Navigation – Plan du site
Resenhas

La troisième révolution industrielle

Rafael Oliveira Fonseca
Référence(s) :

Éditions Les Liens qui libèrent, 414 414 p.,

Texte intégral

  • 1  RIFKIN, Jeremy. O Fim dos Empregos: o declínio inevitável dos níveis dos empregos e a redução da f (...)
  • 2  RIFKIN, Jeremy. A Era do Acesso. São Paulo: Makron Books, 2001.
  • 3  RIFKIN, Jeremy. A Economia do Hidrogênio. São Paulo: Makron Books, 2003.
  • 4  RIFKIN, Jeremy. O Sonho Europeu: como a visão europeia do futuro vem eclipsando silenciosamente o (...)
  • 5  RIFKIN, Jeremy. The Empathic Civilization: the race to global consciousness in a world in crisis. (...)

1Jeremy Rifkin é um economista estadunidense, presidente da Foundation on Economic Trends e autor de vários títulos populares (best-sellers) que abordam o impacto das mudanças científicas e tecnológicas sobre a economia, a sociedade, a mão de obra e o meio ambiente, como por exemplo: O Fim dos Empregos (1995)1, A Era do Acesso (2001)2, A Economia do Hidrogênio (2003)3, O Sonho Europeu (2004)4, The Empathic Civilization (2010)5, e recentemente A Terceira Revolução Industrial (2012).

2Atua em questões relacionadas à economia, as alterações climáticas e a segurança energética, aconselhando atualmente a Comissão Europeia, o Parlamento Europeu, e vários chefes de Estado da União Europeia, bem como de outros países do mundo.

3A Terceira Revolução Industrial, seu livro mais recente, parte da ideia que nossa civilização perpassa por um momento crucial no que diz respeito à questão energética, onde toda a infraestrutura industrial baseada em combustíveis fósseis está em decadência, não só pelo acesso cada vez mais oneroso a sua matriz energética, mas também por contribuir para uma conjuntura que envolve a degradação do meio ambiente (no contexto das mudanças climáticas), do pleno emprego e da qualidade de vida da sociedade de forma geral.

4Nesse sentido, o autor destaca que seria cada vez mais evidente a demanda por uma nova lógica econômica capaz de prover um futuro mais igualitário, democrático e sustentável. Essa nova lógica depende de um novo paradigma que possibilite nossa civilização ingressar em uma era pós-carbono, assinalando que as grandes revoluções econômicas da história ocorreram quando houve a convergência de novas tecnologias de comunicação com novos sistemas de energia.

5Na primeira revolução industrial, houve a junção da tecnologia do vapor com a impressão, dessa maneira a indústria gráfica se tornou uma importante base para difusão dos meios de comunicação e de alfabetização em massa, contribuindo para a expansão das escolas públicas que acabaram por gerar uma mão de obra cada vez mais qualificada, sobretudo por ser alfabetizada, garantindo maior produtividade para as operações de uma economia verticalizada baseada na ferrovia e nas grandes fábricas impulsionadas pelo vapor.

6Da mesma maneira, na segunda revolução industrial, ocorre a convergência da comunicação elétrica (telefonia, rádio e posteriormente TV) com os motores a combustão, propiciando a introdução e propagação dos veículos automotores particulares em escala (como o lendário Ford Ford T) e de uma extensa rede de telecomunicações que permitia à gestão de atividades econômicas à distância com maior eficácia. Com isso, se tornou cada vez mais dispersas a relação espaço-temporal do cotidiano, bem como o modo de vida da sociedade se modificou rapidamente.

7Assim, como ocorrera no passado, para o autor nós estamos atualmente às vésperas de uma nova convergência que resultará na terceira revolução industrial, através da junção da comunicação baseada na Internet (redes) e na produção e utilização de energias renováveis descentralizadas (produzidas por milhões de indivíduos, instituições, companhias em seus próprios imóveis) e conectadas a partir de uma rede inteligente de eletricidade, exatamente como na atualidade se cria e se compartilha informações na Internet.

8Essa “democratização” energética acarretará em uma reestruturação fundamental das relações humanas, com grandes impactos econômicos, políticos, sociais que irá reorientar a sociedade como um todo, contribuindo para renovação das infraestruturas e da economia para um caráter mais cooperativo e descentralizado, promovendo a expansão do que o autor denomina de poder lateral em detrimento do poder vertical e hierárquico atual.

