Navigation – Plan du site

Mapeamento ambiental integrado: município de Porto Alegre, RS

Heloise Canal et Roberto Verdum

Résumés

L’étude de l’environnement nécessite la recherche d’outils pour intégrer les différents éléments physico-chimiques et biologiques d’une aire ainsi que ses aspects sociaux et économiques. Les problèmes environnementaux sont de plus en plus complexes et ne peuvent donc pas être analysés séparément des forces qui les produisent. Dans cette perspective, cet article vise à indiquer les principaux résultats de la cartographie intégrée des données environnementales concernant la municipalité de Porto Alegre, RS, Brésil. La méthodologie pour la préparation de la carte et d’autres éléments dans la proposition était basée sur la « Cartographie de l’environnement et de sa dynamique », proposée par le groupe de recherche de l’environnement créé par l’Union géographique internationale (UGI) et présidé par le professeur André Journaux, Géographe français de l’université de Caen entre 1976 et 1984. Cette proposition a été conçue avec l’objectif ultime d’une large prise de conscience du public au sujet de la situation environnementale d’une zone donnée. Ainsi que, l’aide à la décision dans le cadre d’une planification intégrée, qui prend en compte les éléments naturels et essentiels de l’environnement (sol, eau et air) et l’action humaine (passée et présente). Dans le cas de Porto Alegre, la carte a été compilée à partir de diverses sources des données, comme : la topographie, l’hydrologie, les conditions climatiques, la construction, la culture et les espaces verts, en plus des études portant sur la dégradation de ces éléments. L’accumulation puis la manipulation des données, et les produits cartographiques ont été réalisés en utilisant un Système d’information géographique (SIG). À part l’aspect méthodologique de la cartographie, certaines dynamiques observées dans l’espace de l’intégration des données environnementales, en particulier, les grands problèmes de dégradation de l’environnement qui se a lieu dans la ville, la caractérisation récente de l’expansion urbaine et l’importance des espaces verts, sont également présentées.

Haut de page

Entrées d’index

Index de mots-clés :

cartographie intégrée, environnement

Index géographique :

Porto Alegre (RS)
Haut de page

Texte intégral

Mapeamento Ambiental Integrado: ferramenta para o planejamento urbano

1Nos últimos anos, muitos esforços têm sido aplicados para a substituição da visão clássica e, ainda vigente, de um planejamento atomizado em diversas temáticas (transportes, habitação, saúde, etc) por um planejamento mais integrado e voltado à diminuição das desigualdades territoriais e sociais. Esse novo enfoque não poderia ser diferente com as questões ambientais, já que se originam problemas cada vez mais complexos de interrelação entre natureza e sociedade. Os estudos ambientais sob a perspectiva da Geografia podem contribuir para entender e avaliar tais dinâmicas visto que não consideram apenas os elementos representativos do funcionamento dos sistemas naturais e da respectiva degradação causada pelo homem. O adjetivo “ambiental” na Geografia leva em conta esses aspectos, mas também carrega consigo as técnicas, as percepções e a história construída pelo ser humano.

2Considerando a necessidade de novos enfoques metodológicos capazes de integrar a face social da temática ambiental com as características físico-químicas e biológicas do meio, foi proposto um mapa ambiental integrado aplicado ao município de Porto Alegre - RS. Tal mapa foi desenvolvido a partir da metodologia de cartografia ambiental presente em uma das Notas Técnicas publicadas pelo programa “The Man and the Biosphere – MAB” da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO). Essa Nota, denominada “Cartographie intégrée de l’environnement: un outil pour la recherche et pour l’aménagement”, refere-se à reflexão do grupo de trabalho “Mapeando o Ambiente e sua Dinâmica”, criado pela União Geográfica Internacional (IGU) e presidido pelo professor e geógrafo francês André Journaux, Universidade de Caen, França, no período de 1976 a 1984.

3O grande desafio para a elaboração desse tipo de mapeamento é a espacialização conjunta dos elementos naturais do ambiente (solo, água e ar) e da ação humana (passado e presente) de modo que se perceba não só o aspecto locacional dos fenômenos, mas também as correlações entre os mesmos de forma clara e objetiva. No caso da proposta de mapa integrado de Journaux (1985), os dados do mapa estariam relacionados aos agrupamentos em cores de diferentes ambientes: os ambientes aquáticos representados pela cor azul e sua degradação em rosa, por exemplo. O Quadro 1 introduz os dez temas sugeridos para representação e as respectivas cores dos símbolos.

Quadro 1: Dados necessários para o mapa e suas respectivas representações gráficas

Quadro 1: Dados necessários para o mapa e suas respectivas representações gráficas

4Da posse da construção metodológica das cores e itens da legenda, o leitor poderá facilmente reconhecer a que tipo de elemento do ambiente o mapa está se referindo e que problemas estariam relacionados ao uso e à ocupação inadequada da área. Além da etapa de levantamento e representação cartográfica, é recomendada a elaboração de um memorial descritivo anexado ao mapa. São comentários e notas sobre determinada área ou temática, tabelas com parâmetros de monitoramento ambiental, dados estatísticos ou apresentação de critérios para seleção dos itens que comporão a legenda. Uma abordagem mais aprofundada sobre os itens do Quadro 1 consta na seção 3.3.

