Navigation – Plan du site

As Lagoas Salitradas do Pantanal da Nhecolândia: um estudo da paisagem baseado no modelo GTP – Geossistema, Território e Paisagem

Les lagunes salpetrées du Pantanal de Nhecolândia : une étude du paysage basée sur le modèle GTP - Géosystème, Territoire et Paysage
Mauro Henrique Soares da Silva, Messias Modesto Dos Passos et Arnaldo Yoso Sakamoto

Résumés

La présente étude a pour objectif de réaliser une analyse du paysage du Pantanal Nhecolândia, avec pour but principal de comprendre les processus de formation et d’évolution des systèmes lacustres appelé “lagoas salitradas”, dans la perspective du modèle GTP : une proposition d’organisation théorico-méthodologique pour une analyse environnementale doublée d’une triade de concepts géographiques permettant ainsi d’approfondir les réflexions et corrélations entre les aspects physiques-naturels (Géosystème - G) socio-économiques (Territoire - T) et culturels (Paysage - P). La procédure suivante a été appliquée : la sélection d’un lac salitrada dans la region ; la collecte et l’analyse physico-chimique des sols de ce lac ; l’établissement de relevés topographiques ; la collecte et l’analyse phytosociologique de la végétation autour du lac ; l’analyse multitemporelle d’images ; des relevés de données agricoles de la région ; et, des entretiens semi-directifs avec les habitants du Pantanal de Nhecolândia. Dans le cas du lac salitrada Retiro Pedra do Sol, les différentes caractéristiques du couvert végétal associées aux variations de la pédomorphologie, et aux caractéristiques topographiques, ainsi qu’à la discontinuité de la végétation autour du lac (cordilheira), combiné à l’utilisation de cet environnement pour de l’élevage extensif ont contribué à l’entrée d’eau acide dans le lac. Le tout a des liens directs avec les systèmes contigus, modifiant ainsi les caractéristiques d’un système lacustre que nous pensons initialement alcalin. Une telle dynamique peut générer des conséquences dans toutes les unités de paysages du Pantanal da Nhecolândia, qui bien distinctes sont interconnectées.

Haut de page

Entrées d’index

Index de mots-clés :

géosystème, lac, territoire et paysage

Index géographique :

Mato Grosso do Sul, Nhecolândia, Pantanal

Índice de palavras-chaves :

geossistema, sistemas lacustres, território e paisagem
Haut de page

Texte intégral

1O Pantanal da Nhecolândia (Figura 1) é uma das sub-regiões do Pantanal, com uma área de 23.574 km² preenchidas por sedimentos arenosos finos depositados pelo rio Taquari no período Quaternário (Cunha, 1980).

2Considera-se imprescindível que se tenha o conhecimento aprofundado dos atributos físicos e suas dinâmicas de inter-relação na área do Pantanal da Nhecolândia. A economia dessa área é baseada nas atividades de criação extensiva de gado de corte em pastagens nativas e introduzidas, além do turismo, com intenso interesse de fazendeiros em buscar o fortalecimento destas atividades na área do Pantanal. As consequências desse processo de uso da área são demonstrados por Padovani et al. (2004) que, ao mapear o desmatamento no Pantanal até o ano de 2000, apontam para a Nhecolândia o maior índice registrado.

Figura 1 – Localização e compartimentação do Pantanal Mato-grossense

Figura 1 – Localização e compartimentação do Pantanal Mato-grossense

3De acordo com Bacani (2007) problemas relacionados às formas de uso do solo desta área já foram mencionados anteriormente por diversos ambientalistas, ressaltando que o Pantanal é pontuado por grandes fazendas esparsas e, à medida que se multiplicam as estradas de acesso à região, ocorrerá um forte risco de um sistemático ataque destruidor.

4Outras pesquisas, tais como Barbiero et. al. (2000), Silva et. al. (2003), Galvão et. al. (2003), Almeida et. al. (2003), Silva et. al. (2004), Rezende Filho (2006), Fernandes (2007) e Silva (2007) buscaram por meio da caracterização dos elementos constituintes da paisagem local, dar respostas sobre a presença dominante de lagoas nesta região, classificadas como lagoas doces ou baías (sistemas ácidos) e salinas (sistemas alcalinos) de acordo com o caráter químico que assumem as águas desses sistemas. Já Rezende Filho (2006), Silva (2007) e Santos (2008) apresentam informações que sugerem outra unidade constituinte da paisagem do Pantanal da Nhecolândia, até então não citada em outros trabalhos: um sistema lacustre localmente denominado de lagoa salitrada.

  • 1 De acordo com RADAMBRASIL (1982) as Cordilheiras são formas positivas de relevo, estreitas e alonga (...)

5De acordo com tais autores, uma lagoa salitrada se diferencia das outras lagoas salinas por não conter uma área de praia no seu entorno, apenas gramíneas, seguido de vegetação arbustiva e depois cordilheira1 que não a circunda completamente. Apresenta ainda índices de pH com alta variabilidade durante os períodos de sazonalidade anual, dinâmica que também a diferencia de um sistema lacustre ácido (baías).

6Por tais variações geoquímicas a paisagem materializada é o fator predominante de diferenciação entre os sistemas lacustres da Nhecolândia como mostra as figuras 2, 3 e 4.

Figura 2 - Salina do Meio: a) período de seca (10/2004), destacando a presença de aves e a floração de cianobactérias nas margens da lagoa. b) período de cheia (5/2007), destacando a presença do gado

Figura 2 - Salina do Meio: a) período de seca (10/2004), destacando a presença de aves e a floração de cianobactérias nas margens da lagoa. b) período de cheia (5/2007), destacando a presença do gado

(Foto: H. Quenol e Santos (2008)

Figura 3 - Salitrada Campo Dora. a) vista parcial da lagoa com pequena quantidade de água, destacando a presença de gramíneas em todo seu entorno, início do período de cheia (11/2006); b) vista parcial da lagoa no período de cheia (5/2007)

Figura 3 - Salitrada Campo Dora. a) vista parcial da lagoa com pequena quantidade de água, destacando a presença de gramíneas em todo seu entorno, início do período de cheia (11/2006); b) vista parcial da lagoa no período de cheia (5/2007)

Fonte: Santos (2008).

Figura 4 - Baía da Sede Nhumirim no período de seca (08/2006). a) vista parcial da lagoa, ao fundo a Sede da Fazenda Nhumirim; b) detalhe das margens da lagoa amplamente colonizadas por cana-do-brejo (Cana glauca L.) e outras plantas aquáticas e gramíneas

Figura 4 - Baía da Sede Nhumirim no período de seca (08/2006). a) vista parcial da lagoa, ao fundo a Sede da Fazenda Nhumirim; b) detalhe das margens da lagoa amplamente colonizadas por cana-do-brejo (Cana glauca L.) e outras plantas aquáticas e gramíneas

Fonte: Santos (2008)

7Essa pesquisa teve como objetivo geral compreender o processo de formação e evolução dos sistemas lacustres denominados localmente de “Salitradas” no Pantanal da Nhecolândia e sua importância e função na dinâmica sistêmica da paisagem regional.

