Navigation – Plan du site

As novas configurações do espaço agrário no Rio Grande do Sul / Brasil: da pecuária tradicional ao complexo agroindustrial da soja

Les nouvelles configurations de l'espace agraire du Rio Grande do Sul / Brésil : de l'élevage traditionnel au complexe agroindustriel du soja
Vinicius Silva Moreira et Rosa Maria Vieira Medeiros

Résumés

L'espace agraire d'État du Rio Grande do Sul/Brésil a souffert des significatives transformations pendant les dernières décades. Le scénario a été le nord-ouest sud-riograndense, lieu originaire des Réductions Jésuitiques du Sept Peuples Missionnaires, avec une économie basée sur l'élevage extensive de bétail, que plus tard se consolide comme le latifundium pastoral. Dans la même surface, pendant les années 1970, il y a une fragmentation partiale dans les fermes et une restructuration va se passer vers le louer ou la vente des propriétés en faveur de l'agrobusiness du soja. L'objectif de cette recherche est, donc, identifier l'évolution de la restructuration spatiale de cet État brésilien, entre 1975 et 2006, en analysant les changements productifs et fonciers qui sont responsables de la nouvelle configuration spatiale. La méthodologie à être suivie est l'analytique-descriptive fondée sur la sortie sur le terrain, les observations et les entretiens avec les agriculteurs et propriétaires ruraux, ajoutée par d'autres informations qualifiées.

Haut de page

Texte intégral

Gênese Socioeconômica do Rio Grande do Sul

1A ocupação ibérica no atual Estado do Rio Grande do Sul começou em 1626 com os primeiros jesuítas (espanhóis) que cruzam o rio Uruguai para catequizar os índios guaranis, esse ato foi incentivado pelo governador do Paraguai Saavedra para colonizar o território que, pelo Tratado de Tordesilhas, era do Império Espanhol. Assim, a presença da Companhia de Jesus onde hoje é o Rio Grande do Sul deu-se primeiramente pela fundação das 18 Reduções Jesuíticas do Tape, com o objetivo de barrar o avanço português em direção a Potosi e Região do Prata.

2A continuidade das Reduções do Tape foram insustentáveis por vários motivos: primeiro por ser um local longínquo da civilização do Prata, – Buenos Aires Assunção e Montevidéu – principais cidades da época; segundo por localizar-se em uma vasta área de difícil acesso; terceiro devido às epidemias, que reduziam drasticamente a população indígena e, por último, devido ao surgimento dos bandeirantes que capturavam os índios com a finalidade de vendê-los como escravos no sudeste brasileiro. Ela findou-se em 1638 e seus remanescentes migraram para outras áreas, para a atual República da Banda Oriental do Uruguai e para a atual República da Argentina. (Costa, 1991)

3Em 1682 os Jesuítas retornam ao Rio Grande do Sul, cruzam novamente o Rio Uruguai e fundam os Sete Povos das Missões que serviu como instrumentos de expansão européia e cristã independentes das Coroas Ibéricas, possuindo em sua base econômica a erva-mate, criação da pecuária bovina extensiva. (Mapa 01)

4Com o Tratado de Madri no ano de 1750, a Coroa Espanhola abdica dos Sete Povos das Missões em troca da Colônia de Sacramento na província da Cisplatina (atual República da Banda Oriental do Uruguai). Com isso, a Coroa Portuguesa no mesmo ano e anos subseqüentes, realiza a colonização de famílias açorianas com o objetivo de povoar e ocupar o novo território que outrora fora litigiosamente disputado.

5No período entre 1754 e 1756 a Coroa Portuguesa expulsa os padres jesuítas que eram espanhóis, dos Sete Povos das Missões; dessa forma, os índios guaranis não aceitando esse ato, entram em conflito com os portugueses e são dizimados com suas reduções, assim caracterizando a Guerra Guaranítica e o fim dos Sete Povos Missioneiros.

MAPA 01 – Localização dos Sete (7) Povos das Reduções Jesuíticas no Estado do Rio Grande do Sul / Brasil.

MAPA 01 – Localização dos Sete (7) Povos das Reduções Jesuíticas no Estado do Rio Grande do Sul / Brasil.