Aplicação da metodologia em alguns estudos brasileiros

5Alguns estudos no Brasil também utilizaram a metodologia em destaque como forma de subsidiar o planejamento e a solução dos problemas ambientais. A Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (CETESB), órgão da Administração Pública responsável pelo gerenciamento ambiental de grande parte do estado de São Paulo, propôs com essa metodologia um “diagnóstico global e integrado das condições ambientais” desse estado. Para tanto, foi elaborado um trabalho piloto em uma área com grandes problemas ambientais. A “Carta do Meio Ambiente e de sua Dinâmica - Baixada Santista” (CETESB, 1985), escala 1:50.000, contém um grande aporte de dados, já que a própria CETESB realizou o levantamento dos mesmos.

6Archela e Rosolém (2009) adaptaram a legenda proposta por Journaux (1985) para representar a realidade ambiental específica do município de Londrina – PR. Como resultado inicial, foi obtida a “Legenda Geral do Mapa Ambiental de Londrina”. Já Dal Forno (2009) localizou as prováveis fontes de poluição hídrica e representou o alcance dos respectivos impactos através da proposta de simbologia direcionada às águas do Arroio Pessegueirinho, município de Santa Rosa – RS. O estudo de Dagnino (2007) aplicou essa metodologia e adaptou sua legenda para a identificação dos riscos ambientais na Bacia Hidrográfica das Pedras, em Campinas-SP.

7Apesar dos objetivos específicos serem distintos, o principal ponto em comum entre esses estudos é o entendimento do ambiente não só como os constituintes naturais do meio, mas também a ação do homem enfatizada nos processos de uso e ocupação. Nesse aspecto, a proposta de cartografia ambiental em questão contribui para a integração dos elementos visando a posteriores relações, as quais não seriam possíveis de se estabelecer por meio de estudos específicos e dissociados uns dos outros. Assim, diversos aspectos do ambiente e de sua dinâmica – anteriormente dispersos em estudos de geologia, pedologia, uso do solo, poluição das águas, urbanização – são compilados em um único mapa síntese de cores e símbolos padronizados para cada situação ambiental da área de estudo.

Mapeamento Ambiental Integrado: Município de Porto Alegre – RS

8O município de Porto Alegre ocupa uma superfície de 496 km² e supera um milhão e quatrocentos mil habitantes (IBGE, 2010). Tais dimensões e a constante reestruturação das áreas urbanas pelas condicionantes do meio, forças políticas, econômicas e sociais demandam novas formas de planejamento capazes de dialogar com as diversas temáticas urbanas. Diante de tal situação, buscou-se aplicar a cartografia ambiental em destaque ao município. O desenvolvimento do trabalho seguiu uma série de etapas, listadas e comentadas abaixo:

Quadro 2: Etapas de elaboração do mapeamento

Quadro 2: Etapas de elaboração do mapeamento

Aquisição dos dados

9Mais do que o levantamento primário dos dados, o estudo objetivou integrar os dados de diversas fontes já existentes, os quais tratassem das características físicas e biológicas do meio e a sua relação com os habitantes do município. Essa relação seria representada principalmente pelas diferentes formas de uso e ocupação da cidade. Foram selecionados os estudos relativos ao relevo, à hidrografia, às condições climáticas, aos espaços construídos, aos espaços cultivados e aos espaços verdes no município, assim como os estudos que abordassem a degradação das águas, do solo e do ar.

10Considerou-se para o estudo tanto dados já cartograficamente representados quanto informações não cartografadas sobre determinada temática, que seriam passíveis de ser espacializadas por indicar alguma referência de localização do fenômeno. alguns trabalhos analisam determinado assunto na escala municipal, a exemplo do Atlas Ambiental de Porto Alegre (Menegat et al., 2006) e do Diagnóstico Ambiental de Porto Alegre (Hasenack et al., 2008). Grande parte das informações sobre os elementos naturais do município advém desses documentos.

11Também foram selecionados trabalhos com objetos e áreas de estudo mais específicos, advindos principalmente do Instituto de Ecologia e do Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. É necessário ressaltar que, embora houvesse maior dificuldade de integração cartográfica entre essas áreas de estudo mais restritas, foi possível enriquecer o mapa com dados mais característicos de determinado local, o que poderá auxiliar a gestão pública a identificar locais para ação em diversas temáticas.

12Essa fase do trabalho, além de fornecer a maioria dos dados, foi de extrema relevância visto que foram reconhecidos os elementos ou os processos constituintes da dinâmica ambiental do município, como formações vegetais, tipos de construções urbanas, densidade da ocupação, descargas de poluição.

Tratamento dos dados

13O principal desafio nessa etapa está relacionado à uniformização dos parâmetros cartográficos. Foi necessária uma análise prévia sobre a data de elaboração e a metodologia de construção dos mapas analógicos e digitais, das camadas de informações (layers) e dos dados não cartografados, representados em tabelas. O uso de aplicativos dos Sistemas de Informações Geográfica (SIG) foi de grande utilidade não só pela rapidez e possibilidade de visualização dos dados, mas também pela disponibilidade de ferramentas de adequação e tratamento de informações oriundas de diversas fontes.

14Após análise foi realizado o processo de digitalização e armazenamento em ambiente computacional de mapas que estavam em estrutura analógica visando, dessa forma, à posterior vetorização. Também foi realizado o georreferenciamento, que é entendido basicamente como a associação de referências espaciais (coordenadas geográficas, endereçamento ou localização pontual) a dados tabulares ou em formato de imagens. Os dados tabulares georreferenciados foram basicamente endereços de indústrias e estabelecimentos de saúde e localização de áreas de risco. Após armazenamento e georreferenciamento, foi possível fazer a conversão dos dados para um único sistema de projeção e de coordenadas geográficas.

