Navigation – Plan du site
Resenhas

Reflexões cartográficas no Comandante Ulisses

Tatiana Schor
Référence(s) :

Melhoramentos, São Paulo

Texte intégral

1Não sou geografa de formação, me formo geografa no Amazonas. É no Amazonas que questões geográficas surgem com força, afinal como relacionar o estudo do urbano com a potamologia, o regime hidrológico, a biogeografia? E ainda, como representar o espaço sem deixar de lado as complexas relações socioambientais?

2Tem encadeamentos que acontecem muito ao acaso. Na véspera de uma viagem à Vila de Copatana, no município de Jutaí, recebi pelo correio, o exemplar do livro “Como eu ensino Cartografia” de Fernanda Padovesi Fonseca e Jaime Oliva. Já vinha conversando com os autores sobre as dificuldades de representação cartográfica nas nossas pesquisas no Amazonas, do papel da cartografia na geografia e em especial da geografia brasileira e da necessidade de se retomar uma análise e debate teórico acerca das formas, formatos e conteúdos das representações cartográficas para a Amazônia dos grandes rios. Reflito sobre o quanto os geógrafos usam os mapas para localizar e não para criar hipóteses de análise e pesquisa. Entendo as representações cartográficas como inicio da conversa e não o fim, estático. Fiquei curiosa com o livro, pois afinal preciso aprender, entender cartografia.

3Como a viagem seria longa, de avião até Tefé, de lá de barco por dois dias até a sede do município, Jutaí, e no dia seguinte de voadeira, duas horas de motor 40 Hp até a Vila de Copatana para fazer uma reunião com a comunidade sobre a possibilidade de implantar uma fábrica de gelo, e voltar tudo, resolvi levar o livro. Afinal, teria tempo para ler.

4Embarcamos eu e Francisco no Navio a Motor Comandante Ulisses, nome adequado à viagem que se iniciaria. Ajeitamos nossas redes, encostamos na balaustrada e aguardamos a saída.

Figura 1: Comandante Ulisses

Figura 1: Comandante Ulisses

5Viajar de barco é um privilégio dos que tem tempo. Me sinto privilegiada. Me ajeito na rede, pego o livro, olho a capa, vejo as folhas de boa qualidade, percebo um bom espaço na margem de fora – detalhes importantes. Começo pelo final, as lindas reproduções de mapas me chamam a atenção. Como obra de arte são questionadores, começando pelo Mapa-Mundi japonês de 1853 no qual o centro é o Japão, grande, e a América do Sul espremida, passando pelos mapas fundantes de Ptolomeu, com os anjos dos ventos soprando, e outros do século XVI até o mapa do subway de Londres e as imagens de satélite e luzes. A sorte é que a viagem de barco é lenta e posso passar tempo olhando e analisando cada uma das reproduções, que como arte deixa o pensamento navegar imaginando possíveis representações do tempo espaço Amazônico, dos anjos do banzeiro, do ritmo que varia com o regime hidrológico e com o motor. O Ulisses é lento e seu formato muito côncavo, balança, mas vai firme e forte ao seu destino. Encosto o livro no chão, viro de lado e tiro uma soneca, afinal balanço na rede no barco, dá uma lezeira...

6Acordo mais tarde um pouco e, sem nem me mexer, pego o livro de novo e folheio parando em cada uma das imagens internas, leio os mapas e fico encantada com as ilustrações que contam por si uma história, tem um argumento. Mais tarde descubro que o argumento apresentado nas ilustrações é o eixo central do texto, no qual o papel do mapa e das representações cartográficas devem ser re-pensadas para que ambos voltem a ter um significado para além da localização, criando e descriando visões de mundo e hipóteses de análise espaço-temporal. Reflexões cartográficas.