Fonte: Desenvolvido no Núcleo de Estudos Agrários – NEAG / UFRGS, Organização: Vinicius Silva Moreira

6Dessa maneira, a Coroa Portuguesa intensifica a política de distribuição de terras por meio de doação de sesmaria, que representava a exploração econômica da terra de maneira rápida, tendo fundamentado a organização social e do trabalho desenvolvido no Brasil, assim como o latifúndio monocultor e escravagista. A sesmaria já aprovada pela carta régia de 27 de dezembro de 1695, equivalia a 4 léguas quadradas, correspondendo a uma área de superfície retangular de 1 légua de testada por 4 léguas de fundo, portanto, a propriedade rural no Rio Grande do Sul tem sua gênese com vastas áreas de terra e com a pecuária ultra-extensiva como alternativa econômica.

7A partir do início do séc. XVIII, com a extração de ouro e pedras preciosas em Minas Gerais, surge a necessidade de alimentar a mão-de-obra escrava que dedicava tempo integral a mineração, dessa forma, o Rio Grande do Sul entra no cenário colonial na produção de charque destinado a alimentar a mão-de-obra escrava.

8Portanto, a formação socioeconômica e territorial no Rio Grande do Sul tem sua gênese ligada aos estancieiros, senhores guerreiros detentores da terra e com uma patente do oficialato militar colonial, assim, resultando no fortalecimento do poder privado e sustentando economicamente o Estado através da pecuária extensiva no latifúndio pastoril.

9A pecuária de bovinos sempre foi um setor tradicional na economia Gaúcha, mas na década de 1970, essa realidade começou a ter outra configuração, ou seja, uma agricultura altamente capitalizada em prol da produção da leguminosa soja.

10A área ocupada com a lavoura empresarial da soja tem uma característica especial, com rotatividade de cultura no inverno com a lavoura de trigo, ou aveia, ou azevém, empregando técnicas associadas com a adubação química, utilização de agrotóxico e forte mecanização (colheitadeiras, tratores, ceifadeiras, arados, etc.), seguindo o modelo da modernização da agricultura.

As transformações capitalistas no agrário Gaúcho com a criação dos Complexos Agroindustriais (CAIs) da Soja

11As transformações na agricultura brasileira são discutidas por diversos autores, no que tange a utilização de novas técnicas e o aumento da divisão social do trabalho. O espaço agrário começa a se modificar a partir do ano de 1850, com o fim do Tráfico de Escravos e em 1888 com a abolição da escravatura, pois esses fatos determinaram uma mudança nas relações de trabalho.

12De acordo com Müller (1989, p.20), no Brasil houve três padrões agrários principais “entre 1870 e 1930 predominou o padrão latifúndio-minifúndio, entre esta última data e 1960, (...) surgimento de conexões mais acentuadas entre agricultura e agroindústria. Entre 1960 e 1990 passou a predominar o padrão agrário moderno, industrializado”.

13O Complexo Rural era determinado pelas flutuações do comércio exterior, onde a produção agrícola ocupava apenas parte dos meios de produção existentes. Nas próprias fazendas se produziam não só as mercadorias para exportação, mas também manufaturas e equipamentos simples para produção, transportes e habitação, ou seja, o Complexo Rural não dependia da compras de insumos (sementes, adubos, fertilizantes, etc.) e não estava interligado com a indústria. Havia a separação dos setores da economia.

14Esse tipo de agricultura também se denomina de tradicional, caracterizado pela utilização intensiva dos recursos naturais, ou seja, a fertilidade natural do solo e a mão-de-obra direta (Brum, 1988; Graziano da Silva, 1982).

  • 1  CEPAL é o organismo da ONU responsável para a promoção do desenvolvimento econômico e social da Am (...)

15As transformações ocorridas no campo brasileiro a partir de 1960/70, com a modernização tecnológica da agricultura, influenciaram decisivamente no que toca a questão agrária. Conforme a Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (Cepal)1, era necessário modernizar o setor e elevar o padrão de vida das populações rurais, de forma que elas pudessem também se constituir em um mercado consumidor para as indústrias emergentes, eliminando o arcaico do meio rural, para desempenhar eficazmente o papel da agricultura, provendo matéria prima para a indústria nacional, que nascia e alimentando a crescente população urbana brasileira.

16Então, o padrão agrícola brasileiro começa a mudar através de políticas de financiamento para compras de insumos e máquinas, além de uma integração entre os setores primário e secundário. Essas mudanças causaram alguns impactos socioeconômicos para a sociedade brasileira, principalmente para os pequenos agricultores.