Adequação da proposta metodológica e da respectiva simbologia aos dados de Porto Alegre

15Conforme o conhecimento que se obteve sobre o ambiente de Porto Alegre ao longo da integração de mapas e informações, a equipe de trabalho determinou quais os elementos seriam importantes para serem representados como itens da legenda do mapa em elaboração. Para Nogueira (2008), a seleção e a disposição dos símbolos utilizados na legenda de um mapa afetam de forma significativa a sua finalidade de visualização e comunicação. No caso dos mapas integrados, cujo conteúdo de itens advém de uma série de fontes, é necessária grande atenção para a escolha dos itens, visto que se pode gerar um documento cartográfico confuso de se visualizar e, consequentemente, de se comunicar. Abaixo, segue uma descrição sobre os elementos considerados na legenda (Figuras 3 e 4).

16ELEMENTOS DO AMBIENTE: São seis tipos de elementos do ambiente representados em seis cores correspondentes.

17I. Toponímia e Topografia (cinza): O principal objetivo desse grupo de itens foi fornecer informações sobre referências toponímicas da área (nome de morros, bairros, principais vias de trânsito), assim como informações sobre o relevo e topografia (curvas de nível e declividade). As informações altimétricas foram obtidas a partir da Base Vetorial Contínua de Porto Alegre referente à escala 1:1.000 (Hasenack et al., 2010), sendo o item curvas de nível replicado ao mapa. Também foram inseridas as áreas com declividade maior que 30%. Os bairros da cidade foram identificados conforme classificação utilizada pelo Orçamento Participativo, já que muitos dos órgãos públicos do município utilizam dessa nomenclatura para planejamento e gestão.

18II. Hidrologia e Hidrografia (azul): O objetivo desse tema foi fornecer as principais informações sobre o domínio das águas e sobre sua utilização. A principal fonte quanto ao domínio das águas referiu-se ao Atlas Ambinetal de Porto Alegre (Menegat et al., 2006), do qual foram vetorizadas as informações sobre cursos e corpos d´água, anel de nascentes, áreas inundáveis não protegidas. Já as informações sobre a utilização das águas teve como base o Plano Diretor das Águas (Porto Alegre, 2010) disponibilizado pelo Departamento Municipal de Água e Esgoto - DMAE. Foram destacados os pontos de captação de água, reservatórios de água potável e poços.

19III. Ar (branco): O objetivo foi identificar os dados e os elementos que caracterizassem parte do clima da cidade, a exemplo da frequencia anual das direções dos ventos para, assim, possibilitar correlações com a ocupação. Foi utilizado o “Mapa do Clima Urbano”, escala 1:59.000, do Atlas Ambiental de Porto Alegre. Foram selecionados elementos climáticos característicos do ambiente urbano, como alterção do campo eólico, cânion urbano (caracterizado pela ventilação excessiva em algumas avenidas em função da edificação) e forte acréscimo de calor. Também considerou-se elementos amenizadores das consequencias da ocupação urbana altamente densificada, como áreas com vegetação com função de filtro e com efeito amenizador sobre o clima e drenagem de ar frio noturno.

20IV. Espaços verdes (verde): O principal objetivo foi registrar os diferentes tipos de vegetação existentes, analisando sua importância no contexto ambiental da cidade, assim como identificar os espaços já protegidos e os que estão potencialmente ameaçados. Foram identificadas as áreas protegidas por legislação, a exemplo das Unidades de Conservação (UCs), Áreas de Proteção Ambiental Natural (Porto Alegre, 1999), parques e praças. A vegetação também foi diferenciada nas seguintes classes a partir de Hasenack et. al (2008): mata nativa, mata degradada, banhado e demais.

21V. Espaços cultivados (marrom): Os espaços cultivados foram analisados a partir do Diagnóstico Ambiental de Porto Alegre (Hasenack et al., 2008) e diferenciados entre cultivo permanente, cultivo temporário e silvicultura.

22VI. Espaços construídos (laranja): A temática dos espaços construídos é de extrema relevância na representação desse tipo de mapa visto que é o tipo de uso e ocupação do solo que indicará grande parte da vulnerabilidade de degradação ao ambiental assim como de impactos negativos à população. O principal objetivo foi representar a dinâmica temporal dos diferentes tipos de espaços construídos e os elementos mais significativos em termos de potencial poluidor para as águas, o solo e o ar.

23Evolução urbana da cidade

24Com o objetivo de tornar o mapa mais claro, atribuiu-se à tipificação de evolução urbana apenas as áreas de ocupação recente, possibilitando indicar as possíveis direções de expansão urbana para os próximos anos ou décadas. Para tanto, foi utilizada a espacialização da evolução urbana pertencente ao Atlas Ambiental de Porto Alegre, cujo período abrange os anos entre 1952 e 1994. Também foram utilizadas imagens de satélite do aplicativo Google Earth de dezembro de 2002 e março de 2011. Assim, foram consideradas como áreas recentes todas as ocupações na zona mais periférica da cidade que não existiam até o ano de 2002 e que foram identificadas nas imagens de satélite depois desse período, além de serem considerados aspectos de mapeamento como arruamento, densidade de construções e continuidade, conforme Moura (2009).