8Especificamente, buscamos identificar no Pantanal da Nhecolândia a existência de sistemas lacustres com características que possibilitem classificá-las como lagoas salitradas, selecionando um alvo de estudo, caracterizando a pedomorfologia e a topografia; compreendendo a dinâmica hídrica local e regional; avaliando quais aspectos exógenos têm influencia direta e indiretamente na dinâmica processual evolutiva desses sistemas, e, identificando a importância cultural desses sistemas lacustres para os sujeitos constituintes na paisagem.

Do problema de método ao modelo GTP (Geossistema, Território, Paisagem)

9Inúmeras conceituações sobre paisagem se referem a interações dialéticas de elementos ditos físicos ou da natureza e os socialmente produzidos. Essa interação é concebida no tempo e no espaço e, resulta em uma organização visível que revela ou pode revelar a combinação invisível que tanto interessa na análise do espaço conferida à geografia.

Os entraves em relação a abordagem da paisagem em geografia está na aplicação do método para identificar e analisar tais interações dialéticas visíveis e invisíveis no tempo e no espaço, uma vez que, os estudos da paisagem acompanharam a dicotomia naturalista/humanista que tanto perseguiu e persegue a geografia nas últimas décadas.

10Remetidos cientificamente à Paisagem para a elaboração desta pesquisa, esclarecemos inicialmente que acreditamos que tal noção até então evoluída, permite uma perspectiva dialética muito favorável à totalidade buscada para as análises geográficas.

Essa lógica está pautada nas possibilidades de relações entre: os elementos de caráter temporo-espacial, evidenciando os movimentos existentes na paisagem; os de caráter constitutivo, inerente aos elementos físicos naturais e antropo-sociais que constitui a mesma; além de permitir também uma abordagem cultural com base na representação dos elementos de caráter perceptível da paisagem o que depende do olhar, do sujeito e da identidade para com a paisagem. (Figura 5)

Essa relação dialética revela ambiguidades essenciais para a compreensão da complexidade inerente à paisagem, tais como a revelação do visível e do invisível, do material e do imaterial, do objetivo e do subjetivo.

Figura 5 – Síntese da noção de paisagem em geografia de acordo com as concepções dos autores referenciais neste trabalho

Figura 5 – Síntese da noção de paisagem em geografia de acordo com as concepções dos autores referenciais neste trabalho

11Nesse sentido, recorremos a premissa teórica que dita ser preciso definir a configuração científica, as ferramentas epistemológicas, conceituais, metodológicas e tecnológicas, ou seja, um paradigma de hibridização entre a natureza e a sociedade.

Essa visão sugere a adoção do modelo GTP (Geossistema, Território, e Paisagem) como ferramenta basilar na análise do meio ambiente principalmente para uma área tão complexa como do Pantanal da Nhecolândia.

12Assim como afirmou Bertrand (2007), um conceito unívoco não é capaz de compreender a complexidade do meio ambiente. Desta forma, a tríade GTP (Geossitema – Território – Paisagem) se mostra como um conjunto de conceitos geográficos que se complementam, uma vez que ambos possuem em seu âmago substancial as premissas de captar, analisar e compreender a organização estabelecida no caos de inter-relação entre elementos antrópicos (econômicos, sociais e culturais) e os elementos da natureza.

13Para isso, assume-se a principal característica de cada um desses três conceitos: a ânsia do natural preconizada pelo geossistema, aqui, no entanto, sem ser naturalista; o resgate do antrópico, que constitui os preceitos de território, sem ser humanista; e a abordagem cultural pertinente a paisagem, sem ser substancialmente hermenêutico fenomenológico.

Por tanto, assumindo com cautela essas premissas referentes a cada um dos conceitos que constitui o GTP, pode ser possível estabelecer uma organização teórica metodológica dentro da ciência geográfica que consiga dar conta da complexidade inerente aos estudos do meio ambiente e desta forma alcançar o holismo tão esperado nas expectativas da comunidade geográfica.

Os Caminhos para o alcance do (in)visível na paisagem do Pantanal da Nhecolândia: procedimentos metodológicos e materiais

14Com base nos preceitos teóricos adotados, o planejamento metodológico foi organizado conforme o esquema apresentado na Figura 6.

Figura 6– Fluxograma Metodológico

Figura 6– Fluxograma Metodológico

15Em uma primeira sondagem exploratória no Pantanal da Nhecolândia, um sistema lacustre chamou a atenção por suas características tais como pH igual a 7.72, dimensões e estrutura fisiográfica, muito semelhante às características descrita por Rezende Filho (2006) e Silva (2007) para uma lagoa salitrada.

A referida lagoa apresenta diferenças fisiográficas marcantes entre os lados Norte e Sul. (Figura 7).

16No lado sul, além de existir uma área de praia evidente, apresenta na cordilheira uma considerável gama de palmeiras Carandá (copernicia alba), geralmente aglomerados em renques de vegetação, além da presença maciça de bromélias conhecidas como Caraguatás (Bromélia balansae Mez), dominando a vegetação baixa dentro da cordilheira.

17Já no lado oposto, a ausência de carandás chama a atenção em uma cobertura vegetal densamente arbórea, compostas por espécies tipicamente do Cerrado. A área de praia se apresenta mais estreita e inexpressiva, e a presença marcante de uma longa área de vegetação de gramínea alta e arbustos dominam a transição entre a área da lagoa e a cordilheira.

18Ressalta-se ainda que quando seca, a lagoa é tomada por vegetação de gramínea invasora que recobre quase toda sua superfície, sendo esta última característica, a que mais permite sua comparação com o sistema lacustre descrito por Rezende Filho (2006) e Silva (2007).

Figura 7 – Detalhes da paisagem da lagoa salitrada “Retiro Pedra do Sol”. 1) Vista total da área da lagoa; 2) lado Norte da lagoa evidenciando a cordilheira; 3) Lado Sul da lagoa dando destaque para os Carandás

Figura 7 – Detalhes da paisagem da lagoa salitrada “Retiro Pedra do Sol”. 1) Vista total da área da lagoa; 2) lado Norte da lagoa evidenciando a cordilheira; 3) Lado Sul da lagoa dando destaque para os Carandás

19A lagoa descrita, denominada lagoa “Salitrada Retiro Pedra do Sol”, está localizada dentro dos limites territoriais da Fazenda Firme, no Pantanal da Nhecolândia, sendo, portanto, o como alvo de estudos e levantamentos de dados referentes aos aspectos da natureza que compõem a paisagem.