17Os municípios gaúchos, tanto nos seus setores agrícola, quanto pecuário sofreram consideráveis transformações, ou seja, seus objetivos cada vez mais vinculados ao mercado exterior. Desta forma, a produção tem uma nova finalidade, isto é, um modelo agroexportador que é atingido com a produção da soja no Centro-Norte, Norte e Noroeste do Estado; com destaque para os Municípios de Palmeira das Missões, Santo Ângelo e Cruz Alta, como pode ser visualizado no mapa temático 3.

18Por outro lado, a pecuária extensiva considerada tradicional apresenta significativa diminuição provocada, principalmente, pelo incentivo governamental empregando a tecnologia na agricultura brasileira que força uma despecuarização espacial no Centro-Norte do Rio Grande do Sul. (Mapa 2) Com isso, nota-se que, o setor agrário gaúcho, recebe altos investimentos na agroexportação, deixando em segundo plano a pecuária e a agricultura familiar.

19A visão empreendedora no agrário gaúcho refletida em um futuro aumento de produtividade, colocando a agricultura empresarial com ênfase sobre a pecuária é algo já presente no início do século passado, pois Kliemann (1986, p. 81) nos traz que:

Em 1908, a opinião do secretário da Fazenda do RS era que: A roça apresenta a terra amanhada, gorda, mas limita o trabalho do homem, estreita, dá pequenos lucros. Na vida agrícola, para vencer, não basta hoje ter músculos e ter vontade, é preciso espírito progressista e fazer uso dos aparelhos que centuplicam a produção animal. Precisamos pois fugir dos matos para os campos. Carreguemos o húmus das florestas para fertiliza-las e preparemos os adubos químicos apropriados para aumentar a sua produtividade. Roteemos a vapor, os campos que não se prestarem à indústria pastoril, cavemos fundos micos na terra, substituamos saraquá pela semeadora, substituamos em regra, os nossos braços por máquinas e não teremos mais que comprar aos vizinhos os alimentos que as nossas terras e o nosso clima podem dar-nos na quantidade precisa.

Mapa 02 - Relação entre a área da pecuária e da soja no Rio Grande do Sul – 1975

Mapa 02 - Relação entre a área da pecuária e da soja no Rio Grande do Sul – 1975

Fonte: Censo Agropecuário IBGE 1975

20Tudo isso, culminou e efetivou-se a partir de um forte incentivo governamental, ocorrido principalmente nas décadas de 70/80 (Milagre Econômico), para a produção da agricultura, visando a agroexportação, assim, supostamente, trazendo divisas para o Brasil.

Mapa 03 - A área da sojicultua no Rio Grande do Sul em 1975

Mapa 03 - A área da sojicultua no Rio Grande do Sul em 1975

Fonte: Censo Agropecuário IBGE 1975

21Para ser implantada essa nova ordem no campo brasileiro; o país foi passível de um modelo na sua agricultura, esse modelo, o modelo agroexportador, no princípio de sua implantação não atendeu todas as regiões e os indivíduos.

22Posteriormente, algumas regiões atendidas com a modernização tinham disparidades internas, ou seja, algumas microrregiões com alta tecnologia e outras áreas circunvizinhas deficitárias de modernização. Reforçando essa discussão, Mesquita; Gusmão (1977, p. 64), nos dizem que:

No Brasil a modernização da agricultura se apresenta com grandes desequilíbrios espaciais, já que se restringe, praticamente, às Regiões Sudeste e Sul, ficando grandes extensões territoriais posicionadas abaixo da média nacional de modernização. Mesmo nas áreas modernizadas são elevadas as disparidades internas e é justamente o fato de existirem microrregiões com índices muito expressivos de modernização que explica a presença de uma vasta área não modernizada, quando se aprecia a melhoria das atividades agrárias relativamente a valores médios em termos nacionais.

23Dessa forma, sendo empregada a modernização na agricultura, existiu um retorno financeiro em curto prazo, uma vez que, a agricultura necessita de menor tempo que a pecuária para ter seu produto final, conseqüentemente, o lucro era maior e mais rápido. Com isso, a relegada pecuária extensiva fica destinada ao deficitário abastecimento interno nacional, mas continua com o latifúndio em seu poder. Segundo Navarro; Riedl (1998, p. 223):

O latifúndio, entendido como uma forma de propriedade típica do meio rural brasileiro, caracterizado por exercer padrões de dominação política clientelística e exploração econômica extensiva, de baixa produtividade, tem diminuído em número no Estado, em razão de seu recente processo de modernização.

