Navigation – Plan du site

Novos usos do território na perspectiva das dinâmicas de aprendizagem sociais e institucionais multiescalares

Nouvelles utilisations des territoires en vue de la dynamique de l’apprentissage social et institutionnel multi-échelle
Rosmari Terezinha Cazarotto

Résumés

Cet article analyse l’innovation territoriale, fondée sur la dynamique de l’apprentissage multi-échelle sociale et institutionnelle à partir des contributions théoriques et de preuves empiriques. L’émergence de nouvelles tâches confiées à l’université sont ici examinées en mettant l’accent sur les méthodes contemporaines de la diffusion de la recherche universitaire sur le territoire, selon la nature de la connaissance - tacites et codifiées - ainsi que la nature du mode de diffusion - direct et indirect. De la méthode de mesurage, nous analysons les initiatives au sein de l’État de Rio Grande do Sul, soutenue par les Conseils régionaux de développement – COREDEs -, la décentralisation de la politique de science, de la technologie et de l’innovation, dans lequel les universités publiques, privées et de la communauté ont maintenant une relation plus étroite avec le secteur productif, local/régional.

Haut de page

Entrées d’index

Índice de palavras-chaves :

descentralização, inovação, território, universidade
Haut de page

Texte intégral

1Para alguns autores/pesquisadores que versam de uma forma ou de outra sobre inovação nos contextos espaciais, sejam territoriais ou regionais, o que eles têm em comum é o enfoque de que a inovação caracteriza-se por processos complexos que envolvem uma pluralidade de atores e instituições (Cano, 2005; Cooke, 2001; Fernández, 2001; Ferrão, 2002; Galvão, 2003; Lazzeroni, 2004; Moulaert, 2005; Rambo 2006; Rückert, 2004).

2Em primeiro lugar menciona-se que a ampliação teórica e prática da temática da inovação nos contextos territoriais ganhou força a partir das grandes mudanças que ocorreram na década de 1970. Neste período a espacialidade do capitalismo é modificada e isso provocará mudanças no papel do Estado, as quais são marcadas pela abertura de caráter econômico e a descentralização de caráter político. Concomitante às transformações econômicas advindas da crise fordista, o Estado também passava por um momento de crise em relação a sua função, pois difundia-se a ideia de sua diminuição enquanto um dos pensadores e organizadores da economia. Neste contexto, a escala local/regional seria a mais ágil e dinâmica.

3Em segundo lugar, infere-se que a inovação territorial enfoca os usos do território, quanto a sua forma e função, neste sentido, a inovação não se restringe apenas a sua face tecnológica, mas possui uma abrangência sistêmica fazendo interface com a inovação política, inovação econômica e inovação social.

4Na literatura acerca do processo de desenvolvimento na perspectiva da inovação nos contextos territoriais, estão os estudos referentes aos ambientes inovadores (milieux innovateurs). Estes ambientes são definidos como um conjunto de instituições, regras e conhecimentos que compõem uma complexa rede de relações entre os atores sociais e institucionais voltados para a inovação de uma dada região (Maillat, 1995). Seguindo a mesma linha, estão os estudos voltados para os distritos industriais na Itália, caracterizados pela ação dos atores locais, pela criação de redes de empresas e instituições geograficamente delimitadas e que interagem entre si com vistas criar estratégias voltadas para a competitividade no mercado externo (Becattini, 1990). Neste mesmo contexto, no início da década de 1990, foi desenvolvido o conceito de sistema regional de inovação, definido como um sistema em que as empresas e outras organizações estão envolvidas em interações para o aprendizado, institucionalmente criadas, por meio de uma rede de cooperação com vistas a melhorar a competitividade do setor produtivo regional (Cooke et al, 1998).

  • 1  O autor cita: Milieu Innovateur, distritos industriais, sistemas de inovação (nacional e regional) (...)

5A inovação territorial pode ser objeto de análise e também proposta de ação em busca do desenvolvimento estratégico. No entanto há uma queixa referente ao economicismo embutido nos estudos da inovação territorial, haja vista que o enfoque dos modelos territorializados1 da inovação tem se voltado para a busca da instrumentalização das instituições para o desenvolvimento econômico, reestruturação e melhorias da competitividade das regiões e localidades. A priorização da dimensão econômica da inovação produz a falsa noção de que melhorias empresariais consequentemente ocasionarão melhorias sociais. A velha história de fazer o bolo crescer para depois repartir (Moulaert, 2005).

6A inovação de base territorial supera a abordagem linear tradicional, pois parte de uma abordagem sistêmica compreendendo a inovação como um processo de construção de novos conhecimentos (Ferrão, 2002) a partir de interações com diferentes tipos de conhecimento, quais sejam: tácitos e codificados, procedentes de uma complexa interação entre os diferentes atores públicos e privados.

Dinâmicas de aprendizagem sociais e institucionais multiescalares

7A dinamização da produção e o uso do conhecimento, ciência, tecnologia e inovação, no contexto contemporâneo da sociedade capitalista, emerge como componente básico para gerar e assegurar a competitividade dos setores produtivos assim como dos contextos territoriais.

8Frente a esta nova realidade apreender como tais fenômenos se manifestam e se capilarizam nos contextos regionais torna-se uma necessidade tanto para compreender as novas dinâmicas de produção do território como das possibilidades de criação de novos usos do mesmo.

9Para isso, considera-se que a abordagem dos vetores de manifestação e difusão da C,T&I no âmbito regional não pode se ater unicamente a análise de uma escala, pois as ações de C,T&I não são endógenas unicamente, mas multiescalares; mesmo que se parta da compreensão de que as oportunidades oferecidas pelos lugares é que tornam possível a efetivação das possibilidades oferecidas pelo mundo, nos termos de Milton Santos (1997).