25Densidade e usos

26Para a tipificação quanto à densidade e ao uso, foram simbolizadas apenas as áreas com um alto grau de edificação e as ocupações informais em função de grandes problemas ambientais gerados e enfrentados a partir dessas situações.

27Foram destacadas apenas as áreas com alto grau de edificação e as ocupações informais (vilas). De um lado, uma área com muitas edificações, geralmente a zona central e adjacências, com grande aumento localizado de temperatura, alta concentração de poluentes atmosféricos provindos dos meios de transporte terrestres, impermeabilização do solo e desconforto térmico. De outro, áreas às margens de córregos, encostas e rodovias que abrigam uma parte da sociedade que não possui condições de arcar com moradias estabelecidas conforme as leis de uso e ocupação do solo. Essas ocupações, além de intensificar os problemas de erosão, desmatamento e inundações da cidade, também são as áreas onde há a maior precarização (ou inexistência) de serviços urbanos de infraestrutura básica, como abastecimento de água e coleta domiciliar de lixo.

28Equipamentos e demais elementos urbanos

29Diversos equipamentos urbanos podem fazer parte do mapa ambiental integrado com o objetivo de auxiliar o planejamento de algumas ações como escolas, áreas de lazer e esporte, equipamentos de saúde e assistência social, associações comunitárias. Entretanto, novamente pensando na leitura do mapa, foram considerados os equipamentos urbanos que trouxessem certo grau poluidor e risco ambiental. Os elementos urbanos presentes no mapa referem-se às indústrias, serviços de distribuição de combustíveis através de postos de abastecimento, hospitais e laboratórios, pedreiras, dentre outros. Como o destaque é relativo ao potencial poluidor, tais elementos foram dispostos conforme as categorias de degradação das águas, do solo ou do ar.

30Quanto ao sistema viário, foram destacadas as vias com fluxo intenso de veículos devido à ocorrência de muitos acidentes de trânsito e às maiores concentrações de poluentes atmosféricos e sonoros causados por veículos. Também foram incluídas as linhas do trem metropolitano (Trensurb) e a primeira e segunda fase da linha de metrô (prevista).

31DEGRADAÇÃO E PRESERVAÇÃO DO AMBIENTE: Três cores (vermelho, rosa e violeta) são atribuídas aos fenômenos de mudança e de degradação ambiental (solo, água e ar), enquanto a cor preta é atribuída aos elementos de preservação e recuperação ambiental.

32VII. Poluição das águas (rosa): O objetivo principal desse tema foi localizar as principais fontes potencialmente poluidoras e indicar o grau de comprometimento da qualidade da águas gerado pelo esgotamento doméstico.

33Fontes poluidoras

34a) Hospitais e laboratórios

35A importância de diferenciar os serviços hospitalares e laboratoriais de análises clínicas das áreas residenciais e das demais atividades terciárias geradoras de efluentes domésticos se deve à concentração de organismos patogênicos e compostos químicos presentes nesses despejos. O descarte sem tratamento adequado na rede coletora cloacal ou pluvial pode gerar sérios problemas à qualidade das águas para abastecimento da população devido aos resíduos biologicamente ativos e da significativa carga orgânica presente (Silveira, 2004).

36 Os dados de localização e descrição dos hospitais foram disponibilizados pela Equipe de Vigilância Ambiental e do Trabalhador (EVSAT) da Secretaria Municipal da Saúde, enquanto os laboratórios foram selecionados a partir do banco de dados de alvarás da Secretaria Municipal de Indústria e Comércio (SMIC). Os dados complementares dos hospitais foram levantados a partir do Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde (CNES) do Ministério da Saúde.

37b) Postos de abastecimento de combustíveis

38 Para Kirchheim et al. (2000), a vulnerabilidade à contaminação do solo e dos aquíferos pelos postos de abastecimento de combustíveis, além das condições do sistema de armazenamento dos tanques, está relacionada também à susceptibilidade natural apresentada pela cobertura de solo e subsolo. Nas áreas onde predominam as rochas graníticas, o potencial de contaminação é maior nas zonas de fratura, enquanto áreas próximas aos arroios estão mais vulneráveis onde se encontram materiais arenosos menos consolidados. Entretanto, são nas regiões mais baixas da cidade onde há maior potencial de contaminação devido à superficialidade do lençol freático.

39Assim, levando em conta a importância de considerar esse tipo de serviço no presente estudo e da mesma forma a possibilidade de tornar a leitura do mapa mais difícil em função do grande número de postos existentes no município, optou-se por espacializar os postos localizados nas zonas mais vulneráveis para esse tipo de atividade, como mencionado anteriormente por Kirchheim et al. (2000). Para tal seleção, foi realizado o cruzamento das informações de localização dos serviços de abastecimento com a classe “Inapta” do “Mapa de aptidão dos solos à disposição de resíduos sólidos”, escala 1:234.000, proveniente do Atlas Ambiental de Porto Alegre (Menegat et al., 2006). Esse mapa tem a “finalidade de estimar a adequação das unidades de solo quanto ao suporte de resíduos sólidos e líquidos. As principais características geotécnicas consideradas foram profundidade, permeabilidade e drenagem dos solos, profundidade do lençol freático e presença de aquiferos, além de outras prováveis situações de risco à contaminação do ecossistema”.