24Mas vale lembrar, que a agricultura empresarial, apenas ocupou essas áreas através do arrendamento, ou seja, a concentração de terras ficou mascarada pela modernização. Assim, no ano de 1985 a soja se consolida alicerçada pela modernização no Centro-Norte e Noroeste Gaúcho, ocupando áreas que um dia foram tradicionais da pecuária, como por exemplo, a região das Missões. Em destaque, os municípios de Palmeira das Missões, Santo Ângelo e Cruz Alta como os detentores de maior área destinada a sojicultura. (Mapa 4 e 5)

Mapa 04 - Relação entre a área da pecuária e da soja no Rio Grande do Sul – 1985

Mapa 04 - Relação entre a área da pecuária e da soja no Rio Grande do Sul – 1985

Fonte: Censo Agropecuário IBGE 1985

25A modernização da agricultura oculta o latifúndio, que através do arrendamento dá uma nova face ao mesmo com uma alta produtividade da lavoura empresarial e, também oculta à grande propriedade, com vários estabelecimentos rurais, assim, propiciando ao proprietário do latifúndio viver da renda da terra sem trabalhá-la.

Considerando que a pecuária extensiva de bovinos tem tradição histórica na economia gaúcha, conforme se destaca esta preferência, pois a criação de bovinos ocupou um espaço significativo, gerando condições econômicas futuras através da criação de gado tanto intensiva como extensiva e, ao contrario da agricultura, não requereu para si um trabalho intensivo de mão-de-obra.

Mapa 05 - A área da sojicultua no Rio Grande do Sul em 1985

Mapa 05 - A área da sojicultua no Rio Grande do Sul em 1985

Fonte: Censo Agropecuário IBGE 1985

26Neste contexto, a agricultura da soja se insere no desenvolvimento econômico, a partir de um intenso processo de modernização, que aponta melhoria quantitativa e qualitativa da produção.

Assim, pode-se dizer que a possibilidade de rotação da soja com outras culturas, sobretudo o trigo, originando o binômio trigo/soja em regime de consórcio. Essas culturas foram consorciadas devido as suas características sazonais e a presença de uma intensa modernização inserida no processo de cultivo.

27A modernização da agricultura no Rio Grande do Sul iniciou via mecanização da lavoura gaúcha em áreas tradicionalmente pertencentes à pecuária extensiva e, em estabelecimentos de porte considerável, mesmo assim, isso representa obtenção de lucros pelos proprietários rurais. Entretanto, o cultivo da soja não se consolida de forma homogênea no Estado, pois a metade sul no ano de 1995, ainda destina majoritariamente suas áreas para a pecuária extensiva. Em contraponto, o Centro-Norte e Noroeste Gaúcho firmam sua relação com a lavoura capitalizada da soja e um novo Município entra no cenário estadual – Tupanciretã – como o maior produtor em área dessa leguminosa, sendo que, Palmeira das Missões e Cruz Alta tornam-se tradicionais nesse cultivo. (Mapa 6 e 7)

28A lavoura empresarial caracterizou-se pelo segmento produtivo que, pautado por relações capitalistas de produção do trabalhador, visa à contínua valorização do capital para dar prosseguimento ao processo de acumulação, mediante a ampliação dos recursos técnicos (máquinas, implementos, fertilizantes químicos, agrotóxicos, etc.) e do emprego da força do trabalho permanente e temporária, usando para a efetividade desta combinação terras arrendadas e algumas próprias.

Mapa 06 - Relação entre a área da pecuária e da soja no Rio Grande do Sul – 1995

Mapa 06 - Relação entre a área da pecuária e da soja no Rio Grande do Sul – 1995

Fonte: Censo Agropecuário IBGE 1995

  • 2  Revolução Verde foi um programa que tinha como objetivo explícito contribuir para o aumento da pro (...)

