marques, maio de 2011).

79Pelos elementos analisados é possível perceber de forma geral a organização diária dos sujeitos envolvidos na dinâmica do comércio popular ou feiras numa cidade ribeirinha. Eles realizam relações comerciais, mas também trocam bens imateriais a partir de relações de credibilidade, confiança e reciprocidade, elementos característicos desse tipo de organização social.

80Ao ribeirinho que chega à feira e tem as noticias da cidade, que comercializa seus produtos, aos moradores que mantêm na relação com esse mercado, a perpetuação de antigas relações, adquirem produtos com pouca intermediação, por isso, mais baratos e frescos. Assim, a relação campo-cidade continua presente em Afuá, mantendo elementos tradicionais de relações socioeconômicas mesmo com os novos processos de inserção da modernidade, como a informação, novas formas de consumo entre outros.

Considerações finais

81A importância da hidrografia na dinâmica econômica, social e cultural da população da Amazônia é incontestável. Em Afuá-PA, cidade ribeirinha do arquipélago de Marajó fica evidente que o poder das relações e dinâmicas exercidas pelos rios é  um dos principais agentes  na construção do espaço geográfico. 

82Esses espaços são dotados de condições simbólicas e estruturais que possibilitam o contato entre o rural e o urbano impulsionando o desenvolvimento local.

83Do ponto de vista cultural, o mercado popular ou feiras é o espaço que resguarda tradições, símbolos, culturas indiferentes ao processo de modernização. Portanto, há, na cidade de Afuá, espaços urbanos onde a cultura ribeirinha se reproduz de forma latente, os portos, trapiches e rampas de atracação em relação à feira.

84A primeira vista, esse tipo de comércio popular parece um lugar desorganizado. Entretanto, há uma organização simbólica em setores (para o leigo, difícil de ser identificado), conforme os produtos vendidos: carnes, hortifruti, lanches e refeições, utilidades etc.

85Apesar da intensa movimentação, existe uma organização própria, cujo papel do poder público pouco influencia, sendo dividida em feiras menores, localizadas nos trapiches e rampas de atracação à margem do rio Santana.

86Neste contexto, este trabalho analisou as relações campo-cidade e rural-urbano, destacando o plano específico da região do arquipélago marajoara enfatizando as particularidades da cidade de Afuá-PA.

87Em Afuá, atualmente observam-se a presença de estruturas modernas marcadas pelas torres de comunicação, pelas melhorias dos meios de transporte fluvial que permitiram a diminuição do tempo das viagens (após a introdução de motores movidos a óleo diesel), permitiu a ampliação de produtos oferecidos no comércio local (bens industrializados de diversos tipos: materiais de construção, equipamentos duráveis e alimentos).

88No entanto, Afuá é uma pequena cidade com pouco mais 35 mil habitantes (IBGE, 2010) possui importância local singular. No comércio popular da cidade permanecem estruturas econômicas e sociais que caracterizaram as formas urbanas tradicionais do lugar, como nas trocas de produtos, serviços entre outros entre os moradores locais com outros ribeirinhos da região que dependem desse comércio tanto para vender seus produtos e excedentes quanto para obter aquilo que não podem produzir.

89Tais elementos demonstram a particularidade que a relação campo-cidade ou rural-urbano estabelecem nos mais variados tipos de cidades, como o caso aqui analisado.

90Reconsiderar a análise da relação campo/cidade e rural/urbano a partir das cidades ribeirinhas nos permite destacar algumas considerações importantes. Em primeiro lugar, a diversidade que define a região deve ser estendida aos processos de urbanização, via difusão do urbano na Amazônia.Em segundo lugar, está na análise da relação entre os conteúdos rurais-urbanos em uma área de urbanização tradicional permitindo relativizar as discussões que apontam para uma maior imbricação destes conteúdos a partir da dinâmica do mercado popular em Afuá.

Haut de page

Bibliographie

Becker Bertha, Amazônia, São Paulo, Ática, 1998.

Dias Mario Benjamim e Silva Maria de Jesus Benjamim, “Afuá: Veneza Marajoara, Pará-Brasil”,Revista Geográfica de América Central Número Especial EGAL, Costa Rica, 2011, p. 1-18.

Gonçalvez Carlos Walter Porto, Amazônia, amazônias, São Paulo, Contexto, 2005.

IBGE, Censo Demográfico 2010. Disponível em: www.igbe.gov.br/cidades. acesso em: 13 de fevereiro de 2013.

Nobre Jr. Benedito B, Silva Marcos A. P. da, “Uma especificidade da relação rural-urbano na amazônia:A relação cidade-rio e as cidades ribeirinhas”, In Simpósio Internacional e Nacional de Geografia Agrária, Rio de Janeiro. Anais. p. 22, 2009.

Oliveira José Aldemir, Schor, Tatiana, “Das cidades da natureza à natureza das cidades”, In Saint-Clair Cordeiro e Maria Goretti da Costa Tavares (orgs), Cidades ribeirinhas na Amazônia: mudanças e permanências, Belém, EDUFPA, 2008.

Rua João, “Urbanidades no rural: o devir de novas territorialidades”, In: CAMPO-TERRITÓRIO, Revista de geografia agrária, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 82-106, fev. 2006.

