Navigation – Plan du site
Homenagem

A floresta redesenhada, um futuro para a Amazônia

Neli Aparecida de Mello
Référence(s) :

São Paulo, Oficina de Textos, 152 p., R$ 51

Notes de la rédaction

Escrita para Ciência hoje (n°263, p.70) esta resenha do livro A floresta redesenhada, um futuro para a Amazônia, de Bertha Becker e Claudio Stenner, foi publicada em 2009, Confins decidiu republicá-la como parte da homenagem à Professora Bertha Becker por ser um dos seus livros mais importantes.

Texte intégral

1Parte da série Inventando o futuro, esta obra apresenta-se como resultado de quase meio século de trabalho de campo na Amazônia brasileira da geógrafa Bertha Becker, bem como de vivências, descobertas no contato com realidades tão distintas, debates e consultorias. A análise imbricada de tempos e de espaços reflete a formação geográfica que possuem ambos os autores.

2Privilegiando a Amazônia florestal como um potencial de inovação, o livro trata de alguns temas-símbolos do debate contemporâneo. Os títulos dos capítulos mostram o foco na tecnologia, abordagem privilegiada dos autores, iniciando com grandes temas globais, para, no final, enfocar o local. No entanto, os assuntos não dialogam entre si, eles são tratados de maneira autônoma (provavelmente por terem sido já publicados – ou não -- na forma de artigos), sem uma ‘costura’ ou pelo menos uma transição que articule bem as ideias, à exceção dos tema biodiversidade e águas.

3Interessante perceber que o modo de expressão usado, em vários momentos é uma linguagem emocional, distinguindo-o muito das conhecidas obras de Becker. Ela até conclui o livro com uma pequena história de amor – de mais de 40 anos – pela Amazônia.

4A Amazônia revelada pelos autores “surpreende pela magnitude da natureza e da cultura, pela diversidade interna e pela pobreza de seus habitantes”. Em vários momentos, eles valorizam as contradições vividas na região, ressaltando o falso dilema entre desenvolvimento e conservação. Inovam os autores nas conclusões parciais quando exploram os caminhos futuros, defendendo que sem tecnologia o futuro da Amazônia esta comprometido.

5Os autores redesenham a Amazônia, marcada pela importância da tecnologia de cada tempo, retomando argumentos de Becker e fazendo uma releitura do espaço produzido pela ciência, tecnologia e inovação. Nesse sentido, permitem-se explorar as origens, delineando as marcas da ciência, tecnologia e inovação como essenciais à transformação no uso dos recursos naturais (ou as drogas do sertão), na vulgarização de plantas e na organização sociopolítica da complexa população presente na região.

6Ao tratar a biodiversidade como a especiaria do século 21, destacam-na como um novo valor da natureza – expressando que esse valor da natureza amazônica já fora reconhecido desde as primeiras viagens dos botânicos. São novos conceitos, construídos nos fóruns internacionais, como os de (bio)tecnologia, meio ambiente, biodiversidade, patrimônio natural, que formam outro quadro de referências científicas e tecnológicas.

7Todos esses conceitos possuem seu valor estratégico, social, geopolítico, comercial. Um valor de acumulação e uma representação simbólica. No primeiro capítulo, os autores descrevem os subsetores econômicos a serem explorados pelo uso e conservação da biodiversidade. Já no último, as reflexões de Becker e Stenner apontam para os conceitos construídos geopoliticamente por meio das convenções e acordos internacionais. Seus posicionamentos, eminentemente nacionalistas em face à questão do exercício de soberania dos países sobre suas Amazônias, pecam por não analisarem o que pensam os dirigentes e as populações das outras Amazônias nacionais, sobretudo em relação ao poder do Brasil.

8A disputa pela água e seu valor econômico também é objeto de reflexão dos autores, que lembram a posição estratégica e geopolítica da Amazônia. Os problemas de abastecimento, tratamento e transporte de água nas cidades amazônicas remetem ao paradoxo das comunidades que moram ao lado de rios caudalosos, mas que não têm água para o consumo. É com a difusão da noção de ‘água virtual’ – proposta por A.Y. Hoekstra em 2003, segundo a qual o planeta vai se dividir entre países exportadores e importadores de água -- que os autores inovam, chamando a atenção para a necessidade de que a gestão dos recursos hídricos se antecipe à crise anunciada de escassez.

9Invertendo a lógica da exportação e conectando as populações da floresta, os autores analisam as redes técnicas -- as convencionais (redes hidrográfica, rodoviária, aeroportuária, das corporações) e as infovias, que posicionam a Amazônia no território brasileiro. Eles valorizam os fluxos, as ligações, os bancos de dados, o monitoramento e controle do território por tais redes, ressaltando que só haverá futuro para a região com a criação e disseminação dos mesmos mecanismos, por meio das infovias comunitárias. Mas a análise da logística em escala continental -- energia, telecomunicações, integração física -- não se integra muito bem com a valorização das infovias comunitárias.

10Manaus, considerada uma cidade mundial no meio da floresta, é analisada tanto por sua posição privilegiada em momentos históricos distintos, quanto pela sua transformação em enclave regional. Para os autores, Manaus deve se antecipar, assumindo riscos e se planejando. Apesar das numerosas críticas direcionadas a ela por concentrar benefícios em apenas algumas partes da cidade, contribuindo para agravar a pobreza, o desemprego, a violência, a desigualdade e uma maior exclusão, Manaus deveria, segundo Becker e Stenner, buscar agregar valor com os serviços ambientais prestados, aproveitando-se da posição estratégica e geográfica que ocupa na bacia amazônica.

11No capítulo final, não há respostas prontas, mas o convite para alargar mais os caminhos diversificados para o futuro -- desejado e possível – para a Amazônia.  De todos os lados surgem oportunidades que não podem ser desperdiçadas: i) o espaço amazônico como fonte de vida do planeta; ii) as cidades da floresta estrategicamente localizadas devem organizar a estrutura produtiva da região.

12Entre os desafios a superar, os autores priorizaram a questão fundiária e das desigualdades; a conexão das redes e cidades e, finalmente, o modelo de cidade urbanizada na floresta, que deve gerar inovações. O território do futuro tem que comportar, a seu ver, as áreas de preservação, as baixas densidades demográficas, a integração de projetos logísticos e minerais, os ZEE [Zonamento Ecológico Econômico], as regiões minerais e, finalmente, explorar as áreas já alteradas, tanto as florestas plantadas, as agroindustriais, as regiões rural-urbanas ou as regiões policêntricas. As frases finais do livro defendem, mais uma vez, a necessidade de uma verdadeira revolução científico-tecnológica, reforçando o já conhecido posicionamento de Bertha Becker.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Neli Aparecida de Mello, « A floresta redesenhada, um futuro para a Amazônia », Confins [En ligne], 18 | 2013, mis en ligne le 21 juillet 2013, consulté le 28 juin 2017. URL : http://confins.revues.org/8476

Haut de page

Auteur

Neli Aparecida de Mello

Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH), Universidade de São Paulo, namello@usp.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org