29Esse processo de modernização da agricultura surgiu junto com a Revolução Verde2 para proporcionar aumento de produtividade nas propriedades. Essas modificações obtiveram resultados positivos em países que fizeram uma reforma agrária, significativamente negativa, em países que não fizeram uma reforma agrária. Brum (1988) expõe de forma clara sobre a Revolução Verde e a reforma agrária:

30Nos países em que, concomitantemente à ‘Revolução Verde’, foi implantada a reforma da estrutura agrária, com redivisão e redistribuição das terras, ou se fez alguma alteração estrutural na forma de propriedade, posse e uso da terra, os resultados foram significativamente positivos, com benefícios sensíveis para a maioria da população. Porém, nos países, como o Brasil, em que a ‘Revolução Verde não foi acompanhada de uma reforma agrária, mas apenas um sucedâneo desta, resultaram graves conseqüências, tanto de ordem econômica como principalmente sociais (...) uma minoria apenas dos agricultores, aqueles que se estruturaram de forma empresarial - a nova burguesia rural - foram mais ou menos favorecidos, enquanto os mais fracos - os pequenos proprietários rurais - foram e vão sendo progressivamente marginalizados do processo. (BRUM, 1988, p.50).

Mapa 07 - A área da sojicultua no Rio Grande do Sul em 1995

Mapa 07 - A área da sojicultua no Rio Grande do Sul em 1995

Fonte: Censo Agropecuário IBGE 1995

31Em 1964, foi criado o Estatuto da Terra (Lei 4.504), durante o Regime Militar que estabeleceu uma nova ordem econômica, vinculada ao capital oligopolista internacional, consolidando o processo de modernização conservadora, mantendo a grande propriedade e obstaculizando o processo de transformação fundiária e reforma agrária (Brum, 1988; Tambara, 1985).

32O Estado atuou com força para a integração indústria-agricultura, sobre tudo através de subsídios creditícios, incentivos fiscais e toda a bateria de políticas incentivadoras das exportações, assim, nascendo a terminologia desse processo como “Complexo Agroindustrial”.

33Dessa forma, o processo de integração indústria/agricultura foi designado por Müller (1989, p. 18) de Complexo Agroindustrial, onde o padrão agrário brasileiro entra em transformação: “A produção agrária não se acha apenas na dependência das solicitações do comércio, mas também de um conjunto de indústrias que têm nas atividades agrárias seus mercados. A dupla dependência destas atividades implica na mudança de padrão agrário “.

34O Complexo Agroindustrial no entendimento de Müller (1989, p. 23) “é uma forma de unificação das relações interdepartamentais com os ciclos econômicos e as esferas da produção, distribuição e consumo, relações essas associadas às atividades agrárias”, assim, para se produzir nas atividades agropecuárias deve ser de forma dinâmica e moderna. Dessa maneira, Marafon (1998, p. 7) afirma que: “O termo Complexo Agroindustrial tem sido utilizado para rotular articulações entre os setores agrícolas e industriais, que vêm ocorrendo na agricultura brasileira.”

35Antes os Complexos Rurais eram de certa forma independente, a agricultura produzia os seus próprios adubos, hoje são adquiridos de fora; antes se criava os próprios animais para a tração, hoje os animais foram substituídos por tratores. Mudaram-se também as atividades produtivas dos complexos, onde se passou a criar vários complexos, como o da soja, canavieiro, ou seja, não se pode mais falar de agricultura para o mercado interno ou para mercado externo, pois cada complexo passou a ser tanto exportador, como para consumo interno no país (Graziano da Silva, 1994).

36O processo de modernização eleva o consumo intermediário na agricultura, indicando uma crescente dependência da agricultura de compras industriais para a produção de suas mercadorias. O processo da constituição dos Complexos Agroindustriais e a dinâmica da modernização da agricultura causaram dois efeitos latentes para a sociedade, conforme argumenta Graziano da Silva:

Esse processo foi profundamente desigual, eu diria até mesmo parcial; seja por região, produto, tipo de lavoura, tipo de cultura, tipo de produtor, principalmente; ou seja, aqueles produtores menos favorecidos tiveram menos acesso às facilidades de crédito, aquisição de insumos, máquinas, equipamentos, etc e apresentaram graus menores de evolução, especialmente da sua produtividade (...) Uma segunda característica desse processo é que ele foi profundamente excludente, quer dizer, ele não foi só desigual como também foi excludente. Ele atingiu uns poucos e fez com que alguns poucos chegassem ao final desse processo (1994, p. 138-139).