7Passo a leitura de um texto cativante e intrigante. A escrita é simples mas o conteúdo profundo no sentido que toca na raiz, no núcleo duro, das questões relativas à cartografia e ao ensino da mesma no nosso tempo. Discussões que poderiam passar despercebidas tal como o “fundo do mapa” passam a ter teor analítico reflexivo “(...) esse fundo do mapa o principal responsável pela construção de visões de mundo naturalizadas e hierarquizadas em descompasso com as novas realidades que nos cercam.”(p. 63).

8Do fundo do mapa às métricas possíveis e mapas com outros formatos que transformem nossa visão do mundo é sem sombra de dúvida a discussão que perpassa todo o conteúdo do livro. Do Comandante Ulisses, vejo um mundo no qual a métrica é tempo-motor-regime hidrológico. As distâncias se encurtam na cheia, quando abrem furos e atalhos, e se alongam nas secas quando só o canal central do rio Solimões é navegável. O motor define o tempo, no Ulisses, subindo levamos dois dias, na volta descendo de lancha Crystal, levaram 10 horas. O mesmo lugar com uma variação de mais de 48 horas. Largo o livro e olho a paisagem que passa lenta, e fico a pensar em como representar esse mundo que não é nem plano, nem redondo mas um mundo no qual a distância vem aditivada de horas, motor e agua. Qual a projeção adequada?

9Pego o livro para re-ler o trecho das projeções (p. 84-97) e vejo que tenho que voltar para a questão das métricas afinal os mapas naturalizados não dão conta, é “(…) preciso trazer à luz do dia a existência da métrica, e desta métrica, para atender as exigências da realidade. A métrica a ser adotada deve ser objeto de reflexão.”(p. 77).

10A métrica do mundo varia e com ela as possibilidades de reconstrução da forma euclidiana, e com isso se re-define o que é ou não adequado para as projeções. É a linguagem do mapa, construído pelos seus elementos definidores que pode ou não viabilizar o entendimento do mundo gerando representações criativas ou estáticas. Gosto da linguagem que possibilita criatividade, e o livro nos mostra como o mapa nada mais é que uma linguagem, diversa, iconográfica e complexa mas ao mesmo tempo com ideais de universalidade. Ensinar cartografia, aprendo, que é ensinar uma linguagem. Mas como linguagem carrega consigo elementos subjetivos, tanto no plano da iconografia quanto no do discurso, e por isso precisa ser decifrado e re-feito com consciência.

11Sem dúvida, são esses “Os desafios da cartografia num mundo em transformação” (Capítulo 5), da banalização dos mapas e consequente esvaziamento do discurso da transformação da forma com a qual enxergamos o mundo. Escondem as diversas escalas da desigualdade que moldam nossa sociedade e produzem espaços desiguais.

12A naturalização do mapa e o engessamento da nossa forma de ver o mundo é o eixo central da análise do texto e a proposta de ensino que vem da sua leitura é romper com o status quo e trazer de volta o papel central das representações cartográficas para a geografia. Tarefa difícil nestes tempos de Google Maps.

13Encosto o livro na mala, pego meus papéis de origami e, enquanto Francisco joga dominó com os homens, vou fazer pássaros com as crianças e mulheres. O Ulisses segue sua jornada.

Figura 3: Como aprendo Geografia

Figura 3: Como aprendo Geografia
Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1: Comandante Ulisses
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8513/img-1.png
Fichier image/png, 1019k
Titre Figura 2: Redes
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8513/img-2.png
Fichier image/png, 3,4M
Titre Figura 3: Como aprendo Geografia
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8513/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 796k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Tatiana Schor, « Reflexões cartográficas no Comandante Ulisses », Confins [En ligne], 19 | 2013, mis en ligne le 04 décembre 2013, consulté le 28 juin 2017. URL : http://confins.revues.org/8513

Haut de page

Auteur

Tatiana Schor

Núcleo de Estudos e Pesquisas das Cidades na Amazônia Brasileira – NEPECAB, Departamento de Geografia, Universidade Federal do Amazonas.

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org