10A compreensão das ações produzidas no espaço precisa ser apreendida no conjunto do contexto em que elas se reproduzem. No entanto esta apreensão vai depender da capacidade que se tem de relacionar, contextualizar no tempo e no espaço estas práticas. Racine, Raffestin, Ruffy (1983) propõem a metodologia escalar para o entendimento da espacialização das ações no espaço geográfico. Em primeiro lugar diferenciam escala cartográfica de escala geográfica. Como é mais comumente utilizada, a escala cartográfica nos remete à noção de medida, transferência de medidas de um dado espaço real para o papel ou hoje para programas de geoprocessamento, exprimindo a representação geométrica do espaço, enquanto a escala geográfica aparece como complemento da escala cartográfica, exprimindo as relações que as sociedades mantêm com aquela forma geométrica. Ou seja, quais relações espaciais e temporais determinam e dinamizam determinado recorte da realidade espacial.Em uma pesquisa a escolha da escala de análise orienta a visibilidade que se quer dar ao fenômeno estudado. Entretanto os fenômenos geográficos observados e cartografados precisam ser contextualizados com outras escalas, pois a “simplificação matemática esconde a enorme complexidade do termo quando se trata de recortar a realidade espacial”, segundo Castro (2005, p. 134).

11Na contemporaneidade o fundamento da existência das regiões está baseado em racionalidades de origens distantes, neste sentido muitos fenômenos que se manifestam na escala local podem ser determinados por outras escalas, segundo Santos, (1999) e Rückert, (2001).

12Para Santos (2007), a ideia de escala geográfica está associada à totalidade do mundo e nos conduz a uma análise do espaço geográfico nas suas dimensões local, regional, nacional e global, enquanto um sistema indissociável de sistema de objetos e sistema de ações.

13Neste sentido o processo de aprendizagens que produzem e difundem conhecimento, ciência, tecnologia e inovação não são locais ou regionais unicamente, mas sim manifestações que refletem a presença de múltiplas escalas de gestão e poder através da ação de múltiplos atores.O processo de criação de novos conhecimentos de base territorial acontece a partir de complexas interações entre diferentes atores, principalmente os que pensam e mobilizam recursos para materializar ações e com isso produzir e usar o território.Conforme Ferrão, (2002) e Lazzeroni (2004), os processos de inovação territorial envolvem tipos de conhecimento de origem e natureza diversificada. Quais sejam: tácitos e codificados.

14A produção e transferência do conhecimento tácito demandam mobilidade social e contatos face a face; enquanto a produção e difusão do conhecimento codificado requerem a codificação, o registro do conhecimento e altos investimentos em recursos físicos, humanos e organizacionais. O conhecimento será produzido a partir da interação do processo de aprendizagem que envolva as duas fontes de conhecimento, mas o grau de interação não é igual em todos os territórios, pois depende da história de ação comunicacional de seus atores.

15Considerando que o conhecimento de base territorial pressupõe processos interativos e de compartilhamento, foram selecionados alguns indicadores para que sustentem a análise referente à manifestação e difusão do conhecimento, ciência, tecnologia e inovação na escala regional. Os indicadores selecionados referem-se ao tipo de conhecimento: tácito ou codificado, e a modalidade de difusão: direta e indireta, os quais podem ser vistos no Quadro 1.

Quadro 1. Difusão do conhecimento e modalidade de difusão na escala regional

Quadro 1. Difusão do conhecimento e modalidade de difusão na escala regional

Fonte: Lazzeroni, Michela, (2004). Adaptado pela autora.

16Os indicadores, acima descritos, os quais expressam os diferentes tipos e modalidades de difusão do conhecimento estão profundamente relacionados, e na maioria dos casos eles decorrem, perpassam ou derivam uns dos outros. É na convergência e na troca dos diferentes tipos de conhecimento que surge e se propaga a inovação territorial. No Brasil, a inserção desta nova dinamicidade de mobilização de conhecimento com a intenção de criar vetores portadores e difusores de C,T&I na escala regional é bastante recente, e em muitas regiões do país ainda não ocorreu.

17Como não se trata de um processo que tenha existência própria, pois implica em mobilização de recursos de toda a ordem, faz-se necessário analisar o contexto histórico e espacial de sua (re)produção, a orientação política, e a ação dos atores que o dinamizam.

18Neste sentido, na literatura científica tem sido ampla a ênfase dada ao papel da universidade, da criação de políticas públicas e do alargamento da participação dos atores locais na contribuição do processo de desenvolvimento territorial.

A emergência de novas funções atribuídas à universidade no contexto da escala local/regional

19Considerando a intensificação do uso do conhecimento e do aprendizado como recurso e forma mais importantes para gerar a inovação e a competição, uma nova dinâmica se estabelece na diferenciação territorial, qual seja: os territórios bem providos pelos meios de conhecimento e os territórios desprovidos desta vantagem. Hoje, o conhecimento faz parte do rol das forças produtivas, constituindo-se no principal meio de acumulação capitalista. Cada vez mais as empresas, o setor produtivo em geral e os contextos territoriais se distinguirão pela maior ou menor habilidade de utilização do conhecimento (Santos, 1988).Por isso será preciso encontrar saídas para que a exclusão social e espacial não impere. Então uma questão se põe: como dotar as regiões, hoje em desvantagem em termos de C,T&I, em relação a outras mais dinâmicas?Uma estratégia para enfrentar estes novos desafios do desenvolvimento territorial tem sido apontada a partir da inserção da universidade como um dos importantes atores deste contexto.

20Não se trata de a universidade agir isoladamente, mas sim através da sua atuação em conjunto com os demais atores que dinamizam o território em suas múltiplas escalas. Com a Reforma do Estado, a qual possibilitou a descentralização de atuação e decisões políticas, essa dinamicidade tornou-se uma viabilidade para o desenvolvimento nos contextos locais/regionais, como é o caso da criação dos Polos de Inovação Tecnológica no Estado do Rio Grande do Sul.

21No caso do Rio Grande do Sul, as transformações econômicas e políticas, das últimas décadas, já atingiram a universidade redefinindo seu papel diante dos desafios do desenvolvimento. Se no passado exerceu uma função mais voltada ao ensino, posteriormente agregou a pesquisa, hoje está agregando em sua agenda o desenvolvimento econômico e social dos contextos territoriais.