9Em sua obra Rifkin faz questão de destacar continuamente dois pontos: primeiro, a União Europeia é o território onde a concepção da necessidade de transição da era do carbono para uma era de sustentabilidade econômica está mais desenvolvida, inclusive com políticas em vigor visando resultados prontamente nas próximas décadas; segundo, ao contrário, seu país natal (EUA) ainda acredita que a era do carbono perdurará, pois a maioria não crê em grandes mudanças climáticas ou alterações paradigmáticas na economia nas próximas décadas. Assinala que os EUA parece não querer admitir e pagar a conta pelo seu desenvolvimento prévio, e parece se sentir confortável por estar entre dois dos maiores países produtores de petróleo do mundo, Canadá e México.

10Visando explorar as ideias acerca da terceira revolução industrial e suas possibilidades, o autor desmembrou sua obra em três partes denominadas: (1) A terceira revolução industrial, (2) O poder lateral e (3) A era da cooperação.

11Na primeira parte, a princípio, o autor aborda as várias crises econômicas do século século xx, destacando a crise da década de 1970 (vinculada ao petróleo), o crescimento da questão ambiental nos últimos 50 anos, além da recente crise do século atual iniciada em 2008. Considera que todas são repletas de explicações e exploram soluções, sobretudo de curto prazo, quando na realidade, para Rifkin, está em vigor uma crise econômica que ninguém nunca viu, que seria de fato a falência do modelo da segunda revolução industrial, baseado no petróleo e outros combustíveis fósseis, bem como em uma organização de poder hierárquica e verticalizada.

12Destaca que essa crise é evidente a tal ponto, que até mesmo países do Oriente Médio, extremamente ricos em petróleo, estão investindo seus vultosos recursos em outros setores visando desvincular gradativamente a dependência de suas economias da indústria petrolífera, com destaque para Emirados Árabes Unidos, Catar e Bahrein.

13Nesse mérito, o autor propõe uma “nova história” para o futuro próximo, tendo como base cinco pilares para o seu modelo da terceira revolução industrial, sendo: (1) a transição do uso das energias fósseis para as energias renováveis; (2) a transformação dos imóveis em um conjunto de microusinas energéticas coletoras e distribuidoras de energias renováveis; (3) o emprego de tecnologias vinculadas ao hidrogênio e outras técnicas de armazenamento para estocar as energias renováveis intermitentes; (4) a utilização da tecnologia da Internet para transformar a rede elétrica em uma rede compartilhada e inteligente (como é o compartilhamento da informação na Internet na atualidade), em um contexto onde milhões de imóveis produzirão energia localmente partilhando-a inclusive entre os continentes, podendo, se for o caso, vender o excedente ou comprar o déficit para completar sua demanda; (5) a mudança dos meios de transportes para veículos elétricos recarregáveis ou a célula de combustíveis (hidrogênio, por exemplo), capazes de compartilhar energia na rede elétrica inteligente.

  • 6  O Conselho da União Europeia adotou esse pacote em  2008 com o objetivo de reduzir até o ano de 20 (...)

14Esses cinco pilares formam um sistema que o autor explica, no decorrer dessa primeira parte do livro, com o objetivo de destacar como cada pilar pode funcionar para que esse conjunto possa ser viabilizando com êxito, citando quase sempre exemplos na Europa e medidas adotadas pela União Europeia e por grandes corporações privadas visando o ingresso nessa “nova era”, como por exemplo, o Pacote europeu clima-energia “20-20-20 até 2020”6.

15No final dessa primeira parte o autor busca passar da teoria à prática, assinalando a atuação de grandes corporações que estão interessadas nessa transição para a era pós-carbono e relatando alguns pontos das negociações dos planos de San Antonio/EUA, Roma/Itália, Principado de Mônaco e Utrecht/Holanda, que buscam promover a terceira revolução industrial em seus territórios.

16A segunda parte do livro busca reforçar a ideia da expansão de um poder lateral e descentralizado em detrimento do poder vertical, hierárquico e centralizado característico da segunda revolução industrial. Uma das bases dessa mudança está atrelada ao fato de que historicamente o domínio energético tende a ser fonte de poder, com a democratização das energias renováveis, disponíveis em todos os territórios ao contrário dos combustíveis fósseis, haverá uma mudança profunda na forma como a vida humana se organiza, por isso ingressaremos em uma era  que o capitalismo será um sistema caracterizado cada vez mais pelo compartilhamento.