37A moderna agricultura esconde alguns “desequilíbrios” inevitáveis e indesejáveis, como a concentração fundiária, êxodo rural, superexploração dos empregados e a concentração da renda. Pois, “o desenvolvimento capitalista se fez gerando profundas riquezas, concentrando riquezas e concentrando, do outro lado, miséria” Graziano da Silva (1994, p. 139).

38Portanto, o último Censo Agropecuário de 2006 revela que a sojicultura está consolidada na metade Norte do Estado fazendo parte do calendário anual agrícola, com um complexo altamente produtivo e desenvolvido em três municípios vizinhos (Cruz Alta, Tupanciretã e Júlio de Castilhos) e, sempre buscando novas áreas mais ao Sul para a reprodução do capital a qual ela representa. (Mapa 8 e 9)

Mapa 08 - Relação entre a área da pecuária e da soja no Rio Grande do Sul – 2006

Mapa 08 - Relação entre a área da pecuária e da soja no Rio Grande do Sul – 2006

Fonte: Censo Agropecuário IBGE 2006

39Para Romeiro (1994, p.125) o grande problema da “modernização conservadora” é que:

O aumento da produção agrícola acompanha necessariamente o processo de crescimento econômico, mas não é condição suficiente para que haja desenvolvimento socioeconômico, entendido este último como um processo que eleva a qualidade de vida da população como um todo.

40Nesse contexto, “a estrutura fundiária da agricultura brasileira evoluiu num sentido concentrador e excludente ao longo dos anos 1970, no sentido de evitar qualquer tipo de acesso a terra aos trabalhadores rurais brasileiros” Graziano da Silva (1999, p. 117). E ainda mais, o Estado foi o “suporte” para o aumento dessa desigualdade socioeconômica, com políticas de crédito e financiamento. A política de crédito rural subsidiado, não apenas permitiu reunificar os interesses das classes dominantes, em torno da estratégia de modernização conservadora da agropecuária brasileira, como também possibilitou ao Estado Federal restabelecer o seu poder regulador macroeconômico, mediante uma política monetário-financeira expansionista. Não é sem outra razão, que a política de crédito rural é considerada o carro-chefe da política de modernização até o final dos anos 1970.

Mapa 09 - A área da sojicultura no Rio Grande do Sul em 2006

Mapa 09 - A área da sojicultura no Rio Grande do Sul em 2006

Fonte: Censo Agropecuário IBGE 2006

41Dentro dessa situação, as políticas agrícolas, beneficiaram a expansão da modernização da agricultura, favorecendo uma minoria, excluindo uma parcela de agricultores, concentrando terra e renda. Ainda, acredita que não haja outra maneira de reverter o processo de concentração - não de propriedade, mas de renda - no campo sem fazer uma Reforma Agrária. Um dos problemas da modernização da agricultura é que ela criou um problema a mais em termos sociais, quando expulsa os agricultores do campo para cidade, marginalizando-os, residindo em favelas. Nesse caso, “a modernização da agricultura não foge a regra: os seus efeitos perversos ameaçam esvaziar os campos e inchar as cidades, transformando a crise agrária em crise urbana” observa Graziano da Silva (1999, p. 135).

42Observa-se que a pequena propriedade familiar é a mais prejudicada pela capitalização do campo, principalmente devido à monocultura. Como há necessidade de plantar o máximo, para garantir o lucro, a pequena propriedade acaba abdicando da lavoura de subsistência.

43Dessa forma, a exigência de escala mínima de produção é fator determinante para os pequenos agricultores abandonarem suas atividades, levando milhares de agricultores à ruína. Dessa forma, Graziano da Silva (1999, p.135) nos indaga perguntando: “Se a modernização da agricultura tende a agravar as já agudas desigualdades sociais, deve-se, então, tentar abrandar seus efeitos freando o próprio processo?”

44Portanto, quando se fala da ascensão econômica do Complexo Agroindustrial, é preciso lembrar que essa evidente superioridade decorre em grande parte das regalias com que a grande produção agrária foi apreciada durante os 20 anos da ditadura militar. A modernização da agricultura beneficiou o aumento da participação relativa das camadas mais ricas na apropriação da renda total, e no caso do Rio Grande do Sul, conserva-se a elite fundiária ao sul do Estado e, surge uma nova elite, a elite do agronegócio no Centro-Norte e Noroeste gaúcho.