Posteriormente, foi elaborada uma topossequência, de modo a possibilitar a coleta de amostras, bem como permitir a identificação da variação horizontal e vertical dos materiais encontrados no perfil do solo. Essa atividade foi baseada na metodologia de análise bidimensional proposta por Boulet (1988) e adaptada às condições do Pantanal por Sakamoto (1997).

20A topossequência possui 640 metros de extensão no sentido oeste-leste, composta por 18 tradagens, sendo 15 sequenciais e 3 intermediárias, além de uma trincheira de modo a identificar a variação horizontal e vertical no perfil do solo com mais acurácia.

Das amostras coletadas, 22 foram encaminhadas ao laboratório para análises físicas de granulometria de modo a facilitar as interpretações referentes à composição de cada camada, bem como a dinâmica hídrica no perfil.

21Além das análises físicas, foram encaminhadas 11 amostras de solos para análises químicas, com intuito de identificar os elementos e concentrações ao longo do perfil pedomorfológico.

22Por se tratar de uma área relativamente plana, com amplitudes quase que imperceptíveis à margem do visível, identificou-se a configuração topográfica local através da utilização de GPS de precisão, estabelecendo 102 pontos de coleta de dados topográficos em uma malha irregular no interior da lagoa.

Em seguida, através das curvas de níveis, foi elaborado um modelo tridimensional, de modo a melhor representar e analisar a dinâmica hídrica local e sua influência nos demais elementos que compõem a paisagem.

23Para a investidura na compreensão da estrutura da cobertura vegetal, optou-se pelo método dos inventários fitossociológicos aplicado à biogeografia: as fichas fitossociológicas e as pirâmides de vegetação, sendo estes “uma representação gráfica da estruturação vertical de uma formação vegetal qualquer” (PASSOS, 2003. p. 192).

Para análise multitemporal realizou-se o geoprocessamento de duas cenas de imagens Landsat TM5, órbita/ponto 226/73, em composição colorida 3b4g5r, uma datada de 16/09/1989 e outra de 06/08/2009.

24A seleção das imagens foi baseada na conjuntura histórica identificada para o Pantanal da Nhecolândia, sendo a década de 1980 muito significativa, no que diz respeito às mudanças de dinâmicas territoriais, e a imagem de 2009, para ter a representação de um espaço temporal de 20 anos exatos de análise.

25De modo a compreender as dinâmicas territoriais que influem ou podem influir direta ou inditeramente no alvo de estudo (Lagoa Salitrada), optou-se aqui pelo levantamento de dados referentes aos seguintes aspectos econômicos da dinâmica territorial do Município de Corumbá e da Nhecolândia:

  • Primeiras ocupações e histórico do Pantanal;

  • Evolução da pecuária no município de Corumbá MS;

  • Evolução da estrutura fundiária em Corumbá.

26Por fim, foram selecionamos homens e mulheres, habitantes da área estudada, como alvos colaboradores na empreitada em determinar a identidade, a relação, o conhecimento empírico e a observação perante as dinâmicas de formação e transformação da paisagem no Pantanal da Nhecolândia.

27Para essa etapa da pesquisa foram elaboradas 16 questões semi-dirigidas, que nortearam o diálogo com dez alvos colaboradores, de modo a extrairmos a maior quantidade de inferências e referências vividas, observadas e relatadas.

A Paisagem nasce quando um olhar cruza um território

28Pedomorfológicamente, a topossequencia elaborada na lagoa salitrada Retiro Pedra do Sol permitiu a identificação de cinco horizontes distintos e de transição abrupta no perfil do solo da lagoa, sendo eles: horizonte arenoso e claro, horizonte arenoso e escuro, horizonte orgânico, horizonte cinza esverdeado e uma camada de coloração marcadamente verde. (Figura 8).

Figura 8 – Perfil do Solo da Lagoa Salitrada Retiro Pedra do Sol

Figura 8 – Perfil do Solo da Lagoa Salitrada Retiro Pedra do Sol

29Tal sistema possui solos marcados por horizontes superficiais arenosos, com mudanças de texturas apenas em profundidade, em uma camada enrijecida denominada em campo como “laje”, a qual apresentou 50% de silte, dados que podemos aliar aos teores de matéria orgânica apresentados para esse horizonte, pois somente nesta camada os índice foram igual a 20g/dm3. No restante das amostras analisadas foram identificados teores de matéria orgânica inferiores a 10g/dm3.

30A principal diferença identificada no perfil do solo da lagoa Salitrada Retiro Pedra do Sol fica marcada na comparação entre os lados oeste e leste da topossequência.

31O potencial hidrogeniônico evidencia que o lado extremo leste possui índices que remetem à alcalinidade, enquanto o lado oeste, inclusive em profundidade, se apresenta ácido.

32Observa-se que a laje endurecida possui capacidade de adsorver nutrientes ao solo, devido aos teores de matéria orgânica. No caso da amostra da laje analisada do lado oeste da lagoa, ressaltamos o evidente acúmulo de fósforo, ferro, manganês e cobre, além de a matéria orgânica aparentemente dificultar a lavagem do magnésio, do cálcio e do potássio.

33Estes processos, não são observados em superfície, no lado leste, nem em profundidade e, também, em superfície no lado oeste - exceto para a referida amostra – o que mostra uma potencial lavagem dos solos dada à textura arenosa e consistência friável dessas regiões do perfil, além do déficit de matéria orgânica e potencial hidrogeniônico. Tal indicador é ainda mais nítido ao serem anunciados baixos índices no que conferem os resultados de SB (Soma de Bases), V (Saturação em Bases) e CTC (capacidade de Troca Catiônica) para o lado oeste – exceto, é claro, para a laje.

34Outra consideração importante a ser feita é a existência de um horizonte constituído por solo de cor esverdeada. Tal camada, denominada “camada verde”, apresentou pH entre 7.5 e 7.9, sobretudo no centro da topossequência, indicando alcalinidade ao referido horizonte. Entretanto, a camada verde não aparece no lado oeste da topossequência, na qual, como já descrito anteriormente, foi identificado apenas um material enrijecido, denominado “laje”, porém com índices de acidez.

35Destacamos que esse material esverdeado, constituinte do perfil do solo da lagoa estudada, já foi anteriormente identificado por outros pesquisadores, tais como Sakamoto (1997), Resende Filho (2006) e Silva (2007), em distintos ambientes no Pantanal da Nhecolândia.

36A esse horizonte foi conferida a responsabilidade pela manutenção dos sais em ambientes alcalinos, devido a fatores como dinâmica hídrica local e oscilação do lençol freático, perante o regime sazonal de cheias e secas na área estudada.