22Isso vem ao encontro da grande ênfase na literatura científica sobre o papel da universidade nos sistemas locais de inovação e sua contribuição nos processos de desenvolvimento territorial (Cooke et al, 2001; Etzkowitz et al, 2000; Lazzeroni, Piccaluga, 2008).Neste sentido a universidade e os centros de pesquisa podem colaborar com a manutenção da atual realidade onde apenas um grupo de empresas globais e alguns enclaves territoriais detém a maior parte da tecnologia e da inovação ou poderão contribuir com a transformação territorial, dinamizando junto com o setor público e privado a C,T&I para os contextos historicamente mais frágeis. Esta possibilidade é ímpar na história do capitalismo. Promover o desenvolvimento dos diferentes contextos territoriais respeitando ou fortalecendo sua capacidade diferenciada de gerar conhecimento e inovação está na base do conceito de Vantagem Construída ou Criada, “a qual adiciona o protagonismo do setor público como motor de desenvolvimento, num processo de empreendedorismo institucional e coletivo” (Silva, 2007, p. 1.712). O conceito de Vantagem Construída é uma evolução das tradicionais vantagens comparativas e competitivas focadas nos recursos naturais e no mercado respectivamente. A ideia da construção de vantagem em conjunção com os sistemas regionais de inovação foi referida como sendo o modelo preferido para alcançar um desenvolvimento regional de sucesso (Cooke e Leydesdorff, 2006 apud Silva, 2007, p. 1712).

23Esta nova estratégia de desenvolvimento, na qual as universidades e centros de pesquisa passam a desempenhar significativo papel na dinamização econômica e social da região, juntamente com o setor público e privado, vem se difundindo cada vez mais.

24A inovação territorial, entendida como a criação de novos usos econômicos e sociais do território, não se dá de forma isolada, mas num conjunto. Neste sentido, aproximar o papel do Estado, como um dos pensadores e produtores do território, em suas várias dimensões, seja política, social, econômica e ambiental, com as possibilidades de desenvolvimento estratégico, em C,T&I, que as universidades podem propiciar aos contextos produtivos e sociais regionais pode ser uma saída para os âmbitos espaciais distantes do centro dinâmico do capitalismo.

25Buscando compreender as alterações dos mecanismos de produção e difusão do conhecimento geradores de processos inovativos, Etzkowitz et al., (2000) destaca o modelo de interação coordenada e ações integradas entre as universidades, os governos e as empresas, definindo-o como modelo Triple helix. O autor constata que o modelo Triple Helix destaca a terceira missão da universidade, que é conjuntamente com a formação e pesquisa agregar a participação no processo desenvolvimento econômico e social da região onde se insere. Para o autor, o novo paradigma da Triple Helix não significa relegar as atividades de formação e pesquisa a segundo plano, mas incrementar um novo papel.

26Seguindo a análise da evolução do papel da universidade no contexto econômico, social e territorial, Lazeroni, Piccaluga (2008) elenca quatro funções extremamente vinculadas, a saber: a universidade como produtora de conhecimento, de capital humano, de transferência tecnológica e de desenvolvimento territorial.

27A autora enfatiza que as novas funções, juntamente com as tradicionais, formação e pesquisa, caracterizam uma visão mais empresarial da universidade. Entretanto a propensão empreendedora da universidade varia de acordo com a orientação dos setores científicos. Alguns são mais orientados para a pesquisa pura, de base, outros se voltam à pesquisa aplicada e ao relacionamento com as empresas (Lazzeroni, 2008 et al.).

28Todas as universidades possuem um acumulo de conhecimento científico e o dinamizam nos contextos territoriais onde estão inseridas. Estes contextos expressam sua história, cultura e trabalho e também caracterizam conhecimento acumulado, mas muitas vezes não são passíveis de transferência para outros contextos devido à sua trajetória territorial. A universidade e os centros de pesquisa não são os únicos geradores de conhecimento, mas dada a importância do conhecimento científico no atual meio-científico-informacional a universidade passa a ter um papel mais relevante. Oliveira (2007) infere que estas novas fronteiras do ensino superior são impulsionadas por uma dimensão da globalização, qual seja: a da desterritorialização do ensino superior, a qual promove novas possibilidades de sua interação com a vida cotidiana. Incorporar os agentes econômicos, sociais e políticos regionais nas redes de conhecimento dinamizadas pela universidade, hoje, aparece como um imperativo ético no contexto da economia baseada em conhecimento.

29Incluir na sua rotina de trabalho uma orientação que contribua com o fortalecimento do empreendedorismo e da pesquisa, capaz de estimular o surgimento de iniciativas inovadoras (Oliveira, 2007), é uma possibilidade concreta considerando-se as políticas de descentralização da C&T (Rückert, 2004).

30No Brasil as políticas voltadas à aplicação prática de C,T&I são instituídas, mas lentamente materializadas. Essas políticas são expressas no fomento aos parques tecnológicos, aos polos tecnológicos, às incubadoras de empresas e aos núcleos de inovação tecnológica. Segundo Medeiros (1990), a interação entre instituições de pesquisa e ensino e empresas [e governo] não é um processo espontâneo. A falta destas interações dificulta o surgimento de inovações no Brasil.

31O discurso recorrente em relação à promoção do desenvolvimento local resume-se em desconcentração de recursos que promovam o desenvolvimento, na filosofia e na prática clamando para um Welfare State ativo. Contudo deve-se considerar o papel do poder das relações em suas diferentes escalas espaciais. O desafio científico é o de enfrentar estes pontos de vista e integrar diferentes dimensões (Rückert, 2004; Moulaert, 2005). Quanto à universidade é preciso buscar um equilíbrio entre as velhas e as novas missões. Mais que contribuir em primeira mão com as necessidades inovativas das empresas e dos sistemas territoriais que ela seja capaz de trazer novas ideias, inspirar novos projetos, ativar processos de mudança territorial, codificar e transferir inovações tecnológicas (Lazzeroni, 2008).

  • 2  Os COREDEs constituem uma instância, um espaço de discussões e decisões a respeito das questões ec (...)

Partindo de iniciativas de âmbito do Estado do Rio Grande do Sul, apoiadas pelos Conselhos Regionais de Desenvolvimento – COREDEs-RS2, como espalhamento das ações de inovação tem-se a experiência da criação de vinte e quatro (24) Polos de Inovação Tecnológica. Uma experiência com trajetória iniciada em 1989, resultante da política de descentralização da gestão em ciência, tecnologia e inovação, na qual as universidades públicas, privadas e comunitárias passaram a ter uma relação mais próxima com o setor produtivo local/regional.As universidades comunitárias, existentes por praticamente todo o território gaúcho, são um dos mais importantes trunfos para a incorporação do conhecimento e da inovação nas práticas do planejamento descentralizado. A universidade tem a vocação de inspirar-se em exemplos nacionais e internacionais para propor soluções inovadoras aos problemas locais. Mais que isso, ela pode incorporar ao planejamento de suas próprias atividades uma orientação que contribua ao fortalecimento do empreendedorismo e da pesquisa, capaz de estimular o surgimento de iniciativas inovadoras (Oliveira, 2007, p. 19).

