Navigation – Plan du site

Visões do Mundo

Visions du monde
Visions of the world
Patrick Poncet
Traduction de Ludmila Girardi et Paulo Fernando Meliani

Résumés

Il s'agit de la première traduction en portugais du texte Visions du Monde du géographe français Patrick Poncet, actuellement dirigeant fondateur de l'agence de communication spatiale MapsDesigners et de l'agence de conseil en Intelligence spatiale QualCity. Le texte fait partie de L'Invention du Monde. Une géographie de la mondialisation (Presses de Sciences Po, 2008), ouvrage dirigé par Jacques Lévy, géographe qui se distingue dans l'étude de “l’espace des sociétés”, et qui a également dirigé, avec Michel Lussault et la participation de Patrick Poncet, le Dictionnaire de la Géographie et de l'espace des sociétés (Belin, 2003). Travaillant à partir de cette conception de l'espace, un coup d'œil géographique sur les arrangements sociaux des lieux entrelacés dans l'échelle du Monde, ce texte de Poncet évoque les enjeux et les possibilités d'une cartographie de la Mondialisation et son rôle dans l'émergence d'une société politique d'échelle mondiale. L'auteur propose une nouvelle problématisation de techniques cartographiques telles que les projections, à l’heure où ces changement d'échelle et de métriques créent de nouveaux espaces reliant d'une nouvelle manière les lieux du Monde, pour beaucoup nouveaux et pour l'essentiels renouvelés. Cet ensemble de relations tisse des distances qui se comprennent mieux au regard du caractère dynamique de l’espace géographique que selon les logiques de « l'espace de la géométrie euclidienne, qui est aussi celui de la feuille sur laquelle on trace la carte ». Le défi de la représentation des déplacements, des itinéraires, des flux matériels et immatériels, recèle ainsi une complexité géométrique qui conduit la cartographie à combiner des déformations donnant leur justes poids aux territoires et le respect de la topologie du fond de carte, permettant de rendre compte des logiques de réseau et de mettre l'accent sur les relations entre les objets. Là réside en particulier l'intérêt des cartogrammes. Cette réflexion conduit Patrick Poncet à proposer trois cartes fondamentales du Monde, qui sont en quelque sorte les trois «fonds de carte» de la mondialisation. Elles examinent les « trois modalités de gestion de la distance » dans la géographie mondiale : la « coprésence », la « circulation » et la «télécommunication». Ce chapitre qui « plante le décor » du Monde pour l'ensemble du livre, trouve un écho dans un chapitre conclusif de l'ouvrage (« Partager le Monde »), dans lequel Patrick Poncet propose quatre cartes qui, combinant les trois premières, représentent les « quatre espaces » qui composent le Monde. Ce texte a été traduit en vue de fournir aux lusophones un exemple concret du renouvellement de la géographie et de la cartographie française.

Haut de page

Entrées d’index

Índice de palavras-chaves :

cartografia, geografia mundial, Mundialização
Haut de page

Texte intégral

«Mettre en route l’intelligence sans le secours des cartes d’état-major».

  • 1 Citado em René Char, Feuillets d’Hypnos, Paris, Guallimard, 2007.

René Char, 19461

  • 2  Original em francês. P. Poncet “Visions du Monde”, In Jacques Lévy (dir.), L’invention du Monde. U (...)

1Podemos cartografar a mundialização?2 A questão parece simples. A resposta é mais difícil. Responder pela afirmativa é dizer implicitamente que a mundialização é um fenômeno geográfico, e que, como tal, deve poder ser representado como pode ser todo espaço, por meio de uma técnica específica chamada cartografia. Que ela se apresse! Responder pela negativa equivale a negligenciar a importância da dimensão espacial do fenômeno – este que é uma contradição formal porque o mundo é por definição um espaço – ou exagerar para descrever a situação na qual se encontra aquele que quer construir uma imagem do fenômeno, situação difícil visto que contraditória – nós a veremos – com os princípios fundadores do mapa e, numa menor medida, com aqueles da cartografia. A resposta adequada é, portanto, sutil. Ela supõe apreender de modo preciso e renovado este que é o ato cartográfico, e de conceber uma ideia da mundialização que seja compatível com uma apreensão geográfica do fenômeno, fundamento de sua representação cartográfica.

O mundo, imperativo cartográfico

2O que é então a cartografia? A cartografia é uma tecnologia social que tem por objeto a representação gráfica convencional do espaço, em particular do espaço geográfico. Se a representação é convencional, isto não exclui, por exemplo, uma crítica estética da cartografia, ao contrário. Entre os produtos cartográficos, o mapa é um caso particular, pelo qual o ponto de vista é zenital. A realização dos globos faz apelo à cartografia, mas um globo não é um mapa.

3Esse ponto de partida formal põe acento sobre o caráter convencional da representação cartográfica, mas também sobre o fato que o mapa é um produto particular da tecnologia cartográfica, respondendo a certas convenções. O mapa é um tipo de protocolo de representação; a verdade cartográfica é contratual. É pouco, mas é também muito. Pois o quadro convencional que define especificamente o mapa entra marginalmente em ressonância com o quadro conceitual da mundialização. Dito de outro modo, apontar esta dissonância é uma maneira de sublinhar dois aspectos essenciais da resposta à questão de partida: para ser justo e pertinente todo mapa deve levar em conta e traduzir um pensamento geográfico que o preexiste – o que pressupõe uma teoria do espaço, mesmo que apenas implícita ou mesmo inconsciente –, e o pensamento geográfico da mundialização deve ser capaz de abstrair-se, ao menos parcialmente, dos pressupostos que veiculam os mapas do mundo existentes.

4Qual é então o estado da arte na matéria? Deixemos de lado isso que, na geografia francesa, é de conhecimento especializado sobre as regiões do Mundo ou de uma redução ingênua da mundialização a uma abordagem desestruturada das lógicas econômicas em grande escala (seria melhor consultar os traders sobre esses assuntos). Interessa-nos essa que é mais uma ciência social focando-se em pensar o espaço das sociedades. O cartógrafo dispõe então de algumas reflexões interessantes capazes de conduzir seu desenho. A cartografia da mundialização torna-se possível e útil à geografia. O que dizem então os geógrafos da mundialização? “Emergência do Mundo como espaço, processos pelos quais a extensão planetária torna-se um espaço.” (Lévy e Lussault, 2003, «Mundialização»). E adicionase que a humanidade já conheceu seis mundializações, cada uma singular, e que se trata hoje de um momento onde emergem novas escalas, novos poderes políticos, de escala mundial, de novos lugares, “bem situados”, contrastando com o aumento das circulações, e de novos mundos que se articulam com o Mundo (as maiúsculas iniciais são importantes). O desafio cartográfico está posto.