37Os dados de topografia revelaram áreas mais deprimidas no lado oeste da lagoa salitrada, o que, de acordo com as características de textura e consistência dos horizontes superficiais, permitem, neste lado, o acúmulo de matéria orgânica na laje endurecida em profundidade. Bem como, o acúmulo de sais nos horizontes subsuperficiais ao longo do perfil. (Figua 9)

Figura 9 – Relação solo e topografia local

Figura 9 – Relação solo e topografia local

38Sakamoto (1997) e Santos (2002) concordam na afirmação de que os sistemas lacustres alcalinos no Pantanal da Nhecolândia possuem uma gama de processos baseados na dinâmica hídrica, responsável pela manutenção da alcalinidade nesses sistemas.

39Ocorre no Pantanal da Nhecolândia a existência de dois períodos distintos: um período de descarga, que se inicia em maio e se estende até novembro, seguido de um período de recarga nos meses de dezembro a abril. Essa dinâmica aciona sazonalmente o poder de flutuação do lençol freático, possibilitando a ativação dos processos pedogenéticos decorrentes da percolação da água ao longo do perfil.

40A configuração pedomorfológica do lado oeste do perfil de solos da lagoa salitrada Retiro Pedra do Sol indica que os processos pedogenéticos que ocorrem atualmente no pedoambiente não são resultantes apenas da dinâmica de oscilação do lençol freático.

  • 2 Imagem disponibilizada gratuitamente pelo software online Google Earth

41Sobrepondo o modelo topográfico da área da lagoa em um recorte de imagem de satélite datada de setembro de 20102 para analisar as influências de áreas circunvizinhas com o sistema lacustre estudado, foram observados três elementos indicadores de uma possível ligação com sistemas coalescente: uma estrada para transporte de veículos, que atravessa a cordilheira no lado noroeste, cruza a margem da lagoa sentido sudeste; uma grande “falha” na cordilheira do lado leste, aparentemente ligando a salitrada com uma lagoa vizinha; e, duas aberturas, (“picadas”), destinadas a facilitar a entrada do gado para a tomada d’água, ambas na cordilheira norte.(figura 10)

Figura 10 – Visualização relação entre a topografia local da lagoa salitrada Retiro Pedra do Sol e Cordilhera

Figura 10 – Visualização relação entre a topografia local da lagoa salitrada Retiro Pedra do Sol e Cordilhera

42Das duas picadas observadas na cordilheira norte, a abertura localizada mais a noroeste, se conecta exatamente em uma das áreas deprimidas da lagoa, gerando questões referentes a tratar-se realmente de uma depressão natural do terreno ou provocada pelo pisoteio do gado.

43Interpreta-se, com isso, que a lagoa salitrada Retiro Pedra do Sol, possui um abastecimento oriundo de duas vias, sendo uma principal e outra secundária: a primeira refere-se a um abastecimento por subsuperfície através da ascensão da água do lençol freático enriquecida de sais micronutrientes, e, a segunda, superficial, dinamizada através da entrada de água ácida, ocasionalmente, por um ou mais corredores de coalescência.

44Esse fenômeno pode ser confirmado de acordo com as pesquisas de Sakamoto (1997) o qual afirma que as lagoas Salinas do Pantanal ocupam patamares topograficamente mais baixos que as baías, e possuem um gradiente topográfico de 2 a 3 metros entre os topos das cordilheiras e áreas de corpos d’água das lagoas.

45Na lagoa salitrada Retiro Pedra do sol, evidencia-se a solubilização dos sais, principalmente no lado oeste, impulsionado pelo acúmulo de água ácida por maior quantidade de tempo devido às depressões do relevo local, com cerca de 27 cm de profundidade.

46Esse processo de solubilização teve resposta, a reorganização do pedoambiente, seguida da transformação acentuada na paisagem.

47De acordo com Pott (2007) a resposta das plantas frente aos diferentes distúrbios, depende das adaptações morfológicas das plantas, concluindo que a intensidade e freqüência destes distúrbios podem causar modificações no ecossistema, como também, produzir ambientes favoráveis para a disseminação de plantas não desejáveis, consideradas invasoras.

48Para Pott (2007), mesmo dentro de uma formação homogênea, a princípio, há grandes variações na composição florística, em função de sutis diferenças em altura da lâmina d’água ou profundidade do lençol freático, tempo de residência da inundação, água parada ou corrente, origem fluvial ou pluvial, ou simplesmente distância do corpo d’água.

49No caso da lagoa Salitrada Retiro Pedra do Sol os dados de fitossociologia demostraram uma significativa diferenciação na estrutura da cordilheira que envolve a lagoa, sobretudo quanto aos lados Norte e Sul.

50Os dados apontaram para uma dinâmica pautada na regressão das espécies de porte baixo e progressão das espécies arbóreas no lado norte, sendo que o lado sul possui características estruturais e dinâmicas opostas.

51O lado noroeste apresenta vegetação arbórea densa, com espécies tipicamente encontradas em ambientes ácidos e, o lado sul-sudeste, uma cobertura composta por faixa de vegetação contendo como espécie arbórea dominante Copernicia Alba (Carandá), tipicamente encontradas em ambientes alcalinos.

52Além disso, é possível detectar uma diferenciação do porte da gramínea que se estende pelo interior da lagoa seca, com áreas de gramíneas mais altas, evidenciando as regiões topograficamente mais deprimidas da lagoa.

53Encontra-se ainda, duas áreas de vegetação invasora, uma herbácea e outra arbustiva, respectivamente encontradas no lado noroeste na borda da cordilheira e no lado extremo leste. (Figura 11)

Figura 11 – Feições da Paisagem da Lagoa Salitrada, de acordo com a cobertura vegetal

Figura 11 – Feições da Paisagem da Lagoa Salitrada, de acordo com a cobertura vegetal

A e B) borda cordilheira, lado norte da lagoa, constituída de vegetação arbórea em regeneração; C) borda da cordilheira, lado nordeste da lagoa, apresentando agrupamentos de Carandás; D) área leste da lagoa constituída de vegetação arbustiva invasora; E, F e G) borda sudeste da cordilheira, representando um cordão de vegetação isolado que se estende até sudoeste da lagoa, contendo renques de carandás e vegetação arbustiva semelhantes aos sistemas alcalinos preservados (Lagoas Salinas); H e I) vegetação de gramínea baixa distribuída pelo interior da lagoa seca destacando agrupamentos, contendo espécie de gramínea mais alta (localizadas em áreas mais deprimidas da lagoa); J, L e M) borda da cordilheira noroeste da lagoa, apresentando vegetação arbórea abundante e, em destaque na foto L, vegetação invasora herbácea alta.