 Figura 1: Distribuição dos postos de combustíveis em Porto Alegre

 Figura 1: Distribuição dos postos de combustíveis em Porto Alegre

40 Dos 300 postos de combustíveis existentes no levantamento, cerca de 120 foram incluídos no mapa em função dos critérios acima estabelecidos. Portanto, quase a metade dos postos está instalada em áreas extremamente suscetíveis à poluição do subsolo. Isso porque eles estão localizados nas principais vias de deslocamento e acesso à cidade, como Avenida Farrapos, Avenida Assis Brasil e Avenida Ipiranga, as quais estão construídas sobre terrenos mais baixos e praticamente planos. A partir da localização dos postos e o conhecimento das áreas de Porto Alegre em que há maior vulnerabilidade de poluição, os órgãos públicos podem dimensionar fiscalizações e pontos de amostragem a serem realizados na cidade.

41c) Indústrias

42 Visto o grande número de indústrias de pequeno a médio porte concentradas em áreas específicas da cidade, optou-se por espacializar aquelas com maior potencial poluidor aos sistemas naturais, em especial às águas. O Programa de Monitoramento das Indústrias, Comércios e Serviços no Município de Porto Alegre (PMIPOA), através da Equipe de Combate e Controle de Poluição Hídrica e Atmosférica (ECCHA/SMAM), monitora cerca de 240 atividades industriais, comerciais e/ou serviços, com geração de efluentes em seu processo produtivo, assim como caracterizados como resíduos perigosos de Classe I, conforme a NBR 10004 (Friedrich, 2010). Desse programa, foram inseridas no mapa as indústrias com a classificação segundo tipo e porte.

43Qualidade das águas

44O grande desafio para o estabelecimento da Legenda de classificação da qualidade das águas está na indisponibilidade de dados sistemáticos de todos os arroios da cidade, como concentrações da Demanda Bioquímica de Oxigênio, Coliformes Termotolerantes, Sólidos Totais, dentre outros. Esses dados estão disponíveis somente para as principais bacias de Porto Alegre através das análises realizadas pelo Departamento Municipal de Água e Esgoto e estudos de universidades.

45Levando em consideração que a poluição das águas ocorre quando há excesso de uma substância nesse meio, a classificação da qualidade dos cursos d´água teve como critério a presença de matéria orgânica em concentrações acima do esperado nas condições naturais dos corpos d’água do município. Tal situação é indicativa de alterações da qualidade das águas por disposição inadequada de esgotos domésticos, cuja carga é predominante para o comprometimento da qualidade da água no município.

46Muitos dos estudos selecionados tratam da qualidade das águas, mas não realizam análises químicas e biológicas em laboratório para comprovar a condição das mesmas. Ao invés disso, são utilizados recursos qualitativos, como a percepção ambiental dos próprios moradores e de experiências em campo para caracterizar a situação de determinado arroio. Essa forma de análise é satisfatória do ponto de vista desse estudo, considerando que o principal parâmetro para definir a poluição das águas é referente à disposição inadequada de efluentes domésticos nos arroios, tanto através de ligações diretas como por meio de ligações irregulares à rede pluvial. Assim, os aspectos qualitativos baseados na percepção ambiental, assim como os aspectos quantitativos, baseados nas variáveis de Demanda Bioquímica de Oxigênio ou Coliformes Fecais, são utilizados nesse estudo para a classificação do grau de poluição das águas quanto à presença excessiva de matéria orgânica causada pelo esgotamento doméstico. A classificação da qualidade das águas do Lago Guaíba foi considerada a partir de Bendati et al. (2000), enquanto para os cursos d´agua foram estabelecidas cinco classes (Figura 2):

47Classe I: Águas não poluídas (em azul): Devido à indisponibilidade de dados referentes às águas não poluídas da cidade, optou-se por avaliar as condições ambientais próximas a esses arroios, como preservação da vegetação nas nascentes e ao longo do curso e inexistência ou presença de baixa densidade de ocupação. A partir dessa avaliação, é possível inferir se o arroio pode ou não estar poluído. Entretanto, ressalta-se que há possibilidade de alterações da composição da água por algumas situações, como recarga aquífera contaminada, o que não foi considerado.

48Classe II: Águas potencialmente poluídas (em rosa claro): Essa classe foi estabelecida para os arroios que apresentassem condições ambientais favoráveis para a poluição das águas, embora não houvesse dados disponíveis constatando tal situação. Foram consideradas as condições de densidade, tipo de ocupação e presença de rede coletora de esgotos.

49 O estudo de Bollmann (2003, p. 150) demonstrou para Porto Alegre a “boa correlação entre praticamente todas as variáveis da qualidade das águas com densidade populacional quando se consideram populações não atendidas com serviços de coleta e tratamento de seus resíduos sanitários”. Através do cruzamento das áreas onde não há redes coletoras de esgotos, do sistema de drenagem e das ocupações informais próximas aos corpos d’água, atribui-se aos arroios a classificação de “potencialmente poluídos” pelo despejo de efluentes domésticos e problemas com a disposição inadequada de resíduos sólidos.

50Classe III: Águas poluídas (em rosa): Águas em que fosse constatado o comprometimento da qualidade através de estudos anteriores qualitativos e/ou quantitativos.

51Classe IV: Águas com qualidade crítica (em rosa escuro): Águas em que, além de constatadas alterações da composição por despejos de efluentes domésticos, estivessem com qualidade crítica.