32A criação de infraestruturas para promover a articulação de ações em C,T&I, expressas na instituição dos Polos de Inovação Tecnológica, estão bastante difusas pelo território do Rio Grande do Sul (Figura 1).Na Figura 1 pode-se visualizar os pontos onde localizam-se as unidades executoras dos Polos de Inovação Tecnológica. Estas são representadas por universidades e algumas escolas técnicas, as quais têm um papel significativo junto com o estado do Rio Grande do Sul e o setor produtivo local/regional. Alguns denominam-se núcleos, isto quer dizer que estão vinculados a um Polo. A área representada pela cor verde corresponde às regiões do Vale do Rio Pardo e Vale do Taquari, foco de estudos deste trabalho.

Figura 1. Polos e Núcleos de Inovação Tecnológica no Rio Grande do Sul – Brasil

Figura 1. Polos e Núcleos de Inovação Tecnológica no Rio Grande do Sul – Brasil

Fonte: www.sct.rs.gov.br/polos

33Os Polos de Inovação Tecnológica - RS são resultados da motivação de atores locais, em especial na região Noroeste do Estado do RS, mais precisamente na Universidade de Ijuí – UNIJUI. Buscando alavancar a competitividade dos territórios frente à emergência da economia baseada em conhecimento que despontava na década de 1980, começam uma forte articulação regional e estadual, a qual de algum modo serviu de “reforço” para a implantação dos Polos Tecnológicos e a criação de uma das redes de instituições públicas e privadas que conformam a política estadual de C,T&I.

Figura 2.- Unidades Executoras dos Polos de Inovação Tecnológica - RS

Figura 2.- Unidades Executoras dos Polos de Inovação Tecnológica - RS

Fonte:www.sct.rs.gov.br/polos

As universidades e cursos técnicos credenciadas como unidades executoras dos Polos de Inovação Tecnológica - RS são:Quadro 2. Universidades e cursos técnicos credenciadas como unidades executoras dos Polos de Inovação Tecnológica - RS

As universidades e cursos técnicos credenciadas como unidades executoras dos Polos de Inovação Tecnológica - RS são:Quadro 2. Universidades e cursos técnicos credenciadas como unidades executoras dos Polos de Inovação Tecnológica - RS

Fonte: www.sct.rs.gov.br/polos.

34Constata-se que novos vetores para a criação e difusão de C,T&I no estado do RS estão em curso. Porém ainda são escassas as pesquisas e os referenciais metodológicos para analisar os impactos territoriais da capilarização de pesquisa da universidade para o território. Análise da capilarização de pesquisa da universidade para o território: um estudo a partir dos Polos de Inovação Tecnológica - RS - Vale do Rio Pardo e Vale do Taquari

35O propósito desta parte do trabalho é situar e analisar a manifestação e difusão de C,T&I na escala regional tendo como alvo as regiões do Vale do Rio Pardo e Vale do Taquari no Estado do Rio Grande do Sul- Brasil.

36

Figura 3. Localização das Regiões Vale do Taquari e Vale do Rio Pardo – RS

Figura 3. Localização das Regiões Vale do Taquari e Vale do Rio Pardo – RS

37As regiões em estudo possuem uma trajetória histórica muito parecida. O nome das regiões Vale do Taquari e Vale do Rio Pardo vem da denominação de seu rio principal, qual seja: o rio Taquari e o rio Pardo, respectivamente. Localizam-se na área centro-oriental do Estado do Rio Grande do Sul - Brasil. Possuem uma variedade de paisagens naturais, as quais foram significativas no processo histórico de ocupação do espaço. Primeiro foram ocupadas pelos índios posteriormente pelos Ibéricos e mais tarde pelos imigrantes alemães e italianos. Atualmente, quanto à estrutura fundiária das duas regiões, predominam as pequenas propriedades.Nas últimas décadas alguns municípios do Vale do Taquari vêm reforçando seus vínculos com a região metropolitana de Porto Alegre. Apesar de apresentar ocupação urbana descontínua, a região possui fortes traços de complementaridade funcional com tendência à contiguidade com o Eixo Porto Alegre – Caxias, segundo Cargnin e Oliveira (2003). Na sua porção nordeste alguns municípios do Vale do Rio Pardo limitam-se com municípios da região do Vale do Taquari.

38Para a análise da geração e difusão do conhecimento nas regiões do Vale do Taquari e do Vale do Rio Pardo, parte-se dos referenciais teóricos acerca da difusão da inovação, da conjuntura política e dos dados empíricos coletados a campo e para fundamentar este trabalho consultou-se as fontes documentais da Secretaria de Ciência e Tecnologia – Divisão Polos de Inovação Tecnológica – RS em 2009.A partir destas informações consultou-se os gestores dos Polos de Inovação Tecnológica na UNIVATES e na UNISC, os quais contribuíram para o levantamento e fornecimento de dados referentes aos projetos desenvolvidos. De posse das informações coletadas junto aos polos buscou-se identificar a capilarização da C,T&I no território e para isso fez-se uma amostra intencional da pesquisa empírica considerando como critérios os projetos mais significativos quanto à constatação da criação de novos usos econômicos, políticos, sociais e ambientais do território, considerando como elementos, melhorias no processo de produção, geração de novo produto, geração de novo empreendimento etc.Importante mencionar que se tratam dos projetos mais expressivos dentro do recorte feito para esta pesquisa, ou seja, os projetos financiados em parte pela SCT – Divisão Polos de Inovação Tecnológica – RS. Contudo, isso não significa que as universidades não possuam outros projetos relevantes.Nas duas unidades executoras dos Polos de Inovação Tecnológica – RS cita-se a relevância da sua criação em 1993, primeiramente pela fundamental importância dos projetos de implantação dos laboratórios desenvolvidos na primeira fase dos Polos, quando o objetivo era criar infraestrutura regional para a produção e difusão da C&T e cujos laboratórios evoluíram para a Unianálises na UNIVATES e a Central Analítica na UNISC. Ambas atualmente constituem-se de diversos laboratórios para a prestação de serviços analíticos nas áreas de Química, Física e Biologia, estando credenciados em diversas instituições federais, estaduais, conselhos regionais e associações. Estes atuam de forma conjunta gerando neste sentido uma rede de cooperação institucional de significativa importância, pois através delas são regulamentados, testados, avaliados e autorizados serviços analíticos referentes à qualidade da água, dos alimentos, dos solos, etc no sentido de qualificar os produtos e processos de produção de cada região. Criou-se assim um ativo territorial, gerado a partir da descentralização das políticas de C,T&I, o qual, depois de instalado e cristalizado nas regiões, passou a mobilizar recursos voltados à C,T&I para a melhoria social e econômica das regiões. A gestão da inovação passou a contar com uma nova dinâmica multiescalar e de múltiplos atores.