5A mudança de escala, inovação geográfica maior: é um problema cartográfico por ao menos duas razões. A primeira põe a questão gráfica de unidade do mundo. Questão que, sublinhamos, chama respostas imperfeitas, pois se o mapa é uma visão do mundo, jamais ninguém viu nem verá o mundo na sua totalidade, e a forma de suas partes é pertinente ao olhar de um ponto de vista particular e de hábitos que ele impõe. Mas tal questão é habitualmente posta em termos de outra questão conexa, aquela da projeção. Questão técnica, que pode fazer crer ao não iniciado que há um debate de especialistas pelo qual resultará um decreto consagrando o melhor fundo de mapa do Mundo e da mundialização. Nada feito: a questão da projeção é de uma simplicidade infantil, e merece ser exposta sem desvios. A necessidade de visualização de seu mundo pelos homens encontra-se de início o triplo problema de utilidade da visão produzida, de sua ergonomia, e de sua memorização. Diversas famílias de respostas foram dadas no curso do tempo, respondendo em modo mais ou menos vantajoso a estes três componentes de um mesmo problema. No mundo antigo-medieval, a experiência da territorialidade era apenas muito parcial, sendo as redes que estruturam mais fortemente o espaço dos utilizadores de mapas: mercadores, pelegrinos, soberanos de guerra... Para cada um deles, o espaço é controlado por seus nós (cidades, lugares fortificados...), coligados entre si por uma rede de rotas que definem as vias de acesso, dos tempos da ação e da reação. Formas de representação complexas, fortemente simbólicas, quase tabulares, bastam para orientar no espaço complexo dessas redes. É com a necessidade conjugada de uma situação precisa no espaço marinho sem referência e de uma estimativa de potências pela superfície de terras controladas, que se desenvolve no Renascimento uma prática cartográfica conhecida mas antes pouco útil, que tende a fazer do mapa um modelo reduzido do território e de seus atributos de superfície sobre um suporte de papel. As soluções matemáticas se aperfeiçoam. Mas, o tamanho da extensão da representação aumenta, tornando impossível proceder sem danos à redução: o espaço curvo constituído pela superfície de uma esfera não pode ser aplanado sem ser deformado de uma parte e deturpado de outra parte. A técnica da projeção, que permite estabelecer uma relação de equivalência entre as coordenadas geográficas de um lugar no globo e aqueles em uma grade sobre uma folha de papel, vai então conhecer refinamentos infinitos. Nascerão assim dezenas de métodos, cujas propriedades permitirão construir mapas de uso específico: navegação, localização precisa, comparação de superfície, medidas de distâncias. Mas, toda vez, as leis da geometria obrigarão ao menos as escolhas de um tipo de projeção, de um centro de projeção, e de espaços que precisarão dividir. Projetar é, então, escolher um centro de Mundo e sacrificar os espaços a deturpar. De qualquer modo, os métodos de projeção não têm nada de esotérico e respondem tecnicamente a expectativas precisas que relevam in fine de escolhas de representação, fazendo trazer na maior parte das vezes o esforço sobre um objetivo de “feitio” de formas ou de superfícies continentais, sem levar em conta seu conteúdo social (população, cidade, redes de relações, etc.), mas se apoiando também mais ou menos intencionalmente sobre as a priori culturais ou ideológicas estruturantes.

6Segundo problema cartográfico: o mapa da mundialização deve representar o Mundo de uma maneira ou de outra. Isto não significa de modo algum que ele deva o representar sob uma forma clássica, com um tratamento igual de suas partes, mas, sobretudo, que cada uma delas deva o representar segundo uma convenção de representação dada e declarada; o mapa de lugares mundializados no seio de uma cidade mundial é um mapa da mundialização. Portanto, um mapa da mundialização não pode se limitar a justaposição de mapas de subconjuntos regionais que compõem o Mundo. A mudança de escala da mundialização cria o novo, os espaços novos, o primeiro entre todo o espaço mundial, que não pode ser resumido por um planisfério representando os Estados do globo.

7O planisfério dos Estados não é um mapa do Mundo. Esta imagem comporta três defeitos inaceitáveis. Primeiro, aquele de uma partição, antinômica com a ideia de uma unificação que subtende a mundialização. Segundo, a mundialização é em grande parte trazida por redes de toda natureza, veiculando homens, mercadorias, informação, e o planisfério de países, insistindo sobre a territorialidade, esquece o motor reticular da mundialização. Enfim, em terceiro, se a maior aposta da mundialização é a emergência de uma sociedade política de escala mundial, e se sua existência é ainda embrionária, a dinâmica geopolítica da mundialização vê hoje a emergência de territórios políticos supranacionais e infranacionais e o enfraquecimento ou ao menos a relativização do papel dos Estados nos negócios do Mundo.

8No tempo da mundialização, a política investe em outros espaços além daqueles do Estado, e em particular nos espaços regionais, que se confundem em parte com as áreas urbanas que comandam o Mundo na articulação geográfica: metrópoles mundializadas – megalópoles - Arquipélago megalopolitano mundial. Em conseqüência, um mapa da mundialização deve dar uma parte importante aos lugares do Mundo, espaços unificados de onde partem, por onde passam e aonde chegam os fluxos mundializantes: cultura, finança, mercadorias, informação, turismo... Ou, o mapa sofre de uma deficiência congênita: o euclidianismo. Autêntico pecado original do cartógrafo, o euclidianismo designa o fato que o mapa não pode ser outra coisa que uma representação plana do espaço, uma vez que ele não está em um plano.