52Classe V: Águas com qualidade não estabelecida (em azul claro): Águas em que não houve correspondência com as classes citadas acima, a exemplo das águas próximas às ocupações formais de alta densidade que apresentam rede coletora. Ainda que o esgotamento sanitário nessas localidades seja planejado para ser transportado para um ponto específico (estação de tratamento ou emissário da rede cloacal), não é possível afirmar que os arroios que passam ao longo dessas áreas não estejam sendo poluídos em função das ligações clandestinas sem tratamento prévio conectadas diretamente na rede pluvial.

Figura 2: Mapa estabelecido para a classificação da qualidade das águas

Figura 2: Mapa estabelecido para a classificação da qualidade das águas

53VIII. Poluição do ar (violeta): O objetivo foi localizar as principais fontes poluidpras do ar na cidade e indicar as áreas mais vulneráveis aos impactos gerados pela poluição atmosférica. Um dos elementos considerados é o Condutor de ar compremetido apresentado no Mapa de Clima Urbano do Atlas Ambiental de Porto Alegre. Caracteriza-se pela aceleração dos ventos com qualidade comprometida ao longo de grande avenidas. As vias com fluxo intenso de veículos, incluídas no tema “Espaços Construídos”, constam com a simbologia combinada de laranja e violeta devido à alta emissão de poluentes veiculares. Ademais da poluição química do ar, há parâmetros físicos que em excesso caracterizam poluição, a exemplo da emissão de ruídos de estádios de futebol, aeroportos, pedreiras em atividade e o fluxo de veículos das grandes avenidas.

54IX. Degradação do solo (vermelho): Foram representadas atividades com grande potencial de degradação a partir do Atlas Ambiental de Porto Alegre, sendo destacadas as pedreiras e saibreiras (desativadas e em atividade), assim como as olarias, depósitos de lixo irregulares (atividados e desativados) e os aterros sanitários. Também foram representadas as mudanças e deteriorações naturais acentuadas pela ação humana, especificamente os movimentos de massa, expressos pelos escorregamentos, deslizamentos e queda de blocos. A localização e tipificação dessas áreas de risco foram obtidas a partir do levantamento para um plano de ação realizado pela Defesa Civil do município em 2011 (Codec, 2011).

55X. Trabalhos de defesa e melhoria do ambiente (preto): Foram levantadas informações de diversos órgãos públicos, a destacar a Secretaria Municipal de Saúde – Equipe de Vigilância Ambiental e do Trabalhador, Departamento Municipal de Água e Esgotos, Secretaria do Meio Ambiente e o Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano e Ambiental. São mapeados os elementos que visam à construção, regeneração ou preservação do ambiente, como obras de ampliação e integração das redes coletoras de esgoto, estações de tratamento de água e esgoto, estações de monitoramento da qualidade do ar, unidades de triagem de resíduos secos recolhidos pela coleta seletiva, espacialização dos limites considerados pela legislação ambiental (Áreas de Proteção Permanente).

56Nas Figuras 3 e 4 são apresentados os itens selecionados e sua respectiva simbologia para constar na legenda do mapa integrado.

Figura 3: Elementos do ambiente considerados na legenda

Figura 3: Elementos do ambiente considerados na legenda

Figura 4: Itens da degradação e preservação do ambiente

Figura 4: Itens da degradação e preservação do ambiente

573.4. Elaboração de um memorial descritivo metodológico e de interpretação do mapa

58O memorial descritivo deve servir como material de apoio e de complementação para a leitura do mapa, podendo conter tabelas, gráficos e demais recursos que auxiliem na interpretação dos fenômenos. Da mesma forma que é necessária essa interpretação, também se deve realizar a descrição metodológica de escolha dos itens, já que os critérios de seleção dos mesmos estão diretamente relacionados ao acesso e às características dos dados. No caso dos postos de combustíveis (Figura 1), seria de grande interesse não só o critério de localização dos mesmos em zonas vulneráveis à contaminação, mas também o cruzamento com a informação do ano de implantação, visto que a probabilidade de vazamentos de tanques em postos mais antigos é muito maior. Entretanto, ainda que esse cruzamento tornasse a informação do mapa mais completa, não se teve acesso aos anos de implantação para tal análise. Assim, é a partir da leitura do memorial que o usuário poderá determinar se a informação contida satisfaz seus objetivos ou se será necessário complementá-la.

59Apesar de não ser o foco do presente artigo apresentar análises mais aprofundadas sobre a dinâmica ambiental do município a partir da leitura do mapa integrado, e sim, descrever a metodologia de construção do mapa, é possível colocar em destaque alguns processos que o município de Porto Alegre apresenta ou poderá apresentar nos próximos anos, principalmente com relação à expansão das zonas urbana.

60 Há expressiva tendência à descentralização das novas urbanizações para a zona sul e leste do município, visto a saturação das zonas central e norte e a expansão de condomínios horizontais e conjuntos habitacionais financiados pelo Poder Público. Salienta-se, portanto, a importância de um planejamento que disponibilize serviços compatíveis com o crescente adensamento desses bairros como postos de saúde, escolas e ligações das residências à rede pública de abastecimento de água e coleta de esgoto. Ademais, deve haver um acompanhamento da ocupação dessas zonas visto que são apresentadas por Moura (2009) como predominantemente planas e passíveis de inundações sobre tudo quando o solo é densamente ocupado.