39Neste contexto, as regiões do Vale do Taquari e Vale do Rio Pardo, através de parcerias com muitas prefeituras, pesquisadores das universidades, alguns produtores locais, governo do Estado e outras instituições participam de uma rede de interações em C,T&I, ilustrada na Figura 4, a qual foi elaborada a partir da pesquisa de campo feita junto à SCT/RS, aos PMT/VRP e PMT/VT e à alguns produtores locais.

Figura 4. Redes de interações na geração e difusão de conhecimento e inovação na escala local/regional – PMT/VRP e PMT/VT -1993-2008

Figura 4. Redes de interações na geração e difusão de conhecimento e inovação na escala local/regional – PMT/VRP e PMT/VT -1993-2008

Org. Cazarotto, R

40Na Figura 4 visualiza-se a construção de uma densa rede de instituições públicas e privadas interagindo na dinâmica da manifestação e difusão do conhecimento na escala regional. As interações desenvolvidas entre os diversos atores podem ser qualificadas como assessoria, visitas técnicas, laudos, auditorias, financiamento, pesquisa, levantamento de dados, e etc. A dinamização de ações voltadas para a gestão e difusão de C,T&I na escala regional/local, estabelecidas na relação entre múltiplos atores de múltiplas escalas, possibilitou a construção e melhoria da infraestrutura laboratorial, hoje credenciadas por diversas instituições federais e estaduais que regulam e autorizam serviços laboratoriais, legitimando a capacidade científica em regiões afastadas dos grandes centros. Ainda possibilitou a socialização do conhecimento, a criação de novos empreendimentos e melhoria de outros, além da criação de novos produtos.

41As universidades, enquanto unidades executoras dos Polos, os Coredes, alguns produtores e empreendedores rurais e urbanos representantes do setor produtivo local, a Secretaria de Ciência e Tecnologia, o Ministério de Ciência e Tecnologia e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e demais instituições conformam a rede (ver anexo) de múltiplos atores envolvidos na mobilização de recursos, na sugestão de orientações voltados à construção de C,T&I na escala regional.

42Estes formatos remetem à densidade organizacional ou seja, ao volume de instituições públicas e privadas com objetivos comuns interagindo de forma articulada num determinado território. Conforme Rückert (2004), a densidade organizacional corresponde às articulações entre as instituições e as organizações: as secretarias de governo estadual e local, as universidades e centros científicos, os serviços públicos, as empresas públicas, as organizações de caráter associativo.

43As intenções e ações pensadas e desenvolvidas na interação entre instituições públicas e privadas tem se mostrado mais promissoras para a inovação territorial. Com a descentralização da gestão territorial expressa na Reforma do Estado, de 1988, ampliaram-se as possibilidades para a construção destas interações, no entanto elas não se formam através de um processo natural.

44Ouro fator que demonstra a importância da criação dos Polos deve-se a capilarização territorial de alguns projetos desenvolvidos como: Diversificação da produção agrícola (1998), Implantação de uma planta piloto para o desenvolvimento da agroindústria de embutidos (1998), no Vale do Rio Pardo; Capacitação e viabilização das pequenas agroindústrias do Vale do Taquari (1999), Metodologia alternativa para produção de orquídeas, bromélias e cactos (2003), no Vale do Taquari.

Figura 5. Difusão da C,T&I a partir dos Polos de Inovação Tecnológica Vale do Rio Pardo e Vale do Taquari - 1993 - 2008: Alguns projetos representativos

Figura 5. Difusão da C,T&I a partir dos Polos de Inovação Tecnológica Vale do Rio Pardo e Vale do Taquari - 1993 - 2008: Alguns projetos representativos

45Na Figura 5 procurou-se ilustrar a repercussão dos projetos de pesquisa pelo território através da identificação da localização geográfica e fotografias das propriedades visitadas. Para melhor compreender o processo de construção de dinâmicas de aprendizagens sociais e institucionais multiescalares fez-se uma amostra intencional das evidências empíricas considerando como critérios alguns projetos mais representativos quanto aos novos usos do território, os quais podem ser visualizados na figura supramencionada.

46As evidências empíricas de dois projetos, quais sejam: Metodologia Alternativa para Produção de Orquídeas Bromélias e Cactos e Diversificação da Produção Agrícola serão abordadas a seguir.

47O projeto intitulado Metodologia Alternativa para Produção de Orquídeas Bromélias e Cactos, iniciado no ano de 2003, teve como objetivo desenvolver processos alternativos, simples e baratos de reprodução e cultivo de espécies nativas e exóticas de valor comercial, a partir de metodologias já existentes (Freitas, 2007).

48Participaram produtores dos municípios de Arvorezinha, Encantado, Mato Leitão, Colinas, Taquari, Roca Sales, e pesquisadores da Univates com o projeto ligado ao PMT/VT. Com a finalidade de analisar a capilarização da pesquisa da universidade para o território, visitou-se uma propriedade localizada na Linha Marechal Floriano/Arroio Augusta Baixo, no município de Roca Sales. O produtor consultado aderiu ao projeto posteriormente ao início dos trabalhos ao ouvir falar da proposta do projeto na mídia. Foi aceito devido à desistência de outro.