9O espaço das sociedades é o conjunto de relações que tece a distância entre os componentes da sociedade, e as distâncias em questão não se somam como num plano, em respeito à desigualdade que estabelece que a distância mais curta entre dois pontos é sempre a linha reta. Se isto é verdadeiro no espaço da geometria euclidiana, que é também da folha sobre a qual se traça o mapa, isto é completamente falso no espaço geográfico, já que a distância medida em tempos de trajeto entre dois lugares varia em função do sentido do deslocamento, do momento, do itinerário mais do que da forma (linha reta, curva, etc.) do traçado. Num espaço formado pelos três lugares A, B e C, o trajeto AB+BC pode ser mais rápido que o trajeto direto AC, enquanto que sobre o mapa (euclidiano), AC é sempre mais curto que AB+BC. O único meio de representar o espaço geométrico em toda sua complexidade não euclidiana é usar de subterfúgios simbólicos ou de deformações, como fazemos com a ajuda de anamorfoses, por exemplo, ou mais simplesmente no desenho dos planos de metrô. De qualquer modo, os espaços que contam no Mundo mundializado e, em primeiro, as cidades, a fortiori os espaços intraurbanos, não podem ser senão sub-representados na cartografia.

10Mas o mapa agrava seu caso ainda num outro plano. Esta relativa incapacidade de representar o que conta no Mundo da mundialização, duplica uma propensão a representar espaços idiotas, isto é, de supervalorizar a idiografia datada e estática. O que bem faz o cartógrafo inconsciente do perigo é a delimitação e a coloração das extensões em geral bastante vazias, ao menos relativamente a um Mundo majoritariamente urbano, extensões as quais ele concebe frequentemente sobre as bases mais epistemologicamente frágeis, comunitaristas e, portanto, a individualidade é excluída, invocando aqui o endosso da religião (imaginada), ali uma cultura (fantasiada), uma etnia (naturalizada), ou lá ainda a residualidade, para os espaços que não se sabe o que fazer mas que se obstinam a permanecer no seu lugar sobre o mapa mundi (habitualmente: a África).

11Primeiro dos cartógrafos “idiotas”, Samuel Huntington [Huntington, 1993], com seu mapa de civilizações e de seu choque anunciado, ainda conseguiu influenciar alguns autores de programas escolares e alguns editores de manuais, que nada encontraram de melhor que gravar no mármore dos cérebros infantis o mapa de um mundo que não seria outro senão uma justaposição instável e conflituosa de grupos étnicos-religiosos naturalmente inimigos; a cada geração seu fardo epistemológico. Imaginamos com benevolência e ingenuidade que esse tropeço manifesto possa ser justificado pela necessidade de um estudo crítico, que se espera da parte dos professores e dos alunos, mas isto sem contar com um aspecto essencial do mapa: sua função performativa, ou em outras palavras, “o efeito de verdade”, quando “dizer é fazer”. Muitas vezes, e bem mais freqüentemente do que se imagina, a existência do mapa do território basta para provar a existência do território. Melhor que isso, todo mapa produz o território mais que ele o representa; o mapa é o território, por si só. Jamais ninguém viu nem verá o Mundo, no entanto, ele existe. E o nosso intelecto não o acessou senão por meio de representações, ao primeiro lugar destas se encontra o mapa. Aquele dos mundos de Huntington faz existir tais mundos, e destruir o Mundo. Corolário importante, incitando ainda ao otimismo: aquele que traça o mapa do Mundo o faz existir. O Mundo é um imperativo cartográfico.

O mundo dos cartógrafos

12A cartografia de um “mundo mundializado” deve relevar dois desafios: como “mundializar o mapa”, ou seja, representar a espacialidade “glocal” da mundialização, articulando corretamente divisão e unidade? Como aplanar o mundo, ou seja, representar sua geometria não euclidiana, cuja expressão é particularmente forte nos fenômenos mundializados, que coloca a questão dos limites da cartografia e das pertinências do seu uso na geografia?

Mundializar o mapa

13O referente local serve para construir uma leitura específica do mapa, em torno de uma temática mais ou menos complexa e problematizada. Na leitura cartográfica, há limites gráficos que confinam o olhar nas suas idas-e-vindas incessantes entre leitura global e leitura local. Para exprimir a mundialidade, que associa escala global e escala local, os mapas do mundo devem organizar de maneira justa e eficaz este movimento de ir e vir. A trama territorial é em geral o elemento estruturante da leitura local. A maior parte do tempo, a malha dos Estados assume este papel, aquele que não é sempre feliz no olhar do tema do mapa e da espacialidade posta em jogo. Isto, porque nas problemáticas da mundialização, todas as combinações local-mundial são possíveis. É preciso se dar os meios cartográficos de visualizar estas combinações e evitar que as malhas estatísticas tais como os Estados não impeçam os raciocínios que se apoiariam nas constantes cartográficas. Por extensão, o mapa da mundialização não é assim nem o resultado da justaposição de mapas de cada parte do mundo, nem aquele da sobreposição de todos os mapas temáticos do Mundo. Ele não é nem uma vista unicamente global, nem um simples catálogo de lugares concernentes.

Aplanar o mundo

14Cada “grande potência” produz mapas nos quais ela ocupa o centro. Notamos, todavia, que o fato de ocupar o centro geométrico do espaço euclidiano de um mapa não equivale nem traduz necessariamente o fato que ela ocupa o centro do espaço geográfico, que não é euclidiano, e ainda menos que ela ocupa uma posição importante (como testemunha o caso do Maciço central na França). A postura performática que consiste em se desenhar no centro do mapa, para se fazer crer que se é o centro do Mundo, ao contrário, traduz muito bem a ideia que os Estados se afirmam geograficamente em um espaço euclidiano, subestimando as lógicas das redes transnacionais, coisa que nem todos podem se permitir.

15O mundo não possui centro geométrico, enquanto que a projeção cartográfica supõe a escolha de um, e no melhor dos vários casos mediante uma sábia dobradura (o caso da projeção de Füller). As ligações que a distância tece entre os diferentes lugares do planeta não são bem compreendidas se não capturarem as lógicas de “alternância” do espaço mundial, que definem proximidades paradoxais e “linhas retas” por percursos tortuosos. Os parâmetros de uma projeção, se eles definem os espaços perdidos da mundialidade, torturantes lágrimas da projeção (concernente muitas vezes ao oceano Pacífico), procedem de escolhas que levam em conta a posição de “centros do mundo”, potências estruturantes de distâncias planetárias. As rotas comerciais aéreas se organizam assim em uma rede hierarquizada, produto conjugado das proximidades quilométricas e das lógicas de rentabilidade econômica, portanto da freqüência de linhas. Certas zonas do globo aparecem assim como becos-semsaída, extremidades do mundo, como à margem do mundo; outras são presas nos fluxos ininterruptos que ligam as grandes megalópoles planetárias.