61A análise do Mapa Ambiental Integrado e as respectivas considerações do memorial descritivo também indicaram a importância dos espaços verdes. Eles demonstram um papel para a cidade que está para além das funções de proteção dos cursos d’água e das nascentes, da contenção da perda de solo e da erosão. As áreas verdes conservadas nos morros possuem capacidade de filtro da poluição atmosférica, além de possibilitar a drenagem de ar frio noturno proveniente das margens superiores dos arroios, o que ameniza o acréscimo de calor gerado nas áreas centrais. Nas áreas muito edificadas, são apresentadas por Menegat et al. (2006) funções de redução da poluição atmosférica e melhora das condições de conforto acústico e de luminosidade, além de atuação de ilhas de frescor para as imediações, como indica a Figura 5 referente ao Parque Farroupilha, localizado próximo da zona central da cidade.

62É importante salientar que tanto as áreas mais planas do extremo sul, Ilhas do Delta do Jacuí, assim como as zonas mais elevadas dos morros (Morro São Pedro, Morro da Extrema, Morro Santana; vide figura 2) apresentam o maior grau de conservação vegetacional do município, sendo importantes áreas de proteção ambiental já estabelecidas, - caso das ilhas e alguns morros - ou até mesmo áreas potenciais de proteção. O extremo norte, apesar de não possuir grande nível de urbanização como o resto da zona norte, apresenta práticas agrícolas de grande impacto caracterizadas pelas lavouras de arroz, restando ainda alguns remanescentes de banhados (áreas úmidas).

Figura 5: Fenômenos atmosféricos presentes na zona central do município.

Figura 5: Fenômenos atmosféricos presentes na zona central do município.

63Com relação às condições climáticas, o município apresenta características atmosféricas diferenciadas em determinadas regiões, principalmente baseadas no grau de concentração de área construída, no adensamento populacional, na pavimentação asfáltica ou na distribuição dos espaços verdes. Um fenômeno característico das grandes cidades e que também ocorre em Porto Alegre refere-se ao forte acréscimo de calor na zona central (representado pela linha tracejada em violeta na Figura 5) causando desconforto térmico, principalmente no início das tardes de verão. Tal fenômeno ultrapassa os limites da zona central, chegando aos bairros adjacentes.

Considerações finais

64Com relação às possibilidades da cartografia apresentada, verificou-se que ela pode servir tanto como primeira aproximação aos elementos e às dinâmicas ambientais de determinada área numa finalidade didático-pedagógica, assim como pode ser utilizada para subsidiar estudos e projetos mais específicos de planejamento de uso e ocupação do solo, monitoramento ambiental, identificação dos principais problemas enfrentados pela população no que se refere à degradação ambiental e análise das principais demandas de serviços públicos em função da dinâmica de urbanização. Ademais, pesquisadores, gestores e a própria população, por meio da análise cartográfica, podem gerar hipóteses e associações de problemas ambientais específicos de determinada área. Dessa maneira, quanto maior a interação e a integração desses agentes, maior a possibilidade de conhecer e melhorar as condições ambientais da cidade.

65Uma das formas de os agentes interagirem está relacionada ao acesso público a banco de dados e mapas digitais elaborados pela administração pública e universidades. Se antes havia um grande número de dados do ambiente dispersos em mapas analógicos, agora é possível a disponibilização desses mesmos dados em ambiente digital, tornando mais rápido o processo de obtenção dos mesmos. O acesso público aos dados do município de Porto Alegre foi fundamental para a elaboração do estudo visto que a etapa de coleta de dados previu basicamente a compilação de dados secundários.

66Um dos fatores positivos de representação cartográfica presente nessa metodologia é a consideração das dinâmicas próprias de cada área de estudo. Desse modo, ainda que se proponha uma padronização no que se refere à simbologia de cores – com o principal objetivo de integrar leituras com outros mapas a nível internacional – há a particularidade de se atribuir quais itens serão considerados, já que há inúmeras formas de ocupação e uso do meio. Assim, torna-se possível a aplicação da metodologia em outros municípios e demais escalas de planejamento e gestão. Contudo, as interrelações que o mapa ambiental integrado poderá indicar estão relacionadas diretamente ao aporte anterior de dados sobre as diversas temáticas. Daí a importância da divulgação digital de dados elaborados pelos órgãos municipais e estaduais, estudos técnicos e científicos de universidades, dentre outras fontes.

67Mesmo que o critério da escolha da área tenha sido a delimitação político-administrativa do município de Porto Alegre, é possível transferir tal proposta para diversas escalas de análise, desde a mais local até a regional, visto que não há uma determinação rígida de quais elementos devem ser representados. A escolha dos itens da legenda está relacionada à carcaterização do ambiente conforme a escala de representação, assim como à urgência dos problemas e ameaça do equilíbrio entre uso/ocupação e preservação.

Haut de page

Bibliographie

Archela R.S., Rosalém N.P., “Legenda geral do mapa ambiental de Londrina: ensaio metodológico de cartografia”, Confins [Online], 6 | 2009, Disponível em: <http://confins.revues.org/590021> Acesso setembro 2010.

Bendati et. al., “Avaliação da qualidade da água do lago Guaíba (Rio Grande do Sul, Brasil) como suporte para a gestão da bacia hidrográfica”, In XXVII Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental.Porto Alegre. 2000.

Bollmann H. A., Relação da densidade populacional sobre variáveis de qualidade físico-química das águas superficiais em microbacias hidrográficas urbanas sem cobertura sanitária em Porto Alegre, RS. Porto Alegre, 2003, Tese (Doutorado em Engenharia de Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental) – Instituto de Pesquisas Hidráulicas, Universidade federal do Rio Grande do Sul.