49Constatou-se que houve mobilidade geográfica dos pesquisadores até a propriedade rural, assim como do produtor até a Univates, efetivando o contato face a face para a troca de conhecimentos, caracterizando a modalidade de difusão direta do conhecimento tácito. Apontando para a difusão indireta do conhecimento tácito, constatou-se que o produtor integrou-se a uma rede de instituições, quais sejam: Associação dos Produtores e Comerciantes de Flores e Plantas Ornamentais do Vale do Taquari - AFLOVAT (produção e comércio), da qual tornou-se vice-presidente, Programa SEBRAE/RS, núcleo Setorial das Flores do Vale do Taquari, do qual participa de reuniões, além da Univates. Ainda para esta modalidade de difusão do conhecimento constatou-se o do surgimento de um novo empreendimento, aliás, dois: Bromélias Grandi e produção de adubo orgânico.

50Atualmente a propriedade rural possui em torno de 20.000 bromélias para a comercialização (foto 13), sendo que ao todo existem de 450 a 500 variedades. Possui 2.000 matrizes, das quais são colhidas as sementes. As bromélias são fornecidas aos mercados e paisagistas do Vale do Taquari.

Foto 1.– Parte da Matriz - Bromélias Grandi

Foto 1.– Parte da Matriz - Bromélias Grandi

Fonte: Acervo de Cazarotto, R.T. Linha Marechal Floriano/Arroio Augusta Baixo-Roca Sales/RS

Foto 2 - Parte da estufa Bromélias Grandi

Foto 2 - Parte da estufa Bromélias Grandi

Fonte: Acervo de Cazarotto, R.T. Linha Marechal Floriano/Arroio Augusta Baixo-Roca Sales/RS

51Após o início da produção de bromélias, o produtor percebeu a forte demanda regional pelo composto ou adubo necessário para a produção de bromélias e jardins, sendo que a mesmo, em sua maior parte, vem de São Paulo. Neste sentido, deu início a produção de adubo orgânico obtido a partir de cascas de plantas, serragem, cinzas, enfim, rejeitos de madeireiras e serrarias. A demanda regional pelo adubo é alta, sendo difícil dar conta de atender todos os pedidos, mesmo depois de ter contratado um funcionário. Antes da produção de flores e adubos, na propriedade criavam-se suínos – matrizes de raça registrada.Verificou-se que através do projeto foi produzido um manual intitulado “Cultivo de Bromélias, cactos e orquídeas”, o qual reúne os resultados obtidos durante a pesquisa e proporciona uma orientação correta do cultivo dessas plantas. Os resultados da pesquisa foram apresentados em eventos científicos e publicados, caracterizando a difusão indireta do conhecimento codificado. Marcando a difusão direta do conhecimento codificado, observou-se que o financiamento do projeto de pesquisa deu-se pela Secretaria de Ciência e Tecnologia - SCT e pela Univates.O projeto intitulado Diversificação da Produção Agrícola, iniciado em 1998, teve como objetivo implantar e testar nas propriedades agrícolas técnicas inovadoras no cultivo de frutas (laranja bergamota, figo, pêssego, uva e amora) com controle ecológico de pragas e doenças. Participaram 46 produtores rurais do Vale do Rio Pardo. As atividades possibilitaram o plantio de 13.540 mudas frutíferas em 50 pomares, totalizando 26,5 hectares, nos municípios de Cerro Branco, Rio Pardo, Santa Cruz do Sul, Vale do Sol e Vera Cruz em parceria com os pesquisadores da Unisc e o PMT/VRP. Tratava-se de viabilizar a diversificação da produção agrícola através da fruticultura frente à histórica monocultura do fumo naquela região. Para analisar as evidências empíricas deste projeto analisa-se o caso de uma propriedade localizada na Linha Henrique D’Avila, no município de Vera Cruz.

Foto 3. Produção de frutas ecológicas: pêssego

Foto 3. Produção de frutas ecológicas: pêssego

Fonte: Acervo de Cazarotto, R.T. Linha Henrique D’Avila - Vera Cruz.

Foto 4 - Produção de frutas ecológicas: figo

Foto 4 - Produção de frutas ecológicas: figo

Fonte: Acervo de Cazarotto, R.T. Linha Henrique D’Avila - Vera Cruz.

52Caracterizando a modalidade de difusão direta do conhecimento tácito, os dados da pesquisa indicam que houve o contato face a face entre pesquisadores e produtores e mais a mobilidade geográfica de ambas as partes. Ou seja, conforme relatou o agricultor houve o acompanhamento técnico através de visitas periódicas por parte dos pesquisadores da Unisc e também participaram de cursos ministrados na universidade, os quais tratavam da agroecologia e suas formas de produção.

53Apontando para a difusão indireta do conhecimento tácito, constataram-se melhorias e inovações no uso do solo. Conforme entrevista com os produtores, antes da implantação dos pomares, no mesmo solo plantava-se fumo. Neste sentido os pomares atribuíram um novo uso para aquele solo e para o trabalho da família. Em uma parte da propriedade, ainda produz-se fumo, significando que a substituição da plantação de fumo pelas frutas foi parcial, mas a parte da produção de fumo foi arrendada, significando que o trabalho da família é dedicado aos pomares. A comercialização é feita na cidade.

54Marcando a difusão direta do conhecimento codificado, observou-se que o projeto obteve financiamento da Prefeitura, UNISC, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico- CNPq e SCT. Quanto à difusão indireta do conhecimento codificado, verificou-se que os resultados do projeto foram apresentados em eventos científicos e publicados, incluindo uma Cartilha para a Produção Orgânica de Frutas.

Considerações finais

55Na busca de estratégias para o desenvolvimento das regiões, o debate sobre a inovação territorial tem ganhado relevância como objeto de análise e também como proposta de ação.Os resultados obtidos através da pesquisa apontam que a regionalização das políticas em C,T&I criou formatos organizacionais facilitadores da inovação, nos quais as Universidades passaram a ter um papel central neste processo. A vinculação das universidades com o desenvolvimento regional se acentuou a partir da consolidação dos Conselhos Regionais de Desenvolvimento – COREDEs, os quais buscaram estabelecer fortes e permanentes vínculos com as universidades consideradas instituições dotadas de confiabilidade. Nas regiões do Vale do Rio Pardo e Vale do Taquari – RS, constata-se a construção de infraestrutura regional de C,T&I, como é o caso do Polo de Inovação Tecnológica Vale do Rio Pardo e do Polo de Inovação Tecnológica Vale do Taquari. Estes, expressam as repercussões territoriais das políticas de descentralização de C,T&I, iniciadas em 1989.