16Este Mundo mundializado, que geometricamente não há margem nem fim, parece assim geograficamente limitado e demarcado. A sua cartografia deve levá-lo em conta. Ela deve, tanto quanto possível, se fixar a representar os centros e as periferias do mundo, mas também organizar no espaço do mapa uma configuração que funcione como um todo. Esta é uma particularidade afirmada nas redes mundializadas que combinam interrupções e continuidades, e geralmente definem a distância entre dois pontos em função das distâncias entre cada um desses dois pontos e o resto do mundo. Como se ir a qualquer parte colocasse sempre a questão da volta da viagem: retorno ou continuação. Etapa ou destino, é como se cada lugar devesse pender para um destes dois estatutos.

Ao fundo do mundo: três mapas

17Prosseguindo nesta abordagem teórica, gostaríamos de apresentar três mapas que tentam, em conformidade aos princípios que enunciamos, construir imagens que compõem um jogo de fundos de mapa possíveis para o conjunto deste livro.

  • 3 No texto original em francês o autor utiliza a palavra “mobilidade”, todavia, sugeriu para esta tra (...)

18Estes três mapas fundamentais do Mundo contemporâneo são todos fundos de mapa que são necessários se ter em mente na análise geográfica da mundialização. Cada um destes (fundos de) mapas oferece uma imagem da geografia mundial de uma das três modalidades de gestão da distância: a copresença, a circulação3, a telecomunicação. Em outros termos, se trata de exprimir a espacialidade de três ingredientes da mundialização.

19O fundo de copresença do mundo fornece um quadro do “fazer sociedade” pela constituição e funcionamento de configurações espaciais que reduzem a distância entre as realidades sociais. O fundo da circulação aborda o mundo que se move, os espaços que se abrem uns aos outros, os lugares que emitem e drenam os fluxos materiais de uma mundialização vista como uma mescla social planetária. O fundo da telecomunicação põe em evidência as últimas fronteiras que dividem o planeta e os recémchegados à cena mundial.

20Estas imagens são imperfeitas, parciais e desfocadas sobre certos aspectos, mas elas são úteis para apreender um fenômeno fundamentalmente espacial que supera a dimensão individual na qual a mente está por vezes limitada.

Copresença

21A cartografia da copresença em escala mundial persegue o objetivo de mostrar através do mapa a repartição daquilo que poderia ser compreendido como um grau de proximidade entre as realidades sociais. Se a redução da distância é uma condição de possibilidade da interação social, então a medida de tal redução é um indicador da capacidade dos grupos humanos de “fazer sociedade”.

Densidades urbanas e densidades não urbanas

22É necessário distinguir previamente a copresença como estado, cujo grau caracteriza uma situação geográfica particular, da copresença como resultado, seja de uma circulação elementar (deslocamento e então encontro físico), seja de uma telecomunicação elementar (encontro “virtual”). Nas situações geográficas reais, copresença, circulação e telecomunicação são intimamente ligadas, ao mesmo tempo concorrentes e complementares – “em coopetição” -, mas isto não impede absolutamente de delinear um estado de lugares em termos de copresença, tendo em mente que ela sujeita circulação e telecomunicação.

23Este fundamento teórico põe a questão da métrica utilizada, quer dizer, do modo de medida da distância e, para além, da seleção de realidades sociais levadas em conta.

24No segundo ponto, foi decidido raciocinar na escala do indivíduo, menor unidade social, e unidade comensurável de um lugar a outro do planeta. Essa escolha se justifica com três categorias de argumentos: a generalização em curso, sem dúvida irreversível, do modelo da “sociedade dos indivíduos” (Norbert Elias), dinâmica que não esquece que o avanço deste modelo é embrionário em certas regiões do globo onde um comunitarismo mais ou menos exclusivo domina; o caráter universal da definição do indivíduo em relação a outros objetos que poderiam ser levados em consideração, como as empresas, por exemplo; a disponibilidade de informações relativamente confiáveis sobre a localização dos indivíduos no mundo.

25A variável utilizada para avaliar a copresença é aquela da densidade, que nada mais é que o inverso da distância média que separa os indivíduos.

26A questão da escolha da métrica convocou uma resposta dupla. De uma parte, a métrica euclidiana é utilizada para o cálculo das densidades, em número de habitantes por hectare. Mas compreendemos facilmente que esta métrica supervaloriza as lógicas territoriais, as distâncias “em linha reta”, e minimiza os efeitos de rede e, portanto, a concorrência que trás a circulação e a telecomunicação para a realização da copresença. Medir as densidades euclidianas equivale em suma a considerar que as sociedades são feitas de indivíduos “imóveis” e funcionam por níveis, sem deslocamentos nem comunicações à distância. Se essa aproximação é aceitável para medir as densidades rurais, ela não é, evidentemente, para abordar o grau de copresença que podem gerar, no seio de uma sociedade, as cidades e as redes (inter)urbanas. Nós temos, portanto, que representar no mapa o traçado de cidades que contam mais de um milhão de habitantes, assim como sua densidade respectiva. A densidade trazida no fundo dos Estados, por sua vez, é a densidade da população dos países fora das aglomerações milionárias. Trata-se, em suma, da “densidade do resto”, os países que não comportam aglomerações milionárias são de fato considerados (enquanto tais) como caracterizados por uma copresença pouco marcada e pouco estruturada pela urbanidade. Em outros termos, o partido tomado é o de escolher como limiar de urbanidade de nível mundial a aglomeração urbana de um milhão de habitantes.

27O mapa produzido utiliza uma anamorfose de população, mas é um mapa “monocamada”. Isto significa que as superfícies dos círculos proporcionais estão na escala das superfícies dos países, e que ambos se adicionam, de modo que a superfície resulta equivalente ao total da população do país.

Resiliência de densidades, espaço individual, culturas urbanas, lógicas de cidades

28O mapa produzido (ver mapa 1) desenha um fundo de mapa para a mundialização, esboçando uma estrutura complexa que aponta as forças e as fraquezas da máquina de fazer a sociedade.

29As densidades “não urbanas”, aquelas que representam os planos que colorem os Estados do mundo, se repartem no planisfério de uma maneira bastante fácil de descrever. Fortes densidades na Ásia, em particular na Índia, densidades médias e, por vezes importantes na Europa, densidades fracas, salvo em alguns lugares, na América e na África, que conhece tanto quanto ela situações contrastantes. Se é sem dúvida um pouco exagerado considerar que se trata de uma imagem de densidades rurais, o termo não urbano (ou infraurbano) recobre melhor as situações correspondentes.