Considerações Finais

45Agricultura Empresarial representa o capital no meio rural, e o capital investido nesse território, torna-o muito dinâmico em relação ao território da pecuária.

46Dessa forma, o prestígio econômico e o status social que a pecuária outrora tinha é substituído pela soja, mas é relevante salientar que a maioria dos sojicultores não são proprietários das terras em que plantam. Mas o território da pecuária, em nossos dias, não unanimemente, tolera de forma mais passível o território da agricultura empresarial, isso demonstra que há apenas os laços de interesses em torno do capital através do arrendamento da terra.

47O território da Agricultura Empresarial é um espaço de relações dinâmicas, que geram fluxos econômicos para Tupanciretã, esse fato, deve-se aos financiamentos, que chegam ao sistema financeiro local, com esse capital é comprado insumos, que na sua maioria vem direto das fábricas para as lavouras e, uma pequena parcela adquirida no Município. Posterior a colheita, a produção é comercializada para quitar os financiamentos e fornecedores.

Haut de page

Bibliographie

Portanto, é dessa forma que o território da Agricultura Empresarial alicerçado unicamente na produção da soja, se implanta e se efetiva no território da pecuária.

Brum A J., Modernização da agricultura – trigo e soja, Ijuí, Vozes, 200p., 1987.

Costa F., Terra de Vila Rica: Contribuição ao Estudo da História do Município de Júlio de Castilhos, 1 ed. Júlio de Castilhos, Prefeitura Municipal de Júlio de Castilhos, 480p., 1991.

Fundação Instituto Brasileirode Geografiae Estatística (FIBGE), Censo Agropecuário de 1960, 1970 e 1980. Rio de Janeiro: Rio de Janeiro.

Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (FIBGE), Censo Agropecuário de 1990 e 2000. Disponível em: <http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/listab.asp?c=1612&z=t&o=11>. Acesso em: 25 abr. 2006.

Graziano da Silva J., A modernização Dolorosa: estrutura agrária, fronteira agrícola e trabalhadores rurais no Brasil, Rio de Janeiro, Zahar, 1982.

Graziano da Silva J.A., “O desenvolvimento do capitalismo no campo brasileiro e a reforma agrária”, In J.P. Stédile (Coord.), A questão agrária hoje, Porto Alegre, Ed. UFRGS, 1994, p. 137-143..

Graziano da Silva J.A, Tecnologia e Agricultura Familiar, Porto Alegre, Ed. UFRGS, 1999.

Kliemann L.H.S., RS: Terra e Poder – História da questão agrária, Porto Alegre, Mercado Aberto, 176 p., 1986.  (Documenta, 21)

Marafom J.G., “Industrialização da Agricultura e Formação do complexo Agroindustrial no Brasil”, Revista do Departamento de Geografia da UERJ, RJ, n. 3, p. 7-21, junho de 1998.

Müller G., Complexo agroindustrial e modernização agrária, São Paulo, Hucitec/Educ, 150p., 1989.

Navarro Z. S., Riedl M., “Reforma agrária na região sul”, In B.V. Schmidt, D.N.C. Marinho, S.L.C. Rosa (Org.), Os assentamentos de reforma agrária no Brasil, Brasília, Ed. da UnB, 1998, p. 221-236.

Romeiro A.R., “Reforma agrária e distribuição de renda”, In J.P. Stédile (Coord.), A questão agrária hoje, Porto Alegre, Ed. UFRGS, 1994, p. 105-136.

Tambara E., RS: modernização & crise na agricultura, Porto Alegre, Mercado Aberto, 95p., 1985.

Haut de page

Annexe

Metodologia

Para a confecção dos mapas temáticos desse trabalho foi utilizado o software Philcarto, o qual teve o suporte da base cartográfica do Estado do Rio Grande do Sul e os dados dos Censos Agropecuários do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, anos de 1975, 1985, 1995 e 2006 dispostos em formato de planilha Microsoft Excel.