54A organização da cobertura vegetal está diretamente relacionada aos processos de circulação e concentração da água, devido, primeiramente, aos fluxos hídricos superficiais, seguidos de concentração por maior tempo de permanência nas áreas mais deprimidas da lagoa e evaporação em períodos de descarga do lençol freático.

55Todos esses processos aliados à entrada de águas ácidas em período de recarga, descaracteriza um sistema lacustre, que acreditamos ter sido um ambiente alcalino em tempos pretéritos.

56Ao analisarmos a Figura 12 observamos uma acentuada circulação de águas provenientes de vazantes a norte da lagoa Salitrada Retiro Pedra do Sol.

57É possível perceber que a falha da cordilheira materializada no lado leste da lagoa, serve como entrada de água de uma baía vizinha no lado leste e outra maior a sul, as quais influenciadas pela dinâmica regional de cheia se conectam e suas águas defluem para dentro do sistema da lagoa salitrada aqui estudada.

58Outra importante observação é a possibilidade da entrada de água na abertura para tomada d’água do gado no lado noroeste da cordilheira, possivelmente influenciada pela pressão e invasão hídrica provenientes das vazantes a norte da lagoa.

59De acordo com Padovani (2010), o ano de 1988 constitui o máximo já registrado para o nível do rio Paraguai. As áreas de campos/pastagem servem de canal de escoamento dessas águas em períodos de cheias, assim como já relatado por diversos autores, tais camo Sakamoto (1997), Sakamoto et. al. (2004), Padovani (2010) dentre outros.

Figura 12 – Ligação da Lagoa Salitrada Retiro Pedra do Sol com sistemas Coalescentes

Figura 12 – Ligação da Lagoa Salitrada Retiro Pedra do Sol com sistemas Coalescentes

Imagem Landsat TM7, datada de 09/06/1988 (226/73 – 345/bgr)

O Pantanal da Nhecolândia: um meio ambiente territorializado.

60Refletimos, nesse momento, o quão diretamente o desmatamento da região influencia ou pode influenciar toda a área do Pantanal.

A retirada das matas de cordilheiras podem não só acelerar a dinâmica aqui já apresentada para os sistemas alcalinos, mas também afetar a dinâmica de outras unidades da paisagem do Pantanal da Nhecolândia, uma vez que, tais unidades são distintas, no entanto, interligadas dentro da dinâmica sistêmica particular da região, constituída, sobretudo, por fatores climáticos sazonais, topográficos e relacionados à dinâmica hídrica dos principais rios da região: Paraguai, Negro e Taquari.

61Neste contexto, Pott (2007) afirma que o desmatamento no Pantanal era incipiente, apenas para pequenas roças de subsistência como mandioca, até 1980, quando pastagens começaram a ser cultivadas em cordilheiras desmatadas. Cerca de 4% da vegetação lenhosa do Pantanal foi substituída por pastagens de Brachiaria, principalmente cerradão na parte leste das subregiões de Nhecolândia e Paiaguás, até 1991.

62Os dados agropecuarios destacaram três fatores importantes a serem aqui considerados de modo a aprofundar essas reflexões:

  • Foi detectada uma diminuição de 22,2% do número de cabeças de gado no município de Corumbá entre as décadas de 1970 e 1980, que passa a aumentar 8,8% até a décade de 2000.

  • A evolução do número de propriedades destinadas à pecuária no município passa sofre um aumento de 26%, também, a partir da década de 1980.

  • Ao mesmo tempo, a partir deste mesmo período, as áreas destinadas à pecuária, no município de Corumbá, revelou uma significativa diminuição de 18% até a década de 2000.

63De acordo com Padovani et al., (2004) o período de 1962 até 1974, é considerado como atípico, devido à intensidade da seca. Assim, a pecuária obteve recordes de produção devido à maior disponibilidade de pastagens nativas.

64Após 1974, houve um retorno do período de cheias plurianuais e uma drástica diminuição de efetivo bovino pantaneiro entre os anos de 1970 e 1980.

65Acreditamos que o pico de inundação do rio Paraguai na década de 1980, como evidenciado por Padovani (2010), justifica a diminuição da área para criação de gado nesse período, bem como a diminuição do número de bovinos.

66No entanto a informação de que o número de propriedades destinadas à pecuária no município vem aumentando a partir de 1980, sugere que está ocorrendo o desmembramento ou parcelamento dos grandes latifundios.

67Vale ainda salientar que se notou, durante as entrevistas, que os discursos de alguns entrevistados denunciam o atual sistema de desmembramento das fazendas por comercialização e/ou herança hereditária, gerando uma diminuição das parcelas de terra como principal característica da dinâmica fundiária atual do Pantanal da Nhecolândia.

“Essa fazenda aqui meu primo comprô. Os outros donos tão cortando as fazenda. Que nem alí na fazenda vizinha, tão cortando, já venderam metade dela porque esses dia tava no leilão, então eles vão comprando e aí vai dividindo” (Luis C., 33 anos de idade e 25 anos no Pantanal)

“as fazenda tão acabando tudo né, as fazendona grande tão vendendo tudo” (Augusto S., 47 anos de idade e 21 anos no Pantanal)

68Desta maneira, aliando essas reflexões à informação de que houve um potencial aumento de número de cabeças de bovinos em Corumbá, na década de 1990, relacionamos esse fato diretamente com a retirada de cordilheiras para substituição por pastagem nesse período, ja denunciado por Pott (2007).

69Com base nas atividades realizadas com as imagens de satélites (Figuras 13 e 14), foi observado que em 1989 existiam 327.367,7 ha da área ocupados por cordilheiras, o que significa 44% de todo o território da Baixa Nhecolândia constituído por vegetação arbórea densa.

70No ano de 2009, verificou-se para a Baixa Nhecolândia, uma diminuição das áreas ocupadas por cordilheiras. Apenas 265.071,4 ha estavam cobertos por vegetação arbória densa (cordilheira), o que representa 35,6% da área.

71Com relação à área de Campo/pastagem, em 1989, verificou-se que 33,9% da área era constituída de vegetação de gramínea natural e/ou introduzida, abrangendo, portanto, uma área de 251.709,4 ha.

72Ainda em 1989, apenas 2.8% da área da Baixa Nhecolândia eram ausentes de vegetação tendo 21.068 ha de terras constituído por solos nu.

73Em 2009, 49,6% da Baixa Nhecolândia é compreendido como área de campo/pastagem, o que significa uma área de 369.278,3 ha, e, 60.047,6 ha eram constituídos de solo nú, ou seja, 8.1% da área.