30A interpretação dessa configuração global pode recorrer às explicações históricas, dada a forte resiliência – a persistência de um legado pesado o qual as sociedades hoje valorizam num papel ativo e estruturante – das estruturas espaciais de povoamento, em particular nos espaços rurais e infraurbanos. É assim que, globalmente, uma primeira causa da repartição de densidades não urbanas diz respeito, sobretudo, à conjugação de duas lógicas fortes: a antiguidade mais ou menos marcada da valorização agrícola do território, e os mecanismos mais ou menos favoráveis à manutenção de densidades induzidas pelo modo de valorização inicial. Este segundo ponto trata do nível de desenvolvimento e, em conseqüência, do lugar que ocupa a agricultura nas economias nacionais.

Mapa 1. O mundo da copresença

Mapa 1. O mundo da copresença

Fonte dos dados de população urbana : François Moriconi-Ebrard, Géopolis. Concepção : Patrick Poncet. Fundo de mapa : Dominique Andrieu, Jacques Lévy, Patrick Poncet. Realização : Alain JarneSemiologia / Design cartográfico : Alain Jarne, Patrick Poncet

31As fortes densidades asiáticas são, como se sabe, herdadas da realização antiga de um modo de produção agrícola intensivo, que se encontra em outras regiões do globo, e nas quais a produção agrícola ocupa um lugar importante (o caso das ilhas seria mais delicado tratar globalmente). Na outra extremidade da escala das densidades, aquelas do continente americano e de uma parte da Europa, mais frágeis, resultantes de uma realização tardia e/ou de uma modernização acrescida da agricultura, setor este de atividade, por sua vez, economicamente pouco estruturante.

32O caso de regiões da Europa marcadas por uma densidade mais forte resulta, ao menos por parte do viés cartográfico, no traçado de pequenas cidades com menos de um milhão de habitantes, contado na densidade dos países, que é então bastante caracterizado por uma densidade urbana. Isso não significa que podemos ver de fato nesse estado a resiliência de estruturas de povoamento que evocamos anteriormente. Do mesmo modo, o grande número de cidades milionárias na América do Norte exprime simultaneamente a forte urbanização da região e a fragilidade das densidades rurais de um território em grande parte desértico.

33O tamanho e a densidade das cidades de mais de um milhão de habitantes permitem completar essa primeira abordagem da copresença.

34A estrutura de conjunto que o mapa mostra pode ser interpretada como a conjugação de três fatores explicativos, segundo combinações variáveis. O primeiro destes fatores retoma em parte a interpretação de densidades nacionais, pois se trata do nível de desenvolvimento. É efetivamente esse viés de leitura que desenha a lógica mais simples e a primeira que produz a leitura do mapa: a densidade das cidades está ligada àquela do nível de desenvolvimento das zonas nas quais elas se encontram. Quando mais elevado é esse nível, mais a densidade urbana é frágil, isto que, visto ao contrário, significa que o desenvolvimento corresponde ao fato que os indivíduos dispõem cada um de mais espaço. Em termos de copresença, a interpretação deve ser atenuada, pois se trata aqui de uma medida euclidiana de densidade. Uma frágil densidade urbana pode ser compensada por bons transportes urbanos, que reduzem as distâncias-tempo e, ao contrário, uma forte densidade urbana em um país pouco desenvolvido pode ser acompanhada de ineficientes transportes públicos e de tempos de transporte intraurbano limitantes.

35Isso dito, notamos que a explicação para o desenvolvimento não é completamente satisfatória, no caso de Tóquio, por exemplo, desenvolvida e densa. Uma segunda chave de leitura pode então ser identificada recorrendo à hipótese de que existem culturas urbanas diferenciadas, que valorizam mais ou menos a copresença euclidiana. Uma segunda leitura do mapa permite assim distinguir conjuntos de cidades que compõem estas “áreas de culturas urbanas”. De fato, vemos claramente uma área indiana transbordando no Oriente Médio, marcada de fortíssimas densidades urbanas. Percebemos também uma área da Ásia chinesa de fortes densidades urbanas, transbordando da China. Uma área norte-americana, estendida ao Brasil, de frágeis densidades urbanas. As outras regiões do mundo são mais “mestiçadas”. Se nota a Europa, onde dois modelos distinguem o Oeste do Leste. O caso dos continentes colonizados, a América Latina e a África, é por sua vez marcado por um dualismo que poderia exprimir a resiliência de modelos urbanos importados das metrópoles pelas potências coloniais.

36Essa hipótese além do mais se encontra reforçada, se a completarmos com a influência local contemporânea legível nas densidades dos países: as frágeis densidades urbanas brasileiras e as fortes densidades urbanas das cidades da América espanhola são o produto da conjugação de formas urbanas precolombianas (o “Brasil” não sendo então urbanizado), da importação de modelos urbanos europeus diferenciados, e do modo de “valorização” desses espaços colonizados. Mas, esse tipo de explicação poderia também funcionar bem para a metrópole japonesa, a partir do momento que o hábito das fortes densidades não-urbanas torna culturalmente aceitáveis as fortes densidades urbanas de Tóquio

37Enfim, um terceiro fator explicativo poderia completar a leitura do mapa, por apreender as variações de uma terceira ordem, esta que poderíamos chamar com Paul Claval a “lógica das cidades”. De fato, em cada subconjunto regional, podemos observar que existe uma relação entre o tamanho da cidade e sua densidade: quanto mais uma cidade é povoada, mais ela é densa, e vice-versa. Se os dois outros fatores explicativos mascaram em parte essa lógica endógena do crescimento urbano, podemos ao menos percebê-la no contraste de densidade que existe entre as grandes metrópoles regionais e o traçado das cidades que as circundam.

38Se esse mapa da copresença abraça imperfeitamente um fenômeno polimorfo e central na vida das sociedades, ele revela ao menos as grandes lógicas mundiais que presidem a produção das sociedades. Seu viés euclidiano não permite ligar simplesmente a densidade ao desenvolvimento, e deduzir que isto está condicionado pela existência de uma copresença que mede as densidades do mapa. Ao contrário, adotando um ponto de vista prospectivo, não é absurdo especular que as regiões pouco desenvolvidas, mas com fortes densidades, se beneficiam de um potencial de copresença frequentemente muito importante, e que o desenvolvimento poderia de fato ajudar a realizar. Neste sentido, a Ásia confirma a sua posição de continente do século XXI.