17Para reforçar sua ideia, Rifkin demonstra a decadência, sobretudo nos EUA, da velha elite vinculada à energia e ao poder, bem como a ascensão da economia cooperativa e dos empreendedores sociais, destacando, por exemplo, ações coletivas como o desenvolvimento do Linux, dos sites KIVA, Etsy, Wikipédia, Carsharing e Couchsurfing, cooperativas agropecuárias,  e os bancos de empréstimos populares.

18Outro ponto assinalado pelo autor que rompe com o poder vertical e centralizado, é o fato de que na atualidade a maior parte nova geração não é vinculada a ideologias do passado. Observa-se que a maioria das pessoas com menos de 25 anos, são indivíduos interconectados e flexíveis às mudanças, que se estruturam menos, por exemplo, em termos de “direita” e “esquerda”, e que buscam um nível de “compartilhamento cooperativo”, e isso alterará radicalmente a política do século século xxi.

19Na parte final desse segundo trecho, o autor aborda a “continentalização” em detrimento da mundialização, ressaltando que o compartilhamento de informações e energia vai promover cada vez mais a aproximação dos mercados continentais a tal ponto que retornaremos à Pangeia, destacando planos para ligações continentais físicas a partir de túneis entre Espanha e Marrocos (Estreito de Gibraltar), e EUA e Rússia (Estreito de Bering).

20 Reforça que apesar da visão estadunidense aparentemente cética quanto ao fim da era do carbono, as ideais acerca da terceira revolução industrial se espalham rapidamente pela Ásia, África e América Latina e pode ser que vários países desses continentes se espelhem nas medidas que estão sendo implantadas pela União Europeia e sigam na mesma direção.

21Nesse sentido, o autor revela alguns pontos, principalmente no que diz respeito a questão energética, dos principais blocos e acordos continentais do mundo, como: União Europeia, Asean, União Africana, Unasul, Nafta, além de alguns acordos entre Estados/Províncias canadenses e estadunidenses.

22Rifkin se refere ao Brasil como um grande utilizador de energias renováveis destacando as usinas hidrelétricas e o etanol, mas questiona qual será a escolha do país em relação sua política energética futura, dado que houve recentemente a descoberta de imensas reserva petrolíferas na costa brasileira.

23Na terceira e última parte de seu livro, o autor primeiramente assinala que os princípios econômicos clássicos (de Adam Smith, por exemplo), perdem totalmente sua pertinência no contexto da terceira revolução industrial, pois gradativamente a propriedade, elemento crucial do capitalismo, perderá sua importância e à necessidade dos indivíduos será menos “ter” e mais “ser”, por isso as aspirações estarão voltadas a necessidades dos indivíduos de estarem conectados a sociedade futura.

24Dessa forma, as características humanas do egoísmo e da competição perderá espaço para a necessidade de cooperação e compartilhamento, será uma mudança que irá afetar diretamente o funcionamento do sistema econômico atual e a forma de organização social, pois haverá uma passagem gradativa de uma relação vendedor-comprador para fornecedor-usuário. Automóveis, imóveis de férias, bicicletas, produtos de luxo, ferramentas, e outros bens hoje considerados pessoais, serão cada vez inseridos em uma relação comercial de compartilhamento.

25A sociedade futura irá expandir ainda mais a noção de responsabilidade mútua entre os seres humanos, a busca pela qualidade de vida coletiva, conectada e cooperada será uma consequência natural. O autor busca analisar nessa parte algumas tendências para a educação nesse contexto, considerando que o modelo atual de ensino hierárquico baseado na geração de mão de obra a partir da competição e da concorrência entre os alunos irá ceder espaço para um ensino menos hierárquico e baseado em uma aprendizagem cooperativa e empática a partir de experiências e desenvolvimentos coletivos.

26O autor assinala que a terceira revolução industrial promoverá na verdade uma passagem de uma era industrial para uma era cooperativa, por isso mais do nunca repensar o trabalho humano será necessário.  Os avanços tecnológicos das últimas décadas vêm promovendo, ao mesmo tempo, o aumento da produtividade e do desemprego em todo o mundo, nessa perspectiva o que se verifica na atualidade é o aumento da participação e da importância do terceiro setor, tanto na geração de empregos como na contribuição para o PIB dos principais países do mundo.

27Nessa análise, para Rifkin em uma sociedade onde o poder lateral será a base da organização do mundo, o terceiro setor tenderá a se expandir e ampliará sua participação na economia como um todo.