Figura 13 – Uso e Ocupação do solo do Pantanal da Nhecolândia em 1989

Figura 13 – Uso e Ocupação do solo do Pantanal da Nhecolândia em 1989

Figura 14 – Uso e Ocupação do solo do Pantanal da Nhecolândia em 2009

Figura 14 – Uso e Ocupação do solo do Pantanal da Nhecolândia em 2009

74Constatamos, portanto, que em 20 anos de ocupação do Pantanal da Baixa Nhecolândia foram retirados um total de 8,4% da cobertura vegetal arbórea densa o que configura um desmatamento significativo das cordilheiras da região.

75Padovani et. al. (2004) ao apresentar o percentual de área desmatada em relação à área de cada sub-região do Pantanal, para o ano 2000 ressalta que o Pantanal da Nhecolandia apresentou um ìndice de 10% do total de sua área desmatada.

76Fica claro, portanto que são estabelecidas estratégias de aproveitamento das áreas topograficamente mais elevadas no Pantanal (Cordilheiras), com o intuito de garantir a rentabilidade e produtividade da pecuária em uma região tão propícia para tal atividade econômica.

77Essa conjuntura é uma das principais responsáveis pela ativação e/ou aceleração dos processos envolvidos na dinâmica das paisagens do Pantanal da Nhecolândia, consequenciando na reorganização dos seus elementos constiuíntes e, contudo na formação e transformação dessas paisagens.

78Essa constatação é também percebida culturalmente pelo olhar do observador local, o Pantaneiro. Em alguns momentos das entrevistas, por exemplo, o entrevistado acentua a importância das cordilheiras para a existência das lagoas salinas:

“Se tirar as cordilheira a salina seca, sempre ela tem que ficar né, ficar uma cordilheira de mato pra preservar ela”. (Luis C., 33 anos de idade e 25 anos no Pantanal)

79Outro exemplo é a descaracterização das paisagens dos sistemas lacustres alcalinos (salinas) devido a uma dinâmica de evolução associada a fatores pedogenéticos, que transformam o pedoambiente local obrigando a adaptação e readaptação da cobertura vegetal, produzindo uma paisagem distinta denominada pelos habitantes locais de salitradas.

80Nesse caso, observou-se que alguns dos entrevistados demostraram uma não distinção ao pronunciarem uma lagoa pelo nome salina e salitrada, apontando, portanto, que a unidade de paisagem estudada é tão recente que não é percebida por todos os pantaneiros.

81Tal unidade é descrita e apresentada como uma salina descaracterizada e, que, dependendo do grau de descaracterização, passa a ser referida como salitrada por alguns pantaneiros, mas continua sendo chamada de salina por outros.

“E tem as salitradas que a água é salobra. Mais a salina é limpa, num tem vegetação dentro, num tem nada dentro dela, e, salitrada não, ela é cheia de mato no meio, de vegetação, ela num é como a salina bem salgada assim”. (Gilson O., 41 anos de idade e 31 anos no Pantanal)

“A salitrada é um pouquinho menos salgada que as salina né. Porque a salina num tem nem como outros animal entrá: peixe, jacaré, capivara… O pessoal chama de salitrada porque ela num é doce a água né. E, também num é tão salgada igual as salinas” (Augusto S., 47 anos de idade e 21 anos no Pantanal)

“A salitrada já é quase uma salina. Quando ela tem bastante água é diferente: tem uns tipo de vegetação que num tem nas salinas, entra mais animais. Quando ela começô a seca ela já fica grossa, bem salgada. Eu acho que o nome salitrada, é os próprio pantaneiro antigo que foi falando, passando pros outro e foi ficando. A gente aqui num fala nem lagoa, fala só salina, baía e salitrada.” (Quequé, 61 anos de idade e 20 anos no Pantanal)

82Acreditamos que se tal mudança acontece nesses ambientes alcalinos, podemos ampliar as consequências para as demais unidades de paisagens existentes do Pantanal da Nhecolândia, sobretudo na continuação de uma dinâmica de desmatamento e emprego de estratégias, para garantir a sustentabilidade da pecuária.

83Afirmamos, ainda, que nas entrevistas notamos que tal postura é muito vinculada aos novos proprietários de fazendas e pecuaristas do Pantanal da Nhecolândia.

84Salis e Crispim (1999) denunciam que os novos pecuaristas, ignorando o valor cultural e ambiental do Pantanal, impõem estratégias de aumento da produção, que provocam alteração do meio, gerando possíveis impactos de consequências negativas em longo prazo. De acordo com esses autores, a pressão do desmatamento para implantação de pastagens plantadas tem afetado, principalmente, as fitofisionomias arbóreas do Pantanal.

85As entrevistas também confirmaram essas idéias:

“Ah!...acho que ta piorando porque as pessoas tão dismatando né…já entrou um monte de pessoal de São Paulo, Campo Grandi aqui…e tão dismatando né..Os fazendeiros de antigamente nem gostava que botava fogo...eles até queimava, mais num gostava que derrubava a mata…Hoje, ta proibido queima….e tão desmatando pra cria gado….Vai dirrubando, dirrubando…então, ta mudando o pantanal ..caba secando tudo onde desmata caba secando tudim né.” (Hermínio E., 80 anos de idade e 80 anos no Pantanal)

86Os resultados mostraram uma proximidade e concientização do homem pantaneiro perante a importância ambiental da área e dos elementos da paisagem e, portanto, é necessário discutir projetos voltados para conscientização do proprietário das fazendas, criador de gado, causador do desmatamento, amenizando assim os impactos, e contribuindo para o barramento do conflito cultural percebido na relação entre o pantaneiro e o proprietário no Pantanal da Nhecolândia.

“Agente morava na outra fazenda aí os dono antigo faleceu e ficou os novo, os filho né, e eles é muito cum nóis aqui, até hoje. Aqui é nosso, isso tudo foi deles e o pai deles que deu pra nóis. Porque os patrão antigo, quando tinha os peão véi antigo, sempre ajudava, dava um campo, um gado, em tudo eles ajudava. Como meu pai era peão véi antigo eles deu esse parte aqui pra ele, era uma envernada que ele punha o gado pra tirá produção, aí termino que ele deu pro meu pai” (Hermínio E., 80 anos de idade e 80 anos no Pantanal)

Atualmente percebe-se uma realidade diferente, o peão Pantaneiro passa a avaliar as trasformações da paisagem do Pantanal e atribuir responsábilidade àqueles antes tidos como detentores do saber e do poder.

 “Tem que melhorar a convivência dos Patrão com os funcionário: melhora no salário, na qualidade de vida melhor, de saúde melhor. Tem pião de fazenda aí que tem filho que criô e ta trabalhando pro patrão dele. Num tem estudo. É isso que eles qué. Porque o cabra num conhece nada, num vai reclamar muito, num sabe ler, num sabi nada.Vandir (54 anos de idade e 29 no Pantanal)

Conclusão

87Com relação ao Pantanal da Nhecolândia os dados da pesquisa permitiram a afirmação de tratar-se de um sistema frágil e muito vulnerável às interferências decorrentes do processo histórico de uso e ocupação, sobretudo da intensificação desse processo nas últimas décadas.