Circulação

39Enquanto modalidade de gestão da distância, a circulação participa em primeiro plano na estruturação do espaço mundial. Deveria ser possível dar conta dele cartograficamente. Mas a cartografia não pode mais que imperfeitamente mostrar isso que se move, o fato que ele é forçado a fazer o mundo não euclidiano no espaço euclidiano do mapa. Além desse limite fundamental, a apreensão técnica e factual da circulação é difícil pela inadequação dos instrumentos estatísticos, naturalmente orientados para a contagem do que é mais facilmente “apreensível”: o que não se desloca e o que entra no âmbito do controle do Estado.

Migrações e turismo internacional

40Para preparar o fundo de mapa da circulação mundial (ver mapa 2), é necessário tirar o melhor partido de tal situação. É necessário de outro ponto de vista tentar construir uma cartografia que enquadre seu objeto: se é questão de itinerários, a semiologia não pode eficazmente dar conta na precisão de seus traços sem correr o risco de produzir imagens ilegíveis e, portanto, inúteis. De resto, o traço de itinerários da circulação são raramente determinantes na sua totalidade, e são bem mais frequentemente as etapas que constituem os elementos chave.

Mapa 2. O mundo da circulação

Mapa 2. O mundo da circulação

* O saldo migratório exprime o balanço migratório anual de um país, isto é, a diferença entre as chegadas e as partidas dos migrantes. Um saldo positivo significa que a variação da população é, em parte, devida a um acréscimo da imigração, superior à emigração. Inversamente, um saldo negativo significa que a variação da população é em parte devida a um decréscimo por emigração, superior à imigração. Mas a evolução global pode ser contraditória com o balanço migratório, se a diferença entre nascimentos e óbitos (saldo natural) supercompensando o saldo migratório

Fonte : World Bank, World Development Indicators 2005 e diversas agências da United Nations. Concepção : Patrick PoncetRealização : Karine Hurel, Patrick Poncet. Semiologia / Design cartográfico : Karine Hurel, Patrick Poncet

41A escolha operada para construir um mapa da circulação em escala mundial tem, portanto, privilegiado uma abordagem apontada, apoiada sobre uma pergunta precisa: em que medida e segundo qual lógica um lugar do mundo é tocado, e portanto definido, pela circulação? As imposições de fontes cruzadas com a escala de análise impuseram a concentração da análise sobre os deslocamentos dos indivíduos (isto que felizmente faz eco com o mapa da copresença), que nos forçaram a apreender estes deslocamentos pelo viés da malha nacional, por falta de melhor.

42Duas variáveis foram selecionadas a fim de compreender a que ponto as sociedades nacionais são tocadas pela circulação: as migrações internacionais, de uma parte, e as chegadas de turistas, de outra parte.

Plataforma giratória, confinados, abertura ao Mundo

43Contrário a certo hábito, não escolhemos abordar em primeiro lugar o fato migratório pelo viés dos saldos migratórios (migração líquida, entradas menos saídas). Este hábito permite elaborar um balanço das entradas e das saídas dos territórios, mas ele produz uma imagem da migração que valoriza os lugares mais emblemáticos da emigração ou da imigração, os pontos de partida e os de chegada, subestimando as “plataformas giratórias” da circulação migratória, lá onde as entradas e as saídas se equilibram. Relacionado às populações dos países, o saldo migratório não indica muito mais que a contribuição de migrações à evolução demográfica. Preferimos então utilizar outra variável, mais adequada à cartografia e que melhora a relação entre a migração e a sociedade: a taxa de migração total.

44Trata-se da soma de imigrantes e de emigrantes de um país relacionada à população do mesmo país. O número de migrantes pode ser considerado como um número de “movimentos”, avaliando a amplitude do fenômeno migratório. A relação com a população permite comparar a ordem de grandeza da população migrante com aquela da população do país. É esta variável que utilizamos para desenhar as esferas proporcionais, estas que devem ser consideradas como um indicador quantitativo, fazendo aparecer então claramente no mapa os lugares tocados pela circulação migratória. Havendo assim ponderado a importância visível dos lugares do mundo em relação ao fato migratório, nós os colorimos de maneira a distinguir e graduar lugares de imigração e lugares de emigração, pelo viés do saldo migratório.

45O mapa revela assim um espaço migratório mundial que raramente temos ocasião de ver. Em efeito, se destaca claramente toda uma série de pequenos países cuja economia repousa sobre sua capacidade de atrair uma mão-de-obra barata (petromonarquias do Golfo, por exemplo) ou qualificada, de fato os detentores dos capitais (Suíça, Luxemburgo, Austrália, países bálticos...), e cujo destino está por outro lado estreitamente ligado àqueles que retirarão da emigração uma parte significativa de suas populações em termos de rede (no Caribe, na África ocidental, na Europa oriental, no Oriente Médio, etc.). Uma abordagem geográfica ligando países de emigração e países de imigração permite além do mais revelar os sistemas regionais, como no caso da África ocidental, cujas migrações são polarizadas pela Costa do Marfim, ou da América latina em direção aos Estados Unidos e Canadá; configurações que fazem eco nos grandes fluxos migratórios bem conhecidos pelos especialistas.

46Ao contrário, os grandes países – os peso-pesados demográficos e econômicos – aparecem na sua grande maioria pouco tocados pela circulação migratória: Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha,por exemplo. Se as questões migratórias têm neles um papel político determinante, é porque são sociedades nas quais a política leva a sério o indivíduo na sua participação no corpo social, em termos de solidariedades em particular. A situação não é, ao contrário, a mesma para os países quase ausentes do mapa, cujas populações, muito pobres ou muito frágeis para irem embora, ou muito distantes de uma cultura da migração, estão confinadas em casa e não vêem com freqüência novas pessoas: uma grande parte da África, China, Índia, Rússia, uma parte da América Latina...

47Considerando que as migrações internacionais não resumem por si só a circulação em escala mundial, parece útil representar na perspectiva dessa primeira informação um indicador do grau de acolhimento do Mundo. O número de chegadas de turistas por Estado, se afetado de vieses estatísticos importantes, dá ao mesmo tempo uma indicação interessante porque dá conta de um componente essencial da circulação planetária – o turismo. Isso exprime também a capacidade que as sociedades têm de acolhimento ao encontrar um papel no funcionamento de um Mundo feito pela interdependência, papel fundado numa identidade cultural cuja alteridade interessa, ou fundado sobre uma oferta qualitativa singular em matéria de acolhimento turístico. Notamos por outro lado que uma das especificidades da circulação turística, que justifica sua consideração como tal, é que a sua amplitude, apreendida pelo número de turistas, não mantém qualquer relação de proporcionalidade necessária com a população do país de acolhimento. No plano local, o número de turistas é um dado suficiente para dimensionar a oferta. No plano nacional, um país não atrai um número de turistas estrangeiros em proporção à sua população, mas sobretudo em função do número e do tamanho dos lugares turísticos que dispõe. De resto, a cifra das entradas turísticas internacionais deixa de lado o turismo interno, que é sem dúvida majoritário e muito mal mensurado nos países ricos e povoados.