Santos Milton, A urbanização brasileira,5ª ed. São Paulo, Edusp, 1999.

Santos Milton, A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção, 3ª ed., São Paulo, Hucitec,1994.

Silva Marcos Alexandre Pimentel da, A cidade vista através do porto: múltiplas identidades urbanas e imagem da cidade na orla fluvial de Belém (PA), Dissertação (mestrado), Universidade Federal do Pará. Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Belém, 2006.

Silva Marcos Alexandre Pimentel da, Malheiros Bruno Cezar Pereira, “A face ribeirinha da orla fluvial de Belém: espaço de (sobre)vivência na diferença”, In Saint-Clair Cordeiro Trindade Jr., Marcos Alexandre Pimentel da Silva (orgs.), Belém: a cidade e o rio na Amazônia, Belém, Edufpa, 2005, p. 145-169.

Trindade Jr. Saint-Clair Cordeiro, Silva, Marcos Alexandre Pimentel da, Amaral, Márcio Douglas Brito, “Das ‘janelas’ às ‘portas’ para os rios: compreendendo as cidades ribeirinhas na Amazônia”, In. Saint-Clair Cordeiro Trindade Jr, Maria Goretti da Costa Tavares (orgs.), Cidades ribeirinhas na Amazônia: mudanças e permanências. Belém: Edufpa, 2008, p. 27-48.

Trindade Jr. Saint-Clair Cordeiro, “De volta ao rio: estratégias de gestão e de (re)apropriação do espaço urbano na área central de Belém”, In Saint-Clair Cordeiro Trindade Jr., Maria Goretti da Costa Tavares (orgs.), Cidades ribeirinhas na Amazônia: mudanças e permanências, Belém, Edufpa, 2008, p. 145-156.

Soja E. Geografias Pós-Modernas: a reafirmação do espaço na teoria social crítica, 2º ed. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1993.

Visentini Yara, Cidade e história na Amazônia, Curitiba, Editora da UFPR, 2004.

Haut de page

Notes

1  Esta rede urbana articula um grande número de núcleos populacionais, no qual suas dinâmicas estão vinculadas aos rios. (TRindade, Jr., Silva e Amaral, 2008)

2  Período das enchentes no qual as águas alagam quase toda a cidade.

3  Forma de construção, especialmente em madeira, elevado sobre o solo para evitar alagamentos.

4 O tempo médio de uma viagem por navio/barco (forma mais econômica e acessível de realizar deslocamentos de pessoas e mercadorias) entre Afuá e Macapá varia entre 4 a 5 horas enquanto Belém, a mesma viagem dura 36 horas.

5  Popó, é como é conhecido o Sr. Raimundo Almeida, peixeiro para quem fui apresentado na minha primeira ida de campo, pelo Ronald de Souza Nobre, Diretor de Departamento da Semape (Secretaria Municipal de Agricultura e Pesca).

6  Ronaldo B. Carvalho é natural da cidade de Anajás e vive às margens do rio Baiano, localizado no município de Afuá-PA.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Foto 1: Imagem antiga da cidade de Afuá
Légende Imagem antiga da parte frontal da cidade de Afuá (final do século XIX)
Crédits Fonte: Prefeitura Municipal de Afuá, janeiro de 2010.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8405/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
Titre Foto 2: passarelas de Afuá (sob maré cheia)
Crédits Fonte: NOBRE Jr, B.B. fevereiro de 2010
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8405/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 152k
Titre Foto 3: Foto aérea de Afuá em 2000
Crédits Fonte: Prefeitura Municipal de Afuá, janeiro de 2010.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8405/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 272k
Titre Foto 4: Trapiches e rampas de atracação em Afuá
Crédits Fonte: NOBRE JR., Benedito B. dezembro, 2010
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8405/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 252k
Titre Foto 5: Transporte de mercadorias industrializadas em Afuá
Crédits Fonte: NOBRE JR., Benedito B. dezembro, 2010.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8405/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 488k
Titre Foto 6: Mercado Municipal Manoel Nogueira de Melo
Crédits Fonte: NOBRE JR., Benedito B. dezembro, 2010.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8405/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 320k
Titre Foto 7: Vendedores ambulantes na orla da cidade
Crédits Fonte: NOBRE JR., Benedito B. dezembro, 2010.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8405/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 436k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Roni Mayer Lomba et Benedito Baliero Nobre-Júnior, « A relação rural-urbano a partir das cidades ribeirinhas: o papel do comércio popular (feiras) na cidade de Afuá (PA) », Confins [En ligne], 18 | 2013, mis en ligne le 18 juillet 2013, consulté le 28 avril 2017. URL : http://confins.revues.org/8405 ; DOI : 10.4000/confins.8405

Haut de page

Auteurs

Roni Mayer Lomba

Professor Adjunto do Colegiado de Geografia da Universidade Federal do Amapá - UNIFAP.  Coordenador e Professor Permanente no Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional – MDR – UNIFAP, Coordenador do Grupo de Pesquisa Abordagens Geográficas para a Amazônia, ronimayer@hotmail.com

Benedito Baliero Nobre-Júnior

Acadêmico do Curso de Bacharelado e Licenciatura em Geografia

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org