Os dados dos Censos Agropecuários de 1975 e 1985 foram levantados em trabalho de pesquisa nos anuários impressos da biblioteca do IBGE e, os dados de 1995 e 2006 foram apanhados através de pesquisa na internet através do portal do IBGE, link Acervo – SIDRA

Haut de page

Notes

1  CEPAL é o organismo da ONU responsável para a promoção do desenvolvimento econômico e social da América Latina, criado no ano de 1948, que teve como premissas de atividades os seguintes pontos: Anos 1950: Industrialização; Anos 1960: "reformas para desobstruir a industrialização”; Anos 1970: reorientação dos "estilos" de desenvolvimento para a homogeneização social e para a diversificação pró-exportadora; Anos 1980: superação dos problemas da dívida externa mediante o "ajuste com crescimento"; Anos 1990: transformação produtiva com eqüidade. Fonte: http://www.eclac.org

2  Revolução Verde foi um programa que tinha como objetivo explícito contribuir para o aumento da produção e da produtividade agrícola no mundo, através do desenvolvimento de experiências no campo da genética vegetal para a criação e multiplicação de sementes adequadas às condições dos diferentes solos e climas e resistentes às doenças e pragas, bem como da descoberta e aplicação de técnicas agrícolas ou tratos culturais mais modernos e eficientes. (Brum, 1988, p.44)

Haut de page

Table des illustrations

Titre MAPA 01 – Localização dos Sete (7) Povos das Reduções Jesuíticas no Estado do Rio Grande do Sul / Brasil.
Crédits Fonte: Desenvolvido no Núcleo de Estudos Agrários – NEAG / UFRGS, Organização: Vinicius Silva Moreira
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8805/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 440k
Titre Mapa 02 - Relação entre a área da pecuária e da soja no Rio Grande do Sul – 1975
Crédits Fonte: Censo Agropecuário IBGE 1975
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8805/img-2.png
Fichier image/png, 166k
Titre Mapa 03 - A área da sojicultua no Rio Grande do Sul em 1975
Crédits Fonte: Censo Agropecuário IBGE 1975
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8805/img-3.png
Fichier image/png, 174k
Titre Mapa 04 - Relação entre a área da pecuária e da soja no Rio Grande do Sul – 1985
Crédits Fonte: Censo Agropecuário IBGE 1985
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8805/img-4.png
Fichier image/png, 166k
Titre Mapa 05 - A área da sojicultua no Rio Grande do Sul em 1985
Crédits Fonte: Censo Agropecuário IBGE 1985
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8805/img-5.png
Fichier image/png, 174k
Titre Mapa 06 - Relação entre a área da pecuária e da soja no Rio Grande do Sul – 1995
Crédits Fonte: Censo Agropecuário IBGE 1995
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8805/img-6.png
Fichier image/png, 181k
Titre Mapa 07 - A área da sojicultua no Rio Grande do Sul em 1995
Crédits Fonte: Censo Agropecuário IBGE 1995
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8805/img-7.png
Fichier image/png, 175k
Titre Mapa 08 - Relação entre a área da pecuária e da soja no Rio Grande do Sul – 2006
Crédits Fonte: Censo Agropecuário IBGE 2006
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8805/img-8.png
Fichier image/png, 183k
Titre Mapa 09 - A área da sojicultura no Rio Grande do Sul em 2006
URL http://confins.revues.org/docannexe/image/8805/img-9.png
Fichier image/png, 178k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Vinicius Silva Moreira et Rosa Maria Vieira Medeiros, « As novas configurações do espaço agrário no Rio Grande do Sul / Brasil: da pecuária tradicional ao complexo agroindustrial da soja », Confins [En ligne], 20 | 2014, mis en ligne le 07 mars 2014, consulté le 25 mars 2017. URL : http://confins.revues.org/8805 ; DOI : 10.4000/confins.8805

Haut de page

Auteurs

Vinicius Silva Moreira

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGSvinimoreirageo@yahoo.com.br

Rosa Maria Vieira Medeiros

Professora Doutora do Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGSrmvmedeiros@ufrgs.br

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Confins – Revue franco-brésilienne de géographie est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d’Utilisation Commerciale - Partage dans les Mêmes Conditions 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Revue soutenue par l’Institut des sciences humaines et sociales du CNRS
  • Logo DOAJ - Directory of Open Access Journals
  • Logo Index Latindex
  • Logo IHEAL (Institut des Hautes Études de l'Amérique Latine)
  • Logo CREDA (Centre de recherche et de Documentation sur les Amériques)
  • Logo USP (Universidade de São Paulo)
  • Revues.org