48O mapa das entradas de turistas mostra assim quais são os grandes países de acolhimento. Na ordem: a França, a Espanha, os Estados Unidos, a Itália. O caso da China é sujeito a cautela, pelo fato das viagens de negócios serem cobertas de vistos turísticos, embora não devamos subestimar a atratividade turística real do país. Outros países ocupam posições intermediárias, senão modestas. Mas, mais interessantes são os países que acolhem menos de um milhão de turistas. Isto é, aqueles que não são turísticos na escala do Mundo, ou que não possam ser senão por um número muito restrito de sítios emblemáticos (Machu Pichu no Peru, Angkor no Camboja...). As sociedades destes países (ainda) não conseguiram utilizar a circulação para participar da mundialidade. Mas a comparação de mapas de duas circulações, migração e turismo, é mais instrutivo ainda. As entradas de turistas foram postas em "ressonância visual" com os países de imigrações por meio de uma cor semelhante. A constatação é clara: o turismo e a imigração não são estranhos um a outro, mas é ainda mais claro que as populações confinadas em casa não visitam o salão do turismo...

Telecomunicação

49Se a circulação é difícil de cartografar porque ela responde antes de tudo à lógica das redes, a telecomunicação, enquanto modalidade de gestão da distância, adiciona a esta dificuldade aquela da consideração da imaterialidade. Se a circulação pode se aproximar pela materialidade dos deslocamentos, as modalidades técnicas da intermediação informacional são nesse ponto numerosas e polimórficas, o que torna difícil utilizá-las como entrada principal no “planeta telecomunicacional”.

50A ambição deste terceiro fundo de mapa (ver mapa 3) da mundialização incita então a pegar uma outra via. Trata-se, definitivamente, de colocar em evidência uma geografia, aquela das relações sociais que podem se estabelecer sobre a base de um compartilhamento da informação; a ubiqüidade informacional pode ser lida como uma redução da distância entre os indivíduos, e como um meio de otimizar circulação e copresença.

Fronteiras lingüísticas e Wikipédias

51Foi feita a escolha de delinear um mapa que permite apreciar a maneira pela qual as diferentes regiões do Mundo conseguem controlar a produção, a difusão e o compartilhamento da informação. Este ponto de partida poderia se abrir a tratamentos muito diferentes. Todavia, parece-nos importante valorizar certos aspectos da problemática informacional que estão em estreita relação com os tratos caracterizadores do momento da mundialização contemporânea. A princípio, o ingresso na “sociedade do conhecimento”, que valoriza estrategicamente os saberes técnico-científicos, mas também culturais. Em seguida, o fato de que novas tecnologias de informação e da telecomunicação (as TICs) colocam a telecomunicação numa era nova, permitindo a esta modalidade de gestão da distância paridade com a circulação e a copresença. O mapa da telecomunicação deveria conduzir o olhar sobre o modo pelo qual a sociedade utiliza as TICs para compartilhar a informação, perseguindo simultaneamente dois objetivos complementares: reforçar as identidades culturais e agir eficazmente no Mundo, ou seja, constituir os indivíduos em atores de mundialidade.

52Por isso, decidimos cartografar a telecomunicação pela associação de duas informações. A primeira representa a área de extensão das dez línguas mais utilizadas na Internet. Relatar essa informação sobre uma anamorfose da população permite apreciar o peso demográfico de cada uma dessas línguas. A ideia subjacente é que, à parte quaisquer casos significativos característicos de ditaduras que controlam o acesso à informação, no Mundo informacional, as únicas fronteiras que permanecem são apenas aquelas que mantêm a “barreira da língua”. O mapa tenta assim, avizinhandose das aproximações estatísticas, desenhar os contornos geográficos dos dez principais universos lingüísticos que dividem o planeta telecomunicacional.

53Esse mapa se assemelha muito a um mapa de línguas do mundo, muito por dar ênfase nas línguas veiculares e, portanto, no compartilhamento da informação. Por outro lado, são representados em cinza as áreas de alcance das outras línguas, estando entendido que o inglês globish permanece como o idioma veicular do Mundo mundializado.

Mapa 3. O mundo da telecomunicação

Mapa 3. O mundo da telecomunicação

Fonte : www.internetworldstats.com, Wikipedia, maio 2007. Fundo do mapa : Dominique Andrieu, Jacques Lévy, Patrick Poncet. Realização : Karine Hurel, Patrick Poncet. Semiologia/ Design cartográfico : Karine Hurel, Patrick PoncetConcepção : Patrick Poncet

54A segunda informação que trás o mapa é mais complexa e mais rica. Trata-se de representar geograficamente o tamanho de cerca de duzentos e trinta Wikipédias de línguas diferentes, geradas do projeto mundial Wikipédia de enciclopédia colaborativa na Internet (Beaude, 2004). Na medida em que foi possível associar Wikipédia a uma região administrativa ou a um país do Mundo, em função da área de origem de sua língua, nós representamos então seu número de artigos por um tamanho de esfera, cuja cor foi ou de uma das grandes línguas da Internet, ou outra cor não utilizada no fundo do mapa. A Wikipédia em inglês, como língua veicular da Internet, não foi localizada precisamente, mas somente representada por fornecer um padrão (a Wikipédia em “inglês básico” foi também representada). Algumas Wikipédias sem localização unívoca possível foram desconsideradas (yiddish, volapuk...).