CETESB, Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental. Baixada santista: carta do meio ambiente e de sua dinamica, São Paulo, Cetesb, 1985.

Codec, Coordenação da Defesa Civil, Avanços no plano de ação para áreas de risco, Agosto de 2011. Disponível em: http://www2.portoalegre.rs.gov.br/codec/default.php?reg=3&p_secao=65 Acesso em novembro 2011.

Dagnino R.S., Riscos ambientais na Bacia Hidrográfica do Ribeirão das Pedras, Dissertação (Mestrado em Geografia) - Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas Campinas/ São Paulo. São Paulo, 2007.

Dal Forno M.A.R., Os conflitos de uso da ocupação urbana em áreas de preservação permanente – APPs: Arroio Pessegueirinho, município de Santa Rosa, RS. Porto Alegre, 2009. Tese (Doutorado em Geografia) – Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

DMAE, Portal do Departamento Municipal de Água e Esgoto. Disponível em: <http://www2.portoalegre.rs.gov.br/dmae/> Acesso em dezembro de 2011.

Friedrich J.L.M. et al., Programa de monitoramento das indústrias, comércios e serviços do Município de Porto Alegre –PMIPOA, In Simpósio Internacional de Qualidade Ambiental, 7, 2010, Porto Alegre. Anais. Porto Alegre: ABES/RS, 2010.

Hasenack H., Weber E.J., Lucatelli L.M.L., Base altimétrica vetorial contínua do município de Porto Alegre-RS na escala 1:1.000 para uso em sistemas de informação geográfica. Porto Alegre, UFRGS-IB-Centro de Ecologia, 2010. ISBN 978-85-63843-03-6. Disponível em http://www.ecologia.ufrgs.br/labgeo. Acesso em novembro de 2011

Hasenack H. et al., Diagnóstico Ambiental do Município de Porto Alegre – Relatório 6. Porto Alegre: Fundação de Apoio da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Faurgs), 2004. Disponível em: <http://www.ecologia.ufrgs.br/atlasdigital/>. Acesso em outubro 2011.

IBGE, Portal do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br> Acesso em Maio de 2010.

Journaux A., Cartographie intégrée de l’environnement: un outil pour la recherche et pour l’aménagement, In UNESCO. Notes Tecniques du MAB 16. Paris, 1985.

Kirchheim R., Cota S.D.S., Caicedo, N.O.L., Contaminação de águas subterrâneas por vazamento em tanques de combustíveis na cidade de POA – RS., Diagnóstico Preliminar, In Carlos E.M Tucci, David M.L. Marques (Orgs.), Avaliação e controle da drenagem urbana, Porto Alegre: Ed. Da Universidade, UFRGS, 2000, p. 271-276.

Menegat R., Porto M. L., Carrao C. C. (Org.), Atlas Ambiental de Porto Alegre, 3ª ed. Porto Alegre, Editora da Universidade/UFRGS, 2006.

Moura N.S.M., Dias T.S., Compartimentos de relevo do município de Porto Alegre, capital do estado do Rio Grande do Sul – Brasil. In: 12º Encontro de Geógrafos da América Latina, 2009. 12º Encontro de Geógrafos da América Latina. Montevideo, 2009. Disponível em http://www.ecologia.ufrgs.br/labgeo

Nogueira R.E., Cartografia: representação, comunicação e visualização de dados espaciais, 2.ed.rev. Florianópolis, Ed. da UFSC, 2008.

Porto Alegre, Prefeitura Municipal. Secretaria do Planejamento Municipal. Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano e Ambiental. Lei Complementar n. 434. Porto Alegre: PMPA/SPM, 1999.

Nogueira R. E., Departamento de Água e Esgoto. Plano Diretor de Água, 4ª ed. Porto Alegre: PMPA/DMAE, 2010.

Silveira I.C.T., Cloro e ozônio aplicados à desinfecção de efluente hospitalar tratado em contadores biológicos rotatórios, com avaliação de efeitos tóxicos em Daphnia similis. Porto Alegre, 2004. Tese (Doutorado em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental) – Instituto de Pesquisas Hidráulicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Quadro 1: Dados necessários para o mapa e suas respectivas representações gráficas
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8583/img-1.png
Fichier image/png, 15k
Titre Quadro 2: Etapas de elaboração do mapeamento
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8583/img-2.png
Fichier image/png, 7,5k
Titre  Figura 1: Distribuição dos postos de combustíveis em Porto Alegre
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8583/img-3.png
Fichier image/png, 197k
Titre Figura 2: Mapa estabelecido para a classificação da qualidade das águas
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8583/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 424k
Titre Figura 3: Elementos do ambiente considerados na legenda
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8583/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 92k
Titre Figura 4: Itens da degradação e preservação do ambiente
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8583/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Figura 5: Fenômenos atmosféricos presentes na zona central do município.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8583/img-7.png
Fichier image/png, 286k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Heloise Canal et Roberto Verdum, « Mapeamento ambiental integrado: município de Porto Alegre, RS », Confins [En ligne], 19 | 2013, mis en ligne le 16 novembre 2013, consulté le 26 mai 2017. URL : http://confins.revues.org/8583 ; DOI : 10.4000/confins.8583

Haut de page

Auteurs

Heloise Canal

Geógrafa pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)heloisecanal@gmail.com

Roberto Verdum

Professor Doutor no Departamento de Geografia/Instituto de Geociênciasverdum@ufrgs.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org