28Por fim, o encerramento do livro destaca que a terceira revolução industrial é uma oportunidade para que todos os países e indivíduos que foram praticamente excluídos das duas primeiras revoluções se insiram com maior qualidade de vida e dignidade na sociedade, e que somente atuando com objetivos coletivos será possível gerenciar nosso planeta para as gerações futuras.

29Consideramos que a obra possui uma leitura fluída e elaborada para o público em geral, até mesmo porque o autor atinge leitores de todos os níveis por ter escrito vários best-sellers, e nos traz a tona questões importantes que envolvem a crise no presente do capitalismo e da sociedade de forma geral e as possibilidades para o futuro próximo.

30 Por outro lado, o autor é um economista que atua como um “consultor” e não como um intelectual da academia, e na leitura de seu livro observamos que suas propostas e ideias se apresentam como um fato e poucas vezes como possibilidades, em alguns momentos o autor parece vender a necessidade iminente de seus cinco pilares como uma receita infalível para o futuro próximo.

31Rifkin possui argumentos coerentes para justificar a falência do sistema baseado nos combustíveis fósseis bem como para demonstrar que um novo caminho precisa e parece estar sendo trilhado, sobretudo pela União Europeia. Defende um sistema compostos por cinco pilares que se apresentam de forma coerente, que provavelmente acarretaria em resultados positivos, pois eliminaria grandes problemas do atual modelo baseado nos combustíveis fósseis, mas que talvez esteja longe de ser a solução para maior parte dos problemas econômicos e socioambientais de nossa sociedade.

32O autor realiza no decorrer da maior parte do seu livro previsões de como será a sociedade futura no contexto da terceira revolução industrial, prevendo a diminuição da importância da propriedade, o aumento da democracia, mudanças drásticas na educação, na política, e, sobretudo nos seres humanos. Consideramos que são questões complexas, que envolvem inúmeros aspectos que não podem ser respondidos apenas a partir da mudança da matriz energética e da expansão do compartilhamento de informações em uma sociedade interconectada.

33Assinalamos que a abordagem do autor sobre a continentalização não nos faz sentido, porque se apresenta apenas como a expansão e talvez a consolidação da mundialização atual que foi impulsionada no Pós-Guerra Fria. É interessante refletir que nesse período consideramos que a ordem mundial se tornou multipolarizada. Mas a escolha da União Europeia em colocar em prática medidas para ingressar no que Rifkin chama de terceira revolução industrial, a opção dos EUA em priorizar o modelo atual baseado nos combustíveis fósseis, e a posição aparentemente de “indefinição” de algumas potências do mundo (sobretudo asiáticas) em qual modelo priorizar, poderá no futuro a partir do fracasso/sucesso de suas escolhas definirem uma nova ordem internacional, ainda assim multipolarizada ou até mesmo um retorno à bipolaridade.

Haut de page

Notes

1  RIFKIN, Jeremy. O Fim dos Empregos: o declínio inevitável dos níveis dos empregos e a redução da força global de trabalho. São Paulo: Makron Books, 1995.

2  RIFKIN, Jeremy. A Era do Acesso. São Paulo: Makron Books, 2001.

3  RIFKIN, Jeremy. A Economia do Hidrogênio. São Paulo: Makron Books, 2003.

4  RIFKIN, Jeremy. O Sonho Europeu: como a visão europeia do futuro vem eclipsando silenciosamente o sonho americano. São Paulo: Makron Books, 2005.

5  RIFKIN, Jeremy. The Empathic Civilization: the race to global consciousness in a world in crisis. New York: J.P. Tarcher/Penguin, 2010.

6  O Conselho da União Europeia adotou esse pacote em  2008 com o objetivo de reduzir até o ano de 2020: 20% as emissões de gases com efeito de estufa, aumentar em 20% a eficiência energética e utilizar 20% de energias renováveis no consumo total de energia.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Rafael Oliveira Fonseca, « La troisième révolution industrielle  », Confins [En ligne], 19 | 2013, mis en ligne le 04 décembre 2013, consulté le 27 mai 2017. URL : http://confins.revues.org/8682

Haut de page

Auteur

Rafael Oliveira Fonseca

Doutorando e Mestre em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo – USP/FFLCH/DG, Departamento de Geografia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São São Paulo/USP, rafa.ofonseca@gmail.com

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org