Acesso universal, liberação cultural, emergência política

55É surpreendente que o mapa obtido pela combinação dessas duas camadas de informações permite evidenciar a dimensão espacial da telecomunicação ao tempo da mundialização, articulando as lógicas de acesso aos saberes estratégicos e aqueles da afirmação cultural e política. No grupo das dez línguas mais utilizadas na Internet, as situações são, antes de tudo, diferentes. Com exceção da Wikipedia em inglês, bem público mundial para mais de um título, devemos de início constatar a apropriação equivalente do ciberespaço do saber pelos países europeus: França, Alemanha, Itália, Espanha, Portugal. Essas edições se beneficiam de contribuições que ultrapassam amplamente o quadro das nações de origem dessas línguas, sobretudo no caso das antigas potências coloniais, como ilustram bem as informações trazidas pelas paletas de cores. A situação dos países asiáticos é, ao contrário, diferente. À imagem da Alemanha, o Japão e a Coréia, que não podem se apoiar num império lingüístico como as antigas potências coloniais européias, desenvolveram Wikipédias de tamanho consequente, o que marca o pleno ingresso dessas sociedades na “sociedade da informação”. Ao contrário, a Wikipédia chinesa é de um tamanho muito restrito em relação ao número de leitores da escrita chinesa, e o esquema é comparável pela Wikipédia em língua árabe, por causa de uma verdadeira capacidade de apropriação individual livre do objeto.

56Um segundo aspecto desse mapa não deixará de surpreender: a constituição de um grande número de Wikipédias nacionais, em particular pelos países da Europa. Decididamente, a mundialização não é essa empresa de abolição das diferenças que se diz ser, e a Internet não abole a distância. Pelo contrário, parece que a mundialização, enquanto põe à disposição dos indivíduos de todo o Mundo um instrumento simples e padronizado, permite ao mesmo tempo reforçar os meios de expressão das identidades nacionais. E o tamanho comparável dos objetos cognitivos assim produzidos vai de par com um conteúdo, por sua vez, comparável de uma edição a outra, o que inscreve este modo de proceder num movimento de afirmação cultural que valoriza, através da tradução, um patrimônio cognitivo universal.

57Mas o movimento não para por aí: além da constituição de Wikipédias nacionais, devem-se constatar as Wikipédias regionais de tamanho considerável, sendo comparável àqueles de Wikipédias nacionais. Esse terceiro fundo de mapa da mundialização evidencia assim a emergência das identidades regionais pelo viés da apropriação e do controle da distância telecomunicacional. O fenômeno é mundial, mais ou menos avançado segundo as regiões do mundo. Se a colonização da América latina e da África legou a estes continentes línguas veiculares acompanhadas de uma tradição de repressão de regionalismos e de reivindicações culturais “autóctones”, em outros lugares o florescimento de Wikipédias regionais testemunha o dinamismo de culturas em extensão espacial infranacional: Europa, Rússia, Ásia central, Índia, China, Indonésia, Filipinas...

58É preciso ver nesse último fundo de mapa da mundialização uma prefiguração? Se não é absolutamente o caso, a telecomunicação não pode tudo, é ao contrário provável que esta imagem do Mundo seja sem dúvida uma daquelas que melhor aborda as as condições possíveis da sociedade-Mundo por vir.

Haut de page

Bibliographie

Beaude B., “L’encyclopédie collective”, EspacesTemps.net, 11 mars 2004, <http://espacestemps.net/document104.html>.

Huntington S., “The Clash of Civilizations?”, Foreign Affairs, 72 (4), p. 22-49, 1993.

Lévy J., Lussault M. (dir.), Dictionnaire de la géographie et de l’espace des societés, Paris, Belin, 2003.

Haut de page

Notes

1 Citado em René Char, Feuillets d’Hypnos, Paris, Guallimard, 2007.

2  Original em francês. P. Poncet “Visions du Monde”, In Jacques Lévy (dir.), L’invention du Monde. Une géographie de la mondialisation, Paris, Presses de Sciences Po, p. 81-93, 2008, Tradução de Ludmila Girardi e Paulo Fernando Meliani, 2012.

3 No texto original em francês o autor utiliza a palavra “mobilidade”, todavia, sugeriu para esta tradução o termo “circulação”, mais adequado à sua opção teórica atual. O ajuste no conceito é fundamental uma vez que Patrick Poncet agora identifica duas “modalidades de gestão da distância”: a primeira estaria no lado ativo do “balanço espacial”, sendo composta pela “copresença”, pela “circulação” e pela “telecomunicação” (tratadas neste texto), as quais permitem uma análise do espaço a partir de um ponto de vista sintético. A segunda estaria no lado passivo do balanço espacial, composta pela “cidadania”, pela “mobilidade” e pela “conectividade”, estas que são, para Patrick Poncet, os “meios e recursos espaciais” necessários para fazer o espaço funcionar, sob um ponto de vista analítico.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Mapa 1. O mundo da copresença
Crédits Fonte dos dados de população urbana : François Moriconi-Ebrard, Géopolis. Concepção : Patrick Poncet. Fundo de mapa : Dominique Andrieu, Jacques Lévy, Patrick Poncet. Realização : Alain JarneSemiologia / Design cartográfico : Alain Jarne, Patrick Poncet
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8448/img-1.png
Fichier image/png, 132k
Titre Mapa 2. O mundo da circulação
Légende * O saldo migratório exprime o balanço migratório anual de um país, isto é, a diferença entre as chegadas e as partidas dos migrantes. Um saldo positivo significa que a variação da população é, em parte, devida a um acréscimo da imigração, superior à emigração. Inversamente, um saldo negativo significa que a variação da população é em parte devida a um decréscimo por emigração, superior à imigração. Mas a evolução global pode ser contraditória com o balanço migratório, se a diferença entre nascimentos e óbitos (saldo natural) supercompensando o saldo migratório
Crédits Fonte : World Bank, World Development Indicators 2005 e diversas agências da United Nations. Concepção : Patrick PoncetRealização : Karine Hurel, Patrick Poncet. Semiologia / Design cartográfico : Karine Hurel, Patrick Poncet
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8448/img-2.png
Fichier image/png, 158k
Titre Mapa 3. O mundo da telecomunicação
Crédits Fonte : www.internetworldstats.com, Wikipedia, maio 2007. Fundo do mapa : Dominique Andrieu, Jacques Lévy, Patrick Poncet. Realização : Karine Hurel, Patrick Poncet. Semiologia/ Design cartográfico : Karine Hurel, Patrick PoncetConcepção : Patrick Poncet
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8448/img-3.png
Fichier image/png, 141k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Patrick Poncet, « Visões do Mundo », Confins [En ligne], 18 | 2013, mis en ligne le 21 juillet 2013, consulté le 29 avril 2017. URL : http://confins.revues.org/8448 ; DOI : 10.4000/confins.8448

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org