88As lagoas salinas da região podem estar sofrendo mutações devido à entrada de águas ácidas, transformando um ambiente anteriormente alcalino em uma nova unidade de paisagem, com características que sugerem uma transição entre sistemas lacustres alcalinos (salinas) e sistemas ácidos (baías), denominadas localmente de “Salitradas”.

89No caso da Lagoa Salitrada estudada, afirmamos que as diferentes feições da cobertura vegetal aliadas à organização pedomorfológicas e as características topográficas internas, além da descontinuidade da cordilheira, relacionadas ao uso desse ambiente contribuíram para a entrada de água ácida na área através de ligações diretas com sistemas coalescentes.

90Essa dinâmica resultou na ativação de processos pedogenéticos que descaracterizaram o pedoambiente alcalino, obrigando a uma dinâmica de adaptação e readaptação das espécies vegetais.

91O aumento do desmatamento e da substituição da cobertura vegetal por pastagens introduzidas, processo esse que materializa as estratégias dos pecuaristas, sobretudo os novos, está influenciando diretamente uma dinâmica de reorganização dos elementos que constitui as paisagens do Pantanal da Nhecolândia.

92Evidenciamos que os trabalhadores rurais habitantes da região por mais de 20 anos – os Pantaneiros - demonstraram uma conscientização e relação íntima perante a importância ambiental da área e dos elementos da paisagem.

93Atestamos, contudo, a necessidade de discutir projetos voltados para conscientização, sobretudo dos proprietários das fazendas, pecuaristas ativos, muitas vezes causadores do desmatamento.

94É necessidade, portanto, cautela, através de planejamento, aplicação e fiscalização das legislações vigentes, além da elaboração de novas legislações com base nas limitações impostas pelas características físico-naturais e, acima de tudo, culturais manifestadas no Pantanal da Nhecolândia.

95Acreditamos que o sucesso da utilização de tal modelo como perspectiva neste trabalho, manifesta um avanço epistemológico na geografia física, sobretudo para as pesquisas no Pantanal, resolvendo os problemas de enfoques pautados em um conceito unívoco que muitas vezes não aproxima da visão totalizadora exigida para as pesquisas ambientais desenvolvidas na geografia contemporânea.

Haut de page

Bibliographie

Adámoli J., Diagnósticos do Pantanal: Características ecológicas e problemas ambientais, Brasília: PNMA, 1995.

Almeida T.I.R., Sígolo J.B., Fernandes E., Queiroz Neto, J.P., Barbiero L., Sakamoto A.Y., “Proposta de Classificação e Gênese das Lagoas da Baixa Nhecolândia-MS com Base em Sensoriamento Remoto e Dados de Campo”, Revista de Geociências, Volume 33, 2003.

Bacani V.M., Sensoriamento Remoto Aplicado à Análise Evolutiva do uso e ocupação do solo no Pantanal da Nhecolândia (MS): o exemplo da fazenda firme, Dissertação de Mestrado (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Aquidauana, 2007.

Barbiéro L., QueirozNeto J.P., Sakamoto A.Y., “Características Geoquímicas dos Solos Relacionados á Organização Pedológica e á Circulação da água Fazenda Nhumirim da EMBRAPA Pantanal, MS.”, In Simpósio Sobre Recursos Naturais E Sócio-Econômicos Do Pantanal, Manejo E Conservação, 3, Corumbá, 2000.

Bertrand C. e Bertrand G., Uma Geografia Transversal e de Travessias: o meio ambiente através dos territórios e das temporalidades, M. M. Passos (Tradução e organização), Maringá, Ed. Massoni, 2007.

Boulet R., “Análise Estrutural da cobertura pedológica e cartográfica”, In Congresso Brasileiro de Ciência do Solo, 1, Campinas, 1988.

Cunha N.G., Considerações sobre os solos da sub-região da Nhecolândia, Pantanal Mato-Grossense, (Circular técnico, 1), Corumbá, 1980.

Fernandes E., Organização espacial dos componentes da paisagem regional da Baixa Nhecolândia - Pantanal de Mato Grosso do Sul, Tese de Doutorado (Doutorado em Geografia Física) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

Galvão L.S., PereiraFilho W., Abdon M.M., Novo E.M.L.M., Silva J.S.V.E, Ponzoni F.J., “Spectral reflectance characterization of shallow lakes from the Brazilian Pantanal wetlands with field and airborne hyperspectral data”, International Journal of Remote Sensing, v.24, n.21, 2003.

Luchese E. Be., Favero L.O.B., Lenzi E., Fundamentos de Química do Solo, Rio de Janeiro, Freitas Bastos, 2002

Padovani C.A., Dinâmica Espaço-Temporal das Inundações do Pantanal, Tese de Doutorado (Doutorado em Ecologia Aplicada). Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Centro de Energia Nuclear na Agricultura, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2010.

Padovani R.C., Cruz M.L.L., Padovani S.L.A.G., “Desmatamento do Pantanal Brasileiro Para o Ano 2000”, In Simpósio Sobre Recursos Naturais E Sócioeconômicos Do Pantanal, Sustentabilidade Regional, 4. Corumbá, 2004.

Passos M.M., Biogeografia e Paisagem, Presidente Prudente, Edição do Autor, 2003, 2ª edição, 264p.

Pott A., “Dinâmica da Vegetação do Pantanal”, In Congresso de ecologia do Brasil, 2, Caxambú-MG, 2007.

Radambrasil, Ministério das Minas e Energia. Secretaria Geral. Folha SE. 21 Corumbá e parte da Folha SE. 20, Geologia, Pedologia, Geomorfologia, Vegetação e Uso e Ocupação da Terra. Vol. 27, Rio de Janeiro, 1982.

ResendeFilho A.T., Estudo da Variabilidade e Espacialização das Unidades da Paisagem: banhado (baía/vazande), lagoa salina e lagoa salitrada no Pantanal da Nhecolândia, MS, Dissertação de Mestrado (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Aquidauana, 2006.

Sakamoto A.Y., Dinâmica Hídrica em uma Lagoa “Salina” e seu Entorno no Pantanal da Nhecolândia: Contribuição ao Estudo das Relações Entre o Meio Físico e a Ocupação, Fazenda São Miguel do Firme, MS, Tese de Doutorado (Doutorado em Geografia Física) – Universidade de São Paulo 1997.