56Neste contexto, atores locais/regionais tiveram seus papéis redefinidos, pois passaram a pensar, a criar e a articular ações locais e multiescalares com vistas ao desenvolvimento de ações estratégicas para o processo de desenvolvimento das regiões.

57Em suma, constata-se que a geração e difusão do conhecimento, ciência, tecnologia e inovação conformam um processo de ações articuladas entre múltiplos atores de múltiplas escalas geográficas, os quais possuem estratégias em comum visando ao desenvolvimento na escala regional. A habilidade de criar novos usos do território não é um mero atributo de indivíduos ou empresas, mas uma construção que se estabelece socialmente e institucionalmente a partir de aprendizagens construídas e difundidas entre os diferentes tipos de conhecimento - tácito e codificado.

58O trabalho conclui que os Polos Tecnológicos das regiões do Vale do Rio Pardo e Vale do Taquari, enquanto infraestruturas científicas e tecnológicas, contribuem significativamente para a capilarização de C,T&I nos contextos territoriais.

Haut de page

Bibliographie

Emater – Associação Rio-Grandense de Empreendimentos de Assistência Técnica e Extensão Rural

Becattini G., “The Marshallian industrial district as a socio-economic notion”, In F. Pyke, G. Becattini, W. Sengenberger (Org), Industrial districts and inter-firm co-operation in Italy, Geneva, ILO Publications, 1990.

Boisier Sergio, Desarrollo territorial y descentralización: El desarrollo en el lugar y en las manos de la gente, EURE (Santiago), sep. 2004, vol. 30, no. 90, p. 27-40, ISSN 0250-7161.

Cano W., Fernandes A.C., “O movimento do pêndulo: justiça social e escalas espaciais no capitalismo Contemporâneo”, In Economia e Território, Célio CampolinaDiniz, Mauro Borges Lemos (Org.), Belo Horizonte, Editora UFMG, 2005, p. 253-286.

Cargnin A.P., Oliveira S.B., “Temas para o desenvolvimento territorial no estado do Rio Grande do Sul”, Texto para discussão, Secretaria da Coordenação e Planejamento – Seplag.RS, 2003.

Castro Iná, Egler G., “Questão regional e gestão do território no Brasil”, In Iná E. Castro, G. Gomes, C.C. Paulo e R.L. Corrêa, Geografia, conceitos e temas, Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 1995, p. 207-238.

Cooke P., Uranga M. G., Etxebarria G., “Regional systems of innovation: an evolutionary perspective”, Environment and Planning, Vol. 30, 1998, p. 1563-1584.

Cooke Philip, “Regional Innovation Systems, Clusters, and the Knowledge Economy”, In Industrial and Corporate Change, v. 10, nº4, Oxford University Press, 2001, p. 945-974.

Etzkwitz H., Leydesdorff L., The dynamics of innovation: from National Systems and “Mode 2” to a Triple Helix of university-industry-government relations, Research Policy, 29, 2000, p. 109-123. Disponível em: http://www.uni-klu.ac.at/wiho/downloads/Etzk.pdf.

Fernández Víctor Ramiro, “Estrategia(s) de desarrollo regional bajo el nuevo escenario global-local: revisión crítica sobre su(s) potencialidad(es) y límites”, EURE (Santiago), dic. 2001, vol.27, nº.82, p. 43-63. ISSN 0250-7161.

Ferrão João, Inovar para desenvolver:o conceito de gestão de trajectórias territoriais de inovação Interações, Campo Grande, v. 3, n. 4, Mar-Ago/2002. Disponível em:<http://biblioteca.ricesu.com.br/art_link.php?art_cod=361> Acesso em: 21 Abr. 2009.

Freitas Elisete Maria de., Cultivo de Bromélias, cactos e orquídeas, Lajeado, UNIVATES, 2007. 64 p., Antonio C.F. Galvão,Política de desenvolvimento regional e inovação: lições para o Brasil da experiência europeia, Tese (Doutorado em Economia Aplicada) Instituto de Economia da Unicamp, agosto de 2003.

Lahorgue Maria Alice, Polos tecnológicos no Brasil: espontaneidade ou inovação social?,In I Congreso Iberoamericano de Ciência, Tecnología, Sociedad e Innovación CTS+I, 2006, México. Organización de Estudios Iberoamericanos, 2006.

Lahorgue Maria Alice, Parques, polos e incubadoras: instrumentos de desenvolvimento do século XXI. Brasília: ANPROTEC/SEBRAE, 2004. 256 p.

Lazzeroni Michela,Geografia della conoscenza a dell’innovazione tecnológica, Um’interpretazione dei cambiamenti territoriali, FrancoAngeli, Milano, 2004. 224p

Lazzeroni Michela, Piccaluga Andrea, L’evoluzione dell’Università: nuovi profili e nuovi metodi di analisi, XXIX Conferenza Italiana di Scienze Regionali, p. 1-19, 2008 .

Maillat D., “Milieux innovateurs et dynamique territorial”, In A. Rallet, A. Torre, Économie industrielle et Économie Spatiale. Econômica, Paris, 1995.

Medeiros José A. Mattedi A., Marchi M., “Polos tecnológicos e núcleos de inovação: lições do caso Brasileiro”, Revista de Administração, São Paulo, 1990 p. 3-12.

Moulaert F, Nussbaumer J., “The Social Region: Beyond the Territorial Dynamics of the Learning Economy”, London, European Urban and Regional Studies.2005; 12, p. 45-64. Disponível em: <http://eur.sagepub.com/cgi/content/abstract/12/1/45>. Downloaded from <http://eur.sagepub.com at CAPES on March 20, 2009>.

Oliveira Renato de, “Desterritorialización y localización de la enseñanza superior. En busca de un marco conceptual para la planificación de la enseñanza superior teniendo en cuenta el desarrollo regional”, Revista de Universidad y Sociedad del Conocimiento, v. 4, p. 2-4, 2007.