Sakamoto A.Y., SalviSakamoto L.L., QueirozNeto J.P., Barbiero L., “Abordagem metodológica para o estudo de lagoas e salinas do Pantanal da Nhecolândia, MS: fazenda São Miguel do Firme”, In Simpósio Sobre Recursos Naturais E Sócioeconômicos Do Pantanal, Sustentabilidade Regional, 4. Corumbá, 2004.

Salis S.M. e Crispim S.M., “Fitossociologia de quatro fitofisionomias arbóreas no Pantanal da Nhecolândia, Corumbá, MS”, In Congresso Nacional De Botanica, 50, Blumenau, 1999.

Santos K.R.S., Biodiversidade de Algas e Cianobactérias de Três Lagoas (“Salina”, “Salitrada” e “Baía”) do Pantanal da Nhecolândia, MS, Brasil, Dissertação de Mestrado (Mestrado em Ecologia) - Instituto de Botânica da Secretaria de Estado do Meio Ambiente, São Paulo, 2008.

Silva M.H.S, Subsídios para a Compreensão dos Processos Pedogenéticos da Lagoa Salitrada: Pantanal da Nhecolândia, MS, Dissertação de Mestrado (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Aquidauana, 2007.

Silva M.H.S., Estudo da organização da morfologia dos solos em lagoas salinas no Pantanal da Nhecolândia, MS, Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Geografia) – Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Três Lagoas, 2004.

Silva M.H.S. e Sakamoto A.Y., “Estudos pedomorfológicos em lagoas Salinas, Pantanal da Nhecolândia, MS”, In Encontro da ANPEGE, 6, Fortaleza, 2005.

White Robert E., Princípios e Práticas da Ciência do Solo: o solo como um recurso natural, 4ª edição, Organização Andrei Editora LTDA, São Paulo, 2009.

Haut de page

Notes

1 De acordo com RADAMBRASIL (1982) as Cordilheiras são formas positivas de relevo, estreitas e alongadas, ligeiramente mais elevadas na paisagem geral da planície. Possui uma cobertura vegetal constituída de Cerrado e Cerradão sobre solos predominantemente arenosos.

2 Imagem disponibilizada gratuitamente pelo software online Google Earth

Haut de page

Table des illustrations

Titre Figura 1 – Localização e compartimentação do Pantanal Mato-grossense
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8614/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 184k
Titre Figura 2 - Salina do Meio: a) período de seca (10/2004), destacando a presença de aves e a floração de cianobactérias nas margens da lagoa. b) período de cheia (5/2007), destacando a presença do gado
Crédits (Foto: H. Quenol e Santos (2008)
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8614/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Figura 3 - Salitrada Campo Dora. a) vista parcial da lagoa com pequena quantidade de água, destacando a presença de gramíneas em todo seu entorno, início do período de cheia (11/2006); b) vista parcial da lagoa no período de cheia (5/2007)
Crédits Fonte: Santos (2008).
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8614/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 48k
Titre Figura 4 - Baía da Sede Nhumirim no período de seca (08/2006). a) vista parcial da lagoa, ao fundo a Sede da Fazenda Nhumirim; b) detalhe das margens da lagoa amplamente colonizadas por cana-do-brejo (Cana glauca L.) e outras plantas aquáticas e gramíneas
Crédits Fonte: Santos (2008)
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8614/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre Figura 5 – Síntese da noção de paisagem em geografia de acordo com as concepções dos autores referenciais neste trabalho
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8614/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Figura 6– Fluxograma Metodológico
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8614/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Figura 7 – Detalhes da paisagem da lagoa salitrada “Retiro Pedra do Sol”. 1) Vista total da área da lagoa; 2) lado Norte da lagoa evidenciando a cordilheira; 3) Lado Sul da lagoa dando destaque para os Carandás
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8614/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 112k
Titre Figura 8 – Perfil do Solo da Lagoa Salitrada Retiro Pedra do Sol
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8614/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre Figura 9 – Relação solo e topografia local
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8614/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 52k
Titre Figura 10 – Visualização relação entre a topografia local da lagoa salitrada Retiro Pedra do Sol e Cordilhera
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8614/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 128k
Titre Figura 11 – Feições da Paisagem da Lagoa Salitrada, de acordo com a cobertura vegetal
Crédits A e B) borda cordilheira, lado norte da lagoa, constituída de vegetação arbórea em regeneração; C) borda da cordilheira, lado nordeste da lagoa, apresentando agrupamentos de Carandás; D) área leste da lagoa constituída de vegetação arbustiva invasora; E, F e G) borda sudeste da cordilheira, representando um cordão de vegetação isolado que se estende até sudoeste da lagoa, contendo renques de carandás e vegetação arbustiva semelhantes aos sistemas alcalinos preservados (Lagoas Salinas); H e I) vegetação de gramínea baixa distribuída pelo interior da lagoa seca destacando agrupamentos, contendo espécie de gramínea mais alta (localizadas em áreas mais deprimidas da lagoa); J, L e M) borda da cordilheira noroeste da lagoa, apresentando vegetação arbórea abundante e, em destaque na foto L, vegetação invasora herbácea alta.
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8614/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 172k
Titre Figura 12 – Ligação da Lagoa Salitrada Retiro Pedra do Sol com sistemas Coalescentes
Crédits Imagem Landsat TM7, datada de 09/06/1988 (226/73 – 345/bgr)
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8614/img-12.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
Titre Figura 13 – Uso e Ocupação do solo do Pantanal da Nhecolândia em 1989
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8614/img-13.jpg
Fichier image/jpeg, 128k
Titre Figura 14 – Uso e Ocupação do solo do Pantanal da Nhecolândia em 2009
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8614/img-14.jpg
Fichier image/jpeg, 119k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Mauro Henrique Soares da Silva, Messias Modesto Dos Passos et Arnaldo Yoso Sakamoto, « As Lagoas Salitradas do Pantanal da Nhecolândia: um estudo da paisagem baseado no modelo GTP – Geossistema, Território e Paisagem », Confins [En ligne], 19 | 2013, mis en ligne le 18 novembre 2013, consulté le 27 mai 2017. URL : http://confins.revues.org/8614 ; DOI : 10.4000/confins.8614

Haut de page

Auteurs

Mauro Henrique Soares da Silva

Universidade Anhanguera UNIDERP - Campo Grande MS, Professor do Programa de Pós Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional da Universidade, mh_soares@yahoo.com.br

Messias Modesto Dos Passos

CT/UNESP - Presidente Prudente SP, Professor do Programa de Pós Graduação em Geografiammpassos86@gmail.com

Articles du même auteur

Arnaldo Yoso Sakamoto

UFMS/CPTL - Três Lagoas MS, Professor do Programa de Pós Graduação em Geografiaarnaldosakamto@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org