Racine J.B., Raffestin C., Ruffy V., “Escala e ação, contribuições para uma interpretação do mecanismo de escala na prática da Geografia”, Revista Brasileira de Geografia, v. 45, n.1, p. 123-135, jan.-mar. 1983.

Raffestin Claude, Por uma geografia do poder,São Paulo, Ática, 1993.

Rambo Anelise G., A contribuição da inovação territorial coletiva e da densidade institucional nos processos de desenvolvimento territorial local/regional: uma experiência da coopercana – Porto Xavier/RS. 2006, 326 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) UFRGS, 2006.

Rückert Aldomar A., Reforma do estado e tendências de reestruturação territorial.Cenários contemporâneos no Rio Grande do Sul,(Tese de Doutorado) - Universidade de São Paulo - Programa de Pós-Graduação em Geografia Humana, São Paulo, 2001. Capítulo V.

Rückert Aldomar A., “Políticas territoriais, ciência & tecnologia e a ação de atores locais e regionais: o Polo de Modernização Tecnológica da Serra - Rio Grande do Sul – Brasil”,Sociologias, Jun. 2004, nº.11, p. 148-183. ISSN 1517-4522.

Santos Milton, A Natureza do espaço: Técnica e tempo. Razão e emoção, São Paulo, Hucitec, 1997.

Rückert Aldomar A., Metamorfose do Espaço Habitado,São Paulo, Editora Hucitec, 1988. 124p.

Silva Maria José, “O papel da inovação e do conhecimento na construção da competitividade territorial”, InConocimiento, innovación y emprendedores: camino al futuro, Coord. Juan Carlos Ayala Calvo, Editores: Universidad de La Rioja, Servicio de Publicaciones, Espanha, 2007. Disponível em: <http://dialnet.unirioja.es/servlet/libro?codigo=11972>. Acesso em 10.08.2009.

Haut de page

Annexe

Siglas:

AFLOVAT- Associação dos Produtores e Comerciantes de Flores e Plantas Ornamentais do Vale do Taquari

EMBRAPA - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

FEPAGRO - Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária

MAPA - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

CISPOA - Coordenadoria de Inspeção Sanitária de Produtos de Origem Animal

FEPAM - Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luiz Roessler

IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais RenováveisCRQ - Conselho Regional de Química

CRB - Conselho Regional de Biologia

CREA - Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura

ROLAS -Rede oficial de Laboratórios de Análise de Solo e tecido vegetal do Rio Grande do Sul e Santa Catarina

ANDA - Associação Nacional para Difusão de AdubosANVISA - Agência Nacional de Vigilância SanitáriaCRQ-V - Conselho Regional de Química - 5ª Região

CRBio-3 - Conselho Regional de Biologia - 3ª Região

FSC - Forest Stewardship Council

SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos

FUNASA - Fundação Nacional de Saúde

UNESP - Universidade Estadual Paulista

Haut de page

Notes

1  O autor cita: Milieu Innovateur, distritos industriais, sistemas de inovação (nacional e regional), clusters.

2  Os COREDEs constituem uma instância, um espaço de discussões e decisões a respeito das questões econômicas, sociais e culturais de alcance supramunicipal e de abrangência regional.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Quadro 1. Difusão do conhecimento e modalidade de difusão na escala regional
Crédits Fonte: Lazzeroni, Michela, (2004). Adaptado pela autora.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8549/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Titre Figura 1. Polos e Núcleos de Inovação Tecnológica no Rio Grande do Sul – Brasil
Crédits Fonte: www.sct.rs.gov.br/polos
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8549/img-2.png
Fichier image/png, 85k
Titre Figura 2.- Unidades Executoras dos Polos de Inovação Tecnológica - RS
Crédits Fonte:www.sct.rs.gov.br/polos
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8549/img-3.png
Fichier image/png, 88k
Titre As universidades e cursos técnicos credenciadas como unidades executoras dos Polos de Inovação Tecnológica - RS são:Quadro 2. Universidades e cursos técnicos credenciadas como unidades executoras dos Polos de Inovação Tecnológica - RS
Crédits Fonte: www.sct.rs.gov.br/polos.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8549/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 144k
Titre Figura 3. Localização das Regiões Vale do Taquari e Vale do Rio Pardo – RS
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8549/img-5.png
Fichier image/png, 60k
Titre Figura 4. Redes de interações na geração e difusão de conhecimento e inovação na escala local/regional – PMT/VRP e PMT/VT -1993-2008
Crédits Org. Cazarotto, R
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8549/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre Figura 5. Difusão da C,T&I a partir dos Polos de Inovação Tecnológica Vale do Rio Pardo e Vale do Taquari - 1993 - 2008: Alguns projetos representativos
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8549/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Foto 1.– Parte da Matriz - Bromélias Grandi
Crédits Fonte: Acervo de Cazarotto, R.T. Linha Marechal Floriano/Arroio Augusta Baixo-Roca Sales/RS
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8549/img-8.png
Fichier image/png, 817k
Titre Foto 2 - Parte da estufa Bromélias Grandi
Crédits Fonte: Acervo de Cazarotto, R.T. Linha Marechal Floriano/Arroio Augusta Baixo-Roca Sales/RS
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8549/img-9.png
Fichier image/png, 750k
Titre Foto 3. Produção de frutas ecológicas: pêssego
Crédits Fonte: Acervo de Cazarotto, R.T. Linha Henrique D’Avila - Vera Cruz.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8549/img-10.png
Fichier image/png, 606k
Titre Foto 4 - Produção de frutas ecológicas: figo
Crédits Fonte: Acervo de Cazarotto, R.T. Linha Henrique D’Avila - Vera Cruz.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8549/img-11.png
Fichier image/png, 845k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Rosmari Terezinha Cazarotto, « Novos usos do território na perspectiva das dinâmicas de aprendizagem sociais e institucionais multiescalares », Confins [En ligne], 19 | 2013, mis en ligne le 16 novembre 2013, consulté le 20 novembre 2017. URL : http://confins.revues.org/8549 ; DOI : 10.4000/confins.8549

Haut de page

Auteur

Rosmari Terezinha Cazarotto

Doutora em Geografia – Análise Territorial – UFRGSrt.cazarotto@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org